Eficiência Energética em Edificações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eficiência Energética em Edificações"

Transcrição

1 Eficiência Energética em Edificações

2 CONTEÚDO ABORDADO

3 ORGANOGRAMA

4 CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012)

5 PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa Nacional de Eficiência Energética em Edificações PROCEL EDIFICA foi instituído em 2003 pela ELETROBRAS/PROCEL e atua de forma conjunta com o Ministérios de Minas e Energia, o Ministério das Cidades, as universidades, os centros de pesquisa e entidades das áreas governamental, tecnológica, econômica e de desenvolvimento, além do setor da construção civil. O PROCEL promove o uso racional da energia elétrica em edificações desde sua fundação, sendo que, com a criação do PROCEL EDIFICA, as ações foram ampliadas e organizadas com o objetivo de incentivar a conservação e o uso eficiente dos recursos naturais (água, luz, ventilação etc.) nas edificações, reduzindo os desperdícios e os impactos sobre o meio ambiente.

6 VERTENTES DO PROGRAMA Capacitação Tecnologias Subsídios à Regulamentação Suporte - Marketing e Apoio Habitação e Eficiência Energética Disseminação

7 ETIQUETAGEM A etiqueta poderá ser outorgada para: Novas Edificações Edificações Existentes PRÉ-REQUISITOS PARA ETIQUETAGEM: Área construída mínima de 500m2 ou Atendida por tensão igual ou superior a 2,3 kv

8 MODELO DA ETIQUETA BONIFICAÇÕES até1 ponto em economias de: 40% no consumo de água; 10% com uso de energias renováveis; 30% cogeração ou inovações tecnológicas; 70% de fração solar para coletores PONTUAÇÃO final do edifício, responsável pelo nível de eficiência. Inclui as bonificações. NÍVEL DE EFICIÊNCIA DO EDIFÍCIO OU DE PARTE DESTE ENVOLTÓRIA Etiqueta parcial CONDICIONAMENTO DE AR Etiqueta parcial ILUMINAÇÃO Etiqueta parcial

9 TIPOS DE ETIQUETA Etiquetas parciais: Envoltória Envoltória + Sistema de Iluminação Envoltória + Sistema de Condicionamento de ar Etiqueta geral: Edifício completo (envoltória + iluminação + cond. ar + bonificação)

10 MÉTODOS DE CÁLCULO Níveis de eficiência (de A a E) para 3 quesitos: Por equações, tabelas e parâmetros limites, é obtida uma pontuação que indica o nível de eficiência parcial dos sistema e total do edifício. QUESITO PESO Sistema de iluminação (DPI) 30% Sistema de condicionamento de ar (CA) 40% Envoltória (Env) 30% PRESCRITIVO Pontuação final a partir da equação geral ENVOLTÓRIA + ILUMINAÇÃ ÇÃO O + CONDICIONAMENTO DE AR + BONIFICAÇÃ ÇÃO SIMULAÇÃO Por simulação, o desempenho do edifício é comparado ao desempenho de edifícios referenciais de acordo com o nível de eficiência. Modelo Real Modelo do edifício real de acordo com o projeto proposto Modelo de Referência Construído de acordo com o método prescritivo para o nível de eficiência pretendido A B C D E Consumo anual de energia Consumo anual de energia

11 PROCESSO DE ETIQUETAGEM Duas etapas do processo de implementação da etiqueta: 1ª etapa - Avaliação de projeto etiquetagem:éemitida uma etiqueta atestando o nível de eficiência do projeto 2ª etapa - Avaliação do edifício Inspeção:após os sistemas instalados, com o alvaráde conclusão, érealizada pelo organismo de inspeção acreditado, para outorga de uma etiqueta que ficará exposta no edifício

12 PROCESSO DE ETIQUETAGEM 1ª etapa Avaliação de projeto - etiquetagem Proprietário Laboratório de Inspeção INMETRO documentação necessária para a avaliação de projeto verifica se a documentação está completa complementa a documentação faltante não completa? sim aplica o RTQ ENCE projeto para registro ENCE projeto expede a ENCE projeto registra a ENCE projeto

