Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica"

Transcrição

1 Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade

2 Inmetro

3 Inmetro

4 Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar do Inmetro e sabem de Fonte: Inmetro (2015) suas atividades de forma estimulada Fórum Permanente do Gás LP Confiança no trabalho do Inmetro

5 O Inmetro e a Avaliação da Conformidade Principais Atividades: Metrologia Científica e Industrial Metrologia Legal Acreditação de Organismos e Laboratórios Ponto Focal do Acordo sobre Barreiras Técnicas da OMC Inovação e Difusão do Conhecimento Avaliação da Conformidade

6 O que é importante saber sobre Avaliação da Processo sistemático, monitorado e avaliado Provê adequado grau de confiança Requisitos estabelecidos em normas e regulamentos técnicos Conformidade? Menor custo possível para a sociedade

7 Programas de Avaliação da Conformidade Cerca de produtos ostentam o Selo de Identificação da Conformidade do Inmetro

8 Programa Brasileiro de Etiquetagem

9 Objetivos Prestar informações úteis que influenciem a decisão de compra dos consumidores

10 Estimular a competitividade da indústria

11 Combater a assimetria de informação existente entre consumidores e fornecedores

12 Programas Brasileiro de Etiquetagem 6 anos antes do Código de Proteção e Defesa dos Consumidores anos depois da última crise do Petróleo 17 anos antes da chamada crise do apagão.

13 No mundo

14 Consumo de energia elétrica (GWh) ,5% Total Brasil (100%) Industrial (37,6%) Residencial (27,9%) Comercial (19%) Outros (15,5%) - Fonte: EPE

15 O potencial...

16 Potencial de redução de consumo energético em edificações Estima-se um potencial de redução de consumo de 30% em edificações antigas e 50% em edificações novas, por meio de medidas de eficiência energética.

17 Inmetro PBE Eletrobras Procel Procel Edifica 2009 PBE-Edifica Caráter voluntário

18 UHMM? MULTIFAMILIAR UNIFAMILIAR Como escolher meu futuro lar pela eficiência?

19 2001 Lei de Eficiência Energética 2003 Criação do Procel Edifica 2005 Criação da ST Edificações 2006 Criação da CT Edificações do Inmetro 2009 Lançamento da Etiqueta para edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos Lei nº10.295, de 17 de outubro de 2001 Dispõe sobre a Política Nacional de Conservação e Lei nº10.295, Uso Racional de 17 de de outubro Energia de 2001 Dispõe Decreto sobre nº 4.059, a Política de 19 Nacional de dezembro Conservação de 2001 e Uso Racional de Energia Decreto nº 4.059, de 19 de dezembro de Lançamento da Etiqueta para edifícios Residenciais Publicação das Portarias de Revisão do Programa 2014 IN 02 para Edificações Públicas Federais Uso da ENCE nos projetos e respectivas edificações públicas federais novas ou que recebam retrofit.

20 ÁREAS DE TRABALHO Vertentes Marketing e Apoio Encac Entac Fonai Eventos setoriais Capacitação Habitação de Interesse Social Tecnologias Regulatória Disseminação

21 A etiqueta poderá ser outorgada para: Projetos Novas Edificações Edificações Existentes ENCE de Projeto ou ENCE do edifício construído

22 ENCE Comercial PBE Edifica NÍVEL DE EFICIÊNCIA DO EDIFÍCIO OU DE PARTE DESTE PONTUAÇÃO final do edifício, responsável pelo nível de eficiência PRÉ-REQUISITOS Circuitos Elétricos; Aquecimento de Água; Elevadores BONIFICAÇÕES até 1 ponto em economias de: 40% no consumo de água; 10% com uso de energias renováveis; 30% cogeração ou inovações tecnológicas; 70% de fração solar para coletores Elevadores SISTEMAS INDIVIDUAIS ENVOLTÓRIA ILUMINAÇÃO CONDICIONAMENTO DE AR

23 Ponderação dos Sistemas para a Avaliação 30% 30% 40%

24 Pré-requisitos Comercial Bonificações Bonificações

25 Pré-requisitos Residencial NBR NBR Bonificações

26 O gás no PBE Edifica Edificações comerciais, de serviço e públicas: Sistema de aquecimento de água como pré-requisito nas edificações comerciais com uso expressivo de água quente; Nas edificações comerciais o nível máximo alcançado através de equipamentos com resistência elétrica é C; Aquecimento por sistema solar e bomba de calor permite a obtenção do Nível A, desde que esses sistemas atendam a 100% da demanda anual; A utilização de gás possibilita atingir nível A.

27 O gás no PBE Edifica Nas edificações residenciais: Aquecimento de água compõe os sistemas parciais; Influência direta no nível de eficiência energética; Para os sistemas aquecidos à gás: Aquecedor parte do PBE: determina o nível da edificação; Aquecedor não faz parte do PBE: norma 90.1 da ASHRAE; Devem ser instalados em locais com ventilação adequada e proteção contra intempéries; Recomenda-se que as instalações sejam realizadas por instaladores integrantes do Programa Qualinstal Gás; Exigência de isolamento térmico para as tubulações de água quente.

28 Unifamiliares

29 Multifamiliares C Avaliação individual das unidades B *recebem etiqueta própria A

30 Multifamiliares

31 Fórum Permanente do Gás LP Áreas de Uso Comum

32 Melhoria progressiva dos níveis de eficiência dos edifícios TIPOLOGIA 1 Área total: 1201,5m 2 7,5m x 26,7m x 2,46m Condicionada somente nas zonas frontais e posteriores 5 pavimentos Análise feita no LabEEE UFSC com tipologias verticais e horizontais

33 Melhoria progressiva dos níveis de eficiência dos edifícios TIPOLOGIA 2 Área total: 2500m 2 50m x 50m x 5m Toda condicionada 1 pavimento Análise feita no LabEEE UFSC com tipologias verticais e horizontais

34 Edifícios Residenciais Edifícios Comerciais Fórum Permanente do Gás LP Vantagens para o mercado imobiliário Empresa - Rapidez de venda - Diferenciação de mercado - Imagem positiva para empresa Redução no consumo de energia $ Consumido r Redução no consumo de água $ Melhoria no conforto térmico Melhoria no uso de Iluminação Natural Redução $ com o aquecimento de água

35 Ence - Edifícios Comerciais, de Serviços e Públicos

36 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 4 DE JUNHO DE 2014 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Dispõe sobre regras para a aquisição ou locação de máquinas e aparelhos consumidores de energia pela Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, e uso da Etiqueta Nacional de Conservação de Energia (ENCE) nos projetos e respectivas edificações públicas federais novas ou que recebam retrofit. Os projetos de edificações públicas federais devem ser desenvolvidos ou contratados visando, obrigatoriamente, à obtenção da ENCE Geral de Projeto classe "A".

37 Divulgação ENCE Edifícios Comerciais A ENCE deve ser colocada em local visível nos edifícios, blocos ou nos pavimentos inspecionados. Complexo de edifícios: bloco mais próximo do logradouro principal. ENCE Edificações Multifamiliares A ENCE deve ser colocada em local visível nas edificação ou blocos. Complexo de edifícios multifamiliares: ENCE Área de Uso Comum: Bloco mais próximo do logradouro principal. Publicidade Publicidade coletiva deve ter autorização do Inmetro

38 Número de Etiquetadas Emitidas COMERCIAL PROJETO ED. CONSTRUÍDO ENCEs ENCEs PROJETO ED. CONSTRUÍDO RESIDENCIAIS Multifamiliares 25 0 Unidades Autonômas ÁREA DE USO COMUM 5 1 Fonte: Inmetro (2015) Total: etiquetas Março/2015

39 SEDE DA CAIXA ECONÔMICA FEDERAL BELÉM/PA

40 Exemplos de etiquetagem CETRAGUA CENTRO DE TECNOLOGIAS SÓCIAS PARA A GESTÃO DA ÁGUA DA UFSC FLORIANÓPOLIS/SC

41 FACULDADE DE TECNOLOGIA NOVA PALHOÇA/SC

42 Lições É um programa de implementação complexa. Estamos no começo.

43 Lições É um programa estratégico. 50% da energia consumida no país é destinada às edificações.

44 Lições É um programa tecnicamente robusto. Os requisitos foram bem construídos.

45 Descentralizar o sistema: certificação de pessoas Simplificar a regulamentação Implementar um sistema informatizado on-line para acesso dos consumidores e dos profissionais certificados

