RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO S ÓCIO AMBIENTAL PRODUTO 11

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO S ÓCIO AMBIENTAL PRODUTO 11"

Transcrição

1 Rubrica: RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO S ÓCIO AMBIENTAL PRODUTO RELATÓRIO CAMPO FITOSSOCIOLOGIA CAMPANHAS I e CRESCENTE F É R T I L MEIO AMBIENTE C U L T U R A ^ COMUNICAÇÃO DEZEMBRO/0

2 ÍNDICE EQUIPE TÉCNICA DO PROJETO l. INTRODUÇÃO. JUSTIFICATIVA. CAMPANHAS DE CAMPO.. Primeira Campanha. Segunda Campanha. REGISTRO FOTOGRÁFICO.ANEXOS.. Tenno de compromisso.. Mapa dos fragmentos amostrados com as respectivas parcelas instaladas.. Planilha de campo- Primeira campanha.. Planilha de campo - Segunda campanha Gráfico l - Ranking das famílias botânicas de maior ocorrência na primeira campanha de campo Gráfico - Ranking das famílias botânicas de maior diversidade na primeira campanha de campo Gráfico - Ranking das famílias botânicas de maior ocorrência na segunda campanha de campo Gráfico - Ranking das famílias botânicas de maior diversidade na segunda campanha de campo Quadro l - Dados geográficos das parcelas instaladas na primeira campanha de campo Quadro - Propriedades dos fragmentos florestais amostrados na segunda campanha Quadro - Dados geográficos das parcelas instaladas na segunda campanha de campo Foto l - Unidade amostrai de lom x 0m delimitada temporariamente com o auxílio de canos de pvc e fitilho para auxiliar no levantamento dos indivíduos arbóreos presentes Foto - Georreferenciamentodo vértice da unidade amostrai Foto - Árvores amostradas marcadas com tinta vermelha Foto - Coleta de material botânico com podão de vara telescópica com alcance de m Foto - Escalada em árvore paracoleta de material botânico em árvores altas Foto - Levantamento florístico das espécies arbóreas presentes em áreas de borda dos fragmentos florestais Foto - Secagem, do material botânico coletado, em estufa portátil Foto - Amostra de planta prensada e seca usada para identificação ex-situ em herbários Foto - Visão parcial da face norte do Fl Foto - Borda do Fl - Estrada de acesso à rodovia dos Tropeiros Foto - Visão parcial da face leste do F

3 Foto - Visão da borda à noroeste do F Foto - Visão parcial do F Foto - Área de borda do F situada na face noroeste Foto - Visão parcial, no sentido norte, do F Foto - Visão parcial da borda da face nordeste do F

4 Rubrico: EQUIPE TÉCNICA DO PROJETO - Luis Felipe César (Coordenador Geral e Diretor Executivo Adjunto) - Ingrid Coelho Martins (Coordenadora Técnica/Eng. Florestal) - Kiria de Carvalho Rocha (Gerente Financeira e Administrativa) - Leandro Silva (Assistente Administrativo) - Matheus Ambrósio da Silva (Assessor Técnico/Eng. Florestal) - Talita Alves Batista (Botânica/Eng. Florestal) - António C. S. Couto Júnior (Especialista em Geoprocessamento/Eng. Florestal) - Nilo Salgado Jardim (Consultor/Zootecnista) - Marcos Luís da Cunha Jota (Consultor/Agrónomo) - Kátia Pessoa (Consultora/Agrónoma) - Afonso Praça de Carvalho (Web Designer) - Giselle Ferreira (Designer Gráfica)

5 Rubrico:. INTRODUÇÃO Este relatório tem como objetívo descrever as atividades e apresentar os dados parciais das duas primeiras campanhas de campo do levantamento fitossociológico das espécies arbóreas da bacia hidrográfica do rio Sesmaria conforme elucidado no termo de referência do plano de trabalho referente ao contrato AGEVAP 00/0.. JUSTIFICATIVA A metodologia de amostragem da flora arbórea Prodan (), apresentada no plano de trabalho aprovado pela Agevap foi necessariamente substituída pela.= metodologia das parcelas de área fixa. A troca é justifica principalmente pelos tatores topográficos da região. Os fragmentos existentes estão localizados em encostas de alta declividade, e isto torna o deslocamento na mata demorado e exaustivo, ocasionando imprecisão na instalação dos pontos em transectos. A decisão aconteceu nas primeiras atividades do projeto, onde realmente conhecemos toda a região e visitamos algumas remanescentes florestais. Assim, para retratar a flora arbórea e suas peculiaridades, as parcelas de área fixa, na bacia hidrográfica do rio Sesmaria, possibilitam um maior rendimento e eficiência em campo quando comparado com o método de Prodan. A nova metodologia de amostragem em campo consistirá em quarenta (0)_ unidades amostrais retangulares ( metros x 0 metros) de 00 m' distribuídas nos fragmentos florestais de maior representatividade. Em cada parcela são feitas a medição do diâmetro à altura do peito (DAP), altura total e identificação botânica dos indivíduos arbóreos com DAP superior a cm. As árvores amostradas são mareadas com uma faixa de tinta vermelha. Ramos estéreis ou férteis são retirados das árvores para identificação ex-sltu. Pequenos cortes nos troncos das árvores das parcelas são feitos para auxiliar na identificação da espécie. Todas as parcelas instaladas são georreferenciadas com um GPS de navegação modelo Garmín s. As árvores amostradas não serão plaqueteadas como informado no termo de referência, pois alguns proprietários dos remanescentes florestais ao serem contalados para autorizar a realização da atividade, nos solicitou que isto não seja feito. Além da amostragem com parcelas, também está acontecendo conjuntamente, coleta botânica de indivíduos férteis em áreas de borda, beira de estrada, no entorno de nascentes e ribeirões.

6 A alteração da metodologia não implicará de forma alguma nos resultados esperados para esta etapa do projeto, e possibilitará uma lista de espécies indicadas para programas de restauração florestal mais diversa e palpada em observações que transcendem aos ambientes restritamente florestais.. CAMPANHAS DE CAMPO Com o objetivo de obter autorização, esclarecer a atividade e a responsabilidade das partes envolvidas no levantamento da flora arbórea da bacia do rio Sesmaria, a Crescente Fértil elaborou um termo de compromisso (ANEXO } que é apresentado e assinado pelo proprietário do fragmento florestal a ser amostrado... Primeira Campanha A primeira campanha de campo aconteceu durante os dias e de setembro, no fragmento denominado Fl, com área de, hectares localizado na propriedade da Fazenda Monte Alegre (ver ANEXO.). O local foi escolhido para iniciar esta etapa e também para ajustar os procedimentos operacionais de campo necessários à instalação das unidades amostrais, coíeta de dados, coleta de material vegetal e classificação do fragmento quanto ao estágio de regeneração. Foram instaladas no total parcelas (QUADRO ), onde amostrou-se indivíduos arbóreos vivos com o diâmetro a altura do peito maior que cm (ver ANEXO.). Setenta (0) espécies pertencentes a 0 famílias botânicas foram identificadas e aquelas onde não foi possível coletar material vegetal devido à altura da árvore, excesso de cipós na copa e deciduidade da espécie foram classificadas como indeterminadas (indet.) As espécies de maior ocorrência neste fragmento foram Protiitm sp., Astrocaryitm aculeatissimum (Schott) Burret, Ixora venulosa Benth., Brosimum gitianensc (Aubl.) Huber, Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat, Actinostemon verticillatus (Klotzsch) Baill., Cecropia hololeuca Miq., Chrysophyllum sp., Miconia lepidoto Schrank & Mart. ex DC. e Trichilio sp. O GRÁFICO l apresenta as famílias botânicas de maior ocorrência, ou seja, aquelas com o maior número de indivíduos amostrados Já o GRÁFICO mostra as famílias botânicas com maior número de espécies, ou seja, aquelas com maior diversidade.

7 Rubrico; Quadro l - Dados geográficos das parcelas instaladas na primeira campanha de campo PARCELA P- P- P- P- P- P- P- P- P- P- LONGITUDE (m) LATITUDE (m) ALTITUDE (m) Gráfico l - Ranking das famílias botânicas de maior ocorrência na primeira campanha de campo 0 o T T C l lí, III co o. O) OJ OJ (J CD.Q CU QJ CD O) U IT >-' O Q. (TJ l/) 0 fu W uct t OJ (J O C U O =

8 Rubrico.- Gráfico - Ranking das famílias botânicas de maior diversidade na primeira campanha de campo u QJ Q.. Segunda Campanha A segunda campanha de campo aconteceu entre os dias e de novembro, foram visitados fragmentos florestais localizados no município de Resende (ver ANEXO., onde foram lançadas no geral unidades amostrais conforme distribuição apresentada no Quadro. Quadro - Propriedades dos fragmentos florestais amostrados na segunda campanha Fragmento Tamanho (ha) n parcelas Parcela Propriedade F, P, PeP Rancho Bela Vista F, P Sítio São Francisco F, P,P,P,P Sítio São Francisco

9 Rubrico: Quadro - Dados geográficos das parcelas instaladas na segunda campanha de campo PARCELA P- P- P- P- P- P- P- P- P- P - P- P- P- P - P- P - LONGITUDE (m) LATITUDE (m) ALTITUDE (m) Foram amostrados no total indivíduos arbóreos com o diâmetro a altura do peito maior que cm, destes, eram árvores mortas (ver ANEXO.). Setenta e oito () espécies pertencentes a famílias botânicas foram identificadas e aquelas onde não foi possível coletar material vegetal devido à altura da árvore, excesso de cipós na copa e deciduidade da espécie foram classificadas como indeterminadas (indet.) As espécies de maior ocorrência nesta campanha foram Amaiona intermédia Mart. ex Schult. & Schult.f., Amaiona pilosa K.Schum., Xylopia brasiliensis Spreng., Matayba guianensis AubL, Annona spl., Erythroxylum cuspidifolium Mart., Cupania sp., Cupania oblongifoíia Mart., Stryphnodendron polyphyllwn Mart. e Brosimum gnianense (Aubl.) Huber O GRÁFICO apresenta as famílias botânicas de maior ocorrência, ou seja, aquelas com o maior número de indivíduos amostrados Já o GRÁFICO mostra as famílias botânicas com maior número de espécies, ou seja, aquelas com maior diversidade.

