Grupo Temático: Questão Social, Políticas Sociais e Serviço Social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grupo Temático: Questão Social, Políticas Sociais e Serviço Social"

Transcrição

1 Grupo Temático: Questão Social, Políticas Sociais e Serviço Social A EDUCAÇÃO PERMANENTE NO PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS DA CONSULTORIA/ASSESSORIA SOCIAL Chrislayne Caroline dos Santos Nascimento Aluna de Pós Graduação em Serviço Social na UFRN, Natal RN Av. Sen. Salgado Filho, Lagoa Nova Natal/RN. Brasil. Carla Montefusco Professora do Departamento de Serviço Social da UFRN, Natal RN Av. Sen. Salgado Filho, Lagoa Nova Natal/RN. Brasil. Este artigo se configura como produto de atividades, estudos e pesquisa desenvolvida no projeto de monitoria intitulado Planejamento, Gestão e Assessoria em Projetos Sociais, vinculado a disciplina complementar Oficina de Assessoria e Consultoria e à disciplina obrigatória Administração e planejamento em Serviço Social, ofertadas pelo Departamento de Serviço Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Propõe-se um debate acerca da educação permanente no processo de qualificação dos serviços de assessoria/consultoria social prestados pelo assistente social. Assim, a partir de pesquisa bibliográfica de autores que discutem a temática, este artigo traz alguns apontamentos de como as transformações no mundo do trabalho modificaram: as requisições do mercado de trabalho contemporâneo, a dinâmica social, as relações sociais, e o modelo de gestão nas organizações, e nessa conjuntura de mudanças como se configuram a assessoria/consultoria social na prestação de serviços às organizações públicas, privadas, e não governamentais, mediante as novas expressões da questão social, demandas e necessidades sociais processadas neste âmbito. Ressalta também o perfil do assessor/consultor social, e a relevância da qualificação continuada para o desenvolvimento de novos saberes teóricos e práticos, e construção de novas técnicas profissionais que correspondam com as necessidades e objetivos dos demandatários dos serviços. E por fim, destaca a educação permanente como possibilidade de contínua qualificação desse profissional na perspectiva de aprimorar suas competências profissionais e a qualidade dos seus serviços prestados aos os usuários, ressaltando o compromisso ético político da profissão na perspectiva da promoção social. Palavras Chave: Serviço Social, Assessoria/Consultoria, Educação Permanente.

2 .A EDUCAÇÃO PERMANENTE NO PROCESSO DE QUALIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS DA CONSULTORIA/ASSESSORIA SOCIAL INTRODUÇÃO A Educação Permanente é imprescindível para a qualidade dos serviços prestado em qualquer área de atuação profissional. O processo contínuo de qualificação possibilita aos profissionais uma permanente articulação com a dinâmica social e técnica nos processos de trabalho contemporâneo, e as especificidades de atuação de suas respectivas áreas. Nota-se a relevância da educação permanente na atuação profissional, sobretudo, pela dinamicidade do cotidiano, as novas manifestações da questão social, as demandas, a própria conjuntura em que se desdobrarão os serviços demandados pelas organizações e seus contratantes. A assessoria/consultoria social é uma área de serviço especializado solicitado por diversas organizações quando os demandatários identificam a necessidade de mudanças em determinadas realidades, vale ressaltar que embora exista algumas pequenas diferenças entre os dois termos, neste artigo a assessoria e a consultoria estão sendo tratadas como processos indistintos. O profissional assessor/consultor é requisitado á propor mudanças, portanto, para que o serviço prestado alcance sua finalidade, o assessor precisa ser propositivo e qualificado na área que lhe compete, assim é indispensável uma qualificação continuada, nas proposições e estratégias ofertadas por este profissional, visto que, tais elementos podem implicar na efetividade dos seus serviços, atrelado ao comprometimento com seus usuários. A assessoria/consultoria social constitui-se como uma das atribuições profissionais do assistente social, e como trabalho especializado faz-se relevante a continua qualificação teórica-técnica, e o compromisso ético-político desse profissional, sobretudo, na qualidade dos serviços prestados aos usuários nos diversos espaços sociocupacionais. Logo, este artigo traz alguns apontamentos, a partir de pesquisa bibliográfica acerca de como se configura assessoria/consultoria social, o perfil do

3 assessor/consultor, e destaca a educação permanente como possibilidade de contínua qualificação desse profissional na perspectiva de aprimorar também a qualidade dos seus serviços. Este artigo também se configura como produto de atividades, estudos e pesquisa desenvolvida no projeto de monitoria intitulado Planejamento, Gestão e Assessoria em Projetos Sociais, vinculado a disciplina complementar Oficina de Assessoria Consultoria, e à obrigatória Administração e Planejamento em Serviço Social, ofertadas pelo Departamento de Serviço Social da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. 1. ASSESSORIA/CONSULTORIA SOCIAL: PERFIL PROFISSIONAL E TRANSFORMAÇÕES CONTEMPORÂNEAS As mudanças macrossocietárias, repercutiram transformações no mundo do trabalho processadas a nível global, reproduzindo novas formas de gestão da força de trabalho, e requisições para inserção profissional no mercado de trabalho. (Antunes, 1999). De um lado, entre outros aspectos, as transformações apontam para a inserção de profissionais altamente qualificados nas mais diversificadas área de trabalho. De outro lado essas transformações imprimem novas necessidades sociais e novas formas e/ou intensificação e aprimoramento de serviços já existentes para o atendimento dessas necessidades. Conforme explicita Fonseca (2005, p. 25) À medida que as necessidades sociais se modificam, transformam-se os modos de atendê-las. As necessidades sociais se desvelam na sociedade como um todo, em aspectos econômicos, políticos e sociais, na esfera dos direitos sociais, no planejamento e gestão de políticas públicas e sociais, e também nas próprias organizações públicas, privadas e não governamentais, onde se concretiza o trabalho individual e coletivo. Tais necessidades também desvelam das novas expressões da questão social processadas na sociabilidade contemporânea, e isto, requisita dos

