DEFICIÊNCIA AUDITIVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEFICIÊNCIA AUDITIVA"

Transcrição

1 DEFICIÊNCIA AUDITIVA SANTOS, Luciana de Sousa 1 RESUMO: O presente artigo tem como proposta trazer temas questionadores e atualizados com relaéño â DeficiÜncia Auditiva. No passado, costumava-se achar que a surdez era acompanhada por algum tipo de däficit de inteligüncia. Entretanto, com a inclusño dos surdos no processo educativo, compreendeu-se que eles, em sua maioria, nño tinham a possibilidade de desenvolver a inteligüncia em virtude dos poucos estömulos que recebiam e que isto era devido ã dificuldade de comunicaéño entre surdos e ouvintes. Poräm, o desenvolvimento do diverso löngua de sinais e o trabalho de ensino das lönguas orais permitiu aos surdos os meios de desenvolvimento de sua inteligüncia. Atraväs deste poderño ser sanadas dávidas em relaéño ã DeficiÜncia Auditiva, poräm serâ dada maior Ünfase â queståes envolvidas nos aspectos educacionais das pessoas com essa deficiüncia. SerÑo expostas formas para esclarecer duvidas e dificuldades encontradas pelos educadores ao lidar com estudantes com essa deficiüncia e tambäm sugeståes de como identificar, nesse caso, a DeficiÜncia Auditiva, mostrando meios aos familiares de como proceder em prol de beneföcios, porque falar sobre educaéño inclusiva ä muito fâcil, em contrapartida incluir que o primordial, transmitir aos educadores e a sociedade em geral nño estño realmente preparados para receber esses estudantes em seu ambiente profissional, educacional e atä mesmo social. PALAVRAS-CHAVE: DeficiÜncia Auditiva, InclusÑo, LIBRAS, Estudo de Caso; Praticas com Estudantes com DeficiÜncias Auditivas. INTRODUÇÃO DeficiÜncia Auditiva ä o nome usado para identificar perda de audiéño ou diminuiéño na capacidade de escutar os sons, ou seja, qualquer problema relacionado ã audiéño, que ocorra em alguma parte do ouvido. Muitas pessoas creditam que a LÖngua Brasileira de Sinais (LIBRAS) ä a LÖngua Portuguesa feita com as mños, na qual os sinais substituem as palavras desta löngua. A ConvenÉÑo da OrganizaÉÑo das NaÉåes Unidas (ONU) sobre Direitos das pessoas com deficiüncia adota o paradigma da total inclusño educacional, pois, para tal documento â educaéño se dâ apenas em um sistema educacional inclusivo em todos os növeis. NÑo ä o fim do ensino especializado, mas ä o fim do ensino totalmente segregado, colocando os estudantes com deficiüncia no ensino regular, 1 Graduada em Pedagogia e FIC Faculdade Integradas de Cuiabâ em Tecnologia de Processamento de Dados Tecnçlogo e pçs-graduada em Didâtica e Metodologia do Ensino Superior pela Faculdade Anhanguera de Rondonçpolis. 1

2 garantindo sua permanüncia. Outras pensam que ela ä uma linguagem como a linguagem das abelhas ou corpo, como a mömica. Muitas pensam, ainda, que ela ä somente um conjunto de gestos que interpretam as lönguas orais, entre as pessoas que acreditam que LIBRAS ä realmente uma löngua, hâ algumas que pensam que ela ä limitada e expressa apenas informaéåes concretas, e que nño ä capaz de transmitir ideias abstratas. SÑo inámeras as formas de identificaéño de uma crianéa com deficiüncia auditiva, cada uma delas de acordo com a idade de cada indivöduo. Para que aconteéa uma boa inclusño ä necessârio que haja uma cumplicidade entre indivöduo e a sociedade. é tambäm preciso que sociedade em geral esteja em constante atualizaéño, reconhecendo as necessidades de desenvolver mätodos de conversaéño com o deficiente, de acordo com seu grau de entendimento, seja ele qual for sua deficiüncia temos obrigaéño de incluir. Poräm, apesar das muitas tentativas da sociedade, dos polöticos, das leis em respeito do esclarecimento das necessidades do deficiente auditivo,na maioria das vezes ainda deparamos com estudantes que nño se beneficia com o Atendimento Educacional Especializado o (A.E. E), que funciona em salas de recursos em turno inverso ao da sala comum regular, nessa sala o estudante irâdesenvolver suas habilidades com auxilio de profissionais da saáde e professores especializados, pois em alguns caso esse atendimento ä feito somente com o professor. Ao receber este estudante com DeficiÜncia Auditiva, o educador provavelmente sentirâ inseguro e com muitas dávidas, o recomendâvel para que essas interrogaéåes desapareéam que se procurem informaéåes sobre este estudante fazendo um anamnese em seu ambiente familiar, com outros setores da instituiéño escolar que estâ inserido, fazendo uma prävia preparaéño na recepéño desde estudante. Envolvendo este estudante em tudo proposto pela turma, usufruindo o auxilio â DeficiÜncia Auditiva, foi criada a LÖngua Brasileira de Sinais, (LIBRAS), que se constitui em uma junéño de gestos para expressar certa ideia. A Libra como toda LÖngua de Sinais, ä uma löngua de modalidade gestualvisual porque utiliza, como canal ou meio de comunicaéño, movimentos gestuais e expressåes faciais que sño percebidos pela visño; portanto, diferencia da LÖngua Portuguesa, 2

