Vidros de controle solar

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Vidros de controle solar"

Transcrição

1 Vidros de controle solar ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal 1

2 PROPRIEDADES IMPORTANTES FATOR SOLAR E RESISTÊNCIA TÉRMICA 2

3 Fator solar do vidro TRASMISSÃO ABSORÇÃO REFLEXÃO 3

4 Fator solar do vidro FATOR SOLAR TRANSMISSÃO + ABSORÇÃO irradiada para o interior 4

5 Fator solar do vidro Vidro incolor 6mm Fator Solar 82% 5

6 Fator solar do vidro duplo Vidro incolor 6mm Duplo Fator Solar 76% 6

7 Fator solar do vidro duplo O Fator Solar também é apresentado conforme a norma norte-americana: Vidro incolor 6mm Duplo Fator Solar 76% SHGC = Solar Heat Gain Coefficient 7

8 Fluxo de calor pelo vidro 24 C 32 C 8

9 Fluxo de calor pelo vidro monolítico vidro Ar interno Ar externo fluxo de calor 24 C 32 C Um vidro apenas oferece pouca resistência ao fluxo de calor 9

10 Fluxo de calor pelo vidro duplo Vidro 2 Ar Vidro 1 A câmara de ar oferece boa resistência ao fluxo de calor 10

11 Fluxo de calor através de um vidro insulado INT. EXT. 11

12 Resistência térmica Alvenaria Vidro simples Vidro duplo 0,40 m².k/w 0,20 m².k/w 0,35 m².k/w 12

13 Radiação solar UV 2% Visível 49% Infravermelho 49% 13

14 Radiação solar 14

15 Radiação solar: analogia com areia... Diversos comprimentos de onda Diversos tamanhos de grão 15

16 Radiação solar: analogia com areia... Diversos comprimentos de onda Diversos tamanhos de grão Filtro = vidro Filtro = peneira 16

17 Propriedades ópticas importantes Transmissão energética (ou solar) Calor Luz Emissão ondas longas Reflexão solar (frente) Reflexão solar (verso) Absorção Transmissão visível (ou luminosa) Reflexão visível (frente) Reflexão visível (verso) Absorção Emissividade (frente) Emissividade (verso) 17

18 18

19 19

20 20

21 21

22 22

23 23

24 Vidros coloridos X Vidros Low-E 24

25 Vidros Low-e -Superfície metalizada (coating) de baixa emissividade -Diminui a emissão de calor por radiação -Geralmente utilizado com câmara de ar para proteção do coating 25

26 Vidros Low-e -Superfície metalizada (coating) de baixa emissividade -Diminui a emissão de calor por radiação -Geralmente utilizado com câmara de ar para proteção do coating Low-e Radiação onda longa exterior ar interior 26

27 Vidros Low-e -Superfície metalizada (coating) de baixa emissividade -Diminui a emissão de calor por radiação -Geralmente utilizado com câmara de ar para proteção do coating Low-e Low-e Radiação onda longa Radiação onda curta exterior ar interior exterior ar interior 27

28 Vidros Low-E em clima frio 28

29 Vidros Low-E em clima frio 29

30 Fluxo de calor pela janela 30

31 Fluxo de calor pela janela 31

32 Fluxo de calor pela janela 32

33 Fluxo de calor pela janela 33

34 Fluxo de calor pela janela 34

35 Fluxo de calor pela janela 35

36 Fluxo de calor pela janela 36

37 Fluxo de calor pela janela 20 C 24 C 37

38 Fluxo de calor pela janela 20 C 24 C 38

39 Tamanhos de chapas GUARDIAN CEBRACE 2200 x 3210 mm 2250 x 3210 mm 2400 x 3210 mm 2540 x 3210 mm 39

40 FABRICAÇÃO E TIPOS DE VIDROS 40

41 Cadeia Produtiva TEMPERADO LAMINADO EXTRAÇÃO DE MINERAIS NÃO FERROSOS FABRICAÇÃO DE VIDRO PROCESSAMENTO DE VIDROS ESPELHOS TAMPOS V. LAPIDADOS BISOTADOS CURVOS PINTADOS FRIO DUPLOS/ INSULADO 41

42 Processo de fabricação Fonte: AGC 42

43 Processo de fabricação Fonte: CEBRACE 43

44 Fábrica 44

45 Fabricantes 45

46 Links

47 Tipos de vidros Monolítico comum, ou float Laminado vidro de segurança, controle solar e acústico Termoendurecido resistência adicional (duas a quatro vezes) Temperado grande resistência, usado também em móveis e box Duplos, triplos e quádruplos (insulado) maior resistência térmica a condução Impresso com desenho em baixo e alto relevo Serigrafado estética e sombreamento... O céu é o limite 47

48 Tipos de vidro: padrões de quebra Float Semitemperado Aramado Temperado 48

49 PARTICIPAÇÃO POR PRODUTO ( 2011 ) ( * ) FONTE: PESQUISA ABRAVIDRO /GPM CONSULTORIA ECONÔMICA E PESQUISA INDUSTRIAL ANUAL ( PIA-IBGE ) ( 1 ) FONTE: ESTIMATIVA PEDRO PINA ESPELHO TEMPERADO 49

50 50

51 APLICAÇÕES COMERCIAIS 51

52 PERCENTUAL DE ABERTURA SPANDREL GLASS LAJE DE CONCRETO FORRO VISION GLASS PISO ELEVADO PEITORIL VIGA DE BORDA 52

53 PERCENTUAL DE ABERTURA SPANDREL GLASS LAJE DE CONCRETO FORRO PAF: Percentual de Abertura da Fachada VISION GLASS PISO ELEVADO PEITORIL VIGA DE BORDA 53

54 Projeto Ed. Prime Tower - Florianópolis Vidro Fator Solar 27% Transmissão Visível 14% Reflexão Visível 43% CEBRACE 114PN 54

55 Projeto Vidro Tribunal de Justiça Anexo - Florianópolis CEBRACE 120PN Fator Solar 30% Transmissão Visível 20% Reflexão Visível 30% 55

56 Projeto Tractebel Florianópolis Vidro CEBRACE SKN 154 duplo Fator Solar 26% Transmissão Visível 50% Reflexão Visível 18% 56

57 Projeto Vidro Fator Solar 40% Transmissão Visível 35% Reflexão Visível 29% Infinity Tower São Paulo GUARDIAN Royal Blue 40 57

58 Projeto Vidro Fator Solar 40% Transmissão Visível 42% Reflexão Visível 20% ECO Berrini São Paulo GUARDIAN Neutral Plus 50 58

59 Projeto Vidro Fator Solar 40% Transmissão Visível 42% Reflexão Visível 20% ECO Berrini São Paulo GUARDIAN Neutral Plus 50 59

