Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações"

Transcrição

1 Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Carolina R. Carvalho Marcio J. Sorgato LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina

2 estrutura introdução Edificações comerciais, de serviços e públicos Edificações residenciais Como obter uma etiqueta? Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Introdução 2 57

3 introdução + A indústria da construção no mundo Os gastos em construção representam 10% da economia mundial Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Introdução 3 57

4 introdução + A indústria da construção no Brasil Consome 45% da energia elétrica 21% da água E recursos naturais como areia, rochas e madeiras. Gera resíduos (cerca 500kg/ hab.ano) Impermeabiliza o solo Contamina água por lixiviação de químicos perigosos Gera ilhas de calor urbana 4 57 Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Introdução

5 introdução + Consumo de eletricidade no Brasil 44,7% da eletricidade consumida é utilizada nas edificações residenciais, comerciais e públicas PÚBLICO COMERCIAL 8.5% 14.2% RESIDENCIAL 22.0% AGROPECUÁRIO 4.2% INDUSTRIAL 47.0% SETOR ENERGÉTICO 3.7% Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Fonte: BEN Introdução 5 57

6 introdução + Consumo de eletricidade no Brasil Iluminação: 12 a 57% Ar-condicionado: 25 a 75% Equipamentos: 6 a 38% Diversidade de usos finais 6 57 Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Introdução

7 Uso Final (%) introdução + Consumo de eletricidade no Brasil 120% 100% 80% 60% 40% 20% 0% 31% 38% 33% 36% 34% 28% 6% 10% 17% 13% 18% 42% 52% 64% 26% 67% 75% 16% 12% ELETROSUL TELESC FIESC COELBA SESC BANCO CENTRAL 25% 57% FURNAS Equipamentos Arcondicionado Iluminação Fonte: Projeto 6 cidades, Procel 7 57 Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Introdução

8 introdução + Histórico Racionamento de energia em Lei Nº (17 de outubro de 2001) Dispõe sobre a Política Nacional de Conservação e Uso Racional de Energia e dá outras providências Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Introdução 8 57

9 introdução + Histórico Decreto Nº (19 de dezembro de 2001) Lei Nº : COMITÊ GESTOR DE INDICADORES E NÍVEIS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA (CGIEE) Os níveis mínimos de eficiência energética, deverão ser estabelecidos segundo regulamentação específica GT Edificações Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Introdução 9 57

10 introdução + Histórico 2003 GT Edificações Etiquetagem de edifícios: 1. Edifícios novos comerciais, de serviços e públicos; 2. Edifícios novos residenciais; 3. Edifícios existentes; 4. Índices mínimos de eficiência ST Edificações Secretaria Técnica de Edificações Para discutir questões técnicas envolvendo os indicadores de eficiência energética. Coordenador: Procel Edifica Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho 2005 CT Edificações INMETRO Para discutir e definir o processo de obtenção da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE) Introdução 10 57

11 introdução + Programa Brasileiro de Etiquetagem INMETRO Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Introdução 11 57

12 EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

13 edificações comerciais, de serviços e públicas Etiquetagem de Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos 2009 Texto de apresentação contendo: 1. Introdução: apresentação dos 4 volumes; 2. RTQ-C: Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética em Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos; 3. RAC-C: Requisitos para a Avaliação da Conformidade para o Nível de Eficiência Energética em Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos; 4. Manual para aplicação do RTQ-C e RAC-C + Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 13 57

14 edificações comerciais, de serviços e públicas ENCE Etiqueta Nacional de Conservação de Energia NÍVEL DE EFICIÊNCIA DO EDIFÍCIO OU DE PARTE DESTE SISTEMAS INDIVIDUAIS ENVOLTÓRIA ILUMINAÇÃO CONDICIONAMENTO DE AR PONTUAÇÃO final do edifício, responsável pelo nível de eficiência. Inclui as bonificações. BONIFICAÇÕES até 1 ponto em economias de: 40% no consumo de água; 10% com uso de energias renováveis; 30% cogeração ou inovações tecnológicas; 70% de fração solar para coletoreas PRÉ-REQUISITOS Circuitos Elétricos; Aquecimento de Água; Elevadores + Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 14 57

