Processos especiais de usinagem Eletroerosão

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processos especiais de usinagem Eletroerosão"

Transcrição

1 Processos especiais de usinagem Eletroerosão Definição: Eletroerosão é um processo de fabricação baseado em princípios de remoção por efeitos térmicos, que acontece em decorrência de carregamento elétrico não estacionário entre dois materiais condutores de eletricidade (peça e eletrodo) em um meio fluido (dielétrico). É utilizado: Materiais condutores de eletricidade; Materiais altamente duros (metal-duro; ligas metálicas com alta dureza); Pequena quantidade de peças e Peças de geometria complexa;

2

3 Processo Eletroerosão é um processo que consiste na remoção de material da peça utilizando descargas elétricas como principal meio de usinagem. Esta técnica é caracterizadas pela aptidão do material de conduzir eletricidade (metais, carbetos, grafite, etc). O processo é composto por: Eletrodo Peça Dielétrico Eletricidade

4 Princípios do processo 1. Aproximação do eletrodo. Os dois estão eletrizados 2. Concentração do campo elétrico numa região de menor distância entre o eletrodo e a peça 3. Criação de um cana ionizado entre o eletrodo e a peça. 4. Fundição do material da peça. O material do eletrodo é pouco afetado 5. A corrente é cortada causando a explosão do canal. 6. Expulsão das partículas do material da peça com o dielétrico.

5 Fatores influentes Perturbações: Inomogêneidade do material da peça e do eletrodo; Sujeira; Temperatura;... Resultados do Processo: Tensão; Corrente; Altura da fenda;... Máquina: Controle dos eixos Lavação; Transporte do fio, eletrodo... Resultados de trabalho: Remoção; Desgaste; Qualidade. super; Integridade super. Parâmetros controláveis: Duração do pulso; Duração da pausa entre os pulsos Tensão; Avanço; Vazão do dielétrico. Estratégia: Máxima remoção; Mínimo desgaste; Alta qual. superf.; Mínima influência da integrid. super..

6 Características elétricas te - duração da descarga; td - tempo de retardo; ti - duração do impulso; to - tempo de intervalo. Desligar U e - tensão em aberto; Ue - tensão de descarga; U e - tensão de trabalho; Ie - corrente de descarga; I e - corrente de trabalho. Corrente Tensão Ligar

7 Eletrodo Características: Alta condutibilidade eletricidade e térmica (possibilitando grande taxa de remoção de material da peça com pouco desgaste da ferramenta); Resistência mecânica suficiente; Sem problemas de deformação térmica. Processos de fabricação: Fundição; Forjamento; Torneamento; Fresamento; Furação; etc. Materiais: Cobre eletrolítico e algumas ligas, alumínio, silício, latão, titânio, aço e grafite.

8 Dielétrico Funções: Isolar eletrodo e peça; Formar o canal de descarga; Remover as partículas erodidadas da fenda de trabalho; Refrigerar o local de trabalho. Principais tipos: Hidrocarbonetos (querosene, óleo de transformador) Água desmineralizada ;

9 Variantes do processo Eletroerosão a fio Eletroerosão por penetração

10 Otimização através de simulação do processo

11 Máquinas

12 Exemplos de aplicação

13 Campo de aplicação

14 Remoção química O princípio da remoção química se baseia numa reação química entre a peça e um agente químico, que deverá resultar em um produto volátil, solúvel ou de fácil remoção Corrosão ácida Exemplo: gravação química em vidro SiO HF SiF4 + 2 H 2 O Não condutor de eletricidade Meio reagente Produto de reação volátil água

15 Rebarbação termoquímica É um processo de fabricação utilizado para retirar rebarbas de peças metálicas ou não, utilizando o princípio de oxidação: 2H 2 + O 2 H 2 O + calor A energia liberada por essa reação pode alcançar de 2500 até 3500 C que proporciona uma reação química, a oxidação (queima) da rebarba com o oxigênio da câmara.

16 Exemplo: Câmara de rebarbação Câmara de mistura Vela de ignição Cilindros de mistura Rebarba do fresamento Rebarba qualquer Rebarba de furação Rebarba da entrada da broca Rebarba de roscamento Parede Canto vivo Processo Rebarba de retificação Peça Rebarba de fundição em peças de Al e Zi

17 Remoção eletroquímica O processo baseia-se na dissolução de uma peça metálica - como anodo (polo positivo) - em um meio condutor de eletricidade. O processo se classifica em: Remoção eletroquímica com fonte externa Remoção eletroquímica de formas (J>10 A/cm2) ex.: Gravação eletroquímica por imersão; Rebarbação eletroquímica Remoção eletroquímica de superfície (J>0,04-3 A/cm2) ex.: Polimento eletroquímico; Rebarbação em banho com fonte interna Gravação eletroquímica ex.: Gravação ácida