60 Projeto Vidro Fator Solar 40% Transmissão Visível 42% Reflexão Visível 20% ECO Berrini São Paulo GUARDIAN Neutral Plus 50 60

61 61

62 62

63 63

64 64

65 65

66 66

67 67

68 68

69 69

70 70

71 71

72 72

73 73

74 74

75 75

76 76

77 77

78 78

79 79

80 80

81 81

82 82

83 83

84 84

85 85

86 86

87 87

88 88

89 89

90 90

91 91

92 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 92

93 Identificação das superfícies Vidro Laminado Vidro Insulado

94 94

95 Especificação dos vidros 95

96 Especificação dos vidros 96

97 Especificação dos vidros 97

98 Informações dos fabricantes 98

99 Informações dos fabricantes 99 99

100 Películas de controle solar

101 ESTUDOS DE CASO 1 EDIFÍCIO CORPORATIVO 101

102 Estudo de caso por simulação Prédio de escritórios em São Paulo 20 pavimentos m² de área Área de janela variável: a m² Paredes em alvenaria 102

103 Estudo de caso por simulação Propriedade Vidro Vidro Vidro de Duplo (câmara de ar 12 mm) Incolor Verde Controle solar Vidro externo Vidro interno Composição Espessura (mm) Transmissão energética (%) Reflexão energética - externa (%) Reflexão energética - interna (%) Absorção energética (%) Transmissão luminosa (%) Reflexão luminosa - externa (%) Reflexão luminosa - interna (%) Emissividade externa 0,84 0,84 0,84 0,84 0,84 0,84 Emissividade interna 0,84 0,84 0,84 0,16 0,84 0,84 Condutividade (W/m.K) Fator Solar (%) U-value (W/m².K) 5,60 5,60 5,60 3,64 5,60 1,88 Índice de seletividade 1,05 1,21 0,90 1,26 1,05 1,45 103

104 Estudo de caso por simulação SPANDREL GLASS LAJE DE CONCRETO FORRO VISION GLASS PISO ELEVADO PEITORIL VIGA DE BORDA 104

105 Estudo de caso por simulação SPANDREL GLASS LAJE DE CONCRETO FORRO PAF: Percentual de Abertura da Fachada VISION GLASS PISO ELEVADO PEITORIL VIGA DE BORDA 105

106 Estudo de caso por simulação Clima: São Paulo 5800 Consumo anual de energia (MWh) % -4% PAF=30% PAF=40% PAF=50% PAF=60% 4800 Incolor Verde Contr. Solar Duplo FS=84% TL=88% FS=62% TL=75% FS=33% TL=30% FS=28% TL=39% 106

107 Estudo de caso por simulação Clima: São Paulo 5800 Consumo anual de energia (MWh) % -9% PAF=30% PAF=40% PAF=50% PAF=60% 4800 Incolor Verde Contr. Solar Duplo FS=84% TL=88% FS=62% TL=75% FS=33% TL=30% FS=28% TL=39% 107

108 Estudo de caso por simulação Clima: São Paulo Consumo de energia em AC (MWh) % Apenas consumo de energia com AC -14% PAF=30% PAF=40% PAF=50% PAF=60% 1000 Incolor Verde Contr. Solar Duplo FS=84% TL=88% FS=62% TL=75% FS=33% TL=30% FS=28% TL=39% 108

109 Estudo de caso por simulação Clima: São Paulo Consumo de energia em AC (MWh) % -26% Apenas consumo de energia com AC PAF=30% PAF=40% PAF=50% PAF=60% 1000 Incolor Verde Contr. Solar Duplo FS=84% TL=88% FS=62% TL=75% FS=33% TL=30% FS=28% TL=39% 109

110 Estudo de caso por simulação Clima: São Paulo Consumo anual de energia (MWh) PAF 50% e Controle solar equivale a PAF 30% e Vidro incolor PAF=30% PAF=40% PAF=50% PAF=60% 4800 Incolor Verde Contr. Solar Duplo FS=84% TL=88% FS=62% TL=75% FS=33% TL=30% FS=28% TL=39% 110

111 Estudo de caso por simulação Clima: São Paulo Consumo anual de energia (MWh) PAF 60% e Vidro Duplo equivale a PAF 30% e Vidro Verde PAF=30% PAF=40% PAF=50% PAF=60% 4800 Incolor Verde Contr. Solar Duplo FS=84% TL=88% FS=62% TL=75% FS=33% TL=30% FS=28% TL=39% 111

112 Estudo de caso por simulação Clima: São Paulo Consumo anual de energia (MWh) PAF 60% e controle solar equivale a PAF 40% e Vidro verde PAF=30% PAF=40% PAF=50% PAF=60% 4800 Incolor Verde Contr. Solar Duplo FS=84% TL=88% FS=62% TL=75% FS=33% TL=30% FS=28% TL=39% 112

113 Estudo de caso por simulação Clima: São Paulo Consumo anual de energia (MWh) Incolor Verde Contr. Solar Duplo FS=84% TL=88% FS=62% TL=75% FS=33% TL=30% PAF 30% e Vidro verde contra PAF 30% e Vidro duplo - 4% de consumo - 16% de TR FS=28% TL=39% PAF=30% PAF=40% PAF=50% PAF=60% 113

114 Estudo de caso por simulação Clima: São Paulo Consumo anual de energia (MWh) PAF 60% e Vidro verde contra PAF 60% e Vidro duplo - 7% de consumo - 23% de TR PAF=30% PAF=40% PAF=50% PAF=60% 4800 Incolor Verde Contr. Solar Duplo FS=84% TL=88% FS=62% TL=75% FS=33% TL=30% FS=28% TL=39% 114

115 Área de janela: vidro verde Clima: São Paulo PAF: 30% Vidro: verde Área de janela: m² Custo anual: R$ mil Capacidade: TR PAF: 60% Vidro: verde Área de janela: m² Custo anual: R$ mil Capacidade: TR 115

116 Área de janela: vidro verde Clima: São Paulo Comparativo Diferença na área de janelas: +100% Diferença no custo anual: +8,2% R$ 104 mil Diferença na capacidade: +24,5% 245 TR R$ mil 116

117 Área de janela: vidro verde x duplo Clima: São Paulo PAF: 30% Vidro: verde Área de janela: m² Custo anual: R$ mil Capacidade: TR PAF: 60% Vidro: duplo Área de janela: m² Custo anual: R$ mil Capacidade: 953 TR 117

118 Área de janela Clima: São Paulo Resultados Diferença na área de janelas: +100% Diferença no custo anual: -0,6% -R$ 8 mil Diferença na capacidade: -4,7% -48 TR -R$ 288 mil [São Paulo] 118

119 Área de janela Clima: Rio de Janeiro Resultados Diferença na área de janelas: +100% Diferença no custo anual: -1,3% -R$ 19 mil Diferença na capacidade: -6,7% -77 TR -R$ 462 mil [Rio de Janeiro] 119

