Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tratados internacionais sobre o meio ambiente"

Transcrição

1 Tratados internacionais sobre o meio ambiente

2 Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA)

3 Em Relatório Brundtland (Noruega) Protocolo de Montreal preocupação com a camada de ozônio PNUMA criou o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC)

4 ECO 92 Marcada em Cúpula da Terra Objetivos: Balanço do que foi feito de 72 a 92 Estabelecer mecanismos de transferência de tecnologias nãopoluentes aos países subdesenvolvidos Estabelecer um sistema de cooperação internacional para prever ameaças ambientais

5 ECO 92 Agenda 21 Declaração do Rio (Carta da Terra) Convenção sobre Mudança do Clima Documentos Declaração sobre florestas Convenção da Biodiversidade

6 Convenção da Biodiversidade Objetivos: Conservação Uso sustentável Financiamento

7 Declaração sobre florestas Documento apresenta contribuições para a gestão e conservação das florestas Todos os tipos de florestas, em qualquer zona climática do globo terrestre, estão incluídos

8 Carta da Terra Manifesto de princípios éticos, imprescindíveis para a formação de uma sociedade universal que seja justa, sustentável e pacífica. Declaração do Rio de Janeiro sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Em 97, durante o Fórum+5, a Comissão da Carta da Terra convocou sua primeira reunião e um texto de referência foi liberado. A carta busca inspirar todos os indivíduos do mundo à responsabilidade compartilhada, buscando o bem-estar da raça humana. É um chamado à ação de proteção ecológica, à erradicação da pobreza, à promoção do desenvolvimento econômico, ao respeito aos direitos humanos, à democracia e à paz.

9 Agenda 21 A Agenda 21 é um instrumento de planejamento para a construção de sociedades sustentáveis, que concilia métodos de proteção ambiental, justiça social e eficiência econômica.

10 Principais temas: Combate à pobreza. Cooperação para chegar ao desenvolvimento sustentável. Sustentabilidade Proteção da atmosfera. Planejamento no uso dos recursos da terra. Combate ao desmatamento das matas e florestas no mundo. Combate à desertificação e seca. Preservação dos diversos ecossistemas do planeta Preservação dos recursos hídricos Conservação da biodiversidade no planeta. Tratamento e destinação responsável dos diversos tipos de resíduos Fortalecimento das ONGs na busca do desenvolvimento sustentável. Educação como forma de conscientização ambiental. Desenvolvimento rural com sustentabilidade.

11 Convenção sobre mudança climática Criou o quadro de mudanças climáticas Criou a Conferência das Partes (COP) Objetivos da COP: Estabilizar a concentração de gases de efeito estufa na atmosfera; Assegurar a produção alimentar; Desenvolver uma economia sustentável

12 COP , Japão Protocolo de Kyoto As metas são de redução em 5,2% das emissões de GEE, tendo como parâmetro as emissões de 90 Era necessário um número mínimo de países que somassem 55% das emissões globais (o que ocorre em 2005) Se encerraria em 2012

13 COP em Haia, Holanda Impasses entre UE e USA em assuntos relacionados ao Mecanismo de Desenvolvimento Limpo e Mercado de Carbono Mercado de Carbono: países ou empresas têm que montar estratégias para se manter abaixo da cota de emissões, o que possibilita o surgimento do comércio de permissões (quando um agente emite menos que a cota e vende para outro que está acima dela) ou de compensações de emissão. MDL: implantação de um projeto em um país com o objetivo de reduzir as emissões de GEEs. Cada tonelada de CO2 equivalente deixada de ser emitida ou retirada da atmosfera se transforma em uma unidade de crédito de carbono, chamada Redução Certificada de Emissão (RCE), que poderá ser negociada no mercado mundial.

14 COP-7 Marrakesh, 2001 Negociações retomadas Definidas limitações no uso de créditos de carbono gerados por projetos florestais Estabelece fundos de ajuda EUA sai das negociações

15 Rio , Johannesburgo Discussões: preservação do meio ambiente + aspectos sociais Fornecimento de água, saneamento básico, energia, saúde, agricultura e biodiversidade, além de cobrar atitudes com relação aos compromissos firmados durante a Eco-92 Os países desenvolvidos não cancelaram as dívidas das nações mais pobres, bem como os países integrantes da OPEP juntamente com os Estados Unidos não assinaram o acordo que previa o uso de 10% de fontes energéticas renováveis Um dos poucos resultados positivos foi referente ao abastecimento de água. Os países concordaram com a meta de reduzir pela metade, o número de pessoas que não têm acesso a água potável nem a saneamento básico até 2015.

16 COP , Montreal Protocolo de Kyoto entra em vigor EUA de fora

17 COP , Bali Alerta sobre aumento da temperatura Preparação para Copenhague Questão das florestas

18 COP , Copenhague Expectativas Redução de Emissões por Desmatamento e Degradação (REDD) Deveria estabelecer um acordo que substituiria o Protocolo de Kyoto Terminou sem grandes avanços

19 COP , Cancún Criação do Fundo Verde: Administração de ajuda financeira dos países ricos aos mais pobres. UE, Japão e Estados Unidos prometeram contribuições que devem alcançar US$ 100 bilhões anuais em Também se comprometeram a conceder uma ajuda imediata de US$ 30 bilhões, parte de um fundo a curto prazo. Mecanismo de proteção das florestas tropicais do planeta