18 Princípio Avanço Gerador CC Ferramenta Solução eletrolítica Lama

19 Vantagens do processo Sua aplicação vem crescendo nos últimos anos em quase todas as áreas de fabricação em decorrência de: Erosão de materiais de difícil usinabilidade; confecção de formas geométricas complicadas; inexistência de desgaste decorrente do próprio processo; nenhuma influência térmica ou mecânica da estrutura da camada limite do material da peça; reprodutibilidade e elevada precisão; inexistência de rebarba; bom acabamento superficial da peça, mesmo para taxa de remoção elevada; elevada liberdade de projeto no que diz respeito à escolha do material e da geometria a ser reproduzida.

20 Fatores influentes Máquina Erro de posição do sistema máquinaferramenta Parâmetros controláveis Tensão Veloc. Avanço Pressão de entrada e saída Material do cátodo. Material Por exemplo: Características químicas Micro-estrutura Resultados de trabalho Precisão e qualidade superficial Eletrólito Tipo; Concentração Temperatura PH Grau de limpeza Geometria Por exemplo: Superfície Contorno Raio

21 Eletrólito Características: Tem como função conduzir os transportadores de carga e promover uma conversão eletroquímica nos eletrodos durante a eletrólise. Outras atribuições: Grande estabilidade química Pequena tendência à corrosão Neutralidade fisiológica. Tipos: Cloreto de sódio (NaCL); Soluções de nitratos (NaNO) Ácidos (H2SO4, HNO3, HCl)

22 Laser - Light Amplification of Stimulated Emission of Radiation - Amplificação da luz pela emissão estimulada de radiação fonte: Isaias Massiero Filho. Dissertação de Mestrado: A utilização do laser para o corte de chapas finas de metais biocompatíves.

23 Princípio: - um feixe de luz (onda eletromagnética) coerente (de mesma fase) e monocromática (mesmo comprimento de onda) incide na superfície da peça aquecendo-a. - O fenômeno da emissão de fótons por átomos excitados ocorre de forma abundante na prática: um metal aquecido devido à excitação dos átomos pelo calor átomos de fósforo na tela de um cinescópio são excitados pelo feixe de elétrons incidentes para emitir luz. - O princípio do laser é baseado na sincronização da radiação estocástica emitida

24 1 - um átomo de uma determinada energia E incide sobre um átomo que está no estado fundamental. 2 - se a energia E do foton for exatamente igual à diferença entre a energia do estado excitado E2 e a energia do estado fundamental E1, o átomo absorve o fóton e passa do estado de menor para o estado de maior energia. Senão o fóton é absorvida. 3 o átomo excitado não fica muito tempo nesse estado, voltando ao estado fundamental.

25 Conceitos básicos Emissão espontânea fluorescência: não necessita de ajuda externa para passar do estado excitado para o fundamental Emissão estimulada: necessita de ajuda externa um foton provoca a emissão de um outro. Os dois são coerentes: mesma frequência, fase e polarização.

26 Princípio de funcionamento Amplificação da luz Principais componentes Meio amplificador Cavidade de ressonância Fonte de energia

27 Meio amplificador (meio ativo) É o meio onde a luz emitida e refletida pelos espelhos é amplificada. O meio ativo pode ser sólido (Ex.: Nd:YAG, Rubi), líquido (Ex.: Rhodamin 6G) ou gasoso (Ex.: CO2, HeNe, Excimer) O meio ativo determina o comprimento de onda do laser, e por consequência o menor diâmetro do feixe emergente - que é proporcional ao comprimento de onda

28 Cavidade de ressonância É formada por dois espelhos posicionados frente-a-frente, sendo que um dos espelhos reflete 100% da luz que nele incide e o outro permite a passagem de parte do feixe de luz. Entre os dois espelhos encontra-se o meio ativo.

29 Fonte de energia Fornece energia ao meio ativo para permitir a emissão estimulada. Dependendo do tipo de meio ativo utilizado são empregados como fonte de energia meios óticos, elétricos, químicos, etc. Como exemplo pode-se citar lâmpadas de flash ou arco, diodos laser e descargas elétricas diodo laser

30 Formação do feixe de laser na cavidade de ressonância Na fase inicial alguns elétrons são excitados, em decorrência da emissão espontânea fótons são emitidos em diferentes direções. Energia continua sendo fornecida ao meio amplificador, a emissão espontânea diminui e aumenta a estimulada Um feixe de laser suficientemente intensivo se consegue somente quando acontecem muitas emissões estimuladas continuamente. Fonte: Andreas Gebhardt, Laser Materialbearbeitung Grundlagen Verfahren Anwendungen. Skript zur Vorlesung