120 Área de janela Resultados É possível alcançar o mesmo desempenho com o dobro da área transparente especificação 120

121 Comparação entre brises e vidros de controle solar LAJE DE CONCRETO FORRO 0, ,40 BRISES DETALHE PEITORIL PISO ELEVADO VIGA DE BORDA Definição de ângulo de proteção 121

122 Alguns exemplos de brises Brises com ângulo de proteção de

123 Comparação entre brises e vidros de controle solar x1000 R$ Custo anual com energia (x 1000 R$) Modelo de Referência PAF = 50% Vidro Verde Clima: São Paulo % -6% -6% -8% Sem Brise Brise 30 Brise 45 Controle solar Duplo 123

124 Comparação entre brises e vidros de controle solar x1000 R$ Custo anual com energia (x 1000 R$) Modelo de Referência PAF = 50% Vidro Verde Clima: São Paulo % -6% -6% -8% Sem Brise Brise 30 Brise 45 Controle solar Duplo 124

125 Vidro Duplo X Laminado Mês quente: 29 de janeiro a 3 de março São Paulo Diferença de consumo (duplo - laminado) Temperatura média Temperatura média do ar ( C) 32 Modelo com vidro duplo consome mais energia do que vidro laminado Consumo total AC (kwh) Laminado Duplo Diferença -376 (-0,2%) Dias com temperatura média do ar abaixo de 24 C Consumo de energia AC (kwh) Dias Vidro duplo resultou em consumo mais alto quando a temperatura externa é mais baixa (para este caso) 125

126 Vidro Duplo X Laminado Mês frio: 30 de julho a 1º de setembro São Paulo Diferença de consumo (duplo - laminado) Temperatura média 32 Consumo total AC (kwh) Temperatura média do ar ( C) Laminado Duplo Diferença +749 (+0,6%) Consumo de energia AC (kwh) Dias Vidro duplo resulta em consumo mais alto quando a temperatura externa é mais baixa (para este caso) 126

USO E APLICAÇÕES. Módulo 4 Conhecendo o Vidro

USO E APLICAÇÕES. Módulo 4 Conhecendo o Vidro USO E APLICAÇÕES Módulo 4 Conhecendo o Vidro SEGMENTAÇÃO DO MERCADO ESQUADRIAS FACHADAS BOX ESPELHOS DIVISÓRIAS MÓVEIS COBERTURA GUARDA CORPOS REVESTIMENTOS MOLDURAS DECORAÇÃO OUTROS... COMO ESCOLHER O

Leia mais

Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica

Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica Treinamento Window Film Módulo I: Parte Teórica Sumário Vidros Planos e Vidros Low-E Entendendo o Espectro Solar Formas de Propagação de Calor Conceitos Teóricos Luz Visível (Transmitida, Refletida Interior

Leia mais

Vidro para Construção Civil

Vidro para Construção Civil Vidro para Construção Civil Arq. Consultor Paulo Duarte Palestra para PURARQUITETURA São Paulo 08 de Julho, 2010 COMPOSIÇÃO DO VIDRO Silício em forma de Si O2 Sílica Boro em forma de anidrido B2 O3 ] ~74%

Leia mais

Uma escolha certa faz toda a diferença.

Uma escolha certa faz toda a diferença. Uma escolha certa faz toda a diferença. Cebrace: a melhor opção no mercado de vidro A Cebrace é fruto de uma joint-venture entre a Saint- Gobain (França) e a NSG (Japão), que em 2006 adquiriu a Pilkington.

Leia mais

Principais benefícios. Aplicação. Fachadas, portas, janelas, coberturas e sacadas.

Principais benefícios. Aplicação. Fachadas, portas, janelas, coberturas e sacadas. Produzimos vidros, entregamos soluções. Nova geração O Emerald, vidro verde intenso, permite excelente passagem de luz e controle térmico, sem usar camadas refletivas em sua composição. Excelente passagem

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO E LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS

CONFORTO TÉRMICO E LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS CONFORTO TÉRMICO E LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS QUESTÕES DE SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Fernando Simon Westphal, Dr. Eng. Objetivo Apresentar uma visão de mercado Eficiência energética

Leia mais

Capítulo 21. Vidros. Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM

Capítulo 21. Vidros. Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM Capítulo 21 Vidros Eduvaldo Paulo Sichieri - USP São Carlos Rosana Caram - USP São Carlos Joaquim Pizzutti dos Santos -UFSM Definição de Vidro Por vidro entende-se um produto fisicamente homogêneo obtido

Leia mais

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES

FCTA 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES 4 TROCAS TÉRMICAS ENTRE O MEIO E AS EDIFICAÇÕES 4.1 FECHAMENTOS TRANSPARENTES Nestes tipos de fechamento podem ocorrer três tipos de trocas térmicas: condução, convecção e radiação. O vidro comum é muito

Leia mais

Envolventes Tecnologia y Sustentabilidad. VIII Congresso SISTECCER. Rosario Argentina. Arq. Consultor Paulo Duarte. 09/Agosto/2012

Envolventes Tecnologia y Sustentabilidad. VIII Congresso SISTECCER. Rosario Argentina. Arq. Consultor Paulo Duarte. 09/Agosto/2012 Envolventes Tecnologia y Sustentabilidad VIII Congresso SISTECCER Rosario Argentina Arq. Consultor Paulo Duarte 09/Agosto/2012 Requisitos para o Envelope do Edifício O Envelope é formado pelas Fachadas

Leia mais

Cool Lite. Proteção solar e liberdade de escolha

Cool Lite. Proteção solar e liberdade de escolha Proteção solar e liberdade de escolha Jatobá Green Building Linha S Afl alo & Gasperini Arquitetos Vidros: uma escolha essencial Os vidros de proteção solar da Cebrace são ideais para os seus projetos,

Leia mais

Vidros Vidro Acidado Submetido à solução ácida que age no vidro, de maneira controlada, criando texturas, desenhos e letras e promovendo um aspecto de translucidez. Pode ser fabricado artesanal ou industrialmente

Leia mais

VIDRO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Escola Superior de Tecnologia do IPCB Artur Reynolds Brandão Castelo Branco, 29 de Maio de 2015

VIDRO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Escola Superior de Tecnologia do IPCB Artur Reynolds Brandão Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 VIDRO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Escola Superior de Tecnologia do IPCB Artur Reynolds Brandão Castelo Branco, 29 de Maio de 2015 1.Origem do vidro SAINT-GOBAIN Leader mundial do habitat sustentável..\..\..\..\..\..\comunicação\2014\video

Leia mais

USO E APLICAÇÕES Módulo 8 Vidros Especiais

USO E APLICAÇÕES Módulo 8 Vidros Especiais USO E APLICAÇÕES Módulo 8 Vidros Especiais VIDRO TEMPERADO SERIGRAFADO IMAGEM APLICADA COM TELA DE POLÍESTER ESMALTE CERÂMICO MEDIDAS 2200 x 3600 de 3 a 12mm PARA MEDIDAS DE 15 e 19 mm CONSULTE SEU FORNECEDOR

