A QUEM PERTENCE A GOVERNANÇA DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL?

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A QUEM PERTENCE A GOVERNANÇA DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL?"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO III SEMINÁRIO DE PESQUISA DA FESPSP A QUEM PERTENCE A GOVERNANÇA DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL? Luciana Sonck Orientação: Marijane Lisboa Resumo Este artigo tem por objetivo refletir acerca da elaboração dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, divulgados em julho de 2014 como desdobramentos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, também chamada Rio+20, que ainda necessitam uma avaliação mais profunda e crítica, especialmente no que tange sua governança. Para tanto, foi necessário compreender o histórico do movimento ambientalista e das conferências internacionais sobre meio ambiente e sustentabilidade, para depois conceituarmos a ideia de Governança Global trazida como eixo temático da Rio+20. A discussão sobre o papel dos diferentes atores ao longo do processo e a forma como são apresentadas as relações entre países desenvolvidos e em desenvolvimento estão presentes na discussão, bem como o questionamento sobre evolução dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, a serem perseguidos nos próximos 15 anos em todo o mundo. Palavras-chave Desenvolvimento Sustentável. Governança Global. Rio+20. Objetivos do Desenvolvimento Sustentável.

2 I Introdução Em julho deste ano, a Organização das Nações Unidas (ONU) divulgou a lista de Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS). Como desdobramentos da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, também chamada Rio+20, os ODS foram elaborados visando substituir o marco regulatório que norteava os países desde a virada do século, os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM), cujo cenário de 15 anos para o atingimento de metas expirará em Os ODM foram extremamente bem avaliados pela ONU e pelo governo brasileiro em relatórios deste ano1, pois algumas das metas, como redução da mortalidade infantil ou o acesso à uma fonte de água melhorada, foram atingidas acima do esperado e antes do prazo. Tais objetivos davam foco a oito temáticas com indicadores de fácil medição e acompanhamento, visando o comprometimento dos países em apoiar a elaboração de metas nacionais. Diferentemente, os ODS são muitos, em temáticas dispersas e ainda não possuem indicadores de acompanhamento precisos, ainda em construção. Como desdobramento de uma grande conferência das Nações Unidas, podemos compará-los também com a Agenda 21, plano de trabalho elaborado na Eco-92, cujo comprometimento em metas trouxe pela primeira vez aos países um norteador de como colocar em ação aquilo que na teoria já estava sendo apontado desde os anos Nesse sentido, os ODS sairiam em desvantagem, pois a própria conferência que os referendou não recebera a mesma importância histórica, seja em números de participantes seja na avaliação após o evento, como detalharemos na parte III. Para entender o momento histórico deste lançamento, é importante lançarmos mão do materialismo histórico e analisarmos o movimento ambientalista e a sucessão de conferências internacionais que legitimaram o conceito de Desenvolvimento Sustentável como modelo de desenvolvimento a ser perseguido pelas nações. Também se faz importante compreendermos os diferentes atores e papeis na 1 É o caso do Relatório sobre os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 2014 da Organização das Nações Unidas e do Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio do Governo Federal.

3 construção de tais objetivos, visando analisarmos do ponto de vista político a questão da governança global, amplamente estudada no campo das Relações Internacionais. II- Movimento Ambientalista e o conceito de Desenvolvimento Sustentável Foi a partir da percepção de que a exploração da natureza pelo homem havia alcançado níveis jamais vistos, e talvez gerado processos irreversíveis para o planeta, que se entendeu necessário preservar o meio ambiente. A socióloga Marijane Lisboa ainda aponta que o amor pelo verde cresceu à medida que esse mesmo verde desaparecia sob a poluição atmosférica e de envenenamento dos rios, causados pelo crescimento das cidades e das indústrias (LISBOA, 2009, p.78). O movimento ambientalista, antes de constituir-se politicamente, já estava expresso nas tentativas de preservação de espécies animais e vegetais, tanto por seu caráter utilitário quanto por seu caráter estético, bem como pela mudança de sensibilidade do homem em relação à natureza (LISBOA, 2009, p.76) do final do séc. XIX. Porém, na virada do séc. XIX para o século XX, o ambientalismo sofre sua primeira divisão conceitual. Há então a construção de dois discursos que evidenciariam dois tipos de relação entre Homem e Natureza: para uns, o homem, como parte integrante da natureza, não deveria destruir aquilo que lhe foi dado para a sua sobrevivência, bem como para a de todas as espécies vivas, dentro de uma visão integradora, que incorporaria o conceito de equilíbrio e de ecossistema, enfatizando o vínculo entre o homem e a Natureza e renovando a noção de bem estar humano graças ao conceito de qualidade ambiental. Ao mesmo tempo, o modelo de desenvolvimento em vigor conteria em si um potencial autodestrutivo, pois estaria acabando com os próprios recursos naturais que tornam possível a expansão dos mercados, na medida em que há sempre uma relação de ganha-perde com a Natureza. Assim, para outros, preservarem-se os últimos recursos seria a chave para mais um sopro de vida ao modelo de desenvolvimento vigente. Essas duas linhas de pensamento emergiram das idéias de preservação ambiental, entendendo a Natureza com um direito a existir em sua forma intocada, e de conservação, em um entendimento da Natureza como produto, como fonte de recursos, os quais a Modernidade necessitava que não fossem destruídos. Muir e Pinchot são as principais expressões na academia americana dessas duas correntes,

4 respectivamente preservacionistas e conservacionistas. Os primeiros entendiam que era necessário se preservar o meio ambiente natural, enquanto os conservacionistas, preocupados com o uso dos recursos naturais, buscavam o seu bom uso. (LEIS, 1999, pg.65). Segundo Leis, Pinchot foi, em certa forma, precursor do que hoje se conhece como desenvolvimento sustentável. (...) Defendeu três princípios para garantir ao mesmo tempo o uso e a conservação da natureza: o uso dos recursos naturais pela geração presente, a preservação do desperdício e o desenvolvimento dos recursos naturais para a maioria e não para uma minoria de cidadãos (LEIS, 1999, pg.66). Com o curso do processo de industrialização, na segunda metade do séc. XX, novos problemas surgiram, decorrentes da sociedade industrial (poluição química, mudanças climáticas, tecnologias de alto risco, aumento do desmatamento etc.). O movimento ambientalista dos anos 1970, portanto, enfrenta riscos invisíveis, generalizados, múltiplos e todos eles resultantes do próprio desenvolvimento tecnológico. É a natureza desse risco, fruto de tecnologias avançadas, que caracteriza e diferencia o movimento ambientalista dos anos 1970 dos seus antecessores (LISBOA, 2009, p.84); As consequências globais do desenvolvimento tecnológico acarretaram também uma internacionalização do movimento ambientalista, que, segundo Lisboa, expandiuse do âmbito local, regional, para uma esfera compatível com o tamanho dos problemas que enfrentava ( aquecimento global, destruição da camada de ozônio, contaminação dos oceanos com substâncias químicas persistentes e bioacumulativas, extinção acelerada de espécies animais e vegetais, etc.) (p.85). Assim, entre tantos movimentos emergentes na segunda metade do século passado, o ambientalismo ganha uma dimensão global, que também fica evidente em sua penetração em todas

5 as classes sociais, governos e partidos, e diferentes culturas. Como comentam alguns autores, como Lisboa e Leis, outro aspecto que diferencia este movimento dos demais é sua característica conservadora. Embora uma análise mais sofisticada possa mostrar o quanto há de inovador por trás da utopia ambientalista, ao modificar radicalmente a relação do homem com a natureza e do seu conhecimento com a sua existência, não se pode negar o fato de que o movimento ambientalista surge como um movimento de reação à modernidade e não como um movimento de desdobramento da modernidade. Ricardo Leis coloca-o ainda como um movimento histórico e vital, pois aponta para mudanças em todos os níveis, além de interagir com todos os agentes sociais. Dentro da sociedade contemporânea, portanto, produziria a clivagem principal e decisiva (civilizatória) que abre portas para possibilidades novas e estratégicas, tanto para o conflito como para a cooperação (LEIS, 1999, p.55). Quando pontuamos os principais encontros internacionais de agenda ambientalista, temos Estocolmo (1972), Rio de Janeiro (1992) e Rio de Janeiro (2012) como três marcos na história dessa discussão política. Esses momentos tão importantes para o questionamento sobre o modelo de desenvolvimento do final do século XX sinalizam uma evolução das discussões ambientais, dando um salto de uma fase em que tais discussões se caracterizavam como técnica e científica para outra onde elas se inserem em um contexto política, econômica e social (LAGO, 2007, p.17). Antes disso, porém, é importante ressaltar as contribuições do intitulado Relatório Meadows, ou Limites do Crescimento, cujas conclusões apontaram para a necessidade de congelamento do crescimento da população global e do capital industrial, além de mostrar a realidade dos recursos limitados do planeta 2. Esta publicação, lançada meses antes da conferência de Estocolmo, em 1972, e fruto dos encontros do Clube de Roma 3, destacou-se entre tantas por seu impacto na política 2 BRÜSEKE, Franz. O problema do Desenvolvimento Sustentável in Desenvolvimento e Natureza: estudos para uma sociedade sustentável. Clóvis Cavalcanti, organizador 3. Ed São Paulo: Cortez; Recife, PE: Fundação Joaquim Nabuco, 2001, pg. 30; 3 Segundo Lago: Os encontros foram concebidos, em 1968, pelo industrial italiano Aurélio Peccei, e patrocinados por grandes empresas como a FIAT e a Volkswagen. No início dos anos setenta, os encontros reuniam cerca de setenta cientistas, acadêmicos, economistas, industriais e membros de instituições públicas de países desenvolvidos. O foro de discussão mostrou que a preocupação com o meio ambiente não se limitava a uma parcela alternativa das sociedades mais desenvolvidas, mas

6 internacional, na medida em que apontava a sociedade moderna caminhando para uma autodestruição a partir de seu modelo de desenvolvimento (LAGO, 2007, p.29). Neste mesmo ano, a conferência de Estocolmo ao introduzir na agenda política internacional a problemática do meio ambiente constituiu-se em um importante momento de afirmação do movimento ambientalista em âmbito internacional, que ali exibiu a sua força. A principal crítica dos anos 1970, pelas correntes ambientalistas, era a incapacidade dos governos lidarem com a crescente crise ambiental e isso serviu para provocar nos anos 1980, o surgimento de vários partidos verdes e órgãos governamentais para tratar do tema e políticas públicas ambientais. As forças políticas verdes apresentavam-se como alternativa ao maniqueísmo marcado pela Guerra Fria, mostrando uma vocação política e uma íntima relação do ambientalismo com a esfera pública (LEIS, 1999, p. 128). Embora as forças políticas verdes tenham alcançado maturidade nos anos 1980, quase uma década após a conferência de Estocolmo-72, sua ideologia foi o que propiciou o rápido e profundo impacto dessa conferência sobre a opinião pública e o sistema político internacional. Uma força que não estava nem à direita, nem à esquerda, mas à frente tinha a desvantagem de criticar a todos, mas também tinha a vantagem de não ser inimigo declarado de ninguém (LEIS, 1999, p.128). Em 1987, então, é publicado pela Comissão Mundial sobre o Meio Ambiente Desenvolvimento (UNCED) o Relatório Brundtland (cujo nome remete à presidente da comissão, Gro. Harlem Brundtland), ou Nosso Futuro Comum, fruto de um trabalho de quatro anos de estudo da comissão. Mais de dez anos após a Conferência de Estocolmo, o relatório foi um marco ao apresentar o conceito de Desenvolvimento Sustentável e sugeri-lo como princípio a ser adotado mundialmente. atingia, também, alguns decision makers, conscientes das implicações políticas e econômicas de uma mudança paradigmática (2007, p.28);

7 Segundo esse Relatório, o Desenvolvimento Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade de as futuras gerações satisfazerem as suas próprias necessidades 4 e nesse sentido, Leis afirma que ele expressa uma questão ética que modifica o antropocentrismo colocado até então. Ao substituir o homem como medida das coisas, o conceito recolocaria sua relação frente à natureza e suas responsabilidades perante ela (LEIS, 1999, p.150/151). A natureza, portanto, deixaria de ser o bem sobre o qual exercemos plenamente nosso direito de propriedade, mas patrimônio, Treugut, que deveríamos ser capazes de conservar e deixar aos nossos herdeiros, de forma íntegra (LISBOA, 2009, p.40). O relatório Nosso Futuro Comum, além de seu bem sucedido esforço para obter um consenso mundial que ultrapassasse as diferenças existentes na política internacional entre países ricos e pobres (LEIS, 1999, p.149), trouxe sugestões de medidas a serem adotadas pelos governos, a fim de enfrentar os problemas ambientais levantados pelo Clube de Roma. Entre elas podemos citar a limitação do crescimento populacional, a preservação dos ecossistemas e da biodiversidade, a diminuição do consumo de energia e o desenvolvimento tecnológico de energias renováveis, o controle da urbanização e a integração do campo, e a satisfação das necessidades básicas humanas. Mas ainda não no formato de metas pelo Desenvolvimento Sustentável. A Eco-92, como ficou conhecida a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, no Rio de Janeiro, foi o cenário da consagração do Desenvolvimento Sustentável como marco lógico a ser seguido pelos governantes, pois a publicação do Relatório Brundtland atraiu novamente os governos nacionais para a questão do meio ambiente ao incorporar um novo conceito capaz de abraçar o interesse de todos. Esse súbito interesse ficou explícito nos números: delegações de 172 países, 108 chefes de Estado, jornalistas credenciados e ONG s (LAGO, 2007, p.52). Pela primeira vez, a preocupação na construção de um plano de trabalho mais concreto se fez presente e a Agenda 21 consolidou-se como o principal documento elaborado na conferência. Como apontou, em 1995, a Comissão de Defesa do Consumidor, Meio Ambiente e Minorias da Câmara dos Deputados: 4 Idem, p. 33;

8 Através da Agenda 21 a comunidade das nações procurou identificar os problemas prioritários, os recursos e meios para enfrenta-los e as metas para as próximas décadas. Como todo programa de trabalho, ela visa disciplinar e concentrar os esforços nas áreas chave, evitando a dispersão, o desperdício e as ações contraproducentes. (BRASIL, 1995) Interessante a ponderação do governo brasileiro em querer evitar a dispersão e o desperdício em torno de ações contraproducentes. Nesse sentido caberia um estudo sobre a real eficiência e concentração de esforços dos diferentes fóruns e acordos de cooperação estabelecidos a partir de 1992, como nas diferentes Conferências das Partes (COPs) e encontros temáticos do clima como Toronto e Quioto, que culminaram em protocolos com metas específicas. O documento segue defendendo a importância da participação social e do acesso à informação, porém coloca uma grande preocupação em relação à falta de comprometimento dos países em colocar em prática as ações, algo que também diz sobre a dificuldade de se estabelecer uma governança global para o Desenvolvimento Sustentável. III A Rio+20 e seus desdobramentos A convocação da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, também chamada Rio+20, foi recebida com grande expectativa. Vinte anos após a Eco-92, o mundo se reuniria novamente no Rio de Janeiro para celebrar o conceito de Desenvolvimento Sustentável e a tomada de consciência ambiental que, nos anos 2000, passa de alguns grupos de interesse para cair nas graças da sociedade civil. Entre os objetivos da conferência, inicialmente estava a retomada dos acontecimentos em torno da questão ambiental dos últimos 20 anos, com intuito de celebração. Porém, ao final, dois eixos principais foram relacionados como os principais temas a serem debatidos: a Governança Global para o Desenvolvimento Sustentável e a Economia Verde. Este último ganhou grande destaque no Rascunho Zero, nome dado ao documento amplamente divulgado pelas Nações Unidas como esboço preliminar para os acordos finais da conferência. Isso acarretou em um grande interesse por parte da

9 mídia, da academia e dos movimentos sociais em conhecer esse novo conceito que se apresentava e como ele se apresenta no contexto do Desenvolvimento Sustentável. A importância dada ao eixo da Economia Verde colocou o eixo da governança como coadjuvante. Para a preparação da Rio+20, foi encomendado a uma comissão de especialistas um relatório preliminar para embasar a discussão sobre a Economia Verde. De acordo com este relatório, produzido a pedido do Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais das Nações Unidas (UNDESA), do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e da Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento (UNCTAD), e intitulado The Transition to a Green Economy: Benefits, Challenges and Risks from a Sustainable Development Perspective 5, a definição de Economia Verde está associada ao crescimento econômico das nações enquanto resulta em melhoria do bem-estar da humanidade e equidade social, ao mesmo tempo em que reduz significativamente riscos ambientais e escassez ecológica 6. Porém, como foi possível analisar na pesquisa Economia Verde: uma proposta de mundo ou um mundo de propostas (SONCK, 2012) 7, a nova proposta econômica não apresentava fundamento ou inovação que a distinguisse do próprio conceito de Desenvolvimento Sustentável, tornando-se um nome dado a um conjunto de ideias amplamente discutidas como práticas sustentáveis (GONÇALVES, 2012). De fato, a desaparição do termo Economia Verde na versão final do documento apresentado pela conferência, refletiria a falta de interesse político em sua implementação. Apesar de todo o esforço das Nações Unidas em validar e apresentar este conceito, na redação final do documento ele não mereceu a mesma consideração, passando talvez a representar apenas um cesto de tecnologias a serem vendidas dos países desenvolvidos para os países em desenvolvimento. Isso apontaria a reprodução do viés hegemônico da conferência, tão enfatizado pela Cúpula dos Povos. 5 Relatório produzido por especialistas a pedido da Organização das Nações Unidas na ocasião da segunda reunião preparatória para a Conferência das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20). Autores: José Antonio Ocampo, Aaron Cosbey e Martin Khor; 6 Tradução presente no documento Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza Síntese para tomadores de decisão (UNEP 2011); 7 Trabalho de Conclusão de Curso apresentado como exigência parcial à PUC-SP para obtenção de título de Bacharel em Ciências Sociais, sob a orientação da Profa. Marijane Lisboa.

10 Mas e quanto à governança para o Desenvolvimento Sustentável? Este segundo eixo temático desapareceu da pauta, porém não das agendas das nações, na medida em que se tornou um problema global. A construção de metas pela erradicação da pobreza, redução das emissões de gases de efeito estufa, entre outras prioridades, parece não atingir um patamar de maturidade na medida em que é elaborada por diferentes fóruns, assinada por poucos países e deixa a desejar no que tange a elaboração de indicadores e no acompanhamento dos mesmos. O caso de maior sucesso foram os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio, elaborados pelas lideranças mundiais na Organização das Nações Unidas em decorrência da Declaração do Milênio, com indicadores mensuráveis e prazo de 15 anos para o atingimento das metas, e que em 2015 serão substituídos pelos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. Estes últimos ficaram como lição de casa pósconferência em 2012, cujo saldo insuficiente nada acrescentou às discussões desenvolvidas em fóruns anteriores. Para justificar tal insuficiência, dos 283 parágrafos do documento final da conferência, ficaram estabelecidas apenas 6 metas concretas. Das seis metas, três delas tratam de pesquisa de informações, uma refere-se ao financiamento do processo de desenvolvimento dos países subdesenvolvidos, uma fomenta o compartilhamento de informações e apenas uma poderia ser considerada uma meta mensurável, ao sugerir que, até 2020, 10 por cento das áreas litorâneas e marinhas estejam recuperadas e conservadas. Em se tratando do principal documento publicado na conferência, são metas insuficientes e pouco relevantes. Poderíamos listar aqui algumas propostas que tampouco foram referendadas e permaneceram em aberto: a construção de um Fundo Verde internacional para acumular recursos de investimento em novas tecnologias, a criação de mecanismos de crédito internacional para que os países em desenvolvimento sejam capazes de comprar tecnologia de ponta, ampliar subsídios para as pesquisas em novas tecnologias energéticas e de processos industriais poluentes etc. Apesar das afirmações do governo brasileiro de que a Rio+20 teria sido um real avanço para o Desenvolvimento Sustentável, os comentários em torno dos resultados da conferência, especialmente das organizações sociais e da Academia, apontam um fracasso. Izabella Teixeira, atual ministra do Meio Ambiente, defendeu a versão final do documento, apontando como pontos positivos o fato de a elaboração dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável ser aprovada, de que o PIB fora revisto como indicador de desenvolvimento (mesmo que a nova medida ainda esteja em aberto) e

