Tecnologia e conhecimento em saneamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia e conhecimento em saneamento"

Transcrição

1 Tecnologia e conhecimento em saneamento Soluções integrais aprovadas por mais de 140 anos Maio 2015 Water Brazil

2 A nossa identidade 35,7% 7,2% 4,1% 53,0% 2 I

3 A nossa presença UK América central América do norte Espanha França Índia África Austrália Chile Brasil Atividade em 70 países concessões: Aguas andinas, Aguas de Barcelona, Lyonnaise des Eaux e outras. 3 I

4 A nossa empresa 4 atividades englobando segmentos WATER Water management Water advanced solutions 92 milhões de pessoas Abastecidas, 10 milhões mediante Agua dessalinizada RECYCLING & WASTE RECOVERY Recycling Hazardous waste On Site and industrial solutions Organics Mais de 150 anos de experiência e conhecimento TREATMENT SOLUTIONS CONSULTING DBO Industrial solutions No segment with regards to the activity size milhões de euros cifra global de negócios Clientes industriais e comerciais 74 milhoes Investimento P&D Profissionais 4 I

5 Tecnologias, Serviço e Operação Descrição Entendemos o tratamento de águas como operador, publico e privado, com expertos a nível internacional e conhecimento das mais avançadas tecnologias

6 Nosso Âmbito Irrigação Fertirrigação de precisão Gestão avançada de irrigação (drons,,saneamento) Produção e transporte Controle da qualidade Localização de vazamentos Sistemas avançados de controle Gestão de perdas Contratos de performance Setorização e gestão de perdas Modulação de pressões Gestão de ativos Integração do GIS Manutenção Modelos de envelhecimento e otimização de investimentos Impacto ao meio Gestão de zonas de banho Controle Ambiental Alertas e publicação Rede e comercial AquaCIS Gestão comercial Teleleitura Tratamento agua, esgoto, efluentes e energia Terceirização ETEs Setor industrial (EQ) Secagem Térmica de lodos Sistemas de eficiência energética

7 A nossa empresa I+D+i próprio e aplicado a mais de 140 anos ORIGEM Necessidades da AGBAR ( Operador ) Desenvolvimento interno de I+D+i Constantemente Testado OBJETIVO / RESULTADOS Eficiência Operacional Redução de Custos Incremento de Lucro Otimização Comercial e Estrutural TECNOLOGIA CONSULTORIA PROJETO / ENGENHARIA CONSTRUÇÃO OPERAÇÕES E GESTÃO

8 NOSSO ÂMBITO PUBLICO E PRIVADO Tecnologias, serviços e operação Projetos o Planos diretores o Ampliação e construção de ETE, ETA, URA o Drenagem urbana o Estação de efluentes Industriais e reuso Tratamento o Tratamento e secagem de lodos o Tratamento de esgotos o Qualidade de aguas de processo industrial Eficiência o Eficiência de redes: Detecção de vazamentos - hardware e softwareo Gisaqua -Geografical Information Systemo ANR -agua não registrada- tecnologia própria: ações e operação Gestão Comercial Reengeneria de procesos comerciais o Definição e Implantação de Planos Estratégicos o Eficiência da micromedição o Recadastro de Redes e Consumidores o Telemetria Telemetria grandes consumidores Detecção de Fraudes Sistema para a Gestão Comercial para empresas em Saneamento Consultoria Tecnica Estudo rentabilidade de aproveitamento de agua tratada Concepção ou gestão de instalações Controle analítico de qualidade de aguas Formação técnica e knowledge-transfer

9 NOSSO ÂMBITO INDUSTRIAL Melhora técnica e comercial o Efluentes e terceirização de ETE Problemas com a capacidade de tratamento de Efluentes: limites de emissão, alto custo operacional ou interesse em centrar em atividades core do negocio e terceirizar atividades não estratégicas o Diagnóstico e eficiência para redução de custos ÁGUA ou TRATAMENTO Custos: aproveitamento de águas de processo para refrigeração, para lavagem e outros. Monitoramento de consumos, Automatização de processos de água, busca de fontes de abastecimento alternativas, redução do consumo o Secagem de lodos para grandes vazões Vazão lodo mínimo: 15T/mês lodo húmido, próximo a grau humidade:80% o Eletroquímica Águas de DIFÍCIL tratamento, não são suficientes tratamentos tradicionais. Contêm metais, óleos, antibióticos, Vazão > 20m3/h"

10 Modelos de parceria Grau de implicação Aqualogy Realização e diagnósticos hídricos e energéticos para identificara melhoras que reduzam custos, consumos, etc. Consultoria Externalização parcial/total da gestão de agua e energia (manutenção, analíticas, etc) Assistência técnica, desenho e execução projetos Externalização gestão ciclo integral da agua O&M Suporte no desenho e implementação de melhorias que permitam atingir os objetivos Duração de colaboração DBO / BOT Investimento em determinados ativos a cambio da operação e manutenção dos mesmos durante um período +

11 11 I Visitas Barcelona

12 Programa ES - BR Experiência em desenvolver atividades também no Brasil AGUA Laboratorio de Aigües de Barcelona Centro de Control Operativo Workshop: sectorización y agua no registrada ETAP de Sant Joan Despí Workshop, secado térmico de fangos Workshop, eficiencia energética SANEAMENTO EDAR del Besòs ERA del Prat de Llobregat Workshop sobre agua de reuso REGULAÇÃO Autoridad metropolitana de Barcelona 12 I Workshop sobre regulación en saneamiento y potabilización

13 Laboratório Autovia de Castelldefels, C-31, km 187, Camí de la Murtra 13 I

14 ETAP Sant Joan Despí 14 I

15 EDAR Besòs 15 I

16 ERA del prat de Llobregat 16 I

17 17 I Alguns Projetos no Brasil

18 Controle ambiental: Projeto Baia de Guanabara, RJ. MELHORIAS PARA O MONITORAMENTO DA QUALIDADE DOS CORPOS HÍDRICOS NOS MUNICÍPIOS NO ENTORNO DA BAÍA DE GUANABARA MEIO INDUSTRIAL MEIO NATURAL LABORATORIO (+) TOP 150 atividades (+) O&G em Duque de Caxias (+) plano vistorias mensais (+)analistas ambientais (+) aumento rotinas: de trimestral a bimestral (+) acompanhamento PROCON (+) revisão normas controle (+) analistas ambientais (+) aumento numero amostras itens (1) e (2) (+) suporte e metodologias (+) técnicos laboratório 18 I 4 SISTEMAS DE INFORMAÇÂO (+) revisão sistemas PROCON (+) benchmarking (+) analistas sistemas

