LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS"

Transcrição

1 LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para a criança estabelecer relações e organizar pensamento, portanto essas relações cognitivas são essenciais para o próprio desenvolvimento e para o êxito do processo acadêmico. A descoberta da língua e as relações expressas por meio dela, enriquecem em qualidade e quantidade o processo educacional, como menciona Quadros (2006): As relações cognitivas que são fundamentais para o desenvolvimento escolar estão diretamente relacionadas à capacidade da criança em organizar suas idéias e pensamentos por meio de uma língua na interação com os demais colegas e adultos (Quadros, 2006:28). É importante ressaltar que o desenvolvimento de uma criança surda também se dá de acordo com a capacidade de comunicação lingüística que ela apresenta. A linguagem tem papel de destaque para o desenvolvimento cognitivo, da personalidade e interação social do surdo. Durante a infância, a criança passa por diversas transformações, e é a aquisição de uma língua, no caso das crianças surdas a língua de sinais, que vai proporcionar o processo das relações sociais, através das quais vão definir sua maneira de ver o mundo e participar da comunidade cultural. Tratando deste contexto, é necessário estimular a aquisição da língua de sinais como primeira língua para a criança surda, para que assim esteja preparada para adquirir uma segunda língua, que no contexto

2 brasileiro será o letramento em língua portuguesa. O nível de dificuldade que a criança surda pode apresentar no processo da aquisição da língua materna dependerá do grau de surdez e a partir de qual momento da vida foi privada da audição, mas isso não significa que ela não terá a possibilidade de desenvolver a linguagem. O que é Libras? A sigla - LIBRAS - denota Língua Brasileira de Sinais, língua utilizada por surdos no país. Esta língua se diferencia da língua oral-auditiva por ser de uma modalidade espaço-visual, de forma a valer-se da visão e do espaço para uma efetiva comunicação, esse sistema lingüístico funciona independentemente dos sistemas de línguas orais auditivas. Quadros (2006) destaca que: A língua de sinais atende a todos os critérios lingüísticos de uma língua genuína no léxico na sintaxe e na capacidade de gerar uma quantidade infinita de sentenças (QUADROS,2006). É característico dessa língua, a imensa produtividade no que diz respeito às novas mensagens sobre um número ilimitado de novos temas. Portanto são comparáveis a qualquer língua oral em nível de complexidade e expressividade, já que são organizadas a partir de unidades mínimas formando outras mais complexas. A língua oferece possibilidades de discussões de vínculo entre significante e significado, assim como signo e referente. Sobre esses pontos oferece duas visões: a de conteúdo e expressão. A língua de sinais se constitui da combinação de parâmetros, e estes por sua vez formam o sinal. Portanto a combinação de tais elementos dão origem às palavras em LIBRAS. Como toda língua é organizada de acordo com uma estrutura gramatical, assim também acontece com a língua de sinais. Sua organização

3 por meio dos parâmetros possibilita a estruturação e formação de níveis lingüísticos distintos. Configuração de mãos (CM): é o formato que a mão admite quando cumpre um sinal. Ponto de articulação (PA): localização do corpo onde o sinal será realizado. Movimento (M): deslocamento efetuado pela mão num dado espaço, no momento em que o sinal é executado. Expressão facial e corporal: é indispensável como elemento diferenciador, na expressividade de estado triste ou alegre. Os sinais podem ser classificados ainda em arbitrários, quando não tem relação nenhum com o referente, ou icônicos, quando existe a semelhança entre o sinal e a imagem a ser representada. É indispensável salientar que, assim como as línguas oralauditivas, as línguas de sinais também apresentam variações lingüísticas de um país para outro. No Brasil é estabelecida como LIBRAS, no continente norte americano se estabelece como ALS - Língua de Sinais Americana, na França como LSF - Língua de Sinais Francesa, e assim sucessivamente. Na LIBRAS, além da variação lingüística há também o dialeto geográfico, ou seja, variações de sinais de uma região para outra. Assim como mudanças históricas, quando os sinais se alteram com o passar do tempo. Dando enfoque à estruturação sintática da língua de sinais pode-se perceber que não existe qualquer tipo de relação entre esta e a língua portuguesa, pois a LIBRAS tem uma gramática própria. Não há o emprego de artigos, conjunções e preposições, pois estes já estão acoplados aos sinais. Em referência aos sinais, eles podem ser simples ou compostos, sendo o último estabelecido por dois sinais para mencionar apenas um referente. Ao tratar da desinência de gêneros masculino e feminino, eles não

