PROCESSOS DE SOLDAGEM

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSOS DE SOLDAGEM"

Transcrição

1 PROCESSOS DE SOLDAGEM

2 PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR FUSÃO Combinação Gás/Metal Oxi-acetilenico Oxi-hidrogenio Oxigênio com gás metano, propano, natural Ar-acetileno

3 PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR FUSÃO Arco Elétrico Eletrodos Nús Eletrodos Revestidos Eletrodos de Carvão com 1 ou 2 eletrodos Prisioneiros sobre Pressão Atmosfera Gasosa Fluxo Granulado

4 PROCESSOS DE SOLDAGEM Atmosfera Gasosa: TIG MIG Eletrodos de Carvão Prisioneiros sob Carvão Hidrogênio Atômico Jato Plasma Raio Eletrônico Laser Explosão Eletrometálica SOLDA POR FUSÃO Arco Elétrico

5 PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR FUSÃO Arco Elétrico Fluxo Granulado: Arco Submerso Eletro-Escória Eletrodo com Fluxo Granulado Eletrodo - Magnético

6 PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR FUSÃO Reação Química Fluída

7 PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR RESISTÊNCIA Pontos Costura Projeção Recalque Centelhamento Percursão Indução

8 PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR UNIÃO SÓLIDA Forjamento Pressão Difusão Fricção Explosão Deformação a Frio Ultrasom Metalização Pulverizada Metalização Eletrolítica

9 PROCESSOS DE SOLDAGEM SOLDA POR UNIÃO LÍQUIDA-SÓLIDA Brasagem Solda-braseada Brasagem por difusão controlada Solda-Branda

10 PROCESSOS DE SOLDAGEM UNIÃO COM ADESIVOS Termoplásticos Neoprene, vinil, etc. Termoestável Epoxi, Silicone, etc.

11 FILTROS DE PROTEÇÃO

12 PRINCÍPIOS DE OPERAÇÃO

13 CHAMA DE SOLDAGEM

14 TIPOS DE CHAMA

15 EQUIPAMENTOS DE SOLDAGEM

16 EQUIPAMENTOS DE SOLDAGEM

17 EQUIPAMENTOS DE SOLDAGEM

18 EQUIPAMENTOS DE SOLDAGEM MANGUEIRAS

19 SISTEMA DE CLASSIFICAÇÃO

20 VANTAGENS DO PROCESSO

21 TÉCNICAS DE SOLDAGEM

22 PREPARAÇÃO DE JUNTAS

23

24 DESCONTINUIDADES INDUZIDAS PELO PROCESSO

25 EQUIPAMENTO

26 EQUIPAMENTOS - FONTES GERADOR FONTES VANTAGENS DESVANTAGENS GERA CORRENTE ALTO CONSUMO DE CONTÍNUA; ENERGIA USO DE TODOS OS TIPOS EFICIÊNCIA DE 50%; DE ELETRODOS; MANUTENÇÃO INSENSÍVEL AS PERIÓDICA; OSCILAÇÕES DA REDE; MÁQUINA QUE FAZ PERMITE A REGULAGEM RUIDO; DA VOLTAGEM; SOLDAGEM EM CC ACOPLAMENTO DE MOTOR ESTÁ SUJEITA AO DE COMBUSTÃO; FENOMENO DO TRIFÁSICO; SOPRO MAGNÉTICO. NÃO DESIQUILIBRA A REDE; VIDA ÚTIL DE HS. TRANSFORMADOR RETIFICADOR ECONÔMICO; SENSÍVEL ÀS EFICIÊNCIA DE 80%, FLUTUAÇÕES DA FORNECE CORRENTE REDE; ALTERNADA QUE NÃO DESEQUILIBRA A PRODUZ SOPRO MESMA; MAGNÉTICO; NÃO DA CONDIÇÃO PRODUZ CORDÃO ISENTO DE REGULAR A DE INCLUSÃO DE ESCÓRIA; VOLTAGEM; MAIOR DEPOSIÇÃO EM NÃO SOLDA AL, CU E MENOR TEMPO; ELETRODOS DA MENOR MANUTENÇÃO; CLASSE E NÃO FAZ BARULHO; VIDA ÚTIL DE HS. ECONÔMICO; EFICIÊNCIA DE 63%; FORNECE CORRENTE RETIFICADA; SOLDA TODOS OS ELETRODOS; MÍNIMA MANUTENÇÃO; MÍNIMO RUÍDO; RÁPIDA DEPOSIÇÃO; NÃO DESIQUILIBRA A REDE; TRIFÁSICO; VIDA ÚTIL DE HS. SENSÍVEL À FLUTUAÇÃO DA REDE; NÃO HÁ CONDIÇÕES DE REGULAGEM DA VOLTAGEM; POSSIBILIDADE DE SOPRO MAGNÉTICO.

27 EQUIPAMENTO PARA SOLDAGEM

28 O ELETRODO

29 INFORMAÇÕES SOBRE OS DIVERSOS TIPOS DE ELETRODOS REVESTIDOS

30 INFORMAÇÕES SOBRE OS DIVERSOS TIPOS DE ELETRODOS REVESTIDOS

31 CLASSIFICAÇÃO DOS ELETRODOS E XXX X X - X ELETRODO PARA SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO 2 LIMITE MÍNIMO DE RESISTÊNCIA À TRAÇÃO 3 POSIÇÃO DE SOLDAGEM 1 = TODAS AS POSIÇÕES 2 = POSIÇÃO HORIZONTAL (SOLDA EM ÂNGULO) E PLANA 3 = PLANA 4 = POSIÇÃO VERTICAL DESCENDENTE, HORIZONTAL, PLANA E SOBRE-CABEÇA 4 VAI DE ZERO A OITO E FORNECE VÁRIAS INFORMAÇÕES SOBRE:

32 CLASSIFICAÇÃO DOS ELETRODOS

33 DEFEITOS NA SOLDAGEM Porosidade de um modo geral é causado pelo emprego de técnicas incorretas, pela utilização de metal de base sem limpeza adequada ou por eletrodo úmido.

34 DEFEITOS NA SOLDAGEM Inclusões são provocadas pela manipulação inadequada do eletrodo e pela limpeza deficiente entre passes.

35 DEFEITOS NA SOLDAGEM Falta de fusão resulta de uma técnica de soldagem inadequada: soldagem rápida ou lenta demais, preparação inadequada da junta ou do material, projeto inadequado ou corrente baixo demais.

36 DEFEITOS NA SOLDAGEM Falta de Penetração - resulta de uma técnica de soldagem inadequada: soldagem rápida ou lenta demais, preparação inadequada da junta ou do material, projeto inadequado, corrente baixa demais e eletrodo com o diâmetro grande demais.

37 DEFEITOS NA SOLDAGEM Mordedura, Concavidade e Sobreposição são devidas a erros do soldador.

38 DEFEITOS NA SOLDAGEM Trincas Interlamelar Ocorre quando o metal de base, não suportando tensões elevadas, geradas pela contração da solda, na direção da espessura, trinca-se em forma de degraus, situados em planos paralelos à direção da laminação.

39 DEFEITOS NA SOLDAGEM Trincas na Garganta e Trincas na Raiz Quando aparecem, demandam, para serem evitadas, mudanças na técnica de soldagem ou troca de materiais.

40 DEFEITOS NA SOLDAGEM Trincas na Margem e Trincas sob Cordão São trincas devidas à fissuração a frio. Elas ocorrem normalmente, enquanto há hidrogênio retido na solda. Hidrogênio que podem vir de eletrodo úmido, umidade do ar, superfície suja, etc.

41 TÉCNICAS DE SOLDAGEM

42 TÉCNICAS DE SOLDAGEM

43 TÉCNICAS DE SOLDAGEM

44 TÉCNICAS DE SOLDAGEM

45 TÉCNICAS DE SOLDAGEM

Processos Construtivos

Processos Construtivos Patrocínio: Coordenação: Parcerias: Processos Construtivos Soldagem Elaborado por: Bruno Stupello As informações e análises contidas nesse documento são de responsabilidade do Centro de Estudos em Gestão

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM 3 CAPÍTULO 1 CLASSIFICAÇÃO DOS PROCESSOS DE SOLDAGEM 4 INTRODUÇÃO À SOLDAGEM DEFINIÇÕES SOLDAGEM: É a operação que visa obter a união de duas ou mais peças, assegurando na junta a continuidade das propriedades

Leia mais

PROCESSOS DE SOLDAGEM

PROCESSOS DE SOLDAGEM PROCESSOS DE SOLDAGEM ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO Prof. Marcio Gomes 1 Soldagem a arco elétrico É um processo de soldagem por fusão em que a fonte de calor é gerada por um arco elétrico formado

Leia mais

PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica

PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica PMR-2202 Introdução a Manufatura Mecânica Processos de Junção e Corte Prof. Dr. Gilberto F. M. de Souza Agosto de 2004 1. Introdução Processos de junção são empregados para unir dois ou mais componentes,

Leia mais

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação:

Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais. Definição e princípio de operação: Fundamentos Equipamentos Consumíveis Técnica operatória Aplicações Industriais Fundamentos Definição e princípio de operação: A soldagem a arco com eletrodo de tungstênio e proteção gasosa (Gas Tungsten

Leia mais

Características do processo

Características do processo SOLDAGEM POR OXIGÁS Processo de soldagem que utiliza o calor gerado por uma chama de um gás combustível e o oxigênio para fundir o metal-base e o metal de adição A temperatura obtida através da chama é

Leia mais

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem?

