Márcia Drumond Sardinha

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Márcia Drumond Sardinha"

Transcrição

1 Universidade Federal do Amazonas - UFAM Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico - CDEAM Implantação do Sistema de Gestão para Eficientização Energética na Universidade Federal do Amazonas Márcia Drumond Sardinha Novembro/2005

2 Executor:Centro de Desenvolvimento Energético Amazônico - CDEAM Coordenador: Prof. Dr. Rubem Cesar Rodrigues Souza Período de execução: novembro/2002 a dezembro/2004 Recursos [R$] = ,42

3 OBJETIVOS Geral: Implementar ações de eficientização energética nas instalações elétricas da Universidade Federal do Amazonas e implantar sistema de gerenciamento de energia elétrica.

4 METAS Meta 1 Monitoramento da carga Meta 2 - Reforma das instalações elétricas Meta 3 Substituição de lâmpadas e reatores por modelos mais eficientes Meta 4 - Substituição do sistema de ar condicionado central por aparelhos tipo split Meta 5 Correção do Fator de Potência Meta 6 - Campanha de divulgação do programa e conscientização na comunidade universitária Meta 7 - Implantação do sistema de gerenciamento de energia elétrica

5 CARACTERIZAÇÃO DA UFAM A UFAM foi fundada em 17 de janeiro de 1909 Vagas oferecidas: para 39 cursos de graduação (Sede e fora de Sede) 11 unidades acadêmicas (9 localizadas no campus universitário) Campus universitário: 6,7 milhões de m 2 setores norte e sul Comunidade universitária: discentes técnicos-administrativos 962 docentes serviços terceirizados

6 Meta 1 Monitoramento da carga Medição única no campus universitário Instalação de monitoração e acompanhamento da carga por unidade na FT, ICHL, FACED e Reitoria, com a instalação de 25 medidores Monitoração por subestação

7 Meta 2 Reforma das instalações elétricas Instalações elétricas antes da reforma : Desbalanceamento de carga; Precariedade na proteção; Falta de proteção; Distribuição de carga de forma que inviabiliza o gerenciamento por uso final; Falta de setorização. As condições precárias são encontradas, de forma geral, em todas as instalações da UFAM.

8

9 Meta 2 Locais contemplados: FT, ICHL, FACED, Reitoria e Fazenda Experimental. Ações realizadas: Setorização da iluminação; Separação dos circuitos de iluminação, climatização e outras cargas; Quadros de comando nos corredores; Manutenção das subestações; Rede externa na Fazenda Experimental.

10 Última fila 1ª fila

11 Meta 3 Substituição de lâmpadas e reatores Locais contemplados: FT, ICHL, FACED, Reitoria e Fazenda Experimental. Situação anterior: Lâmpadas e reatores queimados; Luminárias danificadas; Nível de iluminação inadequado; Presença de poeira nas luminárias.

12 Meta 3 Ações realizadas: Limpeza e substituição de luminárias; Substituição de lâmpadas fluorescentes LF s de 40 W por LF s de 32 W; Redução de 50% das luminárias externas; Substituição de reatores eletromagnéticos por reatores eletrônicos; Recolhimento do material do sistema de iluminação substituído.

13 Meta 3 Quadro 1 Quantidade de material utilizado na substituição do Sistema de Iluminação Local Lâmpadas Reatores 16 W 20 W 32 W 70 W Total 16 W 32 W 70 W Total Luminária FT ICHL FACED Reitoria Fazenda Total

14 Meta 3 Quadro 2 Economias obtidas na Substituição do Sistema de Iluminação Potência instalada [kw] Consumo anual [kwh] Antes Depois Antes Depois Potência instalada [kw] Economia Consumo anual [kwh] Valor [R$] 301,57 232, , ,39 68, , ,32 O Sistema contemplado contribui com aproximadamente 14% para o consumo de energia elétrica do campus universitário; Estima-se que a substituição reduzirá 3% do consumo de energia elétrica total do campus universitário; Utilização do material recolhido nas unidades não contempladas pelo projeto.

15 Meta 4 Substituição do sistema de climatização Local contemplado: FT Substituição das centrais de ar condicionados nos blocos Rio Japurá, Rio Purus e Rio Nhamundá Substituição de aparelhos tipo janela que estavam em situação precária nos blocos Rio Madeira e Rio Aripuanã 16 aparelhos tipo split

16 Meta 4 Quadro 3 Equipamentos de climatização instalados Ordem Especificação Quantidade Local de instalação 1 Condicionador de ar split BTU/h 5 Japurá, Nhamundá 2 Condicionador de ar split BTU/h 1 Madeira 3 Condicionador de ar split BTU/h 4 Madeira 4 Condicionador de ar split BTU/h 2 Aripuanã, Nhamundá 5 Condicionador de ar split BTU/h 4 Madeira, Nhamundá Total 16 O sistema de climatização era composto por 5 centrais de ar condicionado de 15 TR s; Estimou-se que a substituição por mini centrais (Split) reduzirá a carga instalada em 29%.

17 Meta 4 Quadro 4 Economias obtidas na Substituição do Sistema de Climatização Potência instalada (kw) Consumo anual (kwh) Antes Depois Antes Depois Potência instalada (kw) Economia Consumo anual (kwh) Valor (R$) 263,93 187, , ,48 76, , ,85 Não foram consideradas: As perdas nos dutos provenientes de vazamentos para ambiente diferente daquele sob condicionamento (5%); Aparelhos em substituição ao tipo janela. Os equipamentos de climatização da FT contribuem com aprox. 10% para o total do consumo em climatização de todo o campus universitário; Estima-se que a substituição do sistema da FT reduzirá 4% do consumo de energia total do campus.