10 n espécies o o -t- n indivíduos amostrados Salicaceae Meliaceae Bignoniaceae! o. <" CR O- Salicaceae Siparunaceae Melastomataceae Meliaceae Melastomataceae Nyctaginaceae Malpighíaceae ta CL T O ^B [' IV

11 . REGISTRO FOTOGRÁFICO Foto l - Unidade amostrai de lom x 0m delimitada temporariamente com o auxílio de canos de pvc e fitilho para auxiliar no levantamento dos indivíduos arbóreos presentes Foto - Georreferenciamento do vértice da unidade amostrai Foto - Arvores amostradas marcadas com tinta vermelha Foto - Coleta de material botânico com podão de vara telescópica com alcance de m. Foto - Escalada em árvore para coleta de material botânico em árvores altas. Foto - Levantamento florístico das espécies arbóreas presentes em áreas de borda dos fragmentos florestais

12 Rubrico: Foto - Secagem, do material botânico coletado, em estufa portátil Foto - Amostra de planta prensada e seca usada para identificação ex-situ em herbários Foto - Visão parcial da face norte do Fl Foto - Borda do Fl - Estrada de acesso à rodovia dos Tropeiros. Foto - Visão parcial da face leste do F Foto - Visão da borda à noroeste do F

13 FL Ml... Pro Rubrico: Foto - Visão parcial do F Foto - Área de borda do F situada na face noroeste Foto - Visão parcial, no sentido norte, do F Foto - Visão parcial da borda da face nordeste do F

14 .ANEXOS.. Termo de compromisso

15 Í:T^K.'<0 Ri^Sesmaria Diagnóstico Ambientai da Bacia Hidrográfica,,.,, D FL?. Proc.....çc. TERMO DE COMPROMISSO A Crescente Fértil - Projetos Ambientais, Culturais e de Comunicação, com sede na cidade de Resende, no Estado do Rio de Janeiro, situada na Estrada Joaquim Criminal da Silveira, n., bairro Serrinha do Alambari, CEP.0-0, inscrita no CNPJ sob o n /, neste ato representada por seu representante legal Luis Felipe Cruz Lenz César, Coordenador Geral do Projeto Rio Sesmaria - Diagnóstico Ambiental da Bacia Hidrográfica, portador da Carteira de Identidade n. 0- IFP, CPF n , declara, expressamente, perante ao Sr., proprietário da Fazenda/Sítio, localizada na, portador da Carteira de Identidade n.,cpfn. que: a) O levantamento e estudo fitossociológico a ser realizado no fragmento florestal do proprietário trata-se de uma atividade sem fins lucrativos, cujo objetivo principal é subsidiar a elaboração de uma lista de espécies arbóreas indicadas para futuros programas de produção de mudas e restauração florestal na bacia hidrográfica do rio Sesmaria; b) a equipe de campo da atividade será composta pelos membros: Matheus Vinícius Ambrósio da Silva (CPF 0..-.) e Talita Alves Batista (CPF 0..-); c) a Crescente Fértil e todos os membros da equipe de campo se responsabilizam integralmente por possíveis e eventuais acidentes que possam ocorrer durante as atividades do levantamento fitossociológico a serem executadas no fragmento florestal do proprietário; c) os integrantes da equipe farão uso de equipamentos de proteção individual: bota tipo mateira ou perneira; luvas de vaqueta, camisa de manga longa, repelente e protetor solar; d) unidades amostrais retangulares ( metros x 0 metros) serão instaladas nos fragmentos florestais para a medição do diâmetro à altura do peito (DAP), altura total e identificação botânica dos indivíduos arbóreos com DAP superior a cm; e) as árvores amostradas serão marcadas com uma faixa de tinta vermelha. Ramos estéreis ou férteis serão retirados das árvores para identificação ex-situ. Pequenos cortes nos troncos das árvores das parcelas serão feitos para auxiliar na identificação da espécie;

16 RkzSesmaria Diagnóstico Ambiental da Bacia Hidrográfica Rubrico: f) o deslocamento da equipe de campo dentro do fragmento será feito a pé, com o apoio de um GPS de navegação para auxiliar na orientação; g) a equipe de campo zelará pela preservação e conservação do local; h) o proprietário receberá, ao término do projeto, um relatório contendo o croqui de localização das unidades amostrais e uma lista das espécies encontradas no fragmento estudado; i) as informações coletadas em campo serão processadas e os seus resultados divulgados no relatório final do projeto, que ficará disponível para download no site j) o engenheiro florestal Matheus Vinícius Ambrósio da Silva será o responsável técnico pelas atividades de campo e elaboração do relatório sobre a flora arbórea da bacia hidrográfica do Rio Sesmaria; h) as atividades do projeto se realizarão de a de de, período durante o qual o proprietário autoriza o livre acesso ao fragmento florestal mencionado, nas condições acima descritas; O presente Termo de Compromisso não envolve encargos trabalhistas ou pecuniários e poderá ser cancelado pelas partes a qualquer tempo mediante o encaminhamento de informação escrita, não gerando qualquer forma de indenização. ''TFCA S \^?ÍUHBIO, f --L-.

17 Ptojeto RidSesmaria Diagnóstico Ambiental da Bacia Hidrográfica Rubrico; Em Resende, de de Luis Felipe Cruz Lenz César Crescente Fértil Proprietário Testemunha Testemunha

18 .. Mapa dos fragmentos amostrados com as respectivas parcelas instaladas Legenda Parcela 'ragmenio amostrado

19 Legenda Parcela! Fragmento amostrado

20 Legenda Parcela Fragmento amostrado

21 FRAGMENTO \ Legenda Parcela Fragmento amostrado i-»

22 .. Planilha de campo - Primeira campanha Parcela DAP(cm} HT(m),, Melastomataceae Miconia cinnamornifolia (DC.) Naudin 0,,+,, 0, 0,, 0, 0,,,,,0,0,,,,,0 0,+,,,,,, +,,0,,,0,0,,0,,0,0,0,0, +,0,0,0,0,0,0 Urticaceae Urticaceae Urticaceae Urticaceae Melastomataceae Urticaceae Urticaceae Siparunaceae Sapotaceae Rutaceae Sapotaceae Meliaceae Nyctaginaceae Celastraceae Sapotaceae Stryphnodendron polyphyllum Mart. Cecropia pachystachyalrécul Cecropia hololeuca Miq. Cecropia pachystachyatrécui Cecropia hololeuca Miq. Miconia lepidota Schrank & Mart. ex DC. Cecropia hololeuca Miq. Cecropia hololeuca Miq. Eugenia spl. Siparuna guianensis Aubl. Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Chrysophyllum sp. Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger et ai. Zanthoxylum fagara (L.) Sarg. Chrysophyllum sp. Tríchília sp. Eugenia spl. Guapira opposita (Vell.) Reitz Actinostemon verticiílatus (Klotzsch) Baíll. Salacia sp. Astrocaryum aculeatissimurn (Schott) Burret Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Chrysophyllum sp. Eugenia sp. Corn Orquídea aderida. Coletar. Matriz p i t -t-i v!<*! = ruj IP a S ir f B ' ÍX ^ s> p

23 DAP(cm) HT(m) 0,0 Eugenia spl ,0,,, 0,,,,, 0,,,, 0,,,,,0,0,,0,0,0,0,0,0,,,0,,0,0,,0 Ceiastraceae Sapotaceae Sapotaceae Meliaceae Sapotaceae Salacia sp. Senefelderaverticiilata (Vell.) Croizat Eugenia spl. Senefelderaverticiilata (Vell.) Croizat Pouteriafilipes Eyma Protiurn sp. Micropholis crassipedicellata (Mart. & Eichler) Pierre Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Trichiliasp. Chrysophyllum sp. Coletar. Coberta por cipós. 0,,,, 0,,,,,,0,0,,0 Ochnaceae Sapotaceae Myrcia spl. Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger et ai. Urbanodendron bahiense (Meisn.) Rohwer Ouratea stipulata (Vell.) Sastre Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Micropholis crassipedicellata (Mart. & Eichler) Pierre Coletar. Coberta por cipós. : -T-, ç «. f - & fc ^ K L' 'i

24 0 0 0 DAP(cm),, 0,,,, 0,,,,,,,+,0+, 0,, 0,,,,,,,,,+, 0,,,, HT(m),,0 0,0,0 0,0,,,0,,0,0,,,0,0,,,0,0,,0,,0,0 0,0 0,0, Sapotaceae Chrysobalanaceae Urticaceae Urticaceae Melastomataceae Urticaceae Melastornataceae Melastomataceae Melastomataceae Melastomataceae Melastomataceae Melastomataceae Micropholis crassipedicellata (Mart. & Eichler) Pierre Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Abarerna limae Iganci & Morim Actinostemon verticillatus (Klotzsch} Baill. Licania kunthiana Hook.f. Cecropia hololeuca Miq. Alchornea glandulosa Poepp. & Endl. Cecropia hololeuca Miq. Miconia lepidota Schrank & Mart. ex DC. Tachigali urbaniana (Harms) L.G. Silva & H. C. Lima Cecropia hololeuca Miq. Miconia lepidota Schrank & Mart. ex DC. Alchornea glandulosa Poepp. & Endl. Miconia lepidota Schrank & Mart. ex DC. Miconia lepidota Schrank & Mart. ex DC. Tachigali urbaniana (Harms) L.G. Silva & H.C.Lirna Stryphnodendron polyphyllum Mart. Astrocaryurn aculeatissimum (Schott) Burret Actinostemon verticillatus (Klotzsch) BaiH. Miconia lepidota Schrank & Mart. ex DC. Mabea piriri Aubl. Miconia lepidota Schrank & Mart. ex DC. Andira anthelmia (Vell.) Benth. Mabea piriri Aubl. Miconia lepidota Schrank & Mart. ex DC. Coletar. Coberta por cipós. fm c r t -ri íi K«' sft :? o -B x> Ç-