19 Unidade de Serviços Integrados - USI Desde Junho/2013, SUEZ vem prestando serviços de Assistência Técnica a Odebrecht Ambiental desde a estruturação e assistência na implantação da Unidade de Serviços Integrados (USI), desde a qual se prestam serviços de Back Office Comercial. Entre outros serviços: (i) Leitura, faturamento, recaudo e cobrança; (ii) Gestão do parque de medidores e detecção de consumos irregulares; (iii) Call Center e Serviços de Atenção Remota. A transformação do modelo de gestão comercial busca gerar sinergias, a especialização das atividades de Back Office, reduzir custos e aumentar os ingressos pela melhoria dos níveis de serviço. Desde a perspectiva do Negocio, o projeto servirá para iniciar a entrada no Brasil dos serviços da oferta Revenues (metering e NRW) assim como a consolidação de uma aliança com um partner estratégico na região. 5,16 mi de habitantes; 1,27 mi de clientes 1052 empregados das áreas comerciais ~ 1200 clientes / empregados Reengenharia: 690 KEur Assistência na Implantação: 1,0 MEur + 20% da captura de economias nos próximos 5 anos. 19

20 Estudos e Propostas para Integração e Otimização dos Sistemas Produtores da Região Metropolitana de Recife Localização: Recife/PE Nome do Cliente: COMPESA Descrição do Projeto: O projeto executivo na ETE Tatu foi elaborado com a seguinte descrição: A operação do sistema global de produção de água de Recife (RMR) se encontra num momento crítico, dado o escasso nível de rendimento global, e a operação da rede que, além de ser ultrapassada, esta dispersa em diferentes subsistemas. Este projeto aspira à identificação e a resolução dos principais problemas de funcionamento e operação do sistema global de abastecimento através de uma análise dos sistemas de produção. O projeto está sendo dividido em quatro (4) etapas, apresentadas a seguir: Etapa 1 (Diagnóstico dos sistemas existentes; Desenvolvimento) Etapa 2 (Trabalho de levantamentos topográficos e geotécnicos; Desenvolvimento) Etapa 3 (Sistema de relatório de desempenho atual e otimização global proposto) Etapa 4 (Desenvolvimento de manuais de controle operacional e as situações atuais e futuras. Treinamento; Desenvolvimento). 20 I

21 Plano Diretor dos Sistema de Saneamento da Região Metropolitana de Recife (RMR) e Municipio de Goiana (Recife, Brasil) Localização: Recife/PE Nome do Cliente: Odebrecht Ambiental 21 I Descrição do Projeto: O objetivo do Plano Diretor é a definição das grandes obras necessárias para alcançar o objetivo do saneamento em As principais características das infraestruturas projetadas incluem: Sistemas de saneamento para 15 municípios da Região Metropolitana de Recife e Goiana com uma população final (2047) de habitantes distribuídas em 313 sub bacias. Modelo hidráulico (Infoworks CS) e predefinição das redes principais e estações de bombeamento necessárias para coleta da água residual gerada em cada sub bacia e seu posterior transporte até as estações de tratamento (ETE) Pré-Projeto de 21 estações de tratamento de água residual incluindo diferentes tecnologias de tratamento segundo as vazões de tratamento, dividindo 6 grandes ETEs, 5 ETEs medianas e 10 ETEs pequenas Estimativa das redes secundárias a serem construídas para coleta de água residual dentro de cada sub bacia (4.935 km) Estimativa dos custos de investimentos das obras propostas para a construção das redes principais e ETEs, para a construção das redes secundárias. A estimativa dos custos de operação das redes principais e ETEs.

22 Plano Diretor de Saneamento Básico Localização: Santa Maria/RS Nome do Cliente: Prefeitura Municipal de Santa Maria Descrição do Projeto: O projeto consistiu em desenvolver o Plano Diretor de Saneamento e Desenvolvimento Municipal no Município de Santa Maria / RS. Plano de comunicação: consultas e audiências; Relatório de diagnóstico: composto pelo diagnóstico operacional, uma avaliação institucional e uma avaliação econômica comercial e financeira; Relatório de análise e projeção da demanda, contendo a evolução prevista da demanda global e por unidade de planejamento, assim como a análise da oferta disponível e potencial. Relatório de prognóstico descrevendo o estudo das soluções contempladas, assim como o plano de metas. Relatório de Programas, projetos e ações, apresentando as mediadas propostas a implementar. Relatório de sustentabilidade contendo a justificativa financeira, econômica e legal de todas as ações que são propostas. Relatório de modelo de gestão e estrutura de regulação Anteprojetos de lei, compreendendo o estudo requerido e as bases do texto para a elaboração de anteprojetos de lei relativos aos temas pertinentes. A visão integrada de seus componentes: água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos urbanos. A definição das funções de gestão dos serviços públicos de saneamento. 22 I

23 Projeto de Eficiência Energética Localização: Barueri/SP Nome do Cliente: Odebrecht Ambiental Descrição do Projeto: O projeto foi elaborado em duas fases, sendo elas: FASE 1: Estudo preliminar da infraestrutura das instalações da Foz do Brasil, determinando o âmbito de atuação com maior potencialidade de economia energética. Estudo tarifário elétrico das instalações e adequações das mesmas Análise do regime de exploração das Instalações, com alternativas de melhorias. FASE 2: Auditorias energéticas sobre 20 instalações, obtendo soluções operacionais e especificas para cada instalação. Relatório das auditorias com as economias potenciais para cada instalação Proposta de ajuste de rendimentos ou substituição dos equipamentos das instalações. Planos de ação específicos, incluindo a indicação dos investimentos a serem realizados e a apresentação de análise de viabilidade e pay-back 23 I