46 Desafios Ganhar escala Novos Organismos de Inspeção Acreditados Estudos para a certificação de pessoas Simplificação do regulamento Influenciar o mercado imobiliário valor da etiqueta Oferecer um produto barato, simples e ágil

47 Em breve, vamos todos morar e trabalhar em edifícios etiquetados...

48 Bom para o país, para as empresas e para os consumidores.

49

50 OBRIGADO! Divisão de Regulamentação Técnica e Avaliação da Conformidade (Dipac) Diretoria da Qualidade (Dqual)

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de : PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Cerca de 192.000 produtos ostentam o Selo de Identificação da Conformidade

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL O PROCEL EDIFICA e a Etiquetagem de Eficiência Energética de Edificações Projeções de Consumo de Eletricidade

Leia mais

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS Roberto Lamberts LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Estado atual da etiquetagem de nível de eficiência

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Carolina R. Carvalho Marcio J. Sorgato LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Edificações comerciais, de serviços e públicos

Leia mais

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014

Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Instrução Normativa de Eficiência Energética IN SLTI-MP Nº 02-2014 Eng. Anderson F. Gomes Brasília-DF, 05 de fevereiro de 2015 Apresentação SLTI/MP Lei nº 10.295, de Eficiência Energética MINISTÉRIO DO

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina

ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina ESPLANADA SUSTENTÁVEL 1ªoficina Mobilização / Sensibilização Módulo Eficiência Energética Fevereiro 2012 Fonte: Plano Nacional de Energia 2030 MME, colaboração Empresa de Pesquisa Energética EPE, 2007

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS E RESIDENCIAIS Martin Ordenes Mizgier, Dr. Eng. martin@arq.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico / Dep. Arquitetura

Leia mais

Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP

Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP B D E Eficiência energética em edificações ontribuição do Gás LP O que é Programa de valiação da onformidade para Eficiência Energética de Edificações do Inmetro? O Programa de valiação da onformidade

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli 27/06/2012 Sumário Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Documento elaborado pela Eletrobras/ Procel Edifica, Inmetro e CB3E/UFSC Rio de Janeiro, setembro de 2013. 1 O Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES SEMINÁRIO HIS SUSTENTÁVEL DIRETRIZES DE PROJETO PARA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES Roberto Lamberts, PhD. CT-Energia CBCS Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA) (Revisão I) 25/08/2010

Leia mais

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas

Leia mais

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS

SUSHI ENERGIA. Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS SUSHI ENERGIA Arq. María Andrea Triana LABEEE/UFSC CBCS 1 SUMÁRIO Importância de uso racional de energia em HIS Barreiras na implementação de tecnologias Agenda proposta para HIS com mapeamento de tecnologias

Leia mais

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE

Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Fórum de Eficiência Energética em Edificações 12º CONGRESSO BRASILEIRO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA - COBEE Orientações para a implementação de EE em edifícios públicos Paula Baratella, arq. MSc. Analista

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013.

Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 50, de 01 de fevereiro de 2013. O PRESIDENTE

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP

Guia de Eficiência. energética. em edificações. Contribuição do Gás LP A B C D E Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Guia de Eficiência energética em edificações Contribuição do Gás LP Sumário LISTA DE SIGLAS... 4 apresentação... 5 Equipe de

Leia mais

Benchmarking consumo de energia em edificações

Benchmarking consumo de energia em edificações Benchmarking consumo de energia em edificações O que é Benchmarking? Benchmarking é a criação de um referencial de mercado Benchmarks definem um nível típico de consumo, permitindo a rápida comparação,

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95

Leia mais

Portaria n.º 248, de 15 de maio de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 248, de 15 de maio de 2012. CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 248, de 15 de maio de 2012. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil

As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil As perspectivas de políticas públicas para gestão da energia e eficiência energética no Brasil São Paulo, 5 de dezembro de 2013 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO BRASIL Principais Programas e Resultados Lei de

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

Técnicas passivas; Técnicas ativas.

Técnicas passivas; Técnicas ativas. Definição: a conservação de energia deve ser entendida como a utilização de uma menor quantidade de energia para a obtenção de um mesmo produto ou serviço através da eliminação do desperdício; Técnicas

Leia mais

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015

PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 PORTARIA Nº 23, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2015 Estabelece boas práticas de gestão e uso de Energia Elétrica e de Água nos órgãos e entidades da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional

Leia mais

PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM PBE

PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM PBE PROGRAMA BRASILEIRO DE ETIQUETAGEM PBE Leonardo Rocha Diretoria da Qualidade Inmetro INMETRO 35 Anos (fundado em dez/73) Lei 9933 (regulamenta os serviços) Autarquia do Governo Federal Contrato de Gestão

Leia mais

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon

Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Tecnologia de Aquecimento Solar de Água Abyara, São Paulo, 03 de Julho de 2008 Paulo Sérgio Ferrari Mazzon Luciano Torres Pereira Grupo Soletrol Soletrol Industria e Comércio Soletrol l Tecnologia Universidade

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO PARA AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO.

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO PARA AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Encontro de Lideranças 2011 Sistema CONFEA/CREA s Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras. Palestrante Fernando Perrone

Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras. Palestrante Fernando Perrone Painel 2 Certificação ambiental de edificações: lições aprendidas e visão de futuro experiências brasileiras Etiquetagem Eficiência Energética de Edificações Procel Edifica Palestrante Fernando Perrone

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD

ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD ORDEM DE SERVIÇO Nº 004/2015 - PROAD Institui e regulamenta o Programa de Uso Racional de Água e Energia Elétrica no âmbito da UFCSPA. O PRÓ-REITOR DE ADMINISTRAÇÃO DA FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE

Leia mais

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. Portarias Inmetro nº 119/2007, 67/2008, 182/2012 e 390/2013 Códigos 3379 e 3380

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. Portarias Inmetro nº 119/2007, 67/2008, 182/2012 e 390/2013 Códigos 3379 e 3380 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas e Energia, criado em 1985 e executado pela Eletrobras

Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas e Energia, criado em 1985 e executado pela Eletrobras The National Electrical Energy Conservation Program Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas e Energia, criado em 1985 e executado pela Eletrobras Missão: Articular o Setor Elétrico

Leia mais

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO

VEICULAR COMO VOCÊ DECIDE A COMPRA DO SEU CARRO VEICULAR A COMPRA DO? COMO VOCÊ DECIDE SEU CARRO Como você decide a compra do seu carro? A escolha de um veículo é resultado de uma análise que considera várias características. O preço é certamente uma

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações 1 Eficiência Energética em Edificações SUSTENTABILIDADE: NOVOS DESAFIOS E OPORTUNIDADES Maio, 2015 Paula Baratella, arq. MSc. Arquiteta e Urbanista e Mestre em Eng. Civil- UNICAMP Analista de Infraestrutura

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES VII Rio Energias Renováveis EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES CERTIFICAÇÕES E RETORNO FINANCEIRO Antonio Collet - Dezembro 2010 Consumo Final de Energia Consumo de Energia Setores Economicos Canadá

Leia mais

Orientações Gerais para fabricantes e importadores sobre a Regulamentação de. Equipamentos para aquecimento solar de água

Orientações Gerais para fabricantes e importadores sobre a Regulamentação de. Equipamentos para aquecimento solar de água Orientações Gerais para fabricantes e importadores sobre a Regulamentação de Equipamentos para aquecimento solar de água Atualizado em 03/09/2013 Índice 2 Neste documento, você encontrará as seguintes

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE EDIFÍCIOS Profª Drª Cláudia Naves David Amorim LACAM Laboratório de Controle Ambiental e Eficiência Energética Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade

Leia mais

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010

Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Eficiência energética em construções na cidade de SP 15.04.2010 Estado de São Paulo Fonte: SSE SP Potencial de redução: 7,9% energia elétrica Potencial de redução: 6,6% petróleo & gás Estado de São Paulo

Leia mais

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001

ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 Seminário ENERGIA E MEIO AMBIENTE Rio de Janeiro, 11 de dezembro de 2001 PROJETOS DE CONSERVAÇÃO E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eletrobrás Saulo José Nascimento Cisneiros Diretor de Projetos Especiais da Eletrobrás

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

Aspectos práticos da implantação de sistemas de aquecimento solar em edifícios de múltiplos pavimentos.

Aspectos práticos da implantação de sistemas de aquecimento solar em edifícios de múltiplos pavimentos. Realização: Parceiro: Aspectos práticos da implantação de sistemas de aquecimento solar em edifícios de múltiplos pavimentos. José Jorge Chaguri Jr. Diretor da Chaguri Consultoria e Engenharia de Projetos.

Leia mais

* CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE MESA

* CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE MESA Ventiladores de Teto e Mesa * CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO * CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE

Leia mais

Sermos reconhecidos por oferecer serviços de excelência. Visão

Sermos reconhecidos por oferecer serviços de excelência. Visão A EMPRESA O corpo técnico da DANNENGE atua a mais de 34 anos na elaboração e implementação de projetos de engenharia, para os segmentos industrial, comercial e residencial, no comércio e representação

Leia mais

Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída

Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída Fórum de Eficiência Energética e Geração Distribuída ANEEL 2015 Ações CAIXA para promover a Eficiência Energética e a Geração Distribuída Mara Luísa Alvim Motta Gerente Executiva Gerência Nacional de Sustentabilidade

Leia mais

16 Eficiência Energética

16 Eficiência Energética 16 Eficiência 412 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Contextualização A eficiência energética pode ser definida como o desempenho de conversão de um sistema energético. Em outras palavras, representa o quanto de energia

Leia mais

Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social

Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade Social 1ª Reunião Extraordinária de 2012 do Fórum Governamental de Responsabilidade Social SEMINÁRIO BRASIL-HOLANDA SOBRE RESPONSABILIDADE SOCIAL GOVERNAMENTAL Programa Brasileiro de Certificação em Responsabilidade

Leia mais

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor

Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética. Reive Barros dos Santos Diretor Ações ABESCO e ANEEL para Fortalecimento do Mercado de Eficiência Energética Reive Barros dos Santos Diretor São Paulo - SP 26 de agosto de 2015 Missão Proporcionar condições favoráveis para que o mercado

Leia mais

Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011.

Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 122, de 15 de março de 2011.

Leia mais

1/12. Anexo II- 1. Informações do Projeto

1/12. Anexo II- 1. Informações do Projeto Anexo II- Termo de Referência para contratação de Consultoria Pessoa Jurídica para realização 26 (vinte e seis) treinamentos sobre etiquetagem PBE Edifica para os setores público e privado para aproximadamente

Leia mais

Reunião de Audiência Pública

Reunião de Audiência Pública Reunião de Audiência Pública Câmara dos Deputados Brasília, 10 de março de 2009 Aquecimento Solar Profa. Elizabeth Marques Duarte Pereira GREEN Grupo de Estudos em Energia GREEN Solar - 1997 2008 CDPAEE

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação

Aquecimento e arrefecimento. Ventilação. Humidificação e desumidificação A generalidade das empresas necessitam de controlar o seu ambiente interior, tanto em termos de condições térmicas como de qualidade do ar, por diferentes motivos como bem estar e segurança das pessoas,

Leia mais

PROCEDIMENTO FISCALIZAÇÃO

PROCEDIMENTO FISCALIZAÇÃO Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO CABOS DE

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 4.138, DE 2001

PROJETO DE LEI Nº 4.138, DE 2001 COMISSÃO DE MINAS E ENERGIA PROJETO DE LEI Nº 4.138, DE 2001 Cria o Programa Nacional de Instalação de Coletores Solares PROSOL Autor: Deputado RONALDO VASCONCELLOS Relator: Deputado JOSÉ ALEKSANDRO I

Leia mais

PRÉDIOS PÚBLICOS. Implantação de Projetos de Eficiência Energética: Legislação e Incentivos

PRÉDIOS PÚBLICOS. Implantação de Projetos de Eficiência Energética: Legislação e Incentivos PRÉDIOS PÚBLICOS Implantação de Projetos de Eficiência Energética: Legislação e Incentivos OUTR OS INDÚS TR IA PODE R PÚB LIC O ÁGUA, E S GOTO E S ANE AME NTO ILUMINAÇ ÃO PÚB LIC A C OME R C IAL R E S

Leia mais

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013 Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013 APRESENTAÇÃO Consumo energético 120.000 Consumo de energia elétrica nos setores comercial e público no

Leia mais

A Relação entre as Certificações de Produtos e Serviços e as Compras Públicas

A Relação entre as Certificações de Produtos e Serviços e as Compras Públicas A Relação entre as Certificações de Produtos e Serviços e as Compras Públicas Brasília, 28 de agosto de 2014 Alfredo Lobo Diretor de Avaliação da Conformidade Missão Prover CONFIANÇA à sociedade brasileira

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL NORUEGA DE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Mayard Zolotar. Diretoria da Qualidade

SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL NORUEGA DE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO. Mayard Zolotar. Diretoria da Qualidade SEMINÁRIO INTERNACIONAL BRASIL NORUEGA DE REGULAMENTAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS NA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO Mayard Zolotar Diretoria da Qualidade Inmetro É uma autarquia federal, vinculada ao Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE

Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Programa de Eficiência Energética das Empresas de Distribuição de Energia Elétrica PEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência Energética

Leia mais

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento Este projeto recebe financiamento da União Europeia no âmbito do programa de investigação e inovação Horizonte 2020, sob o contrato No649905 A etiquetagem energética de produtos e sistemas de aquecimento

Leia mais

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil

Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil Estratégias Políticas para Eficiência Energética em Edificações no Brasil George Alves Soares Assistente da Diretoria de Tecnologia Abril / 2010 Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das

Leia mais

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro

O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Superando Barreiras Técnicas às Exportações com a ajuda do Inmetro O Inmetro como Ponto Focal de Barreiras Técnicas da OMC Flávia Alves Bento Gonçalves, 29 de Novembro de 2012 Metrologia Científica e

Leia mais

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar 5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar Coletor Banho Características Técnicas Aletas em Alumínio; Cobertura em Vidro Liso Cristal; Vidro Caixa

Leia mais

COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA:

COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA: COLETÂNEA DESAFIO DA SUSTENTABILIDADE I - PRÁTICAS IMEDIATAS E PERMANENTES PARA PROMOVER O USO RACIONAL DA ENERGIA ELÉTRICA: 1 Sobre a utilização de aparelhos de ar condicionado: a) Desligar o aparelho

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída. Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Prof. Jamil Haddad UNIFEI-EXCEN Brasília, 28 de maio de 2015 Quarto Painel Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Experiências

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Prédios Públicos Federais PROGRAMA NACIONAL DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações Conceito de prédio público

Leia mais

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria?

1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5. 2. O que é Inspeção Periódica de Gás, ou Inspeção de Autovistoria? Sumário 1. O que é uma rede de distribuição interna para gases combustíveis? 5 2. O que é, ou Inspeção de Autovistoria? 6 3. Qual a diferença entre manutenção e inspeção? 6 4. Quem faz manutenção e quem

Leia mais

Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E

Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E Elaborado pelo Centro Brasileiro de Eficiência Energética em Edificações - CB3E Coordenação: Roberto Lamberts, PhD Núcleo de Edificações Residenciais Pós-doutorandos: Michele Fossati, Dra. Eng. Civil Doutorandos:

Leia mais

Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL. Fernando Pinto Dias Perrone

Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL. Fernando Pinto Dias Perrone Projetos e Políticas Públicas de Eficiência Energética no Brasil O PROCEL Fernando Pinto Dias Perrone Chefe do Departamento de Projetos de Eficiência Energética Rio de Janeiro, 19/4/2013. Principais Políticas

Leia mais

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade Soluções em Eficiência Energética e Energia Renovável Aplicáveis a Edificações Residenciais e Comerciais de Pernambuco Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes

Leia mais

ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil

ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil Autor: Abdala Carim Nabut Neto, MSc. Modelo de Prova (1) Por

Leia mais

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALINE ZANGHELINI MAZON

UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALINE ZANGHELINI MAZON UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE ENGENHARIA CIVIL ALINE ZANGHELINI MAZON INFLUÊNCIA DOS ATRIBUTOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA, PARA O REQUISITO ENVOLTÓRIA, NOS CUSTOS DIRETOS DE UMA

Leia mais

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts Eficiência Energética e Mudanças Climáticas [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A industria da construção

Leia mais

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J.

Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J. Instalações prediais de gases combustíveis água quente Construção de Edifícios 5 Arquitetura e Urbanismo FAU USP J. Jorge Chaguri Jr Para que gás? Principais Normas NBR 15526 NBR 13103 Edifícios prumada

Leia mais

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Prof. João Paulo O LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) é um sistema de certificação e orientação ambiental de edificações.

Leia mais

PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA

PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA PROGRAMA DE SIMULAÇÃO HIGROTERMOENERGÉTICA DE EDIFICAÇÕES DOMUS PROCEL EDIFICA ELETROBRAS Av. Presidente Vargas, 409 13 andar Centro Rio de Janeiro 20071-003 Caixa Postal 1639 Tel: 21 2514 5151 www.eletrobras.com

Leia mais

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Modernização (Retrofit) de Sistemas de Ar Condicionado De 22/10/2012 a 26/10/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo:

Leia mais

Aquecimento alternativo

Aquecimento alternativo 34_Aquecedor domestico.qxd 17/11/2004 16:34 Page 90 AQUECEDOR DOMÉSTICO DE ÁGUA Divulgação Abrava/DASol Aquecimento alternativo Popularizar o produto é um dos objetivos do setor para 2005 Atualmente podemos

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

Portaria n.º 138, de 17 de março de 2011 CONSULTA PÚBLICA

Portaria n.º 138, de 17 de março de 2011 CONSULTA PÚBLICA Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 138, de 17 de março de 2011

Leia mais

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída

Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída Projetos e Investimentos em Eficiência Energética e Geração Distribuída CPFL Energia Crescimento sustentável Empresa centenária com atuação no setor elétrico, criada em 1912 Market cap de R$20 bilhões,

Leia mais

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP x Energia Elétrica Aquecimento de água Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Apresentação O projeto Análise de custos de infra-estrutura Análise de custos para o cliente

Leia mais

Congresso Brasileiro de Sprinklers O Mercado de Sprinkler

Congresso Brasileiro de Sprinklers O Mercado de Sprinkler Congresso Brasileiro de Sprinklers O Mercado de Sprinkler Certificação de Equipamentos de Proteção contra Incêndio no Brasil Avaliação da Conformidade Uma Ferramenta para Agregar Confiança Guarujá, 5 de

Leia mais

Profa. Cláudia Naves David Amorim

Profa. Cláudia Naves David Amorim Profa. Cláudia Naves David Amorim Laboratório de Controle Ambiental (LACAM) Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) Universidade de Brasília (UnB) O ciclo da construção Novas exigências e normativas:

Leia mais

A excelência ao serviço do cliente

A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE A excelência ao serviço do cliente A ENGIMAGNE é uma resposta de excelência para as necessidades de empresas, instituições e particulares em tecnologias e soluções de engenharia, energia e

Leia mais

2º Workshop Técnico das Empresas Instaladoras QUALINSTAL ELÉTRICA

2º Workshop Técnico das Empresas Instaladoras QUALINSTAL ELÉTRICA 2º Workshop Técnico das Empresas Instaladoras QUALINSTAL ELÉTRICA Programa de Avaliação da Conformidade de Instalações Elétricas de Baixa Tensão São Paulo, 25 de março de 2015 Leonardo Machado Rocha Divisão

Leia mais

Workshop de Aquecimento Solar em habitações de interesse social

Workshop de Aquecimento Solar em habitações de interesse social Workshop de Aquecimento Solar em habitações de interesse social Carlos Faria Café Coordenador da iniciativa cidades solares brasil Diretor Executivo do Depto Nacional de Aquecimento solar da ABRAVA Instalações

Leia mais

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020

Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 Eco.AP e o financiamento no âmbito do Portugal 2020 IV Congresso ATEPH Energia e Ambiente no Edifícios Hospitalar 4 de junho de 2015 Dinis Rodrigues Porto, 4 de junho de 2015 AGENDA Tema 1 Enquadramento

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais