Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instalações prediais de gases combustíveis água quente. Construção de Edifícios 5. Arquitetura e Urbanismo FAU USP. J."

Transcrição

1 Instalações prediais de gases combustíveis água quente Construção de Edifícios 5 Arquitetura e Urbanismo FAU USP J. Jorge Chaguri Jr

2 Para que gás? Principais Normas NBR NBR 13103

3 Edifícios prumada individual

4 Edifícios prumada coletiva

5 Edifícios prumada coletiva

6 Casas

7 Instalação da tubulação É proibida a instalação da tubulação em: Dutos em atividade (ventilação AC, produtos residuais, exaustão, chaminés, etc.) Cisternas e reservatórios de água Compartimentos de equipamentos ou dispositivos elétricos Depósitos de combustível inflamável Elementos estruturais (lajes, pilares, vigas) Espaços fechados que possibilitem o acúmulo de gás vazado Escadas enclausuradas Poço ou vazio de elevador

8 Centrais de medição

9 Centrais de medição

10 Centrais de medição - Portugal

11 Medidores

12 Medidores - Portugal

13 Medidores - Nova Zelândia

14 Medidores - Nova Zelândia

15 Medidores - Nova Zelândia

16 Medidores - Nova Zelândia

17 Medidores Nova Zelândia

18 Medidores Nova Zelândia

19 Medidores Nova Zelândia

20 Medidores Nova Zelândia

21 Medidores Nova Zelândia

22 Medidores Nova Zelândia

23 Medidores - França

24 Medidores - França

25 Medidores - França

26 Prumadas coletivas

27 Prumadas coletivas

28 Prumada individual

29 Prumada individual

30 Prumada individual - Itália

31 Distribuição interna

32 Distribuição interna

33 Distribuição interna

34 Distribuição interna - Portugal

35 Distribuição interna - Portugal

36 Distribuição interna Nova Zelândia

37 Distribuição interna - França

38 Ligações dos aparelhos

39 Ligações dos aparelhos

40 Ligações dos aparelhos

41 Ligações dos aparelhos

42 Concentração de CO x tempo de aspiração Preocupações

43 Necessidades de um aparelho 1 m³ de GN 16 kg produtos combustão 1 m³ de GN 11 m³ de Ar 1 kg de GLP 28 m³ de Ar

44 Tipos de aparelhos Circuito aberto Tiragem natural Sem duto (limitado a potência) Fogão Churrasqueiras Máquina de lavar ou secar Refrigerador Aquecedor de água ou ambiente Com duto Tiragem forçada

45 Tipos de aparelhos Circuito fechado Tiragem natural Tiragem forçada Panorama geral

46 Instalação de aquecedores individuais

47 Equipamentos e componentes

48 Equipamentos e componentes

49 Ligações dos aparelhos - Nova Zelândia

50 Ligações dos aparelhos - Portugal

51 Equipamentos e componentes Individuais

52 Equipamentos e componentes Coletivos

53 Equipamentos e componentes Individual

54 Equipamentos e componentes Aquecedores a gás Sistema Conjugado Coletivo

55 Aquecimento central Aplicações gerais

56 Sistema Central

57 Sistema Central

58 Central - sistema único de pressão

59 Piscina Aplicações gerais

60 Piscina Aquecida Descoberta

61 Calefação com Radiadores

62 Aquecimento de Ambiente

63 Aquecimento de Piso Aplicações gerais

64 Sistema de Piso Radiante

65 Aquecimento a gás com apoio Solar Aplicações gerais

66 Aberturas para ventilação Ventilação superior Ventilação inferior Área externa Prisma de ventilação

67 Aberturas para ventilação Ventilação superior Altura mínima de 1,50m Comunicação com o exterior Pode ser através de dutos

68 Aberturas para ventilação Ventilação inferior Altura máxima de 0,80m Comunicação com o exterior Pode ser através de dutos ou outros ambientes

69 Ventilações - França

70 Requisitos Específicos Banheiros e dormitórios Podem receber um único aparelho a gás no seu interior, desde que seja de circuito fechado

71 Exaustão dos gases Tipos de chaminés Chaminé individual Natural Forçado Chaminé coletiva

72 Exaustão dos gases Tipos de chaminés Chaminé individual Natural Forçado Chaminé coletiva

73 Exaustão dos gases Tipos de chaminés Chaminé individual Natural Forçado Chaminé coletiva

74 Chaminé individual Exaustão dos gases

75 Terminais - requisitos Exaustão dos gases

76 Momentos de reflexão

77 Momentos de reflexão

78 Momentos de reflexão

79 Momentos de reflexão

80 Momentos de reflexão

81 Momentos de reflexão

82 Momentos de reflexão

83 Momentos de reflexão

84 Momentos de reflexão

85 Momentos de reflexão

86 Introdução Visão sociedade Visão construção civil Visão consumidor

87 Introdução Visão sociedade Paradigmas - Como geramos e usamos a eletricidade? Quedas d água Energia mecânica Energia elétrica Uso final

88 Introdução Visão sociedade O quanto representa para o país a eletricidade? Fonte: LABEEE, 2009 apud EPE, 2009

89 Introdução Visão sociedade Curva de carga média diária do uso de eletricidade no Brasil Fonte: Procel, 2007

90 Fonte: Adaptado a partir de Procel, 2007 Introdução Visão sociedade Curva de carga média diária do uso de eletricidade no Brasil Ar condicionado Chuveiro elétrico Horário de ponta

91 Introdução Visão sociedade Média da matriz elétrica brasileira, por tipo de geração, no período de 2004 a 2008 Hidroeletricidade 88% Nuclear 3% Outras 0% UTE - Óleo Diesel 2% UTE - Óleo 1% UTE - GN 4% UTE - Carvão 2% Fonte: Adaptação própria a partir de EPE, 2009

92 Introdução Visão sociedade Desafios Expansão da oferta: Hidroeletricidade? Termoeletricidade? (Nuclear?) (Gás Natural?)