24 Projeto de Secagem Térmica de Lodos na ETE Tatu Localização: Limeira/SP Nome do Cliente: Odebrecht Ambiental Descrição do Projeto: O projeto de secagem térmica de lodos na ETE Tatu foi elaborado com a seguinte descrição: A estação consistirá em um equipamento de secagem térmica de lodos através da tecnologia AQUALOGY de secagem à baixa temperatura, associada com uma bomba de calor, assim como, equipamentos periféricos requeridos para o funcionamento do conjunto. O sistema STC de secagem térmica de lodos em baixa temperatura se baseia no princípio de secagem por convecção mediante o ar quente, em um túnel contínuo fechado. Os lodos depositam-se no sistema de conformação, cuja finalidade é ser distribuído uniformemente em toda a largura da esteira de secagem, facilitando a passagem de ar através do mesmo. O sistema baseia-se em duas esteiras de secagem que percorrem um túnel longitudinalmente em sentidos opostos. Durante seu percurso, é adicionado um ar quente e seco que circula a uma temperatura entre ºC. Todo o processo é automático, controlado mediante PLC independente para cada um dos secadores. Devido à temperatura de trabalho, manejo do produto e concepção do processo, este sistema se apresenta como uma solução enfocada em conseguir uma segurança total, uma alta confiabilidade do processo e simplificação das operações de produção. Em nível ambiental, graças às fontes energéticas utilizadas, cujo único resíduo é a água, este sistema se apresenta uma solução limpa e ecológica ao problema da secagem térmica dos lodos residuais, onde se conservam suas propriedades orgânicas e químicas, e somente vem modificada sua composição quanto o conteúdo de água referente. 24 I

25 Projeto Executivo Hidráulico Mecânico, Civil e Elétrico da ETE Tatu Localização: Limeira/SP Nome do Cliente: Odebrecht Ambiental 25 I Descrição do Projeto: O projeto executivo na ETE Tatu foi elaborado com a seguinte descrição: Os Trabalhos prévios a elaboração do Projeto Executivo como avaliação das condições atuais de operação do tratamento existente, reconhecimento de campo das condições das instalações, avaliação dos requisitos legais junto ao órgão ambiental. O Memorial do Projeto, contendo: alcance do projeto, bases dos desenhos, resultados a serem obtidos, análise das alternativas e justificativa da solução adotada, critérios gerais do projeto, layout da ETE, fluxograma de tratamento e instalações projetadas, conexões com o exterior, descrições das obras projetadas, procedimento construtivo, bens e serviços afetados, atendimento aos quesitos de Saúde e Segurança do Trabalho, proteção do meio ambiente, prazo de execução e garantia, documentos que constituem o Projeto Atual, quadro de preços, e orçamento geral. O Projeto hidráulico, estudos topográficos e geotécnicos, projeto elétrico, cálculo dos processos, cálculos estruturais, estudos de manutenção e operação, estudos de saúde e segurança, estudos ambientais, plano de obra, instrumentação, automatização e controle, relatório fotográfico. O Relatório de Especificações Técnicas, e Um documento com os orçamentos previstos para a realização do Projeto de Ampliação da ETE Tatu-Limeira/SP.

26 26 I Algumas referências

27 NRW Non Revenue Water Barcelona Setorização permanente da rede de distribuição Monitoramento continuado do caudal noturno pelo sector Aplicação de planos de ação de acordo com o situação da rede Cartagena (Espanha) Setorização permanaente da rede de distribuição Aplicações SECTEL e SAED, gerenciamento da Informação em tempo real Cartagena (Colombia) Substituição e instalação de novas redes de distribuição Implantação de um sistema de operação contínua telemática da rede da cidade Zoneamento da rede de distribuição Murcia (Espanha) Setorização das redes de distribuição em 99 setores e 165 Zonas Dimanicas para calculo de caudal minimo noturno e regularização de pressão Projeto e implantação de um sistema dinâmico para o controle de vazamentos em tubulações de distribuição 27 I Orán (Argelia) Abertura progressiva das válvulas de fronteira Desenvolvimento de um plano de negócios Reengenharia de processos comerciais Setorização e controle ativo dos vazamentos Saltillo (México) Renovação parcial da rede de distribuição Melhorar a administração e reorganização do processo Aplicação de modernos sistemas de informação geográficos (GIS)

28 Secagem Térmica de Lodos METROFANG (BARCELONA) t/d de lodo Capacidade de evaporação: l/h WWTP Shanganagh (DUBLIN) t/d de lodo Capacidade de evaporaçao: 2 x l/h EDAR LUGO (Galicia) t/d de lodo Capacidade de evaporaçao: 1 x l/h EDAR MELILLA t/d de lodo Capacidade de evaporaçao: 540 l/h Emarasa CEMEX (ALICANTE) t/d de lodo Capacidade de evaporaçao: 2 x l/h STEP St Marcellin (France) Capacidade de evaporaçao: 540 l/h 28 I Abertura progressiva das válvulas de fronteira

29 Experiência ETE APOIO NA OPERAÇÃO, EFICIÊNCIA E CUSTOS TOTAL ETEs Agbar: ETEs em Espanha 64 ETEs Internacionais (Chile, Cuba, China, Argélia, Andorra) Água tratada total: hm3/ano Tecnologias Capacidade Máxima: 4,7 hm3/dia o Linha de água convencional: Tratamentos Biológicos convencionais, Biorreatores de Membranas, Rizhofiltraçao. o Tratamentos Avançados: Desinfecção, Filtração (micro, ultra, nano), Osmose Reversa, Eletrodiálise Reversível. o Linha de Lodos: Adensamento, Digestão Anaeróbica, Minimização da produção de lodos, Desidratação, Compostagem, Secador Térmico. o Reutilização dos lodos e Reutilização de Água o Soluções Industriais: Tratamento de Águas residuais (Tratamento primário & secundário, tratamento de lixiviados) Referências principais Capacidade máxima 29 I ETE La Farfana. Chile m 3 /dia ETE El Trebal. Chile m 3 /dia ETE Nanjing. China m 3 /dia Abertura progressiva das válvulas de fronteira ETE Valladolid m 3 /dia

