Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa"

Transcrição

1 Geotecnologia aplicadas à análise histórica humana /intervenções urbanas e evolução da linha de costa Marcia Cristina de Souza Matos Carneiro NEXUS : Sociedade e Natureza UFPE Março

2 3.1 ÁREA DE ESTUDO Litoral PE km Litoral RMR - 42 km

3 Problema Segundo CARTER (1988), de todos os ecossistemas costeiros, as dunas são os ambientes que sofreram maior grau de degradação antrópica. Aliado a grande intervenção humana sofrida neste ambiente, apenas nos último 30 anos foram iniciados estudos integrados a gestão costeira e implementação de legislação visando sua proteção. AS DUNAS, é um espaço submetido a diferentes tipos de pressão, desde o turismo predatório e a exploração mineral até a especulação imobiliária, intervenções urbanísticas e as próprias dinâmicas físicas naturais.

4 1 HISTÓRICO DA OCUPAÇÃO URBANA E SUA REPERCUSSÃO NO DESENCADEAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS A RMR antes da colonização portuguesa, caracterizava-se por coras e bancos de areia, cordões litorâneos arenosos e restinga, associado a pântanos de agua salobra, manguezais, lagamares, entre outros, ou seja estuarios dos rios Capibaribe, Beberibe e Tijipió. As características morfológicas dessa zona costeira aliada a profundidade na foz dos rios, permitiram ao Recife a possibilidade de instalação de um porto natural. Mapa do porto de Recife em 1616

5 1 HISTÓRICO DA OCUPAÇÃO URBANA E SUA REPERCUSSÃO NO DESENCADEAMENTO DE PROCESSOS EROSIVOS Em 1950, na maioria dos municípios do litoral pernambucano, predominava em números absolutos a população rural. Nas décadas de 1960 e 1970, ocorreu um acelerado processo de ocupação mais de 50% da área de beira-mar foi destinada à implantação de loteamentos para moradia, veraneio, entre outras (FIDEM, 1987). Esse fato tem sua continuidade até os dias atuais sem que haja uma legislação mais restritiva e específica, que possa conter os abusos existentes. O espaço urbano no litoral dos municípios de RMR resultante de relações sociais que se manifestam desde o período colonial, reflexo na urbanização presente nas cidades brasileiras vem desencadeando processos erosivos

6 1.1 HISTÓRICO DA OCUPAÇÃO URBANA DO LITORAL DE OLINDA

7 1.1 HISTÓRICO DA OCUPAÇÃO URBANA DO LITORAL DE OLINDA

8 Análise temporal utilizando Mapa 1943 e fotografias aéreas 1974 e 1996

9 Análise temporal utilizando fotografias aéreas 1974 e 1996 Foz rio Paratibe Olinda 3 Fonte: Fidem Fonte: Fidem

10 Alteração na paisagem em 1943, 1974 e 1996 Foz rio Paratibe Olinda 1943 Rio Paratibe Fonte:( CARNEIRO, 2003,p.183)

11 1.2 HISTÓRICO DA OCUPAÇÃO URBANA DO LITORAL DE RECIFE

12 1.2 HISTÓRICO DA OCUPAÇÃO URBANA DO LITORAL DE JABOATAO DOS GUARARPES

13 1.2 HISTÓRICO DA OCUPAÇÃO URBANA DO LITORAL DE PAULISTA

14 Estudo de ARAUJO, horas após a maré baixa, a identificação e demarcação georreferenciada (GPS GARMIM) dos trechos do litoral com relação à presença de ocupação urbana, observando-se a presença, ou não, de edificações no ambiente praial. A metodologia adotada foi inicialmente selecionar os trechos de praia, e a seguir classificar em três graus de ocupação ou intervenção, de acordo com os seguintes critérios: ausência de ocupação da pós-praia; ocupação da pós-praia; e ocupação concomitante da pós-praia e da praia (estirâncio). As informações foram plotadas em cartas da Sudene (1:25.000) e posteriormente foi calculado o percentual da extensão total do litoral com ocupação na praia e na pós-praia dos municípios. O resultado do estudo de Araújo et al. (2004) demonstrou que o Setor Metropolitano é o mais fortemente ocupado, seguido pelos setores Norte e Sul pernambucanos respectivamente. As informações foram plotadas em cartas da Sudene (1:25.000) e posteriormente foi calculado o percentual da extensão total do litoral com ocupação na praia e na pós-praia dos municípios.

15 As informações foram plotadas em cartas da Sudene (1:25.000) e posteriormente foi calculado o percentual da extensão total do litoral com ocupação na praia e na pós-praia dos municípios. Setores do litoral pernambucano X extensão (km) e percentual do litoral X percentual de ocupação por edificações e/ou obras de contenção Setores Extensão (km) % do litoral Ausência de ocupação na póspraia (%) Ocupação na póspraia (%) Ocupação associada da póspraia e da praia (%) Norte Metropolitano Sul Total Fonte:( ARAUJO, 2004)

16 A: Setor Norte; B: Setor Metropolitano; C: Setor Sul quanto à localização das edificações e/ou obras de contenção contra erosão. Trechos em branco: ausência de ocupação na póspraia; trechos em amarelo: ocupação na pós-praia; trechos em vermelho: ocupação concomitante da pós-praia e da praia RESULTADO do estudo de Araújo et al. (2004) demonstrou que o Setor Metropolitano é o mais fortemente ocupado, seguido pelos setores Norte e Sul pernambucanos respectivamente. Fonte:( ARAUJO, 2004)

17 2 HISTÓRICO DAS OBRAS E INTERVENÇÕES DE CONTENÇÃO DO AVANÇO DO MAR E DE RECUPERAÇÃO DA ORLA MARÍTIMA Os primeiros registros de erosão costeira no estado de Pernambuco datam de 1914 (COUTINHO, 1997) e revelam os danos causados pelo molhe localizado no istmo de Olinda, à época, em construção, o qual fazia parte das obras de ampliação do Porto de Recife. As Figuras 1 e 2 mostram a Praia dos Milagres, em Olinda, servindo de testemunho do avanço do mar, onde experimentou um recuo de 80 metros no período A partir de então, constataram-se problemas de erosão em vários trechos do litoral, especialmente nas áreas urbanas, onde foram implantadas obras costeiras de proteção no intuito de controlar ou atenuar os efeitos desse processo (COUTINHO, 1997) e CARNEIRO, 2003).