4 profissionais que atuam nesta conjuntura uma apropriação teórica tanto das características sócio-histórica da questão social, como também seus aspectos atuais, a fim de construir novos mecanismos de enfrentamento. Conforme afirma Santos (2012, p. 235): Penso que é somente apreendendo os determinantes sóciohistóricos da questão social que são dadas as condições para formular, na condição de categoria profissional, estratégias para o seu enfrentamento que evitem as armadilhas, hoje visivelmente imperantes tanto na esfera pública quanto na esfera privada [...]. Estas armadilhas, entre outras, se podem destacar a desqualificação dos serviços prestados, ou respostas incoerentes às novas demandas, ou necessidades sociais, que requisitam novas formas de atendê-las, nesse sentido, há a própria necessidade de qualificação dos profissionais que atuantes nestes âmbitos organizacionais ou em outros espaços. As organizações são espaços onde também se processam as demandas, entre outras, da relação capital trabalho, de clima organizacional, relações interpessoais, gestão e organização do trabalho, qualidade de vida no trabalho, qualificação profissional, relação entre as organizações e a sociedade, os projetos sociais e políticas desenvolvidos pelas organizações, enfim, as mudanças e necessidades sociais que perpassam o cotidiano de trabalho neste âmbito. (MATOS, 2006). Portanto, estas necessidades traduzem a requisição de serviços capazes de atendê-las, propondo soluções e mudanças de determinadas realidades nas organizações e nos espaços onde se processam a assessoria e consultoria social. Nesse sentido, de acordo com Matos (2009, p. 10) a assessoria pode ser entendida como um processo que gera mudança, mas a partir de uma relação em que assessores e assessorados possuem distintas contribuições a serem dadas. A assessoria pode ser configurada como um acompanhamento e monitoramento de determinadas demandas, junto a um grupo ou diversos que a executam. (GOERK; VICCARI 2004). É um serviço requisitado por diferentes tipos de organizações. De acordo com Goerk e Viccari (2004, p. 4) As assessorias são consideradas formas indiretas de prestações de serviços a órgãos governamentais, não governamentais e empresas privadas.

5 Entretanto, a prestação de assessoria e consultoria social não se restringe apenas aos órgãos da administração pública, empresas privadas, e ONGs, mas também, aos próprios movimentos sociais em matéria relacionada às políticas sociais e à garantia dos direitos civis, políticos e sociais da coletividade. O contexto de constantes modificações nos variados setores da sociedade, como o econômico, político, social, implicam também em alterações nas relações sociais e de trabalho, e contemporaneamente e a todo tempo surgem novas expressões da questão social, e demandas sociais, sobretudo, nas diversas organizações, e neste sentido, ampliam-se os espaços de atuação do assessor/consultor social. Assim sendo, a assessoria social como atribuição profissional do assistente social nessa conjuntura de modificações no mundo do trabalho, reafirma a necessidade de uma qualificação especializada teórica-técnica e política. De acordo com Fonseca (2005, p. 12): Pensar a assessoria como atribuição do assistente social leva-nos a refletir sobre uma área de atuação do profissional que requer preparo técnico, embasamento teórico e comprometimento ético-político. O profissional deve mobilizar-se no sentido de ocupar esse novo campo que se configura nos novos formatos do mundo do trabalho. Este serviço especializado é prestado por esses profissionais devidamente qualificados na área, como define Matos (2006, p ): Definimos assessoria/consultoria como aquela ação que é desenvolvida por um profissional com conhecimento na área, que toma a realidade como objeto de estudo e detém uma intenção de alteração da realidade. Os demandatários das organizações requisitam a prestação de serviços dos assessores/consultores a fim de propor as mudanças necessárias, entre outros, no âmbito da organização e do trabalho coletivo desempenhado pelos profissionais que a compõem. Desta forma a assessoria/consultoria consiste em ações planejadas, organizadas, projetadas com a finalidade e perspectiva de mudanças em determinados contextos e realidades.

6 Assim faz-se imprescindível a qualificação do assessor/consultor social para investigar, propor idéias e mudanças efetivas, construir estratégias de participação social entre os sujeitos envolvidos no processo da assessoria. Consonante a isto Matos (2009, p. 12) aponta que: [...] o processo de assessoria é cotidianamente construído com os sujeitos fundamentais os assessorados e estes têm autonomia em acatar ou não as proposições da assessoria. Esse processo deve ser franco e aberto, por ambos os lados. O assessor é um sujeito propositivo, mas que só terá êxito nessa atividade se tiver interlocução com quem assessora. Para tanto, é fundamental a adoção de estratégias de trabalho participativas. Todavia as mudanças não ocorrem instantaneamente, uma vez que, estas envolvem a vida em sociedade, o trabalho coletivo, a subjetividade dos indivíduos, a cultura organizacional, e, portanto, aspectos internos e externos desses profissionais e da própria organização. Segundo, esclarece Leite ( 2003, p. 34) [...] a mudança no âmbito individual seguirá seu ritmo próprio, seus limites e possibilidades de amadurecimento, assim como as mudanças no domínio dos grupos e das coletividades encontrará especificidades próprias. Assim, o assessor deve ter clareza dos objetivos propostos pelos demandatários, como profissional facilitador de mudanças, no sentido também de propor idéias, o assessor não se configura como executor das ações, nem como único idealizador ou inacessível, mas, um profissional com habilidades de ouvir os usuários demandatários do serviço, de todos os sujeitos sociais envolvidos, investigar, apontar proposições, e respostas técnicas qualificadas ás demandas em questão, de forma interativa, com o público assessorado. Nessa perspectiva Fonseca (2005, p. 14) esclarece: É importante estarmos atento para que a atividade de assessoria não seja reduzida a um momento em que o assessor dita as estratégias e o assessorado executa as ações. A assessoria deve ser desenvolvida segundo a ação profissional de ambas as partes revelando a competência profissional distinta de cada um. Logo, a assessoria deve ocorrer de forma dinâmica e participativa a fim de promover a socialização dos resultados, e objetivos alcançados no processo da assessoria, desde o planejamento a execução das ações e estratégias elaboradas