20 COP , Durban Plataforma Durban 2ª fase do Protocolo de Kyoto Gestão do Fundo Verde Roteiro para novo acordo global

21 Rio , Rio de Janeiro Questões em debate: Assumir compromissos com prazos Fundar uma agência independente Criar um novo conceito de PIB Ajuda financeira dos ricos para países em desenvolvimento

22 COP , Doha Adoção de um segundo período para o Protocolo de Kyoto Outros temas importantes não avançaram

23 COP , Varsóvia A questão do financiamento a países não desenvolvidos Mecanismo Internacional de Varsóvia Proposta de convite para países realizarem consultas nacionais para a definição do nível de ambição e de capacidade nos esforços de redução de suas emissões de gases do efeito estufa ponto este defendido pelo Brasil em proposta apresentada pouco antes da COP 19. Um avanço: acordo em torno das regras para pagamento por esforços de redução de emissão decorrentes de ações contra o desmatamento e degradação florestal REDD+. O acordo aprovado foi acompanhado por compromissos de financiamento em torno dos US$ 280 milhões por parte dos Estados Unidos, Alemanha, Noruega e Reino Unido. O REDD+ existia desde a COP 16 (Cancun, 2010), mas não possuía nenhum arcabouço que orientasse e articulasse as ações nesse tema.

24 COP-20 Lima, 2014 "Chamamento de Lima para a Ação sobre o Clima O documento ressalta a culpa histórica de emissões de gasesestufa, o que atribui aos países desenvolvidos mais responsabilidades em comparação aos países em desenvolvimento.

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados;

Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados; MUDANÇAS CLIMÁTICAS 1 A Rio-92 Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento; Fez um balanço tanto dos problemas existentes quanto dos progressos realizados; O tema principal foi

Leia mais

CONFERÊNCIAS SOBRE O MEIO AMBIENTE ESTOCOLMO

CONFERÊNCIAS SOBRE O MEIO AMBIENTE ESTOCOLMO ESTOCOLMO - 1972 Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano Teve como objetivo discutir as consequências da degradação ambiental e os efeitos das atividades industriais. A Conferência foi

Leia mais

CONFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O MEIO AMBIENTE

CONFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O MEIO AMBIENTE A Questão Ambiental Meio Ambienta SUSTENTABILIDADE CONFERÊNCIAS INTERNACIONAIS SOBRE O MEIO AMBIENTE HISTÓRICO DO AMBIENTALISMO 1925 Protocolo de Genebra. 1964 Conferência das Nações Unidas sobre comercio

Leia mais

Conferência de Estocolmo 1972.

Conferência de Estocolmo 1972. Conferência de Estocolmo 1972. Conferência de Estocolmo (Suécia 1972):. Antecedentes: - Década de 1960: consciência da emergência do colapso ambiental provocado pela concentração industrial, urbanização,

Leia mais

PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS

PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS A QUESTÃO AMBIENTAL PRINCIPAIS IMPACTOS AMBIENTAIS Impacto Ambiental deve ser entendido como um desequilíbrio resultante da ação do homem(ligado ao modo de produção) sobre o meio ambiente. Alguns exemplos:

Leia mais

Mercado de Carbono. Protocolo de Kyoto. MSc. AUGUSTO HEINE

Mercado de Carbono. Protocolo de Kyoto. MSc. AUGUSTO HEINE Mercado de Carbono e Protocolo de Kyoto MSc. AUGUSTO HEINE Objetivo firmar acordos e discussões internacionais para conjuntamente estabelecer metas de redução na emissão de gases-estufa na atmosfera, principalmente

Leia mais

Mudanças Globais do Clima: uma história em andamento. Brasilia 7 de Maio de 2008

Mudanças Globais do Clima: uma história em andamento. Brasilia 7 de Maio de 2008 Mudanças Globais do Clima: uma história em andamento. Brasilia 7 de Maio de 2008 A Fonte das Informações O Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas da ONU (IPCC). Estabelecido em 1988 por convênio

Leia mais

Acordo de Paris é aprovado

Acordo de Paris é aprovado Acordo de Paris é aprovado Durante a COP 21, os 195 países membros da Convenção do Clima aprovaram, por consenso, o texto do novo acordo climático que substituirá o Protocolo de Quioto e passará a valer

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM FOCO. Prof. Dr. Pedro Roberto Jacobi Dra. Sara Gurfinkel M. Godoy

MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM FOCO. Prof. Dr. Pedro Roberto Jacobi Dra. Sara Gurfinkel M. Godoy MUDANÇAS CLIMÁTICAS EM FOCO Prof. Dr. Pedro Roberto Jacobi Dra. Sara Gurfinkel M. Godoy ATORES E EVENTOS RELEVANTES LIGADOS ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS Intergovernmental Panel of Climate Changes IPCC Estabelecido

Leia mais

Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas. Análise Desenvolvimento

Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas. Análise Desenvolvimento Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas Análise Desenvolvimento Joana Laura M. Nogueira 09 de abril de 2007 Painel Intergovernamental sobre as Mudanças Climáticas Análise Desenvolvimento

Leia mais

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) Problemas Ambientais

Geografia. Claudio Hansen (Rhanna Leoncio) Problemas Ambientais Problemas Ambientais Problemas Ambientais 1. A emissão de CO2 na atmosfera é uma das principais causas do aquecimento global. O mapa a seguir apresenta as emissões de dióxido de carbono per capita em alguns

Leia mais

Conferências ambientais e Sustentabilidade

Conferências ambientais e Sustentabilidade Conferências ambientais e Sustentabilidade 1. (UNIRIO) A ideia de DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL tem sido cada vez mais discutida junto às questões que se referem ao crescimento econômico. De acordo com este