18 REGISTROS EROSAO EM OLINDA EM 1940, 1960 E 1997

19 4 RESULTADO DAS OBRAS CONTENÇÃO DOS PROCESSOS EROSIVOS Nos últimos vinte anos, construíram-se diversas obras de contenção no litoral dos municípios de Jaboatão dos Guararapes, Recife, Olinda e Paulista. Segundo estudos desenvolvidos pelo MAI (2009), as obras costeiras, ao longo da orla litoral dos municípios de Jaboatão dos Guararapes, Recife, Olinda e Paulista, perfazem uma extensão total de m de estruturas construídas, das quais m encontram-se no município de Jaboatão dos Guararapes; m em Recife; m em Olinda e m no município de Paulista.

20 4 RESULTADO DAS OBRAS CONTENÇÃO DOS PROCESSOS EROSIVOS

21 4 RESULTADO DAS OBRAS CONTENÇÃO DOS PROCESSOS EROSIVOS- JABOATAO Em Jaboatão dos Guararapes, possui um litoral com extensão de 7.961,20 m de litoral, sendo que em 4.690,94 m (58,9%) é formado de praias com sedimento, e em 3.270,26m (41,1%) sem praias com sedimentos, constituindo-se, principalmente, de trechos com obras do tipo enrocamentos, espigões e muros. No litoral deste município, de acordo com MAI (2009), as estruturas se distribuem do seguinte modo: m de enrocamentos e muros (74 %); 530 m de espigões e molhes (12 %); 600 m de quebra-mar (14 %). Pode-se concluir que no litoral do município predominam obras de proteção do terreno, ou seja, as intervenções adotadas; das quais, têm por objetivo a proteção do terreno, por meio da fixação da linha de costa, com o consequente impacto na vocação turística local.

22 4 RESULTADO DAS OBRAS CONTENÇÃO DOS PROCESSOS EROSIVOS Foz do rio Jaboatão em 1989 (a) e (b) detalhe da área com obras costeiras do tipo molhes e espigões ao longo da margem esquerda do rio em Na Figura 5, mostram-se as modificações morfológicas causadas por essas intervenções na foz do rio Jaboatão, inclusive com significativa redução de área na extremidade do pontal do Paiva (Ilha do Amor, ao longo da margem direita do rio).

23 3 RESULTADOS NA CONTENÇÃO DOS PROCESSOS Trecho das Praias de Candeias e Piedade em 1963 (a) e em 2004 (b) Na Figura 6, veem-se os efeitos da erosão com as perdas de área de praia em Candeias e Piedade (MAI, 2009). Fonte:( ARAUJO, 2004)

24 3 RESULTADOS NA CONTENÇÃO DOS PROCESSOS- ESTRUTURAS DE CONTENÇÃO FONTE: MAI,2009

25 4 RESULTADO DAS OBRAS CONTENÇÃO DOS PROCESSOS EROSIVOS - RECIFE Enquanto na orla do município de Recife, a principal estrutura costeira é um enrocamento com m de comprimento na Praia de Boa Viagem e outro de m na Praia de Brasília Teimosa conforme estudo do MAI (2009). %). Recife totalizando ,38 m de litoral, sendo que em m (44,6%) é formado de praias com sedimento, e em 7.445,13 m (55,4%) sem praias com sedimentos, constituindo-se de dois trechos: um com recifes e outro com enrocamentos.

26 4 RESULTADO DAS OBRAS CONTENÇÃO DOS PROCESSOS EROSIVOS - OLINDA Esse tipo de obra tem por objetivo a proteção do terreno, e não da praia. Olinda totalizando ,14 m de litoral, sendo que em 4.222,33 m (34,4%) é formado de praias com sedimento e em 8.038,81 m (65,6%) sem praias com sedimentos, constituindo-se, principalmente, de trechos com obras do tipo enrocamentos, espigões e muros. Na praias de Olinda, predominam obras de proteção do terreno na forma de enrocamentos, espigões e quebra-mares que causam boa proteção da linha de costa do município. Entretanto, essas estruturas causam significativa modificação nas taxas de deriva litorânea, com efeitos negativos à jusante, aliados ao impacto na vocação turística. As estruturas têm a seguinte distribuição: m de enrocamentos e muros (22 %); 250 m de espigões e molhes (3 %); m de quebra-mares (75 %). (54 %).

27 4 RESULTADO DAS OBRAS CONTENÇÃO DOS PROCESSOS EROSIVOS - OLINDA

28 4 RESULTADO DAS OBRAS CONTENÇÃO DOS PROCESSOS EROSIVOS - PAULISTA Paulista, possui uma extensão de ,36 m de litoral, sendo que em 9.626,93 m (66,5%) é formado de praias com sedimento, e em 4.841,43 m (33,5%) sem praias com sedimentos, constituindo-se, principalmente, em trechos com obras do tipo quebra-mares, enrocamentos, espigões e muros. Contudo, os quebra-mares, embora construídos com altura bastante elevada, causam proteção parcial da linha de costa. Esse tipo de intervenção, aliado ao engordamento da praia, com sedimentos de composição e tamanhos inadequados, pode estar relacionado com os focos de erosão instalados em alguns trechos da praia. As estruturas presentes na orla de Paulista têm a seguinte distribuição: m de enrocamentos e muros (40 %); 280 m de espigões e molhes (6 %); m de quebra-mares (54 %).