7 conjuntamente pelos demais profissionais, nos diversos espaços onde se processa a assessoria/consultoria social. Ressalta-se como um dos desafios da assessoria social as próprias mudanças sociais na atual conjuntura de transformações, segundo Leite (2003, p. 52), grande é o desafio das mudanças coletivas em nossa sociedade [...] todo desenvolvimento profissional, humano e acadêmico será sempre, portanto, muito bem-vindo. Tal fato remete-nos a pensar sobre a qualificação e o perfil do profissional assessor/consultor. Conforme pontua Matos ( 2006, p. 32): O assessor não é aquele que intervém, deve, sim, propor caminhos e estratégias ao profissional ou a equipe que assessora e estes têm autonomia em acatar ou não as suas proposições. Portanto, o assessor deve ser alguém estudioso, permanentemente atualizado e com capacidade de apresentar claramente as suas proposições. A prestação de serviços em assessoria social requer um profissional com competências e habilidades essenciais, e especialização na área em que se propõe atuar, embora, possua suas características e estilo próprio, o assessor compõe um perfil ético, crítico, propositivo, dinâmico, criativo, investigador, que não se prende a aspectos aparentes, mas que observa, questiona, negocia e interage, construindo desta forma possibilidades de respostas as demandas, e mudanças de realidade em questão. Destarte, o assessor presta serviços na perspectiva de mudanças nos diversos espaços onde se consolida a assessoria, ao mesmo tempo em que, as mudanças no próprio mercado de trabalho requisitam desse profissional uma contínua qualificação. Contudo, essa qualificação continuada não se configura apenas como requisição para inserção no mercado de trabalho na área de assessoria, mas, sobretudo, a fim de permanecer nele e aprimorar a qualidade dos seus serviços, e competências profissionais, e estabelecer um compromisso com seus usuários, ou seja, implica na dimensão política do exercício profissional do assistente social.

8 2. A EDUCAÇÃO PERMANENTE E A CONTÍNUA QUALIFICAÇÃO DOS SERVIÇOS PRESTADOS PELO ASSISTENTE SOCIAL ASSESSOR/CONSULTOR A dinamicidade social e cotidiana em que se concretiza o trabalho de qualquer área profissional requisita uma formação continuada, uma educação permanente, pois a complexidade das transformações macrossocietárias imprime novas expressões da questão social, novas demandas socioinstitucionais que precisam ser analisadas e intervindas. As demandas resultantes desse processo ganham novas características e exige do assistente social assessor/consultor uma constante atualização, com a finalidade de atender com eficiência e eficácia as propostas desse trabalho especializado na contemporaneidade. Assim, refletir e avaliar a qualidade da atuação do assessor/consultor social é considerar também a sua qualificação profissional, em face à atual dinâmica social, dos processos de trabalho, das relações sociais, a reconfiguração do modelo de gestão pública, privada e social, os novos formatos dos programas sociais nas organizações, das políticas públicas e sociais, e ampliação dos espaços de participação social. Ora, se o profissional é demandado a propor mudanças, e possuir clareza dos objetivos especificados por seus demandatários nas organizações e em outros espaços onde é desenvolvida a assessoria, infere-se, que ele dispõe do conhecimento teórico-técnico necessário para uma atuação qualificada. Essa qualificação se adquire no processo formativo e na contínua qualificação desse profissional. De acordo com Leite (2003, p. 51): Os tempos mudam, a sociedade aumenta seus níveis e critérios de exigências e a ciência cresce e prolifera em produção e em complexidade. Logo, a atualização permanente [...] pode fortalecer e aprimorar significativamente a formação do consultor [...]. Desta forma, a qualificação profissional contínua implica na qualidade do trabalho realizado nas diversas áreas inclusive, dos profissionais que atuam na assessoria/consultoria social, nos processos de mudanças sociais e organizacionais em um contexto de constantes transformações.

9 Uma vez que, o profissional que não investiga que não tem clareza dos saberes e habilidades de sua área, nem o devido conhecimento de suas competências e atribuições, corre o risco de comprometer a qualidade dos serviços prestados aos usuários demandatários. A qualidade dos serviços compõem as habilidades do profissional assessor/ consultor, as autoras Goerck e Viccari ( 2004, p. 4), explicitam que: Para a realização da assessoria, os profissionais devem ter como habilidades: negociação, atualização e aprimoramento teóricos constantes, habilidade com apropriação e manejo da informática, iniciativa, espírito de liderança, criatividade, bom relacionamento interpessoal da equipe e interdisciplinar em permanente desenvolvimento. O aprimoramento dessas habilidades profissionais faz-se imprescindível para uma atuação coerente, e a busca contínua pelo conhecimento estimula o desenvolvimento de novas habilidades, e novas possibilidades de ação. A educação permanente é a reflexão na/e sobre a prática profissional que possibilita tanto a ampliação quanto a construção de novos conhecimentos, para o atendimento de necessidades e demandas emergentes, a partir de novas estratégias de ação profissional. Como é apontado pelas autoras, Maia e Barbiane, (2003, p. 3): Há ainda outra dimensão importante na qual a educação contínua contribui significativamente. A reflexão na ação pode assumir contornos de pesquisa na prática, onde os profissionais procuram respostas e sentidos a situações complexas, ainda emergentes (não capturadas pela teorização), criando e recriando novas estratégias de ação. Portanto, um trabalho qualificado requisita um aprimoramento contínuo, visto que, a produção do conhecimento não se encerra na academia, o profissional comprometido com a qualidade dos seus serviços é permanentemente atualizado teórico e tecnicamente. Desta forma, a educação permanente é uma necessidade em todas as profissões e áreas do conhecimento. Pois no contexto atual, a dinâmica e complexa realidade em transformação produz aceleradamente questões que precisam ser desveladas e analisadas (CFESS-CRESS, 2013).