25 DAP(cm), HT(m) Famitia Mabea piriri Aubl., Indet Coletar. Sem folhas. + 0,,,, Alchornea glandulosa Poepp. & Endl. Alchornea glandulosa Poepp. & Endl.,,0, +,,0 + Sapotaceae Indet Mabea piriri Aubl. Pouteria filipes Eyma Coletar. Sem folhas. Coletar.,0,0 Sapotaceae Ecclinusa ramiflora Mart. 0,,0,0,,,,0,0 Sapotaceae Sapotaceae Pouteria durlandii (Standley) Baehni Ocotea odorífera (Vell.) Rohwer Ecclinusa ramiflora Mart. Morrendo, Coletar.,,,,,0 Eugenia sp., 0 0,,0,0 0,0,0 Eugenia sp. Brosimum guianense (Aubl.} Huber,0,0,,,,,0 Amaioua intermédia Mart. ex Schult. & Schultf. Coletar.., -n

26 DAP(cm), HT(m) Eugenia sp.,0 0,+,,0, 0,0,0,0, Urticaceae Posoqueria acutifolia Mart. Stryphnodendron polyphyllum Mart. Senefeldera verticillata (Vell.J Croizat Cecropia hololeuca Miq,,0+,+,,, Actinostemon verticillatus (Klotzsch) Baill.,+,0+,0,0 Eugenia spl. Tombada.,,0,0,,,0,,0 Sapotaceae Chrysophyllum sp. Coletar. Sem folhas. Coletar. Coberta por cipós.,+++,+,+,,0 0,0 Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth.,,,0 Actinostemon verticillatus (Klotzsch) Baill. Beilschmiedia angustifoíia Kosterm., Clusiaceae Garcinia gardneriana (Planch. & Triana) Zappi,,0,,, 0,++,+0,+,,,, 0,,,,0,0,0,0 Meliaceae Sapotaceae Astrocaryum aculeatissimum (Schott} Burret Trichilia lepídota Mart. Chrysophyllum sp. Coletar. Coberta por cipós. y c. _S-f, 0

27 I^~ Parcela DAP(cm), +,,0+,+,,,+,+,,,,,, 0,,,,,,,,, 0,,, 0,, HT(m),0,0,0,,,,,,0,0,,,0,,,,0 0,0,0 0,0,0, Sapotaceae Ochnaceae Ochnaceae Meliaceae Apocynaceae Salicaceae Olacaceae Meliaceae Clusiaceae Myristicaceae Ochnaceae Eugenia sp. Ecclinusa ramiflora Mart. Actinostemon verticillatus (Klotzsch) Baill. Actinostemon verticillatus (Klotzsch) Baill. Ouratea parviflora (DC.) Baill. Quiina magallanogomesii Schwacke Gymnanthessp. Protium heptaphyllum (Aubl.) Marchand Trichília sp. Himatanthus bracteatus (A.DC.) Woodson Casearia spl. Protiurn sp. Eugenia sp. Heisteria silvianii Schwacke Trichilia sp. Garcinia gardneriana (Planch. & Triana) Zappi Virola bicuhyba (Schott) Warb. Ixora venulosa Benth. Eugenia spl. Quiina magallanogomesii Schwacke n» Coletar., - r c=ç> -n l.0* ka rj X í fe - >^ F

28 DAP(cm),,, HT(m), Eugenia sp. Sorocea bonplandii (Baill.} W.C.Burger et ai.,,0 Meliaceae Trichília sp ,,,,,,,,,+,+, 0, 0,,,,,,,,,+,0,,+,0,,,,0,,,,,0,0,,,0,, 0,0,0,0,0,0,0 Anacardíaceae Celastraceae Salicaceae Anacardiaceae Sapotaceae Bignoníaceae Urticaceae Proteaceae Sapotaceae Astronium graveolens Jacq. Maytenus salicifolia Reissek Ixora venulosa Benth. Ixora venulosa Benth. Casearia sp. Aniba fírmula (Nees & Mart.) Mez Astrocaryurn aculeatissimum (Schott) Burret Astronium graveolens Jacq. Micropholís crassipedicellata (Mart. & Eichler) Pierre Xylopía serícea A.St.-Hil. Jacarandá sp. Ixora venulosa Benth. Oxandra nitida R.E.Fr. Pourouma cecropiifolia Mart. Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Ixora venulosa Benth. Actinostemon verticillatus (Klotzsch) Baill. Roupala meisneri Sleumer Chrysophyllum sp. Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Possível matriz. Coletar. Coletar. Coleta de frutos em campo. c: -n fe t" jg P

29 0 0 0 DAP(cm),0,, HT(m),,0 Ixora venulosa Benth ,, 0,,,, 0,,,,0,,,,0,,,0,0,0,0,0,0,0,0,, Myristicaceae Myristicaceae Meliaceae Sapotaceae Brosirnurn lactescens (S.Moore) C.C.Berg Ixora venulosa Benth. Virola bicuhyba (Schott) Warb. Virola bicuhyba (Schott) Warb. Trichilia sp. Ecclinusa ramiflora Mart. Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger et ai. Ixora venulosa Benth. Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P.Lewis & M.P.Lima Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Ixora venulosa Benth. Coletar. Sem folhas. Cheirosa. 0,,,,,,,,, 0,+,,0,,,,,,,0,0, Meliaceae Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Ixora venulosa Benth. Ixora venulosa Benth. Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P.Lewis & M.P.Lima Brosimurn guianense (Aubl.) Huber Ixora venulosa Benth. Ixora venulosa Benth. Ixora venulosa Benth. Trichilia sp. Protium warmingianum Marchand Ixora venulosa Benth. r

30 DAP(cm),0,, HT(m),0,0 Ixora venulosa Benth. Ixora venulosa Benth. Meio tombada ,, 0,+,0,,0,,, 0,0,,,,,,,0,,,,,0,0, 0,0,,0,,0,,0,0,,0,0,0,0,,0,,,0,0 Meliaceae Myristicaceae Olacaceae Nyctaginaceae Meliaceae Trichilia pallensc.dc. Senefeldera verticillata (Vell.) Croizat Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P.Lewis & M.P.Lima Virola bicuhyba (Schott) Warb. Xylopia sericea A.St.-Hil. Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth. Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth. Stryphnodendron polyphyllum Mart. Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P.Lewis & M.P.Lima Indet Eugenia sp. Stryphnodendron polyphyllum Mart. Heisteria siivianii Schwacke Indet Guapira opposita (Vell.) Reitz Protium warmingianum Marchand Zollernia glabra (Spreng.) Yakovlev Trichilia lepidota Mart. Indet Actinostemon verticillatus (Klotzsch) Baill. Andira anthelmia (Vell.) Benth. Coletar. Coberta por cipós. Coletar. Coletar. Coletada errado! (= cr p j,** N -tj» p. - í«>"^ v fe

31 0 0 DAP(cm),,,+, 0,,0,,,,,,,,,,,,0,,+,+,0,0,,0,,0 HT(m),0,0,0,,,0,0,0,0,0,0,0,0,0,,0,0, Myristicaceae Polygonaceae Myristicaceae Meliaceae Sapotaceae Olacaceae Monimiaceae Meliaceae Virola bicuhyba (Schott) Warb. Dalbergia nigra (Vell.) Allemao ex Benth. Eugenia sp. Coccoloba sp. Pseudolmedia hirtula Kuhlm. Pseudolmedia hirtula Kuhlm. Pseudolmedia hirtula Kuhlm. Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P.Lewis & M. P. Lima Pseudolmedia hirtula Kuhlm. Virola bicuhyba (Schott) Warb. Pseudolmedia hirtula Kuhlm. Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger et ai. Eugenia sp. Trichilia lepidota Mart. Chrysophyllum sp. Heisteria silvianii Schwacke Mollinedia widgrenii A.DC. Trichilia sp. Helicostylis tomentosa (Poepp. & Êndl.) Rusby Coletar. Sern folhas. Quebrada. Meio morta. Coletar. Sem folhas. Coletar. Sem folhas. = -n ir? Ktf P fẹ í! -Q IB & r

32 DAP(cm) HT(m) 0,,0 Psidium sp.,,0 Ixora venulosa Benth... Planilha de campo - Segunda campanha Parcela Dap(cm),,,,,,,, 0,,+,0, 0,,, 0, 0,,,, 0,0 0,0,, Ht(m),,,0,0,0,0,0,0,,0,,0,,0,0,0,0,0 Salicaceae Amaioua intermédia Mart. ex Schult. & Schuit.f. Casearia spl. Stryphnodendron polyphyllum Mart. Xylopia brasiliensisspreng. Annona spl. Stryphnodendron polyphyllum Mart. Amaioua intermédia Mart. ex Schult. & Schuit.f. Erythroxylum cuneifolium (Mart.) O.E.Schulz Stryphnodendron polyphyllum Mart. Amaioua intermédia Mart. ex Schult. & Schuit.f. Amaioua intermédia Mart. ex Schult. & Schuit.f. Stryphnodendron polyphyllum Mart. Erythroxylum cuspidifolium Mart. Amaioua intermédia Mart. ex Schult. & Schuit.f. Erythroxylum cuspidifolium Mart. Erythroxylum cuspidifolium Mart. Stryphnodendron polyphyllum Mart. Encurvada. Morrendo. Sem folhas. Potencial matriz. = ;R- '.«o => Uí r io : ~^> ; S Pôs i- f r li