30 Algumas Referências Industria 30 I Abertura progressiva das válvulas de fronteira

31 Consultas, perguntas e solicitações de ofertas: Bruno Bastos Oliva Alameda Xingu 350, 21 andar, conjunto 2104 Alphaville Tel.: I

Tecnologia para a secagem térmica de lodos. Soluções integrais aprovadas por mais de 140 anos

Tecnologia para a secagem térmica de lodos. Soluções integrais aprovadas por mais de 140 anos Tecnologia para a secagem térmica de lodos Soluções integrais aprovadas por mais de 140 anos NOSSA IDENTIDADE Experiência surgida da AGBAR ( Operador ) Desde 1867 144 anos de atividade 28 milhões de pessoas

Leia mais

COC Centro Operativo Comercial

COC Centro Operativo Comercial document title - date (Personalise the footer with 1 "Insert / Header and Footer) COC Centro Operativo Comercial Programa de Visitas PNQS Suez Water LATAM Maio 2015 Water Brazil A nossa identidade 35,7%

Leia mais

Soluções para ANR. Ricardo Popov

Soluções para ANR. Ricardo Popov Soluções para ANR Ricardo Popov SOLUÇÕES PARA ÁGUA NÃO REGISTRADA Água faturada exportada Consumo faturado Consumo autorizado Consumo faturado medido Consumo faturado não medido Água Registrada Consumo

Leia mais

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento

Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas. Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento Redes de águas inteligentes e a gestão de perdas Glauco Montagna Gerente de Contas Estratégicas - Saneamento ABIMAQ / SINDESAM ABIMAQ Fundada em 1937, com 4.500 empresas representadas em 26 Câmaras Setoriais.

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso CURSO DE CAPACITAÇÃO DE TÉCNICOS E DE GESTORES PÚBLICOS PARA ESTUDO DE VIABILIDADE E PROJETO DE TRATAMENTO MECANICO-BIOLOGICO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS Contexto Desde a promulgação da Lei nº 11.445/2007

Leia mais

Sumário. p.3. 1 I SUEZ environnement. p.8. 2 I SUEZ environnement, pronta a revolução dos recursos. p.14

Sumário. p.3. 1 I SUEZ environnement. p.8. 2 I SUEZ environnement, pronta a revolução dos recursos. p.14 Apresentação corporativa Março de 2015 Sumário 1 I SUEZ environnement Pontos chaves e figuras 2 I SUEZ environnement, pronta a revolução dos recursos Estamos prestes a começar a revolução dos recursos

Leia mais

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL

MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL MERCADO DE TRATAMENTO DE EFLUENTES INDUSTRIAIS NO BRASIL Palavras-chave: Efluentes industriais, tecnologia ambiental, controle de poluição. 1 Introdução O mercado de tecnologias ambientais no Brasil, principalmente

Leia mais

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem

Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem WASTE WATER Solutions Tratamento Descentralizado de Efluentes HUBER BioMem Solução HUBER para Tratamento Decentralizado de Efluentes Unidades móveis e fixas Uma variedade de opções de reutilização de efluentes

Leia mais

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA

PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA PLANO DIRETOR PARA COMBATE ÀS PERDAS EM SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA A PERDA DE ÁGUA NO ABASTECIMENTO PÚBLICO O índice de perdas é um dos principais indicadores da eficiência da operação dos

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período

Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos. 1º Período 1. Plano de estudos: Faculdade de Ciências e Tecnologia Diploma de Estudos Avançados Engenharia Sanitária e Gestão Integrada de Resíduos 1º Período QUADRO N.º 2-Engenharia Sanitária e Gestão Integrada

Leia mais

Gestão de Perdas. Glauco Montagna

Gestão de Perdas. Glauco Montagna Gestão de Perdas Glauco Montagna Agenda 1. A perda de água 2. Gestão de perda de água 3. Redes de água inteligentes 4. Caso de Sucesso Componentes (1) Componentes (2) A perda de água é a somatória de:

Leia mais

Relatório da Missão do PNQS 2010 à Espanha. Seminário de Apresentação: Uma Visão Geral do Saneamento na Espanha GRUPO 1

Relatório da Missão do PNQS 2010 à Espanha. Seminário de Apresentação: Uma Visão Geral do Saneamento na Espanha GRUPO 1 Relatório da Missão do PNQS 2010 à Espanha Seminário de Apresentação: Uma Visão Geral do Saneamento na Espanha GRUPO 1 Dezembro 2010 Relatório da Missão do PNQS 2009 à Espanha Seminário de Apresentação:

Leia mais

Potente Trabalho em Equipe

Potente Trabalho em Equipe Potente Trabalho em Equipe SISTEMAS DE MEDIÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS PARA ÁGUA E GERENCIAÇÃO DE ENERGIA Lider no Setor de Suprimento de Água e Energia Sistemas e soluções confiáveis que se adaptam a

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 195 Manutenção e Operacionalização da Administração SUB-FUNÇÃO: 122 ADMINISTRAÇÃO GERAL Prover o SAAE de recursos materiais e humanos para o bom desenvolvimento

Leia mais

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA

Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Parceria Portuguesa para a Água no centro das decisões da Estratégia Europa 2020 para a Água 16.nov.2012 - eip.on.water Alexandra Serra AdP Águas de Portugal Serviços Ambientais, SA Nexus Água - Energia

Leia mais

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG

A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG A experiência da Estação de Tratamento de Esgoto de Itabira e sua contribuição em pesquisa e monitoramento e aprimoramento em parceria com UFMG J.M. Borges - SAAE - Itabira UFMG/DESA - Universidade Federal

Leia mais

www.acquasolution.com 1 Apresentação

www.acquasolution.com 1 Apresentação www.acquasolution.com 1 Apresentação A COR DO PLANETA DEPENDE DE VOCÊ www.acquasolution.com 2 Direitos de Utilização Copyright Todos os textos, fotos, ilustrações e outros elementos contidos nesta apresentação