11 das empresas deverão publicar relatórios periódicos sobre suas ações relacionadas à sustentabilidade. Já a presidente Dilma Rousseff fez questão de apontar que a Rio+20 foi o começo de um diálogo que precisa ser mais bem construído. Segundo ela, o documento final seria apenas o ponto de partida para que os países construam suas próprias estratégias rumo ao Desenvolvimento Sustentável. Mas se há uma governança global em torno do Desenvolvimento Sustentável, quais os limites e possibilidades que os países têm de possuírem suas próprias estratégias? IV Governança Global e os Objetivos do Desenvolvimento Sustentável Apesar de o tema da Governança Global ser tratado mais amplamente no campo das Relações Internacionais, procuraremos abordar brevemente alguns conceitos que permitirão ampliar a reflexão sobre o tema e enriquecer a análise. Torna-se importante diferenciar a ideia de Governança Global para o Desenvolvimento Sustentável e os regimes internacionais de regulamentação. Na abordagem tradicional, as relações internacionais seriam delineadas em termos de equilíbrio de poder, no sentido político entre os Estados, não dando margem a análise de atores não estatais que influenciam as tomadas de decisão, mesmo que sem reconhecimento jurídico internacional. Estamos aqui falando das organizações da sociedade civil, que são entendidas no âmbito nacional, mas que hoje, com o fenômeno da globalização, tomam proporções globais, interferindo nas tomadas de decisões sobre grandes temas, como é o caso dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (PLATIAU, 2001). O termo Governança Global permite a relação com diferentes esferas não estatais, sendo um melhor instrumento de definição do contexto das conferências internacionais para o meio ambiente e desenvolvimento sustentável. Thomas Weiss explica que, no início dos anos 80, governança e especialmente boa governança permeou o discurso do desenvolvimento, principalmente para o nível nacional. Esse conceito está ligado à transparência, participação, promoção dos direitos humanos e baixo índice de corrupção. Nesse sentido, governança e boa governança são

12 ligadas a valores e um modo específico de comportamento. (LIMA, 2013). Como aponta Gabriela Garcia Batista Lima, em sua tese de doutorado, o conceito de governança global extrapolaria a noção de normas ou regulação para vincular-se a valores e um certo modo de tomada de decisão, ou ainda à forma do governo exercer o seu poder (GONÇALVES, 2006). Nesse sentido, a construção de objetivos e metas que direcionem os países para o Desenvolvimento Sustentável, pode ser vista como uma prática de difusão ou internacionalização de valores que norteiem as tomadas de decisões dos Estados, ou até mesmo como uma maneira de ponderarem e institucionalizarem os riscos de questões com dimensão global, como a crise ambiental. Rosenau caracteriza governança global como uma composição que inclui sistemas de regras em diferentes níveis da atividade humana (LIMA, 2013) com vistas à cooperação por objetivos comuns. E ao tratarmos de regras, importa saber como e a quem são endereçadas, o que nos possibilita uma análise sociológica sobre as relações entre os atores. No Rascunho Zero do documento final da Rio+20, intitulado O futuro que queremos, encontramos com grande frequência a ideia de auxílio aos países em desenvolvimento, que fica evidente quando analisamos a frequência com que são mencionados os sujeitos presentes no documento: Quadro 1 Sujeitos citados no rascunho zero Sujeitos Número de citações Países em desenvolvimento/ menos desenvolvidos 35 Governos/Estados 10 Setor Privado 9 Stakeholders 7 Planeta Terra 6

13 Pessoas Pobres/Vulneraveis 5 Humanidade 4 Major Groups 4 Países Desenvolvidos 4 Sociedade Civil 3 Crianças e Jovens 3 Gerações Vindouras 2 Cidadãos 2 Natureza 1 Público 1 Povo 1 Parlamentos nacionais 1 Agentes não estatais 1 Diferentes culturas 1 Civilizações 1 Trabalhadores 1 Universidades 1 Figura 1- Elaborado para esta pesquisa a partir de análise sobre o Rascunho Zero da Rio+20 Essa avaliação pode ser um ponto de partida para a análise das relações entre os sujeitos que participam ou serão afetados pela construção das regras ou dos objetivos de cooperação global para o Desenvolvimento Sustentável.

14 Em primeiro lugar, é notável a presença preponderante da expressão países em desenvolvimento ou países menos desenvolvidos. Mas para além da simples citação de tais sujeitos, é necessário contextualizar sua aparição. Neste primeiro caso, encontramos majoritariamente a expressão associada a questões de auxílio de países desenvolvidos, ou da comunidade internacional, para os países em desenvolvimento, no sentido de que, sem essa ajuda presente, eles não conseguiriam efetuar a transição para uma Economia Verde. Nós reconhecemos, entretanto, que países em desenvolvimento estão enfrentando grandes desafios para erradicar a pobreza e sustentar o crescimento, e a transição para a economia verde irá requerer ajustes estruturais que podem envolver custos adicionais para suas economias. Nesse sentido, é necessário o suporte da comunidade internacional. (ONU, 2012, p.6). Quando pensamos nessa distribuição de papéis, torna-se relevante entender também como está se dando a participação dos atores mencionados na construção das metas e Objetivos do Desenvolvimento Sustentável. A ONU manteve, nestes dois anos após a conferência, um fórum virtual para recebimento de propostas, especialmente com os participantes do Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável, uma iniciativa lançada na Rio+20 para comentários da sociedade civil sobre o documento final da conferência. As trocas de visavam a construção de uma lista de temas e objetivos relevantes, propondo a continuidade e substituição aos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Porém, sabemos que grande parte dessa agenda vem sendo elaborada com participação de agentes não-estatais, mas com cooperação direta com os governos, como é o caso do ICLEI Governos Locais pela Sustentabilidade, e da Frente Nacional de Prefeitos, sendo a primeira uma organização global e a segunda, nacional. Nesse sentido, a participação de organizações internacionais e regimes diversos são vislumbrados como instituições de governança, uma vez que consistem nos instrumentos de definições de sistema de regras, como bem apontou Gabriela Lima. Ao mesmo tempo, as organizações não-estatais estão desprovidas de reconhecimento jurídico internacional, podendo influenciar, mas não definir ou assinar

15 tais regras e objetivos, o que nos levanta a problemática de sua função na questão da governança. As ONGs, como organizações que representam a sociedade civil, ganharam espaço no cenário internacional desde a Eco-92: Na Conferência das Nações Unidas para o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, em 1992, a questão da participação das ONG s trouxe uma nova vida ao debate e revelou a lacuna da falta de um verdadeiro reconhecimento jurídico da participação de atores não-estatais. (PLATIAU, 2001). Mas sendo as organizações de naturezas diferentes, umas visando a cooperação com os Estados outras visando a criação de um espaço público autônomo aos Estados, é possível nos perguntarmos da real necessidade de atribuição de um estatuto jurídico internacional a estas organizações. Ao mesmo tempo, tornando-se cada vez mais influentes nas tomadas de decisão, caberia ao direito internacional pensar seu papel e suas formas de institucionalização no cenário da governança global. Esse tipo de reflexão é compatível com a complexidade que evidenciamos no estabelecimento de objetivos comuns, bem como da efetividade das normas estabelecidas. Nesse caso, o que garantiria a efetividade, segundo Oran Youg (2000), é a transparência e o monitoramento do processo, papel que pode ser exercido pela Academia. Nesse ponto, voltamos ao receio dos deputados brasileiros em 1995, ao se questionarem sobre a efetividade da agenda de trabalho que estava sendo estabelecida naquele contexto. Varella nos coloca um ponto de vista otimista ao dizer que por vezes a norma inicialmente não busca solucionar o problema, mas dar um primeiro passo para o convencimento dos principais atores se comprometerem a tratarem daquele tema (VARELLA, 2009). Essa medida seria, portanto, mais política do que jurídica ou técnica. A abordagem sociológica aqui proposta vem no sentido de questionar de que valem os valores protegidos pela governança se não adquirem efetividade e se tornam ações concretas em benefício para a sociedade? Manter os valores de sustentabilidade de algo vale se as práticas corroborarem?

16 V Considerações finais Vemos que a crescente complexidade das relações entre os atores determinantes para a Governança Global do Desenvolvimento Sustentável é um fenômeno histórico inicialmente encabeçado pelo movimento ambientalista, mas que hoje ganha espaço entre as organizações não-governamentais, Estados e sociedade civil. O estabelecimento de objetivos que nortearão as tomadas de decisão dos governos no que tange o desenvolvimento, a erradicação da pobreza, o fortalecimento dos direitos humanos e da qualidade de vida, os aspectos de habitação, saneamento e alimentação, como satisfação das necessidades básicas humanas, deixou de ser uma ação unificada na medida em que compete entre diversos fóruns e frentes de trabalho que estabelecem metas e acordos para os países, em matéria de Desenvolvimento Sustentável. Em que medida essa ação descentralizada desestimula ou fortalece a adesão dos países e garante a participação da sociedade, por meio das organizações nãoestatais? O fortalecimento da governança global significaria ampliar a efetividade e reduzir os riscos de as ações não saírem do papel? A participação de novos atores na construção dos objetivos e metas estimula a entrada de outros pontos de vista e interesses de grupos específicos aos documentos ou tornou-se momento de escuta e consulta prévia para posterior argumento de que tais grupos foram considerados na construção das metas? Essas perguntas merecem ser melhor analisadas, bem como a avaliação precisa dos ODS sugeridos em sua primeira versão pela ONU para a análise comparativa com os ODM, entendendo as mudanças ou evoluções do ponto de vista do beneficiado. Também é objeto de análise a forma como se deu a participação dos atores envolvidos na construção de tais objetivos, que nortearão os próximos 15 anos de políticas públicas de desenvolvimento em todo o mundo.

17 BIBLIOGRAFIA Desenvolvimento e natureza. Clóvis Cavalcanti, organizador 3ª ed. São Paulo: Cortez; Recife, PE: Fundação Joaquim Nabuco, 2001; DIEGUES, Antonio Carlos. Desenvolvimento sustentável ou sociedades sustentáveis: da crítica dos modelos aos novos paradigmas in Perspectiva. São Paulo, 6(1-2):22-29, janeiro/junho 1992; ESCHENHAGEN, María Luisa. Argumentos para repensar el desarrollo in INNOVAR, Revista de Ciências Administrativas e Sociais, Universidade Nacional da Colômbia. Janeiro a Junho, 2001, Nº17, p GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Sustentando a Insustentabilidade: comentários à Minuta Zero do documento base de negociações da Rio+20, 2012;

18 GRAMSCI, Antonio, Caderno de cárcere, volume 1/ Antonio Gramsci; edição e trad., Carlos Nelson Coutinho; co-edição, Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira- Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, HARVEY, David. O Enigma do Capital. Ed. Boitempo, São Paulo 2012; HOBSBAWM, Eric. Era dos Extremos. Cia das Letras, São Paulo, 1995; LAGO, André Aranha Corrêa do. Estocolmo, Rio, Joanesburgo: o Brasil e as três Conferências Ambientais das Nações Unidas. Brasília: Instituto Rio Branco; Fundação Alexandre de Gusmão, LEIS, Héctor Ricardo. Modernidade Insustentável. Ed. Vozes, Santa Catarina, UFSC, 1999; LIMA, Gabriela Garcia Batista. O conceito de governança global do desenvolvimento sustentável no estudo da efetividade da norma jurídica: reflexões epistemológicas. Nomos: Revista do Programa de Pós-Graduação em Direito da UFC, pg Ano LISBOA, Marijane. Ética e cidadania planetárias na era da tecnologia: o caso da proibição da Basileia. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, MORIN, Edgar. O desenvolvimento da crise do desenvolvimento in Sociologia. Ed. Europa-América, 1984 Pg ; MORIN, Edgar. Terra-Pátria. Instituto Piaget, 2001; PLATIAU, Ana Flávia Barros. Novos atores, governança global e o direito internacional ambiental. Disponível em SEN, Amartya. Desenvolvimento como liberdade. Ed. Cia. Das Letras, VEIGA, José Eli da. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XX. Rio de janeiro: Garamond, ª edição. WHATELY, Marussia. Serviços ambientais: conhecer, valorizar e cuidar: subsídios para a proteção dos mananciais de São Paulo / São Paulo: Instituto Socioambiental, 2008

19 NAÇÕES UNIDAS. O future que queremos. Primeira versão, 10 de janeiro, Em: Plataforma por uma economia inclusiva, verde e responsável/ Instituto Ethos. São Paulo 2011; PNUMA, Nações Unidas. The Transition to a Green Economy: Benefits, Challenges and Risks from a Sustainable Development Perspective. 2010; UNITED NATIONS. The future we want. Segunda versão, 22 de maio, Documento confidencial; UNITED NATIONS. The future we want. Versão final, 27 de julho, Em: Webgrafia: (acessado em 29/10/2012 8h54); (acessado em 12/11/2012, às 16h24); (acessado em 12/11/2012, às 16h46); (acessado em 03/11/ h01); (acessado em 12/11/ h44); (acessado em 12/11/ h44); (acessado em 12/11/2012, 17h46); (acessado em 05/11/ h29);

20 (acessado em 03/11/ h48); (acessado em 03/11/ h31);

Resumo. O caminho da sustentabilidade

Resumo. O caminho da sustentabilidade Resumo O caminho da sustentabilidade Termos recorrentes em debates e pesquisas, na mídia e no mundo dos negócios da atualidade, como sustentabilidade, desenvolvimento sustentável, responsabilidade empresarial

Leia mais

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21 Resenha Desenvolvimento Raíssa Daher 02 de Junho de 2010 Desenvolvimento e Meio Ambiente: As Estratégias de Mudanças da Agenda 21

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1

Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 Os Princípios do IDFC para Promover um Desenvolvimento Sustentável 1 I. Histórico O Clube Internacional de Financiamento ao Desenvolvimento (IDFC) é um grupo de 19 instituições de financiamento ao desenvolvimento

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SECRETARIA EXECUTIVA DEPARTAMENTO DE POLÍTICAS PARA O COMBATE AO DESMATAMENTO Resposta ao Observatório do Clima sobre suas considerações ao Sumário de informações sobre como

Leia mais

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL

SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL SUSTENTABILIDADE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTAVEL Histórico, Significado e implicações www.danielbertoli.com Histórico Preocupações no pós-guerra (50 e 60) Discussões sobre contaminação e exaustão de recursos

Leia mais

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições

A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições A preparação do Brasil para a Conferência Rio+20 Sugestões para contribuições I. Informações preliminares sobre a Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável ( Rio+20 ) De 28 de maio

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos. Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Contextos da Educação Ambiental frente aos desafios impostos pelas mudanças climáticas Maria Teresa de Jesus Gouveia Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro

Leia mais

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios

RESENHA. Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios RESENHA Desenvolvimento Sustentável: dimensões e desafios Sustainable Development: Dimensions and Challenges Marcos Antônio de Souza Lopes 1 Rogério Antonio Picoli 2 Escrito pela autora Ana Luiza de Brasil

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO

RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO RELATÓRIO DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COE INSTITUTO BRASILEIRO DE PESQUISA E GESTÃO DE CARBONO CO2 ZERO DECLARAÇÃO DE APOIO CONTÍNUO DO DIRETOR PRESIDENTE Brasília-DF, 29 de outubro de 2015 Para as partes

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Geografia. Professor: Jonas Rocha

Geografia. Professor: Jonas Rocha Geografia Professor: Jonas Rocha Questões Ambientais Consciência Ambiental Conferências Internacionais Problemas Ambientais Consciência Ambiental Até a década de 1970 o homem acreditava que os recursos

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Capacitação professores Maio 2013 Módulo SUSTENTABILIDADE

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Capacitação professores Maio 2013 Módulo SUSTENTABILIDADE P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Capacitação professores Maio 2013 Módulo SUSTENTABILIDADE Definições de sustentabilidade sustentar - suster 1. Impedir que caia; suportar; apoiar; resistir a;

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011

BRICS Monitor. Especial RIO+20. Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul. Novembro de 2011 BRICS Monitor Especial RIO+20 Os BRICS rumo à Rio+20: África do Sul Novembro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento Urbano e Sustentabilidade BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisas BRICS BRICS

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM

SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM SUSTENTABILIDADE NO LORDÃO: UMA FERRAMENTA DE ENSINO- APRENDIZAGEM Acácio Silveira de Melo (UFCG); Adriano dos Santos Oliveira (UFCG); Filipe da Costa Silva (UFCG), Francinildo Ramos de Macedo (UFCG),

Leia mais

População, Recursos e Ambiente Desenvolvimento Sustentável 5ª aula teórica PRINCÍPIO DA PROCURA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Conferência de Estocolmo: 1º Conferência ONU sobre Ambiente e Estabelecimentos

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA

A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA A GOVERNANÇA INTERNACIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: ECOSOC, COMISSÃO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL, PNUMA Tarciso Dal Maso Jardim 1 A Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável,

Leia mais

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade

ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade ENCONTRO DE MINISTROS DA AGRICULTURA DAS AMÉRICAS 2011 Semeando inovação para colher prosperidade DECLARAÇÃO DOS MINISTROS DA AGRICULTURA, SÃO JOSÉ 2011 1. Nós, os Ministros e os Secretários de Agricultura

Leia mais

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável

U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20. Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável U.N. CONFERENCE ON SUSTAINABLE DEVELOPMENT RIO + 20 Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável CONFERÊNCIA RIO+20 20 e 22 de junho de 2012 20º aniversário da Conferência das Nações

Leia mais

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RIO+20: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DE RESULTADOS E PERSPECTIVAS DA CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Carlos Henrique R. Tomé Silva 1 Durante dez dias, entre 13 e 22 de julho de

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio;

A tendência do homem à mecanização, transformando as matérias-primas em bens úteis, gerando resíduos inúteis para o meio; OS IMPACTOS AMBIENTAIS E A BIODIVERSIDADE 1 A poluição A introdução no meio ambiente de qualquer matéria ou energia que venha alterar as propriedades físicas, químicas ou biológica que afete a saúde das

Leia mais

Carta da Terra e Ecopedagogia

Carta da Terra e Ecopedagogia Carta da Terra e Ecopedagogia A Carta da Terra como marco ético e conceito de sustentabilidade no século XXI Valéria Viana Labrea O que está no início, o jardim ou o jardineiro? É o segundo. Havendo um

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL:

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: EDUCAÇÃO EM SAÚDE AMBIENTAL: AÇÃO TRANSFORMADORA IV Seminário Internacional de Engenharia de Saúde Pública Belo Horizonte Março de 2013 Quem sou eu? A que grupos pertenço? Marcia Faria Westphal Faculdade

Leia mais

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema.

Palavras-chave: Aquecimento global, Mídias, Tecnologias, Ecossistema. Aquecimento Global e Danos no Manguezal Pernambucano SANDRA MARIA DE LIMA ALVES 1 - sandrali@bol.com.br RESUMO Este artigo procura enriquecer a discussão sobre o fenômeno do aumento da temperatura na terra

Leia mais

Iniciativas Futuro Verde" do Japão

Iniciativas Futuro Verde do Japão 1. Compreensão Básica Iniciativas Futuro Verde" do Japão 1. Nas condições atuais, em que o mundo está enfrentando diversos problemas, como o crescimento populacional, a urbanização desordenadas, a perda

Leia mais

AGENDA 21: Imagine... FUTURO... AGENDA 21: 1. É o principal documento da Rio-92 (Conferência ONU: Meio Ambiente e desenvolvimento Humano); 2. É a proposta mais consistente que existe de como alcançar

Leia mais

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO

CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO CAPÍTULO 3 PROTOCOLO DE KIOTO Medidas estão sendo tomadas... Serão suficientes? Estaremos, nós, seres pensantes, usando nossa casa, com consciência? O Protocolo de Kioto é um acordo internacional, proposto

Leia mais

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental

Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental Plataforma de Cooperação da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) na Área Ambiental I. Contexto Criada em 1996, a reúne atualmente oito Estados Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique,

Leia mais

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS

Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS Comunidade de Prática Internacional para apoiar o fortalecimento e liderança da BIREME OPAS/OMS Fortalecimento institucional da BIREME OPAS/OMS TERMOS DE REFERÊNCIA Versão 17/07/2012 No âmbito de um processo

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro

Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro Avaliação do desempenho socioambiental de projetos com foco nos Princípios do Equador e Parâmetros de Desempenho do IFC Os Princípios do Equador e o Desempenho Socioambiental do Setor Financeiro São Paulo,

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG

ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG PROPOSTA ASSINATURA DA CARTA DE AALBORG Desde sempre, desde as sociedades primitivas, o Homem usou os recursos naturais para viver. Porém durante muito tempo, a exploração de recursos era diminuta e a

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo

Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Desenvolvimento e Desigualdades: cenários e perspectivas para a saúde no mundo Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO 1. Apresentação O presente

Leia mais

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do

introdução Trecho final da Carta da Terra 1. O projeto contou com a colaboração da Rede Nossa São Paulo e Instituto de Fomento à Tecnologia do sumário Introdução 9 Educação e sustentabilidade 12 Afinal, o que é sustentabilidade? 13 Práticas educativas 28 Conexões culturais e saberes populares 36 Almanaque 39 Diálogos com o território 42 Conhecimentos

Leia mais

Documento referencial: uma contribuição para o debate

Documento referencial: uma contribuição para o debate Documento referencial: uma contribuição para o debate desenvolvimento integração sustentável participação fronteiriça cidadã 1. Propósito do documento O presente documento busca estabelecer as bases para

Leia mais

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO

01/12/2012 MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL. Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO MEIO AMBIENTE E RESPONSABILIDADE SOCIAL Guarantã do Norte/MT A SOCIEDADE ESTÁ EM TRANSFORMAÇÃO TAREFAS ESTRUTURA PESSOAS AMBIENTE TECNOLOGIA ÊNFASE NAS TAREFAS Novos mercados e novos conhecimentos ÊNFASE

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Dezembro/2011 Instrumentos da Política SocioAmbiental Linhas de Instituições Financiamento participantes da pesquisa Participação de

Leia mais

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática

Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática Posição da indústria química brasileira em relação ao tema de mudança climática A Abiquim e suas ações de mitigação das mudanças climáticas As empresas químicas associadas à Abiquim, que representam cerca

Leia mais

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo.

Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade IV Natureza sociedade: questões ambientais. Aula 19 Conteúdo O homem e o meio ambiente. Principais problemas ambientais do mundo. 2 CONTEÚDO

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar EDSON MANOEL DA SILVA 1 EDUCAÇÃO AMBIENTAL: Educando gerações para repensar, reduzir, reaproveitar e reciclar Introdução EDSON MANOEL DA SILVA O projeto de Educação Ambiental realizado na Escola Antônio Firmino, rede municipal

Leia mais

Caminho para a dignidade 2015-2030. Uma Agenda universal e participativa

Caminho para a dignidade 2015-2030. Uma Agenda universal e participativa Caminho para a dignidade 2015-2030 Uma Agenda universal e participativa 2015 Caminho para a dignidade 2015-2030 Fusão de 6 agendas/diálogos internacionais (!) 1.Agenda do desenvolvimento e os ODM 2.Desenvolvimento

Leia mais

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul

BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul MECANISMOS INTER-REGIONAIS BRICS Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul O que faz o BRICS? Desde a sua criação, o BRICS tem expandido suas atividades em duas principais vertentes: (i) a coordenação

Leia mais

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO...

educação ambiental: estamos caminhando... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... EDUCAÇÃO AMBIENTAL: ESTAMOS CAMINHANDO... RAQUEL DA SILVA PEREIRA raquelspereira@uol.com.br universidade municipal de são caetano do sul O livro escrito pelos professores e pesquisadores José Carlos Barbieri

Leia mais

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários

Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Perfil dos Participantes Compilação das Respostas dos Questionários Outubro/2011 Temas de Interesse Meio Ambiente Ações Sociais / Projetos Sociais / Programas Sociais Sustentabilidade / Desenvolvimento

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS?

REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? REFLEXÕES SOBRE A VIDA NO PLANETA: SOMOS CONSUMIDORES RESPONSÁVEIS? Ensino Fundamental II e Ensino Médio O sistema capitalista move a nossa sociedade, sendo um modelo econômico atual que pressupõe uma

Leia mais

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA!

QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! QUANDO TODO MUNDO JOGA JUNTO, TODO MUNDO GANHA! NOSSA VISÃO Um mundo mais justo, onde todas as crianças e todos os adolescentes brincam, praticam esportes e se divertem de forma segura e inclusiva. NOSSO

Leia mais

Acordo para o Desenvolvimento Sustentável

Acordo para o Desenvolvimento Sustentável Acordo para o Desenvolvimento Sustentável Compromisso do CDES e de 71 Organizações da Sociedade Civil Brasileira 1 Estratégia de Desenvolvimento Sustentável Rio+20 1. Articulação Nacional: Previsão de

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis

Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Educação Ambiental Crítica: do socioambientalismo às sociedades sustentáveis Ciclo de Cursos de Educação Ambiental Ano 4 Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Planejamento Ambiental Estratégico

Leia mais

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD

MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD MANIFESTO SOBRE PRINCÍPIOS E SALVAGUARDAS PARA O REDD INTRODUÇÃO O REDD (Redução das Emissões por Desmatamento e Degradação) é o mecanismo que possibilitará países detentores de florestas tropicais poderem

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya

Documento em construção. Declaração de Aichi-Nagoya Documento em construção Declaração de Aichi-Nagoya Declaração da Educação para o Desenvolvimento Sustentável Nós, os participantes da Conferência Mundial da UNESCO para a Educação para o Desenvolvimento