18 Meta 5 Correção do Fator de Potência Situação anterior: Condições precárias das instalações físicas e elétricas; Todas as 7 unidades consumidoras não atingiam o limite mínimo de 0,92. Ordem 1 Quadro 5 Fator de Potência antes da correção Unidade consumidora (UC) Hospital Universitário Getúlio Vargas Subestação "A" 2 Hospital Universitário Getúlio Vargas Subestação "B" FP médio Valor (R$) 0, ,17 0, ,66 3 Faculdade de Farmácia 0, ,87 4 Escola de Enfermagem 0, ,88 5 Fazenda Experimental 0, ,52 Total ,10

19 Meta 5 Locais contemplados: Hospital Universitário Getúlio Vargas Curso de Farmácia; Escola de Enfermagem; Campus universitário/fazenda Experimental. Ações realizadas: Readequação das instalações físicas e elétricas das subestações; Instalação de banco automático de capacitores;

20 Meta 6 Campanha de divulgação do programa e conscientização na comunidade universitária Situação anterior: Nunca houve uma campanha sobre o uso racional e eficiente de energia elétrica voltada para os prédios da UFAM; Os usuários não têm consciência do quanto a fatura de energia elétrica significa para o orçamento mensal da UFAM; Os usuários possuem hábitos inadequados no que se refere à eficiência energética.

21 Meta 6 Ações realizadas: Desenvolvimento de material em conjunto com a CICE; Reunião com diretores das unidades acadêmicas; Lançamento da campanha; Palestras para os alunos calouros; Distribuição do material em todos os prédios da UFAM (Sede e Fora de Sede); Elaboração de procedimentos a serem adotados pelos professores nas salas de aula; Desenvolvimento do site da CICE.

22 Meta 6 Adesivos para tomadas e equipamentos

23 Meta 6 Adesivos para interruptores, janelas e carros

24 Meta 6

25 Meta 6 Imagem para a camiseta

26 Meta 6

27 Meta 6

28 Meta 6 Ações a serem executadas: Utilizar os recursos da UFAM, tais como: jornais, informativos; Incluir frases nos rodapés dos contra-cheques e documentos em geral; Site da UFAM; TV UFAM; Concurso para criação do nome do mascote da campanha; Continuar as palestras para todos os segmentos da comunidade universitária.

29 Meta 7 Implantação do sistema de gerenciamento de energia elétrica Ações realizadas: Desenvolvimento de metodologia para o sistema de gerenciamento; Bancada de ensaio de lâmpadas e reatores; Uso do software de gerenciamento desenvolvido pelo CDEAM; Levantamento das potencialidades: contrato de demanda: - 3 UC s não possuem contrato; - As multas, na EEM, devido à ultrapassagem de demanda representam aproximadamente 31% dos custos totais da fatura.

30 Meta 7 Considerações iniciais: Sistema de gestão: aquele capaz de gerenciar todos os componentes que integram o sistema, desde a análise das solicitações de compra de equipamentos até as campanhas educativas; Um sistema de gerenciamento requer um conhecimento prévio de todos os aspectos da empresa ou instituição a ser gerenciada.

31 Meta 7 Atores internos envolvidos: - administração superior - prefeitura do campus - diretor de unidade acadêmica e departamentos administrativos -CICE - usuários das instalações (docentes, discentes, técnicos administrativos) Atores externos: - prestadoras de serviço - concessionárias - governo

32 Meta 7 Sistema de Gestão Energética em Universidade: Busca garantir a eficiência energética e a segurança das instalações elétricas no âmbito da instituição; Contribuir para a conscientização da comunidade universitária; Possuir caráter de programa institucional; A metodologia deve garantir um processo rápido e eficiente; Pode ser aplicada independente do estágio construtivo das edificações; Comprometimento de toda a comunidade universitária; Identificar fontes de financiamento para as ações de eficiência energética a serem implementadas na instituição.

33 Estrutura esquemática do Sistema de Gestão Energética

34 Meta 7 Gerenciamento do Sistema de Gestão Energética: Sob a responsabilidade do Agente Gestor - AG. Função do AG: gerenciar as atividades a serem implementada e aquelas já existentes mas que não estão sendo sistematizadas e analisadas. Perfil do AG: Prefeitura do campus ou órgão similar Equipe composta por profissionais da instituição com afinidade em programas de gestão.

35 Meta 7 Infra-estrutura: Utilização e colaboração da estrutura administrativa dos setores já existentes, tais como a prefeitura, CICE, entre outros; É desejável uma infra-estrutura para a realização das atividades: local, equipamentos, material de consumo, reprografia, softwares, bancadas de ensaio, entre outros; Recursos humanos: É desejável que se tenha uma equipe permanente e especializada (eng. Eletricista, eng. Civil, arquiteto, técnicos em eletrotécnica, estudantes de graduação...); Consultoria de profissionais fora da instituição.

36 Meta 7 Estrutura de suporte técnico: Criação de núcleo ou grupo de eficiência energética; Os docentes e pesquisadores que atuam na área de Energia devem colaborar com a equipe. Atributos principais do SGEU: Gestão da Informação; Gestão de Diagnósticos Energéticos; Gestão de Adequação de Produtos e Serviços; Gestão de Melhoria Contínua.

