ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP"

Transcrição

1 ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP

2 i) Impactos das alterações humanas sobre o funcionamento do ecossistema, especialmente ciclagem de matéria orgânica e nutrientes e as relações entre os processos biofísicos, a biodiversidade, o solo e o clima; ii) Conectar o funcionamento do ecossistema e caracteres biológicos, que podem fornecer pistas sobre a estabilidade e a resiliência das florestas degradadas; iii) Compreender a capacidade de generalização dos dados, isto é, até que ponto resultados obtidos em uma dada Floresta Tropical podem ser extrapolados para florestas em outros continentes; iv) Compreender o impacto e as consequências das alterações humanas a nível de paisagem e tempo, multi escalas espaciais e temporais; v) Reduzir a distância e o tempo entre a ciência e a tomada de decisão política.

3 1) estabelecer a primeira rede de sites de estudo intensivo e acompanhamento a longo prazo, ao longo de um gradiente de florestas intactas e alteradas na Amazônia, e melhorar significativamente a rede de sites de áreas alteradas e intactas na Mata Atlântica; 2) complementar este sites de estudo intensivo com uma rede de parcelas em diversas microbacias na Amazônia e na Mata Atlântica, quer permitirá extrapolar dados de biodiversidade, estoques de carbono e serviços ambientais para o nível da paisagem; 3) desenvolver uma visão integrada ao longo de gradientes de alteração humana, que permita uma abordagem multi-escalar espacial e temporal.

4

5 Caminho seguido pelo carbono através dos ecossistemas terrestres (Adaptado de Trumbore, 2006)

6

7

8 5 parcelas (100x100 m) 1 conjuntos de 4 parcelas (25x25m) PAP 15,0 cm 8 of 20

9 Métodos de coleta de dados para estudo de dinâmica de Carbono na Mata Atlântica Inventário Florestal (DAP, Altura, espécies, IC, recrutamento e mortalidade, biomassa acima e abaixo do solo e outras formas de vida); Madeira Morta (CWD); Raízes finas; Serapilheira; Gases (CO2) autotrófico e heterotrófico Datação radiocarbônica

10 Taxa de crescimento arbóreo ao longo de um gradiente altitudinal de Mata Atlântica (mm ano -1 ) 1,1 1,0 1,4 1,2 Restinga Terras Baixas Submontana Montana

11 Taxa de crescimento arbóreo ao longo de um gradiente altitudinal de Mata Atlântica (mm ano -1 ) 1,1 1,0 1,4 1,2 Restinga Terras Baixas Submontana Montana

12 Taxa de crescimento arbóreo ao longo de um gradiente altitudinal de Mata Atlântica (mm ano -1 ) 1,4 1,1 1,0 1,5 1,2 2,0 Restinga Terras Baixas Submontana Montana

13 Balanço de carbono ao longo de um gradiente altitudinal de Mata Atlântica (Mg ha -1 ano -1 ) 1,6 1,9 0,6 0,9 Restinga Terras Baixas Submontana Montana

14 Balanço de carbono ao longo de um gradiente altitudinal de Mata Atlântica (Mg ha -1 ano -1 ) 1,6 1,9 0,6 0,9 Restinga Terras Baixas Submontana Montana

15 Balanço de carbono ao longo de um gradiente altitudinal de Mata Atlântica (Mg ha -1 ano -1 ) 0,6 1,6 1,9 1,3 0,9 2,9 Restinga Terras Baixas Submontana Montana

16 Espécies Densidade Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. 50 Cupania vernalis Cambess. 34 Croton floribundus Spreng. 18 Cordia tricohotoma (Vell.) Arrab. Ex Steud 12 Tabernaemontana hystrix Steud. 8 Coutarea hexandra (Jacq.) K.Schum. 6 Machaerium hirtum(vell.) Stellfeld 4 Allophylus semidentatus (Miq.) Radlk. 4 Randia armata (Sw.) DC. 3 Piptadenia paniculata Benth. 3 Leucochloron incuriale (Vell.) Barneby & J.W.Grimes 3 Campomanesia guazumifolia (Cambess.) O.Berg 3 Alchornea glandulosa Poepp. & Endl. 3 Cassia ferruginea (Schrad.) Schrad. ex DC. 2 Casearia sylvestris Sw. 2 Aegiphila integrifolia (Jacq.) Moldenke 2 Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glassman 1 Solanum swartzianum Roem. & Schult. 1 Pisonia ambigua Heimerl 1 Matayba guianensis Aubl. 1 Machaerium stipitatum Vogel 1 Inga striata Benth 1 Guettarda viburnoides Cham. & Schltdl. 1 Daphnopsis cf.fasciculata (Meisn.) Nevling 1 cf.alseis 1 Cecropia pachystachya Trécul 1 Annona sylvatica A.St.-Hil. 1 Aloysia virgata (Ruiz & Pav.) Juss. 1 Allophylus edulis Radlk. 1

17

18

19

BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa. ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC

BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa. ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC Nas últimas décadas, na maior parte do mundo, populações migraram das áreas rurais

Leia mais

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Rede PPBio Mata Atlântica Projeto de Coordenação de Rede Projeto Associado Nordeste BAHIA PERNAMBUCO