33 Dap(cm) Ht(m) 0,0,0,,0,,0 Malpighiaceae Byrsoníma sp.,,0 Malpighiaceae Byrsonima sp.,,0 Malpighiaceae Byrsonima sp. 0,, Erythroxylum cuspidifoliurn Mart.,,0,0,,0 Erythroxylum cuspidifoliurn Mart.,,0 Malpighiaceae Byrsonima sp., Stryphnodendron polyphyllum Mart.,,0 Malpighiaceae Byrsonima sp.,,,,0 Malpighiaceae Byrsonima sp., Malpighiaceae Byrsonima sp. 0 0,,0 Malpighiaceae Byrsonima sp.,,0 Stryphnodendron polyphyllum Mart., Xylopia brasiliensís Spreng.,,0 Annonaspl., 0,0 Stryphnodendron polyphyllum Mart., Xylopia brasiliensis Spreng.,+,,0 Ocoteaspl. 0,,0 Annona spl., Myrcia splendens (Sw.) DC., Erythroxylum cuspidifoliurn Mart. 0,,0, Annonaspl.,0,0 ErythroxySaceae Erythroxylum cuspidifoliurn Mart.,,0 Ocotea spl. ^U ~n : Í ^p

34 Dap(cm),0,0, Ht(m), Salicaceae Casearia sp.,, Stryphnodendron polyphyllum Mart., Myrcia sp ,,,,,,,,,,,,,,,,,0+,,,,,,, 0,,0,0,,0,0,0,0,0,,0,0,0,0,0,0,0 Xylopia brasilíensisspreng. Annona spl. Xylopia brasiliensisspreng. Cupania oblongifolia Mart. Xylopia brasiliensís Spreng. Erythroxylum cuspidifolium Mart. Annona spl. Xylopia brasiliensis Spreng. Annona spl. Amaioua intermédia Mart, ex Schult. & Schultf. Cupania oblongifolia Mart. Cupania oblongifolia Mart. Rebrotando. Quebrada. Quebrada. ~ 0 o- -n Í P- é r -v -:.u* -^

35 Dap(ctn),,,,,, 0,,,, 0,,,,0,, 0,,,,,,,,,,,, Ht(m),0,,0 _,0,,0,0,0,0,0,0,,,,,0,,,,0 Melastomataceae Malpighiaceae Erythroxylum cuspidifolium Mart. Annona spl. Cupanía oblongifolia Mart. Cupania oblongifolia Mart. Amaioua intermédia Mart, ex Schult. & Schult.f. Amaioua intermédia Mart, ex Schult. & Schult.f. Miconia lepidota Schrank & Mart. ex DC. Annona spl. Byrsonima sp. Annona spl. Maprounea guíanensis Aubl. Ingasp. Amaioua pílosa K.Schum. Astrocaryum aculeatissimum (Schotí) Burret Cupania oblongifolia Mart. Brosirnum guianense (Aubl.) Huber Andira anthelmia (Vell.) Benth. Astrocaryum aculeatissimum (Schott} Burret Annona spl. Brosimum guianense (Aubl.} Huber Quebrada. :=* <= p =n ÍR U ~a o -fe 'V :Jj :í> *

36 Da p (cm) Ht(m) 0,, 0,, Cupania oblongifolia Mart. 0,,0 0,,0 Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger et ai. 0,,0 0,0 Pseudopiptadenia contorta (DC.) G.P.Lewis & M.P.Lirna 0 0,0 0,,0,,,,,,, 0,,,0,0,0,,0, Salicaceae Meliaceae Meliaceae Casearia sp. Ocotea spl. Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger et ai. Guarea spl. Guarea spl. Ocotea spl. Ramificada. Cipozal. 0,,0,0, Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr.,0,0,0, 0,,,,,, 0,0,0,,0,0 Meliaceae Siparunaceae Meliaceae Guarea spl. Siparuna guianensis Aubl. Ocotea spl. Guarea spl. Sorocea bonplandii (Baill.} W.C.Burger et ai. Tombada. g - 0

37 0 0 Dap(cm),,,+,+,,,0,0,0+,, 0,0,,0,0,,,, 0,, 0,,,,,,,, Ht(m),0,,0,0,0,0,0,0,0,0 0,0,,,0,0,,0,,0,0,,,0, Indet Clusiaceae Clusiaceae Meliaceae Clusía sp. Clusía sp. Ocotea spl. Ficus sp. Igual a. Indet Sorocea bonplandii (Baill.J W.C.Burger et ai. Guarea spl. Platypodium sp. Xylopia brasiliensis Spreng. Dalbergia nigra (Vell.) Alíemão ex Benth. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Syagrus romanzoffiana (Cham.) Glassman Ocotea spl. Platypodium sp. Platypodium sp. Platypodium sp. Erythroxylum cuspidifolium Mart. Quebrada rebrotando.

38 Dap(cm) Ht(m) 0, Ocotea spl.,, Platypodium sp.,, Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth.,, Platypodium sp., Annona spl., Platypodium sp.,, Platypodium sp.,,0 Siparunaceae Siparuna guianensis Aubl. Torta. 0, Platypodium sp.,, 0,,,, Swartzia spl.,0 Platypodium sp. 0,, Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr.,,+,, Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Bifurcada.,, Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger et ai., Swartzia sp., Platypodium sp.,, 0,, Píatypodium sp., Indet,,0 Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth., Platypodium sp.,, Siparunaceae Siparuna guianensis Aubl.,,,,,,0, Erythroxylum cuspidifolium Mart. Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Cupania oblongifolia Mart. c

39 Dap(cm),,,,0, 0,,,+,,,0,0,,0,,,+,,0+,,,, 0,,0,+,++,, 0,0+,, Ht(m),0,0,0,0, +,0,,0,,,,0+,0,,,,0,, Rutaceae Apocynaceae Sapíndaceae Rutaceae Siparunaceae Rutaceae Siparunaceae Malvaceae Galipea sp. Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth. Ocotea spl. Tabernaemontana sp. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Sorocea bonplandíi (Baill.J W.C.Burger et ai. Erythroxylum cuspidifolium Mart. Ocotea spl. Erythroxylum cuspidifolium Mart. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Ocotea spl. Ocotea spl. Zanthoxylum fagara (L.) Sarg. Platypodium sp. Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Sipa runa guianensis Aubí. Galipea sp. Siparuna guianensís Aubl. Ocotea spl. Pseudobombax sp.?c cj- -n o & i V è pf - i P

40 0 0 0 Dap(cm),,,,,,,,,,,,,,, 0,0,, 0,,,,,, Ht(m),,,,0,0,0,,0,,0,0,,0,,0,0,,,,,0,,0,, Apocynaceae Siparunaceae Siparunaceae Rutaceae Siparunaceae Bignoniaceae Swartzia sp. Píptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Platypodium sp. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Xylopia brasiliensisspreng. Tabernaemontana sp. Platypodium sp. Siparuna guianensis Aubl. Platypodium sp. Siparuna guianensis Aubl. Cupania oblongifolia Mart. Zanthoxylum fagara (L.) Sarg. Piptadenia gonoacantha (Mart.) J.F.Macbr. Cupania oblongifolia Mart. Erythroxylum cuspidifolium Mart. Xylopia brasiliensisspreng. Erythroxylum cuspidifolium Mart. Sorocea bonplandii (Baill.) W.C.Burger et ai. Siparuna guianensis Aubl. Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth, Erythroxylum cuspidifolium Mart. Xylopia brasiliensisspreng. Dalbergia nigra (Vell.) Allemão ex Benth. Handroanthussp. Tombada com várias rebrotas. Dominada por cipós. Dominada por cipós. Dominada por cipós. e: C- p & *«KN^ ífe^ O -o BL». Ê^ '

ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP

ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP ECOFOR: Biodiversidade e funcionamento de ecossistemas em áreas alteradas pelo homem nas Florestas Amazônica e Atlântica Simone Vieira NEPAM/UNICAMP i) Impactos das alterações humanas sobre o funcionamento

Leia mais

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l PRODUTO 06 MAPAS TEMÁTICOS CRESCENTE. F É R T l L MEIO AMBIENTE CULTURA COMUNICAÇÃO

RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l PRODUTO 06 MAPAS TEMÁTICOS CRESCENTE. F É R T l L MEIO AMBIENTE CULTURA COMUNICAÇÃO Rubrico: RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA BACIA DO RIO SESMARIAS - FASE l DIAGNÓSTICO FÍSICO SOCIOAMBIENTAL PRODUTO 06 MAPAS TEMÁTICOS T CRESCENTE F É R T l L MEIO AMBIENTE CULTURA COMUNICAÇÃO JULHO/2013 Rubrico:

Leia mais

Efeitos potenciais do aquecimento global na distribuição de espécies da Mata Atlântica. Alexandre Falanga Colombo

Efeitos potenciais do aquecimento global na distribuição de espécies da Mata Atlântica. Alexandre Falanga Colombo Efeitos potenciais do aquecimento global na distribuição de espécies da Mata Atlântica Alexandre Falanga Colombo Mata Atlântica Histórico do desmatamento 500 anos de ocupação - Do total de 1.300.000 km

Leia mais

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ).

LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ). LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DO PARQUE ESTADUAL MATA SÃO FRANCISCO, MUNICÍPIO DE CORNÉLIO PROCÓPIO (PARANÁ). Daniela Aparecida Estevan, Renata Baldo, Patrícia Tiemi de Paula Leite, Gabriela da Mota Ferreira

Leia mais

Gomes, J.A.M.A. et al. On line version of this paper is available from: http://www.biotaneotropica.org.br/v11n2/en/abstract?article+bn02611022011

Gomes, J.A.M.A. et al. On line version of this paper is available from: http://www.biotaneotropica.org.br/v11n2/en/abstract?article+bn02611022011 Diferenças florísticas e estruturais entre duas cotas altiduninais da Floresta Ombrófila Densa Submontana Atlântica, do Parque Estadual da Serra do Mar, município de Ubatuba/SP, Brasil Gomes, J.A.M.A.