37 Meta 7 Gestão da Informação - elaboração de procedimentos para: Garantia da obtenção e atualização das informações; Análise dos parâmetros da fatura de energia; Documentação das informações; Disponibilizar as informações adequadamente. Gestão de Diagnósticos Energéticos: Avaliar a situação energética da instituição antes da implantação das ações de eficiência energética; Geralmente os diagnósticos reafirmam a necessidade da implantação de sistemas de gestão energética; Devem ser realizados em todas as UC s, com preferência para as que apresentam situações mais críticas; Quando não houver equipe especializada, deve-se contratar serviços terceirizados.

38 Meta 7 Gestão da Adequação de Produtos e Serviços: Aquisição e/ou substituição dos materiais e equipamentos; Contratos de manutenção; Controle da qualidade de lâmpadas fluorescentes e reatores; Controle da qualidade de serviços realizados por técnicos da prefeitura (ou órgão similar) ou serviços de terceiros; Concepção de projetos de edificações; Contribuição para o pagamento da conta de energia decorrente do acréscimo de consumo e de demanda ocasionados por novos projetos e por serviços de terceiros; Realização de compras.

39 Meta 7 Gestão da Melhoria Contínua: Acompanhamento e avaliação do SGEU (uso de indicadores energéticos e monetários); Captação de recursos financeiros.

40 Resultados Resultados do projeto Ações Benefícios anuais Valor [R$] Executadas Substituição sistema iluminação ,32 Substituição sistema climatização ,85 Correção do FP , ,16 A serem executadas Revisão do contrato de demanda ,07 Manutenção sistema iluminação ,08 Correção do FP , ,43 Total ,59

41 Considerações finais O gerenciamento energético, dependendo do nível que se pretenda atingir, não necessita de tecnologias sofisticadas, no entanto, não é algo trivial; Ainda que sejam implementadas ações mais simples é necessário no mínimo o comprometimento institucional e uma infra-estrutura mínima para obterem-se bons resultados; Apesar dos custos de investimento para algumas medidas ainda se mostrarem elevados existe uma série de ações que podem ser realizadas apenas com a adoção de novas medidas administrativas e de procedimentos técnicos, que teoricamente não trariam ônus para a instituição;

42 Considerações finais Paralelamente a esta nova forma de administração da energia elétrica dentro da instituição poderão ser buscados recursos financeiros para a implementação das medidas indicadas pelo SGEU; De forma geral, o que parece ser a maior dificuldade para o SGEU não são os recursos financeiros, mas a aceitação de uma gestão energética dentro da instituição e o apoio necessário para a existência da mesma como um programa institucional.

43 Agradecimento ÀFINEP

44 MUITO OBRIGADA!

Importância da medição de energia para a eficiência energética

Importância da medição de energia para a eficiência energética 64 Importância da medição de energia para a eficiência energética Elaborado por César Lapa, Marco Antonio Saidel e Katia Gregio Di Santo INTRODUÇÃO A eficiência energética destaca-se cada vez mais no cenário

Leia mais

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO INTRODUÇÃO A UFPel foi criada em 1969 (45 anos), embora aglutine, em sua estrutura administrativa e acadêmica, uma Faculdade de Agronomia centenária (130 anos), uma

Leia mais

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética

METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO. Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética METODOLOGIA DE DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO Oportunidades de redução de custos e maior eficiência energética A realização de diagnóstico energético envolve um conjunto bastante diversificado de atividades,

Leia mais

AÇÕES DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA REALIZADAS PELO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO AMAZÔNICO

AÇÕES DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA REALIZADAS PELO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO AMAZÔNICO AÇÕES DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA REALIZADAS PELO CENTRO DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO AMAZÔNICO Márcia Drumond Sardinha; Rubem Cesar Rodrigues Souza; Fernando Cesar Rodrigues Souza; Adeilson Teixeira de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 COMISSÃO GESTORA DOS PLANOS DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO

Leia mais

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO

PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO PROBEN PROGRAMA DE BOM USO ENERGÉTICO Proben Esplanada ACORDO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA ENTRE O MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO E A UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS,

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100.

Analisando graficamente o exemplo das lâmpadas coloridas de 100 W no período de três horas temos: Demanda (W) a 100 1 100 100. Consumo Consumo refere-se à energia consumida num intervalo de tempo, ou seja, o produto da potência (kw) da carga pelo número de horas (h) em que a mesma esteve ligada. Analisando graficamente o exemplo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170

PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P CNPJ/MF 10.565.000/0001-92 CEP 50.030-230 CPF 342.246.884-68 CEP 52.041-170 PLANO DE TRABALHO PARA IMPLANTAÇÃO DA A3P 1. DADOS CADASTRAIS Órgão SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE Endereço CAIS DO APOLO, Nº 925, BAIRRO DO RECIFE Cidade RECIFE UF PE Nome do Responsável MARCELO AUGUSTO

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA GESTÃO DA CONTA DE ENERGIA ELÉTRICA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE Milthon Serna Silva Cristiano Santos Carvalho Roberto Felipe andrade Menezes José Raimundo Teodoro Júnior

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental ENERGIA

Sistema de Gestão Ambiental ENERGIA Sistema de Gestão Ambiental ENERGIA Grupo:Amanda,Débora,Diogo,Flavia,Júlia,Luis,Melina e Nádia Introdução: Energia PROBLEMAS AMBIENTAIS IMPORTÂNCIA DESPERDÍCIO BENEFÍCIOS DEPENDÊNCIA Introdução: Energia

Leia mais

PURI - Programa de Uso Racional e Eficiente dos Insumos (Água, Energia Elétrica e Telefonia) na PUC Minas.