Leia mais

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva

14/12/09. Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Gestão de Recursos Hídricos REPLAN 14/12/09 Mesa Redonda Implantação de sistemas de reuso e aproveitamento de água de chuva Alternativas para a redução do consumo de água Alternativas para a redução do

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148

PREFEITURA MUNICIPAL DE VOLTA REDONDA SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO DEPARTAMENTO DE ORÇAMENTO E CONTROLE PROGRAMA Nº- 148 PROGRAMA Nº- 148 GESTÃO E CONTROLE DE PERDAS FUNÇÃO: 17 SANEAMENTO SUB-FUNÇÃO: 512 SANEAMENTO BÁSICO URBANO - Reduzir perdas de água reais e aparentes; reduzir os custos de exploração, produção e distribuição

Leia mais

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS

GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS GESTÃO ESTADUAL DE RESÍDUOS SÓLIDOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SETEMBRO, 2014 INSTRUMENTOS LEGAIS RELACIONADOS À CONSTRUÇÃO DA POLÍTICA E DO PLANO DE RESÍDUOS SÓLIDOS Lei n. 12.305/2010 POLÍTICA NACIONAL

Leia mais

A WATER SOLUTION UMA SOLUÇÃO EM ÁGUAS

A WATER SOLUTION UMA SOLUÇÃO EM ÁGUAS A WATER SOLUTION UMA SOLUÇÃO EM ÁGUAS Escritório Rua Vicente Leporace, 1352 Campo Belo São Paulo-SP Tel.: (55 11) 2925-4297 Cel.: (55 11) 98787-5300 edison@1ws.com.br www.1ws.com.br NOSSO COMPROMISSO A

Leia mais

Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas

Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas Relatório da Missão do PNQS 2014 à Espanha Centro de Controle Operacional, Laboratório Águas de Barcelona, Gestão Comercial e Gestão de Perdas Barcelona Terça-feira, 19 Maio de 2015 Aline Martins Brito

Leia mais

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES

LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PROJETOS COMPLEMENTARES LOCAIS DE TRABALHO COM QUALIDADE E PRODUTIVIDADE 01 NOSSOS SERVIÇOS Após 35 anos de experiência na área de edificações para o mercado imobiliário gaúcho, a BENCKEARQUITETURA, juntamente com a BENCKECONSTRUÇÕES,

Leia mais

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS"

Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de Água PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS Sistema de de Gerenciamento, Automação e Economia de de Água ABINEE TEC - Minas Gerais 2006 PROJETO 3T (SCADA + GIS + MODELAGEM) "UM MUNDO NOVO EM SUAS MÃOS" COPASA DIRETORIA METROPOLITANA AGOSTO / 2006

Leia mais

CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP. Diálogos do Saneamento 02/12/2015

CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP. Diálogos do Saneamento 02/12/2015 CORSAN DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Diálogos do Saneamento 02/12/2015 DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Informações Gerais da CORSAN em 2015 Universalização de Serviços DIRETORIA DE OPERAÇÕES DOP Informações Gerais

Leia mais

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV)

PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) PLANO METROPOLITANO DE GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS COM FOCO EM RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE (RSS) E RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL E VOLUMOSOS (RCCV) II Workshop Construindo o diagnóstico dos RCCV e RSS

Leia mais

Quem Somos. Energy Service Company ou CONCEITO ESCO. Empresa de Serviços de Conservação de Energia

Quem Somos. Energy Service Company ou CONCEITO ESCO. Empresa de Serviços de Conservação de Energia Quem Somos ESCO QUEM SOMOS CONCEITO Energy Service Company ou Empresa de Serviços de Conservação de Energia Empresa de engenharia multidisciplinar cujo foco é a realização de projetos de eficiência energética

Leia mais

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES

O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES O IMPORTANTE PAPEL DA GESTÃO DA QUALIDADE EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISE CONTROLE DE EFLUENTES Natália de Freitas Colesanti Perlette (1) Engenheira Ambiental formada na Universidade Estadual Paulista Júlio

Leia mais

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida

Soluções inteligentes em energia. Energia para a vida Soluções inteligentes em energia Energia para a vida O Brasil e o mundo contam com a nossa energia. A Prátil é uma empresa de soluções inteligentes em energia, que atua nos segmentos de infraestrutura

Leia mais

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO

SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO SISTEMAS DE TRATAMENTO DE ESGOTOS SANITÁRIOS PROJETO, IMPLANTAÇÃO E OPERAÇÃO DA ETE - ROTEIRO DO ESTUDO Projetos de interceptor, emissário por gravidade, estação elevatória de esgoto e linha de recalque,

Leia mais

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL

Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil. 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Luiz Celso Pinto Gerente de Controle de Perdas CAGECE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Desenvolvimento Interno de Soluções AMI/AMR Advanced Metering

Leia mais

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito.

Ecologicamente correto. Economicamente viável. Socialmente justo. Culturalmente aceito. Ecologicamente correto Economicamente viável Socialmente justo Culturalmente aceito. ENERGIA SEGURANÇA ETE FIBRA-ÓTICA DADOS TELEFONIA PAVIMENTAÇÃO VIAS PROJETADAS GÁS ETA SINALIZAÇÃO EQUIP. URBANOS ACESSIBILIDADE

Leia mais

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA

SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA SOFTWARES DA ELIPSE SÃO UTILIZADOS NOS PROCESSOS DE REDUÇÃO DE PERDAS DE ÁGUA E EFICIENTIZAÇÃO ENERGÉTICA DA ÁGUAS GUARIROBA Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água

DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água DC Modular Otimizado para consumo mínimo de água A água aquecida que retorna do processo ingressa no DryCooler e ao sair é recolhida em um reservatório, sendo bombeada de volta ao processo já na temperatura

Leia mais

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015

Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de. Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Banco de Boas Práticas Ambientais: Cases de Reuso de Água Antônio Malard FEAM 09/06/2015 Sumário Legislações de Reuso; Consumo de Água na Indústria; Experiências de Sucesso: Banco de Boas Práticas Ambientais;

Leia mais

WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água

WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água WONE Water Optimization for Network Efficiency Otimizar a Gestão de Redes e o Controlo de Perdas de Água CONTEXTO DO PAÍS As fugas de água nos sistemas de abastecimento são um problema, mas têm de deixar

