Dia da Criança Adventista

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dia da Criança Adventista"

Transcrição

1 Dia da Criança Advntista 1

2 O fu r ci as tu bê co In m ci su sã nã a Ficha Técnica Matrial prparado plo Ministério da Criança: DNA plo Pssoal da Kids Ministry Idas * Phyllis Washington, dirtor * Candy DVor, ditor 2012 North Amrican Division Corporation of Svnth-day Advntists. Citaçõs bíblicas da Bíblia na Linguagm d Hoj Adaptação Coordnação Gral: MC MA DSA Tradução: Dpto. Tradução DSA Diagramação Adaptada: ago Wordll Mdia Cntr DSA O do po qu s aj

3 Aprsntação O qu é o Sábado da Criança? Nss dia spcial, as crianças participam no Culto Divino, assumindo funçõs, tais como: oração, litura bíblica, momntos d louvor, prgação, rcolhimnto das ofrtas, música spcial outros. Est programa proporciona a possibilidad d trinar nossas crianças como lídrs d igrja assim, las s sintam part da sua igrja. Qu possamos dar-lhs sta oportunidad façamos a mlhor promoção, para qu ss dia sja d grand bênção às próprias crianças, aos sus pais, amigos, vizinhos a toda igrja! Ess dia é o sgundo sábado d Outubro, porém a igrja pod dcidir commorá-lo m outro sábado, caso não possa fazê-lo na data indicada. Invstigar as Rspostas às Qustõs da Vida na Palavra d Dus As crianças pqunas hoj ncssitam ncontrar a vrdad, por si msmas ntão srm lvadas a aplicarm-na à sua vida. Em nossos dias ra, o bullying, trrorismo o abuso xrcm influência sobr nossos filhos. D forma ativa ls podm vr a trra gmndo suspirando. Então, o qu lhs podmos ofrcr para acalmar sus tmors dar-lhs a promssa d um futuro sólido crto? Est programa do Sábado da Criança foca nas vrdads qu facilmnt são ncontradas, mas muito profundas para a vida atual vrdads como não tmr, sr protgido prsrvado plo Céu. Oração Mundial plas Crianças m Risco No Dia da Criança Advntista sommos às nossas oraçõs, as crianças do mundo qu stão m risco. Dvríamos tr prsnt st momnto, podndo fazê-lo, tanto na Escola Sabatina como no Culto Divino ou m qualqur outro programa qu sja organizado nss dia. Há muitas crianças no mundo qu stão sofrndo; todos conhcmos ssa dura ralidad. Milhars d pssoas stão trabalhando arduamnt para ajudá-las, mas os sforços são inalcançávis. Dia da Criança Advntista 3

4 Salmo 68: 5, 6 diz: Dus, qu viv no Su santo Tmplo, cuida dos órfãos protg as viúvas.el dá aos abandonados um lar ond ls podm vivr solta os prisioniros para qu vivam livrs flizs. Mas os qu s rvoltam contra El trão d morar numa trra dsrta. O Snhor cuidará dss grupo d crianças m risco no mundo, através d nós d nossas oraçõs. Como Ministério da Criança, stamos nos unindo para incntivar a oração por sss pquninos m risco no mundo. Motivos Espcífi cos d Oração: Crianças qu stão nos orfanatos. Instituiçõs igrjas qu stão ajudando a ncontrar famílias para adotar crianças órfãs. Para qu a socidad rsponda às ncssidads d crianças qu prcisam d ajuda d um lar. Para qu as crianças com dificuldads possam suprá-las tr um futuro mlhor. Crianças qu sofrm abuso vrbal físico d sus pais ou outros adultos. Prparação nsino aos pais para disciplinar sus filhos, sm violência. Tr famílias qu ddiqum tmpo para nsinar, orar brincar com outras crianças fora do círculo familiar. Para qu o govrno apoi o ral significado da família qu a protja. Crianças qu vivm com fom. Crianças sm oportunidad d ir à scola por trm dficiência física/mntal. Crianças qu são muito pobrs não possum vstimnta apropriada para irm à scola, sntindo-s xcluídas. Crianças qu prcisam trabalhar para tr o qu comr não podm ir à scola. Provisão d rcursos para ajudar a sts pqunos ncssitados. 4 Dia da Criança Advntista ab

5 s a Tr maior simpatia amor plos qu vivm na pobrza. Autoridads govrnamntais qu apoim a distribuição d alimntos. Encontrar novos projtos m favor das crianças para lhs dar oportunidads, a fim d saírm da pobrza s dsnvolvrm. Tr mais igrjas abrtas para rcbr atndr crianças ncssitadas. Obrigada por tornar toda sta programação uma ralidad. Qu Dus abnço o su trabalho, usando sua vida com podr. a Gracila Hin MC MA - DSA - s -. a - Dia da Criança Advntista 5

6 PLANEJAMENTO E PROMOÇÃO b Imdiato Establcr o grupo d oração d apoio ao Sábado da Criança. Trabalhar com antcipação, com o su pastor ou ancião, para dsnvolvr uma visão para st programa. Organizar uma quip d planjamnto, nvolvndo além do clubs dos dsbravadors avnturiros, bm como os lídrs das Divisõs da Escola Sabatina ECF. (d prfrência, uniformizados), Dtrminar os itns spcíficos d suas atividads, caso dcida ralizar à tard o trabalho missionário o qu srá fito, qum irá patrocinar adultos qu acompanharão as crianças, tc. S na sua igrja houvr crianças qu s stão prparando para o batismo, trabalh com as famílias o pastor planjm um batismo como part do culto do Sábado da Criança. Sis Smanas d Antcdência Pdir ao lídr d Comunicaçõs da igrja para fazr a divulgação d su programa no boltim da igrja, nos informativos locais nas staçõs d rádio locais modlos d ncarts d anúncios disponívis para download. Criar nviar os cartõs Supr Dttivs como convits para mmbros inativos. Afixar cartazs na igrja, incntivando os mmbros a convidarm sus vizinhos, amigos parnts. Sugrimos qu uma quip d hospitalidad da igrja planj o junta panlas ou uma rfição spcial para os convidados do culto do Sábado da Criança. Três Smanas d Antcdência Afixar cartazs do Supr Dttivs na igrja na scola. Colocar o anúncio no boltim da igrja a cada smana. Solicitar a várias crianças para ajudarm na confcção d anúncios criativos. Iniciar os nsaios do programa intiro na igrja. (Evit mantr as crianças até tard na igrja na sxtafira à noit.) Finalizar os dtalhs rfrnts a su vnto d ação missionária. Ajudar as crianças a mmorizarm bm a sua part. Sugrimos planjar o prparo d um dlicioso biscoito casiro. No final dst matrial, há uma rcita sugstiva ou pod utilizar outra. Juntamnt com o biscoito, dv sr criado um lindo cartão com os txtos bíblicos, usados no Tma ntrgá-los aos mmbros amigos visitants, no final do programa. Sábado da Criança Aprsntar o programa durant o Culto Divino. Assgurar-s d organizar tudo com tmpo suficint. Crtificar-s d tr a carta pronta, qu dvrá sr ntrgu ao pastor ou ancião. Pdir aos Dsbravadors Avnturiros virm uniformizados.. Escolhr alguém para sr rsponsávl plas fotos, durant o programa. Ao término, agradcr muito a todos os colaboradors às crianças pla spcial participação. Incluir nss sábado um momnto para orar plas crianças m risco. Somar a st matrial, idias adicionais toqus criativos. d po n os pa a po d S as 6 Dia da Criança Advntista

7 m l t - os às - o ra as a- to m r o. a- os a- Planj st culto como uma oportunidad para alcançar a comunidad, bm como uma forma d dar dstaqu às crianças su ministério. Para qu o planjamnto siga m frnt, trabalh com su pastor para dsnvolvr nas crianças, a visão do sábado runir uma quip para s rsponsabilizar pla organização planjamnto. Rúnam-s com a frquência ncssária; isso diminui a confusão ntr sus lídrs mantém ao mínimo os mal-ntndidos. Para mantr as crianças nvolvidas no prparo na ação missionária, partilh com las o tma; convrs a rspito d su significado. Incntiv-as a orarm diariamnt, para qu su coração stja abrto ao xmplo dado por Jsus para qu possam sr Supr Dttivs ao partilharm do amor d Jsus com os outros. Normalmnt, o coordnador das crianças organiza o Sábado da Criança. S sua igrja não tm ssa pssoa, pça ao pastor para indicar alguém para assumir ssa rsponsabilidad nss dia spcial. - is Dia da Criança Advntista 7

8 Tma: Supr Dttivs Ordm do Culto Psquisar a Escritura é a rsposta para a vida todas as suas complxidads. Encontrar promssas scondê-las m nosso coração, habilita-nos para tudo o qu o Snhor nos ofrc. Louvor Culto Prmita qu as crianças lidrm, s possívl; tr uma lista d hinos sugridos para cantar com a congrgação. Boas-vindas - Pastor ou Ancião Entrgu um cartão d agradcimnto ao pastor ou ancião. Crtifiqus d qu l saiba tudo o qu stá acontcndo. Esta é uma maravilhosa oportunidad para o pastor ou ancião aprsntar os lídrs do Ministério da Criança à igrja. É d grand valor ss rconhcimnto apoio públicos. B vi ca H O ig br da Hino Inicial - No. 360, Fixa Tus Olhos no Mstr, Hinário Advntista Oração Inicial (S possívl, profrida por uma criança.) Chamado à Adoração - Litura Rsponsiva Dv sr dirigida por uma ou mais crianças. Música Espcial Escolha o qu for apropriado para sua congrgação. Pod sr através d crianças. Srmão: Supr Dttivs O sboço provido é apropriado para o santuário; porém, talvz não s ncaix nas ncssidads d sua congrgação. Tnha m mnt qu o qu você fizr, o important é tr as crianças participando na frnt, durant todo o sábado. \ 8 Dia da Criança Advntista

9 Batismo (opcional) - a Planj as classs batismais m torno dssa data. Srá um momnto maravilhoso para mostrar à igrja o nívl d compromisso qu as crianças são capazs d tr com Dus. Hino Final - (scolha livr) - - a a Oração Final Pça aos qu lram os txtos bíblicos para s colocarm no fundo da igrja a fim d ntrgarm os vrsos bíblicos do Supr Dttivs aos mmbros, ao s rtirarm da igrja. S possívl, ntrgu também o biscoitinho da flicidad! \ Dia da Criança Advntista 9

10 Cr Co Sugstão para os Lídrs Dntro do possívl, prmita qu as crianças lidrm a programação. Encontr por trás dos bastidors o qu as crianças mais tímidas podm fazr. Pça aos Dsbravadors Avnturiros para rcolhrm a ofrta, incntivando-os a virm uniformizados para o programa. Vja com as crianças para qu ntrgum os vrsos bíblicos Supr Dttivs a lmbrancinha após o culto, com a ajuda d adultos. Pça qu as crianças façam um cartão d agradcimnto ao pastor sua família ntrgum-no durant os momntos d adoração louvor. Tnt fazr com qu as crianças mmorizm suas parts o programa fluirá d forma muito mais fácil. Hinos d Louvor O momnto d louvor adoração ntr a Escola Sabatina o Culto Divino é uma xclnt oportunidad para lvar sua congrgação à atmosfra d culto. Iniciando com um hino ritmado, à mdida qu prossgu o louvor, scolhr hinos mais lntos mais contmplativos, com o hino final sndo a introdução do Culto Divino. Vja qu as crianças stjam nvolvidas nssa part do culto spcialmnt aqulas qu não dsjam star sozinhas, diant da congrgação. Os hinos qu foram scolhidos dvm sr apropriados para a cultura d sua igrja. (A C Cr Co Cr Co Cr Co Cr Co Cr Co Cr Co 10 Dia da Criança Advntista

11 LEITURA RESPONSIVA Com bas no Salmo 119 (As parts m ngrito podm sr lidas por várias crianças ou até msmo por uma criança. E a Crtifi qu-s d qu alguém lidr as parts da congrgação.) Crianças: Flizs são os qu não podm sr acusados d nada, qu vivm d acordo com a Li do Dus Etrno! Congrgação: S u dr atnção a todos os Tus mandamntos, não passari vrgonha. Crianças: Com um coração sincro u T louvari, à mdida qu for aprndndo os Tus justos nsinamntos. Congrgação: Como pod um jovm consrvar pura a sua vida? É só obdcr aos Tus mandamntos. Crianças: Eu procuro srvir-t d todo o coração. Guardo a Tua Palavra no mu coração para não pcar contra. Congrgação: Fico mais algr m sguir os Tus mandamntos do qu m sr muito rico. Crianças: As Tuas lis são o mu prazr; não m squço da Tua Palavra. Congrgação: Ajuda-m a comprndr as Tuas lis, u mditari nos Tus maravilhosos nsinamntos. Crianças: Eu m aprsso m obdcr aos Tus mandamntos, porqu assim Tu m darás mais ntndimnto. Congrgação: Não m dixs fi car pnsando m coisas sm valor; sê bondoso para comigo, como promtst. Crianças: Eu sou Tu srvo; cumpr a promssa qu m fizst, a promssa qu fazs aos qu tmm a. Congrgação: Ó Dus Etrno, mostra-m o quanto m amas livra-m dos mus inimigos, d acordo com a Tua promssa! Crianças: Todos os dias obdcri à Tua li; u smpr a cumpriri. Congrgação: Vivri à vontad, livr d prigos, porqu tnho procurado sguir os Tus nsinamntos. Dia da Criança Advntista 11

12 C A t P a r t t E s d r d ç Crianças: Os Tus mandamntos m trazm algria, pois u os amo. Congrgação: O mu dvr nsta vida é st: obdcr aos Tus mandamntos. Crianças: Rspito amo os Tus mandamntos mdito nas Tuas lis. Todos: Guardo a Tua Palavra no mu coração para não pcar contra. Tu, ó Dus Etrno, és tudo o qu u tnho; promto obdcr às Tuas lis. E 12 Dia da Criança Advntista

13 SUPER DETETIVES (srmão ncnado) i. s Elnco: Cnário: ago, o Supr Dttiv. João, su amigo. 7 litors dos txtos bíblicos. Cnário: msa 2 cadiras lupa grand Tla d computador. Bíblia ipod Promssas Bíblicas Cantas ou lápis. As promssas do Supr Dttiv stão dstacadas. Pça a difrnts crianças ou a um coro d crianças para rcitarm os vrsos, nquanto o ago o João ainda stão no palco. Els podm star olhando m suas Bíblias, ipod, computador, tc. nquanto as crianças rcitam os vrsos. Na mdida do possívl, vja qu as crianças mmorizm os vrsos. ago stá sntado à msa, m su quarto, com a Bíblia abrta. El passa da Bíblia para o computador studando o qu lê. Pára scrv um vrso m uma tira d papl, ntão sgu com a psquisa. Fora do cnário você ouv uma mulhr dizndo: O ago stá no quarto. Pod ir lá. João: (Grita) Muito obrigado, Dna. Cida! Oi ago, o qu você stá fazndo? O ago olha para a congrgação sgurando uma norm lupa sobr o rosto, ntão, lntamnt, volta o olhar para su amigo. João: (rindo) O qu você stá fazndo? Para qu você stá usando ssa lupa? ago: (coloca a lnt sobr a msa) Você sab qu u gosto d fazr psquisas! Eu m considro um Supr Dttiv! Estou usando a lupa como inspiração. João: Inspiração para quê? ago: Ontm à noit minha família foi jantar m um rstaurant chinês u rcbi biscoito da sort. El dizia: Você pod mudar o mundo. João: E você acrditou nisso? Pod acrditar, s você continuar com ssa lupa por aí, a única mudança qu vai fazr é prdr-m como su amigo! O João ri mpurra o amigo, fazndo graça. Dia da Criança Advntista 13

14 ago: Ah, qu ngraçado! João: Até qu u tnti! Falando sério, ago, você sab qu ssa coisa d sort não é vrdad, não é msmo? ago: Fiqu tranquilo, claro qu u si. Você s lmbra do qu o profssor Raul nsinou na class da Escola Sabatina no livro d Dutronômio? Lmbra os vrsos qu l nos fz mmorizar? João: Claro! E lmbro também d como l pronunciou nojntas? Até hoj u tnhos dcorados os vrsos. Os mninos rcitam os vrsos d mmória, nfatizando a palavra nojntas, fazndo cartas quando a mncionam. Não dixm qu no mio do povo haja adivinhos ou pssoas qu tiram sorts; não tolrm fiticiros, nm qum faz dspachos, nm os qu invocam os spíritos dos mortos. O Dus Etrno dtsta os qu praticam ssas coisas nojntas por isso msmo stá xpulsando da trra sss povos, nquanto vocês vão tomando poss dla. (Dut. 18:10-12) O João o ago dão boas risadas. João: Uma coisa é crta, o Profssor Raul é um ótimo profssor! A cara dl ao dizr nojntas foi uma gozação. Mas nunca vou squcr do vrso ou da lição. ago: É msmo! Mas ntnda. As sorts nsss biscoitos são pnsamntos alatórios scritos por pssoas, não é msmo? João: Ou por um programa d computador. Dfinitivamnt las não vm d Dus. ago: Bm, tmos promssas coisas qu Dus diss através dos scritors da Bíblia. Elas vm d Dus qu é mais podroso do qu qualqur pssoa ou coisa. O qu você acha d nós, como vrdadiros dttivs, ncontrarmos ssas promssas scrvê-las m tiras d papl? Então podrmos ntrgá-las, como um biscoito da sort. João: O quê? Você qur fazr biscoitos colocar nls as promssas bíblicas? N l r S E m Jo Jo Jo V A 14 Dia da Criança Advntista

15 r? é s ago: (ago stá ntusiasmado confuso.) Sim! Não! Espr, não vou fazr biscoitos, mas stou scrvndo as promssas bíblicas m pqunos cartõs posso ntrgá-los às pssoas. Alguns dos vrsos são ao acaso para pssoas mostrando o qu Dus diss, mas alguns são dirigidos a pssoas spcíficas. Como você!! ago sgura um pquno cartão o ntrga ao João. João o lê m voz alta. Não fiqum com mdo, pois stou com vocês; não s apavorm, pois u sou o su Dus. Eu lhs dou forças os ajudo; u os protjo com a minha fort mão. Todos os sus inimigos srão drrotados humilhados; todos os qu lutam contra vocês srão dstruídos morrrão. S vocês procurarm os sus inimigos, não os acharão, pois todos ls trão dsaparcido. Eu sou o Etrno, o Dus d vocês; u os sguro pla mão lhs digo: Não fiqum com mdo, pois u os ajudo. (Isaías 41:10) ago: Eu vou dar st para o Rolando. El stava chorando, outro dia, por causa d uns mninos maiors d sua class qu stavam rindo dl. João: Todos na class do Rolando são maiors qu l! ago: (falando consigo msmo, como s stivss pnsando m voz alta) Imagino s l s importa com su nom. Prciso dscobrir s é Rolando Caio msmo. a o s s r s, o? João: (Lndo o cartão fito plo ago) ago, sta é uma ótima idia. Si qu st vrso irá significar muito para Rolando. ago: Há muitos outros vrsos. Eu já scrvi crca d dz cartõs com promssas como o Supr Dttiv. Você gostaria d m ajudar a fazr outros cartõs? João: Sm dúvida! Um d mus vrsos favoritos é o Salmo 27:10. Foi um dos primiros vrsos qu aprndi quando minha mã m dixou na casa d minha avó, junto com mu irmão foi mbora. VERSO 1 Ainda qu o mu pai a minha mã m abandonm, o Etrno cuidará d mim. Salmo 27:10 ago: Eu sinto muito qu isso tnha acontcido a você, mas stou fliz porqu você s mudou para cá. Você é o mlhor amigo qu u já tiv. Eu não o tria conhcido s você não tivss vindo morar com sua avó. Dia da Criança Advntista 15

16 João: É isso aí. Faz part do cuidado d Dus por mim. Vamos dar sta promssa para mu irmão! ago: Lgal! Est é outro vrso qu ncontri. VERSO 2 Não s procupm com nada, mas m todas as oraçõs pçam a Dus o qu vocês prcisam orm smpr com o coração agradcido. E a paz d Dus, qu ninguém consgu ntndr, guardará o coração a mnt d vocês, pois vocês stão unidos com Cristo Jsus. (Filipnss 4:6, 7) ago: Vou dar ss vrso para minha mã. Ela stá procupada com mu pai, dsd qu l foi mandado para srvir no strangiro. João: Há muitas pssoas para qum podmos dar ss vrso. Você conhc a Cíntia; la fica nrvosa toda vz qu a profssora a chama na class. Vou ntrgar um cartão para la também. ago: Boa idia! Vamos vr qu outros vrsos podmos dscobrir. João: ago, podmos ncontrar uma promssa qu ajud a lidar com a donça? ago: Claro qu sim! Vamos fazr uma psquisa ltrônica. ago liga o computador inicia a psquisa. João faz sua psquisa no ipod. João: O qu você acha dsta aqui? VERSO 3 Só u conhço os planos qu tnho para vocês: prospridad não dsgraça um futuro chio d sprança. Sou u, o Etrno, qum stá falando. Então vocês vão m chamar orar a mim, u rspondri. Vocês vão m procurar m achar, pois vão m procurar com todo o coração. (Jrmias 29:11-13) ago: Muito bom ss vrso! Eu também ncontri outro. V T p 1 Jo Jo Jo V P t S V E c 16 Dia da Criança Advntista

17 - VERSO 4 Tu criast cada part do mu corpo; tu m formast na barriga da minha mã. Eu t louvo porqu dvs sr tmido. Tudo o qu fazs é maravilhoso, u si disso muito bm. (Salmo 139:13, 14) João: Ah, você não adivinha para qum u vou dar ss vrso? Para sua irmã! Outro dia, quando stava vindo para su quarto, ouvi sua irmã dizr no tlfon qu s achava fia. Ela s acha gorda fia; uma prddora. ABSOLUTAMENTE, NÃO!!! u. a ago: Eu não vou contar para la qu você a acha bonita! (ago ri) Mas iri dar o vrso para la. Não há como lr ss vrso não s sntir bm consigo msmo. S Dus m criou, m formou, tudo o qu El faz é maravilhoso... Nossa! Isso é dmais! João: Ei, não fiqu assim tão animado consigo msmo a rspito d sr maravilhoso. Vou procurar mais vrsos. ago: Qu tal ncontrarmos algum para ajudar uma pssoa qu prdu uma pssoa amada? Quando mu avô morru, mu pai mncionou alguns vrsos d 1 Tssalonicnss. João: Eu si quais são. 1 Tssalonicnss 4:16-18! VERSO 5 Porqu havrá o grito d comando, a voz do arcanjo, o som da trombta d Dus, ntão o próprio Snhor dscrá do céu. Aquls qu morrram crndo m Cristo rssuscitarão primiro. Então nós, os qu stivrmos vivos, srmos lvados nas nuvns, junto com ls, para nos ncontrarmos com o Snhor no ar. E assim ficarmos para smpr com o Snhor. Portanto, animm uns aos outros com ssas palavras. (1 Tssalonicnss 4:16-18) ago: Eu gosti. E o qu você acha dst outro? VERSO 6 El nxugará dos olhos dls todas as lágrimas. Não havrá mais mort, nm tristza, nm choro, nm dor. As coisas vlhas já passaram. (Apocalips 21:4) Dia da Criança Advntista 17

18 ago: Há muitas coisas ruins qu acontcm na vida, mas é bom sabr qu Dus tm uma rsposta para tudo. El stá no control. João: Vou tntar ncontrar um vrso qu diga isso! (El psquisa no ipod). ago: Dus é maravilhoso! Eu nunca pnsi qu a Bíblia rspondria aos problmas qu acontcm m nossos dias. Quro dizr, El mandou o maná outras coisas, mas foi somnt dpois qu u m torni um supr dttiv qu dscobri qu a Bíblia contém rspostas para todos os problmas d hoj bullying, mort, donças, mdo até msmo para o maravilhoso qu u sou! João: Você qur dizr, nós somos maravilhosos o Rolando também! ago: Embora u gostaria d sr mlhor qu você o Rolando, tnho d admitir qu é vrdad. Dus fz a todos nós d forma maravilhosa. João: Eu ncontri o vrso! VERSO 7 Portanto, sjam humilds dbaixo da podrosa mão d Dus para qu l os honr no tmpo crto. Entrgum todas as suas procupaçõs a Dus, pois l cuida d vocês. Estjam alrtas fiqum vigiando porqu o inimigo d vocês, o Diabo, anda por aí como um lão qu rug, procurando alguém para dvorar. Fiqum firms na fé nfrntm o Diabo porqu vocês sabm qu no mundo intiro os sus irmãos irmãs na fé stão passando plos msmos sofrimntos. Mas, dpois d sofrrm por um pouco d tmpo, o Dus qu tm por nós um amor sm limits qu chamou vocês para tomarm part na sua trna glória, por starm unidos com Cristo, l msmo os aprfiçoará dará firmza, força vrdadira sgurança. A l sja o podr para smpr! Amém! (1 Pdro 5:6-11) João: Eu quro ajudar a ntrgar sts cartõs. Imagino quantas pssoas prcisam sabr o lugar qu Dus ocupa m nossa vida. Às vzs a gnt s squc pnsa qu stá no control só para fracassarmos ficarmos frustrados. ago: É msmo, isso é vrdad! Vamos fazr alguns cartõs mais para ntrgarmos a outras pssoas. João, você stá sntindo o chiro? Jo Jo I ½ 1 C P M m A F m A P R E c 18 Dia da Criança Advntista

19 s u s o João: Chiro d quê? (aspirando o ar) Hmmmm! Sua mã stá fazndo os biscoitos da flicidad! ago: Adivinhou! Ei, agora nós dois somos os supr dttivs! Vamos lá comr alguns biscoitos. ago João sam, nquanto convrsam. João: Está tudo combinado, mas não vou sair por aí carrgando ssa lupa norm ridícula! Não há nada d maravilhoso nla! ago: Vamos ntrgar os cartõs às pssoas, para qu s lmbrm das promssas d Jsus! BISCOITO DA FELICIDADE Ingrdints: 2 ½ xícaras d nozs 2/3 d xícara d mlado 1 cs d azit d oliva 2 cc d baunilha 1 cc d sal 1/3 xícara d linhaça ½ xícara d farinha intgral 1/3 xícara d gotas d alfarroba, passas outras frutas scas. - s - Como fazr: Ponha 1 ½ xícara nozs no procssador, dixando alguns pdaços maiors. Mistur a outra xícara d nozs com o mlado, o azit, a baunilha o sal. Mistur suavmnt para formar um crm. Acrscnt as nozs picadas os dmais ingrdints. Mistur bm. Form os biscoitinhos com uma colhr d sopa ponha m assadira forrada com papl mantiga. Ass por 12 minutos. Fiqu atnto, pois a tmpratura d cada forno pod variar. Praqucr o forno assar por 12 minutos, m tmpratura d 350º graus. Rnd: 24 biscoitos Entrgu um biscoito da flicidad o cartão do txto bíblico aos mmbros. Dia da Criança Advntista 19

20 Anotaçõs 20 Dia da Criança Advntista

21

22

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS

1) VAMOS CELEBRAR Autor:Piter di Laura/Maria Eduarda/Carlos Tocco. Intro: E A9 E/G# D9 A/C# E/B A/C# E/G# D9 A9 E A9 E TODOS REUNIDOS NA CASA DE DEUS 1) VAMOS CLBRAR Autor:Piter di Laura/Maria duarda/carlos Tocco Intro: /# D9 A/C# /B A/C# /# D9 TODOS RUNIDOS NA CASA D DUS COM CANTOS D ALRIA RAND LOUVOR VAMOS CLBRAR OS FITOS DO SNHOR SUA BONDAD QU NUNCA

Leia mais

Streptococcus mutans, mas podem me

Streptococcus mutans, mas podem me Estação Saída Estação 1 - Olá moçada!! Mu nom é Strptococcus mutans, mas podm m chamar d Sr. Mutans. Vocês nm imaginam, mas u stou prsnt m uma part muito important do su corpo: a cavidad bucal!! Eu sou

Leia mais

Encontro na casa de Dona Altina

Encontro na casa de Dona Altina Ano 1 Lagdo, Domingo, 29 d junho d 2014 N o 2 Encontro na casa d Dona Altina Na última visita dos studants da UFMG não foi possívl fazr a runião sobr a água. Houv um ncontro com a Associação Quilombola,

Leia mais

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita:

Em cada ciclo, o sistema retorna ao estado inicial: U = 0. Então, quantidade de energia W, cedida, por trabalho, à vizinhança, pode ser escrita: Máquinas Térmicas Para qu um dado sistma raliz um procsso cíclico no qual rtira crta quantidad d nrgia, por calor, d um rsrvatório térmico cd, por trabalho, outra quantidad d nrgia à vizinhança, são ncssários

Leia mais

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES

NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES NOTA SOBRE INDETERMINAÇÕES HÉLIO BERNARDO LOPES Rsumo. Em domínios divrsos da Matmática, como por igual nas suas aplicaçõs, surgm com alguma frquência indtrminaçõs, d tipos divrsos, no cálculo d its, sja

Leia mais

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2

Edital de seleção de candidatos para o Doutorado em Matemática para o Período 2015.2 ] Univrsidad Fdral da Paraíba Cntro d Ciências Exatas da Naturza Dpartamnto d Matmática Univrsidad Fdral d Campina Grand Cntro d Ciências Tcnologia Unidad Acadêmica d Matmática Programa Associado d Pós-Graduação

Leia mais

Origem dos Jogos Olímpicos

Origem dos Jogos Olímpicos Natal, RN / /04 ALUNO: Nº SÉRIE/ANO: TURMA: TURNO: DISCIPLINA: TIPO DE ATIVIDADE: Profssor: TESTE º Trimstr º M INSTRUÇÕES: Vrifiqu s sua avaliação contém 6 qustõs ( objtivas 04 discursivas). Caso haja

Leia mais

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado.

PSICROMETRIA 1. É a quantificação do vapor d água no ar de um ambiente, aberto ou fechado. PSICROMETRIA 1 1. O QUE É? É a quantificação do vapor d água no ar d um ambint, abrto ou fchado. 2. PARA QUE SERVE? A importância da quantificação da umidad atmosférica pod sr prcbida quando s qur, dntr

Leia mais

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos:

INSTRUÇÕES. Os formadores deverão reunir pelo menos um dos seguintes requisitos: INSTRUÇÕES Estas instruçõs srvm d orintação para o trino das atividads planadas no projto Europu Uptak_ICT2lifcycl: digital litracy and inclusion to larnrs with disadvantagd background. Dvrão sr usadas

Leia mais

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T.

Desse modo, podemos dizer que as forças que atuam sobre a partícula que forma o pêndulo simples são P 1, P 2 e T. Pêndulo Simpls Um corpo suspnso por um fio, afastado da posição d quilíbrio sobr a linha vrtical qu passa plo ponto d suspnsão, abandonado, oscila. O corpo o fio formam o objto qu chamamos d pêndulo. Vamos

Leia mais

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício

OFICINA 9-2ºSementre / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Professores: Edu Vicente / Gabriela / Ulício OFICINA 9-2ºSmntr / MATEMÁTICA 3ª SÉRIE / QUESTÕES TIPENEM Profssors: Edu Vicnt / Gabrila / Ulício 1. (Enm 2012) As curvas d ofrta d dmanda d um produto rprsntam, rspctivamnt, as quantidads qu vnddors

Leia mais

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG.

Atitudes Sociolinguísticas em cidades de fronteira: o caso de Bernardo de Irigoyen. Célia Niescoriuk Grad/UEPG. Valeska Gracioso Carlos UEPG. Atituds Sociolinguísticas m cidads d frontira: o caso d Brnardo d Irigoyn. Célia Niscoriuk Grad/UEPG. Valska Gracioso Carlos UEPG. 1. Introdução: O Brasil Argntina fazm frontira m crca d 1240 km dsd sua

Leia mais

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO

Experiência n 2 1. Levantamento da Curva Característica da Bomba Centrífuga Radial HERO 8 Expriência n 1 Lvantamnto da Curva Caractrística da Bomba Cntrífuga Radial HERO 1. Objtivo: A prsnt xpriência tm por objtivo a familiarização do aluno com o lvantamnto d uma CCB (Curva Caractrística

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 1º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 1º Ano

Escola Básica e Secundária de Velas. Governo dos Açores. 1º Ciclo ENSINO BÁSICO. Planificação Anual de EMRC. 1º Ano Govrno dos Açors Escola Básica Scundária d Vlas º Ciclo ENSINO BÁSICO Planificação Anual d EMRC º Ano º Príodo Unidad Ltiva - Tr um coração bom Curriculars F B. Construir uma d litura rligiosa da pssoa,

Leia mais

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO

2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 1. ÁREA DO CONHECIMENTO CIÊNCIAS HUMANAS: PSICOLOGIA 2. NOME DO CURSO ESPECIALIZAÇÃO EM GESTÃO DAS RELAÇÕES HUMANAS NA ORGANIZAÇÃO 3. JUSTIFICATIVA: Prspctivas no Mrcado Amazonns: A cidad d Manaus possui

Leia mais

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA

APONTAMENTOS PRÁTICOS PARA OFICIAIS DE JUSTIÇA ESQUEMA PRÁTICO ) Prazo Máximo Duração do Inquérito 2) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça 3) Prazo Máximo Duração do Sgrdo d Justiça quando stivr m causa a criminalidad rfrida nas al.ªs i) a m) do

Leia mais

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia

PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 2013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO RESOLUÇÃO: Profa. Maria Antônia C. Gouveia PROVA DE MATEMÁTICA APLICADA VESTIBULAR 013 - FGV CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Profa. Maria Antônia C. Gouvia 1. A Editora Progrsso dcidiu promovr o lançamnto do livro Dscobrindo o Pantanal m uma Fira Intrnacional

Leia mais

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora

Edital. V Mostra LEME de Fotografia e Filme Etnográficos e II Mostra LEME de Etnografia Sonora Edital V Mostra LEME d Fotografia Film Etnográficos 5º SEMINÁRIO DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS EM MOVIMENTOS ÉTNICOS - LEME 19 a 21 d stmbro d 2012 Univrsidad Fdral do Rcôncavo da Bahia Cachoira-BA O 5º Sminário

Leia mais

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL)

4.1 Método das Aproximações Sucessivas ou Método de Iteração Linear (MIL) 4. Método das Aproimaçõs Sucssivas ou Método d Itração Linar MIL O método da itração linar é um procsso itrativo qu aprsnta vantagns dsvantagns m rlação ao método da bisscção. Sja uma função f contínua

Leia mais

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua

CONTINUIDADE A idéia de uma Função Contínua CONTINUIDADE A idéia d uma Função Contínua Grosso modo, uma função contínua é uma função qu não aprsnta intrrupção ou sja, uma função qu tm um gráfico qu pod sr dsnhado sm tirar o lápis do papl. Assim,

Leia mais

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG)

QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jeferson Teixeira (Grad /UEPG) Valeska Gracioso Carlos (UEPG) Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL QUE ESPANHOL É ESSE? Mariano Jfrson Tixira (Grad /UEPG) Valska Gracioso Carlos (UEPG) 1. Introdução Graças á rgulamntaçõs impostas por acordos

Leia mais

Quanto mais eu escrevo, mais interessada eu fico.

Quanto mais eu escrevo, mais interessada eu fico. O futuro do Brasil Quanto mais u scrvo, mais intrssada u fico. Os manos, os dançarinos d rua, os grafitiros, pais mãs, promotors, juízs, psicólogos... todos dão vida para a história. Você tm boas fotos?

Leia mais

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como

Coordenadas polares. a = d2 r dt 2. Em coordenadas cartesianas, o vetor posição é simplesmente escrito como Coordnadas polars Sja o vtor posição d uma partícula d massa m rprsntado por r. S a partícula s mov, ntão su vtor posição dpnd do tmpo, isto é, r = r t), ond rprsntamos a coordnada tmporal pla variávl

Leia mais

O que são dados categóricos?

O que são dados categóricos? Objtivos: Dscrição d dados catgóricos por tablas gráficos Tst qui-quadrado d adrência Tst qui-quadrado d indpndência Tst qui-quadrado d homognidad O qu são dados catgóricos? São dados dcorrnts da obsrvação

Leia mais

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE

SISTEMA DE PONTO FLUTUANTE Lógica Matmática Computacional - Sistma d Ponto Flutuant SISTEM DE PONTO FLUTUNTE s máquinas utilizam a sguint normalização para rprsntação dos númros: 1d dn * B ± 0d L ond 0 di (B 1), para i = 1,,, n,

Leia mais

No N r o m r a m s a?

No N r o m r a m s a? Normas? EM ALGUMA CERÂMICA... NORMAS? O qu tnho a vr com isso? VENDAS NORMAS??? O qu é isso?...um clint dixou d fchar o pdido porqu o bloco não stava dntro das NORMAS... Grnt Produção...Uma carga d Blocos

Leia mais

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom.

2 Mbps (2.048 kbps) Telepac/Sapo, Clixgest/Novis e TV Cabo; 512 kbps Cabovisão e OniTelecom. 128 kbps Telepac/Sapo, TV Cabo, Cabovisão e OniTelecom. 4 CONCLUSÕES Os Indicadors d Rndimnto avaliados nst studo, têm como objctivo a mdição d parâmtros numa situação d acsso a uma qualqur ára na Intrnt. A anális dsts indicadors, nomadamnt Vlocidads d Download

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SEMANA DO GUIA DE TURISMO 13 A 15 DE MAIO 2015

PROGRAMAÇÃO SEMANA DO GUIA DE TURISMO 13 A 15 DE MAIO 2015 PROGRAMAÇÃO SEMANA DO GUIA DE TURISMO 13 A 15 DE MAIO 2015 13 d Maio 2015 Horário Atividad Local Participants Orintaçõs aos Alunos Abrtura do Evnto Srvidors do Câmpus alunos do Comparcr à crimônia d abrtura

Leia mais

Leia o texto abaixo, para responder às questões de números 43 a 48.

Leia o texto abaixo, para responder às questões de números 43 a 48. PORTUGUÊS Lia o txto abaixo, para rspondr às qustõs d númros 43 a 48. [...] Ao sair do Tjo, stando a Maria ncostada à borda do navio, o Lonardo fingiu qu passava distraído por junto dla, com o frrado sapatão

Leia mais

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo

Residência para coletivos na Casa do Povo. Cole tivo Rsidência para coltivos na Casa do Povo Chamada abrta tativo - Rsidência para coltivos na Casa do Povo Há mais d 60 anos, a Casa do Povo atua como lugar d mmória cntro cultural m sintonia com o pnsamnto

Leia mais

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos.

Augusto Massashi Horiguti. Doutor em Ciências pelo IFUSP Professor do CEFET-SP. Palavras-chave: Período; pêndulo simples; ângulos pequenos. DETERMNAÇÃO DA EQUAÇÃO GERAL DO PERÍODO DO PÊNDULO SMPLES Doutor m Ciências plo FUSP Profssor do CEFET-SP Est trabalho aprsnta uma rvisão do problma do pêndulo simpls com a dmonstração da quação do príodo

Leia mais

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO

OAB 1ª FASE RETA FINAL Disciplina: Direito Administrativo MATERIAL DE APOIO I. PRINCÍPIOS: 1. Suprmacia do Intrss Público sobr o Particular Em sndo a finalidad única do Estado o bm comum, m um vntual confronto ntr um intrss individual o intrss coltivo dv prvalcr o sgundo. 2. Indisponibilidad

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO?

A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? A VARIAÇÃO ENTRE PERDA & PERCA: UM CASO DE MUDANÇA LINGUÍSTICA EM CURSO? Luís Augusto Chavs Frir, UNIOESTE 01. Introdução. Esta é uma psquisa introdutória qu foi concrtizada como um studo piloto d campo,

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O

P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O DISCIPLINA: EMRC ANO: 5º 1º PERÍODO ANO LECTIVO: 2011/2012 P L A N I F I C A Ç Ã O A M É D I O P R A Z O UNIDADE DIDÁTICA 1: Vivr juntos AULAS PREVISTAS: 12 COMPETÊNCIAS (O aluno dvrá sr capaz d:) CONTEÚDOS

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Encontro na sede da Associação Comunitária de Lagedo

Datas das próximas viagens da UFMG. Encontro na sede da Associação Comunitária de Lagedo Ano 2 Lagdo, Domingo, 29 d março d 2015 N o 10 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 10 27 d março a 29 d março d 2015 Altina Encontro na sd da Associação Comunitária d Lagdo Runião com moradors

Leia mais

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG

MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG MANUAL DE APOSENTADORIA E ABONO PERMANÊNCIA INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE GARANHUNS IPSG SUMÁRIO PARTE I BENEFÍCIO DE APOSENTADORIA 1 - NOÇÕES SOBRE O BENEFÍCIO PREVIDENCIÁRIO

Leia mais

I CIPLOM. Abordagem funcional da gramática na Escola Básica

I CIPLOM. Abordagem funcional da gramática na Escola Básica Abordagm funcional da gramática na Escola Básica Vania Lúcia Rodrigus Dutra UERJ UFF 1- Introdução Os rsultados d avaliaçõs oficiais vêm apontando o fracasso da scola brasilira, d uma forma gral, no qu

Leia mais

Reflexões sobre a formação inicial e continuada de professores de espanhol no Brasil. Katia Aparecida da Silva Oliveira - UNIFAL

Reflexões sobre a formação inicial e continuada de professores de espanhol no Brasil. Katia Aparecida da Silva Oliveira - UNIFAL Rflxõs sobr a formação inicial continuada d profssors d spanhol no Brasil Katia Aparcida da Silva Olivira - UNIFAL Dsd a promulgação da li 11.161/2005, qu trata da obrigatoridad do nsino da língua spanhola

Leia mais

NR-35 TRABALHO EM ALTURA

NR-35 TRABALHO EM ALTURA Sgurança Saúd do Trabalho ao su alcanc! NR-35 TRABALHO EM ALTURA PREVENÇÃO Esta é a palavra do dia. TODOS OS DIAS! PRECAUÇÃO: Ato ou fito d prvnir ou d s prvnir; A ação d vitar ou diminuir os riscos através

Leia mais

Definição de Termos Técnicos

Definição de Termos Técnicos Dfinição d Trmos Técnicos Eng. Adriano Luiz pada Attack do Brasil - THD - (Total Harmonic Distortion Distorção Harmônica Total) É a rlação ntr a potência da frqüência fundamntal mdida na saída d um sistma

Leia mais

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES

EC1 - LAB - CIRCÚITOS INTEGRADORES E DIFERENCIADORES - - EC - LB - CIRCÚIO INEGRDORE E DIFERENCIDORE Prof: MIMO RGENO CONIDERÇÕE EÓRIC INICII: Imaginmos um circuito composto por uma séri R-C, alimntado por uma tnsão do tipo:. H(t), ainda considrmos qu no

Leia mais

Planejamento de capacidade

Planejamento de capacidade Administração da Produção Opraçõs II Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad Planjamnto d capacidad é uma atividad crítica dsnvolvida parallamnt ao planjamnto d matriais a) Capacidad insuficint lva

Leia mais

Newsletter Biblioteca Escolar Carlos Cécio e Centro Escolar de Santa Margarida

Newsletter Biblioteca Escolar Carlos Cécio e Centro Escolar de Santa Margarida página 1 Acontcu... Concurso Conclhio d Litura Era uma vz... É assim qu comçam as histórias... Esta história comçou há crca d três anos numa bibliotca scolar, ond dznas d livros, arrumadinhos m stants,

Leia mais

Nova série de desenho animado para TV, que ensina o valor dos alimentos. Biblia_Estudo_4.indd 1 06/10/2011 01:27:38

Nova série de desenho animado para TV, que ensina o valor dos alimentos. Biblia_Estudo_4.indd 1 06/10/2011 01:27:38 Nova séri d dsnho animado para TV, qu nsina o valor dos alimntos. Biblia_Estudo_4.indd 1 06/10/2011 01:27:38 introdução Nutriamigos é uma nova séri animada para TV cujo objtivo é nsinar às crianças a importância

Leia mais

Prefeito Tatu e vereadores vão a São Paulo em busca de Cursos Profissionalizantes para Maracaí

Prefeito Tatu e vereadores vão a São Paulo em busca de Cursos Profissionalizantes para Maracaí 01 Prfito Tatu vradors vão a São Paulo m busca d Cursos Profissionalizants para Maracaí Ontm (06/03) o prfito Eduardo Corra Sotana (Tatu), o Dputado Estadual Mauro Bragato, os vradors Edivaldo Rodrigus

Leia mais

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS

MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS MÓDULO 4 4.8.1 - PROCEDIMENTOS DE TESTES DE ESTANQUEIDADE PARA LINHAS DE ÁGUA, ESGOTO E OUTROS LÍQUIDOS Normas Aplicávis - NBR 15.950 Sistmas para Distribuição d Água Esgoto sob prssão Tubos d politilno

Leia mais

As Abordagens do Lean Seis Sigma

As Abordagens do Lean Seis Sigma As Abordagns do Lan Sis Julho/2010 Por: Márcio Abraham (mabraham@stcnt..br) Dirtor Prsidnt Doutor m Engnharia d Produção pla Escola Politécnica da Univrsidad d São Paulo, ond lcionou por 10 anos. Mastr

Leia mais

Dinâmica Longitudinal do Veículo

Dinâmica Longitudinal do Veículo Dinâmica Longitudinal do Vículo 1. Introdução A dinâmica longitudinal do vículo aborda a aclração frnagm do vículo, movndo-s m linha rta. Srão aqui usados os sistmas d coordnadas indicados na figura 1.

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL

EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL EMPRESA BRASILEIRA DE TELECOMUNICAÇÕES S.A - EMBRATEL PLANO ALTERNATIVO DE SERVIÇO N o 001 - EMBRATEL 1. APLICAÇÃO Est Plano d Srviço ofrc ao usuário do Srviço d Tlfonia Fixa Comutada, a possibilidad d

Leia mais

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE

PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Campus d Ilha Soltira PROGRAMA DE REESTRUTURAÇÃO DA UNIDADE Aos dz (10) dias do mês d stmbro (09) do ano d dois mil doz (2012), na Sala d Runiõs da Congrgação, as parts abaio nomadas tomaram ciência do

Leia mais

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho

Datas das próximas viagens da UFMG. Sondagem do solo em Lagedo e Riacho Ano 2 Lagdo, Domingo, 31 d maio d 2015 N o 12 Datas das próximas viagns da UFMG Data Casa 12 29 d maio a 31 d maio d 2015 Alcion/Paulo 13 26 d junho a 28 d junho d 2015 Gralda/Antônio 14 24 d julho a 26

Leia mais

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa.

A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Encontro com a Palavra Agosto/2011 Mês de setembro, mês da Bíblia 1 encontro Nosso Deus se revela Leitura Bíblica: Gn. 12, 1-4 A Bíblia seja colocada em lugar de destaque, ao lado de uma vela acesa. Boas

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*)

PARECER HOMOLOGADO(*) PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Dspacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União d 17/07/2003 (*) Portaria/MEC nº 1.883, publicada no Diário Oficial da União d 17/07/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO

Leia mais

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016

EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 EDITAL N.º 24/2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO ESPECÍFICO PARA INGRESSO DE FRONTEIRIÇOS 2016 O REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA, no uso d suas atribuiçõs lgais statutárias, torna público st Edital

Leia mais

Projeto Incluir: Uma experiência de ensino de ELE para crianças. Introdução: Viviana Morel de Hartmann Grad/UFSC e Adriane Elisa Glasser - UFSC

Projeto Incluir: Uma experiência de ensino de ELE para crianças. Introdução: Viviana Morel de Hartmann Grad/UFSC e Adriane Elisa Glasser - UFSC Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL Projto Incluir: Uma xpriência d nsino d ELE para crianças Viviana Morl d Hartmann Grad/UFSC Adrian Elisa Glassr - UFSC Introdução: O Projto

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO

POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Congrsso Intrnacional d Profssors d Línguas Oficiais do MERCOSUL POLÍTICAS PÚBLICAS E ENSINO DE ESPANHOL COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA NA REGIÃO DE LONDRINA: DESAFIOS PARA SUA IMPLEMENTAÇÃO Catya Marqus Agostinho

Leia mais

I CIPLOM A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ

I CIPLOM A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ A OFERTA DA LÍNGUA ESPANHOLA NAS ESCOLAS: UM ESTUDO DESSA INCLUSÃO NA CIDADE DE IRATI/PARANÁ Pdro Valdcir Ribiro UNICENTRO/Irati Ms. Marcla d Fritas Ribiro Lops UNICENTRO/Irati 1.Introdução A língua spanhola

Leia mais

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema

A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tema A FERTILIDADE E A CONCEPÇÃO Introdução ao tma O ciclo mnstrual tm a missão d prparar o organismo para consguir uma gravidz com êxito. O 1º dia d mnstruação corrspond ao 1º dia do ciclo mnstrual. Habitualmnt,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Brasília EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 EDITAL Nº 047/RIFB, DE 03 DE SETEMBRO DE 2014 REVALIDAÇÃO DE DIPLOMAS E CERTIFICADOS DE CURSOS TÉCNICOS E TECNOLÓGICOS ESTRANGEIROS DE ENSINO, PELO INSITUTO FEDERAL DE BRASÍLIA- IFB. 1. DA ABERTURA 1.1

Leia mais

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo

6. Moeda, Preços e Taxa de Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6. Moda, Prços Taxa d Câmbio no Longo Prazo 6.1. Introdução 6.3. Taxas d Câmbio ominais Rais 6.4. O Princípio da Paridad dos Podrs d Compra Burda & Wyplosz,

Leia mais

Sucót. Hospitalidade e Alegria. E te alegrarás em tua festa e serás somente feliz. (Devarím 16:14-15)

Sucót. Hospitalidade e Alegria. E te alegrarás em tua festa e serás somente feliz. (Devarím 16:14-15) Sucót Hospitalidad Algria E t algrarás m tua fsta srás somnt fliz (Dvarím 16:14-15) A Fsta da Algria A própria Torá incluiu a mitsvá d star m stado d algria nas fstas, mas xclusivamnt m Sucót sta ordm

Leia mais

GERADOR ELETROSTÁTICO

GERADOR ELETROSTÁTICO GERADOR ELETROSTÁTICO Est artigo irá mostrar como construir um grador ltrostático, projto muito famoso m firas d Ciências. É uma máquina muito intrssant dvido às pqunas faíscas qu gra, dmonstrando claramnt

Leia mais

Jornal do Aramy. E.M.E.F. Aramy Silva Rua Chico Pedro, 390 Camaquã Porto Alegre/RS 2007 Edição de aniversário. Atividades. Festa

Jornal do Aramy. E.M.E.F. Aramy Silva Rua Chico Pedro, 390 Camaquã Porto Alegre/RS 2007 Edição de aniversário. Atividades. Festa Jornal do ramy E.M.E.F. ramy Silva Rua Chico Pdro, 390 Camaquã Porto lgr/rs 2007 Edição d anivrsário tividads Fsta HISTÓRI DO TRBLHO D MULHER ESTTUTO D CRINÇ E DO DOLESCENTE CIÊNCIS,RTE, LITERTUR E OUTRS

Leia mais

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem

PSI-2432: Projeto e Implementação de Filtros Digitais Projeto Proposto: Conversor de taxas de amostragem PSI-2432: Projto Implmntação d Filtros Digitais Projto Proposto: Convrsor d taxas d amostragm Migul Arjona Ramírz 3 d novmbro d 2005 Est projto consist m implmntar no MATLAB um sistma para troca d taxa

Leia mais

PESCADOR. Introdução: A E D E (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção. E qual é o meu destino, minha vocação

PESCADOR. Introdução: A E D E (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção. E qual é o meu destino, minha vocação PSCDOR Introdução: D (2x) Mais qual é o meu caminho, qual a direção D qual é o meu destino, minha vocação Carregar tua palavra, qualquer direção Dm Dm chamar outras almas, em outros mares pescar Pescador

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL

PALAVRAS-CHAVE: CURRÍCULO DE PEDAGOGIA, FORMAÇÃO,EDUCAÇÃO INFANTIL, IDENTIDADE PROFISSIONAL Govrno do Estado do Rio Grand do Nort Scrtariado d Estado da Educação Cultura - SEEC UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE - UERN Pró-Ritoria d Psquisa Pós-Graduação PROPEG Dpartamnto d Psquisa

Leia mais

Emerson Marcos Furtado

Emerson Marcos Furtado Emrson Marcos Furtado Mstr m Métodos Numéricos pla Univrsidad Fdral do Paraná (UFPR). Graduado m Matmática pla UFPR. Profssor do Ensino Médio nos stados do Paraná Santa Catarina dsd 1992. Profssor do Curso

Leia mais

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI

CD RESGATAI A NOIVA - 1. EL SHADAI C RSATAI A NOIVA - 1. L SHAAI F9 Bb9 C4 F9 L SHAAI, TOO POROSO ÉS F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, NÃO HÁ OUTRO US IUAL F9 Bb9 C4 m7 L SHAAI, OMÍNIO STÁ M SUAS MÃOS Bb9 C4 F9 POROSO L SHAAI C F9 MU ABA PAI PROVOR,

Leia mais

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice)

Tabela 1 - Índice de volume de vendas no comércio varejista (Número índice) PESQUISA MENSAL DO COMÉRCIO JULHO DE 2012 A psquisa mnsal do comércio, ralizada plo IBGE, rgistrou um crscimnto positivo d 1,36% no comparativo com o mês d julho d 2012 para o volum d vndas varjista. Podmos

Leia mais

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16

Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 15/16 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SÃO PEDRO DA COVA Escola Básica d São Pdro da Cova Planificação :: TIC - 8.º Ano :: 5/6.- Exploração d ambints computacionais Criação d um produto original d forma colaborativa

Leia mais

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014

PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Versão: 27/08/2014 Atualizado em: 27/08/2014 F i n a l i d a d O r i n t a r o u s u á r i o p a r a q u s t o b t PRINCÍPIOS E INSTRUÇÕES RELATIVOS ÀS OPERAÇÕES DE CERTIFICADOS DE OPERAÇÕES ESTRUTURADAS (COE) Vrsão: 27/08/2014 Atualizado m: 27/08/2014

Leia mais

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98.

Florianópolis, 09 de abril de 1998. PORTARIA Nº 0173/GR/98. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA GABINETE DO REITOR PORTARIAS Florianópolis, 09 d abril d 1998 PORTARIA Nº 0173/GR/98 O Ritor da Univrsidad Fdral d Santa Catarina, no uso d suas atribuiçõs statutárias

Leia mais

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores.

PLANO DE CURSO 2011. 3 aulas Data show Aulas expositivas Estudo de casos e análise de precedentes dos Tribunais Estaduais e Superiores. Est Plano d Curso podrá sofrr altraçõs a critério do profssor / ou da Coordnação. PLANO DE CURSO 2011 DISCIPLINA: DIREITO PROCESSUAL CIVIL III Excução civil, tutlas d urgência procdimntos spciais. PROFESSOR:

Leia mais

Lição. História Bíblica II Timóteo 3:16; II Pedro 1:20, 21; Salmos 119:4 Na lição de hoje, as crianças aprenderão que a

Lição. História Bíblica II Timóteo 3:16; II Pedro 1:20, 21; Salmos 119:4 Na lição de hoje, as crianças aprenderão que a FRUTOS-1 Descoberta Lição 1 4-6 Anos História Bíblica II Timóteo 3:16; II Pedro 1:20, 21; Salmos 119:4 Na lição de hoje, as crianças aprenderão que a CONCEITO CHAVE A Bíblia é o livro de Deus e nós sabemos

Leia mais

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade.

A prova tem como referência o Programa de PRÁTICAS DE CONTABILIDADE E GESTÃO do 12º Ano de Escolaridade. Informação - Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Prova Equivalência à Frquência Práticas Contabilida Gstão Duração da prova: 120 minutos / 24.06.2013 12º Ano Escolarida Curso Tcnológico

Leia mais

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO

ESCOLA BÁSICA D. DOMINGOS JARDO Unidad Didáctica: Trocas nutricionais ntr o organismo o mio nos animais. Comprndr qu a vida dos srs vivos assgurada pla ralização d funçõs spcíficas;. Comprndr qu as funçõs vitais rqurm nrgia;. Assumir-s

Leia mais

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM...

CD CORAÇÃO DA NOIVA - 1. O SENHOR É BOM INTR:E D A/C# C7+ B E D A/C# O SENHOR É BOM C7+ B E SEU AMOR DURA PARA SEMPRE ELE É BOM... C CORÇÃO NOIV - 1. O SNHOR É OM INTR: /C# C7+ /C# O SNHOR É OM C7+ SU MOR UR PR SMPR L É OM... Letra e Música: avi Silva C CORÇÃO NOIV - 2. SNTO É O TU NOM M TO TRR S OUVIRÁ UM NOVO SOM UM CNÇÃO MOR PRCORRRÁ

Leia mais

Subsídios para datas comemorativas

Subsídios para datas comemorativas Subsídios para datas comemorativas CLBRANDO A FAMÍLIA NO DIA DAS MÃS Hoje o conceito de família mudou bastante. O papel da mãe pode ser exercido pelo pai, avó, um parente ou outra pessoa. Há uma mudança

Leia mais

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU

AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU ANEXO II Coficint d Condutibilidad Térmica In-Situ AII. ANEXO II COEFICIENTE DE CONDUTIBILIDADE TÉRMICA IN-SITU AII.1. JUSTIFICAÇÃO O conhcimnto da rsistência térmica ral dos componnts da nvolvnt do difício

Leia mais

CURSO ON LINE RACIOCÍNIO LÓGICO PARA DESESPERADOS PROFESSORES: GUILHERME NEVES E VÍTOR MENEZES. Aula 1 Lógica de argumentação e diagramas lógicos

CURSO ON LINE RACIOCÍNIO LÓGICO PARA DESESPERADOS PROFESSORES: GUILHERME NEVES E VÍTOR MENEZES. Aula 1 Lógica de argumentação e diagramas lógicos 1 Aula 1 Lógica d argumntação diagramas lógicos I LÓGICA DE ARGUMENTAÇÃO (CONTINUAÇÃO).... 2 1 Rvisão..... 2 2 Técnica 1: liminando as linhas com prmissas falsas... 5 Técnica 2: tabla vrdad modificada...

Leia mais

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33

CARVALHO HOSKEN S/A carvalhohosken.com.br CARVALHO HOSKEN S.A. ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES CNPJ: 33.342.023/0001-33 Balanço Social Em 31 d dzmbro d 2015 2014 1 - Bas d Cálculo 2015 Valor (Mil rais) 2014 Valor (Mil rais) Rcita líquida (RL) 190.202 292.969 Rsultado opracional (RO) 111.720 (16.955) Rsultado Financiro (29.648)

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA EDITAL Nº 14/2011 PRAC SELEÇÃO PÚBLICA A Pró-Ritoria Acadêmica da Univrsidad Católica d Plotas torna pública a abrtura d SELEÇÃO DOCENTE, como sgu:

Leia mais

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como:

Desta maneira um relacionamento é mostrado em forma de um diagrama vetorial na Figura 1 (b). Ou poderia ser escrito matematicamente como: ASSOCIAÇÃO EDUCACIONA DOM BOSCO FACUDADE DE ENGENHAIA DE ESENDE ENGENHAIA EÉICA EEÔNICA Disciplina: aboratório d Circuitos Elétricos Circuitos m Corrnt Altrnada EXPEIMENO 9 IMPEDÂNCIA DE CICUIOS SÉIE E

Leia mais

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado

Lei nº 7998/90. Pós MP nº 665/14 Vigência 60 dias após a data da publicação Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Art. 2ºB Revogado Ants da MP nº 665/14 Art. 2o-B. Em carátr xcpcional plo prazo d sis mss, os trabalhadors qu stjam m situação d dsmprgo involuntário plo príodo comprndido ntr doz dzoito mss, inintrruptos, qu já tnham sido

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX FOGÕES A

INSTRUÇÕES MANUAL DE. LENHA Leia atentamente este manual antes de utilizar o produto. Conheça nossos outros produtos VENAX VENAX FOGÕES A Conhça nossos outros produtos * FOGÕES A GÁS * FOGÕES A LENHA * FOGÕES INDUSTRIAIS * COOKTOPS * FORNOS ELÉTRICOS * FORNOS A GÁS E ELÉTRICOS DE EMBUTIR * REFRIGERADORES * FREEZERS * CLIMATIZADORAS DE VINHO

Leia mais

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves

CAMINHOS. Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves CAMINHOS Caminhos (Prov. 14:12) Paulo Cezar e Jayro T. Gonçalves Posso pensar nos meus planos Pros dias e anos que, enfim, Tenho que, neste mundo, Minha vida envolver Mas plenas paz não posso alcançar.

Leia mais

I CIPLOM. Concepções e status da leitura em Inglês em cursos universitários em Maceió

I CIPLOM. Concepções e status da leitura em Inglês em cursos universitários em Maceió Concpçõs status da litura m Inglês m cursos univrsitários m Mació Introdução Tânia Maria Frrira Marqus - Cntro Univrsitário Csmac A maioria dos alunos aprsnta algumas dificuldads m rlação à litura d txtos

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ALÉM PARAÍBA INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO NAIR FORTES ABU-MERHY TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO PLANEJAMENTO DO PARQUE TECNOLÓGICO 2011-2013 Tcnologia d Informação - FEAP 1 - Rlação

Leia mais

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária

Alunos dos 1 anos participam de concurso de exposições sobre Inovação e Sustentabilidade na Agropecuária Alunos dos 1 anos participam concurso xposiçõs sobr Inovação Sustntabilida na Agropcuária Na última trçafira, 23 junho, as turmas Curso 1 anos Técnico do m Agropcuária participaram do concurso xposiçõs

Leia mais

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2.

INSTRUÇÕES MANUAL DE. Conheça nossos outros produtos. FOGÕES LENHA Modelos: Nº00, Nº0, Nº1, Nº2. Conhça nossos outros produtos * Fogõs a gás * Fogõs a lnha * Fogõs industriais * Cooktops * Fornos létricos * Fornos d mbutir * Frigobars * Frzrs * Climatizadoras d vinho * Expositora d crvjas bbidas *

Leia mais

e e e e e e e e e e e e e e e

e e e e e e e e e e e e e e e DESCRIÇÃO DO PROJETO A Voz das Avós das Quatro Dirçõs do Planta Em outubro d 2011, Brasília srá palco d um ncontro qu irá valorizar a divrsidad cultural spiritual do Brasil do mundo: a Voz das Avós das

Leia mais

Centro e Bacia do Itacorubi: A Rota da Educação SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS

Centro e Bacia do Itacorubi: A Rota da Educação SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS Cntro Bacia do Itacorubi: A Rota da Educação SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE FLORIANÓPOLIS Crch Irmão Clso, no bairro Agronômica PREFEITURA MUNICIPAL DE FLORIANÓPOLIS

Leia mais

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno

Período/Série: 5ª a 8ª série Turno: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( x ) Noturno Pág. 1 Caractrização Curso: PROEJA-FIC ( Curso d Formação Inicial Continuada m Alimntação Intgrado ao Ensino Fundamntal na Modalidad d EJA) Ano/Smstr ltivo: 2011 Príodo/Séri: 5ª a 8ª séri Turno: ( ) Matutino

Leia mais

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23.

Tudo que você precisa saber a respeito de Deus está esta escrito no Salmo 23. Tudo que você precisa saber a teu respeito está escrito no Salmo 23. Tema: DEUS CUIDA DE MIM. Texto: Salmos 23:1-6 Introdução: Eu estava pesando, Deus um salmo tão poderoso até quem não está nem ai prá Deus conhece uns dos versículos, mas poderosos da bíblia e o Salmo 23,

Leia mais

Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico.

Equilíbrio Térmico. é e o da liga é cuja relação com a escala Celsius está representada no gráfico. Equilíbrio Térmico 1. (Unsp 2014) Para tstar os conhcimntos d trmofísica d sus alunos, o profssor propõ um xrcício d calorimtria no qual são misturados 100 g d água líquida a 20 C com 200 g d uma liga

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Encontro Intrnacional d Produção Cintífica Csumar 23 a 26 d outubro d 2007 OS RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA A ÁREA DE LETRAS: UM LEVANTAMENTO DE SOFTWARES EDUCATIVOS Adriana Carla d Souza Maldonado 1 ; Ludhiana

Leia mais

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE.

TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. TÍTULO: ÉTICA CONTÁBIL: UM ESTUDO DE CASO EM ESCRITÓRIOS DE CONTABILIDADE. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI AUTOR(ES):

Leia mais

O papel dos pais e educadores na formação dos jovens quanto ao uso ético e construtivo da Internet

O papel dos pais e educadores na formação dos jovens quanto ao uso ético e construtivo da Internet O papl dos pais ducadors na formação dos jovns quanto ao uso ético construtivo da Intrnt Solang D. BARROS Faculdad d Computação Informática, Univrsidad Prsbitriana Macknzi Ubirajara C. MORAES Escola d

Leia mais

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis.

Para verificar a atualização desta norma, como revogações ou alterações, acesse o Visalegis. 18/05/12 Anvisa - Lgislação - Portarias Lgislação Para vrificar a atualização dsta norma, como rvogaçõs ou altraçõs, acss o Visalgis. Portaria n º 27, d 13 d janiro d 1998 A Scrtária d Vigilância Sanitária,

Leia mais