Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW"

Transcrição

1 Direcção de Formação Processos de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Italo Fernandes EWE / IWE Módulo 1.8 Temas a Tratar - Processos de Soldadura Fio Sólido com Protecção Gasosa Inerte MIG 131 Fio Sólido com Protecção Gasosa Activa MAG 135 Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 2 / 117

2 Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 3 / 117 EWE / IWE Módulo 1.8 Objectivos Princípio de Funcionamento Equipamentos e Acessórios Aplicações, Vantagens e Desvantagens Parâmetros (variáveis essenciais) de Soldadura Modos de Transferência Consumíveis Tipos e Cuidados Tipos de Chanfros/Juntas Imperfeições Típicas Princípio de Funcionamento Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 4 / 117

3 Princípio de Funcionamento (1 de 3) Processo de Soldadura por Fusão. A Fusão do material de adição e do material de base é obtida através do calor desenvolvido por um arco eléctrico. O Material de Adição é obtido através da utilização de um consumível do tipo Fio Sólido Continuo. Tipo de Corrente Eléctrica, Continua: DC(+) / DCEP e AC Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 5 / 117 Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 6 / 117 Princípio de Funcionamento (2 de 3) A Protecção do banho em fusão, das gotas de material de adição e do cordão de soldadura é obtida através de uma protecção gasosa Protecção Inerte Árgon ou Hélio ou misturas de ambos (mais comum 50% ou 75% de Árgon) Protecção Activa - CO 2 ou misturas Árgon + CO 2 5%, 18% ou 20%, ou misturas Árgon + O 2 a 5%, ou misturas Árgon + CO 2 + O 2.

4 Princípio de Funcionamento (Esquema) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 7 / 117 MIG Metal Inert Gas Utiliza só gases Inertes Só faz a protecção ao material fundido (banho e metal de adição) Não Existem Reacções Químicas Aplicável a não ferrosos (Al e CU) e materiais reactivos (Ti e Nb) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 8 / 117

5 MAG Metal Active Gas Utiliza CO 2 e misturas de Gases Inertes e Activos Faz a protecção ao material fundido (banho e metal de adição) Provoca Reacções Químicas de Oxi-redução Exotérmicas Aplicável a Ferrosos Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 9 / 117 Aplicações Típicas (1 de 2) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 10 / 117

6 Aplicações Típicas (2 de 2) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 11 / 117 Vantagens: Solda todos os metais Controlo da Penetração Razoável Usa DC (+) /AC Solda em Todas as Posições Factor de Marcha de 60% Taxa de Depósito entre 1,2 a 1,5 Kg/h Automatização, Eléctrodo Contínuo Baixos Níveis de Hidrogénio Sem Escória, excepto com CO 2 Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 12 / 117

7 Desvantagens: Acessibilidade e Mobilidade Faltas de Fusão/Colagens Limitado a espessuras até 50 mm (devido às colagens) Risco de Inclusões com CO 2 Boas Competências do Soldador Grande sensibilidade às correntes de ar Custos dos Gases de Protecção Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 13 / 117 Fonte de Energia Alimentador de Fio Tocha de Soldadura Garrafa de Gás Cabo de Energia e Retorno Alicate/Grampo de Massa Sistema de Refrigeração Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 14 / 117

8 Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 15 / 117 Fontes de Energia: Tipo Estático: Convencionais, Inversores ou com Controlo por CPU Rectificadores debitam corrente DC ou Transformadores/Rectificadores debitam AC Tipo Rotativo: Geradores debitam corrente DC Factor de Marcha de 60% Curva Estática Tipo Plano ou Tensão constante Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 16 / 117

9 Fontes de Energia: Tipo Estático: Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 17 / 117 Fontes de Energia Convencionais Controlo dos Parâmetros: Intensidade Velo. de Alimentação de Fio Voltagem Arco Tensão do Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 18 / 117

10 Intensidade Velocidade de Alimentação de Fio em função do tipo de fio e do diâmetro Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 19 / 117 Fontes de Energia Controladas por CPU Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 20 / 117

11 Fontes de Energia Sinérgicas : Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 21 / 117 Acessórios Instalados nas Fontes Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 22 / 117

12 Curva Característica Estática Tensão Constante ou Plana Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 23 / 117 Arranque e Paragem do Processo: Escorvamento por curto-circuito Sequência de arranque: - Abertura do Gás - Arranque do alimentador e da passagem da corrente eléctrica. Sequência de Fecho: - Pára o alimentador - Pára a passagem de corrente (controlo do burn back ) - Fecho do gás Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 24 / 117

13 Controlo da Estabilidade do Arco-Eléctrico Obtido através do Efeito de Auto-Regulação ou da Tensão do Arco Efeito de Auto-Regulação deve-se a: Alimentador de Velocidade Fixa Tipo de curva característica Estática da Fonte, Tensão constante Processo em que o efeito da densidade de energia é relevante Efeito de Joule não desprezável na fusão do fio 2 Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 25 / 117 W = α. I + β. l. I Controlo do Arco - Efeito de Auto-Regulação Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 26 / 117

14 Controlo do Arco Através da Tensão do Arco Controlo pela Tensão do Arco deve-se a: Alimentador de Velocidade Variável Tipo de curva característica Estática da Fonte, Intensidade Constante Dispositivo electrónico, que mede a tensão do Arco e compara com um valor padrão Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 27 / 117 Tochas de Soldadura (1 de 3) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 28 / 117

15 Tochas de Soldadura (2 de 3) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 29 / 117 Tochas de Soldadura (3 de 3) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 30 / 117

16 Alicates de Massa e Massas Rotativas: Adequados à Intensidade máxima a utilizar Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 31 / 117 Cabos de Energia, de Retorno e Ligações Rápidas: Escolha da Secção mínima de Cabo: Intensidade Máxima a utilizar (diâmetro de eléctrodo e/ou espessura do material a soldar) Distância máxima entre a fonte e o local de trabalho Factor de Marcha utilizado Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 32 / 117