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

COMPOSIÇÃO FLORISTICA E ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO ARBUSTIVO ARBÓREO DE UMA ÁREA DE MATA CILIAR DO RIO AMAMBAI, MUNICÍPIO DE AMAMBAI, MS

COMPOSIÇÃO FLORISTICA E ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO ARBUSTIVO ARBÓREO DE UMA ÁREA DE MATA CILIAR DO RIO AMAMBAI, MUNICÍPIO DE AMAMBAI, MS COMPOSIÇÃO FLORISTICA E ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO ARBUSTIVO ARBÓREO DE UMA ÁREA DE MATA CILIAR DO RIO AMAMBAI, MUNICÍPIO DE AMAMBAI, MS Jósimo Diego Bazanella Linê¹; Zefa Valdivina Pereira²; Emerson Pereira

Leia mais

Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico. VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA

Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico. VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA PROCESSO HISTÓRICO 20 anos de RAD Processo Histórico Anos 80...

Leia mais

Família :TILIACEAE Espécie: Luehea divaricata

Família :TILIACEAE Espécie: Luehea divaricata Família :TILIACEAE Espécie: Luehea divaricata Mart.& Zucc. N. popular: Açoita-cavalo,A çoita-cavalo-miúdo Síndrome de dispersão: Anemocórica Família:TILIACEAE Espécie:Luehea grandiflora Mart. N. popular:açoita-cavalo,

Leia mais

Biodiversidade e Ciclagem de Nutrientes. Estoques de Carbono nas Florestas Brasileiras Simone Aparecida Vieira

Biodiversidade e Ciclagem de Nutrientes. Estoques de Carbono nas Florestas Brasileiras Simone Aparecida Vieira Biodiversidade e Ciclagem de Nutrientes Estoques de Carbono nas Florestas Brasileiras Simone Aparecida Vieira Formas do Carbono no Sistema Terrestre Atmosfera (750) Dióxido de carbono (gás) CO 2 (7)

Leia mais

MONITORAMENTO DE REFLORESTAMENTO NA RESERVA ECOLÓGICA DE GUAPIAÇU, CACHOEIRAS DE MACACU-RJ

MONITORAMENTO DE REFLORESTAMENTO NA RESERVA ECOLÓGICA DE GUAPIAÇU, CACHOEIRAS DE MACACU-RJ EIXO TEMÁTICO: Ciências Ambientais e da Terra MONITORAMENTO DE REFLORESTAMENTO NA RESERVA ECOLÓGICA DE GUAPIAÇU, CACHOEIRAS DE MACACU-RJ Rayanne Carvalho da Costa 1 Thayza de Oliveira Batitucci 2 Milena

Leia mais

O controle do solo sobre a estrutura da floresta e estoques de carbono na Amazônia Central

O controle do solo sobre a estrutura da floresta e estoques de carbono na Amazônia Central O controle do solo sobre a estrutura da floresta e estoques de carbono na Amazônia Central Demétrius Martins Flávio Luizão Let me bring you songs from the wood (Ian Anderson)) Carlos Alberto Quesada Ted

Leia mais

Bacia Hidrográfica do Cabuçu de Baixo:

Bacia Hidrográfica do Cabuçu de Baixo: Bacia Hidrográfica do Cabuçu de Baixo: Intervenções e Possibilidades Orientador: Profº Me. Wilson Fernandes Forti Amanda Poletto Carlos Bressan Edson Santos Luis Tadeu de Oliveira Patrícia Graciano São

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ).

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ). LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ). Daniela Aparecida Estevan, Renata Baldo, Patrícia Tiemi de Paula Leite, Gabriela da Mota Ferreira

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

Análise estrutural e distribuição espacial em remanescente de Floresta Ombrófila Mista, Guarapuava (PR)

Análise estrutural e distribuição espacial em remanescente de Floresta Ombrófila Mista, Guarapuava (PR) Análise estrutural e distribuição espacial em remanescente de Floresta Ombrófila Mista, Guarapuava (PR) Structural analysis and spatial distribution in an Araucaria Forest remaining, Guarapuava (PR) Resumo

Leia mais

Tipos funcionais de plantas para estudos de modelagem de biodiversidade

Tipos funcionais de plantas para estudos de modelagem de biodiversidade Tipos funcionais de plantas para estudos de modelagem de biodiversidade André Vitor Fleuri Jardim Bolsista PCI-DTI Orientadora: Dra. Silvana Amaral Kampel DPI - Inpe Classificação funcional de plantas

Leia mais

Universidade Regional de Blumenau FURB

Universidade Regional de Blumenau FURB Universidade Regional de Blumenau FURB Centro de Ciências Tecnológicas Programa de Pós-Graduação - PPGA Nível de Mestrado em Engenharia Ambiental Distribuição de Mimosoideae nas regiões do oeste e planalto

Leia mais

BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Ecossistemas

BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental. Ecossistemas BIE-212: Ecologia Licenciatura em Geociências e Educação Ambiental Ecossistemas Programa Introdução Módulo I: Organismos Módulo II: Populações Módulo III: Comunidades Módulo IV: Ecossistemas - Ecossistemas

Leia mais

ESTUDO FENOLÓGICO EM TRÊS FASES SUCESSIONAIS DE UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL NO MUNICÍPIO DE SANTA TEREZA, RS, BRASIL 1

ESTUDO FENOLÓGICO EM TRÊS FASES SUCESSIONAIS DE UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL NO MUNICÍPIO DE SANTA TEREZA, RS, BRASIL 1 55 ESTUDO FENOLÓGICO EM TRÊS FASES SUCESSIONAIS DE UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL NO MUNICÍPIO DE SANTA TEREZA, RS, BRASIL 1 Cáren Andreis 2, Solon Jonas Longhi 3, Eleandro José Brun 4, Júlio César Wojciechowski

Leia mais

Ciência Florestal ISSN: 0103-9954 cf@ccr.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil

Ciência Florestal ISSN: 0103-9954 cf@ccr.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Ciência Florestal ISSN: 0103-9954 cf@ccr.ufsm.br Universidade Federal de Santa Maria Brasil Godinho Cassol, Henrique Luis; Dimas Fleig, Frederico UTILIZAÇÃO DE GEOPROCESSAMENTO NA SIMULAÇÃO DE ÁREAS DE

Leia mais

Avaliação Integrada de Remanescentes Florestais de Embu-SP

Avaliação Integrada de Remanescentes Florestais de Embu-SP SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO FLORESTAL Rua do Horto, 931 -CEP 02377-000 Horto Florestal - São Paulo, Brasil - Fone: (011) 6231-8555 - Fax (011) 6232-5767 nuinfo@iflorest.sp.gov.br Avaliação Integrada

Leia mais

BIOMASSA VEGETAL, ESTOQUE DE CARBONO E DINÂMICA EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA MONTANA

BIOMASSA VEGETAL, ESTOQUE DE CARBONO E DINÂMICA EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA MONTANA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO -PR PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA PPGA BIOMASSA VEGETAL, ESTOQUE DE CARBONO E DINÂMICA EM UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA MONTANA DISSERTAÇÃO

Leia mais

Identificação da zona ripária no rio Gualaxo do Norte através da fenologia da vegetação local.

Identificação da zona ripária no rio Gualaxo do Norte através da fenologia da vegetação local. Identificação da zona ripária no rio Gualaxo do Norte através da fenologia da vegetação local. Guilherme de Castro Oliveira¹ Herly Carlos Teixeira Dias¹ Fernando de Oliveira Melo¹ Iolanda de Sena Gonçalves¹

Leia mais

Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano

Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano Perda equivale a 40% da produzida pelo desmatamento total. Pesquisa cruzou dados de satélites e de pesquisas

Leia mais

Larissa Lacerda CABRAL(1); Elba Maria Nogueira FERRAZ(2); Elcida de Lima ARAÚJO (3)

Larissa Lacerda CABRAL(1); Elba Maria Nogueira FERRAZ(2); Elcida de Lima ARAÚJO (3) CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICO-ESTRUTURAL DA VEGETAÇÃO REGENERANTE EM ÁREA DE MATA ATLÂNTICA SOB CONDIÇÃO DA PRESENÇA DE JAQUEIRAS REPRODUTIVAS (ARTOCARPUS INTEGRIFOLIA L) Larissa Lacerda CABRAL(1); Elba Maria

Leia mais

Luciana Satiko Arasato. Orientadores: Camilo Daleles Rennó e Silvana Amaral

Luciana Satiko Arasato. Orientadores: Camilo Daleles Rennó e Silvana Amaral Incluindo dependência espacial na modelagem da distribuição de Euterpe edulis Mart. (palmito juçara) no gradiente altitudinal da mata Atlântica em Ubatuba-SP. Luciana Satiko Arasato Orientadores: Camilo

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. MATERIAL E MÉTODOS. 2.1. Localização da Área Experimental

1. INTRODUÇÃO 2. MATERIAL E MÉTODOS. 2.1. Localização da Área Experimental 715 PRODUÇÃO E DECOMPOSIÇÃO DE SERAPILHEIRA EM UM SISTEMA AGROFLORESTAL IMPLANTADO PARA RECUPERAÇÃO DE ÁREA DEGRADADA EM VIÇOSA-MG 1 Helga Dias Arato 2, Sebastião Venâncio Martins 3 e Silvia Helena de

Leia mais

A SUCESSÃO ECOLÓGICA EM ÁREA DE MATA ATLÂNTICA SUBMETIDA A USO DE ROÇA NA DECADA DE 1970 (PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA, RIO DE JANEIRO, RJ) 1

A SUCESSÃO ECOLÓGICA EM ÁREA DE MATA ATLÂNTICA SUBMETIDA A USO DE ROÇA NA DECADA DE 1970 (PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA, RIO DE JANEIRO, RJ) 1 A SUCESSÃO ECOLÓGICA EM ÁREA DE MATA ATLÂNTICA SUBMETIDA A USO DE ROÇA NA DECADA DE 1970 (PARQUE ESTADUAL DA PEDRA BRANCA, RIO DE JANEIRO, RJ) 1 Aluna: Christiane Gerbauld Catalão Orientador: Rogério Ribeiro

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES Ciências Biológicas IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES Autor(a): RICARDO DA SILVA RIBEIRO¹ Coautores(as): LUCIRENE RODRIGUES, ANDERSON ALEX SANDRO

Leia mais

III SIMPÓSIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DESERTIFICAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA EM PARCELA PERMANENTE EM PROCESSO DE DESERTIFICAÇÃO

III SIMPÓSIO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E DESERTIFICAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA EM PARCELA PERMANENTE EM PROCESSO DE DESERTIFICAÇÃO COMPOSIÇÃO FLORÍSTICA EM PARCELA PERMANENTE EM PROCESSO DE DESERTIFICAÇÃO Ana Caroline Coelho Pereira da Silva (1) ; Marília Mickaele Pinheiro Carvalho (1) ; Juliano Ricardo Fabricante (2) ; José Alves

Leia mais

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO Fundação Oswaldo Cruz FIOCRUZ Fundação para Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde - FIOTEC Restauração Ecológica no Campus

Leia mais

A FAMÍLIA FABACEAE NAS FLORESTAS ESTACIONAIS SEMIDECIDUAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO

A FAMÍLIA FABACEAE NAS FLORESTAS ESTACIONAIS SEMIDECIDUAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO A FAMÍLIA FABACEAE NAS FLORESTAS ESTACIONAIS SEMIDECIDUAIS DO TRIÂNGULO MINEIRO André Eduardo Gusson (1) ; Sérgio de Faria Lopes (1) ; Ana Paula de Oliveira (1) ; Vagner Santiago do Vale (1), Olavo Custódio

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO S ÓCIO AMBIENTAL PRODUTO 11

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO S ÓCIO AMBIENTAL PRODUTO 11 Rubrica: RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO S ÓCIO AMBIENTAL PRODUTO RELATÓRIO CAMPO FITOSSOCIOLOGIA CAMPANHAS I e CRESCENTE F É R T I L MEIO AMBIENTE C U L T U

Leia mais

Fluxo de energia. e Ciclos biogeoquímicos. Profª Reisila Mendes. BIOLOGIA 1ª série

Fluxo de energia. e Ciclos biogeoquímicos. Profª Reisila Mendes. BIOLOGIA 1ª série Fluxo de energia e Ciclos biogeoquímicos BIOLOGIA 1ª série Profª Reisila Mendes Fluxo de energia na cadeia alimentar Fluxo da matéria nos ecossistemas Ciclo da água 1 precipitação 2 infiltração 3 - evapotranspiração

Leia mais

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Prof. Israel Marinho Pereira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Laboratório de Dendrologia e Ecologia Florestal-LDEF imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

Pregão Eletrônico nº 15/ OBJETO: ADM. CENTRAL - Aquisição de mudas de espécies nativas.

Pregão Eletrônico nº 15/ OBJETO: ADM. CENTRAL - Aquisição de mudas de espécies nativas. Pregão Eletrônico nº 15/01435 OBJETO: ADM. CENTRAL - Aquisição de mudas de espécies nativas. A Celesc Distribuição S.A., inscrita no CNPJ nº 08.336.783/0001-90, com sede na Av. Itamarati 160, Bairro Itacorubi,

Leia mais

Caracterização química e biológica de solos com diferentes históricos de manejo e uso no Agreste Meridional Pernambucano.

Caracterização química e biológica de solos com diferentes históricos de manejo e uso no Agreste Meridional Pernambucano. Universidade Federal Rural de Pernambuco Programa de Pós-Graduação em Ciência do Solo Disciplina: Seminário III Caracterização química e biológica de solos com diferentes históricos de manejo e uso no

Leia mais

Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO-

Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO- Mudanças climáticas e projetos de créditos de carbono -REFLORESTAMENTO- Magno Castelo Branco magno@iniciativaverde.org.br As florestas no âmbito do MDL -Definição das Modalidades e Procedimentos relacionados

Leia mais

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL Wendy Carniello Ferreira 1, Marciel José Ferreira 2, Rodrigo Couto Santos 3, Danival Vieira de Freitas 4, Christiano

Leia mais

FLORÍSTICA DA COMUNIDADE ARBÓREO-ARBUSTIVA DE UM FRAGMENTO FLORESTAL URBANO BOSQUE MUNICIPAL RANGEL PIETRARÓIA, MARÍLIA, SP

FLORÍSTICA DA COMUNIDADE ARBÓREO-ARBUSTIVA DE UM FRAGMENTO FLORESTAL URBANO BOSQUE MUNICIPAL RANGEL PIETRARÓIA, MARÍLIA, SP Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG / Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal FAEF Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal Re.C.E.F. ISSN: 1678-3867 Ano IX - Volume 18 Número

Leia mais

SOLOS E DISPONIBILIDADE QUALIDADE DA ÁGUA

SOLOS E DISPONIBILIDADE QUALIDADE DA ÁGUA SITUAÇÃO HÍDRICA NO BRASIL DIMENSÕES CLIMA E SOLO SOLOS E DISPONIBILIDADE QUALIDADE DA ÁGUA Paulo César do Nascimento Departamento de Solos Agronomia Univ. Federal Rio Grande do Sul Junho - 2015 1 O QUE

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO RENATA PASSOS PINCELLI

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO RENATA PASSOS PINCELLI UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO RENATA PASSOS PINCELLI MONITORAMENTO DAS FASES INICIAIS DE RECUPERAÇÃO DA MATA CILIAR NA MICROBACIA DO MÉDIO RIBEIRÃO SÃO JOÃO NO MUNICÍPIO DE MINEIROS DO TIETÊ - SP BAURU

Leia mais

Regeneração natural de Floresta Estacional Decidual. Regeneração natural pós fogo em Cerrado. Recuperação de áreas fortemente degradadas no Cerrado

Regeneração natural de Floresta Estacional Decidual. Regeneração natural pós fogo em Cerrado. Recuperação de áreas fortemente degradadas no Cerrado v.7, n.1 Abril / Junho 2014 ISSN 1983-3687 Distribuição Gratuita INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS - MG DIRETORIA DE PESQUISA E PROTEÇÃO À BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS Regeneração natural

Leia mais

VARIAÇÃO SUCESSIONAL NO ACÚMULO DE BIOMASSA EM FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, SANTA TEREZA-RS 1

VARIAÇÃO SUCESSIONAL NO ACÚMULO DE BIOMASSA EM FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, SANTA TEREZA-RS 1 Variação sucessional no acúmulo de biomassa em... 47 VARIAÇÃO SUCESSIONAL NO ACÚMULO DE BIOMASSA EM FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, SANTA TEREZA-RS 1 Successional Variation of Accumulated Biomass in a Seasonal

Leia mais

MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS

MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS MANUAL DE IDENTIFICAÇÃO E LANTIO DE MUDAS DE ESÉCIES FLORESTAIS MEIO AMBIENTE ARESENTAÇÃO Este manual foi desenvolvido como ferramenta destinada aos profissionais e aos interessados em realizar plantios

Leia mais

A vegetação do Morro de Araçoaiaba, Floresta Nacional de Ipanema, Iperó (SP)

A vegetação do Morro de Araçoaiaba, Floresta Nacional de Ipanema, Iperó (SP) SCIENTIA FORESTALIS n. 58, p. 145-159, dez. 2000 A vegetação do Morro de Araçoaiaba, Floresta Nacional de Ipanema, Iperó (SP) The vegetation of the Araçoiaba Mountain, Ipanema National Forest, Iperó (SP)

Leia mais

Estudo 4- Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais. Estudo - Potencial de Negócios para o País na Área de Mercado de Carbono

Estudo 4- Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais. Estudo - Potencial de Negócios para o País na Área de Mercado de Carbono Centro de Gestão e Estudos Estratégicos Ciência, Tecnologia e Inovação Mudança do Clima Estudo 4- Oportunidades de Negócios em Segmentos Produtivos Nacionais Estudo - Potencial de Negócios para o País

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA DE UM FRAGMENTO DE RESTINGA LOCALIZADO NA PRAIA DE GRUMARI, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO.

FITOSSOCIOLOGIA DE UM FRAGMENTO DE RESTINGA LOCALIZADO NA PRAIA DE GRUMARI, MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL Daniela Rodrigues Bossoes FITOSSOCIOLOGIA DE UM FRAGMENTO DE RESTINGA LOCALIZADO NA PRAIA

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DA BIOMASSA E NUTRIENTES EM UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL EM ITAARA-RS, BRASIL

QUANTIFICAÇÃO DA BIOMASSA E NUTRIENTES EM UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL EM ITAARA-RS, BRASIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS RURAIS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL QUANTIFICAÇÃO DA BIOMASSA E NUTRIENTES EM UMA FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL EM ITAARA-RS,

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA VEGETAÇÃO E ESPÉCIES PARA RECUPERAÇÃO DE MATA CILIAR, IJUÍ, RS

CARACTERIZAÇÃO DA VEGETAÇÃO E ESPÉCIES PARA RECUPERAÇÃO DE MATA CILIAR, IJUÍ, RS Ciência Florestal, Santa Maria, v. 21, n. 2, p. 251-260, abr.-jun., 2011 ISSN 0103-9954 CARACTERIZAÇÃO DA VEGETAÇÃO E ESPÉCIES PARA RECUPERAÇÃO DE MATA CILIAR, IJUÍ, RS 251 CHARACTERIZATION OF THE VEGETATION

Leia mais

MONITORAMENTO DE MEDIDAS BIOLÓGICAS EM RECUPERAÇÄO DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO: ANÁLISE DA PROJEÇÃO E COBERTURA DE COPA NA ILHA DA MADEIRA, ITAGUAÍ-RJ.

MONITORAMENTO DE MEDIDAS BIOLÓGICAS EM RECUPERAÇÄO DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO: ANÁLISE DA PROJEÇÃO E COBERTURA DE COPA NA ILHA DA MADEIRA, ITAGUAÍ-RJ. MONITORAMENTO DE MEDIDAS BIOLÓGICAS EM RECUPERAÇÄO DE ÁREA DE EMPRÉSTIMO: ANÁLISE DA PROJEÇÃO E COBERTURA DE COPA NA ILHA DA MADEIRA, ITAGUAÍ-RJ. Leonardo Tienne 1 ; Leonardo Gradiski Neves 2 ; Flavio

Leia mais

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1

QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 QUANTIFICAÇÃO DE BIOMASSA FLORESTAL DE PINUS ELLIOTTII COM SEIS ANOS DE IDADE, EM AUGUSTO PESTANA/RS 1 Jéssica Smaniotto 2, Osorio Antônio Lucchese 3, Cleusa Adriane Menegassi Bianchi 4, Rafael Pettenon

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ ESTRATÉGIAS PARA REDD NO AMAPÁ INDICADORES Fronteira: Pará, Guiana Francesa e Suriname Municípios: 16 Área: 143.453,71 km 98% de cobertura florestal conservada População: 613.164

Leia mais

CHUVA DE SEMENTES NA RPPN FAZENDA SANTA MARIA, PR SEED RAIN IN RPPN FAZENDA SANTA MARIA, PR

CHUVA DE SEMENTES NA RPPN FAZENDA SANTA MARIA, PR SEED RAIN IN RPPN FAZENDA SANTA MARIA, PR CHUVA DE SEMENTES NA RPPN FAZENDA SANTA MARIA, PR Maria Angélica Gonçalves Toscan 1 ; Lívia Godinho Temponi 2 ; Rosimeri de Oliveira Fragoso 3 Resumo A RPPN Fazenda Santa Maria, com 242 ha de área, é um

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia APORTE DE MATERIAL VEGETAL SOBRE O SOLO EM UMA FLORESTA SEMIDECIDUA AO NORTE DO ESTADO DE MATO GROSSO Ândrea Carla

Leia mais

Plano d e de P &D P&D IPEF Decênio 2010-2020 Te Tema: ma: Sustentabilidade Sustentabilidade

Plano d e de P &D P&D IPEF Decênio 2010-2020 Te Tema: ma: Sustentabilidade Sustentabilidade Plano de P&D IPEF Decênio 2010-2020 Tema: Sustentabilidade Como abordar o tema dentro de um plano de P&D Essencial para a continuidade do negócio florestal Em alguns sub-temas, ainda existem muitas controvérsias,

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS FLORESTAS

IMPORTÂNCIA DAS FLORESTAS ÍNDICE O que é? Importância das florestas; Taxa de Desflorestação Anual; Processo de Desflorestação; Cobertura Florestal no Mundo; Áreas Florestais no Mundo mais ameaçadas; Consequências; Soluções; Curiosidades;

Leia mais

característica dos dados, cálculos, incertezas e sistema de monitoramento Ane Alencar

característica dos dados, cálculos, incertezas e sistema de monitoramento Ane Alencar Carbono florestal nos estados da Amazônia Brasileira: característica dos dados, cálculos, incertezas e sistema de monitoramento Ane Alencar Conteúdo O que é o carbono? Como podemos medir? Quais os tipos

Leia mais

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS)

PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) PROJETOS FLORESTAIS: QUALIFICAÇÕES (PLANTAÇÕES COMERCIAIS) * Rubens C. Garlipp São Paulo - SP 07 de junho de 2001 Mudanças Climáticas: Uma Abordagem Estrutural 3ª Semana FIESP / CIESP de Meio Ambiente

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

TECNOLOGIA E MERCADO GLOBAL: PERSPECTIVAS PARA SOJA. Mudanças climáticas e estratégias para a agricultura

TECNOLOGIA E MERCADO GLOBAL: PERSPECTIVAS PARA SOJA. Mudanças climáticas e estratégias para a agricultura TECNOLOGIA E MERCADO GLOBAL: PERSPECTIVAS PARA SOJA Mudanças climáticas e estratégias para a agricultura INDICE AQUECIMENTO GLOBAL E MUDANÇAS CLIMÁTICAS: CONCEITOS ATITUDES FRENTE ÀS MUDANÇAS CLIMÁTICAS

Leia mais

Famílias/Espécies Nome Popular HC BO CS SD

Famílias/Espécies Nome Popular HC BO CS SD Tabela 3. Listagem das Famílias e Espécies nativas encontradas na regeneração natural de plantios de Eucalyptus do Brasil, separadas por seus respectivos Nomes populares, Hábito de crescimento - HC (árvore,

Leia mais

CONHECER PARA PROTEGER

CONHECER PARA PROTEGER CONHECER PARA PROTEGER Flora Arbórea Trajano de Morais, RJ Microbacia Caixa D água Governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Secretário de Estado de Agricultura, Pecuária,Pesca e Abastecimento

Leia mais

Composição Florística do Estrato Arbóreo na RPPN Porangaba em Itaguaí, Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Composição Florística do Estrato Arbóreo na RPPN Porangaba em Itaguaí, Estado do Rio de Janeiro, Brasil Floresta e Ambiente 2011 jan./mar.; 18(1):87-97 doi 10.4322/floram.2011.026 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo de Pesquisa Composição Florística do Estrato Arbóreo na RPPN Porangaba

Leia mais

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO. Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management) PROJETO DE RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES NO ESTADO DE SÃO PAULO Proposta para obtenção de recursos do GEF (doação sem encargos de US$7,05 milhões) Programa Operacional do GEF: OP#15 (sustainable land management)

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO

Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO Agosto de 2011 Amazônia Legal Sanae Hayashi; Carlos Souza Jr.; Márcio Sales & Adalberto Veríssimo (Imazon) RESUMO O SAD detectou 240 quilômetros quadrados de desmatamento na Amazônia Legal em agosto de

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM RECURSOS GENÉTICOS VEGETAIS CARLOS ANDRE CIRQUEIRA QUEIROZ CARACTERIZAÇÃO DA VEGETAÇÃO CILIAR

Leia mais

Devastação e perigo nos ecossistemas terrestres. a) Muitas espécies correm risco de extinção porque seus habitats estão sendo aos poucos

Devastação e perigo nos ecossistemas terrestres. a) Muitas espécies correm risco de extinção porque seus habitats estão sendo aos poucos COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Lições de Língua Portuguesa, História e Vivência Religiosa - 4º ano Troca do Livro 4º ano A e B quinta-feira Segunda-feira Curitiba, 07 de outubro de 2013. Leia o texto abaixo:

Leia mais

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA

EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA EXPLORAÇÃO FLORESTAL E A PRESERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE Paulo Kageyama. DCBio. SBF. MMA INTRODUÇÃO BRASIL É O CAMPEÃO DE BIODIVERSIDADE - E DAÍ? MANEJO DA FLORESTA: MADEIRA E NÃO MADEIRA PLANTAÇÕES FLORESTAIS:

Leia mais

ECOSSISTEMAS DO RIO DE JANEIRO

ECOSSISTEMAS DO RIO DE JANEIRO CENTRO CULTURAL LIGHT CURSO SOBRE ECOSSISTEMAS DO RIO DE JANEIRO Horário: segunda-feira, 13-14:00 hs Período: 28/07 a 01/09 Prof. Claudio Belmonte de Athayde Bohrer, Eng. Florestal MSc PhD Email: bohrer@vm.uff.br

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO ENTORNO DO RESERVATÓRIO CACHOEIRA, PIRACAIA SP

IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO ENTORNO DO RESERVATÓRIO CACHOEIRA, PIRACAIA SP Termo de Referência IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE RESTAURAÇÃO FLORESTAL NO ENTORNO DO RESERVATÓRIO CACHOEIRA, PIRACAIA SP Novembro de 2012 1. Contextualização e Justificativa A The Nature Conservancy (TNC)

Leia mais

Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Escola Nacional de Botânica Tropical Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu

Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Escola Nacional de Botânica Tropical Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Escola Nacional de Botânica Tropical Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu Dissertação de Mestrado Caracterização de núcleos de vegetação arbustivo/arbóreos

Leia mais

Metodologia para Cálculo de Estoque de Carbono

Metodologia para Cálculo de Estoque de Carbono MIDIAGEO TECNOLOGIA LTDA Metodologia para Cálculo de Estoque de Carbono Projeto Xingu Mata Viva Movimento Brasil Mata Viva 27/1/2010 I. INFORMAÇÕES GERAIS LOCALIZAÇÃO DO PROJETO: País: Brasil Cidade: O

Leia mais

PESQUISAS EM LONGO PRAZO E MONITORAMENTO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Claudia Franca Barros

PESQUISAS EM LONGO PRAZO E MONITORAMENTO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Claudia Franca Barros PESQUISAS EM LONGO PRAZO E MONITORAMENTO DA DIVERSIDADE BIOLÓGICA NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Claudia Franca Barros Objetivo Geral Investigar processos e padrões geradores, mantenedores e impactantes da

Leia mais

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas

A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Haroldo Palo. Hilton Franco. Mirella Domenich. A valoração dos serviços ecossistêmicos como política para adaptação e mitigação em mudanças climáticas Artur Paiva Engenheiro Florestal MSc. Coordenador

Leia mais

UNIVERSIDADE DE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS THALITA DE SOUZA SANTOS ABREU

UNIVERSIDADE DE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS THALITA DE SOUZA SANTOS ABREU UNIVERSIDADE DE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS THALITA DE SOUZA SANTOS ABREU DINÂMICA FLORESTAL E APLICAÇÃO DE TÉCNICAS NUCLEADORAS PARA RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA EM

Leia mais

ALTERAÇÕES FLORÍSTICAS EM UMA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG, ENTRE 1994 E 2008

ALTERAÇÕES FLORÍSTICAS EM UMA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG, ENTRE 1994 E 2008 ALTERAÇÕES FLORÍSTICAS EM UMA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG, ENTRE 1994 E 2008 Lívia Thaís Moreira de Figueiredo 1, Carlos Pedro Boechat Soares 2, Agostinho Lopes de Souza

Leia mais

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal

Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL. Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Silvicultura de Nativas e a Restauração de APP e RL Robson Oliveira Laprovitera Gerente Florestal Outubro/ 2009 Índice 1. Apresentação Institucional 2. Manejo Florestal da International Paper 3. Ecologia

Leia mais

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas

De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia. Pesquisa e Extensão da Kansas Manejo de solos tropicais no mundo De Charles W. Rice Karina Fabrizzi e Paul White Departamento de Agronomia Pesquisa e Extensão da Kansas Clima Solos Manejo Luz solar CO 2 Rendimento Propriedades Químicas

Leia mais

FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A.

FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A. FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A. MINERODUTO VIGA PRESIDENTE KENNEDY MINAS GERAIS, RIO DE JANEIRO E ESPÍRITO SANTO LICENÇA PRÉVIA Nº 409 / 2011 ATENDIMENTO À CONDICIONANTE 2.4-C PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS COORDENAÇÃO DE MANEJO SUSTENTÁVEL DOS SISTEMAS PRODUTIVOS - CMSP Plano Agricultura

Leia mais

O Risco dos Incêndios Florestais

O Risco dos Incêndios Florestais Estratégias de Gestão do Risco de Incêndio Florestal, 18 de Março, Lisboa O Risco dos Incêndios Florestais Paulo Fernandes Dept. Ciências Florestais e Arquitectura Paisagista, Universidade de Trás-os-Montes

Leia mais

Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor. na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP

Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor. na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP DIEGO DEMARCO 1, GUILHERME HENRIQUE AGUIRRE 1, JÚLIA CARAM SFAIR 1,

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

Tecnologia, Manejo e SAFs para

Tecnologia, Manejo e SAFs para Tecnologia, Manejo e SAFs para Implantação de APPs e RL Avanços da pesquisa com espécies nativas Profa. Dra. Vera Lex Engel UNESP-FCA, Campus de Botucatu Departamento de Recursos Naturais veralex@fca.unesp.br

Leia mais

A fauna na recuperação das áreas degradadas

A fauna na recuperação das áreas degradadas A fauna na recuperação das áreas degradadas Wesley R. Silva Laboratório de Interações Vertebrados-Plantas Departamento de Biologia Animal, IB-UNICAMP XI Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio

Leia mais

Técnicas de revegetação de áreas degradadas. Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais

Técnicas de revegetação de áreas degradadas. Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais Técnicas de revegetação de áreas degradadas Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais As atividades de recuperação tem por finalidade permitir que ocorra o processo de sucessão área que está sendo trabalhada,

Leia mais

Níveis de Organização

Níveis de Organização Níveis de Organização Indivíduo Átomos Moléculas Células Tecidos Órgãos Sistemas capazes de se cruzarem entre si, originando indivíduos férteis. Ex: Cachorro População: grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos: Potenciais e Limitações

Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos: Potenciais e Limitações Pagamentos por Serviços Ecossistêmicos: Potenciais e Limitações Peter H. May CPDA / UFRRJ e REBRAF Lançamento do Projeto de Recuperação de Matas Ciliares do Estado de São Paulo Tipos de serviços gerados

Leia mais

Prof. Dr. nat. techn. Mauro Valdir Schumacher Ecologia e Nutrição Florestal Departamento de Ciências Florestais/CCR/UFSM

Prof. Dr. nat. techn. Mauro Valdir Schumacher Ecologia e Nutrição Florestal Departamento de Ciências Florestais/CCR/UFSM CICLAGEM DE NUTRIENTES EM ECOSSISTEMAS FLORESTAIS Prof. Dr. nat. techn. Mauro Valdir Schumacher Ecologia e Nutrição Florestal Departamento de Ciências Florestais/CCR/UFSM schumacher@pq.cnpq.br 1 A BACIA

Leia mais

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na

Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na 1 Bioma é um conceito estabelecido para classificar ambientes com base na composição predominante da vegetação. O padrão climático (temperatura e precipitação) representa o principal aspecto utilizado

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO

GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Salvador/BA 25 a 28/11/2013 GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Augusto Cesar de Arruda *,

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

Aluna: Maria Daniela Martins Guimarães Orientadora: Profª. Drª. Blandina Felipe Viana Co-orientadora: Msc. Camila Magalhães Pigozzo

Aluna: Maria Daniela Martins Guimarães Orientadora: Profª. Drª. Blandina Felipe Viana Co-orientadora: Msc. Camila Magalhães Pigozzo Caracterização das potenciais fontes de recursos tróficos para abelhas do gênero ylocopa e Apis mellifera nas áreas de entorno do distrito de Maniçoba (Juazeiro BA) Aluna: Maria Daniela Martins Guimarães

Leia mais

ANÁLISE FLORÍSTICA E ESTRUTURAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA EM CLEVELÂNDIA, SUDOESTE DO PARANÁ

ANÁLISE FLORÍSTICA E ESTRUTURAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA EM CLEVELÂNDIA, SUDOESTE DO PARANÁ ANÁLISE FLORÍSTICA E ESTRUTURAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA EM CLEVELÂNDIA, SUDOESTE DO PARANÁ Floristic and structural analysis of the tree component of a Subtropical

Leia mais

Carbon stocks and changes across a network of Atlantic Forest plots. Simone Vieira (NEPAM/UNICAMP, Brazil)

Carbon stocks and changes across a network of Atlantic Forest plots. Simone Vieira (NEPAM/UNICAMP, Brazil) Carbon stocks and changes across a network of Atlantic Forest plots Simone Vieira (NEPAM/UNICAMP, Brazil) Forest cover South America the greatest concentration of tropical forests in the world Amazonian

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Plano ABC Boletim Técnico Informativo Florestas Plantadas Organização: Comitê Gestor Estadual da Agricultura de Baixa Emissão de Carbono CGE ABC /RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA AGRICULTURA,

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

CARBON STOCK IN ABOVE GROUND BIOMASS AND PASTURE IN SAN JOSE UBA, STATE OF RIO DE JANEIRO. RESUMO

CARBON STOCK IN ABOVE GROUND BIOMASS AND PASTURE IN SAN JOSE UBA, STATE OF RIO DE JANEIRO. RESUMO ESTOQUE CARBONO NA BIOMASSA ACIMA DO SOLO DE PASTAGENS E SERAPILHEIRA EM SÃO JOSÉ DE UBÁ, ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Ana Carolina de Oliveira Goulart 1 e Joyce Maria Guimarães Monteiro 2 RESUMO As intervenções

Leia mais