TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO"

Transcrição

1 TIC S: INCLUSÃO E/OU EXCLUSÃO Raquel Monteiro Alberto Moraes - Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) Renata Oliveira de Sousa- Graduanda do curso de Pedagogia (UERJ) A sociedade atual se encontra imersa nas tecnologias de informação e comunicação (TIC s) e essas tecnologias vem transformando o nosso cotidiano, como afirma Kensky (2003) as novas tecnologias de informação e comunicação, caracterizadas como midiáticas, são, portanto, mais do que simples suportes. Elas interferem em nosso modo de pensar, sentir, agir, de nos relacionarmos socialmente e adquirimos conhecimentos. Criam uma nova cultura e um novo modelo de sociedade. Porém essa cultura digital exige aos indivíduos novas habilidades, podendo reforçar a exclusão de determinados grupos sociais, pois de acordo com Franco (2008) conhecer características da linguagem digital pode ser decisivo para participar ativamente da sociedade globalizada. Assim, esta pesquisa em andamento da disciplina de Pesquisa e Prática Pedagógica, tem o objetivo de fazer uma breve análise dos impactos das TIC s no cotidiano de jovens e adultos que não concluíram a educação básica; refletindo em como as práticas educacionais e as tecnologias podem tanto contribuir para a inclusão como para a exclusão. Para isso, utilizaremos alguns teóricos como, Kensky (2003), Franco (2008), Negri & Texeira (2008) e algumas literaturas de Paulo Freire. Na tentativa de abordar a sociedade informatizada como um espaço de lutas simbólicas e discursivas evidenciando a importância da escola nesse contexto. Palavras chaves: TIC s; EJA; inclusão; exclusão. Introdução O presente trabalho tem o objetivo de refletir o impacto das Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC s) no cotidiano de jovens e adultos, dando destaque às relações de inclusão e exclusão que tais tecnologias envolvem. Além disso, verificamos o importante papel que as práticas educativas desempenham, fazendo com que as TIC s sejam utilizadas de forma positiva. Inicialmente, apresentaremos algumas idéias sobre as TIC s e como esta se encontra presente na nossa sociedade, para num segundo momento tratarmos do papel que essas tecnologias podem exercer, seja ele de exclusão e/ou inclusão. E finalmente, apresentaremos uma breve apresentação do projeto Inclusão Cidadã, realizado paralelamente com a nossa disciplina de Pesquisa e Prática Pedagógica, com o intuito de elucidar o interesse e necessidade dos jovens e adultos sobre as tecnologias. TIC s: Tecnologias de Informação e Comunicação Antes de esclarecermos o que são as TIC s, é necessário entender que as tecnologias fazem parte da nossa sociedade desde o início dos tempos. Quando o homem das cavernas

2 2 utilizava o fogo para a sua sobrevivência, ele estava fazendo uso de uma tecnologia; quando antigos sábios escreviam em seus pergaminhos, eles estavam fazendo uso de tecnologias; portanto, podemos dizer que as tecnologias foram evoluindo de acordo com as necessidades do indivíduo. Hoje, temos as Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC s) que vem transformando o nosso contexto social, reestruturando o modo como pensamos, adquirimos conhecimentos e nos relacionamos com o próximo. Logo, as TIC s exercem grande influência nas nossas vidas, sendo importante ressaltar que tais influências podem ser tanto positivas como negativas. Nesse contexto, Kensky (2007) diz que a evolução social do homem confunde-se com as tecnologias desenvolvidas e empregadas em cada época, isto é, a tecnologia caminha junto com o ser humano, ela altera comportamentos, idéias e até o uso que fazemos destes aparatos tecnológicos; sendo importante refletirmos como essas tecnologias nos afetam. O papel das TIC s na nossa sociedade As tecnologias de informação e comunicação (TIC s) são muito importantes na nossa sociedade, visto que elas realizam o acesso e a veiculação não só das informações, mas também de todas as demais formas de comunicação. Logo, essas tecnologias são facilmente encontradas em situações cotidianas, como urnas, rádios, caixas eletrônicos, celulares, televisores, computadores, etc. Dessa forma, é importante ressaltarmos que televisores, computadores e todos os novos suportes midiáticos são mais que ferramentas, (Kensky 2003, p. 22 apud Reeves e Nass 1996, p.251) eles participam de maneira ativa do mundo real. No qual Kensky (2003) irá afirmar que: As novas tecnologias de informação e comunicação, caracterizadas como midiáticas, são, portanto, mais do que simples suportes. Elas interferem em nosso modo de pensar, sentir, agir, de nos relacionarmos socialmente e adquirirmos conhecimentos. Criam uma nova cultura e um novo modelo de sociedade. Porém esse novo modelo de sociedade não oferece as mesmas possibilidades para todos, isto é, o acesso a essas tecnologias não é democrático, além disso, uma grande parcela

3 3 da população não possui conhecimento necessário para o seu domínio, produzindo uma sensação de ansiedade e de impotência diante de uma determinada situação. Kensky (2007) diz que existe uma intrínseca relação entre conhecimento, poder e tecnologia, isto é, quem não detém o conhecimento fica separado da tecnologia e conseqüentemente do poder, pois segundo Franco (2008), conhecer características da linguagem digital pode ser decisivo para participar ativamente da sociedade globalizada. Se antes, ter o domínio da leitura e da escrita era fundamental para atuar de maneira consciente na sociedade, hoje, na sociedade da informação, dominar as tecnologias é imprescindível. De acordo com Silveira (2001) a não-apropriação das novas tecnologias tende a ampliar a desigualdade social, já que: A exclusão digital impede que se reduza a exclusão social, uma vez que as principais atividades econômicas, governamentais e boa parte da produção cultural da sociedade vão migrando para a rede, sendo praticadas e divulgadas por meio da comunicação informacional. Estar fora da rede é ficar fora dos principais fluxos de informação. Desconhecer seus procedimentos básicos é amargar a nova ignorância. TIC s e a ascensão da exclusão de Jovens e Adultos Ao refletirmos a relação das TIC s com a nossa sociedade, é possível percebermos que ao mesmo tempo em que os avanços tecnológicos servem para dinamizar e beneficiar nossas vidas, eles também servem para potencializar guerras, domínio, fome, desemprego. De acordo com kensky (2007) tecnologia é poder. ; logo a tecnologia tem tanto o poder de promover a ascensão da inclusão como da exclusão. Dessa forma, por atualmente vivermos na sociedade da informação, esta irá nos exigir a adoção de novas condutas diante das tecnologias, sendo necessário possuirmos conhecimentos variados para a apropriação das mesmas; no qual o indivíduo que não atende a esses requisitos acaba sendo excluído, amargado numa nova ignorância que é da cultura digital. Diante disso, Franco (2008) se utiliza de Fernando José de Almeida para dizer que: O mundo das novas tecnologias da informação e comunicação não se apresenta aos seus usuários docilmente como se fosse um éden de facilidades e de libertação do ser humano das tarefas repetitivas e rotineiras. Ele faz parte de um mundo que deve ser conquistado por ações lógicas, educativas e políticas. No fundo, a sociedade da informação é um espaço de lutas simbólicas e discursivas. Sua apropriação se dá por

4 4 esforços organizados, intencionalmente construídos em planejamentos estratégicos sofisticados. Esse mundo das novas tecnologias faz com que as informações cheguem rapidamente, ampliando a possibilidade de interação e comunicação, porém esses meios tecnológicos são utilizados para beneficiar apenas uma parcela da população, isto é, as TIC s muitas vezes, são empregadas para reproduzir a cultura dominante, dificultando uma reflexão crítica e fazendo destes usuários meros reprodutores do sistema e aqueles que não conseguem acompanhar o ritmo acabam sendo marginalizado do processo, sendo portanto, excluídos. Diante disso, vimos que as TIC s servem a um grupo em especial, que detém o poder em relação aos demais. Todavia é importante dizer, que as tecnologias estão a serviço da sociedade e elas podem ajudar e facilitar a comunicação de todos. Cabe a escola promover a inclusão digital de modo que o processo de ensino-aprendizagem seja segundo Freire (1987), construída através do diálogo, da reflexão, isto é, que os alunos compreendam a quem esses meios tecnológicos servem e qual sua finalidade. TIC s e o seu caráter inclusivo: uma prática educacional Assim como as TIC S podem propagar a cultura hegemônica dominante, promovendo a exclusão de determinados grupos sociais; não podemos deixar de salientar que tais tecnologias também podem promover um grandioso processo inclusivo; sendo importante ressaltarmos que quem define se as TIC s vão promover a inclusão ou a exclusão são os próprios usuários de tais tecnologias, assim como toda a sociedade. Dessa forma, é necessário que a escola se aproprie de tais tecnologias com a finalidade de promover a inclusão de seus alunos, inserindo-os na nossa sociedade que se encontra cada vez mais digitalizada e multifacetada. Logo, não basta ensinar aos jovens e adultos manusear os aparelhos digitais, é necessário fazer com que esses alunos possam ser atuantes na construção de seus saberes, podendo desta forma, transformar sua realidade. É fundamental que se configure uma educação, segundo Freire (1979), problematizadora que vai além do aprender a ler e escrever por si só, mas que seja uma educação que te ensina a ler o mundo e lhe possibilita ser autor de sua vida e do meio que a cerca. Assim, o uso das tecnologias no processo de alfabetização, como por exemplo, o

5 5 computador, deve estar a serviço da humanização, tanto de oprimidos quanto de opressores, isto é, as tecnologias devem ser vistas como um instrumento da cultura que deve estar à disposição do homem, fazendo com que as mesmas sejam apropriadas de forma a construir uma sociedade mais igualitária, justa e libertária. Assim, a democratização do acesso a esses aparatos tecnológicos é um grande desafio para a sociedade atual e necessita de apoios e mudanças tanto na esfera econômica quanto na esfera educacional. E a escola deve oferecer esse ambiente de construção, de modo a atender as necessidades de seus alunos, levando-se em conta que a mesma faz parte da sociedade, que se encontra em constante mudança. Portanto, é necessário repensarmos as práticas educacionais e assim como Freire (1979) condenarmos de vez a educação bancária, configurando a visão de que o homem integra-se e não se acomoda. Nesse sentido, o autor também chama atenção para um dilema entre tecnologia e humanização, ele diz que: O erro desta concepção é tão nefasto como o erro da sua contrária a falsa concepção do humanismo -, que vê na tecnologia a razão dos males do homem moderno. É o erro básico de ambas, que não podem oferecer a seus adeptos nenhuma forma real de compromisso, (...) não percebem o óbvio: que humanismo e tecnologia não se excluem (...). Se meu compromisso é realmente com o homem concreto, com a causa da humanização, de sua libertação, não posso por isso mesmo prescindir da ciência, nem da tecnologia... Então a escola não deve excluir as TIC s de sua prática, em vez disso, deve trabalhálas de maneira consciente para que haja a inclusão de todos, pois a educação não deve negar as tecnologias, visto que desde a história ela se apoiou nas ferramentas tecnológicas como os livros didáticos e o quadro de giz, contudo, atualmente, a educação tem como um dos desafios tornar a escola um espaço crítico em relação ao uso e à apropriação das TIC s e entender que o recurso tecnológico possibilita ao aluno ter seu próprio ritmo de aprendizagem e que a mesma não esta limitada ao espaço escolar. Portanto a escola traz consigo a possibilidade de inclusão dos jovens e adultos que muitas vezes são marginalizados devido ao seu nível de instrução; sendo de suma importância a erradicação do analfabetismo e o oferecimento de uma educação digna. Porém, isso não é tudo, pois atualmente além desses indivíduos serem excluídos da cultura letrada, há a exclusão feita pela cultura digital, logo a escola deve promover um ambiente democrático, o que

6 6 significa dar subsídio tanto para a alfabetização como para a incorporação das tecnologias em sua prática pedagógica. No qual, segundo Duran (2008), o que vai definir a constituição de saberes para o aluno é a apropriação que os mesmos fazem dessas tecnologias. Apesar de reconhecer a importância das TIC s, é evidente que não se pode compreender o acesso a elas como sinônimo de desenvolvimento social e cognitivo. A apropriação que os sujeitos fazem das tecnologias é que vão definir na medida em que elas contribuem, ou não, para o aprendizado e o exercício da cidadania. Nesse sentido, voltamos nosso olhar para o projeto Inclusão Cidadã, com a finalidade de elucidar que é possível repensarmos as práticas educativas existentes e incluirmos as tecnologias no processo de ensino-aprendizagem. A possibilidade de mudanças: Projeto Inclusão Cidadã O projeto Inclusão Cidadã, em andamento, tem o objetivo de promover a inclusão social de populações esquecidas digitalmente, utilizando as múltiplas mídias digitais como instrumento de construção e exercício da cidadania, possibilitando a livre discussão e interatividade entre os integrantes do projeto, proporcionando o aumento da solidariedade social, o despertar para uma responsabilidade comunitária e a produção de consensos sobre as dificuldades individuais e coletivas de suas regiões. O projeto pretende alcançar oito regiões do Rio de Janeiro, tendo início em Ilha Grande, mais precisamente em Vila dos Rios, onde podemos dispor do apoio do Centro de Estudos Ambientais e Desenvolvimento Sustentável (CEADS) da UERJ. Este projeto foi dividido em três fases. Na primeira fase realizamos uma pesquisa com os moradores de tal vila, com o intuído de conhecer sua realidade e necessidades; na segunda fase foi observado a implementação do projeto UCA (Um Computador por Aluno) numa escola da região; já a terceira fase, será realizada em novembro, no qual faremos oficinas com as mídias digitais para atender as crianças, jovens e adultos da região. Diante da primeira fase do projeto, percebemos que a população é composta em sua maioria de jovens e adultos e apesar de terem pouca escolarização eles ansiavam ter o acesso e o domínio dessas tecnologias, uma vez que relatavam em situações cotidianas a dificuldade em lidar com as tecnologias.

7 7 A partir dessa primeira fase, projetamos oficinas que envolvam as mídias digitais, valorizando a leitura de mundo de cada um e do grupo; fazendo que essa população muitas vezes marginalizada digitalmente, construa uma visão crítica-social da sociedade, refletindo e possibilitando sua transformação e do mundo que a cerca. Vale ressaltar, por estarmos envolvidas nesse projeto, nós encontramos um grande desafio pela frente, que é fazer com que essas oficinas possibilitem não somente o acesso da população de Vila Dois Rios às TIC s, mas sim, fazer disto uma apropriação significativa para os envolvidos. Considerações Finais Desta forma, ao refletirmos sobre o impacto das TIC s no cotidiano de jovens e adultos, percebemos que é o uso que fazemos dessas tecnologias que fará a diferença entre aqueles que dominam ou não as mídias. Sendo necessário proporcionar meios para que estes sejam inseridos na cultura digital, fazendo com que os mesmos se tornem autores e co-autores de sua própria aprendizagem. Cabe lembrar que as TIC s podem tanto potencializar e dinamizar o ensino, como podem ampliar e disseminar a exclusão; sendo este, um grande desafio para a educação, que deve repensar em como trabalhar valores numa sociedade cada vez mais informatizada e multifacetada. Logo, não poderíamos refletir sobre as TIC s no cotidiano de jovens e adultos, sem repensar sobre as práticas educativas que estão sendo utilizadas atualmente na Educação de Jovens e Adultos; sendo necessário questionarmos se os atuais processos de ensinoaprendizagem estão de fato promovendo a inclusão digital desse grupo social, ou se estão exacerbando a inclusão já existente.

8 8 Referências Bibliográficas: DURAN, D. Alfabetismo digital e desenvolvimento: das afirmações às interrogações. Dissertação de Mestrado da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, FRANCO, M.G. Inclusão Digital de Jovens e adultos Não Alfabetizados: um Compromisso Histórico, um Dever Ético. In: RAIÇA, D. (org.) Tecnologias para a educação inclusiva. São Paulo: Avercamp, FREIRE, P. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, KENSKY, V.M. Tecnologias e ensino presencial e a distância. Campinas, SP: Papirus, Educação e tecnologias: O novo ritmo da informação. Campinas, SP: Papirus, SILVEIRA, S. A. Inclusão digital: a miséria na era da informação. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001.

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031

Centro Acadêmico Paulo Freire - CAPed Maceió - Alagoas - Brasil ISSN: 1981-3031 COORDENADOR PEDAGÓGICO E SUA IMPORTÂNCIA NO PROCESSO DE ENSINO-APRENDIZAGEM Polyana Marques Lima Rodrigues 1 poly90lima@hotmail.com Willams dos Santos Rodrigues Lima 2 willams.rodrigues@hotmail.com RESUMO

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

Uma Avaliação dos Desafios e Oportunidades da Educação à Distância

Uma Avaliação dos Desafios e Oportunidades da Educação à Distância Uma Avaliação dos Desafios e Oportunidades da Educação à Distância Taíses Araújo da Silva Frederico Antônio de Oliveira Celma Maria dos Santos Catarina Donda Gomes da Fonseca Fabiano de Almeida Maia Fernando

Leia mais

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática.

Palavras-Chave: PIBID, Formação Inicial de Professores, Ensino de Informática. DESAFIOS DO ENSINO DA INFORMÁTICA NAS ESCOLAS PÚBLICAS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES RESUMO Jéssyca Edly Messias Ribeiro (IFRN) jeh_edly@hotmail.com Jefferson Hernane da Silva

Leia mais

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015

I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 I SEMINÁRIO POLÍTICAS PÚBLICAS E AÇÕES AFIRMATIVAS Universidade Federal de Santa Maria Observatório de Ações Afirmativas 20 a 21 de outubro de 2015 A GESTÃO ESCOLAR E O POTENCIAL DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO

Leia mais

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM O USO DAS TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM Luiz Carlos Chiofi Universidade Estadual de Londrina - PDE luizquinzi@seed.pr.gov.br Marta Regina Furlan

Leia mais

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA

PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA PIBID: DESCOBRINDO METODOLOGIAS DE ENSINO E RECURSOS DIDÁTICOS QUE PODEM FACILITAR O ENSINO DA MATEMÁTICA Naiane Novaes Nogueira 1 Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia UESB n_n_nai@hotmail.com José

Leia mais

OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS

OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS OS JOGOS DIGITAIS EDUCATIVOS NAS AULAS DE CIÊNCIAS SAYONARA RAMOS MARCELINO FERREIRA QUIRINO (UEPB) WILAVIA FERREIRA ALVES (UEPB) RAFAELA CORREIA DOS SANTOS (UEPB) PAULA ALMEIDA DE CASTRO (ORIENTADORA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CLAUDIOMAR PINHEIRO DA SILVA A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MÍDIAS NA ESCOLA PÚBLICA.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CLAUDIOMAR PINHEIRO DA SILVA A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MÍDIAS NA ESCOLA PÚBLICA. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CLAUDIOMAR PINHEIRO DA SILVA A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MÍDIAS NA ESCOLA PÚBLICA. CURITIBA 2015 CLAUDIOMAR PINHEIRO DA SILVA A EVOLUÇÃO TECNOLÓGICA DAS MÍDIAS NA ESCOLA PÚBLICA.

Leia mais

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação

MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Introdução Mídias na educação MÍDIAS NA EDUCAÇÃO Michele Gomes Felisberto; Micheli de Oliveira; Simone Pereira; Vagner Lean dos Reis Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha Introdução O mundo em que vivemos

Leia mais

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO

VI ENCONTRO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO REFLEXÕES SOBRE O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ACERCA DA EDUCAÇÃO Cristiane Silva Melo - UEM 1 Rosileide S. M. Florindo - UEM 2 Rosilene de Lima - UEM 3 RESUMO: Esta comunicação apresenta discussões acerca

Leia mais

A Música No Processo De Aprendizagem

A Música No Processo De Aprendizagem A Música No Processo De Aprendizagem Autora: Jéssica Antonia Schumann (FCSGN) * Coautor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: O presente trabalho tem por objetivo investigar sobre a importância em

Leia mais

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR?

EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? EDUCAÇÃO ESCOLAR: GESTOR OU ADMINISTRADOR? Maria Rafaela de Oliveira FECLESC-UECE Renata Leite Moura FECLESC-UECE RESUMO Este trabalho apresenta algumas reflexões acerca da Educação Escolar e dos desafios

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA

REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA REFLEXÕES SOBRE A UTILIZAÇÃO DE JOGOS CARTOGRÁFICOS COMO RECURSO DIDÁTICO NO ENSINO DE GEOGRAFIA Tais Pires de Oliveira Universidade Estadual de Maringá Departamento de Geografia tais_piresoliveira@hotmail.com

Leia mais

Destaque Documento Base Parágrafo

Destaque Documento Base Parágrafo DOCUMENTO BASE NACIONAL PROPOSTA DE ALTERAÇÃO FÓRUM ESTADUAL DE EJA DO TOCANTINS Destaque Documento Base Parágrafo 1. Diante do quadro diagnóstico que se apresenta da educação de jovens e adultos (EJA)

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: ELABORAÇÃO E UTILIZAÇÃO DE PROJETOS PEDAGÓGICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM Resumo Gisele Gomes Avelar Bernardes- UEG 1 Compreendendo que a educação é o ponto chave

Leia mais

O USO DO TANGRAM EM SALA DE AULA: DA EDUCAÇÃO INFANTIL AO ENSINO MÉDIO

O USO DO TANGRAM EM SALA DE AULA: DA EDUCAÇÃO INFANTIL AO ENSINO MÉDIO O USO DO TANGRAM EM SALA DE AULA: DA EDUCAÇÃO INFANTIL AO ENSINO MÉDIO Ana Paula Alves Baleeiro Orientadora, profª Ms. da Faculdade Alfredo Nasser apbaleeiro@yahoo.com.br Jonatas do Nascimento Sousa Graduando

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO NUMA ESCOLA DO CAMPO eliane.enaile@hotmail.com Introdução Nos últimos anos, as reflexões realizadas sobre a alfabetização têm mostrado que a aquisição da escrita é um processo complexo e multifacetado. Nesse processo, considera

Leia mais

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A INCLUSÃO DE ALUNOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Autora: Maria José Calado. Orientador: Professor Dr.Washington Luiz Martins (UFPE). Instituição Superior de

Leia mais

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME.

ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. ERRADICAR O ANALFABETISMO FUNCIONAL PARA ACABAR COM A EXTREMA POBREZA E A FOME. Adriane Abrantes Lazarotti 1 Gisele Rogelin Prass ¹ Pedrinho Roman 2 RESUMO A educação está buscando soluções para problemas

Leia mais

JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO

JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO JOGOS NAS AULAS DE HISTÓRIA ATRAVÉS DO PIBID: UMA POSSIBILIDADE DE CONSTRUÇÃO DE CONHECIMENTO E DE INTERAÇÃO Rayssa Eutália Gurjão Coutinho Borges 1 Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) E-mail: rayssagurjao@hotmail.com

Leia mais

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO

INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO : PARA UMA BOA INFORMÁTICA EDUCATIVA, UM BOM PEDAGOGO Jorge, A. M. UEM alinemjorge@hotmail.com Eixo Temático: Didática: Comunicação e Tecnologia Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS

O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS O USO DO EDITOR DE APRESENTAÇÃO NO DESENVOLVIMENTO DE ATIVIDADES EDUCATIVAS Mário Sérgio de Andrade Mendonça, mariomendonc@gmail.com Eduardo Machado Real, eduardomreal@uems.br UEMS Universidade Estadual

Leia mais

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO DA PRÁTICA PEDAGÓGICA Tema debatido na série Integração de tecnologias, linguagens e representações, apresentado no programa Salto para o Futuro/TV Escola, de 2 a 6 de maio de 2005 (Programa 1) INTEGRAÇÃO DE MÍDIAS E A RECONSTRUÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CAMPUS DE PRESIDENTE PRUDENTE FACULDADE DE CIÊNCIAS E TECNOLOGIA A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA Avaliação Da Prática Docente A AVALIAÇÃO NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES ATRAVÉS DE SUA PRÁTICA DOCENTE Autora: Maria Peregrina de Fátima Rotta Furlanetti Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade Estadual

Leia mais

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2

Londrina, 29 a 31 de outubro de 2007 ISBN 978-85-99643-11-2 O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA PARA TRABALHAR COM PESSOAS COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Jane Aparecida de Souza Santana (FCT/Unesp) Ms. Flaviana dos Santos Silva Profª Drª Elisa Tomoe Moriya Schlünzen

Leia mais

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA)

INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS (EJA) LOURENÇO, Érica Simone 1 PELOZO, Rita de Cassia Borguetti 2 VIEIRA, Kátia Solange Borges 3 VIEIRA, Rosimeire Garcia 4 RESUMO Este artigo tem como

Leia mais

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA

CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA CARTA ABERTA EM DEFESA DO PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA O Fórum das universidades públicas participantes do PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA vem, por meio desta, defender

Leia mais

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem.

Palavras-chave: Letramento. Alfabetização. Ensino-aprendizagem. ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O ENSINO-APRENDIZAGEM DA LEITURA E ESCRITA NAS SERIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL RESUMO: BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1

FORMAÇÃO DOCENTE: UMA REFLEXÃO SOBRE O USO DAS TIC NO DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE APRENDIZAGEM 1 AYRES, Sandra Regina Braz; MILANESI, Irton; MILHOMEM, André Luiz Borges. Formação Docente: Uma reflexão sobre o uso das TIC no desenvolvimento de projetos de aprendizagem. SemiEdu2010 - ISSN:1518-4846

Leia mais

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE

TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA ESCOLA CONTEMPORÂNEA: NOVOS DESAFIOS DA CARREIRA DOCENTE Resumo O estudo objetiva discutir os desafios dos cursos de formação de professores frente à inserção

Leia mais

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS

A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS A INCLUSÃO DOS DIREITOS HUMANOS NAS TURMAS DO EJA POR MEIO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Gisllayne Rufino Souza UFPB gisllayne.souza@gmail.com Profa. Dra. Marlene Helena de Oliveira França UFPB/Centro de Educação/Núcleo

Leia mais

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem.

ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Palavras chave: Software Educativo; Construção do Conhecimento; Aprendizagem. ANÁLISE DE SOFTWARE EDUCATIVO NO ENSINO DE MATEMÁTICA. Débora Janaína Ribeiro e Silva Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba debora_jr10@yahoo.com.br Resumo Este trabalho teve como

Leia mais

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR

AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE. Adriana Noviski Manso - PUCPR AÇÃO INTEGRADA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PARTIR DE UM PROJETO DE SAÚDE Adriana Noviski Manso - PUCPR Beatriz Ferreira da Rocha - PUCPR Romilda Teodora Ens - PUCSP/PUCPR Resumo O presente relato

Leia mais

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ

19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ 19/07 ENSINO E APRENDIZAGEM DA LINGUAGEM ESCRITA EM CLASSES MULTISSERIADAS NA EDUCAÇÃO DO CAMPO NA ILHA DE MARAJÓ Waldemar dos Santos Cardoso Junior (Universidade Federal do Pará /Campus Universitário

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS

FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS FORMAÇÃO CONTINUADA A DISTÂNCIA: UM CAMINHO POSSÍVEL? PROPOSTA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTOS Santos SP - Maio/ 2010 Marta Fernandes Garcia Secretaria de Educação Prefeitura

Leia mais

AS INQUIETAÇÕES OCASIONADAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA REDE REGULAR DE ENSINO

AS INQUIETAÇÕES OCASIONADAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA REDE REGULAR DE ENSINO AS INQUIETAÇÕES OCASIONADAS NA ALFABETIZAÇÃO DE CRIANÇAS COM SÍNDROME DE DOWN NA REDE REGULAR DE ENSINO MORAES Violeta Porto Resumo KUBASKI Cristiane O presente artigo tem como objetivo colocar em pauta

Leia mais

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA

EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( x ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTOS COMO FORMA DE MEMÓRIA Apresentador 1 Merylin Ricieli

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA

A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA A IMPORTÂNCIA DO ASSISTENTE SOCIAL NOS PROJETOS SOCIAIS E NA EDUCAÇÃO - UMA BREVE ANÁLISE DA EXPERIÊNCIA DO PROJETO DEGRAUS CRIANÇA Tamara Nomura NOZAWA 1 Telma Lúcia Aglio GARCIA 2 Edmárcia Fidelis ROCHA

Leia mais

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias

LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias LOGO: Educação Matemática e Novas Tecnologias Denice Aparecida Fontana Nisxota MEMEGAIS 1 denice@unemat.br, Adriana Cristina da SILVA 2 crystinaadri@hotmail.com Cleyton Borges dos SANTOS 3 cleyton.borges@gmail.com

Leia mais

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA 1

VANTAGENS E DESVANTAGENS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA 1 VANTAGENS E DESVANTAGENS DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA DE LÍNGUA ESTRANGEIRA 1 Thais Cerqueira Faria Centro Universitário São José de Itaperuna(UNIFSJ) RESUMO: A internet é um instrumento poderoso nos dias atuais,

Leia mais

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO.

QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. RESUMO QUANTO VALE O MEU DINHEIRO? EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PARA O CONSUMO. Francinilda Raquel Cardoso Silva (1); José Jorge Casimiro dos Santos (2) Faculdade São Francisco da Paraíba raquelmk06@gmail.com ¹

Leia mais

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula.

Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Mídia e educação: O uso das novas tecnologias em sala de aula. Sabrine Denardi de Menezes da Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha - Campus São Vicente do Sul RESUMO: A

Leia mais

A INFORMÁTICA E O ENSINO DA MATEMÁTICA

A INFORMÁTICA E O ENSINO DA MATEMÁTICA A INFORMÁTICA E O ENSINO DA MATEMÁTICA Nélia Caires da Silva Acadêmico de Matemática da FACITEC Andreia Júlio de Oliveira Rocha MSc. Em Ensino de Ciências Naturais e Matemática FACITEC Resumo Essa pesquisa

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: O BINÔMIO COMPUTADOR E EDUCAÇÃO por Wesley José Silva Setembro, 2004 A informática hoje vem sendo uma das soluções a ser implantada na didática de ensino aprendizagem, tendo como

Leia mais

GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA

GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA www.uniube.brpropepmestradorevista GESTÃO EDUCACIONAL E TECNOLOGIA SILVA, Eduardo Alex Carvalho Ribeiroi Lívia Rodrigues Acadêmico do Curso de Licenciatura Plena em Ciências Biológicas do Centro Federal

Leia mais

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA

CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA CONTRATEMPOS E QUESTIONAMENTOS QUE INTERFEREM NO PLANEJAMENTO DA AULA: EXPERIÊNCIAS DOS ALUNOS DO PIBID MATEMÁTICA Amanda Aparecida Rocha Machado Universidade Federal do Triângulo Mineiro E-mail: amandamachado_56@hotmail.com

Leia mais

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS

PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPROMISSOS E DESAFIOS Letícia Luana Claudino da Silva Discente de Psicologia da Universidade Federal de Campina Grande. Bolsista do Programa de Saúde. PET/Redes

Leia mais

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento

Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fundamentos para uma prática pedagógica: convite de casamento Fernando José de Almeida Maria Elizabeth Bianconcini de Almeida Casamento não significa felicidade automática e garantida. Isso só acontece

Leia mais

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA

A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA A EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS E AS DIFICULDADES ENFRENTADAS POR PROFESSORES DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE FORTALEZA Gabriela de Aguiar Carvalho, UFC Orientadora: Maria José Costa dos Santos, UFC INTRODUÇÃO

Leia mais

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil.

O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. O espetáculo do consumo: a relação entre crianças e mídia na educação infantil. Universidade Federal de Santa Catarina julianacmuller@hotmail.com Ficamos sabendo pelo narrador que as novas aventuras fizeram

Leia mais

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira

Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES. Prof. Tarciso Oliveira Unidade III ORIENTAÇÃO E PRÁTICA DE GESTÃO DA EDUCAÇÃO EM AMBIENTES ESCOLARES E NÃO ESCOLARES Prof. Tarciso Oliveira 7. A gestão da educação em ambientes não escolares A pedagogia como ciência da educação

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL & SAÚDE: ABORDANDO O TEMA RECICLAGEM NO CONTEXTO ESCOLAR ARNOR, Asneth Êmilly de Oliveira; DA SILVA, Ana Maria Gomes; DA SILVA, Ana Paula; DA SILVA, Tatiana Graduanda em Pedagogia -UFPB-

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Gina Sanchez, Instituto de Ensino Superior de Bauru IESB PREVE; Leila Maria Ferreira Salles, UNESP/IB - Rio Claro. A participação

Leia mais

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES

DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES DIFICULDADES NA APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NA ESCOLA OSVALDO DA COSTA E SILVA: ALGUMAS CAUSAS E POSSÍVESIS SOLUÇÕES Rogério Sousa AZEVEDO (1); Iara M Cavalcante NOLETO (2) (1 e 2) Instituto Federal de

Leia mais

Palavras-chave: Novas Tecnologias Educação Professor Prática Pedagógica

Palavras-chave: Novas Tecnologias Educação Professor Prática Pedagógica EDUCAÇÃO E PROFESSOR DIANTE DO USO DAS NOVAS TECNOLOGIAS Resumo Marília Gerlane Guimarães da Silva graduanda UEPB mariliagerlany@hotmail.com Orientadora: Profª Ms. Eliane Brito de Lima- UEPB/PMCG eliabrito@ig.com.br

Leia mais

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização.

IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização. IX Diálogos em Paulo Freire: Utopia, Esperança e Humanização. EDUCADOR SOCIAL: PROFISSÃO E PERFIL HUMANIZADO, UMA ESPERANÇA PARA A EDUCAÇÃO SOCIAL. Nara Rosana Godfried Nachtigall 1 Este artigo se constitui

Leia mais

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013

MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 AV1 Estudo Dirigido da Disciplina CURSO: Administração Escolar DISCIPLINA: Educação Inclusiva ALUNO(A):Claudia Maria de Barros Fernandes Domingues MATRÍCULA: 52862 DATA: 15/09/2013 NÚCLEO REGIONAL: Rio

Leia mais

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1

NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NARRATIVAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 Helker Silva Paixão 2 Universidade Federal de Lavras helkermeister@gmail.com Patrícia Nádia Nascimento Gomes 3 Universidade Federal de Lavras paty.ufla@yahoo.com.br

Leia mais

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO A LEITURA E O PROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Adriana M. das Virgens Chagas (adrianachagas3@hotmail.com) Aluna de graduação do curso de Pedagogia das Faculdades Integradas de Aracruz Luciana C.

Leia mais

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2]

Maria Izabel Rodrigues TOGNATO[2] PROFESSOR OU EDUCADOR? CIDADANIA UMA RESPONSABILIDADE SOCIAL NO ENSINO DE LITERATURA E DA PRÁTICA DE ENSINO NA FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA Referência: TOGNATO, M.I.R..

Leia mais

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO

DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO E DESENVOLVIMENTO MENTAL DO INDIVIDUO Maria Sebastiana Gomes Mota¹ Francisca Elisa de Lima Pereira² Resumo: Este artigo tem como objetivo

Leia mais

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS

A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS A EDUCAÇÃO PARA A EMANCIPAÇÃO NA CONTEMPORANEIDADE: UM DIÁLOGO NAS VOZES DE ADORNO, KANT E MÉSZÁROS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Universidade Federal do Piauí kelyoliveira_@hotmail.com INTRODUÇÃO Diante

Leia mais

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA

O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA O PEDAGOGO E O CONSELHO DE ESCOLA: UMA ARTICULAÇÃO NECESSÁRIA SANTOS *, Josiane Gonçalves SME/CTBA josiane_2104@hotmail.com Resumo Os tempos mudaram, a escola mudou. Refletir sobre a escola na contemporaneidade

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC)

FORMAÇÃO DE PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC) FORMAÇÃO DE PROFESSOR E AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO (TIC) Divina Rosangela de Souza Costa UCG Joana Peixoto UCG Comunicação Formação e profissionalização docente O presente trabalho tem

Leia mais

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO.

INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. INTEGRAÇÃO UNIVERSIDADE X ENSINO MÉDIO: INTERVENÇÃO MULTIDISCIPLINAR EM ADMINITRAÇÃO, INFORMÁTICA E EDUCAÇÃO. Grupo PET Administração Universidade Federal de Lavras UFLA Resumo Os jovens formam o conjunto

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

Direito a inclusão digital Nelson Joaquim

Direito a inclusão digital Nelson Joaquim 1 Direito a inclusão digital Nelson Joaquim Vivemos num mundo globalizado, numa sociedade da informação e do conhecimento. A inclusão digital faz parte do direito à educação, até porque as novas tecnologias

Leia mais

UM ESTUDO DAS POSSIBILIDADES DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA ESCOLAR DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DO NUMERAMENTO

UM ESTUDO DAS POSSIBILIDADES DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA ESCOLAR DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DO NUMERAMENTO UM ESTUDO DAS POSSIBILIDADES DA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA ESCOLAR DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DO NUMERAMENTO FARIA, Juliana Batista. UFMG julianabmat@yahoo.com.br Membro do Grupo Estudos sobre Numeramento

Leia mais

EEFM Raimundo Marques de Almeida

EEFM Raimundo Marques de Almeida DESCRIPCIÓN DE LA INSTITUCIÓN UBICACIÓN GEOGRÁFICA Região: Nordeste Município: Quixadá CE Título da experiência: Libras, uma ponte para a comunicação com o mundo do silêncio Autoras: Jacinta Maria da Silva

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA 1 PERCEPÇÃO DOS ALUNOS SOBRE SUA ATUAÇÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Brasília - DF- Fevereiro 2013 Priscila Alessandra da Silva Universidade Federal de Brasília priscilaalesilva@gmail.com Fernanda Carla Universidade

Leia mais

RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA EM TRIGONOMETRIA

RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA EM TRIGONOMETRIA ISSN 2316-7785 RESOLUÇÃO DE SITUAÇÕES-PROBLEMA EM TRIGONOMETRIA Priscila Sonza Frigo Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões- Campus Santiago E-mail: prisaninho@hotmail.com Franciele

Leia mais

O CURRÍCULO PROPOSTO PARA A ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ITINERANTES DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA NO PARANÁ.

O CURRÍCULO PROPOSTO PARA A ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ITINERANTES DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA NO PARANÁ. O CURRÍCULO PROPOSTO PARA A ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NAS ESCOLAS ITINERANTES DO MOVIMENTO DOS TRABALHADORES RURAIS SEM TERRA NO PARANÁ. CAMPOS, Eronilse de F átima- (BIC/UNICENTRO SAPELLI, Marlene

Leia mais

BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus I julia.araujo13@gmail.com

BARBOSA, Maria Julia de Araújo. Pedagogia - UEPB/Campus I julia.araujo13@gmail.com LIMITES E DIFICULDADES PARA ALFABETIZAR E LETRAR TURMA DA EJA: EXPERIÊNCIA DO PIBID SILVA, Alzira Maria Lima da. Graduanda Pedagogia - UEPB/Campus I alziralima37@hotmail.com BARBOSA, Maria Julia de Araújo.

Leia mais

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO

PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO PEDAGOGIA ENADE 2005 PADRÃO DE RESPOSTAS - QUESTÕES DISCURSIVAS COMPONENTE ESPECÍFICO QUESTÃO 4 a) O conteúdo do diálogo a ser completado deve manifestar que as colocações da aluna não constituem aquilo

Leia mais

Competências do Século XXI: Revelações e Reflexões sobre a Literacia Digital para a Língua Portuguesa. Dalcorso, Claudia Zuppini 1

Competências do Século XXI: Revelações e Reflexões sobre a Literacia Digital para a Língua Portuguesa. Dalcorso, Claudia Zuppini 1 Competências do Século XXI: Revelações e Reflexões sobre a Literacia Digital para a Língua Portuguesa Dalcorso, Claudia Zuppini 1 Resumo Entendendo que o professor é um adulto e, como tal, vive processos

Leia mais

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA

REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA 178 REFLEXÃO E INTERVENÇÃO: PALAVRAS-CHAVE PARA A PRÁTICA EDUCATIVA FEBA, Berta Lúcia Tagliari 1... ler é solidarizar-se pela reflexão, pelo diálogo com o outro, a quem altera e que o altera (YUNES, 2002,

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores, software livre e TIC s.

Palavras-chave: Formação de professores, software livre e TIC s. INFORMÁTICA EDUCATIVA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM UMA ESCOLA PÚBLICA: PROCESSOS DE POTENCIALIZAÇÃO DOS SABERES E PRÁTICAS Jardel Silva 1 Alex Sandro C. Sant Ana 2 RESUMO Aliada às discussões

Leia mais

GeoGebra: o uso do computador no ensino de geometria plana 1

GeoGebra: o uso do computador no ensino de geometria plana 1 GeoGebra: o uso do computador no ensino de geometria plana 1 Wadames Procópio Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Brasil professorwadames@yahoo.com.br Antonio Carlos Brolezzi Brasil

Leia mais

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: UMA INVESTIGAÇÃO A CERCA DOS RESULTADOS ALCANÇADOS PELO PROGRAMA EM UMA ESCOLA DO INTERIOR DO PARÁ

PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: UMA INVESTIGAÇÃO A CERCA DOS RESULTADOS ALCANÇADOS PELO PROGRAMA EM UMA ESCOLA DO INTERIOR DO PARÁ PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA: UMA INVESTIGAÇÃO A CERCA DOS RESULTADOS ALCANÇADOS PELO PROGRAMA EM UMA ESCOLA DO INTERIOR DO PARÁ Resumo Patrícia Raphaele da Costa Silva 1 - UFPA Francisca

Leia mais

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ENSINO MÉDIO 1

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ENSINO MÉDIO 1 INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ENSINO MÉDIO 1 Elisabeth Karoline de Oliveira Medeiros Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba E-mail:karolmedeirossjt@hotmail.com Introdução Rafael

Leia mais

DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E EXTINÇÃO DE ANIMAIS DA REGIÃO AMAZÔNICA: O ENSINO DE CIÊNCIAS ATRAVÉS DA CONSTRUÇÃO DE UM TELEJORNAL

DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E EXTINÇÃO DE ANIMAIS DA REGIÃO AMAZÔNICA: O ENSINO DE CIÊNCIAS ATRAVÉS DA CONSTRUÇÃO DE UM TELEJORNAL 1 DESEQUILÍBRIO ECOLÓGICO E EXTINÇÃO DE ANIMAIS DA REGIÃO AMAZÔNICA: O ENSINO DE CIÊNCIAS ATRAVÉS DA CONSTRUÇÃO DE UM TELEJORNAL Dayanne Dailla da Silva Cajueiro (Universidade Federal do Pará- UFPA-PIBID)

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL A EPISTEMOLOGIA NA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Nilson Duarte Rocha 1 Lúcio Jorge Hammes 2 Resumo Este artigo apresenta a epistemológica para a efetivação de uma educação ambiental transformadora do sujeito-aluno

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo

A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Resumo A UTILIZAÇÃO DE TECNOLOGIAS NO ENSINO DE ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Camila Lacerda Ortigosa Pedagogia/UFU mila.lacerda.g@gmail.com Eixo Temático: Educação Infantil Relato de Experiência Resumo

Leia mais

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO

CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO CONSTITUINDO REFERENCIAIS TEÓRICO-METODOLÓGICOS: CONTRIBUIÇÕES DO PIBID PARA O TRABALHO COM ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Bruna Mendes Muniz 1 Gislaine Aparecida Puton Zortêa 2 Jéssica Taís de Oliveira Silva

Leia mais

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA A APAE E A EDUCAÇÃO INCLUSIVA - APRESENTAÇÃO 1- COMO SURGIU A IDÉIA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 2- O QUE SIGNIFICA INCLUSÃO ESCOLAR? 3- QUAIS AS LEIS QUE GARANTEM A EDUCAÇÃO INCLUSIVA? 4- O QUE É UMA ESCOLA

Leia mais

O MOODLE COMO FERRAMENTA DIDÁTICA

O MOODLE COMO FERRAMENTA DIDÁTICA 1 O MOODLE COMO FERRAMENTA DIDÁTICA Andréia de Souza Alencar Fernanda Cristina de Paula Matias Fernanda Pereira Guimarães Rodrigo Sanches de Oliveira Resumo: Educação a distância (EaD) e Software Livre

Leia mais

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática

Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Desenho: da imagem mental à representação gráfica - uma proposta para o ensino da Matemática Patricia Andretta 1 Ana Maria P. Liblik 2 Resumo O presente projeto de pesquisa terá como objetivo compreender

Leia mais

OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França

OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França OS SENTIDOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA CONTEMPORANEIDADE Amanda Sampaio França amandi'a_07@hotmail.com Jaqueline dos Santos Costa santoscosta_jaqueline@hotmail.com Mirsa Gabriela gabiflorosa@hotmail.com

Leia mais

9. Os ciclos de aprendizagem e a organização da prática pedagógica

9. Os ciclos de aprendizagem e a organização da prática pedagógica L 9 Os ciclos de aprendizagem e a organização da prática pedagógica Diretoria Geral de Ensino/SE/Prefeitura do Recife A organização da prática pedagógica em ciclos de aprendizagem requer, necessariamente,

Leia mais

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática

O Uso de Softwares Educativos... Pacheco & Barros. O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática O Uso de Softwares Educativos no Ensino de Matemática José Adson D. Pacheco & Janaina V. Barros - UPE Resumo: O presente artigo avalia a utilização de softwares educativos de matemática na sala de aula

Leia mais

O MUNDO DENTRO E FORA DA SALA DE AULA: idas e vindas na busca de uma escola cidadã

O MUNDO DENTRO E FORA DA SALA DE AULA: idas e vindas na busca de uma escola cidadã O MUNDO DENTRO E FORA DA SALA DE AULA: idas e vindas na busca de uma escola cidadã Ana Paola da Silva Universidade Federal de Campina Grande- UFCG anapaolacg@yahoo.com.br 1. INTRODUÇÃO A EJA1, de acordo

Leia mais

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos.

Indicamos inicialmente os números de cada item do questionário e, em seguida, apresentamos os dados com os comentários dos alunos. Os dados e resultados abaixo se referem ao preenchimento do questionário Das Práticas de Ensino na percepção de estudantes de Licenciaturas da UFSJ por dez estudantes do curso de Licenciatura Plena em

Leia mais

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES

EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES EDUCAÇÃO NÃO FORMAL E MOVIMENTOS SOCIAIS - PRÁTICAS EDUCATIVAS NOS ESPAÇOS NÃO ESCOLARES Deneusa Luzia Rodrigues - UNIVILLE Elizabete Tamanini UNIVILLE Programa de Mestrado em Educação - UNIVILLE Resumo:

Leia mais

O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS.

O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS. O JOGO DIDÁTICO NA TRILHA DA SAÚDE : CONTRIBUIÇÕES PARA O ENSINO DA TEMÁTICA DIETA, ALIMENTAÇÃO E SAÚDE NO ENSINO DE CIÊNCIAS. Andressa Luíssa França Borralho (Licenciando em Ciências da Natureza - UFPI),

Leia mais