17 Cabos de Energia e de Retorno Considerando distâncias de 4,5 m (normal de uma bainha): Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 33 / 117 Intensidade Máxima (A) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 34 / 117 Comprimento máximo dos Cabos de soldadura (m) Secção mínima dos cabos (mm 2 ) Cabos de Energia e de Retorno considerando factor de Marcha a 60%:

18 Cabos de Energia, de Retorno e Ligações Rápidas: Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 35 / 117 Cabos de Alimentação de Energia: Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 36 / 117

19 Cuidados Gerais: As Linhas de Distribuição balanceadas ão da energia devem estar A Massa deve estar bem fixa, dimensionada e ter bom contacto Verificar os apertos, evitar os Pontos Quentes Garantir os Isolamentos eléctricos A Terra por segurança deve existir sempre Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 37 / 117 Bicos ou Tubos de Contacto Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 38 / 117

20 Bocal Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 39 / 117 Bocais Especiais Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 40 / 117

21 Bainha Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 41 / 117 Alimentador Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 42 / 117

22 Sistemas de Roletes e Guias Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 43 / 117 Roletes Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 44 / 117

23 Sistemas de Alimentação de Fio (1 de 3) Sistema de Puxa/Empurra Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 45 / 117 Sistema de Puxa Sistema de Empurra Sistemas de Alimentação de Fio (2 de 3) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 46 / 117

24 Sistemas de Alimentação de Fio (3 de 3) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 47 / 117 Refrigeração Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 48 / 117

25 Controlos Remotos Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 49 / 117 Parâmetros de Soldadura (variáveis essenciais): Intensidade de Soldadura (corrente) / Velocidade Alimentação de Fio Tensão Arco Eléctrico (voltagem) /Altura do Arco Velocidade de Soldadura Tipo de Eléctrodo e seu Diâmetro Tipo de Protecção e Caudal Extensão Livre do Eléctrodo Inductância Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 50 / 117

26 Parâmetros de Soldadura (variáveis essenciais), influência na morfologia do cordão de soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 51 / 117 Terminologia: Extensão livre do Eléctrodo Stick Out Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 52 / 117

27 Extensão livre do Eléctrodo Influência no cordão e taxa de depósito Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 53 / 117 A Inductância como Parâmetro de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 54 / 117

28 A Inductância como Parâmetro de Soldadura efeito de redução dos salpicos Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 55 / 117 Consumíveis: Gases de Protecção Fio Sólido - Diâmetros de 0,5; 0,6; 0,8; 1,0; 1,2 e 2,4 mm Escolha do tipo de consumível depende: Tipo de material a soldar Espessura a soldar Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 56 / 117

29 Gases de Protecção Classificação dos Gases: EN 439 I Inertes -Ar ou Ar+He M1; M2; M3 Misturas Activas - CO 2 +O 2 +Ar / O 2 +Ar; CO 2 +Ar / CO 2 +H 2 +Ar C CO 2 ou CO 2 +O 2 Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 57 / 117 Gases de Protecção - Aplicações I Inertes: Não Ferrosos, Reactivos e Inox M1; M2; M3 e C Misturas Activas e só Activa: Ferrosos e Inox Chapa fina: CO 2 +O 2 +Ar ou CO 2 +H 2 +Ar Inox: CO 2 +Ar ou O 2 +Ar Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 58 / 117

30 Gases de Protecção - Morfologia dos Cordões (1 de 5) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 59 / 117 Gases de Protecção - Morfologia dos Cordões (2 de 5) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 60 / 117

31 Gases de Protecção - Morfologia dos Cordões (3 de 5) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 61 / 117 Gases de Protecção - Morfologia dos Cordões Aço Inoxidável (4 de 5) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 62 / 117

32 Gases de Protecção - Morfologia dos Cordões Aço (5 de 5) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 63 / 117 Gases de Protecção - Distribuição/Regulação Sistemas centralizados Garrafas (150 e 300 bar para Ar) Caudalimetros Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 64 / 117

33 Gases de Protecção - Caudalimetros Caudalimetro de Coluna Caudalimetro de Relógio Caudalimetro de Verificação Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 65 / 117 Fios Consumíveis Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 66 / 117

34 Processo Fio Sólido Protecção Activa - MAG 135 Classificação dos Consumíveis Norma AWS A Aços não Ligados Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 67 / 117 Processo Fio Sólido Protecção Activa - MAG 135 Fio Classificação Classificação dos Consumíveis Norma AWS A Aços não Ligados Gás Ruptura (N/mm 2 ) Cedência (N/mm 2 ) Enlongamento (%) Impacto J (ºC) ER70S-2 CO (-29) ER70S-3 CO (-18) ER70S-4 CO ER70S-5 CO ER70S-6 CO (-29) ER70S-7 CO (-29) ER70S-D2 CO (-29) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 68 / 117

35 Processo Fio Sólido Protecção Activa - MAG 135 Código de Identificação - Aço não ligado/grão Fino EN 440 G 46 3 M G3Si1 EN 440 Define a norma aplicável ao consumível G Define que é um fio aplicável em MAG 46 Código que define as propriedades mecânicas do metal depositado pelo material de adição (ver tabela) 3 Código que define a temperatura à qual se obtém 47 Joules de energia de impacto (ver tabela) M Código que define o tipo de gás com que se obteu a composição química M para msituras tipo M2 ou C para C1. G3Si Código que identifica a composição química do metal depositado (ver tabela) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 69 / 117 Regras Básicas para a Escolha do Fio Consumível O material depositado deve ser o adequado à soldadura, isto é, compatível com o material base (metalurgicamente, características físicas e químicas) Propriedades mecânicas definidas na especificação de construção Em função da Espessura (Intensidade de Soldadura) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 70 / 117

36 Armazenagem e Secagem dos Fios Consumíveis Armazém Geral: Temperatura a cerca de 10ºC acima da Temperatura Ambiente Húmidade Relativa máxima entre 40 a 60% Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 71 / 117 Acessório para Limpeza dos Fios Aplica-se directo no Alimentador Só se utiliza em: Al; Cu e Ti Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 72 / 117

