Tecnologia e conhecimento em saneamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia e conhecimento em saneamento"

Transcrição

1 Tecnologia e conhecimento em saneamento Soluções integrais aprovadas por mais de 140 anos Maio 2015 Water Brazil

2 A nossa identidade 35,7% 7,2% 4,1% 53,0% 2 I

3 A nossa presença UK América central América do norte Espanha França Índia África Austrália Chile Brasil Atividade em 70 países concessões: Aguas andinas, Aguas de Barcelona, Lyonnaise des Eaux e outras. 3 I

4 A nossa empresa 4 atividades englobando segmentos WATER Water management Water advanced solutions 92 milhões de pessoas Abastecidas, 10 milhões mediante Agua dessalinizada RECYCLING & WASTE RECOVERY Recycling Hazardous waste On Site and industrial solutions Organics Mais de 150 anos de experiência e conhecimento TREATMENT SOLUTIONS CONSULTING DBO Industrial solutions No segment with regards to the activity size milhões de euros cifra global de negócios Clientes industriais e comerciais 74 milhoes Investimento P&D Profissionais 4 I

5 Tecnologias, Serviço e Operação Descrição Entendemos o tratamento de águas como operador, publico e privado, com expertos a nível internacional e conhecimento das mais avançadas tecnologias

6 Nosso Âmbito Irrigação Fertirrigação de precisão Gestão avançada de irrigação (drons,,saneamento) Produção e transporte Controle da qualidade Localização de vazamentos Sistemas avançados de controle Gestão de perdas Contratos de performance Setorização e gestão de perdas Modulação de pressões Gestão de ativos Integração do GIS Manutenção Modelos de envelhecimento e otimização de investimentos Impacto ao meio Gestão de zonas de banho Controle Ambiental Alertas e publicação Rede e comercial AquaCIS Gestão comercial Teleleitura Tratamento agua, esgoto, efluentes e energia Terceirização ETEs Setor industrial (EQ) Secagem Térmica de lodos Sistemas de eficiência energética

7 A nossa empresa I+D+i próprio e aplicado a mais de 140 anos ORIGEM Necessidades da AGBAR ( Operador ) Desenvolvimento interno de I+D+i Constantemente Testado OBJETIVO / RESULTADOS Eficiência Operacional Redução de Custos Incremento de Lucro Otimização Comercial e Estrutural TECNOLOGIA CONSULTORIA PROJETO / ENGENHARIA CONSTRUÇÃO OPERAÇÕES E GESTÃO

8 NOSSO ÂMBITO PUBLICO E PRIVADO Tecnologias, serviços e operação Projetos o Planos diretores o Ampliação e construção de ETE, ETA, URA o Drenagem urbana o Estação de efluentes Industriais e reuso Tratamento o Tratamento e secagem de lodos o Tratamento de esgotos o Qualidade de aguas de processo industrial Eficiência o Eficiência de redes: Detecção de vazamentos - hardware e softwareo Gisaqua -Geografical Information Systemo ANR -agua não registrada- tecnologia própria: ações e operação Gestão Comercial Reengeneria de procesos comerciais o Definição e Implantação de Planos Estratégicos o Eficiência da micromedição o Recadastro de Redes e Consumidores o Telemetria Telemetria grandes consumidores Detecção de Fraudes Sistema para a Gestão Comercial para empresas em Saneamento Consultoria Tecnica Estudo rentabilidade de aproveitamento de agua tratada Concepção ou gestão de instalações Controle analítico de qualidade de aguas Formação técnica e knowledge-transfer

9 NOSSO ÂMBITO INDUSTRIAL Melhora técnica e comercial o Efluentes e terceirização de ETE Problemas com a capacidade de tratamento de Efluentes: limites de emissão, alto custo operacional ou interesse em centrar em atividades core do negocio e terceirizar atividades não estratégicas o Diagnóstico e eficiência para redução de custos ÁGUA ou TRATAMENTO Custos: aproveitamento de águas de processo para refrigeração, para lavagem e outros. Monitoramento de consumos, Automatização de processos de água, busca de fontes de abastecimento alternativas, redução do consumo o Secagem de lodos para grandes vazões Vazão lodo mínimo: 15T/mês lodo húmido, próximo a grau humidade:80% o Eletroquímica Águas de DIFÍCIL tratamento, não são suficientes tratamentos tradicionais. Contêm metais, óleos, antibióticos, Vazão > 20m3/h"

10 Modelos de parceria Grau de implicação Aqualogy Realização e diagnósticos hídricos e energéticos para identificara melhoras que reduzam custos, consumos, etc. Consultoria Externalização parcial/total da gestão de agua e energia (manutenção, analíticas, etc) Assistência técnica, desenho e execução projetos Externalização gestão ciclo integral da agua O&M Suporte no desenho e implementação de melhorias que permitam atingir os objetivos Duração de colaboração DBO / BOT Investimento em determinados ativos a cambio da operação e manutenção dos mesmos durante um período +

11 11 I Visitas Barcelona

12 Programa ES - BR Experiência em desenvolver atividades também no Brasil AGUA Laboratorio de Aigües de Barcelona Centro de Control Operativo Workshop: sectorización y agua no registrada ETAP de Sant Joan Despí Workshop, secado térmico de fangos Workshop, eficiencia energética SANEAMENTO EDAR del Besòs ERA del Prat de Llobregat Workshop sobre agua de reuso REGULAÇÃO Autoridad metropolitana de Barcelona 12 I Workshop sobre regulación en saneamiento y potabilización

