EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves"

Transcrição

1 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR DA CONSTRUÇÃO CIVIL ATRAVÉS DA CERTIFICAÇÃO Leticia Neves

2

3 CTE CONSULTORIA EM GREEN BUILDING DOS 203 EMPREENDIMENTOS CERTIFICADOS LEED, O CTE PRESTOU CONSULTORIA PARA 95 CERTIFICOU 17 ETAPAS AQUA ETIQUETOU 2 EDIFÍCIOS PROCEL EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001, ISO e OHSAS ASSOCIADA

4 CONSULTORIA EM EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Hospitais Escritórios Fábricas Bancos Edifícios de recreação Galpões

5 AGENDA Certificações ambientais de edificações no Brasil Tecnologias de eficiência energética empregadas em edificações no Brasil Edificações comerciais: um panorama de São Paulo e Rio de Janeiro Estudos de caso

6 CERTIFICAÇÕES AMBIENTAIS DE EDIFICAÇÕES NO BRASIL

7 CERTIFICAÇÕES AMBIENTAIS NO BRASIL Referencial GBC Brasil Casa

8 A CERTIFICAÇÃO LEED Criada em 1998 pelo USGBC

9 O PROCESSO AQUA Ano de lançamento no Brasil: Empreendimentos comerciais e de serviços Empreendimentos habitacionais 2009 Março 2014: lançamento do novo referencial (internacionalização) MAIS DE 170 ETAPAS CERTIFICADAS (INCLUINDO FASES PRÉ- PROJETO, PROJETO E EXECUÇÃO) RESIDENCIAIS E NÃO RESIDENCIAIS

10 ENCE - PROCEL EDIFICA Lançada em 2009 (comercial) e em 2010 (residencial) Específica de eficiência energética Bonificação para uso racional de água, energia renovável, elevadores, inovação Em 2014 tornou-se obrigatória para edifícios públicos federais COMERCIAL: 80 PROJETOS COM ETIQUETA FASE PROJETO E 39 FASE INSPEÇÃO HABITAÇÃO MULTIFAMILIAR: 23 COM ETIQUETA FASE PROJETO

11 TECNOLOGIAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EMPREGADAS EM EDIFICAÇÕES NO BRASIL

12 TECNOLOGIAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENVOLTÓRIA VIDROS DE CONTROLE SOLAR VIDROS DUPLOS PERSIANAS AUTOMATIZADAS

13 TECNOLOGIAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ENVOLTÓRIA COBERTURAS FRIAS COBERTURA VERDE PROTEÇÃO SOLARES

14 TECNOLOGIAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SISTEMA DE AR CONDICIONADO SISTEMA DE EXPANSÃO DIRETA TIPO VRF Compressor com variador (Inversor) de frequência Compressores de alta capacidade para instalação de múltiplas evaporadoras em longas extensões de rede frigorígena Função de aquecimento Heat Pump (reversão do ciclo) e resfriamento em diferentes evaporadoras numa mesma rede frigorígena Sistema de controle e monitoramento eletrônico e automatizado, com diversas funções

15 TECNOLOGIAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SISTEMA DE AR CONDICIONADO SISTEMA DE EXPANSÃO INDIRETA COM CHILLERS TIPO FRICTIONLESS Chillers com condensação a ar ou à água Compressor com Mancal Eletromagnético (Frictionless) perda nula por atrito Elevada eficiência em cargas parciais em relação aos chillers convencionais Compressor com Variador de Frequência de série

16 TECNOLOGIAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA SISTEMA DE AR CONDICIONADO MONITORAMENTO E CONTROLE POR CONCENTRAÇÃO DE CO2 MODULAÇÃO DO AR EXTERNO PRÉ-TRATAMENTO DE AR EXTERNO - RECUPERAÇÃO DE CALOR POR RODA ENTÁLPICA

17 TECNOLOGIAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL LÂMPADAS E LUMINÁRIAS DE ALTA EFICIÊNCIA SISTEMA DE GERENCIAMENTO DE ILUMINAÇÃO CONTROLE DE ACIONAMENTO Dimerização Presença Desligamento (fotocélulas)

18 TECNOLOGIAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL APROVEITAMENTO DE ILUMINAÇÃO NATURAL INTEGRAÇÃO COM ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL

19 TECNOLOGIAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AUTOMAÇÃO GESTÃO DE INSUMOS Água / Energia / Gás GESTÃO DOS SISTEMAS Controle Identificação de falhas PLANOS DE MELHORIA

20 EDIFICAÇÕES COMERCIAIS: UM PANORAMA DE SÃO PAULO E RIO DE JANEIRO

21 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Seleção de 60 empreendimentos comerciais (laje corporativa e saleta comercial) dos últimos 3 anos Localização: 40 em SP e 20 no RJ Em processo de certificação / já certificados LEED ou AQUA Análise de: Envoltória Luminotécnica Sistema de ar condicionado, ventilação e exaustão Consumo de energia

22 ENVOLTÓRIA PORCENTAGEM DE ÁREA ENVIDRAÇADA NA FACHADA São Paulo Média de 57% 2 projetos usam elementos de proteção externa (brises) Rio de Janeiro Média de 50% 2 projetos usam elementos de proteção externa (brises)

23 ENVOLTÓRIA VIDROS FATOR SOLAR E TRANSMITÂNCIA TÉRMICA São Paulo Média de 33% Todos vidros laminados Não há variação no tipo de vidro por fachada Rio de Janeiro Média de 34% 2 projetos usam vidro duplo 2 projetos variam o tipo de vidro por fachada

24 ENVOLTÓRIA FACHADAS CARACTERÍSTICAS

25 LUMINOTÉCNICA CONTRIBUIÇÃO POR USO FINAL equipamentos 44% iluminação 26% equipamentos 38% iluminação 22% ar condicionado 30% ar condicionado 40% São Paulo Representa em média 26% do consumo total de energia da edificação Rio de Janeiro Representa em média 22% do consumo total de energia da edificação

26 LUMINOTÉCNICA DENSIDADE DE POTÊNCIA DE ILUMINAÇÃO - ESCRITÓRIOS Entregue 33% CLV 67% Entregue 37% CLV 63% São Paulo Média de 10W/m² 10% dos projetos utilizam dimerização das luminárias próximas à fachada Rio de Janeiro Média de 9,2W/m² 15% dos projetos utilizam dimerização das luminárias próximas à fachada

27 SISTEMA DE AR CONDICIONADO CONTRIBUIÇÃO POR USO FINAL equipamentos 44% iluminação 26% equipamentos 38% iluminação 22% ar condicionado 30% ar condicionado 40% São Paulo Representa em média 30% do consumo total de energia da edificação Rio de Janeiro Representa em média 40% do consumo total de energia da edificação

28 SISTEMA DE AR CONDICIONADO TIPO DE SISTEMA DE AR CONDICIONADO São Paulo CAG à água 5% VRF a ar 82% VRF a ar representa 82% dos casos VRF à água 13% Rio de Janeiro VRF a ar 42% VRF à água 11% CAG à água representa 47% dos casos CAG à água 47%

29 SISTEMA DE AR CONDICIONADO TIPO DE SISTEMA DE AR CONDICIONADO CLV 16% entregue 46% CLV 54% entregue 84% São Paulo Contrato de Locação ou Venda representa 54% dos casos Rio de Janeiro Contrato de Locação ou Venda representa 16% dos casos

30 SISTEMA DE AR CONDICIONADO CAPACIDADE TÉRMICA INSTALADA (M²/TR) São Paulo Média de 18m²/TR Rio de Janeiro Média de 18m²/TR Maior uso de sistema de tratamento de ar externo

31 SISTEMA DE AR CONDICIONADO ESTRATÉGIAS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA São Paulo Controle da tomada de ar externo por monitoramento de CO2 (DCV) Tratamento de ar externo roda entálpica ou trocador de placas Rio de Janeiro Operação CAG em série e contrafluxo Variador de frequência na bomba de água gelada primária

32 CONSUMO DE ENERGIA COMPARAÇÃO COM ESTUDO DO DOE Baseado no CBECS (Commercial Buildings Energy Consumption Survey) Modelo de benchmarking para edifícios comerciais nos EUA Análise de modelos por simulação computacional Selecionadas zonas climáticas: 1A Miami mesma zona climática do Rio de Janeiro 2A Houston mesma zona climática de São Paulo Importante ressaltar: diferenças de modelagem, padrões de uso, fator de demanda de equipamentos, etc.

33 CONSUMO DE ENERGIA COMPARAÇÃO COM ESTUDO DO DOE kwh/m² DOE Rio de Janeiro Média de 167kWh/m²/ano de área condicionada Benchmarking DOE 156kWh/m²/ano

34 CONSUMO DE ENERGIA COMPARAÇÃO COM ESTUDO DO DOE kwh/m² DOE São Paulo Média de 177kWh/m²/ano de área condicionada Benchmarking DOE 162kWh/m²/ano

35 ESTUDOS DE CASO

36 ESTUDO DE CASO: BB PIRITUBA LEED NC v2.2 GOLD (São Paulo) Agência bancária m² de área construída

37 ESTUDO DE CASO: BB PIRITUBA Sistema de ar condicionado: Condicionador tipo Rooftop COP = 3.8W/W Tratamento de ar externo com roda entálpica Iluminação artificial: Baixa densidade de potência de iluminação média de 10W/m² Sensor de iluminação natural Arquitetura: Proteção solar na fachada brises Telhado verde/ isolamento térmico

38 ESTUDO DE CASO: BB PIRITUBA Resultados previstos por simulação computacional consumo anual de energia (kwh) Consumo (kwh) Equipame ntos 36% Ar condicionado 36% Iluminação 28% AR CONDICIONADO ILUMINAÇÃO EQUIPAMENTOS Pré-requisito eficiência energética mínima (EAp2 LEED): 22% de redução 4 pontos

39 ESTUDO DE CASO: BB PIRITUBA Comparação previsão x operação Anual Previsão (kwh) Medição (kwh) Diferença ,5% Pirituba SP Brasil 0 Março Abril Maio Junho Julho Agosto Estudo BB consumo kwh/sf (DINOP/ 2012)

40 ESTUDO DE CASO: BB PIRITUBA Estudo operação - consumo kwh/sf (DINOP/ 2012) Consumo específico Pirituba...9,04 Consumo específico do estado (SP)...11,08 Consumo específico Brasil...13,24 Valores: 22,5% ABAIXO média SP 46% ABAIXO média Brasil Benchmark CBCS Agências bancárias

41 ESTUDO DE CASO: MINEIRÃO Estádio governador Magalhães Pinto LEED NC v3 PLATINUM

42 ESTUDO DE CASO: MINEIRÃO = APROXIMADAMENTE m² DE ÁREAS CONDICIONADAS EQUIVALE A UM EDIFÍCIO DE MÉDIO PORTE DE 22 PAVIMENTOS SISTEMA DE AR CONDICIONADO CAG COM CHILLERS DE ALTA PERFORMANCE PARA ÁREAS DE ESTÁDIO, LOJAS E MUSEU VRF COM CONDENSAÇÃO A AR + SLIPTS + SELF CONTAINED PARA DEMAIS ÁREAS FAN COIL PARA TRATAMENTO DE AR EXTERNO COM RECUPERADOR DE CALOR ENTALPICO

43 ESTUDO DE CASO: MINEIRÃO ILUMINAÇÃO MAIOR PARTE DO CONSUMO ENERGÉTICO DE UM ESTÁDIO (50% A 60%) TRABALHAR COM ILUMINAÇÃO EFICIENTE É UM FATOR MUITO IMPORTANTE MINEIRÃO REDUZIU EM 30% A SUA CARGA DE ILUMINAÇÃO

44 ESTUDO DE CASO: MINEIRÃO = 1200 USINA FOTOVOLTAICA INICIATIVA DO PROJETO MINAS SOLAR EXPECTATIVA DE GERAR MWH/ANO DE ENERGIA EQUIVALENTE AO CONSUMO DE 1200 CASAS CÉLULAS DE SÍLÍCIO CRISTALINO EM 9500M² DE ÁREA DE COBERTURA (COBERTURA TOTAL DO ESTÁDIO 20MIL M²)

45 ENERGY AND ATMOSPHERE ESTUDO DE CASO: MINEIRÃO 45,83% DE REDUÇÃO DE ECONOMIA, EM CUSTO, EM RELAÇÃO AO BASELINE DA ASHRAE (18 PONTOS) + TODOS OS PONTOS DO CRÉDITO EAc2 ENERGIA RENOVÁVEL NO LOCAL USINA FOTOVOLTAICA GERAÇÃO DE ENERGIA NO PRÓPRIO SITE CONVENIO ENTRE A CEMIG COM O MINEIRÃO COM O OBJETIVO DE PERMITIR O MAIOR NÍVEL DE CERTIFICAÇÃO OS BENEFÍCIOS AMBIENTAIS SÃO ATRIBUÍDOS AO MINEIRÃO TODA ENERGIA GERADA PELA USINA É CONSUMIDA PELO ESTÁDIO

46 OBRIGADA Leticia Neves

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO

OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO OS DESAFIOS DA PERFORMANCE DE EDIFICAÇÕES SUSTENTÁVEIS: PREVISTO X REALIZADO Leticia Neves Gerente de Eficiência Energética Wagner Oliveira Coordenador de P&D SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO CIVIL: CERTIFICAÇÕES

Leia mais

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS

CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA. empreendimentos já certificados LEED NC e CS CTE EQUIPE DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA DE PONTA ü Mais de empreendimentos já certificados LEED NC e CS ü Todos com simulação termo-energética realizada por equipe especializada interna ü Atualmente temos

Leia mais

METODOLOGIAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA LOGO EMPRESA

METODOLOGIAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA LOGO EMPRESA METODOLOGIAS DE CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA PREMISSAS BÁSICAS SUSTENTÁVEIS NOS PROJETOS DE SISTEMAS PREDIAIS REDUÇÃO DOS IMPACTOS AMBIENTAIS PREMISSAS BÁSICAS SUSTENTÁVEIS NOS PROJETOS

Leia mais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais

6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais 6º Seminário Tecnologia de sistemas prediais Os projetos de sistemas prediais elétricos, de ar condicionado e iluminação com foco para atender requisitos de conservação de energia na etiquetagem do PROCEL/

Leia mais

Automação para desempenho ambiental e desenho universal

Automação para desempenho ambiental e desenho universal Automação para desempenho ambiental e desenho universal 58 pontos providos por sistemas de e equipamentos periféricos Eng. Gabriel Peixoto G. U. e Silva Selos verdes AQUA (selo francês HQE) Alta Qualidade

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS EM EDIFÍCIOS Roberto Lamberts, PhD. Universidade Federal de Santa Catarina- UFSC Laboratório de Eficiência Energética em Edificações LABEEE Conselho Brasileiro

Leia mais

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA

OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA OS REQUISITOS DE DESEMPENHO TÉRMICO DA NBR 15575 E A ETIQUETAGEM ENERGÉTICA DO PROCEL SOB O PONTO DE VISTA DO PROJETO DE ARQUITETURA Prof. ENEDIR GHISI UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Departamento

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES

RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES RELATÓRIO PARCIAL DOS PROGRAMAS DE ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES PROGRAMA DE EDIFICAÇÕES 1-Objetivos do Programa Combater o desperdício de energia elétrica Estimular o uso eficiente e racional de energia

Leia mais

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS

A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS A ETIQUETAGEM de Eficiência Energética em Edificações e suas VANTAGENS Roberto Lamberts LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Estado atual da etiquetagem de nível de eficiência

Leia mais

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES

EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES PROJETOS DE HOSPITAIS SUSTENTÁVEIS EDISON DOMINGUES JR. RAYMOND KHOE LUIZ ROBERTO SOARES É importante destacar os benefícios de um edifício sustentável. Os green buildings podem ser definidos pelas seguintes

Leia mais

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria

AMBIENTE EFICIENTE Consultoria AMBIENTE EFICIENTE Consultoria ESCOPO DOS SERVIÇOS CERTIFICAÇÃO LEED A certificação LEED pode ser aplicada no Brasil em oito tipologias: Novas Construções (New Construction) Edifícios Existentes Operação

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação

Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP. O passo a passo para se obter uma certificação Eficiência Energética em Edificações: Contribuições do Gás LP O passo a passo para se obter uma certificação Arthur Cursino IEE/USP Abril/ 2015 Estrutura da Apresentação Regulamento PBE Edifica Introdução:

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica

Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações: PBE-Edifica Jefferson Alberto Prestes Analista Executivo de Metrologia e Qualidade Inmetro Inmetro Base de dados: 64,9% das pessoas que já ouviram falar

Leia mais

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS

ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS ANEXO 4 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES COMERCIAIS Com o objetivo de melhorar a eficiência energética das edificações no país foi criada a etiquetagem de eficiência energética de edificações do INMETRO, como

Leia mais

- ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO

- ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO ABRAVA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE REFRIGERAÇÃO, AR CONDICIONADO, VENTILAÇÃO E AQUECIMENTO - APRESENTAÇÃO DA ABRAVA - APRESENTAÇÃO DE CASE - ENGº MECÂNICO GEORGE RAULINO - ENGENHARIA DE SISTEMAS TÉRMICOS

Leia mais

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações

Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Etiquetagem de Eficiência Energética em Edificações Carolina R. Carvalho Marcio J. Sorgato LabEEE Universidade Federal de Santa Catarina estrutura introdução Edificações comerciais, de serviços e públicos

Leia mais

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade.

Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Realização: Parceiro: Infinity Tower características de projeto e tecnologia de sistemas prediais para a sustentabilidade. Cesar Ramos - Gerente de projetos da Yuny Incorporadora Daniel Gallo - Gerente

Leia mais

Tecnologia de Sistemas Prediais de Ar Condicionado e a Conservação de Energia

Tecnologia de Sistemas Prediais de Ar Condicionado e a Conservação de Energia Assuntos: 1 Sustentabilidade segundo ASHRAE 90.1 2 Impactos em Arquitetura Prédio Altos 3 Aspectos para Definir Tipo de Sistema de Ar Condicionado TEKNIKA Projetos e Consultoria Ltda Por: Raul José de

Leia mais

ISSN 1981-4232. Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea. engenharia arquitetura R$ 6,00 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD

ISSN 1981-4232. Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea. engenharia arquitetura R$ 6,00 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD + ISSN 1981-4232 Aquecimento Ventilação Ar Condicionado Automação Refrigeração ea engenharia arquitetura R$ 6,00 C lim atização & Refrigeração Ano XI Nº 140 abril de 2012 PÁTIO MALZONI BUSCA O LEED GOLD

Leia mais

Afinal de contas, as decisões mais importantes de Minas Gerais merecem ser tomadas no melhor clima.

Afinal de contas, as decisões mais importantes de Minas Gerais merecem ser tomadas no melhor clima. A TUMA Desde 1971 no segmento de engenharia térmica e ar condicionado, a TUMA desenvolve projetos com alto nível técnico, visando atender as particularidades de cada cliente e atingir um elevado nível

Leia mais

cidades verdes OUTUBRO 2014

cidades verdes OUTUBRO 2014 cidades verdes ESPAÇOS DE QUALIDADE OUTUBRO 2014 Edifício Cidade Nova Universidade Petrobras 1987 Ano de Fundação Parque Madureira Rio+20 1999 2007 2010 Alinhamento com Agenda 21 1 o LEED NC Core & Shell

Leia mais

Painel Energias Limpas

Painel Energias Limpas Painel Energias Limpas Délio Malheiros Secretário Municipal de Meio Ambiente Vice Prefeito Prefeitura de Belo Horizonte - Minas Gerais - Brasil Santa Fé, 11 a 13 de setembro de 2013. 1 Energia Solar no

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações 1 Eficiência Energética em Edificações SUSTENTABILIDADE: NOVOS DESAFIOS E OPORTUNIDADES Maio, 2015 Paula Baratella, arq. MSc. Arquiteta e Urbanista e Mestre em Eng. Civil- UNICAMP Analista de Infraestrutura

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL

SUSTENTABILIDADE E CERTIFICAÇÃO AQUA EM EMPREENDIMENTO COMERCIAL FICHA TÉCNICA Empresa: Syene Empreendimentos Projeto: Syene Corporate Área Construída: 77.725,45 m² Data de implementação: 01/09/2010 Responsável: Jealva Fonseca Contato: jealva@syene.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa

Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Eficiência energética de edificações e sua contribuição para a redução dos gases de efeito estufa Contexto Perfil de emissões MCTI Ministério do Meio Ambiente Objetivos Ampliar e aprimorar a participação

Leia mais

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade

Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes de energia limpa nos diversos setores da sociedade Soluções em Eficiência Energética e Energia Renovável Aplicáveis a Edificações Residenciais e Comerciais de Pernambuco Linhas de financiamento para apoio a Eficiência Energética e utilização de fontes

Leia mais

Fachadas Bioclimáticas

Fachadas Bioclimáticas Fachadas Bioclimáticas Automatização para maior conforto ambiental e economia de energia Edifício tradicional da rede combate as cargas para garantir o conforto! Natural da rede Interna Cargas Consequências

Leia mais

Simulação Energética de Edifícios Energy Plus DOE USA. CASE: SUPERMERCADOS Abril 2014

Simulação Energética de Edifícios Energy Plus DOE USA. CASE: SUPERMERCADOS Abril 2014 Simulação Energética de Edifícios Energy Plus DOE USA CASE: SUPERMERCADOS Abril 2014 Estudo de Caso de economia de energia em supermercados com a ferramenta computacional Energy Plus desenvolvida com o

Leia mais

Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers

Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers Projeto Demonstrativo para o Gerenciamento Integrado no Setor de Chillers COMISSIONAMENTO EM SISTEMAS DE DISTRIBUIÇÃO DE AR E DE ÁGUA GELADA Leonilton Tomaz Cleto Yawatz Engenharia Mauricio Salomão Rodrigues

Leia mais

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética

2. Produção Arquitetônica e Eficiência Energética UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO AMBIENTAL ECO-EFICIÊNCIA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NAS EDIFICAÇÕES - Versão Revisada e Resumida

Leia mais

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future

GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future GREEN BUILDING COUNCIL BRASIL Building a Sustainable Future "Desenvolver a indústria da construção sustentável no país, utilizando as forças Visão de mercado do GBC para conduzir Brasil a adoção (Sonho

Leia mais

MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL

MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL MERCOFRIO 2006 - V CONGRESSO DE AR CONDICIONADO, REFRIGERAÇÃO, AQUECIMENTO E VENTILAÇÃO DO MERCOSUL ANÁLISE COMPARATIVA DA EFICIÊNCIA DE SISTEMAS DE CONDICIONAMENTO DE AR ATRAVÉS DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL.

Leia mais

TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Roberto de Souza Diretor do CTE

TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO. Roberto de Souza Diretor do CTE TENDÊNCIAS E PRÁTICAS DE SUSTENTABILIDADE NA CONSTRUÇÃO Roberto de Souza Diretor do CTE RESULTADOS O CTE atua desde 1990 na cadeia produtiva da construção. Hoje contamos com uma equipe multidisciplinar

Leia mais

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis

Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis Viabilidade, Projeto e Execução Análise de Investimento em Empreendimentos Imobiliários Sustentáveis São Paulo, 19 de agosto de 2008 Luiz Henrique Ceotto Tishman

Leia mais

FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO 25.899/2015

FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO 25.899/2015 FORMULARIOS ANEXO I E II DO DECRETO.99/0 ANEXO 0 GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS ( Subtotal de 9Ptos =.6 % ) Declarada 6 9 Uso de equipamentos economizadores de água ( torneiras com arejadores, spray e/ou

Leia mais

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM

GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Superintendência ncia de Mercado SPM O "Grupo Empresarial CEB" tem como controladora a Companhia Energética de Brasília - CEB, cuja origem é a Companhia de

Leia mais

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. [Roberto Lamberts] [31/10/2013]

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. [Roberto Lamberts] [31/10/2013] Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso [Roberto Lamberts] [31/10/2013] Equipe e parceiros - Lançamento da inciativa - Parceria Equipes técnicas: Energia elétrica e CO₂ no Brasil Fonte: BEN 2012 Etiquetagem

Leia mais

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços

Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Programa Brasileiro de Etiquetagem da Eficiência Energética de Edificações - Operacionalização dos Serviços Prof. Dr. Eng. Gustavo Daniel Donatelli 27/06/2012 Sumário Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações

Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações Sustentabilidade e conforto ambiental em edificações Atualmente, a maior parte da população humana vive em centros urbanos e passa período de tempo significativo no interior de edificações, trabalhando,

Leia mais

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia.

MODERNIZE SUA PLANTA FABRIL. Máquinas e equipamentos mais modernos são mais eficientes e consomem menos energia. 1 REALIZE UM DIAGNÓSTICO ENERGÉTICO para identificar todas as oportunidades existentes, avaliar a viabilidade, determinar as prioridades e montar um programa para sua implementação 2 MODERNIZE SUA PLANTA

Leia mais

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts

23/06/2010. Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica. Roberto Lamberts Eficiência Energética: Regulamentação, Classificação e Conformidade Técnica Roberto Lamberts Oficina 09 junho de 2010 1 ETIQUETAGEM DE EDIFICAÇÕES Publicação: junho de 2009. EDIFÍCIOS ETIQUETADOS CETRAGUA

Leia mais

Soluções Sustentáveis

Soluções Sustentáveis ANA ROCHA MELHADO Soluções Sustentáveis EMPREENDIMENTOS RESIDENCIAIS IV SEMINÁRIO DE INOVAÇÃO NA CONSTRUÇÃO CIVIL RIO DE JANEIRO, junho de 2011 SÍTIO E CONSTRUÇÃO (6 18) 1 - Relação do Edifício com o

Leia mais

Condicionamento de Ar

Condicionamento de Ar Condicionamento de Ar Instituto Federal de Brasília Sumário Introdução Tipos de Condicionadores de ar Vantagens e desvantagens Introdução Refrigeração por Compressão de Vapor Introdução Refrigeração por

Leia mais

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA

AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA 1 SEMINÁRIO DE ENGENHARIA DE ENERGIA PUC-MINAS - 20 de Abril de 2007 AR CONDICIONADO E CO-GERAÇÃO DE ENERGIA Marco Tulio Starling de Vasconcellos marcotulio@tuma.com.br - Tel: (31) 2111-0053 www.tuma.com.br

Leia mais

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA

CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA IMPLANTAÇÃO DA AGÊNCIA GRANJA VIANA CONCEITO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL CONSTRUÇÃO ECOLÓGICA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL PROMOVE INTERVENÇÕES CONSCIENTES SOBRE O MEIO AMBIENTE, ADAPTANDO-O PARA AS NECESSIDADES

Leia mais

Realização: Parceiro:

Realização: Parceiro: Realização: Parceiro: Tecnologia de sistemas prediais disponível no Brasil atendendo requisitos de sustentabilidade. Eduardo Yamada Eng. Civil, Mestre em Engenharia, Gerente de Sistemas Prediais e Energia

Leia mais

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil

XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil XX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2012-22 a 26 de outubro Rio de Janeiro - RJ - Brasil Gabriela Ferreira da Silva Companhia Paulista de Força e Luz gabrielaf@cpfl.com.br Eficiência

Leia mais

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial

\ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial \ BOAS PRÁTICAS NA ENERGIA A Gestão de Energia como Ferramenta de Gestão Empresarial Workshop Eficiência Energética e Sustentabilidade Ambiental nas empresas CTCV 25 de Fevereiro de 2014 \ BOAS PRÁTICAS

Leia mais

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico

Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Circulação do Ar remove o calor Interno... Ciclo Frigorífico Tipos de Expansão : Ciclo Frigorífico * Expansão Direta: O Refrigerante Troca Calor Diretamente com o Ar a ser condicionado. Expansão Direta

Leia mais

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO

4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO 35 4 SISTEMAS E EQUIPAMENTOS DE CLIMATIZAÇÃO Em uma instalação de ar condicionado quando o circuito de refrigeração estiver desligado, teremos uma instalação de ventilação simples, onde são controlados

Leia mais

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min

ISO 9001 : 2008. De 22/10/2012 a 26/10/2012. Local: Hotel a definir Rio de Janeiro. Carga Horária: 40 horas. Horário: das 8h30min às 17h30min ISO 9001 : 2008 Modernização (Retrofit) de Sistemas de Ar Condicionado De 22/10/2012 a 26/10/2012 Local: Hotel a definir Rio de Janeiro Carga Horária: 40 horas Horário: das 8h30min às 17h30min Objetivo:

Leia mais

R&P GREEN SOLUTIONS ESPECIALISTAS EM EDIFÍCIOS SUSTENTÁVEIS

R&P GREEN SOLUTIONS ESPECIALISTAS EM EDIFÍCIOS SUSTENTÁVEIS R&P GREEN SOLUTIONS ESPECIALISTAS EM EDIFÍCIOS SUSTENTÁVEIS PERFIL DA EMPRESA Nosso objetivo é o de atuar em projetos sustentáveis com excelência de resultados. Edifícios que excedem as expectativas dos

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

Economia de Energia. Na Modernização de elevadores

Economia de Energia. Na Modernização de elevadores Economia de Energia Na Modernização de elevadores Importância do Elevador O elevador é o equipamento mais importante do edifício. Moradores de prédios passam em média meia hora por semana dentro do elevador.

Leia mais

ROBERTO DE SOUZA. Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção

ROBERTO DE SOUZA. Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção ROBERTO DE SOUZA Sustentabilidade Conceitos gerais e a realidade no mercado brasileiro da construção SUSTENABILIDADE www.cte.com.br Roberto de Souza roberto@cte.com.br Empresa atuando há 19 anos na cadeia

Leia mais

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água

Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia Solar para Aquecimento de Água Seminário: COPA DO MUNDO DE 2014 NORMATIZAÇÃO PARA OBRAS SUSTENTÁVEIS Comissão de Meio Ambiente, Defesa do Consumidor e Fiscalização e Controle do Senado Sustentabilidade das Edificações Utilizando Energia

Leia mais

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ETIQUETAGEM DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM EDIFÍCIOS COMERCIAIS E RESIDENCIAIS Martin Ordenes Mizgier, Dr. Eng. martin@arq.ufsc.br Universidade Federal de Santa Catarina Centro Tecnológico / Dep. Arquitetura

Leia mais

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013

CURSOS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 S DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL CALENDÁRIO 2013 1 - Curso de Simulação de Edificações com o EnergyPlus (Edição 1) 8 e 9 de março 15 e 16 de março 5 e 6 de abril 19 e 20 de abril 2 - Curso de Psicrometria

Leia mais

Benchmarking consumo de energia em edificações

Benchmarking consumo de energia em edificações Benchmarking consumo de energia em edificações O que é Benchmarking? Benchmarking é a criação de um referencial de mercado Benchmarks definem um nível típico de consumo, permitindo a rápida comparação,

Leia mais

Armazenamento de Energia Renovável

Armazenamento de Energia Renovável Solar Eólico Armazenamento de Energia Renovável Biomassa Eficiência Energética Comercial Parques Público Rural Industrial Residencial MICRO E MINIGERAÇÃO DE ENERGIA A ANEEL permitiu aos consumidores através

Leia mais

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts

Eficiência Energética e Mudanças Climáticas. Roberto Lamberts Eficiência Energética e Mudanças Climáticas [ ] Roberto Lamberts Universidade Federal de Santa Catarina Laboratório de Eficiência Energética em Edificações www.labeee.ufsc.br Tópicos A industria da construção

Leia mais

Eficiencia Energética e Sustentabilidade

Eficiencia Energética e Sustentabilidade Eficiencia Energética e Sustentabilidade Sorocaba Setembro 2010 Linda Murasawa Superintendente de Desenvolvimento Sustentavel Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento sustentável é aquele que satisfaz

Leia mais

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL

Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL Solange Nogueira Gerente da Divisão de Eficiência Energética em Edificações ELETROBRÁS / PROCEL O PROCEL EDIFICA e a Etiquetagem de Eficiência Energética de Edificações Projeções de Consumo de Eletricidade

Leia mais

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS

MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS MARCO AURÉLIO R. G. MOREIRA GERENTE DA DIVISÃO DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA NO SETOR PRIVADO SUPERINTENDÊNCIA DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA ELETROBRAS Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas

Leia mais

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013

Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso. Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013 Benchmarking e Etiquetagem energética em-uso Professor Roberto Lamberts Edward Borgstein 16/5/2013 APRESENTAÇÃO Consumo energético 120.000 Consumo de energia elétrica nos setores comercial e público no

Leia mais

Medição & Verificação

Medição & Verificação Roteiro de apresentação Medição & Verificação Sua Importância para a Análise de Resultados em uma Operação Conceitos Normas Aplicações Planejamento Estudos t d de Caso Conclusões David Douek, Diretor de

Leia mais

Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas e Energia, criado em 1985 e executado pela Eletrobras

Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas e Energia, criado em 1985 e executado pela Eletrobras The National Electrical Energy Conservation Program Programa do Governo Federal vinculado ao Ministério das Minas e Energia, criado em 1985 e executado pela Eletrobras Missão: Articular o Setor Elétrico