Leia mais

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente

Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Plano de Energia e Mudanças Climáticas de Minas Gerais: Fundação Estadual do Meio Ambiente Estrutura da apresentação Contexto Brasileiro Plano de Energia e Mudanças Climáticas Plataforma Clima Gerais Índice

Leia mais

Projetos de MDL. Porto Seguro, 15 de Agosto de Sustentabilidade a chave para o futuro

Projetos de MDL. Porto Seguro, 15 de Agosto de Sustentabilidade a chave para o futuro Projetos de MDL Porto Seguro, 15 de Agosto de 2008 Sustentabilidade a chave para o futuro Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro - BSMB Banco Sumitomo Mitsui Brasileiro - BSMB Em 2005, BSMB iniciou suas atividades

Leia mais

Aula 1. 3º)A biodiversidade inclui componentes físicos do ambiente como minerais, agua ar? Justifique

Aula 1. 3º)A biodiversidade inclui componentes físicos do ambiente como minerais, agua ar? Justifique Aula 1 1º) Conceitue meio ambiente É tudo que tem a ver com o ser ou com um grupo de seres vivos. É o conjunto de fatores, sociais e culturais que envolvem um individuo e com os quais ele interage. 2º)

Leia mais

As Mudanças Climáticas e o Brasil

As Mudanças Climáticas e o Brasil SEMINÁRIO HOSPITAIS SAUDÄVEIS 2016 As Mudanças Climáticas e o Brasil Carlos Rittl, Dr. Observatório do Clima Secretário Executivo Setembro, 2016 SBDIMA Sociedade Brasileira de Direito Internacional do

Leia mais

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011

Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Dinâmica das Potencias Climáticas, Governança Global e Transição para o Baixo Carbono Rio,CINDES,10/6/2011 Eduardo Viola Professor Titular Instituto de Relações Internacionais Universidade de Brasília

Leia mais

Unidade I ECOLOGIA. Profa. Dra. Fabiana Fermino

Unidade I ECOLOGIA. Profa. Dra. Fabiana Fermino Unidade I ECOLOGIA Profa. Dra. Fabiana Fermino Ecologia Mudança climática no passado. Efeito estufa natural. Fonte: Miller Jr, G.T.2006 Os últimos 900 mil anos Longos períodos de resfriamento global e

Leia mais

Mudança do Clima: Conceitos Básicos Roberto de Aguiar Peixoto

Mudança do Clima: Conceitos Básicos Roberto de Aguiar Peixoto Departamento de Meio Ambiente DMA Divisão de Mudança do Clima Programa DMA de Discussões Internas sobre Mudança do Clima Mudança do Clima: Conceitos Básicos Roberto de Aguiar Peixoto Natureza do fenômeno

Leia mais

Bancário Atualidades Meio Ambiente Nilton Matos Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor.

Bancário Atualidades Meio Ambiente Nilton Matos Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Bancário Atualidades Meio Ambiente Nilton Matos 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. É inegável a importância das fontes renováveis de energia para a redução das

Leia mais

Desenvolvimento limpo e o mercado de carbono

Desenvolvimento limpo e o mercado de carbono Desenvolvimento limpo e o mercado de carbono Análise Desenvolvimento Joana Laura M. Nogueira 30 de maio de 2007 1 Desenvolvimento limpo e o mercado de carbono Análise Desenvolvimento Joana Laura M. Nogueira

Leia mais

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA

MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE. Telma Manjta MICOA MITIGAÇÃO DAS MC EM MOÇAMBIQUE Telma Manjta MICOA Conteúdo da Apresentação Enquadramento da mitigação dos GEE em Moçambique Prioridades de Mitigação identificadas na ENAMMC Emissões GEE em Moçambique Oportunidades

Leia mais

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL

Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Atuação CAIXA no Financiamento de Energia, Saneamento Ambiental e MDL Nome: Denise Maria Lara de Souza Seabra Formação: Enga. Civil e Sanitarista Instituição: Caixa Econômica Federal Agenda Contextualização

Leia mais

BRICS Monitor. Especial RIO+20. A Participação dos BRICS na COP17. Março de 2012

BRICS Monitor. Especial RIO+20. A Participação dos BRICS na COP17. Março de 2012 BRICS Monitor Especial RIO+20 A Participação dos BRICS na COP17 Março de 2012 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisas BRICS BRICS Monitor

Leia mais

Camada onde se dão a vida e os fenômenos meteorológicos. As temperaturas são menores quanto maiores forem as altitudes.

Camada onde se dão a vida e os fenômenos meteorológicos. As temperaturas são menores quanto maiores forem as altitudes. ATMOSFERA Composição Camadas Troposfera Camada onde se dão a vida e os fenômenos meteorológicos. As temperaturas são menores quanto maiores forem as altitudes. Estratosfera Camada onde quase não há vapor

Leia mais

Impactos Ambientais Urbanos

Impactos Ambientais Urbanos Impactos Ambientais Urbanos Impactos locais e regionais CHUVA ÁCIDA Queima de combustíveis fósseis e carvão. Principais poluentes carros e indústrias. Resulta da combinação da água com dióxido de enxofre

Leia mais

QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR)

QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR) AQUECIMENTO GLOBAL QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR) CHINA GRANDE EMISSÃO DO GEE DEZ SINAIS DE ALARME DO AQUECIMENTO GLOBAL AUMENTO DO NÍVEL DOS OCEANOS TUVALU refugiados