1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? 1 Qual dos documentos apresentados a seguir não necessita ser mantido sob a responsabilidade do Inspetor de Soldagem? (a) Controle de Desempenho de Soldadores e Operadores de Soldagem.. (b) Registro da

Leia mais

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ELETRODOS REVESTIDOS 01/14 VENDAS SUDESTE São Paulo Tel. (11) 3094-6600 Fax (11) 3094-6303 e-mail: atendimentogerdau.sp@gerdau.com.br Rio de Janeiro Tel. (21) 3974-7529 Fax (21) 3974-7592 e-mail: atendimentogerdau.rj@gerdau.com.br

Leia mais

- Bibliografia Recomendada

- Bibliografia Recomendada 1 7 a aula - ELETRODOS REVESTIDOS - Bibliografia Recomendada 1) Soldagem Processos e Metalurgia Capítulo 2b 2) Normas da AWS A5.1-81, A5.5-81 e demais normas 3) Catálogo de fabricantes de eletrodos revestidos

Leia mais

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda

Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Discussão sobre os processos de goivagem e a utilização de suporte de solda Liz F Castro Neto lfcastroneto@gmail.com Dênis de Almeida Costa denis.costa@fatec.sp.gov.br 1. Resumo Na soldagem de união, a

Leia mais

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ARAMES MIG-MAG

GUIA DE SOLUÇÕES PARA SOLDAGEM COM ARAMES MIG-MAG 01/14 VENDAS SUDESTE São Paulo Tel. (11) 3094-6600 Fax (11) 3094-6303 e-mail: atendimentogerdau.sp@gerdau.com.br Rio de Janeiro Tel. (21) 3974-7529 Fax (21) 3974-7592 e-mail: atendimentogerdau.rj@gerdau.com.br

Leia mais

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 2 SOLDAGEM POR OXI-GÁS

SOLDAGEM DOS METAIS CAPÍTULO 2 SOLDAGEM POR OXI-GÁS 9 CAPÍTULO 2 SOLDAGEM POR OXI-GÁS 10 SOLDAGEM POR OXI-GÁS (SOLDA A GÁS) A soldagem por oxi-gás é um processo de soldagem por fusão, no qual a união entre os metais é conseguida através da aplicação do

Leia mais

Soldagem I. Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas

Soldagem I. Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Soldagem I Descontinuidades e Inspeção em Juntas Soldas Prof. Paulo J. Modenesi Belo Horizonte, novembro de 2001

Leia mais

Processos de fabricação

Processos de fabricação Processos de fabricação SOLDAGEM 1 Soldagem: introdução A soldagem está intimamente ligada às mais importantes atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica

Leia mais

Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW)

Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW) 2015-Jul Apostila de Treinamento MIG/MAG (GMAW) Público alvo: Vendedores e Representantes comerciais 1 Informações iniciais : Ciclo de Trabalho (Fator de trabalho) O Ciclo de Trabalho é a relação entre

Leia mais

Processo MIG/MAG 131/135. Princípio de Funcionamento

Processo MIG/MAG 131/135. Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento (1 de 3) Processo de Soldadura por Fusão. A Fusão do material de adição e do material de base é obtida através do calor desenvolvido por um arco eléctrico.

Leia mais

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW

Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW Trabalho Prático N o :. Técnica Operatória da Soldagem SMAW 1. Objetivos: Familiarizar-se com o arranjo e a operação do equipamento utilizado na soldagem manual com eletrodos revestidos. Familiarizar-se

Leia mais

Corte Plasma. Processo de corte plasma

Corte Plasma. Processo de corte plasma Corte Plasma Processo de corte plasma CORTE PLASMA Plasma Três estados físicos da matéria: Sólido - Gelo Líquido - Água Gasoso - Vapor A diferença básica: o quanto de energia existe em cada um deles. Gelo

Leia mais

SENAI-PE. Tecnologia de Solda Processo TIG e Eletrodo Revestido

SENAI-PE. Tecnologia de Solda Processo TIG e Eletrodo Revestido Tecnologia de Solda Processo TIG e Eletrodo Revestido 2 Federação das Indústrias do Estado de Pernambuco Presidente Jorge Wicks Côrte Real Departamento Regional do SENAI de Pernambuco Diretor Regional

Leia mais

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG

Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Centro de Formação Profissional Aloysio Ribeiro de Almeida SOLDAGEM TIG Presidente da FIEMG Robson Braga de Andrade Gestor do SENAI Petrônio Machado Zica Diretor Regional do SENAI e Superintendente de

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 24/2015 ENGENHARIA MECÂNICA Campus Santos Dumont Questão 01 O registro representado na Figura 1 é composto por vários componentes mecânicos, muitos deles, internamente à caraça. Peças com essa característica são difíceis de representar em desenhos técnicos,

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS

SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS SOLDADOR DE MATERIAIS METÁLICOS (Arame Tubular, Eletrodo Revestido, MIG/MAG e TIG) Esquemas de Certificação Maio de 2015 Página 1 de 42 SUMÁRIO Soldador de Materiais Metálicos no Processo Arame Tubular...

Leia mais

MÁSCARA DE SOLDA CR-02

MÁSCARA DE SOLDA CR-02 *Imagens meramente ilustrativas MÁSCARA DE SOLDA CR-02 Manual de Instruções www.v8brasil.com.br 1. DADOS TÉCNICOS MÁSCARA DE SOLDA SR-02 Modelo: Área de visão: Dimensões do filtro: V8-MS-CR2 92 x 42 mm

Leia mais

Exercícios para a Prova Teórica - FBTS

Exercícios para a Prova Teórica - FBTS Exercícios para a Prova Teórica - FBTS 001- Os dispositivos de fixação e montagem recomendados são aqueles que: A- Limitam a deformação angular da junta soldada e permitem a livre contração transversal

Leia mais

Processo de Soldadura TIG - 141. Princípio de Funcionamento

Processo de Soldadura TIG - 141. Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Princípio de Funcionamento Processo de Soldadura por Fusão que utiliza a energia Eléctrica Neste processo o cordão de soldadura é obtido de duas maneiras: Só pela fusão do material

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ENGENHARIA DE SOLDAGEM 1. APRESENTAÇÃO A Pós-graduação em Engenharia de Soldagem propicia a oportunidade de especialização na tecnologia e controle da qualidade da soldagem, além

Leia mais

Detalhes DBC. - Manual versão 1.05 - Junho de 2012. o x i g ê n i o. Máscara de Solda de auto-escurecimento DBC-600 CA 27617.

Detalhes DBC. - Manual versão 1.05 - Junho de 2012. o x i g ê n i o. Máscara de Solda de auto-escurecimento DBC-600 CA 27617. DBC o x i g ê n i o Detalhes - Manual versão 1.0 - Junho de 2012 Máscara de Solda de auto-escurecimento DBC-00 CA 21 Manual do Usuário Índice Conteúdo 1) Breve histórico das máscaras 2) Componentes deste

Leia mais

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW

Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Direcção de Formação Processos de Soldadura Processo de Soldadura MIG/MAG 131/135 GMAW Italo Fernandes EWE / IWE Módulo 1.8 Temas a Tratar - Processos de Soldadura Fio Sólido com Protecção Gasosa Inerte

Leia mais

DADOS TÉCNICOS. As despesas de frete e transporte até a autorizada MACROTOP mais próxima é de responsabilidade do cliente.

DADOS TÉCNICOS. As despesas de frete e transporte até a autorizada MACROTOP mais próxima é de responsabilidade do cliente. 12 1 As despesas de frete e transporte até a autorizada MACROTOP mais próxima é de responsabilidade do cliente. OBRIGAÇÕES MACROTOP Qualquer produto ou componente defeituoso coberto por esta garantia

Leia mais

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI. Robson Braga de Andrade. Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI. Robson Braga de Andrade. Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET CONFEDERAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA CNI Robson Braga de Andrade Presidente DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA DIRET Rafael Esmeraldo Lucchesi Ramacciotti Diretor de Educação e Tecnologia SERVIÇO NACIONAL

Leia mais

Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP. Ensino Médio Integrado à Educação Profissional. Curso Técnico em Mecânica. Processos de Soldagem

Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP. Ensino Médio Integrado à Educação Profissional. Curso Técnico em Mecânica. Processos de Soldagem Escola Estadual de Educação Profissional - EEEP Curso Técnico em Mecânica Processos de Soldagem Governador Cid Ferreira Gomes Vice Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Secretária da Educação Maria

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA As questões 1 a 4 referem-se ao texto a seguir.

LÍNGUA PORTUGUESA As questões 1 a 4 referem-se ao texto a seguir. LÍNGUA PORTUGUESA As questões 1 a 4 referem-se ao texto a seguir. 5 10 15 20 25 30 35 40 Beleza! Beleza! exclamou o engraxate, sorrindo. Ele acabara de receber uma gorjeta do cliente generoso. "Beleza"

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE CURSO DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MARCELO FERNANDO DE SOUSA MARQUES

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE CURSO DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MARCELO FERNANDO DE SOUSA MARQUES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FLUMINENSE CURSO DE TECNOLOGIA EM MANUTENÇÃO INDUSTRIAL MARCELO FERNANDO DE SOUSA MARQUES APLICAÇÃO DA SOLDAGEM NA MANUTENÇÃO INDUSTRIAL Campos dos Goytacazes

Leia mais

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência

A figura abaixo mostra o esquema básico de uma máquina de solda a ponto por resistência 132 7. Processo de soldagem por resistência elétrica 7.1 Introdução As soldas a ponto, por costura, por projeção e topo a topo formam um grupo de soldas nas quais o calor necessário para a soldagem é gerado

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem: - Grande aplicação nas atividades industriais que existem no mundo moderno: construção naval, ferroviária, aeronáutica e automobilística,

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções TRR 3110S NM +55 (16) 33833818 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções TRR 3110S NM +55 (16) 33833818 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1

CORTE DOS METAIS. Prof.Valmir Gonçalves Carriço Página 1 CORTE DOS METAIS INTRODUÇÃO: Na indústria de conformação de chapas, a palavra cortar não é usada para descrever processos, exceto para cortes brutos ou envolvendo cortes de chapas sobrepostas. Mas, mesmo

Leia mais

MANUAL DO OPERADOR MÁQUINA DE SOLDA MIG 280 NMIG280

MANUAL DO OPERADOR MÁQUINA DE SOLDA MIG 280 NMIG280 MANUAL DO OPERADOR MÁQUINA DE SOLDA MIG 280 NMIG280 Máquinas de solda NMIG Nagano Parabéns pela compra da sua nova máquina de solda Nagano. Com esta unidade de soldagem, agora você pode experimentar muitas

Leia mais

Figura n-º 1: arco elétrico utilizando o argônio como gás de ionização.

Figura n-º 1: arco elétrico utilizando o argônio como gás de ionização. 1 1 - FUNDAMENTOS DO PROCESSO O processo de soldagem a arco sob proteção gasosa consiste em um aquecimento localizado da região a se unir, até que esta atinja o ponto de fusão, formando - se então a poça

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Know-How no Segmento Industrial de Siderurgia A Eutectic Castolin acumulou vasto conhecimento dos principais setores industrias do Brasil e possui um programa

Leia mais

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG)

Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Soldagem de Aço Inox Utilizando Arco Gasoso com Tungstênio (GTAW ou TIG) Este é o processo mais amplamente usado devido a sua versatilidade e alta qualidade bem como a aparência estética do acabamento

Leia mais

MANUAL DE FUNCIONAMENTO

MANUAL DE FUNCIONAMENTO MANUAL DE FUNCIONAMENTO Prezado cliente, Nossas embaladoras são desenvolvidas para oferecer economia e, melhoria na apresentação de seus produtos, levando aos consumidores garantia de maior durabilidade

Leia mais

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal.

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal. CAPÍTULO 9 - MOTORES DIESEL COMBUSTÃO EM MOTORES DIESEL Embora as reações químicas, durante a combustão, sejam indubitavelmente muito semelhantes nos motores de ignição por centelha e nos motores Diesel,

Leia mais

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO

SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Juntas com excelentes propriedades mecânicometalúrgicas Altas taxas de deposição Esquema básico do processo 1 Vantagens do processo Pode-se usar chanfros com menor área de metal

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 07 Solda A soldagem é um tema muito extenso. Basicamente a soldagem é a união de materiais, mas existem inúmeros processos totalmente diferentes

Leia mais

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo:

Art. 3º - Informar que as críticas e sugestões a respeito da proposta deverão ser encaminhadas para o endereço abaixo: MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 161, de 30 de setembro de 2003. CONSULTA PÚBLICA

Leia mais

C A P Í T U L O I I I O ARCO ELÉTRICO

C A P Í T U L O I I I O ARCO ELÉTRICO 10 C A P Í T U L O I I I O ARCO ELÉTRICO 1. Características do arco. O arco elétrico pode ser considerado como um condutor gasoso, que transforma energia elétrica em calor e é usado na soldagem para produzir

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação

Curso de Engenharia de Produção. Processos de Fabricação Curso de Engenharia de Produção Processos de Fabricação Soldagem MIG/MAG MIG e MAG indicam processos de soldagem por fusão que utilizam o calor de um arco elétrico formado entre um eletrodo metálico consumível

Leia mais

Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Co-Requisito: MECN0055 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2

Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO MECÂNICA. Co-Requisito: MECN0055 RESISTÊNCIA DOS MATERIAIS 2 PROGRAMA Disciplina: ENSAIOS MECÂNICOS Código: MECN0015 Carga Horária Semestral: 60 HORAS Obrigatória: sim Eletiva: Número de Créditos: TEÓRICOS: 04; PRÁTICOS: 00; TOTAL: 04 Pré-Requisito: MECN0039 MATERIAIS

Leia mais

PROCESSO DE SOLDAGEM AO ARCO ELÉTRICO. Eletrodo Revestido

PROCESSO DE SOLDAGEM AO ARCO ELÉTRICO. Eletrodo Revestido Ltda PROCESSO DE SOLDAGEM AO ARCO ELÉTRICO Eletrodo Revestido Seja bem vindo a BALMER, e. Queremos agradecer a sua visita as nossas instalações e dizer-lhe que o nosso sucesso esta diretamente ligado ao

Leia mais

ANEXO II - QUADRO DE CAPTURA DE DEMANDA - PRONATEC-PBM DESCRIÇÃO DO CURSO TIPO DE CURSO

ANEXO II - QUADRO DE CAPTURA DE DEMANDA - PRONATEC-PBM DESCRIÇÃO DO CURSO TIPO DE CURSO ANEXO II - QUADRO DE CAPTURA DE DEMANDA - PRONATEC-PBM Guia Pronatec de Cursos FIC: http://pronatec.mec.gov.br/fic Catálogo Nacional de Cursos Técnicos: http://pronatec.mec.gov.br/cnct (FIC ou Técnico)

Leia mais

3 FORMAS DE CORROSÃO 3.1. CLASSIFICAÇÃO DA CORROSÃO. 3.1.1. Mecanismos. 3.1.2. Morfologia

3 FORMAS DE CORROSÃO 3.1. CLASSIFICAÇÃO DA CORROSÃO. 3.1.1. Mecanismos. 3.1.2. Morfologia 44 3 FORMAS DE CORROSÃO Neste capítulo serão apresentadas as classificações utilizadas para corrosão em dutos considerando o mecanismo, morfologia, fenomenologia, dimensionamento e gerenciamento. 3.1.

Leia mais

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA

PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA PROTEÇÃO DE EIXOS DE BOMBAS CENTRÍFUGAS PELO PROCESSO PTA Edson Hiromassa Takano 1 Ana Sofia C.M. D Oliveira 2 hiromassa@gmail.com 1 sofmat@ufpr.br 2 1, 2 Departamento de Engenharia Mecânica, Setor de

Leia mais

CORTE A PLASMA. Figura 1 Processo Plasma

CORTE A PLASMA. Figura 1 Processo Plasma CORTE A PLASMA Introdução Desde sua invenção na metade da década de 50, o processo de corte por plasma incorporou várias tecnologias e se mantém como um dos principais métodos de corte de metais. Porém,

Leia mais

4444W-02 Sistemas Robotizados

4444W-02 Sistemas Robotizados PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA ENGENHARIA MECÂNICA 4444W-02 Sistemas Robotizados Aula 4 Aplicações da Robótica Industrial Prof. Felipe Kühne Bibliografia:

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM Construções Metálicas

CURSO DE MESTRADO EM Construções Metálicas CURSO DE MESTRADO EM Construções Metálicas DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL - ESCOLA DE MINAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO Disciplina: Tecnologia e Metalurgia de Soldagem Carga Horária: 0 Código:

Leia mais

INV300CC-3T MANUAL DE INSTRUÇÕES

INV300CC-3T MANUAL DE INSTRUÇÕES INV300CC-3T MANUAL DE INSTRUÇÕES Leia e siga todas as instruções e indicações de segurança com cuidado. Somente pessoal treinado pode instalar e operar este equipamento. Entre em contato com a CAMAR se

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 33833818

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 33833818 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo

Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Formação Inicial e Continuada (Decreto Federal nº 5154/04 e Lei Federal nº 11741/08) PLANO DE CURSO Área Tecnológica: Metalurgia

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 325ED +55 (16) 33833818

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 325ED +55 (16) 33833818 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções.

Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. São Paulo Brasil 31 de agosto a 2 de setembro, 2010 Avaliação das Principais Descontinuidades Encontradas nas Juntas Soldadas, Causas e Possíveis Soluções. Paulo Rogerio Santos de Novais * * Tecnólogo

Leia mais

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências

COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências COMPANHIA DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO Certificação de Competências CARGO AGENTE DE MANUTENÇÃO DE VEÍCULOS Área de Concentração: Funilaria de Autos 1. Os processos de soldagem podem ser classificados em três

Leia mais

CMT: Cold Metal Transfer. Processo de solda MIG / MAG com arco voltaico em curto circuito

CMT: Cold Metal Transfer. Processo de solda MIG / MAG com arco voltaico em curto circuito CMT: Cold Metal Transfer Processo de solda MIG / MAG com arco voltaico em curto circuito Um processo com menos temperatura torna o impossível, possível GERAL Alguns preferem o frio! Existem alguns materiais

Leia mais

Prêmio Soldador Padrão 2016

Prêmio Soldador Padrão 2016 Prêmio Soldador Padrão 2016 Inscrições de 01/04/2016 até 15/07/2016 INSCRIÇÕES GRATUITAS Instruções aos Competidores INTRODUÇÃO O Prêmio Soldador Padrão tem como objetivo estimular o aprendizado e o desenvolvimento

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Processos. ARC200 Inversor E.R. 200 Amp 220V Mono Boxer. www.boxersoldas.com.br. Eletrodo Reves do (SMAW) TIG (GTAW)

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Processos. ARC200 Inversor E.R. 200 Amp 220V Mono Boxer. www.boxersoldas.com.br. Eletrodo Reves do (SMAW) TIG (GTAW) Processos Eletrodo Reves do (SMAW) TIG (GTAW) MANUAL DE INSTRUÇÕES ARC200 Inversor E.R. 200 Amp 220V Mono Boxer Antes de usar, leia o Manual de Instruções Sempre Utilize EPI s www.boxersoldas.com.br Agradecimentos

Leia mais

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM

PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM PROGRAMA DE MANUTENÇÃO INDUSTRIAL POR SOLDAGEM Petróleo Exploração & Produção Know-How no Segmento Industrial de Exploração & Produção de Petróleo Visão: Gerar soluções antidesgaste visando o aumento da

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência

Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência Família PS 6000 A perfeição da engenharia em solda por resistência A Família PS 6000 é o mais recente sistema de solda por resistência

Leia mais

Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada

Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada ESCOLA SENAI DE MAUÁ Programação de Cursos de Formação Inicial e Continuada S NA ÁREA DE AUTOMAÇÃO Eletropneumática 40 27/04/2016 19/05/2016 15h 18h X X X X X Eletropneumática 40 04/07/2016 27/07/2016

Leia mais

TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

TECNOLOGIA DA SOLDAGEM CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO MARANHÃO DEPARTAMENTO DE MECÂNICA E MATERIAIS TECNOLOGIA DA SOLDAGEM Prof. Dr. Kléber Mendes de Figueiredo São Luís 2005 O presente trabalho é uma compilação de

Leia mais

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS PROTEÇÃO DA CABEÇA, FACE E OLHOS CAPACETE DE SEGURANÇA CAP1 Proteção da cabeça do usuário contra impactos provenientes de queda ou projeção de objetos. a) Casco: deve ser confeccionado em polietileno de

Leia mais

CONCURSO COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE NOVA IGUAÇU RJ

CONCURSO COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE NOVA IGUAÇU RJ CONCURSO COMPANHIA DE DESENVOLVIMENTO DE NOVA IGUAÇU RJ CONCURSO PÚBLICO PROVAS OBJETIVAS TÉCNICO DE INSTALAÇÕES Leia atentamente as INSTRUÇÕES: 1. Confira seus dados no cartão resposta: nome, número de

Leia mais

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO

FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO FICHA DE SEGURANÇA DE PRODUTO Material Safety Data Sheet MSDS ELETRODOS DENVER 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA. 1.1. EMPRESA FÁBRICA MINEIRA DE ELETRODOS E SOLDAS DENVER S/A Av. Governador Magalhães

Leia mais

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 3

Geradores de Vapor. 4º ano Aula 3 Geradores de Vapor 4º ano Aula 3 Classificação dos Geradores de Vapor Tópicos Definição Classificaçao das caldeiras Caldeiras Flamotubulares Caldeiras Aquatubulares Definição É basicamente um trocador

Leia mais

Processos de Soldagem Soldagem MIG/MAG

Processos de Soldagem Soldagem MIG/MAG Processos Soldagem MIG/MAG No Processo MIG/MAG (Gas Metal Arc Welding GMAW) é estabelecido um arco elétrico entre um eletrodo consumível nu alimentado continuamente (arame-eletrodo) e o metal de base,

Leia mais

CARTILHA DO SOLDADOR Engenharia, Fabricação e Montagem

CARTILHA DO SOLDADOR Engenharia, Fabricação e Montagem CARTILHA DO SOLDADOR Engenharia, Fabricação e Montagem www.uniaoengenharia.ind.br Servi ao SENHOR com alegria e apresentai-vos a Ele com canto. Salmos 100:2 ÍNDICE Boas Práticas de Segurança... 02 Boas

Leia mais

ANÁLISE DE REVESTIMENTO DURO DE SOLDA NO AÇO SAE 1045 COM E SEM AMANTEIGAMENTO

ANÁLISE DE REVESTIMENTO DURO DE SOLDA NO AÇO SAE 1045 COM E SEM AMANTEIGAMENTO 1 UNIJUÍ - UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DCEENG - DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E ENGENHARIAS CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA CAMPUS PANAMBI FERNANDO GUARANHI ANÁLISE

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com.

bambozzi Manual de Instruções NM 250 TURBO +55 (16) 3383 S.A.B. (Serviço de Atendimento Bambozzi) 0800 773.3818 sab@bambozzi.com. bambozzi A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

Aula 17 Projetos de Melhorias

Aula 17 Projetos de Melhorias Projetos de Melhorias de Equipamentos e Instalações: A competitividade crescente dos últimos anos do desenvolvimento industrial foi marcada pela grande evolução dos processos produtivos das indústrias.

Leia mais

/ Perfect Welding / Solar Energy / Perfect Charging. transsteel 3500/5000. / Sistema de soldagem MIG/MAG

/ Perfect Welding / Solar Energy / Perfect Charging. transsteel 3500/5000. / Sistema de soldagem MIG/MAG / Perfect Welding / Solar Energy / Perfect Charging transsteel 3500/5000 / Sistema de soldagem MIG/MAG 2 / Sobre nós / Desde 1950, desenvolvemos soluções globais inovadoras para a soldagem de resistência

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING

BOLETIM TÉCNICO PROCESSO MIG BRAZING O PROCESSO Consiste na união de aços comuns, galvanizados e aluminizados, utilizando um processo de aquecimento à arco elétrico (MIG), adicionando um metal de adição a base de cobre, não ocorrendo a fusão

Leia mais

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS

TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS TESTES REFERENTES A PARTE 1 DA APOSTILA FUNDAMENTOS DA CORROSÃO INDIQUE SE AS AFIRMAÇÕES A SEGUIR ESTÃO CERTAS OU ERRADAS 1) Numa célula eletroquímica a solução tem que ser um eletrólito, mas os eletrodos

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC 155ED +55 (16) 3383 A SSISTÊNCIAS T ÊCNICAS AUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 3383 3818 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP 15990-668

Leia mais

SOLDAGEM 4/18/2014 BIBLIOGRAFIA JUNTA SOLDADA

SOLDAGEM 4/18/2014 BIBLIOGRAFIA JUNTA SOLDADA BIBLIOGRAFIA SOLDAGEM Livro Texto: Tecnologia Metalúrgica Prof. José Luís L. Silveira Curso de graduação em Engenharia Mecânica UFRJ Centro de Tecnologia sala I-241 Introdução aos Processos de Fabricação

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ANEXO IV ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS ANEXO IV ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 1 - OBJETO 1.1 - Manutenção Mecânica do Porto de Fortaleza 2 - CONDIÇÕES 2.1 - A presente especificação tem por objetivo definir as condições mínimas para prestação de

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Oficina Rural com MDC-300ED 0800 7733818

bambozzi Manual de Instruções Oficina Rural com MDC-300ED 0800 7733818 bambozzi Consulte as Assistências Técnicas Autorizadas acesse: www.bambozzi.com.br/assistec.xls ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 Manual de Instruções BAMBOZZI PRODUTOS ESPECIAIS LTDA. Av. XV de Novembro,

Leia mais

SR Cutter Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro / 2004

SR Cutter Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro / 2004 3 SR Cutter Scotch-Brite Industrial Dados Técnicos Fevereiro / 2004 Substitui Fevereiro / 2003 Página 1 de 6 Introdução: O SR Cutter é uma ferramenta plástica (não-abrasiva) cortante com mandril metálico

Leia mais

Scientific-Research Institute of Metallurgical Heat Engineering OJSC VNIIMT

Scientific-Research Institute of Metallurgical Heat Engineering OJSC VNIIMT Ventiladores resistentes ao calor para fornos concebidos pelo VNIIMT (Instituto Russo de Investigação Científica da Termotécnica Metalúrgica) Elaboração, projetos e fabricação de fornos térmicos para aquecimento

Leia mais

Soldabilidade de Metais. Soldagem II

Soldabilidade de Metais. Soldagem II Soldabilidade de Metais Soldagem II Soldagem de Ligas Metálicas A American Welding Society (AWS) define soldabilidade como a capacidade de um material ser soldado nas condições de fabricação impostas por

Leia mais

1. Osciloscópio com as seguintes especificações mínimas. 2. Gerador de funções com as seguintes especificações mínimas

1. Osciloscópio com as seguintes especificações mínimas. 2. Gerador de funções com as seguintes especificações mínimas ANEXO 4 Especificação básica de alguns equipamentos utilizados na manutenção de equipamentos médico-hospitalares Equipamentos para manutenção de materiais eletrônicos 1. Osciloscópio com as seguintes especificações

Leia mais

ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS)

ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS) FONTES DE IGNIÇÃO ÁREA CLASSIFICADA (DEVIDO A ATMOSFERA EXPLOSIVA DE GÁS) Área na qual uma atmosfera explosiva de gás está presente ou na qual é provável sua ocorrência a ponto de exigir precauções especiais

Leia mais

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045

ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 ANÁLISE PRÁTICA DE PENETRAÇÃO DE SOLDA EM AÇO 1045 Fabiana Camila Simon (FAHOR) fs000792@fahor.com.br Marcelo Ioris (FAHOR) mi001024@fahor.com.br Tiago Perin (FAHOR) tp000722@fahor.com.br Valtair de Jesus

Leia mais

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM

FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA DA SOLDAGEM NORMA FBTS N-008 Novembro/15 Revisão 0 CRITÉRIOS PARA A QUALIFICAÇÃO E A CERTIFICAÇÃO DE SUPERVISORES E ENCARREGADOS DE SOLDAGEM FUNDAÇÃO BRASILEIRA DE TECNOLOGIA

Leia mais

CATÁLOGO DE AGRICULTURA

CATÁLOGO DE AGRICULTURA CATÁLOGO DE AGRICULTURA ESPECIAL AGRICULTURA SELEÇÃO DE PRODUTOS VOCACIONADOS PARA REPARAÇÃO, MANUTENÇÃO E PROTEÇÃO DE EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA AGRICULTURA. AO SERVIÇO DA EXPLORAÇÃO AGRÍCOLA MODERNA

Leia mais

Fontes de Energia para a Soldagem a Arco

Fontes de Energia para a Soldagem a Arco UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais Fontes de Energia para a Soldagem a Arco Prof. Paulo J. Modenesi Janeiro de 2009 Fontes de Energia para a Soldagem

Leia mais

ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior. Carga horária: 40h

ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior. Carga horária: 40h ASSOSSIAÇÃO EDUCACIONAL E TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA Ementa Tecnólogo em Manutenção Industrial Departamento de Ensino Superior DISCIPLINA: Metodologia da Pesquisa Científica Técnicas para elaboração

Leia mais

PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio

PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS. Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio PILHAS E BATERIAS COMERCIAIS Química II Professora: Raquel Malta 3ª série Ensino Médio NOMENCLATURA Pilha: dispositivo constituído unicamente de dois eletrodos e um eletrólito, arranjados de maneira a

Leia mais

SEGURANÇA DE MÁQUINAS

SEGURANÇA DE MÁQUINAS SEGURANÇA DE MÁQUINAS SITUAÇÃO PERIGOSA: Toda a situação em que uma pessoa é exposta a um ou mais riscos ou fenómenos perigosos Zona perigosa Toda a zona interior e/ou ao redor de uma máquina, na qual

Leia mais

Processos especiais de usinagem Eletroerosão

Processos especiais de usinagem Eletroerosão Processos especiais de usinagem Eletroerosão Definição: Eletroerosão é um processo de fabricação baseado em princípios de remoção por efeitos térmicos, que acontece em decorrência de carregamento elétrico

Leia mais