PURI - Programa de Uso Racional e Eficiente dos Insumos (Água, Energia Elétrica e Telefonia) na PUC Minas. PURI - Programa de Uso Racional e Eficiente dos Insumos (Água, Energia Elétrica e Telefonia) na PUC Minas. 1. O Programa de Uso Racional e Eficiente dos Insumos Em qualquer empresa, seja ela pública ou

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD Institui e regulamenta o Programa de Uso Racional de Água e Energia Elétrica no âmbito da UFCSPA. O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia

Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Eficientização Energética em Delegacias de Polícia Antônio Afonso Gomes Júnior e Gabriel de Oliveira Brandão e Gomes Resumo As ações de eficiência energética em delegacias e batalhões de polícia, sediados

Leia mais

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor

Capítulo XII. Procedimentos de manutenção para economia de energia. Manutenção elétrica industrial. Conhecer melhor para administrar melhor 50 Apoio Manutenção elétrica industrial Capítulo XII Procedimentos de manutenção para economia de energia Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* Um programa bem elaborado de manutenção é um ponto

Leia mais

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética

Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Soluções Schneider Electric voltadas à Eficiência Energética Sistemas para Gerenciamento de Energia Fundação Santo André 25/03/08 Por: Eng. André F. Obst Depto. de Eficiência Energética Objetivo Entender

Leia mais

Projeto Energia Verde

Projeto Energia Verde Projeto Energia Verde Ana Christina R. Mascarenhas e Leandro C. da Silva Resumo O Projeto Energia Verde foi criado para os consumidores das distribuidoras do Grupo Neoenergia: Companhia de Eletricidade

Leia mais

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA

Sitec Power Soluções em Energia ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA ENERGIA REATIVA E FATOR DE POTÊNCIA O QUE É ENERGIA ATIVA E REATIVA? Sim, mas apesar de necessária, a utilização de Energia Reativa deve ser a menor possível. O excesso de Energia Reativa exige condutores

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.

DEMANDA Sob Controle. Halten Soluções Técnicas. Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com. DEMANDA Sob Controle Halten Soluções Técnicas Elaborado por : Ronaldo Paixão 24-8124-1598 / 24-2245-6401 www.halten.com.br ronaldo@halten.com.br INTRODUÇÃO Para a adoção de estratégias para a otimização

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus

Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus Determinação da Fatura de Energia Elétrica de Uma Unidade Consumidora Utilizando o Software Energyplus 1 Arnulfo Barroso Vasconcellos, Dr.; Fernando Novelo, Acad.; Luciana Oliveira da Silva, Eng.; Antônio

Leia mais

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública

Desenvolvimento da Iluminação Pública no Brasil. Sistemas de gestão da iluminação pública 14 Capítulo IX Sistemas de gestão da iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* Conforme apresentado no capítulo anterior, uma das oportunidades de melhoria na iluminação pública justamente refere-se

Leia mais

Excelência no uso da Energia Elétrica Abordagem de Problemas e Soluções. G.T. Capacitores

Excelência no uso da Energia Elétrica Abordagem de Problemas e Soluções. G.T. Capacitores Excelência no uso da Energia Elétrica Abordagem de Problemas e Soluções 1 Excelência no uso da Energia Elétrica 1- Conceito 2- Legislação atual em Baixa Tensão 3- Visão de Futuro/ Tendência Mundial 4-

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ENERGIA

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ENERGIA SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ENERGIA Autores: Amanda Rodrigues da Mata Diogo Munhoz Amorin Débora Guimarães Nadale de Souza Flavia Colette Boing Julia Dell Sol Passos Gusmões Luis Felipe Bernardo Melina

Leia mais

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável

Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável São Paulo Maio 2008 Fórum Internacional de Arquitetura e Tecnologias para a Construção Sustentável Sustentabilidade em Edificações

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba.

Conviver Rural Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência. Grandes resultados para os pequenos produtores do Jaíba. Para se ter eficiência energética é preciso ter inteligência Desde 1998, por lei, toda distribuidora de energia precisa investir em ações que reduzam o desperdício de energia elétrica. Uma determinação

Leia mais

PLANILHA DE SERVIÇOS BÁSICOS FL. 01/12

PLANILHA DE SERVIÇOS BÁSICOS FL. 01/12 FL. 01/12 REGIÃO I estimados R$ Sub Total BDI 1 2 Execução de infra-estrutura para a instalação de ponto elétrico duplo (rede comum ou estabilizada), até 1.500 W. partindo do quadro elétrico até qualquer

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

COLINAS Instalações Elétricas - CS Nº 6782 Data da Realização: 21/09/2010

COLINAS Instalações Elétricas - CS Nº 6782 Data da Realização: 21/09/2010 COLINAS Instalações Elétricas - CS Nº 6782 Data da Realização: 21/09/2010 1 INTRODUÇÃO Prezado(a) Senhor(a) Síndico(a), Estamos encaminhando os resultados do check-up efetuado nas instalações elétricas

Leia mais

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica

Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Faturamento de Reativo pelas Concessionárias de Energia Elétrica Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407

Leia mais

São Paulo - SP Brasil. Eficiência Elétrica no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso

São Paulo - SP Brasil. Eficiência Elétrica no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP Brasil Eficiência Elétrica no Campus da Universidade Federal de Bernardo Dias São José Alyne Romeiro

Leia mais

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA

SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA Memorial descritivo e de cálculo SUBESTAÇÃO 150KVA SEC. DE SAÚDE DO ESTADO DO CE. SESA 1 ÍNDICE 1. APRESENTAÇÃO 2. IDENTIFICAÇÃO 3. CARACTERÍSTICAS DA SUBESTAÇÃO 4. PROJETO ELÉTRICO 4.1. MEMORIAL DESCRITIVO

Leia mais

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN

Programa de Racionalização do Uso de Energia PRUEN Proponente: Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária - FAPEU Executor: Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC Financiamento: Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP Coordenação:

Leia mais

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA

LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA LIVRETO EXPLICATIVO LIVRETO EXPLICATIVO ENERGIA ATIVA E REATIVA DEZEMBRO/2009 ELABORADO POR: CLÁUDIO F. DE ALBUQUERQUE ENG ELETRICISTA EDITADO POR: NELSON FUCHIKAMI LOPES ENG ELETRICISTA Índice 1 O que

Leia mais

PERSPECTIVAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM ESTABELECIMENTO COMERCIAL NA CIDADE DE ALAGOINHAS (BA) - UM ESTUDO DE CASO.

PERSPECTIVAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM ESTABELECIMENTO COMERCIAL NA CIDADE DE ALAGOINHAS (BA) - UM ESTUDO DE CASO. PERSPECTIVAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM UM ESTABELECIMENTO COMERCIAL NA CIDADE DE ALAGOINHAS (BA) - UM ESTUDO DE CASO. LEIDIANE BASTOS SENNA (FSSS ) leu.senna@hotmail.com Luana Nascimento Freitas Sodre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA A IMPORTÂNCIA DA MEDIÇÃO DE ENERGIA PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Existem várias finalidades para medição de energia, dentre elas vamos destacar as seguintes: Consumo mensal de energia A grandeza medida é

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA DO ESCRITORIO CENTRAL DE FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA DO ESCRITORIO CENTRAL DE FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GCE 25 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XIV GRUPO DE ESTUDO DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA OTIMIZAÇÃO ENERGÉTICA

Leia mais

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas.

Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Artigos técnicos 02 Aqui você encontra artigos que irão auxiliar seu trabalho a partir de informações relevantes sobre segurança e dicas de instalações elétricas. Instalação elétrica defasada é foco de

Leia mais

1) Eficientização das Instalações da FUSAM - Fundação de Saúde Amaury de Medeiros

1) Eficientização das Instalações da FUSAM - Fundação de Saúde Amaury de Medeiros 3. Poder Público 1) Eficientização das Instalações da FUSAM - Fundação de Saúde Amaury de Medeiros a) Situação: Concluído De acordo com o diagnóstico realizado, foram consideradas viáveis a substituição

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Práticas de sustentabilidade Ações que tenham como objetivo a construção de um novo modelo de cultura institucional visando a inserção de critérios de sustentabilidade

Leia mais

Tecnologia e inovação a serviço da sociedade

Tecnologia e inovação a serviço da sociedade Tecnologia e inovação a serviço da sociedade Apresentação Institucional Novembro de 2005 Histórico Institucional 1899 -GABINETE Gabinete de Resistência de Materiais (Poli) 1926 - LABORATÓRIO Laboratório

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO PRÉDIO SEDE DA JUSTIÇA ELEITORAL DE PERNAMBUCO

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO PRÉDIO SEDE DA JUSTIÇA ELEITORAL DE PERNAMBUCO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE PERNAMBUCO (COMISSÃO SOCIOAMBIENTAL) sociamb2@tre-pe.jus.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO PRÉDIO SEDE DA JUSTIÇA ELEITORAL DE PERNAMBUCO Tema: GESTÃO SOCIOAMBIENTAL SINARA BATISTA

Leia mais

GESTÃO PÚBLICA DE ENERGIA ELÉTRICA: O PROGRAMA PERMANENTE PARA O USO EFICIENTE DE ENERGIA NA USP

GESTÃO PÚBLICA DE ENERGIA ELÉTRICA: O PROGRAMA PERMANENTE PARA O USO EFICIENTE DE ENERGIA NA USP GESTÃO PÚBLICA DE ENERGIA ELÉTRICA: O PROGRAMA PERMANENTE PARA O USO EFICIENTE DE ENERGIA NA USP Saidel, M.A.*; Favato, L.B.** * Escola Politécnica da Universidade de São Paulo Av. Prof. Luciano Gualberto,

Leia mais

Como reduzir sua conta de energia elétrica

Como reduzir sua conta de energia elétrica Como reduzir sua conta de energia elétrica Com REDULIGHT você tem energia de melhor qualidade e economiza até 25% na conta Saiba como O que é e como funciona o filtro REDULIGHT O Redulight é um Filtro

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA EM ESCOLAS PÚBLICAS 1

CONSCIENTIZAÇÃO DO USO RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA EM ESCOLAS PÚBLICAS 1 CONSCIENTIZAÇÃO DO USO RACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA EM ESCOLAS PÚBLICAS 1 RESUMO Rubem Cesar Rodrigues Souza 2 Márcia Drumond Sardinha 3 Adeilson Teixeira Albuquerque 3 Osaneide Ferreira Crispim 3 Greicy

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05

IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05 IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE USO RACIONAL DA ÁGUA NO CAMPUS DO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA PARTE 05 Doalcey A. Ramos, Centro de Ciências Tecnológicas, doalcey@joinville.udesc.br

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO ENERGÉTICA DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL - BNB

PROGRAMA DE GESTÃO ENERGÉTICA DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL - BNB PROGRAMA DE GESTÃO ENERGÉTICA DO BANCO DO NORDESTE DO BRASIL - BNB Tomaz Nunes Cavalcante Neto ¹, Ricardo Silva Thé Pontes ¹, Adson Bezerra Moreira 2, Fabrício Bandeira da Silva ¹. ¹ Departamento de Engenharia

Leia mais

Diálogos do PES. Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT

Diálogos do PES. Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT Diálogos do PES Pesquisa socioambiental e Diagnóstico socioambiental do TJDFT Cenário Histórico 2009 AGENDA SOCIOAMBIENTAL (REUNIÃO DAS AÇÕES EXISTENTES) 2010 CRIAÇÃO PROGRAMA VIVER DIREITO META 6 DO PODER

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR HOTELEIRO: ESTUDO DE CASO EM RONDÔNIA.

BOAS PRÁTICAS DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR HOTELEIRO: ESTUDO DE CASO EM RONDÔNIA. ISSN 1984-9354 BOAS PRÁTICAS DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR HOTELEIRO: ESTUDO DE CASO EM RONDÔNIA. Sérgio Luiz Souza Nazário (UNESC) Tiago Balieiro Cetrulo (UNESC) Jefferson Junior Leal Lins (UNESC)

Leia mais

relatório M&V Geladeiras

relatório M&V Geladeiras relatório M&V Geladeiras 03 Expediente Produção: Instituto Bioterra Revisão: Maria Elisa Rodrigues Moreira Arte e Diagramação: Designlândia Impressão: Aster Graf Este produto integra o Ciclo 2011 do Programa

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA

IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA IMPLEMENTAÇÃO DE TECNOLOGIA DE ILUMINAÇÃO LED: UMA SOLUÇÃO PARA REDUÇÃO DE CONSUMO DE ENERGIA Onofre Bueno Filho onofre.bueno@aedb.br AEDB Pedro Matheus Giupponi da Silva peddro_25@hotmail.com AEDB Kleverson

Leia mais

Comissão de Sustentabilidade e Conscientização Ambiental

Comissão de Sustentabilidade e Conscientização Ambiental Estímulo do uso racional de água, eletricidade, gás, telefone, resíduos e prevenção de dengue Campus São Paulo Unifesp 2015 Rudolf Wechsler Assessor Diretoria CSP Presidente Comissão Nilce Manfredi Diretora

Leia mais

Relação dos Projetos Aprovados Pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL no Ano de 2013

Relação dos Projetos Aprovados Pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL no Ano de 2013 Relação dos Projetos Aprovados Pela Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL no Ano de 2013 1. Introdução Este relatório apresenta uma análise físico-financeira dos Projetos de Eficiência Energética

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

Iluminação Pública na Cidade Universitária da Universidade de São Paulo. Cesar Augusto Palácio Dantas

Iluminação Pública na Cidade Universitária da Universidade de São Paulo. Cesar Augusto Palácio Dantas Iluminação Pública na Cidade Universitária da Universidade de São Paulo Cesar Augusto Palácio Dantas 1 Estrutura da Apresentação Introdução Central de Controle Operacional Sistema de Controle Resultados

Leia mais

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS

APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS APOSTILA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Engenharia Elétrica - UniFOA 7 Período Professor Paulo André Dias Jácome Engenheiro Eletricista CREA-RJ 168734/D Bibliografia: Básica: - Instalações Elétricas Hélio Creder

Leia mais

Projeto de Eficiência Energética no Hospital de Clínicas da UNICAMP

Projeto de Eficiência Energética no Hospital de Clínicas da UNICAMP 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Projeto de Eficiência Energética no Hospital de Clínicas da UNICAMP Marcos Danella ELEKTRO Gilberto De Martino Jannuzzi UNICAMP Ernesto Ruppert Filho UNICAMP

Leia mais

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA

VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA VII ENCONTRO ENSINO EM ENGENHARIA PROGRAMA COOPERATIVO O DESENVOLVIMENTO DE UM PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NA FACULDADE DE ENGENHARIA DA UFJF Danilo Pereira Pinto - danilo@engelet.ufjf.br UFJF Faculdade

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL O SGA é parte do Sistema de Gestão da UFRGS, englobando a estrutura organizacional, as atividades de planejamento, as responsabilidades, as práticas, os procedimentos, os processos

Leia mais

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim

H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim H7- Analisar o fator de potência de um motor. Prof. Dr. Emerson S. Serafim 1 Quais são as causas do BAIXO fator de potência? Motores SUPERdimensionados ou com POUCA carga. Lâmpadas de descarga: fluorescentes,

Leia mais

Re9 Instalações e Sistemas. contao@re9instalacoes.com.br

Re9 Instalações e Sistemas. contao@re9instalacoes.com.br Re9 Instalações e Sistemas contao@re9instalacoes.com.br A Empresa A Re9 Instalações e Sistemas, uma empresa especializada no fornecimento de Mão de obra especializada e implantação de sistemas para Condomínios

Leia mais

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem.

Potência ativa (W): é a que realmente produz trabalho, isto é, faz os motores e os transformadores funcionarem. Fator de Potência e sua correção A energia elétrica consumida em uma instalação industrial é composta basicamente por duas parcelas distintas, que são: BANCO DE CAPACITORES Nota: Energia consumida por

Leia mais

ECONÔMIA DE ENERGIA ELÉTRICA

ECONÔMIA DE ENERGIA ELÉTRICA ECONÔMIA DE ENERGIA ELÉTRICA (CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA) Eng.º Jefferson F. Moraes SPDM Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina 11 Hospitais (HGP, HED, HCLPM, HMPB, HB, HMJCF, CHOV,

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: (Não preencher) Maceió, Brasil, Agosto de 2005

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: (Não preencher) Maceió, Brasil, Agosto de 2005 PALAVRAS-CHAVE: medições em subestações previsor de energia protocolo DNP perdas de energia COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE

Leia mais

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas

Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas Decreto Estadual nº 45.765, de 4 de maio de 2001 Institui o Programa Estadual de Redução e Racionalização do Uso de Energia e dá providências correlatas GERALDO ALCKMIN, GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO,

Leia mais

Novo Medidor Eletrônico

Novo Medidor Eletrônico Novo Medidor Eletrônico Neste material, você encontra todas as informações sobre o novo equipamento que vai medir o consumo de energia elétrica da sua instalação. bandeirante Instalação do medidor eletrônico

Leia mais

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini

José Mario Dionizio. André Luis Sermarini GESTÃO AMBIENTAL EM SUBESTAÇÕES AVALIAÇÃO DE RESULTADOS DA IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL COM VISTAS A PRESERVAR A IMAGEM DA CIA E GARANTIR A SUSTENTABILIDADE DE SEUS NEGÓCIOS José Mario Dionizio

Leia mais

Esplanada Sustentável

Esplanada Sustentável Esplanada Sustentável Mobilização / Sensibilização Módulo Eficiência Energética Fevereiro 2012 HISTÓRICO DO PROCEL EPP ECF 1867 Sede CHESF ECF 2052 CEB nas escolas ECF 2052 CEB Palácio Buriti 1998 Após

Leia mais

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO

ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO Contratação de Serviços de Engenharia para Instalação de Novos Pontos de IP e Complementação da Eficientização do Sistema de Iluminação Pública de Porto Alegre ANEXO XIII - PROJETO BÁSICO 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Consumo Consciente Energia Elétrica

Consumo Consciente Energia Elétrica Consumo Consciente Energia Elétrica Agosto 2010 Planeta SUSTENTABILIDADE NO CONSUMO Incentivo ao consumo responsável e consciente IMPORTÂNCIA DA ENERGIA PARA O GRUPO Compra energia elétrica de 23 concessionárias

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE UM MODELO DE SIMULAÇÃO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES DE CURTO PRAZO: ESTUDO DE CASO NO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSC

CALIBRAÇÃO DE UM MODELO DE SIMULAÇÃO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES DE CURTO PRAZO: ESTUDO DE CASO NO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSC CALIBRAÇÃO DE UM MODELO DE SIMULAÇÃO ATRAVÉS DE MEDIÇÕES DE CURTO PRAZO: ESTUDO DE CASO NO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DA UFSC Alexandre Simon Lee (1); Fernando Simon Westphal (2); Roberto Lamberts

Leia mais

PDI 2015-2019 Centro de Ciências Humanas e Letras

PDI 2015-2019 Centro de Ciências Humanas e Letras PDI 2015-2019 Centro de Ciências Humanas e Letras O Centro de Ciências Humanas e Letras (CCHL) é unidade de ensino e administração da Universidade Federal do Piauí, reconhecida nos Estatutos da Instituição.

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP

RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP RELATÓRIO DE ATIVIDADES SEMAP 2010 Paulo Cesar Roza da Luz Porto Alegre, dezembro de 2010 ÍNDICE - Introdução... 03 - Atividades realizadas... 04 1) Manutenção... 04 2) Almoxarifado... 06 3) Patrimônio...

Leia mais

Serviços em Energia Agregando Valor

Serviços em Energia Agregando Valor Agregando Valor Antonio Carlos Messora Energia Como usar de forma racional e eficiente? Como diminuir custos? Mercado livre ou cativo? Curto Prazo, Longo Prazo ou Que Prazo? O preço vai subir ou descer?

Leia mais

CÓDIGO DA VAGA: TP07 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS

CÓDIGO DA VAGA: TP07 QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS QUESTÕES DE MÚLTIPLAS ESCOLHAS 1. A alternativa que NÃO se coaduna com o conceito de qualidade na gestão pública, implementado a partir do início dos anos 90, com o Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade

Leia mais

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br

eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br eccosystems@eccosystems.com.br janaina@eccosystems.com.br 51 3307 6597 A ECCOSYSTEMS está estruturada para a prestação de serviços de engenharia, consultoria, elaboração de estudos, planejamento, projetos

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

3. Determinação dos condutores (CCMs, QDL, QGF, circuitos terminais, etc.);

3. Determinação dos condutores (CCMs, QDL, QGF, circuitos terminais, etc.); Instalações Elétricas Industriais Professor:Fábio Bertequini Leão Programa de Ensino ELE 1093 1 - Elementos de Projeto Formulação de um Projeto Elétrico Roteiro para elaboração de um Projeto Elétrico Industrial:

Leia mais

cesse: Downloads Manuais Tira-dúvidas

cesse: Downloads Manuais Tira-dúvidas para leigos cesse: Downloads gratuitos Manuais Tira-dúvidas E muito mais! O site Shammaluz está mais bonito e mais completo. Lá você encontra informações específicas para cada tipo de negócio que quer

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL

PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL PLANO DE GESTÃO DE LOGÍSTICA SUSTENTÁVEL Comissão Gestora do Plano de Gestão de Logística Sustentável Rodovia CE 292, KM 15, Gisélia Pinheiro - CEP 63.115-500 - Crato - Ceará Fone (88) 3586 8100 1. Introdução

Leia mais

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br

Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR. Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Experiências em Redes Inteligentes Institutos Lactec e UFPR Por Rodrigo Jardim Riella riella@lactec.org.br Agenda Os Institutos Lactec Projetos nas áreas de Smart Grids Piloto Programa Smart Grid Light

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica

PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica PROCEL Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica ILUMEXPO 2015 São Paulo, 1º de junho de 2015 George Alves Soares Sistema Eletrobras Geração e Transmissão Geração Geração Binacional (100,00%)

Leia mais

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010

II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Florianópolis, 13 de agosto de 2010 II SEMINÁRIO ESTADUAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL Painel IV: Saneamento Básico Palestra: Controle e redução de perdas de água e uso eficiente de energia em sistemas de abastecimento de água Eng. Airton Gomes

Leia mais

PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL. Maio 2012

PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL. Maio 2012 PROJETO ESPLANADA SUSTENTÁVEL CAPACITAÇÃO DOS GESTORES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE AÇÃO MÓDULO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Maio 2012 SISTEMAS DE AR CONDICIONADO Oportunidades de melhoria da eficiência dos

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: CONSUMO DE ÁGUA

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: CONSUMO DE ÁGUA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. Unifal-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700 Alfenas/MG CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 Curso: Ciências Biológicas Bacharelado

Leia mais

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a

- Para se aumentar a quantidade de líquido (W), para o mesmo copo de chopp, deve-se reduzir a quantidade de espuma (VAr). Desta forma, melhora-se a 6. FATOR DE POTÊNCIA O fator de potência é uma relação entre potência ativa e potência reativa, conseqüentemente energia ativa e reativa. Ele indica a eficiência com a qual a energia está sendo usada.

Leia mais

COMPARATIVO ECONÔMICO ENTRE CONDICIONADORES DE AR COM TECNOLOGIAS CONVENCIONAL E INVERTER

COMPARATIVO ECONÔMICO ENTRE CONDICIONADORES DE AR COM TECNOLOGIAS CONVENCIONAL E INVERTER COMPARATIVO ECONÔMICO ENTRE CONDICIONADORES DE AR COM TECNOLOGIAS CONVENCIONAL E INVERTER Filipe Marangoni (UTFPR ) fi.marangoni@gmail.com Tais Tellini (UTFPR ) taistellini@hotmail.com Renan Paula Ramos

Leia mais

Energias do Brasil-EDP

Energias do Brasil-EDP Prezados Senhores Energias do Brasil-EDP Atendendo orientação dos procedimentos da Consulta Pública em assunto, estamos encaminhando abaixo as contribuições do Grupo EDP - Energias do Brasil, a propósito

Leia mais

Guia de Assistências BB Seguro Residencial

Guia de Assistências BB Seguro Residencial Guia de Assistências BB Seguro Residencial Como acionar os serviços de assistência? Sempre que precisar acionar uma assistência, entre em contato com a Central de Atendimento Aliança do Brasil: 0800 729

Leia mais

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO Leticia Neves Gerente de Eficiência Energética Wagner Oliveira Coordenador de P&D SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CERTIFICAÇÕES

Leia mais

Treinamento dos CIPES

Treinamento dos CIPES Treinamento dos CIPES Cronograma Maio Cronograma Junho Cronograma Julho Sugestão de boas práticas: Boas práticas > Água e Esgoto: Implantar sistemas de monitoramento do consumo para identificar de forma

Leia mais

RELATÓRIO DE REALIZAÇÕES E ATIVIDADES DA EQUIPE DA DIREÇÃO-GERAL DO CAMPUS CEDETEG GESTÃO 2012-2016

RELATÓRIO DE REALIZAÇÕES E ATIVIDADES DA EQUIPE DA DIREÇÃO-GERAL DO CAMPUS CEDETEG GESTÃO 2012-2016 RELATÓRIO DE REALIZAÇÕES E ATIVIDADES DA EQUIPE DA DIREÇÃO-GERAL DO CAMPUS CEDETEG GESTÃO 2012-2016 Apresentamos neste relatório resumido as realizações e atividades da Equipe da Direção-Geral do Campus

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 9 Divisão da Instalação em Circuitos Porto Alegre - 2012 Tópicos Quadros de distribuição Disjuntores Divisão da instalação elétrica

Leia mais

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO

ENGENHARIA E PROJETOS ELÉTRICOS LTDA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ELÉTRICO OBRA: SUBESTAÇÃO 500KVA PROPRIETÁRIO: TRT TRIBUNAL REGIONALDO TRABALHO 12ºREGIÃO RESPONSÁVEL TÉCNICO: ENG. EMERSON CESAR PADOIN PADOIN ENGENHARIA E PROJETOS LTDA MEMORIAL

Leia mais