Leia mais

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL

AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL AVALIAÇÃO SILVICULTURAL DE ESPÉCIES ARBÓREAS NATIVAS REGENERANTES EM UM POVOAMENTO FLORESTAL Wendy Carniello Ferreira 1, Marciel José Ferreira 2, Rodrigo Couto Santos 3, Danival Vieira de Freitas 4, Christiano

Leia mais

CONHECER PARA PROTEGER

CONHECER PARA PROTEGER CONHECER PARA PROTEGER Flora Arbórea Trajano de Morais, RJ Microbacia Caixa D água Governador do Estado do Rio de Janeiro Sérgio Cabral Secretário de Estado de Agricultura, Pecuária,Pesca e Abastecimento

Leia mais

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras

Domínio do Cerrado em Minas Gerais. José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Domínio do Cerrado em Minas Gerais José Roberto Scolforo Universidade Federal de Lavras Cerrado Brasileiro INTRODUÇÃO - Extensão de 204,7 milhões de ha, - Flora com mais de 10.000 espécies de plantas,

Leia mais

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br

Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Programa de Pesquisa em Biodiversidade Sítio Pernambuco (PEDI) Ana Carolina Lins e Silva anacarol@db.ufrpe.br Rede PPBio Mata Atlântica Projeto de Coordenação de Rede Projeto Associado Nordeste BAHIA PERNAMBUCO

Leia mais

A TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NO MÉDIO VALE DO RIO PARAÍBA DO SUL E OS REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTICA

A TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NO MÉDIO VALE DO RIO PARAÍBA DO SUL E OS REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTICA A TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NO MÉDIO VALE DO RIO PARAÍBA DO SUL E OS REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTICA Aluna: Camila Maria de Santis (Curso de Geografia e Meio Ambiente) Orientador: Prof. Dr. Rogério Ribeiro

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES

IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES Ciências Biológicas IDENTIFICAÇÃO DE PLANTAS COMO APOIO AO PROJETO SEMENTES DO PORTAL II: RESULTADOS PRELIMINARES Autor(a): RICARDO DA SILVA RIBEIRO¹ Coautores(as): LUCIRENE RODRIGUES, ANDERSON ALEX SANDRO

Leia mais

PROPOSTA DE REVEGETAÇÃO DA ENCOSTA DO MORRO DA CRUZ ITAJAI SC

PROPOSTA DE REVEGETAÇÃO DA ENCOSTA DO MORRO DA CRUZ ITAJAI SC 1 Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar - CTTMar Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciência e Tecnologia Ambiental Disciplina: Estudos de Caso em Ciência e Tecnologia Ambiental PROPOSTA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS DEPARTAMENTO DE SILVICULTURA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS DEPARTAMENTO DE SILVICULTURA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS DEPARTAMENTO DE SILVICULTURA CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL Composição Florística de duas Zonas Altitudinais de Floresta

Leia mais

QUAIS ÁRVORES BRASILEIRAS ESTÃO EM EXTINÇÃO?

QUAIS ÁRVORES BRASILEIRAS ESTÃO EM EXTINÇÃO? / / Por: Renata Costa QUAIS ÁRVORES BRASILEIRAS ESTÃO EM EXTINÇÃO? WikimediaCommons/Guanandi Flores da árvore Pau-brasil. Segundo o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), há diferentes estados

Leia mais

DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ TREE COMMUNITY OF AN ALLUVIAL LOWLAND FOREST IN THE MUNICIPALITY OF CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ, BRAZIL

DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ TREE COMMUNITY OF AN ALLUVIAL LOWLAND FOREST IN THE MUNICIPALITY OF CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ, BRAZIL Comunidade COMUNIDADE arbórea ARBÓREA de uma floresta DE de baixada UMA FLORESTA aluvial... DE BAIXADA ALUVIAL NO MUNICÍPIO 157 DE CAMPOS DOS GOYTACAZES, RJ Fabrício Alvim Carvalho 1, João Marcelo Alvarenga

Leia mais

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea

Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Descrição e Análise da Vegetação Arbórea Prof. Israel Marinho Pereira Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Laboratório de Dendrologia e Ecologia Florestal-LDEF imarinhopereira@gmail.com

Leia mais

COMPOSIÇÃO FLORISTICA E ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO ARBUSTIVO ARBÓREO DE UMA ÁREA DE MATA CILIAR DO RIO AMAMBAI, MUNICÍPIO DE AMAMBAI, MS

COMPOSIÇÃO FLORISTICA E ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO ARBUSTIVO ARBÓREO DE UMA ÁREA DE MATA CILIAR DO RIO AMAMBAI, MUNICÍPIO DE AMAMBAI, MS COMPOSIÇÃO FLORISTICA E ESTRUTURA DA VEGETAÇÃO ARBUSTIVO ARBÓREO DE UMA ÁREA DE MATA CILIAR DO RIO AMAMBAI, MUNICÍPIO DE AMAMBAI, MS Jósimo Diego Bazanella Linê¹; Zefa Valdivina Pereira²; Emerson Pereira

Leia mais

Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro 2- vivian.bios@gmail.com 3 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO

Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro 2- vivian.bios@gmail.com 3 Universidade Federal de Mato Grosso do Sul RESUMO Síndromes de dispersão em remanescente de Floresta Estacional Decidual em Mato Grosso do Sul, Brasil Vivian Almeida Assunção 1,2, Ângela Lúcia Bagnatori Sartori 3, Francismeire Bonadeu 1, Valderes Bento

Leia mais

ESTRUTURA DA COMUNIDADE ARBÓREA DE FRAGMENTOS DE

ESTRUTURA DA COMUNIDADE ARBÓREA DE FRAGMENTOS DE ESTRUTURA DA COMUNIDADE ARBÓREA DE FRAGMENTOS DE FLORESTA ATLÂNTICA OMBRÓFILA SUBMONTANA NA REGIÃO DE IMBAÚ, MUNICÍPIO DE SILVA JARDIM, RIO DE JANEIRO, BRASIL 1 Fabrício Alvim Carvalho 2, João Marcelo

Leia mais

BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa. ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC

BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa. ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC BIODIVERSIDADE EM AMBIENTES URBANOS Remanescentes de vegetação nativa ROSELI B. TORRES Instituto Agronômico de Campinas IAC Nas últimas décadas, na maior parte do mundo, populações migraram das áreas rurais

Leia mais

CONTRmUIçÁo PARA O CONHECIMENTO ECODENDROMÉTRICO DE MATAS RIPÁRIAS DA REGIÃO CENTRO-OESTE BRASILEIRA

CONTRmUIçÁo PARA O CONHECIMENTO ECODENDROMÉTRICO DE MATAS RIPÁRIAS DA REGIÃO CENTRO-OESTE BRASILEIRA Acta boto bras. 3(2): 1989 33 CONTRmUIçÁo PARA O CONHECIMENTO ECODENDROMÉTRICO DE MATAS RIPÁRIAS DA REGIÃO CENTRO-OESTE BRASILEIRA Recebido em 21-8-88. Aceito em 10-8-89. Ezechias Paulo Heringer 1 José

Leia mais

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO

RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO RESTAURAÇÃO ECOLÓGICA NO CAMPUS FIOCRUZ MATA ATLÂNTICA, RIO DE JANEIRO Fundação Oswaldo Cruz FIOCRUZ Fundação para Desenvolvimento Científico e Tecnológico em Saúde - FIOTEC Restauração Ecológica no Campus

Leia mais

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável

Termo de Referência para Elaboração do Plano de Manejo Florestal Sustentável Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos Termo de Referência para Elaboração do Plano Avenida Nascimento de Castro, 2127 Lagoa Nova Natal RN

Leia mais

CAROLINA BRANDÃO ZANELLI FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DA COMUNIDADE LENHOSA NO SUB-BOSQUE DE UM CERRADÃO EM ASSIS, SP

CAROLINA BRANDÃO ZANELLI FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DA COMUNIDADE LENHOSA NO SUB-BOSQUE DE UM CERRADÃO EM ASSIS, SP CAROLINA BRANDÃO ZANELLI FLORÍSTICA E FITOSSOCIOLOGIA DA COMUNIDADE LENHOSA NO SUB-BOSQUE DE UM CERRADÃO EM ASSIS, SP CAMPINAS 2013 FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA POR MARA JANAINA DE OLIVEIRA CRB8/6972

Leia mais

Preparando dados de levantamentos para o Fitopac 2.1

Preparando dados de levantamentos para o Fitopac 2.1 Preparando dados de levantamentos para o Fitopac 2.1 Esta versão oferece muito mais flexibilidade na leitura de dados de levantamentos que as versões anteriores mas, dado a diversidade de opções disponíveis,

Leia mais

Fitossociologia de um remanescente de mata mesófila semidecídua urbana, Bosque John Kennedy, Araguari, MG, Brasil

Fitossociologia de um remanescente de mata mesófila semidecídua urbana, Bosque John Kennedy, Araguari, MG, Brasil Revta brasil. Bot., São Paulo, V.20, n.1, p.67-77, jun. 1997 Fitossociologia de um remanescente de mata mesófila semidecídua urbana, Bosque John Kennedy, Araguari, MG, Brasil GLEIN MONTEIRO ARAÚJO 1, ANTÔNIO

Leia mais

Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Escola Nacional de Botânica Tropical Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu

Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Escola Nacional de Botânica Tropical Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Escola Nacional de Botânica Tropical Programa de Pós-Graduação Strictu Sensu Dissertação de Mestrado Caracterização de núcleos de vegetação arbustivo/arbóreos

Leia mais

ESTRUTURA E CLASSIFICAÇÃO SUCESSIONAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA DENSA EM IGARASSU, PERNAMBUCO.

