Introdução a eletroestética

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Introdução a eletroestética"

Transcrição

1 Agentes físicos: Introdução a eletroestética -Corrente elétrica, ondas eletromagnéticas, ondas ultrasônicas -Calor -Luz -Água -Movimento Interação dos agentes físicos (aparelhos) x tecido biológico (pele/corpo do nosso cliente) CORRENTE ELÉTRICA È um conjunto de cargas em movimento. Agentes físicos => energia (elétrica, térmica mecânica) => interage com o tecido biológico => Vamos ter respostas primárias (nível celular) => respostas secundárias (a nível tissular (local) e geral (organismo) => resposta adequada (ação terapêutica) => resposta inadequada (ação lesiva). Para que haja movimento da corrente elétrica devem existir os transportadores de cargas. Transportadores de cargas: METAIS - transportam elétrons SOLUÇÕES ELETROLÍTICAS - transportam íons. 1

2 CONDUTIVIDADE ELÉTRICA CORPORAL Um corpo carregado eletricamente pode transmitir essas cargas e são chamados de CORPOS, MATERIAIS OU ELEMENTOS CONDUTORES. Existem corpos que não podem transmitir cargas elétricas e são chamados de ISOLANTES OU DIELÉTRICOS ( VIDRO, PAPEL, RESINA). O organismo é um SEMI-CONDUTOR. Os íons dispersos em nossos corpos transmitirão a energia, porém não admitem elevada intensidade elétrica. Pouca condutividade Média condutividade Boa condutividade Osso Pele úmida Sangue Gordura Tendões Linfa Pele seca e grossa cartilagens Liquido intra e extra celular Pêlos unhas Músculos Tecidos nervosos DEFINIÇÃO DE TERMOS (corrente elétrica) VOLTAGEM: É a força que induz os elétrons a se deslocarem de uma zona com excesso de elétrons para outra com déficit. Unidade de medida: V (volt) Ex: energia residencial= 110 ou 220V Bateria de carro= 12 V Pilha de rádio=1,5v DEFINIÇÃO DE TERMOS (corrente elétrica) INTENSIDADE: É a quantidade de elétrons que atravessa um condutor num determinado espaço de tempo. Unidade de medida é o AMPERE (A); Porem nos aparelhos de eletroterapia e eletroestética a intensidade é baixa pois está em contato direto com a pele. MILIAMPÊRE (ma) MICROAMPÊRE (ua) 2

3 RESISTÊNCIA ELÉTRICA: É a maior ou menor dificuldade à passagem dos elétrons. Unidade de medida é Ohms (Ω). Quanto maior a resistência, menor a corrente que passa pelo condutor. EX: Energia sai da usina c/ V => chega na clinica c/ 110 ou 220V => essa voltagem é que entra nos aparelhos, e vai diminuindo ainda mais p/ poder ser aplicado na cliente.observe que os fios e cabos de condução vão diminuindo o calibre, consequentemente vai aumentando a resistência à passagem da corrente elétrica. Resistência cutânea: É um obstáculo à passagem da corrente. - eletrodos - Temperatura do corpo e do ambiente - umidade - espessura da pele - gordura corporal - pêlos FATORES QUE DIMINUEM A RESISTÊNCIA CUTÂNEA: FREQUÊNCIA: (corrente elétrica) Número de ciclos emitidos por segundo. Unidade de medida é o HERTZ (HZ). Abaixo um exemplo de variação de Frequência. - eletrodos íntegros - usar gel ou água para condução da corrente - higienizar e desengordurar a pele - Melhorar o aporte sanguíneo (calor, massagem..) - se for necessário depilar a região 3

4 CLASSIFICAÇÃO QUANTO À FREQUÊNCIA: - Baixa freqüência: 1 a 1000HZ - Média freqüência: 1000 a HZ - Alta freqüência: acima de HZ Obs: tecidos biológicos respondem com baixas freqüências (0,1 a 250HZ). LARGURA DO PULSO: Tempo de duração de cada um dos pulsos. Unidade de medida: Milisegundos (Ms) Microsegundos(uS) FORMAS DE PULSOS: TRIANGULAR(Farádica) / QUADRÁTICA(Russa) SENOIDAL (Interferencial) / CONTINUA (Galvânica) TIPOS DE CORRENTES: - CONTINUA: Fluxo de elétrons está somente em uma direção. EX: corrente continua ou galvânica. - ALTERNADA: A corrente flui por um caminho depois por outro. Ex: corrente farádica e russa. 4

5 TIPOS DE CORRENTE QUANTO A POLARIDADE: - POLARIZADA: tem pólos definidos (+ ou -) Risco de queimadura química Ex: corrente galvânica e farádica -DESPOLARIZADA: seus pólos se alteram rapidamente Ex: corrente russa ELETRODOS Tem como função básica transmitir a corrente que está sendo gerada no equipamento para o cliente. TIPOS DE ELETRODOS - SILICONE/CARBONO - METAL C/ ESPONJAS - AUTO ADESIVOS - CANETAS Os eletrodos devem ser bem conservados para uma melhor eficácia do tratamento. ELETRODOS FACIAIS: Silicone/carbono: Com o tempo vai desgastando o carbono que é um bom condutor de energia, e fica somente a borracha que é um isolante. Para usar esse eletrodo devemos colocar gel. Metal (alumínio): Bom para correntes polarizadas, deve ser usado com uma esponja molhada para evitar queimaduras. Auto adesivo: Devido seu contato mais direto com a epiderme, deve ser usado um para cada cliente, seu custo é elevado e tem pouca durabilidade. 5

6 EXEMPLOS DE APARELHOS QUE USAM CORRENTE ELÉTRICA: ONDAS ultrasônicas A mais usada na estética é o ultra som. O ultra som emite ondas mecânicas (forma de energia), através de um meio (não se propaga no ar), movimentando as moléculas na direção das ondas. O ultra som se propaga através da água, lembrando que a maioria dos tecidos corporais são formados principalmente por água. No ultra som a Energia elétrica é transformada em Energia mecânica. Intensidade: quantidade de energia de uma onda ultra sônica em uma unidade de tempo.a unidade de medida é o watts/cm 2 Freqüência: unidade de medida= MHZ (megahertz) 1,0 MHz(uso terapêutico, maior profundidade) 3,0 MHz (uso na estética, fisioterapia dermato funcional). ONDAS ELETROMAGNÉTICAS: não precisa de um meio para se propagar Ex: luz,eletroporação,radiofreqüência,laser São formadas por ondas eletromagnéticas. Comprimento das ondas (nanometro) nm Comprimento do pulso (milisegundo) ms Fluência(potência) (jaules) j Tipos de ondas-continua e pulsada 6

7 OBRIGADA!!! 7

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 18 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Grandes realizações são possíveis quando se dá atenção aos pequenos

Leia mais

Transitores de tempo em domínio de tempo

Transitores de tempo em domínio de tempo Em muitos processos, a regulação do caudal permite controlar reacções químicas ou propriedades físicas através de um controlo de variáveis como a pressão, a temperatura ou o nível. O caudal é uma variável

Leia mais

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação.

Introdução. Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. L.A.S.E.R. Introdução Light Amplification by Stimulated Emission of Radition. Amplificação da Luz por Emissão Estimulada de Radiação. Introdução Em 1900 o físico alemão Max Planck apresentou uma explanação

Leia mais

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc.

Exemplos de condutores: cobre, alumínio, ferro, grafite, etc. Exemplos de isolantes: vidro, mica, fenolite, borracha, porcelana, água pura, etc. Condutores e Isolantes Condutores: São materiais caracterizados por possuírem no seu interior, portadores livres de cargas elétricas (elétrons livres), desta forma, permitindo a passagem de uma corrente

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Nervoso Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Nervoso Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Tecidos Animais - Tecido Nervoso Prof. Enrico Blota Biologia Moléculas, células e tecidos - Tecidos animais Tecido nervoso Nesse tecido a substância intercelular praticamente

Leia mais

Ciências E Programa de Saúde

Ciências E Programa de Saúde Governo do Estado de São Paulo Secretaria de Estado da Educação Ciências E Programa de Saúde 19 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE SP Comece fazendo o que é necessário, depois o que é possível, e de

Leia mais

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS

PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC Centro de Engenharia, Modelagem e Ciências Sociais Aplicadas (CECS) BC-1105: MATERIAIS E SUAS PROPRIEDADES PROPRIEDADES ELÉTRICAS DOS MATERIAIS INTRODUÇÃO Resistência elétrica

Leia mais

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com

Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com Curso de Capacitação Básica em Ultrassonografia haroldomillet.com PRINCÍPIOS FÍSICOS DO ULTRASSOM O ultrassom é uma onda mecânica, longitudinal produzida pelo movimento oscilatório das partículas de um

Leia mais

Transporte através da Membrana Plasmática. Biofísica

Transporte através da Membrana Plasmática. Biofísica Transporte através da Membrana Plasmática Biofísica Estruturas das células Basicamente uma célula é formada por três partes básicas: Membrana: capa que envolve a célula; Citoplasma: região que fica entre

Leia mais

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA:

DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: DISCIPLINA: Física PROFESSORES: Fabiano Vasconcelos Dias DATA: / / 2014 ETAPA: 3ª VALOR: 20,0 pontos NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 3ª SÉRIE EM TURMA: Nº: I N S T R

Leia mais

Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br

Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br Ewaldo Luiz de Mattos Mehl Departamento de Engenharia Elétrica mehl@ufpr.br 1 Ciência e Tecnologia dos Materiais faz parte do núcleo de conteúdos básicos obrigatórios para todos os cursos de Engenharia

Leia mais

DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012

DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012 INTERAÇÃO LASER-TECIDO DISCIPLINA EFEITOS BIOLÓGICOS DA RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES 1º. QUADRIMESTRE DE 2012 1 INTERAÇÃO LUZ-TECIDOS Reflexão Espalhamento Transmissão Refração Absorção Ar Tecido Absorção

Leia mais

Aula prática Como utilizar um multímetro

Aula prática Como utilizar um multímetro Aula prática Como utilizar um multímetro Definição Como o próprio nome sugere, é um equipamento que pode ser utilizado para a realização de diversas medidas, dentre as principais temos: Tensão (alternada

Leia mais

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores

RESISTORES. 1.Resistencia elétrica e Resistores RESISTORES 1.Resistencia elétrica e Resistores Vimos que, quando se estabelece uma ddp entre os terminais de um condutor,o mesmo é percorrido por uma corrente elétrica. Agora pense bem, o que acontece

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, DO COMÉRCIO E DO TURISMO INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria n.º 115, de 29 de junho de 1998 O Presidente do Instituto Nacional

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

NR -10. Conceito de Eletricidade. Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. Introdução. Pode ser apresentar em 3 modos: 26/03/2012

NR -10. Conceito de Eletricidade. Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade. Introdução. Pode ser apresentar em 3 modos: 26/03/2012 Segurança em Instalações e Serviços em Eletricidade NR -10 Introdução Portaria N 598 do Ministério do TrabalhoeEmprego,emvigordesde7de dezembro de 2004. Conceito de Eletricidade Pode ser definida como

Leia mais

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira

PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA. Profa. Rita Pereira PRINCIPIOS DA ULTRA-SONOGRAFIA Profa. Rita Pereira Ecografia ou Ultrassonografia SOM: onda mecânica,portanto precisa de um meio material para se propagar. Meios: ar, líquidos, materiais sólidos.. Produção

Leia mais

Ondas eletromagnéticas e suas aplicações tecnológicas

Ondas eletromagnéticas e suas aplicações tecnológicas Ondas eletromagnéticas e suas aplicações tecnológicas Neste exato momento, você está sendo atravessado por uma infinidade de ondas eletromagnéticas que se propagam pelo espaço, levando informações de um

Leia mais

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica

Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Introdução ao Estudo da Corrente Eléctrica Num metal os electrões de condução estão dissociados dos seus átomos de origem passando a ser partilhados por todos os iões positivos do sólido, e constituem

Leia mais

PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014

PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014 PROVA ESCRITA NACIONAL SELEÇÃO PARA A TURMA 2014 Caro professor, cara professora Esta prova é composta por 25 questões de escolha múltipla, com quatro alternativas, e resposta única. Cada questão respondida

Leia mais

TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080

TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 TELE - VENDAS: (0xx41) 2102-1100 - FAX GRÁTIS: 0800-704 2080 No tempo das cavernas o que mais impressionava o homem na natureza era o Raio, que nada mais é do que uma descarga da eletricidade contida nas

Leia mais

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada

2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada 2. Fundamentos Físicos: Laser e Luz Intensa Pulsada A luz está presente em praticamente todos os momentos de nossas vidas e tem fundamental importância para a sobrevivência da vida no planeta. Atualmente,

Leia mais

PROPRIEDADES DA MATÉRIA

PROPRIEDADES DA MATÉRIA PROPRIEDADES DA MATÉRIA Profª Marcelly da Silva Sampaio RELEMBRANDO Matéria é tudo que tem massa e ocupa lugar no espaço. Não existe vida nem manutenção da vida sem matéria. Corpo- Trata-se de uma porção

Leia mais

Aula Gratuita. #OperaçãoEBSERH. www.editorasanar.com.br

Aula Gratuita. #OperaçãoEBSERH. www.editorasanar.com.br 1 Aula Gratuita #OperaçãoEBSERH Olá concurseiro(a)! 2 É com imenso prazer que disponibilizamos esse Ebook-Aula voltado para quem almeija passar nos melhores concursos em Fisioterapia do país. Preparamos

Leia mais

Q t. Jornal de Física Único Jornal do Pará www.fisicapaidegua.com

Q t. Jornal de Física Único Jornal do Pará www.fisicapaidegua.com A condição necessária para que haja propagação do calor de um ponto para outro é que exista diferença de temperatura entre os pontos. O calor pode se propagar de três maneiras: condução, convecção e irradiação.

Leia mais

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO

ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO ENDERMOTERAPIA INSTITUTO LONG TAO Melissa Betel Tathiana Bombonatti A endermoterapia foi criada na França em 1970 por Louis Paul Guitay. Ele sofreu um grave acidente de carro que causou queimaduras de

Leia mais

Fundamentos da Eletricidade... 03 Conceitos Fundamentais da Eletricidade... 03 Matéria... 03. Circuito Elétrico... 07. Grandezas Elétricas...