Leia mais

DISCIPLINA A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL E A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS

DISCIPLINA A PROBLEMÁTICA AMBIENTAL E A GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS CAPÍTULO 1. Atividade 1 Ligando as ideias Pág.: 5 O documento "Declaração sobre o ambiente humano" está disponível na Biblioteca Virtual da Acesse esse documento e, após realizar uma leitura atenta, identifique

Leia mais

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental

Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental Governo do Estado do Rio Grande do Sul Secretaria da Educação Secretaria do Meio Ambiente Órgão Gestor da Política Estadual de Educação Ambiental PROJETO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL

Leia mais

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota

EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL. Giovani Cammarota UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA PRÁTICA DE ENSINO DE MATEMÁTICA III EXPLORANDO ALGUMAS IDEIAS CENTRAIS DO PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS ENSINO FUNDAMENTAL Giovani Cammarota

Leia mais

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012

Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20 Comitê Nacional de Organização Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável Rio de Janeiro, 13-22 de junho de 2012 Rio+20: como chegamos até aqui Estocolmo 1972 Realizada há quarenta

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA

EFIÊNCIA DOS RECURSOS E ESTRATÉGIA ENERGIA E CLIMA INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite para participar neste debate e felicitar os organizadores pela importância desta iniciativa. Na minha apresentação irei falar brevemente da

Leia mais

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades;

Promover um ambiente de trabalho inclusivo que ofereça igualdade de oportunidades; POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE OBJETIVO Esta Política tem como objetivos: - Apresentar as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente as inovações

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade

Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade Dupla Ação: ConscientizAção e EducAção Ambiental para a Sustentabilidade A Agenda 21 vai à Escola Autora: Zióle Zanotto Malhadas Nucleo Interdisciplinar de Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFPR/Curitiba/2001

Leia mais

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos

Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras. Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Reflexões sobre a Ética em Empresas de Tecnologia O Caso Petrobras Heitor Chagas de Oliveira Gerente Executivo Recursos Humanos Sustentabilidade e Competitividade SUSTENTABILIDADE pode ser entendida como

Leia mais

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA

AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA AS PERSPECTIVAS DA ECONOMIA CRIATIVA NO BRASIL PARA GERAÇÃO DE EMPREGO E RENDA Miranda Aparecida de Camargo luckcamargo@hotmail.com Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Luana Sokoloski sokoloski@outlook.com

Leia mais

Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios

Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios Lançamento do relatório - Mercados Inclusivos no Brasil: Desafios e Oportunidades do Ecossistema de Negócios Ana Cecília de Almeida e Nathália Pereira A Iniciativa Incluir, promovida pelo PNUD Programa

Leia mais

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão

Síntese e Resultados. III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres. 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Síntese e Resultados III Conferência das Nações Unidas para a Redução do Risco de Desastres 14-18 Março de 2015, Sendai, Japão Resultados & Avanços Resultados Implementaçao de Hyogo revista e avaliada*

Leia mais

Propriedade intelectual e políticas de comunicação

Propriedade intelectual e políticas de comunicação 1 Fórum Para entender os eixos focais Propriedade intelectual e políticas de comunicação Graça Caldas O texto do prof. Rebouças oferece uma importante revisão histórica sobre os conceitos que permeiam

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA

SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA SUSTENTABILIDADE EM UMA INDÚSTRIA AUTOMOTIVA Fabíola Santos Silva 1 Márcio Santos Godinho 1 Sara Floriano 1 Vivian Alves de Lima 1 Akira Yoshinaga 2 Helio Rubens Jacintho Pereira Junior 2 RESUMO Este trabalho

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Fórum de Diálogo IBAS

Fórum de Diálogo IBAS Fórum de Diálogo IBAS, e do Sul Integração SUL-SUL Fórum de Mulheres FÓRUM De DIÁLOGO IBAS, e do Sul O Fórum IBAS é uma iniciativa trilateral entre, e do Sul, desenvolvida para promover a cooperação Sul-

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido

Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Ensino Vocacional, Técnico e Tecnológico no Reino Unido Apoiar a empregabilidade pela melhora da qualidade do ensino profissionalizante UK Skills Seminar Series 2014 15 British Council UK Skills Seminar

Leia mais

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Eduardo Viola - Professor

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

TRABALHO DECENTE COM BAIXAS EMISSÕES DE CARBONO

TRABALHO DECENTE COM BAIXAS EMISSÕES DE CARBONO O PROGRAMA EMPREGOS VERDES DA OIT: TRABALHO DECENTE COM BAIXAS EMISSÕES DE CARBONO Brasília, 07 de dezembro de 2010 Assuntos abordados A Iniciativa Empregos Verdes e as definições do conceito A crise econômica

Leia mais

Educação ambiental na gestão das bacias hidrográficas

Educação ambiental na gestão das bacias hidrográficas Boletim ABLimno 42(1), 14-19, 2016 Educação ambiental na gestão das bacias hidrográficas Ana Tiyomi Obara 1 e Mara Luciane Kovalski 2 1- Departamento de Biologia, Área de Ensino, Universidade Estadual

Leia mais

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes.

Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. Instituto Ethos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1998, por um grupo de 11 empresários; 1475 associados: empresas de diferentes setores e portes. MISSÃO: Mobilizar, sensibilizar e ajudar as empresas

Leia mais

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável.

REF: As pautas das crianças e adolescentes nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Brasília, Dezembro de 2015 Exma. Sra. Dilma Rousseff Presidente da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto Gabinete da Presidência Praça dos Três Poderes, Brasília - DF, 70150-900. REF: As pautas

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br

CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS. Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br CAPTAÇÃO DE RECURSOS ATRAVÉS DE PROJETOS SOCIAIS Luis Stephanou Fundação Luterana de Diaconia fld@fld.com.br Apresentação preparada para: I Congresso de Captação de Recursos e Sustentabilidade. Promovido

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial

Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial Sustentabilidade Corporativa na Economia Mundial NAÇÕES UNIDAS PACTO GLOBAL O que é o Pacto Global da ONU? Nunca houve um alinhamento tão perfeito entre os objetivos da comunidade internacional e os do

Leia mais

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil)

RELATÓRIO DA OFICINA DE PAÍSES FEDERATIVOS E DA AMÉRICA DO NORTE. (Apresentado pelo Brasil) TERCEIRA REUNIÃO DE MINISTROS E AUTORIDADES DE OEA/Ser.K/XXXVII.3 ALTO NÍVEL RESPONSÁVEIS PELAS POLÍTICAS DE REDMU-III/INF. 4/05 DESCENTRALIZAÇÃO, GOVERNO LOCAL E PARTICIPAÇÃO 28 outubro 2005 DO CIDADÃO

Leia mais