29 4 RESULTADO DAS OBRAS CONTENÇÃO DOS PROCESSOS EROSIVOS - PAULISTA

30

31

32 Nosso trabalho é transformar dados em informação. Informação que vai gerar conhecimento. OBRIGADO!!!

O Enfrentamento à Vulnerabilidade Costeira de Pernambuco

O Enfrentamento à Vulnerabilidade Costeira de Pernambuco O Enfrentamento à Vulnerabilidade Costeira de Pernambuco COSTA DE PERNAMBUCO 187 Km de Costa 21 Municípios Costeiros 4.034.122 habitantes (2012) 44,99% da população de Pernambuco 4,53% do território de

Leia mais

III-010 A IMPORTÂNCIA DA POPULAÇÃO FLUTUANTE PARA A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DO RECIFE

III-010 A IMPORTÂNCIA DA POPULAÇÃO FLUTUANTE PARA A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DO RECIFE III-010 A IMPORTÂNCIA DA POPULAÇÃO FLUTUANTE PARA A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA CIDADE DO RECIFE Eduardo Antonio Maia Lins (1) Graduado em Engenharia Civil pela Escola de Politécnica de Pernambuco

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DAS DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EM ARACAJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹

ANÁLISE COMPARATIVA DAS DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS EM ÁREAS DE MANGUEZAIS EM ARACAJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹ NÁLISE COMPRTIV DS DERIVÇÕES NTROPOGÊNICS EM ÁRES DE MNGUEZIS EM RCJU-SE. Geisedrielly Castro dos Santos¹ 1 Mestra e Doutoranda em Geografia, UFS, racaju-se, geisecastrosantos@hotmail.com. RESUMO: Os manguezais

Leia mais

PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro

PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro PRAIA DO SACO EM ESTÂNCIA/SE: análise dos processos de uso e ocupação do solo costeiro Ana Cláudia Cardoso Lima Josefa Edilani de Souza Prof. Dr. Lício Valério Lima Vieira (Orientador) RESUMO No Brasil,

Leia mais

EVOLUÇÃO DA VULNERABILIDADE À EROSÃO DAS PRAIAS DA ILHA DE ITAMARACÁ PE, COMO SUBSÍDIO PARA UM MONITORAMENTO DA MORFOLOGIA PRAIAL.

EVOLUÇÃO DA VULNERABILIDADE À EROSÃO DAS PRAIAS DA ILHA DE ITAMARACÁ PE, COMO SUBSÍDIO PARA UM MONITORAMENTO DA MORFOLOGIA PRAIAL. EVOLUÇÃO DA VULNERABILIDADE À EROSÃO DAS PRAIAS DA ILHA DE ITAMARACÁ PE, COMO SUBSÍDIO PARA UM MONITORAMENTO DA MORFOLOGIA PRAIAL. João Marcello Ribeiro de Camargo 1 ; Tereza Cristina Medeiros de Araújo

Leia mais

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição As praias da Conceição, Tainha, Porto da Vó, Retiro dos Padres, Caixa D Aço, Geremias, Gravatá, Poá e São Miguel encontram-se em processo avançado de urbanização (Fichas 43 a 52 e Anexo 1). Nestas praias

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NAS OBRAS DE PROTEÇÃO NA ORLA DA PRAIA DE BOA VIAGEM RECIFE PE

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NAS OBRAS DE PROTEÇÃO NA ORLA DA PRAIA DE BOA VIAGEM RECIFE PE UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NAS OBRAS DE PROTEÇÃO NA ORLA DA PRAIA DE BOA VIAGEM RECIFE PE Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Marçal Brasil Alves de Souza MAIO 1997 Revisado

Leia mais

2009 Amplo debate com os moradores, Universidade Federal, Ministério Público, Governo Federal, Governo do Estado

2009 Amplo debate com os moradores, Universidade Federal, Ministério Público, Governo Federal, Governo do Estado HISTÓRICO DA INTERVENÇÃO 2009 Amplo debate com os moradores, Universidade Federal, Ministério Público, Governo Federal, Governo do Estado 2010 Elaboração do Projeto Conceitual de Engenharia para Recuperação

Leia mais

MONITORAMENTO MORFOLÓGICO DAS PRAIAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE TEMPORAL E ESPACIAL RESUMO

MONITORAMENTO MORFOLÓGICO DAS PRAIAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE TEMPORAL E ESPACIAL RESUMO 1 ISSN 1679-3013 TROPICAL OCEANOGRAPHY ONLINE MONITORAMENTO MORFOLÓGICO DAS PRAIAS DO ESTADO DE PERNAMBUCO BRASIL: ANÁLISE TEMPORAL E ESPACIAL Patrícia Mesquita PONTES Tereza Cristina Medeiros de ARAÚJO

Leia mais

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006.

Figura 1: Localização da Praia de Panaquatira. Fonte: ZEE, Adaptado Souza, 2006. CARACTERIZAÇÃO GEOMORFOLOGICA E PA COSTEIRA DE PANAQUATIRA, MUNICIPIO DE SÃO JOSÉ DE RIBAMAR-MA SOUZA, U.D.V¹ ¹NEPA/UFMA, e-mail: ulissesdenache@hotmail.com PEREIRA, M. R. O² ²UFMA, e-mail: mayrajany21@yahoo.com.br

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS DECORRENTE DA EROSÃO COSTEIRA NA ORLA MARÍTIMA DE JABOATÃO DOS GUARARAPES.

IMPACTOS AMBIENTAIS DECORRENTE DA EROSÃO COSTEIRA NA ORLA MARÍTIMA DE JABOATÃO DOS GUARARAPES. IMPACTOS AMBIENTAIS DECORRENTE DA EROSÃO COSTEIRA NA ORLA MARÍTIMA DE JABOATÃO DOS GUARARAPES. MOURA,Carla Andrea¹ Graduada em ciências biologias pela Universidade Católica de Pernambuco, Especialista

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL

CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL CARACTERIZAÇÃO VOLUMÉTRICA DAS PRAIAS DO PINA E DA BOA VIAGEM, RECIFE (PE) BRASIL Maria das Neves Gregório 1 ;Tereza C. Medeiros de Araújo 2. 1 Geógrafa e aluna do Programa de Pós-Graduação em Oceanografia

Leia mais

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007

Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 Mudança da Linha de Costa à Médio Prazo das Praias do Pina e da Boa Viagem (Recife PE) 1961-2007 MARIA DAS NEVES GREGÓRIO TEREZA CRISTINA MEDEIROS DE ARAÚJO RAFAEL LOPES MENDONÇA ICLEIBER NASCIMENTO LIMA

Leia mais

RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR?

RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR? RECUO DA LINHA DE COSTA/DEFENDER OU RETIRAR? José Nunes André* & Maria de Fátima Neves Cordeiro** geógrafos *IMAR Coimbra (Instituto do Mar) **Escola Secundária de Vieira de Leiria Neste trabalho analisámos

Leia mais

Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica de Fusão de Imagens Orbitais CBERS HRC/CCD

Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica de Fusão de Imagens Orbitais CBERS HRC/CCD Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.5039 Variação da Linha de Costa da Praia do Janga/Paulista-PE, através da Técnica

Leia mais

DESTAQUES DE FEVEREIRO/2015

DESTAQUES DE FEVEREIRO/2015 DESTAQUES DE FEVEREIRO/2015 IVV FEVEREIRO DE 2015: 3,4% COMENTÁRIO: o IVV de fevereiro de 2015 fechou em 3,4% refletindo queda de 2,6 pontos percentuais na comparação com o mês anterior. VARIAÇÃO - em

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL

CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL CONSIDERAÇÕES SOBRE RISCO DE EROSÃO NA ÁREA URBANA DA GRANDE NATAL/RN - BRASIL Maria Francisca Jesus Lírio Ramalho Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Geografia/Area Geomorfologia

Leia mais

Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe

Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO Programa de Pós - Graduação em Ciência do solo Disciplina: Seminário II Erosão costeira e a produção de sedimentos do Rio Capibaribe Discente do mestrado: Wagner

Leia mais

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO

EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO Ministério do Meio Ambiente EROSÃO E PROGRADAÇÃO DO LITORAL BRASILEIRO 1 organização Dieter Muehe 2006 Presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva Ministra do Meio Ambiente Marina Silva Secretário

Leia mais

DESTAQUES DE JULHO/2015

DESTAQUES DE JULHO/2015 DESTAQUES DE JULHO/2015 IVV JULHO DE 2015: COMENTÁRIO: o IVV do mês de julho/15 fechou em 4,2%, resultado que expressa uma redução de 0,5 p.p. em relação ao mês anterior. VARIAÇÃO - em pontos percentuais

Leia mais

MORFOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA EM UM TRECHO DA PRAIA DE CANDEIAS (JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE, BRASIL)

MORFOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA EM UM TRECHO DA PRAIA DE CANDEIAS (JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE, BRASIL) MORFOLOGIA E SEDIMENTOLOGIA EM UM TRECHO DA PRAIA DE CANDEIAS (JABOATÃO DOS GUARARAPES-PE, BRASIL) Ana Regina L. Uchoa de Moura 1 ; Xiomara Franchesca G. Diaz 2 ; Bernadete Negromonte C. Bem 3 ; Márcia

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais

Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB

Programa Estadual de Mobilidade Urbana PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB PROGRAMA ESTADUAL DE MOBILIDADE URBANA PROMOB ARAÇOIABA 15.108 90 IGARASSU 82.277 323 ITAPISSUMA 20.116 74 ITAMARACÁ 15.858 65 PRAIA DE MARIA FARINHA A REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Municípios: 14 População:

Leia mais

DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SERGIPE

DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SERGIPE DERIVAÇÕES ANTROPOGÊNICAS NO LITORAL NORTE DO ESTADO DE SERGIPE Vieira Gois, D. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE) ; da Cruz, R. (UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE) ; Pereira Lima, L. (UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Praias em Processo de Urbanização

Praias em Processo de Urbanização Praias em Processo de Urbanização Conforme citado anteriormente, os perfis 3, 4, 6, (Passo de Torres), 11, 12, 15, 16, 18, 43 (Balneário Gaivota), 20, 22, 23, 26,44, 45 (Arroio do Silva), 28, 29, 30, 32,

Leia mais

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA

1 - PRÓLOGO 2 - INTRODUÇÃO 3 - METODOLOGIA 1 - PRÓLOGO A Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais - CPRM e a Fundação de Desenvolvimento da Região Metropolitana do Recife - FIDEM, entregam à comunidade o presente trabalho, que se constitui em

Leia mais

DESTAQUES DE DEZEMBRO/2014

DESTAQUES DE DEZEMBRO/2014 DESTAQUES DE DEZEMBRO/2014 IVV DEZEMBRO DE 2014: 9,8% COMENTÁRIO No mês dezembro de 2014 o Índice de Velocidade de Vendas IVV fechou em 9,8%, apresentando assim queda de 0,5 p.p. na comparação com o mês

Leia mais

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO

GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO GEOMORFOLOGIA E ANÁLISE DA REDE DE DRENAGEM DA FOLHA ALHANDRA, TABULEIROS LITORÂNEOS DOS ESTADOS DA PARAÍBA E PERNAMBUCO Gilvonete Maria Araujo de Freitas 1 ; Max Furrier 1 gilvonetefreitas@bol.com.br

Leia mais

AQUIFERO BOA VIAGEM, RECIFE PE: UMA ABORDAGEM DOS IMPACTOS DA VEDAÇÃO DAS ÁREAS DE INFILTRAÇÃO SOBRE A DISPONIBILIDADE HÍDRICA.

AQUIFERO BOA VIAGEM, RECIFE PE: UMA ABORDAGEM DOS IMPACTOS DA VEDAÇÃO DAS ÁREAS DE INFILTRAÇÃO SOBRE A DISPONIBILIDADE HÍDRICA. AQUIFERO BOA VIAGEM, RECIFE PE: UMA ABORDAGEM DOS IMPACTOS DA VEDAÇÃO DAS ÁREAS DE INFILTRAÇÃO SOBRE A DISPONIBILIDADE HÍDRICA. Ivaneide de Oliveira Santos 1 Antonio Carlos de Barros Corrêa 2 INTRODUÇÃO

Leia mais

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen).