31 Regime de operação Um feixe laser pode ser contínuo ou pulsado, dependendo de suas características construtivas. Regime Contínuo (cw) Cortes em linha reta Alta carga térmica Regime Pulsado Menor carga térmica Melhor qualidade de superfície

32 Aplicações na indústria O laser encontra hoje uma miríade de aplicações nas mais diversas áreas. corte solda usinagem de cavidades tratamento de superfície metrologia assitência a usinagem de materiais de alta dureza ou endurecidos

33 Características e dados dos principais tipos de laser Tipo de laser Diodo He-Ne Excimer Nd:YAG CO2 Comprimento de onda Espectro ultra violeta ou feixe visível 1 W(cont.) 1 kw (puls) ~ 30% 632 nm Espectro ultra violeta 1,06 µ m 10,6 µ m até 50 mw (cont) ~1-3% até 30 MW (puls) ~1% 10W-40kW(cont) 1MW (puls) ~12% excitação do gás por uma corrente elétrica excitação do gás por uma corrente elétrica 20W-3kW(cont) 1MW (puls) ~3% (~15%) Lâmpada de flash flash de luz (diodo laser) Potência Eficiência Excitação Corrente contínua excitação do gás por uma corrente elétrica em alta frequência

34 Condução do feixe e movimentação peça/cabeçote Flying optics fibra ótica Movimento na peça Misto

35 O corte O processo

36 Corte por sublimação(vaporização) Gás inerte Alta concentração local de energia Passagem direta do estado sólido para o gasoso Madeira, papel, plásticos Normalmente anti-econômico para metais Corte por fusão Gás inerte Material é fundido e soprado da região de corte Superfície de corte levemente estriada Bem mais lento do que o corte por queima Um décimo da energia envolvida na vaporização

37 Corte por queima Gás reativo (O2) Temperatura de ignição Reação altamente exotérmica Energia aproveitada no processo Alta velocidade (maior velocidade = menor penetração do calor) Camada de óxido na superfície de corte - acabamento Óxidos de alto ponto de fusão no caso de materiais como o aço inoxidável e alumínio Óxido frágil no corte do titânio

38 Alguns parâmetros importantes do feixe: diâmetro do foco e modo energia polarização comprimento de onda de transporte: velocidade do corte posição do foco do gás velocidade do jato posição, forma e alinhamento do cabeçote composição (pureza) do material propriedades óticas propriedades térmicas

39 Exemplos de aplicações do corte com laser Foto: Chapa de aço inoxidável com espessura de 0,65 mm e largura do corte 198 µm Foto: Tubos de pequenas dimensões

40 Endurecimento superficial Caracterizado geralmente pela resistência ao desgaste ou dureza e espessura da camada endurecida No caso do laser: Maior dureza e resistência ao desgaste do que com outros métodos de endurecimento diversidade dos materiais que podem ser tratados tratamento localizado

41 Exemplos de superfícies tratadas termicamente pelo laser

42 Corte com jato d água Definição: Nos processos de corte com auxílio de um jato d água de alta pressão é aproveitada a ação erosiva do jato de água. As áreas de aplicação estão principalmente no trabalho de materiais plásticos, no corte de tapeçaria e tecidos, bem como na indústria alimentícia. A adição de materiais sólidos ao jato de água abre um outro campo de aplicação que permite cortar materiais metálicos, vidro e cerâmica.

43 Tubeira e cabeçote de mistura

44 Parâmetros ajustáveis Velocidade de avanço Diâmetro do bocal Fatores influentes Distância do bocal Pressão da bomba Diâmetro do jato Tempo de atuação Velocidade do jato Distrib. potência Energia local Comp. da fenda Qual. de canto Prof. da fenda Resistência ao corte Ductilidade Características do material Espessura do material

45 Vantagens do processo Atuação multidirecional de corte através da inclinação da tubeira; Pequena carregamento mecânica da peça; Nenhuma influência térmica da camada limite; Não existe a formação de pós, cavacos ou gases; Pequeno desgaste da ferramenta; Corte estreito.

Usinagem I. 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ

Usinagem I. 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem. Prof. Anna Carla - MECÂNICA - UFRJ Usinagem I 2016.1 Parte I Aula 6 Processos não convencionais e MicroUsinagem Processos não- convencionais O termo usinagem não tradicional refere- se a este grupo, que remove o material em excesso de uma

Leia mais

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência 132 7. Processo de soldagem por resistência elétrica 7.1 Introdução As soldas a ponto, por costura, por projeção e topo a topo formam um grupo de soldas nas quais o calor necessário para a soldagem é gerado

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Características do processo

Características do processo SOLDAGEM POR OXIGÁS Processo de soldagem que utiliza o calor gerado por uma chama de um gás combustível e o oxigênio para fundir o metal-base e o metal de adição A temperatura obtida através da chama é