10 A qualificação profissional contínua na área da assessoria social, não desconsidera as limitações profissionais determinada, entre outros fatores, pelas condições objetivas e subjetivas de trabalho. Não obstante, a educação permanente nesse processo, se configura como possibilidade de qualificação e aprimoramento dos serviços prestados aos usuários. Na área do Serviço Social, tais questões demandam uma atuação embasada nas diretrizes que norteiam a profissão, as quais apontam, para um exercício profissional qualificado, estratégico, crítico e propositivo nos diversos espaços ocupacionais. Tais qualificações subsidiam a assessoria/consultoria social na perspectiva de (re) produzir respostas, e práticas profissionais coerentes e permanentemente qualificadas, face às novas expressões da questão social, as demandas socioinstitucionais, e seus atuais desafios. CONSIDERAÇÕES FINAIS A partir da revisão bibliográfica, e dos apontamentos acerca da assessoria/consultoria social como atribuição do assistente social, o perfil do assessor/consultor, e a qualificação continuada, pretende-se evidenciar neste artigo alguns possíveis fatores resultantes da educação permanente no processo de qualificação dos serviços da assessoria/consultoria social, tais como: O acesso ao debate contemporâneo suscitado pelos autores da área possibilita a ampliação do arcabouço teórico sobre as temáticas de assessoria/consultoria social, o Serviço Social e áreas afins, maior apropriação e articulação entre a dimensão teórica/prática e política, análises crítica do contexto socioinstitucional onde se concretiza a prática profissional, a (re) produção do conhecimento, e o aprimoramento das competências profissionais. A apropriação do debate teórico contemporâneo descortina novas formas de se pensar a assessoria/consultoria social, a produção desses novos conhecimentos apontam para a possibilidade de construção de novas técnicas, uma vez que, as mudanças hodiernas revelam a necessidade de técnicas profissionais que atendam

11 as necessidades sociais e os objetivos dos demandatários dos serviços do assessor/consultor, e técnicas também compatíveis com a conjuntura onde se processa a assessoria social e a realidade dos sujeitos sociais envolvidos. O conjunto dos saberes teóricos e técnicos acumulados pelo assessor/consultor tanto na formação quanto na experiência profissional contribuem para a formação de um perfil profissional que corresponde às requisições do mercado de trabalho, entretanto, mais que isso, a educação permanente desse profissional reafirma substancialmente um perfil profissional qualificado, não apenas para inserção no mercado, mas a permanência nele com o compromisso de prestar um serviço altamente qualificado aos seus demandatários. O reconhecimento social do assistente social assessor/consultor estar associado com a qualidade dos serviços prestados no processo da assessoria, com a relação estabelecida entre o profissional e os usuários demandatários dos serviços, isto é, os sujeitos sociais envolvidos, o compromisso ético político da profissão com esses usuários, e com a formação profissional e a qualificação continuada desse assessor/consultor, entre outros, estes elementos repercutem na visibilidade e valorização social desse profissional nos diversos espaços de atuação e prestação de serviços. A reflexão acerca desses fatores nos permite atentar para a concatenação e inter-relação existentes entre eles, e como ambas ressaltam a relevância da educação permanente para o assistente social atuante nos processos de assessoria/consultoria social na perspectiva de garantir a qualidade dos seus serviços, ao mesmo tempo em que denota o compromisso com os usuários, e defesa da socialização dos direitos, participação social, as mudanças de determinadas realidades e a promoção social. Longe de esgotar o debate e as analises dos possíveis fatores resultantes da educação permanente nos processos de assessoria/consultoria social, o presente artigo teve a pretensão de contribuir para reflexão acerca do tema e a produção intelectual.

12 REFERÊNCIAS ANTUNES, Ricardo. Os Sentidos do Trabalho, ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. Editorial: Boitempo, CFESS-CRESS. Política de Educação Permanente do Conjunto CFESS-CRESS. Brasília [DF], FONSECA, Tatiana Maria Araújo da. Reflexões acerca da assessoria como atribuição e competência do assistente social. In: Revista Ágora: Políticas Públicas e Serviço Social, Ano 2, n 3, dezembro de GOERCK, Caroline; e VICCARI, Eunice Maria. Assessoria: processo de trabalho do Serviço Social. In: Revista Virtual Textos & Contextos. Nº 3, ano III, dez LEITE, Luiz Augusto Mattana da Costa et al. O Consultor: papel, perfil e relação com o cliente. In: Consultoria em Gestão de Pessoas. Rio de Janeiro: Editora FGV, MAIA, Marilene; BARBIANE, Rosangela. A Formação Continuada em Serviço Social: uma experiência em construção. Revista Virtual Textos & Contextos. Porto Alegre, Nº 2, ano II, dez MATOS, Maurílio Castro. Assessoria e Consultoria: reflexões para o Serviço Social. In: BRAVO, Maria Inês Souza e MATOS, Maurílio Castro. Assessoria, Consultoria e Serviço Social. Rio de Janeiro: 7 Letras; FAPERJ, MATOS, Maurílio Castro de "Assessoria, consultoria, auditoria e supervisão técnica". In: CFESS/ABEPSS (Organizadores) Serviço Social: Direitos Sociais e Competências Profissionais. Brasília: CFESS/ABEPSS, SANTOS, Josiane Soares. Questão Social: particularidades no Brasil. São Paulo: Cortez, 2012.