37 Modos de Transferência Factores que influenciam: Tipo de Gás Tipo de Fio Diâmetro do Fio Intensidade / Velocidade de Alimentação Tensão / Altura do Arco Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 73 / 117 Modos de Transferência Forças que actuam no destacamento das gotas: Gravidade (Fg) Tensão Superficial (Fts) Jacto de Plasma (Fd) Electromagnéticas / Efeito de Pitch (Fem) Vaporização (Fv) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 74 / 117

38 Força da Gravidade: Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 75 / 117 Modos de Transferência Força que ajuda no destacamento da gota, a massa da gota e a componente de aceleração vertical são os dois elementos principais. Apoia na soldadura ao baixo, tem comportamento contrário na soldadura em posição Força da Tensão superficial: Força que actua no sentido contrário ao destacamento da gota, varia em função do material e da temperatura a que se encontra a gota Modos de Transferência Força Electromagnética / Efeito de Pitch: Força que ajuda no destacamento da gota, a ordem de grandeza da corrente é o principal elemento, quanto maior mais fácil o destacamento e menor a dimensão da gota. Atenção que no modo de transferência Globular no MIG/MAG (DC+), esta força pode ter comportamento de fixação da gota em vez de apoiar o destacamento (criação da mancha anódica e respectiva força de reacção) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 76 / 117

39 Modos de Transferência Força do Jacto de Plasma: Força que ajuda no destacamento da gota, é função da velocidade de deslocação do gás e da dimensão da gota. Força de Vaporização: Força que actua no sentido contrário ao destacamento da gota, varia em função do material e dos níveis de corrente. Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 77 / 117 Modos de Transferência - Transferência por Curto-Circuito Caracterizada por: Baixa Tensão e Intensidade Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 78 / 117

40 Modos de Transferência - Transferência por Curto-Circuito Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 79 / 117 Modos de Transferência - Transferência por Curto-Circuito Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 80 / 117

41 Modos de Transferência - Transferência Globular Caracterizada por: Média Tensão e Intensidade Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 81 / 117 Modos de Transferência - Transferência Globular Caracterizada por: Muitos salpicos e pode originar curto-circuitos Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 82 / 117

42 Modos de Transferência - Transferência por Spray Caracterizada por: Elevada Tensão e Intensidade Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 83 / 117 Modos de Transferência - Transferência por Spray ou chuveiro e Pulverização axial (pulsado) ou drop srpay Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 84 / 117

43 Modos de Transferência - Transferência Pulsado Spray Caracterizada por: Existência de uma corrente pulsada Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 85 / 117 Modos de Transferência Spray e Rotacional Rotacional é um spray a elevadas densidades de energia Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 86 / 117

44 Modos de Transferência Comparação entre Modos Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 87 / 117 Modos de Transferência Comparação entre Modos Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 88 / 117

45 Modos de Transferência Comparação entre Modos Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 89 / 117 Modos de Transferência Comparação entre Modos Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 90 / 117

46 Modos de Transferência Aplicações Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 91 / 117 Automatizações Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 92 / 117

47 Automatizações Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 93 / 117 Automatizações Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 94 / 117

48 Chanfros / Juntas Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 95 / 117 Chanfros / Juntas Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 96 / 117

49 Limpeza mecânica: Limpeza dos Chanfros / Juntas Óxidos, limalhas e arestas de corte, tintas, galvanizado Limpeza química (das peças e do fio): Gorduras, óleos, massas lubrificantes Remoção da húmidade Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 97 / 117 Técnicas Operatórias (1 de 4) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 98 / 117

50 Técnicas Operatórias (2 de 4) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 99 / 117 Técnicas Operatórias (3 de 4) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 100 / 117

51 Técnicas Operatórias (4 de 4) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 101 / 117 Imperfeições Típicas: Faltas de Fusão (Colagens)/Penetração Preparação, Parâmetros Porosidade Gorduras, Falta de Protecção, Controlo de Altura de Arco Inclusões de Escória Limpeza, Parâmetros Bordos Queimados Parâmetros, Técnica Operatória Fissuração Frio/Quente Problemas Metalurgicos Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 102 / 117

52 Imperfeições Típicas Cordão Adequado Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 103 / 117 Imperfeições Típicas Sobre-espessura Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 104 / 117

53 Imperfeições Típicas Falta de Enchimento Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 105 / 117 Imperfeições Típicas Raíz Faltas de Fusão e Sobreespessura Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 106 / 117

54 Imperfeições Típicas Raíz Falta de Penetração Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 107 / 117 Imperfeições Típicas Desalinhamento Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 108 / 117

55 Imperfeições Típicas Poros (RX) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 109 / 117 Imperfeições Típicas Inclusões (RX) Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 110 / 117

56 Imperfeições Típicas Inclusões Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 111 / 117 Imperfeições Típicas Colagens / Faltas de Fusão Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 112 / 117

57 Imperfeições Típicas Colagens / Faltas de Fusão Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 113 / 117 Imperfeições Típicas Fissuração a Quente Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 114 / 117

58 Imperfeições Típicas Fissuração por Efeito W/D Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 115 / 117 Imperfeições Típicas Fissuração a Frio Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 116 / 117

59 Imperfeições Típicas Arcos Parasitas Processo de Soldadura MIG/MAG Engenharia 117 / 117

Processo MIG/MAG 131/135. Princípio de Funcionamento

Processo MIG/MAG 131/135. Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento (1 de 3) Processo de Soldadura por Fusão. A Fusão do material de adição e do material de base é obtida através do calor desenvolvido por um arco eléctrico.