Leia mais

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL DESEMPENHO TÉRMICO EDIFICAÇÕES: FACHADAS ENVIDRAÇADAS, PROJETO E SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL ARQ5658 Eficiência Energética e Sustentabilidade em Edificações Prof. Fernando Simon Westphal Departamento de Arquitetura

Leia mais

ESCOLHA ADEQUADA DO VIDRO

ESCOLHA ADEQUADA DO VIDRO ESCOLHA ADEQUADA DO VIDRO UNIVERSIDADE DE ÉVORA Artur Reynolds Brandão Guimarães, 18 de Dezembro 2013 CERVIGLAS, S.L. SGG BIOCLEAN Page 1 Page 2 Page 3 Segundo a História, foram os fenícios que, acidentalmente,

Leia mais

USO E APLICAÇÕES. Módulo 7 Vidros de Segurança

USO E APLICAÇÕES. Módulo 7 Vidros de Segurança USO E APLICAÇÕES Módulo 7 Vidros de Segurança VIDRO CURVO TEMPERADO VERSATILIDADE, DESIGN ARROJADO 5 X MAIS RESISTENTE QUE VIDRO COMUM FURADO / RECORTADO / LAPIDADO / SERIGRAFADO (ANTES DA TÊMPERA) LAMINADO

Leia mais

BLI16086003-Ekoglass_folder_A4.indd 1

BLI16086003-Ekoglass_folder_A4.indd 1 BLI16086003-Ekoglass_folder_A4.indd 1 9/18/14 3:16 PM Vidro duplo termoacústico É uma solução formada por duas placas de vidro plano paralelas, separadas por um espaçador, com as bordas hermeticamente

Leia mais

Vidros. 4.000 A.C.- Os Fenícios descobriram o vidro nas fogueiras dos acampamentos.

Vidros. 4.000 A.C.- Os Fenícios descobriram o vidro nas fogueiras dos acampamentos. 1 Vidros 4.000 A.C.- Os Fenícios descobriram o vidro nas fogueiras dos acampamentos. Sec. III A.C.- O vidro é considerado jóia e cobiçado pelos poderosos. 100 a.c.- Os romanos desenvolveram a técnica do

Leia mais

USO E APLICAÇÕES. Módulo 10 Vidros de Segurança

USO E APLICAÇÕES. Módulo 10 Vidros de Segurança USO E APLICAÇÕES Módulo 10 Vidros de Segurança VIDRO CURVO TEMPERADO VERSATILIDADE, DESIGN ARROJADO 5 X MAIS RESISTENTE QUE VIDRO COMUM FURADO / RECORTADO / LAPIDADO / SERIGRAFADO (ANTES DA TÊMPERA) LAMINADO

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSOR Roberto Lamberts Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura intro isolantes cálculos exemplos e testes 2 introdução

Leia mais

Vidros para construção civil

Vidros para construção civil Vidros para construção civil Conceito de Vidro: Vidros industriais: Produtos inorgânicos obtidos por fusão e resfriamento sem cristalização Vidro ordinário ou neutro para construção civil: Solução amorfa

Leia mais

USO E APLICAÇÕES. Módulo 4 Vidro Certo: Normas Obrigatórias

USO E APLICAÇÕES. Módulo 4 Vidro Certo: Normas Obrigatórias USO E APLICAÇÕES Módulo 4 Vidro Certo: Normas Obrigatórias SAIBA DIZER NÃO JUSTIFICANDO O SEU NÃO JUSTIFIQUE COM NORMAS DA ABNT ALGUMAS NORMAS OBRIGATÓRIAS NBR-NM294 2004 - Fabricação vidro float NBR-293

Leia mais

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética

Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Vidros de Controle Solar: Conforto Térmico e Eficiência Energética Prof. Dr. Fernando Simon Westphal Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Arquitetura e Urbanismo Laboratório de Conforto

Leia mais

SAINT-GOBAIN GLASS VIDRO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

SAINT-GOBAIN GLASS VIDRO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SAINT-GOBAIN GLASS VIDRO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Artur Reynolds Brandão Lisboa, 15 de Maio de 2015 SGG CLIMALIT PLUS com SGG COOL-LITE SKN 044 Page 1 AGENDA Origem do vidro video 350 anos Saint-Gobain

Leia mais

Grandes obras, grandes criadores e uma marca de vidro.

Grandes obras, grandes criadores e uma marca de vidro. Grandes obras, grandes criadores e uma marca de vidro. A Cebrace é referência no mercado nacional, além de ser a empresa líder do segmento de vidro plano no Brasil. Com capacidade de produção de 3,6 mil

Leia mais

Grandes obras, grandes criadores e uma marca de vidro.

Grandes obras, grandes criadores e uma marca de vidro. Grandes obras, grandes criadores e uma marca de vidro. A Cebrace é referência no mercado nacional, além de ser a empresa líder do segmento de vidro plano no Brasil. Com capacidade de fabricação de 3,6

Leia mais

Deixe a luz entrar em sua vida...não o calor!

Deixe a luz entrar em sua vida...não o calor! Família de chapas Lexan* para controle de transmissão solar Deixe a luz entrar em sua vida...não o calor! 2 SABIC Innovative Plastics Chapa Lexan* Solar Control IR* Novo material de cobertura em polímero

Leia mais

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO

COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO COMPORTAMENTO TÉRMICO DA CONSTRUÇÃO Capítulo 2 do livro Manual de Conforto Térmico NESTA AULA: Trocas de calor através de paredes opacas Trocas de calor através de paredes translúcidas Elementos de proteção

Leia mais

Vidro comun ou vidro Float

Vidro comun ou vidro Float Vidros Vidro comun ou vidro Float O vidro comum é a composição básica do vidro, antes de receber qualquer tipo de tratamento. Ele é feito a partir da mistura de sílica (areia), potássio, alumina, sódio

Leia mais

ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTURAS E VIDROS a) Paredes:

ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTURAS E VIDROS a) Paredes: ANEXO GERAL V CATÁLOGO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS DE PAREDES, COBERTRAS E VIDROS a) Paredes: 1 de 9cm bloco de concreto 9cm Argamassa interna () Bloco de concreto (9,0 x 19,0 x 39,0cm) Argamassa externa

Leia mais

Cebrace. A maior fabricante de vidros e espelhos da América do Sul. Catálogo de produtos

Cebrace. A maior fabricante de vidros e espelhos da América do Sul. Catálogo de produtos Cebrace. A maior fabricante de vidros e espelhos da América do Sul. Catálogo de produtos Cebrace: faz parte do seu dia a dia. Maior produtora de vidros e espelhos da América do Sul, a Cebrace nasceu de