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais

Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais Administração, planejamento e assessoria social: as múltiplas faces da gestão de serviços sociais NASCIMENTO, C. C. S. 1 ;SILVEIRA, R. B. B. 2 ; MONTEFUSCO, C. 3 ; Resumo O projeto de ensino ora apresentado

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

ASSESSORIA E CONSULTORIA: competência técnica da (o) assistente social. Natureza: sistematização do trabalho profissional

ASSESSORIA E CONSULTORIA: competência técnica da (o) assistente social. Natureza: sistematização do trabalho profissional ASSESSORIA E CONSULTORIA: competência técnica da (o) assistente social Natureza: sistematização do trabalho profissional Eixo III: Serviço Social, fundamentos, formação e trabalho profissional Tema: Trabalho

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013

ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 ORIENTAÇÃO TÉCNICA Nº 01/2013 Ementa: Realização de estudo socioeconômico para a concessão de benefícios eventuais e outros benefícios sociais. A presente Orientação Técnica tem por objetivo responder

Leia mais

A Política de Educação Permanente do conjunto [CFESS- CRESS] na UFRN: um debate possível

A Política de Educação Permanente do conjunto [CFESS- CRESS] na UFRN: um debate possível I CONGRESSO INTERNACIONAL DE POLÍTICA SOCIAL E SERVIÇO SOCIAL: DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS Chrislayne Caroline dos Santos Nascimento (1) (1) Programa de Pós Graduação em Serviço Social, UFRN, Brasil. E-mail:

Leia mais

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares

O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares 590 O ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM SERVIÇO SOCIAL: perspectivas e desafios frente às novas diretrizes curriculares Raquel Renzo Silva - UNESP Analúcia Bueno dos Reis Giometti - UNESP INTRODUÇÃO A atualidade

Leia mais

HELENA NAVARRO GIMENEZ

HELENA NAVARRO GIMENEZ HELENA NAVARRO GIMENEZ O ASSISTENTE SOCIAL NA GESTÃO ESTADUAL DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL E A APLICABILIDADE DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL NESSE ESPAÇO DE ATUAÇÃO O presente artigo tem por objetivo

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL

Profa. Rosemara Soares de Souza Caires. Unidade II SERVIÇO SOCIAL Profa. Rosemara Soares de Souza Caires Unidade II SERVIÇO SOCIAL INTERDISCIPLINAR Aproximações entre o Serviço Social e a Interdisciplinaridade A interdisciplinaridade se manifesta na profissão por meio

Leia mais

Gestão Ampliações Das lutas Coletivas à Emancipação

Gestão Ampliações Das lutas Coletivas à Emancipação NOTA sobre atribuições do cargo de Analista de Assistência e Desenvolvimento Social/Serviço Social contido no PL 312/2014 da Prefeitura Municipal de São Paulo. O CRESS/SP - 9º Região vem a público informar

Leia mais

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE

O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE O POTENCIAL DE CONTRIBUIÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSESSORIA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS NA LUTA PELA SAÚDE Maria Inês Souza Bravo * Maurílio Castro de Matos ** Introdução O presente trabalho é fruto de reflexões

Leia mais

Bacharelado em Serviço Social

Bacharelado em Serviço Social Informações gerais: Bacharelado em Serviço Social Duração do curso: 04 anos (08 semestres) Horário: Vespertino e Noturno Número de vagas: 300 vagas anuais Coordenador do Curso: Profª Ms. Eniziê Paiva Weyne

Leia mais

O PROCESSO DE SUPERVISÃO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL

O PROCESSO DE SUPERVISÃO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL O PROCESSO DE SUPERVISÃO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL Professora Necilda de Moura Santana Discutir a questão do processo de supervisão na formação profissional do assistente social requer

Leia mais

serviço social na saúde coletiva reflexões e práticas

serviço social na saúde coletiva reflexões e práticas serviço social na saúde coletiva reflexões e práticas Conselho Editorial Bertha K. Becker Candido Mendes Cristovam Buarque Ignacy Sachs Jurandir Freire Costa Ladislau Dowbor Pierre Salama Mônica de Castro

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL

DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE SERVIÇO SOCIAL PLANO DE ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO PARA ESTUDANTES DO CURSO DE SERVIÇO SOCIAL INTRODUÇÃO O estágio curricular obrigatório é aquele definido

Leia mais

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL PROFESSORA: DENISE CARDOSO O serviço social é uma especialização do trabalho coletivo, inserido na divisão sóciotécnica do trabalho, cujo produto expressa-se

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE PSICOLOGIA Coronel Fabriciano 2012 2 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Aspectos legais... 4 4 Requisitos acadêmicos... 4 5 Estrutura curricular organizacional

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n 69/ 2011 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em, Bacharelado, do Centro

Leia mais

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL

SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL SUPERVISÃO ACADÊMICA: UMA PROPOSTA POLÍTICA DE DESAFIOS E QUALIDADE NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL Lourdes Passaura* RESUMO: Este artigo relata a experiência de um trabalho efetuado por meio do projeto de supervisão

Leia mais

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema

Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Escritório Modelo da Faculdade de Diadema Profª. Vânia Amaro Gomes Coordenação de Curso DIADEMA, 2015 Introdução Atualmente há uma grande dificuldade dos alunos egressos das Faculdades em obter emprego

Leia mais

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000)

A singularidade do ser humano oferece à enfermagem um cenário rico de diversidade nas ações do cuidado (Oliveira et al, 2000) Faculdade de Enfermagem - Departamento de Enfermagem Básica Disciplina: Administração em Enfermagem I Docente: Bernadete Marinho Bara De Martin Gama Assunto: As dimensões do Cuidar e as Competências da

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Assessoria, consultoria, auditoria e supervisão técnica

Assessoria, consultoria, auditoria e supervisão técnica Assessoria, consultoria, auditoria e supervisão técnica Maurílio Castro de Matos Mestre em Serviço Social (UFRJ) e Doutorando em Serviço Social (PUC-SP). Assistente Social da Secretaria Municipal de Saúde

Leia mais

Competências e Habilidades Específicas:

Competências e Habilidades Específicas: DIRETRIZES CURRICULARES NACIONAIS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM 1. PERFIL DO FORMANDO EGRESSO/PROFISSIONAL Enfermeiro, com formação generalista, humanista, crítica e reflexiva. Profissional qualificado

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N 72/2009 Aprova o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Sistemas de Informação, modalidade

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Lajeado 4811 Administração LFE em Administração

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL

DIRETRIZES CURRICULARES CURSO: SERVIÇO SOCIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E DO DESPORTO Secretaria de Educação Superior Coordenação das Comissões de Especialistas de Ensino Superior Comissão de Especialistas de Ensino em Serviço Social DIRETRIZES CURRICULARES

Leia mais

Curso de Serviço Social Manual do estagiário

Curso de Serviço Social Manual do estagiário Curso de Serviço Social Manual do estagiário I - Apresentação Caro aluno, A disciplina denominada Supervisão Acadêmica em Serviço Social, objetiva contribuir na compreensão das atividades relativas ao

Leia mais

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência.

Palavras-chave: Ensino Superior. Formação Docente. Estágio de Docência. ESTÁGIO DE DOCÊNCIA: TEMPO E ESPAÇO DE FORMAÇÃO DO PROFESSOR UNIVERSITÁRIO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Costa, Daiene de Cássia Souza Resumo Este artigo apresenta parte de discussão teórica de dissertação de mestrado

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.264, DE 24 DE ABRIL DE 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Serviço

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí 1. DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1.1 Denominação Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1.2 Total de Vagas Anuais 80 vagas anuais 1.3 Regime Acadêmico de Oferta Seriado

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1

O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 O SERVIÇO SOCIAL E O ATUAL PROJETO DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL 1 AVILA, Lisélen 2 ; AVILA, Evelisen 3 ; AGUINSKY, Beatriz 4 1 Trabalho do tipo bibliográfico 2 Assistente Social, Mestranda em Serviço Social

Leia mais

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso

INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso INFORMAÇÕES DO PPC Perfil do Egresso O Curso Superior de Tecnologia em Secretariado visa formar profissionais com competência técnica, comunicação interpessoal, postura ética, visão holística, espírito

Leia mais

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos.

Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Conexão na Escola, o princípio para a Construção de Conhecimentos. Elizabeth Sarates Carvalho Trindade 1 Resumo: A utilização e articulação das tecnologias e mídias pela educação no processo de aprendizagem

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS

Plano Integrado de Capacitação de Recursos Humanos para a Área da Assistência Social PAPÉIS COMPETÊNCIAS PAPÉIS E COMPETÊNCIAS O SERVIÇO PSICOSSOCIAL NO CREAS... O atendimento psicossocial no serviço é efetuar e garantir o atendimento especializado (brasil,2006). Os profissionais envolvidos no atendimento

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS.

GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. GRADUAÇÃO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CARACTERIZAÇÃO DO CURSO DENOMINAÇÃO: CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING / ÁREA PROFISSIONAL: GESTÃO E NEGÓCIOS. DIPLOMA CONFERIDO: TECNÓLOGO DE

Leia mais

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

Currículo nº2 DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº2 Reconhecido pelo Decreto Federal n 82.413, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 1064, de 13.04.11 DOE

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO

RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO RESOLUÇÃO Nº 039/2004-COU/UNICENTRO REVOGADA PELA RESOLUÇÃO Nº 128/2014- COU/UNICENTRO. DISPOSITIVOS DO PROJETO PEDAGÓGICO APROVADO POR ESTA RESOLUÇÃO, ESTÃO ALTERADOS PELA RESOLUÇÃO Nº 26/2009-COU/UNICENTRO.

Leia mais

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL

DISCIPLINAS DE FORMAÇÃO BÁSICA GERAL CURSO DE SERVIÇO SOCIAL Turno: INTEGRAL Currículo nº Reconhecido pelo Decreto Federal n 8.1, de 16.10.78, D.O.U. nº198 de 17.10.78. Renovação de Reconhecimento Decreto Est. nº. 106, de 1.0.11 DOE nº 85

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPE N 49/2005*

RESOLUÇÃO CEPE N 49/2005* RESOLUÇÃO CEPE N 49/2005* Ratifica o Projeto Político-Pedagógico do Curso de Serviço Social, em implantação a partir do ano letivo de 2002. CONSIDERANDO a Lei n.º 9394/96 - Lei de Diretrizes e Bases da

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Faculdade Figueiredo Costa 16/73

Faculdade Figueiredo Costa 16/73 16/73 CAPITULO IV GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO PERFIL PROFISSIONAL O Curso de Graduação em Administração deve ensejar como perfil desejado do formando, capacitação e aptidão para compreender as questões

Leia mais

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro

PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO. Maria da Conceição Muniz Ribeiro PERFIL E COMPETÊNCIA DO ENFERMEIRO DE CENTRO CIRÚRGICO Maria da Conceição Muniz Ribeiro I - CENTRO CIRÚRGICO CONJUNTO DE ELEMENTOS DESTINADOS AS ATIVIDADES CIRÚRGICAS, BEM COMO À RECUPERAÇÃO PÓS ANESTÉSICA

Leia mais

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance

Fundação Carmelitana Mário Palmério - FUCAMP Faculdade de Ciências Humanas e Sociais - FACIHUS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO DE LETRAS PORTUGUÊS/ESPANHOL O ensino da língua espanhola no contexto da escola pública INTRODUÇÃO Este plano procura articular-se de forma integrada com o plano de trabalho institucional, que

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC BLUMENAU PORTARIA DE CREDENCIAMENTO DA FACULDADE Portaria Nº 1.325 de 18 de maio de 2004, publicada no DOU em 20 de maio de 2004. Diretor da Faculdade: Elita Grosch Maba Diretor

Leia mais

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO

GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO GESTÃO FINANCEIRA CONCEPÇÃO DO CURSO Missão do Curso Formar profissionais de nível superior, com atuação na área de Tecnologia em Gestão Financeira, a partir da articulação das teorias que fundamentam