Leia mais

Processo de Soldadura TIG - 141. Princípio de Funcionamento

Processo de Soldadura TIG - 141. Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Processo de Soldadura por Fusão que utiliza a energia Eléctrica Neste processo o cordão de soldadura é obtido de duas maneiras: Só pela fusão do material

Leia mais

Processo de Soldadura Fios Fluxados 114/136 FCAW Direcção de Formação

Processo de Soldadura Fios Fluxados 114/136 FCAW Direcção de Formação Processo de Soldadura Fios Fluxados 114/136 FCAW Direcção de Formação Processos de Soldadura Italo Fernandes Temas a tratar neste módulo Processos de Soldadura Fio Fluxado Auto-Protegido 114 Fio Fluxado

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW)

Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW) 2015-Jul Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW) Público alvo: Vendedores e Representantes comerciais 1 Informações iniciais : Ciclo de Trabalho (Fator de trabalho) O Ciclo de Trabalho é a relação entre

Leia mais

Processo de Soldadura com Eléctrodo não consumível de Tungsténio e Protecção Gasosa Inerte TIG / GTAW / WIG / 141

Processo de Soldadura com Eléctrodo não consumível de Tungsténio e Protecção Gasosa Inerte TIG / GTAW / WIG / 141 Processo de Soldadura com Eléctrodo não consumível de Tungsténio e Protecção Gasosa Inerte TIG / GTAW / WIG / 141 Direcção de Formação EWE / IWE Módulo 1.7 Italo Fernandes EWE / IWE - Módulo 1.7 EWE/IWE

Leia mais

VarioSynergic 3400 / 4000 / 5000 VarioSynergic 3400-2 / 4000-2 / 5000-2. Soldadura MIG/MAG PERFEIÇÃO EM SOLDADURA

VarioSynergic 3400 / 4000 / 5000 VarioSynergic 3400-2 / 4000-2 / 5000-2. Soldadura MIG/MAG PERFEIÇÃO EM SOLDADURA VarioSynergic 3400 / 4000 / 5000 VarioSynergic 3400-2 / 4000-2 / 5000-2 Soldadura MIG/MAG PERFEIÇÃO EM SOLDADURA Elevado desempenho com todo o conforto GENERALIDADES CAMPO DE APLICAÇÃO Contém todo o equipamento

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente de

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem GMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem semi-automática GMAW. Familiarizar-se com os consumíveis

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 53 CAPÍTULO 8 SOLDAGEM MIG/MAG 54 PROCESSO MIG/MAG (METAL INERT GAS/METAL ACTIVE GAS) MIG é um processo por fusão a arco elétrico que utiliza um arame eletrodo consumível continuamente alimentado à poça

Leia mais

Figura n-º 1: arco elétrico utilizando o argônio como gás de ionização.

Figura n-º 1: arco elétrico utilizando o argônio como gás de ionização. 1 1 - FUNDAMENTOS DO PROCESSO O processo de soldagem a arco sob proteção gasosa consiste em um aquecimento localizado da região a se unir, até que esta atinja o ponto de fusão, formando - se então a poça

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 - GMAW Variantes ao Processo

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 - GMAW Variantes ao Processo Processos de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 - GMAW Variantes ao Processo Direcção de Formação Italo Fernandes EWE / IWE Módulo 1.8 Temas a tratar neste módulo Variantes ao Processo MIG/MAG

Leia mais

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ARAMES MIG-MAG

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ARAMES MIG-MAG 01/14 VENDAS SUDESTE São Paulo Tel. (11) 3094-6600 Fax (11) 3094-6303 e-mail: atendimentogerdau.sp@gerdau.com.br Rio de Janeiro Tel. (21) 3974-7529 Fax (21) 3974-7592 e-mail: atendimentogerdau.rj@gerdau.com.br

Leia mais

As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES.

As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES. Especificações As redes de AVAC deverão ser executadas em tubagem e acessórios de aço carbono E195NBK galvanizado, tipo STEELPRES. Quando instalada em contacto directo com alvenarias, pavimentos, entre

Leia mais

CMT: Cold Metal Transfer. Processo de solda MIG / MAG com arco voltaico em curto circuito

CMT: Cold Metal Transfer. Processo de solda MIG / MAG com arco voltaico em curto circuito CMT: Cold Metal Transfer Processo de solda MIG / MAG com arco voltaico em curto circuito Um processo com menos temperatura torna o impossível, possível GERAL Alguns preferem o frio! Existem alguns materiais

Leia mais

TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

TECNOLOGIA DA SOLDAGEM CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE MECÂNICA E MATERIAIS TECNOLOGIA DA SOLDAGEM Prof. Dr. Kléber Mendes de Figueiredo São Luís 2005 O presente trabalho é uma compilação de

Leia mais

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCEENG DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS

UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCEENG DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS 1 UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCEENG DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS ESTUDO DE CASO: COMPARATIVO ENTRE PROCESSO DE SOLDAGEM MANUAL E SOLDAGEM

Leia mais

Esmeriladora - martelo de soldador - escova metálica - alicate com bloqueador - serra juntas - máscara ou óculos de proteção - luvas.

Esmeriladora - martelo de soldador - escova metálica - alicate com bloqueador - serra juntas - máscara ou óculos de proteção - luvas. FERRAMENTAS NECESSÁRIAS Esmeriladora - martelo de soldador - escova metálica - alicate com bloqueador - serra juntas - máscara ou óculos de proteção - luvas. COMO ESCOLHER OS MATERIAIS NECESSÁRIOS A máquina

Leia mais

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA Edson Hiromassa Takano 1 Ana Sofia C.M. D Oliveira 2 hiromassa@gmail.com 1 sofmat@ufpr.br 2 1, 2 Departamento de Engenharia Mecânica, Setor de

Leia mais

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um

Estes sensores são constituídos por um reservatório, onde num dos lados está localizada uma fonte de raios gama (emissor) e do lado oposto um Existem vários instrumentos de medição de nível que se baseiam na tendência que um determinado material tem de reflectir ou absorver radiação. Para medições de nível contínuas, os tipos mais comuns de

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 2 SOLDAGEM POR OXI-GÁS

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 2 SOLDAGEM POR OXI-GÁS 9 CAPÍTULO 2 SOLDAGEM POR OXI-GÁS 10 SOLDAGEM POR OXI-GÁS (SOLDA A GÁS) A soldagem por oxi-gás é um processo de soldagem por fusão, no qual a união entre os metais é conseguida através da aplicação do

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

INTRODUÇÃO. A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de:

INTRODUÇÃO. A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de: MIG-MAG Prof. Luiz Gimenes Jr. Engº José Pinto Ramalho INTRODUÇÃO A soldagem a arco com eletrodos fusíveis sobre proteção gasosa, é conhecida pelas denominações de: MIG, quando a proteção gasosa utilizada

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Mestrado Integrado em Engenharia Metalúrgica e de Materiais Em parceria com SODECIA, S.A. Caracterização mecânica e microestrutural de juntas topo a topo, unidas por processos de soldadura GMAW e Laser.