13 PROCESSO DE ETIQUETAGEM 2ª etapa Avaliação do edifício - inspeção Proprietário Laboratório de Inspeção INMETRO documentação necessária à avaliação do edifício construído verifica se a documentação está completa complementa a documentação faltante não completa? sim realiza inspeção do edifício construído

14 PROCESSO DE ETIQUETAGEM 2ª etapa Avaliação do edifício - inspeção Proprietário Laboratório de Inspeção INMETRO retorna para a 1ª etapa avaliação de projeto complementa a documentação faltante realiza avaliação do edifício construído sim não diferenças de impacto na eficiência? não NÃO CONFORMIDADE edifício está conforme projeto etiquetado? sim ENCE para registro ENCE expede a ENCE registra a ENCE

15 MODELO DE PRÉ-DIAGNÓSTICO 1. METODOLOGIA A SER SEGUIDA PARA ELABORAÇÃO DO PRÉ-DIAGNÓSTICO Para elaboração do pré-diagnóstico as seguintes etapas devem ser seguidas: Levantamento das funcionalidades do prédio através de entrevistas com o pessoal responsável pela operação e manutenção das instalações; Entrevistas com usuários para coleta de informações sobre horários de funcionamento, hábitos de uso e conforto das instalações; Verificação da situação das instalações elétricas e das condições de fornecimento; Coleta e análise das contas de energia dos últimos 12 meses, pelo menos; Levantamento de dados relativos aos sistemas de iluminação (nº de luminárias, lâmpadas, reatores, etc.);

16 MODELO DE PRÉ-DIAGNÓSTICO 1. METODOLOGIA A SER SEGUIDA PARA ELABORAÇÃO DO PRÉ-DIAGNÓSTICO Para elaboração do pré-diagnóstico as seguintes etapas devem ser seguidas: Levantamento de dados relativos aos sistemas de climatização, incluindo suas condições de operação e de manutenção; Medições no local; Tratamento dos dados (Preenchimento das tabelas deste prédiagnóstico) e proposição de ações para a obtenção de economias de energia; Avaliação técnica-econômica preliminar; Avaliação das ações de gestão energética do prédio.

17 MODELO DE PRÉ-DIAGNÓSTICO 1.1 SISTEMA DE ILUMINAÇÃO As questões abaixo visam auxiliar a descrição do sistema de iluminação: Quais os tipos de lâmpadas utilizadas (fluorescentes 40W, fluorescentes 20W, incandescentes, outros)? Quais os tipos de luminárias utilizadas (de embutir ou sobrepor)? Quais os tipos de reatores utilizados (eletromagnéticos ou eletrônicos)? Descrever as ações no sistema de iluminação propostas. Além disso, deve-se dimensionar lâmpadas e luminárias de forma mais adequada ao ambiente, e considerar, também, todas as ações de natureza operacional e de manutenção que possam maximizar a economia de energia nas instalações da edificação.

18 MODELO DE PRÉ-DIAGNÓSTICO SISTEMA DE ILUMINAÇÃO Tabelas modelo para descrição do sistema atual e proposto conforme modelo do PEE da ANEEL:

19 MODELO DE PRÉ-DIAGNÓSTICO 1.2 SISTEMA DE CLIMATIZAÇÃO O sistema de climatização a ser analisado por este pré-diagnóstico consiste apenas de aparelhos de ar condicionado do tipo janela e/ ou split. Esta ação consiste na substituição de aparelhos existentes, que se encontram em final de vida útil, por aparelhos tecnologicamente mais avançados, com compressor rotativo que apresentam maior rendimento. Devem ser propostos, preferencialmente, aparelhos de ar condicionado que possuam Selo Procel. As questões abaixo visam auxiliar a descrição do sistema de climatização: Quais os tipos de aparelhos de ar condicionado utilizados (split ou janela)? Qual a data de fabricação? Qual o tipo de compressor (alternativo ou rotativo)? Os aparelhos estão adequadamente dimensionados ao ambiente?