13 Laboratório Autovia de Castelldefels, C-31, km 187, Camí de la Murtra 13 I

14 ETAP Sant Joan Despí 14 I

15 EDAR Besòs 15 I

16 ERA del prat de Llobregat 16 I

17 17 I Alguns Projetos no Brasil

18 Controle ambiental: Projeto Baia de Guanabara, RJ. MELHORIAS PARA O MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS CORPOS HÍDRICOS NOS MUNICÍPIOS NO ENTORNO DA BAÍA DE GUANABARA MEIO INDUSTRIAL MEIO NATURAL LABORATORIO (+) TOP 150 atividades (+) O&G em Duque de Caxias (+) plano vistorias mensais (+)analistas ambientais (+) aumento rotinas: de trimestral a bimestral (+) acompanhamento PROCON (+) revisão normas controle (+) analistas ambientais (+) aumento numero amostras itens (1) e (2) (+) suporte e metodologias (+) técnicos laboratório 18 I 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÂO (+) revisão sistemas PROCON (+) benchmarking (+) analistas sistemas

19 Unidade de Serviços Integrados - USI Desde Junho/2013, SUEZ vem prestando serviços de Assistência Técnica a Odebrecht Ambiental desde a estruturação e assistência na implantação da Unidade de Serviços Integrados (USI), desde a qual se prestam serviços de Back Office Comercial. Entre outros serviços: (i) Leitura, faturamento, recaudo e cobrança; (ii) Gestão do parque de medidores e detecção de consumos irregulares; (iii) Call Center e Serviços de Atenção Remota. A transformação do modelo de gestão comercial busca gerar sinergias, a especialização das atividades de Back Office, reduzir custos e aumentar os ingressos pela melhoria dos níveis de serviço. Desde a perspectiva do Negocio, o projeto servirá para iniciar a entrada no Brasil dos serviços da oferta Revenues (metering e NRW) assim como a consolidação de uma aliança com um partner estratégico na região. 5,16 mi de habitantes; 1,27 mi de clientes 1052 empregados das áreas comerciais ~ 1200 clientes / empregados Reengenharia: 690 KEur Assistência na Implantação: 1,0 MEur + 20% da captura de economias nos próximos 5 anos. 19

20 Estudos e Propostas para Integração e Otimização dos Sistemas Produtores da Região Metropolitana de Recife Localização: Recife/PE Nome do Cliente: COMPESA Descrição do Projeto: O projeto executivo na ETE Tatu foi elaborado com a seguinte descrição: A operação do sistema global de produção de água de Recife (RMR) se encontra num momento crítico, dado o escasso nível de rendimento global, e a operação da rede que, além de ser ultrapassada, esta dispersa em diferentes subsistemas. Este projeto aspira à identificação e a resolução dos principais problemas de funcionamento e operação do sistema global de abastecimento através de uma análise dos sistemas de produção. O projeto está sendo dividido em quatro (4) etapas, apresentadas a seguir: Etapa 1 (Diagnóstico dos sistemas existentes; Desenvolvimento) Etapa 2 (Trabalho de levantamentos topográficos e geotécnicos; Desenvolvimento) Etapa 3 (Sistema de relatório de desempenho atual e otimização global proposto) Etapa 4 (Desenvolvimento de manuais de controle operacional e as situações atuais e futuras. Treinamento; Desenvolvimento). 20 I

21 Plano Diretor dos Sistema de Saneamento da Região Metropolitana de Recife (RMR) e Municipio de Goiana (Recife, Brasil) Localização: Recife/PE Nome do Cliente: Odebrecht Ambiental 21 I Descrição do Projeto: O objetivo do Plano Diretor é a definição das grandes obras necessárias para alcançar o objetivo do saneamento em As principais características das infraestruturas projetadas incluem: Sistemas de saneamento para 15 municípios da Região Metropolitana de Recife e Goiana com uma população final (2047) de habitantes distribuídas em 313 sub bacias. Modelo hidráulico (Infoworks CS) e predefinição das redes principais e estações de bombeamento necessárias para coleta da água residual gerada em cada sub bacia e seu posterior transporte até as estações de tratamento (ETE) Pré-Projeto de 21 estações de tratamento de água residual incluindo diferentes tecnologias de tratamento segundo as vazões de tratamento, dividindo 6 grandes ETEs, 5 ETEs medianas e 10 ETEs pequenas Estimativa das redes secundárias a serem construídas para coleta de água residual dentro de cada sub bacia (4.935 km) Estimativa dos custos de investimentos das obras propostas para a construção das redes principais e ETEs, para a construção das redes secundárias. A estimativa dos custos de operação das redes principais e ETEs.