Leia mais

Contribuição dos Vidros para Eficiência Energética. Cebrace Cristal Plano Ana Carolina Granado

Contribuição dos Vidros para Eficiência Energética. Cebrace Cristal Plano Ana Carolina Granado Contribuição dos Vidros para Eficiência Energética Cebrace Cristal Plano Ana Carolina Granado Especificação correta dos vidros Utilização de produtos ecológicamente corretos Redução dos recursos naturais

Leia mais

Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas. Eng. Luiz Barbosa

Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas. Eng. Luiz Barbosa Desempenho Acústico das Fachadas Envidraçadas Eng. Luiz Barbosa Objetivo Mostrar, de forma conceitual, a aplicabilidade do vidro em fachadas, tendo ele, não somente excelente desempenho acústico, mas sendo,

Leia mais

vidro de proteção contra incêndios

vidro de proteção contra incêndios vidro de proteção contra incêndios CONHEÇA-NOS Cada vez mais os edifícios requerem melhores prestações, tanto em serviços como em proteção, e tudo isto da mão da estética e do design. Na arquitetura contemporânea

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO Ministério Público do Trabalho Procuradoria Regional da 23 ª Região Anteprojeto do novo Edifício-Sede Cuiabá MT Memorial Descritivo Terreno localizado no CPA (Centro Político-Administrativo) da cidade

Leia mais

Catálogo de Produtos

Catálogo de Produtos Catálogo de Produtos A PKO Há mais de 15 anos no mercado brasileiro de vidros, a PKO do Brasil preza sempre pela qualidade dos seus produtos e atendimento personalizado. Tais fatores são fundamentais para

Leia mais

O Vidro de Controlo Solar e Design VITROCHAVES INDÚSTRIA DE VIDRO S.A. www.vitrochaves.com

O Vidro de Controlo Solar e Design VITROCHAVES INDÚSTRIA DE VIDRO S.A. www.vitrochaves.com O Vidro de Controlo Solar e Design www.vitrochaves.com Polivalente para o uso Eficiente da Energia ISOLAR SOLARLUX proporciona uma temperatura ambiente equilibrada Tanto no verão como no inverno. Isto

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

(1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes

(1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO USO DE ISOLAMENTO TÉRMICO EM COBERTURAS E FACHADAS DE EDIFICIOS COMERCIAIS E DE ESCRITÓRIOS (1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO

Leia mais

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA ü Mais de empreendimentos já certificados LEED NC e CS ü Todos com simulação termo-energética realizada por equipe especializada interna ü Atualmente temos

Leia mais

Ferramentas de Suporte Normas de Manuseio e Aplicação de Vidros Garantia. Guardian SunGuard

Ferramentas de Suporte Normas de Manuseio e Aplicação de Vidros Garantia. Guardian SunGuard G u a r d i a n I n d u s t r i e s C o r p. M a n u a l T é c n i c o I N T R O D U Ç Ã O _ 5 T I P O S D E V I D R O S _ 7 Vidro Monolítico Vidro Termoendurecido Vidro Temperado Vidro Laminado Vidro

Leia mais

VEJA AS NORMAS VIGENTES NO SETOR VIDREIRO

VEJA AS NORMAS VIGENTES NO SETOR VIDREIRO VEJA AS NORMAS VIGENTES NO SETOR VIDREIRO ABNT NBR 11706:1992 - Vidros na construção civil Esta norma especifica as condições exigíveis para vidros planos aplicados na construção civil. ABNT NBR 5932:1989

Leia mais

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA

ESTÚDIO DE ARQUITETURA: SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL MARINA CUNHA BARBOSA ELEMENTOS DE FACHADA ELEMENTOS DE FACHADA Belo Horizonte, 08 de maio de 2014 1- FACHADAS EM ALUMÍNIO E VIDRO 1.1 ALUMÍNIO A grande questão da utilização do alumínio em fachadas cortina é a definição do tipo de revestimento

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ESCOLA DE ENGENHARIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU LEIRA HOSOIDO DE RAEFFRAY O USO DO VIDRO NA ARQUITETURA

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ESCOLA DE ENGENHARIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU LEIRA HOSOIDO DE RAEFFRAY O USO DO VIDRO NA ARQUITETURA 6 UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE ESCOLA DE ENGENHARIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU LEIRA HOSOIDO DE RAEFFRAY O USO DO VIDRO NA ARQUITETURA São Paulo 2009 7 LEIRA HOSOIDO DE RAEFFRAY O USO DO VIDRO NA

Leia mais

VETROFLAM 30 Vidro de segurança resistente ao fogo para aplicação no interior

VETROFLAM 30 Vidro de segurança resistente ao fogo para aplicação no interior Vidro de segurança de silicato sodocalcico temperado conforme a norma NP EN 14179 VETROFLAM 30 chamas e gases quentes para o lado contrário ao da exposição ao fogo, controlando a temperatura na face exposta

Leia mais

VIDRO VIDRO VIDRO. Composição. A primeira peça de vidro terá sido fabricada há 5000 anos. Propriedades dos Vidros

VIDRO VIDRO VIDRO. Composição. A primeira peça de vidro terá sido fabricada há 5000 anos. Propriedades dos Vidros 1 A primeira peça de vidro terá sido fabricada há 5000 anos. Propriedades dos Vidros Transparência Dureza e fragilidade elevada Resistência mecânica Resistência à corrosão Propriedades isolantes Propriedades

Leia mais

ESPELHOS. Catálogo de Vidros. www.jjividros.com.br SALT SPRAY. Espelhos, Vidros Planos, Vidros Laminados, Mini Boreal, Canelado e Vidros Pintados.

ESPELHOS. Catálogo de Vidros. www.jjividros.com.br SALT SPRAY. Espelhos, Vidros Planos, Vidros Laminados, Mini Boreal, Canelado e Vidros Pintados. JJI Vidros www.jjividros.com.br ESPELHOS DISTRIBUIDORA Catálogo de Vidros Espelhos, Vidros Planos, Vidros Laminados, Mini Boreal, Canelado e Vidros Pintados. APROVADO NO TESTE SALT SPRAY Altamente resistentes

Leia mais

Desempenho Térmico de edificações

Desempenho Térmico de edificações Desempenho Térmico de edificações PROFESSORES Roberto Lamberts Deivis Luis Marinoski Unidade deportiva Atanasio Girardot - Medellín ECV 5161 UFSC FLORIANÓPOLIS estrutura introdução Tecnologias disponíveis

Leia mais

Vidreira Ideal do Fundão, Lda. PORTUGAL

Vidreira Ideal do Fundão, Lda. PORTUGAL Vidreira Ideal do Fundão, Lda. PORTUGAL Novo Hospital de Braga 2 vidreira ideal do fundão EXPERIÊNCIA Flexibilidade nas Soluções Qualidade dos Produtos Aconselhamento pela Experiência Fiabilidade dos Serviços

Leia mais

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado

Fundamentos de Engenharia Solar. Racine T. A. Prado Fundamentos de Engenharia Solar Racine T. A. Prado Coletores Solares Um coletor solar é um tipo específico de trocador de calor que transforma energia solar radiante em calor. Duffie; Beckman Equação básica

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor.

Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Estudo comparativo do comportamento térmico de quatro sistemas de cobertura. Um estudo experimental para a reação frente ao calor. Francisco Vecchia Departamento de Hidráulica e Saneamento Escola de Engenharia

Leia mais

Vidro isolante para mais luz e calor

Vidro isolante para mais luz e calor Vidro isolante para mais luz e calor Vidro isolante para mais luz e calor NEUTRALUX é o vidro de maior isolamento térmico da ISOLAR. Funciona sobre três princípios muito simples: Uma das superfícies do

Leia mais

DESIGN E TECNOLOGÍA EM VIDROS E ESPELHOS PARA ARQUITETURA E DECORAÇÃO.

DESIGN E TECNOLOGÍA EM VIDROS E ESPELHOS PARA ARQUITETURA E DECORAÇÃO. DESIGN E TECNOLOGÍA EM VIDROS E ESPELHOS PARA ARQUITETURA E DECORAÇÃO. Incoloro Gris Bronce Linha (ACIDATO) (Acidato) é um vidro float satinado, através da aplicação de ácido. Este proceso permite obter

Leia mais

TABELA DE PESO DO VIDRO

TABELA DE PESO DO VIDRO TUDO SOBRE VIDROS TABELA DE PESO DO VIDRO TIPO DE VIDRO KG POR M² Vidro 3mm 7,50 Kg Vidro 4mm 10,00 Kg Vidro 5mm 12,50 Kg Vidro 6mm 15,00 Kg Vidro 8mm e aramado 20,00 Kg Vidro 10mm 25,00 Kg Vidro 12mm

Leia mais

Soluções inovadoras. em vidros de alto desempenho

Soluções inovadoras. em vidros de alto desempenho Soluções inovadoras em vidros de alto desempenho institucional laminados 2 Centro Administrativo de Minas Gerais - CAMG Belo Horizonte, MG Construtora: CNO/OAS/Queiroz, Camargo/Mendes/Barbosa, Andrade/Via

Leia mais

A maneira mais inteligente de aquecer água.

A maneira mais inteligente de aquecer água. A maneira mais inteligente de aquecer água. A JAMP O uso consciente de energia é um dos princípios que rege as atividades da JAMP, responsável pela introdução no País de soluções inovadoras no campo de

Leia mais

soluções do futuro para o seu presente

soluções do futuro para o seu presente soluções do futuro para o seu presente PORTFÓLIO conheça a solução com excelência para seu lar EMPRESA A JR ALUMINIUM é uma empresa especializada na criação, fabricação e instalação de Esquadrias de Alumínio

Leia mais

FACHADAS DE VIDRO NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO DE VIABILIDADE ECONÔMICA

FACHADAS DE VIDRO NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO DE VIABILIDADE ECONÔMICA FACHADAS DE VIDRO NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO DE VIABILIDADE ECONÔMICA BESEN, Priscila (1); WESTPHAL, Fernando S. (2) (1) UFSC, e-mail: pribesen@gmail.com (2) UFSC, e-mail: fswfernando@gmail.com RESUMO

Leia mais

Divisórias APRESENTAÇÃO

Divisórias APRESENTAÇÃO DIVDESIGN As divisórias Div Design oferecem classe e beleza preservando o bem estar e o conforto térmico e acústico. Especialista em soluções inteligentes para divisão de espaços corporativos. APRESENTAÇÃO

Leia mais

09.2009 TUDO SOBRE VIDRO. INFORMAÇÃO DETALHADA. WWW.FINSTRAL.COM

09.2009 TUDO SOBRE VIDRO. INFORMAÇÃO DETALHADA. WWW.FINSTRAL.COM . INFORMAÇÃO DETALHADA. 2 ÍNDICE Definição de vidro Vidro duplo Vidro de protecção térmica Vidro de protecção solar Vidro laminado de segurança (VSG) Vidro temperado de segurança (ESG) Protecção acústica

Leia mais

Large Valorisation on Sustainability of Steel Structures. Software AMECO3

Large Valorisation on Sustainability of Steel Structures. Software AMECO3 Large Valorisation on Sustainability of Steel Structures Software 3 Dezembro 2014 : Apresentação geral : Programa para Análise de Ciclo de Vida de pontes e edifícios com estrutura metálica Cálculo de acordo

Leia mais

Vasco Peixoto de Freitas

Vasco Peixoto de Freitas VIDROS EM FACHADAS Vasco Peixoto de Freitas Prof. Catedrático Laboratório de Física das Construções FACULDADE DE ENGENHARIA - UNIVERSIDADE DO PORTO SUMÁRIO I. VIDRO EM FACHADAS II. PROPRIEDADES DOS VIDROS

Leia mais

[ ] Prof. Fernando Simon Westphal, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Deivis Luis Marinoski, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Roberto Lamberts, Eng. Civil, PhD.

[ ] Prof. Fernando Simon Westphal, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Deivis Luis Marinoski, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Roberto Lamberts, Eng. Civil, PhD. [ ] Isolantes Térmicos e Acústicos para Construção Civil Prof. Fernando Simon Westphal, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Deivis Luis Marinoski, Eng. Civil, Dr. Eng. Prof. Roberto Lamberts, Eng. Civil, PhD. Laboratório

Leia mais

OS EFEITOS DA RADIAÇÃO SOLAR SOBRE OS FECHAMENTOS TRANSPARENTES EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS CLIMATIZADOS ARTIFICIALMENTE EM SANTA MARIA-RS

OS EFEITOS DA RADIAÇÃO SOLAR SOBRE OS FECHAMENTOS TRANSPARENTES EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS CLIMATIZADOS ARTIFICIALMENTE EM SANTA MARIA-RS OS EFEITOS DA RADIAÇÃO SOLAR SOBRE OS FECHAMENTOS TRANSPARENTES EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS CLIMATIZADOS ARTIFICIALMENTE EM SANTA MARIA-RS Giana da Rocha Zófoli (1) ; Joaquim C. Pizzutti dos Santos (1) ; Madalena

Leia mais

Normas Técnicas e as aplicações de vidros na Construção Civil

Normas Técnicas e as aplicações de vidros na Construção Civil Normas Técnicas e as aplicações de vidros na Construção Civil AGENDA Benefícios dos vidros A aplicação do vidro de acordo com a NBR 7199 A importância das normas técnicas BENEFÍCIOS DA UTILIZAÇÃO DE VIDROS

