FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR: Uma realidade necessária

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR: Uma realidade necessária"

Transcrição

1 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL HOSPITALAR FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR: Uma realidade necessária MARIA ELIZA MARINI PITTIONI LONDRINA 2001

2 CEFAC CENTRO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FONOAUDIOLOGIA CLÍNICA MOTRICIDADE ORAL HOSPITALAR FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR: Uma realidade necessária Monografia de conclusão do curso de especialização em Motricidade Oral Hospitalar Orientadora: Mirian Goldenberg MARIA ELIZA MARINI PITTIONI LONDRINA 2001

3 Resumo: A Fonoaudiologia como ciência aplicada encontra-se em um processo de expansão do seu campo de estudos e práticas determinando o aparecimento de novas áreas específicas de atuação e pesquisa. Nesse contexto o objetivo dessa pesquisa teórica é mostrar a importância da Fonoaudiologia Hospitalar, onde o profissional fonoaudiólogo integra uma equipe multiprofissional contribuindo para a sobrevida com melhor qualidade. Este estudo nasceu de uma necessidade clínica que vivencia situações onde o paciente teria se beneficiado com a prática fonoaudiológica hospitalar inexistente na realidade social em que atuo profissionalmente. Para o alcance de tal objetivo o trabalho abordou: a definição de Fonoaudiologia Hospitalar, as diferentes áreas de atuação, o estado atual dessa prática no Brasil, contribuições para a equipe de profissionais e benefícios para o paciente e sua família. Finalmente, buscou-se analisar mais detalhadamente a atuação fonoaudiológica com pacientes disfágicos. No desenvolvimento dessa pesquisa fica claro o quanto a atuação fonoaudiológica contribui para agilizar o processo de alta hospitalar, devolvendo à sociedade um indivíduo com melhores condições de integração social. Este trabalho pretende alargar e aprofundar o saber da Fonoaudiologia Hospitalar, acreditando na contribuição desse estudo para esta nova e necessária área da Fonoaudiologia.

4 Summary: Speech Therapy, as an applied science, is in the process of expanding its fields of study and treatment leading to the appearance of new areas of research and performance. In that context the objective of this theoretical research is to show the importance of a Hospital Speech Therapist, were the professional Speech Therapist can integrate into a multi-professional team contributing to better quality treatment. This study was created by the clinical need that exists in situations were patients would have benefited from treatment by a Hospital Speech Therapist. At present these practitioners do not exist. In order to reach this study objective this study has been approached : definition of a Hospital Speech Therapist, current state of treatment in Brazil, contribution to a professional team and the patient and their families. Finally, to analyze the detailed performance of speech therapy with respect to dysphagic patients. During this research it became evident that Speech Therapy actively contributed to the overall quality of treatment received by the patient, enabling them to re-enter society better equipped with the necessary integration skills. This study is intended to enlarge and deepen the Hospital Speech Therapists Knowledge, believing that this study can contribute to this new and necessary area of Speech Therapy.

5 Dedico este trabalho aos fonoaudiólogos que lutam pelo exercício da Fonoaudiologia Hospitalar.

6 Agradecimentos: - À Deus, sempre. - Aos professores do CEFAC. - À Mirian Goldenberg, minha orientadora, pela dedicação e estímulo à prática da pesquisa. - À tia Tereza, pelo incentivo e colaboração. - Aos meus pais Adalberre e Maria Augusta, por terem me incentivado a trilhar no caminho certo. - Ao meu marido Ângelo e filhos Lucas e Isabela, pelo apoio, paciência e compreensão constantes.

7 A função da ciência não é acrescentar mais anos à vida, mas acrescentar mais vida aos anos. John Osborn

8 SUMÁRIO: 1. INTRODUÇÃO 1 2. DISCUSSÃO TEÓRICA Conceito e benefícios da Fonoaudiologia Hospitalar Objetivos do fonoaudiólogo hospitalar Formas de ação Áreas de inserção do fonoaudiólogo em hospitais O estado atual desta prática no Brasil O atendimento à família A contribuição do fonoaudiólogo junto à equipe multidisciplinar O atendimento ao paciente disfágico CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 38

9 1. Introdução: O século XX, dentre outras coisas, foi marcado por grandes e aceleradas mudanças em razão dos avanços científicos e tecnológicos em todos os campos do saber. Basta-nos tomar como referência os resultados das investigações nas áreas da Biologia e da Cibernética com aplicações no campo da saúde, mais especificamente na Medicina, tanto preventiva como curativa. Os novos recursos tecnológicos favorecem o trabalho dos profissionais da saúde, possibilitando melhores avaliações e tratamentos ao paciente. A melhora da qualidade de vida e o crescimento da taxa de sobrevida do ser humano já se faz sentir, não sem o reconhecimento de que cuidados especiais são necessários para que pacientes em situações de risco possam seguir seu percurso de vida natural. Estes fatos demandam aos profissionais das diversas áreas da saúde a buscar constante atualização e aperfeiçoamento de conhecimentos e de técnicas para o embasamento teórico e prático de suas atividades. Esse empenho no crescimento e aprofundamento do saber pode ser observado entre os profissionais da Fonoaudiologia para o melhor encaminhamento de suas práticas nas diferentes áreas ou especialidades em que atuam. É assim que uma nova abordagem sobre diagnóstico e tratamento vem sendo adotada e para cujo exercício se faz necessário o atendimento multidisciplinar aos pacientes que precisam de cuidados especiais. 1

10 No atendimento multidisciplinar cada especialista contribui com seus conhecimentos, favorecendo o desempenho profissional e beneficiando o paciente cuja recuperação se fará de modo mais ágil e completo. A inserção da Fonoaudiologia, nesse contexto, é recente mas não menos necessária, visto que o fonoaudiólogo é o profissional com uma visão única do mecanismo funcional que envolve a fono-articulação, a linguagem e as funções neurovegetativas. As informações relacionadas a este conhecimento permite a contribuição da Fonoaudiologia na definição de diagnósticos e condutas terapêuticas que propiciem melhor qualidade de tratamento. A cada ano o campo de estudos e práticas da Fonoaudiologia se expande permitindo a prática do fonoaudiólogo em novas áreas ou especialidades. Nesse desdobramento do campo de atuação da Fonoaudiologia, vem conquistando espaço a Fonoaudiologia Hospitalar. Este trabalho tem como objetivo último mostrar a importância dessa especialidade da Fonoaudiologia, onde o fonoaudiólogo integra uma equipe multiprofissional possibilitando a sobrevida com melhor qualidade. A opção pela Fonoaudiologia Hospitalar como objeto deste estudo nasceu de uma necessidade da minha prática profissional ao defrontar-me com situações próprias de atendimento hospitalar inexistente na realidade social em que atuo profissionalmente. Ilustro essa afirmação com uma situação vivenciada dentre muitas, com um paciente de Acidente Vascular Encefálico (AVE) que esteve hospitalizado durante 30 dias e apresentou entre outras seqüelas, disfagia, 2