22 Plano Diretor de Saneamento Básico Localização: Santa Maria/RS Nome do Cliente: Prefeitura Municipal de Santa Maria Descrição do Projeto: O projeto consistiu em desenvolver o Plano Diretor de Saneamento e Desenvolvimento Municipal no Município de Santa Maria / RS. Plano de comunicação: consultas e audiências; Relatório de diagnóstico: composto pelo diagnóstico operacional, uma avaliação institucional e uma avaliação econômica comercial e financeira; Relatório de análise e projeção da demanda, contendo a evolução prevista da demanda global e por unidade de planejamento, assim como a análise da oferta disponível e potencial. Relatório de prognóstico descrevendo o estudo das soluções contempladas, assim como o plano de metas. Relatório de Programas, projetos e ações, apresentando as mediadas propostas a implementar. Relatório de sustentabilidade contendo a justificativa financeira, econômica e legal de todas as ações que são propostas. Relatório de modelo de gestão e estrutura de regulação Anteprojetos de lei, compreendendo o estudo requerido e as bases do texto para a elaboração de anteprojetos de lei relativos aos temas pertinentes. A visão integrada de seus componentes: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos urbanos. A definição das funções de gestão dos serviços públicos de saneamento. 22 I

23 Projeto de Eficiência Energética Localização: Barueri/SP Nome do Cliente: Odebrecht Ambiental Descrição do Projeto: O projeto foi elaborado em duas fases, sendo elas: FASE 1: Estudo preliminar da infraestrutura das instalações da Foz do Brasil, determinando o âmbito de atuação com maior potencialidade de economia energética. Estudo tarifário elétrico das instalações e adequações das mesmas Análise do regime de exploração das Instalações, com alternativas de melhorias. FASE 2: Auditorias energéticas sobre 20 instalações, obtendo soluções operacionais e especificas para cada instalação. Relatório das auditorias com as economias potenciais para cada instalação Proposta de ajuste de rendimentos ou substituição dos equipamentos das instalações. Planos de ação específicos, incluindo a indicação dos investimentos a serem realizados e a apresentação de análise de viabilidade e pay-back 23 I

24 Projeto de Secagem Térmica de Lodos na ETE Tatu Localização: Limeira/SP Nome do Cliente: Odebrecht Ambiental Descrição do Projeto: O projeto de secagem térmica de lodos na ETE Tatu foi elaborado com a seguinte descrição: A estação consistirá em um equipamento de secagem térmica de lodos através da tecnologia AQUALOGY de secagem à baixa temperatura, associada com uma bomba de calor, assim como, equipamentos periféricos requeridos para o funcionamento do conjunto. O sistema STC de secagem térmica de lodos em baixa temperatura se baseia no princípio de secagem por convecção mediante o ar quente, em um túnel contínuo fechado. Os lodos depositam-se no sistema de conformação, cuja finalidade é ser distribuído uniformemente em toda a largura da esteira de secagem, facilitando a passagem de ar através do mesmo. O sistema baseia-se em duas esteiras de secagem que percorrem um túnel longitudinalmente em sentidos opostos. Durante seu percurso, é adicionado um ar quente e seco que circula a uma temperatura entre ºC. Todo o processo é automático, controlado mediante PLC independente para cada um dos secadores. Devido à temperatura de trabalho, manejo do produto e concepção do processo, este sistema se apresenta como uma solução enfocada em conseguir uma segurança total, uma alta confiabilidade do processo e simplificação das operações de produção. Em nível ambiental, graças às fontes energéticas utilizadas, cujo único resíduo é a água, este sistema se apresenta uma solução limpa e ecológica ao problema da secagem térmica dos lodos residuais, onde se conservam suas propriedades orgânicas e químicas, e somente vem modificada sua composição quanto o conteúdo de água referente. 24 I

25 Projeto Executivo Hidráulico Mecânico, Civil e Elétrico da ETE Tatu Localização: Limeira/SP Nome do Cliente: Odebrecht Ambiental 25 I Descrição do Projeto: O projeto executivo na ETE Tatu foi elaborado com a seguinte descrição: Os Trabalhos prévios a elaboração do Projeto Executivo como avaliação das condições atuais de operação do tratamento existente, reconhecimento de campo das condições das instalações, avaliação dos requisitos legais junto ao órgão ambiental. O Memorial do Projeto, contendo: alcance do projeto, bases dos desenhos, resultados a serem obtidos, análise das alternativas e justificativa da solução adotada, critérios gerais do projeto, layout da ETE, fluxograma de tratamento e instalações projetadas, conexões com o exterior, descrições das obras projetadas, procedimento construtivo, bens e serviços afetados, atendimento aos quesitos de Saúde e Segurança do Trabalho, proteção do meio ambiente, prazo de execução e garantia, documentos que constituem o Projeto Atual, quadro de preços, e orçamento geral. O Projeto hidráulico, estudos topográficos e geotécnicos, projeto elétrico, cálculo dos processos, cálculos estruturais, estudos de manutenção e operação, estudos de saúde e segurança, estudos ambientais, plano de obra, instrumentação, automatização e controle, relatório fotográfico. O Relatório de Especificações Técnicas, e Um documento com os orçamentos previstos para a realização do Projeto de Ampliação da ETE Tatu-Limeira/SP.

26 26 I Algumas referências

27 NRW Non Revenue Water Barcelona Setorização permanente da rede de distribuição Monitoramento continuado do caudal noturno pelo sector Aplicação de planos de ação de acordo com o situação da rede Cartagena (Espanha) Setorização permanaente da rede de distribuição Aplicações SECTEL e SAED, gerenciamento da Informação em tempo real Cartagena (Colombia) Substituição e instalação de novas redes de distribuição Implantação de um sistema de operação contínua telemática da rede da cidade Zoneamento da rede de distribuição Murcia (Espanha) Setorização das redes de distribuição em 99 setores e 165 Zonas Dimanicas para calculo de caudal minimo noturno e regularização de pressão Projeto e implantação de um sistema dinâmico para o controle de vazamentos em tubulações de distribuição 27 I Orán (Argelia) Abertura progressiva das válvulas de fronteira Desenvolvimento de um plano de negócios Reengenharia de processos comerciais Setorização e controle ativo dos vazamentos Saltillo (México) Renovação parcial da rede de distribuição Melhorar a administração e reorganização do processo Aplicação de modernos sistemas de informação geográficos (GIS)

28 Secagem Térmica de Lodos METROFANG (BARCELONA) t/d de lodo Capacidade de evaporação: l/h WWTP Shanganagh (DUBLIN) t/d de lodo Capacidade de evaporaçao: 2 x l/h EDAR LUGO (Galicia) t/d de lodo Capacidade de evaporaçao: 1 x l/h EDAR MELILLA t/d de lodo Capacidade de evaporaçao: 540 l/h Emarasa CEMEX (ALICANTE) t/d de lodo Capacidade de evaporaçao: 2 x l/h STEP St Marcellin (France) Capacidade de evaporaçao: 540 l/h 28 I Abertura progressiva das válvulas de fronteira

29 Experiência ETE APOIO NA OPERAÇÃO, EFICIÊNCIA E CUSTOS TOTAL ETEs Agbar: ETEs em Espanha 64 ETEs Internacionais (Chile, Cuba, China, Argélia, Andorra) Água tratada total: hm3/ano Tecnologias Capacidade Máxima: 4,7 hm3/dia o Linha de água convencional: Tratamentos Biológicos convencionais, Biorreatores de Membranas, Rizhofiltraçao. o Tratamentos Avançados: Desinfecção, Filtração (micro, ultra, nano), Osmose Reversa, Eletrodiálise Reversível. o Linha de Lodos: Adensamento, Digestão Anaeróbica, Minimização da produção de lodos, Desidratação, Compostagem, Secador Térmico. o Reutilização dos lodos e Reutilização de Água o Soluções Industriais: Tratamento de Águas residuais (Tratamento primário & secundário, tratamento de lixiviados) Referências principais Capacidade máxima 29 I ETE La Farfana. Chile m 3 /dia ETE El Trebal. Chile m 3 /dia ETE Nanjing. China m 3 /dia Abertura progressiva das válvulas de fronteira ETE Valladolid m 3 /dia

30 Algumas Referências Industria 30 I Abertura progressiva das válvulas de fronteira

31 Consultas, perguntas e solicitações de ofertas: Bruno Bastos Oliva Alameda Xingu 350, 21 andar, conjunto 2104 Alphaville Tel.: I

Tecnologia para a secagem térmica de lodos. Soluções integrais aprovadas por mais de 140 anos

Tecnologia para a secagem térmica de lodos. Soluções integrais aprovadas por mais de 140 anos Tecnologia para a secagem térmica de lodos Soluções integrais aprovadas por mais de 140 anos NOSSA IDENTIDADE Experiência surgida da AGBAR ( Operador ) Desde 1867 144 anos de atividade 28 milhões de pessoas

Leia mais

COC Centro Operativo Comercial

COC Centro Operativo Comercial document title - date (Personalise the footer with 1 "Insert / Header and Footer) COC Centro Operativo Comercial Programa de Visitas PNQS Suez Water LATAM Maio 2015 Water Brazil A nossa identidade 35,7%

Leia mais

Soluções para ANR. Ricardo Popov

Soluções para ANR. Ricardo Popov Soluções para ANR Ricardo Popov SOLUÇÕES PARA ÁGUA NÃO REGISTRADA Água faturada exportada Consumo faturado Consumo autorizado Consumo faturado medido Consumo faturado não medido Água Registrada Consumo

Leia mais

Relatório da Missão do PNQS 2010 à Espanha. Seminário de Apresentação: Uma Visão Geral do Saneamento na Espanha GRUPO 1

Relatório da Missão do PNQS 2010 à Espanha. Seminário de Apresentação: Uma Visão Geral do Saneamento na Espanha GRUPO 1 Relatório da Missão do PNQS 2010 à Espanha Seminário de Apresentação: Uma Visão Geral do Saneamento na Espanha GRUPO 1 Dezembro 2010 Relatório da Missão do PNQS 2009 à Espanha Seminário de Apresentação:

Leia mais

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining 2 QUEM SOMOS A Acquasolution Consultoria Ambiental é uma empresa provedora de soluções integradas em sistemas de tratamento de água e efluentes voltada para a melhoria do gerenciamento das operações e

Leia mais

Sumário. p.3. 1 I SUEZ environnement. p.8. 2 I SUEZ environnement, pronta a revolução dos recursos. p.14

Sumário. p.3. 1 I SUEZ environnement. p.8. 2 I SUEZ environnement, pronta a revolução dos recursos. p.14 Apresentação corporativa Março de 2015 Sumário 1 I SUEZ environnement Pontos chaves e figuras 2 I SUEZ environnement, pronta a revolução dos recursos Estamos prestes a começar a revolução dos recursos

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Manutenção e Operacionalização da Administração SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover o SAAE de recursos materiais e humanos para o bom desenvolvimento

Leia mais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Soluções para água municipal e águas residuais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Soluções para água municipal e águas residuais GE Power & Water Water & Process Technologies Soluções para água municipal e águas residuais Há mais de um século, a GE vem oferecendo soluções sustentáveis para ajudar seus clientes em todo o mundo a

Leia mais

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem WASTE WATER Solutions Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem Solução HUBER para Tratamento Decentralizado de Efluentes Unidades móveis e fixas Uma variedade de opções de reutilização de efluentes

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento ABIMAQ / SINDESAM ABIMAQ Fundada em 1937, com 4.500 empresas representadas em 26 Câmaras Setoriais.

Leia mais

Práticas e Processos Inovadores em Tratamento de Água e Efluentes, Reuso e Aproveitamento Energético de Lodo e Resíduos Urbanos.

Práticas e Processos Inovadores em Tratamento de Água e Efluentes, Reuso e Aproveitamento Energético de Lodo e Resíduos Urbanos. Práticas e Processos Inovadores em Tratamento de Água e Efluentes, Reuso e Aproveitamento Energético de Lodo e Resíduos Urbanos Junho /2013 Índice ABIMAQ / SINDESAM Desafios Futuros e Tecnologia Futuro

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona

Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies. Gianfranco Verona Depuração das aguas residuais provenientes da plantas de tratamento das superficies Gianfranco Verona DESCARTE ZERO NUMA CABINE DE PINTURA SKIMMERFLOT Para o tratamento e a reutilização de águas provenientes

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE Edição 26/03/08 1 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto

Leia mais

nº 344 novembro 2014 Inova BH completa um ano Odebrecht 70 anos: a história e as perspectivas da Organização em projetos de Água e Esgoto

nº 344 novembro 2014 Inova BH completa um ano Odebrecht 70 anos: a história e as perspectivas da Organização em projetos de Água e Esgoto nº 344 novembro 2014 Inova BH completa um ano Odebrecht 70 anos: a história e as perspectivas da Organização em projetos de Água e Esgoto Livros apoiados pela Organização vencem o Prêmio Jabuti 2014 Água

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL JOSÉ LUIZ PAPA ACQUA ENGENHARIA E CONSULTORIA S/C LTDA. www.acquaeng.com.br - Introdução - Escolha do Processo Industrial - Avaliação de Parâmetros de Poluição

Leia mais

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

Soluções Sustentáveis para o mercado das águas

Soluções Sustentáveis para o mercado das águas Taking care of the world s water Soluções Sustentáveis para o mercado das águas www.siemens.pt Mercado da Água Page 2 Soluções para o mercado das águas VSS W&WW Automação (Process Control System PCS7,

Leia mais

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA

TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA TECNOLOGIAS ÁGUA AGENDA ÁGUA Carla Sautchúk 21/06/2011 1 Cenário da água PANORAMA DA ÁGUA NO BRASIL Detém 12% da água do mundo e 53% da água do continente sul americano; 90% dos recursos hídricos são utilizados

Leia mais

Quem Somos. Energy Service Company ou CONCEITO ESCO. Empresa de Serviços de Conservação de Energia

Quem Somos. Energy Service Company ou CONCEITO ESCO. Empresa de Serviços de Conservação de Energia Quem Somos ESCO QUEM SOMOS CONCEITO Energy Service Company ou Empresa de Serviços de Conservação de Energia Empresa de engenharia multidisciplinar cujo foco é a realização de projetos de eficiência energética

Leia mais

PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP. Rosane Ebert Miki

PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP. Rosane Ebert Miki PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP Rosane Ebert Miki Projeto de parceria Brasil- Alemanha, por meio da Secretaria Nacional de Saneamento (SNS) do Ministério das cidades, com cooperação técnica

Leia mais

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Desenvolvimento Interno de Soluções AMI/AMR Advanced Metering

Leia mais

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Parceria Portuguesa para a Água no centro das decisões da Estratégia Europa 2020 para a Água 16.nov.2012 - eip.on.water Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Nexus Água - Energia

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de

Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de Apoiada nestes 3 pilares buscamos oferecer uma completa linha de produtos e serviços (de???), oferecendo aos nosso clientes o mais elevado nível de satisfação, de forma sustentável. Solução analítica para

Leia mais

Todos Vivemos a Jusante. We All Live Downstream...

Todos Vivemos a Jusante. We All Live Downstream... Todos Vivemos a Jusante. We All Live Downstream... Tratamento terciário para produção de água de reuso. Sistema modular de ultra-filtração, em containers, com membranas cerâmicas de carbeto de silício.

Leia mais

Seminário Nacional AESBE 30 anos

Seminário Nacional AESBE 30 anos Experiências de Sucesso nas Empresas Estaduais de Saneamento TELEMETRIA 26/08/2015 Silvana Corsaro Candido da Silva de Franco, Gerente do Departamento de Planejamento, Gestão e Operação da Produção Seminário

Leia mais

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005

NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 NORMA TÉCNICA INSTRUÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO DE EFLUENTES LÍQUIDOS CPRH N 2.005 SUMÁRIO 1. OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. DEFINIÇÕES 4. CONDIÇÕES GERAIS 5. INFORMAÇÕES

Leia mais

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Gestão de Recursos Hídricos REPLAN 14/12/09 Mesa Redonda Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Alternativas para a redução do consumo de água Alternativas para a redução do

Leia mais

A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas

A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas 1. A COPASA MG; 2. ETE Arrudas; 3. Central Termelétrica; 4. Próximos passos; A COPASA MG Fornece serviços de água para 98%

Leia mais

Ofício CRQ VIII-IP 001/2013 Aracaju/SE 23 de maio de 2013

Ofício CRQ VIII-IP 001/2013 Aracaju/SE 23 de maio de 2013 Trav. Sálvio Oliveira 76 - Suissa - CEP : 49 050-700 - Aracaju/SE Ao Setor de Gestão de Concurso da AOCP Ref.: Impugnação do Concurso Q1/2013-DESO No Edital do Concurso Publico n 01/2013 de 30 de abril

Leia mais

P 10.108.1/09.14. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose.

P 10.108.1/09.14. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose. Componentes, Sistemas e assistência para a indústria de papel e celulose. Problemas com o fluido podem causar elevados custos. Envelhecimento do óleo Água em óleo Nos lhe ajudaremos em achar a solução.

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE O funcionamento de uma Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: pré-tratamento (gradeamento e desarenação), tratamento primário

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

Drenagem Urbana. (GADU-Barcelona) EXPERIÊNCIA DE BARCELONA. Instituto Trata Brasil e Planeja & Informa Comunicação e Marketing

Drenagem Urbana. (GADU-Barcelona) EXPERIÊNCIA DE BARCELONA. Instituto Trata Brasil e Planeja & Informa Comunicação e Marketing Drenagem Urbana (GADU-Barcelona) Instituto Trata Brasil e Planeja & Informa Comunicação e Marketing Rio de Janeiro (Clube de Engenharia), 18-20 maio 2010 Seminário 2014 Saneamento na Rede A chance de um

Leia mais

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA

CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA CORRELAÇÃO ENTRE OS VALORES DE DBO E DQO NO AFLUENTE E EFLUENTE DE DUAS ETEs DA CIDADE DE ARARAQUARA Paulo Sergio Scalize (1) Biomédico formado pela Faculdade Barão de Mauá. Graduando em Engenharia Civil

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA Construção da Estação de Tratamento de Efluentes - ETE

TERMO DE REFERÊNCIA Construção da Estação de Tratamento de Efluentes - ETE TERMO DE REFERÊNCIA Construção da Estação de Tratamento de Efluentes - ETE 1. OBJETO: Contratação de empresa especializada para Construção da Estação de Tratamento de Efluentes do Centro de Biotecnologia

Leia mais

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN

GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN GESTÃO OPERACIONAL NO CONTROLE DE PERDAS NA CORSAN 1º Seminário Nacional de Gestão e Controle de Perdas Porto Alegre/RS 13 e 14 de julho de 2015 REDUÇÃO DE PERDAS SOB A PERSPECTIVA FINANCEIRA 01) Garantir

Leia mais

A WATER SOLUTION UMA SOLUÇÃO EM ÁGUAS

A WATER SOLUTION UMA SOLUÇÃO EM ÁGUAS A WATER SOLUTION UMA SOLUÇÃO EM ÁGUAS Escritório Rua Vicente Leporace, 1352 Campo Belo São Paulo-SP Tel.: (55 11) 2925-4297 Cel.: (55 11) 98787-5300 edison@1ws.com.br www.1ws.com.br NOSSO COMPROMISSO A

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

Gestão de Perdas. Glauco Montagna

Gestão de Perdas. Glauco Montagna Gestão de Perdas Glauco Montagna Agenda 1. A perda de água 2. Gestão de perda de água 3. Redes de água inteligentes 4. Caso de Sucesso Componentes (1) Componentes (2) A perda de água é a somatória de:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS Drenagem de Bacias SECRETARIA MUNICIPAL DE OBRAS PROGRAMA Nº - 035 Garantir a captação e drenagem das bacias hidrográficas; Eliminar pontos de alagamento junto a córregos e canais; Proteger as margens

Leia mais

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro COPASA Day 2011 24 e 25 de novembro Benefícios do Tratamento de Esgoto Despoluição dos córregos e rios; Eliminação do mau cheiro; Meio ambiente limpo, recuperado e preservado; Diminuição da presença de

Leia mais

TRATAMENTO DE CHORUME

TRATAMENTO DE CHORUME TRATAMENTO DE CHORUME Com tecnologias de alta performance e custos compatíveis com o mercado brasileiro 6 de Agosto, 2014 Sede do CREA, Rio de Janeiro, Brasil O QUE É CHORUME? Lixiviação de água durante

Leia mais

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS"

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de de Água ABINEE TEC - Minas Gerais 2006 PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS" COPASA DIRETORIA METROPOLITANA AGOSTO / 2006

Leia mais

Produtos e soluções para estações de bombeamento Maior desempenho, eficiência e confiabilidade da instalação

Produtos e soluções para estações de bombeamento Maior desempenho, eficiência e confiabilidade da instalação Produtos e soluções para estações de bombeamento Maior desempenho, eficiência e confiabilidade da instalação Transportando água para qualquer lugar Um desafio global Quase vinte por cento da energia mundial

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

Projeto Smart Grid. Visão Geral

Projeto Smart Grid. Visão Geral Projeto Smart Grid Visão Geral Contextualização Sobre o Smart Grid Smart Grid Light Estratégia da Light para os próximos anos 2 3-8 usinas - 98 SE - 111 SE - 7.500 2500 circuitos 19.685 km 1045 Dispositivos

Leia mais

PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO

PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO 1 PROJETO DE ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO TORRES BIODIGESTORAS OVAIS DE CONCRETO PROTENDIDO 1. O Mercado

Leia mais

Potente Trabalho em Equipe

Potente Trabalho em Equipe Potente Trabalho em Equipe SISTEMAS DE MEDIÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS PARA ÁGUA E GERENCIAÇÃO DE ENERGIA Lider no Setor de Suprimento de Água e Energia Sistemas e soluções confiáveis que se adaptam a

Leia mais

Unidades de negócios. Eficiência Energética no Segmento Plástico. Sidnei Amano. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia.

Unidades de negócios. Eficiência Energética no Segmento Plástico. Sidnei Amano. Transmissão & Distribuição. Motores Automação Energia. Unidades de negócios Eficiência Energética no Segmento Plástico Sidnei Amano Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Unidades de negócios Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição

Leia mais

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria

Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria Soluções sustentáveis em eficiência energética para a indústria PROGRAMA SENAI + COMPETITIVIDADE INSTITUTOS SENAI DE TECNOLOGIA (60) MA Construção Civil CE EletroMetalmecânica Energias Renováveis RN Petróleo

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) Curso I. Dados Identificadores Disciplina Professor

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. ETA (Estação de Tratamento de Água)

Mostra de Projetos 2011. ETA (Estação de Tratamento de Água) Mostra de Projetos 2011 ETA (Estação de Tratamento de Água) Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: II - Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: Transtupi Transporte Coletivo Ltda.

Leia mais

Capacitação das empresas de tecnologias e fabricantes de água e esgoto por nossas associadas. Palestrante: Valdir Folgosi

Capacitação das empresas de tecnologias e fabricantes de água e esgoto por nossas associadas. Palestrante: Valdir Folgosi Capacitação das empresas de tecnologias e fabricantes de água e esgoto por nossas associadas Palestrante: Valdir Folgosi Maio-2010 Índice Abimaq / Sindesam Relação do nosso setor com o setor industrial

Leia mais

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014

ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 ESTAÇÃO DE PRODUÇÃO DE ÁGUA DE REÚSO EPAR CAPIVARI II SANASA - CAMPINAS 5º ENCONTRO NACIONAL DE ÁGUAS ABIMAQ SÃO PAULO - SP 14 DE AGOSTO DE 2014 Objetivos principais do tratamento de esgoto Necessidade...A

Leia mais

Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil

Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil Tecnologias em tratamentos de água, esgoto e lodos como forças motivadoras para acelerar a universalização do Saneamento no Brasil Palestrante: Valdir Folgosi Dez/2010 Índice Abimaq / Sindesam Tecnologias

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual.

A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual. A tecnologia ORC mais lucro, usando calor residual. O processo de ciclo orgânico de Rankine (OCR) é similar ao ciclo básico de Rankine mas em vez de água utiliza um azeite orgânico em uma caldera de baixa

Leia mais

Eficiência Energética no parque fabril WEG

Eficiência Energética no parque fabril WEG Eficiência Energética no parque fabril WEG Motores Tintas Unidades de Negócio Automação Energia Transmissão & Distribuição NEGÓCIO WEG A Solução Global com máquinas elétricas e automação para a indústria

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

Um pouco da nossa história

Um pouco da nossa história Um pouco da nossa história Possui 250 empresas Presente 57 países 119 mil empregados Produtos presente 175 países US$ 63,4 bilhões faturamento Instalada em SP em 1933 Em 1954 mudou-se para SJC 1 milhão

Leia mais

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG J.M. Borges - SAAE - Itabira UFMG/DESA - Universidade Federal

Leia mais

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água A água aquecida que retorna do processo ingressa no DryCooler e ao sair é recolhida em um reservatório, sendo bombeada de volta ao processo já na temperatura

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água

WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água CONTEXTO DO PAÍS As fugas de água nos sistemas de abastecimento são um problema, mas têm de deixar

Leia mais

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PALESTRANTE: ENG. JOSÉ ANTONIO MONTEIRO FERREIRA. www.mcleodferreira.com.br

TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PALESTRANTE: ENG. JOSÉ ANTONIO MONTEIRO FERREIRA. www.mcleodferreira.com.br TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO PALESTRANTE: ENG. JOSÉ ANTONIO MONTEIRO FERREIRA McLEOD FERREIRA CONSULTORIA TÉCNICA E COMERCIAL S/C LTDA. www.mcleodferreira.com.br Limpando o Ar Pittsburgh Fonte: AWMA

Leia mais

II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO

II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO II-068 EMISSÃO ZERO EM ESTAÇÕES DE TRATAMENTO DE ESGOTO DOMÉSTICO Natal de Avila Antonini (1) Engenheiro Mecânico e Mestre na área de Energia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Engenheiro