ESTRUTURA E CLASSIFICAÇÃO SUCESSIONAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA DENSA EM IGARASSU, PERNAMBUCO. 1 CARLOS FREDERICO LINS E SILVA BRANDÃO ESTRUTURA E CLASSIFICAÇÃO SUCESSIONAL DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA DENSA EM IGARASSU, PERNAMBUCO. RECIFE Pernambuco - Brasil Fevereiro

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG

INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG INVENTÁRIO FLORESTAL (Floresta Plantada) Propriedade: Fazenda Alto Limoeiro 4 Timóteo - MG Julho / 2008 INVENTÁRIO FLORESTAL 1 ) INFORMAÇÕES GERAIS 1.1 IDENTIFICAÇÃO DA PROPRIEDADE Denominação: Fazenda

Leia mais

ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO ARBÓREA- ARBUSTIVA EM CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DISTÚRBIOS ANTRÓPICOS

ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA VEGETAÇÃO ARBÓREA- ARBUSTIVA EM CERRADO SENSU STRICTO SUBMETIDO A DISTÚRBIOS ANTRÓPICOS Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG / Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal FAEF Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal Re.C.E.F. ISSN: 1678-3867 Ano IX - Volume 18 Número

Leia mais

Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico. VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA

Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico. VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA Luiz Mauro Barbosa Pesquisador Científico VI Coordenadoria Especial de Restauração de Áreas Degradadas - CERAD Instituto de Botânica / SMA PROCESSO HISTÓRICO 20 anos de RAD Processo Histórico Anos 80...

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

Bacia Hidrográfica do Cabuçu de Baixo:

Bacia Hidrográfica do Cabuçu de Baixo: Bacia Hidrográfica do Cabuçu de Baixo: Intervenções e Possibilidades Orientador: Profº Me. Wilson Fernandes Forti Amanda Poletto Carlos Bressan Edson Santos Luis Tadeu de Oliveira Patrícia Graciano São

Leia mais

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC

ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC ASPECTOS DA VEGETAÇÃO DA BACIA DO RIO MAIOR NO MUNICÍPIO DE URUSSANGA - SC Vicente Rocha Silva Bolsista PNPD-CAPES/ PGE/UEM-PR vicenters61@ig.com.br Introdução O município de Urussanga localiza-se na região

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL ADRIANO ROSA CRUZ

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL ADRIANO ROSA CRUZ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE FLORESTAS CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA FLORESTAL ESTRUTURA DA COMUNIDADE VEGETAL ARBÓREA DO PARQUE NATURAL MUNICIPAL FAZENDA ATALAIA, MACAÉ,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS. Manejo de Recursos Naturais Renováveis

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS. Manejo de Recursos Naturais Renováveis UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Manejo de Recursos Naturais Renováveis Prof. Dr. Omar Daniel Composição florística e estrutura fitossociológica e paramétrica

Leia mais

Famílias/Espécies Nome Popular HC BO CS SD

Famílias/Espécies Nome Popular HC BO CS SD Tabela 3. Listagem das Famílias e Espécies nativas encontradas na regeneração natural de plantios de Eucalyptus do Brasil, separadas por seus respectivos Nomes populares, Hábito de crescimento - HC (árvore,

Leia mais

Arthur Sérgio Mouço Valente 1,3, Paulo Oswaldo Garcia 1, Fátima Regina Gonçalves Salimena 1 & Ary Teixeira de Oliveira-Filho 2

Arthur Sérgio Mouço Valente 1,3, Paulo Oswaldo Garcia 1, Fátima Regina Gonçalves Salimena 1 & Ary Teixeira de Oliveira-Filho 2 http://rodriguesia.jbrj.gov.br Composição, estrutura e similaridade florística da Floresta Atlântica, na Serra Negra, Rio Preto MG Composition, structure and floristic similarity of Atlantic Forest, Serra

Leia mais

ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA FLORA LENHOSA NO DOMÍNIO DE CERRADO EM CARBONITA, MG

ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA FLORA LENHOSA NO DOMÍNIO DE CERRADO EM CARBONITA, MG MÁRCIO LUIZ BATISTA ESTRUTURA E DIVERSIDADE DA FLORA LENHOSA NO DOMÍNIO DE CERRADO EM CARBONITA, MG Dissertação apresentada à Universidade Federal de viçosa, como parte das exigências do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil

CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil CERNE ISSN: 0104-7760 cerne@dcf.ufla.br Universidade Federal de Lavras Brasil Horn Kunz, Sustanis; Venâncio Martins, Sebastião; Macedo Ivanauskas, Natália; Silva, Elias; Stefanello, Daniel Estrutura fitossociológica

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL

LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL LAUDO TÉCNICO DE COBERTURA VEGETAL ÁREA LOCALIZADA NA AVENIDA DR. SEZEFREDO AZAMBUJA VIEIRA, LOTE 37, ESQUINA AV. FARROUPILHA (projetada), CANOAS, RS. Outubro de 2013. SUMÁRIO 1. IDENTIFICAÇÃO 3 1.1 Dados

Leia mais

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO

RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO RELAÇÃO DE DOCUMENTOS BÁSICOS PARA A ATIVIDADE DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL DO PROJETO Requerimento Padrão de Atividade Florestal - RPAF; Cópia de CPF e RG do requerente; Cópia do Certificado da Área

Leia mais

Regeneração natural em formações florestais de uma Unidade de Conservação, Maracanã, Pará, Brasil.

Regeneração natural em formações florestais de uma Unidade de Conservação, Maracanã, Pará, Brasil. ARTIGO DOI: http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v3n2p79-87 Regeneração natural em formações florestais de uma Unidade de Conservação, Maracanã, Pará, Brasil. Daniel Gonçalves Jardim 1, Mário

Leia mais

FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A.

FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A. FERROUS RESOURCES DO BRASIL S.A. MINERODUTO VIGA PRESIDENTE KENNEDY MINAS GERAIS, RIO DE JANEIRO E ESPÍRITO SANTO LICENÇA PRÉVIA Nº 409 / 2011 ATENDIMENTO À CONDICIONANTE 2.4-C PROGRAMA DE RECOMPOSIÇÃO

Leia mais

FLORESTAS ESTACIONAIS INTERIORANAS DO NORDESTE O BREJO NOVO

FLORESTAS ESTACIONAIS INTERIORANAS DO NORDESTE O BREJO NOVO FLORESTAS ESTACIONAIS INTERIORANAS DO NORDESTE O BREJO NOVO G.E.L.Macedo 1. 1-Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia-UESB, Departamento de Ciências Biológicas-DCB, Av. José Moreira sobrinho, s/n, 45200-000,

Leia mais

SÍNDROME DE DISPERSÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL EM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA RIPÁRIA, RS 1

SÍNDROME DE DISPERSÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL EM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA RIPÁRIA, RS 1 SÍNDROME DE DISPERSÃO DA REGENERAÇÃO NATURAL EM FRAGMENTO DE FLORESTA OMBRÓFILA MISTA RIPÁRIA, RS 1 TOSO, Lucas Donato 2 ; REDIN, Cristina Gouvêa 3 ; BEULCH, Lien da Silveira 3 ; PIOVESAN, Gabriel 2 ;

Leia mais

Fotos de Plantas Incluídas no Herbário

Fotos de Plantas Incluídas no Herbário Fotos de Plantas Incluídas no Herbário Familia: Acanthaceae Barleria cristata Imagem (Maria do Carmo M. Iannaccone) Eranthemum nervosum Imagem (Maria do Carmo M. Iannaccone) Thunbergia erecta Imagem (Sylvia

Leia mais

Espécies de Árvores da Floresta Atlântica (Floresta Ombrofila Densa) no Estado do Paraná

Espécies de Árvores da Floresta Atlântica (Floresta Ombrofila Densa) no Estado do Paraná Espécies de Árvores da Floresta Atlântica (Floresta Ombrofila Densa) no Estado do Paraná Fonte: Sociedade Chauá (http://www.chaua.org.br/fatlantica) Nome Popular cupiúba araticum-do-brejo embira envira-preta

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010 MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ Parecer nº 12/2010 Teresina, 16 de Setembro de 2010. PARECER TÉCNICO N 12 / 2010 OBJETO: Vistoria e Análise do Relatório de Controle Ambiental (RCA) do Loteamento

Leia mais

Composição Florística do Estrato Arbóreo na RPPN Porangaba em Itaguaí, Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Composição Florística do Estrato Arbóreo na RPPN Porangaba em Itaguaí, Estado do Rio de Janeiro, Brasil Floresta e Ambiente 2011 jan./mar.; 18(1):87-97 doi 10.4322/floram.2011.026 ISSN 1415-0980 (impresso) ISSN 2179-8087 (online) Artigo de Pesquisa Composição Florística do Estrato Arbóreo na RPPN Porangaba

Leia mais

Flora fanerogâmica da floresta de terra firme na RDS Tupé

Flora fanerogâmica da floresta de terra firme na RDS Tupé Biotupé: Meio Físico, Diversidade Biológica e Sociocultural do Baixo Rio Negro, Amazônia Central volume 2 Edinaldo Nelson SANTOS-SILVA, Veridiana Vizoni SCUDELLER (Orgs.), UEA Edições, Manaus, 2009 Capítulo

Leia mais

O mosaico vegetacional numa área de floresta contínua da planície litorânea, Parque Estadual da Campina do Encantado, Pariquera-Açu, SP 1

O mosaico vegetacional numa área de floresta contínua da planície litorânea, Parque Estadual da Campina do Encantado, Pariquera-Açu, SP 1 Revista Brasil. Bot., V.25, n.2, p.161-176, jun. 2002 O mosaico vegetacional numa área de floresta contínua da planície litorânea, Parque Estadual da Campina do Encantado, Pariquera-Açu, SP 1 MARCIO SZTUTMAN

Leia mais

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus.

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus. 1 TIPOLOGIA DE FRUTOS E SÍNDROMES DE DISPERSÃO DE UMA COMUNIDADE DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS. Sabrina do Couto de Miranda 1,4 ; Marineide Abreu Batista 1,4 ; Jair

Leia mais

Estrutura e composição florística de um trecho de Mata Atlântica com Caesalpinia echinata Lam. (Pau Brasil)

Estrutura e composição florística de um trecho de Mata Atlântica com Caesalpinia echinata Lam. (Pau Brasil) Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 34:39-62. Abril de 2014 39 Estrutura e composição florística de um trecho de Mata Atlântica com Caesalpinia echinata Lam. (Pau Brasil) Valderes Bento Sarnaglia Junior

Leia mais

FITOSSOCIOLOGIA DO COMPONENTE ARBUSTIVO-ARBÓREO DE FLORESTAS

FITOSSOCIOLOGIA DO COMPONENTE ARBUSTIVO-ARBÓREO DE FLORESTAS FITOSSOCIOLOGIA DO COMPONENTE ARBUSTIVO-ARBÓREO DE FLORESTAS SEMIDECÍDUAS COSTEIRAS DA REGIÃO DE EMERENÇAS, ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL DO PAU BRASIL, ARMAÇÃO DOS BÚZIOS, RIO DE JANEIRO, BRASIL Bruno Coutinho

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

Relação solo vegetação em áreas de vegetação nativa de cerrado. Cristiano dos Santos Ferreira 1 ferreiracs@hotmail.it

Relação solo vegetação em áreas de vegetação nativa de cerrado. Cristiano dos Santos Ferreira 1 ferreiracs@hotmail.it Relação solo vegetação em áreas de vegetação nativa de cerrado Cristiano dos Santos Ferreira 1 ferreiracs@hotmail.it Maria Inês Cruzeiro Moreno 2 inmoreno_@hotmail.com Campus Catalão Palavras-chave: Cerrado,

Leia mais

INVENTÁRIO FLORESTAL DAS ÁREAS A SEREM SUPRIMIDAS PARA O CANTEIRO DE OBRAS DA UHE BELO MONTE

INVENTÁRIO FLORESTAL DAS ÁREAS A SEREM SUPRIMIDAS PARA O CANTEIRO DE OBRAS DA UHE BELO MONTE NORTE ENERGIA S.A. - NESA INVENTÁRIO FLORESTAL DAS ÁREAS A SEREM SUPRIMIDAS PARA O CANTEIRO DE OBRAS DA UHE BELO MONTE Produto 3 Relatório Técnico do Inventário Florestal Sítio Belo Monte RELATÓRIO FINAL

Leia mais

ALTERAÇÕES FLORÍSTICAS EM UMA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG, ENTRE 1994 E 2008

ALTERAÇÕES FLORÍSTICAS EM UMA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG, ENTRE 1994 E 2008 ALTERAÇÕES FLORÍSTICAS EM UMA FLORESTA ESTACIONAL SEMIDECIDUAL NO MUNICÍPIO DE VIÇOSA, MG, ENTRE 1994 E 2008 Lívia Thaís Moreira de Figueiredo 1, Carlos Pedro Boechat Soares 2, Agostinho Lopes de Souza

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO

REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO REVISÃO DO LEVANTAMENTO FLORÍSTICO DA ANTIGA FAZENDA CONCEIÇÃO Relatório de atividades de estágio apresentado ao Instituto Oikos de Agroecologia BRUNO NATALI DE ALMEIDA Graduando em Biologia - FATEA (brunonatali1987@hotmail.com)

Leia mais

Documentos LISTA DE ESPÉCIES FLORESTAIS DO ACRE: OCORRÊNCIA COM BASE EM INVENTÁRIOS FLORESTAIS. Número, 48. ISSN 0104-9046 Janeiro, 2000

Documentos LISTA DE ESPÉCIES FLORESTAIS DO ACRE: OCORRÊNCIA COM BASE EM INVENTÁRIOS FLORESTAIS. Número, 48. ISSN 0104-9046 Janeiro, 2000 Documentos Número, 48 ISSN 0104-9046 Janeiro, 2000 LISTA DE ESPÉCIES FLORESTAIS DO ACRE: OCORRÊNCIA COM BASE EM INVENTÁRIOS FLORESTAIS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente Fernando Henrique Cardoso

Leia mais

Variações temporais na estrutura da vegetação lenhosa de um cerrado denso em Itirapina, SP

Variações temporais na estrutura da vegetação lenhosa de um cerrado denso em Itirapina, SP Variações temporais na estrutura da vegetação lenhosa de um cerrado denso em Itirapina, SP FLÁVIO J. SOARES JÚNIOR 1, ALOYSIO DE P. TEIXEIRA 2, FABIANO T. FARAH 3, TIAGO B. BREIER 4 RESUMO - (Variações

Leia mais

Larissa Lacerda CABRAL(1); Elba Maria Nogueira FERRAZ(2); Elcida de Lima ARAÚJO (3)

Larissa Lacerda CABRAL(1); Elba Maria Nogueira FERRAZ(2); Elcida de Lima ARAÚJO (3) CARACTERIZAÇÃO FLORÍSTICO-ESTRUTURAL DA VEGETAÇÃO REGENERANTE EM ÁREA DE MATA ATLÂNTICA SOB CONDIÇÃO DA PRESENÇA DE JAQUEIRAS REPRODUTIVAS (ARTOCARPUS INTEGRIFOLIA L) Larissa Lacerda CABRAL(1); Elba Maria

Leia mais

O arquivo abaixo está hospedado em http://www.trabalhoseguro.com. Às leis deve ser dada a maior divulgação possível.

O arquivo abaixo está hospedado em http://www.trabalhoseguro.com. Às leis deve ser dada a maior divulgação possível. O arquivo abaixo está hospedado em http://www.trabalhoseguro.com Às leis deve ser dada a maior divulgação possível. O arquivo abaixo está hospedado em http://www.trabalhoseguro.com

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL À DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Documentação prevista na Lei Federal 12.51 de 25 de maio de 2012: 1 - identificação do proprietário ou possuidor rural; 2 - comprovação

Leia mais

Fazenda Experimental da Ressacada Centro de Ciências Agrárias CCA-UFSC Florianópolis/SC

Fazenda Experimental da Ressacada Centro de Ciências Agrárias CCA-UFSC Florianópolis/SC s Fazenda Eperimental da Ressacada Centro de Ciências Agrárias CCA-UFSC Florianópolis/SC 3.6. CARACTERIZAÇÃO DA COBERTURA VEGETAL Sumário 3.6 Caracterização da Cobertura Vegetal... 3.6-3 3.6.1 Equipe Responsável...

Leia mais

Introdução. Marcos Enoque Leite Lima 2,5, Inês Cordeiro 3 e Paulo Roberto H. Moreno 4

Introdução. Marcos Enoque Leite Lima 2,5, Inês Cordeiro 3 e Paulo Roberto H. Moreno 4 Hoehnea 38(1): 73-96, 5 tab., 6 fig., 2011 73 Estrutura do componente arbóreo em Floresta Ombrófila Densa Montana no Parque Natural Municipal Nascentes de Paranapiacaba (PNMNP), Santo André, SP, Brasil

Leia mais

Análise da Vegetação Florestal Ciliar na Bacia do Rio Passo Fundo, RS bases para a restauração ecológica

Análise da Vegetação Florestal Ciliar na Bacia do Rio Passo Fundo, RS bases para a restauração ecológica Análise da Vegetação Florestal Ciliar na Bacia do Rio Passo Fundo, RS bases para a restauração ecológica 1 S. C. Müller, NeoTropical, E. D. Forneck, UFRGS, L. Hahn, NeoTropical, L. F. Câmara, NeoTropical

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

ESTRUTURA HORIZONTAL DE UM TRECHO DE FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DAS TERRAS BAIXAS NA RESERVA BIOLÓGICA DE SOORETAMA, LINHARES, ES

ESTRUTURA HORIZONTAL DE UM TRECHO DE FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DAS TERRAS BAIXAS NA RESERVA BIOLÓGICA DE SOORETAMA, LINHARES, ES ESTRUTURA HORIZONTAL DE UM TRECHO DE FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DAS TERRAS BAIXAS NA RESERVA BIOLÓGICA DE SOORETAMA, LINHARES, ES Alessandro de Paula 1, João Juares Soares 2 1 Eng.Florestal, Dr., UESB, Vitória

Leia mais

REVISTA EPISTEME TRANSVERSALIS V. 3, N. 1, 2012

REVISTA EPISTEME TRANSVERSALIS V. 3, N. 1, 2012 FITOSSOCIOLOGIA E FLORÍSTICA DO COMPONENTE ARBÓREO DE UM REMANESCENTE DE MATA ATLÂNTICA NO CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE, CAMPUS BARRA DO PIRAÍ, RJ RESUMO Guilherme Castilho da Silva 1 Durante

Leia mais

DEMARCAÇÃO DE ÁRVORES MATRIZES EM FRAGMENTOS DE MATAS NATIVAS NA REGIÃO DE BEBEDOURO, SP

DEMARCAÇÃO DE ÁRVORES MATRIZES EM FRAGMENTOS DE MATAS NATIVAS NA REGIÃO DE BEBEDOURO, SP Associação Cultural e Educacional de Garça ACEG / Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal FAEF Revista Científica Eletrônica de Engenharia Florestal Re.C.E.F. ISSN: 1678-3867 Ano X - Volume 20 Número

Leia mais

Usos. Nativa Sim X Sim AM. Exótica X Sim RR O? Nativa Sim X X X Sim AM/RO

Usos. Nativa Sim X Sim AM. Exótica X Sim RR O? Nativa Sim X X X Sim AM/RO Lista s Espécies Florestais e Arbustivas de Interesse Econômico na Amazônia Ocidental pelo uso madeireiro (1), madeira em tora (2), alimentício (3), artesanato (4), medicinal (5), ornamental (6), reflorestamento

Leia mais

Rodovia Ubá Juiz de Fora, Km 02, Horto Florestal Ubá MG CEP 36500-000 Tel: (32) 3539-2700 e-mail: urczm@copam.mg.gov.br

Rodovia Ubá Juiz de Fora, Km 02, Horto Florestal Ubá MG CEP 36500-000 Tel: (32) 3539-2700 e-mail: urczm@copam.mg.gov.br Folha: 1/12 PARECER TÉCNICO SUPRAM - ZM Nº: 686622/2010 ADENDO AO PARECER TÉCNICO FEAM Nº: 116341/2005 Indexado ao(s) Processo(s): Licenciamento Ambiental N o : 00018/1985/021/2003 Outorga N o : XXXXXXXXX