11 impossibilitando-o de alimentar-se por via oral. Recebeu alta hospitalar usando sonda nasogástrica. A família foi orientada para procurar o tratamento fonoaudiológico clínico após 11 meses do acidente vascular sofrido, comprometendo seu prognóstico. Essa situação vivida se junta a tantas outras ocorrentes nas cidades do país onde, como resultado de muito trabalho dos fonoaudiólogos, um espaço vem sendo conquistado aos poucos para o exercício da Fonoaudiologia Hospitalar. E, é bem por isso, que essas conquistas ocorrem em cidades que não necessariamente sejam grandes metrópoles. Para o alcance do objetivo antes formulado este estudo pretende verificar: - o que vem a ser Fonoaudiologia Hospitalar; - o estado atual desta prática no Brasil; - as diferentes áreas de atuação do fonoaudiólogo em hospitais; - a contribuição do fonoaudiólogo como integrante da equipe multidisciplinar e os benefícios dela decorrente para a sua própria experiência; - os benefícios que a intervenção fonoaudiológica traz ao paciente e a família; - os benefícios para o hospital em ter um fonoaudiólogo integrando o seu corpo clínico, agilizando o tratamento e, a conseqüente redução do tempo de internação e de custos para essa instituição. - a importância do profissional fonoaudiólogo no atendimento ao paciente disfágico. 3

12 A esses aspectos me aterei no desenvolvimento deste trabalho, alargando e aprofundando o saber sobre a Fonoaudiologia Hospitalar, acreditando na contribuição deste estudo para esta área da Fonoaudiologia. 4

13 2. Discussão teórica: A Fonoaudiologia como ciência aplicada encontra-se em um processo de expansão do campo de estudos e práticas que vem se mostrando pelo rápido surgimento de áreas específicas de atuação e pesquisa. Nesse desdobramento do campo de atuação da Fonoaudiologia, vem ganhando espaço, dado o grande interesse que desperta, a Fonoaudiologia Hospitalar. Não é de se admirar, portanto, que essa área venha delimitando o seu espaço, determinando suas funções simultaneamente à definição de seus objetivos, seus fundamentos teóricos e epistemológicos, bem como suas prioridades de atuação, permitindo traçar o perfil do profissional da Fonoaudiologia Hospitalar. Fica claro que esse perfil está sujeito a novos contornos que decorrem dos avanços do conhecimento científico, tecnológico e social. Nessa linha de pensamento cabe-nos registrar a afirmação de CARRARA-DE ANGELIS (1999) de que: a abrangência desta Fonoaudiologia ainda está sendo,(...), descoberta. (p.5) Vale ainda pontuar as qualidades do profissional brasileiro que, como ressalta PELEGRINI (1999), mostra-se criativo e assume papéis que acredita influir diretamente na saúde global de sua população alvo, não obstante as dificuldades quanto a definição do seu papel na sociedade e o conhecimento restrito de suas novas atuações. Utilizarei do referencial teórico das autoras citadas acima, bem como, de LUZ, FURQUIM et al., para conceitualizar a Fonoaudiologia Hospitalar. 5

14 2.1. Conceito e benefícios da Fonoaudiologia Hospitalar: Segundo LUZ (1999), a Fonoaudiologia Hospitalar é a área da Fonoaudiologia que atua com o paciente ainda no leito de forma precoce, preventiva, intensiva, pré e pós-cirúrgica, dando inclusive respaldo técnico e prático à equipe multiprofissional onde atua, esclarecendo que o objetivo maior é impedir ou diminuir as seqüelas nas formas de comunicação, que a patologiabase possa deixar. Complementa a autora que agilizar a alta deve ser um dos objetivos da Fonoaudiologia Hospitalar, alterando os conceitos de saúde pré-existentes junto a unidade de saúde hospitalar, significando saúde como o bem estar físico e psíquico, evitando-se desta maneira as perdas e os danos que uma hospitalização possa vir a causar. Para o alcance da redução do tempo de permanência do paciente no hospital e o seu retorno à sociedade com suas funções neuro-vegetativas e formas de comunicação mais adequadas possíveis, o fonoaudiólogo necessita de formação e informações adequadas para que atenda as necessidades funcionais de seu paciente com condutas terapêuticas que possibilitem a reabilitação de estruturas alteradas. Pelegrini (1999) define Fonoaudiologia Hospitalar com base nas funções do profissional fonoaudiólogo que atua nessa área: presente em berçário de risco, pediatria, centro de atendimento intensivo e enfermaria, tem como principais objetivos: avaliação, prognóstico, participação na decisão do tipo de dieta, orientação pré-cirúrgica, tipo de sonda a ser utilizada quando necessário, adequação de funções para retirada de sonda com segurança, controle no risco de bronco aspiração e aceleração no processo de alta. 6

15 Acrescenta ainda que o fonoaudiólogo ao atuar no berçário de risco promove ganho de peso, instalação de funções estomatognáticas de forma adequada, minimizando riscos de seqüelas no desenvolvimento global, incentivo ao aleitamento materno, bem como, diagnóstico e prevenção de perdas auditivas. De acordo com CARRARA-DE ANGELIS (1999), as orientações fonoaudiológicas hospitalares pré e pós-cirúrgicas, são comprovadamente eficazes no processo de reabilitação, como também é favorável o próprio início da reabilitação muito mais precocemente, com todas as implicações positivas associadas. Refere que a atuação junto a pacientes disfágicos veio ampliar a atuação do fonoaudiólogo, antes restrita a qualidade de vida, para a manutenção da vida, possibilitando, muitas vezes a diminuição de complicações, redução do tempo de permanência no hospital, propiciando uma redução de custos para o mesmo. FURKIM (1999) refere que a contribuição que a Fonoaudiologia traz para o hospital caracteriza-se por uma avaliação precoce e um diagnóstico diferencial, como por exemplo, nos casos de disfagia em paralisia cerebral, nos quais esta atuação consegue prevenir, evitar ou minimizar complicações clínicas dos pacientes. Essas definições mostram a complexidade da Fonoaudiologia Hospitalar quanto a sua forma e função, diferenciando-a de outras áreas de atuação da Fonoaudiologia, visto que, o fonoaudiólogo hospitalar necessita conhecer conceitos de outras especialidades médicas e de reabilitação: neonatologia, pediatria, otorrinolaringologia, neurologia, pneumologia, gastroenterologia, 7

16 cardiologia, geriatria, radiologia, terapia ocupacional, fisioterapia, nutrição, enfermagem, farmacologia entre outras. A intervenção hospitalar tem um caráter mais emergencial, devendo ser objetiva, rápida e intensiva, pois mais longa que a internação venha ser, dificilmente excede 2/3 meses. Assim sendo, esse paciente atendido no hospital nem sempre dará seguimento clínico ao ter alta hospitalar, ou então irá fazê-lo com outro fonoaudiólogo, como refere FRAZÃO (1999). Ressalto nesse momento a importância de discorrer um pouco mais sobre os objetivos e as formas de ação do fonoaudiólogo no hospital, complementando Pelegrini citada anteriormente. Para tal objetivo adotarei conceitos e definições apresentados por LUZ (1999) Objetivos do fonoaudiólogo hospitalar: 1- Prover a Unidade de Saúde Hospitalar de profissional habilitado para intervenção nos distúrbios da comunicação. 2- Atuação precoce e preventiva através da triagem, avaliação, orientação e tratamento. 3- Reequilibrar alterações miofuncionais, evitando possíveis danos nos processos fonatórios e cognitivos. 4- Participar de equipe multiprofissional efetivamente traçando e atuando em condutas terapêuticas que levem ao bom prognóstico. 5- Conduzir através de avaliações específicas (de acordo com o sintoma) o paciente com alterações de comunicação. 6- Diagnosticar sintomas de distúrbios fonoaudiológico precocemente. 8

17 7- Abordar terapeuticamente as diferentes patologias encontradas na instituição hospitalar, diferentemente da Fonoaudiologia Ambulatorial. 8- Retornar à alimentação por via oral, restabelecendo funções vitais de sucção, mastigação, deglutição e fala, diminuindo o tempo de hospitalização e evitando reinternações por infecções respiratórias. 9- Evitar e/ou minimizar seqüelas nos processos de comunicação em patologias-base, ainda em evolução. 10- Participar da prevenção e do controle das infecções hospitalares. 11- Estimular e agilizar a alta hospitalar clínica, com os menores danos possíveis ao indivíduo no seu retorno à sociedade, diminuindo inclusive os custos da hospitalização F ormas de ação: - Precoce: A intervenção fonoaudiológica inicia-se tão logo os sinais vitais do paciente estejam restabelecidos pela equipe médica que o assiste. - Preventiva: atuação que dificulta, evita ou minimiza as possíveis seqüelas de comunicação. - Intensiva: o atendimento hospitalar é realizado sem horário determinado e o maior número de vezes diariamente. - Pré-cirúrgica: avaliação do estado geral do paciente e seus sintomas antes do ato cirúrgico, observando-se principalmente linguagem e motricidade oral. - Pós-cirúrgica: participação quando possível no ato cirúrgico, verificando estruturas que estão sendo manipuladas pelo cirurgião, prováveis 9

18 seqüelas e acompanhamento fonoaudiológico no Centro de Tratamento Intensivo (CTI), na Unidade de Internação (UI) ou no repouso pós-cirúrgico Áreas de inserção do fonoaudiólogo em hospitais: A prática hospitalar vem permitindo a inserção do profissional fonoaudiólogo nos seguintes setores do hospital: - Emergência. - Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) Neonatal. - Complexos Neonatal. - Maternidades. - Enfermarias de Pediatria ( desenvolvimento normal e patológico, incentivo ao aleitamento materno ). - Neuropediatria ( Traumatismo Crânio Encefálico, Hidrocefalias, Doenças Congênitas, etc ). - Clínica Médica ( Acidente Vascular Encefálico Isquêmico (AVEI), Artrites, Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV+), etc ). - Cardiologia (Insuficiência cardíaca congestiva (ICC), Cardiopatias ). - Neurocirurgia (Traumatismo Crânio Encefálico (TCE), Tumores, AVE Hemorrágico ). - Ortopedia. - Cirurgia vascular. - CTI, UI, Unidade Poli Traumatizados(UPI). - Unidade Coronariana (UNICOR). - Unidade de Queimados (CTQ). - Espaços Terapêuticos para HIV+. 10

19 - Clínica de Apoio ao Idoso. O objetivo da atuação varia de acordo com a patologia, características e condições de cada paciente. A avaliação fonoaudiológica é realizada no leito sob solicitação médica e se necessário, em concordância com o médico responsável, são solicitados exames complementares. Os resultados da avaliação vão indicar quais os procedimentos a serem tomados, orientação ou programa terapêutico. A freqüência e a duração dos atendimentos variam de acordo com os dados levantados na avaliação e o acompanhamento geralmente é realizado diariamente O estado atual desta prática no Brasil: Fica claro que o ambiente hospitalar compreende todas as possibilidades de atuação fonoaudiológica, no entanto ainda são poucos os serviços de Fonoaudiologia em hospitais e a maneira de atuação difere bastante de um profissional para outro em virtude das características individuais dessas instituições. Há uma variabilidade de forma de vínculo empregatício, carga horária determinada, remuneração, condições de trabalho específicas e área de inserção do serviço um departamento próprio ou vinculado a outro setor: neonatologia, pediatria, otorrinolaringologia, gastroenterologia, cirurgia de cabeça e pescoço, cirurgia plástica, neurologia, etc. O trabalho em hospitais exige a necessidade do conhecimento de alguns pontos específicos e inerentes ao ambiente hospitalar, tais como: estrutura de um hospital, seu funcionamento clínico e administrativo, hierarquia hospitalar, 11

20 ética, manuseio de prontuários, procedimentos de assepsia, noções de nutrição, enfermagem, medicação e até mesmo a linguagem a ser utilizada. A história da Fonoaudiologia Hospitalar no Brasil mostra que este conhecimento especializado vem sendo adquirido pelo esforço individual do profissional fonoaudiólogo que pouco puderam contar com sua formação acadêmica. Segundo PELEGRINI (1999), nos países desenvolvidos, como por exemplo a Inglaterra, a Fonoaudiologia já tem seu espaço definido e valorizado nos hospitais O atendimento à família: Neste campo de atuação é preciso lembrar que tanto o paciente quanto a família devem ser igualmente atendidos, promovendo um relacionamento sadio entre estes, objetivo este que muitas vezes entra em choque com as rotinas hospitalares. O apoio à família é fundamental em função do grau de insegurança e ansiedade que esta internação provoca, independentemente se for a primeira ou 3 ª /4 ª... internação. As preocupações são, na maioria das vezes, referentes à: prognóstico, necessidade e conseqüências do uso de sonda (nasogástrica (SNG), orogástrica (SOG), e gástrica (SG)), aspectos relativos à alimentação, nutrição e sentimentos de impotência frente ao problema. A escuta fonoaudiológica deve ultrapassar a simples classificação / avaliação dos sistemas orgânicos. Compreender a angústia da família, reduzir suas ansiedades, adequar a linguagem hospitalar as suas necessidades, perceber qual a inserção do paciente na família, orientar no sentido de oferecer suporte, informação, enfatizar a importância do envolvimento familiar e dar 12

21 condições para uma melhor atuação destes com o paciente, são aspectos tão importantes quanto o uso da técnica específica empregada na reabilitação do paciente. Assim pode-se dizer que o atendimento hospitalar abrange tanto a intervenção com o paciente quanto o apoio dado a família. Há uma frase muito significativa de MINUCHIN & FISHMAN (1990), citada por GOMES (1995), a respeito do que significa trabalho com a família: Significa reunir-se com a família, experienciar a realidade como seus membros a experienciam e tornar-se envolvidos nas interações repetidas que se formam na estrutura familiar e conceber o modo como as pessoas pensam e se comportam. Significa coparticipar para tornar-se um agente de mudança que trabalha dentro das regras do sistema familiar, com modalidades de intervenção só possíveis com essa família em particular, para produzir um modo diferente e mais produtivo de viver A contribuição do fonoaudiólogo junto à equipe multidisciplinar: No ambiente hospitalar há uma variedade de doenças atendidas, o que torna o diagnóstico difícil e passível de múltiplas considerações. Portanto, uma equipe multidisciplinar pode atender às necessidades do paciente de forma mais completa, realizando um diagnóstico mais seguro, um plano de terapia mais detalhado e eficaz, acelerando o processo de alta. Cada profissional dessa equipe deve contribuir com informações relacionadas a sua formação para se compor com o mínimo de clareza uma conduta coerente a fim de que o trabalho se torne mais efetivo do ponto de vista interdisciplinar. 13

22 A condição básica de qualquer trabalho em equipe é o respeito entre as especialidades (LOGEMANN, (1998), citado por CARRARA-DE ANGELIS (2000)).Deve-se lembrar que terapeutas e médicos exercem funções complementares, sendo impossível a apenas uma especialidade isoladamente avaliar e tratar os pacientes de modo eficiente. O fonoaudiólogo ao contribuir com as informações relacionadas a sua formação, possibilita o aprimoramento de toda a equipe, propiciando assim, melhor qualidade de atendimento ao paciente. Aos profissionais da equipe interessados em um maior aprofundamento na área, deve o fonoaudiólogo proporcionar materiais didáticos ou bibliografia. Por ser recente a participação do fonoaudiólogo como integrante da equipe multidisciplinar, é necessário que esclareça para os demais profissionais o seu papel dentro da equipe, sua área de atuação, suas contribuições, tarefas e rotinas, para que haja uma melhor compreensão por parte da equipe, e com isso, melhor integração das intervenções. De acordo com PELEGRINI ( 1999 ), neste grande quadro que forma o serviço hospitalar, o fonoaudiólogo tem a mais importante e difícil função interdisciplinar, que é unir estes profissionais e relacioná-los ao paciente e a família, possibilitando uma mesma linguagem. O profissional fonoaudiólogo que pretende atuar nessa área deve apresentar uma carta proposta ao hospital. Nesta carta deve constar sobre o trabalho fonoaudiológico, sua proposta de intervenção, justificar sua necessidade, seu custo-benefício para essa instituição, etc. Esse custobenefício refere-se a economia de materiais do uso hospitalar, estimulação 14

23 não nutritiva com bebês, alta mais precoce reduzindo gastos para os convênios entre outros O atendimento ao paciente disfágico: No ambiente hospitalar, uma das principais causas da solicitação do profissional fonoaudiólogo é no atendimento ao paciente disfágico. Nossa atuação nesta especialidade é recente no País e deve, portanto, ser elemento constante de estudo e pesquisa. Assim sendo, esta monografia previlegiará detalhar a atuação do fonoaudiólogo hospitalar nas disfagias. Antigamente, existiam poucos profissionais especialistas em disfagia e poucos eram os recursos tecnológicos disponíveis para o seu diagnóstico, consequentemente, muitos pacientes permaneciam sem diagnóstico e sem tratamento (MACEDO, 2000 ). Nos Estados Unidos, a revista Dysphagia, voltada exclusivamente para este campo, apareceu pela primeira vez em 1986, e em 1992, organizou-se a Dysphagia Rescarch Socyety para realizar pesquisas nesta área ( MARCHESAN, 1999 ). FURKIM (1998), refere que no Brasil o atendimento das disfagias no ambiente hospitalar é uma prática relativamente recente. Esta prática foi iniciada no atendimento a pacientes com câncer de laringe e UTI neonatal, há quase 12 anos, mas foi apenas a partir de 1990 que o fonoaudiólogo assumiu em alguns serviços de atendimento ao paciente agudo, disfágicos de origem neurogênica, pós-acidente Vascular Encefálico (AVE) e Traumatismo Crânio Encefálico (TCE), atendimento em UTI e semi UTI, adulta e pediátrica, determinando um estudo mais detalhado sobre a dinâmica da deglutição. 15

24 O rápido desenvolvimento de novas tecnologias, em especial nos últimos dez anos, afetou de modo profundo a abordagem dos pacientes com disfagia. A introdução da avaliação instrumental veio facilitar o diagnóstico e o tratamento desses pacientes. A antiga abordagem do paciente que permanecia com sondas e cânulas de traqueostomias cede lugar a uma nova perspectiva confiável, capaz de fornecer ao paciente uma melhor qualidade de vida. O fonoaudiólogo que atua nesta área deve ter ciência da necessidade do conhecimento profundo da função da deglutição normal à patológica, passando por um entendimento de aspectos anatômicos, neurológicos, fisiológicos, e de comportamento envolvidos nas disfagias, a fim de se obter um trabalho especializado e sem generalizações. Para FURKIN E SANTINI (1999), entender as disfagias não é tarefa fácil. Uma das razões talvez esteja na quantidade de pequenas informações que o fonoaudiólogo recebe das diversas áreas da saúde. O médico vê as disfagias como mais uma complicação do paciente, o neurologista como uma característica do quadro neurológico, o fonoaudiólogo como um distúrbio de motricidade oral, e / ou faríngea, o nutricionista como um risco de desnutrição, o pneumologista como uma possibilidade de complicação pulmonar, e o gastroenterologista está atento às complicações gastrointestinais. A família vê a alimentação como sinal de melhora, e o paciente tem apenas fome e sede. Cabe ao fonoaudiólogo, como especialista dos distúrbios da deglutição, reunir todas informações necessárias para o enriquecimento do seu trabalho com o paciente disfágico. Deve iniciar pelo conhecimento do que é normalidade. 16

25 Segundo MACEDO, GOMES E FURKIN ( 2000 ), a deglutição é um ato reflexo complexo, multissináptico, com respostas motoras padronizadas e modificáveis por alterações no estímulo, no volume e na consistência do bolo alimentar. Músculos e cartilagens da laringe são interligados por nervos periféricos através dos pares cranianos, que por sua vez estão interligados ao tronco e ao córtex cerebral do sistema nervoso central, que realiza um comando central. O sistema nervoso central é responsável por iniciar e coordenar as várias estruturas envolvidas nas fases da deglutição. FURKIN (1998), acrescenta ainda que a deglutição é um processo que deve satisfazer os requisitos nutricionais através de mecanismos fisiológicos capazes de obter o alimento, ingeri-los e assimilá-los. As estruturas anatômicas da cavidade oral responsáveis pela deglutição são: lábios, dentes, bochechas, palato duro, palato mole, úvula, mandíbula, assoalho da boca, língua e pilares amigdalianos. As estruturas anatômicas da faringe responsáveis pela deglutição são: músculos constritores da faringe, seios piriformes e cricofaríngeo (Figura 1). As estruturas anatômicas da laringe responsáveis pela deglutição são: epiglote, valéculas, vestíbulo laríngeo, ligamentos ariepiglóticos, aritenóides, bandas ventriculares, ventrículos laríngeos e pregas vocais. Segundo LOGEMAM (1983), citado por MACEDO et al. (2000), a dinâmica da deglutição é composta por quatro fases: - Fase Oral Preparatória: é a responsável pela manipulação, pela mastigação e pelo posicionamento final do bolo na cavidade oral para o transporte pela faringe. Esta fase tem grande variabilidade inter e intra 17

26 Figura 1- Visão anatômica lateral da cabeça e do pescoço relacionadas com a deglutição (MACEDO, GOMES, FURKIM,2000) 18

27 indivíduos e depende da consistência do bolo alimentar ( líquido, pastoso ou sólido ). Em relação à deglutição de líquidos na fase preparatória oral, o grau de coesão do bolo alimentar, assim como a posição da língua anterior, são de fundamental importância. A manipulação oral do bolo alimentar na boca também é importante e denota o desejo do indivíduo em sentir o sabor do alimento pelas papilas gustativas. Porém, antes da deglutição, o bolo sempre permanece coeso sobre a língua, que permanece também sempre na mesma posição: a sua parte anterior está em contato com o palato duro, seus bordos laterais estão elevados e a sua parte posterior está ocluindo o esfíncter glossopalatal. A variabilidade desta fase da deglutição também sofre influência do gosto, da temperatura e da viscosidade do bolo alimentar, assim como do nível de sensibilidade das papilas gustativas e do nível de secreção da saliva. A deglutição de pastosos na fase preparatória oral é praticamente igual à do bolo alimentar líquido. A deglutição de sólidos necessita da fase de redução do bolo alimentar, ou seja, a mastigação. Durante a fase oral preparatória, o palato mole encontrar-se-á em uma posição mais baixa, ajudando a prevenir que o bolo caia na faringe antes da deglutição ser produzida. Esta ativa inferiorização do palato mole ocorre pela contração do músculo palatoglosso. A faringe e a laringe estão em repouso. A via aérea esta aberta e a respiração nasal continua até que a deglutição ocorra. A duração desta fase é variável. - Fase Oral ou Voluntária: é a responsável pelo transporte do bolo alimentar até a faringe. Essa fase é iniciada quando a língua começa a 19

O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional?