Fundamentos da Eletricidade... 03 Conceitos Fundamentais da Eletricidade... 03 Matéria... 03. Circuito Elétrico... 07. Grandezas Elétricas... Eletrotecnica Sumário Fundamentos da Eletricidade... 03 Conceitos Fundamentais da Eletricidade... 03 Matéria... 03 Circuito Elétrico... 07 Grandezas Elétricas... 13 Lei de Ohm... 23 Cálculo de Tensão...

Leia mais

Automação Industrial Parte 5

Automação Industrial Parte 5 Automação Industrial Parte 5 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Sensores capacitivos -Sensores de proximidade capacitivos estão disponíveis em formas e tamanhos

Leia mais

Exercícios Tensão e Corrente

Exercícios Tensão e Corrente Exercícios Tensão e Corrente TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO: Atualmente há um número cada vez maior de equipamentos elétricos portáteis e isto tem levado a grandes esforços no desenvolvimento de baterias

Leia mais

Professora Florence. Resposta:

Professora Florence. Resposta: 1. (G1 - ifsp 2012) Ondas eletromagnéticas só podem ser percebidas pelos nossos olhos quando dentro de determinada faixa de frequência. Fora dela não podem ser vistas, apesar de ainda poderem ser detectadas

Leia mais

Trecho de "COMO AS CÉLULAS RECEBEM ESTÍMULOS"

Trecho de COMO AS CÉLULAS RECEBEM ESTÍMULOS Trecho de "COMO AS CÉLULAS RECEBEM ESTÍMULOS" adaptado de Miller, Ratclif e Hartline A sobrevivência de qualquer coisa viva depende, em última análise, de sua capacidade de reagir ao seu mundo exterior

Leia mais

ESTEIRA ELÉTRICA ALBATROZ II

ESTEIRA ELÉTRICA ALBATROZ II ESTEIRA ELÉTRICA ALBATROZ II CARACTERÍSTICA TÉCNICAS ESTEIRA ELÉTRICA ALBATROZ II com variação mecânica de velocidade (velocidade média de 3.0 a 7.0 Km/h). Dobrável. Inclinação para DOIS níveis de caminhada.

Leia mais

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem

Do local onde está, Paulo não vê Pedro, mas escuta-o muito bem porque, ao passarem pela quina do barranco, as ondas sonoras sofrem Lista de exercícios -Fenômenos Física Dudu 1-Pedro está trabalhando na base de um barranco e pede uma ferramenta a Paulo, que está na parte de cima (ver figura). Além do barranco, não existe, nas proximidades,

Leia mais

Corrente elétrica corrente elétrica.

Corrente elétrica corrente elétrica. Corrente elétrica Vimos que os elétrons se deslocam com facilidade em corpos condutores. O deslocamento dessas cargas elétricas é chamado de corrente elétrica. A corrente elétrica é responsável pelo funcionamento

Leia mais

Conceito de fogo. Elementos que compõem o fogo

Conceito de fogo. Elementos que compõem o fogo Conceito de fogo Fogo é um processo químico de transformação. Podemos também defini-lo como o resultado de uma reação química que desprende luz e calor devido à combustão de materiais diversos. Elementos

Leia mais

Processos especiais de usinagem Eletroerosão

Processos especiais de usinagem Eletroerosão Processos especiais de usinagem Eletroerosão Definição: Eletroerosão é um processo de fabricação baseado em princípios de remoção por efeitos térmicos, que acontece em decorrência de carregamento elétrico

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO

COLÉGIO TÉCNICO SÃO BENTO Fundamentos da Eletricidade Você não esta vendo realmente a eletricidade, mas seus efeitos o cerca. Os raios em uma noite de tempestade também são efeitos da eletricidade. Se você não encaixa corretamente

Leia mais

Laboratório 7 Circuito RC *

Laboratório 7 Circuito RC * Laboratório 7 Circuito RC * Objetivo Observar o comportamento de um capacitor associado em série com um resistor e determinar a constante de tempo do circuito. Material utilizado Gerador de função Osciloscópio

Leia mais

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência

CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência CONVERSORES DE FREQÜÊNCIA Instruções para Instalação de Conversores de Freqüência Edição 08.2007 A&D CS Suporte Técnico Drives HotLine Índice 1. Introdução 2. Condições Ambientais de Operação 2.1 Poluição

Leia mais

Aula4 MICROSCOPIA ELETRÔNICA. Fabiana Silva Vieira. META Explicar as técnicas de microscopia eletrônica de transmissão e de varredura.

Aula4 MICROSCOPIA ELETRÔNICA. Fabiana Silva Vieira. META Explicar as técnicas de microscopia eletrônica de transmissão e de varredura. Aula4 MICROSCOPIA ELETRÔNICA META Explicar as técnicas de microscopia eletrônica de transmissão e de varredura. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: entender o funcionamento do microscópio eletrônico.

Leia mais

www.elesapiens.com GLOSSÁRIO DE QUÍMICA ADUBO: É qualquer substância orgânica ou inorgânica que melhora a qualidade da terra.

www.elesapiens.com GLOSSÁRIO DE QUÍMICA ADUBO: É qualquer substância orgânica ou inorgânica que melhora a qualidade da terra. GLOSSÁRIO DE QUÍMICA ADUBO: É qualquer substância orgânica ou inorgânica que melhora a qualidade da terra. ALQUIMIA: A alquimia foi uma antiga prática que buscava encontrar o que chamavam de Pedra Filosofal,

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO APARELHO 6 EM 1

MANUAL DO PRODUTO APARELHO 6 EM 1 MANUAL DO PRODUTO APARELHO 6 EM 1 Aparelho 6 em 1: Ultrassom, Alta Frequência, Escova Giratória, Galvânico, Vácuo e Spray 1. ESPECIFICAÇÃO, MODELO E DADOS TÉCNICOS PRODUTO Aparelho 6 em 1 FUNÇÕES Ultrassom,

Leia mais

Física. INSTRUÇÃO: Responder às questões 28 e 29 com base na figura e nas informações abaixo.

Física. INSTRUÇÃO: Responder às questões 28 e 29 com base na figura e nas informações abaixo. Física INSTRUÇÃO: Responder às questões 26 e 27 com base no gráfico e nas informações A velocidade escalar V, em m/s, de um móvel é representada no gráfico, em função do tempo t, em segundos. INSTRUÇÃO:

Leia mais

Janine Coutinho Canuto

Janine Coutinho Canuto Janine Coutinho Canuto Termologia é a parte da física que estuda o calor. Muitas vezes o calor é confundido com a temperatura, vamos ver alguns conceitos que irão facilitar o entendimento do calor. É a

Leia mais

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas

Biofísica 1. Ondas Eletromagnéticas Biofísica 1 Ondas Eletromagnéticas Ondas Ondas são o modo pelo qual uma perturbação, seja som, luz ou radiações se propagam. Em outras palavras a propagação é a forma na qual a energia é transportada.

Leia mais

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA

ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA ULTRA-SOM THIAGO YUKIO FUKUDA Freqüência > 20kHz Depende de um meio para se propagar O que acontece quando a onda atinge um novo material? Refração: mudança na direção da onda sonora. Reflexão: A onda

Leia mais

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1

Este material é de propriedade da Delphi Automotive Systems, sendo vedada sua reprodução total ou parcial. 1 1 2 3 4 5 COMPOSIÇÃO DA MATÉRIA O uso prático da eletricidade já é do conhecimento humano à mais de cem anos. A eletricidade consiste do movimento de elétrons em um condutor. Para poder entender o que

Leia mais

Circuitos eléctricos

Circuitos eléctricos Um circuito eléctrico µu^u]vz}_ }Œ}v passa a corrente eléctrica. É constituído obrigatoriamente por um gerador e um receptor, podendo-se também intercalar outros componentes como interruptores, motores

Leia mais

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana

Medição de Nível Parte 2. Adrielle C. Santana Medição de Nível Parte 2 Adrielle C. Santana Da aula passada... Pressão Hidrostática => P= gh Supressão de Zero Para maior facilidade de manutenção e acesso ao instrumento, muitas vezes o transmissor é

Leia mais

Física - UFRGS 2010. 02. Alternativa D Afirmativa I Um ano corresponde à distância percorrida pela luz durante um ano.

Física - UFRGS 2010. 02. Alternativa D Afirmativa I Um ano corresponde à distância percorrida pela luz durante um ano. Física - UFRGS 2010 01. Alternativa E De acordo com as leis de Kepler, a órbita de cada planeta é uma elipse com o Sol em um dos focos. A reta que une um planeta e o Sol, varre áreas iguais em tempos iguais

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

3 Resistores Lei de ohms

3 Resistores Lei de ohms Resistores 3 Lei de ohms O resistor é um componente eletrônico usado para oferecer resistência a passagem dos elétrons em um circuito. Os resistores mais comuns são os resistores de carbono também chamados

Leia mais

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA)

ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) ACESSO FÍSICA LISTA 1 (LEIS DE OHM E CORRENTE ELÉTRICA) 1. (Fuvest) O plutônio ( Pu) é usado para a produção direta de energia elétrica em veículos espaciais. Isso é realizado em um gerador que possui

Leia mais

2013 Questão 1: Pressão atmosférica e pressão hidrostática GABARITO: A Resolução Questão 2: Equação fundamental da ondulatória

2013 Questão 1: Pressão atmosférica e pressão hidrostática GABARITO: A Resolução Questão 2: Equação fundamental da ondulatória 2013 Questão 1: Pressão atmosférica e pressão hidrostática Para realizar um experimento com uma garrafa PET cheia d'agua, perfurou-se a lateral da garrafa em três posições a diferentes alturas. Com a garrafa

Leia mais

Underwater Comunicação Rádio

Underwater Comunicação Rádio Underwater Comunicação Rádio por VK5BR Butler Lloyd (Originalmente publicado em Rádio Amador, Abril de 1987) Até onde podemos comunicar submerso no mar ou em um lago. Quão grande é a atenuação do sinal

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 4 Previsão de cargas e divisão das instalações elétricas. Prof.

Leia mais

f = Polícia Federal - Papiloscopista Física Prof. Rodrigo Luis Rocha ONDULATÓRIA duas cristas consecutivas, ou dois pontos equivalentes.

f = Polícia Federal - Papiloscopista Física Prof. Rodrigo Luis Rocha ONDULATÓRIA duas cristas consecutivas, ou dois pontos equivalentes. ONDULATÓRIA O conceito de onda na diz que onda é uma propagação de energia sem transporte de matéria. As ondas podem ser classificadas quanto à natureza e quanto ao tipo de propagação. Classificação em

Leia mais

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com

POTENCIAL ELÉTRICO. alvaro.unespbauru@hotmail.com POTENCIAL ELÉTRICO alvaro.unespbauru@hotmail.com Potenciais elétricos Potencial de membrana: é a diferença de potencial elétrico, em Volts (V), gerada a partir de um gradiente eletroquímico através de

Leia mais

MATERIAIS SEMICONDUTORES. Prof.: Sheila Santisi Travessa

MATERIAIS SEMICONDUTORES. Prof.: Sheila Santisi Travessa MATERIAIS SEMICONDUTORES Prof.: Sheila Santisi Travessa Introdução De acordo com sua facilidade de conduzir energia os materiais são classificados em: Condutores Semicondutores Isolantes Introdução A corrente

Leia mais

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo:

32. Um sistema termodinâmico realiza um ciclo conforme representado na figura abaixo: 0 GABARITO O DIA o PROCESSO SELETIVO/005 FÍSICA QUESTÕES DE 3 A 45 3. Uma fonte de luz monocromática está imersa em um meio líquido de índice de refração igual a,0. Os raios de luz atingem a superfície

Leia mais

Stimulus - R. Completa estação de tratamentos corporais

Stimulus - R. Completa estação de tratamentos corporais Stimulus R Completa estação de tratamentos corporais Eficaz em drenagem eletrônica e eletrolipólise Possibilita tratamentos nas áreas de medicina esportiva, reabilitação e estética 27 protocolos pré-programados

Leia mais

Prof. Marcos Antonio

Prof. Marcos Antonio Prof. Marcos Antonio 1- DEFINIÇÃO É o ramo da eletricidade que estuda as cargas elétricas em movimento bem como seus efeitos. 2- CORRENTE ELÉTRICA E SEUS EFEITOS É o movimento ordenado de partículas portadoras

Leia mais

MÓDULO 4 4.10 - DIMENSIONAMENTODE ISOLAMENTO TÉRMICO

MÓDULO 4 4.10 - DIMENSIONAMENTODE ISOLAMENTO TÉRMICO MANUAL DE BOAS PRÁTICAS - ABPE 203 MÓDULO 4 4.0 - DIMENSIONAMENTODE ISOLAMENTO TÉRMICO Isolamento Térmico (Transmissão de Calor) A transmissão de calor em tubulações plásticas adquire particular interesse

Leia mais

SISTEMA BAYLIS PARA CONTROLE DA DOR

SISTEMA BAYLIS PARA CONTROLE DA DOR SISTEMA BAYLIS PARA CONTROLE DA DOR RADIOFREQUÊNCIA (RF) NO TRATAMENTO DA DOR RF é um procedimento moderno, minimamente invasivo e seguro, bastante eficaz no tratamento da dor crônica da coluna. A RF funciona

Leia mais

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído

Perda Auditiva Induzida Pelo Ruído Anatomia do Ouvido O ouvido consiste em três partes básicas o ouvido externo, o ouvido médio, e ouvido interno. Perda da audição, por lesão do ouvido interno, provocada pela exposição ao ruído ou à vibração

Leia mais

NR-23 Proteção Contra Incêndio

NR-23 Proteção Contra Incêndio NR-23 Proteção Contra Incêndio Fatores de Êxito na Prevenção de Incêndio PREPARAO PRÉVIO ESTAR EM DIA COM OS DOCUMENTOS DO BOMBEIRO; MANUTENÇÃO EM DIA; EQUIPAMENTOS ADEQUADOS AO RISCO; SINALIZAÇÃO; FAMILIARIZAÇÃO

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE USO

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE USO MANUAL DE INSTRUÇÕES DE USO PRINCIPIO FISICO A atividade elétrica do músculo cardíaco cria um campo elétrico no volume condutor que envolve o coração. Há fluxos de corrente iônica (movimento de cargas

Leia mais

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL

CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL DIREÇÃO GERAL DOS ESTABELECIMENTOS ESCOLARES DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO CENTRO ANO LECTIVO 2015 2016 CURSO PROFISSIONAL TÉCNICO DE ANÁLISE LABORATORIAL MÉTODOS OPTICOS ESPECTROFOTOMETRIA MOLECULAR (UV

Leia mais

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8

TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS. CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 TECNOLOGIA EM CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS CONFORTO AMBIENTAL Aula 8 Permite o uso noturno das edificações e da cidade. Um bom projeto de iluminação deve garantir a possibilidade de executar uma tarefa visual

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

3) A figura representa o comprimento de uma barra metálica em função de sua temperatura.

3) A figura representa o comprimento de uma barra metálica em função de sua temperatura. LISTA 04 ONDAS E CALOR 1) A 10 C, 100 gotas idênticas de um líquido ocupam um volume de 1,0cm 3. A 60 C, o volume ocupado pelo líquido é de 1,01cm 3. Calcule: (Adote: calor específico da água: 1 cal/g.

Leia mais

No conjunto de gráficos a seguir, está representada a velocidade em função do tempo para seis situações distintas.

No conjunto de gráficos a seguir, está representada a velocidade em função do tempo para seis situações distintas. FÍSICA Instrução: Sempre que for necessário utilizar valores dos módulos da aceleração da gravidade na superfície da Terra ou da velocidade da luz no vácuo, considere esses valores como 9,80 m/s 2 e 3,00

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL

TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL TÍTULO: ANÁLISE DAS FRAÇÕES DE COLESTEROL APÓS O USO DE ULTRASSOM DE ALTA POTÊNCIA NO TRATAMENTO DA GORDURA LOCALIZADA ABDOMINAL CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 325ED +55 (16) 33833818

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 325ED +55 (16) 33833818 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

PRÉ-VESTIBULAR Física

PRÉ-VESTIBULAR Física PRÉ VESTIBULAR Física / / PRÉ-VESTIBULAR Aluno: Nº: Turma: Exercícios Fenômenos Lista de sites com animações (Java, em sua maioria) que auxiliam a visualização de alguns fenômenos: Reflexão e refração:

Leia mais

Segurança com a eletricidade

Segurança com a eletricidade Exper. 1 Segurança com a eletricidade Objetivo Levar o aluno a conhecer alguns riscos da eletricidade e a se preocupar com a prevenção de acidentes elétricos em seu ambiente de trabalho. Conscientizar

Leia mais

Aula 7. Noções Básicas de Prevenção de Combate a Incêndio META DA AULA OBJETIVOS

Aula 7. Noções Básicas de Prevenção de Combate a Incêndio META DA AULA OBJETIVOS Aula 7 Noções Básicas de Prevenção de Combate a Incêndio META DA AULA Compreender os aspectos essenciais de Combate a Incêndio e os Equipamentos de Proteção Coletiva e Individual. OBJETIVOS Ao final desta

Leia mais

COMO SURGEM OS TECIDOS

COMO SURGEM OS TECIDOS TECIDO EPITELIAL COMO SURGEM OS TECIDOS Nos seres de reprodução sexuada, que constituem a maioria dos organismos, todas as células surgem a partir de uma única célula, a célula-ovo. Esta sofre divisões

Leia mais

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti

Instrumentação para Espectroscopia Óptica. CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti Instrumentação para Espectroscopia Óptica CQ122 Química Analítica Instrumental II 2º sem. 2014 Prof. Claudio Antonio Tonegutti INTRODUÇÃO Os componentes básicos dos instrumentos analíticos para a espectroscopia

Leia mais

Espectrofotometria Pro r fe f ssor H elber Barc r ellos

Espectrofotometria Pro r fe f ssor H elber Barc r ellos Espectrofotometria Professor Helber Barcellos Espectrofotometria A Espectrofotometria é um processo de medida que emprega as propriedades dos átomos e moléculas de absorver e/ou emitir energia eletromagnética

Leia mais

Quando usamos um aparelho elétrico, precauções básicas devem ser seguidas, inclusive as seguintes:

Quando usamos um aparelho elétrico, precauções básicas devem ser seguidas, inclusive as seguintes: ML-3000 MULTI GRILL INTRODUÇÃO O Multi Grill ML-3000 Milano é um produto de alta tecnologia e qualidade. Para entender todas as funções deste aparelho e utilizá-lo com segurança, leia atentamente as recomendações

Leia mais

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica

Instituição Escola Técnica Sandra Silva. Direção Sandra Silva. Título do Trabalho Fonte de Alimentação. Áreas Eletrônica Instituição Escola Técnica Sandra Silva Direção Sandra Silva Título do Trabalho Fonte de Alimentação Áreas Eletrônica Coordenador Geral Carlos Augusto Gomes Neves Professores Orientadores Chrystian Pereira

Leia mais

Atividade de Reforço2

Atividade de Reforço2 Professor(a): Eliane Korn Disciplina: Física Aluno(a): Ano: 1º Nº: Bimestre: 2º Atividade de Reforço2 INSTRUÇÕES GERAIS PARA A ATIVIDADE I. Leia atentamente o resumo da teoria. II. Imprima a folha com

Leia mais

Biofísica. Patrícia de Lima Martins

Biofísica. Patrícia de Lima Martins Biofísica Patrícia de Lima Martins 1. Conceito É uma ciência interdisciplinar que aplica as teorias, a metodologia, conhecimentos e tecnologias da Matemática, Química e Física para resolver questões da

Leia mais

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução

EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE. 1.0 Introdução EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE 1.0 Introdução O presente trabalho é resultado de uma visão futurística acerca da preservação do meio ambiente e da manutenção da vida. Alguns anos de estudo e pesquisas na área

Leia mais

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente de

Leia mais

APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE

APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE APOSTILA DO EXAME SOBRE RADIOAELETRICIDADE 01)A força elétrica que provoca o movimento de cargas em um condutor é: A ( ) A condutância B ( ) A temperatura C ( ) O campo elétrico D ( ) A tensão elétrica

Leia mais

O Universo e Composição Fundamental

O Universo e Composição Fundamental 1 O Universo e Composição Fundamental I) Componentes Fundamentais do Universo São aqueles que não podem ser substituídos por outros. Matéria (M): representada pela massa, são os objetos, corpos, alimentos.

Leia mais

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis

COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL. Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis COLETÂNEA DE INFORMAÇÕES TÉCNICAS AÇO INOXIDÁVEL Resistência à corrosão dos aços inoxidáveis Formas localizadas de corrosão Os aços carbono sofrem de corrosão generalizada, onde grandes áreas da superfície

Leia mais

MONITOR DE BATIMENTOS CARDÍACOS MODELO: SE122 MANUAL DO USUÁRIO

MONITOR DE BATIMENTOS CARDÍACOS MODELO: SE122 MANUAL DO USUÁRIO MONITOR DE BATIMENTOS CARDÍACOS MODELO: SE122 MANUAL DO USUÁRIO Recurso De Economia De Energia... 9 Especificações...9 Precauções...9 Sobre a Oregon Scientific... 10 CE Declaração de Conformidade... 10

Leia mais

-2013- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE

-2013- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE -2013- CONTEÚDO SEPARADO POR TRIMESTRE E POR AVALIAÇÃO CIÊNCIAS 9º ANO 1º TRIMESTRE DISCURSIVA OBJETIVA QUÍMICA FÍSICA QUÍMICA FÍSICA Matéria e energia Propriedades da matéria Mudanças de estado físico

Leia mais

Física Moderna: -Efeito Fotoelétrico -Quântica - Radioatividade - Teoria da Relatividade

Física Moderna: -Efeito Fotoelétrico -Quântica - Radioatividade - Teoria da Relatividade Física Moderna: -Efeito Fotoelétrico -Quântica - Radioatividade - Teoria da Relatividade 1. (Fuvest 013) Em uma reação de síntese, induzida por luz vermelha de frequência f igual a 4,3 10 Hz, ocorreu a

Leia mais

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático

Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático Como especificar Máscaras de Solda de Escurecimento Automático As atividades de soldagem são um desafio constante aos profissionais de saúde e segurança do trabalho. Calor excessivo, movimentos repetitivos,

Leia mais

Electricidade e magnetismo

Electricidade e magnetismo Electricidade e magnetismo Circuitos eléctricos 3ª Parte Prof. Luís Perna 2010/11 Corrente eléctrica Qual a condição para que haja corrente eléctrica entre dois condutores A e B? Que tipo de corrente eléctrica

Leia mais

Principais Meios de Transmissão Par Trançado Cabo Coaxial Fibra Ótica Micro Ondas

Principais Meios de Transmissão Par Trançado Cabo Coaxial Fibra Ótica Micro Ondas Modelo de Comunicação Propósito principal A troca de informação entre dois agentes Comunicação de Computadores Comunicação de Dados Transmissão de Sinais Agente Dispositivo de entrada Transmissor Meio

Leia mais

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA

CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA CORRENTE CONTÍNUA E CORRENTE ALTERNADA Existem dois tipos de corrente elétrica: Corrente Contínua (CC) e Corrente Alternada (CA). A corrente contínua tem a característica de ser constante no tempo, com

Leia mais

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul.

Os pólos do mesmo sinal repelem-se, norte com norte e sul com sul, e os pólos de sinal contrário atraem-se, sul com norte e norte com sul. A- Magnetismo 1- Íman Chama-se íman ao corpo que possui a propriedade de atrair ferro, níquel ou cobalto. Existem ímanes naturais denominados de magnetite, e ímanes artificiais constituídos por aço e ferro.

Leia mais