4 existem na língua de sinais, para esse caso são usados os sinais de conceito homem e mulher, acompanhado dos sinais para emitir a frase. Já as formas repetidas dos sinais ou a indicação de quantidade é que designam as formas do plural. Dentro dessa situação cabe ainda dar destaque a uma característica da língua de sinais, a polissemia, que é quando um sinal, apesar de se apresentar em uma única forma, tem a função de representar palavras de diferentes significados. O alfabeto manual, ao contrário do que muitos pensam, não é considerado parte da estrutura gramatical da língua de sinais, ele é um empréstimo das línguas orais, utilizado apenas para soletrar nomes próprios, como o de pessoas, lugares ou rótulos de produtos, nomes inexistentes na Libras e recurso didático na escrita do português. As noções temporais na língua de sinais não são feitas por meio da conjugação de verbos no presente, passado e futuro, para isso na LIBRAS, são utilizadas palavras que remetem a frase no tempo a que se pretende referir. Por exemplo, quando se quer proferir a frase eu vou à casa da vovó, utiliza-se o sinal de hoje para indicar presente, ontem para especificar o passado e de futuro para indicar fatos que irão ocorrer. No Brasil, a Lei nº 10436, de 24 de abril de 2002, dispõe e reconhece LIBRAS como meio legal de comunicação e expressão objetiva e de utilização corrente das comunidades surdas, bem como o acesso bilíngue aos surdos em instituições de ensino. O Decreto-Lei 5.626, de 22 de dezembro de 2005 coloca em vigor a Lei e dispõe sobre a criação da disciplina de Libras nos cursos de licenciaturas e Fonoaudiologia, educação Especial e Normal, como se destaca na publicação de Desenvolvendo competências para atendimento as necessidades educacionais de alunos surdos: A capacidade de comunicação lingüística apresenta-se como um dos principais responsáveis pelo processo de desenvolvimento da criança surda em toda a sua potencialidade, para que possa desempenhar

5 seu papel social e integrar-se verdadeiramente na sociedade (BRASIL, 2006). É por meio da língua que as crianças compartilham aquilo que pensam sobre o mundo. A produção artística que efetiva o uso de histórias e da literatura, torna possível para as crianças a interação com colegas e adultos bem como organizar seus pensamentos, já que empregam todos os recursos de produção da língua de sinais. Através das histórias a criança vai executar as configurações de mãos mais comuns utilizadas na língua de sinais, utilizar as configurações de mãos do alfabeto manual e demais configurações da língua brasileira de sinais. Quanto aos temas das histórias vai proporcionar a interação de histórias próprias, de outras pessoas surdas e de pessoas ouvintes. O processo de aquisição da linguagem A aquisição da língua materna depende do estímulo ao qual a criança está exposta em seu ambiente familiar, visto que ela desenvolve a primeira língua segundo aquilo que lhe é apresentado informalmente pela família. Sua apropriação é aguçada pela curiosidade e necessidade de transmitir suas necessidades. O processo de aquisição da linguagem de uma criança ouvinte e de uma criança surda é análogo; para que absorva uma língua de forma eficaz deve estar imersa em ambiente rico em estímulos visuais e esteja em contato desde muito cedo com usuários efetivos da língua de sinais, como ressalta Quadros (2006) A língua de sinais vai ser adquirida por crianças surdas que tiverem a experiência de interagir com usuários de língua de sinais A criança surda que tem pais ouvintes corre o risco de serem privadas da linguagem apropriada e de entender tudo aquilo que acontece a sua volta por um determinado tempo, devido à incapacidade de comunicação

6 que seus pais apresentam. Levando esses fatores em consideração, é propenso que o vínculo com a criança seja afetado. Uma pesquisa revela que apenas 5% das crianças surdas têm pais surdos, o que torna denotativa uma realidade em que mais de 90% de crianças surdas não têm contato com a língua de sinais desde o nascimento. Se a criança com limitações auditivas apresentar um contato efetivo desde seu nascimento com pessoas que façam o uso da língua de sinais, então por volta dos dois anos de idade estará produzindo sinais correspondentes a um número restrito de configurações de mãos, bem como mensagens transmitidas por combinações simples vinculadas a interesses imediatos, necessidades como sentir sede, fome e dores, já que a criança ainda não relaciona fatos do passado e nem do futuro. Se a aquisição da linguagem seguir esse curso, então, uma criança surda que faz o uso da língua de sinais desde o seu nascimento terá o desenvolvimento lingüístico, em língua de sinais, correspondente ao de uma criança ouvinte que desenvolve a fala. Uma pesquisa realizada por Pettito e Marantette, em observância ao balbucio de bebês surdos e ouvintes em um mesmo espaço de tempo, constatou que todos os bebês, independente de serem limitados ou não de audição, produzem o balbucio e, esse fenômeno é apresentado também através de sinais. O desenvolvimento do balbucio oral e manual é semelhante e, até um determinado estagio são produzidos pelos bebês surdos e ouvintes. A partir do momento em que o balbucio oral é interrompido nos bebês surdos então o balbucio manual também se cessa em bebês ouvintes, isso porque a interação lingüística favorece o progresso apenas de um dos modos de balbuciar. Desse modo fica claro que, independente da modalidade da língua, seja ela oral-auditiva ou espaço-visual, as relações encontradas entre as duas formas de balbucio comprovam junto a outras teorias que o ser

