19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG"

Transcrição

1 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG Eixo 1. Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA E SEUS IMPACTOS NA SAÚDE AMBIENTAL DA POPULAÇÃO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO, PERNAMBUCO Carlos Wendell Pedrosa dos Santos Universidade Federal da Paraíba.

2 RESUMO: Com o surgimento do sistema capitalista de produção, a industrialização trouxe novas formas de interação do processo homem-natureza. O meio ambiente, começa a sofrer os impactos mais devastadores de tal processo. Essa mudança acarreta problemas em todos os níveis, sendo a saúde um dos mais impactados, demonstrando a interdependência das alterações no meio ambiente e as repercussões na saúde humana. A questão da destruição do meio ambiente e seus impactos na saúde da população, não devem continuar sendo analisadas de forma separadas. Trazendo essa análise para a realidade, o município do Cabo de Santo Agostinho oferece um campo extenso para compreensão da relação saúde degradação ambiental doença, pois, os processos de destruição ocasionados pelos projetos industriais que compõe a lógica capitalista de produção rebatem de forma intensa na população que sofre com a exclusão e a desigualdade e, sobretudo, com a precarização da saúde. A construção do Complexo Industrial e Portuário de Suape mudou de forma significativa a realidade de muitos municípios do estado de Pernambuco, mas o Cabo de Santo Agostinho vive em contínua modificação. Construção de estradas, viadutos, destruição de ecossistemas, expulsão de comunidades inteiras, faz com que o reflexo de um crescimento econômico não seja considerado um desenvolvimento social, até porque, pouco foi investido em programas de saúde, saneamento e lazer para a população local e os migrantes que procuram um posto de trabalho. Sem dúvida a saúde ambiental é afetada e faz-se necessário uma mudança nos aspectos atuais de desenvolvimento. PALAVRAS-CHAVE: Desenvolvimento; Industrialização; Meio Ambiente; Saúde. Este artigo é fruto do projeto de dissertação, em andamento, vinculado a Pós- Graduação em Serviço Social da Universidade Federal da Paraíba.

3 TÍTULO: Desenvolvimento capitalista e seus impactos na saúde ambiental da população do Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco. RESUMO: Com o surgimento do sistema capitalista de produção, a industrialização trouxe novas formas de interação do processo homem-natureza. O meio ambiente, começa a sofrer os impactos mais devastadores de tal processo. Essa mudança acarreta problemas em todos os níveis, sendo a saúde um dos mais impactados, demonstrando a interdependência das alterações no meio ambiente e as repercussões na saúde humana. A questão da destruição do meio ambiente e seus impactos na saúde da população, não devem continuar sendo analisadas de forma separadas. Trazendo essa análise para a realidade, o município do Cabo de Santo Agostinho oferece um campo extenso para compreensão da relação saúde degradação ambiental doença, pois, os processos de destruição ocasionados pelos projetos industriais que compõe a lógica capitalista de produção rebatem de forma intensa na população que sofre com a exclusão e a desigualdade e, sobretudo, com a precarização da saúde. A construção do Complexo Industrial e Portuário de Suape mudou de forma significativa a realidade de muitos municípios do estado de Pernambuco, mas o Cabo de Santo Agostinho vive em contínua modificação. Construção de estradas, viadutos, destruição de ecossistemas, expulsão de comunidades inteiras, faz com que o reflexo de um crescimento econômico não seja considerado um desenvolvimento social, até porque, pouco foi investido em programas de saúde, saneamento e lazer para a população local e os migrantes que procuram um posto de trabalho. Sem dúvida a saúde ambiental é afetada e faz-se necessário uma mudança nos aspectos atuais de desenvolvimento. INTRODUÇÃO Segundo Assunção Filho et al (2010), desde a revolução industrial, o meio ambiente passou a sofrer alterações significativas, resultantes de uma corrida desenvolvimentista liderado pelos países detentores de capitais para investimento tecnológico. O Brasil na década de 1950 começa sua industrialização baseada na lógica desenvolvimentista, mudando assim, estruturas econômicas que não se encaixavam nesse modelo. Silva (1981) demonstra que a industrialização (urbano) era apresentada como a fórmula milagrosa, capaz de gerar o desenvolvimento, e o setor agrícola (campo) responsável pelo atraso deveria ceder a sua posição dominante na economia. A modernização do campo implicou na urbanização de áreas que antes eram rurais. Ao analisar as continuidades e descontinuidades da urbanização capitalista e o

4 fato de que se vive um período de mudanças, Santos (1999) propôs a noção de aceleração contemporânea representado por uma sucessão rápida de alterações nas formas de produção do espaço urbano e nas práticas socioespaciais que eles favorecem. Zuquim (2007), na discussão sobre o processo de urbanização, afirma que os municípios em geral não possuem infraestrutura urbana para acompanhar o ritmo de crescimento urbano-industrial preconizado pelos projetos de intervenção do Estado, mas no processo, os gestores estatais e privados esqueceram que ele estava cheio de seres humanos e de organizações sociais. Neste processo, tem-se um acréscimo de novas obras dos homens, a criação de um novo meio a partir daquele que já existia: o que se costuma chamar de natureza primeira já é natureza segunda no novo centro urbano. Dentro deste contexto, o município do Cabo de Santo Agostinho, teve sua economia centrada no desenvolvimento da monocultura da cana-de-açúcar até os anos de No começo do processo de mudança da base econômica do país o Cabo de Santo Agostinho, tornou-se o centro das atenções da dinâmica econômica de Pernambuco. O Cabo agrícola, exportador, da monocultura açucareira, transforma-se no Cabo Industrial. Apesar da presença forte da cultura da cana ocupando vasta área de seu território, surge o novo Cabo sincronizado com o país da modernização. Esse processo de mudança não alterou apenas a realidade da população, mas também e de forma significativa vem provocando impactos socioambientais com agravamento das condições de saúde da população no município do Cabo e seu entorno. OBJETIVOS Analisar como o desenvolvimento do Complexo Industrial e Portuário de Suape, afeta a saúde e o meio ambiente da população do Cabo de Santo Agostinho PE. MÉTODO A metodologia da pesquisa, dentro de um enfoque da teoria crítica, será abordada a partir de uma perspectiva totalizadora dos fenômenos, compreendida como a mais fecunda para analisar os problemas sociais no momento em que privilegia uma análise que leva em consideração a contradição, a mudança, o momento histórico, a totalidade. Do ponto de vista da abordagem do problema a pesquisa possui um caráter qualitativo, sob o enfoque da pesquisa de campo.