Leia mais

Potencial de uso das espécies arbóreas de uma floresta secundária, na Zona Bragantina, Pará, Brasil

Potencial de uso das espécies arbóreas de uma floresta secundária, na Zona Bragantina, Pará, Brasil Potencial de uso das espécies arbóreas de uma floresta secundária, na Zona Bragantina, Pará, Brasil Fabrízia de Oliveira ALVINO 1, Manoela Ferreira F. da SILVA 2, Breno Pinto RAYOL 2 RESUMO Este estudo

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS

CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 CLASSIFICAÇÃO DE INDIVÍDUOS DA FLORESTA SEMIDECÍDUA EM CLASSES DE DIÂMETRO E ALTURA, PRÓXIMA A ENCOSTA DA SERRA DE MARACAJU, AQUIDAUANA - MS Kelvin Rosalvo Melgar Brito

Leia mais

RESGATE DE GERMOPLASMA VEGETAL NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE SANTO ANTONIO DO JARI

RESGATE DE GERMOPLASMA VEGETAL NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE SANTO ANTONIO DO JARI RESGATE DE GERMOPLASMA VEGETAL NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA UHE SANTO ANTONIO DO JARI Relatório de Campo 2ª campanha Macapá AP 2011 Página 1 de 104 RESGATE DE GERMOPLASMA VEGETAL DE NA ÁREA DE INFLUÊNCIA DA

Leia mais

Fitossociologia em Campo de Murundu antropizado no município de Jataí, GO

Fitossociologia em Campo de Murundu antropizado no município de Jataí, GO Fitossociologia em Campo de Murundu antropizado no município de Jataí, GO Hortência Soardi MARICATO hortenciabio12@yahoo.com.br Pós Graduação em Geografia, Universidade Federal de Goiás/Campus Jataí UFG

Leia mais

Estrutura e composição florística da comunidade lenhosa do sub-bosque em uma floresta Tropical no Brasil

Estrutura e composição florística da comunidade lenhosa do sub-bosque em uma floresta Tropical no Brasil Bol. Mus. Biol. Mello Leitão (N. Sér.) 37(4):361-391. Outubro-Dezembro de 2015 361 Estrutura e composição florística da comunidade lenhosa do sub-bosque em uma floresta Tropical no Brasil Lucas Costa Monteiro

Leia mais

Distribuição de espécies arbóreas em um gradiente topográfico de Floresta Estacional Semidecidual em Viçosa, MG

Distribuição de espécies arbóreas em um gradiente topográfico de Floresta Estacional Semidecidual em Viçosa, MG SCIENTIA FORESTALIS n. 64, p. 172-181, dez. 2003 Distribuição de espécies arbóreas em um gradiente topográfico de Floresta Estacional Semidecidual em Viçosa, MG Tree species distribution in a topographical

Leia mais

1. Resultados Monitoramento Fauna e Flora 2010

1. Resultados Monitoramento Fauna e Flora 2010 1. Resultados Monitoramento Fauna e Flora 2010 1.1. Vegetação Nas áreas da Veracel Celulose S/A já foram plaqueadas e identificadas mais de 5000 árvores, abrangendo diversas fitofisionomias, como áreas

Leia mais

CHUVA DE SEMENTES NA RPPN FAZENDA SANTA MARIA, PR SEED RAIN IN RPPN FAZENDA SANTA MARIA, PR

CHUVA DE SEMENTES NA RPPN FAZENDA SANTA MARIA, PR SEED RAIN IN RPPN FAZENDA SANTA MARIA, PR CHUVA DE SEMENTES NA RPPN FAZENDA SANTA MARIA, PR Maria Angélica Gonçalves Toscan 1 ; Lívia Godinho Temponi 2 ; Rosimeri de Oliveira Fragoso 3 Resumo A RPPN Fazenda Santa Maria, com 242 ha de área, é um

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA INSTRUÇÃO DOS PROCESSOS DE RESERVA LEGAL Atenção: Esta lista de documentos tem vigência até que o Cadastro Ambiental Rural (CAR) seja efetivamente implantado por ato da Ministra

Leia mais

Catálogo de pólen da Mata Atlântica. Espécies que ocorrem nas áreas de restauração da SPVS

Catálogo de pólen da Mata Atlântica. Espécies que ocorrem nas áreas de restauração da SPVS Catálogo de pólen da Mata Atlântica Espécies que ocorrem nas áreas de restauração da SPVS 1 Catálogo de pólen da Mata Atlântica Espécies que ocorrem nas áreas de restauração da SPVS Edição: Caroline Ribeiro

Leia mais

Avaliação Integrada de Remanescentes Florestais de Embu-SP

Avaliação Integrada de Remanescentes Florestais de Embu-SP SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO FLORESTAL Rua do Horto, 931 -CEP 02377-000 Horto Florestal - São Paulo, Brasil - Fone: (011) 6231-8555 - Fax (011) 6232-5767 nuinfo@iflorest.sp.gov.br Avaliação Integrada

Leia mais

45 mm 2. MATERIAL E MÉTODOS

45 mm 2. MATERIAL E MÉTODOS A MATA ATLÂNTICA DO PARQUE ESTADUAL DAS FONTES DO IPIRANGA (SÃO PAULO, BRASIL) ENTRE O PASSADO HISTÓRICO E O PRESENTE Cynthia Fernandes Pinto da Luz 1 ; Denise de Campos Bicudo 1 ; Paulo Eduardo De Oliveira

Leia mais

MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO

MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO 04/10/2010 MANEJO FLORESTAL E FLUXO LICENCIATÓRIO CÓDIGO FLORESTAL ESTADUAL LEI 9.519/92 Art. 1º - As florestas nativas e as Art. demais formas de vegetação natural existente no território estadual, reconhecidas

Leia mais

Técnicas de revegetação de áreas degradadas. Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais

Técnicas de revegetação de áreas degradadas. Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais Técnicas de revegetação de áreas degradadas Aula 16 Manejo de Ecossistemas Florestais As atividades de recuperação tem por finalidade permitir que ocorra o processo de sucessão área que está sendo trabalhada,

Leia mais

USO DE ELEMENTOS QUÍMICOS DA FAMÍLIA 1A POR ESPÉCIES ARBÓREAS TROPICAIS

USO DE ELEMENTOS QUÍMICOS DA FAMÍLIA 1A POR ESPÉCIES ARBÓREAS TROPICAIS 2013 International Nuclear Atlantic Conference - INAC 2013 Recife, PE, Brazil, November 24-29, 2013 ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ENERGIA NUCLEAR - ABEN ISBN: 978-85-99141-05-2 USO DE ELEMENTOS QUÍMICOS DA

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO

GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Salvador/BA 25 a 28/11/2013 GESTÃO AMBIENTAL: PRODUÇÃO DE MUDAS NO VIVEIRO MUNICIPAL DE CUIABÁ PARA CONSERVAÇÃO E REFLORESTAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS DO ESTADO DE MATO GROSSO Augusto Cesar de Arruda *,

Leia mais

TOR (TERMO DE REFERÊNCIA)

TOR (TERMO DE REFERÊNCIA) TOR (TERMO DE REFERÊNCIA) 1. Objetivo Coleta de dados para o sistema de inventário florestal contínuo (IFC) do Projeto Dinâmica do carbono da floresta amazônica - CADAF nos municípios de Atalaia do Norte

Leia mais

A interdisciplinaridade na escola: uma proposta pedagógica através do ecoturismo

A interdisciplinaridade na escola: uma proposta pedagógica através do ecoturismo A interdisciplinaridade na escola: uma proposta pedagógica através do ecoturismo Trekking pedagogical methodology based on ecotourism/trekking practices with high school students Eliane Ferreira Martins

Leia mais

Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor. na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP

Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor. na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP Plano para projeto de educação ambiental a ser realizado na trilha do Beija-Flor na Estação Experimental e Ecológica de Itirapina, SP DIEGO DEMARCO 1, GUILHERME HENRIQUE AGUIRRE 1, JÚLIA CARAM SFAIR 1,

Leia mais

Projeto de Restauração de Mata Ciliar do Córrego São José no Município de Américo Brasiliense-SP

Projeto de Restauração de Mata Ciliar do Córrego São José no Município de Américo Brasiliense-SP Projeto de Restauração de Mata Ciliar do Córrego São José no Município de Américo Brasiliense-SP Mariana Izabel de Oliveira LUPPINO 1 Marina CARBONI 2 Resumo Diante da relevância das atividades de restauração

Leia mais

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape

Diagnós(co Ambiental e Plano de. Restauração Florestal da ZPEC - Suape Diagnós(co Ambiental e Plano de Coordenação geral: Prof. Dr. Ricardo Ribeiro Rodrigues Prof. Dr. Felipe Melo Eng. Agr. Dr. André Gustavo Nave Biólogo Michel Metran da Silva Restauração Florestal da ZPEC

Leia mais

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo

Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Licenciamento Ambiental Manejo Arbóreo na cidade de São Paulo Engº Agrº José Daniel Barbosa de Barros Conceitos e Definições Meio Ambiente: conjunto de condições, leis, influências e interações de ordem

Leia mais

ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA

ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA ARBORIZAÇÃO URBANA DO CENTRO DE GURUPI: IDENTIFICAÇÃO DAS PRINCIPAIS ESPÉCIES DE ÁRVORES OCORRENTES NA MALHA URBANA SILVA, S. M. O. 1 ; SANTOS, A.F. 2 1 Aluna do Curso de Engenharia Florestal; Campus de

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE MATAS DE GALERIA

RECUPERAÇÃO DE MATAS DE GALERIA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura e do Abastecimento RECUPERAÇÃO DE MATAS DE GALERIA Jeanine Maria Felfili José Felipe Ribeiro Christopher William Fagg

Leia mais