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL

Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL Portfólio Easy to Learn SERVIÇO SOCIAL ÍNDICE Pensamento Social...2 Movimentos Sociais e Serviço Social...2 Fundamentos do Serviço Social I...2 Leitura e Interpretação de Textos...3 Metodologia Científica...3

Leia mais

A CONSULTORIA COMO METODOLOGIA DE ENSINO NA GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA

A CONSULTORIA COMO METODOLOGIA DE ENSINO NA GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA A CONSULTORIA COMO METODOLOGIA DE ENSINO NA GRADUAÇÃO TECNOLÓGICA FRIZZO, Débora Faculdades FTEC deborafrizzo@ftec.com.br MUNHOZ, Luis Paulo Soares Faculdades FTEC munhozftec@gmail.com Resumo Eixo Temático:

Leia mais

Formulação de projeto de trabalho profissional

Formulação de projeto de trabalho profissional Formulação de projeto de trabalho profissional Berenice Rojas Couto Professora de Política Social nos cursos de Graduação e Pós-Graduação da Faculdade de Serviço Social da PUCRS/Rio Grande do Sul. 0 1

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES

Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Projeto de Ações para o Serviço Psicológico do Setor Socioeducacional da Faculdade ASCES Jovanka de Freitas S. Limeira Psicóloga Setor Socioeducacional Caruaru 2014 APRESENTAÇÃO O presente projeto sugere

Leia mais

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE

A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE A POSSIBILIDADE DE ATUAÇÃO DO PEDAGOGO NA CONTEMPORANEIDADE Ana Paula Moura da Silva (UNEAL / SENAI-AL) Israel Silva de Macêdo (SENAI-AL, UNIAFRA, FRM) Resumo Esta pesquisa apresenta uma reflexão sobre

Leia mais

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes

Ana Lúcia Maciel Francisco Kern Maria da Graça Türck Regina Martins Rosa Maria Castilhos Fernandes 1 A Graturck é uma empresa especializada nas áreas de consultoria, assessoria e cursos em Serviço Social. Contando com uma equipe técnica qualificada, está lançando uma oportunidade para aqueles alunos

Leia mais

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007).

Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). Anexo 1. Ementários de acordo com o Projeto Político Pedagógico do Curso de Serviço Social (2007). I. Disciplinas Obrigatórias SOCIOLOGIA CLÁSSICA Os paradigmas sociológicos clássicos (Marx, Weber, Durkheim).

Leia mais

REFLEXÕES DO TRABALHO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA BRASILEIRA

REFLEXÕES DO TRABALHO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA BRASILEIRA 1 REFLEXÕES DO TRABALHO PROFISSIONAL DO ASSISTENTE SOCIAL NA REDE FEDERAL DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA BRASILEIRA Autora: Nathália Lopes Caldeira Brant 1 RESUMO O Serviço Social no processo de

Leia mais

1. Apresentação Curso de Serviço Social

1. Apresentação Curso de Serviço Social PROJETO NÚCLEO DE PRÁTICAS DE JURIDICAS E DE SERVIÇO SOCIAL Responsável Técnica As. Social Tatiane Ferreira CRESS/SC 3207 CRESS/PR 6425 Prof. Ms. As. Social Josiane Bortoluzzi 1. Apresentação O Curso de

Leia mais

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira

COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO. Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DO PSICÓLOGO BRASILEIRO Dra. Iraní Tomiatto de Oliveira Sumário Psicologia no Brasil: percurso histórico Psicologia no Brasil nos últimos vinte anos Referências legais e organização

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA. Capítulo I DAS DISPOSIÇÕES LEGAIS Resolução do colegiado de Pedagogia nº 03/2014 Regulamenta Estágio supervisionado do curso de Pedagogia, fixados no Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia, Licenciatura, do Centro de Ensino Superior

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS No que se refere à elaboração de propostas de intervenção na área social e ao trabalho com famílias, julgue os itens seguintes. 51 O trabalho social com famílias deve embasar-se

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E CONSELHOS GESTORES DE POLITICAS PUBLICAS. Tutor(a) a Distância:Maria Lucia Pereira Tutor(a) Presencial: Thais c.

SERVIÇO SOCIAL E CONSELHOS GESTORES DE POLITICAS PUBLICAS. Tutor(a) a Distância:Maria Lucia Pereira Tutor(a) Presencial: Thais c. SERVIÇO SOCIAL E CONSELHOS GESTORES DE POLITICAS PUBLICAS Tutor(a) a Distância:Maria Lucia Pereira Tutor(a) Presencial: Thais c. Santos Acadêmicos(A): Registro Acadêmico RA: Maria Angélica dos Santos 3355566667

Leia mais

PROGRAMA ENSINO MÉDIO INOVADOR E A CONCEPÇÃO DE FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL

PROGRAMA ENSINO MÉDIO INOVADOR E A CONCEPÇÃO DE FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL PROGRAMA ENSINO MÉDIO INOVADOR E A CONCEPÇÃO DE FORMAÇÃO HUMANA INTEGRAL Erika Roberta Silva de Lima (IFRN 1 /PPGEP 2 ) erika_limma@hotmail.com Dante Henrique Moura (IFRN/PPGEP) dante.moura@ifrn.edu.br

Leia mais

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social

ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social ORGANIZAÇÃO CURRICULAR do Curso de Serviço Social O Projeto pedagógico do Curso de Serviço Social do Pólo Universitário de Rio das Ostras sua direção social, seus objetivos, suas diretrizes, princípios,

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições

Leia mais

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE

PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE 1 PERSPECTIVAS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL QUANDO ANALISADA SOB A CÁTEDRA FORMAL Terezinha Corrêa Lindino UNIOESTE Resumo O presente trabalho procura vincular a Educação formal aos princípios da Educação Ambiental