93 Introdução Visão sociedade Desafios - Termoelétricas, a solução para o horário de ponta? Calor Energia mecânica Energia elétrica Uso final

94 Introdução Visão sociedade Desafios Benefícios do Gás no Uso Final Calor Uso final

95 Introdução Visão sociedade Desafios - Eficiência acumulada do sistema operando com termoelétricas Eficiência acumulada: 36%

96 Introdução Visão sociedade Desafios - Eficiência acumulada do sistema operando com termoelétricas Eficiência acumulada: 36%

97 Introdução Visão sociedade Desafios Impactos nas emissões diretas Eficiência acumulada do sistema operando com termoelétricas Eficiência do uso direto dos gases para aquecer a água Fonte: Energy Stars, % 72% Emissões de CO 2 do sistema operando com termoelétricas Emissões de CO 2 da queima dos gases para aquecer a água 0,51 kgco 2 / kwh 0,16 kgco 2 / kwh

98 Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil Infraestrutura elétrica Infraestrutura gás Infraestrutura água quente

99 Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil Infraestrutura elétrica Fonte: www. corona.com.br

100 Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil Infraestrutura elétrica Fonte: Notas de aula PCC-2466, Sistemas prediais Dimensionamento e Projeto Elétrico

101 Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil Infraestrutura elétrica Incorporar de 5 a 9 kw / banho Fonte: Notas de aula PCC-2466, Sistemas prediais Dimensionamento e Projeto Elétrico

102 Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil Infraestrutura gás

103 Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil Infraestrutura água quente

104 Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil Estudos de Caso Dados do Edifício 2 dormitório s 3 dormitório s 4 dormitório s Andares Apartamentos / andar Total de apartamentos Área útil apartamento ,16m² 106,44m² 147,8m²

105 Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil Comparativo - 2 dormitórios , ,66 49, ,94 41,91 49, Individual Chuveiro elétrico (6 kw) Aquecedor de passagem (9.000 kcal/h) Aquecedor de passagem ( kcal/h) Central a gás ( kcal/h) Coletivo

106 Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil Comparativo - 3 dormitórios ,70 124, ,91 46,18 51,97 52, Individual Chuveiro elétrico (6 kw) Aquecedor de passagem ( kcal/h) Aquecedor de passagem ( kcal/h) Central a gás ( kcal/h) Coletivo

107 Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil Comparativo - 4 dormitórios , ,57 40,68 41, Individual Chuveiro elétrico (6 kw) Aquecedor de passagem ( kcal/h) Central a gás ( kcal/h) Coletivo

108 Custo (R$) Introdução Custos relacionados às instalações Visão construção civil , , , , ,00 Gás ,00 - Potência (kcal/h)

109 Introdução Visão consumidor O impacto ao consumidor final Consumo Eletricidade Consumo - Gás Eficiência aparelho Eficiência aparelho Perdas transporte Perdas estagnadas Aquecimento tubo

110 Introdução Visão consumidor O impacto ao consumidor final Consumo Eletricidade Eficiência aparelho Considerado: Distância de 10 metros Tempo de banho 10 minutos 98% Consumo - Gás Eficiência aparelho Perdas transporte Perdas estagnadas Aquecimento tubo 70,45% 80% 9% 0,5% 0,05%

111 Introdução Visão consumidor O impacto ao consumidor final 98% 70,45% Consumo Eletricidade Consumo - Gás Residencial B1 Valores com ICMS Fixo - R$/mês Variável - R$/MWh Volume m³/mês Fixo - R$/mês Variável - R$/m³ 0 296,51 0,00 a 1,00 m³ 6,83 0 1,01 a 3,00 m³ 6,83 4, ,01 a 7,00 m³ 6,83 1, ,01 a 14,00 m³ 6,83 3, ,01 a 34,00 m³ 6,83 3, ,01 a 600,00 m³ 6,83 3,798419

112 Introdução Visão consumidor O impacto ao consumidor final 98% 70,45% Consumo Eletricidade Consumo - Gás Residencial B1 Valores com ICMS Fixo - R$/mês Variável - R$/MWh Volume m³/mês Fixo - R$/mês Variável - R$/m³ 0 296,51 7,01 a 14,00 m³ 6,83 3, Consumo de 100 litros ΔT: 20 C Eletricidade: 2,37 kwh - R$ 0,70 + tributos R$ 0,32 = R$ 1,02 Gás: 0,33 m³ - R$ 1,02

113 Introdução Procel Edifica Visão consumidor Visão construção civil Visão sociedade

114 Introdução Procel Edifica Visão consumidor Visão construção civil Visão sociedade

115 Introdução Procel Edifica Visão consumidor Visão construção civil Visão sociedade Sistema de aquecimento a gás A B C D E Aquecedores a gás do tipo instantâneo e de acumulação devem possuir ENCE A ou B Deve-se dar preferência a instaladores que fazem parte do QUALINSTAL GÁS Aquecimento elétrico A B C D E Aquecedores elétricos de passagem, chuveiros elétricos e torneiras elétricas» D, para aparelhos com potência P W;» E, para aparelhos com potência P > W. Método de dimensionamento

116 Dúvidas

117 OBRIGADO! Eng J. Jorge Chaguri Jr Chaguri Consultoria e Engenharia de Projetos Fone :

Aspectos práticos da implantação de sistemas de aquecimento solar em edifícios de múltiplos pavimentos.

Aspectos práticos da implantação de sistemas de aquecimento solar em edifícios de múltiplos pavimentos. Realização: Parceiro: Aspectos práticos da implantação de sistemas de aquecimento solar em edifícios de múltiplos pavimentos. José Jorge Chaguri Jr. Diretor da Chaguri Consultoria e Engenharia de Projetos.

Leia mais

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás.

Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. Recomendações para instalação de rede interna e de equipamentos a gás. USO DE GÁS NATURAL CANALIZADO NORMAS E LEGISLAÇÃO: ABNT NBR 14570 ABNT NBR 13103 COSCIP código de segurança - decreto estadual nº

Leia mais

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7.1 Tipos de aparelhos a gás 7.2 Localização de aparelhos a gás 7.3 Ventilação do ambiente 7.4 Exaustão dos produtos de combustão 7.5 Exemplos de instalação de aparelhos

Leia mais

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP

Gás LP x Energia Elétrica Aquecimento de água. Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP x Energia Elétrica Aquecimento de água Estudo comparativo feito pelo Instituto de Eletrotécnica e Energia da USP Apresentação O projeto Análise de custos de infra-estrutura Análise de custos para o cliente

Leia mais

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado

Parâmetros para o correto uso do gás canalizado Parâmetros para o correto uso do gás canalizado 2 Os parâmetros para utilização adequada do gás canalizado encontram-se no Decreto Estadual 23.317/97 que aprova o Regulamento de Instalações Prediais -

Leia mais

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho.

Chamamos de sistema individual quando um equipamento alimenta um único aparelho. AULA 11 SISTEMA PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE 1. Conceito e classificação O sistema de água quente em um edificação é totalmente separado do sistema de água-fria. A água quente deve chegar em todos os pontos

Leia mais

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências.

Instalações de Gás. Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Instalações de Gás Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem interrupções para residências. Tipos de Gases: Os gases combustíveis oferecidos no Brasil são: GLP (Gás Liquefeito de Petróleo)

Leia mais

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS

INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS 7 INSTALAÇÃO DE APARELHOS A GÁS Versão 2014 Data: Março / 2014 7.1. Aparelhos a gás... 7.3 7.1.1. Introdução... 7.3 7.1.2. O ambiente onde será instalado o aparelho a gás... 7.3 7.1.2.1. Ambiente a ser

Leia mais

Água Quente: Objetivos de Projeto

Água Quente: Objetivos de Projeto Água Quente: Objetivos de Projeto FINALIDADE DO USO E TEMPERATURA ADEQUADA Hospitais e laboratórios : 100 C ou mais Lavanderias : 75 a 85 C Cozinhas : 60 a 70 C Uso pessoal e banhos : 35 a 50 C MODALIDADES

Leia mais

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL

NPT 029 COMERCIALIZAÇÃO, DISTRIBUIÇÃO E UTILIZAÇÃO DE GÁS NATURAL Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 029 Comercialização, distribuição e utilização de gás natural CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 5 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2

Leia mais

Caldeiras Manoel O. A. Méndez

Caldeiras Manoel O. A. Méndez Caldeiras Manoel O. A. Méndez FEAU - Faculdade de Engenharia Arquitetura e Urbanismo 12 de agosto de 2015 Manoel Méndez Caldeiras 1/24 Sumário Introdução 1 Introdução 2 Descoberta do vapor Uso do vapor

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

GENERALIDADES. Versão 2014 Data: Março / 2014

GENERALIDADES. Versão 2014 Data: Março / 2014 2 GENERALIDADES Versão 2014 Data: Março / 2014 2.1. Principais características... 2.3 2.1.1. Poder calorífico superior (PCS)... 2.3 2.1.2. Poder calorífico inferior (PCI)... 2.3 2.1.3. Densidade relativa...

Leia mais

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. Portarias Inmetro nº 119/2007, 67/2008, 182/2012 e 390/2013 Códigos 3379 e 3380

AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. Portarias Inmetro nº 119/2007, 67/2008, 182/2012 e 390/2013 Códigos 3379 e 3380 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO PARA AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO.

PROCEDIMENTO PARA FISCALIZAÇÃO PARA AQUECEDORES DE ÁGUA A GÁS, DOS TIPOS INSTANTÂNEOS E DE ACUMULAÇÃO. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações

Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Os gases combustíveis e a eficiência nas edificações Apresentação Eficiência energética em edificações Panorama internacional O caso Brasileiro PBE Edificação Custos nas instalações Eficiência energética

Leia mais

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques

Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo. Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques Análise financeira da substituição do chuveiro elétrico pelo aquecedor sob a ótica do usuário final Carlos C. da Silva Fernando M. Rodrigues Marques 1 1. Objetivo O presente estudo visa comparar financeiramente,

Leia mais

As oportunidades de eficiência no aquecimento de água residencial

As oportunidades de eficiência no aquecimento de água residencial As oportunidades de eficiência no aquecimento de água residencial 04 de Novembro de 2015 FIESP-SP Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo Agenda A Matriz Energética

Leia mais

Prepare o local para a instalação

Prepare o local para a instalação Em uma época em que a economia de energia é algo importante para todos, ter um aquecedor de água a gás é mais do que uma questão de conforto, é algo que beneficia seu bolso e contribui com a sociedade.

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 26/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Cálculo da Demanda em Edificações Tensão Secundária Cálculo da Demanda em Edificações Individuais (a)

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica www.abinee.org.br EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Eng. Fabián Yaksic Gerente do Departamento de Tecnologia e Política Industrial São Paulo, 5 junho 2012 ABINEE

Leia mais

TRANSFORME SEU BANHO EM UM MOMENTO INESQUECÍVEL.

TRANSFORME SEU BANHO EM UM MOMENTO INESQUECÍVEL. NOVA LINHA TRANSFORME SEU BANHO EM UM MOMENTO INESQUECÍVEL. AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS DE PASSAGEM LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO O novo grau de conforto. VOCÊ PEDIU E A RHEEM ATENDEU Linha Completa de

Leia mais

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES

ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES ANEXO XVII PLANO DE MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS E EDIFICAÇÕES Complexo Esportivo de Deodoro Edital 1.10 1. Instalações Hidráulicas e Sanitárias Os serviços de manutenção de instalações hidráulicas e sanitárias,

Leia mais

Cartilha Técnica UPPERSIDE Morada do Sol Residencial Palm Beach

Cartilha Técnica UPPERSIDE Morada do Sol Residencial Palm Beach Cartilha Técnica UPPERSIDE Endereço: Incorporadora: Construtora: Av. Constelação Manaus AM PDG e Aliança Aliança Área de terreno: 8.368 m² Unidades: Estilo do projeto: Lançamento: Previsão de entrega:

Leia mais

ECV 5644 Instalações II

ECV 5644 Instalações II SISTEMA DE GÁS CENTRALIZADO Fonte: ETFSC Este Sistema também é conhecido como SISTEMA DE GÁS COMBUSTIVEL CENTRALIZADO, é constituído basicamente das seguintes instalações: 1. Central de Gás (Central de

Leia mais

Aquecedor de Água a Gás de Passagem Linha Classic Gold

Aquecedor de Água a Gás de Passagem Linha Classic Gold Manual de Instruções e Especificações PARA USO RESIDENCIAL Aquecedor de Água a Gás de Passagem Linha Classic Gold www.equibras.com 1 www.equibras.com 1 PREZADO CONSUMIDOR A Equibrás agradece a preferência

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo SUMÁRIO DO PROJETO TORRE 5: 100% executado 95% executado - Revestimento fachada; - 100% concluído - Aplicação de textura; - 95% concluído -

Leia mais

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br

EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS. Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br EFICIÊNCIA EM PROCESSOS DE COMBUSTÃO À GÁS Apresentação Eng Wagner Branco wagnerbranco@zetecambiental.com.br Principais atividades da Zetec Tecnologia Ambiental Engenharia de Combustão Diagnósticos energéticos.

Leia mais

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica

Dimensionamento. Dimensionamento. Área Coletora e Kit Instalação. Aquecimento Auxiliar. Tubulação. Bomba Hidráulica Dimensionamento Dimensionamento Área Coletora e Kit Instalação Aquecimento Auxiliar Tubulação Objetivos: 1 - Dimensionar área coletora e kit instalação 2 - Dimensionar aquecimento auxiliar 3 - Dimensionar

Leia mais

O chuveiro elétrico. continua. sendo um problema no período de ponta! Demanda de energia é problema para a ANEEL. Prof. Racine T. A.

O chuveiro elétrico. continua. sendo um problema no período de ponta! Demanda de energia é problema para a ANEEL. Prof. Racine T. A. Aquecimento solar de água em habitações de interesse social Prof. Racine T. A. Prado Demanda de energia é problema para a ANEEL O chuveiro elétrico continua O chuveiro elétrico permanece um problema no

Leia mais

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim

UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professora: Engª Civil Silvia Romfim INSTALAÇÕES PREDIAIS DE GÁS 2 Objetivo: Fornecer Gás Combustível com segurança e sem

Leia mais

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA - EDIÇÃO 2014 -

PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA - EDIÇÃO 2014 - PRÊMIO GLP DE INOVAÇÃO E TECNOLOGIA - EDIÇÃO 2014 - Estudo Comparativo da Infraestrutura e uso do Energético (Eletricidade & Gás LP) para Aquecimento de Água em uma Edificação Residencial PRÊMIO GLP DE

Leia mais

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim

NBR 13103:2011. Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos. Eng Luiz Felipe Amorim NBR 13103:2011 Instalação de aparelhos a gás para uso residencial - Requisitos Eng Luiz Felipe Amorim Concentração de CO x tempo de aspiração Objetivos da Norma Aplicação da Norma Projetista x Norma Condições

Leia mais

M E M O RIAL DE ESPECIFICAÇÕES: PROPRIETÁRIO: Fun House Empreendimentos Imobiliários Ltda. OBRA: Residencial Montblanc ENDEREÇO: Rua 24 de Maio,415 Bairro vila Rosa Novo Hamburgo C AR AC T E R Í S T I

Leia mais

Análise de especificação de chuveiro elétrico

Análise de especificação de chuveiro elétrico MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA Análise de especificação de chuveiro elétrico RELATÓRIO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Água g Quen Q te Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Água g Quen Q te Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Água Quente Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 7198, as instalações ações de água quente devem ser projetadas/executadas para: Garantir o fornecimento de água

Leia mais

Manual de Instruções e Especificações. Instantâneo a Gás EB - 2500. www.equibras.com. www.equibras.com

Manual de Instruções e Especificações. Instantâneo a Gás EB - 2500. www.equibras.com. www.equibras.com *Selo Conp et Váli do s om en t e p ara aque ce dor es GN Manual de Instruções e Especificações PARA USO RESIDENCIAL Aquecedor de Água Instantâneo a Gás Computadorizado Modelo Digital EB - 2500 www.equibras.com

Leia mais

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural

Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos. Operações Centrais de Rede. Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural Cristiane Vieira Responsável pela Aprovação de Projetos Operações Centrais de Rede Apresentação Técnica sobre Instalações Prediais de Gás Natural 2 Índice 1. Objetivo 2. Documentos Necessários p/ a Apresentação

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 19/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Previsão de Carga Especiais NBR-5410 Cargas Especiais? Em geral, são cargas de uso comum em um edifício.

Leia mais

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber.

INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS. Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS E PREDIAIS Professor: Eng Civil Diego Medeiros Weber. INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA QUENTE Norma NBR 7198 (ABNT,1998) Projeto e execução de instalações prediais deágua quente. Condições

Leia mais

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico

Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Instalações Prediais (Hidráulico-Sanitárias e Elétricas) e o Projeto Arquitetônico Introdução As instalações prediais constituem subsistemas que devem ser integrados ao sistema construtivo proposto pela

Leia mais

Eng. Marcia Donato O aquecimento solar em edifícios multifamiliares potencial da energia solar térmica no Mundo e América do Sul, crescimento e desenvolvimento & consultoria QUINTA-FEIRA, 6 DE NOVEMBRO

Leia mais

Sistemas de aquecimento de água residencial e o ASBC: Aquecedor Solar de Baixo Custo Por Felipe Marques Santos Aluno do curso de Engenharia de Energia Projeto Coordenado por Prof. Dr. Rogério Gomes de

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE VISTORIA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE GÁS EM EDIFÍCIOS HABITACIONAIS.

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE VISTORIA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE GÁS EM EDIFÍCIOS HABITACIONAIS. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE VISTORIA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO E DISTRIBUIÇÃO DE GÁS EM EDIFÍCIOS HABITACIONAIS. Este é o check list que deve ser utilizado para vistorias em edifícios habitacionais para

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA CATÁLOGO DE SOLUÇÕES E PRODUTOS JMC ÍNDICE SISTEMAS TÉRMICOS... 3 SISTEMAS TERMODINÂMICOS... 4 EXEMPLOS DE SISTEMAS TÉRMICOS E TERMODINÂMICOS... 5 SISTEMAS FOTOVOLTAICOS... 6 MICROGERAÇÃO...

Leia mais

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório)

Dados do Produto. Ar Condicionado: ponto dreno + carga elétrica (sala e dormitório) FICHA TÉCNICA Projeto Arquitetônico: Gkalili Arquitetura Design de Fachada: Triptyque Arquitetura Projeto Paisagístico: EKF Arquitetura paisagística Projeto Decoração: Triptyque Arquitetura Dados do Produto

Leia mais

AR CONDICIONADO. Componentes

AR CONDICIONADO. Componentes AR CONDICIONADO AR CONDICIONADO Basicamente, a exemplo do que ocorre com um refrigerador (geladeira), a finalidade do ar condicionado é extrair o calor de uma fonte quente, transferindo-o para uma fonte

Leia mais

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo:

Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: Empresas de diversos setores necessitam de produzir águas quentes no âmbito das suas atividades, como por exemplo: no Alojamento, para banhos, cozinha e limpezas nos Serviços, para limpezas, lavagem de

Leia mais

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Cogeração & Climatização: Viabilidade Técnica e Econômica Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização

COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO. Cogeração & Climatização: Viabilidade Técnica e Econômica Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização COMPANHIA DE GÁS DE SÃO PAULO Cogeração & Climatização: Viabilidade Técnica e Econômica Alexandre Breda Gerente de Cogeração & Climatização 09 de Setembro de 2010. 2 2 3 3 4 4 5 5 Papel da Comgás no Mercado

Leia mais

Comparativo quantidade de operações / tipo operação / quantidade material

Comparativo quantidade de operações / tipo operação / quantidade material 1 Introdução 2 Objetivo do Estudo 3 otivação / Justificativa 4 etodologia 5 Visita Técnica (Case de Estudo) 6 ateriais 7 Análise de preservação do material 7.1 Armazenamento (desejos + realidade) (Norma

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

Eficiência Energética com Aquecimento Solar. Eng. Luiz Antonio dos Santos Pinto Presidente da ANDESOL Diretor da Solis Aquecedor Solar

Eficiência Energética com Aquecimento Solar. Eng. Luiz Antonio dos Santos Pinto Presidente da ANDESOL Diretor da Solis Aquecedor Solar Eficiência Energética com Aquecimento Solar Eng. Luiz Antonio dos Santos Pinto Presidente da ANDESOL Diretor da Solis Aquecedor Solar Mercado Tecnologia Mercado e Oportunidades Aplicação 384,7 Milhões

Leia mais

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência.

Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Com inovadora tecnologia de condensação. Mais água quente, mais eficiência. 2 Sistema de Aquecimento Therm 8000 S Therm 8000 S Soluções de aquecimento de água para altas

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAX-PERDIZES

MEMORIAL DESCRITIVO PAX-PERDIZES MEMORIAL DESCRITIVO PAX-PERDIZES PAX_PERDIZES é composto por 1 torre residencial com 8 pavimentos com 4 unidades cada. As vagas de estacionamento estão distribuídas em 2 subsolos. O acesso ao Empreendimento

Leia mais

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL

TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL TANQUES DE ARMAZENAMENTO E AQUECIMENTO DE ASFALTO E COMBUSTÍVEL A ampla linha de tanques de armazenamento e aquecimento de asfalto da Terex

Leia mais

AGRADECIMENTOS. Buscando a sua total satisfação, desenvolvemos diversos modelos de aparelhos para diversas necessidades.

AGRADECIMENTOS. Buscando a sua total satisfação, desenvolvemos diversos modelos de aparelhos para diversas necessidades. KO 1200S G1 AGRADECIMENTOS Parabéns por adquirir um aquecedor de água a gás automático Komeco. Nos sentimos honrados por sua escolha e por participarmos do seu dia a dia. Nossa filosofia é desenvolver

Leia mais

TECNISA ATUAÇÃO GEOGRÁFICA

TECNISA ATUAÇÃO GEOGRÁFICA A EXPERIÊNCIA DA CONSTRUTORA NA APLICAÇÃO DE SISTEMAS DE AQUECIMENTO DE ÁGUA 1 Eng. Bruno Moreira Nascimento 08/10/2015 TECNISA ATUAÇÃO GEOGRÁFICA 2 TECNISA PRODUTOS E MERCADOS RESIDENCIAL COMERCIAL CORPORATIVO

Leia mais

Aquecimento de Água. Linha a Gás de Passagem para Banho. Linha Completa para o Conforto Térmico

Aquecimento de Água. Linha a Gás de Passagem para Banho. Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecimento de Água Linha a Gás de Passagem para Banho Linha Completa para o Conforto Térmico Aquecedor de Água Apresentação Aquecedor de água para banho a gás de passagem para uso residencial ou comercial.

Leia mais

Novo Aquecedor de Água a Gás de Passagem. Aquecedor de Água para Banho. O novo grau de conforto.

Novo Aquecedor de Água a Gás de Passagem. Aquecedor de Água para Banho. O novo grau de conforto. Novo Aquecedor de Água a Gás de Passagem Aquecedor de Água para Banho O novo grau de conforto. SOFISTICAÇÃO Aparelhos na cor branca e novo acabamento em toda a chapa do gabinete, fi caram mais elegantes

Leia mais

Relatório Parcial SÃO PAULO, Av. Afrânio Peixoto, 412 - São Paulo (SP) - Brasil - 05507-000 Tel/Fax (55) (11) 3816.2737

Relatório Parcial SÃO PAULO, Av. Afrânio Peixoto, 412 - São Paulo (SP) - Brasil - 05507-000 Tel/Fax (55) (11) 3816.2737 1 AVALIAÇÃO DO CONSUMO DE INSUMOS (ÁGUA, ENERGIA ELÉTRICA E GÁS) EM CHUVEIRO ELÉTRICO, AQUECEDOR A GÁS, CHUVEIRO HÍBRIDO, AQUECEDOR SOLAR E AQUECEDOR DE ACUMULAÇÃO ELÉTRICO. Relatório Parcial SÃO PAULO,

Leia mais

Estamos apresentando nossa proposta em resposta a sua carta convite enviada em 13/05/08.

Estamos apresentando nossa proposta em resposta a sua carta convite enviada em 13/05/08. Rio de Janeiro, 11 de junho de 2008 A Aquastore A/c. Eng.Jano Grossmann End. Bairro. Cid. Rio de Janeiro Est. RJ Tel. (0xx21) 2523-7582 CEL. 9418-6179 e-mail. janog@aquastore.com.br Ref.: Proposta comercial

Leia mais

Equipamentos primários. L. Roriz

Equipamentos primários. L. Roriz Equipamentos primários L. Roriz Unidades de Arrefecimento Unidades de Arrefecimento de Ar Unidades Produtoras de Água Refrigerada Sistemas de compressão de vapor Sistemas de expansão directa Sistemas utilizando

Leia mais

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário

Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário AULA 15 Dimensionamento dos Sistemas Prediais de Esgoto Sanitário Vamos dimensionar as tubulações do sistema de esgoto abaixo: 1. Análise do projeto. Temos uma casa com um banheiro, área de serviço e cozinha.

Leia mais

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis

Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminés Cálculos e Normas aplicáveis Chaminé de tiragem natural Tem como função permitir a evacuação dos gases, produzidos por uma determinada combustão. Aplicado na extracção de gases de combustão provenientes

Leia mais

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS

Memorial Descritivo CHUVEIROS AUTOMÁTICOS 1/8 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DO AMAPÁ DIVISÃO DE SERVIÇOS TÉCNICOS SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS 1. Normas de referência: NBR 10.897-ABNT 1.1. Outras normas: 2. Nome

Leia mais

INTENSIFIQUE CADA MINUTO DO SEU BANHO. AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS POR ACUMULAÇÃO. O novo grau de conforto. LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO

INTENSIFIQUE CADA MINUTO DO SEU BANHO. AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS POR ACUMULAÇÃO. O novo grau de conforto. LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO TO EN M A Ç N LA INTENSIFIQUE CADA MINUTO DO SEU BANHO. AQUECEDOR DE ÁGUA A GÁS POR ACUMULAÇÃO LINHA AQUECEDOR DE ÁGUA PARA BANHO 00579mn01.indd 1 O novo grau de conforto. 13/02/2015 14:40:57 NOVIDADE

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO DAS INSTALAÇÕES HIDRÁULICAS DO RESTAURANTE E VESTIÁRIOS Rev. 0: 09/01/13 1. INTRODUÇÃO Este memorial visa descrever os serviços e especificar os materiais do projeto

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Ensaio de estanqueidade das peças condutoras de gás

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Ensaio de estanqueidade das peças condutoras de gás ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 9 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO LABOTEC ENSAIOS E MEDIÇÕES LABORATORIAIS LTDA E ÁGUA

Leia mais

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE

RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE RESIDENCIAL MIRANTE DO PARQUE 1 Estrutura Acabamento externo: TORRE 5 100% executado 98% executado - Revestimento fachada; 100% concluído - Aplicação de textura; 100% concluído - Execução do telhado; 100%

Leia mais

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA

ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA ND - 5.1 6-1 CÁLCULO DA CARGA INSTALADA E DA DEMANDA 1. DETERMINAÇÃO DA CARGA INSTALADA a) Para definição do tipo de fornecimento, o consumidor deve determinar a carga instalada, somando-se a potência

Leia mais

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar

5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP. Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar 5º Seminário de Tecnologias Prediais SINDUSCON SÃO Paulo SP Projeto de Sistemas de Aquecimento Solar Coletor Banho Características Técnicas Aletas em Alumínio; Cobertura em Vidro Liso Cristal; Vidro Caixa

Leia mais

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO

FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO Rua Rishin Matsuda, 562 Vila Santa Catarina CEP 04371-000 São Paulo SP Tel. 11 5563-6477 Fax 11 5563-3107 www.elevadoreszenit.com.br FICHA TÉCNICA ELEVADOR DE CARGA VERTCARGO ORIENTAÇÃO ELEVADORES CARGAS

Leia mais

Flamboyant. ADG Incorporadora

Flamboyant. ADG Incorporadora Foto meramente ilustrativa. Foto meramente ilustrativa. PLANTA BAIXA PAV TIPO - APTO. Final 01/04 Planta ilustrada como sugestão de decoração. Os móveis, utensílios e acabamentos, como pisos em dimensões

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS PEA - Eletrotécnica Geral 1 PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS OBJETIVOS Estudar: Constituição de uma instalação elétrica Tipos de instalações elétricas Funcionamento de circuitos típicos Representação de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO KP-PN 1501 (GLP/GN) LEIA O MANUAL DE INSTRUÇÕES ANTES DE INSTALAR AGRADECEMOS A SUA PREFERÊNCIA KOBE. Verão. Inverno. Mín. Máx. Mín.

MANUAL DO USUÁRIO KP-PN 1501 (GLP/GN) LEIA O MANUAL DE INSTRUÇÕES ANTES DE INSTALAR AGRADECEMOS A SUA PREFERÊNCIA KOBE. Verão. Inverno. Mín. Máx. Mín. KOBE MANUAL DO USUÁRIO KP-PN 1501 (GLP/GN) KOBE Inverno Verão Mín. Máx. Mín. Máx. CHAMA TEMPERATURA LEIA O MANUAL DE INSTRUÇÕES ANTES DE INSTALAR AGRADECEMOS A SUA PREFERÊNCIA ÍNDICE CERTIFICADO DE GARANTIA

Leia mais

Memorial Descritivo. Prédio: Residencial 25 de Julho

Memorial Descritivo. Prédio: Residencial 25 de Julho Memorial Descritivo Prédio: Residencial 25 de Julho 1. Descrição do prédio. O prédio a ser construído compõe-se de 16 pavimentos mais casa de máquinas, constituído de 46 (quarenta e seis) unidades autônomas

Leia mais

Segurança contra Incêndio em Cozinha Profissional

Segurança contra Incêndio em Cozinha Profissional SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 38/2004 Segurança contra Incêndio em Cozinha Profissional SUMÁRIO 1

Leia mais

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída

Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Dep. Engeharia Mecânica Escola Politécnica Universidade de São Paulo Fórum sobre Eficiência Energética e Geração Distribuída Experiências de Sucesso e Perspectivas: a Percepção da Academia Escola Politécnica

Leia mais

Introdução ao Sistema Elétrico

Introdução ao Sistema Elétrico Fundação Universidade INTRODUÇÃO Federal de Mato AO Grosso SISTEMA do Sul ELÉTRICO 1 Princípios de Eletricidade e Eletrônica Introdução ao Sistema Elétrico Universidade Federal de Mato Grosso do Sul FAENG

Leia mais

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado.

Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Aquecedor central Aquecedores são aparelhos que consomem muita energia elétrica. Por isso, evite deixar o seu sempre ligado. Planeje seu uso e habitue-se a ligá-lo apenas o tempo necessário para que você

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica

Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica Ministério de Minas e Energia Consultoria Jurídica PORTARIA INTERMINISTERIAL N o 298, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008. OS MINISTROS DE ESTADO DE MINAS E ENERGIA, DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA, E DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

20/09/2012 SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE

20/09/2012 SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE SISTEMA PREDIAL DE ÁGUA QUENTE Sistema composto por tubos, reservatórios, peças de utilização, equipamentos e outros componentes, destinado a conduzir água quente* aos pontos de utilização. *NBR 7198 (ABNT, 1993): temperatura de, no

Leia mais

Engº José Jorge Chaguri Junior A LEI DE AQUECIMENTO SOLAR EM SÃO PAULO

Engº José Jorge Chaguri Junior A LEI DE AQUECIMENTO SOLAR EM SÃO PAULO Engº José Jorge Chaguri Junior Chaguri Engenharia de Projetos Ltda. V Congresso de Tecnologias Limpas e Renováveis para Geração de Energia A LEI DE AQUECIMENTO SOLAR EM SÃO PAULO Estrutura da Apresentação

Leia mais

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014

DIMENSIONAMENTO. Versão 2014 Data: Março / 2014 5 DIMENSIONAMENTO Versão 2014 Data: Março / 2014 5.1. Parâmetros para o dimensionamento... 5.3 5.1.1. Escolha de parâmetros... 5.3 5.1.2. Tipologia construtiva da instalação predial... 5.3 5.1.3. Pressão

Leia mais

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA

PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERÍCIAS DE ENGENHARIA ELÉTRICA PERICIAS NAS DIVERSAS ÁREAS DA ENGENHARIA ELÉTRICA 1. PERICIAS EM TRANSFORMADORES Transformadores a óleo e transformadores a seco; Verificação de seus componentes; Ensaios

Leia mais

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS

Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS MEMORIAL DESCRITIVO: APRESENTAÇÃO DO EMPREENDIMENTO: LOCALIZAÇÃO: Rua Dante Francisco Zattera, Quadra 4907, lote 14, Loteamento Cidade Nova II. Bairro Distrito Industrial Caxias do Sul RS DESCRIÇÃO: Edifício

Leia mais

PROJETISTAS CONTRATADOS Arquitetura Konisgberger &Vanucchi Arquitetura Legal Baggio&Schiavon Paisagismo Benedito Abbud Fundação Consultrix Estrutura

PROJETISTAS CONTRATADOS Arquitetura Konisgberger &Vanucchi Arquitetura Legal Baggio&Schiavon Paisagismo Benedito Abbud Fundação Consultrix Estrutura PROJETISTAS CONTRATADOS Arquitetura Konisgberger &Vanucchi Arquitetura Legal Baggio&Schiavon Paisagismo Benedito Abbud Fundação Consultrix Estrutura França&Associados e A.S. Estruturas Elétrica e Automação

Leia mais

ENE065 Instalações Elétricas I

ENE065 Instalações Elétricas I 12/03/2012 ENE065 Instalações Elétricas I Prof.: Ivo Chaves da Silva Junior ivo.junior@ufjf.edu.br Informações ENE065 http://www.ufjf.br/ivo_junior/ ENE065_NOTURNO Generalidades Sistema Elétrico de Potência

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial

SISTEMAS PREDIAIS II. Automação Predial PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Automação Predial Serviços dos Edifícios HIDRÁULICOS Água Fria; Água Gelada; Água Quente; Sistemas de Aquecimento (solar etc.); Esgotos Sanitários; Águas Pluviais; Drenagem

Leia mais

Manual de uso e instalação do Sistema Conjugado. Sistema Conjugado Cumulus

Manual de uso e instalação do Sistema Conjugado. Sistema Conjugado Cumulus Sistema Conjugado Cumulus 1 Índice Introdução............................ 3 1. Descrição do Produto................... 4 1.1 Reservatório Térmico..................... 4 1.1.1 Tambor Interno.......................

Leia mais

Instalações Elétricas Prediais A

Instalações Elétricas Prediais A Instalações Elétricas Prediais A ENG04482 Prof. Luiz Fernando Gonçalves AULA 8 Previsão de Cargas Porto Alegre - 2012 Tópicos Cargas dos pontos de utilização Previsão de cargas conforme a norma Exemplo

Leia mais

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris

Inst Ins alaç t ões alaç Prediais Pr de Esgot g os Sanitários Prof Pr. of Cris tiano Cris Instalações Prediais de Esgotos Sanitários Prof. Cristiano Considerações Gerais Regidas pela NBR 8160,, as instalações de esgotos sanitários têm a tem a finalidade de coletar e afastar da edificação todos

Leia mais

Panorama do Mercado de Gás Canalizado e Lei de AutoVistoria. Luiz Felipe Amorim

Panorama do Mercado de Gás Canalizado e Lei de AutoVistoria. Luiz Felipe Amorim Panorama do Mercado de Gás Canalizado e Lei de AutoVistoria Luiz Felipe Amorim 1 1. O que é a Inspeção Autovistoria Inspeção quinquenal de segurança nas instalações de gás (rede de distribuição interna

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO TORRE RESIDENCIAL PROPRIETÁRIO

MEMORIAL DESCRITIVO TORRE RESIDENCIAL PROPRIETÁRIO MEMORIAL DESCRITIVO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE ACABAMENTOS TORRE RESIDENCIAL PROPRIETÁRIO VERSÃO: 02 ÍNDICE 1- DESCRIÇÃO DOS ACABAMENTOS DAS UNIDADES... 3 1.1. APARTAMENTOS... 3 1.1.1. ESTAR/JANTAR...

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PROGRAMA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Diretoria Executiva Comercial Eng. Fernando L. B. Bacellar Coordenador de Usos Finais de Energia fernando.bacellar@aes.com Os pilares que norteiam os Projetos de Eficiência

Leia mais