5 RESULTADOS Em Pernambuco, a Zona da Mata Sul que é composta por 19 municípios, ocupando uma área de km2, era conhecida como "região canavieira". Isso porque, constituiu-se uma das regiões de maior potencial econômico do Nordeste, pelos recursos naturais disponíveis (água, solo, etc.), pelas vantagens locacionais (em torno da Região Metropolitana do Recife), com razoável infra-estrutura econômica (próxima a estradas, portos marítimos, aeroportos) e abundante contingente de mãode-obra (ANCORA). Dentre os municípios da Mata Sul, localiza-se o Cabo de Santo Agostinho. O município do Cabo de Santo Agostinho situa-se na porção Sul da Região Metropolitana do Recife (RMR), participando da micro-região do Complexo de SUAPE, no Estado de Pernambuco. Segundo o IBGE (2010), o município possui uma população de habitantes, dos quais 87% correspondem à população urbana e menos de 13 % da população rural, tendo uma incidência de pobreza de 57,1%. Dentro deste contexto, o município do Cabo, teve sua economia centrada no desenvolvimento da monocultura da cana-de-açúcar até os anos de O Setor Canavieiro de Pernambuco, no entanto, não conseguiu estabelecer um processo de desenvolvimento dinâmico, o monopólio da terra garantiu a monocultura canavieira e inibiu o surgimento de outras atividades econômicas, gerando problemas estruturais, tais como: desemprego (estrutural e sazonal) e subemprego, déficits sociais elevados e a degradação do meio natural (ANCORA). No começo do processo de mudança da base econômica do país o Cabo de Santo Agostinho, tornou-se o centro das atenções da dinâmica econômica de Pernambuco. O Cabo agrícola, exportador, da monocultura açucareira, transforma-se no Cabo Industrial. Apesar da presença forte da cultura da cana ocupando vasta área de seu território, surge o novo Cabo sincronizado com o país da modernização. O Cabo Industrial traz consigo perspectivas da diversidade (agrícola e industrial) que ainda está em processo de formação. (BERNARDO, 2006) Segundo Gehlen (2007, 2010) a partir dos meados do século passado, tem início, na área, o processo de urbanização acelerada e desordenada, o que é reforçado, a partir dos anos 60, com a implantação, às margens da BR-101 Sul, do Distrito Industrial do Cabo, primeiro pólo industrial de Pernambuco, atraindo grande número de vilas industriais para a sede. Ainda para a autora, outro importante fluxo de urbanização se deu a partir dos anos 1970, com a construção do Complexo Industrial e Portuario de Suape - CIPS, e do Projeto Turístico Costa Dourada, formando um Polo de Desenvolvimento

6 Econômico no território da Mata Sul de Pernambuco. Conforme a autora, tal desenvolvimento significou que um elevado número de moradores vinculados às pequenas atividades rurais foram expropriados ou indenizados pelas suas terras vindo fixar-se nos núcleos urbanos da sede do municipios ou em suas imediações. Todos esses processos de mudança no município do Cabo de Santo Agostinho fez surgir várias comunidades e entre elas está a Charneca, Charnequinha e Novo Horizonte. Esse processo de mudança não alterou apenas a realidade da população, mas também e de forma significativa vem provocando impactos socioambientais com agravamento das condições de saúde da população no município do Cabo e seu entorno. Áreas de mangue, matas e encostas, barragem dos rios são utilizadas na construção de grandes investimentos públicos e privados, que não levam em consideração os danos e riscos socioambientais ali causados. O meio ambiente entendido por Coelho (2001) como suporte geofísico condicionante e condicionado pela vida social, sendo historicamente construído mediante o processo de interação entre sociedade e espaço físico é afetado em suas múltiplas dimensões. Freitas (2003) entende que os problemas socioambientais são, simultaneamente, problemas de saúde, uma vez que os seres humanos e a sociedade são afetados. A partir do exposto é possível observa que inúmeros problemas afetam os habitantes do Cabo, não apenas os mais evidentes como a poluição, mas também outros que decorrem de uma rápida mudança ocasionada pela implementação do CIPS como a violência. De acordo com as observações realizadas no local, assim como em conversas informais, dados divulgados pela imprensa, é possível inferir que o número de homicídios e o tráfico de drogas aumentou perceptivelmente com o grande contingente que chegou de outros lugares (cidades e estados). A gravidez de adolescente também chama atenção, assim como o crescimento de doenças sexualmente transmissíveis. A degradação ambiental é permanente. Áreas de mata atlântica foram destruídas para construção de estradas pedagiadas. Boa parte do litoral ostenta construções de torres empresarias e residenciais tirando o sentido público e coletivo da área. As construções impedem que a população se desloque na beira-mar, pois com o avanço do mar, ou a construção cada vez mais próxima a ele, dificultam o acesso e o lazer nessa região. Os investimentos não crescem na mesma proporcionalidade dos lucros do capital na região. Pouco foi feito para aumentar as ações de prevenção de problemas