Leia mais

NOTA TÉCNICA Valores de referência para o potencial de aquecimento global (GWP) dos gases de efeito estufa versão 1.0

NOTA TÉCNICA Valores de referência para o potencial de aquecimento global (GWP) dos gases de efeito estufa versão 1.0 NOTA TÉCNICA Valores de referência para o potencial de aquecimento global (GWP) dos gases de efeito estufa versão 1.0 Contexto Cada gás de efeito estufa é capaz de reter calor em determinada intensidade,

Leia mais

Mercados de Carbono. Situação dos projetos florestais

Mercados de Carbono. Situação dos projetos florestais Mercados de Carbono Situação dos projetos florestais F U N D A Ç Ã O B R A S I L E I R A P A R A O D E S E N V O L V I M E N T O S U S T E N T Á V E L Agenda Quioto e a floresta CCX e outros mercados voluntários

Leia mais

Professor Marcelo Saraiva A preocupação contemporânea com a degradação ambiental possui um histórico recente. Somente após a segunda guerra mundial o tema passa a ocupar efetivamente a agenda de discussões

Leia mais

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07

ENERGIA EÓLICAE. Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de set 07 ENERGIA EÓLICAE Álvaro Rodrigues Viana do Castelo - Setembro de 2007 Enquadramento (Convenção Quadro NU Alterações Climáticas) Electricidade Directiva UE para as renováveis Actividade humana Gases c/efeito

Leia mais

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS

ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS ORGANISMOS MULTILATERAIS TRATADO DE NÃO PROLIFERAÇÃO NUCLEAR SISTEMA BRETTON WOODS - Atuação segundo orientações estratégicas - Adotar normas comuns de comportamento político, social, etc. Planejar e concretizar

Leia mais

BiodiverCIDADE. Como considerar a biodiversidade na gestão do meio urbano?

BiodiverCIDADE. Como considerar a biodiversidade na gestão do meio urbano? BiodiverCIDADE Como considerar a biodiversidade na gestão do meio urbano? A Grande Aceleração Projeção População mundial dobrará nos próximos 40+ anos Lidar com as questões correntes apesar de extremamante

Leia mais

Troca de materiais entre os componentes bióticos e abióticos dos ecossistemas.

Troca de materiais entre os componentes bióticos e abióticos dos ecossistemas. Troca de materiais entre os componentes bióticos e abióticos dos ecossistemas. CICLO do FÓSFORO CICLO SEDIMENTAR APATITA Ca 3 (PO 4 ) 2 erosão de rochas fosfatadas CICLO RÁPIDO CICLO LENTO PICO DO FÓSFORO

Leia mais

b) Cite as três principais causas do efeito estufa. (0,25)

b) Cite as três principais causas do efeito estufa. (0,25) 1) Segundo o relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) - da ONU - divulgado em abril de 2007, a temperatura média do planeta passou de 13,7 C no começo da Revolução Industrial

Leia mais

II Seminário de Matriz Energética - FGV Rio de Janeiro, 29 de maio de 2012

II Seminário de Matriz Energética - FGV Rio de Janeiro, 29 de maio de 2012 II Seminário de Matriz Energética - FGV Rio de Janeiro, 29 de maio de 2012 ENTIDADES ASSOCIADAS Subcomitê de Meio Ambiente das Empresas Eletrobras SCMA 2 PASSANDO O BRASIL A LIMPO: MOMENTO DE ESCOLHAS

Leia mais

Responsabilidade Socioambiental como estratégia de Desenvolvimento Sustentável (I)

Responsabilidade Socioambiental como estratégia de Desenvolvimento Sustentável (I) Responsabilidade Socioambiental como estratégia de Desenvolvimento Sustentável (I) Calendário Final de Aulas RSA como estratégia de DS 1. Desenvolvimento Sustentável; 2. DS e as Empresas; 3. Nós e a DS

Leia mais

Recuperação de Geografia. Roteiro 9 ano

Recuperação de Geografia. Roteiro 9 ano Roteiro de Geografia Prof. Arone Marrão da Disciplina: Data: / /15 3º TRIMESTRE Aluno (a): Nº: Nota: 9 º ano Ensino Período: Matutino Valor da avaliação: 10,0 Recuperação de Geografia Roteiro 9 ano A SOLUÇÃO

Leia mais

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ( MDL ): o que é e como as cidades podem se beneficiar

Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ( MDL ): o que é e como as cidades podem se beneficiar Mecanismo de Desenvolvimento Limpo ( MDL ): o que é e como as cidades podem se beneficiar Financial and Technical Solutions for Sustainable Cities 8 Junho 2010 Conjunto Caixa Cultural Brasília, Brasil

Leia mais

Guia do iniciante Para as negociações sobre mudanças climáticas da ONU

Guia do iniciante Para as negociações sobre mudanças climáticas da ONU Guia do iniciante Para as negociações sobre mudanças climáticas da ONU 28 de novembro de 2007 Este guia apresenta uma visão geral da arquitetura e dos tópicos que serão importantes durante e depois da

Leia mais

A crise Económica e o Consumo. Seminário " Consumo alimentar: Planear, Aproveitar e Poupar" Lipor, 30 de Setembro de 2009

A crise Económica e o Consumo. Seminário  Consumo alimentar: Planear, Aproveitar e Poupar Lipor, 30 de Setembro de 2009 A crise Económica e o Consumo Seminário " Consumo alimentar: Planear, Aproveitar e Poupar" Lipor, 30 de Setembro de 2009 1 CRISE Perigo + Oportunidade 2 Perigo! 3 De que crise(s)estamos a falar? o Crise

Leia mais

Física. Efeito Estufa

Física. Efeito Estufa Física 1 O é a forma que a Terra tem para manter sua temperatura constante. A atmosfera é altamente transparente à luz solar, porém cerca de 35% da radiação que recebemos vai ser reflejda de novo para

Leia mais

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza

PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE. Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza PHA 3001 ENGENHARIA E MEIO AMBIENTE Prof. Dr. Theo Syrto Octavio de Souza (theos@usp.br) Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano (Conferência de Estocolmo) 1972, Estocolmo, Suécia 113

Leia mais

Agrocombustíveis, a política da UE e os projetos de MDL Nusa Urbancic

Agrocombustíveis, a política da UE e os projetos de MDL Nusa Urbancic Agrocombustíveis, a política da UE e os projetos de MDL Nusa Urbancic Esta apresentação A política europeia de biocombustíveis e seu contexto Novas informações sobre os planos dos países da UE e seu impacto

Leia mais

IPCC - Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas

IPCC - Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas IPCC - Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas - Órgão internacional vinculado à OMM - Organização Meteorológica Mundial e ao PNUMA Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (UNEP) -

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL MUDANCAS CLIMATICAS GLOBAIS E A AGRICULTURA BRASILEIRA

QUALIDADE AMBIENTAL MUDANCAS CLIMATICAS GLOBAIS E A AGRICULTURA BRASILEIRA QUALIDADE AMBIENTAL MUDANCAS CLIMATICAS GLOBAIS E A AGRICULTURA BRASILEIRA Profa. Dra. Nerilde Favaretto Notas de aula - AL 323 - Recursos Naturais Renováveis Universidade Federal do Paraná Departamento

Leia mais

Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de setembro de 2016 (OR. en)

Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de setembro de 2016 (OR. en) Conseil UE Conselho da União Europeia Bruxelas, 27 de setembro de 2016 (OR. en) Dossiê interinstitucional: 2016/0184 (NLE) 12256/16 LIMITE ATOS LEGISLATIVOS E OUTROS INSTRUMENTOS Assunto: PUBLIC CLIMA

Leia mais

EXPERIÊNCIA DA EMBRAPA COM BIODIGESTORES E SISTEMAS COMPACTOS

EXPERIÊNCIA DA EMBRAPA COM BIODIGESTORES E SISTEMAS COMPACTOS EXPERIÊNCIA DA EMBRAPA COM BIODIGESTORES E SISTEMAS COMPACTOS Concórdia, Erechim outubro junho de 2004 2005 Dr. Airton Kunz Pesquisador Dr Airton Kunz III Pesquisador III Tendências da suinocultura Mundo

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 4º Trimestre de 2010 Coordenação de Contas Nacionais 03 de março de 2010 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Conferência das Partes (COP22) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) Marrakech, Reino do Marrocos.

Conferência das Partes (COP22) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) Marrakech, Reino do Marrocos. Novembro/2016 Conferência das Partes (COP22) da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (UNFCCC) Marrakech, Reino do Marrocos. 7 a 19 de novembro de 2016 COP 22 - PRINCIPAIS ASPECTOS

Leia mais

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO

PROPOSTA DE RESOLUÇÃO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Documento de sessão 27.7.2011 B7-0000/2011 PROPOSTA DE RESOLUÇÃO apresentada na sequência da pergunta com pedido de resposta oral B7-0000/2011 apresentada nos termos do n.º

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA AULA 5 Prof. Wellington www.maestrocarreira.com.br 1 RESULTADO DO SIMULADO 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 ASSEMBLÉIA DE SÓCIOS Algumas normas e certificações

Leia mais

CGD RELATÓRIOS CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD Direção de Comunicação e Marca (DCM)

CGD RELATÓRIOS CGD. Relatório de Compensação de Emissões de GEE CGD Direção de Comunicação e Marca (DCM) 1 Relatório de Compensação de Emissões de GEE 2013 Direção de Comunicação e Marca (DCM) www.cgd.pt 2 Relatório de Compensação de Emissões de GEE - 2013 1.1 Introdução A criação do Programa de Baixo Carbono,

Leia mais

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues

EM PORTUGAL. As Energias do Presente e do Futuro. Situação, objectivo e desafios. Lisboa, 21 de Novembro de Álvaro Rodrigues As Energias do Presente e do Futuro Lisboa, 21 de Novembro de 2005 ENERGIA EÓLICA E EM PORTUGAL Situação, objectivo e desafios Álvaro Rodrigues Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Instituto

Leia mais

GEOGRAFIA. 2.2 As Características Climáticas do Território Brasileiro 2.3 As Questões Ambientais Contemporâneas

GEOGRAFIA. 2.2 As Características Climáticas do Território Brasileiro 2.3 As Questões Ambientais Contemporâneas GEOGRAFIA 2.2 As Características Climáticas do Território Brasileiro 2.3 As Questões Ambientais Contemporâneas A relação entre clima e extensão territorial Tipos e características dos climas brasileiros:

Leia mais

Sustentabilidade Energética e Projetos de MDL no Brasil

Sustentabilidade Energética e Projetos de MDL no Brasil Sustentabilidade Energética e Projetos de MDL no Brasil Jacqueline Barboza Mariano Superintendência de Planejamento e Pesquisa III Seminário de ARIAE Junho de 2008, Cartagena de Índias, Colômbia O Papel

Leia mais

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente

A S S E M B L E I A D A R E P Ú B L I C A. O Presidente Conferência Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Alterações Climáticas da COP 21 (Paris, 2015) à COP 22 (Marrakech, 2016) Auditório do Novo Edifício da Assembleia da República 25 de Outubro de 2016

Leia mais

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas

PORTUGAL - INDICADORES ECONÓMICOS. Evolução Actualizado em Março Unid. Fonte Notas Evolução 2007-2013 Actualizado em Março 2013 Unid. Fonte 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 Notas População a Milhares Hab. INE 10.604 10.623 10.638 10.636 10.647 10.600 População tvh % INE 0,2 0,2 0,1

Leia mais

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda

Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda Sistema de Estimativa de Emissão de Gases de Efeito Estuda SEEG >> QUEM FAZ O SEEG 2 SEEG é promovido pelo Observatório do Clima (OC) Quatro instituições selecionadas pelo OC coordenaram o processo técnico

Leia mais

Madeira na construção: o material do futuro

Madeira na construção: o material do futuro Madeira na construção: o material do futuro Os recursos renováveis da floresta Os recursos florestais são abundantes em nosso planeta: aproximadamente cerca de 1/3 das terras emersas, excluindo a Groelândia

Leia mais

DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA

DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA DESAFIOS PARA A ENERGIA HIDROELÉCTRICA EM ANGOLA António Machado e Moura Professor Catedrático, Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto - Portugal Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA

Leia mais

Márlon Alberto Bentlin

Márlon Alberto Bentlin Forum Empresarial pelo Clima BRDE - Crédito & Desenvolvimento AGÊNCIA DO RIO GRANDE DO SUL Márlon Alberto Bentlin BRDE Estados-sócios É uma instituição pública de fomento, constituída como banco de desenvolvimento.

Leia mais

ESTRATÉGIA NACIONAL E FINANCIAMENTO DE REDD+ DO BRASIL

ESTRATÉGIA NACIONAL E FINANCIAMENTO DE REDD+ DO BRASIL ESTRATÉGIA NACIONAL E FINANCIAMENTO DE REDD+ DO BRASIL Leticia Guimarães Secretaria de Mudanças Climáticas e Qualidade Ambiental Ministério do Meio Ambiente Cuiabá, MT, 23 de agosto de 2012 Estrutura da

Leia mais

AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA FILEIRA VINHO E AZEITE AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES

AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA FILEIRA VINHO E AZEITE AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES AGENDA CARACTERIZAÇÃO DA AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE INTERNACIONALIZAÇÃO DAS EMPRESAS ADERENTES DEBATE DE IDEIAS CONCLUSÕES ENQUADRAMENTO ECONÓMICO Portugal Norte Terras de Trás-os- Montes Douro Alto Tâmega

Leia mais

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL CONTEÚDO 8

RESPONSABILIDADE AMBIENTAL CONTEÚDO 8 RESPONSABILIDADE AMBIENTAL CONTEÚDO 8 EXERCÍCIO 2 - ANÁLISE DE STAKEHOLDERS A indústria têxtil PANINE LIMP LTDA é uma empresa altamente competitiva. Ela produz tecidos para marca famosas no Brasil e no

Leia mais

A população mundial está crescendo a uma taxa exponencial de 1,2% ao ano. Gera crescimento e Desenvolvimento Econômico

A população mundial está crescendo a uma taxa exponencial de 1,2% ao ano. Gera crescimento e Desenvolvimento Econômico A população mundial está crescendo a uma taxa exponencial de 1,2% ao ano. Gera crescimento e Desenvolvimento Econômico O que é sustentabilidade? Um caminho para a sustentabilidade: Recursos Naturais Degradação

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA

CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA CONCURSO PÚBLICO DA CAERN COMISSÃO PERMANENTE DO VESTIBULAR CARGO: ANALISTA AMBIENTAL PROGRAMA 1 POLUIÇÃO E CONTROLE AMBIENTAL a- Crise ambiental b- Ética ambiental c- Meio ambiente e saúde Saúde e qualidade

Leia mais

Umdianavidadabiosfera. OS PRÓXIMOS 100 ANOS Jonathan Weines

Umdianavidadabiosfera. OS PRÓXIMOS 100 ANOS Jonathan Weines Umdianavidadabiosfera 1 OS PRÓXIMOS 100 ANOS Jonathan Weines Março a Março 2 OS PRÓXIMOS 100 ANOS Jonathan Weines Curva de Keeling 30 anos 3 OS PRÓXIMOS 100 ANOS Jonathan Weines Depois de ter organizado

Leia mais

Mapa das Florestas Intactas no Mundo

Mapa das Florestas Intactas no Mundo Mapa das Florestas Intactas no Mundo AMAZÔNIA Maior Floresta Tropical do Planeta Concentra Maior Biodiversidade do Mundo 17% da água doce disponível 15.000 rios 60% do Território Brasileiro 20 Milhões

Leia mais

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE

Actividades e Realizações da UE. Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Actividades e Realizações da UE Como gasta a UE o seu dinheiro? Orçamento da UE para 2010: 141,5 mil milhões de euros = 1,20% do Rendimento Nacional Bruto Acção da UE na

Leia mais

Pegada Ecológica. Desenvolvimento Sustentável

Pegada Ecológica. Desenvolvimento Sustentável Pegada Ecológica Ana Galvão Eng.ª Território 2º Semestre 2004/2005 1 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que assegura das necessidades do presente sem comprometer

Leia mais

Meio Ambiente. Educação Ambiental. Professor Enrico Blota.

Meio Ambiente. Educação Ambiental. Professor Enrico Blota. Meio Ambiente Educação Ambiental Professor Enrico Blota www.acasadoconcurseiro.com.br Meio Ambiente MEIO AMBIENTE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Podemos definir Educação Ambiental como uma forma de preparar os indivíduos

Leia mais

Camada onde se dão a vida e os fenômenos meteorológicos. As temperaturas são menores quanto maiores forem as altitudes.

Camada onde se dão a vida e os fenômenos meteorológicos. As temperaturas são menores quanto maiores forem as altitudes. Camadas da atmosfera Composição Camadas Troposfera Camada onde se dão a vida e os fenômenos meteorológicos. As temperaturas são menores quanto maiores forem as altitudes. Estratosfera Camada onde quase

Leia mais

A Antártica, o Ano Polar Internacional ( ) e o Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR)

A Antártica, o Ano Polar Internacional ( ) e o Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR) A Antártica, o Ano Polar Internacional (2007-2009) e o Programa Antártico Brasileiro (PROANTAR) Jefferson Cardia Simões (PhD, Cambridge) Núcleo de Pesquisas Antárticas e Climáticas Instituto de Geociências

Leia mais

COMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICA

COMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICA POLUIÇÃO DO AR COMPOSIÇÃO ATMOSFÉRICA Gases Nitrogênio Oxigênio Vapor de água Argônio Dióxido de Carbono Neon Hélio Metano % em Volume 78.1% 21% varia de 0-4% 0.93% por volta de 0.3% abaixo dos 0.002%

Leia mais

Relações Econômicas entre o Estado de Minas Gerais e o Japão / Perspectivas de Desenvolvimento e Investimentos

Relações Econômicas entre o Estado de Minas Gerais e o Japão / Perspectivas de Desenvolvimento e Investimentos Relações Econômicas entre o Estado de Minas Gerais e o Japão / Perspectivas de Desenvolvimento e Investimentos MASAHIRO KANAOKA CEO para América Latina, ITOCHU Corporation Presidente da ITOCHU Brasil 1

Leia mais

Grupo de Contabilidade Ambiental e Relatórios Sociais

Grupo de Contabilidade Ambiental e Relatórios Sociais Créditos de Carbono: emissão, comercialização e tratamento contábil a contabilidade tem um peso importante na tomada de decisão e tem havido progresso para reformar e redesenhar o sistema contábil, mas

Leia mais

Pegada Ecológica. Ana Galvão

Pegada Ecológica. Ana Galvão Pegada Ecológica Ana Galvão Eng.ª Território 2º Semestre 2005/2006 1 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento que assegura das necessidades do presente sem comprometer

Leia mais

A TERRA E SUA ATMOSFERA

A TERRA E SUA ATMOSFERA A TERRA E SUA ATMOSFERA REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: Ahrens, C. D. Meteorology Today Trewartha & Horn An Introduction to Climate Varejão-Silva, M. A. Meteorologia e Climatologia Tamanho relativo dos planetas

Leia mais

Declaração de Rio Branco

Declaração de Rio Branco Força Tarefa dos Governadores para o Clima e Florestas (GCF) Declaração de Rio Branco Construindo Parcerias e Garantindo Apoio para Florestas, o Clima e Meios de Vida Rio Branco, Brasil 11 de Agosto, 2014

Leia mais

Agricultura brasileira: algumas oportunidades e desafios para o futuro

Agricultura brasileira: algumas oportunidades e desafios para o futuro Sistema Embrapa de Inteligência Estratégica Agricultura brasileira: algumas oportunidades e desafios para o futuro Geraldo B. Martha Jr. Coordenador-Geral, Sistema Embrapa de Inteligência Estratégica Chefe-Adjunto

Leia mais

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança

Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Apresentação de Angola na XII Reunião dos Ministros do Trabalho e dos Assuntos Sociais Os Desafios na Protecção Social para alcançar a Segurança Alimentar e Nutricional Maputo, 25 de Abril de 2013 Constituição

Leia mais

A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético. VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016

A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético. VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016 A Cooperação Brasil-Alemanha para o Desenvolvimento Energético VIII FENERGIA Vitória/ES 28 de Novembro 2016 Agenda... Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha Transição energética da Alemanha ( Energiewende

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa

Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa MINISTÉRIO DA ENERGIA Política de Desenvolvimento de Energias Novas e Renováveis em Moçambique- Biomassa Marcelina Mataveia Direcção Nacional de Energias Novas e Renováveis Maputo - Moçambique 7 de Fevereiro

Leia mais

População, Recursos e Ambiente

População, Recursos e Ambiente Instituto Superior Técnico População, Recursos e Ambiente Prof. Henrique Miguel Pereira Exame - 2 a Época 1 de Fevereiro de 2006 Duração: 2h15m A primeira parte do exame consiste em perguntas de escolha

Leia mais

OPORTUNIDADES DA SUSTENTABILIDADE

OPORTUNIDADES DA SUSTENTABILIDADE OPORTUNIDADES DA SUSTENTABILIDADE EXPLOSÃO DEMOGRÁFICA IMPACTOS DO MODELO IMPACTOS DO MODELO IMPACTOS DO MODELO IMPACTOS DO MODELO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INTEGRAÇÃO DAS DIMENSÕES ética ambiental social

Leia mais

Termo de Referência Solicitação de orçamento para consultoria técnica ao Guia Temático Fórum Clima de mudança do clima

Termo de Referência Solicitação de orçamento para consultoria técnica ao Guia Temático Fórum Clima de mudança do clima Termo de Referência Solicitação de orçamento para consultoria técnica ao Guia Temático Fórum Clima de mudança do clima 1. INTRODUÇÃO Este documento tem o propósito de estabelecer condições para a contratação

Leia mais

Respostas dos Problemas 1- Respostas: C-A-B-C-B-C Conceitos relacionados: fotossíntese e respiração celular

Respostas dos Problemas 1- Respostas: C-A-B-C-B-C Conceitos relacionados: fotossíntese e respiração celular Respostas dos Problemas 1- Respostas: C-A-B-C-B-C Conceitos relacionados: fotossíntese e respiração celular 2- No processo de fabricação do pão é utilizado o mesmo fungo (Saccharomyces Cerevisae) que é

Leia mais

12 de dezembro de 2016

12 de dezembro de 2016 PNSR Programa Nacional de Saneamento Rural Panorama delimitado pela pesquisa qualitativa os trabalhos de campo 12 de dezembro de 2016 Política Federal de Saneamento Básico / PLANSAB / PNSR O CONCEITO DE

Leia mais

Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS. 23 a 26/10/2006, FIRJAN

Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS. 23 a 26/10/2006, FIRJAN Módulo V: Projetos de MDL Grupo 5 - Outras oportunidades PROJETOS FLORESTAIS 23 a 26/10/2006, FIRJAN Emissões per capita de CO 2 (1990) *Middle East & North Africa **Centrally Planned Asia & China Source:

Leia mais

A PRODUÇÃO DE BIOETANOL E A MITIGAÇÃO DOS GASES DE EFEITO DE ESTUFA: O CONTRIBUTO DAS CULTURAS ENERGÉTICAS NO REGADIO DE ALQUEVA

A PRODUÇÃO DE BIOETANOL E A MITIGAÇÃO DOS GASES DE EFEITO DE ESTUFA: O CONTRIBUTO DAS CULTURAS ENERGÉTICAS NO REGADIO DE ALQUEVA UNIVERSIDADE DO ALGARVE FACULDADE DE ENGENHARIA DOS RECURSOS NATURAIS A PRODUÇÃO DE BIOETANOL E A MITIGAÇÃO DOS GASES DE EFEITO DE ESTUFA: O CONTRIBUTO DAS CULTURAS ENERGÉTICAS NO REGADIO DE ALQUEVA CURSO

Leia mais

Responsabilidade ambiental na produção agropecuária

Responsabilidade ambiental na produção agropecuária Responsabilidade ambiental na produção agropecuária Sumário Análise de conjuntura; Impactos das atividades agropecuárias sobre o meio ambiente; Responsabilidade ambiental; Boas práticas produtivas. Organograma

Leia mais

Conferência de Paris, em 1955; Objetivo: - Cessar o confronto entre Chile e Argentina pela posse do continente; - Preservação da região para pesquisas científicas; Termos do tratado: - Liberdade de pesquisa

Leia mais

Boris Atanassov - GreenLight Projects. Workshop sobre financiamento climático em Moçambique Maputo, 18 Fevereiro 2014 Hotel Cardoso

Boris Atanassov - GreenLight Projects. Workshop sobre financiamento climático em Moçambique Maputo, 18 Fevereiro 2014 Hotel Cardoso Boris Atanassov - GreenLight Projects Workshop sobre financiamento climático em Moçambique Maputo, 18 Fevereiro 2014 Hotel Cardoso 1. Introdução ao projeto 2. Metodologia usado no analise 3. Analise do

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

IV FORUM DA TERRA PERSPECTIVAS DO MERCADO DE CARBONO

IV FORUM DA TERRA PERSPECTIVAS DO MERCADO DE CARBONO IV FORUM DA TERRA PERSPECTIVAS DO MERCADO DE CARBONO Denise de Mattos Gaudard SABER GLOBAL FIRJAN Rio de Janeiro Novembro 2011 O QUE ESTA ACONTECENDO COM NOSSO PLANETA? Mudanças Climaticas Situação Atual

Leia mais

... Atividades Económicas. A Agricultura

... Atividades Económicas. A Agricultura COLÉGIO DE SANTA DOROTEIA ANO LETIVO 2016/17 DEPARTAMENTO DE Ciências económicas e sociais DISCIPLINA: Geografia 9º ANO... Atividades Económicas Metas/Objetivos Competências a desenvolver 19. Conhecer

Leia mais

ACORDOS CLIMÁTICOS: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

ACORDOS CLIMÁTICOS: PASSADO, PRESENTE E FUTURO ACORDOS CLIMÁTICOS: PASSADO, PRESENTE E FUTURO Física da Poluição do Ar - Professor Henrique Barbosa Adolfo Forti (NUSP: 7580140); Ana Luísa Manciola (NUSP: 8011553); Evandro da Silva (NUSP: 6800181);

Leia mais

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PARA O SETOR FLORESTAL BRASILEIRO

MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PARA O SETOR FLORESTAL BRASILEIRO MUDANÇAS CLIMÁTICAS E OPORTUNIDADES DE NEGÓCIOS PARA O SETOR FLORESTAL BRASILEIRO As ações antrópicas têm causado progressivas perdas da biodiversidade, degradação de ecossistemas e mudanças climáticas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017

TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017 TERMO DE REFERÊNCIA Nº 03/2017 TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA ESPECIALIZADA PARA APOIAR A EQUIPE DO PROJETO SIMULAÇÃO DO POTENCIAL DOS IMPACTOS DE UMA GAMA DE CENÁRIOS SOCIOECONÔMICOS

Leia mais