Leia mais

Características do processo

Características do processo SOLDAGEM POR OXIGÁS Processo de soldagem que utiliza o calor gerado por uma chama de um gás combustível e o oxigênio para fundir o metal-base e o metal de adição A temperatura obtida através da chama é

Leia mais

Soldadura de alto rendimento LaserHybrid, soldadura digital TimeTwin, soldadura de fio plano, soldadura de fios grande diâmetro

Soldadura de alto rendimento LaserHybrid, soldadura digital TimeTwin, soldadura de fio plano, soldadura de fios grande diâmetro Soldadura de alto rendimento LaserHybrid, soldadura digital TimeTwin, soldadura de fio plano, soldadura de fios grande diâmetro A disciplina real da soldadura. GENERALIDADES Trata-se de velocidade e muito

Leia mais

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA

MEDIÇÃO DE TEMPERATURA MEDIÇÃO DE TEMPERATURA 1 INTRODUÇÃO Temperatura é sem dúvida a variável mais importante nos processos industriais, e sua medição e controle, embora difíceis, são vitais para a qualidade do produto e a

Leia mais

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA EXPOSIÇÃO A FUMOS DE SOLDADURAS: QUAIS OS FACTORES DE RISCO?

INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA EXPOSIÇÃO A FUMOS DE SOLDADURAS: QUAIS OS FACTORES DE RISCO? INSTITUTO POLITÉCNICO DE LISBOA ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DA SAÚDE DE LISBOA EXPOSIÇÃO A FUMOS DE SOLDADURAS: QUAIS OS FACTORES DE RISCO? JORGE MANUEL RAMOS DE ALMEIDA PROF. DOUTOR JOÃO FERNANDO PEREIRA

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

3 Transdutores de temperatura

3 Transdutores de temperatura 3 Transdutores de temperatura Segundo o Vocabulário Internacional de Metrologia (VIM 2008), sensores são elementos de sistemas de medição que são diretamente afetados por um fenômeno, corpo ou substância

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO POLICARBONATO COMPACTO

BOLETIM TÉCNICO POLICARBONATO COMPACTO BOLETIM TÉCNICO POLICARBONATO COMPACTO BOLETIM TÉCNICO CHAPAS COMPACTAS DE POLICARBONATO ÍNDICE 1...Ficha Técnica 1.1...Propriedades Físicas Típicas 1.2...Propriedades Solares 1.3...Isolação Térmica 2...Manuseio

Leia mais

CATÁLOGO DE AGRICULTURA

CATÁLOGO DE AGRICULTURA CATÁLOGO DE AGRICULTURA ESPECIAL AGRICULTURA SELEÇÃO DE PRODUTOS VOCACIONADOS PARA REPARAÇÃO, MANUTENÇÃO E PROTEÇÃO DE EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA AGRICULTURA. AO SERVIÇO DA EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA MODERNA

Leia mais

Tecnologia CMT. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção

Tecnologia CMT. Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção Flávio Silva Soldadura Robotizada com Tecnologia CMT Dissertação de Mestrado em Engenharia de Produção Março 2015 Resumo A soldadura é um processo fundamental na indústria, permitindo união de diferentes

Leia mais

Medição de Temperatura. Profa. Michelle Mendes Santos

Medição de Temperatura. Profa. Michelle Mendes Santos Medição de Temperatura Profa. Michelle Mendes Santos Métodos de Medição Podemos dividir os medidores de temperatura em dois grandes grupos, conforme a tabela abaixo: 1º grupo (contato direto) Termômetro

Leia mais

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência 132 7. Processo de soldagem por resistência elétrica 7.1 Introdução As soldas a ponto, por costura, por projeção e topo a topo formam um grupo de soldas nas quais o calor necessário para a soldagem é gerado

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS SEGURANÇA DE MÁQUINAS SITUAÇÃO PERIGOSA: Toda a situação em que uma pessoa é exposta a um ou mais riscos ou fenómenos perigosos Zona perigosa Toda a zona interior e/ou ao redor de uma máquina, na qual

Leia mais

PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica

PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica Processos de Junção e Corte Prof. Dr. Gilberto F. M. de Souza Agosto de 2004 1. Introdução Processos de junção são empregados para unir dois ou mais componentes,

Leia mais

CORTE A PLASMA. Figura 1 Processo Plasma

CORTE A PLASMA. Figura 1 Processo Plasma CORTE A PLASMA Introdução Desde sua invenção na metade da década de 50, o processo de corte por plasma incorporou várias tecnologias e se mantém como um dos principais métodos de corte de metais. Porém,

Leia mais

Número 1 em arames tubulares sem costura

Número 1 em arames tubulares sem costura Número 1 em arames tubulares sem costura Desenvolvido por líderes em consumíveis para soldagem voestalpine Böhler Welding www.voestalpine.com/welding Beneficie-se da experiência de um especialista em arame

Leia mais

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal.