7 que acarretam no adoecimento da população. O saneamento básico, por exemplo, continua em muitas áreas do município escorrendo pelas ruas, assim como não existe diariamente coleta de lixo e abastecimento de água potável com regularidade. Doenças como diarréia, infecções e leptospirose ainda fazem parte da realidade. De acordo com Oliveira (2010) essas novas indústrias são recebidas pelos gestores públicos como pela população como progresso, desenvolvimento e geração de empregos. Porém muitas vezes o que se percebe é a exploração de mão de obra não qualificada, importação de serviços (os profissionais de primeiro escalão geralmente são trazidos de outros estados) e os impactos no processo saúde-doença não são avaliados, nem evitados. CONCLUSÃO As transformações que afetam o meio ambiente, intensificadas com a lógica capitalista de produção, como a poluição da água, ar e solo, as mudanças climáticas e atmosféricas, além das questões ligadas ao saneamento, urbanização e industrialização, afetam a saúde humana nas suas múltiplas dimensões: social, biológica, psicossocial e ambiental. Faz-se necessário uma articulação desses fatores no âmbito das políticas governamentais, interferindo assim na totalidade da questão, sem fragmentá-las. A saúde é afetada em suas múltiplas dimensões em alguns casos devido às mudanças que perpassam o crescimento econômico como expulsão dos moradores de suas casas, retiradas de comunidades inteiras e seus deslocamentos para lugares afastados e com alto índice de violência. Saúde e meio ambiente interagem e incidem de forma decisiva na qualidade de vida das pessoas. É necessário numa compreensão de saúde que possa ser entendida numa perspectiva socioambiental, considerando que o sujeito para ser visto como saudável tem que ter acesso a condições socioambientais adequadas. Os investimentos no Cabo de Santo Agostinho não levam em consideração os impactos ambientais e suas repercussões na saúde. A destruição do meio ambiente para construção de estradas, viadutos e empreendimentos imobiliários, leva a um crescimento econômico sem desenvolvimento social, impossibilitando assim, melhores nas condições de vida.

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANCORA. A Zona da Mata de Pernambuco. Disponível em: Acessado em: 20 de setembro de BERNARDO, J. Sustentabilidade ambiental e sustentabilidade social: os limites e avanços do Programa Coleta Seletiva de Lixo no Município do Cabo de Santo Agostinho, 1998/2004. O AUTOR: Dissertação de Mestrado. Universidade Federal de Pernambuco. CAC. Desenvolvimento Urbano, COELHO, M. C. N. Impactos ambientais em áreas urbanas teorias, conceitos e métodos de pesquisa. In: GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. (Org.). Impactos ambientais urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrabd Brasil, FREITAS, C. M. de. Problemas ambientais, saúde coletiva e ciências sociais. Ciênc. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, vol. 8, nº1, GEHLEN, Vitória. Do rural ao urbano: a conversão do uso da terra na Zona da Mata Sul Pernambuco. Projeto de pesquisa, GEHLEN, Vitória. Para Além dos Limites do Urbano: áreas Peri-urbanas e questão ambiental. Trabalho apresentado no 37º Encontro Nacional de Estudos Rurais e Urbanos - CERU, São Paulo, OLIVEIRA, Andrea L. Endemias no território estratégico de Suape Um desafio para vigilância em saúde. Monografia de especialização em saúde pública, Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães UFPE, 2010.

O encontro do rural com o urbano: um estudo da vivência dos moradores no Cabo de Santo Agostinho 1 Carlos Santos 2 wendell_santo@yahoo.com.

O encontro do rural com o urbano: um estudo da vivência dos moradores no Cabo de Santo Agostinho 1 Carlos Santos 2 wendell_santo@yahoo.com. O encontro do rural com o urbano: um estudo da vivência dos moradores no Cabo de Santo Agostinho 1 Carlos Santos 2 wendell_santo@yahoo.com.br Modalidade do Trabalho: Resultado de Pesquisa Eixo Temático:

Leia mais

2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAUDE & AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO E CONFLITOS TERRITORIAIS

2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAUDE & AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO E CONFLITOS TERRITORIAIS 2º SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SAUDE & AMBIENTE 19 a 22 de OUTUBRO de 2014, BELO HORIZONTE /MG DESENVOLVIMENTO SOCIOECONÔMICO E CONFLITOS TERRITORIAIS CONFLITOS SOCIOAMBIENTAIS EM COMUNIDADES DO ENTORNO DO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: conversão do uso da terra no município do Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco Brasil.

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: conversão do uso da terra no município do Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco Brasil. DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO: conversão do uso da terra no município do Cabo de Santo Agostinho, Pernambuco Brasil. Carlos Wendell Pedrosa dos Santos 1 Emmanuele Ribeiro de Mendonça 2 Maria Magaly C. de M.

Leia mais

Geografia. Textos complementares

Geografia. Textos complementares Geografia Ficha 2 Geografia 2 os anos Silvia ago/09 Nome: Nº: Turma: Queridos alunos, bom retorno. Segue um conjunto de atividades que têm por objetivo encaminhar as discussões iniciadas em nossas aulas

Leia mais

ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - PERNAMBUCO

ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA DE SANTO ANTÃO - PERNAMBUCO Autor: Lucas André Penha dos Santos Universidade Federal de Pernambuco Email: llucas.94@hotmail.com Coautor(a): Kétcia Ferreira de Santana Universidade Federal de Pernambuco Email: ketciaferrira@hotmail.com

Leia mais

A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?.

A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?. A COPA DE 2014: IMPACTOS OU LEGADO PARA AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE?. AS CIDADES-SEDES DO NORDESTE. Hipótese: Os processos de reestruturação urbana implementados para as cidades sedes da região Nordeste

Leia mais

Situação Geográfica e Demográfica

Situação Geográfica e Demográfica Guarulhos História A memória é a base para a construção da identidade, da consciência do indivíduo e dos grupos sociais de um determinado local. A maioria das fontes de memória de Guarulhos traz que sua

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015

PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO PED / DIEESE / SEADE REFERÊNCIA: Fevereiro de 2015 SÍNTESE / BOLETIM DA PED / FEVEREIRO 2015 RESULTADOS DAS REGIÕES METROPOLITANAS A Pesquisa de Emprego e Desemprego PED, em sua metodologia, cobre as regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Porto Alegre,

Leia mais

PEP/2012 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO

PEP/2012 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO PEP/2012 1ª AVALIAÇÃO DE TREINAMENTO FICHA AUXILIAR DE CORREÇÃO 1 GEOGRAFIA 1 a QUESTÃO (Valor 6,0) Analisar o processo de urbanização no Brasil, com enfoque nos campos econômico e psicossocial, a partir

Leia mais

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado

Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Mudanças Socioespaciais em um Mundo Globalizado Colégio Salesiano São José 8º ano Geografia Professor: Juliano Mudanças no Espaço Geográfico Como ocorrem essas mudanças: Formas; Funções; Fluxos; Modos

Leia mais

MINAS GERAIS. Projeto Situação dos Estados Fundação Perseu Abramo 2014

MINAS GERAIS. Projeto Situação dos Estados Fundação Perseu Abramo 2014 MINAS GERAIS Projeto Situação dos Estados Fundação Perseu Abramo 2014 O TERRITÓRIO A fisionomia territorial de Minas Gerais é elemento decisivo para se compreender seus traços atuais que resultam de sua

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DA COMUNIDADE DA VILA DE NAZARÉ, LOCALIZADA NO INTERIOR DO PARQUE METROPOLITANO ARMANDO DE HOLANDA CAVALCANTI.