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE

PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE www.unp.br PRÓ-DOCENTE PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOCENTE PERMANENTE Diretoria dos Pilares Estratégicos Núcleo de Apoio Psico-Pedagógico - NAPe Programa apresentado ao CONSELHO SUPERIOR UNIVERSI- TÁRIO ConSUni

Leia mais

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN

FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN FIC SEM LIXO - Projeto de Educação Ambiental desenvolvido na Escola Estadual Professor Francisco Ivo Cavalcanti em Natal/RN Brenda Luíza Patriota Lima e Silva¹ André Elias Nóbrega² João Batista dos Santos³

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias *

O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * O Planejamento de Projetos Sociais: dicas, técnicas e metodologias * Arminda Eugenia Marques Campos ** Luís Henrique Abegão *** Maurício César Delamaro **** Numa época em que os recursos públicos destinados

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 8, DE 7 DE MAIO DE 2004. (*) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia. O Presidente

Leia mais

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo

Caderno de Propostas. 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS - São Paulo Caderno de Propostas VIII COREP - SP Congresso Regional de Psicologia Psicologia, Ética e Cidadania: Práticas Profissionais a Serviço da Garantia de Direitos 26, 27 e 28 de abril de 2013 Espaço APAS -

Leia mais

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS...

PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... PROCESSOS DE ALFABETIZAÇÃO NA INFÂNCIA: RESSIGNIFICANDO O MUNDO, LENDO PALAVRAS... Autora: Moema Helena de Albuquerque Co-autora: Sandra Maria Cunhasque Instituto Federal Catarinense Câmpus Camboriú CAPES

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - CONSEMAC

CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - CONSEMAC CONSELHO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO - CONSEMAC Indicação CONSEMAC nº 08, de 21 de junho de 2007. Dispõe sobre o Projeto de Lei n 166/2005 de Política Municipal de Educação Ambiental

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO, BACHARELADO Administração LFE em Administração de Empresas Administração LFE em Análise de Sistemas

Leia mais

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO

2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO 2- GESTÃO DOS AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM NOS CURSOS DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA NO ÂMBITO DO PROINFO INTEGRADO Maria do Rozario Gomes da Mota Silva 1 Secretaria de Educação do

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 6 ANEXO II METODOLOGIAS (A) CURSO DE ADMINISTRAÇÃO 7 A) Metodologias utilizadas no Curso de Administração, bacharelado: a) Aulas Expositivas, Fórum de Debates, Dinâmica de Grupo, Seminários, Estudos de

Leia mais

A INTERFACE DO SERVIÇO SOCIAL COM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: UMA REFLEXÃO ACERCA DA CONTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL

A INTERFACE DO SERVIÇO SOCIAL COM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: UMA REFLEXÃO ACERCA DA CONTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL A INTERFACE DO SERVIÇO SOCIAL COM O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: UMA REFLEXÃO ACERCA DA CONTRIBUIÇÃO PROFISSIONAL Karina Tatiane da Costa Martins 1 Helenita dos Santos Arruda 2

Leia mais

GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar

GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar 1 GESTÃO ESCOLAR HOJE: a cultura tecnológica no espaço escolar Maio/2008 Fabíola da Conceição Lima Universidade Estadual do Maranhão / Núcleo de Educação a Distância fabiolalima27@hotmail.com Categoria

Leia mais

EDITAL SAL/MJ Nº 10, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional

EDITAL SAL/MJ Nº 10, DE 03 DE JULHO DE 2015. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Contrato de Pessoa Física Modalidade Produto Nacional MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Secretaria de Assuntos Legislativos Esplanada dos Ministérios, Ed. Sede, bloco T, 4º andar, sala 434 (61) 2025 3376 / 3114 E-mail: sal@mj.gov.br EDITAL SAL/MJ Nº 10, DE 03 DE JULHO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS ANEXO A SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO COLEGIADO DE ARTES VISUAIS REGULAMENTO ESPECÍFICO DOS COMPONENTES CURRICULARES PRÁTICAS DE ENSINO DO CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO- COFI ORIENTAÇÃO Nº 3 Concessão de benefícios eventuais e análises correlatas, na Politica de Assistência Social. Considerando que o Conselho Regional de Serviço Social

Leia mais

Área de Ciências Humanas

Área de Ciências Humanas Área de Ciências Humanas Ciências Sociais Unidade: Faculdade de Ciências Humanas e Filosofia (FCHF) www.fchf.ufg.br Em Ciências Sociais estudam-se as relações sociais entre indivíduos, grupos e instituições,

Leia mais

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL

RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL RELATÓRIO FINAL CURSO DE CAPACITAÇÃO EM SAÚDE MENTAL Nome: ALDINÉA GUARNIERI DE VASCONCELLOS Escolaridade: Super Completo/ Pós- Graduação Idade: 44 anos Profissão: Assistente Social Local de Trabalho:

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3

A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA O CURSO DE SERVIÇO SOCIAL: PERSPECTIVA HISTÓRICA E ATUAL FERREIRA, CMA 1 ; ROCHA, LM 2 ; FERREIRA, CMA 3 1 Catyelle Maria de Arruda Ferreira, autora, aluna do Curso de Ciências

Leia mais

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO

POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO POLÍTICAS DE EXTENSÃO E ASSUNTOS COMUNITÁRIOS APRESENTAÇÃO A universidade vivencia, em seu cotidiano, situações de alto grau de complexidade que descortinam possibilidades, mas também limitações para suas

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE PEDAGOGIA, Licenciatura REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das disposições gerais O presente documento

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão.

MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES. Coordenação de Estágio e Trabalho de Conclusão. MANUAL DE ESTÁGIO CIÊNCIAS CONTÁBEIS Profa. LUCIANE ALVES FERNANDES Porto Alegre/RS 2014 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. O ESTÁGIO... 3 3. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL DO ESTÁGIO... 3 4. OBJETIVOS DO ESTÁGIO... 3

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais