FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FAQ CHAMADA PÚBLICA R.: Entendimento correto."

Transcrição

1 FAQ CHAMADA PÚBLICA 1. Conforme o item do edital da Chamada Pública REE 002/2015 para as propostas de projetos que contemplarem a inclusão de geração de energia elétrica a partir de Fonte Incentivada solar fotovoltaica, em atendimento ao disposto módulo 6 - Projetos com Fontes Incentivadas do Procedimentos do Programa de Eficiência Energética - PROPEE, serão aceitas somente as propostas de projeto que contemplarem a inclusão de geração de energia em instalações que também apresentarem proposta de ação de eficiência energética dentro desta CHAMADA PÚBLICA ou já tiverem sido eficientizadas anteriormente. Projetos que contemple somente a instalação de geradores fotovoltaicos não serão aceitos? A proposta de projeto deve contemplar a instalação de gerador fotovoltaico mais uma outra ação de eficiência energética, por exemplo a substituição de equipamentos menos eficientes por mais eficientes (troca de lâmpadas comuns por lâmpadas de LED)? Favor confirmar entendimento. R.: Entendimento correto. 2. Conforme subitem 8.15 alínea a do edital o projeto básico do sistema de geração é inerente às atividades necessárias para a entrega do pré-diagnostico energético. Entendemos, então que devese entregar um memorial descritivo com a descrição do projeto das instalações, da conexão, localização, arranjo físico e diagramas. No caso de termos mais de uma unidade consumidora, entendemos que deve ser feito um memorial descritivo da microgeração para cada unidade consumidora. Favor confirmar entendimento. R.: O pré diagnóstico deve vir acompanhado do projeto básico. O projeto básico deve constar: - Dimensionamento do sistema fotovoltaico (memória de cálculo com Estimativa de Geração Anual, destacando todas as perdas consideradas e a disponibilidade do recurso energético no local, informando a base de dados utilizada.) - Solução para estrutura de suporte. - Planilha de Quantitativo de materiais/equipamentos - Planilha de Preços de Materiais/equipamentos Caso o pré diagnóstico seja selecionado na 1ª etapa da Chamada Pública, então será necessário a apresentação de diagnóstico energético e projeto executivo. O projeto executivo deve constar: - Dimensionamento do sistema fotovoltaico (memória de cálculo com Estimativa de Geração Anual, destacando todas as perdas consideradas e a disponibilidade do recurso energético no local, informando a base de dados utilizada) - Projeto Estrutural e arranjo físico - Detalhamento Elétrico e diagramas - Memorial Descritivo - Planilha de Quantitativo de materiais/equipamentos detalhada - Planilha de Preços de Materiais/equipamentos detalhada - Lista de cabos - Estudo de Proteção - Especificação Técnica dos materiais/equipamentos - Documentação de solicitação de acesso conforme norma disponível na página da distribuidora 3. No subitem do item 9.1 Primeira fase pré-diagnóstico energético do edital temos: Apresentação da avaliação preliminar das instalações físicas e dos procedimentos operacionais da unidade consumidora com foco no consumo de energia elétrica. Favor explicar este item, o que a distribuidora entende como procedimentos operacionais?

2 R.: É necessário identificar o regime de funcionamento dos equipamentos/sistemas que sofrerão intervenção de forma a estabelecer uma estimativa de horas anuais de operação, uma vez que o consumo de energia depende das horas de utilização. Deve-se prever qualquer sazonalidade, mudança de regime de turnos de operação e períodos de parada para manutenção. 4. Na etapa de pré-diagnóstico deve-se apresentar o cronograma físico e financeiro das etapas necessárias para a execução do projeto de eficiência energética descritas no item Favor confirmar entendimento. R.: Correto 5. Estão previstas novas chamadas públicas para projetos de eficiência energética de tipologia Comércio e Serviços? R.: Até o momento estamos sem previsão para lançamento de Chamada Pública para o segmento comercial em A ESCO que prospectar Projetos de Poder Público e apresentar o Pré-Diagnóstico para as unidades consumidoras, terá alguma prioridade na Coleta de Preços para a contratação de Diagnóstico, projeto e Obra? R.: Não. A ESCO concorrerá de forma semelhante às demais empresas que estiverem participando da coleta de preços. 7. Os custos de mão de obra própria e administração irão compor o valor a ser financiado no caso de consumidores com fins lucrativos? R.: Sim. Os custos de mão de obra própria da distribuidora, relativos à Fiscalização e Gerenciamento do Projeto fazem parte do financiamento e devem retornar ao PEE. 8. Uma unidade consumidora que está sendo construída pode ser beneficiada com projeto de EE? R.: Não. A Chamada Pública REE 002/2015 contempla a ação de melhoria da instalação, através da substituição de materiais e equipamentos e também contempla projetos de micro e mini geração distribuída solar fotovoltaica (associados a uma ação de eficiência energética) 9. Uma unidade consumidora que está sendo eficientizada com recursos próprios pode ser beneficiada pela CP mediante apresentação de Diagnóstico Energético com resultados alcançados vide modelo Aneel? R.: Não. As ações de eficiência energética financiadas pelo PEE devem ocorrer no período de execução do projeto, após o carregamento no duto da ANEEL. 10. Qual o perfil do consumidor? R.: Nesta Chamada REE 002/2015, estão contemplados os consumidores pertencentes aos segmentos Industrial, Poder Público e Iluminação Pública(Coelba), Industrial e Poder Público(Celpe) e Serviços Públicos(Cosern). Não estão contemplados os consumidores do setor Comercial/Serviços. 11. Quais os tipos de projetos contemplados? R.: Melhoria da instalação (substituição de equipamentos) e geração distribuída solar Fotovoltaica. Os usos finais (Aquecimento solar, ar comprimido, Bombas de vácuo, Bombas hidráulicas, Condicionamento ambiental, Equipamento Hospitalar, Iluminação, motores elétricos, Refrigeração, Sistemas motrizes, Soprador de ar, trocador de calor para Chuveiro, outros) estão detalhados na tabela 8 item 11.2, do Edital de Chamada Pública REE 002/2015, disponível na página da distribuidora. 12. Existe a opção de submissão de propostas de projetos fora do período de vigência do edital dos editais de PEE? R.: Não.

3 13. Existe alguma restrição para empresas do setor elétrico? R.: Não. 14. A estrutura do PEE da distribuidora disponibiliza algum profissional da área técnica para tratarmos do pré-diagnóstico do projeto, mesmo que não exista edital vigente? Caso positivo é possível enviar o contato? R.: Como a equipe do PEE da Distribuidora faz parte da comissão de avaliação das propostas de projeto, não podemos fornecer suporte técnico para elaboração do pré-diagnóstico, podendo caracterizar conflito de interesses. No entanto, podemos esclarecer as dúvidas que surgirem durante o período definido no edital da Chamada Pública, disponível na página da distribuidora. Sugerimos a consultoria e/ou contratação de um profissional indicado pela ABESCO (Associação Brasileira das Empresas de Serviços de Conservação de Energia) 15. Referente ao ponto 10.1 da chamada pública do REE002/2015, A prefeitura deverá ser caracterizada como uma entidade com fins lucrativos ou sem fins lucrativos? R.: O poder público municipal se trata de uma entidade sem fins lucrativos. 16. Referente ao ponto do mesmo edital. Utilizando experiências das chamadas passadas, fica quase que necessário a contratação de uma empresa de engenharia elétrica para fazer esse prédiagnóstico? R.: É condição para habilitação, que o pré-diagnóstico seja elaborado por profissional/empresa que comprove a execução de projetos semelhantes nos usos finais contemplados através de atestado de Capacidade Técnica e CAT. 17. Como calcular a vida útil em hora/ano, levando em conta que em um mesmo edifício pode haver lâmpadas de mesma tipologia, porém com horários de funcionamento distintos? R.: Recomendamos segregar por ambiente típico, de acordo com o regime de funcionamento/tipo de lâmpada/potência da lâmpada. Seguir as diretrizes do item do Edital 18. Ar-condicionado: saber qual a vida útil, uma vez que é dada apenas em anos, desconsiderando as horas de utilização. R.: Conforme item do Edital, para a estimativa da vida útil do aparelho de arcondicionado no pré-diagnóstico, deverá ser utilizado os valores apresentados no Anexo 2. No entanto, o proponente poderá apresentar vida útil diferente, desde que comprovada através de catálogos técnicos e/ou medições. 19. Como deveremos apresentar uma empresa que fará o diagnóstico se a distribuidora é quem irá contratar essa empresa para execução de todas as demais fases do PEE 2016 item 9.1.2? R.: A coleta de preços a ser realizada pela distribuidora não compreende a etapa de prédiagnóstico, cabendo ao cliente a responsabilidade pela sua apresentação na Chamada Pública, bem como o custo para sua elaboração. O pré-diagnóstico não será remunerado ou reembolsado pela distribuidora. Caso o pré-diagnóstico seja selecionado na Chamada Pública, ocorrerá uma coleta de preços para contratação da empresa responsável pelas etapas do Projeto, incluindo o Diagnóstico energético. Um fluxograma detalhando do processo de Chamada é apresentado no item 13.1 do Edital. 20. Onde consta no edital da chamada pública a penalidade referente à incompatibilidade (RCB > 0,8) entre o pré-diagnóstico e o diagnóstico? R.: No item 9.2 do Edital é definida a diferença máxima admitida entre o pré-diagnóstico e o diagnóstico, relativa aos custos e as metas de economia de energia e redução de demanda na ponta. Adicionalmente, na nota 4 do fluxograma apresentado no item 13.1 do Edital é

4 informado que caso o diagnóstico não seja viável (RCB > 0,8 clientes sem fins lucrativos), o Projeto não será implantado com recurso do PEE. 21. Item 8.13 o CEE corresponde ao somatório do horário de ponta e fora ponta? De maneira que não precisaríamos distinguir os dois horários? R.: A metodologia de cálculo do Custo Evitado de Energia (CEE) está disponível no módulo 7 do PROPEE. O CEE é único para horário de ponta e horário fora de ponta. No item 8.13 do Edital, é apresentado os valores de CEE e CED já calculados, conforme resolução homologatória da Aneel vigente. 22. O pré-requisito adimplência vela em consideração o CNPJ ou a conta coletiva? R.: Conforme item do Edital REE 002/2015, é obrigatória a comprovação de adimplência junto à distribuidora de todas as unidades cadastradas no CNPJ do consumidor a ser beneficiado. 23. Para a elaboração da proposta de projeto a ser enviada para a análise seletiva da primeira etapa, será necessário a apresentação de no mínimo 03 (três) orçamentos para os itens 8.3.2, 8.3.3, 8.3.4, e 8.3.6? R.: É importante garantir que os valores apresentados na proposta (pré-diagnóstico) reflitam a realidade, visando uma concorrência igualitária entre as propostas. 24. Será necessária a apresentação de toda a documentação técnica da empresa responsável pela elaboração da proposta de projetos, na primeira fase, no caso de consumidores sem fins lucrativos, visto que o diagnóstico será elaborado por uma ESCO, na segunda etapa? R.: A comprovação de capacidade técnica do responsável técnico pela proposta é obrigatória tanto para unidades consumidoras com fins lucrativos como para aquelas sem, de modo a nivelar a qualidade das informações apresentadas. 25. No item Critérios de pontuação e classificação das propostas, na Tabela 6, no item F3 Certificação CMPV da EVO, é solicitado o certificado fornecido pela EVO Efficiency Valuation Organization para profissional técnico que irá realizar as medições e estudos. Ressalto que este certificado poucos profissionais no Brasil tem, além de ser pago, ele não comprova a expertise em realizar os processos de M&V. Visto que desde quando foi instituído pela ANEEL em 2018 a necessidade de realizar as medições, baseadas no PIMVP Protocolo Internacional para Medição e Verificação de Perfomance, que todas as ESCO s ou empresas executoras de projetos os realizam. Este item é citado em Atestado registrado no CREA. Estou correto em afirmar que este documento expedido pelo CREA no formato de Certidão de Acervo Técnico - CAT vale como comprovação nesse item? R.: O item F3 - Certificação CMPV da EVO foi acrescentado pela ANEEL sua última revisão dos critérios para pontuação e classificação de projetos, e é um critério para pontuação do projeto. 26. No item Critérios de pontuação e classificação das propostas, na Tabela 6, no item I Ações educacionais, divulgação e gestão, citado também no item Ações de Marketing e Divulgação, diz que não é obrigatório. Entretanto este item vale como pontuação para seleção de projetos. Isso pode gerar uma redução da pontuação, se não apresentar este item? R.: Ações educacionais, divulgação e gestão é um item de acréscimo de pontuação. Ou seja, há um bônus para projeto que apresentem prevêem ações educacionais e de divulgação. 27. No caso de empresa com fins lucrativos quem apresenta o projeto do pré-diagnóstico é a ESCO ou o Cliente? Item citado no página 47 de 97. R.: O pré-diagnóstico é apresentado pelo cliente, em parceria com a ESCO.

5 28. No caso de uma indústria gráfica que usa equipamentos de iluminação que não possuem Selo Procel e alguns sem certificação do Inmetro. São importados. Como devemos proceder? R.: Caso o tipo de equipamento não seja avaliado nem pelo PBE nem INMETRO, deve-se seguir o estabelecido no item 8.2 do edital de chamada pública e no item do PROPEE, conforme transcrito abaixo: EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA REE 002/ PARÂMETROS DEFINIDOS PARA AQUISIÇÃO E SUBSTITUIÇÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS (...) Os equipamentos de uso final de energia elétrica utilizados nas propostas de projetos deverão ser, obrigatoriamente, energeticamente eficientes. No âmbito desta CHAMADA PÚBLICA, considera-se equipamento energeticamente eficiente aquele que: Possuir o selo PROCEL de economia de energia, ou simplesmente SELO PROCEL Caso não existam no mercado nacional os equipamentos com selo PROCEL necessários ao projeto, deverão ser adquiridos equipamentos com etiqueta A de desempenho energético (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia - ENCE), do Programa Brasileiro de Etiquetagem - PBE Na eventualidade de não existirem equipamentos com selo PROCEL ou com etiqueta A de desempenho energético (ENCE), deverão ser adquiridos os equipamentos mais eficientes dentro da listagem do PBE, devendo escolher obrigatoriamente o equipamento mais eficiente disponível. Neste caso, a escolha do equipamento deverá ser devidamente justificada, apresentando a tabela do PBE mais recente Caso os equipamentos necessários ao projeto não sejam contemplados pelo PBE, poderão ser utilizados os equipamentos mais eficientes disponíveis. PROPEE MODULO 4 SEÇÃO 4.1 TIPOLOGIAS 2.3 Os equipamentos instalados adquiridos com recurso do PEE devem ser energeticamente eficientes. Considera-se equipamento eficiente aquele detentor do Selo Procel de Economia de Energia, ou simplesmente Selo Procel (ELETROBRAS/PROCEL, em parceria com o INMETRO), dentro de cada categoria definida naquele programa Caso não existam no mercado nacional equipamentos com Selo Procel necessários ao projeto, deverão ser adquiridos equipamentos com Etiqueta A de desempenho energético (Etiqueta Nacional de Conservação de Energia - ENCE) do Programa Brasileiro de Etiquetagem (PBE), de responsabilidade do INMETRO Caso os equipamentos necessários ao projeto não sejam contemplados pelo PBE, poderão ser usados os mais eficientes disponíveis. Quando houver, no uso final considerado, laudo de laboratório acreditado pelo INMETRO para algum equipamento que atenda ao serviço requerido, somente estes equipamentos serão aceitos.

6 29. No item 10. Forma de apresentação das propostas de projetos, no subitem é solicitada uma carta fiança. Estou correto em afirmar que este documento só será necessário na etapa de Diagnóstico, com a aprovação do projeto e na assinatura do contrato? R.: Conforme é dito no item , abaixo transcrito, na proposta de projeto (fase de prédiagnóstico) deverá ser apresentada uma declaração (carta) do banco que irá fornecer a garantia, indicando esse compromisso FORMA DE APRESENTAÇÃO DA PRIMEIRA FASE PROPOSTA DE PROJETO Caso o cliente a ser beneficiado esteja enquadrado como empresa com fins lucrativos, deverá ser apresentada uma carta do banco em papel timbrado, concordando em fornecer a fiança bancária ou um contrato de contra garantia, caso a opção do cliente seja a contratação de seguro garantia. A cobertura da carta fiança ou do seguro garantia deverá considerar o valor total do projeto. O custo decorrente da emissão da carta fiança ou seguro garantia é de responsabilidade do consumidor a ser beneficiado e não será remunerado ou reembolsado pela CELPE.

CHAMADA PÚBLICA EE 001/2014

CHAMADA PÚBLICA EE 001/2014 A ELEKTRO ELETRICIDADE E SERVIÇOS S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante denominada simplesmente

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015

CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015 CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015 RESULTADO - CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015 31 DE AGOSTO DE 2015 O grupo CPFL ENERGIA, comunica que na CHAMADA PÚBLICA OC/PEE 001/2015, após análise da Comissão Julgadora

Leia mais

Programa de Eficiência Energética - Celpe Chamada Pública de Projetos REE 002/2015. Thiago Figueiredo Dezembro de 2015

Programa de Eficiência Energética - Celpe Chamada Pública de Projetos REE 002/2015. Thiago Figueiredo Dezembro de 2015 Programa de Eficiência Energética - Celpe Chamada Pública de Projetos REE 002/2015 Thiago Figueiredo Dezembro de 2015 Neoenergia em números Lucro Líquido - Distribuição: R$ 786 MM População Atendida: 26,5

Leia mais

CEB DISTRIBUIÇÃO S.A. SEDE: Setor de Indústria e Abastecimento - SIA, Área de Serviços Públicos, Lote C

CEB DISTRIBUIÇÃO S.A. SEDE: Setor de Indústria e Abastecimento - SIA, Área de Serviços Públicos, Lote C Superintendência de Mercado SPM Gerência de P&D e Eficiência Energética GRDE Edital de Chamada Pública PEE 001 2015 Elaborado Aprovado Data Júnio Agostinho de Matos 5062-8 Silvana Xavier Cirilo de Sá 4481-4

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PEE CELG D nº 001/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS

CHAMADA PÚBLICA PEE CELG D nº 001/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS Diretoria Comercial Superintendência de Comercialização Departamento de Medição e Utilização de Energia Setor de Utilização de Energia CHAMADA PÚBLICA PEE CELG D nº 001/2015 PERGUNTAS E RESPOSTAS CELG

Leia mais

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006

Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Edital de Concorrência Pública Nacional (SQC) nº 40.10756/2006 Serviços de Consultoria Pessoa Jurídica para a elaboração de metodologia que permita mensurar, verificar e avaliar os resultados decorrentes

Leia mais

RESULTADO DA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS APRESENTADAS

RESULTADO DA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS APRESENTADAS CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015 RESULTADO DA AVALIAÇÃO DAS PROPOSTAS APRESENTADAS A CELESC Distribuição S.A., doravante denominada CELESC, vem através deste informar o resultado da avaliação das

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AES ELETROPAULO

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AES ELETROPAULO CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA AES ELETROPAULO 2015 Eletropaulo Metropolitana Eletricidade de São Paulo S.A. ( AES Eletropaulo ) concessionária de serviços públicos de distribuição

Leia mais

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A.

CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A. CEMIG nº 001/2015 Página 1 de 95 REGULAMENTO A CEMIG DISTRIBUIÇÃO S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante

Leia mais

FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS)

FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS) FAQ (FREQUENTLY ASKED QUESTIONS) PRIMEIRA CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS PARA O A Light publicou no dia 31/07/2014 seu Edital para a 1ª Chamada Pública de Projetos de Eficiência Energética que promove o uso

Leia mais

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos

Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Programa de Eficiência Energética regulado pela ANEEL e Regras Para Apresentação de Projetos Carlos Eduardo Firmeza Especialista em Regulação Encontro Nacional dos Conselhos de Consumidores de Energia

Leia mais

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de

1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de 1 Introdução aos procedimentos do Programa de Eficiência Energética da ANEEL - ProPEE Apresentação dos princípios norteadores às propostas de projetos de eficiência energética 2 Motivações Os contratos

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE. Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 9 Avaliação dos Projetos e Programa Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL

Leia mais

Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia

Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia Apostila Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia 2.1 Iluminação em baixa renda Revisão Motivo da Revisão Data 0 Emissão inicial 06/04/2014 1 Comentários treinamento ANEEL 24/04/2014 ÍNDICE EXERCÍCIO N

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 10 Controle e Fiscalização Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

Workshop 1ª CPP. Workshop Externo para a 1ª Chamada Pública de Projetos do PEE da Light

Workshop 1ª CPP. Workshop Externo para a 1ª Chamada Pública de Projetos do PEE da Light Workshop 1ª CPP APOIO Workshop Externo para a 1ª Chamada Pública de Projetos do PEE da Light Raymundo Aragão, Agenor Garcia e José Rocha Rio de Janeiro, 21/08/2014 Painel 1 - Aumento da competitividade:

Leia mais

EDITAL PROP Nº 007/2012

EDITAL PROP Nº 007/2012 EDITAL PROP Nº 007/2012 CLASSIFICAÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS INSTITUCIONAISDE IMPLANTAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE PESQUISA 1. OBJETIVO Qualificar e compor banco de projetos de

Leia mais

I. A equipe básica é apenas a equipe que comprova a experiência solicitada no item 13.5.1?

I. A equipe básica é apenas a equipe que comprova a experiência solicitada no item 13.5.1? Á IPÊ Instituto de Pesquisas Ecológicas Rod. Dom Pedro I, km 47 Nazaré Paulista/SP, CEP - 12960-000 Telefone: (11) 4597-7155/4597-7161 Ref: Esclarecimentos sobre a cotação de preço 01/2013, referente à

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL. Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos do Programa de Eficiência Energética PROPEE Módulo 4 Tipologias de Projeto Revisão Motivo da Revisão 1 Correções e aperfeiçoamentos Instrumento

Leia mais

Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia

Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia Apostila Parte 2 Exercícios com planilhas do Guia 2.2 Refrigeração em baixa renda Revisão Motivo da Revisão Data 0 Emissão inicial 09/04/2014 1 Comentários treinamento ANEEL 24/04/2014 TREINAMENTO PARA

Leia mais

* CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE MESA

* CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE MESA Ventiladores de Teto e Mesa * CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE TETO * CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A VENTILADORES DE

Leia mais

MODELO DE ATUAÇÃO DO INTEGRADOR

MODELO DE ATUAÇÃO DO INTEGRADOR MODELO DE ATUAÇÃO DO INTEGRADOR SUMÁRIO SUMÁRIO... 2 1. OBJETIVO DO MANUAL... 3 2. QUEM É CONSIDERADO INTEGRADOR?... 3 3. QUAIS PROCESSOS SERÃO ALTERADOS?... 4 3.1» COMISSÃO... 4 3.2» NOVO CHECKLIST ON-LINE...

Leia mais

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA

PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA PRÊMIO PROCEL CIDADE EFICIENTE EM ENERGIA ELÉTRICA FICHA DE INSCRIÇÃO 8 ª EDIÇÃO Prefeitura Municipal de Nome do(a) Prefeito(a) Endereço CEP UF Telefone Fax E-mail Responsável pelas informações (nome e

Leia mais

SELEÇÃO INTERNA DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS INSTITUCIONAIS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE PESQUISA

SELEÇÃO INTERNA DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS INSTITUCIONAIS DE IMPLANTAÇÃO DE INFRAESTRUTURA DE PESQUISA EDITAL INTERNO DE SELEÇÃO PARA PARTICIPAÇÃO NA CHAMADA PÚBLICA MCTI/FINEP/CT-INFRA - PROINFRA UERGS Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Edital 002/2012 SELEÇÃO INTERNA DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA EXPEDIENTE DE 21/10/2015

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA EXPEDIENTE DE 21/10/2015 PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA EXPEDIENTE DE 21/10/2015 PROCESSO: 12/000.413/2015 CONCORRÊNCIA PÚBLICA SMC CO Nº 001/2015 OBJETO: CONTRATAÇÃO DE SOCIEDADE CIVIL

Leia mais

Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas Hidrelétricas

Exploração de Energia Solar em Lagos de Usinas Hidrelétricas 1ª Compilaça o de perguntas e respostas a du vidas referentes ao EDITAL 003/2015 CAPTAÇA O DE PROJETO DE P&D PARA O DESENVOLVIMENTO DE INOVAÇA O TECNOLO GICA A SER PROPOSTA PELA ELETRONORTE EM COOPERAÇA

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII

CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII CHAMADA PÚBLICA PARA CREDENCIAMENTO NO SISTEMA EMBRAPII A Associação Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial EMBRAPII torna público o processo de seleção para habilitar Polos EMBRAPII IF (PEIF). Os

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA DE TÉCNICA E PREÇONº 003/15 CIRCULAR Nº01

CONCORRÊNCIA PÚBLICA DE TÉCNICA E PREÇONº 003/15 CIRCULAR Nº01 Contratação para os serviços de elaboração de Projetos Executivos de Engenharia para gasodutos, redes internas, incluindo levantamento topográfico semi-cadastral, proteção catódica, o estudo de interferência

Leia mais

Chamada Pública para o ProPEE Procedimento do Programa de Eficiência Energética das Distribuidoras de Energia Elétrica

Chamada Pública para o ProPEE Procedimento do Programa de Eficiência Energética das Distribuidoras de Energia Elétrica Chamada Pública para o ProPEE Procedimento do Programa de Eficiência Energética das Distribuidoras de Energia Elétrica Eng. Fernando L. B. Bacellar Email: fernando.bacellar@aes.com Tel: (11) 2195-2663

Leia mais

REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU

REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU REITORIA EDITAL Nº 21/2015 FOMENTO À PESQUISA VINCULADA AOS PROGRAMAS STRICTO SENSU O Reitor da Universidade Vila Velha UVV torna público a todos os interessados que estão abertas, de 10 de junho de 2014

Leia mais

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações

Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Minas e Energia Ministério de Minas e Energia Desafios na avaliação da eficiência energética em edificações Encontro de Lideranças 2011 Sistema CONFEA/CREA s Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015

CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015 CHAMADA PÚBLICA PEE CELESC nº 001/2015 A CELESC DISTRIBUIÇÃO S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante

Leia mais

Ações Transversais: Energias Renováveis, Manutenção de Equipamentos, Microscopia Eletrônica e Nanotecnologia.

Ações Transversais: Energias Renováveis, Manutenção de Equipamentos, Microscopia Eletrônica e Nanotecnologia. Edital interno do PROINFRA -02/2014 CAPITULO I a) OBJETIVO Selecionar propostas para apoio financeiro à: I- Aquisição de novos equipamentos multiusuários de médio e de grande porte; II- Manutenção dos

Leia mais

Eficiência energética

Eficiência energética Eficiência energética A realização de pesquisas para otimizar a utilização da energia elétrica faz parte da postura sustentável adotada pelas empresas Eletrobras. Conheça nas próximas páginas as principais

Leia mais

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL.

Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Edital Nº 04/2015 DEPE DISPÕE SOBRE A SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA APOIO A PROJETOS DE PESQUISA NA SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE SOBRAL. Período 2015/2016 O Diretor da Santa Casa de Misericórdia de Sobral,

Leia mais

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA

COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA COTAÇÃO PRÉVIA DE PREÇO Nº 001/2012 EDITAL DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS DE TERCEIROS PESSOA JURÍDICA TIPO: MELHOR TÉCNICA O Centro de Estudos de Cultura Contemporânea CEDEC, entidade privada sem fins lucrativos,

Leia mais

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações

Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Introdução ao Programa Brasileiro de Etiquetagem de Edificações Documento elaborado pela Eletrobras/ Procel Edifica, Inmetro e CB3E/UFSC Rio de Janeiro, setembro de 2013. 1 O Programa Brasileiro de Etiquetagem

Leia mais

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento]

MODELO DE PROJETO BÁSICO AUDITORIA FEDERAL DE CONTROLE INTERNO DO IFAM [Subtítulo do documento] Página: 1 de X Objeto: Elaborado por: Equipe X Y Z Aprovado por: Unidade Requisitante Autoridade máxima do órgão Página: 2 de X 1. Definição do Objeto Indicação do que se está pretendendo licitar com a

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S 1 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. - ELETROBRÁS TOMADA DE PREÇOS N 04/2009 ANEXO I - ESPECIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS 2 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...3 2 DETALHAMENTO DOS SERVIÇOS...3

Leia mais

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...)

1 Introdução. 2 Aspectos Normativos (...) Celg Distribuição S/A. Diretoria Comercial Superintendência de Comercialização Departamento de Medição e Utilização de Energia Setor de Utilização de Energia Programa de Eficiência Energética Audiência

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PRH-PB 104PRH IFES UTILIZAÇÃO DE TAXA DE BANCADA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PRH-PB 104PRH IFES UTILIZAÇÃO DE TAXA DE BANCADA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO REITORIA Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3357-7500 PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS PRH-PB 104PRH IFES UTILIZAÇÃO

Leia mais

Regimento Interno do Sistema

Regimento Interno do Sistema Identificação: R.01 Revisão: 05 Folha: 1 / 14 Artigo 1 - Objetivo do documento 1.1. Este documento tem como objetivo regulamentar as atividades para credenciamento de uma planta de produção com o SELO

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE RELATÓRIO FINAL DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE RELATÓRIO FINAL DE PROJETOS DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Superintendência de Pesquisa e Desenvolvimento e Eficiência energética SPE Sistema de Gestão de Projetos de Eficiência Energética SGPEE INSTRUÇÕES PARA GERAÇÃO E ENVIO DE RELATÓRIO FINAL DE PROJETOS DE

Leia mais

Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação

Fundação de Apoio à Ciência, Tecnologia e Educação MANUAL DO PESQUISADOR SUMÁRIO 1. Apresentação 2. Inclusão de Projetos 2.1. Apresentações de novos projetos 2.2. Tipos de instrumentos legais 2.3. Situação de adimplência das instituições 3. Orientações

Leia mais

Programa de Certificação da Bioeletricidade

Programa de Certificação da Bioeletricidade Programa de Certificação da Bioeletricidade Regulamento para a obtenção do Certificado Energia Verde Bioeletricidade e do Selo Energia Verde Bioeletricidade Iniciativa: Parceria: Apoio: Revisão Data Motivo

Leia mais

EDITAL 01/2015.2 DE CONCURSO. IV Workshop da Escola de Engenharia e Ciências Exatas UnP Campus Mossoró

EDITAL 01/2015.2 DE CONCURSO. IV Workshop da Escola de Engenharia e Ciências Exatas UnP Campus Mossoró EDITAL 01/2015.2 DE CONCURSO CONCURSO DE IDEIAS InovAÇÃO: Concurso Fachada da UnP do Campus Mossoró IV Workshop da Escola de Engenharia e Ciências Exatas UnP Campus Mossoró 1. APRESENTAÇÃO A Universidade

Leia mais

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO Nº 04/2016 ESCLARECIMENTO Nº 03

MENSAGEM PREGÃO ELETRÔNICO Nº 04/2016 ESCLARECIMENTO Nº 03 MENSAGEM Assunto: Esclarecimento nº 03 Referência: Pregão Eletrônico nº 04/2016 Data: 4/4/2016 Objeto: Contratação de serviços de assistência médica ambulatorial de emergência/urgência em saúde, medicina

Leia mais

Minuta de Termo de Referência

Minuta de Termo de Referência Minuta de Termo de Referência Contratação de serviço para elaboração do mapeamento, análise, propostas e implantação de melhorias nos processos de trabalho da Coordenadoria Geral de Licenciamento Ambiental

Leia mais

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO

SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO SLEA SISTEMA DE LICENCIAMENTO ELETRÔNICO DE ATIVIDADES DA PREFEITURA DE SÃO PAULO Manual passo-a-passo para obtenção do Auto de Licença de Funcionamento/ Auto de Licença de Funcionamento Condicionado Eletrônico

Leia mais

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL

Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Guia de M&V Revisão Motivo da Revisão Instrumento de aprovação pela ANEEL Data da vigência P-0 Emissão inicial 18/07/2013 GUIA DE M&V ÍNDICE ÍNDICE... 2 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

MONTREAL / RIO DE JANEIRO

MONTREAL / RIO DE JANEIRO QUESTIONAMENTOS CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 001/14 MONTREAL / RIO DE JANEIRO 1 Quanto às certificações solicitadas nos itens 2.3, 2.4, e 2.5 da página 136 do Edital, perguntamos: Dado que a Norma ABNT NBR

Leia mais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais

Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais Chamada Pública nº 03/2012 Programa de Fluxo Contínuo para Apoio a Projetos Especiais A FUNDAÇÃO ARAUCÁRIA de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Paraná, em conformidade com suas finalidades,

Leia mais

CHAMADA INTERNA DA PROPPG/UDESC/MCT/FINEP/CT-INFRA-PROINFRA 01/2013

CHAMADA INTERNA DA PROPPG/UDESC/MCT/FINEP/CT-INFRA-PROINFRA 01/2013 CHAMADA INTERNA DA PROPPG/UDESC/MCT/FINEP/CT-INFRA-PROINFRA 01/2013 Para atender a chamada pública MCT/FINEP/CT-INFRA PROINFRA - 2014 a ser lançada pela FINEP, o NUCLEO DE PROJETOS E PARCERIAS e a PRÓ-REITORIA

Leia mais

Edital Pronametro nº 1/2014

Edital Pronametro nº 1/2014 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA NORMALIZAÇÃO, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Edital Pronametro nº 1/2014 Programa

Leia mais

1) PLANILHA DE COTAÇÃO DE PREÇO Esta planilha, que deveria estar no ANEXO IV, não foi encaminhada.

1) PLANILHA DE COTAÇÃO DE PREÇO Esta planilha, que deveria estar no ANEXO IV, não foi encaminhada. 1) PLANILHA DE COTAÇÃO DE PREÇO Esta planilha, que deveria estar no ANEXO IV, não foi encaminhada. Resposta: Não existe uma planilha modelo a ser considerada. 2) ITEM F, CLÁUSULA 25 - pg 9 Neste ítem,

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014

PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 PERGUNTAS E RESPOSTAS EDITAL 05/2014 Atualizado em 10/11/2014 Esta nota tem o objetivo de esclarecer as instituições que pretendam apresentar propostas de projetos ao Edital 05/2014. 1. No que se refere

Leia mais

16 Eficiência Energética

16 Eficiência Energética 16 Eficiência 412 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Contextualização A eficiência energética pode ser definida como o desempenho de conversão de um sistema energético. Em outras palavras, representa o quanto de energia

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Rio de Janeiro, outubro de 2012. Av. Presidente Vargas, n 670/ 9 andar Rio de Janeiro RJ Telefone: (21) 2334-4657

TERMO DE REFERÊNCIA. Rio de Janeiro, outubro de 2012. Av. Presidente Vargas, n 670/ 9 andar Rio de Janeiro RJ Telefone: (21) 2334-4657 TERMO DE REFERÊNCIA Implantação do Sistema de Gestão da Qualidade e Modernização da Superintendência de Arrecadação, Cadastro e Informações Econômico-Fiscais (SUACIEF) Rio de Janeiro, outubro de 2012.

Leia mais

Relatório 1 PROPEE: Propostas Operacionais Estratégicas para o Aprimoramento do Manual do PEE

Relatório 1 PROPEE: Propostas Operacionais Estratégicas para o Aprimoramento do Manual do PEE Relatório 1 PRO: Propostas Operacionais Estratégicas para o Aprimoramento do Manual do Elaborado por: Para: Cooperação Alemã para o Desenvolvimento - GIZ Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit

Leia mais

EDITAL DE PROJETOS INSTITUTO LOJAS RENNER E ONU MULHERES - 2016

EDITAL DE PROJETOS INSTITUTO LOJAS RENNER E ONU MULHERES - 2016 EDITAL DE PROJETOS INSTITUTO LOJAS RENNER E ONU MULHERES - 2016 1. DO OBJETO 1.1. O presente edital tem por objeto realizar uma chamada pública nacional para a seleção de projetos que contribuam para o

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA REEE 001/2014

CHAMADA PÚBLICA REEE 001/2014 COELBA CHAMADA PÚBLICA Tipologia Industrial 01/10/2014 Página 0 de 63 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 OBJETIVO... 2 3 CONSUMIDORES PARTICIPANTES... 2 4 RECURSOS FINANCEIROS... 3 5 TIPOLOGIAS ELEGÍVEIS DE PROJETOS...

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2014

EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2014 EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS 2014 1. DO OBJETO 1.1. O presente edital tem por objeto realizar uma chamada pública nacional para seleção de projetos sociais. O edital destina-se às organizações

Leia mais

COMISSÃO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO EDITAL Nº 01/2015/CONNEPI.

COMISSÃO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO EDITAL Nº 01/2015/CONNEPI. COMISSÃO DE COMUNICAÇÃO E MOBILIZAÇÃO EDITAL Nº 01/2015/CONNEPI. PROCESSO SELETIVO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS VOLUNTÁRIOS PARA O X CONGRESSO NORTE NORDESTE DE PESQUISA E INOVAÇÃO CONNEPI. A Comissão de

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC

NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC NOTA DE ESCLARECIMENTO Nº 02 CONCORRÊNCIA PÚBLICA NACIONAL Nº 20130012/CIDADES/CCC OBJETO: LICITAÇÃO DO TIPO TÉCNICA E PREÇO PARA CONTRATAÇÃO DE EMPRESA ESPECIALIZADA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO URBANÍSTICO

Leia mais

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento.

www.fundep.br/programacaptar, juntamente com este regulamento. PROGRAMA DE CAPTAÇÃO DE RECURSOS FUNDEP REGULAMENTO PARA CADASTRAMENTO DE PROJETOS UFMG A Fundep//Gerência de Articulação de Parcerias convida a comunidade acadêmica da UFMG a cadastrar propostas de acordo

Leia mais

Presidência da República. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Secretaria Especial dos Direitos Humanos

Presidência da República. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente. Secretaria Especial dos Direitos Humanos Presidência da República Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente Secretaria Especial dos Direitos Humanos EDITAL N o 1, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2003 O Conselho Nacional dos Direitos da

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 001/2013

RESOLUÇÃO Nº. 001/2013 RESOLUÇÃO Nº. 001/2013 Estabelece normas para o recebimento, análise e concessão de benefício a projetos culturais no âmbito da Lei de Incentivo à Cultura João Bananeira. A Comissão de Avaliação e Seleção

Leia mais

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.13-005 Revisão A

INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.13-005 Revisão A INSTRUÇÃO SUPLEMENTAR - IS IS Nº 43.13-005 Aprovação: Portaria nº 2166, de 26 de agosto de 2013, publicada no Diário Oficial da União de 27 de agosto de 2013, Seção 1, página 9. Assunto: Ferramentas Especiais

Leia mais

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS

NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS NORMA TÉCNICA GEPRO/ESGOTO 001/2015 DIRETRIZES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS HIDROSANITÁRIOS POR TERCEIROS ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 1 2. DOCUMENTOS RELACIONADOS... 1 3. EMPREENDIMENTOS DE INTERESSE... 2 4.

Leia mais

URBES. Esclarecimento nº 02

URBES. Esclarecimento nº 02 1 PREGÃO PRESENCIAL Nº 001/15 PROCESSO CPL 2292/14 LICITAÇÃO DO TIPO MENOR PREÇO PARA REGISTRO DE PREÇOS PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAL DE SINALIZAÇÃO SEMAFÓRICA. Esclarecimento nº 02 A -, através de sua Pregoeira,

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 175, de 09 de dezembro de 2009.

RESOLUÇÃO Nº 175, de 09 de dezembro de 2009. RESOLUÇÃO Nº 175, de 09 de dezembro de 2009. ALTERAR E ESTABELECER NOVAS PROVIDÊNCIAS À RESOLUÇÃO Nº 119/2007 DO CMDCA. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Florianópolis, no

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2014

PROCESSO SELETIVO 2014 PROCESSO SELETIVO 2014 EDITAL N 47/2014 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM URGÊNCIA E EMERGÊNCIA: GESTÃO E ATENÇÃO NO SUS - LATO SENSU O Centro de Educação Tecnológica e Pesquisa em Saúde Escola GHC e o Instituto

Leia mais

Requisitos para inscrição

Requisitos para inscrição COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO Nº 000071-2013-A ANALISTA DE LABORATÓRIO ÁREA DE ATUAÇÃO: ENSAIOS E ANÁLISE LABORATORIAIS LABORATÓRIO DE PILHAS E BATERIAS CFP 7.01 BAURU 01 VAGA A Diretoria de Recursos

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS

EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SNBP-FBN X ENTIDADES PÚBLICAS E PRIVADAS SEM FINS LUCRATIVOS SELEÇÃO PÚBLICA DE PROPOSTA PARA PROJETO DE APOIO A INSTALAÇÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS NO BRASIL REFERENTE

Leia mais

BANDEIRANTE ENERGIA S.A.

BANDEIRANTE ENERGIA S.A. A BANDEIRANTE ENERGIA S.A., pessoa jurídica de direito privado, sociedade por ações, concessionária do serviço público de distribuição de energia elétrica, doravante denominada simplesmente de BANDEIRANTE,

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE AUDITORIA Ordem de Serviço: 03/2014/CGM-AUDI Unidade Auditada: Contrato de Gestão nº 001/2013 Celebrado entre a Fundação Theatro Municipal de São Paulo e o Instituto Brasileiro de Gestão Cultural

Leia mais

Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia

Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia Processo de Seleção de Novos Empreendimentos para a Broto Incubadora de Biotecnologia EDITAL 01/2016 O Reitor da Universidade Estadual de Feira de Santana - UEFS, no uso de suas atribuições, torna pública

Leia mais

CONSULTE NOSSA EQUIPE www.infinitodobrasil.com.br

CONSULTE NOSSA EQUIPE www.infinitodobrasil.com.br DOC-SP de 22/01/2008 (nº 14, pág. 1) DECRETO Nº 49.148, DE 21 DE JANEIRO DE 2008 Regulamenta a Lei nº 14.459, de 3 de julho de 2007, que acrescenta o item 9.3.5. à Seção 9.3 - Instalações Prediais do Anexo

Leia mais

Eficiência Energética em Edificações

Eficiência Energética em Edificações Eficiência Energética em Edificações CONTEÚDO ABORDADO ORGANOGRAMA CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA Consumo Faturado de Energia Elétrica 2011 430 TWh (Fonte: EPE Janeiro 2012) PROCEL EDIFICA O PROGRAMA O Programa

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA A MÁQUINAS DE LAVAR ROUPA (DOCUMENTO COMPLEMENTAR AO REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA) (Revisão I) 25/08/2010

Leia mais

FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL BIÊNIO 2011/2012

FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL BIÊNIO 2011/2012 FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL BIÊNIO 2011/2012 ANEXO VI: REGULAMENTO: PUBLICAÇÕES, PRESERVAÇÃO E MEMÓRIA 1. DO OBJETO DO PATROCÍNIO 1.1 Serão aceitos projetos de publicações acerca

Leia mais

Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS

Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS Edital FPTI-BR N 029/2013 PROCESSO FPTI-BR N 0003/2013 SELEÇÃO DE PROPOSTAS PARA CONCESSÃO DE APOIO A ORGANIZAÇÃO E REALIZAÇÃO DE EVENTOS A Fundação Parque Tecnológico Itaipu Brasil, em parceria com a

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO PROGRAMA MARANHÃO MAIS MÚSICA

GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO PROGRAMA MARANHÃO MAIS MÚSICA GOVERNO DO ESTADO DO MARANHÃO FUNDAÇÃO DE AMPARO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO DO MARANHÃO PROGRAMA MARANHÃO MAIS MÚSICA EDITAL FAPEMA Nº 43/2013 MÚSICA PRORROGAÇÃO Atividades Datas Data

Leia mais

PROJETO COM FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO. Erick Nogueira dos Santos Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda.

PROJETO COM FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO. Erick Nogueira dos Santos Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda. PROJETO COM FERRAMENTA DE COMUNICAÇÃO Erick Nogueira dos Santos Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda. Firmino Soares de Siqueira Filho Firmino Siqueira Consultores Associados Ltda. Tatiane Lara

Leia mais

FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CULTURAIS 2012

FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CULTURAIS 2012 GOVERNO DO ESTADO DA BAHIA SECRETARIA DE CULTURA CENTRO DE CULTURAS POPULARES E IDENTITÁRIAS FUNDO DE CULTURA Nº. PROTOCOLO (Uso exclusivo da SECULT) FORMULÁRIO DE APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS CULTURAIS 2012

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS CPP 001/2015

CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS CPP 001/2015 Publicação: 03.08.2015 Revisão 01: 14.08.2015 CHAMADA PÚBLICA DE PROJETOS CPP 001/2015 GUIA DE ORIENTAÇÕES AGENTES PÚBLICOS Rio de Janeiro, 03 de agosto de 2015. 2 Equipe do PEE da Light Antônio Raad Carla

Leia mais

Universidade Católica de Pelotas. Pró-Reitoria Acadêmica Edital 054/2015

Universidade Católica de Pelotas. Pró-Reitoria Acadêmica Edital 054/2015 Universidade Católica de Pelotas Pró-Reitoria Acadêmica Edital 054/2015 O Centro de Ciências Jurídicas, Econômicas e Sociais, no Programa de Pós-Graduação em Política Social, seleciona professor para o

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X. NOME DA INSTITUIÇÃO: Ernst & Young Terco (BRADLEI RICARDO MORETTI)

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X. NOME DA INSTITUIÇÃO: Ernst & Young Terco (BRADLEI RICARDO MORETTI) MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº /200X NOME DA INSTITUIÇÃO: Ernst & Young Terco (BRADLEI RICARDO MORETTI) AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO:

Leia mais

CNPJ: 00.698.097/0001-02

CNPJ: 00.698.097/0001-02 CNPJ: 00.698.097/0001-02 Porto Alegre, 18 de Janeiro de 2016 Ao Ilustríssimo Senhor Pregoeiro Autoridade Pública Olímpica APO RJ Processo Administrativo Nº 91214.001263/2015-71 Impugnação Edital 02/2016

Leia mais

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS O MOVIMENTO DAS DONAS DE CASA E CONSUMIDORES DE MINAS GERAIS MDC, doravante denominada OSCIP, pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, inscrita no CNPJ sob o n. 20.966.842/0001-00, com

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS Introdução Independentemente do nível de experiência da proponente na elaboração de projetos, o Instituto Cooperforte empresta apoio, orientação e subsídios às Instituições

Leia mais

Treinamentos sobre o Guia de M&V Preparação dos treinamentos das Distribuidoras

Treinamentos sobre o Guia de M&V Preparação dos treinamentos das Distribuidoras Treinamentos sobre o Guia de M&V Preparação dos treinamentos das Distribuidoras Elaborado por: Para: Deutsche Gesellschaft für Internationale Zusammenarbeit (GIZ) GmbH 07/07/2014 Energias Renováveis e

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETO ESTRATÉGICO REFERENTE À CHAMADA ANEEL Nº 014/2012

CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETO ESTRATÉGICO REFERENTE À CHAMADA ANEEL Nº 014/2012 CHAMADA PÚBLICA PARA PROJETO ESTRATÉGICO REFERENTE À CHAMADA ANEEL Nº 014/2012 Coordenadoria de Planejamento Empresarial, Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação - CPP Companhia Hidro Elétrica do São Francisco

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 4 Procedimentos Operativos do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF.

EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF. EDITAL SGP Nº 001/2014 CADASTRAMENTO INTERNO DE INSTRUTORES PARA MINISTRAR CURSOS DE CAPACITAÇÃO. PLANO DE CAPACITAÇÃO/2014 DA UNIVASF. A Secretária de Gestão de Pessoas, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

BICICLETAS DE USO INFANTIL

BICICLETAS DE USO INFANTIL Página: 1/12 Elaborado por: Maria Lucia Hayashi Verificado por: João Gustavo L. Junqueira Aprovado por: Regina Toscano Data Aprovação: 10/12/2013 1 OBJETIVO Este documento apresenta os critérios complementares

Leia mais

Condições de Trabalho

Condições de Trabalho COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO Nº 0484-2012-01 ESPECIALISTA DA ÁREA DE SAÚDE II ERGONOMISTA 02 VAGAS PARA SÃO PAULO SP 40 HORAS SEMANAIS - R$ 4.402,42 A Diretoria de Recursos Humanos do SESI-SP abre inscrições

Leia mais

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude

Governo do Estado do Rio de Janeiro Secretaria de Estado de Esporte, Lazer e Juventude ANEXO V ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DA PROPOSTA DE TRABALHO Entende-se que o Programa de Trabalho é a demonstração do conjunto dos elementos necessários e suficientes, com nível de precisão adequada para caracterizar

Leia mais

ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS EDITAL DO PREGÃO AMPLO Nº 008/2010-ER05-Anatel PROCESSO Nº 53528.001004/2010 Projeto Executivo e Estudos de Adequação da nova Sala de Servidores da rede de

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO

TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO TERMO DE REFERÊNCIA VISANDO CONTRATAÇÃO DE SERVIÇO DE SONDAGEM, ELABORAÇÃO DO PROJETO DE FUNDAÇÃO E DO PROJETO IMPLANTAÇÃO DO CENTRO DE INICIAÇÃO AO ESPORTE CIE -TIPOLOGIA M3R40 1 SIGLAS E DEFINIÇÕES ABNT

Leia mais