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DA COMUNIDADE DA VILA DE NAZARÉ, LOCALIZADA NO INTERIOR DO PARQUE METROPOLITANO ARMANDO DE HOLANDA CAVALCANTI. Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 PERCEPÇÃO AMBIENTAL DA COMUNIDADE DA VILA DE NAZARÉ, LOCALIZADA NO INTERIOR DO PARQUE METROPOLITANO ARMANDO DE HOLANDA CAVALCANTI. Ana Raquel Oliveira Fernandes (*), José

Leia mais

Comunidades tradicionais e Licenciamento ambiental Entraves para o desenvolvimento?

Comunidades tradicionais e Licenciamento ambiental Entraves para o desenvolvimento? Seminário Licenciamento ambiental - Realidade e Perspectivas ISA e MPF Comunidades tradicionais e Licenciamento ambiental Entraves para o desenvolvimento? Klemens Laschefski, Grupo de Estudos em Temáticas

Leia mais

Trabalho Online DISCIPLINA: GEOGRAFIA. PROFESSOR: FELIPE VENTURA 3º ANO - EM TURMA: 3101 2º Bimestre DATA: / / Nota: 1-5

Trabalho Online DISCIPLINA: GEOGRAFIA. PROFESSOR: FELIPE VENTURA 3º ANO - EM TURMA: 3101 2º Bimestre DATA: / / Nota: 1-5 Trabalho Online NOME: Nº: DISCIPLINA: GEOGRAFIA PROFESSOR: FELIPE VENTURA 3º ANO - EM TURMA: 3101 2º Bimestre DATA: / / Nota: 1. (Fuvest 2009) O processo de desconcentração industrial no Brasil vem sendo

Leia mais

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG

2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde & Ambiente (2ºSIBSA) 19 a 22 de outubro de 2014 MINASCENTRO Belo Horizonte - MG Nome do Painel: Manejo Ambiental no Combate à Dengue Eixo 3. Direitos justiça ambiental e

Leia mais

A LÓGICA DO PLANEJAMENTO URBANO EM UMA CIDADE PEQUENA: REFLEXÕES SOBRE O CASO DE RIO DE CONTAS/BA

A LÓGICA DO PLANEJAMENTO URBANO EM UMA CIDADE PEQUENA: REFLEXÕES SOBRE O CASO DE RIO DE CONTAS/BA A LÓGICA DO PLANEJAMENTO URBANO EM UMA CIDADE PEQUENA: REFLEXÕES SOBRE O CASO DE RIO DE CONTAS/BA Alexandre Custódio de Jesus Dias 1 Graduando em Geografia/UESB e Bolsista Fapesb e-mail: alexandrecjdias@hotmail.com

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL

A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL A CONTRIBUIÇÃO DO USO DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO FERREMENTA NA GESTÃO HÍDRICA E AMBIENTAL: O CASO DO IGARAPÉ ÁGUA AZUL rocha. e.b Geógrafo - Mestrando em Gestão de Recursos Naturais e Desenvolvimento

Leia mais

INFORME INFRA-ESTRUTURA

INFORME INFRA-ESTRUTURA INFORME INFRA-ESTRUTURA ÁREA DE PROJETOS DE INFRA-ESTRUTURA MARÇO/96 N 8 Serviços de Saneamento Básico - Níveis de Atendimento O presente trabalho informa sobre o nível de atendimento em serviços de saneamento

Leia mais

DESPESAS FAMLIARES, HÁBITOS DE COMPRAS E USO DO CARTÃO DE CRÉDITO ENTRE FAMÍLIAS DO MEIO RURAL E URBANO

DESPESAS FAMLIARES, HÁBITOS DE COMPRAS E USO DO CARTÃO DE CRÉDITO ENTRE FAMÍLIAS DO MEIO RURAL E URBANO DESPESAS FAMLIARES, HÁBITOS DE COMPRAS E USO DO CARTÃO DE CRÉDITO ENTRE FAMÍLIAS DO MEIO RURAL E URBANO RESUMO Silvana Luna de Andrade 1 Vivianne da Silva Mendonça 2 Maria de Fátima Massena de Melo 3 Maria

Leia mais

balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades

balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades balanço 1Oº março >> junho 2014 A gente FAZ um brasil de oportunidades Metrô de Salvador Linha 1 Trecho Lapa - Acesso Norte Salvador BA apresentação O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2) completa

Leia mais

O homem e o meio ambiente urbano. Paulo Saldiva

O homem e o meio ambiente urbano. Paulo Saldiva 1 O homem e o meio ambiente urbano Paulo Saldiva AMeio ambiente e saúde: o desafio das metrópoles s cidades sempre representaram polos de atração para o homem. A escalada cultural da Humanidade, a consolidação

Leia mais

Palavras-chave: empregos e salários; serviços de saúde; Região Metropolitana de Natal.

Palavras-chave: empregos e salários; serviços de saúde; Região Metropolitana de Natal. A DINÂMICA DOS EMPREGOS E DOS SALÁRIOS NO SETOR PROVEDOR DE SERVIÇOS DE SAÚDE DA REGIÃO METROPOLITANA DE NATAL (RMN) NA DÉCADA DE 1990 Isabel Caldas Borges 1 Marconi Gomes da Silva 2 Resumo No presente

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA

O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO E A MOBILIDADE DO CAMPO PARA A CIDADE EM BELO CAMPO/BA Silmara Oliveira Moreira 1 Graduanda em Geografia/UESB, Bolsista da UESB E-mail: silmara.geo@gmail.com Resumo: O objetivo

Leia mais

Palavras de Saudação

Palavras de Saudação ESTUDOS E PESQUISAS Nº 327 Palavras de Saudação Luciano Coutinho* Fórum Especial 2009 - Na Crise Esperança e Oportunidade, Desenvolvimento como Sonho Brasileiro, Oportunidade para as Favelas 17 e 18 de

Leia mais

2. CONCEITO DE MIGRAÇÃO

2. CONCEITO DE MIGRAÇÃO ANÁLISE DO CRESCIMENTO/DECRÉSCIMO POPULACIONAL DOS MUNICÍPIOS DA MESORREGIÃO CENTRO OCIDENTAL PARANAENSE E SEUS IMPACTOS SOBRE O DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Yume Aparecida Pereira Paiva, (IC), UNESPAR/FECILCAM,

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Urban View. Urban Reports. Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte estão atraindo os moradores das metrópoles?

Urban View. Urban Reports. Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte estão atraindo os moradores das metrópoles? Urban View Urban Reports Êxodo urbano: por que as cidades de médio porte Morar nos grandes centros tem suas vantagens, como mais opções de trabalho, educação e lazer. Mas também tem seu lado negativo.

Leia mais

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável

O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável O Nordeste Chances e Obstáculos para um Avanço Sustentável por Cláudia Cristina 1 O NOVO CONTEXTO GLOBAL E O DESAFIO DO DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL As profundas transformações econômicas, sociais e políticas

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO ARQUIPÉLAGO DE FERNANDO DE NORONHA - PERNAMBUCO

DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO ARQUIPÉLAGO DE FERNANDO DE NORONHA - PERNAMBUCO DESENVOLVIMENTO DO ECOTURISMO NO ARQUIPÉLAGO DE FERNANDO DE NORONHA - PERNAMBUCO Maria do Carmo Sobral (1) Engenheira Civil (UFPE). Especialização em Planejamento Urbano e Regional (Univ. de Dortmund,

Leia mais

A dinâmica imobiliária da Região Metropolitana do Recife e perspectivas futuras. São Paulo, 13 de setembro de 2012 Marcello Chagas Gomes

A dinâmica imobiliária da Região Metropolitana do Recife e perspectivas futuras. São Paulo, 13 de setembro de 2012 Marcello Chagas Gomes A dinâmica imobiliária da Região Metropolitana do Recife e perspectivas futuras São Paulo, 13 de setembro de 2012 Marcello Chagas Gomes Dinâmica Imobiliária: Demanda Oferta Condicionantes Potencial Efetiva

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Pedro Eugênio)

REQUERIMENTO (Do Sr. Pedro Eugênio) REQUERIMENTO (Do Sr. Pedro Eugênio) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, para sugerir a instalação de Centro de Educação Superior, no município de Ipojuca, para cursos de graduação, extensão

Leia mais

XI SHCU SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA

XI SHCU SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA XI SHCU SESSÃO DE INTERLOCUÇÃO DE GRUPOS DE PESQUISA Esta seção contém a contribuição de pesquisadores que abordam aspectos do processo de urbanização e novas formas de tecido urbano mais recentes manifestadas

Leia mais

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA Mercedes Ferreira 1 - mercedita4@hotmail.com Maria Inês Vidal 2 Orientador: Luiz Alexandre Gonçalves Cunha

Leia mais

1. Introdução. poder local e políticas públicas em Sposito (2003); Abad (2003); Dagnino (2002) e Gohn (2005).

1. Introdução. poder local e políticas públicas em Sposito (2003); Abad (2003); Dagnino (2002) e Gohn (2005). UM PANORAMA DAS INICIATIVAS VOLTADAS PARA JOVENS NA REGIÃO METROPOLITANA DA GRANDE VITÓRIA -ES CAMACHO, Luiza Mitiko Yshiguro UFES FERNANDES, Caroline Falco Reis UFES SANTOS, Pollyana dos UFES LÍRIO, Flávio

Leia mais

O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE

O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE O tráfego na Avenida Caxangá e a problemática do crescimento desordenado da frota automobilística na cidade do Recife - PE INTRODUÇÃO Recife-Pernambuco tem uma densidade demográfica bastante alta se comparada

Leia mais

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras

Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Impactos ambientais do turismo e modificações na paisagem: um estudo de caso em cidades pantaneiras Carla Moura de Paulo Gestora Ambiental, Mestra e Doutoranda em Ciência Ambiental PROCAM/USP carla.moura@usp.br

Leia mais

Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB

Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB Análise do IBEU para a RIDE-DF e a AMB Rômulo José da Costa Ribeiro Professor Doutor da Universidade de Brasília UnB, Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo PPG-FAU, Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese

Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese 2014 Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios - Síntese Dieese Subseção Força Sindical 19/09/2014 PESQUISA NACIONAL POR AMOSTRA DE DOMICILIOS - PNAD 2013 Síntese dos Indicadores POPULAÇÃO A Pesquisa

Leia mais

A organização do espaço na América Latina

A organização do espaço na América Latina Tifonimages/ Dreamstime.com Joetex1/ Dreamstime.com A organização do espaço na América Latina Vista da cidade de Santiago, capital e maior cidade do Chile. Monocultura de milho na Argentina. Andresr/ Shutterstock

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Cabo de Santo Agostinho / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Cabo de Santo Agostinho / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 1,93% ao ano, passando de 152.836

Leia mais

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco

Projeto Cidade da Copa : influência na mobilidade da Zona da Mata Norte do Estado de Pernambuco Danilo Corsino de Queiróz Albuquerque¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹Graduando do 5º Período no Curso de Licenciatura em Geografia pela Universidade de Pernambuco (UPE), E-mail:

Leia mais

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade

Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Catalão nas Fronteiras do Capitalismo: do desenvolvimento produtivo a construção da sociabilidade Leonardo César PEREIRA 1 ; Revalino Antonio FREITAS (orientador) Palavras-chave: trabalho, migração, fronteira,

Leia mais

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam.

é de queda do juro real. Paulatinamente, vamos passar a algo parecido com o que outros países gastam. Conjuntura Econômica Brasileira Palestrante: José Márcio Camargo Professor e Doutor em Economia Presidente de Mesa: José Antonio Teixeira presidente da FENEP Tentarei dividir minha palestra em duas partes:

Leia mais

BRASIL: INDUSTRIALIZAÇÃO RETARDATÁRIA

BRASIL: INDUSTRIALIZAÇÃO RETARDATÁRIA BRASIL: INDUSTRIALIZAÇÃO RETARDATÁRIA Entre as razões que mantiveram o Brasil alheio do desenvolvimento industrial estão: a permanência até segunda metade do século XIX de relações escravagistas de trabalho;

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA. LEI 12.587 3 de janeiro de 2012

POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA. LEI 12.587 3 de janeiro de 2012 LEI 12.587 3 de janeiro de 2012 A POLÍTICA NACIONAL DE MOBILIDADE URBANA, INSTITUDA PELA LEI 12.587, É INSTRUMENTO DA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO URBANO, OBJETIVANDO A INTEGRAÇÃO ENTRE OS DIFERENTES MODOS

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO

CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO CENTRO DE ESTUDOS PSICOPEDAGÓGICOS DE MACEIÓ PROFª. MÔNICA GUIMARÃES GEOGRAFIA - 7º ANO REGIÃO NORDESTE AS SUB-REGIÕES DO NORDESTE ZONA DA MATA AGRESTE SERTÃO MEIO-NORTE MEIO NORTE SERTÃO ZONA DA MATA

Leia mais

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal

Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal Subsecretaria de Captação de Recursos SUCAP/SEPLAN Secretaria de Planejamento e Orçamento do Distrito Federal SEPLAN Governo do Distrito Federal TERMO DE REFERÊNCIA À SECRETARIA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

Abril/2016. Perspectivas para o setor de infraestrutura no Estado do Rio de Janeiro

Abril/2016. Perspectivas para o setor de infraestrutura no Estado do Rio de Janeiro Abril/2016 Perspectivas para o setor de infraestrutura no Estado do Rio de Janeiro Sumário Quem somos Cenário PPPs e Concessões Desafios do atual modelo Proposta da AEERJ Projetos do ERJ : pontos críticos

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

ABSTRACT 2. METODOLOGIA

ABSTRACT 2. METODOLOGIA AVALIAÇÃO DAS AÇÕES DE SANEAMENTO AMBIENTAL NA BAIXA DO CAMARAJIPE E SEU IMPACTO NA SAÚDE DA POPULAÇÃO MORAES, Luiz Roberto Santos (1); BORJA, Patrícia Campos (2); TOSTA, Cristiane Sandes (3); SANTOS,

Leia mais

CORREDOR LESTE-OESTE: LIGAÇÃO ENTRE A ÁREA CENTRAL DO RECIFE E A CIDADE DA COPA EM SÃO LOURENÇO DA MATA 1

CORREDOR LESTE-OESTE: LIGAÇÃO ENTRE A ÁREA CENTRAL DO RECIFE E A CIDADE DA COPA EM SÃO LOURENÇO DA MATA 1 Andresa Maria Mendes da Silva¹ Ana Regina Marinho Dantas Barboza da Rocha Serafim² ¹ Graduanda do Curso de Licenciatura em Geografia do Campus Mata Norte da Universidade de Pernambuco. Bolsista PFA/UPE.

Leia mais

Parte 4 Recursos e Serviços públicos

Parte 4 Recursos e Serviços públicos Parte 4 Recursos e Serviços públicos GOVERNAÇÃO LOCAL E MOBILIZAÇÃO DE RECURSOS PARA FINANCIAR SERVIÇOS BÁSICOS. ESTUDOS DE CASO: ÁGUA E SAÚDE Introdução e resumo Descentralização e governação local têm

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO Solange Marques Domingos da Silva 1, Pérsio D Oliveira Sandir 2 RESUMO: A necessidade emergente de práticas de lazer mais saudável, a tranqüilidade e o relaxamento

Leia mais

A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros

A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros A MORFOLOGIA URBANA DE UMA CIDADE MÉDIA: considerações sobre Montes Claros Bruno Rodrigues Freitas Aluno do curso de Pós-Graduação em Meio Ambiente e Desenvolvimento Regional Universidade Estadual de Montes

Leia mais

Sessão Temática: Códigos da Cidade: construções normativas em projetos Coordenação : Rosângela Lunardelli Cavallazzzi

Sessão Temática: Códigos da Cidade: construções normativas em projetos Coordenação : Rosângela Lunardelli Cavallazzzi I Encontro Nacional da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo (I ENANPARQ): Arquitetura, Cidade, Paisagem e Território: percursos e prospectivas 29 de Novembro a 03

Leia mais

Eixo Temático ET-01-012 - Gestão Ambiental

Eixo Temático ET-01-012 - Gestão Ambiental Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 55 Eixo Temático ET-01-012 - Gestão Ambiental PERFIL DAS ATIVIDADES LICENCIADAS PELA SECRETARIA DE MEIO AMBIENTE

Leia mais

Eixo Temático ET-05-019 - Meio Ambiente e Recursos Naturais A QUEIMA DA MADEIRA EM FORNOS DE OLARIA E AS POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS PARA O MEIO AMBIENTE

Eixo Temático ET-05-019 - Meio Ambiente e Recursos Naturais A QUEIMA DA MADEIRA EM FORNOS DE OLARIA E AS POSSÍVEIS CONSEQUÊNCIAS PARA O MEIO AMBIENTE 336 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 Eixo Temático ET-05-019 - Meio Ambiente e Recursos Naturais A QUEIMA DA MADEIRA EM FORNOS DE OLARIA E AS

Leia mais

Material de apoio para o exame final

Material de apoio para o exame final Professor Rui Piassini Geografia 1º EM Material de apoio para o exame final Questão 01) Em toda a história da humanidade os agrupamentos humanos ou os indivíduos, isoladamente, se movimentam pelo espaço,

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

COMISSÃO TÉCNICA INTERINSTITUCIONAL 2 CTI 2

COMISSÃO TÉCNICA INTERINSTITUCIONAL 2 CTI 2 COMISSÃO TÉCNICA INTERINSTITUCIONAL 2 CTI 2 Tema: Educação e Cultura Propostas para aproveitamento do potencial da política de educação e cultura no combate ao empobrecimento e na redução das desigualdades

Leia mais

Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais

Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais EXTENSO 2013 Eje 4: Ambiente, Educación Ambiental y Desarrollo Programa Ambiental: 1º Ciclo de Palestras Uso sustentável dos recursos naturais Letícia Fernanda Assis¹; Márcio Viera²; Juliana Ferrari³;

Leia mais

O nosso negócio é o desenvolvimento

O nosso negócio é o desenvolvimento O nosso negócio é o desenvolvimento APOIO A INDÚSTRIA DE CAFÉ SUPERINTENDÊNCIA ESTADUAL DA BAHIA Novembro 2012 FNE para Indústria de Café Missão do Banco do Nordeste Atuar na promoção do desenvolvimento

Leia mais

9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO. Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional

9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO. Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional 9 Fórum de Saneamento e Meio Ambiente ASSEMAE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO Arnaldo Luiz Dutra Presidente Nacional Belo Horizonte, 03 de Setembro de 2007 Penápolis, 26 de março

Leia mais

LISTA DE RECUPERAÇÃO FINAL GEOGRAFIA (1ª SÉRIE A)

LISTA DE RECUPERAÇÃO FINAL GEOGRAFIA (1ª SÉRIE A) 1. (Unesp 2013) Analise os climogramas dos principais tipos climáticos do Brasil e as fotos que retratam as formações vegetais correspondentes. Identifique o climograma e a respectiva foto que representa

Leia mais

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB :

9º Lugar. População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : População: 62.204 hab. Área do Município: 1,589,52 km² Localização: Região Sul Goiano PIB (2005): R$ 505,5 milhões PIB : per capita R$ 7.701,00 9º Lugar Principais distâncias: Goiânia: 154 km Brasília:

Leia mais

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres

O TERRITÓRIO BRASILEIRO. 6. Fronteiras Terrestres O TERRITÓRIO BRASILEIRO 6. Fronteiras Terrestres Até o começo do século XVII, os colonizadores se concentraram em cidades fundadas na região litorânea do Brasil, principalmente no Nordeste. A principal

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º

Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º Lista de Exercícios Aluno(a): Nº. Professor:Anderson José Soares Série: 1º Disciplina: Geografia Data da prova: Questão 01) O Brasil está dividido em três grandes complexos econômicos regionais: Centro-Sul,

Leia mais

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil

Título: Características do trabalho por conta própria no Brasil Área 4 Economia e Movimentos Sociais: mercado de trabalho e sindicalismo; política agrária e movimentos sociais no campo; economia solidária; desigualdade étnico-racial e de gênero; movimento estudantil

Leia mais

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades

Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Revista Economia & Tecnologia (RET) Volume 9, Número 4, p. 129-136, Out/Dez 2013 Seção: Tecnologia & Inovação Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: avanços e dificuldades Alessandra

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3

1 INTRODUÇÃO. Realizado de 25 a 31 de julho de 2010. Porto Alegre - RS, 2010. ISBN 978-85-99907-02-3 AMBIENTE E LAZER: análise da percepção ambiental dos freqüentadores da praia ponta d areia em São Luís-MA Josélio Oliveira de AMORIM (UFMA/LEBAC/GEOTEC) joseliogeografo@yahoo.com.br Márcia Talídia Ferreira

Leia mais

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo:

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo: Oficina em Ilhabela Relatoria da Plenária Final Esta oficina, realizada no dia 28 de março de 2012, no Hotel Ilhabela, na sede do município, faz parte do processo de escuta comunitária no âmbito do projeto

Leia mais

Profª: Sabrine Viviane Welzel

Profª: Sabrine Viviane Welzel Geografia 9 ano Japão 1- A importância de não nascer importante. Porque, essa frase de Eduardo Galeano, pode ser relacionada ao Japão? 2 A indústria japonesa desenvolveu-se aceleradamente no Pós-Segunda

Leia mais

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL

O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL O PROGRAMA NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL 08 de Novembro de 2012 O que é o Brasil Rural? O Brasil Rural Diversidade: raças, origens étnicas, povos, religiões, culturas Conflitos: concentração de terra, trabalho

Leia mais

Regionalização Brasileira

Regionalização Brasileira GEOGRAFIA DO BRASIL Regionalização Brasileira A República Federativa do Brasil é formada por 26 estados e pelo Distrito Federal. Os estados, por sua vez, dividem-se em municípios, os quais são as menores

Leia mais

(GIANSANTI, Roberto. O desafio do desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atual, 1998. p. 13.)

(GIANSANTI, Roberto. O desafio do desenvolvimento sustentável. São Paulo: Atual, 1998. p. 13.) PROCESSO SELETIVO/2006 1 O DIA GAB. 1 25 GEOGRAFIA QUESTÕES DE 41 A 50 41. Leia o trecho abaixo: Considera-se, em economia, o desenvolvimento sustentável como a capacidade de as sociedades sustentarem-se

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA

ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA ÁREAS CONTAMINADAS POR RESÍDUOS INDUSTRIAIS PERIGOSOS E USOS POSTERIORES À DESINSTALAÇÃO INDUSTRIAL: ALGUMAS QUESTÕES DE SAÚDE PÚBLICA Wanda Maria Risso Günther (*) Faculdade de Saúde Pública da Universidade

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR

LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR LEVANTAMENTO DOS ANIMAIS SINANTRÓPICOS DA SUB- BACIA HIDROGRÁFICA URBANA PILÃO DE PEDRA, EM PONTA GROSSA PR Leticia Polesel Weiss (leticia_w@hotmail.com) Rosana Pinheiro Maria Aparecida Oliveira Hinsching

Leia mais

Manifesto O BRASIL QUE QUEREMOS CONSTRUIR

Manifesto O BRASIL QUE QUEREMOS CONSTRUIR Manifesto O BRASIL QUE QUEREMOS CONSTRUIR O setor produtivo rural brasileiro e representantes de diversas cadeias produtivas da agropecuária vêm manifestar sua preocupação com a grave crise política, econômica

Leia mais

Dimensão social. Habitação

Dimensão social. Habitação Dimensão social Habitação Indicadores de desenvolvimento sustentável - Brasil 2004 235 39 Adequação de moradia Este indicador expressa as condições de moradia através da proporção de domicílios com condições

Leia mais

Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa

Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa Marcia Cristina de Souza Matos Carneiro marcia.carneiro@ibge.gov.br NEXUS : Sociedade e Natureza UFPE

Leia mais

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução

Danilo Munhoz Alves Corrêa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio danilomunhoz@globo.com. 1 - Introdução Sistema Modal de Transportes no Município do Rio de Janeiro: a modernização dos eixos de circulação na cidade carioca para a Copa do Mundo de Futebol em 2014 e as Olimpíadas em 2016. 1 - Introdução Danilo

Leia mais

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO

DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO DIREITO SOCIAL A IMPORTÂNCIA HISTÓRICA NA LUTA PELO DIREITO Autora: Ludmila Carla Campello Jorge 1 Coautores: Aniele Soares Alves 2 Mônica Ferreira dos Santos 3 Letícia Costa Barros 4 Annielly da Silva

Leia mais

O Estado de Goiás e a Região Metropolitana de Goiânia no Censo 2010

O Estado de Goiás e a Região Metropolitana de Goiânia no Censo 2010 O Estado de Goiás e a Região Metropolitana de Goiânia no Censo 2010 Coordenação Aristides Moysés Equipe Responsável: Aristides Moysés 1, Débora Ferreira Cunha 2, Elcileni de Melo Borges 3 Colaboração:

Leia mais

A evolução e distribuição social da doença no Brasil

A evolução e distribuição social da doença no Brasil A evolução e distribuição social da doença no Brasil Por Ana Maria de Brito Qualquer epidemia é o resultado de uma construção social, conseqüência do aparecimento de uma doença com características biomédicas,

Leia mais

Extensão Universitária na Amazônia: Ações Sócio-Educativas de Arte e Cultura nas Comunidades Ribeirinhas dos Municípios de Coari e Carauari

Extensão Universitária na Amazônia: Ações Sócio-Educativas de Arte e Cultura nas Comunidades Ribeirinhas dos Municípios de Coari e Carauari Anais do 2º Congresso Brasileiro de Extensão Universitária Belo Horizonte 12 a 15 de setembro de 2004 Extensão Universitária na Amazônia: Ações Sócio-Educativas de Arte e Cultura nas Comunidades Ribeirinhas

Leia mais

Avança o processo de licenciamento do Sistema São Lourenço

Avança o processo de licenciamento do Sistema São Lourenço Avança o processo de licenciamento do Sistema São Lourenço O projeto Sistema Produtor São Lourenço (SPSL) está sendo licenciado por trechos, conforme o grau de complexidade, e o processo de licenciamento

Leia mais

PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INCENTIVANDO A CIDADANIA

PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INCENTIVANDO A CIDADANIA CRIANDO OPORTUNIDADES PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL INCENTIVANDO A CIDADANIA Caros parceiros É com muito orgulho que olhamos para os 11 anos da existência da GERAR e temos a certeza de que oferecemos

Leia mais

Metodologia. Resultados

Metodologia. Resultados ENCONTRO INTERNACIONAL PARTICIPAÇÃO, DEMOCRACIA E POLÍTICAS PÚBLICAS: APROXIMANDO AGENDAS E AGENTES UNESP SP 23 a 25 de abril de 2013, UNESP, Araraquara (SP) AGENTES SOCIAIS E A PRODUÇÃO DO ESPAÇO URBANO

Leia mais

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia

Panorama Municipal. Município: Barreiros / PE. Aspectos sociodemográficos. Demografia Município: Barreiros / PE Aspectos sociodemográficos Demografia A população do município ampliou, entre os Censos Demográficos de 2000 e 2010, à taxa de 0,40% ao ano, passando de 39.151 para 40.732 habitantes.

Leia mais

NATAL: Transformações na Ordem Urbana

NATAL: Transformações na Ordem Urbana NATAL: Transformações na Ordem Urbana Observatório das Metrópoles Núcleo RMNatal Editores : Maria do Livramento M. Clementino Observatório das Metrópoles Núcleo Natal Universidade Federal do Rio Grande

Leia mais

UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Letícia Celise Ballejo de Oliveira Roberto Cassol leticelise@yahoo.com.br, rtocassol@gmail.com Universidade Federal de Santa Maria - UFSM UMA ABORDAGEM AMBIENTAL DO SANEAMENTO BÁSICO UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

Leia mais

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL

BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL BALANÇO 4 ANOS 2007-2010 DISTRITO FEDERAL Apresentação Ao lançar o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), em janeiro de 2007, o Governo Federal assumiu o compromisso de fazer o Brasil crescer de

Leia mais

Breve histórico do movimento Pró Morro da Pedreira A poucos quilômetros da vila Serra do Cipó, distrito do município de Santana do Riacho. Os visitantes que vêm de Belo Horizonte chegam à sede pela rodovia

Leia mais

um olhar sobre Bom Jesus das Selvas MA Diagnóstico socioeconômico

um olhar sobre Bom Jesus das Selvas MA Diagnóstico socioeconômico um olhar sobre Bom Jesus das Selvas MA Diagnóstico socioeconômico Belém A cidade de Bom Jesus das Selvas. Construtores da Rodovia Bom Jesus das Selvas está a 460 quilômetros de São Luís, às margens da

Leia mais

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum

Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional. Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional Seis cidades buscando soluções regionais para problemas em comum Abril de 2011 2 CONISUD Seminário de Políticas de Desenvolvimento Regional abril de 2011

Leia mais

Terceiro Setor Novos Tempos, Novas Atitudes

Terceiro Setor Novos Tempos, Novas Atitudes Terceiro Setor Novos Tempos, Novas Atitudes Rafael Vargas Lara Empreendedor Social Gestor de Projetos Sociais & Captador de Recursos Terceiro Setor É uma terminologia sociológica que dá significado a todas

Leia mais