Leia mais

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining

Acquasolution Consultoria Ambiental Programa de Capacitação e Desenvol- vimento Operacional em Tratamento de Água e Efl uentes AcquaTraining 2 QUEM SOMOS A Acquasolution Consultoria Ambiental é uma empresa provedora de soluções integradas em sistemas de tratamento de água e efluentes voltada para a melhoria do gerenciamento das operações e

Leia mais

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08

Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE. Edição 26/03/08 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto da ETE Penha - CEDAE Edição 26/03/08 1 Desafios e perspectivas do reuso de esgotos sanitários em áreas urbanas: O projeto

Leia mais

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES

DIAGNÓSTICO E DEFINIÇÃO DE SOLUÇÕES Somos uma empresa brasileira, especializada em soluções de automação de máquinas e processos industriais, instalação, comissionamento e segurança de infraestrutura elétrica e de máquinas, microgeração

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU

PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU PLANEJAMENTO DA GESTÃO DE RSU copyright A criatividade com visão de longo prazo Planejamento da Gestão de Resíduos Sólidos Urbanos 27/08/2015 1 SUMÁRIO 1 ENQUADRAMENTO LEGAL 2 PLANO DE GESTÃO INTEGRADA

Leia mais

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos

Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos w Gestão Ambiental na Sabesp Workshop Carbon Disclosure Project Supply Chain CDP na cadeia de suprimentos Sup. Wanderley da Silva Paganini São Paulo, 05 de maio de 2011. Lei Federal 11.445/07 Lei do Saneamento

Leia mais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais

Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas de Tratamento de Efluentes Líquidos Industriais Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Instruções Técnicas para Apresentação de Projetos de Sistemas Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa

Leia mais

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba

Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Softwares da Elipse são utilizados nos processos de redução de perdas de água e eficientização energética da Águas Guariroba Soluções E3 e Elipse Mobile são utilizadas pela concessionária Águas Guariroba

Leia mais

PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP. Rosane Ebert Miki

PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP. Rosane Ebert Miki PROJETO PROBIOGÁS E PARTICIPAÇÃO DA SABESP Rosane Ebert Miki Projeto de parceria Brasil- Alemanha, por meio da Secretaria Nacional de Saneamento (SNS) do Ministério das cidades, com cooperação técnica

Leia mais

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho

WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho WILLIAM DEN HARTOG 38 anos Holandês Casado 1 Filho Tel. 98202-0143 (celular) / 3853-0734 (residencial) E-mail: hartog.william@yahoo.com.br Objetivo Síndico Profissional Formação Acadêmica Graduação: Administração

Leia mais

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL

MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL MINIMIZAÇÃO DE EFLUENTES NO PROCESSO INDUSTRIAL JOSÉ LUIZ PAPA ACQUA ENGENHARIA E CONSULTORIA S/C LTDA. www.acquaeng.com.br - Introdução - Escolha do Processo Industrial - Avaliação de Parâmetros de Poluição

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE - UNICENTRO Setor de Ciências Agrárias e Ambientais Unidade Universitária de Irati CURRÍCULO PLENO CURSO: ENGENHARIA AMBIENTAL (540/I Integral 02 e SEM_02) (Para alunos ingressos entre 2006 a 2008) CÓD. D. DEPTOS. DISCIPLINAS 1º 2º 3º 4º 1ª 2ª 3ª 4ª 5ª 6ª 7ª 8ª C/H 0872/I DEMAT/I Cálculo I 3 51 0873/I

Leia mais

Projeto Smart Grid. Visão Geral

Projeto Smart Grid. Visão Geral Projeto Smart Grid Visão Geral Contextualização Sobre o Smart Grid Smart Grid Light Estratégia da Light para os próximos anos 2 3-8 usinas - 98 SE - 111 SE - 7.500 2500 circuitos 19.685 km 1045 Dispositivos

Leia mais

Linha Economia Verde

Linha Economia Verde Linha Economia Verde QUEM SOMOS Instituição Financeira do Estado de São Paulo, regulada pelo Banco Central, com inicio de atividades em Março/2009 Instrumento institucional de apoio àexecução de políticas

Leia mais

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA

PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA PROGRAMA DE TRABALHO PARA ESTRUTURAÇÃO E MODERNIZAÇÃO DA GESTÃO OPERACIONAL DAS LOCALIDADES BENEFICIADAS PELO SISTEMA PRODUTOR SUL- PIRAPAMA SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO; 2. OBJETIVO; 3. LOCALIDADES BENEFICIADAS;

Leia mais

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. SABESP RENOVA PLATAFORMA COMPUTACIONAL PARA AMPLIAR E APRIMORAR PROCESSOS

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. SABESP RENOVA PLATAFORMA COMPUTACIONAL PARA AMPLIAR E APRIMORAR PROCESSOS Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. SABESP RENOVA PLATAFORMA COMPUTACIONAL PARA AMPLIAR E APRIMORAR PROCESSOS Perfil A Sabesp foi criada em 1973, a partir da fusão de várias empresas

Leia mais

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO

SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO 01 DEZEMBRO 2005 SÃO LEOPOLDO - RS SEMINÁRIO TÉCNICO DE AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO AUTOMAÇÃO PARA SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO SCAI Automação Ltda. INSTRUMENTAÇÃO NÍVEL PRESSÃO VAZÃO GRANDEZAS

Leia mais

Missão. Objetivos Específicos

Missão. Objetivos Específicos CURSO: Engenharia Ambiental e Sanitária Missão O Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária da Universidade Estácio de Sá tem por missão formar profissionais com sólida formação técnico científica nas áreas

Leia mais

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde

Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde Jornadas Técnicas de Água e Saneamento da África Sub-Saheliana Apresentação da Situação de Abastecimento de Água e Saneamento em Cabo Verde ABRIL DE 2009 Índice Apresentação da ELECTRA, SA Papel da empresa

Leia mais

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos

Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos IV Curso de Controle de Qualidade na Indústria de Alimentos Tratamento de Efluentes na Indústria e Estabelecimentos de Alimentos Por: Djalma Dias da Silveira Eng. Químico Centro de Tecnologia - UFSM A

Leia mais

EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO

EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO HEBER PIMENTEL GOMES EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Análise Econômica de Projetos 2ª Edição Revisada e Ampliada Editora Universitária - UFPB João Pessoa 2009 2ª Edição: 2009 Editora Universitária

Leia mais

O que é saneamento básico?