O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional? O que o fonoaudiólogo pode realizar nas duas áreas novas: Disfagia e Fonoeducacional? Apresentadoras: Julia Speranza Zabeu Ana Paula Corrêa Orientadora: Profa. Dra. Andrea Cintra Lopes O que é a fonoaudiologia?

Leia mais

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015

Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Parecer CRFa-4ª Região nº 003/2015 Dispõe sobre a atuação fonoaudiológica na área hospitalar privada, pública e filantrópica e em atendimento domiciliar e dá outras providências O presente Parecer tem

Leia mais

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003)

30/04/2014. Disfagia. Broncoaspiração X PNM (Pikus, Levine, Yang, 2003) MESA REDONDA IV Cuidados da fonoaudiologia: Diagnóstico e tratamento do paciente disfágico pós-estubação ou traqueostomizado Fga Luciana Passuello do Vale Prodomo Disfagia Qualquer problema no processo

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR

QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR QUALIDADE E SEGURANÇA EM ASSISTÊNCIA DOMICILIAR E HOSPITALAR HOME CARE Ajudar o paciente a resgatar a qualidade de vida em sua própria residência, é o compromisso do NADH. O atendimento personalizado é

Leia mais

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a

O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a O Setor de Fonoaudiologia funciona sob a coordenação da Fonoaudióloga Mestra Gerissa Neiva de Moura Santos Cordeiro, conforme programa apresentado a seguir. COLÉGIO NOTRE DAME FONOAUDIOLOGIA PREVENTIVA

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A avaliação perceptivo auditiva é uma avaliação clássica, que, apesar de ser subjetiva, continua soberana na rotina clínica fonoaudiológica. A respeito desse assunto, julgue os itens a seguir. 41 O tempo

Leia mais

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba:

Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Serviço de Psicologia do Instituto de Neurologia e Cardiologia de Curitiba: Tem por objetivo prestar atendimento aos pacientes internados ou de forma ambulatorial no Hospital, bem como aos seus familiares,

Leia mais

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO LACTENTE COM DISFAGIA OROFARINGEA NEUROGÊNICA: ESTUDO DE CASO

INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO LACTENTE COM DISFAGIA OROFARINGEA NEUROGÊNICA: ESTUDO DE CASO ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 INTERVENÇÃO FONOAUDIOLÓGICA NO LACTENTE COM DISFAGIA OROFARINGEA NEUROGÊNICA: ESTUDO DE CASO Aline

Leia mais

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques

Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato. M.Sc.Viviane Marques Reabilitação cirúrgica dos Fissurados de lábio e palato M.Sc.Viviane Marques DIAGNÓSTICO 1º diagnóstico: Através da ultrasonografia (Entre a 12ª e 14ª semana de gestação). O diagnóstico das fissuras submucosa

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado

Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar. Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Inovações Assistenciais para Sustentabilidade da Saúde Suplementar Modelo Assistencial: o Plano de Cuidado Linamara Rizzo Battistella 04.10.2012 Universal Irreversível Heterôgeneo Perda Funcional Progressiva

Leia mais

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite

EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite EstudoDirigido Exercícios de Fixação Doenças Vasculares TCE Hipertensão Intracraniana Hidrocefalia Meningite SOMENTE SERÃO ACEITOS OS ESTUDOS DIRIGIDOS COMPLETOS, MANUSCRITOS, NA DATA DA PROVA TERÁ O VALOR

Leia mais

I - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA

I - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA I - ÁREA PROFISSIONAL FONOAUDIOLOGIA FONOAUDIOLOGIA HOSPITALAR EM FUNÇÕES OROFACIAIS Titulação: Aprimoramento Supervisora: Profª Drª Cláudia Regina Furquim de Andrade Características: (duração 12 meses)

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

Recebimento de pacientes na SRPA

Recebimento de pacientes na SRPA CURSO TÉCNICO DE ENFERMAGEM ENFERMAGEM CIRÚRGICA MÓDULO III Profª Mônica I. Wingert 301E Recebimento de pacientes na SRPA O circulante do CC conduz o paciente para a SRPA; 1.Após a chegada do paciente

Leia mais

O que é afasia? Brasilian

O que é afasia? Brasilian O que é afasia? Brasilian Provavelmente você se deparou com afasia pela primeira vez há pouco tempo. No início afasia causa muitas dúvidas, como: o que é afasia, como esta ocorre, e quais problemas adicionais

Leia mais

AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico

AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico AVC: Acidente Vascular Cerebral AVE: Acidente Vascular Encefálico DEFINIÇÃO Comprometimento súbito da função cerebral causada por alterações histopatológicas em um ou mais vasos sanguíneos. É o rápido

Leia mais

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra

Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Reabilitação da Paralisia Cerebral no CEREPAL Patrícia Zambone da Silva Médica Fisiatra Histórico Fundada no dia 02 de março de 1964 por um grupo de pais que os filhos possuíam lesão cerebral. É uma entidade

Leia mais

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1

FISCO. Saúde. Programa de Atenção. Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS ANS 41.766-1 FISCO Saúde ANS 41.766-1 Programa de Atenção Domiciliar GUIA DE PROCEDIMENTOS Prezados Associados, Para facilitar a comunicação e dirimir as principais dúvidas sobre a utilização dos nossos serviços, o

Leia mais

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO III CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO COMUM PARA TODAS AS CATEGORIAS PROFISSIONAIS SAÚDE PÚBLICA E SAÚDE COLETIVA SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS 1. História do sistema de saúde no Brasil; 2. A saúde na

Leia mais

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO

Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO Apêndice IV ao Anexo A do Edital de Credenciamento nº 05/2015, do COM8DN DEFINIÇÃO DA TERMINOLOGIA UTILIZADA NO PROJETO BÁSICO - Abordagem multiprofissional e interdisciplinar - assistência prestada por

Leia mais

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86.

Os profissionais de enfermagem que participam e atuam na Equipe Multiprofissional de Terapia Nutricional, serão os previstos na Lei 7.498/86. Regulamento da Terapia Nutricional 1. DEFINIÇÕES: Terapia Nutricional (TN): Conjunto de procedimentos terapêuticos para manutenção ou recuperação do estado nutricional do usuário por meio da Nutrição Parenteral

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

RESPOSTAS PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA

RESPOSTAS PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA RESPOSTAS PARA PERGUNTAS FREQUENTES NA ÁREA DE disfagia Disfagia é o nome dado à dificuldade para deglutir alimentos, secreções, líquidos ou saliva, desde o seu trajeto inicial na boca até a sua transição

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar

M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar M.Sc. Prof.ª Viviane Marques Fonoaudióloga, Neurofisiologista e Mestre em Fonoaudiologia Coordenadora da Pós-graduação em Fonoaudiologia Hospitalar Chefe da Equipe de Fonoaudiologia do Hospital Espanhol

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari

Audiologia. SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari SERVIÇO DE FONOAUDIOLOGIA ORGANOGRAMA Chefe de serviço: Prof. Maria Isabel Kós Vice-chefe: Prof. Rosane Pecorari Sessão de pacientes internos Motricidade oral e disfagia (pacientes internados no HU) A

Leia mais

CONCEITO ATUA TAMBÉM NA ÁREA DE SAÚDE COLETIVA,SAÚDE ESCOLAR/EDUCACIONAL E DISFAGIA. (Texto aprovado pelo Plenário do CFFa em março de 2004).

CONCEITO ATUA TAMBÉM NA ÁREA DE SAÚDE COLETIVA,SAÚDE ESCOLAR/EDUCACIONAL E DISFAGIA. (Texto aprovado pelo Plenário do CFFa em março de 2004). FONOAUDIOLOGIA CONCEITO "A FONOAUDIOLOGIA É A CIÊNCIA QUE TEM COMO OBJETO DE ESTUDO A COMUNICAÇÃO HUMANA, NO QUE SE REFERE AO SEU DESENVOLVIMENTO, APERFEIÇOAMENTO, DISTÚRBIOS E DIFERENÇAS, EM RELAÇÃO

Leia mais

Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição

Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição Marchesan IQ, Furkim AM. Manobras utilizadas na reabilitação da deglutição. In: Costa M, Castro LP. Tópicos em deglutição e disfagia. Rio de Janeiro: Medsi; 2003. p.375-84. Manobras utilizadas na reabilitação

Leia mais

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção

Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Programas Seleção Conteúdo Vagas com bolsas Vagas sem bolsa Data da seleção Processo de Trabalho em saúde: Integralidade e Cuidado do 6º ou 7º Biossegurança no trabalho, aspectos legais, suas classificações

Leia mais

Reabilitação após o câncer

Reabilitação após o câncer assistência Fisioterapia ajuda a prevenir e superar as sequelas decorrentes do tratamento oncológico Reabilitação após o câncer Durante muito tempo, o único foco do tratamento do câncer era a sobrevivência

Leia mais

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010)

Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Paralisia facial periférica Resumo de diretriz NHG M93 (agosto 2010) Klomp MA, Striekwold MP, Teunissen H, Verdaasdonk AL traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL

Serviço Social. DISCURSIVA Residência Saúde 2012 C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A. wwww.cepuerj.uerj.br ATIVIDADE DATA LOCAL HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO C COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO ACADÊMICO D A Serviço Social DISCURSIVA Residência Saúde 2012 ATIVIDADE DATA LOCAL Divulgação do gabarito - Prova Objetiva (PO) 31/10/2011

Leia mais

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria

Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria Requisitos mínimos para o programa de Residência em Pediatria O programa de Residência em Pediatria prevê 60 horas de jornada de trabalho semanal, sendo 40 horas de atividades rotineiras e 20 horas de

Leia mais

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE

UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE UNIVERSIDADE DO CONTESTADO UnC CAMPUS MAFRA/RIO NEGRINHO/PAPANDUVA NÚCLEO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE E MEIO AMBIENTE PROJETO AVALIAÇÃO INTEGRAL DA CRIANÇA MAFRA 2009 Núcleo de Ciências da Saúde e Meio Ambiente

Leia mais

Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO"

Seminário: TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO Seminário: "TURISMO DE SAÚDE NO BRASIL: MERCADO EM ASCENSÃO" FLEURY LINHA DO TEMPO Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso Uma história de sucesso

Leia mais

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2

Homeopatia. Copyrights - Movimento Nacional de Valorização e Divulgação da Homeopatia mnvdh@terra.com.br 2 Homeopatia A Homeopatia é um sistema terapêutico baseado no princípio dos semelhantes (princípio parecido com o das vacinas) que cuida e trata de vários tipos de organismos (homem, animais e plantas) usando

Leia mais

Título: Estudo da deglutição faríngea de pacientes com Doença de Machado-Joseph

Título: Estudo da deglutição faríngea de pacientes com Doença de Machado-Joseph Título: Estudo da deglutição faríngea de pacientes com Doença de Machado-Joseph Palavras-chave: doença de Machado-Joseph, disfagia, videoendoscopia Autores: Deborah Garcia Machado, Aline Epiphanio Wolf,

Leia mais

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres

Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres 2 Proposta para Implantação do Programa Atividade Física & Mulheres Ana Paula Bueno de Moraes Oliveira Graduada em Serviço Social Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUC Campinas Especialista

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Digestório. Prof. Me. Fabio Milioni. Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação ANATOMIA HUMANA I Sistema Digestório Prof. Me. Fabio Milioni Função: - Preensão - Mastigação - Deglutição - Digestão - Absorção - Defecação Sistema Digestório 1 Órgãos Canal alimentar: - Cavidade oral

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001

MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 44, DE 10 DE JANEIRO DE 2001 DO 9-E, de 12/1/01 O Ministro de Estado da Saúde, no uso de suas atribuições, Considerando a Portaria SAS/MS nº 224, de

Leia mais

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal.

e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. e (Transtornos Específicos da Aprendizagem (TEA)) Dulcelene Bruzarosco Psicóloga/Terapeuta de Família e Casal. Entre os gregos e romanos antigos, havia divergências quanto à maneira de ver e considerar

Leia mais

O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2

O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2 O PAPEL DO SERVIÇO SOCIAL EM UMA EQUIPE INTERDISCIPLINAR Edmarcia Fidelis ROCHA 1 Simone Tavares GIMENEZ 2 RESUMO: Este artigo tem como objetivo, mostrar o papel do assistente social dentro de uma equipe

Leia mais

DISFAGIA: O QUE É? GUIA DE INFORMAÇÃO E ORIENTAÇÃO DOS DISTÚRBIOS DA DEGLUTIÇÃO

DISFAGIA: O QUE É? GUIA DE INFORMAÇÃO E ORIENTAÇÃO DOS DISTÚRBIOS DA DEGLUTIÇÃO DISFAGIA: O QUE É? GUIA DE INFORMAÇÃO E ORIENTAÇÃO DOS DISTÚRBIOS DA DEGLUTIÇÃO 1 ESTRUTURAS ENVOLVIDAS NA DEGLUTIÇÃO Lábios Palato Duro Dentes Palato Mole Língua Epiglote Valécula Seios Piriformes Faringe

Leia mais

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas

História Natural das Doenças e Níveis de Aplicação de Medidas Preventivas Universidade Federal do Rio de Janeiro Centro de Ciências da Saúde Faculdade de Medicina / Instituto de Estudos em Saúde Coletiva - IESC Departamento Medicina Preventiva Disciplina de Epidemiologia História

Leia mais

Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da Pessoa com Deficiência no SUS

Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da Pessoa com Deficiência no SUS XXVIII CONGRESSO DE SECRETÁRIOS MUNICIPAIS DE SAÚDE DO ESTADO DE SÃO PAULO ABRIL 2014 UBATUBA/SP Necessidades das diferentes populações e possibilidades de respostas na construção da Rede de Cuidados da

Leia mais

REVISÃO VACINAS 15/02/2013

REVISÃO VACINAS 15/02/2013 REVISÃO VACINAS 1. Conforme a Lei Federal n o 7.498/86, que dispõe sobre o exercício da enfermagem, são atividades privativas do enfermeiro: a) administrar medicamentos e prestar consultoria de b) observar

Leia mais

PLANO DE TRABALHO IDOSO

PLANO DE TRABALHO IDOSO PLANO DE TRABALHO IDOSO Telefone: (44) 3220-5750 E-mail: centrosesportivos@maringa.pr.gov.br EQUIPE ORGANIZADORA SECRETARIO MUNICIPAL DE ESPORTES E LAZER Francisco Favoto DIRETOR DE ESPORTES E LAZER Afonso

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física

ATIVIDADE FÍSICA ASILAR. Departamento de Psicologia e Educação Física ATIVIDADE FÍSICA ASILAR Departamento de Psicologia e Educação Física 1. INTRODUÇÃO Compreensivelmente, à medida que envelhecemos podemos observar várias mudanças, tanto com relação aos nossos órgãos e

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA)

ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) ORIENTAÇÕES SOBRE O ACOMPANHAMENTO DO CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO INFANTIL (PUERICULTURA) I- Introdução O acompanhamento do crescimento e desenvolvimento, do nascimento até os 5 anos de idade, é de fundamental

Leia mais

PROJETO PSICOPEDAGOGIA. Geral: - Trabalhar o aspecto aprendizagem em toda comunidade educativa.

PROJETO PSICOPEDAGOGIA. Geral: - Trabalhar o aspecto aprendizagem em toda comunidade educativa. PROJETO PSICOPEDAGOGIA 1. OBJETIVOS: Geral: - Trabalhar o aspecto aprendizagem em toda comunidade educativa. Específicos: Discernir com os pais a importância deste vínculo da aprendizagem do seu filho;

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2015. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Paulino Botelho Código: 091 Município: São Carlos Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional: Especialização Profissional Técnica

Leia mais

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO

ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO ATUAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA EM CÂNCER DE CABEÇA E PESCOÇO Introdução A atuação da Fonoaudiológica veio a preencher uma importante lacuna no campo hospitalar. Principalmente na área oncológica ela é relativamente

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: : PROFESSOR MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Ambiente e Saúde Habilitação Profissional:Técnico em enfermagem Qualificação:

Leia mais

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012

RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 RESOLUÇÃO CREMEC nº 44/2012 01/10/2012 Define e regulamenta as atividades da sala de recuperação pós-anestésica (SRPA) O Conselho Regional de Medicina do Estado do Ceará, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP

Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Regulamento Institucional do Serviço de Apoio Psicopedagógico SAPP Art. 1 - Do serviço de apoio Psicopedagógico - SAPP O serviço de apoio

Leia mais

ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA

ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira ESCLEROSE LATERAL AMIOTRÓFICA O que é ELA? O primeiro passo para você conhecer melhor a esclerose

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA

A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA A IMPORTÂNCIA DAS TÉCNICAS MINISTRADAS NA DISCIPLINA DE RTM II PARA A ATUAÇÃO PROFISSIONAL DO DISCENTE DE FISIOTERAPIA RESUMO SILVA 1, Thays Gonçalves ALMEIDA 2, Rogério Moreira de Centro de Ciências da

Leia mais

Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância

Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância Marchesan IQ. Distúrbios Miofuncionais Orofaciais na Infância. In: Sociedade Brasileira de Otorrinolaringologia, Tratado de Otorrinolaringologia. São Paulo: Roca; 2003. V.3 cap. 54 p.520-33. Distúrbios

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP CAT Nº 018 / 2009 Assunto: Utilização do teste do copo para confirmar posicionamento de sonda nasogátrica 1. Do fato Enfermeiro solicita informações sobre checagem de posicionamento de

Leia mais

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS

O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS O PAPEL DA ENFERMAGEM NA REABILITAÇÃO CARDIACA RAQUEL BOLAS Ericeira, 11 de Fevereiro 2011 DEFINIÇÃO De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação Cardíaca é um conjunto De acordo com a OMS (2003), a Reabilitação

Leia mais

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece?

Glaucoma. O que é glaucoma? Como acontece? Glaucoma O que é glaucoma? Glaucoma é uma doença crônica do olho (que dura toda a vida), que ocorre quando há elevação da pressão intra-ocular (PIO), que provoca lesões no nervo ótico e, como conseqüência,

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES

A ACTIVIDADE FÍSICA F PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES A ACTIVIDADE FÍSICA F NA PREVENÇÃO DA IMOBILIDADE NO IDOSO EDNA FERNANDES Epidemiologia do Envelhecimento O envelhecimento da população é um fenómeno de amplitude mundial, a OMS (Organização Mundial de

Leia mais

Câncer de cabeça e pescoço

Câncer de cabeça e pescoço Câncer de cabeça e pescoço Prof. Dr. PAULO HOCHMÜLLER FOGAÇA FACULDADE DE MEDICINA UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO-RS ANATOMIA nasofaringe boca orofaringe faringe laringe parede posterior parede lateral seio

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA PROJETO PEDAGÓGICO Campo Limpo Paulista 2012 1 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM PSICOPEDAGOGIA Marcos Legais Resolução CNE CES 1 2002 Resolução CNE

Leia mais

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA

PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA PROGRAMA ATIVIDADE MOTORA ADAPTADA Angela T. Zuchetto Departamento de Educação Física, Centro de Desportos Universidade Federal de Santa Catarina Fone: 3318558 zuchetto@cds.ufsc.br Introdução O programa

Leia mais

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO

ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANEXO III REQUISITOS E ATRIBUIÇÕES POR CARGO/FUNÇÃO ANALISTA EM SAÚDE/ ASSISTENTE SOCIAL PLANTONISTA REQUISITOS: Certificado ou Declaração de conclusão do Curso de Serviço Social, registrado no MEC; E

Leia mais

PROCESSO DE PRESCRIÇÃO E CONFECÇÃO DE ÓRTESES PARA PACIENTES NEUROLÓGICOS EM UM SERVIÇO DE TERAPIA OCUPACIONAL

PROCESSO DE PRESCRIÇÃO E CONFECÇÃO DE ÓRTESES PARA PACIENTES NEUROLÓGICOS EM UM SERVIÇO DE TERAPIA OCUPACIONAL PROCESSO DE PRESCRIÇÃO E CONFECÇÃO DE ÓRTESES PARA PACIENTES NEUROLÓGICOS EM UM SERVIÇO DE TERAPIA OCUPACIONAL Lígia Maria Presumido Braccialli. (bracci@marilia.unesp.br) Aila Narene Dahwache Criado Rocha.

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

DIRETRIZ DE FONOAUDIOLOGIA

DIRETRIZ DE FONOAUDIOLOGIA DIRETRIZ DE FONOAUDIOLOGIA O Presidente da ABEPOM no uso de suas atribuições estatutárias, considerando a necessidade de atualizar as normas gerais que disciplinam o Serviço de Fonoaudiologia da ABEPOM,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social

RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014. Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social RELATÓRIO ANUAL DAS ATIVIDADES DESENVOLVIDAS / 2014 Convênio Municipal Secretaria de Desenvolvimento Social Entidade: Grupo de Pesquisa e Assistência ao Câncer Infantil Endereço: Rua Antônio Miguel Pereira

Leia mais

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa?

Doença do Refluxo Gastroesofágico o que significa? Hérnia de Hiato e Refluxo Gastroesofágico. Atualmente cresce o número de pessoas que estão apresentando sintomas relativas ao aparelho digestivo, como má digestão ou sensação de queimação no estômago entre

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão

Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão Hospital Universitário Walter Cantídio Diretoria de Ensino e Pesquisa Serviço de Desenvolvimento de Recursos Humanos Manual de Competências do Estágio dos Acadêmicos de Enfermagem-Projeto de Extensão HOSPITAL

Leia mais

SONS ORAIS: P, B T, D, C, G, F, V, S, Z, CH/X, J, L, LH, R, RR e as vogais A, Ê, É, I, Ô, Ó, U

SONS ORAIS: P, B T, D, C, G, F, V, S, Z, CH/X, J, L, LH, R, RR e as vogais A, Ê, É, I, Ô, Ó, U 1 COMO PRODUZIMOS OS SONS DA FALA? Quando falamos, o ar que vem dos pulmões, passa pela laringe (garganta) onde a voz é produzida e sobe em direção à boca. Dependendo dos movimentos dos lábios, da língua,

Leia mais

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA

DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO OBJETIVOS CLASSIFICAÇÃO INTERNACIONAL DOS DISTÚRBIOS DO SONO AASM 2006 CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA DISTÚRBIOS RESPIRATÓRIOS DO SONO CARLOS A A VIEGAS UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA OBJETIVOS Classificação dos distúrbios do sono Classificação dos distúrbios respiratórios do sono Definições: ronco, ravas (rera),

Leia mais

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE FISSURAS

PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE FISSURAS PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE FISSURAS Perguntas respondidas pelo Dr. Diógenes L. Rocha, cirurgião plástico, professor da Universidade de São Paulo e voluntário da Operação Sorriso. 1-O que é lábio leporino?

Leia mais

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA

Via Aérea Difícil. Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA Via Aérea Difícil Dr. Antonio Roberto Carraretto, TSA-SBA 2 Via Aérea Difícil Definições: Não é possível visualizar nenhuma parte das cordas vocais pela laringoscopia convencional. A intubação requer mais

Leia mais

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO

CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO CENTRO DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO O que fazer para ajudar seu familiar quando ele se encontra na UTI Versão eletrônica atualizada em Abril 2010 A unidade de terapia intensiva (UTI) é um ambiente de trabalho

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso ANEXO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 4ª etapa do curso Células e Tecidos do Sistema Imune Anatomia do sistema linfático Inflamação aguda e crônica Mecanismos de agressão por

Leia mais

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento

ROUQUIDÃO. Prevenção e Tipos de Tratamento ROUQUIDÃO Prevenção e Tipos de Tratamento O que é Rouquidão? Quais são as causas da rouquidão? Como a rouquidão é avaliada? Quando devo procurar uma avaliação especializada? Como tratar as desordens vocais?

Leia mais

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM

PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira PROCESSAMENTO AUDITIVO CENTRAL X DISTÚRBIO DE APRENDIZAGEM O que o sistema processamento auditivo

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011

PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011 PROJETO DE LEI DO SENADO, Nº 258 DE 2011 Regulamenta a profissão de quiropraxista, e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta lei regula a atividade do profissional de quiropraxia,

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico

REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP. Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico REGULAMENTO NÚCLEO DE APOIO PEDAGÓGICO/PSICOPEDAGÓGICO NAP/NAPP Capítulo I Do Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico Art. 1º O Núcleo de Apoio Pedagógico/Psicopedagógico- NAP/NAPP do Centro de Ensino

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO

ORIENTAÇÕES SOBRE O SERVIÇO DE FISIOTERAPIA SUMÁRIO ORIENTAÇÕES SOBRE O SUMÁRIO CAPÍTULO I - APRESENTAÇÃO 2 CAPÍTULO II - ENCAMINHAMENTO PARA FISIOTERAPIA - MÉDIA COMPLEXIDADE 2 CAPÍTULO III - RECEPÇÃO E AUTORIZAÇÃO DE ENCAMINHAMENTOS 3 CAPÍTULO IV - CONSULTA

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO

QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO QUEIXAS E SINTOMAS VOCAIS PRÉ FONOTERAPIA EM GRUPO [ALMEIDA, Anna Alice Figueirêdo de; SILVA, Priscila Oliveira Costa; FERNANDES, Luana Ramos; SOUTO, Moama Araújo; LIMA-SILVA, Maria Fabiana Bonfim] Centro

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down.

Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Estimulação precoce e a Terapia Ocupacional, uma união que promove o desenvolvimento psicomotor de crianças com Síndrome de Down. Conceituando a Síndrome de Down (SD) Pedromônico; Perissinoto; Ramalho

Leia mais

HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL. RODÍZIO EM NEUROINTENSIVISMO PARA RESIDENTES (160h)

HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL. RODÍZIO EM NEUROINTENSIVISMO PARA RESIDENTES (160h) HOSPITAL PELÓPIDAS SILVEIRA PROGRAMA DE ESTÁGIOS E APERFEIÇOAMENTO PROFISSIONAL PRECEPTOR RESPONSÁVEL Dra. Maria Goreth Pereira: goreth_pereira@hotmail.com PRECEPTORES ENVOLVIDOS Edna Lucia Freitas Daiana

Leia mais

Coordenação Científica. Pós-graduação de especialização em NEURO-ONCOLOGIA. para Fonoaudiólogos e Terapeutas da Fala

Coordenação Científica. Pós-graduação de especialização em NEURO-ONCOLOGIA. para Fonoaudiólogos e Terapeutas da Fala Pós-graduação de especialização em para Fonoaudiólogos e apeutas da Fala 5 NOV 0 a 0 DEZ 015 Coordenação Científica Portugal Inês Tello Rodrigues e Rita Viana Brasil Andressa Freitas e Débora Queija Meses

Leia mais

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR

MANUAL ATRIBUIÇÕES E ROTINAS PSICOLOGIA HOSPITALAR MANUAL 1 E L A B O R A Ç Ã O HGWA: Fernanda Azevedo de Souza: Coordenação, UCE Adulto (UCE I e AVC Subagudo) e Cuidados Paliativos Isabelle de Freitas Luz - Clínica Pediátrica, UCE Pediátrica e PAD Pediátrico

Leia mais

Priscila Cristina Verona Pimentel PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE UM PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA DA DISFAGIA INFANTIL

Priscila Cristina Verona Pimentel PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE UM PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA DA DISFAGIA INFANTIL Priscila Cristina Verona Pimentel PROPOSTA DE ELABORAÇÃO DE UM PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO FONOAUDIOLÓGICA DA DISFAGIA INFANTIL Trabalho apresentado à banca examinadora para conclusão do Curso de Fonoaudiologia

Leia mais