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation

Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation Amplificação da Luz por Emissão Estimulada da Radiação Características da luz laser Monocromática Colimada Coerente EXEMPLOS: Características específicas

Leia mais

CORTE A PLASMA. Figura 1 Processo Plasma

CORTE A PLASMA. Figura 1 Processo Plasma CORTE A PLASMA Introdução Desde sua invenção na metade da década de 50, o processo de corte por plasma incorporou várias tecnologias e se mantém como um dos principais métodos de corte de metais. Porém,

Leia mais

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada 2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada A luz está presente em praticamente todos os momentos de nossas vidas e tem fundamental importância para a sobrevivência da vida no planeta. Atualmente,

Leia mais

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar

68 Usinagem por. eletroerosão. Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar A U A UL LA Usinagem por eletroerosão Suponha que um amigo seu, que vai patrocinar uma importante competição esportiva, esteja encarregado de providenciar um grande número de medalhas. O problema é que

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

Corte com jato de água

Corte com jato de água A U A UL LA Corte com jato de água Você certamente já ouviu o ditado água mole em pedra dura, tanto bate até que fura. Então, furar pedra usando água você já sabe que dá, não é mesmo? Basta um pouco de

Leia mais

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Direcção de Formação Processos de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Italo Fernandes EWE / IWE Módulo 1.8 Temas a Tratar - Processos de Soldadura Fio Sólido com Protecção Gasosa Inerte

Leia mais

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002

Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 3 Roda CP Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Janeiro / 2002 Substitui: Dezembro/2000 Página 1 de 14 Introdução: As Rodas Scotch-Brite C&P (Cutting & Polishing) são um eficiente e econômico produto

Leia mais

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker

Classificação dos materiais. Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais Profa. Daniela Becker Classificação dos materiais A classificação tradicional dos materiais é geralmente baseada na estrutura atômica e química destes. Classificação dos materiais

Leia mais

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA Edson Hiromassa Takano 1 Ana Sofia C.M. D Oliveira 2 hiromassa@gmail.com 1 sofmat@ufpr.br 2 1, 2 Departamento de Engenharia Mecânica, Setor de

Leia mais

ENG 02298 TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EFEITO DA ALTERAÇÃO DOS PARÂMETROS DO PROCESSO LASER SOBRE A GEOMETRIA DO CORDÃO DE SOLDA

ENG 02298 TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EFEITO DA ALTERAÇÃO DOS PARÂMETROS DO PROCESSO LASER SOBRE A GEOMETRIA DO CORDÃO DE SOLDA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA ENGENHARIA DE MATERIAIS ENG 02298 TRABALHO DE DIPLOMAÇÃO EFEITO DA ALTERAÇÃO DOS PARÂMETROS DO PROCESSO LASER SOBRE A GEOMETRIA DO CORDÃO

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 19 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

Como funciona o laser por Matthew Weschler - traduzido por HowStuffWorks Brasil

Como funciona o laser por Matthew Weschler - traduzido por HowStuffWorks Brasil Como funciona o laser por Matthew Weschler - traduzido por HowStuffWorks Brasil Introdução Os lasers estão em toda parte, numa grande variedade de produtos e tecnologias. Aparelhos de CD, brocas de dentista,

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO ANO LECTIVO 2015 2016 CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL MÉTODOS OPTICOS ESPECTROFOTOMETRIA MOLECULAR (UV

Leia mais

Os tratamentos termoquímicos. micos

Os tratamentos termoquímicos. micos Os tratamentos termoquímicos micos Os tratamentos termoquímicos micos Turma 6821 Arthur Galvão, Fábio F Borges, Israel Lima e Vitor Alex Tratamentos Termoquímicos? micos? são os tratamentos que visam o

Leia mais

www.keelautomacao.com.br Linha KSDF Solução em corte CNC

www.keelautomacao.com.br Linha KSDF Solução em corte CNC Linha KSDF Solução em corte CNC Linha KSDF Solução em corte CNC Características Destinada ao processo de corte mecanizado de chapas aço carbono, inox, alumínio, ferro entre outros. Esta máquina foi desenvolvida

Leia mais

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA

QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA QUI346 ESPECTROFOTOMETRIA ABSORÇÃO FOTOQUÍMICA 3ª Parte A INSTRUMENTAÇÃO 07/10/2013 Mauricio X. Coutrim ESPECTRO DE ABSORÇÃO A energia absorvida por um fóton é igual à diferença entre as energias do estado

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem manual com eletrodos revestidos. Familiarizar-se

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS E SERVIÇOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS E SERVIÇOS CATÁLOGO DE PRODUTOS E SERVIÇOS EMPRESA A Jet Tek possui equipamentos de avançada tecnologia para serviços de corte que exijam qualidade, precisão e rapidez. Segmentos Como prestadora de serviços de alta