O que é saneamento básico? O que é saneamento básico? Primeiramente, começaremos entendendo o real significado de saneamento. A palavra saneamento deriva do verbo sanear, que significa higienizar, limpar e tornar habitável. Portanto,

Leia mais

Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014

Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014 Quer trilhar uma carreira de sucesso? Então esta é a oportunidade para dar o primeiro passo! PROGRAMA ALI AGENTES LOCAIS DE INOVAÇÃO 2012-2014 O Programa O SEBRAE, em parceria com o CNPq, desenvolveu o

Leia mais

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO

CDN Serviços de Água e Esgoto S.A. CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE ÁGUA E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO CONCESSÃO DO GERENCIAMENTO DOS SISTEMAS DE E ESGOTO DO AEROPORTO INTERNACIONAL DO RIO DE JANEIRO - GALEÃO OBJETIVOS PRINCIPAIS DA CONCESSÃO Redução das tarifas pagas pela INFRAERO e pelos concessionários;

Leia mais

Curso de Gestão de Águas Pluviais

Curso de Gestão de Águas Pluviais Curso de Gestão de Águas Pluviais Capítulo 4 Prof. Carlos E. M. Tucci Prof. Dr. Carlos E. M. Tucci Ministério das Cidades 1 Capítulo 4 Gestão Integrada Conceito Marcos Mundiais, Tendência e Estágio Institucional

Leia mais

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE

ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE ETAPAS DE UM TRATAMENTO DE EFLUENTE Estação de Tratamento de Efluente (ETE) compreende basicamente as seguintes etapas: Pré-tratamento (gradeamento e desarenação), Tratamento primário (floculação e sedimentação),

Leia mais

A experiência de Belo Horizonte:

A experiência de Belo Horizonte: A experiência de Belo Horizonte: a construção de uma capital sustentável Vasco de Oliveira Araujo Secretário Municipal de Meio Ambiente Prefeitura de Belo Horizonte Junho 2012 Belo Horizonte e RMBH (34

Leia mais

DuPont Engineering University South America

DuPont Engineering University South America Treinamentos Práticas de Melhoria de Valor (VIP Value Improvement Practices) DuPont Engineering University South America # "$ % & "" Abordagem DuPont na Gestão de Projetos Industriais O nível de desempenho

Leia mais

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO

GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO GSAN SOFTWARE COMERCIAL LIVRE MODELO DE DESENVOLVIMENTO COLABORATIVO José Maria Villac Pinheiro (1) Engenheiro pela Universidade de São Paulo USP Escola de Engenharia de São Carlos EESC. Especialização

Leia mais

Soluções Empresariais. Business Remote Monitoring Solutions

Soluções Empresariais. Business Remote Monitoring Solutions Soluções Empresariais Business Remote Monitoring Solutions «A energia é hoje um bem escasso e dispendioso. Utilizá-la com rigor, de forma eficiente e sem desperdício, é o nosso desafio todos os dias» Isa

Leia mais

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15

BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 BOLETIM de ENGENHARIA Nº 001/15 Este boletim de engenharia busca apresentar informações importantes para conhecimento de SISTEMAS de RECUPERAÇÃO de ENERGIA TÉRMICA - ENERGY RECOVERY aplicados a CENTRAIS

Leia mais

Soluções Sustentáveis para o mercado das águas

Soluções Sustentáveis para o mercado das águas Taking care of the world s water Soluções Sustentáveis para o mercado das águas www.siemens.pt Mercado da Água Page 2 Soluções para o mercado das águas VSS W&WW Automação (Process Control System PCS7,

Leia mais

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas:

No presente estudo foram consideradas as seguintes premissas: 11. ANÁLISE DE VIABILIDADE ECONÔMICA O presente capítulo consiste da avaliação econômica do Plano Estadual de Recursos Hídricos. Esta avaliação objetiva quantificar e demonstrar os impactos da implementação

Leia mais

Seminário Nacional AESBE 30 anos

Seminário Nacional AESBE 30 anos Experiências de Sucesso nas Empresas Estaduais de Saneamento TELEMETRIA 26/08/2015 Silvana Corsaro Candido da Silva de Franco, Gerente do Departamento de Planejamento, Gestão e Operação da Produção Seminário

Leia mais

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO

I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO I-036 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA DA CIDADE DE UBATUBA, ESTADO DE SÃO PAULO Milton Tomoyuki Tsutiya (1) Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da USP (1975). Mestre em Engenharia

Leia mais

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município

Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Aspectos Técnico-Operacionais da Retomada dos Serviços pelo Município Foco na Gestão Comercial e Operacional Estamos vivenciando atualmente, uma profunda transformação no Setor de Saneamento. As Companhias

Leia mais

A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas

A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas A Experiência da COPASA MG no aproveitamento energético do biogás na ETE Arrudas 1. A COPASA MG; 2. ETE Arrudas; 3. Central Termelétrica; 4. Próximos passos; A COPASA MG Fornece serviços de água para 98%

Leia mais

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro COPASA Day 2011 24 e 25 de novembro Benefícios do Tratamento de Esgoto Despoluição dos córregos e rios; Eliminação do mau cheiro; Meio ambiente limpo, recuperado e preservado; Diminuição da presença de

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

C:\Documents and Settings\Usuario\Desktop\Júlio\Arquivos finais_esa\grade-eng.sanitária-v.final_17.02.12.doc

C:\Documents and Settings\Usuario\Desktop\Júlio\Arquivos finais_esa\grade-eng.sanitária-v.final_17.02.12.doc 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Curso de Graduação em Engenharia Sanitária e Ambiental Grade Curricular válida a partir de 29/11/2011 Natureza Créditos Horas-aula Disciplinas Obrigatórias 210 3.150

Leia mais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Soluções para água municipal e águas residuais

GE Power & Water Water & Process Technologies. Soluções para água municipal e águas residuais GE Power & Water Water & Process Technologies Soluções para água municipal e águas residuais Há mais de um século, a GE vem oferecendo soluções sustentáveis para ajudar seus clientes em todo o mundo a

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL

APRESENTAÇÃO. Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 SGA & ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL APRESENTAÇÃO Sistema de Gestão Ambiental - SGA & Certificação ISO 14.000 UMA VISÃO GERAL Introdução SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL - SGA Definição: Conjunto de ações sistematizadas que visam o atendimento

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. ETA (Estação de Tratamento de Água)

Mostra de Projetos 2011. ETA (Estação de Tratamento de Água) Mostra de Projetos 2011 ETA (Estação de Tratamento de Água) Mostra Local de: Araucária. Categoria do projeto: II - Projetos finalizados. Nome da Instituição/Empresa: Transtupi Transporte Coletivo Ltda.

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009

PLANO DE ENSINO 2009 PLANO DE ENSINO 2009 Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médio ( ) Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Graduação ( x ) Pós-graduação ( ) Curso I. Dados Identificadores Disciplina Professor

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NA CPRH

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NA CPRH LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS SISTEMAS DE ESGOTAMENTO SANITÁRIO NA CPRH Clarisse Wanderley Souto Ferreira Clemildo Torres de Oliveira Walter Calábria Júnior EQUIPE TÉCNICA Clarisse Wanderley Souto Ferreira.Engenheira

Leia mais

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA

PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA PROPOSTA REFERENTE AO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM GESTÃO DE ANÁLISE SANITÁRIA 1- DO CURSO O Curso de Especialização em Gestão em Análise Sanitária destina-se a profissionais com curso superior em áreas correlatas

Leia mais

APRESENTAÇÃO. Flores da Cunha /RS - Junho, 2015.

APRESENTAÇÃO. Flores da Cunha /RS - Junho, 2015. APRESENTAÇÃO A Biossplena - Projetos Ecodinâmicos é uma empresa que atua há cinco anos no Brasil, desenvolvendo e assessorando projetos para EMPREENDIMENTOS URBANÍSTICOS, com foco nas comunidades planejadas,

Leia mais

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX

Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX Projeto de Conservação e Reuso de Água ELECTROLUX São Carlos, 31 de Janeiro de 2011. PROJETO REUSO DE ÁGUA - ELECTROLUX 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Electrolux do Brasil S/A Unidade: São Carlos

Leia mais

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento

Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Prêmio Nacional da Qualidade em Saneamento Inovação da Gestão em Saneamento Modelo inovador na operação do sistema de distribuição de água utilizando Distritos de Manobra Outubro-2013 Organograma da OC

Leia mais

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 38393/2007;

CONSIDERANDO a solicitação da Comissão Coordenadora do Programa, conforme processo nº 38393/2007; DELIBERAÇÃO Câmara de Pós-Graduação Nº 008/2008 Reestrutura o Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Edificações e Saneamento, Mestrado, com área de concentração em Engenharia de Edificações e Saneamento.

Leia mais

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico

PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI. Audiencia Pública - Prognóstico PLANO DE GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DO CIM-AMAVI Audiencia Pública - Prognóstico LEGISLAÇÃO: Constituição 1988: Artigo 225 Lei 11.445/2007 (Saneamento Básico) Decreto 7.217/2010 (Saneamento

Leia mais

Comunicado Técnico 08

Comunicado Técnico 08 Comunicado Técnico 08 ISSN 2177-854X Setembro. 2010 Uberaba - MG Automação em Sistemas de Irrigação Responsáveis: Ana Paula P.M.Guirra E-mail: anappmg_irrig@yahoo.com.br Tecnóloga em Irrigação e Drenagem;

Leia mais

Eficiência Energética e Redução de Perdas. George Alves Soares - Eletrobras

Eficiência Energética e Redução de Perdas. George Alves Soares - Eletrobras Eficiência Energética e Redução de Perdas George Alves Soares - Eletrobras Sumário Importância da sinergia Conceituação Segmentação das Perdas Técnicas Como a eficiência energética pode ajudar Ações no

Leia mais

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro.

Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Carta Regional dos Municípios de Itaguaí, Mangaratiba, Seropédica e Rio de Janeiro. Nós, membros do poder público, usuários e sociedade civil organizada, estudantes e profissionais da educação, reunidos

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO

SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO SUAPE GLOBAL GT 4 PESQUISA, DESENVOLVIMENTO E INOVAÇÃO GRUPO DE TRABALHO INTERNO SUAPE GLOBAL - UNICAP Alcivam Paulo de Oliveira (Coordenador de Extensão) Evânia Pincovsky (Coordenadora) Hélio Pereira

Leia mais

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP

Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Gestão da Demanda de Água Através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP R. R. Chahin a a. Companhia de Saneamento Básico do Estado de

Leia mais

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA...

REUSO PLANEJADO DA ÁGUA: UMA QUESTÃO DE INTELIGÊNCIA... REUSO ÁGUA: INTELIGÊNCIA... PLANEJADO DA UMA QUESTÃO DE CONSUMO DE ÁGUA doméstico Indústria Agricultura 18,60% 8,00% 22,40% 22,00% 59,00% 70,00% Brasil Mundo Consumo mundial = 3.240 km 3 / ano Consumo

Leia mais

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013

TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA. Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 TERMO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA Nº. 016/ 2012 CREA/MG E FUNASA Setembro/2013 S Capacitação de Técnicos e Gestores para Elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico Módulo I Sistema de Esgotamento Sanitário

Leia mais

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br

Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA. jscolforo@ufla.br Prof. Jose Roberto Scolforo Reitor da Universidade Federal de Lavras UFLA jscolforo@ufla.br Câmpus da UFLA em 2015 Discentes graduação:11.607 Discentes pós-graduação: 2.184 Técnicos: 563 Docentes: 603

Leia mais

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014)

YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) YK Risk Consultoria em Gestão Empresarial Ltda. Apresentação Institucional v.3 (2014) Quem somos? Uma empresa com foco na geração de valor com serviços em Gestão de Riscos associados à Sustentabilidade.

Leia mais