3 que ä uma löngua de modalidade oralauditiva por utilizar, como canal ou meio de comunicaéño, sons articulados que sño percebidos pelo ouvido. Aprender libras ä integraéño social por parte de educadores e estudantes. PATOLOGIAS DO OUVIDO A deficiüncia auditiva pode ser classificada como: deficiüncia de transmissño quando o problema se localiza no ouvido externo ou no ouvido mädio; deficiüncia mista quando o problema se localiza no ouvido mädio. E deficiüncia interna ou sensorioneural quando se origina no ouvido interno e no nervo auditivo. As principais patologias do ouvido humano sño: as ligadas ã membrana timpènica, a deficiüncia de transmissño sonora no sistema tömpano-ossicular, a rigidez nos ligamentos de suporte ossicular, a timpanoesclerose, a fixaéño do martelo, a ausüncia no reflexo estapediano, a paralisia do nervo do másculo estribo, a complacüncia da membrana timpènica ou a sua rigidez, a lesño retrocloclear e a surdez psicogünica que ä um dos distárbios psicogünicos. A impedència acástica do ouvido mädio ä um tipo comum de patologia. Pode ser definida como a resistüncia que a mesma oferece ã energia sonora que penetra no conduto auditivo externo. E hâ ainda as patologias ligadas a Trompa de Eustâquio apresentando-se ou muito aberta ou obstruöda e causando sintomas como autofonia e a percepéño sonora da respiraéño pelo indivöduo. A INCLUSÃO ESCOLAR DO DEFICIENTE AUDITIVO êê... a questño da inclusño social abre um significado especial no bojo da educaéño brasileira, com os pressupostos inclusivistas que nos áltimos anos estño sendo discutidos por suas caracterösticas que permeiam a busca de uma sociedade igualitâria, nos moldes das reais necessidades de uma clientela, cada vez mais exigente, quanto aos seus direitos e seus potenciais de realizaéåes, que tem por finalidade a busca nño apenas se auto gerir, como tambäm colocar o sujeito dentro do contexto escolar regular, e sobretudo buscar soluéåes, com a participaéño de todos em busca de uma educaéño com qualidade êê(inâcio, Wederson Honorato) 3

4 A afeiéño, a emoéño, o carinho e a amizade entre o professor e a crianéa com surdez sño componentes essenciais e fundamentais nas atividades de conversaéño e diâlogo, isto ä, na interaéño. A comunicaéño visual ä essencial, tanto para o aprendizado da löngua portuguesa oral quanto para a aquisiéño da linguagem de sinais. Para o desenvolvimento da comunicaéño visual ou auditiva do estudante, ä necessârio que o professor desenvolva: O uso do olhar para a pessoa que estâ falando; O uso do apontar para o objeto somente depois de ter falado, ou seja, o estudante olha primeiro para quem transmite a fala em seguida para o objeto; O uso dos turnos da conversaéño, ou seja, esperar a prçpria vez de interagir, proporcionando um bom entendimento transmitido dentre outros exemplos. INFORMAëíES TéCNICAS - LIBRAS 1 A LIBRAS (LÖngua Brasileira de Sinais) tem sua origem na LÖngua de Sinais Francesa. ìs LÖnguas de Sinais nño sño universais. Cada paös possui a sua prçpria löngua de sinais, que sofre as influüncias da cultura nacional. Como qualquer outra löngua, ela tambäm possui expressåes que diferem de regiño para regiño (os regionalismos), o que a legitima ainda mais como löngua. 2- Sinais Os sinais sño formados a partir da combinaéño da forma e do movimento das mños e do ponto no corpo ou no espaéo onde esse sinais sño feitos. Nas lönguas de sinais podem ser encontrados os seguintes parèmetros que formarño os sinais: 2.1 ConfiguraÅÇo das mços: SÑo formas das mños que podem ser da datilologia (alfabeto manual) ou outras formas feitas pela mño predominante (mño direita para o destro ou esquerdo para o canhoto), ou pelas duas mños. Os sinais desculpar, evitar e idade, por exemplo, possuem a mesma configuraéño de mño ( com a letra y ). A diferenéa ä que cada uma ä produzida em um ponto diferente no corpo. 2.2 Pontos de articulaåço:ä o lugar onde incide a mño predominante configurada, ou seja, local onde ä feito o sinal, podendo tocar algumas parte do corpo ou estar em espaéo neutro. 4

5 2.3 Movimentos:Os sinais podem ter um movimento ou nño. Por exemplo, os sinais pensar e em pä nño tüm movimento; jâ os sinais evitar e trabalhar possui movimento. 2.4 Expressões faciais/ corporais: As expressåes faciais corporais sño de fundamental importència para o entendimento real do sinal, sendo que a entonaéño em LÖngua de Sinais ä feita pela expressño facial. 2.5 Orientação/Direção: Os sinais tüm uma direéño com relaéño aos parèmetros acima. Assim, os verbos ir, e vir se opåem em relaéño â direcional idade. 3.Convenções da LIBRAS 3.1 A grafia: os sinais em LIBRAS, para simplificaéño, serño representados na LÖngua Portuguesa em letra maiáscula. Exemplo: CASA, INSTRUTOR. 3.2 A datilologia ( alfabeto manual): usada para expressar nomes de pessoas, lugares e outras palavras que nño possuem sinal, estarâ representada pelas palavras separadas por höfen. Exemplo: M-A-R-I-A, H-I-P-î-T-E-S-E. 3.3 Os verbos: serño apresentados no infinitivo. Todas as concordèncias e conjugaéåes sño feitas no espaéo. 3.4 As frases: obedecerño â estrutura da LIBRA, e nño â do PortuguÜs. 3.5 Os pronomes pessoais: serño representados pelo sistema de apontamento. Apontar em LIBRAS ä culturalmente e gramaticalmente aceito. Para conversar em LIBRAS nño basta apenas conhecer sinais de forma solta, ä necessârio conhecer a estrutura gramatical, combinando em frases. LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS A löngua brasileira de sinais (LIBRAS) ä a löngua gestual usada pela maioria dos surdos dos centros urbanos brasileiros e reconhecida pela Lei Nï de 24 de abril de é derivado tanto de uma löngua de sinais autçctone quanto da löngua gestual francesa; por isso, ä semelhante a outras lönguas de sinais da Europa e da Amärica. A LIBRA nño ä a simples gestualizaéño da löngua portuguesa, e sim uma löngua â parte, como comprova o fato de que em Portugal usa se uma löngua de sinais diferentes, a löngua gestual portuguesa (LGP). 5

6 A LÖngua Brasileira de Sinais foi desenvolvida a partir da löngua de sinais francesa, as lönguas de sinais nño sño universais, cada paös desenvolverasua linguagem prçpria. Segundo a legislaéño vigente, Libra constitui um sistema linguöstico de transmissño de ideias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas com deficiüncia auditiva do Brasil, na qual hâ uma forma de comunicaéño e expressño, de natureza visual motora, com estrutura gramatical prçpria. O Decreto de 22 de dezembro de 2005, que regulamentou a Lei /02, definiu formas institucionais para o uso e a difusño da LÖngua Brasileira de Sinais e da LÖngua Portuguesa, visando o acesso das pessoas surdas â educaéño. O decreto trata ainda da inclusño da Libra como disciplina curricular nos cursos de formaéño de professores e nos cursos de Fonoaudiologia, da formaéño do professor de Libras e do instrutor de Libras, da formaéño do tradutor e interprete de Libras/LÖngua Portuguesa, da gramatica do direito â educaéño e saáde das pessoas surdas ou com deficiüncia auditiva e do papel do poder publico e das empresas no apoio ao uso e difusño da Libra. Assim como as diversas lönguas naturais e humanas existentes, ela ä composta por növeis linguösticos como: fonologia, morfologia, sintaxe e semèntica. Da mesma forma que as lönguas orais auditivas existem palavras, nas lönguas de sinais tambäm existem, itens lexicais, que recebem o nome de sinais. A diferenéa ä sua modalidade de articulaéño, a saber, visual espacial, ou cinätico visual, para outros. Como qualquer löngua tambäm existe diferenéas regionais, portanto deve ter atenéño âs variaéåes praticadas em cada unidade da FederaÉÑo. L S É ABREVIAÇÃO DE LÍNGUA DE SINAIS A difusño do alfabeto datilolçgico de uma sç mño entre os ouvintes gerou a pressuposiéño de que de que esse alfabeto ä a prçpria löngua de sinais, que hâ ánica löngua de sinais e que essa löngua ä universal. No entanto, o alfabeto datilolçgico ä apenas um suplemento das lönguas de sinais, cuja funéño ä a soletraéño de palavras das lönguas orais, tais, nomes prçprios, siglas, emprästimos, etc. 6

7 De acordo com o Instituto Nacional de EducaÉÑo de Surdos (INES), o alfabeto datilolçgico usado atualmente no Brasil ä um conjunto de 27 formatos, ou configuraéåes diferentes de uma das mños, cada configuraéño correspondendo a uma letra do alfabeto do portuguüs escrito o ë. CARACTERÍSTICAS PRÓPRIAS DAS LÍNGUAS DE SINAIS Kyle e Woll apontam algumas propriedades exclusivas das lönguas de sinais, tais como o uso de gestos simultèneos, o uso e a organizaéño e ordem que dño resultados. Assim, as lönguas de sinais possuem uma modalidade de produéño motora (mños, face e corpo) e uma modalidade de percepéño visual. Embora existam aspectos universais, pelos quais se regem todas as lönguas de sinais, a comunicaéño gestual dos Surdos nño ä universal. As lönguas de sinais, assim como as orais, pertencem âs comunidades onde sño usadas, tendo apresentado diferenéas considerâveis entre as determinadas lönguas. As lönguas de sinais nño seguem a ordem e estrutura frâsicas das lönguas orais, assim o importante nño ä colocar um sinal atrâs do outro ä representar a informaéño, reconstruir o conteádo possuem sua gramatica prçpria, assim como as lönguas orais possuem as suas, sendo elas totalmente independentes. LÍNGUAS DE SINAIS E LÍNGUAS ORAIS Arbitrariedade: As lönguas orais sño maioritariamente arbitrârias, nño se depreende a palavra simplesmente pela sua representatividade, mas ä necessârio conhecer o seu significado. A iconicidade encontra presente nas lönguas de sinais, mais do que nas orais, mas a sua arbitrariedade continua a ser dominante. Embora, nas lönguas de sinais, alguns gestos sejam totalmente icçnicos, ä impossövel, como nas lönguas orais, depende do significado da grande maioria dos sinais, apenas pela sua representaéño. Comunidade: As lönguas orais tüm uma comunidade que as adquirem, como löngua materna, cujo desenvolvimento se faz atraväs de uma comunidade de origem, passando pela famölia, a escola e as associaéåes. Toda a löngua oral 7

8 tem variaéåes linguösticas. Todas as lönguas gestuais possuem estas mesmas caracterösticas. Sistema LinguÖstico: As lönguas orais sño sistemas regidos por regras. O mesmo acontece com as lönguas de sinais, conforme referenciado por Stokoe (1960). Produtividade. As lönguas orais possuem a caracterösticas da produtividade e da recursividade, sendo possövel aos seus falantes nativos produzirem e compreenderem um námero infinito de enunciados, mesmo que estes nunca tenham sido produzidos antes. Acontece o mesmo com as lönguas de sinais, sendo encontradas a criatividade e produtividade nas produéåes, por exemplo, da LGP, pelos seus gestantes, parecendo nño haver limite criativo. Aspectos Construtivos: As lönguas orais possuem aspectos contrativos, isto ä, as unidades fonolçgicas do sistema de determinada löngua estabelecem por oposiéåes construtivas, ou seja, em pares de palavras, em que a substituiéño de uma unidade fonolçgica (uma letra) por outra altera o significado da palavra (por exemplo: parra e barra). Acontece o mesmo nas lönguas de sinais, sendo que em vez de unidade fonolçgica, muda um pequeno aspecto do gesto (por exemplo, na LGP: mätodo e liberdade). EvoluÉÑo e renovaéño: As lönguas orais modificam, como no caso das palavras que caem em desuso, outras que sño adquiridas, a fim de aumentar o vocabulârio e ainda no caso da mudanéa de significado das palavras. O mesmo acontece nas lönguas de sinais, a fim de responder as necessidades que a evoluéño sçcia cultural impåe. AquisiÉÑo: A aquisiéño de qualquer löngua oral ä natural, desde que haja um ambiente propicio desde nascenéa. Na löngua gestual acontece de igual forma, nño tendo o individuo surdo que exerce esforéo para aprender uma löngua de sinais, ou necessidade de qualquer preparaéño especial. FunÉåes da Linguagem: As lönguas orais podem ser analisadas de acordo com suas funéåes. O mesmo acontece com as lönguas de sinais. 8

9 LÍNGUA GESTUAL A expressño löngua gestual refere se a löngua materna de uma comunidade de surdos. Essa löngua ä produzida por movimentos das mños, do corpo e por expressåes faciais e a sua recepéño ä visual. TÜm um vocabulârio e gramâtica prçprios. LEGALIDADES DA LIBRA EstÑo garantidas no Brasil, por parte do poder publico em geral e empresas concessionârias de serviéo páblico, formas institucionalizadas de apoiar o uso e difusño da LÖngua Brasileira de Sinais como meio de comunicaéño objetiva e de utilizaéño corrente das comunidades surdas do Brasil. De acordo com as normas legais em vigor no PaÖs, as instituiéåes páblicas e empresas concessionârias de serviéos páblicos de assistüncia â saáde devem garantir atendimento e tratamento adequado aos deficientes auditivos. O sistema educacional federal e os sistemas educacionais estaduais, municipais e do Distrito Federal devem garantir a inclusño do ensino da LÖngua Brasileira de Sinais nos cursos de formaéño de EducaÉÑo Especial, de Fonoaudiologia e de Pedagogia, em növeis mädios e superiores. A RELAÇÃO ENTRE O GRAU DA SURDEZ E O DESENVOLVIMENTO INFANTIL Sendo a surdez uma privaéño sensorial que interfere diretamente na comunicaéño, alterando a qualidade da relaéño que o individuo estabelece com o meio, ela pode ter säries implicaéåes para o desenvolvimento de uma crianéa, conforme o grau da perda auditiva que as mesmas apresentam: Surdez leve: a crianéa ä capaz de perceber os sons da fala; adquire e desenvolve a linguagem oral espontaneamente; o problema geralmente ä tardiamente descoberto; dificilmente se coloca o aparelho de aplicaéño porque a audiéño ä muito prçxima do normal. Surdez moderada: a crianéa pode demorar um pouco para desenvolver a fala e linguagem; apresenta alteraéåes articulatçrias (trocas na fala) por nño 9

10 perceber todos os sons com clareza; tem dificuldade em perceber a fala em ambiente ruidosa; sño crianéas desatentas e com dificuldades no aprendizado da leitura e escrita. Surdez severa: a crianéa terâ dificuldades em adquirir a fala e linguagem espontaneamente; poderâ adquirir vocabulârio do contexto familiar; existe a necessidade do uso de aparelho de amplificaéño e acompanhamento especializado. Surdez profunda: â acrianéa dificilmente desenvolvera a linguagem oral espontaneamente; sç responde auditivamente a sons muito intensos como: bombas, trovño, motor de carro e aviño; freqñentemente utiliza a leitura orofacial; necessita fazer uso de aparelho de amplificaéño e / ou implante coclear, bem como de acompanhamento especializado. LEGISLAÇÃO QUE REGULAMENTA A EDUCAÇÃO ESPECIAL NO BRASIL ConstituiÉÑo Federal de 1988 EducaÉÑo Especial; Lei Nï 9394/96 Lei de Diretrizes e Bases da EducaÉÑo Nacional LDBN- EducaÉÑo Especial; Lei Nï 8069/90 Estatuto da CrianÉa e do Adolescente EducaÉÑo Especial; Lei Nï 8859/94 Estâgio LeiNï /94 Acessibilidade Lei Nï /02 Libras Lei Nï 7.853/89 CORDE Apoio âs pessoas com deficiüncia Lei Nï 8.899, de 29 de junho de 1994 Passe Livre. Lei Nï de 24 de dezembro de 1996 FUNDEF LEI Nï , de 5 de maréo de 2004 Programa de ComplementaÉÑo ao Atendimento Educacional Especializado âs Pessoas com DeficiÜncia Lei Nï de 04 de junho de 2001 Direitos e proteéño âs pessoas com DeficiÜncia Intelectual Plano Nacional de EducaÉÑo EducaÉÑo Especial. LEI DE LIBRAS LEI Nï de 24 de abril de

11 Dispåe sobre a LÖngua Brasileira de Sinais Libras e dâ outras providencias. O PRESIDENTE DA REPóBLICA FaÉo saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1ï é reconhecida como meio legal de comunicaéño e expressño a LÖngua Brasileira de Sinais Libras e outros recursos de expressño a ela associada. Paragrafo ónico: Entende como LÖngua Brasileira de Sinais Libras a forma de comunicaéño e expressño, em que o sistema linguöstico de natureza visual motora, com estrutura gramatical prçpria, constituem um sistema linguöstico de transmissño de ideias e fatos, oriundos de comunicaéño de pessoas comsurdes do Brasil. Art.2ï Deve ser garantido, por parte do poder páblico em geral e empresas concessionarias de serviéos páblicos, formas institucionalizadas de apoio o uso e difusño da LÖngua Brasileira de Sinais Libras como meio de comunicaéño objetiva e de utilizaéño corrente das comunidades surdas do Brasil. Art. 3ï As instituiéåes publicas e empresas concessionârias de serviéos páblicos de assistüncia â saáde devem garantir atendimento e tratamento adequado aos deficientes auditivos, de acordo com as normas legais em vigor. Art. 4ï O sistema educacional federalos sistema educacionais estaduais, municipais e do Distrito Federal devem garantir a inclusño nos cursos de formaéño de ensino da LÖngua Brasileira de Sinais Libras, como parte integrante dos Parèmetros Curriculares Nacionais PCNs, conforme legislaéño vigente. Paragrafo ánico: A LÖngua Brasileira de Sinais Libras nño poderâ substituir a modalidade escrita da löngua portuguesa. Art. 5ï Essa Lei entra em vigor na data de sua publicaéño. BrasÖlia, 24 de abril de 2002; 181ï da IndependÜncia e 114ï da Republica. FERNANDO HENRIQUE CARDOSO CONSIDERAÇÕES FINAIS A deficiüncia Auditiva ä um assunto muito interessante aos docentes, pois muitos estño se aperfeiéoando em leituras teçricas, faltando prâtica palestras de profissionais qualificados na ârea, ä um assunto särio e de interesse de toda a sociedade, para a garantia do direito aos apoio e instrumentos especöficos para aqueles que necessitam dessas adaptaéåes. 11

12 A igualdade de oportunidades abrangendo o acesso como a permanüncia escolar, para que isso aconteéa o estudante com deficiüncia no ambiente escolar deve receber o apoio especifico para sua deficiüncia. é extremamente necessârio que todos tenham esclarecimento em todas as deficiüncias, ou seja, em todos os setores, que as pessoas com deficiüncia possam usufruir de seus direitos. Esse esclarecimento deve ser iniciado dentro da instituiéño escolar, na mais tenra idade, para que os deficientes consiga exercer um bom papel na sociedade onde esta inserida. Nçs educadores devemos fazer nosso papel de cidadños brasileiros e trabalhar para que possamos estar executando um papel de instituiéño escolar inclusiva, que seja inclusiva em todos os setores. Enfim, a inclusño social esta inserida em todos os setores seja escolar, social, mödia, bancos, correios, cada vez mais presente na atualidade, mais infelizmente a aparüncia e belössima mais a pratica cada vez mais deixando a desejar. REFERÊNCIAS Bevilacqui, MC(1998).Conceitos bâsicos sobre a audiéño e a deficiüncia auditiva.cadernos de audiologia. Bauru: H.P.R.L.L.P/USP. Curso Bâsico de LÖngua Brasileira de Sinais, denominado OBRAS EM CONTEXTO, LIBRAS e Cultura Surda da FENEIS. phd Ministärio da EducaÉÑo Secretaria DE EducaÉÑo Especial A InclusÑo Escolar, Prâticas Inclusivas do Deficiente Auditivo: ContribuiÉåes. INòCIO, WEDERSON HONORATO.. InclusÑo escolar: o que ä? Por quü? Como fazer? SÑo Paulo: Editora Moderna, PROFESSORA: AMARA TANYA FELIPE Doutora em lingñöstica pela UFRJ ; PANTAJA, L. de M.; MANTOAN, MT E. O acesso de alunos com deficiüncia âs classes e escolas comuns da rede regular. BrasÖlia: Procuradoria Federal dos Direitos do CidadÑo,

LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 2007 LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS TELMA TIETRE RODRIGUES RIO DE JANEIRO 2007 CARTILHA LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 2 INTRODUÇÃO O objetivo desta cartilha

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS A língua brasileira de sinais Os sinais, essa dança das palavras no espaço, são minha sensibilidade, minha poesia, meu eu íntimo, meu verdadeiro estilo.(emmanuelle Laborit) 1 A língua brasileira de sinais

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

Decreto Lei de LIBRAS

Decreto Lei de LIBRAS Decreto Lei de LIBRAS Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA FACULDADE DO VALE DO JURUEMA CURSO: PSICOPEDAGOGIA COM ENFASE NA INCLUSÃO SOCIAL DISCIPLINA:LIBRAS LIBRAS NO PROCESSO EDUCATIVO Professora Esp. Graziela Christine da Silva A J E S - F A C U L D A D E S

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Linguagens. Curso de Graduação letras-libras, licenciatura

Universidade Federal de Mato Grosso. Instituto de Linguagens. Curso de Graduação letras-libras, licenciatura Universidade Federal de Mato Grosso Instituto de Linguagens Curso de Graduação letras-libras, licenciatura Prof. Anderson Simão Duarte Coordenador do Curso Letras-Libras Mestre em Estudos Linguísticos

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE BÓZOLI, Daniele Miki Fujikawa (UEM) SILVA, Tânia dos Santos Alvarez da (Orientadora/UEM) Introdução Com a Lei nº 10.436, de 24 de abril de

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Elisabeth, FIGUEIREDO CUNHA, UFU 1 Atna, Gomes Silva PELET, UFU 2 Eleuza, SOUZA, UFU 3 Resumo: Este estudo apresenta o

Leia mais

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS Profª. Ms. * Introdução A deficiência auditiva traz algumas limitações para o desenvolvimento do indivíduo, uma vez que a audição é essencial para a aquisição da língua oral.

Leia mais

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO

A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA RESUMO A EDUCAÇÃO DOS SURDOS: UMA ANÁLISE HISTÓRICO-CRÍTICA Mayara Cordeiro da Silva ( UFAL) Mayaracordeiro4@gmail.com Rebecca Thamyres de Missena Costa( UFAL) rebecca.ufal@gmail.com RESUMO Muito vem sendo discutido

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente)

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS. Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) CURSO DE CAPACITAÇÃO EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS -LIBRAS Mostra Local de: Apucarana (Municípios do Vale do Ivaí) Categoria do projeto: I Projetos em andamento (projetos em execução atualmente) Nome

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

EDUCAÇÃO ESPECIAL QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO EDUCAÇÃO ESPECIAL 01. A base da educação inclusiva é considerar a deficiência de uma criança ou de um jovem como mais uma das muitas características diferentes que os alunos podem ter e, sendo assim, respeitar

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA FENEIS SOBRE A EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS (EM RESPOSTA À NOTA TÉCNICA Nº 5/2011/MEC/SECADI/GAB)

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA FENEIS SOBRE A EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS (EM RESPOSTA À NOTA TÉCNICA Nº 5/2011/MEC/SECADI/GAB) NOTA DE ESCLARECIMENTO DA FENEIS SOBRE A EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS (EM RESPOSTA À NOTA TÉCNICA Nº 5/2011/MEC/SECADI/GAB) A Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

A importância da audição e da linguagem

A importância da audição e da linguagem A importância da audição e da linguagem A linguagem não é apenas uma função entre muitas[...] mas uma característica muito difusa do indivíduo, a tal ponto que ele se torna um organismo verbal.(joseph

Leia mais

INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís

INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís Danielle Vanessa Costa SOUSA Introdução O trabalho do tradutor/intérprete de língua brasileira de

Leia mais

Semed 2013 Módulo. Curso de DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA WALLACE MIRANDA BARBOSA

Semed 2013 Módulo. Curso de DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA WALLACE MIRANDA BARBOSA ESTADO DO ESPIRITO SANTO PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAPARI SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO Curso de Semed 2013 Módulo DIANA MÁRGARA RAIDAN CHÁCARA SECRETÁRIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO LUCINÉIA DE SOUZA OLIVEIRA

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva

A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva A Educação Especial na Perspectiva Inclusiva Instituto Paradigma O Instituto Paradigma é uma Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), dedicada a desenvolver e implementar projetos nas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

JANGADA IESC ATENA CURSOS

JANGADA IESC ATENA CURSOS JANGADA IESC ATENA CURSOS MÁRCIA INÊS DE OLIVEIRA DA SILVA SURDEZ PROJETO DE PESQUISA Passo Fundo 2015 TEMA: Surdez DELIMITAÇÃO DO TEMA: O Tema delimita-se a inclusão de crianças surdas nas escolas de

Leia mais

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS

LEGISLAÇÃO PERTINENTE À EDUCAÇÃO DOS SURDOS EDUCAÇÃO E SURDEZ Daniele Campos Laino Cardoso 1 Sebastiana Rosa da Silva 2 Solange Conceição da Cruz Machado 3 A Língua Brasileira de Sinais (Libras) - embora reconhecida oficialmente em todo o território

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS.

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. Rosane Batista Miranda¹ Eliane Vasconcelos Soares² Introdução O presente artigo visa á

Leia mais

REFLEXÕES ACERCA DA INCLUSÃO DOS SURDOS NO MERCADO DE TRABALHO

REFLEXÕES ACERCA DA INCLUSÃO DOS SURDOS NO MERCADO DE TRABALHO REFLEXÕES ACERCA DA INCLUSÃO DOS SURDOS NO MERCADO DE TRABALHO Maria Solange de Sousa Lacerda Universidade Federal de Campina Grande soldepombal@hotmail.com Josilene Martins Urtiga Silva Universidade Federal

Leia mais

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade

Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade Programa de Educação Inclusiva: A educação tem muitas faces Educando e aprendendo na diversidade 1. Educação Especial: histórico, funcionamento e legislação Para suprir a demanda da Educação Especial e

Leia mais

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência

Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência Educação especial: um novo olhar para a pessoa com deficiência INOCÊNCIO, Sibelle Williane Dias dos Santos DAXENBERGER, Ana Cristina Silva Universidade Federal da Paraíba Centro de Ciências Agrárias Departamento

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em muitas vezes eu tenho que mudar, né? Porque são línguas diferentes. Então, se eu só interpretar palavra por palavra de tudo que o professor tá falando, ele, o deficiente auditivo, não vai entender na

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes

Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Secretaria Municipal de Educação Claudia Costin Subsecretária Helena Bomeny Instituto Municipal Helena Antipoff Kátia Nunes Instituto Municipal Helena Antipoff Educação Especial no Município do Rio de

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Nome da Instituição: Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais/ NÚCLEO DE APOIO À INCLUSÃO DO ALUNO COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Responsável pelo preenchimento das informações: HELIANE

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA: INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE INCLUSÃO DO SURDO EM UMA

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE

EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE EDUCAÇÃO INCLUSIVA DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA: DIREITO À DIVERSIDADE Ana Carolina Marques de GOES 1 RESUMO: A educação inclusiva, especificamente relativa às pessoas com deficiência, é um assunto muito

Leia mais

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos.

Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. Contrário ao modo como muitos definem surdez isto é, como um impedimento auditivo pessoas surdas definem-se em termos culturais e lingüísticos. (Wrigley 1996: 13) Desafios para a formação de profissionais

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO

CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO CÂMARA MUNICIPAL DE ITABORAÍ ESTADO DO RIO DE JANEIRO Meta 4: universalizar, para a população de 4 (quatro) a 17 (dezessete) anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades

Leia mais

TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR

TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: AUTISMO INFANTIL: UM ESTUDO DA LEGISLAÇÃO ACERCA DA INCLUSÃO NO ENSINO REGULAR CATEGORIA: EM

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 PREFEITURA MUNICIPAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL N. 01/2013 CONCURSO PÚBLICO 2013 INSTRUTOR SURDO I ATENÇÃO 17/11/2013 Toda a prova será projetada em libras. Antes de

Leia mais

Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem

Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem Déficits Receptivos e Expressivos da Linguagem Disciplina - Aspectos Fonoaudiológicos nos Distúrbios de Aprendizagem Fga. Ms. Adriana de Souza Batista adrianabatista@gmail.com CRDA Curso de Pós-Graduação

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO EM LIBRAS

PÓS-GRADUAÇÃO EM LIBRAS PÓS-GRADUAÇÃO EM LIBRAS Instituição Certificadora: FALC Amparo Legal: Resolução CNE CES 1 2001 Resolução CNE CES 1 2007 Carga Horária: 460h Período de Duração: 12 meses (01 ano) Objetivos: Objetivo Geral:

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «21. Sabe-se que a cultura surda é o jeito da pessoa surda entender o mundo e de modificá-lo a fim de torná-lo acessível e habitável através das suas percepções visuais,

Leia mais

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e;

RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011. O CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MANAUS, no uso de suas atribuições legais e; RESOLUÇÃO N. 010 /CME/2011 (*) APROVADA EM 28.07.2011 Institui os procedimentos e orientações para Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva no Sistema Municipal de Ensino de Manaus. O CONSELHO

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA

FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PROJETO PARA INCLUSÃO SOCIAL DOS SURDOS DA FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA PARNAÍBA-PI 2014 FACULDADE INTERNACIONAL DO DELTA DIRETOR ADMINISTRATIVO Prof. Esp. Walter Roberto

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 22/2015

RESOLUÇÃO Nº 22/2015 RESOLUÇÃO Nº 22/2015 Dispõe sobre o processo de atribuição de classes e/ou aulas aos Professores Adjuntos Educação Básica, PAEBs, detentores de emprego público do Quadro do Magistério Municipal para o

Leia mais

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA

1. CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA GRUPO 5.2 MÓDULO 6 Índice 1. Crianças com Deficiência Auditiva...3 1.1. Os Ouvidos... 3 1.2. Mecanismo da Audição... 3 2. Saúde Auditiva...4 3. Definição de Deficiência Auditiva...5 3.1. Classificação...

Leia mais

Portaria 002/2012. O Secretário Municipal de Educação, no uso de suas atribuições, e considerando os preceitos legais que regem a Educação Especial:

Portaria 002/2012. O Secretário Municipal de Educação, no uso de suas atribuições, e considerando os preceitos legais que regem a Educação Especial: Portaria 002/2012 Estabelece normas para o exercício dos profissionais do magistério, detentores dos cargos de Agentes de Apoio em Educação Especial, de natureza pedagógica e as de cuidar, no Atendimento

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA MATERNA E SEGUNDA LÍNGUA: QUESTÕES ACERCA DO BILINGUISMO NA EDUCAÇÃO SURDA Sizenana Maria da Silva (UEMS) suzi2010.maria@hotmail.com Magno Pinheiro de Almeida (UEMS) mpa_proflibras_magno@hotmail.com

Leia mais

ANEXO II - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

ANEXO II - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO ANEXO II - CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CARGOS: PROFESSOR DO ENSINO FUNDAMENTAL (ANOS INICIAIS 1º AO 5º ANO); PROFESSOR ADJUNTO PARA EDUCAÇÃO ESPECIAL; PROFESSOR DE ARTES; PROFESSOR DE LINGUAGEM ARTÍSTICA E NATURAL;EDUCADOR

Leia mais

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO

CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LINGUA BRASILEIRA DE SINAIS PROJETO PEDAGÓGICO CAMPO LIMPO PAULISTA 2013 CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO LATO SENSU EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS A língua brasileira de sinais

Leia mais

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa:

:: Legislação. Unidade: Câmara de Educação Básica. Número: 79/2009 Ano: 2009. Ementa: :: Legislação Unidade: Câmara de Básica Número: 79/2009 Ano: 2009 Ementa: Estabelece normas para a Especial, na Perspectiva da Inclusiva para todas as etapas e Modalidades da Básica no Sistema Estadual

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS UAB Turno: INTEGRAL Currículo nº 1

CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS UAB Turno: INTEGRAL Currículo nº 1 CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL E RESPECTIVAS LITERATURAS UAB Turno: INTEGRAL Currículo nº 1 Reconhecido pelo Decreto Estadual N.º 11.025, de 14.05.14, D.O.E. nº 9.206 de 15.05.14. Para

Leia mais

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Maria Izabel do Amaral Sampaio Castro 8.ª Promotora de Justiça de São Caetano do Sul miasc@mp.sp.gov.br (11) 4238-8757 1 TERMINOLOGIA 1) Pessoa PORTADORA de Deficiência:

Leia mais

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o primeiro passo para mudar uma história marcada por lutas e

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais SURDEZ: UM MAPEAMENTO DAS PRODUÇOES ACADÊMICAS EM UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO ESCOLAR ALVES, R. A. 1 MANZOLI, L. P. 2 URBAN,

Leia mais

INSTITUTO CONSCIÊNCIA GO FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA PROPOSTA DE CURSOS DE EXTENSÃO E APERFEIÇOAMENTO SAÚDE E EDUCAÇÃO

INSTITUTO CONSCIÊNCIA GO FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA PROPOSTA DE CURSOS DE EXTENSÃO E APERFEIÇOAMENTO SAÚDE E EDUCAÇÃO INSTITUTO CONSCIÊNCIA GO FORMAÇÃO DE EXCELÊNCIA PROPOSTA DE CURSOS DE EXTENSÃO E APERFEIÇOAMENTO SAÚDE E EDUCAÇÃO PARA REALIZAÇÃO COM RECURSOS ORIUNDOS DO FNDE, PRÓPRIOS DO MUNICÍPIO E/OU INVESTIMENTO

Leia mais

Lei nº 12.796 de 04/04/2013

Lei nº 12.796 de 04/04/2013 O governo federal publicou nesta sexta-feira (5), no Diário Oficial da União, a lei número 12.796 que altera a lei que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Como novidade, o texto muda

Leia mais

Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa

Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa A C T A S D O I E I E L P Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa Maria Madalena Belo da Silveira

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 431, DE 2011 (Do Sr. Neilton Mulim)

PROJETO DE LEI N.º 431, DE 2011 (Do Sr. Neilton Mulim) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 431, DE 2011 (Do Sr. Neilton Mulim) Institui-se obrigatoriedade da inclusão de intérpretes de Libras em repartições públicas. DESPACHO: APENSE-SE À(AO) PL-2574/2000.

Leia mais

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO

Leia mais

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL

O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL O ENSINO DA DANÇA E DO RITMO NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA: UM RELATO DE EXPERIENCIA NA REDE ESTADUAL Márcio Henrique Laperuta 1 Rodrigo Santos2 Karina Fagundes2 Erika Rengel2 UEL- Gepef-Lapef-PIBID RESUMO

Leia mais

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo.

A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. A surdez é uma deficiência que fisicamente não é visível, e atinge uma pequena parte da anatomia do indivíduo. Porém, traz para o surdo consequências sociais, educacionais e emocionais amplas e intangíveis.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGO EFETIVO PROFESSOR DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO Edital 13/2015 Campus São João del-rei Tema 01: ASPECTOS HISTÓRICOS DA EDUCAÇÃO DOS SURDOS NO BRASIL Imbricada em relações de poder, a educação dos surdos vem sendo pensada e definida, historicamente, por educadores ouvintes, embora possamos

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Introdução a Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (libras/português)

Leia mais

Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande

Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande Escutar com olhos Permita-se ouvir essas mãos, pois somente assim será possível mostrar

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS

FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS LETRASLIBRAS 83 LETRASLIBRAS 84 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO DE SURDOS Wanilda Maria Alves Cavalcanti APRESENTAÇÃO Cara(o)aluna(o) Iniciandoumnovociclodeestudos,aUniversidadeFederaldaParaíbaincorporaaoscursosquejá

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior)

PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 3.394, DE 2012 (Do Sr. Manoel Junior) Dispõe sobre o diagnóstico e o tratamento da dislexia na educação básica. DESPACHO: ÀS COMISSÕES DE: SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA;

Leia mais

O Municipio de Goianésia, avisa aos interessados que o Edital de Concurso Público 001/2010 sofreu a seguinte retificação:

O Municipio de Goianésia, avisa aos interessados que o Edital de Concurso Público 001/2010 sofreu a seguinte retificação: RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 001 EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO Nº 001/2010 O Municipio de Goianésia, avisa aos interessados que o Edital de Concurso Público 001/2010 sofreu a seguinte retificação: Para os cargos

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NO ENSINO REGULAR: INVESTIGAÇÃO DAS PROPOSTAS DIDÁTICO-METODOLÓGICAS DESENVOLVIDAS POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO DA EENAV GT 07 Educação Matemática, avaliação

Leia mais

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras

II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP. Material das Palestras II Encontro MPSP/MEC/UNDIME-SP Material das Palestras II Encontro MPSP e MEC Educação Inclusiva MARCOS LEGAIS CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Art. 208. O dever do Estado com a educação

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A IMPORTÂNCIA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS) PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DO DEFICIENTE AUDITIVO Daisy Mara Moreira de Oliveira (UFS) dayseoliveira01@hotmail.com Derli

Leia mais

MAPA INCLUSIVO GEOGRÁFICO - M.I.G.: O LÚDICO GEOGRÁFICO

MAPA INCLUSIVO GEOGRÁFICO - M.I.G.: O LÚDICO GEOGRÁFICO MAPA INCLUSIVO GEOGRÁFICO - M.I.G.: O LÚDICO GEOGRÁFICO Maria Wanderléa Rosário dos Santos Faculdade Integrada Brasil Amazônia - FIBRA Letícia Gabrielly de Sousa Pinto Faculdade Integrada Brasil Amazônia

Leia mais

II Jornadas Internacionales Sociedades Contemporáneas, Subjetividad y Educación. 9, 10 y 11 de abril de 2014 ISBN 978-987-3617-11-9

II Jornadas Internacionales Sociedades Contemporáneas, Subjetividad y Educación. 9, 10 y 11 de abril de 2014 ISBN 978-987-3617-11-9 A PERCEPÇÃO DO GESTOR SOBRE OS PROFISSIONAIS DAS SALAS DE RECURSOS MULTIFUNCIONAIS DOURADOS/MS. PERCEPCIÓN DEL GESTOR DE LOS PROFESIONALES DE LAS CLASES RECURSOS MULTIFUNCIONALES EN DOURADOS/MS. Autores:

Leia mais

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues

EDUCAÇÃO INCLUSIVA. Profª Drª Sonia Maria Rodrigues EDUCAÇÃO INCLUSIVA Profª Drª Sonia Maria Rodrigues INICIANDO NOSSA CONVERSA - Música Vagalume em Libras INCLUSÃO LEGAL Legislação que respalda a política de Educação Inclusiva (nacional e estadual) Leitura

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior

Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE Inclusão de Estudantes com Necessidades Educacionais Especiais no Ensino Superior Prof. Francisco Ricardo Lins V. de Melo Departamento

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

SURDEZ, LIBRAS E INCLUSÃO: O PEDAGOGO COMO MEDIADOR

SURDEZ, LIBRAS E INCLUSÃO: O PEDAGOGO COMO MEDIADOR SURDEZ, LIBRAS E INCLUSÃO: O PEDAGOGO COMO MEDIADOR Resumo MENDES, Márcia FESMAN marciamds07@hotmail.com MENDES, Sirlene Fátima Pinheiro EMPEB sifapime@hotmail.com Eixo Temático: Diversidade e Inclusão

Leia mais

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar

Palavras-chave: Educação Especial; Educação Escolar Indígena; Censo Escolar INTERFACE DA EDUCAÇÃO ESPECIAL NA EDUCAÇÃO ESCOLAR INDÍGENA: ALGUMAS REFLEXÕES A PARTIR DO CENSO ESCOLAR SÁ, Michele Aparecida de¹ ¹Doutoranda em Educação Especial - UFSCar CIA, Fabiana² ²Professora Adjunta

Leia mais

MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA RESUMO

MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA RESUMO MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA Carla Eliza Santos Universidade Tecnológica Federal do Paraná carlaesantos@hotmail.com Clovis Batista de Souza Universidade

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008 PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 29/07/2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Prefeitura Municipal de Porto Real/Conselho

Leia mais

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE

POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Eixo temático: - Políticas de tradução/interpretação de língua de sinais. Modalidade: ( ) comunicação oral/sinais (X) pôster POLÍTICAS DE SAÚDE PARA OS SURDOS E O PRINCÍPIO DE UNIVERSALIDADE Autores: Débora

Leia mais

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação

Esfera: 10 Função: 12 - Educação Subfunção: 367 - Educação Especial UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa 1374 Desenvolvimento da Educação Especial Numero de Ações 16 Ações Orçamentárias 0511 Apoio ao Desenvolvimento da Educação Especial Produto: Projeto apoiado UO: 26298 - Fundo Nacional de Desenvolvimento

Leia mais

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA PEDAGOGIA DIFERENTE

A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA PEDAGOGIA DIFERENTE 1 A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE QUÍMICA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO ESPECIAL: UMA PEDAGOGIA DIFERENTE SILVA.Thiago Pereira da ¹ Universidade Estadual da Paraíba-UEPB e-mail: thiagoellisson@yahoo.com.br MOURA.Camila

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

Secretaria de Educação Prefeitura Municipal de Otacílio Costa Processo Seletivo Edital 002/2015 Cargo: Professor/a de Libras

Secretaria de Educação Prefeitura Municipal de Otacílio Costa Processo Seletivo Edital 002/2015 Cargo: Professor/a de Libras CONHECIMENTOS GERAIS 12 QUESTÕES 01. O Projeto Político Pedagógico deve retratar a identidade da escola. O PPP exige construção e reconstrução, além da participação de todos os envolvidos no trabalho escolar.

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: Intervenções Psicopedagógicas e LIBRAS

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: Intervenções Psicopedagógicas e LIBRAS ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: Intervenções Psicopedagógicas e LIBRAS Clério Cezar Batista Sena Joicy Midiã Figueiredo Macedo Matheus Soares ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES

Leia mais