Figura 2.1. Baía de Todos os Santos (Grupo de Recomposição Ambiental/ Gérmen). 18 2 Área de Estudo A Baía de Todos os Santos (BTS) (figura 2.1), localizada no estado da Bahia, considerada como área núcleo da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica é a maior Baía do Brasil, com cerca

Leia mais

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1

COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 COEFICIENTE DE ESCOAMENTO SUPERFICIAL EM DIFERENTES ÁREAS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA 1 Luiza Teixeira de Lima Brito 2 Aderaldo de Souza Silva 3 RESUMO Técnicas de captação e armazenamento de água de

Leia mais

Análise da evolução da linha de costa em litoral baixo arenoso nos últimos 50 anos RELATÓRIO TÉCNICO DE APOIO AO ESTUDO DO GRUPO DE TRABALHO DO

Análise da evolução da linha de costa em litoral baixo arenoso nos últimos 50 anos RELATÓRIO TÉCNICO DE APOIO AO ESTUDO DO GRUPO DE TRABALHO DO Análise da evolução da linha de costa em litoral baixo arenoso nos últimos 50 anos RELATÓRIO TÉCNICO DE APOIO AO ESTUDO DO GRUPO DE TRAALHO DO LITORAL - GTL Cristina Lira Setembro de 2014 Introdução O

Leia mais

Análise da Ocupação Urbana das Praias de Pernambuco, Brasil

Análise da Ocupação Urbana das Praias de Pernambuco, Brasil Revista da Gestão Costeira Integrada 7(2): 97-104 (2007) www.aprh.pt/rgci www.gci.inf.br Análise da Ocupação Urbana das Praias de Pernambuco, Brasil Analysis of Urban Occupation on Beaches in Pernambuco,

Leia mais

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar

Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Áreas da cidade passíveis de alagamento pela elevação do nível do mar Nº 20080901 Setembro - 2008 Maria Luiza Furtado de Mendonça, Luiz Roberto

Leia mais

2.2 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

2.2 USO E OCUPAÇÃO DO SOLO 3 DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL - LITORAL SUL DE PERNAMBUCO. Embora a cana-de-açúcar ainda continue sendo a atividade agrícola predominante na maior parte do Litoral Sul de Pernambuco, outros usos vêm ganhando

Leia mais

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA.

MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO GEODÉSICO DA LINHA DE COSTA. MAPEAMENTO COSTEIRO. DINÂMICA COSTEIRA E MONITORAMENTO Prof. Gilberto Pessanha Ribeiro gilberto.pessanha@gmail.com Universidade Federal de São Paulo - UNIFESP Instituto do Mar Campus Baixada Santista www.mapasdigitais.uerj.br

Leia mais

DESTAQUES DE JANEIRO/2015

DESTAQUES DE JANEIRO/2015 DESTAQUES DE JANEIRO/2015 COMENTÁRIO: IVV JANEIRO DE 2015: 6,0% O IVV de janeiro de 2015 fechou em 6,0%, refletindo queda de 1,1 pontos na comparação com o mesmo mês do ano anterior. VARIAÇÃO - em pontos

Leia mais

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator

3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator 3.3 Infra-estrutura 3.3.1 Saneamento básico água e esgoto A existência de condições mínimas de infra-estrutura de saneamento básico é um fator primordial para o desenvolvimento do turismo sustentável.

Leia mais

Mobilidade Urbana PROMOB

Mobilidade Urbana PROMOB Licitação Programa do Sistema de Estadual Transporte de Público de Passageiros da Região Metropolitana do Recife Mobilidade Urbana PROMOB STPP/RMR ARAÇOIABA 15.108 90 IGARASSU 82.277 323 ITAPISSUMA 20.116

Leia mais

Informações do mês de Janeiro. Empresas respondentes 50 Empresas que lançaram 00 Empresas que venderam 32 Empresas que venderam lançamentos 00

Informações do mês de Janeiro. Empresas respondentes 50 Empresas que lançaram 00 Empresas que venderam 32 Empresas que venderam lançamentos 00 Realização: Apoio: Informações do mês de Janeiro Variável Total Empresas respondentes 50 Empresas que lançaram 00 Empresas que venderam 32 Empresas que venderam lançamentos 00 IVV DOS IMÓVEIS RESIDENCIAIS

Leia mais

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS

MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS MAPEAMENTO DIGITAL DE AMBIENTES COSTEIROS COM APOIO DE IMAGENS DE SATÉLITES E DADOS GNSS Gilberto Pessanha Ribeiro ¹, ², ³ gilberto@globalgeo.com.br ¹ Globalgeo Geotecnologias www.globalgeo.com.br ² Faculdade

Leia mais

Caruaru (com jantar no Papangu de Bezerros incluso) Localizada no interior de Pernambuco, cerca de 135 km de Recife, Caruaru surpreende com um dos

Caruaru (com jantar no Papangu de Bezerros incluso) Localizada no interior de Pernambuco, cerca de 135 km de Recife, Caruaru surpreende com um dos Caruaru (com jantar no Papangu de Bezerros incluso) Localizada no interior de Pernambuco, cerca de 135 km de Recife, Caruaru surpreende com um dos mais importantes centros artesanais do Nordeste. A atração

Leia mais

Case Costa Brasileira: Gerenciamento Costeiro de Pernambuco RECIFE, NOVEMBRO 2014

Case Costa Brasileira: Gerenciamento Costeiro de Pernambuco RECIFE, NOVEMBRO 2014 Case Costa Brasileira: Gerenciamento Costeiro de Pernambuco RECIFE, NOVEMBRO 2014 LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA ZONA COSTEIRA BRASILEIRA LEI 7661/88 ZONA COSTEIRA PERNAMBUCANA PERNAMBUCO FAIXA TERRESTRE Municipios

Leia mais

3.2.1 Características da Paisagem

3.2.1 Características da Paisagem 3.2.1 Características da Paisagem O litoral do totaliza 24 km divididos em nove praias de geomorfologia e padrões de uso e ocupação variados. As características descritas nesta seção focam uma breve descrição

Leia mais

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes

* Desvio - Critérios de Projeto. * Tipos de Desvios: Exemplos. * Casos históricos importantes MARÇO/2011 EXPERIÊNCIA BRASILEIRA EM DESVIO DE GRANDES RIOS ERTON CARVALHO COMITÊ BRASILEIRO DE BARRAGENS - CBDB PRESIDENTE * Desvio - Critérios de Projeto * Etapas de Desvio * Tipos de Desvios: Exemplos

Leia mais

AÇÕES DO PROJETO ORLA NA ZONA COSTEIRA DE PERNAMBUCO

AÇÕES DO PROJETO ORLA NA ZONA COSTEIRA DE PERNAMBUCO AÇÕES DO PROJETO ORLA NA ZONA COSTEIRA DE PERNAMBUCO É uma ação inovadora do Governo Federal, conduzida pelo Ministério do Meio Ambiente e pelo Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, com o objetivo