Leia mais

espelhos Vidros e 01. Á l v a r o C ô r t e s Arquiteto (43) 3323-8567 www.alvarocortes.com.br

espelhos Vidros e 01. Á l v a r o C ô r t e s Arquiteto (43) 3323-8567 www.alvarocortes.com.br Vidros e espelhos 01 02 Texto: Camila Escudero Imagens: Alan Teixeira, Ana Mello, Caad Fotos, Edson Ferreira, J. Vilhora, Lufe Gomes, Martin Szmick, Pedro Abude, R. R. Rufino, Tarso Figueira e divulgação

Leia mais

OS VIDROS ISOLANTES DE FINSTRAL. O vidro adequado ás suas necessidades

OS VIDROS ISOLANTES DE FINSTRAL. O vidro adequado ás suas necessidades OS VIDROS ISOLANTES DE FINSTRAL O vidro adequado ás suas necessidades A GAMA DE VIDROS FINSTRAL Plus-Valor Boa qualidade de série O vidro baixo emissivo Plus-Valor é o nosso vidro standard. Este vidro

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓPTICAS DE JANELAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

VERIFICAÇÃO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓPTICAS DE JANELAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL VERIFICAÇÃO DE PROPRIEDADES TÉRMICAS E ÓPTICAS DE JANELAS ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Deivis Luis Marinoski; Juliana Helena Milbratz; Roberto Lamberts LabEEE - Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

SAINT-GOBAIN A IMPORTÂNCIA DO VIDRO NA SUSTENTABILIDADE

SAINT-GOBAIN A IMPORTÂNCIA DO VIDRO NA SUSTENTABILIDADE SAINT-GOBAIN A IMPORTÂNCIA DO VIDRO NA SUSTENTABILIDADE UNIVERSIDADE DO MINHO Escola de Arquitectura Artur Reynolds Brandão Guimarães, 20 de Outubro 2014 CERVIGLAS, S.L. SGG BIOCLEAN Page 1 AGENDA Origem

Leia mais

Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra

Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Instituto de Engenharia de Sistemas e Computadores de Coimbra Bolsa de Integração à Investigação Bolseiro: Tiago Pereira da Silva Monteiro Professor Coordenador: Prof. Doutor João António Esteves Ramos

Leia mais

Aula 7 : Desenho de Ventilação

Aula 7 : Desenho de Ventilação Aula 7 : Desenho de Ventilação Definições: NBR 10821:2001, Caixilho para edificação: Janela Caixilho, geralmente envidraçado, destinado a preencher um vão, em fachadas ou não. Entre outras, sua finalidade

Leia mais

Reflectherm, Lda. Parque Industrial do Tortosendo Rua H Lote 73 C 6200-823 Tortosendo PORTUGAL

Reflectherm, Lda. Parque Industrial do Tortosendo Rua H Lote 73 C 6200-823 Tortosendo PORTUGAL Reflectherm, Lda. Parque Industrial do Tortosendo Rua H Lote 73 C 6200-823 Tortosendo PORTUGAL Tel. / Fax: (+351) 275 950 286 Tlm: (+351) 918 556 077 E-mail: geral@reflectherm.com Resistência térmica (m².

Leia mais

Revestimento em chapa 100% alumínio; Liga 3105 Têmpera H 46; Pintura Polyester; Cores sólidas ou metalizadas; Peso (1,5 mm): 4,06 Kg/m 2.

Revestimento em chapa 100% alumínio; Liga 3105 Têmpera H 46; Pintura Polyester; Cores sólidas ou metalizadas; Peso (1,5 mm): 4,06 Kg/m 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS Revestimento em chapa 100% alumínio; Liga 3105 Têmpera H 46; Pintura Polyester; Cores sólidas ou metalizadas; Peso (1,5 mm): 4,06 Kg/m 2. APLICAÇÕES Construções novas ou reformas;

Leia mais

Painel da Construção Civil

Painel da Construção Civil Painel da Construção Civil FEICON-2016 Giorgio Solinas Presença da TEXIGLASS no mundo 3 Presença da TEXIGLASS no mundo 4 APLICAÇÕES : Plástico Reforçado Isolamentos Térmicos (altas temp. e substituição

Leia mais

Otempo em que se escolhiam produtos baseando-se

Otempo em que se escolhiam produtos baseando-se idros especiais Eles são de arrasar Esbanjando tecnologia, vidros especiais surpreendem até os consumidores mais exigentes Divulgação Schott 22 Robax: ambiente aquecido sem riscos e sem sujeiras Otempo

Leia mais

O vidro isolante para a tranquilidade e o conforto

O vidro isolante para a tranquilidade e o conforto O vidro isolante para a tranquilidade e o conforto Isolamento acústico e poupança de energia com o vidro cria propriedades de isolamento acústico e térmico para uma melhor qualidade de vida. Mais de 80%

Leia mais

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA 1- A EDIFICAÇÃO O empreendimento será construído na cidade de Goiânia - GO. O anteprojeto está definido pelas vistas e perspectivas apresentadas abaixo. FIGURA 01: Perspectiva

Leia mais

TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0

TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0 LOCALIZAÇÃO, PAVIMENTO TIPO, PLANTA BAIXA E CORTES DO APARTAMENTO A SER ANALISADO ORIENTAÇÃO: TELA DE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA RADLITE VERSÃO 2.0 CLICANDO NA OPÇÃO (Info), APARECERÁ A TELA COM A SEGUINTE

Leia mais

C.GlassR. Ficha técnica. www.t2g.com.br

C.GlassR. Ficha técnica. www.t2g.com.br C.GlassR Ficha técnica Avenida Neyde Modesto de Camargo, 151 Sistema de Envidraçamento- C.Glass (Channel Glass) by T2G Descrição: O Sistema C.Glass é composto por per s de vidros autoportantes, e ao contrário

Leia mais

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha

CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE. Casa Solar Acessível Caribenha CASH CARIBBEAN AFFORDABLE SOLAR HOUSE Casa Solar Acessível Caribenha ESCOLHA DA CASA PAÍS LATINO CLIMA TROPICAL CASA PERMEÁVEL POSSIVEL ALCANCE DE INTERESSE SOCIAL CASH HOME Slogan: Ser verde e acessível.

Leia mais

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School

COLÉGIO. Internacional. Escola verde Green School Escola verde Green School Sobre o Colégio Positivo Início das aulas: 18 de fevereiro de 2013 Lançamento oficial: 26 de março de 2013 Proposta de ensino bilíngue (português/inglês) Cerca de 350 alunos,

Leia mais

Soluções Inteligentes para o dia a dia

Soluções Inteligentes para o dia a dia Soluções Inteligentes para o dia a dia TELHAS TRANSLÚCIDAS 70 % transmissão de luz =$ Alta durabilidade; Não solta fibras; Melhor custo/benefício; Leveza e flexibilidade; Proteção contra raios UV (economia

Leia mais

Cores. Cristal Opal Bronze Cinza. 0,98 Opal. 0,66 Bronze Cinza. 2100 x 5800 Não Consta. Azul. Reflexivo Hot Climate. Reflexivo.