20 MODELO DE PRÉ-DIAGNÓSTICO AÇÕES DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Tabelas modelo para descrição do sistema atual e proposto conforme modelo do PEE da ANEEL:

21 MODELO DE PRÉ-DIAGNÓSTICO AÇÕES DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM HOSPITAIS HOSPITAIS REGIÃO NORTE 2005 Hospital Betina Ferro de Sousa REGIÃO SUL 2004 Hospital infantil Joana de Gusmão 2005 Hospital Fêmina do Grupo Hospitalar da Conceição 2001 Hospital Celso Ramos e São José 2006 Hospital Universitário da UFSC REGIÃO CENTRO OESTE 2004 Hospital Universitário da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul REGIÃO SUDESTE 2006 Hospital de Clínicas da UFMG 2005 INCA 2005 Fiocruz REGIÃO NORDESTE 2006 Hospita Universitário Oswaldo Cruz

22 MODELO DE PRÉ-DIAGNÓSTICO AÇÕES DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Balanço geral de oportunidades no Prédio da CGU Medida custo de investimento (R$1000) receita anual Reforma do sistema de ar condicionado 285,5 36 Reforma do sistema de iluminação Desligamento de equipamentos no horário de almoço 0 34 Reenquadramento tarifário 0 55 Balanço geral 706,5 85 Payback descontado (9,25 % aa) 16 anos Medida custo de investimento (R$1000) receita anual Reforma sistema de ar condicionado 285,5 36 Reforma parcial do sistema de iluminação Desligamento de equipamentos no horário de almoço 0 34 Reenquadramento tarifário 0 55 Balanço geral 495,5 105 Payback descontado (9,25 % aa) 6 anos Medida custo de investimento (R$1000) receita anual Reforma do sistema de ar condicionado 285,5 36 Reforma do sistema de iluminação 0 0 Desligamento de equipamentos no horário de almoço 0 34 Reenquadramento tarifário 0 55 Balanço geral 285,5 125 Payback descontado (9,25 % aa) 2,6 anos

23 CADASTRO DE PRÉDIOS PÚBLICOS Objetivos do Cadastro: Implementar o monitoramento, a manutenção e a atualização do cadastro dos prédios públicos; Tomar como base as informações do cadastro para definir metas de economia de curto e médio prazos, notificação compulsória de alteração por acréscimo ou supressão de equipamentos no sistema elétrico da edificação e obrigatoriedade de compras de equipamentos eficientes, salvo equipamentos de uso específico; Acompanhamento, verificação e registro das economias obtidas e apoio técnico aos administradores de prédios públicos na implementação e acompanhamento dos projetos.

24 CADASTRO DE PRÉDIOS PÚBLICOS MÓDULO PRÉDIOS PUBLICOS CLOUD STORAGE MÓDULO PROJETOS WEB PROCEL/ EPP BANCO DE DADOS MÓDULO BANCO DE PREÇOS MÓDULO DE ANÁLISE DE PROJETOS MÓDULO ADMINISTRATIVO DE RETARGUARDA

25 CADASTRO DE PRÉDIOS PÚBLICOS ELETROBRAS PROCEL SISTEMA EPP ADMINISTRADOR DO PRÉDIO PÚBLICO EXECUTOR DO PROJETO DE EFICIENTIZAÇÃO

26 CADASTRO DE PRÉDIOS PÚBLICOS MÓDULOS: Módulo Projetos de Eficiência Energética Módulo de Prédios Públicos

27 CADASTRO DE PRÉDIOS PÚBLICOS Prédios públicos Órgão Público Proprietário Órgão Público Usuário Administradores

28 CADASTRO DE PRÉDIOS PÚBLICOS Para ser usado pelo Administrador Coleta dados sobre: Administrador Prédio Órgão Proprietário do prédio Unidades de Consumo (UC) de cada prédio Contratos entre as UC s e as Concessionárias Consumo Energético Mensal de cada contrato

29 CADASTRO DE PRÉDIOS PÚBLICOS

30 CADASTRO DE PRÉDIOS PÚBLICOS MÓDULOS: Módulo de Prédios Públicos Módulo Projetos de Eficiência Energética

31 CADASTRO DE PRÉDIOS PÚBLICOS MÓDULO PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Quem éo executor Projetos de cada executor Prédios beneficiados em cada projeto Partes de cada prédio Usos de cada parte Itens a substituir e substituições de cada uso Custos de materiais e mão de obra Cronograma físico-financeiro do projeto Diálogo entre analista e executor com base em exigências e explicações.

32 OBRIGADO!

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL O PROCEL EDIFICA e a Etiquetagem de Eficiência Energética de Edificações Projeções de Consumo de Eletricidade

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina Mobilização / Sensibilização Módulo Eficiência Energética Fevereiro 2012 Fonte: Plano Nacional de Energia 2030 MME, colaboração Empresa de Pesquisa Energética EPE, 2007

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Carolina R. Carvalho Marcio J. Sorgato LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Edificações comerciais, de serviços e públicos

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL. Maio 2012

PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL. Maio 2012 PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL CAPACITAÇÃO DOS GESTORES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO MÓDULO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maio 2012 SISTEMAS DE AR CONDICIONADO Oportunidades de melhoria da eficiência dos

Leia mais

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS Roberto Lamberts LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Estado atual da etiquetagem de nível de eficiência

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de : PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Cerca de 192.000 produtos ostentam o Selo de Identificação da Conformidade

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM O "Grupo Empresarial CEB" tem como controladora a Companhia Energética de Brasília - CEB, cuja origem é a Companhia de

Leia mais

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto.

FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto. FAQ CHAMADA PÚBLICA 1. Conforme o item 8.1.6 do edital da Chamada Pública REE 002/2015 para as propostas de projetos que contemplarem a inclusão de geração de energia elétrica a partir de Fonte Incentivada

Leia mais

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Encontro de Lideranças 2011 Sistema CONFEA/CREA s Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Relação dos Projetos Aprovados Pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL no Ano de 2013

Relação dos Projetos Aprovados Pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL no Ano de 2013 Relação dos Projetos Aprovados Pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL no Ano de 2013 1. Introdução Este relatório apresenta uma análise físico-financeira dos Projetos de Eficiência Energética

Leia mais

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Orientações para a implementação de EE em edifícios públicos Paula Baratella, arq. MSc. Analista

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD Institui e regulamenta o Programa de Uso Racional de Água e Energia Elétrica no âmbito da UFCSPA. O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO INTRODUÇÃO A UFPel foi criada em 1969 (45 anos), embora aglutine, em sua estrutura administrativa e acadêmica, uma Faculdade de Agronomia centenária (130 anos), uma

Leia mais

PRÉDIOS PÚBLICOS. Implantação de Projetos de Eficiência Energética: Legislação e Incentivos

PRÉDIOS PÚBLICOS. Implantação de Projetos de Eficiência Energética: Legislação e Incentivos PRÉDIOS PÚBLICOS Implantação de Projetos de Eficiência Energética: Legislação e Incentivos OUTR OS INDÚS TR IA PODE R PÚB LIC O ÁGUA, E S GOTO E S ANE AME NTO ILUMINAÇ ÃO PÚB LIC A C OME R C IAL R E S

Leia mais

Esplanada Sustentável

Esplanada Sustentável Esplanada Sustentável Mobilização / Sensibilização Módulo Eficiência Energética Fevereiro 2012 HISTÓRICO DO PROCEL EPP ECF 1867 Sede CHESF ECF 2052 CEB nas escolas ECF 2052 CEB Palácio Buriti 1998 Após

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

Márcia Drumond Sardinha

Márcia Drumond Sardinha Universidade Federal do Amazonas - UFAM Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico - CDEAM Implantação do Sistema de Gestão para Eficientização Energética na Universidade Federal do Amazonas Márcia

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA EE 001/2014

CHAMADA PÚBLICA EE 001/2014 A ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante denominada simplesmente

Leia mais

* CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE MESA

* CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE MESA Ventiladores de Teto e Mesa * CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO * CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE

Leia mais

Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL. Fernando Pinto Dias Perrone

Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL. Fernando Pinto Dias Perrone Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL Fernando Pinto Dias Perrone Chefe do Departamento de Projetos de Eficiência Energética Rio de Janeiro, 19/4/2013. Principais Políticas

Leia mais

Importância da medição de energia para a eficiência energética

Importância da medição de energia para a eficiência energética 64 Importância da medição de energia para a eficiência energética Elaborado por César Lapa, Marco Antonio Saidel e Katia Gregio Di Santo INTRODUÇÃO A eficiência energética destaca-se cada vez mais no cenário

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Prédios Públicos Federais PROGRAMA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações Conceito de prédio público

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica ILUMEXPO 2015 São Paulo, 1º de junho de 2015 George Alves Soares Sistema Eletrobras Geração e Transmissão Geração Geração Binacional (100,00%)

Leia mais

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Eng. Anderson F. Gomes Brasília-DF, 05 de fevereiro de 2015 Apresentação SLTI/MP Lei nº 10.295, de Eficiência Energética MINISTÉRIO DO

Leia mais

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Documento elaborado pela Eletrobras/ Procel Edifica, Inmetro e CB3E/UFSC Rio de Janeiro, setembro de 2013. 1 O Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

de Eficiência Energética 2013

de Eficiência Energética 2013 1. Introdução O Programa vêm cumprir a Cláusula Quinta em sua Terceira Subcláusula, do Contrato de Concessão da ENERSUL NERSUL, segundo a qual esta concessionária deve implementar medidas que tenham por

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA REEE 001/2014

CHAMADA PÚBLICA REEE 001/2014 COELBA CHAMADA PÚBLICA Tipologia Industrial 01/10/2014 Página 0 de 63 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVO... 2 3 CONSUMIDORES PARTICIPANTES... 2 4 RECURSOS FINANCEIROS... 3 5 TIPOLOGIAS ELEGÍVEIS DE PROJETOS...

Leia mais

Manual do Pré-Diagnóstico Energético Autodiagnóstico na Área de Prédios Públicos

Manual do Pré-Diagnóstico Energético Autodiagnóstico na Área de Prédios Públicos Manual do Pré-Diagnóstico Energético Autodiagnóstico na Área de Prédios Públicos ELETROBRAS Av. Presidente Vargas, 409 13 andar Centro Rio de Janeiro 20071-003 Caixa Postal 1639 Tel: 21 2514 5151 www.eletrobras.com

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A Espírito Santo Centrais Elétricas SA, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 001/05 ANEEL e o que dispõe a Lei nº 9.991 de

Leia mais

CONSUMO EFICIENTE DE. energia elétrica: uma agenda para o Brasil

CONSUMO EFICIENTE DE. energia elétrica: uma agenda para o Brasil CONSUMO EFICIENTE DE energia elétrica: uma agenda para o Brasil 2/14 Créditos Copyright Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS) 2016 Conteúdo PSR Soluções e Consultoria

Leia mais

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER.

É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. É O COMBATE DO DESPERDÍCIO DE ENERGIA ELÉTRICA. É OBTER O MELHOR RESULTADO, DIMINUINDO O CONSUMO, SEM PREJUÍZO DE SEU CONFORTO E LAZER. Na verdade você corre o risco de molhar o medidor e causar Curto-circuito.

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015

CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015 CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015 A CELESC DISTRIBUIÇÃO S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROPEE - 001/2015

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROPEE - 001/2015 CHAMADA PÚBLICA PEE 01/2015 1 1 CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROPEE - 001/2015 As Empresas Distribuidoras da Eletrobras (EDEs), cumprindo o disposto na Legislação Federal e da regulamentação

Leia mais

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas

Leia mais

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída

O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída O Programa de Eficiência Energética Regulado pela ANEEL e a Geração Distribuída Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR HOTELEIRO: ESTUDO DE CASO EM RONDÔNIA.

BOAS PRÁTICAS DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR HOTELEIRO: ESTUDO DE CASO EM RONDÔNIA. ISSN 1984-9354 BOAS PRÁTICAS DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR HOTELEIRO: ESTUDO DE CASO EM RONDÔNIA. Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Tiago Balieiro Cetrulo (UNESC) Jefferson Junior Leal Lins (UNESC)

Leia mais

DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO DE ENTIDADES FILANTRÓPICAS CASO: APAE UNIDADE SANTA FELICIDADE CURITIBA/PR

DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO DE ENTIDADES FILANTRÓPICAS CASO: APAE UNIDADE SANTA FELICIDADE CURITIBA/PR DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO DE ENTIDADES FILANTRÓPICAS CASO: APAE UNIDADE SANTA FELICIDADE CURITIBA/PR DURCE, Carolina Corrêa (UTFPR, 2007) carol_durce@yahoo.com.br COLATUSSO, Luciana Piccione (UTFPR, 2007)

Leia mais

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus 1 Arnulfo Barroso Vasconcellos, Dr.; Fernando Novelo, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Antônio

Leia mais

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Antônio Afonso Gomes Júnior e Gabriel de Oliveira Brandão e Gomes Resumo As ações de eficiência energética em delegacias e batalhões de polícia, sediados

Leia mais

BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

BANDEIRANTE ENERGIA S.A. A BANDEIRANTE ENERGIA S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante denominada simplesmente de BANDEIRANTE,

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

Sistemas de Eficiência Energética na Pequena e Média Indústria

Sistemas de Eficiência Energética na Pequena e Média Indústria Sistemas de Eficiência Energética na Pequena e Média Indústria SEMINÁRIO BRASIL-ALEMANHA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Junho 2015 Departamento de Infraestrutura Deinfra/Ruy Bottesi A Federação das Indústrias

Leia mais

Tipo: Aquecimento Solar Nome do Projeto: Instalação de Aquecedor Solar no Lar Maria Luiza. Situação: Concluído - Aprovado oficio nº688/2014 SPE ANEEL

Tipo: Aquecimento Solar Nome do Projeto: Instalação de Aquecedor Solar no Lar Maria Luiza. Situação: Concluído - Aprovado oficio nº688/2014 SPE ANEEL Tipo: Aquecimento Solar Nome do Projeto: Instalação de Aquecedor Solar no Lar Maria Luiza. Situação: Concluído - Aprovado oficio nº688/2014 SPE ANEEL 1) Objetivos do projeto Instalação de um sistema de

Leia mais

Profa. Cláudia Naves David Amorim

Profa. Cláudia Naves David Amorim Profa. Cláudia Naves David Amorim Laboratório de Controle Ambiental (LACAM) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) Universidade de Brasília (UnB) O ciclo da construção Novas exigências e normativas:

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA) (Revisão I) 25/08/2010

Leia mais

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN Proponente: Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária - FAPEU Executor: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Financiamento: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP Coordenação:

Leia mais

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Modernização (Retrofit) de Sistemas de Ar Condicionado De 22/10/2012 a 26/10/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo:

Leia mais

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade Soluções em Eficiência Energética e Energia Renovável Aplicáveis a Edificações Residenciais e Comerciais de Pernambuco Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras)

2) Abrangência (município, bairro, número de unidades consumidoras) Tipo: Baixa Renda Nome do Projeto: Doação de geladeiras e lâmpadas para famílias inscritas em programas sociais do Governo Federal 2015. Situação: Em Implementação. O projeto tem como objetivo a substituição

Leia mais

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO Leticia Neves Gerente de Eficiência Energética Wagner Oliveira Coordenador de P&D SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CERTIFICAÇÕES

Leia mais

PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006

PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006 PRÉ - DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO JULHO 2006 Participantes: Gerente do Projeto: João Carlos R. Aguiar Aquecimento de água: Evandro Camelo e Eduardo Souza Ar Condicionado: Sérgio M.