15 edificações comerciais, de serviços e públicas ENCE Geral ENCE Parciais + Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 15 57

16 edificações comerciais, de serviços e públicas MÉTODO DE AVALIAÇÃO Prescritivo X Simulação Por equações, tabelas e parâmetros limites, é obtida uma pontuação que indica o nível de eficiência parcial dos sistema e total do edifício. Por simulação, o desempenho do edifício é comparado ao desempenho de edifícios referenciais de acordo com o nível de eficiência. + Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 16 57

17 PROJETO MÉTODO PRESCRITIVO ENVOLTÓRIA Índice de Consumo Pré requisitos APLICAÇÃO: Área do edifício > 500 m 2 e/ou Tensão 2,3 kv (subgrupos A1, A2, A3, A3a, A4 e AS) Edifícios condicionados, parcialmente condicionados e não condicionados PLANILHAS WWR, PAVP, FS, AHS, AVS, ZB... ILUMINAÇÃO DPI Pré requisitos AR CONDICIONADO ENCE Equipamento Pré requisitos Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho EQUAÇÃO DE PONDERAÇÃO Pré requisitos Gerais Bonificações Circuitos elétricos; Aquecimento de água ; Elevadores. ENCE Geral Parciais Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 17 57

18 edificações comerciais, de serviços e públicas AVALIAÇÃO GERAL ENV ILUM COND 30% 30% 40% Método Prescritivo PT 0,30. EqNumEnv. AC AU AC APT ANC 1 EqNumDPI 0,40. EqNumCA.. 5. EqNumV APT ANC. 5. EqNumV 0,30. b AU AU AU AU AU 0 Envoltória Iluminação Condicionamento de Ar + Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho EqNum Equivalente numérico AC área condicionada AU área útil APT área de permanência transitória ANC área de permanência prolongada não condicionada (com conforto comprovado) Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 18 57

19 edificações comerciais, de serviços e públicas ENVOLTÓRIA Justificativa + Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 19 57

20 edificações comerciais, de serviços e públicas ENVOLTÓRIA Justificativa + Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 20 57

21 edificações comerciais, de serviços e públicas ENVOLTÓRIA Justificativa + Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 21 57

22 edificações comerciais, de serviços e públicas ENVOLTÓRIA Zona Bioclimática define as estratégias Brasil = 8ZB Zonas agrupadas = 5ZB 2 equações para cada ZB (Ape ou > 500 m²) + Pré-requisitos: Transmitância térmica de paredes externas e cobertura (condicionado artificialmente ou não); Absortância solar de paredes e coberturas; Abertura Zenital Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 22 57

23 edificações comerciais, de serviços e públicas ENVOLTÓRIA FATOR ALTURA FATOR DE FORMA PERCENTUAL DE ABERTURA NA FACHADA (TOTAL) FATOR SOLAR DO VIDRO ÂNGULO VERTICAL DE SOMBREAMENTO ÂNGULO HORIZONTAL DE SOMBREAMENTO o AVS = Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas

24 edificações comerciais, de serviços e públicas ILUMINAÇÃO Pré-requisitos: Divisão dos circuitos de iluminação com controle manual (para áreas maiores que 250 m²); Contribuição da Luz Natural; Desligamento automático + Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 24 57

25 edificações comerciais, de serviços e públicas ILUMINAÇÃO Método da área do edifício: Atribui um único valor limite para a avaliação do sistema de iluminação: DPI L W/m² Para edifícios com até três atividades principais Para atividades que ocupem mais de 30% da área do edifício + Método das atividades do edifício: Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Avalia separadamente os ambientes do edifício e deve ser utilizado para edifícios em que o método anterior não é aplicável. DPI L W/m² Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 25 57

26 edificações comerciais, de serviços e públicas CONDICIONAMENTO DE AR Sistemas regulamentados pelo INMETRO + Sistemas não regulamentados Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho ASHRAE 90.1, requisitos de projeto ASHRAE 90.1, 2007 ASHRAE 90.1, 2004 ASHRAE 90.1, 1999 A B C D Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 26 57