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal. CAPÍTULO 9 - MOTORES DIESEL COMBUSTÃO EM MOTORES DIESEL Embora as reações químicas, durante a combustão, sejam indubitavelmente muito semelhantes nos motores de ignição por centelha e nos motores Diesel,

Leia mais

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6

1. Introdução 2. 2. As funções da embalagem 2. 3. Classificação das embalagens 5. 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 Capítulo I CONCEITOS GERAIS SOBRE EMBALAGEM 1. Introdução 2 2. As funções da embalagem 2 3. Classificação das embalagens 5 4. Principais características dos materiais de embalagem 6 5. O ambiente e a embalagem

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR FUSÃO Combinação Gás/Metal Oxi-acetilenico Oxi-hidrogenio Oxigênio com gás metano, propano, natural Ar-acetileno PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR FUSÃO

Leia mais

Transitores de tempo em domínio de tempo

Transitores de tempo em domínio de tempo Em muitos processos, a regulação do caudal permite controlar reacções químicas ou propriedades físicas através de um controlo de variáveis como a pressão, a temperatura ou o nível. O caudal é uma variável

Leia mais

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS (Arame Tubular, Eletrodo Revestido, MIG/MAG e TIG) Esquemas de Certificação Maio de 2015 Página 1 de 42 SUMÁRIO Soldador de Materiais Metálicos no Processo Arame Tubular...

Leia mais

Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto

Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto 4 NÍVEL Nível é a altura do conteúdo de um reservatório que pode ser sólido ou líquido. Os três tipos básicos de medição de nível são: a) direto b) indireto 4.1 Medição Direta É a medição que tomamos como

Leia mais

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local.

Aquecimento / Arrefecimento forma de climatização pela qual é possível controlar a temperatura mínima num local. ANEXO I CONCEITOS E DEFINIÇÕES (A) Águas quentes sanitárias (AQS) é a água potável a temperatura superior a 35ºC utilizada para banhos, limpezas, cozinha e outros fins específicos, preparada em dispositivo

Leia mais

CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS

CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO Escola Básica e Secundária À Beira Douro Medas PLANIFICAÇÃO ANUAL CIÊNCIAS FÍSICO-QUÍMICAS 9.º º ANO TEMA: Viver melhor na Terra CAPÍTULO I EM TRÂNSITO 1 SEGURANÇA

Leia mais

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE

ANEMÔMETRO A FIO QUENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA INSTRUMENTAÇÀO ELTRÔNICA ANEMÔMETRO A FIO QUENTE Cayo Cid de França Moraes 200321285 Natal/RN ANEMÔMETRO

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

Soluções para a CARGA

Soluções para a CARGA Soluções para a CARGA Mangas telescópicas camião-cisterna Tipo: BGT Aplicação Este elemento foi concebido para carregar o produto desde o silo até ao camião, de forma estanque. Os principais sectores de

Leia mais

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda

3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda 3 Dimensionamento Clássico de Cordões de Solda A união de placas em uma estrutura é conhecida como junta. Uma junta pode ser obtida utilizando-se os mais variados elementos de fixação: parafusos, rebites,

Leia mais

Processos especiais de usinagem Eletroerosão

Processos especiais de usinagem Eletroerosão Processos especiais de usinagem Eletroerosão Definição: Eletroerosão é um processo de fabricação baseado em princípios de remoção por efeitos térmicos, que acontece em decorrência de carregamento elétrico

Leia mais

Prática sobre ponto de fulgor de combustíveis líquidos

Prática sobre ponto de fulgor de combustíveis líquidos Química e Energia - Prof. Barbieri ICET Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Quando um corpo combustível é aquecido, atinge diferentes estágios da temperatura, os quais são conhecidos por: Ponto de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA LÚCIO DA SILVA BARBOZA FILHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA LÚCIO DA SILVA BARBOZA FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA LÚCIO DA SILVA BARBOZA FILHO ESTUDO DA TÉCNICA DE ENCHIMENTO DE CHANFRO DO AÇO NAVAL PELO PROCESSO

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem manual com eletrodos revestidos. Familiarizar-se

Leia mais

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 3

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 3 Geradores de Vapor 4º ano Aula 3 Classificação dos Geradores de Vapor Tópicos Definição Classificaçao das caldeiras Caldeiras Flamotubulares Caldeiras Aquatubulares Definição É basicamente um trocador

Leia mais

Miolo - Candy encastráveis 2011_list-CANDY-2010.qxd 5/20/11 3:58 PM Page 17. Catálogo Candy Encastre - PLACAS PLACAS K N O W S H O W

Miolo - Candy encastráveis 2011_list-CANDY-2010.qxd 5/20/11 3:58 PM Page 17. Catálogo Candy Encastre - PLACAS PLACAS K N O W S H O W Miolo - Candy encastráveis 2011_list-CANDY-2010.qxd 5/20/11 3:5 PM Page 17 Catálogo Candy Encastre - PLACAS 1 7 PLACAS K N O W S H O W Miolo - Candy encastráveis 2011_list-CANDY-2010.qxd 5/20/11 3:5 PM

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ INSTITUTO DE ENGENHARIA MECÂNICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA AVALIAÇÃO COMPARATIVA DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM GMAW E FCAW UTILIZANDO AÇO ASTM A-36 PARA

Leia mais

Cola de endurecimento rápido para ancoragens. Aspecto / Cor Componente A: branco. Componente B: preto. Mistura (A+B): cinzento claro.

Cola de endurecimento rápido para ancoragens. Aspecto / Cor Componente A: branco. Componente B: preto. Mistura (A+B): cinzento claro. Ficha de Produto Edição de Setembro de 2012 Nº de identificação: 04.201 Versão nº 3 Sika AnchorFix -1 Cola de endurecimento rápido para ancoragens Descrição do produto Cola para ancoragens em dois componentes,

Leia mais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais

Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Universidade Federal de Minas Gerais Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Introdução à Física do Arco Elétrico Soldagem I Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, janeiro de 2012 SUMÁRIO

Leia mais

Gases Maxx para soldadura. Produtividade melhorada, menos rejeições e melhor ambiente de trabalho

Gases Maxx para soldadura. Produtividade melhorada, menos rejeições e melhor ambiente de trabalho Gases Maxx para soldadura Produtividade melhorada, menos rejeições e melhor ambiente de trabalho Concebidos especificamente para soldadura MAG de aço de carbono, carbono manganês e aços de liga leve, os

Leia mais

Série 853AAA Estação de pré-aquecimento&dessoldar MANUAL DE INSTRUÇÕES

Série 853AAA Estação de pré-aquecimento&dessoldar MANUAL DE INSTRUÇÕES Série 853AAA Estação de pré-aquecimento&dessoldar MANUAL DE INSTRUÇÕES Este produto será uma actualização completa, a actualização das funções da máquina está desligada quando aparecer "-" no ecrã! Pede-lhe

Leia mais

MANUAL DO OPERADOR MÁQUINA DE SOLDA MIG 280 NMIG280

MANUAL DO OPERADOR MÁQUINA DE SOLDA MIG 280 NMIG280 MANUAL DO OPERADOR MÁQUINA DE SOLDA MIG 280 NMIG280 Máquinas de solda NMIG Nagano Parabéns pela compra da sua nova máquina de solda Nagano. Com esta unidade de soldagem, agora você pode experimentar muitas

Leia mais

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer

ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA. Prof. Arq. Minéia Johann Scherer ILUMINAÇÃO NA ARQUITETURA Prof. Arq. Minéia Johann Scherer FONTES DE LUZ ARTIFICIAL HISTÓRICO Antes da invenção da lâmpada fogo, velas, lampiões a gás; Primeira lâmpada elétrica Thomas Edson, em 1879;

Leia mais

CURSO DE. Franco Canan

CURSO DE. Franco Canan CURSO DE SOLDAGEM Curso de Soldagem 1. INTRODUÇÃO 1.1) O que é soldagem 1.2) Visão geral do processo MIG/MAG 1.3) Responsabilidades do soldador 1.4) Compromisso com a Empresa (Cliente) 2. EQUIPAMENTOS

Leia mais

U.O. ADMINISTRAÇÃO GERAL PROJETOS E OBRAS

U.O. ADMINISTRAÇÃO GERAL PROJETOS E OBRAS INSTALAÇÃO DE SISTEMA DE AR CONDICIONADO NO E.R. GUARULHOS 1. OBJETO O presente memorial refere-se ao fornecimento e instalação de conjuntos de ar condicionado, a serem instalados no E.R. Guarulhos, localizado

Leia mais

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR

entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR entidade promotora financiamento GUIA DO INSTALADOR José Maria Almeida Pedro.almeida@ineti.pt Jorge Cruz Costa Cruz.costa@ineti.pt Esquema unifilar utilização 8 INÍCIO Slides 4 a 12 9 7 1 CD 4 5 6 7 7

Leia mais

Ciências do Ambiente

Ciências do Ambiente Universidade Federal do Paraná Engenharia Civil Ciências do Ambiente Aula 18 O Meio Atmosférico III: Controle da Poluição Atmosférica Profª Heloise G. Knapik 2º Semestre/ 2015 1 Controle da Poluição Atmosférica

Leia mais

11/06 119-32/00 012807 REV.0. www.britania.com.br sac@britania.com.br Manual de Instruções

11/06 119-32/00 012807 REV.0. www.britania.com.br sac@britania.com.br Manual de Instruções 11/06 119-32/00 012807 REV.0 www.britania.com.br sac@britania.com.br Manual de Instruções CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS INTRODUÇÃO Tensão Corrente Potência/Consumo Freqüência Rotações Diâmetro Área de ventilação

Leia mais

correas UNIPLY Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Referências:

correas UNIPLY Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Referências: Funcionamento das Correias Elevadoras Componentes de um Elevador de Correias a Canecas Os elevadores de correias a caçambas são os equipamentos mais comuns e econômicos para o movimento vertical de materiais

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE DEFESA CIVIL Gerência de Segurança Contra Incêndio e Pânico NORMA TÉCNICA n. 24, de 05/03/07 Sistema de Resfriamento

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios

Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas Fixos de CO2 - Parte 2 Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas fixos de CO 2 : Os sistemas fixos diferem conforme a modalidade de armazenamento do meio extintor entre Sistemas

Leia mais

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1

O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 O FORNO A VÁCUO TIPOS E TENDÊNCIA 1 João Carmo Vendramim 2 Marco Antonio Manz 3 Thomas Heiliger 4 RESUMO O tratamento térmico de ligas ferrosas de média e alta liga já utiliza há muitos anos a tecnologia

Leia mais

Actividade de Química 12º ano

Actividade de Química 12º ano Actividade de Química 12º ano AL 1.3- Corrosão e Protecção dos metais O laboratório é um local de trabalho onde a segurança é fundamental na manipulação de materiais e equipamentos, devendo por isso adoptar-se

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS PREDIAIS Prof. MSc. Eng. Eduardo Henrique da Cunha Engenharia Civil 8º Período Turmas C01, C02 e C03 Disc. Construção Civil II 1 O PROJETO ASPECTOS IMPORTANTES PARA O ELETRICISTA

Leia mais

1.1 Objetivo. 1.2 Considerações Iniciais

1.1 Objetivo. 1.2 Considerações Iniciais 1 Introdução 1.1 Objetivo O objetivo deste trabalho é avaliar o desempenho de um reparo em dutos, que utiliza multicamadas metálicas coladas; estudando seu comportamento e propondo modelos numéricos e

Leia mais

16/09/2015. movimentação de materiais colheita manual e mecânica na quinta transporte refrigerado transporte de gado vivo transporte em tapete rolante

16/09/2015. movimentação de materiais colheita manual e mecânica na quinta transporte refrigerado transporte de gado vivo transporte em tapete rolante 1 Processos utilizados na indústria alimentar divididos em operações comuns (operações unitárias) operações unitárias incluem diversas actividades operações mais comuns movimentação de materiais limpeza

Leia mais

EXAUSTORES CENTRÍFUGOS DE TELHADO ROTOR DE PÁS CURVADAS PARA TRÁS / FLUXO VERTICAL. Modelo TCV

EXAUSTORES CENTRÍFUGOS DE TELHADO ROTOR DE PÁS CURVADAS PARA TRÁS / FLUXO VERTICAL. Modelo TCV EXAUSTORES CENTRÍFUGOS DE TELHADO ROTOR DE PÁS CURVADAS PARA TRÁS / FLUXO VERTICAL Modelo TCV VENTILADORES CENTRÍFUGOS DUPLA ASPIRAÇÃO Aspectos Gerais Os exaustores centrífugos modelo TCV, especificamente

Leia mais

Soldagem I. Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas

Soldagem I. Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Soldagem I Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, novembro de 2001

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO

EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO EXPERIÊNCIA Nº 4 ESTUDO DE UM TROCADOR DE CALOR DE FLUXO CRUZADO 1. CONCEITOS ENVOLVIDOS Convecção de calor em escoamento externo; Transferência de calor em escoamento cruzado; Camada limite térmica; Escoamento

Leia mais

INSTALAÇÕES FOTOVOLTAICAS

INSTALAÇÕES FOTOVOLTAICAS INSTALAÇÕES FOTOVOLTAICAS Instalações fotovoltaicas CERTIEL 2012 P 2 Objetivos: a abordagem de conceitos considerados necessários para o projeto e execução das instalações em regime de MP e MN; acrescentar

Leia mais

DE TECNOLOGIAS AMBIENTAIS E ENERGÉTICAS (CETAE)

DE TECNOLOGIAS AMBIENTAIS E ENERGÉTICAS (CETAE) COMBUSTÃO DE SPRAYS Laiete Soto Messias laiete@ipt.br Laboratório de Energia Térmica, Motores, Combustíveis e Emissões CENTRO DE TECNOLOGIAS AMBIENTAIS E ENERGÉTICAS (CETAE) TÓPICOS 1. Introdução 2. Queimadores

Leia mais

VII Seminário da Pós-graduação em Engenharia Mecânica

VII Seminário da Pós-graduação em Engenharia Mecânica EFEITOS DO PRÉ-AQUECIMENTO E PARÂMETROS DE PULSO SOBRE A MICROESTRUTURA E PROPRIEDADES MECÂNICAS DE SOLDA EM AÇO ARBL Jackson Medeiros da Luz Aluno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Mecânica Unesp

Leia mais

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO

PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO PREDIAL AQUATHERM CATÁLOGO TÉCNICO Qualidade Confiança Tradição Inovação Tecnologia ÍNDICE Por que a TIGRE escolheu o Sistema Aquatherm para o Brasil? 05 Características técnicas 06 Instruções de instalação

Leia mais

Projeto rumo ao ita. Química. Exercícios de Fixação. Exercícios Propostos. Termodinâmica. ITA/IME Pré-Universitário 1. 06. Um gás ideal, com C p

Projeto rumo ao ita. Química. Exercícios de Fixação. Exercícios Propostos. Termodinâmica. ITA/IME Pré-Universitário 1. 06. Um gás ideal, com C p Química Termodinâmica Exercícios de Fixação 06. Um gás ideal, com C p = (5/2)R e C v = (3/2)R, é levado de P 1 = 1 bar e V 1 t = 12 m³ para P 2 = 12 bar e V 2 t = 1m³ através dos seguintes processos mecanicamente

Leia mais

Manual de Instruções. Para soldagem MIG/MAG automatizada

Manual de Instruções. Para soldagem MIG/MAG automatizada Pistolas PMC Para soldagem MIG/MAG automatizada Manual de Instruções Ref.: PMC 450 A- 3 metros - 0707260 PMC 450 A- 5 metros - 0706694 PMC 500 A- 3 metros - 0707259 PMC 500 A- 5 metros - 0706698 --- página

Leia mais

Processos de Soldagem Soldagem MIG/MAG

Processos de Soldagem Soldagem MIG/MAG Processos Soldagem MIG/MAG No Processo MIG/MAG (Gas Metal Arc Welding GMAW) é estabelecido um arco elétrico entre um eletrodo consumível nu alimentado continuamente (arame-eletrodo) e o metal de base,

Leia mais

ESCOLHA DO TIPO CONSTRUTIVO

ESCOLHA DO TIPO CONSTRUTIVO ESCOLHA DO TIPO CONSTRUTIVO Tipos de Feixe Tubular Trocadores tipo espelho fixo cabeçote traseiro tipo L, M ou N. Mais econômicos Expansão térmica ( T

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

1. Aspersores CLASIFICAÇÃO DOS ASPERSORES

1. Aspersores CLASIFICAÇÃO DOS ASPERSORES Rega por aspersão 1. Aspersores CLASIFICAÇÃO DOS ASPERSORES CLASIFICAÇÃO DOS ASPERSORES ROTATIVOS 2. FATORES A CONSIDERAR NA REGA POR ASPERSÃO 2.1. UNIFORMIDADE DE DISTRIBUIÇÃO A uniformidade de distribuição

Leia mais

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são:

1.OBJETIVO. Os principais objetivos da prática de soldagem com eletrodo revestido são: 1 Objetivo/Justificativa 2 Introdução 2.1 Soldagem por Arco Submerso 2.1.1 Princípio de Funcionamento 2.2 Soldagem por Arame Tubular 2.2.1 Princípio de Funcionamento 3 Descrição da Prática 3.1 Materiais

Leia mais

Protecção de Sobretensões. Luis Cabete Nelson Vieira Pedro Sousa

Protecção de Sobretensões. Luis Cabete Nelson Vieira Pedro Sousa Protecção de Sobretensões Luis Cabete Nelson Vieira Pedro Sousa Sobretensões São as diferenças de potencial anormais que se produzem num circuito eléctrico, como consequência de diversas perturbações,

Leia mais

CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID. Página 1

CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID. Página 1 CALDEIRAS A LENHA AQUASOLID Página 1 Índice Caldeiras a Lenha - Todo o conforto com a máxima economia Uma solução de aquecimento eficiente 03 Principais Características 04 Componentes e Benefícios 05 Princípio

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais