O TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO E A VIDA COTIDIANA DE SEUS PORTADORES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO E A VIDA COTIDIANA DE SEUS PORTADORES"

Transcrição

1 pag. 42 a 54 O TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO E A VIDA COTIDIANA DE SEUS PORTADORES Edilaine Cristina Hudzinski Aluna do curso de Psicologia da Faculdade Dom Bosco Josiane Schmidt Gonçalves Aluna do curso de Psicologia da Faculdade Dom Bosco Fabio Thá Psicólogo, Doutor em Estudos Linguísticos, Professor do curso de Psicologia da Faculdade Dom Bosco RESUMO A proposta deste estudo é analisar a vida cotidiana de pessoas portadoras de TOC. Esta investigação está em andamento e tem por objetivo entender como os portadores de TOC percebem sua doença e a veem no outro. A partir da criação de um grupo de apoio, pretende-se propiciar um espaço de exercício da cidadania a portadores e familiares, buscando diminuir a vergonha, o preconceito e a discriminação que estigmatizam os portadores desse transtorno. Para tal objetivo, a metodologia utilizada embasou-se nos fundamentos de abordagem qualitativa, e usou a entrevista como instrumento para a coleta de dados. Foram realizadas oito entrevistas com portadores de TOC de ambos os sexos, e algumas palestras informativas para divulgação do tema. A análise dos dados considerou a abordagem cognitivo-comportamental como base para a interpretação dos resultados. Os resultados parciais apontam a ansiedade como determinante principal da doença, demonstram que a falta de informação é uma das razões pelas quais a busca de tratamento não ocorre, e que existe grande dificuldade de lidar com os rituais devido à vergonha e ao preconceito. Seu início ocorre geralmente na adolescência, e seu diagnóstico muitas vezes não é realizado. O grupo de apoio está em fase inicial, reunindo até o momento pequeno número de participantes e, dessa maneira, os dados obtidos até o momento não apontam resultados conclusivos. PALAVRAS-CHAVE Obsessão; compulsão; ritual; ansiedade. 1 INTRODUÇÃO

2 Os transtornos emocionais e psiquiátricos estão cada vez mais presentes em nossa sociedade. Fala-se no estresse como o mal do século, na depressão como resultado de alguns problemas emocionais, e na hiperatividade para as crianças que não têm bom desempenho escolar. Mesmo assim, a falta de informação a respeito dos transtornos psiquiátricos ainda causa desconforto, preconceito, medo e até vergonha naqueles que possuem algum. Nossos estudos têm por objetivo apresentar contribuições para a vida cotidiana dos portadores do Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), esclarecendo a população que este é um problema de saúde sério, mas que existe tratamento. Trata-se de pesquisa em andamento, que busca reunir portadores em grupo, propiciando trocas de experiências e apoio mútuo. O TOC, considerado uma doença mental grave, está entre as dez maiores causas de incapacitação, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (ROSÁRIO-CAMPOS; MERCADANTE, 2000). Aproximadamente 10% dos casos tendem a um agravamento progressivo, podendo incapacitar os portadores para o trabalho e acarretar sérias limitações à convivência com outras pessoas, além de submetê-los a um grande e permanente sofrimento. Esta iniciativa tem grande importância para a população, pois visa a aprimorar o conhecimento desse transtorno, proporcionar a identificação e diminuir a vergonha dos portadores, além de trazer informações para população, pacientes e profissionais de saúde, que terão a oportunidade de esclarecer dúvidas, trocar experiências, aprender a conviver com o TOC e principalmente incentivar as pessoas a procurar tratamento. Descreve-se o Transtorno Obsessivo-Compulsivo como um transtorno mental entre os transtornos de ansiedade, incluído pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Psiquiátrica Americana (DSM-IV). Caracterizase pela presença de obsessões ou compulsões que causam um mal-estar intenso, consomem muito tempo e interferem na vida cotidiana da pessoa. A principal forma de tratamento é o uso de medicamentos, além de técnicas psicoterápicas, sendo mais utilizadas as chamadas cognitivas comportamentais (TCC). 2 METODOLOGIA 43

3 Inicialmente realizou-se uma revisão bibliográfica sobre o transtorno obsessivo-compulsivo. Em seguida, utilizou-se um roteiro semiestruturado de entrevista aberta como instrumento para coleta de informações que abordava nome, idade, escolaridade, sexo e questões voltadas à história individual de cada um, seus rituais, suas dúvidas e crenças. Também se abordam questões referentes ao cotidiano dos portadores, seu trabalho, seus relacionamentos e amizades. Realizaram-se oito entrevistas com portadores de TOC, ambos os sexos, da cidade de Curitiba, encontrados no meio social e via on line, em sites de relacionamento. Três dessas entrevistas foram realizadas pessoalmente, sendo duas destas gravadas e depois transcritas. As outras entrevistas foram feitas via on line. Adotou-se como critério de participação o diagnóstico do transtorno. Na sequência foram realizadas três palestras informativas para as agentes de saúde de duas unidades básicas de saúde da cidade de Curitiba, abordando o transtorno obsessivo-compulsivo e os objetivos da pesquisa. Solicitou-se apoio dessas agentes para divulgar o trabalho na comunidade, a fim de identificar portadores desse transtorno. As palestras tiveram duração média de 1h30min, contando com recurso áudio-visual, cartazes e fôlderes explicativos. Em seguida foram feitas duas visitas nas unidades de saúde para explicar e divulgar a proposta de estudo. Posteriormente foram distribuídos em cada unidade de saúde folhetos explicativos e cartazes com ilustrações sobre o TOC. A divulgação desta proposta também foi realizada na internet, em sites de relacionamento. Submeteu-se, então, o material obtido nas entrevistas e palestras à análise de conteúdo, procedendo-se uma leitura dos depoimentos e abstraindo-se as principais ideias sobre o tema. Os dados coletados neste estudo foram transcritos na íntegra e de forma literal. Em seguida realizou-se a articulação da fundamentação teórica levando em conta os dados obtidos. A divulgação desta pesquisa na comunidade e na internet tornou possível reunir algumas pessoas para palestras informativas a respeito do transtorno obsessivo-compulsivo, de modo a mensurar o interesse da comunidade em participar do grupo de apoio que se está formando, aberto a familiares, amigos e portadores desse transtorno. Até o momento aconteceram cinco encontros. Em dois deles não houve participação; os outros tiveram em média cinco participantes por encontro. 44

4 3 FUNDAMENTOS TEÓRICOS Há muitos séculos, pessoas com pensamentos obsessivos, blasfemos ou sexuais eram consideradas possuídas, e o tratamento focava-se na expulsão do mal. A primeira descrição do Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) teve como principais interlocutores Janet e Esquirol, na França. No início do século XIX, considerava-se o TOC uma doença de fundo emocional, que enfatizava aspectos de angústia, insegurança e culpa. No final do século XIX, passou a ser considerado manifestação de melancolia ou depressão. No início do século XX, as teorias da neurose obsessiva compulsiva voltaram-se para explicações psicológicas. Hoje o Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC) é descrito como transtorno mental entre os transtornos de ansiedade, incluído pelo Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais da Associação Psiquiátrica Americana (DSM-IV). O Transtorno Obsessivo-Compulsivo caracteriza-se pela presença de obsessões ou compulsões que causam mal-estar intenso, consomem muito tempo e interferem na vida cotidiana da pessoa em diversos aspectos: trabalho, atividades sociais, convívio familiar... Os sintomas do TOC interferem de forma acentuada na vida da família. A doença altera rotinas, exige adaptações aos sintomas. É comum a restrição ao uso de sofás, camas, roupas, toalhas, louças e talheres, bem como ao acesso a determinados locais da casa. Outros sintomas típicos são a demora no banheiro e as lavagens excessivas das mãos, das roupas e do piso da casa. Os portadores do TOC normalmente obrigam os demais membros da família a fazerem o mesmo, mas os medos exagerados, os cuidados excessivos e as exigências nem sempre são compreendidos ou tolerados pelos demais. De modo geral, essa diferença provoca discussões, atritos, exigências irritadas no sentido de não interromper os rituais ou de participar deles, dificuldades para sair de casa e atrasos que comprometem o lazer e as rotinas. Não raramente, as atitudes e dificuldades de relacionamento provocam a separação de casais ou a demissão de empregos. (CORDIOLI, 2004, p. 9). As pessoas que sofrem de TOC tendem a ocultar o problema, podendo não procurar ou demorar a buscar tratamento. Só se considera o Transtorno Obsessivo-Compulsivo uma patologia quando as obsessões ou compulsões causam sofrimento acentuado, desconforto ou prejuízo significativo, ou seja, interferem nas rotinas diárias e consomem mais de uma hora por dia da pessoa, além de preencher os critérios do DSM-IV. 45

5 Conhecido também como o transtorno das manias, o TOC caracteriza-se pela necessidade que a pessoa tem de repetir seus atos de forma compulsiva, ou seja, a pessoa não consegue evitar o ato por sua vontade. Manifesta-se sob a forma de alterações de comportamento, pensamentos e emoções. Obsessões são pensamentos ou ideias, impulsos, imagens, cenas que invadem a consciência de forma repetitiva, persistente e estereotipada, seguidos ou não de rituais destinados a neutralizá-los. São experimentados como intrusivos inapropriados ou estranhos, causando grande ansiedade e desconforto. São ideias impostas ao psiquismo, de forma incômoda, e sentidas como involuntárias. As obsessões estão tão enraizadas na consciência que não podem ser removidas por simples aconselhamento razoável nem por livre decisão. Essas ideias obrigatórias, quando exageradas e promovedoras de significativa ansiedade ou sofrimento, constituem quadro patológico. A temática das ideias obsessivas pode ser extremamente variável, entretanto, em grande número de vezes diz respeito à preocupação excessiva com sujeira, germes ou contaminação, dúvidas, preocupação com simetria, exatidão, ordem, sequência ou alinhamento, pensamentos, cenas ou impulsos indesejáveis e impróprios relacionados a sexo (comportamento sexual violento, abusar sexualmente de crianças, falar obscenidades, etc.), preocupação em armazenar, poupar, guardar coisas inúteis ou economizar, religiosidade (pecado, culpa, escrupulosidade, sacrilégios ou blasfêmias), pensamentos supersticiosos (preocupações com números especiais, cores de roupa, datas e horários, palavras, nomes, cenas ou músicas intrusivas e indesejáveis que podem provocar desgraça). As pessoas tentam ignorar ou suprir tais pensamentos, impulsos ou imagens e neutralizá-los com outros pensamentos ou ação. Reconhecem serem eles produtos de sua mente, e não exposições exteriores, como no caso de inserção do pensamento. (MAJ et al. 2005, p. 14). Compulsões são comportamentos repetitivos e intencionais, motores ou mentais, que têm como objetivo reduzir ou prevenir a ansiedade ou diminuir sentimentos desagradáveis e sofrimentos. Trata-se de comportamentos ou atos mentais repetitivos, realizados em resposta a obsessões, para prevenir algum evento ou situação temida e que não possuem conexão realística com o que visam a neutralizar ou evitar. 46

6 As compulsões aliviam momentaneamente a ansiedade associada às obsessões, levando a pessoa a realizá-las sempre que sua mente é invadida por uma obsessão. As compulsões possuem uma relação funcional (aliviar a aflição) com as obsessões. E como são bem sucedidas, as pessoas são atraídas a repetilas, em vez de enfrentar seus medos, o que acaba por perpetuá-los, tornando-se prisioneiras de seus rituais. Existem compulsões desvinculadas de medos específicos ou estruturados, que simplesmente aliviam uma sensação ruim ou angústia, ou ainda de que algo está incompleto ou incorreto. As compulsões mais comuns são lavar excessivamente as mãos; verificar várias vezes se portas e janelas estão trancadas, se as luzes estão apagadas, se o gás está desligado, repetições ou confirmações, contagens, ordem, simetria, sequência ou alinhamento, acumular, colecionar ou guardar coisas inúteis, economizar ou poupar, tocar, olhar, confessar, estalar os dedos. As compulsões mentais não são percebidas por outras pessoas, pois não acontecem mediante comportamentos motores observáveis, embora tenham a mesma finalidade, ou seja, reduzir a aflição associada a um pensamento. Alguns exemplos são rezar, contar ou repetir números, repetir palavras ou frases, relembrar cenas ou imagens, marcar datas, tentar afastar pensamentos indesejáveis, substituindo-os por pensamentos contrários. As obsessões são episódios mentais e as compulsões, episódios comportamentais. O modelo funcional do TOC implica que as compulsões não podem existir sem as obsessões, mas permite que as obsessões existam sem as compulsões (obsessivos puros). Os dados do estudo de campo para o DSM-IV indicam que a vasta maioria (acima de 90%) dos obsessivoscompulsivos manifesta tanto as obsessões como as compulsões comportamentais. (BARLOW, 1999, p. 218) Uma das preocupações mais comuns no TOC relaciona-se com a possibilidade de falhar e, em consequência, ocorrer algum desastre ou dano. Essas preocupações se manifestam através da dúvida, da incerteza, as quais, por sua vez, levam os portadores de TOC a realizar verificações ou repetições como forma de ter certeza e aliviar-se da aflição. Devido a críticas sociais e consequente vergonha dos portadores em relação aos sintomas, o TOC tende a ser secreto, podendo ser descrito como uma doença 47

7 oculta. Alguns não sabem que existe tratamento e ocultam os sintomas até mesmo de familiares e amigos; outros evitam até mesmo falar de seus medos por receio que se realizem de fato. Estudos constataram que a maioria dos portadores de TOC procuram ajuda não para os sintomas obsessivos-compulsivos, mas sim para ansiedade, depressão, estresse ou problemas de relacionamento. Grande parte dos portadores de TOC apresenta sintomas leves e leva uma vida considerada normal. Entretanto, em formas mais graves prejudicam significativamente os relacionamentos sociais e afetivos, bem como o desempenho profissional e acadêmico, levando alguns pacientes à esquiva generalizada, confinando o indivíduo em sua casa para realizar seus rituais. Segundo Maj (et al., 2005), o TOC pode iniciar em qualquer idade, desde a fase pré-escolar até adulta. Os quadros de TOC em criança são similares aos adultos, e ambos tendem a realizar seus rituais em casa e não na frente de professores, colegas e estranhos. Dificilmente as crianças pedem ajuda, e os sintomas podem não ser ego-distônico. O TOC é igualmente comum em homens e mulheres na vida adulta, sendo raro seu início depois dos 40 anos. Tem curso geralmente crônico, e se não tratado pode manter-se por toda a vida. Na infância predomina em meninos com idade entre 6 e 15 anos. Dados epidemiológicos mostram que o TOC é muito mais prevalente entre adolescentes do que se imagina. (MAJ et al., 2005, p. 123). A taxa de concordância para o Transtorno Obsessivo-Compulsivo é maior entre gêmeos monozigóticos do que nos dizigóticos. Também é maior nos parentes biológicos em primeiro grau de indivíduos com Transtorno Obsessivo-Compulsivo e em parentes biológicos em primeiro grau de indivíduo com Transtorno de Tourette, em relação à população em geral. (DSM-IV, 2002) O aparecimento do TOC na infância tende a ser uma característica familiar. Embora com pequena probabilidade, há chances de uma criança que tem um dos pais com TOC desenvolvê-lo também. Segundo Cordioli (2004), diante de algum caso de TOC na família, a chance de ocorrer outro caso aumenta de quatro a cinco vezes. Nesse caso, a natureza geral do TOC aparentemente é hereditária, mas não os sintomas a criança poderá, por exemplo, ter rituais de repetições, ao passo que a mãe lava excessivamente as mãos ou tem mania de limpeza. 48

8 Na maioria dos casos, o TOC é uma doença crônica, que exibe um curso de melhora e piora. Mesmo que o paciente esteja em tratamento, curas completas e duradouras dos sintomas são raras. Os tratamentos mais efetivos no momento incluem o uso de medicamentos e algumas técnicas psicoterápicas. Os medicamentos geralmente são a primeira escolha dos pacientes, principalmente quando, além do TOC, existem outros problemas associados, como depressão e ansiedade, por exemplo. O problema do uso dos medicamentos são os efeitos colaterais indesejáveis, e o fato de raramente eliminarem por completo os sintomas. As medicações mais comumente utilizadas para o tratamento do TOC são os inibidores da recaptação da serotonina (IRSs). Incluem o antidepressivo tricíclico clomipramina e os IRSs seletivos (IRSs) fluoxetina, fluvoxamina, paroxetina e sertralina, os quais têm demonstrado eficácia no tratamento de pacientes com TOC. (GREIST et al.,1990; JENIKE, 1992 Apud RANGE, 2001 p. 240) Uma das técnicas psicoterápicas mais utilizadas é a terapia cognitivocomportamental (TCC), efetiva especialmente quando predominam rituais, quando não existem outros problemas psiquiátricos graves e quando os pacientes se envolvem efetivamente nas tarefas de casa, parte fundamental dessa forma de tratamento. Segundo Cordioli (2008), a técnica segue etapas: avaliação do paciente e indicação do tratamento; motivação do paciente, informações psicoeducativas e estabelecimento da relação terapêutica; treinamento na identificação dos sintomas; listagem e hierarquização dos sintomas pelo grau de aflição associada; sessões de terapia; técnicas comportamentais de exposição e prevenção de resposta; modelação; estratégias especiais para o tratamento de obsessões; técnicas cognitivas para correção de pensamentos e crenças disfuncionais; prevenção de recaída, alta e terapia de manutenção. 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS Após o levantamento dos dados, analisaram-se registros de visitas, conversas e entrevistas. A partir das entrevistas e conversas com portadores de TOC, percebeu-se que essas pessoas apresentam visão bastante crítica sobre seus comportamentos acreditam que suas próprias ideias e ações são "bobas", 49

9 "ridículas", "absurdas", mas mesmo assim não conseguem evitar ou controlar seus pensamentos e ações. Por isso a grande maioria sente muita vergonha, e passa a esconder ou justificar seus rituais, não contando para ninguém, nem mesmo para familiares ou pessoas próximas. Esses dados permitem concluir que a ausência de informação reflete diretamente no tratamento que, na maioria dos casos, não ocorreu ou, quando ocorreu, não teve sequência. Nos portadores de TOC, expectativa ansiosa é fator característico, podendo ser considerada uma das causas da doença. Ansiedade também é muito comum, principalmente durante a realização dos rituais, que propiciam aplacamento da ansiedade, ou ainda quando estes não podem ser realizados. Relatos dos entrevistados, a respeito de sua vida cotidiana, traduzem grande dificuldade em conciliar os afazeres do dia-a-dia e o transtorno, visto que os portadores de TOC tendem a ocultar sua real condição e seu transtorno, limitandoos, quando possível, a ambientes onde tenham total privacidade. A realização desses rituais traz grande constrangimento. Os entrevistados relataram que muitas vezes se sentem humilhados, pelas críticas que recebem. Comentários como "isso que você faz é ridículo", "você faz isso porque quer", "se quisesse mesmo, você controlava esses comportamentos", faz com que eles se omitam ainda mais, aumentando seu sofrimento e a crença de que realmente não devem contar a ninguém. As dificuldades diárias trazem repercussão na organização da vida desses portadores, que passam a modificar sua rotina, seus hábitos e costumes, na tentativa de integrar os rituais às suas atividades. Tentam tornar suas manias, seus rituais e comportamentos algo "normal", que faça parte de seu dia-a-dia, porque assim consideram ser mais fácil encarar o transtorno. Acreditam que se o ritual fizer parte de suas vidas, se for considerado hábito e não obrigação, não há motivo para sofrimento. A maioria dos entrevistados relatou que já se acostumou a realizar os rituais, que estes fazem parte de sua vida, fazem parte deles, confundindo-os com uma característica de sua personalidade. Alguns chegaram a relatar que se trata de uma forma de passar o tempo. Percebe-se que essa forma de lidar com os rituais representa uma tentativa de autoexplicação a explicação para a realização dos rituais é automática. Cada um dos entrevistados relatou que tem uma resposta pronta para cada ritual e, mesmo quando não são questionados, vão logo se 50

10 explicando, o que demonstra tratar-se de uma tentativa de amenizar o sofrimento e diminuir a ansiedade. Segundo os entrevistados, dessa forma seguem a vida com menos sofrimento, mas sabem que o que fazem não resolve o problema, apenas disfarça os sintomas. Problemas familiares e profissionais também foram descritos como consequências do transtorno. Muitas vezes, a realização de certos rituais ou a falta de compreensão dos familiares provocam discussões, atritos e conflitos em família. Em relação à vida profissional, o problema ocorre quando os rituais precisam ser realizados no ambiente de trabalho ou quando exigem a participação de um terceiro, como chefe ou colega de trabalho. Esse fato, segundo alguns entrevistados, já foi motivo de constrangimento, ridicularização e advertências. A partir das visitas, e dos primeiros encontros realizados, foi possível perceber que amigos, familiares e portadores de TOC têm interesse em obter maiores informações a respeito desse transtorno, mas a dificuldade em falar a respeito do assunto, a vergonha e o medo de se expor como portador dificultam uma participação mais efetiva do grupo. Esses interessados muitas vezes não comparecem no dia marcado para o encontro, mas depois nos procuram para saber como foi o encontro e para dar explicações como, por exemplo, não sabia onde era, tenho vergonha, não quero falar na frente de ninguém, não sei se vou conseguir falar, e afirmar que nos próximos encontros não faltarão. Em razão das justificativas recebidas, após cada encontro percebeu-se a necessidade de oferecer sessões individuais aos interessados, com o intuito de construir sentimentos de confiança e segurança, assim os preparando para a entrada no grupo, além de demonstrar que se trata de espaço seguro, de um lugar onde as pessoas trocam experiências e encontram apoio e compreensão, e que será uma oportunidade, para muitos, de ouvir depoimentos de pessoas com o mesmo transtorno, tornando possível aprender e proporcionar apoio ao outro. Os resultados apresentados até o momento, mesmo sendo parciais, reforçam a idéia de que o transtorno obsessivo-compulsivo traz grande sofrimento e muitas dificuldades para a vida cotidiana de seus portadores, alterando hábitos e rotinas, interferindo no convívio familiar e profissional. Tais conclusões nos conduzem a afirmar que a intervenção terapêutica é fator fundamental para melhora da qualidade de vida. 51

11 O grupo de apoio permite que os portadores de TOC reconheçam entre si seu transtorno obsessivo-compulsivo. Ali se apresentam alternativas para desenvolverem novas condutas diante de suas ansiedades, concedendo-lhes a oportunidade para uma nova condição de vida, fato que os remete a procurar tratamento psicoterapêutico. 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS Este estudo teve por objetivo contribuir para a vida cotidiana dos portadores de Transtorno Obsessivo-Compulsivo (TOC), esclarecendo a eles e à população que se trata de sério problema de saúde, tentando assim reuni-los em um grupo que propicie espaço para trocas de experiências e apoio mútuo. A partir das reflexões apresentadas, observou-se que para cumprir esses objetivos é necessário conhecer a realidade concreta vivenciada pelos portadores do transtorno obsessivo-compulsivo, suas dificuldades de interação, de aceitação, suas dúvidas e seus medos. Por meio da divulgação desta pesquisa na comunidade, foi possível reunir algumas pessoas para palestras informativas a respeito do transtorno obsessivo-compulsivo e, assim, saber sobre o interesse da comunidade em participar do grupo de apoio que se está formando. Esse grupo é voltado a familiares, amigos e portadores do transtorno. Os resultados obtidos até o momento são parciais. Em razão da resistência e vergonha dessas pessoas, o número de participantes nas reuniões tem sido pequeno, possibilitando reunir no grupo de apoio uma média de cinco pessoas por encontro. Mesmo assim, já foi possível perceber que o TOC traz dificuldades para o cotidiano de seus portadores, e que o apoio e o tratamento são essenciais para sua vida. Nesse sentido, pode-se perceber que a atuação do psicólogo é fundamental. Embora o projeto se encontre em fase inicial de desenvolvimento, observa-se que as reuniões têm se constituído em espaço de orientação, informação, esclarecimentos e troca de experiências. A divulgação deste trabalho foi muito gratificante. Verificar que a comunidade se interessa pelo assunto, e que há apoio irrestrito das agentes de saúde, trouxe grande motivação para a sequência das pesquisas e do projeto de formação do grupo. Percebeu-se que os cartazes, folders e palestras foram recursos imprescindíveis para a divulgação de informações, cujo objetivo foi propiciar melhor 52

12 qualidade de vida aos portadores e seus familiares. Mesmo considerando que muitos não tenham procurado o projeto para obter maiores informações, aqueles que participaram dos primeiros encontros já tiveram a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre o transtorno, percebendo sua gravidade e até mesmo quebrando seus próprios preconceitos. Pretende-se dar continuidade a essa investigação por considerar-se que a temática é abrangente e pode ser aprofundada. Conclui-se, com isso, que o psicólogo tem muito a contribuir na vida cotidiana dessas pessoas. 6. REFERÊNCIAS BALLONE, G. J. Transtorno Obsessivo-Compulsivo. In: PsiqWeb Internet. Disponível em: <http://www.psiqweb.med.br/obscomp.html>. Acesso em: 15 mar BARLOW, David H. Manual clínico dos transtornos psicológicos. 2. ed. Tradução de: Maria Regina Borges Osório. Porto Alegre: Artmed, CORDIOLI, Aristides Volpato. Vencendo o transtorno obsessivo-compulsivo: manual da terapia cognitivo-comportamental para pacientes e terapeutas. Porto Alegre: Artmed, Terapia Cognitivo-Comportamental no Transtorno Obsessivo-Compulsivo. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/toc/tcc.pdf>. Acesso em: 16 out DALGALARRONDO, Paulo. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, DSM-IV-TR. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais. 4. ed. rev. Tradução de: Claudia Dornelles, Porto Alegre: Artmed, GUILHARDI, H. J. (org.); et al. Sobre comportamento e cognição: expondo a variabilidade. 1. ed. v. 8. Santo André: ESETec Editores Associados, KAPLAN, Harold I.; Sadock, Benjamim I. Tratado de psiquiatria. Tradução de: Dayse Batista. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, KERBAUY, R. R. (org.); et al. Sobre comportamento e cognição: psicologia comportamental e cognitiva conceitos, pesquisa e aplicação, a ênfase no ensinar, na emoção e no questionamento clínico. v. 5. Santo André: MAJ, M. et al. Transtorno obsessivo-compulsivo. 2. ed. Tradução de: Amarílis Eugênia Fernandez Miazzi. Porto Alegre: Artmed, RANGÉ, Bernard. Psicoterapias cognitivo-comportamentais: um diálogo com a psiquiatria. Porto Alegre: Artmed Editora, TORRES, Albina Rodrigues; LIMA Maria Cristina Pereira. Epidemiologia do Transtorno Obsessivo- Compulsivo: uma revisão. Revista Brasileira de Psiquiatria, São Paulo, v. 27, n. 3, set

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE

TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE TOC E A INTERFERÊNCIA NA VIDA SOCIAL DO PACIENTE Laís Rosiak 1 Rebeca Bueno dos Santos ¹ Mara Regina Nieckel da Costa 2 RESUMO O presente artigo apresenta o estudo realizado sobre o Transtorno Obsessivo

Leia mais

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental

TRANSTORNOS ANSIOSOS. Prof. Humberto Müller Saúde Mental TRANSTORNOS ANSIOSOS Prof. Humberto Müller Saúde Mental Porque nos tornamos ansiosos? Seleção natural da espécie Ansiedade e medo... na medida certa, ajuda! Transtornos de Ansiedade SINTOMAS: Reação exagerada

Leia mais

O que você deve saber sobre

O que você deve saber sobre O que você deve saber sobre TOC Transtorno Obsessivo Compulsivo Fênix Associação Pró-Saúde Mental 1. O que é TOC? O Transtorno Obsessivo Compulsivo é uma doença mental crônica (transtorno psiquiátrico),

Leia mais

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL.

TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. TRANSTORNO DE PÂNICO: ENTENDENDO MELHOR COMO ACONTECE O TRATAMENTO NA ABORDAGEM COGNITIVO COMPORTAMENTAL. * Danielle Moraes; Juliana Vieira; Marcos Fagundes. ** Cláudia Mazzoni * Alunos do curso de graduação

Leia mais

O PORTADOR DO TOC E A FAMÍLIA INTRODUÇÃO

O PORTADOR DO TOC E A FAMÍLIA INTRODUÇÃO O PORTADOR DO TOC E A FAMÍLIA INTRODUÇÃO O TOC é um transtorno cujos sintomas, em geral, têm um forte impacto sobre a família, interferindo nos momentos de lazer ou férias, nos compromissos sociais e no

Leia mais

Uma questão de TOC. Por Anderson Fernandes de Oliveira

Uma questão de TOC. Por Anderson Fernandes de Oliveira Uma questão de TOC Presenteia clientes e profissionais com manual sobre uma das doenças psiquiátricas mais populares na sociedade, mas que ainda é tratada como tabu. Aristides V. Cordioli Por Anderson

Leia mais

TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO

TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO 1. O QUE É TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO? O Transtorno Obsessivo Compulsivo, ou simplesmente TOC, é um distúrbio caracterizado pela presença de obsessões e/ou compulsões.

Leia mais

Perturbação Obsessivo-Compulsiva

Perturbação Obsessivo-Compulsiva Perturbação Obsessivo-Compulsiva - Epidemiologia - - A prevalência da POC na população geral é desconhecida - 0,05% (Rudin, 1953) - aprox. 2% (Karno e Golding, 1991; Weissman, 1993) - Epidemiologia - -

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE

CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO ANSIEDADE Gabriele Gris Kelly Cristina da Silva Cardoso Luciana

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 85/2013 Informações sobre Fluvoxamina e Alprazolan

RESPOSTA RÁPIDA 85/2013 Informações sobre Fluvoxamina e Alprazolan RESPOSTA RÁPIDA 85/2013 Informações sobre Fluvoxamina e Alprazolan SOLICITANTE Dra Maria Augusta Balbinot Juíza do JESP de São João Del Rei - MG NÚMERO DO PROCESSO nº 0625.13.004802-2 (numeração única

Leia mais

Professor: Tiago Luiz Pereira

Professor: Tiago Luiz Pereira Professor: Tiago Luiz Pereira Ansiedade: inquietação, agonia, aflição, préocupação, expectativa de um acontecimento inesperado e perigoso diante do qual a pessoa sente-se indefesa ou impotente. Dividem-se

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA.

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DOS TRANSTORNOS ALIMENTARES: ANOREXIA NERVOSA E BULIMIA NERVOSA. Daniela Dornsbach Koszeniewski¹ Flávia Souza de Freitas¹ Rosieli Ribarski Bortolotti¹ RESUMO Este artigo

Leia mais

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência.

Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. ANSIEDADE E TRANSTORNOS DE ANSIEDADE MEDO E ANSIEDADE MEDO Legado evolutivo vital que leva um organismo a evitar ameaças, tendo um valor óbvio na sobrevivência. É uma emoção produzida pela percepção de

Leia mais

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR

SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS. Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR SÍNDROMES ANSIOSAS E NEURÓTICAS Profª Melissa Rodrigues de Almeida Psicopatologia II DEPSI-UFPR Referências Psicopatologia e Semiologia dos Transtornos Mentais (Capítulos 26 e 29) Paulo Dalgalarrondo Manual

Leia mais

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH:

A seguir enumeramos algumas caracteristicas do TBH: OQUEÉOTRANSTORNOBIPOLARDO HUMOR(TBH)? O transtorno bipolar do humor (também conhecido como psicose ou doença maníaco-depressiva) é uma doença psiquiátrica caracterizada por oscilações ou mudanças de humor

Leia mais

TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO: PERGUNTAS E RESPOSTAS

TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO: PERGUNTAS E RESPOSTAS TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO: PERGUNTAS E RESPOSTAS Aristides Volpato Cordioli Elizeth Heldt Andréa Litvin Raffin INTRODUÇÃO Preocupar-se excessivamente com limpeza, lavar as mãos a todo o momento,

Leia mais

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012)

Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Ansiedade Resumo de diretriz NHG M62 (fevereiro 2012) Lieke Hassink-Franke, Berend Terluin, Florien van Heest, Jan Hekman, Harm van Marwijk, Mariëlle van Avendonk traduzido do original em holandês por

Leia mais

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira

A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira A Psiquiatria e seu olhar Marcus André Vieira Material preparado com auxílio de Cristiana Maranhão e Luisa Ferreira Transtornos Neuróticos Aspectos históricos A distinção neuroses e psicoses foi, durante

Leia mais

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH

O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH O que é Distúrbio Bipolar Bipolar Disorder Source - NIMH Distúrbio Bipolar, também conhecido como mania e depressão, é uma desordem do cérebro que causa mudanças não previstas no estado mental da pessoa,

Leia mais

PERTURBAÇÃO DE HIPERATIVIDADE E DÉFICE DE ATENÇÃO(PHDA)

PERTURBAÇÃO DE HIPERATIVIDADE E DÉFICE DE ATENÇÃO(PHDA) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE MÉRTOLA Escola EB 2,3/ES de São Sebastião de Mértola Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial 3º ano Ano Letivo: 2013/2014 Psicopatologia Geral PERTURBAÇÃO DE HIPERATIVIDADE

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET-TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba

Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Terapia Cognitivo-Comportamental dos Transtornos Alimentares Psicologia- Ulbra/Guaíba Profa. Mestre Cláudia Galvão Mazzoni Fabiana Lima Rosinski Lisiane Botelho Ferreira Patrícia dos Santos Silveira Resumo:

Leia mais

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal

Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Faculdade de Medicina UFRGS Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Disciplina: Med 8834 - Psiquiatria Roteiro de Estudo de Caso Prof. Aristides Volpato Cordioli 1. DADOS DA IDENTIDADE DO PACIENTE

Leia mais

O que é TOC? O transtorno obsessivocompulsivo,

O que é TOC? O transtorno obsessivocompulsivo, UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 2015 O transtorno obsessivocompulsivo, conhecido popularmente pela sigla TOC, é um distúrbio psiquiátrico de ansiedade. Sua principal característica

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência

Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência Dr. Gustavo Teixeira Psiquiatria da infância e adolescência www.comportamentoinfantil.com EPIDEMILOGIA 10-20% da população infanto-juvenil (AACAP 2002) Blumenau 61.600 matrículas (IBGE 2008) 6.160 estudantes???

Leia mais

TEA Módulo 4 Aula 5. Tics e Síndrome de Tourette

TEA Módulo 4 Aula 5. Tics e Síndrome de Tourette TEA Módulo 4 Aula 5 Tics e Síndrome de Tourette Os tics são um distúrbio de movimento que ocorrem no início da infância e no período escolar. É definido pela presença crônica de múltiplos tics motores,

Leia mais

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR:

o intuito de resolver problemas ligados à aprendizagem / estimulação. AVALIAÇÃO DO PERFIL E DESENVOLVIMENTO PSICOMOTOR: Glossário ALUCINAÇÕES: Experiências perceptivas (sensações) tomadas por reais na ausência de estímulo externo correspondente. Para o doente é impossível distinguir as alucinações das verdadeiras percepções.

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

CARTILHA. Um dia de cada vez

CARTILHA. Um dia de cada vez CARTILHA Um dia de cada vez ÍNDICE APADEQ ESTRUTURA TRATAMENTO EM VILA ESPERANÇA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA AMBULATORIAL PÚBLICO TIPOS DE ASSISTÊNCIA SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA TERAPÊUTICA RESIDENCIAL

Leia mais

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO

CONVERSA DE PSICÓLOGO CONVERSA DE PSICÓLOGO Página 1 CONVERSA DE PSICÓLOGO Volume 05 - Edição 01 Agosto - 2013 Entrevistada: Géssica Denora Ribeiro Entrevistadora: Priscilla Araújo Taccola TEMA: ENCOPRESE E ENURESE INFANTIL Psicóloga Analista do

Leia mais

KratsPsiquê. A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc.

KratsPsiquê. A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc. DEPRESSÃO A depressão está muito ligada ao suicídio. Índices avaliados: níveis de tristeza, insatisfação, culpa, insônia, punição, etc. BDI- Inventário de Depressão Beck: a medição é feita por escores

Leia mais

PSICOTERAPIA INFANTIL

PSICOTERAPIA INFANTIL PSICOTERAPIA INFANTIL Claudia Ribeiro Boneberg 1 Demarcina K. Weinheimer 2 Ricardo Luis V. de Souza 3 Ramão Costa 4 Me. Luiz Felipe Bastos Duarte 5 1 TEMA Psicoterapia psicanalítica infantil 1.1 DELIMITAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT

INSTITUTO DE TREINAMENTO E PESQUISA EM GESTALT TERAPIA DE GOIÂNIA-ITGT Disciplina: Psicopatologia Grupo de Especialização: XXIII Período: 2013/1 Carga horária: 30 hs/a Dia: 4ª feira Horário: 18:30 às 20:10 Professora: Sandra Albernaz L. M. Saddi Monitor: Raphael Basílio Ementa

Leia mais

TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA NO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE

TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA NO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE TERAPIA COMPORTAMENTAL DIALÉTICA NO TRANSTORNO DE PERSONALIDADE BORDERLINE Priscila Sardi Cerutti Acadêmica do VIII nível do Curso de Psicologia e Bolsista Desempenho da Faculdade Meridional IMED priscilacerutti@yahoo.com.br

Leia mais

Conviver com POC. Oficina de Psicologia www.oficinadepsicologia.com

Conviver com POC. Oficina de Psicologia www.oficinadepsicologia.com Conviver com POC Oficina de Psicologia www.oficinadepsicologia.com O que é a perturbação obsessivo-compulsiva? Todos nós somos, por vezes, tomados de assalto por pensamentos, impulsos ou imagens mentais

Leia mais

A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO

A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO 1 A TÉCNICA COGNITIVA DE REGISTRO DE PENSAMENTOS DISFUNCIONAIS NA DEPRESSÃO Giuliana Silva Ferrão Fernanda Pasquoto Souza Resumo: Este artigo apresenta o relato da prática e uma revisão teórica da disciplina

Leia mais

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade

Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Orientações a respeito do Transtorno do Déficit de Atenção e Hiperatividade Nathália Fernandes Andreza Aparecida Polia Ranielí Gonçalves de Souza Halessandra Medeiros O Transtorno do Déficit de Atenção

Leia mais

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental

DEPRESSÃO. O que você precisa saber. Fênix Associação Pró-Saúde Mental DEPRESSÃO O que você precisa saber Fênix Associação Pró-Saúde Mental Eu admito que preciso de ajuda, pois sozinho não consigo... (Grupo Fênix: Os 6 Passos para a Recuperação) a 1 Edição São Paulo 2010

Leia mais

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento

MÓDULO 1. Psicoeducação, organização e planejamento MÓDULO 1 Psicoeducação, organização e planejamento Psicoeducação e introdução a habilidades de organização e planejamento Sessão 1 (Corresponde aos Capítulos 1, 2 e 4 do Manual do paciente) MATERIAIS NECESSÁRIOS

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8

Fator emocional. Fertilidade Natural: Fator emocional CAPÍTULO 8 CAPÍTULO 8 Fator emocional O projeto comum de ter filhos, construir a própria família, constitui um momento existencial muito importante, tanto para o homem como para a mulher. A maternidade e a paternidade

Leia mais

PARECER TÉCNICO. Núcleo de Apoio à Vítima de Estupro (NAVES) Rua Tibagi, 779, Gabinete 803, Centro, Curitiba PR, telefone 3250-4022.

PARECER TÉCNICO. Núcleo de Apoio à Vítima de Estupro (NAVES) Rua Tibagi, 779, Gabinete 803, Centro, Curitiba PR, telefone 3250-4022. PARECER TÉCNICO Atendendo à solicitação da Procuradora de Justiça Coordenadora do Núcleo de Apoio à Vítima de Estupro (NAVES), Dra. Rosângela Gaspari, eu, Erica A. C. M. Eiglmeier, psicóloga, venho apresentar

Leia mais

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO

DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO DEPRESSÃO CONHECENDO SEU INIMIGO E- BOOK GRATUITO Olá amigo (a), A depressão é um tema bem complexo, mas que vêm sendo melhor esclarecido à cada dia sobre seu tratamento e alívio. Quase todos os dias novas

Leia mais

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET

Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2. Como ter uma vida sexual plena e feliz. www.lpm.com.br L&PM POCKET Laura Meyer da Silva SEXO: MUITO PRAZER 2 Como ter uma vida sexual plena e feliz www.lpm.com.br L&PM POCKET 3 3 Quando a ejaculação prematura reforça a angústia Ejaculação rápida, ejaculação prematura

Leia mais

Transtorno de Ansiedade. Manual Informativo

Transtorno de Ansiedade. Manual Informativo Transtorno de Ansiedade Manual Informativo O que são? Principais sintomas dos transtornos de ansiedade Transtornos associados ou comorbidades Grupo de risco Diagnóstico Tratamento variantes e dificuldades

Leia mais

DE MANHA A MANIA DO COMPORTAMENTO DE REPETIÇÃO AO TOC ASPECTOS NEUROPSICOLÓGICOS DO TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO

DE MANHA A MANIA DO COMPORTAMENTO DE REPETIÇÃO AO TOC ASPECTOS NEUROPSICOLÓGICOS DO TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO DE MANHA A MANIA DO COMPORTAMENTO DE REPETIÇÃO AO TOC ASPECTOS NEUROPSICOLÓGICOS DO TRANSTORNO OBSESSIVO COMPULSIVO 2013 Renata Reis Pereira Estudante do curso de Psicologia do Centro Universitário Jorge

Leia mais

BULIMIA TRANSTORNOS ASSOCIADOS

BULIMIA TRANSTORNOS ASSOCIADOS BULIMIA Dando continuidade ao nosso estudo sobre BULIMIA NERVOSA daremos ênfase a outros tipos de transtorno que muitas vezes são associados a BULIMIA, a características mais evidentes desse transtorno

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL N.º 01/2015 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 07 TÉCNICO DE ENFERMAGEM (Saúde Mental e Psiquiatria) 01. C 11. E 21. D 02. E 12.

Leia mais

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS

TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS TRANSTORNOS DE HUMOR NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA PELA PERSPECTIVA DA NEUROBIOLOGIA E AÇÕES MEDICAMENTOSAS Marina Aparecida Luiz de Freitas 1 ; Sandra Cristina Catelan-Mainardes 2 RESUMO: O presente estudo

Leia mais

Sumário. 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13. 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16

Sumário. 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13. 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16 Sumário Prefácio... 9 1 O início do enigma: o diagnóstico e suas angústias... 13 2 Transtorno bipolar: a doença da instabilidade... 16 As faces do transtorno bipolar... 20 Depressão... 22 Sintomas da depressão...

Leia mais

Autismo e Aprendizagem

Autismo e Aprendizagem Autismo e Aprendizagem O termo autismo origina-se do grego autós, que significa de si mesmo. Foi empregado pela primeira vez pelo psiquiatra suíço Bleuler, em 1911, que buscava descrever a fuga da realidade

Leia mais

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam.

silêncio impresso pela família. Os sentimentos são proibidos por serem muito doloridos e causarem muito incômodo. O medo e a vergonha dominam. Introdução O objetivo deste trabalho é compreender a possível especificidade das famílias nas quais um ou mais de seus membros apresentam comportamento adictivo a drogas. Para isto analisaremos que tipos

Leia mais

2 A classificação dos transtornos de ansiedade: aspectos históricos

2 A classificação dos transtornos de ansiedade: aspectos históricos 2 A classificação dos transtornos de ansiedade: aspectos históricos A vontade do Homem de entender a origem patológica da ansiedade vem de longa data, provavelmente desde a Grécia Antiga, em que as explicações

Leia mais

Lidando com uma experiência difícil de parto e onde obter ajuda

Lidando com uma experiência difícil de parto e onde obter ajuda Lidando com uma experiência difícil de parto e onde obter ajuda Eu tive flashbacks dos momentos finais do parto por semanas e não pude parar de pensar nisto Eu culpo a mim mesma por não ter tido um bom

Leia mais

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP

Psicoterapia e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP e Psicofarmacologia. Como optar ou associá-las? Hewdy Lobo Ribeiro Psiquiatra Forense e Psicogeriatra AMBULIM e ProMulher IPq - USP Estudo da forma e função dos Psicofármacos Psicofármacos / Psicotrópicos

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014

A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 A CONTRIBUIÇÃO DA TERAPIA COGNITIVO- COMPORTAMENTAL COM PACIENTES EM SITUAÇÕES DE CRISE EDSON VIZZONI PSICÓLOGO IBH ABRIL 2014 Um estado temporário de perturbação e desorganização, caracterizado principalmente

Leia mais

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos

Promoção de Experiências Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Positivas Crianças e Jovens PEP-CJ Apresentação geral dos módulos Universidade do Minho Escola de Psicologia rgomes@psi.uminho.pt www.psi.uminho.pt/ www.ardh-gi.com Esta apresentação não substitui a leitura

Leia mais

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB

DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA. Silvana C. Maciel UFPB DROGAS E FAMÍLIA: SOBRECARGA Silvana C. Maciel UFPB CONCEITO DE DROGA Droga é qualquer substância que, não sendo produzida pelo organismo, tem a propriedade de atuar sobre um ou mais de seus sistemas,

Leia mais

TRANSTORNOS DE ANSIEDADE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA

TRANSTORNOS DE ANSIEDADE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA TRANSTORNOS DE ANSIEDADE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA II curso Transtornos Afetivos ao Longo da Vida GETA TRANSTORNOS DE ANSIEDADE NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA Após os transtornos de déficit de atenção/hiperatividade

Leia mais

REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA

REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA 1 REABILITAÇÃO AOS DEPENDENTES QUÍMICOS EM EMPRESA DE ECONONIA MISTA Cláudia Cristina Augusto Currículo: Pedagogia pela - Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1996-1999); Pós-Graduação em Pedagogia

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR

RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR 178 RELATO DE EXPERIÊNCIA ACERCA DA AVALIAÇÃO E TRATAMENTO COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE UM CASO DE TRANSTORNO ALIMENTAR Renan Meirelles da Silva Luciano Haussen Pinto Centro Universitário Franciscano Resumo

Leia mais

A Formulação Cognitivo-Comportamental dos Sentimentos de Insegurança Denise Amorim Rodrigues e Edson Vizzoni - E-mail: npcc@npcc.com.

A Formulação Cognitivo-Comportamental dos Sentimentos de Insegurança Denise Amorim Rodrigues e Edson Vizzoni - E-mail: npcc@npcc.com. A Formulação Cognitivo-Comportamental dos Sentimentos de Insegurança Denise Amorim Rodrigues e Edson Vizzoni - E-mail: npcc@npcc.com.br Inúmeras são as razões pelas quais uma pessoa busca psicoterapia.

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE PSICOLOGIA Ementário/abordagem temática/bibliografia básica (3) e complementar (5) Morfofisiologia e Comportamento Humano Ementa: Estudo anátomo funcional

Leia mais

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico

Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico Aplicação da terapia cognitiva na depressão: análise de caso clínico * Ana Carolina Diethelm Kley Introdução O objetivo do tratamento em terapia cognitiva no caso dos transtornos afetivos, grupo que engloba

Leia mais

ESCALA DE ACOMODAÇÃO FAMILIAR PARA OTRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVOPONTUADA PELO ENTREVISTADOR (FAS-IR)

ESCALA DE ACOMODAÇÃO FAMILIAR PARA OTRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVOPONTUADA PELO ENTREVISTADOR (FAS-IR) ESCALA DE ACOMODAÇÃO FAMILIAR PARA OTRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVOPONTUADA PELO ENTREVISTADOR (FAS-IR) Desenvolvida por: Calvocoressi L, Mazure CM, Van Noppen B,Pato M, Price LL.Traduzida e adaptada por:

Leia mais

Prevenção em saúde mental

Prevenção em saúde mental Prevenção em saúde mental Treinar lideranças comunitárias e equipes de saúde para prevenir, identificar e encaminhar problemas relacionados à saúde mental. Essa é a característica principal do projeto

Leia mais

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável.

A Saúde mental é componente chave de uma vida saudável. Transtornos mentais: Desafiando os Preconceitos Durante séculos as pessoas com sofrimento mental foram afastadas do resto da sociedade, algumas vezes encarcerados, em condições precárias, sem direito a

Leia mais

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho-

Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- Bipolaridade Curso Profissional de Técnico de Apoio Psicossocial- 2º ano Módulo nº5- Semiologia Psíquica Portefólio de Psicopatologia Ana Carrilho- 11ºB Enquadramento Filme Mr.Jones Mr.Jones é um homem

Leia mais

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde

A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde A Saúde Mental dos Trabalhadores da Saúde Tatiana Thiago Mendes Psicóloga Clínica e do Trabalho Pós-Graduação em Saúde e Trabalho pelo HC FM USP Perita Judicial em Saúde Mental Panorama da Saúde dos Trabalhadores

Leia mais

TEMA: Quetiapina e citalopram para tratamento misto ansioso e depressivo

TEMA: Quetiapina e citalopram para tratamento misto ansioso e depressivo NTRR 41/2013 Solicitante: Juiza Dra.Sabrina da Cunha Peixoto Ladeira Número do processo: 051213001877-7 Réu: Estado de Minas e Município de Pirapora Data: 11/04/2013 Medicamento X Material Procedimento

Leia mais

Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental

Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental Desafios contemporâneos da clínica psicológica na promoção de saúde mental Resumo Simpósio DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS DA CLÍNICA PSICOLÓGICA NA PROMOÇÃO DE SAÚDE MENTAL. Neuza Cristina dos Santos Perez (Grupo

Leia mais

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids

- VÍDEO DEBATE - aconselhamento. DST/HIV/aids GUIA - VÍDEO DEBATE - aconselhamento DST/HIV/aids Ministério da Saúde Secretaria de Políticas de Saúde Coordenação Nacional de DST e Aids Paulo R. Teixeira Coordenador Rosemeire Munhoz Assessora Técnica

Leia mais

Casa de Apoio Médico e Psicológico

Casa de Apoio Médico e Psicológico ÍNDICE INTRODUÇÃO 02 I CONCEITO 03 II FASES DE PROGRESSÃO DA DEPENDÊNCIA 04 QUÍMICA III TRATAMENTO 05 IV PROCESSO DE RECUPERAÇÃO 06 V RECAÍDA 08 VI CO-DEPENDÊNCIA 11 1 A Dependência Química (DQ) é uma

Leia mais

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO

OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO 1 RESUMO OS EFEITOS DAS EMOÇÕES NEGATIVAS NA SAÚDE DE NOSSO CORPO Glória Maria A. F. Cristofolini Nada se passa na mente que o corpo não manifeste, cita Hermógenes. Quando a medicina ocidental passou a

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA

UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Enfermagem Disciplina: Cuidar de Enfermagem em Saúde Mental Carga Horária: 90 h Teórica: 60h Prática: 30h Semestre: 2013.1 Professor: Cilene Duarte da

Leia mais

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA)

TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) TRAUMA PSÍQUICO ORIENTAÇÕES GERAIS AOS MÉDICOS NÚCLEO DE ESTUDOS E TRATAMENTO DO TRAUMA (NET TRAUMA) SERVIÇO DE PSIQUIATRIA HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE (HCPA) DEPARTAMENTO DE PSIQUIATRIA UNIVERSIDADE

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM GRUPO PARA O TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO MANUAL DA TERAPIA

TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL EM GRUPO PARA O TRANSTORNO OBSESSIVO-COMPULSIVO MANUAL DA TERAPIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Faculdade de Medicina - Departamento de Psiquiatria e Medicina Legal Serviço de Psiquiatria Programa Transtornos de Ansiedade

Leia mais

EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO

EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO EXEMPLOS DE QUESTÕES DA PROVA DE NIVELAMENTO DE PORTUGUÊS PRODUÇÃO DE TEXTO QUESTÕES QUE ENVOLVEM CONHECIMENTO RELATIVO À NORMA CULTA DA LÍNGUA (CONCORDÂNCIA VERBAL, REGÊNCIA VERBAL E NOMINAL, PONTUAÇÃO,

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS

IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS IDENTIFICAÇÃO PRIMÁRIA DE SINTOMAS DO TRANSTORNO DEPRESSIVO MAIOR E A BUSCA POR PROFISSIONAIS ESPECIALIZADOS Cayla Aparecida de Sousa 1 ; Cícero Marcelo Félix Junior 1 ; Sandra Cristina Catelan- Mainardes

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade

RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade RESPOSTA RÁPIDA 122/2014 Informações sobre transtorno de ansiedade generalizada e distúrbio de déficit de atenção e hiperatividade SOLICITANTE Dra. Renata Abranches Perdigão Juíza de Direito do JESP da

Leia mais

Fundamentos da Abordagem

Fundamentos da Abordagem 03/08/01 Fundamentos da Abordagem cognitivocomportamental Ementa: Os fatores históricos do surgimento da Terapia Cognitivo- Comportamental. Conceitos, pressupostos teóricos e os processos básicos da Teoria

Leia mais

Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses. Personalidade. Personalidade 26/09/2015. PUC Goiás Prof.ª Otília Loth

Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses. Personalidade. Personalidade 26/09/2015. PUC Goiás Prof.ª Otília Loth Transtornos de Personalidade e Implicações Forenses PUC Goiás Prof.ª Otília Loth Personalidade Personalidade é uma totalidade relativamente estável e previsível de traços emocionais e comportamentais que

Leia mais

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA

O DIAGNÓSTICO DOS TRANSTORNOS DO ESPECTRO DO AUTISMO TEA 1 MARIA ELISA GRANCHI FONSECA Psicóloga Mestre em Educação Especial UFSCAR TEACCH Practitioner pela University of North Carolina USA Coordenadora de Curso INFOCO FENAPAES UNIAPAE Coordenadora CEDAP APAE

Leia mais

ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA

ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA ORIENTAÇÃO ÀS CHEFIAS NAS SITUAÇÕES DE FUNCIONÁRIOS COM PROBLEMAS DE ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS. O PAPEL DA CHEFIA Como chefe de alguém que apresenta problemas relacionados ao uso de álcool e/ou outras drogas,

Leia mais

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES

CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CÂNCER DE MAMA:PERSPECTIVAS SOBRE AS RELAÇÕES FAMILIARES Simone Lemos 1 ; Suzei Helena Tardivo Barbosa 2 ; Giseli

Leia mais

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental

Avaliação. Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA. MSc. Psicologia. Esp. Neusopsicologia. Esp.Psicopedagogia. Terapeuta Cognitivo-Comportamental Avaliação & Formulação de Caso BETANIA MARQUES DUTRA MSc. Psicologia Esp. Neusopsicologia Esp.Psicopedagogia Terapeuta Cognitivo-Comportamental Coordenadora do Curso de TCC Aplicada a crianças e adolescentes

Leia mais

TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL

TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM TABAGISMO TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL BASE METODOLÓGICA, ENFOQUE, TÉCNICAS E FERRAMENTAS MAIS COMUNS FORMAS DE TERAPIA: INDIVIDUAL OU GRUPAL VERA LÚCIA GOMES BORGES CENTRO

Leia mais

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos

Guia de Tratamento para Dependentes Químicos. Tudo isso você vai saber agora neste Guia de Tratamento para Dependentes Químicos Guia de para Dependentes Químicos O que fazer para ajudar um dependente químico? Qual é o melhor procedimento para um bom tratamento? Internação Voluntária ou Involuntária Como decidir? Como fazer? O que

Leia mais

Para que serve a terapia?

Para que serve a terapia? Para que serve a terapia? Por Matias José Ribeiro Para um número cada vez maior de pessoas, fazer terapia tem sido uma maneira de superar suas angústias existenciais e conquistar um pouco mais de felicidade.

Leia mais

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual

Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Palestra Depois do Abuso Sexual Como encaminhar e lidar com criança vítima de abuso sexual Guilherme Schelb, Promotor de Justiça da Infância em Brasília (1992-1995), especialista em temas da infância e

Leia mais

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso?

1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano. Vamos falar sobre isso? 1 em cada 4 pessoas são afetadas por um problema de saúde mental a cada ano Vamos falar sobre isso? Algumas estatísticas sobre Saúde Mental Transtornos mentais são frequentes e afetam mais de 25% das pessoas

Leia mais

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química

Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Especialistas em Alcoolismo e Dependência Química Entenda como funciona A Clínica Viva desenvolveu um programa intensivo de reabilitação do alcoolismo com abordagem médica e psicoterapêutica individual

Leia mais

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não?

Dependência Química. Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Dependência Química Por que algumas pessoas ficam dependentes de drogas e outras não? Os fatores relacionados ao desenvolvimento da dependência química são variados. O fator genético está bem estabelecido.

Leia mais

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo

TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE. Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo TRANSTORNOS DE PERSONALIDADE Prof. Me. Jefferson Cabral Azevedo PSICOPATOLOGIA Psicopatologia é uma área do conhecimento que objetiva estudar os estados psíquicos relacionados ao sofrimento mental. É a

Leia mais

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM

DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM As dificuldades podem advir de fatores orgânicos ou emocionais. É importante descobri-las a fim de auxiliar o aluno no processo educativo. Além disso, é essencial que todos

Leia mais

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO

A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER. Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A CRIAÇÃO DE DESENHOS-ESTÓRIAS NA PSICOTERAPIA DE UM ADOLESCENTE COM SÍNDROME DE ASPERGER Bráulio Eloi de Almeida Porto RESUMO A Síndrome de Asperger, patologia do espectro do autismo, mantém preservada

Leia mais

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes

Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Uso de substâncias psicoativas em crianças e adolescentes Alessandro Alves A pré-adolescência e a adolescência são fases de experimentação de diversos comportamentos. É nessa fase que acontece a construção

Leia mais

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões:

O modelo biomédico da medicina pode ser entendido partir do nível das respostas que dá às seguintes questões: Ogden, J.(1999). Psicologia da Saúde. Lisboa: Climepsi Editores, Capitulo 1. Capítulo 1. Uma Introdução a Psicologia da Saúde Antecedentes da Psicologia da Saúde O século XIX Foi no decorrer do século

Leia mais