Leia mais

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA

PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA PROJETO MEGACIDADES EMERGENTES RECIFE ESPAÇOS LIVRES EM MEGACIDADES POTENCIAL PARA UMA VIDA EM NATUREZA ORIENTADA CLUSTER 8 Perspectivas da Geografia Urbana CLUSTER 6 Estruturas urbanas, Planejamento urbano,

Leia mais

DESTAQUES DE MAIO/2014

DESTAQUES DE MAIO/2014 DESTAQUES DE MAIO/2014 IVV MAIO DE 2014: 7,5 % COMENTÁRIO O IVV de maio de 2014 fechou em 7,5%, inferior ao mês imediatamente anterior em 0,2 p.p.. VARIAÇÃO - em pontos percentuais (p.p.) Mês / Mês anterior

Leia mais

Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira

Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira Evoluçãomorfológicae sedimentar da zona costeira Luís Ivens Portela Laboratório Nacional de Engenharia Civil, LNEC, Lisboa, Portugal V Seminário Nacional do Programa Bandeira Azul 25 Nov2015 -Setúbal Índice

Leia mais

ÍNDICE. 7 - Conclusão... 1/3. 2818-00-EIA-RL-0001-00 Janeiro de 2015 Rev. nº 00. LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS Estudo de Impacto Ambiental - EIA 1/1

ÍNDICE. 7 - Conclusão... 1/3. 2818-00-EIA-RL-0001-00 Janeiro de 2015 Rev. nº 00. LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS Estudo de Impacto Ambiental - EIA 1/1 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS ÍNDICE 7 - Conclusão... 1/3 Índice 1/1 2818-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV ESTREITO FERNÃO DIAS 7 - CONCLUSÃO A implantação da LT 500 kv Estreito Fernão

Leia mais

PLANO DE ATAQUE DE OBRAS

PLANO DE ATAQUE DE OBRAS PLANO DE ATAQUE DE OBRAS PROJETO CAPIBARIBE MELHOR RECIFE - PERNAMBUCO Nº.: PL- 01.01 Rev. 00 DATA: 25/05/09 FOLHA: 01 09 ÍNDICE 1. OBJETIVO 2. MÉTODOS CONSTRUTIVOS 3. ESTRATÉGIA DE EXECUÇÃO 3.1 AÇÕES

Leia mais

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08)

6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) 6 o RELATÓRIO DOS SERVIÇOS DE MONITORAMENTO DE TALUDES DA UHE MAUÁ (MARCO CONTRATUAL MC04 / EVENTO CONTRATUAL EC 08) Curitiba/PR Julho de 2012 1 1 INTRODUÇÃO: A Ingá Engenharia e Consultoria Ltda. vem

Leia mais

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina

ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ICTR 2004 CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA EM RESÍDUOS E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL Costão do Santinho Florianópolis Santa Catarina ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS GERADOS POR RESÍDUOS DE

Leia mais

. a d iza r to u a ia p ó C II

. a d iza r to u a ia p ó C II II Sugestões de avaliação Geografia 7 o ano Unidade 5 5 Unidade 5 Nome: Data: 1. Complete o quadro com as características dos tipos de clima da região Nordeste. Tipo de clima Área de ocorrência Características

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente.

RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002. (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. RESOLUÇÃO Nº 303, DE 20 DE MARÇO DE 2002 (D.O.U. de 13/05/02) Dispõe sobre parâmetros, definições e limites de Áreas de Preservação Permanente. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil

Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil Uso do gvsig aplicado no estudo da erosão marginal na Foz do Rio Ribeira de Iguape/SP/Brasil Prof. Gilberto Cugler 1 Prof Dr. Vilmar Antonio Rodrigues 2 Resumo: O estudo da erosão marginal aqui proposto,

Leia mais

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013

Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Delimitação de Áreas em Alto e Muito Alto Risco a Enchentes e Movimentos de Massa no Município de Campinas São Paulo - Maio 2013 Introdução e Objetivos Anualmente inúmeros desastres decorrentes de eventos

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA

ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA ZONA COSTEIRA, MANGUEZAIS E A MUDANÇA CLIMÁTICA Eng. Renaldo Tenório de Moura, D.Sc. IBAMA ZONA COSTEIRA NO BRASIL Recife 8.500km Lei 7661/88 Institui a PNGC; Dec. 5300/2004 Regras de uso e ocupação; Critérios

Leia mais

4. Estudos, Planos e Projetos Correlacionados

4. Estudos, Planos e Projetos Correlacionados 4. Estudos, Planos e Projetos Correlacionados O segundo produto do Termo de Referência Nº 171 identificou um número de planos, estudos e projetos relativos à orla dos municípios em questão. Tais documentos

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA

BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA BOAS PRÁTICAS DE MOBILIDADE URBANA SUSTENTÁVEL: POR UMA ACESSIBILIDADE MAIS JUSTA Nivaldo Gerôncio da Silva Filho 1 Resumo: Nos últimos 20 anos, as preocupações com os fatores socioambientais vêm se configurando

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADAS PELA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO CAMPO DE DUNAS DA TAÍBA, SÃO GONÇALO DO AMARANTE CE.

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADAS PELA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO CAMPO DE DUNAS DA TAÍBA, SÃO GONÇALO DO AMARANTE CE. ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS CAUSADAS PELA ESPECULAÇÃO IMOBILIÁRIA NO CAMPO DE DUNAS DA TAÍBA, SÃO GONÇALO DO AMARANTE CE. DANTAS, F. N. M.; SILVA, A. de A.; VIEIRA, F. F. de S.; SOUSA, D. V. de; RIBEIRO,

Leia mais

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES.

TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. TENDÊNCIAS DE TRANSPORTE SEDIMENTAR AO LONGO DAS PRAIAS DO MUNICÍPIO DE PONTAL DO PARANÁ (PR): DADOS PRELIMINARES. Larissa Cristina Alves 1 ; Marcelo Renato Lamour 1 ; larialves_oceano@ufpr.br 1 Centro

Leia mais

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG

19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG 2º Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente 19 22 de Outubro de 2014, MINASCENTRO, Belo Horizonte MG Eixo 1. Desenvolvimento socioeconômico e conflitos territoriais DESENVOLVIMENTO CAPITALISTA E SEUS IMPACTOS

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

PORTO DO RECIFE ORIGEM LOCALIZAÇÃO

PORTO DO RECIFE ORIGEM LOCALIZAÇÃO PORTO DO RECIFE ORIGEM Datam de 1815 as primeiras iniciativas para a realização de melhoramentos no antigo ancoradouro de Recife. No decorrer do século XIX foram elaborados diversos projetos, sem que a

Leia mais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais

MESA 4 - Acidentes e desastres naturais Porquê ocorre erosão da costa? Falta de sedimentos Exaustão da fonte Retenção de sedimentos Tempestades Elevação do nível do mar Datação C14 sem correção reservatório Datação com correção com calibração

Leia mais

ILHAS FLUVIAIS E LACUSTRES: ESTUDOS DE CASO COM EXPLORAÇÃO DESCRITIVA DE ASPECTOS GERAIS DE FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO NUMA ANÁLISE MORFOMÉTRICA

ILHAS FLUVIAIS E LACUSTRES: ESTUDOS DE CASO COM EXPLORAÇÃO DESCRITIVA DE ASPECTOS GERAIS DE FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO NUMA ANÁLISE MORFOMÉTRICA ILHAS FLUVIAIS E LACUSTRES: ESTUDOS DE CASO COM EXPLORAÇÃO DESCRITIVA DE ASPECTOS GERAIS DE FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO NUMA ANÁLISE MORFOMÉTRICA Gilberto Pessanha Ribeiro, UFF e UERJ Artur Willcox dos Santos,

Leia mais

Gestão dos bens imóveis da União no litoral brasileiro

Gestão dos bens imóveis da União no litoral brasileiro Gestão dos bens imóveis da União no litoral brasileiro Seminário Internacional Brasil-Espanha SMC/Brasil: apoio à gestão da costa brasileira Brasília, 10 e 11 de maio de 2011 Luciano Ricardo Azevedo Roda

Leia mais

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO

EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO EDITAL DE MANIFESTAÇÃO DE INTERESSE PARQUE AMBIENTAL: JANELAS PARA O RIO A AGÊNCIA PERNAMBUCANA DE ÁGUAS E CLIMA APAC, de acordo com o Plano Hidroambiental da Bacia do Rio Capibaribe, está recebendo manifestações

Leia mais

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008

DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 DECRETO Nº 32.488, DE 17 DE OUTUBRO DE 2008 Declara como Área de Proteção Ambiental APA a região que compreende os Municípios de Itamaracá e Itapissuma e parte do Município de Goiana, e dá outras providências.

Leia mais

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS

45 mm INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS INDICADORES DE PALEOLINHAS DE COSTA E VARIAÇÕES DO NÍVEL DO MAR NA PLATAFORMA CONTINENTAL SUL DE ALAGOAS Fontes, L.C.S. 1 ; Santos, L.A. 1 ; Santos J.R. 1 ; Mendonça, J.B.S. 1 ; Santos, V.C.E 1 ; Figueiredo

Leia mais

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO)

Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço, Cultura e Política (LECGEO) Vidas exclusivas: Territorialização, transformação dos usos e apropriações da Praia do Paiva-PE Pedro João de Albuquerque Araújo Universidade Federal de Pernambuco Laboratório de Pesquisas sobre Espaço,

Leia mais

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR

IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR IMPACTOS DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NO LITORAL DO ESTADO DE SÃO PAULO: EFEITOS DA ELEVAÇÃO DO NÍVEL DO MAR Celia Regina de Gouveia Souza Pesquisadora Científica - Instituto Geológico-SMA/SP Profa. Colaboradora

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

ANO DE PUBLICAÇÃO: 1992/1993 ESCALA: 10.000. Conteúdo: Metodologia: Transferência das intervenções em ortofotocarta na escala 1 :10.000.

ANO DE PUBLICAÇÃO: 1992/1993 ESCALA: 10.000. Conteúdo: Metodologia: Transferência das intervenções em ortofotocarta na escala 1 :10.000. Projeto SINGRE i\'f ESCALA: 10.000 ANO DE PUBLICAÇÃO: 1992/1993... Areas de Intervençoes do planejamento do uso e ocupação do solo da Região Metropolitano do Recife. Transferência das intervenções em ortofotocarta

Leia mais

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO

MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO MÉTODO DE ANÁLISE DA VULNERABILIDADE COSTEIRA À EROSÃO João Thadeu de Menezes; Antonio Henrique da Fontoura Klein. Laboratório de Oceanografia Geológica.- Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

PROBLEMAS URBANOS NA COSTA DE METRÓPOLES DO NORDESTE DO BRASIL

PROBLEMAS URBANOS NA COSTA DE METRÓPOLES DO NORDESTE DO BRASIL PROBLEMAS URBANOS NA COSTA DE METRÓPOLES DO NORDESTE DO BRASIL Plínio Martins Falcão, Ms.C. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Baiano IFBAIANO Campus Guanambi Distrito de Ceraíma, s/n,

Leia mais

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ

EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ EXPANSÃO DA SOJA PARA A PORÇÃO NORTE DO BIOMA CERRADO NO ESTADO DO PIAUÍ Resumo Patrícia Ladeira Pinheiro¹ Gabriel Pereira² (patricia.ladeira@gmail.com; pereira@ufsj.edu.br) Graduanda em Geografia - UFSJ

Leia mais

VARIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE E VULNERABILIDADE À AÇÃO DE PERIGOS COSTEIROS NA PRAIA DOS INGLESES (FLORIANÓPOLIS-SC) ENTRE 1957 E 2009

VARIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE E VULNERABILIDADE À AÇÃO DE PERIGOS COSTEIROS NA PRAIA DOS INGLESES (FLORIANÓPOLIS-SC) ENTRE 1957 E 2009 VARIAÇÃO DA SUSCETIBILIDADE E VULNERABILIDADE À AÇÃO DE PERIGOS COSTEIROS NA PRAIA DOS INGLESES (FLORIANÓPOLIS-SC) ENTRE 1957 E 2009 Muler, M. 1 ; Bonetti, J. 1 muler.mariela@gmail.com 1 Laboratório de

Leia mais

PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO SOBRE OS TERRENOS DE MARINHA E SEUS ACRESCIDOS:

PARECER TÉCNICO-CIENTÍFICO SOBRE OS TERRENOS DE MARINHA E SEUS ACRESCIDOS: CONSULTORIA TÉCNICO-CIENTÍFICA EM TERRENOS DE MARINHA Obéde Pereira de Lima Engenheiro Cartógrafo Consultor Rua Rio de Janeiro, 201, CASSINO, CEP: 96205-230; Rio Grande, RS Fone: Fixo (053) 3636-2678;

Leia mais

PUBLICAÇÕES CPRH / MMA - PNMA11

PUBLICAÇÕES CPRH / MMA - PNMA11 162 DIAGNÓSTICO SOCIOAMBIENTAL - LITORAL NORTE 163 -.1 - Compondo uma rede hidrográfica relativamente densa e perene, as águas superficiais do Litoral Norte refletem, através de sua qualidade, o estado

Leia mais

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CAPÍTULO 4 UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Na área dos municípios de Porto Seguro e Santa Cruz Cabrália, existem as seguintes unidades de conservação (Anexo II): Parque Nacional de Monte Pascoal Parque Nacional

Leia mais

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE

PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA PARA A UNIVERSALIZAÇÃO DO ESGOTAMENTO SANITÁRIO DA REGIÃO METROPOLITANA DO RECIFE Companhia Pernambucana de Saneamento Compesa Economia Mista de Direito Privado 42 anos de existência

Leia mais

MONITORAMENTO CARTOGRÁFICO DA LINHA DE COSTA AO SUL DA ILHA DE ITAMARACÁ

MONITORAMENTO CARTOGRÁFICO DA LINHA DE COSTA AO SUL DA ILHA DE ITAMARACÁ MONITORAMENTO CARTOGRÁFICO DA LINHA DE COSTA AO SUL DA ILHA DE ITAMARACÁ MARCIA CRISTINA DE SOUZA MATOS CARNEIRO 1 MARIA DAS NEVES GREGÓRIO 2 JOSILENE PEREIRA LIMA 3 CARLOS ALBERTO PESSOA DE MELLO GALDINO

Leia mais

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006

Anais III Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto Aracaju/SE, 25 a 27 de outubro de 2006 GEOPROCESSAMENTO E FOTOINTERPRETAÇÃO APLICADOS À ANÁLISE DAS TRANSFORMAÇÕES SOCIOECONÔMICAS E ESPACIAIS PROVOCADAS PELO TURISMO NAS COMUNIDADES MASSAGUEIRA/RUA NOVA, MARECHAL DEODORO, ALAGOAS ARAUJO, L.

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas

Leia mais

Um avião que nunca pousa A expansão da energia eólica e os Direitos Humanos no Brasil

Um avião que nunca pousa A expansão da energia eólica e os Direitos Humanos no Brasil Um avião que nunca pousa A expansão da energia eólica e os Direitos Humanos no Brasil A Energia Eólica no contexto da matriz elétrica brasileira Capacidade instalada total de geração de energia elétrica:

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar

Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Avaliação Ambiental Estratégica nas zonas costeiras e a subida do nível médio do mar Pedro Bettencourt Coutinho, Sónia Alcobia, Carlos César Jesus, Pedro Fernandes, Cláudia Fulgêncio nemus@nemus.pt ÍNDICE

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014.

SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014. SEMINÁRIO NACIONAL de GERENCIAMENTO COSTEIRO Brasília, 04 de novembro de 2014. Consulta Questionário GERCOs UFs 2014 Consulta GERCOs UFs - Objetivo: coletar informações institucionais, normativas, bem

Leia mais

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES

DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES DINÂMICA COSTEIRA DEFINIÇÃO MAIS SIMPLES A costa é onde a terra, a água e o ar se encontram. As águas desta junção tríplice podem ser doces o salgadas. A costa é melhor observada como zona de mistura ou

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM

LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM Manaus 21 de Novembro de 2012 LAUDO TÉCNICO DA PRAIA DA PONTA NEGRA MANAUS - AM 1. INTRODUÇÃO Por solicitação da Câmara dos Vereadores da cidade de Manaus,

Leia mais

Art. 5. (...) XXII é garantido o direito de propriedade; XXIII a propriedade atenderá a sua função social;

Art. 5. (...) XXII é garantido o direito de propriedade; XXIII a propriedade atenderá a sua função social; Art. 5. (...) XXII é garantido o direito de propriedade; XXIII a propriedade atenderá a sua função social; Áreas urbanizadas do Brasil, segundo os estratos de população urbana: 21.285 285km 2 ; Território

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

DECRETO Nº 6.848, DE 14 DE MAIO DE 2009.

DECRETO Nº 6.848, DE 14 DE MAIO DE 2009. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.848, DE 14 DE MAIO DE 2009. Altera e acrescenta dispositivos ao Decreto n o 4.40, de 22 de agosto de 2002, para regulamentar

Leia mais

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE Juliana dos Santos Silva 1, Anália Carmem Silva de Almeida 2, Arlindo de Paula Machado Neto 3 e Carlos Augusto Sampaio

Leia mais

EXPANSÃO URBANA NA PENÍNSULA DE BARRA VELHA/SC E PROBLEMAS AMBIENTAIS RESULTANTES

EXPANSÃO URBANA NA PENÍNSULA DE BARRA VELHA/SC E PROBLEMAS AMBIENTAIS RESULTANTES Geógrafos, Vitória: UFES/AGB,. GILNEI MACHADO Universidade Estadual de Londrina, gilmachad@gmail.com CRISTINA BURATTO GROSS MACHADO Universidade Estadual de Londrina, cris_buratto@gmail.com EXPANSÃO URBANA

Leia mais

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO

SECRETARIA DO PATRIMÔNIO DA UNIÃO DEMARCAÇÃO LPM 1831 Departamento de Caracterização do Patrimônio/SPU 1 DEMARCAÇÃO DA LPM 1831 Manual de Regularização Fundiária. Instituto Pólis, Brasília. MPOG, 2007. 2 Demarcação: LPM de1831 TERRENOS

Leia mais