27 edificações comerciais, de serviços e públicas CETRÁGUA - Centro de Tecnologias Sociais para a Gestão da Água ENVOLTÓRIA Florianópolis/SC SEDE DA CAIXA Belém/PA AGÊNCIA DA CAIXA Curitiba/PR FATENP - Faculdade de Tecnologia Nova Palhoça Palhoça/SC + CTCL/SATC - Centro Tecnológico do Carvão Limpo Criciúma/SC Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 27 57

28 edificações comerciais, de serviços e públicas ENCES 27 ENCES Emitidas Mais edificações em processo de avaliação A lista completa e atualizada dos edifícios etiquetados pode ser consultada em: + Etiquetagem de Eficiência Energética Carolina R. Carvalho Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 28 57

29 EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

30 edificações residenciais + 3 tipos de ENCE Etiqueta Nacional de Conservação de Energia UNIDADES HABITACIONAIS AUTÔNOMAS (UH) Edificações unifamiliares (casas) e unidades autônomas de edificações multifamiliares (apartamentos) EDIFICAÇÕES MULTIFAMILIARES ÁREAS DE USO COMUM Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais

31 Lançamento: 29/11/2010 Edificações etiquetadas = 4 unifamiliares e 5 multifamiliares ENCES emitidas = 54, sendo 48 para UH s, 5 para multifamiliares e 1 áreas de uso comum Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 31 57

32 Casa Eficiente Florianópolis/SC Protótipo para habitação social NPC/UFSC Florianópolis/SC CRESOL Chapecó/SC CRESOL Frei Rogério/SC Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais

33 Residencial SJ1 São José/SC Residencial Atlântida Xangri-lá/RS Edifício Travertino Palhoça/SC Residencial Flex Guarulhos Guarulhos/SP Residencial Moai São Paulo/SP Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 33 57

34 Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 34 57

35 Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 35 57

36 Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 36 57

37 Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 37 57

38 ENCE UH Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 38 57

39 ENCE UH Equação 2.1, p.17 RTQ-R Observação: O coeficiente a varia de acordo com a região geográfica (tabela 2.3, p.18 RTQ-R) Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 39 57

40 AMBIENTE Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato UH Edificações Residenciais 40 57

41 Planilha UH residencial/downloads EqNumEnvAmbResf EqNumEnvAmbA EqNumEnvAmbRefr Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 41 57

42 Pré-requisitos TIPOS: - Propriedades térmicas paredes e coberturas - Ventilação natural - Iluminação natural Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 42 57

43 A B B Ambientes de permanência prolongada avaliados individualmente Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais

44 Ao final dos cálculos: EqNumEnvAmbResf EqNumEnvAmbA EqNumEnvAmbRefr Ponderar Ponderar Ponderar Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 44 57

45 Envoltória VERÃO E INVERNO Equações 3.6 a 3.10 (de acordo com a ZB, neste caso ZB3), p RTQ-R Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 45 57

46 Aquecimento de ÁGUA Equação 2.1, p.17 RTQ-R - Sistema de aquecimento solar - Sistema de aquecimento a gás - Sistema de aquecimento elétrico - Bombas de calor - Caldeiras a óleo Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 46 57

47 Bonificações Equação 2.1, p.17 RTQ-R b1 Ventilação Natural 0-0,40 b2 Iluminação Natural 0-0,30 b3 Uso racional de Água 0-0,20 b4 Condicionamento de Ar 0-0,20 b5 Iluminação Artificial 0-0,10 b6 Ventiladores de teto 0,10 b7 Refrigeradores 0,10 b8 Medição individualizada 0,10 Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 47 57

48 Edificações MULTIFAMILIARES Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 48 57

49 Edificações MULTIFAMILIARES Ponderação A B C D E Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 49 57

50 Áreas de USO COMUM Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 50 57

51 Áreas de USO COMUM Frequente Equação 2.2, p.19 RTQ-R Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 51 57

52 Áreas de USO COMUM Equação 2.2, p.19 RTQ-R Eventual Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 52 57