Leia mais

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado

Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado Conformação dos Metais Prof.: Marcelo Lucas P. Machado INTRODUÇÃO Extrusão - processo no qual um tarugo de metal é reduzido em sua seção transversal quando forçado a fluir através do orifício de uma matriz,

Leia mais

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial

Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial 3 Rodas Laminadas EXL e Discos Roloc EXL Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro/2004 Substitui: Janeiro/2002 Página 1 de 8 Introdução: As Rodas Laminadas EXL e EXL Roloc Scotch-Brite para rebarbação

Leia mais

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 265 34. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 34.1. Introdução Para obter uma boa operação de usinagem em retificação, alguns cuidados devem ser

Leia mais

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO

AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO AULA 11 FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO 83 11. VARIÁVEIS DEPENDENTES DE SAÍDA: FORMAÇÃO, TIPOS E GEOMETRIAS DE CAVACO. 11.1. Generalidades Nas operações de usinagem que utilizam corte contínuo

Leia mais

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos

TÉCNICO EM MECÂNICA NOME: Nº INSC.: PRRH. Pró-Reitoria de Recursos Humanos TÉNIO M MÂNI NOM: Nº INS.: PRRH Pró-Reitoria de Recursos Humanos Para a usinagem de uma engrenagem de 55 dentes, de módulo 2 mm, foi utilizada uma barra de seção circular de 5". onsiderando a necessidade

Leia mais

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial

UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE. Curso: Engenharia de Produção Disciplina: Materiais para Produção Industrial UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Campus RECIFE Curso: Disciplina: Aula 5 Tratamento Térmico Tratamento Térmico O tratamento térmico pode ser definido de forma simples como um processo de aquecimento e/ou

Leia mais

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado.

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado. USINAGEM 1 USINAGEM Usinagem é um processo onde a peça é obtida através da retirada de cavacos (aparas de metal) de uma peça bruta, através de ferramentas adequadas. A usinagem confere à peça uma precisão

Leia mais

ABSORÇÃO ATÓMICA E FOTOMETRIA DE CHAMA SÃO DOIS MÉTODOS QUANTITATIVOS DE ANÁLISE ELMENTAR, QUE PODEM SER USADOS PARA QUANTIFICAR APROXIMADAMNETE 70 ELEMENTOS. AS APLICAÇÕES SÃO NUMEROSAS, E AS CONCENTRAÇÕES

Leia mais

Tratamentos térmicos. 1. Introdução

Tratamentos térmicos. 1. Introdução Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 3204 Mecânica Aplicada * Tratamentos térmicos 1. Introdução O tratamento

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Vidas alheias, riquezas a salvar

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Vidas alheias, riquezas a salvar CORPO DE BOMBEIROS MILITAR Vidas alheias, riquezas a salvar COMBATE A INCÊNDIOS E EXTINTORES Apresentação: 1º Sgt Evandro de Mello do Amaral FATORES DE ÊXITO NA PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS Estar em dia com

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Diamantados e CBN. Abrasivos Diamantados. Tipos de diamante Industrial:

Diamantados e CBN. Abrasivos Diamantados. Tipos de diamante Industrial: iamantados e CN Abrasivos iamantados Tipos de diamante Industrial: Sintéticos: Em forma de pó, pastilhas ou insertos; Naturais: Em forma de pó, pedra bruta ou lapidada; Nitreto de boro cúbico-cn: Em forma

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

NOTAS DE AULAS - X. Disciplina: Manutenção Mecânica

NOTAS DE AULAS - X. Disciplina: Manutenção Mecânica Abr/203 Módulo: Processo de Fabricação X PROCESSOS DE USINAGEM ESPECIAIS. Usinagens Especiais são processos de usinagem alternativos, que consistem da remoção de material, porém não executados de forma

Leia mais

Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano - SP)

Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano - SP) Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano - SP) 188 Apêndice J Medidores (Descrição para a Unidade de Incineração de Resíduos da Clariant site Suzano

Leia mais

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO

PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO PROCESSOS BASEADOS EM EXTRUSÃO EXTRUSÃO DE TUBOS E CANOS Tubos diâmetro inferior a 12,7mm (1/2 in) Materiais mais utilizados: PE e PVC (canos), PA, POM (tubos). corte Extrusora matriz resfriamento/calibração

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012

DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012 INTERAÇÃO LASER-TECIDO DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012 1 INTERAÇÃO LUZ-TECIDOS Reflexão Espalhamento Transmissão Refração Absorção Ar Tecido Absorção

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA E MICROANÁLISE QUÍMICA PMT-5858

MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA E MICROANÁLISE QUÍMICA PMT-5858 MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA E MICROANÁLISE QUÍMICA PMT-5858 1ª AULA Introdução Óptica Eletrônica Prof. Dr. André Paulo Tschiptschin (PMT-EPUSP) PMT-5858 - TÉCNICAS DE MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE

Leia mais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais

Métodos de marcação direta de peças. Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais Guia técnico Métodos de marcação direta de peças Identificação legível de máquina para indústrias automotivas e aeroespaciais A prática da Marcação Direta de Peças (DPM) é utilizada em muitas indústrias

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA PROCESSOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS DE CONFORMAÇÃO MECÂNICA 19/08/2008 1 CONFORMAÇÃO MECÂNICA Em um ambiente industrial, a conformação mecânica é qualquer operação durante a qual se aplicam esforços mecânicos

Leia mais

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker

Tratamento Térmico. Profa. Dra. Daniela Becker Tratamento Térmico Profa. Dra. Daniela Becker Diagrama de equilíbrio Fe-C Fe 3 C, Fe e grafita (carbono na forma lamelar) Ligas de aços 0 a 2,11 % de C Ligas de Ferros Fundidos acima de 2,11% a 6,7% de

Leia mais

EDILSON HENRIQUES CALÓ

EDILSON HENRIQUES CALÓ 1 EDILSON HENRIQUES CALÓ ESTUDO COMPARATIVO DA EFICIÊNCIA ENTRE OS PROCESSOS DE CORTE PLASMA E LASER NO MATERIAL ASTM A36 NA ESPESSURA DE 12 mm São Caetano do Sul 2013 2 EDILSON HENRIQUES CALÓ ESTUDO COMPARATIVO

Leia mais

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA

CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA CENTRAL ANALÍTICA ESPECTROSCOPIA ATÔMICA Com a descoberta que o átomo possui estrutura; isto é, é composta de partículas menores tais como elétrons os quais são ordenados de acordo a critérios quânticos

Leia mais

Corte com laser. Mas você já deve estar se perguntando o que tudo isso tem a ver com processos de fabricação.

Corte com laser. Mas você já deve estar se perguntando o que tudo isso tem a ver com processos de fabricação. A UU L AL A Corte com laser Até bem pouco tempo atrás, quando se ouvia a expressão raio laser (lê-se lêiser), as imagens que vinham à nossa cabeça estavam associadas aos filmes de ficção científica: criaturas

Leia mais

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco.

Atualmente trabalha como Analista de Suporte em Telecomunicações no Teleco. Painel de Plasma Esse tutorial apresenta os conceitos básicos da tecnologia empregada em painéis de plasma e suas principais características. Anderson Clayton de Oliveira Graduado em Engenharia Elétrica

Leia mais

1. A Função da Vela de Ignição

1. A Função da Vela de Ignição 1. A Função da Vela de Ignição A função da vela de ignição é conduzir a alta voltagem elétrica para o interior da câmara de combustão, convertendo-a em faísca para inflamar a mistura ar/combustível. Apesar

Leia mais

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007)

17-11-2011. Marília Peres Adaptado de (Corrêa 2007) FQA 10º Ano Unidade 1 Química Espectro de Absorção Fonte: http://www.brasilescola.com/quimica/espectroseletromagneticos-estrutura-atomo.htm Adaptado de (Corrêa 2007) 1 Carlos Corrêa Fernando Basto Noémia

Leia mais

Processos de fabricação

Processos de fabricação Processos de fabricação SOLDAGEM 1 Soldagem: introdução A soldagem está intimamente ligada às mais importantes atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Curso Técnico Segurança do Trabalho Identificação e Análise de Riscos Identificação e Análise de Riscos Módulo 5 - Radiações Não-Ionizantes Segundo a NR15 Anexo 7: Radiações não-ionizantes são as microondas,

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014

PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014 PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014 Caro professor, cara professora Esta prova é composta por 25 questões de escolha múltipla, com quatro alternativas, e resposta única. Cada questão respondida

Leia mais

GCaet OnLine Divisão de Conteúdos

GCaet OnLine Divisão de Conteúdos GCaet OnLine Divisão de Conteúdos Minimização de Custos com Ferramentas de Usinagem Por Delmonte Friedrich, Msc. Eng. Todos os direitos reservados. É proibido reproduzir total ou parcialmente esta publicação

Leia mais

Introdução à condução de calor estacionária

Introdução à condução de calor estacionária Introdução à condução de calor estacionária Exercício 1 - O telhado de uma casa com aquecimento elétrico tem 6m de comprimento, 8m de largura e 0, 25m de espessura e é feito de uma camada plana de concreto

Leia mais

Materiais de Corte Segmento Madeireiro

Materiais de Corte Segmento Madeireiro Materiais de Corte Segmento Madeireiro Devido a necessidade do aumento de produção no setor madeireiro, ao longo de décadas vem-se desenvolvendo cada vez mais os materiais para ferramentas de corte, visando

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais

Figura 1- Fabricação de carrocerias de automóveis. Os aços microligados ao nióbio apresentam ótimas propriedades mecânicas e soldabilidade.

Figura 1- Fabricação de carrocerias de automóveis. Os aços microligados ao nióbio apresentam ótimas propriedades mecânicas e soldabilidade. HISTÓRIA DO NIÓBIO O nióbio foi descoberto na Inglaterra em 1801 por Charles Hatchett, que na época o denominou de colúmbio. Posteriormente, o químico alemão Heinrich Rose, pensando haver encontrado um

Leia mais

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA

GRSS. Resistance WELDING SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA SOLDAGEM POR RESISTÊNCIA ELÉTRICA Princípios A soldagem por resistência elétrica representa mais uma modalidade da soldagem por pressão na qual as peças a serem soldadas são ligadas entre si em estado

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

Calandra de 4 Rolos modelo VRM

Calandra de 4 Rolos modelo VRM Calandra de 4 Rolos modelo VRM Sumário Construção de Máquinas é nossa Profissão com Criatividade e Paixão. Nós da HAEUSLER 3 Calandra de 4 Rolos 4 Particularidades da Calandra de 4 Rolos HAEUSLER Modelo

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração.

Centro de Seleção/UFGD Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. Técnico em Refrigeração ==Questão 26==================== Assinale a alternativa que define refrigeração. (A) O movimento de energia de frio dentro de um espaço onde ele é necessário. (B) A remoção de calor

Leia mais

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular.

www.cursinhoemcasa.com Prof. Helena contato@cursinhoemcasa.com Fonte arquivo particular. Irradiação térmica È o processo de troca de calor que ocorre através da radiação eletromagnética, que não necessitam de um meio material para isso. Ondas eletromagnéticas é uma mistura de campo elétrico

Leia mais

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas.

Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3 Laser a Fibra Neste capítulo trataremos das propriedades gerais de um laser, bem como das características de um laser a fibra de cavidades acopladas. 3.1 Propriedades Gerais A palavra LASER é um acrônimo

Leia mais

Processo de Soldadura TIG - 141. Princípio de Funcionamento

Processo de Soldadura TIG - 141. Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Processo de Soldadura por Fusão que utiliza a energia Eléctrica Neste processo o cordão de soldadura é obtido de duas maneiras: Só pela fusão do material

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

Bystronic: Best choice.

Bystronic: Best choice. LASER + AUTOMAÇÃO 4 LASER Corte a laser O corte a laser é um processo de separação térmico para processar chapas. O feixe de raio laser é gerado na fonte de raio laser (ressonador), sendo conduzido para

Leia mais

n 1 L 1 n 2 L 2 Supondo que as ondas emergentes podem interferir, é correto afirmar que

n 1 L 1 n 2 L 2 Supondo que as ondas emergentes podem interferir, é correto afirmar que QUESTÃO 29 QUESTÃO 27 Uma escada de massa m está em equilíbrio, encostada em uma parede vertical, como mostra a figura abaixo. Considere nulo o atrito entre a parede e a escada. Sejam µ e o coeficiente

Leia mais

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG

PROVA DE FÍSICA QUESTÃO 01 UFMG QUESTÃO 01 Em uma corrida de Fórmula 1, o piloto Miguel Sapateiro passa, com seu carro, pela linha de chegada e avança em linha reta, mantendo velocidade constante Antes do fim da reta, porém, acaba a

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL - UFRGS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA QUÍMICA TÓPICOS ESPECIAIS EM TECNOLOGIA INORGÂNICA I CARVÃO MINERAL Porto Alegre, 21 de março de 2003. 1 - INTRODUÇÃO O carvão

Leia mais

Aperfeiçoe o desempenho do injetor no refino de petróleo

Aperfeiçoe o desempenho do injetor no refino de petróleo Bicos de Controle de Análise de Fabricação de pulverizadores Aperfeiçoe o desempenho do injetor no refino de petróleo Tecnologia de injetores: Crítica para dúzias de operações de refino Injetores, às vezes

Leia mais

FUNDIÇÃO 3/23/2014 BIBLIOGRAFIA VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO

FUNDIÇÃO 3/23/2014 BIBLIOGRAFIA VANTAGENS DO PROCESSO DE FUNDIÇÃO BIBLIOGRAFIA FUNDIÇÃO Livro Texto: Tecnologia Metalúrgica Prof. José Luís L. Silveira Curso de graduação em Engenharia Mecânica UFRJ Centro de Tecnologia sala I-241 Introdução aos Processos de Fabricação

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem: - Grande aplicação nas atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica e automobilística,

Leia mais

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips

ALINHA ENTO FEI LASER. Visão geral: Ferramentas usadas no alinhamento: Fita adesiva Caneta vermelha Tesoura Chave de fenda Phillips ALINHA MENTO DO FEIXE LASER. Este tutorial é para ajudar a pessoa de manutenção da máquina laser no alinhamento do feixe laser que é a coisa mais importante para obter um correto funcionamento de sua máquina

Leia mais

Conceito de fogo. Elementos que compõem o fogo

Conceito de fogo. Elementos que compõem o fogo Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR FUSÃO Combinação Gás/Metal Oxi-acetilenico Oxi-hidrogenio Oxigênio com gás metano, propano, natural Ar-acetileno PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR FUSÃO

Leia mais

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães

Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães 1 de 9 01/11/2010 22:17 Iluminação de piscinas com fibras ópticas Fábio Magalhães O sistema mais utilizado atualmente para a iluminação de piscinas é composto por projetores submersíveis, portanto, instalados

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente de

Leia mais

NR-23 Proteção Contra Incêndio

NR-23 Proteção Contra Incêndio NR-23 Proteção Contra Incêndio Fatores de Êxito na Prevenção de Incêndio PREPARAO PRÉVIO ESTAR EM DIA COM OS DOCUMENTOS DO BOMBEIRO; MANUTENÇÃO EM DIA; EQUIPAMENTOS ADEQUADOS AO RISCO; SINALIZAÇÃO; FAMILIARIZAÇÃO

Leia mais

suficientemente, a corrente satura num valor limite como

suficientemente, a corrente satura num valor limite como 5.3 Condução em gases (Geralmente esta seção não pode ser apresentada num curso de 4 horas semanais. O conteúdo tem relevância para alunos de engenharia de meio ambiente, geociências, engenharia elétrica,

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Pressão Hidrostática => P= gh Supressão de Zero Para maior facilidade de manutenção e acesso ao instrumento, muitas vezes o transmissor é

Leia mais

Notas de Aula - Ensaio de Dureza

Notas de Aula - Ensaio de Dureza Notas de Aula - Ensaio de Dureza Disciplina: Ensaios de Materiais // Engenharia Mecânica - UEM 1 de abril de 2008 1 Introdução A dureza é a propriedade mecânica de um material apresentar resistência ao

Leia mais

SMG SILICONES MINAS GERAIS LTDA.

SMG SILICONES MINAS GERAIS LTDA. SMG SILICONES MINAS GERAIS LTDA. SENHOR USUÁRIO, Esperamos que as informações contidas nesse boletim sejam de utilidade em seu processo industrial. Dúvidas aparecerão. Entre em contato com nosso departamento

Leia mais

Introdução a eletroestética

Introdução a eletroestética Agentes físicos: Introdução a eletroestética -Corrente elétrica, ondas eletromagnéticas, ondas ultrasônicas -Calor -Luz -Água -Movimento Interação dos agentes físicos (aparelhos) x tecido biológico (pele/corpo

Leia mais

Educação Química CINÉTICA QUÍMICA

Educação Química CINÉTICA QUÍMICA CINÉTICA QUÍMICA É a parte da química que estuda a rapidez ou taxa de variação das reações e os fatores que nela influem. - Antigamente denominada de velocidade 1, é uma medida da rapidez com que são consumidos

Leia mais

Guilherme Fabricio Aosani CONSTRUÇÃO DE UM DISPOSITIVO PARA USINAGEM ELETROQUÍMICA

Guilherme Fabricio Aosani CONSTRUÇÃO DE UM DISPOSITIVO PARA USINAGEM ELETROQUÍMICA Guilherme Fabricio Aosani CONSTRUÇÃO DE UM DISPOSITIVO PARA USINAGEM ELETROQUÍMICA Horizontina 2014 Guilherme Fabricio Aosani CONSTRUÇÃO DE UM DISPOSITIVO PARA USINAGEM ELETROQUÍMICA Trabalho Final de

Leia mais

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS. Vera L. Arantes

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS. Vera L. Arantes PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS Vera L. Arantes Propriedades Elétricas Alguns materiais precisam ser altamente condutores. Ex.: fios para conexões elétricas. Ou precisam ser isolantes. Ex.: o encapsulamento

Leia mais

Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Retificação. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Retificação DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

EXTRUSÃO DE TERMOPlÁSTICOS

EXTRUSÃO DE TERMOPlÁSTICOS EXTRUSÃO DE TERMOPlÁSTICOS Fundação Santo André FSA Engenharia de Materiais 6 0 semestre Profa. Dra. Sandra A. Cruz Extrusão Extrusora -Um dos processos mais utilizados -Reator Pó Extrusora pellets ou

Leia mais