Leia mais

superações o espetáculo das bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC O esporte como protagonista da sustentabilidade

superações o espetáculo das bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC O esporte como protagonista da sustentabilidade SET/OUT 2013 ANO II Nº 07 R E V I S TA A REVISTA DA CONSTRUÇÃO SUSTENTÁVEL o espetáculo das O esporte como protagonista superações da sustentabilidade bate-papo Marco Lentini, presidente do FSC Retrofit

Leia mais

Quem Somos. Energy Service Company ou CONCEITO ESCO. Empresa de Serviços de Conservação de Energia

Quem Somos. Energy Service Company ou CONCEITO ESCO. Empresa de Serviços de Conservação de Energia Quem Somos ESCO QUEM SOMOS CONCEITO Energy Service Company ou Empresa de Serviços de Conservação de Energia Empresa de engenharia multidisciplinar cujo foco é a realização de projetos de eficiência energética

Leia mais

Condensação. Ciclo de refrigeração

Condensação. Ciclo de refrigeração Condensação Ciclo de refrigeração Condensação Três fases: Fase 1 Dessuperaquecimento Redução da temperatura até a temp. de condensação Fase 2 Condensação Mudança de fase Fase 3 - Subresfriamento Redução

Leia mais

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal.

- Enquadramento Legal Abordagem genérica das questões associadas à QAI; Enquadramento Legal. Cursos de atualização profissional para revalidação da credenciação técnica (nº 6, art. 22º DL79/2006 de 4 Abril) Referenciais mínimos aprovados pela Comissão Tripartida Revalidação da Credenciação a TIM

Leia mais

A GRANDE CONTRIBUIÇÃO DOS GREEN BUILDINGS PARA CONTORNARMOS COM SUCESSO OS DESAFIOS ENERGÉTICOS DO PAÍS

A GRANDE CONTRIBUIÇÃO DOS GREEN BUILDINGS PARA CONTORNARMOS COM SUCESSO OS DESAFIOS ENERGÉTICOS DO PAÍS A GRANDE CONTRIBUIÇÃO DOS GREEN BUILDINGS PARA CONTORNARMOS COM SUCESSO OS DESAFIOS ENERGÉTICOS DO PAÍS São Paulo, 06 de Março de 2015. Adotando uma política integrada de eficiência energética englobando

Leia mais

Trilhando o caminho para alcançar edifícios sustentáveis de alta performance e cidades inteligentes

Trilhando o caminho para alcançar edifícios sustentáveis de alta performance e cidades inteligentes Trilhando o caminho para alcançar edifícios sustentáveis de alta performance e cidades inteligentes Paradigmas modernos Relevância da eletricidade na vida / produção Mais produtos conectados Mais energia

Leia mais

ARQUITETANDO O FUTURO

ARQUITETANDO O FUTURO ARQUITETANDO O FUTURO Arq. Emílio Ambasz T J D F T ASSESSORIA DA SECRETARIA GERAL DA PRESIDÊNCIA Objetivos do TJDFT Cumprir o mandamento constitucional de defesa e preservação do meio ambiente para as

Leia mais

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VISANDO CERTIFICAÇÃO DE PRÉDIO VERDE

AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VISANDO CERTIFICAÇÃO DE PRÉDIO VERDE AVALIAÇÃO ENERGÉTICA VISANDO CERTIFICAÇÃO DE PRÉDIO VERDE Maria Fernanda Martinez (1); Marta Baltar Alves (2); Paulo Otto Beyer (3) (1) Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica - Universidade Federal

Leia mais

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012

QUALIVERDE. Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 QUALIVERDE Legislação para Construções Verdes NOVEMBRO DE 2012 Legislação para Construções Verdes Concessão de benefícios às construções verdes, de modo a promover o incentivo à adoção das ações e práticas

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

AR CONDICIONADO SOLAR

AR CONDICIONADO SOLAR ISO 9001 : 2008 Engenharia do Ar Condicionado De 08/04/2013 a 12/04/2013 Capítulo Especial sobre AR CONDICIONADO SOLAR Local: Hotel Windsor Guanabara Av. Presidente Vargas, 392 Centro Rio de Janeiro RJ

Leia mais

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO.

ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO E DESIGN DISCIPLINA: CONFORTO AMBIENTAL 1 ANÁLISE PROJETUAL DA RESIDÊNCIA SMALL HOUSE TÓQUIO, JAPÃO. ARQUITETOS: KAZUYO SEJIMA E

Leia mais

Aula Inicial - Parte 2

Aula Inicial - Parte 2 Aula Inicial - Parte 2...Eiii! Quanto faz a sua por m²? Redução da demanda de aquecimento Coeficientes menores na relação A/V Isolamento da envoltória Energia solar ativa/passiva Fontes de energia renovável

Leia mais

CONFORTO TÉRMICO E LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS

CONFORTO TÉRMICO E LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS CONFORTO TÉRMICO E LUZ NATURAL EM EDIFÍCIOS DE ESCRITÓRIOS QUESTÕES DE SUSTENTABILIDADE E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Fernando Simon Westphal, Dr. Eng. Objetivo Apresentar uma visão de mercado Eficiência energética

Leia mais

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL

USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL USO DE VIDRO DUPLO E VIDRO LAMINADO NO BRASIL: AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO ENERGÉTICO E CONFORTO TÉRMICO POR MEIO DE SIMULAÇÃO COMPUTACIONAL Priscila Besen (1) ; Fernando Simon Westphal (2) (1) Universidade

Leia mais

MAIS JANELAS EFICIENTES

MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS JANELAS EFICIENTES MAIS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA nos edifícios portugueses TEKTÓNICA 2014 Lisboa 06 de Maio de 2014 1 JANELAS EFICIENTES E A REABILITAÇÃO URBANA 2 JANELAS EFICIENTES E A SUSTENTABILIDADE

Leia mais

(1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes

(1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO Associação Brasileira dos Fabricantes de Lãs Isolantes AVALIAÇÃO DO IMPACTO DO USO DE ISOLAMENTO TÉRMICO EM COBERTURAS E FACHADAS DE EDIFICIOS COMERCIAIS E DE ESCRITÓRIOS (1ª versão) Elaborado por: TechnoBuild Engenharia e Consultoria Ltda. Para: ABRALISO

Leia mais

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar

O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar O primeiro CHILLER nacional para área médico hospitalar A América Latina escolheu a REFRISAT Seu processo pede a REFRISAT faz. Desde sua fundação em 1976, a REFRISAT é reconhecida principalmente por sua

Leia mais

Sermos reconhecidos por oferecer serviços de excelência. Visão

Sermos reconhecidos por oferecer serviços de excelência. Visão A EMPRESA O corpo técnico da DANNENGE atua a mais de 34 anos na elaboração e implementação de projetos de engenharia, para os segmentos industrial, comercial e residencial, no comércio e representação

Leia mais

ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil

ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil ASPECTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS IMOBILIÁRIOS Fundação Getúlio Vargas (FGV) MBA em Gestão de Negócios Imobiliários e da Construção Civil Autor: Abdala Carim Nabut Neto, MSc. Modelo de Prova (1) Por

Leia mais

Edifício Centro Empresarial Senado Cogeração promove autosuficiência energética

Edifício Centro Empresarial Senado Cogeração promove autosuficiência energética Portal EA Edifício Centro Empresarial Senado Cogeração promove autosuficiência energética Com cobertura por película de vidro verde, o conjunto de torres reflete a história das edificações tombadas do

Leia mais

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria

Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Mecanismo de Garantia para Eficiência Energética e Energias Renováveis (EEGM) Alvaro Silveira Atla Consultoria Institucional Quem somos? O Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD) é o órgão

Leia mais

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS

PRIMEIRAS ETIQUETAS NACIONAIS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA (ENCES) DE EDIFICAÇÕES RESIDENCIAIS EMITIDAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO TECNOLÓGICO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Campus Universitário Trindade Florianópolis SC CEP 88040-900 Caixa Postal 476 Fundação de Ensino e Engenharia

Leia mais

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas

Sustentabilidade em Edificações Públicas Entraves e Perspectivas Câmara dos Deputados Grupo de Pesquisa e Extensão - Programa de Pós-Graduação - CEFOR Fabiano Sobreira SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Valéria Maia SEAPS-NUARQ-CPROJ-DETEC Elcio Gomes NUARQ-CPROJ-DETEC Jacimara

Leia mais

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial

Inversores de Freqüência na Refrigeração Industrial ersores de Freqüência na Refrigeração Industrial Os inversores de freqüência possuem um vasto campo de aplicações dentro da área de refrigeração industrial. São utilizados nas bombas de pressurização,

Leia mais

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE

GROUP PEDREIRA S PROJECTO IN AIR CONDITIONING SERVICE Serviços de Instalação - VRV e VRF O ar condicionado está se tornando rapidamente a tecnologia favoreceu para fornecer aquecimento e soluções para escritórios, comércio e lazer de refrigeração. Ele está

Leia mais

INCA. coleta seletiva de lixo e gestão de resíduos, coletor solar para pré-aquecimento da água, células fotovoltaicas

INCA. coleta seletiva de lixo e gestão de resíduos, coletor solar para pré-aquecimento da água, células fotovoltaicas Durante a execução dos projetos de hospitais como Sírio-Libanês, Hospital Alemão Oswaldo Cruz e Santa Catarina, a MHA instituiu a sua área de Gerenciamento de Obras, até hoje um importante serviço oferecido

Leia mais

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012

TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa. WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios. Cascais, 19 de Abril de 2012 TRAINREBUILD Formar para Reabilitar a Europa WORKSHOP Reabilitação Energética de Edificios Cascais, 19 de Abril de 2012 INDICE Lisboa E-Nova Enquadramento Conceitos Metodologia Oportunidades de Melhoria

Leia mais

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010

SELO CASA AZUL CAIXA. Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 Cases empresariais - SBCS10 São Paulo, 9/NOV/2010 SELO CASA AZUL CAIXA Sandra Cristina Bertoni Serna Quinto Arquiteta Gerência Nacional de Meio Ambiente SELO CASA AZUL CAIXA CATEGORIAS E CRITÉRIOS SELO

Leia mais

YORK Modelo YVWA Velocidade Variável, Unidade com compressores parafusos resfriados a água 200 a 300 Tons

YORK Modelo YVWA Velocidade Variável, Unidade com compressores parafusos resfriados a água 200 a 300 Tons Unidade com Infinitas Configurações para ajudar na sua melhor escolha YORK Modelo YVWA Velocidade Variável, Unidade com compressores parafusos resfriados a água 200 a 300 Tons YVWA YORK Unidades Compressores

Leia mais

Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios

Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios Instrumentos de Classificação e Certificação de Edifícios A certificação muitas vezes é um incentivo necessário para implementação de práticas sustentáveis pelo mercado. Isso porque quantifica e confere

Leia mais

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir?

Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? Optimização Energética na Reabilitação Onde Investir? A nova legislação estabelece as seguintes exigências relativamente à envolvente do edifício: Limite máximo dos coeficientes de transmissão térmica

Leia mais

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental

21/03/2012. Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Arquitetura e Urbanismo Tópicos Especiais em Preservação Ambiental Prof. João Paulo O LEED (Leadership in Energy and Environmental Design) é um sistema de certificação e orientação ambiental de edificações.

Leia mais