53 Áreas de USO COMUM Equação 6.1, p.117 RTQ-R B1 Uso racional de água 0,60 B2 B3 Iluminação Natural em áreas comuns de uso frequente Ventilação Natural em áreas comuns de uso frequente 0,20 0,20 Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 53 57

54 como obter uma etiqueta?? Contactar um OIA Organismo de Inspeção Acreditado + Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 54 57

55 Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 55 57

56 Etiquetagem de eficiência energética Marcio J. Sorgato Edificações Residenciais 56 57

57 C: R: Etiquetagem de eficiência energética 57 57

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS Roberto Lamberts LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Estado atual da etiquetagem de nível de eficiência

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS E RESIDENCIAIS Martin Ordenes Mizgier, Dr. Eng. martin@arq.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico / Dep. Arquitetura

Leia mais

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL O PROCEL EDIFICA e a Etiquetagem de Eficiência Energética de Edificações Projeções de Consumo de Eletricidade

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

Portaria n.º 126, de 19 de março de 2014.

Portaria n.º 126, de 19 de março de 2014. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Portaria n.º 126, de 19 de março de 2014. O PRESIDENTE

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Documento elaborado pela Eletrobras/ Procel Edifica, Inmetro e CB3E/UFSC Rio de Janeiro, setembro de 2013. 1 O Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

Minha Casa Minha Vida ALTERNATIVAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Minha Casa Minha Vida ALTERNATIVAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Minha Casa Minha Vida ALTERATIVAS DE EFICIÊCIA EERGÉTICA Envoltória para Verão Envoltória para Inverno Aquecimento de Água - AQ Envoltória se refrigerada artificialmente PRÉ-REQUISITOS BR 15220 BR 15575

Leia mais

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina Mobilização / Sensibilização Módulo Eficiência Energética Fevereiro 2012 Fonte: Plano Nacional de Energia 2030 MME, colaboração Empresa de Pesquisa Energética EPE, 2007

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Profª Drª Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de Controle Ambiental e Eficiência Energética Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

SIMULAÇAO DE ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA UM PRÉDIO PÚBLICO - ESTUDOS DE CASO EM GOVERNADOR VALADARES

SIMULAÇAO DE ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA UM PRÉDIO PÚBLICO - ESTUDOS DE CASO EM GOVERNADOR VALADARES SIMULAÇAO DE ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PARA UM PRÉDIO PÚBLICO - ESTUDOS DE CASO EM GOVERNADOR VALADARES Valcimar Silva de Andrade*, Romário Soares Araújo, João Eustáquio da Costa Santos * Instituto

Leia mais

Fundação de Ensino e Engenharia em Santa Catarina http://www.feesc.org.br

Fundação de Ensino e Engenharia em Santa Catarina http://www.feesc.org.br UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli 27/06/2012 Sumário Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

Portaria n.º 372, de 17 de setembro de 2010.

Portaria n.º 372, de 17 de setembro de 2010. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 372, de 17 de setembro de

Leia mais

2.1 RTQ-C. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas

2.1 RTQ-C. Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas 2.1 Regulamento Técnico da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas RTQ-C Com alterações das portarias: nº17 de 2012 e nº299 de 2013 centro brasileiro

Leia mais

Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012

Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 18, de 16 de janeiro de 2012 O PRESIDENTE

Leia mais

Portaria n.º 53, de 27 de fevereiro de 2009

Portaria n.º 53, de 27 de fevereiro de 2009 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 53, de 27 de fevereiro de

Leia mais

O PROCESO DE ETIQUETAGEM DE EDIFÍCIOS. Roberto Lamberts

O PROCESO DE ETIQUETAGEM DE EDIFÍCIOS. Roberto Lamberts O PROCESO DE ETIQUETAGEM DE EDIFÍCIOS Roberto Lamberts INTRODUÇÃO CONSUMO DE ELETRICIDADE POR SETOR Fonte: BEN- 2007 INTRODUÇÃO USOS FINAIS SETOR COMERCIAL INTRODUÇÃO DIVERSIDADE DE USOS FINAIS Fonte:

Leia mais

Comercial, de Serviço e Público

Comercial, de Serviço e Público 1 Diretrizes para Obtenção de Classificação Nível A para Edificações Comerciais, de Serviços e Públicas Comercial, de Serviço e Público 2014 Com base na Portaria: nº 372/2010 2 Eletrobras/Procel José da

Leia mais

Portaria n.º 181, de 21 de maio de 2010. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 181, de 21 de maio de 2010. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 181, de 21 de maio de 2010.

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

Portaria n.º 449, de 25 de novembro de 2010

Portaria n.º 449, de 25 de novembro de 2010 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 449, de 25 de novembro de

Leia mais

Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011.

Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011.

Leia mais

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES Roberto Lamberts, PhD. CT-Energia CBCS Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Eng. Anderson F. Gomes Brasília-DF, 05 de fevereiro de 2015 Apresentação SLTI/MP Lei nº 10.295, de Eficiência Energética MINISTÉRIO DO

Leia mais

Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E

Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E Coordenação: Roberto Lamberts, PhD Núcleo de Edificações Residenciais Pós-doutorandos: Michele Fossati, Dra. Eng. Civil Doutorandos:

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

Apostila. Hiperlivro EtiqEEE

Apostila. Hiperlivro EtiqEEE Apostila Hiperlivro EtiqEEE Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico Arquitetura e Urbanismo Apostila Hiperlivro EtiqEEE Florianópolis - 2013 Terceira edição 1 Apostila Hiperlivro EtiqEEE

Leia mais

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts Eficiência Energética e Mudanças Climáticas [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A industria da construção

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALINE ZANGHELINI MAZON

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALINE ZANGHELINI MAZON UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALINE ZANGHELINI MAZON INFLUÊNCIA DOS ATRIBUTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA, PARA O REQUISITO ENVOLTÓRIA, NOS CUSTOS DIRETOS DE UMA

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

Mozart Schimdt Programa Nacional de Racionalização do Uso de Derivados de Petróleo e do Gás Natural - CONPET

Mozart Schimdt Programa Nacional de Racionalização do Uso de Derivados de Petróleo e do Gás Natural - CONPET MME Ministério de Minas e Energia Edison Lobão Ministro de Minas e Energia CGIEE Comitê Gestor de Indicadores e Níveis de Eficiência Energética Paulo Augusto Leonelli Presidente Ministério das Minas e

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de : PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Cerca de 192.000 produtos ostentam o Selo de Identificação da Conformidade

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações 1 Eficiência Energética em Edificações SUSTENTABILIDADE: NOVOS DESAFIOS E OPORTUNIDADES Maio, 2015 Paula Baratella, arq. MSc. Arquiteta e Urbanista e Mestre em Eng. Civil- UNICAMP Analista de Infraestrutura

Leia mais

4.2 MANUAL RTQ-R. Manual para Aplicação do RTQ-R. Versão 1. centro brasileiro de eficiência energética em edificações

4.2 MANUAL RTQ-R. Manual para Aplicação do RTQ-R. Versão 1. centro brasileiro de eficiência energética em edificações 4.2 Manual para Aplicação do RTQ-R MANUAL RTQ-R Versão 1 centro brasileiro de eficiência energética em edificações Com base na Portaria: nº 18/2012 Eletrobras/Procel José da Costa Carvalho Neto Presidente

Leia mais

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Orientações para a implementação de EE em edifícios públicos Paula Baratella, arq. MSc. Analista

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura

Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura Relatório: Ambientes de permanência prolongada com piscina sobre cobertura Equipe Núcleo de Edificações Residenciais CB3E Florianópolis, setembro de 2012 CB3E - Centro Brasileiro de Eficiência Energética

Leia mais

Profa. Cláudia Naves David Amorim

Profa. Cláudia Naves David Amorim Profa. Cláudia Naves David Amorim Laboratório de Controle Ambiental (LACAM) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) Universidade de Brasília (UnB) O ciclo da construção Novas exigências e normativas:

Leia mais

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP A B C D E Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Sumário LISTA DE SIGLAS... 4 apresentação... 5 Equipe de

Leia mais

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS SUSHI ENERGIA Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS 1 SUMÁRIO Importância de uso racional de energia em HIS Barreiras na implementação de tecnologias Agenda proposta para HIS com mapeamento de tecnologias

Leia mais

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade Soluções em Eficiência Energética e Energia Renovável Aplicáveis a Edificações Residenciais e Comerciais de Pernambuco Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes

Leia mais

Fundação de Ensino e Engenharia em Santa Catarina http://www.feesc.org.br

Fundação de Ensino e Engenharia em Santa Catarina http://www.feesc.org.br UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

Requisitos Técnicos da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos

Requisitos Técnicos da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos Requisitos Técnicos da Qualidade para o Nível de Eficiência Energética de Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos 2010 o Portaria n 372 de 17 de setembro de 2010 ANEXO - Requisitos Técnicos da Qualidade

Leia mais

TABELA DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS UNIDADE HABITACIONAL AUTÔNOMA

TABELA DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS UNIDADE HABITACIONAL AUTÔNOMA verão se se Data da Emissão Bonificação verão Pontuação Nível Eletrosul Casa Eficiente - Eletrosul Rua Deputado Antônio Edú Vieira, 999. Bairro Pantanal. Florianópolis/SC LabEEE Prescritivo 29/11/20 A

Leia mais

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM O "Grupo Empresarial CEB" tem como controladora a Companhia Energética de Brasília - CEB, cuja origem é a Companhia de

Leia mais

Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013.

Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Prédios Públicos Federais PROGRAMA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações Conceito de prédio público

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações. Roberto Lamberts. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações. Roberto Lamberts. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A indústria da construção

Leia mais

CGIEE Comitê Gestor de Indicadores e Níveis de Eficiência Energética Paulo Augusto Leonelli

CGIEE Comitê Gestor de Indicadores e Níveis de Eficiência Energética Paulo Augusto Leonelli MME Ministério de Minas e Energia Edison Lobão Ministro de Minas e Energia CGIEE Comitê Gestor de Indicadores e Níveis de Eficiência Energética Paulo Augusto Leonelli Presidente Ministério das Minas e

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDENCIAIS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações Conselho Brasileiro de Construção

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil

Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Conjunto de indicadores de sustentabilidade de empreendimentos - uma proposta para o Brasil Texto Preliminar Completo - Agosto 2011 INTRODUÇÃO Começam a existir no Brasil um bom número de edifícios com

Leia mais

ANÁLISE DO EDIFÍCIO SESC CANOAS-RS PARA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PELO RTQ-C: ETIQUETA PARCIAL DA ENVOLTÓRIA

ANÁLISE DO EDIFÍCIO SESC CANOAS-RS PARA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PELO RTQ-C: ETIQUETA PARCIAL DA ENVOLTÓRIA ANÁLISE DO EDIFÍCIO SESC CANOAS-RS PARA CLASSIFICAÇÃO DO NÍVEL DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PELO RTQ-C: ETIQUETA PARCIAL DA ENVOLTÓRIA OLIVEIRA, Helena S. (1) ; GUTIERREZ, Grace C. R. (2) (1) Arquiteta Especialista,

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES VII Rio Energias Renováveis EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES CERTIFICAÇÕES E RETORNO FINANCEIRO Antonio Collet - Dezembro 2010 Consumo Final de Energia Consumo de Energia Setores Economicos Canadá

Leia mais

4.1 MANUAL RTQ-C. Manual para Aplicação do RTQ-C. Versão 2. Com base na Portaria: nº 372/3013

4.1 MANUAL RTQ-C. Manual para Aplicação do RTQ-C. Versão 2. Com base na Portaria: nº 372/3013 4.1 Manual para Aplicação do RTQ-C MANUAL RTQ-C Versão 2 centro brasileiro de eficiência energética em edificações Com base na Portaria: nº 372/3013 Eletrobrás/Procel José da Costa Carvalho Neto Presidente

Leia mais

FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO 25.899/2015

FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO 25.899/2015 FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO.99/0 ANEXO 0 GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS ( Subtotal de 9Ptos =.6 % ) Declarada 6 9 Uso de equipamentos economizadores de água ( torneiras com arejadores, spray e/ou

Leia mais

Portaria n.º 248, de 15 de maio de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 248, de 15 de maio de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 248, de 15 de maio de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Encontro de Lideranças 2011 Sistema CONFEA/CREA s Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA ü Mais de empreendimentos já certificados LEED NC e CS ü Todos com simulação termo-energética realizada por equipe especializada interna ü Atualmente temos

Leia mais

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA) (Revisão I) 25/08/2010

Leia mais

Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP

Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP B D E Eficiência energética em edificações ontribuição do Gás LP O que é Programa de valiação da onformidade para Eficiência Energética de Edificações do Inmetro? O Programa de valiação da onformidade

Leia mais

Geração de Energia Elétrica. Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE)

Geração de Energia Elétrica. Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE) Geração de Energia Elétrica Aula 2 Introdução ao Sistema de Energia Elétrica (SEE) 1 Evolução do SEE (~100 anos) SISTEMAS ISOLADOS Sistemas de pequeno porte (necessidades locais) Pequena complexidade operacional

Leia mais

Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Engenharia de Energia EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDÊNCIAS UNIFAMILIARES DE BAIXA RENDA

Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Engenharia de Energia EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDÊNCIAS UNIFAMILIARES DE BAIXA RENDA 11 Universidade de Brasília - UnB Faculdade UnB Gama - FGA Engenharia de Energia EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM RESIDÊNCIAS UNIFAMILIARES DE BAIXA RENDA Por Karoline Martins Cabral Orientadora: Cristina de Abreu

Leia mais

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO Leticia Neves Gerente de Eficiência Energética Wagner Oliveira Coordenador de P&D SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CERTIFICAÇÕES

Leia mais

Soluções Sustentáveis

Soluções Sustentáveis ANA ROCHA MELHADO Soluções Sustentáveis EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS IV SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL RIO DE JANEIRO, junho de 2011 SÍTIO E CONSTRUÇÃO (6 18) 1 - Relação do Edifício com o

Leia mais

CONTEÚDO ABORDADO. O Programa. Vertentes. Rede de Eficiência Energética. Regulamentos

CONTEÚDO ABORDADO. O Programa. Vertentes. Rede de Eficiência Energética. Regulamentos 2012 CONTEÚDO ABORDADO O Programa Vertentes Rede de Eficiência Energética Regulamentos Avaliação dos Sistemas Individuais Envoltória, Iluminação e Ar condicionado Processo de Etiquetagem Treinamento e

Leia mais

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas

Leia mais

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA

EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA EXERCÍCIOS EM SALA DE AULA 1- A EDIFICAÇÃO O empreendimento será construído na cidade de Goiânia - GO. O anteprojeto está definido pelas vistas e perspectivas apresentadas abaixo. FIGURA 01: Perspectiva

Leia mais

Parâmetros e métodos adotados no regulamento de etiquetagem da eficiência energética de edifícios parte 1: método prescritivo

Parâmetros e métodos adotados no regulamento de etiquetagem da eficiência energética de edifícios parte 1: método prescritivo Parâmetros e métodos adotados no regulamento de etiquetagem da eficiência energética de edifícios parte 1: método prescritivo Parameters and methods adopted in the energy eficiency regulation for buildings

Leia mais

Mozart Schimdt Programa Nacional de Racionalização do Uso de Derivados de Petróleo e do Gás Natural - CONPET

Mozart Schimdt Programa Nacional de Racionalização do Uso de Derivados de Petróleo e do Gás Natural - CONPET MME Ministério de Minas e Energia Edison Lobão Ministro de Minas e Energia CGIEE Comitê Gestor de Indicadores e Níveis de Eficiência Energética Paulo Augusto Leonelli Presidente Ministério das Minas e

Leia mais

Aplicação de métodos para a avaliação do nível de eficiência energética de um edifício exemplo

Aplicação de métodos para a avaliação do nível de eficiência energética de um edifício exemplo Aplicação de métodos para a avaliação do nível de eficiência energética de um edifício exemplo Gustavo Daou Palladini Ana Paula Melo Márcio José Sorgato Rogério Versage Roberto Lamberts Florianópolis,

Leia mais

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir.

Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Estes adendos e notas explicativas tem a finalidade de facilitar o entendimento e aperfeiçoar os critérios a seguir. Adendos e notas 1/11 Adendo I de 24/0713 ao Referencial técnico de certificação Edifícios

Leia mais

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO:

SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: SISTEMA CONSTRUTIVO EM PAREDES DE CONCRETO: Adequações frente às s normas de desempenho. Marcelo Moacyr Diretor de Engenharia, Construção e Relacionamento 1 Escolha do Sistema Construtivo 2 Avaliações

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

Este projeto foi desenvolvido pelo LabEEE, com o apoio da Eletrobrás/Procel. Laboratório de Eficiencia Energética em Edificações LabEEE - UFSC

Este projeto foi desenvolvido pelo LabEEE, com o apoio da Eletrobrás/Procel. Laboratório de Eficiencia Energética em Edificações LabEEE - UFSC Este projeto foi desenvolvido pelo LabEEE, com o apoio da Eletrobrás/Procel Eletrobrás/Procel: Fernando Pinto Dias Perrone Chefe do Departamento de Projetos Especiais Procel Edifica: Solange Nogueira Puente

Leia mais

DIRETRIZES PARA OBTENÇÃO DE CLASSIFICAÇÃO NÍVEL A PARA AS ÁREAS DE USO COMUM

DIRETRIZES PARA OBTENÇÃO DE CLASSIFICAÇÃO NÍVEL A PARA AS ÁREAS DE USO COMUM UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO - DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL ECO-EFICIÊNCIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS EDIFICAÇÕES - Versão Revisada e Resumida

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil George Alves Soares Assistente da Diretoria de Tecnologia Abril / 2010 Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das

Leia mais

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras Etiquetagem Eficiência Energética de Edificações Procel Edifica Tecnisa Construtora e Incorporadora

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO PROGRAMA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES: aplicação do RTQ-C Requisitos Técnicos da Qualidade para o Nível

Leia mais

APLICAÇÃO DO RTQ-R NA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES MULTIFAMILIARES DE INTERESSE SOCIAL PARA AS ZONAS BIOCLIMÁTICAS BRASILEIRAS

APLICAÇÃO DO RTQ-R NA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES MULTIFAMILIARES DE INTERESSE SOCIAL PARA AS ZONAS BIOCLIMÁTICAS BRASILEIRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL E AMBIENTAL APLICAÇÃO DO RTQ-R NA AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES MULTIFAMILIARES

Leia mais

ANÁLISE DO POTENCIAL DE ECONOMIA BASEADO EM EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ETIQUETADAS

ANÁLISE DO POTENCIAL DE ECONOMIA BASEADO EM EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ETIQUETADAS ANÁLISE DO POTENCIAL DE ECONOMIA BASEADO EM EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ETIQUETADAS SCALCO, Veridiana A. (1); FONSECA, Raphaela W. da (2); BECK, Elisa de O. (3); PALLADINI, Gustavo D. (4); MAIA, Thalessa (5);

Leia mais

PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA

PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA ELETROBRAS Av. Presidente Vargas, 409 13 andar Centro Rio de Janeiro 20071-003 Caixa Postal 1639 Tel: 21 2514 5151 www.eletrobras.com

Leia mais

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Tecnologia de Aquecimento Solar de Água Abyara, São Paulo, 03 de Julho de 2008 Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Luciano Torres Pereira Grupo Soletrol Soletrol Industria e Comércio Soletrol l Tecnologia Universidade

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES PROJETOS DE HOSPITAIS SUSTENTÁVEIS EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES É importante destacar os benefícios de um edifício sustentável. Os green buildings podem ser definidos pelas seguintes

Leia mais