7 humano possui uma capacidade lingüística que tende a aquisição de uma língua. A aquisição da língua de sinais obedece, o processo de maturação do bebê que internaliza a língua a partir do que é de fácil compreensão até atingir um nível mais complexo de evolução. Em um primeiro instante os bebês surdos produzem o balbucio parecido com os dos bebês ouvintes, somado a isso produzem uma seqüência de gestos que se assemelham aos sinais, mas não pode ser assim reconhecidos. Com uma dada evolução o bebê já expressa frases de apenas uma ou duas palavras, classificadas como holófrases. Entre 5 a 7 meses as crianças surdas já proferem as primeiras palavras em LIBRAS, esse fato pode estar relacionado ao desenvolvimento motor que acontece em momento equivalente. Comparado às crianças ouvintes que ainda não aplicam bem o sistema fonológico, as crianças surdas também não sobrepõem os parâmetros da língua de sinais de forma correta, por exemplo, podem trocar a configuração das mãos, que corresponde a um fonema se comparado à produção da fala de uma criança ouvinte. É somente depois dos dois anos de idade que as crianças surdas começam a produzir frases compostas por duas ou mais palavras, que podem alcançar até sete configurações de mãos que forma um todo de unidades fonológicas mínimas da língua de sinais. Nessa fase as expressões faciais se fazem importantes, pois são responsáveis por marcar sentenças interrogativas, unidas ao uso de sinais. Também é perceptível que a criança começa a valer-se da movimentação da cabeça para fazer negação, ao invés de usar as mãos. No universo das línguas de sinais a expressão facial é uma função indispensável, pois são marcas não manuais que representam grande importância dentro da questão gramatical já que não dependem de sons vocálicos para manifestar seus sentimentos e sensações.

8 Expressões mais complexas começam a serem inseridas na produção da língua de sinais, mas o processo de substituição predomina, já que os sinais mais complexos na maioria das vezes são substituídos pelos mais simples, porque ainda que a direção dos movimentos seja usada com êxito, é notável que os movimentos característicos são feitos de forma mais simples. Os classificadores são sinais que utilizam um número específico de configuração de mãos para representar objetos incorporando ações, assim como movimento e trajetória percorridos por ele. Também importantíssimos para a língua de sinais são agregados para diferir através de expressões, as ações tais como chover muito, chover pouco. Nessa mesma fase a criança já entende as marcas de negação sobre as expressões como os adultos fazem. As estruturas interrogativas de razão (porque) começam a ser presentes no desenvolvimento lingüístico. A criança que antes só expressava fatos relacionados ao presente começa a contar histórias que relatam fatos ocorridos em casa, sobre presente que ganhou, mas não firmam os fatos referentes no espaço o que pode dificultar o entendimento daquilo que querem expressar. As configurações de mãos mais complexas aparecem a partir dos quatro anos. Capacidade essa que se uni com a de relacionar o espaço com os argumentos, o que significa que os movimentos são incorporados aos sinais de forma mais estruturada. A combinação de unidades menores permite a formação de palavras com mais estabilidade para as crianças que estão nessa fase. As produções não manuais são usadas corretamente, visto que as expressões faciais se relacionam adequadamente às estruturas, (interrogativas, topicalizações e de negação). Apesar de não conseguirem relacionar suas histórias com o espaço, esboçam algumas tentativas com êxito. O uso da direção dos olhos aos poucos se torna mais claro quando usados para a concordância dos argumentos, do mesmo modo que o jogo de papéis desempenhado pela posição do corpo, quando são empregados para o relato de histórias.

9 Em observação de crianças na aquisição da língua de sinais foi possível constatar que a direção dos olhos por volta dos dois anos de idade, é usada com mais precisão. O olhar é indispensável para o uso da concordância verbal, visto que traz a compreensão do discurso da criança que se encontra nesse período tão prematuro em relação à linguagem. Considerações Finais Como se viu, para que ocorra o desenvolvimento lingüístico normal nos surdos, é necessário que a língua de sinais se desenvolva com êxito, explorando na aquisição dessa língua as configurações de mãos, movimentos, expressões faciais gramaticais, localizações, movimentos do corpo, espaço de sinalização e classificadores. Deve-se concretizar a prática de tais explorações da LIBRAS, para que a realização da língua seja um sistema lingüístico complexo. Na aquisição da linguagem, os surdos utilizamse do sistema visual e motor, que se apropria da anatomia das mãos e dos braços, bem como da anatomia visual. Dessa maneira se dará suporte para a criança desenvolver a sua capacidade criativa e também a capacidade cognitiva, como base para adquirir uma segunda língua. Como bem sabemos, no Brasil ainda é reduzido o número de professores de língua de sinais, poucas são as escolas que tem professores capacitados ao ensino de LIBRAS, o que acaba obrigando crianças surdas a se submeterem à alfabetização na língua portuguesa, sem nem mesmo terem adquirido a LIBRAS. Para amenizar tal situação, propõe-se o investimento da leitura na própria língua de sinais às crianças surdas para que posteriormente possam ler palavras escritas em português, bem como escrevê-las.

10 O professor deve ser especializado em LIBRAS, além de mostrar sua capacidade na exploração das idéias, histórias e reflexões das crianças surdas fazendo com que produzam, através da escrita e leitura em LIBRAS, a descoberta do mundo e da própria língua. Esse processo de ensino da língua de sinais é a base para que se estabeleça adiante um processo mais consciente; processo esse que servirá como alicerce para o ensino da língua portuguesa, dessa maneira a criança identifica o processo pelo qual esta passando, como afirma Quadros: O ensino da língua de sinais é um processo de reflexão sobre a própria língua, que sustenta a passagem do processo de leitura e escrita elementar para um processo mais consciente. [...] A criança passa a construir e reconhecer o seu próprio processo, bem como refletir sobre o processo do outro (QUADROS, 2006). Para que a aquisição da linguagem aconteça efetivamente é necessário que a criança seja exposta a um ambiente que a estimule a produzir uma língua. No caso das crianças surdas é imprescindível criar alternativas que as possibilitem desenvolver seu potencial linguístico, pois é evidente que os recursos utilizados para estimular uma criança ouvinte não servirão como estímulo para uma criança surda. Referências Brasil. Desenvolvendo competências para atendimento as necessidades educacionais de alunos surdos. Maria Salete Fabio Aranha (org.). Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, Educação infantil: saberes e práticas da inclusão: dificuldades de comunicação e sinalização: surdez. 4 ed. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial, Quadros, Ronice Müller de; Schmiedt, Magali L. P. Idéias para ensinar português para alunos surdos. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS

LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS 4511 LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (UENP FAFIJA) Estas reflexões sobre a inclusão de alunos surdos no ensino comum têm o

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A IMPORTÂNCIA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS) PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DO DEFICIENTE AUDITIVO Daisy Mara Moreira de Oliveira (UFS) dayseoliveira01@hotmail.com Derli

Leia mais

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS

A língua brasileira de sinais. A língua brasileira de sinais - LIBRAS A língua brasileira de sinais Os sinais, essa dança das palavras no espaço, são minha sensibilidade, minha poesia, meu eu íntimo, meu verdadeiro estilo.(emmanuelle Laborit) 1 A língua brasileira de sinais

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais;

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE BÓZOLI, Daniele Miki Fujikawa (UEM) SILVA, Tânia dos Santos Alvarez da (Orientadora/UEM) Introdução Com a Lei nº 10.436, de 24 de abril de

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA MATERNA E SEGUNDA LÍNGUA: QUESTÕES ACERCA DO BILINGUISMO NA EDUCAÇÃO SURDA Sizenana Maria da Silva (UEMS) suzi2010.maria@hotmail.com Magno Pinheiro de Almeida (UEMS) mpa_proflibras_magno@hotmail.com

Leia mais

JANGADA IESC ATENA CURSOS

JANGADA IESC ATENA CURSOS JANGADA IESC ATENA CURSOS MÁRCIA INÊS DE OLIVEIRA DA SILVA SURDEZ PROJETO DE PESQUISA Passo Fundo 2015 TEMA: Surdez DELIMITAÇÃO DO TEMA: O Tema delimita-se a inclusão de crianças surdas nas escolas de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei n o 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira

Leia mais

Decreto Lei de LIBRAS

Decreto Lei de LIBRAS Decreto Lei de LIBRAS Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.626, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: Intervenções Psicopedagógicas e LIBRAS

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: Intervenções Psicopedagógicas e LIBRAS ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: Intervenções Psicopedagógicas e LIBRAS Clério Cezar Batista Sena Joicy Midiã Figueiredo Macedo Matheus Soares ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES

Leia mais

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS.

INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR. Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INCLUSÃO DE ALUNOS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA EM ESCOLAS DE ENSINO REGULAR Palavras chave: Deficiência auditiva; Educação; Inclusão; LIBRAS. 1 INTRODUÇÃO Susana Michels 1 Maria Preis Welter 2 O presente

Leia mais

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA Mariana Rodrigues Ferreira Fantinelli (G UENP, campus de Jac.) naninha_fantinelli@hotmail.com Sonia Maria Dechandt Brochado ( Orientadora UENP) O letramento do

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS

GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS GUIA DE CORREÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE RESULTADOS TESTE 2 SEGUNDO SEMESTRE 2010 Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Presidência do Instituto Nacional

Leia mais

A importância da audição e da linguagem

A importância da audição e da linguagem A importância da audição e da linguagem A linguagem não é apenas uma função entre muitas[...] mas uma característica muito difusa do indivíduo, a tal ponto que ele se torna um organismo verbal.(joseph

Leia mais

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Elisabeth, FIGUEIREDO CUNHA, UFU 1 Atna, Gomes Silva PELET, UFU 2 Eleuza, SOUZA, UFU 3 Resumo: Este estudo apresenta o

Leia mais

LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 2007 LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS TELMA TIETRE RODRIGUES RIO DE JANEIRO 2007 CARTILHA LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 2 INTRODUÇÃO O objetivo desta cartilha

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos TÓPICOS LINGUÍSTICOS: SINTAXE NA LIBRAS Magno Pinheiro de Almeida (UEMS/UFMS) mpa_magno@hotmail.com Miguél Eugenio Almeida (UEMS) mealmeida_99@yahoo.com.br A língua já não é agora livre, porque o tempo

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 PREFEITURA MUNICIPAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL N. 01/2013 CONCURSO PÚBLICO 2013 INSTRUTOR SURDO I ATENÇÃO 17/11/2013 Toda a prova será projetada em libras. Antes de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ LIBRAS PARA TODOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ LIBRAS PARA TODOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ LIBRAS PARA TODOS Carina da Silva Mota Claudio Pamplona Ellen Formigosa Lucival Rodrigues 2011 1 CAPÍTULO I INTERAÇÃO ATRAVÉS DA LÍNGUA DE SINAIS 2 CONTEXTO VISUAL EM LIBRAS

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS

EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS. Linguagem Oral e Escrita. Matemática OBJETIVOS E CONTEÚDOS EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

Surdez e o Atendimento Educacional Especializado: desafios e possibilidades

Surdez e o Atendimento Educacional Especializado: desafios e possibilidades Surdez e o Atendimento Educacional Especializado: desafios e possibilidades Aline de Menezes Bregonci 1 Resumo O presente trabalho é resultado da pesquisa desenvolvida pelo ONEESP realizado no estado do

Leia mais

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE

ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE Unidade II ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO DA ESCOLA DE EDUCAÇÃO INFANTIL Profa. Ana Lucia M. Gasbarro A formação pessoal e social da criança, áreas de conhecimento e desenvolvimento da criança Introdução A importância

Leia mais

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS Profª. Ms. * Introdução A deficiência auditiva traz algumas limitações para o desenvolvimento do indivíduo, uma vez que a audição é essencial para a aquisição da língua oral.

Leia mais

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA

DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA DO DESENHO A ESCRITA E LEITURA Cleide Nunes Miranda 1 Taís Batista 2 Thamires Sampaio 3 RESUMO: O presente estudo discute a relevância do ensino de leitura e principalmente, da escrita, trazendo em especial

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA FENEIS SOBRE A EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS (EM RESPOSTA À NOTA TÉCNICA Nº 5/2011/MEC/SECADI/GAB)

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA FENEIS SOBRE A EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS (EM RESPOSTA À NOTA TÉCNICA Nº 5/2011/MEC/SECADI/GAB) NOTA DE ESCLARECIMENTO DA FENEIS SOBRE A EDUCAÇÃO BILÍNGUE PARA SURDOS (EM RESPOSTA À NOTA TÉCNICA Nº 5/2011/MEC/SECADI/GAB) A Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão do

Leia mais

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática

X Encontro Gaúcho de Educação Matemática INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NO ENSINO REGULAR: INVESTIGAÇÃO DAS PROPOSTAS DIDÁTICO-METODOLÓGICAS DESENVOLVIDAS POR PROFESSORES DE MATEMÁTICA NO ENSINO MÉDIO DA EENAV GT 07 Educação Matemática, avaliação

Leia mais

Esses parâmetros diferenciarão os sinais da Libras apresentados nesta aula.

Esses parâmetros diferenciarão os sinais da Libras apresentados nesta aula. COMUNICAÇÃO VISUAL O tema da nossa primeira aula é a Comunicação Visual, que pode ser definida como todas as formas de expressão da linguagem que possam ter seus conteúdos apreendidos pela visão. A manifestação

Leia mais

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL

REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL REFERENCIAL CURRICULAR NACIONAL PARA A EDUCAÇÃO INFANTIL Maria dos Prazeres Nunes 1 INTRODUÇÃO No Brasil a expansão da educação ocorre de forma lenta, mas, crescente nas últimas décadas. Com base nas determinações

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande

Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande Escutar com olhos Permita-se ouvir essas mãos, pois somente assim será possível mostrar

Leia mais

Anais do IX Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 RESUMO

Anais do IX Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 RESUMO SURDEZ: JOGOS VIRTUAIS COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO LETRAMENTO Letícia Cristina Ribeiro Rodrigues (G-CLCA-UENP/CJ) Sônia Maria Dechandt Brochado (Líder do GP Leitura e Ensino- CLCA-UENP/CJ) RESUMO A inclusão

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC

A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC A CONSTRUÇÃO DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO INFANTIL DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE CHAPECÓ SC FIGUEIREDO, Anelice Maria Banhara - SME / Chapecó/SC anelicefigueiredo@gmail.com LORENZET, Simone Vergínia - SME

Leia mais

Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa

Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa A C T A S D O I E I E L P Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa Alunos Surdos: Aquisição da Língua Gestual e Ensino da Língua Portuguesa Maria Madalena Belo da Silveira

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «21. Sabe-se que a cultura surda é o jeito da pessoa surda entender o mundo e de modificá-lo a fim de torná-lo acessível e habitável através das suas percepções visuais,

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social.

Propiciar a socialização da criança através da participação numa comunidade mais ampla, onde descubra e domine regras próprias do convívio social. EDUCAÇÃO INFANTIL OBJETIVOS GERAIS Conhecimento do Mundo Formação Pessoal e Social Movimento Linguagem Oral e Escrita Identidade e Autonomia Música Natureza e Sociedade Artes Visuais Matemática OBJETIVOS

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís

INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís INTERPRETAÇÃO LIBRAS/PORTUGUÊS: uma análise da atuação dos tradutores/intérpretes de libras de São Luís Danielle Vanessa Costa SOUSA Introdução O trabalho do tradutor/intérprete de língua brasileira de

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011 INFANTIL IV EDUCAÇÃO INFANTIL

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011 INFANTIL IV EDUCAÇÃO INFANTIL Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 INFANTIL IV EDUCAÇÃO INFANTIL Disciplina: NATUREZA e SOCIEDADE Ano: INFANTIL IV Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Introdução a Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (libras/português)

Leia mais

Planificação Curricular Pré-escolar

Planificação Curricular Pré-escolar PLANO ANUAL DE ATIVIDADES Ciclo/ Área/ Disciplina: Pré-escolar Ano Letivo 2012/2013 Área de Formação pessoal e Social Esboço Curricular para a Educação de Infância (segundo as Orientações Curriculares

Leia mais

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE E O ALUNO COM SURDOCEGUEIRA E OU COM

O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE E O ALUNO COM SURDOCEGUEIRA E OU COM O ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO -AEE E O ALUNO COM SURDOCEGUEIRA E OU COM DEFICIÊNCIA MÚLTPLA A pessoa com Surdocegueira O conceito de surdocegueira Surdocegueira é uma condição que apresenta outras

Leia mais

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1

1. Identificação 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação 1 1. Identificação Agrupamento de Escolas Zona Urbana de Viseu Nº de crianças e idades abrangidas: 20 (3 aos 6 anos) Ano letivo: 2012/2013 2. Contextualização/Caracterização do grupo/justificação da planificação

Leia mais

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como

Desenvolvimento motor do deficiente auditivo. A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada a outras deficiências, como Texto de apoio ao Curso de Especialização Atividade Física Adaptada e Saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Desenvolvimento motor do deficiente auditivo A deficiência auditiva aparece, por vezes, associada

Leia mais

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA

EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA EXPRESSÃO CORPORAL: UMA REFLEXÃO PEDAGÓGICA Rogério Santos Grisante 1 ; Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: A prática da expressão corporal na disciplina de Artes Visuais no Ensino Fundamental II pode servir

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA FACULDADE DO VALE DO JURUEMA CURSO: PSICOPEDAGOGIA COM ENFASE NA INCLUSÃO SOCIAL DISCIPLINA:LIBRAS LIBRAS NO PROCESSO EDUCATIVO Professora Esp. Graziela Christine da Silva A J E S - F A C U L D A D E S

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS.

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. Rosane Batista Miranda¹ Eliane Vasconcelos Soares² Introdução O presente artigo visa á

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Leia o texto a seguir e responda à questão 13. Apontar não é falta de educação A apontação na língua de sinais brasileira faz parte da língua. Ela serve para diferentes

Leia mais

Expressão Facial e Corporal na comunicação em LIBRAS

Expressão Facial e Corporal na comunicação em LIBRAS Expressão Facial e Corporal na comunicação em LIBRAS Solange de Fátima Brecailo JULHO DE 2012 Expressão Facial e Corporal na comunicação em LIBRAS Introdução: A necessidade de comunicação nasceu do homem

Leia mais

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: A LEITURA COMO FERRAMENTA NO PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE SÃO VICENTE AUTOR(ES): MARIA DE FATIMA

Leia mais

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I Profa. Ma. Andrea Morás Unidade I COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Comunicação empresarial Definição: Compreende um conjunto complexo de atividades, ações, estratégias, produtos e processos desenvolvidos para reforçar

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores A VISÃO DE ALGUMAS BOLSISTAS DO PIBID SOBRE SUA ATUAÇÃO EM CONTEXTOS EDUCACIONAIS INCLUSIVOS

Leia mais

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS NA SEDE DO MUNICÍPIO DE RIACHÃO DO DANTAS/SE

O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS NA SEDE DO MUNICÍPIO DE RIACHÃO DO DANTAS/SE O ENSINO DE LÍNGUA PORTUGUESA PARA SURDOS NA SEDE DO MUNICÍPIO DE RIACHÃO DO DANTAS/SE GT7 Educação, Linguagens e Artes Raísa Souza Freire 1 Neuza Maria Vieira 2 Sandra Rosa Baldin 3 RESUMO O presente

Leia mais

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros

Alfabetização e letramento. Professora : Jackeline Miranda de Barros Alfabetização e letramento Professora : Jackeline Miranda de Barros O que é alfabetização? O que é letramento? Qual o melhor método? Como alfabetizar? Para início de conversa, vamos exercitar nossa memória...

Leia mais

COLÉGIO MATER CONSOLATRIX RUDAHYRA TAISA OSSWALD DE OLIVEIRA FONOAUDIOLOGA CRFA 9324/PR. Nitro PDF Trial

COLÉGIO MATER CONSOLATRIX RUDAHYRA TAISA OSSWALD DE OLIVEIRA FONOAUDIOLOGA CRFA 9324/PR. Nitro PDF Trial COLÉGIO MATER CONSOLATRIX RUDAHYRA TAISA OSSWALD DE OLIVEIRA FONOAUDIOLOGA CRFA 9324/PR PROJETO FONOAUDIOLOGIA E EDUCAÇÃO: UMA PROPOSTA VOLTADO AO DENVOLVIMENTO INFANTIL Ivaiporã/PR 2009 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Plano de ensino. 2) Objetivos Desenvolver habilidades de comunicação com a língua brasileira de sinais.

Plano de ensino. 2) Objetivos Desenvolver habilidades de comunicação com a língua brasileira de sinais. Plano de ensino 1) Identificação Curso Direito Disciplina EDU328 Carga horária 34 horas Semestre letivo 2/2012 Professor Ms. Michele Quinhones Pereira 2) Objetivos Desenvolver habilidades de comunicação

Leia mais

Secretaria de Educação Prefeitura Municipal de Otacílio Costa Processo Seletivo Edital 002/2015 Cargo: Professor/a de Libras

Secretaria de Educação Prefeitura Municipal de Otacílio Costa Processo Seletivo Edital 002/2015 Cargo: Professor/a de Libras CONHECIMENTOS GERAIS 12 QUESTÕES 01. O Projeto Político Pedagógico deve retratar a identidade da escola. O PPP exige construção e reconstrução, além da participação de todos os envolvidos no trabalho escolar.

Leia mais

Conhecendo o Aluno com Deficiência Múltipla

Conhecendo o Aluno com Deficiência Múltipla I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO COM DEFICIÊNCIA MÚLTIPLA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno com deficiência múltipla da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui

Leia mais

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna:

11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na segunda coluna: TÉCNICO EM ASSUNTOS EDUCACIONAIS 4 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÕES DE 11 A 25 11. Com base na Teoria Piagetiana, relacione os conceitos da primeira coluna de acordo com as definições apresentadas na

Leia mais

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES

APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ORAL DA CRIANÇA COM SÍNDROME DE DOWN NA EDUCAÇÃO INFANTIL: CONCEPÇÕES DE PAIS E PROFESSORES Resumo Gabriela Jeanine Fressato 1 - Universidade Positivo Mariana Gomes de Sá Amaral

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

Sumário. Introdução... 7

Sumário. Introdução... 7 3 Sumário Introdução... 7 1. Somos especialistas em linguagem corporal... 9 Como os homens se comunicam, 10Comunicação linguística, 10Comunicação não linguística, 10O ato de comunicação, 11Importante:

Leia mais

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar?

Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Aquisição da linguagem: desenvolvimento típico e comprometido O que a pesquisa lingüística e a psicolingüística podem informar? Letícia M. Sicuro Correa (PUC-Rio/LAPAL) Marina R. A. Augusto (PUC-Rio/LAPAL

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

LIBRAS I - CURSO BÁSICO DE LIBRAS

LIBRAS I - CURSO BÁSICO DE LIBRAS Protocolo / PROJETO DE EXTENSÃO LIBRAS I - CURSO BÁSICO DE LIBRAS IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Nome: Professora Ms. Maria Lourdes de Moura Curso: Institucional E-mail: malumoura891@hotmail.com

Leia mais

LÍNGUA BRASILEIRA DOS SINAIS

LÍNGUA BRASILEIRA DOS SINAIS GRUPO SANTA RITA INSCRIÇÕES ABERTAS! PÓS-GRADUAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO LATO SENSU MENSALIDADE R e R$ MEC CURSOS AUTORIZADOS s o lu ç ã o C N E /C n ES 1, º. 7 149, /2 6 / 8 LIBRAS FACULDADES CAMPUS CHAPECÓ

Leia mais

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CORPOREIDADE: UMA PROPOSTA PEDAGÓGICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL UNIVERSIDADE METROPOLITANA DE SANTOS NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE PEDAGOGIA Educação Mediadora Ana Lucia Rodrigues Nunes Teixeira Carla Trindade da Silva

Leia mais

Campus Sousa PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO DO CURSO DE EXTENSÃO LIBRAS. Básico. Coordenador: Prof. Priscilla Andrade

Campus Sousa PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO DO CURSO DE EXTENSÃO LIBRAS. Básico. Coordenador: Prof. Priscilla Andrade Campus Sousa PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROJETO DO CURSO DE EXTENSÃO LIBRAS Básico Coordenador: Prof. Priscilla Andrade Sousa, Setembro de 2014 1 DADOS DO CURSO Título: Curso básico de LIBRAS para professores

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTO PARA SURDOS: DESAFIOS À INCLUSÃO QUALITATIVA

ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTO PARA SURDOS: DESAFIOS À INCLUSÃO QUALITATIVA ALFABETIZAÇÃO/LETRAMENTO PARA SURDOS: DESAFIOS À INCLUSÃO QUALITATIVA Resumo Luzia Cristina Nogueira de Araújo1 - UVA Grupo de Trabalho Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não contou com financiamento

Leia mais

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar:

A Educação Bilíngüe. » Objetivo do modelo bilíngüe, segundo Skliar: A Educação Bilíngüe Proposta de educação na qual o bilingüismo atua como possibilidade de integração do indivíduo ao meio sociocultural a que naturalmente pertence.(eulália Fernandes) 1 A Educação Bilíngüe»

Leia mais

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES

A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES A LITERATURA INFANTIL PARA A FORMAÇÃO DE LEITORES Mércia Rodrigues Gonçalves Pinheiro, UESB RESUMO O presente trabalho foi articulado através de pesquisa de campo, utilizando observação direta e entrevista

Leia mais

Proposta de análise de produção textual de alunos surdos

Proposta de análise de produção textual de alunos surdos Proposta de análise de produção textual de alunos surdos Resumo O presente artigo faz uma revisão bibliográfica sobre a Educação de Surdos, que servirá para o embasamento teórico do Trabalho de Conclusão

Leia mais

Pós graduação EAD Área de Educação

Pós graduação EAD Área de Educação Pós graduação EAD Área de Educação Investimento: a partir de R$ 109,00 mensais. Tempo de realização da pós graduação: 15 meses Investimento: R$109,00 (acesso ao portal na internet e livros em PDF). Ou

Leia mais

Grupo de Educação Especial

Grupo de Educação Especial Grupo de Educação Especial Critérios Gerais de Avaliação 2015/2016 De acordo com o Despacho normativo n.º 24-A/2012, artigo 8.º (ponto 10): 10 A informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do

Leia mais

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês.

INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR. MÚSICA NA CRECHE: Possibilidades de musicalização para bebês. UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE MÚSICA LICENCIATURA MUSICALIZAÇÃO I JOAO FORTUNATO SOARES DE QUADROS JUNIOR INALDO MENDES DE MATTOS JUNIOR MÚSICA NA CRECHE São Luís

Leia mais

FAMÍLIA OUVINTE: DIFERENTES OLHARES SOBRE SURDEZ E EDUCAÇÃO DE SURDOS

FAMÍLIA OUVINTE: DIFERENTES OLHARES SOBRE SURDEZ E EDUCAÇÃO DE SURDOS FAMÍLIA OUVINTE: DIFERENTES OLHARES SOBRE SURDEZ E EDUCAÇÃO DE SURDOS Resumo DORNELES, Marciele Vieira UFSM marciele.vieira@yahoo.co,.br Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA: INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE INCLUSÃO DO SURDO EM UMA

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DE APRENDER UM SEGUNDO IDIOMA NA PRIMEIRA INFÂNCIA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE ABC AUTOR(ES): LILIAM

Leia mais

INFORMATIVO 2015 GRUPO

INFORMATIVO 2015 GRUPO INFORMATIVO 2015 GRUPO 5 Considerar a criança como sujeito é levar em conta, nas relações que com ela estabelecemos, que ela tem desejos, ideias, opiniões, capacidade de decidir, de criar, e de inventar,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA POLO: UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO CCE LETRAS-LIBRAS BACHARELADO Joaquim Cesar Cunha dos Santos ATIVIDADE 07 DISCIPLINA:

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador CRISTOVAM BUARQUE PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS SOCIAIS, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 325, de 2009, de autoria da Deputada Maria do Rosário, que regulamenta a profissão de Tradutor

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2010. Infantil II Segmento I Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2010 Infantil II Segmento I PLANO DE CURSO 2009 INFANTIL II Disciplina: ARTES Série: INFANTIL II Segmento: I COMPETÊNCIAS HABILIDADES A SEREM DESENVOLVIDAS -

Leia mais

A EDUCAÇÃO QUE NÓS SURDOS QUEREMOS

A EDUCAÇÃO QUE NÓS SURDOS QUEREMOS A EDUCAÇÃO QUE NÓS SURDOS QUEREMOS DOCUMENTO ELABORADO PELA COMUNIDADE SURDA A PARTIR DO PRÉ- CONGRESSO AO V CONGRESSO LATINO AMERICANO DE EDUCAÇÃO BILINGUE PARA SURDOS, REALIZADO EM PORTO ALEGRE/RS, NO

Leia mais

Escola Bem-Me-Quer - Educação Infantil e Ensino Fundamental, na Modalidade Educação Especial Rua Bonfim, 1621 - CEP 85.901-150 Toledo - Paraná

Escola Bem-Me-Quer - Educação Infantil e Ensino Fundamental, na Modalidade Educação Especial Rua Bonfim, 1621 - CEP 85.901-150 Toledo - Paraná Escola Bem-Me-Quer - Educação Infantil e Ensino Fundamental, na Modalidade Educação Especial Rua Bonfim, 1621 - CEP 85.901-150 Toledo - Paraná Plano de Trabalho Docente 2014 Educação Infantil Estimulação

Leia mais

Diretrizes Operacionais Referentes à Rede de Apoio à Inclusão. Gerência de Ensino Especial

Diretrizes Operacionais Referentes à Rede de Apoio à Inclusão. Gerência de Ensino Especial Diretrizes Operacionais Referentes à Rede de Apoio à Inclusão Gerência de Ensino Especial I - Equipe multiprofissional Profissionais: psicólogo, fonoaudiólogo, assistente social. Lotação: Nos Centros de

Leia mais

LUDICIDADE NA SALA DE AULA UNIDADE 4 ANO 1. Abril de 2013

LUDICIDADE NA SALA DE AULA UNIDADE 4 ANO 1. Abril de 2013 LUDICIDADE NA SALA DE AULA UNIDADE 4 ANO 1 Abril de 2013 Iniciando a conversa Nesta unidade refletiremos sobre a ludicidade na sala de aula, a partir do tema brincadeiras na alfabetização. Nesta unidade

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI - PEDAGOGIA -

CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI - PEDAGOGIA - CAMPANHA NACIONAL DE ESCOLAS DA COMUNIDADE FACULDADE CENECISTA DE CAPIVARI - PEDAGOGIA - A CONSTRUÇÃO DO SUJEITO SURDO A PARTIR DA AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM LUCINÉIA PEREIRA BOMFIM Capivari, SP 2011 CAMPANHA

Leia mais