Leia mais

Imagens: 1/1. Fachada Frontal. Fachada lateral-fundos

Imagens: 1/1. Fachada Frontal. Fachada lateral-fundos 2 21º Prêmio Expressão de Ecologia Edição 2013-2014 2013-2014 Fachada Frontal Etiquetas de Eficiência Energética Nível A Fachada lateral-fundos Ambiente Interno - Sala dos técnicos Fotografo: Hermínio

Leia mais

PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA

PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA ELETROBRAS Av. Presidente Vargas, 409 13 andar Centro Rio de Janeiro 20071-003 Caixa Postal 1639 Tel: 21 2514 5151 www.eletrobras.com

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

CEB DISTRIBUIÇÃO S.A. SEDE: Setor de Indústria e Abastecimento - SIA, Área de Serviços Públicos, Lote C

CEB DISTRIBUIÇÃO S.A. SEDE: Setor de Indústria e Abastecimento - SIA, Área de Serviços Públicos, Lote C Superintendência de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Edital de Chamada Pública PEE 001 2015 Elaborado Aprovado Data Júnio Agostinho de Matos 5062-8 Silvana Xavier Cirilo de Sá 4481-4

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Profª Drª Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de Controle Ambiental e Eficiência Energética Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES PROJETOS DE HOSPITAIS SUSTENTÁVEIS EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES É importante destacar os benefícios de um edifício sustentável. Os green buildings podem ser definidos pelas seguintes

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AES ELETROPAULO

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AES ELETROPAULO CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AES ELETROPAULO 2015 Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. ( AES Eletropaulo ) concessionária de serviços públicos de distribuição

Leia mais

Projeto Energia Verde

Projeto Energia Verde Projeto Energia Verde Ana Christina R. Mascarenhas e Leandro C. da Silva Resumo O Projeto Energia Verde foi criado para os consumidores das distribuidoras do Grupo Neoenergia: Companhia de Eletricidade

Leia mais

Sistemas de Iluminação Apresentação de Resultados Diagnóstico Hidroenergético na CGU Brasília DF

Sistemas de Iluminação Apresentação de Resultados Diagnóstico Hidroenergético na CGU Brasília DF Sistemas de Iluminação Apresentação de Resultados Diagnóstico Hidroenergético na CGU Brasília DF Tyrone D. de Oliveira CATE Centro de Pesquisas de Energia Elétrica Introdução Histórico O trabalho aqui

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Brasília, 28 de maio de 2015 Quarto Painel Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Experiências

Leia mais

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil George Alves Soares Assistente da Diretoria de Tecnologia Abril / 2010 Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Gabriela Ferreira da Silva Companhia Paulista de Força e Luz gabrielaf@cpfl.com.br Eficiência

Leia mais

1) Eficientização das Instalações da FUSAM - Fundação de Saúde Amaury de Medeiros

1) Eficientização das Instalações da FUSAM - Fundação de Saúde Amaury de Medeiros 3. Poder Público 1) Eficientização das Instalações da FUSAM - Fundação de Saúde Amaury de Medeiros a) Situação: Concluído De acordo com o diagnóstico realizado, foram consideradas viáveis a substituição

Leia mais

Projetos em Implementação no PEE 2015

Projetos em Implementação no PEE 2015 Tipo: Poder público Nome do Projeto: Eficientização do Porto Digital O Projeto constituiu na substituição do sistema de refrigeração, composto por chillers, refrigerados, ar splits distribuídos por alguns

Leia mais

Eficiência Energética

Eficiência Energética Eficiência Energética no Dia a Dia Oficina do Eixo Meio Ambiente, Clima e Vulnerabilidades Facilitadora: Regina Maciel Instituto Efort Rede Mobilizadores Apoio: Furnas e Eletronuclear Agosto-2012 Índice:

Leia mais

ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Juliana Iwashita

ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA. Juliana Iwashita ENSAIOS DE EQUIPAMENTOS DE ILUMINAÇÃO PÚBLICA Juliana Iwashita 1 PROJETOS E CONSULTORIAS A EXPER desenvolve projetos e consultorias especializadas nas seguintes áreas: Certificações de produtos de iluminação

Leia mais

São Paulo - SP Brasil. Eficiência Elétrica no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso

São Paulo - SP Brasil. Eficiência Elétrica no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP Brasil Eficiência Elétrica no Campus da Universidade Federal de Bernardo Dias São José Alyne Romeiro

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 4 Tipologias de Projeto Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

1/12. Anexo II- 1. Informações do Projeto

1/12. Anexo II- 1. Informações do Projeto Anexo II- Termo de Referência para contratação de Consultoria Pessoa Jurídica para realização 26 (vinte e seis) treinamentos sobre etiquetagem PBE Edifica para os setores público e privado para aproximadamente

Leia mais

DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO

DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO DICAS PARA ECONOMIA DE ENERGIA ELÉTRICA NA ILUMINAÇÃO INTRODUÇÃO A energia elétrica é um recurso importante e indispensável em nossas vidas. Além de proporcionar conforto e segurança à população, garante

Leia mais

Proposição e Aplicação de Metodologia para o Uso Eficiente da Energia em Sistemas Hospitalares

Proposição e Aplicação de Metodologia para o Uso Eficiente da Energia em Sistemas Hospitalares IEEE, 7º encuentro de Energía, Potencia, Instrumentación y Medidas. 16 y 17 de Octubre del 2008, Montevideo-URUGUAY. PAG 199 Proposição e Aplicação de Metodologia para o Uso Eficiente da Energia em Sistemas

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

ECONÔMIA DE ENERGIA ELÉTRICA

ECONÔMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ECONÔMIA DE ENERGIA ELÉTRICA (CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA) Eng.º Jefferson F. Moraes SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina 11 Hospitais (HGP, HED, HCLPM, HMPB, HB, HMJCF, CHOV,

Leia mais

1.2. Estado da arte.

1.2. Estado da arte. 1. Introdução A história recente do Sistema Elétrico Brasileiro é interessante. Depois de um longo período de monopólio estatal, o setor passou por profundas mudanças legais para tentar aumentar a eficiência

Leia mais

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4

SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4 INSTRUÇÃO TÉCNICA PARA AVALIAÇÃO DA DISPOSITIVO INTEGRADO A BASE Página 1 de 20 SUMÁRIO 1. HISTÓRICO DE MUDANÇAS...2 2. ESCOPO...3 3. MANUTENÇÃO...3 4. REFERÊNCIAS...3 5. SIGLAS E DEFINIÇÕES...4 6. QUALIFICAÇÃO

Leia mais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais

Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Agenda 1 2 3 4 5 Panorama sobre eficiência energética Eficiência energética nas políticas nacionais das maiores economias mundiais Políticas brasileiras de eficiência energética Eficiência energética na

Leia mais

Orientações Gerais para fabricantes e importadores sobre a Regulamentação de. Equipamentos para aquecimento solar de água

Orientações Gerais para fabricantes e importadores sobre a Regulamentação de. Equipamentos para aquecimento solar de água Orientações Gerais para fabricantes e importadores sobre a Regulamentação de Equipamentos para aquecimento solar de água Atualizado em 03/09/2013 Índice 2 Neste documento, você encontrará as seguintes

Leia mais

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA

Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA Programa de Eficiência Energética AUDIÊNCIA PÚBLICA A EDP Bandeirante, em conformidade com seu Contrato de Concessão de Distribuição, n 202/98 - ANEEL, com a Resolução Normativa n 300, de 12 de fevereiro

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS E RESIDENCIAIS Martin Ordenes Mizgier, Dr. Eng. martin@arq.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico / Dep. Arquitetura

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA

IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA Onofre Bueno Filho onofre.bueno@aedb.br AEDB Pedro Matheus Giupponi da Silva peddro_25@hotmail.com AEDB Kleverson

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AR CONDICIONADO 1. DEFINIÇÕES...02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...

CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AR CONDICIONADO 1. DEFINIÇÕES...02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... CADERNO DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AR CONDICIONADO SUMÁRIO 1. DEFINIÇÕES...02 2. NORMAS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES...02 3. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS...02 4. CONDIÇÕES DE FABRICAÇÃO...06 5. CONTROLE DE QUALIDADE...07

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts Eficiência Energética e Mudanças Climáticas [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A industria da construção

Leia mais