Cores. Cristal Opal Bronze Cinza. 0,98 Opal. 0,66 Bronze Cinza. 2100 x 5800 Não Consta. Azul. Reflexivo Hot Climate. Reflexivo. POLICARBONATO AVEOLAR Chapas em policarbonato alveolar, com tratamento em um dos lados contra ataque dos raios ultra violeta (garantia de 10 anos contra amarelamento). Por possuir cavidades internas (alvéolos),

Leia mais

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO

Certificado Energético Pequeno Edifício de Comércio e Servicos IDENTIFICAÇÃO POSTAL. Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Válido até 20/04/2025 IDENTIFICAÇÃO POSTAL Morada RUA ANTÓNIO JOSÉ DA SILVA, 231, R/C Localidade PORTO Freguesia PARANHOS Concelho PORTO GPS 41.163993, -8.604853 IDENTIFICAÇÃO PREDIAL/FISCAL 1 ª Conservatória

Leia mais

LEANDRO FLORES NESS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE PROTEÇÃO EXTERNA E INTERNA NA CARGA TÉRMICA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UMA EDIFICAÇÃO

LEANDRO FLORES NESS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE PROTEÇÃO EXTERNA E INTERNA NA CARGA TÉRMICA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UMA EDIFICAÇÃO LEANDRO FLORES NESS ANÁLISE DA INFLUÊNCIA DE PROTEÇÃO EXTERNA E INTERNA NA CARGA TÉRMICA E CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA EM UMA EDIFICAÇÃO Monografia apresentada ao Departamento de Engenharia Mecânica da

Leia mais

Anexo 3 - Modelo de Planilha Orçamentária (consumo estimado para o exercício de 2012) Sinalização Interna e Externa para a Justiça Federal/ES

Anexo 3 - Modelo de Planilha Orçamentária (consumo estimado para o exercício de 2012) Sinalização Interna e Externa para a Justiça Federal/ES Anexo 3 - Modelo de Planilha Orçamentária (consumo estimado para o exercício de 2012) 1 Placa tipo 1 1.1 1.2 Placa de sinalização geral para pavimentos em alumínio escovado, removível e de fundo adesivo;

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS

MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TÉRMICO DE SISTEMAS CONSTRUTIVOS I CONFERÊNCIA LATINO-AMERICANA DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL X ENCONTRO NACIONAL DE TECNOLOGIA DO AMBIENTE CONSTRUÍDO 18-21 julho 2004, São Paulo. ISBN 85-89478-08-4. MÓDULO DIDÁTICO PARA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO

Leia mais

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados.

ECOTELHADO. Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. ECOTELHADO Segundo pesquisador da Lawrence Berkley National Laboratory (CA, EUA), cerca de 25% da superfície de uma cidade consiste de telhados. TRANSMISSÃO DE CALOR por condução térmica através de materiais

Leia mais

Produção Temperado Produção Laminado Produção Insulado Produção Equipamentos CNC

Produção Temperado Produção Laminado Produção Insulado Produção Equipamentos CNC índice 06 Temperados 08 Laminados 12 Laminado de Temperados 14 Duplos ou Insulados 16 Especiais 18 Serigrafados e Esmaltados 20 Espelhos 22 Bisotês, Lapidação e Incisão 24 Boxes 26 Impressos CONHEÇA A

Leia mais

Tecnologia de Sistemas Prediais de Ar Condicionado e a Conservação de Energia

Tecnologia de Sistemas Prediais de Ar Condicionado e a Conservação de Energia Assuntos: 1 Sustentabilidade segundo ASHRAE 90.1 2 Impactos em Arquitetura Prédio Altos 3 Aspectos para Definir Tipo de Sistema de Ar Condicionado TEKNIKA Projetos e Consultoria Ltda Por: Raul José de

Leia mais

Sistema de Identificação 7. Família de Produtos 8

Sistema de Identificação 7. Família de Produtos 8 ÍNDICE Linha de Produtos 4 Scotchtint MR Controle Solar 4 Scotchshield MR Segurança 4 Fasara TM Decoração de Interiores 6 Prestige 6 Scotchgard TM Anti-Graffiti 6 Sistema de Identificação 7 Família de

Leia mais

Exercícios Terceira Prova de FTR

Exercícios Terceira Prova de FTR Exercícios Terceira Prova de FTR 1) Existe uma diferença de 85 o C através de uma manta de vidro de 13cm de espessura. A condutividade térmica da fibra de vidro é 0,035W/m. o C. Calcule o calor transferido

Leia mais

GUIA SUNGUARD PARA LEED

GUIA SUNGUARD PARA LEED GANHE PONTOS LEED ESPECIFICANDO SUNGUARD build with light GUIA SUNGUARD PARA LEED Mais luz, conforto térmico e sustentabilidade Guardian Industries Corp. LEED e SunGuard A liderança em edifícios mais

Leia mais

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO

PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT FICHA TÉCNICA DO PRODUTO PRODUTO DA MARCA SEVENCOAT É uma tinta isolante térmica, composta de polímeros acrílicos elastoméricos, microesferas de cerâmicas, e aditivos especiais

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

Conversão da temperatura para graus celsius kelvin--------------------t / K = θ / ºC + 273,15

Conversão da temperatura para graus celsius kelvin--------------------t / K = θ / ºC + 273,15 Escola Básica e Secundária Gonçalves Zarco Física e Química A, 10º ano Ano lectivo 2007 / 2008 Correcção do Teste de Avaliação Sumativo Nome: N.º aluno: Turma: Classiicação : Proessor: FORMULÁRIO Lei de

Leia mais

Projetando dentro dos Conceitos da Sustentabilidade. Arqta. Milene S. Abla Scala. AsBEA. Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura

Projetando dentro dos Conceitos da Sustentabilidade. Arqta. Milene S. Abla Scala. AsBEA. Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Projetando dentro dos Conceitos da Sustentabilidade Arqta. Milene S. Abla Scala AsBEA Associação Brasileira dos Escritórios de Arquitetura Milene Scala SBCS08 1 AsBEA Fundada em 1973 como uma entidade

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

PROPRIEDADES MECÂNICAS DO VIDRO E QUESTÕES TÉCNICAS

PROPRIEDADES MECÂNICAS DO VIDRO E QUESTÕES TÉCNICAS INDICE: 1. PROPRIEDADES MECÂNICAS...1 Protecção ao Choque...1 Protecção contra incêndios...3 Parâmetros de classificação:...3 2. QUESTÕES TÉCNICAS...5 Determinação da espessura...5 Cálculo da temperatura

Leia mais