Leia mais

CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP. Diálogos do Saneamento 02/12/2015

CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP. Diálogos do Saneamento 02/12/2015 CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Diálogos do Saneamento 02/12/2015 DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Informações Gerais da CORSAN em 2015 Universalização de Serviços DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Informações Gerais

Leia mais

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais:

O processo de tratamento da ETE-CARIOBA é composto das seguintes unidades principais: 1.0 ETE CARIOBA A Estação de Tratamento de Esgotos Sanitários denominada ETE- CARIOBA é responsável pelo tratamento de esgotos coletados pelo sistema publico de esgotos sanitários na principal bacia da

Leia mais

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO

ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO ASPECTOS TÉCNICOS RELEVANTES PARA O DIMENSIONAMENTO DE SISTEMAS DE TRATAMENTO BIOLÓGICO AERÓBIO E ANAERÓBIO PEDRO ALEM SOBRINHO ESCOLA POLITÉCNICA - USP TRATAMENTO DE ESGOTO O INÍCIO 1.850 1.900 MOTIVO

Leia mais

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença

Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Chiller Industrial Quando confiabilidade faz a diferença Produzidos com os melhores componentes disponíveis no mundo e projetados com foco em economia de energia e facilidade de operação e manutenção,

Leia mais

Visão do Saneamento na Espanha

Visão do Saneamento na Espanha Visão do Saneamento na Espanha N.T. O termo Saneamento nesta apresentação restringe-se ao Esgotamento sanitário e drenagem urbana Maio 2015 Programa de Visitas PNQS Suez Water LATAM Water Brazil Angel

Leia mais

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética

COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO. SOLUÇÕES INTEGRADAS EM ÁGUA E ENERGIA ELÉTRICA Tema 3: Eficiência Energética COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL COMITÊ NACIONAL BRASILEIRO V CIERTEC - SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE GESTÃO DE PERDAS, EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA E PROTEÇÃO DA RECEITA NO SETOR ELÉTRICO Área

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT. Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso

UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT. Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso José Luiz Salvadori Lorenzi Superintendente Abril/2008 PAUTA SABESP SOLUÇÕES AMBIENTAIS ÁGUA DE

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas:

A seguir, far-se-á a descrição das unidades operacionais dos referidos sistemas: 3.4 MURIAÉ Projeto Preparatório para o Gerenciamento dos Recursos Hídricos do Paraíba do Sul Os sistemas de abastecimento de água e de esgotamento sanitário da cidade de Muriaé são operados e mantidos

Leia mais

Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento

Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento Controlador de Bombas modelo ABS PC 441 Monitoramento e/ou Controle de Bombas e Estações de Bombeamento 2 Uma Única Solução para Monitoramento e Controle Há várias formas de melhorar a eficiência e a confiabilidade

Leia mais

1986 2000 2013 VALORES

1986 2000 2013 VALORES HISTÓRIA Motivado pelo espírito empreendedor e acreditando num futuro de oportunidades, em 1986 o fundador da JDF deu início a suas atividades como uma pequena oficina de manutenção de máquinas. No início

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL (540/I Integral 02 e SEM_02) (Para alunos ingressos entre 2006 a 2008) CÓD. D. DEPTOS. DISCIPLINAS 1º 2º 3º 4º 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª C/H 0872/I DEMAT/I Cálculo I 3 51 0873/I

Leia mais

A VISÃO DO REGULADOR INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇO, GPI E PNUEA

A VISÃO DO REGULADOR INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇO, GPI E PNUEA A VISÃO DO REGULADOR INDICADORES DE QUALIDADE DE SERVIÇO, GPI E PNUEA Conferência Alteração do Paradigma nos Serviços de Águas em Portugal - CANTANHEDE Julho de 2013 Centro Empresarial Torres de Lisboa

Leia mais

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal

WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal Eficiência dos sistemas de abastecimento de água para consumo humano WORKSHOP Plano para preservar os Recursos Hídricos da Europa (Blueprint) - Perspetivas para Portugal IPQ, 9 de abril de 2014 Os serviços

Leia mais

Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas

Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas Relatório da Missão do PNQS 2014 à Espanha Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas Barcelona Terça-feira, 19 Maio de 2015 Aline Martins Brito

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis 04 Nível: Médio/Técnico Reporte: Engenheiro Sumário Executar atividades de apoio ao cadastro comercial, projetos, fiscalização e acompanhamento de obras de saneamento básico, manutenção de equipamentos

Leia mais

Separação ecoeficiente de sólidos

Separação ecoeficiente de sólidos Separação ecoeficiente de sólidos Benchmarking water solutions Três processos fundamentais Em um sistema Salsnes Filter, a SEPARAÇÃO DE SÓLIDOS, O ESPESSAMENTO E A SECAGEM DO LODO são feitos numa unidade

Leia mais

Comunicado Técnico 08

Comunicado Técnico 08 Comunicado Técnico 08 ISSN 2177-854X Setembro. 2010 Uberaba - MG Automação em Sistemas de Irrigação Responsáveis: Ana Paula P.M.Guirra E-mail: anappmg_irrig@yahoo.com.br Tecnóloga em Irrigação e Drenagem;

Leia mais