Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba"

Transcrição

1 Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Gabriela da Cunha Souza Orientadora: Dra. Simey Thury Vieira Fisch commons/8/8e/euterpe_edulis.jpg Fonte: Gabriela Souza 1 of 20

2 Importância das Arecaceae /02/palmeira- jeriva.html ag.com/hospedagem- e- day- use- trilha- dos- tucanos- trilhas- ecologicas- e- observacao- de- aves- em- tapirai- sp/ 2 of 20

3 Longo ciclo de frutificação, que abrange períodos de escassez de outros recursos. Consideradas espécies- chave para frugívoros tropicais. atlantica/ Recurso econômico e de consumo para diversas comunidades tradicionais PFNM. (Lorenzi et al. 2010, Silva & Fisch, 2012). acai- mas- e- fruta- da- jucara.html 3 of 20

4 Palmeiras ameaçadas pela fragmentação devido: Fragmentação do hábitat e diminuição do recrutamento de plântulas (Scariot, 1999); Competição com espécies invasoras (Scariot, 2000); Disrupção das interações com a fauna (Fleury & Galetti, 2004). Fonte: Gabriela Souza 4 of 20

5 Devido ao aumento da antropização, da fragmentação, da perda de hábitat, associados com a defaunação, as Arecaceae se encontram susceptíveis a um declínio de riqueza, diversidade e abundância (Pires, 2006). palmiteiro- uma- planta- quase- extinta- na- cidade- de- sao- paulo/ 5 of 20

6 Palmeiras da Mata Atlântica Vale do Paraíba e Litoral Norte Astrocaryum aculeatissimum Geonoma pohliana Fonte: Simey Fisch et al. Attalea dubia Bactris hatschbachii Bactris setosa Geonoma elegans Geonoma gamiova Geonoma schottiana Attalea humilis Euterpe edulis Syagrus pseudococos Syagrus romanzoffiana 6 of 20

7 Vale do Paraíba Segundo Freitas (2010), a região possui um histórico de devastação antrópica associado à: 1. Ciclos da cana- de- açúcar e café (séc. XIX até segunda metade do séc. XX) 2. Agropecuária (atual) 3. Atividade industrial (atual) = Fragmentação 7 of 20

8 Justificativa O conhecimento de palmeiras em fragmentos no Vale do Paraíba pode servir de base para a compreensão da organização da comunidade, identificação dos efeitos da fragmentação sobre a diversidade desse grupo de plantas, conservação e gerenciamento das espécies ameaçadas. Fonte: Gabriela Souza 8 of 20

9 Normalmente os estudos realizados em remanescentes de Mata Atlântica na Serra do Mar são realizados exclusivamente em Unidades de Conservação. É necessária uma atenção especial aos fragmentos, que se encontram principalmente em propriedades particulares, para elaborar estratégias de conservação e recuperação desses ambientes. Fonte: Gabriela Souza 9 of 20

10 Objetivo Entender o status de conservação da família Arecaceae em fragmentos de Floresta Atlântica, situados no Vale do Paraíba, na transecção São Luis do Paraitinga Extrema. Entre fragmentos Altitude Tamanho Conectividade no fragmento Borda x Interior estrutura e composição da comunidade de palmeiras 10 of 20

11 Metodologia Duas parcelas de 250 x 10m - borda e interior divididas em subparcelas de 10x 10m. = 0,5 ha Todas as palmeiras serão marcadas e identificadas a nível de espécie. Biometria completa dos indivíduos (de plântula a adulto). Classificação em estádios ontogenéticos (plântula, jovem e adulto). 11 of 20

12 Tema Artigos Desenho Amostral Aspectos Observados Estádios Avaliados CINTRA et al., plots de 10x 100m separados por 200m ao longo dos 4 lados do fragmento DAP >5cm Somente adultos SCARIOT, parcelas de 20x 20m Não avaliados SALM, JARDIM & ALBERNAZ 40 parcelas de 20x 20m a cada 100m DAP>5cm ou estipe externo Somente adultos Diversidade de palmeiras em fragmentos ALVES, parcelas de 10x 50m Não avaliados PIRES, parcelas de 50x 10m = 0,5 ha 3 estádios (plântula, jovem, adulto) SOUZA, parcelas de 10x 50m com distancia variando de 300 a 3110m 4 estádios (plântula, juvenil, pré- reprodutivo, adulto) SOUSA, parcelas com plots de 250 x 2,5m para coleta de dados de DAP<10cm, 250x 20 para DAP>10 DAP Somente adultos SILVA et al., parcelas de 20x 20m em cada local (com e sem bambu) H, diâmetro na base do estipe, DAP, nº folhas, presença de flores e frutos, nº de estipes 5 estádios (plântula, infante, jovem, imaturo, adulto) Estrutura e Dinâmica de palmeiras em fragmentos BERNACCI, MARTINS & SANTOS, 2006 PORTELA &SANTOS, parcelas de 5x 5m, onde foi demarcada uma sub- parcela de 2x 2m para contagem de plântulas. 9 parcelas de 30x 30m com 50m de distancia uma da outra e 100m de distancia de bloco para bloco DAS, comprimento e número de folhas e diâmetro da bainha foliar para caule subterraneo 6 estádios (plântula, juvenil 1, juvenil 2, imaturo, virgem, adulto) 5 estádios (plântula, infante, jovem, imaturo, adulto) PORTELA & SANTOS, parcelas de 30x 30m com 100m entre cada um.e 50m de distancia entre os blocos. = 0,81 ha 5 estádios (plântula, infante, jovem, imaturo, adulto) PORTELA, PIRES & SANTOS, parcelas de 30x 30m com 100m entre cada um.e 50m de distancia entre os blocos. DAC, distância do solo, diâmetro de inserção, altura, nº de folhas e de ramos Somente adultos 12 of 20

13 Área de estudo Inicialmente somente fragmentos do lado da Serra do Mar 13 of 20

14 Dificuldades Partindo da premissa de cada fragmento tem uma história de formação e ocupação própria, como verificar se de fato os fatores analisados: altitude, tamanho e conectividade do fragmento são os responsáveis pelas diferenças na composição e estrutura da comunidade de palmeiras encontrada atualmente? of of 20

15 Expected results Espera- se com o trabalho verificar a diversidade de palmeiras nos fragmentos e analisar o nível de conservação do mesmo; Entender a distribuição das espécies no fragmento e entre os fragmentos; Verificar o efeito de borda e interior, espera- se encontrar diferencial na riqueza, devido as características próprias de cada espécie; As variáveis: altitude, tamanho do fragmento e conectividade, serão analisadas. We expect to verify the diversity of palm trees in fragments and analyze their level of conservation; Understand the distribution of the species in each fragment and between fragments; Verify the edge effect and interior of the fragment. We expect to find a difference in richness, due to the characteristics of each species; The variables: altitude, fragment size and connectivity will be analyzed. 15 of 20

16 Programa de Pós- Graduação em Ciências Ambientais SIMULAÇÕES DE CLIMA FUTURO DOS ELEMENTOS CLIMÁTICOS, TEMPERATURA E PRECIPITAÇÃO, NO DOMÍNIO DA MATA ATLÂNTICA: TRANSECTO UBATUBA/SP E EXTREMA/ MG Valérian Dias dos Santos Orientadores: Profº Dr. Gilberto Fernando Fisch e Profª. Drª. Simey Thury Vieira Fisch 16 of 20

17 Resultados Preliminares - utilização de dados de simulação climática (20 X 20 km) para o período de (considerado base- line ou controle) e , e (futuro). - Trabalho em andamento. Até o momento, foram feito os cálculos para Taubaté e nos próximos 4 meses serão feitos estes mesmos cálculos- análises para os outros sítios (Ubatuba, Campos de Jordão e Extrema) 17 of 20

18 Temperatura do ar ( C) : 18,8 C : 20,3 C : 21,4 C : 22,5 C Está ocorrendo um aumento da temperatura do ar. Qual é o impacto disto na biodiversidade?!!! 18 of 20

19 Precipitação (mm/mês) A distribuição de chuva na região também poderá se modificar, principalmente com relação a distribuição sazonal da precipitação! Qual é o impacto disto na vegetação?! 19 of 20

20 Obrigada pela atenção!! 20 of 20

Luciana Satiko Arasato. Orientadores: Camilo Daleles Rennó e Silvana Amaral

Luciana Satiko Arasato. Orientadores: Camilo Daleles Rennó e Silvana Amaral Incluindo dependência espacial na modelagem da distribuição de Euterpe edulis Mart. (palmito juçara) no gradiente altitudinal da mata Atlântica em Ubatuba-SP. Luciana Satiko Arasato Orientadores: Camilo

Leia mais

Caracterização dos estádios ontogenéticos de três espécies de palmeiras: uma proposta de padronização para estudos de dinâmica populacional 1

Caracterização dos estádios ontogenéticos de três espécies de palmeiras: uma proposta de padronização para estudos de dinâmica populacional 1 Revista Brasil. Bot., V.34, n.4, p.523-535, out.-dez. 2011 Caracterização dos estádios ontogenéticos de três espécies de palmeiras: uma proposta de padronização para estudos de dinâmica populacional 1

Leia mais

BOL MUS BIOL MELLO LEITÃO (N SÉR ) 16:5-20 DEZEMBRO DE 2003 5 Aspectos florísticos e ecológicos de palmeiras (Arecaceae) da Reserva Biológica de Duas Bocas, Cariacica, Espírito Santo Amélia Lopes Lima

Leia mais

Características biológicas das espécies de palmeiras podem predizer sua raridade em uma floresta de terra firme na Amazônia Central?

Características biológicas das espécies de palmeiras podem predizer sua raridade em uma floresta de terra firme na Amazônia Central? Características biológicas das espécies de palmeiras podem predizer sua raridade em uma floresta de terra firme na Amazônia Central? Maria Beatriz N. Ribeiro Introdução Explicar os padrões de distribuição

Leia mais

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA IN-35 INSTRUÇÕES GERAIS: A Exploração do Palmiteiro (Euterpe edulis) no estado de Santa Catarina, deverá obedecer os critérios estabelecidos

Leia mais

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado.

136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. 136) Na figura observa-se uma classificação de regiões da América do Sul segundo o grau de aridez verificado. Em relação às regiões marcadas na figura, observa-se que A) a existência de áreas superáridas,

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO POTENCIAL DE PALMEIRAS (ARECACEAE) NO ESTADO DE SÃO PAULO EM CENÁRIOS DE AQUECIMENTO GLOBAL

DISTRIBUIÇÃO POTENCIAL DE PALMEIRAS (ARECACEAE) NO ESTADO DE SÃO PAULO EM CENÁRIOS DE AQUECIMENTO GLOBAL DISTRIBUIÇÃO POTENCIAL DE PALMEIRAS (ARECACEAE) NO ESTADO DE SÃO PAULO EM CENÁRIOS DE AQUECIMENTO GLOBAL Mariana Cavalcanti da Conceição (Bolsista PIBIC/CNPQ) Silvana Amaral (Orientadora) RELATÓRIO FINAL

Leia mais

ESCOLA EDUCATIVA SÃO CARLOS - SP

ESCOLA EDUCATIVA SÃO CARLOS - SP NUCLEO PICINGUABA Ecologia & Comunidades tradicionais ESCOLA EDUCATIVA SÃO CARLOS - SP 04 DIAS (17 A 20 setembro 2014) proposta preliminar Apresentação - O PARQUE ESTADUAL SERRA DO MAR O Parque Estadual

Leia mais

RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA

RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA Governo do Estado de Minas Gerais Sistema Estadual de Meio Ambiente Gerência de Projetos e Pesquisas Referências Bibliográficas RESERVA BIOLÓGICA JAÍBA Gerencia de Projetos e Pesquisa Janeiro /2011 Governo

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS

CADERNO DE EXERCÍCIOS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO Disciplina: Ecologia de Ecossistema e da Paisagem

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS José Irivaldo Alves Oliveira Silva, Elizandra Sarana Lucena Barbosa Universidade Federal de Campina

Leia mais

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp

A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica. André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp A origem, evolução e diversidade da fauna da Mata Atlântica André Victor Lucci Freitas Departamento de Biologia Animal Unicamp Distribuição da Mata Atlântica Aparentemente, uma faixa homogênea de florestas

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DO CULTIVO DE PALMITO PUPUNHA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO/BRASIL

SITUAÇÃO ATUAL DO CULTIVO DE PALMITO PUPUNHA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO/BRASIL SITUAÇÃO ATUAL DO CULTIVO DE PALMITO PUPUNHA NO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO/BRASIL César Pereira Teixeira Júlio César Almeida Paiva INDICE: 1. INTRODUÇÃO 2. LOCALIZAÇÃO 3. PROGRAMA PALMITO - PROPALM 4. PROJETOS

Leia mais

Sítio: Maurício Magnagno- Rod. Br 262 x Afonso Cláudio-ES São Bento - Domingos Martins-ES

Sítio: Maurício Magnagno- Rod. Br 262 x Afonso Cláudio-ES São Bento - Domingos Martins-ES Sítio: Maurício Magnagno- Rod. Br 262 x Afonso Cláudio-ES São Bento - Domingos Martins-ES HISTÓRICO ntre as várias potencialidades naturais do Estado do Espírito Santo, destaca-se o cultivo de palmáceas,

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 ESTUDO DA DISTRIBUIÇÃO ESPACIAL DE Eremanthus erythropappus (DC.) MacLeish EM TRÊS SETORES FLORESTAIS, SOB DIFERENTES PRESSÕES AMBIENTAIS, EM LAVRAS, SUL DE MINAS GERAIS. MATHEUS HENRIQUE M. BENÍCIO 1,

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas

Modificação das Paisagens por Atividades Humanas BIOLOGIA DA CONSERVAÇÃO IBB021 AULA 7 I. Consequências Ecológicas da Modificação de Paisagens Causas e distribuição das modificações da paisagem Modificação da estrutura de comunidades de plantas e animais

Leia mais

Projeto PNUD BRA 00/G31 Promoção da Conservação e Uso Sustentável das Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso

Projeto PNUD BRA 00/G31 Promoção da Conservação e Uso Sustentável das Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso Projeto PNUD BRA 00/G31 Promoção da Conservação e Uso Sustentável das Florestas de Fronteira do Noroeste de Mato Grosso AVALIAÇÃO DE INDICADORES ECOLÓGICOS E ECONÔMICOS DE SISTEMAS AGROFLORESTAIS Andre

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA ECOLOGICA MATA DO PAU- FERRO (AREIA-PB) COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO

A IMPORTÂNCIA DA RESERVA ECOLOGICA MATA DO PAU- FERRO (AREIA-PB) COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO A IMPORTÂNCIA DA RESERVA ECOLOGICA MATA DO PAU- FERRO (AREIA-PB) COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO Edilaine da Silva Trajano (1); David Holanda de Oliveira (1); Sibelle Williane Dias dos Santos Inocêncio Alves

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA

CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA I Congresso Baiano de Engenharia Sanitária e Ambiental COBESA CARACTERIZAÇÃO AMBIENTAL DO ECOSSISTEMA MANGUEZAL NA COSTA LESTE DE SALINAS DA MARGARIDA-BAHIA Augusto César da Silva Machado Copque Geógrafo

Leia mais

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL Azevedo, Cláudia P.M.F.; Ferreira, Paulo C.; Pasin, Liliana A.A.P. UNIVAP/Ciências Biológicas, claumariotto@hotmail.com

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 CONSERVAÇÃO PELO USO DA PALMEIRA JUÇARA: CARACTERIZAÇÃO DO EXTRATO AQUOSO DOS FRUTOS

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 CONSERVAÇÃO PELO USO DA PALMEIRA JUÇARA: CARACTERIZAÇÃO DO EXTRATO AQUOSO DOS FRUTOS 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( x ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Análise de Viabilidade

Análise de Viabilidade Análise de Viabilidade 1. Identificação Município: Itaúna Localização: Região de Tabuões Bacia Hidrográfica: Rio São Francisco 2. Resultados: Considerando as especulações que estão sendo levantadas com

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia FENOLOGIA DE UMA COMUNIDADE ARBÓREA NA AMAZÔNIA CENTRAL COMO FERRAMENTA PARA CONSERVAÇÃO Suiane Claro Saraiva;

Leia mais

Palmitos da flora brasileira

Palmitos da flora brasileira Valéria A. Modolo Palmitos da flora brasileira 1 IAC, CP 28, 13001-970, Campinas-SP, E-mail: vamodolo@iac.sp.gov.br Introdução O palmito, produto considerado hortaliça não convencional, pode ser obtido

Leia mais

Caracterização de uma comunidade de palmeiras do Parque Natural Municipal do Goiapaba-Açú, Fundão, ES. 6

Caracterização de uma comunidade de palmeiras do Parque Natural Municipal do Goiapaba-Açú, Fundão, ES. 6 Copyright 07 do(s) autor(es). Publicado pela ESFA. Resende ACB, Broetto GC, Malaquias JT & Ribeiro LF (07) Caracterização de uma comunidade de palmeiras do Parque Natural Municipal do Goiapaba-Açú, Fundão,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia APORTE DE MATERIAL VEGETAL SOBRE O SOLO EM UMA FLORESTA SEMIDECIDUA AO NORTE DO ESTADO DE MATO GROSSO Ândrea Carla

Leia mais

Palavras-chave: guia didático, espaços não formais de ensino, ensino de ecologia.

Palavras-chave: guia didático, espaços não formais de ensino, ensino de ecologia. GUIA DIDÁTICO DO PARQUE NACIONAL DA SERRA DOS ÓRGÃOS SEDE PETRÓPOLIS: APROXIMANDO ESCOLA E PARQUE ATRAVÉS DE UMA ATIVIDADE DE FORMAÇÃO DOCENTE Wellington Machado Pimentel (Licenciatura em Ciências Biológicas,

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

Inventário Florestal Nacional IFN-BR

Inventário Florestal Nacional IFN-BR Seminário de Informação em Biodiversidade no Âmbito do MMA Inventário Florestal Nacional IFN-BR Dr. Joberto Veloso de Freitas SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Gerente Executivo Informações Florestais Brasília,

Leia mais

Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas

Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas Simpósio 4: O SNUC e a proteção da fauna silvestre brasileira: o vazio das florestas e o dilema da reintrodução Protocolos de reintrodução x ações emergenciais para espécies ameaçadas Pedro F. Develey

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG

AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS QUÍMICOS DE UM SOLO SOB FLORESTA ATLÂNTICA NA FAZENDA SANTA RITA, FARIA LEMOS, MG Maria José Reis da Rocha 1, Camila Aparecida da Silva Martins 2, Aderbal Gomes da Silva 3, Mauro

Leia mais

Bráulio A. Santos (UFPB)

Bráulio A. Santos (UFPB) Bráulio A. Santos (UFPB) A caatinga é homogênea A caatinga é pobre em espécies A caatinga está pouco alterada Breve descrição da Caatinga Estado de conservação Ameaças à biodiversidade e serviços ambientais

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DGEO PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA Caicó/RN 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

Geliane Mendonça da Silva¹, Antonio Ferreira de Lima², Cleison Cavalcante de Mendonça², Adriano Santos da Silva², Evandro José Linhares Ferreira³

Geliane Mendonça da Silva¹, Antonio Ferreira de Lima², Cleison Cavalcante de Mendonça², Adriano Santos da Silva², Evandro José Linhares Ferreira³ ASPECTOS FLORÍSTICOS E FITOSSOCIOLÓGICOS DE COMUNIDADES DE PALMEIRAS (ARECACEAE) EM FRAGMENTOS FLORESTAIS COM E SEM BAMBU (GUADUA SPP.) NA APA IGARAPÉ SÃO FRANCISCO, ACRE Geliane Mendonça da Silva¹, Antonio

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: CARACTERIZAÇÃO PRELIMINAR DA VEGETAÇÃO DA PRAÇA DOM JOSÉ GASPAR, MUNICÍPIO DE SÃO PAULO: INSTRUMENTO

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ*

DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* DEGRADAÇÃO AMBIENTAL DOS SOLOS: MANEJOS DIFERENTES EM BIOMA DE MATA ATLÂNTICA NA REGIÃO SERRANA/RJ* LIMA, L. G. 1, BARROS, A L. R. de 2. VIDAL, D. P. 3, BERTOLINO, A V. F. A 4, BERTOLINO, L. C. 4 1 Graduando/

Leia mais

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO

FATORES CLIMÁTICOS ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS ALTERAM A DINÂMICA LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO FATORES CLIMÁTICOS LATITUDE ALTITUDE CONTINENTALIDADE MARITIMIDADE MASSAS DE AR CORRENTES MARÍTIMAS RELEVO ALTERAM A DINÂMICA ELEMENTOS ATMOSFÉRICOS TEMPERATURA, UMIDADE,PRESSÃ O ATMOSFÉRICA Climas

Leia mais

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma

Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros. Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia. Bioma Cap. 26 De norte a sul, de leste a oeste: os biomas brasileiros Sistema de Ensino CNEC Equipe de Biologia Bioma Conjunto de vida, vegetal e animal, constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação, condições

Leia mais

Protocolo de Instalação de Parcelas Terrestres

Protocolo de Instalação de Parcelas Terrestres MATERIAL NECESSÁRIO GPS Clinômetro Barbante plástico Vara para suporte do clinômetro e vara alvo (Figura 1) Cano para apoiar bússola Jogo de marcador alfa-numérico Trena de 10 metros Tubos de PVC ½ marrom

Leia mais

A fauna na recuperação das áreas degradadas

A fauna na recuperação das áreas degradadas A fauna na recuperação das áreas degradadas Wesley R. Silva Laboratório de Interações Vertebrados-Plantas Departamento de Biologia Animal, IB-UNICAMP XI Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio

Leia mais

Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG.

Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG. Aplicação da Cadeia de Markov na prognose do crescimento diamétrico de um remanescente de Mata Atlântica em MG. Marcela de Castro Nunes Santos 1 André Luiz Raimundo Faria 2 Daniela Cunha da Sé 3 José Marcio

Leia mais

A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil

A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil A Natureza ilhada: concepção de Áreas Protegidas no Brasil, política de criação e implantação no Brasil Dra. Sueli Angelo Furlan Laboratório Climatolofia e Biogeografia Departamento de Geografia Faculdade

Leia mais

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL

PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Mato Grosso - MT Julho/2013 a Setembro/2013 PROJETO BICHOS DO PANTANAL Pesquisa ictiofauna julho/13 a setembro/13

Leia mais

Aspectos demográficos de palmiteiro (Euterpe edulis Mart.) em uma área da Floresta Atlântica de Encosta, em Maquiné, Rio Grande do Sul

Aspectos demográficos de palmiteiro (Euterpe edulis Mart.) em uma área da Floresta Atlântica de Encosta, em Maquiné, Rio Grande do Sul Aspectos demográficos de palmiteiro (Euterpe edulis Mart.)... 57 Aspectos demográficos de palmiteiro (Euterpe edulis Mart.) em uma área da Floresta Atlântica de Encosta, em Maquiné, Rio Grande do Sul Recebido

Leia mais

UNIDADE 5 AMÉRICA DO NORTE. Os Estados Unidos Tema 1

UNIDADE 5 AMÉRICA DO NORTE. Os Estados Unidos Tema 1 UNIDADE 5 AMÉRICA DO NORTE Os Estados Unidos Tema 1 ORIGEM (resumo): Formação territorial no século XVI; Independência 04/07/1776; Colônias de povoamento as treze colônias costa leste do país e se expandiu

Leia mais

A Lei de Crimes Ambientais frente à evolução do Direito Ambiental: sanções versus incentivos

A Lei de Crimes Ambientais frente à evolução do Direito Ambiental: sanções versus incentivos A Lei de Crimes Ambientais frente à evolução do Direito Ambiental: sanções versus incentivos A Lei 9.605/1998 Escopo: sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA ANÁLISE MORFOLÓGICA E CROMOSSÔMICA DE POPULAÇÕES DA PALMEIRA CLONAL Geonoma elegans Mart. EM DIFERENTES ALTITUDES NO NÚCLEO PICINGUABA, PARQUE ESTADUAL

Leia mais

Núcleo Regional de Coari -AM

Núcleo Regional de Coari -AM Núcleo Regional de Coari -AM Fernando P. Mendonça, UFAM/Coari Programa de Pesquisa em Biodiversidade PPBio Amazônia Ocidental http://ppbio.inpa.gov.br Histórico Convite do Núcleo executor: Novembro/2009

Leia mais

Diversidade Biológica: Definição e Valor. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida

Diversidade Biológica: Definição e Valor. Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida Diversidade Biológica: Definição e Valor Disciplina: Biologia da Conservação Docente: Profa. Dra. Maria Elisa de Castro Almeida O QUE É DIVERSIDADE BIOLÓGICA? A biodiversidade ou diversidade biológica

Leia mais

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3

Prova 3 Geografia QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. QUESTÕES OBJETIVAS GABARITO 3 Prova 3 QUESTÕES OBJETIVAS QUESTÕES APLICADAS A TODOS OS CANDIDATOS QUE REALIZARAM A PROVA ESPECÍFICA DE GEOGRAFIA. UEM Comissão Central do Vestibular Unificado GEOGRAFIA 01 Sobre as rochas que compõem

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

Estrutura de um resumo de trabalho científico: título autores filiação texto: introdução material e métodos resultados discussão

Estrutura de um resumo de trabalho científico: título autores filiação texto: introdução material e métodos resultados discussão Estrutura de um resumo de trabalho científico: título autores filiação texto: O papel de aves frugívoras na germinação e potencial dispersão de sementes da Aroeira vermelha Schinus terebinthifolius. Leonardo

Leia mais

João Paulo Villani¹ Maria de Jesus Robim² Giordano Bruno Automari³

João Paulo Villani¹ Maria de Jesus Robim² Giordano Bruno Automari³ Fragmentos florestais e manejo sustentável em zona de amortecimento do Parque Estadual da Serra do Mar Núcleo Santa Vírginia (SP) João Paulo Villani¹ Maria de Jesus Robim² Giordano Bruno Automari³ ¹Fundação

Leia mais

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre

Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Instruções gerais: Lista de Exercícios de Recuperação do 3 Bimestre Resolver os exercícios à caneta e em folha de papel almaço ou monobloco (folha de fichário). Copiar os enunciados das questões. Entregar

Leia mais

José Eduardo do Couto Barbosa. Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF

José Eduardo do Couto Barbosa. Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF José Eduardo do Couto Barbosa Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF CONCEITO DE BIODIVERSIDADE Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades

Leia mais

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves

Legislação Pesqueira e Ambiental. Prof.: Thiago Pereira Alves Técnico em Aquicultura Legislação Pesqueira e Ambiental Prof.: Thiago Pereira Alves SNUC Conceito É o conjunto organizado de unidades de conservação protegidas (federais, estaduais, municipais) que, planejado,

Leia mais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Dois trópicos e dois círculos Polares Tipos de Escalas Gráfica Numérica 1 : 100.000 Principais projeções cartográficas Cilíndrica Cônica Azimutal ou Plana

Leia mais

As atividades econômicas realizadas pelas pessoas costumam ser agrupadas em três setores.

As atividades econômicas realizadas pelas pessoas costumam ser agrupadas em três setores. SOCIEDADE MINEIRA DE CULTURA Mantenedora da PUC Minas e do COLÉGIO SANTA MARIA UNIDADE: DATA: 03 / 2 / 205 III ETAPA AVALIAÇÃO ESPECIAL DE GEOGRAFIA 5.º ANO/EF ALUNO(A): TURMA: N.º: PROFESSOR(A): VALOR:

Leia mais

BIOLOGIA BIOMAS BRASILEIROS

BIOLOGIA BIOMAS BRASILEIROS BIOLOGIA BIOMAS BRASILEIROS Caatinga Maranhão, Piauí, Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Bahia e Norte de Minas. Forte presença de arbustos com galhos retorcidos e com raízes

Leia mais

CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA.

CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA. CONSCIÊNCIA ECOLÓGICA E POLINIZAÇÃO DE PLANTAS DO BIOMA CAATINGA: A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS DIFERENCIADAS EM SALA DE AULA. Iara Késia Alves dos Santos (1); Tamires Araújo Fortunato (2); Jorgeana de

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

EXCURSÃO AOS APARADOS DA SERRA (Cambará do Sul-RS)

EXCURSÃO AOS APARADOS DA SERRA (Cambará do Sul-RS) EXCURSÃO AOS APARADOS DA SERRA (Cambará do Sul-RS) ORGANIZADOR: Michel Marques Godoy (Serviço Geológico do Brasil - CPRM). DATA: 5ª.feira, dia 22 de outubro de 2015 (com qualquer clima) HORÁRIO: saída

Leia mais

PARQUES FLORESTAIS DE USO MÚLTIPLO EM PORTUGAL

PARQUES FLORESTAIS DE USO MÚLTIPLO EM PORTUGAL PARQUES FLORESTAIS DE USO MÚLTIPLO EM PORTUGAL congresso internacional de parques urbanos e metropolitanos 24 e 25 de Março de 2006 Os espaços silvestres ocupam cerca de 64% do território nacional. Estes

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo

Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Conectando pessoas e florestas Projeto Corredores Ecológicos: Corredor Central da Mata Atlântica ti Unidade de Coordenação Estadual Espírito Santo Objetivos PCE 1. Objetivo Geral: Demonstrar a viabilidade

Leia mais

6ª EDIÇÃO DO FESTIVAL CULTIVAR PROMOVE RECONEXÃO DAS PESSOAS COM A NATUREZA

6ª EDIÇÃO DO FESTIVAL CULTIVAR PROMOVE RECONEXÃO DAS PESSOAS COM A NATUREZA 6ª EDIÇÃO DO FESTIVAL CULTIVAR PROMOVE RECONEXÃO DAS PESSOAS COM A NATUREZA Expedições, exposição, observação de aves, oficinas, picnic de troca de sementes, cinema e palestras com especialistas em meio

Leia mais

Mudanças Climáticas Biodiversidade e Biogeoquímica

Mudanças Climáticas Biodiversidade e Biogeoquímica Mudanças Climáticas Biodiversidade e Biogeoquímica Instituições participantes: UnB, UFG, JBRJ, Unitau, INPE, USP São Paulo, 10/09/2103 Perguntas centrais da Ecologia como ciência Quais são os padrões e

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE

DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE DESAFIOS E PERSPECTIVAS DOS MANGUEZAIS NO MUNICÍPIO DE MAGÉ BAIXADA FLUMINENSE Gabriel de Lima Souza, licenciando em Geografia gabriel.geo2010@gmail.com Jessica Damiana Pires Fernandes, licencianda em

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

Patrimônio da Humanidade BRASIL

Patrimônio da Humanidade BRASIL Patrimônio da Humanidade BRASIL Patrimônio da Humanidade BRASIL Um local denominado patrimônio mundial é reconhecido pela UNESCO (Organização das Nações Unidas ara a Educação, a Ciência e a Cultura) como

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

EDITAL nº 001/2014. Convocação de Audiência Pública sobre A Situação Atual do Bioma da Mata Atlântica e o Papel do MP.

EDITAL nº 001/2014. Convocação de Audiência Pública sobre A Situação Atual do Bioma da Mata Atlântica e o Papel do MP. EDITAL nº 001/2014 Convocação de Audiência Pública sobre A Situação Atual do Bioma da Mata Atlântica e o Papel do MP. O Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), no exercício da competência

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

USO DA CULTURA DO JERIVÁ (SYAGRUS ROMANZOFFIANA) VISANDO AGREGAR RENDA À AGRICULTURA FAMILIAR

USO DA CULTURA DO JERIVÁ (SYAGRUS ROMANZOFFIANA) VISANDO AGREGAR RENDA À AGRICULTURA FAMILIAR 110. ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( x ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA USO DA CULTURA DO JERIVÁ (SYAGRUS ROMANZOFFIANA) VISANDO

Leia mais

'Cachoeira da Onça' é opção de ecoturismo próximo a Manaus

'Cachoeira da Onça' é opção de ecoturismo próximo a Manaus 'Cachoeira da Onça' é opção de ecoturismo próximo a Manaus Reserva particular de proteção natural mantém preservadas flora e fauna. Local está situado no município de Presidente Figueiredo. A reserva particular

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015

Formações de Santa Catarina. Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 Formações de Santa Catarina Profa. Elisa Serena Gandolfo Martins Março/2015 O Estado de Santa Catarina está totalmente inserido dentro do Bioma Mata Atlântica. A Mata Atlântica "O espaço que contém aspectos

Leia mais

CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA QUADRO CLIMATOBOTÂNICO

CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA QUADRO CLIMATOBOTÂNICO CLIMATOBOTÂNICA O QUE É CLIMATOBOTÂNICA Parte do estudo da ciência geográfica que combina elementos da botânica e geografia; Analisa características da vegetação partindo das características climáticas,

Leia mais

Tatiana Marchetti Panza 1 & Davis Gruber Sansolo 2

Tatiana Marchetti Panza 1 & Davis Gruber Sansolo 2 TURISMO EM ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS E A NECESSIDADE DE DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS INCLUSIVAS - ESTUDO DE CASO DO NÚCLEO PICINGUABA DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR-UBATUBA Tatiana Marchetti

Leia mais

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE MURTA NO JARDIM BOTÂNICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM, SANTA MARIA-RS

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE MURTA NO JARDIM BOTÂNICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM, SANTA MARIA-RS FENOLOGIA REPRODUTIVA DE MURTA NO JARDIM BOTÂNICO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM, SANTA MARIA-RS FERRERA, Tiago Silveira 1 ; BURIOL, Galileo Adeli 2 ; EISINGER Sônia Maria 3 Palavras-Chave:

Leia mais

Refaunação como estratégia de conservação para as UCs da Mata Atlântica Fernando Fernandez

Refaunação como estratégia de conservação para as UCs da Mata Atlântica Fernando Fernandez Refaunação como estratégia de conservação para as UCs da Mata Atlântica Fernando Fernandez Se hoje você não estranha a crueza Dos lagos sem peixe, da rua vazia Te peço desculpas, me abraça meu filho Não

Leia mais

CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio

CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio PLANO DE CURSO/2015 CESEP Centro de Serviços educacionais do Pará Coordenação do Ensino Médio PROFESSOR: LEONAM DISCIPLINA: BIOLOGIA SÉRIE: 2º ANO CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS HABILIDADES COMO VOU ENSINAR COMO

Leia mais

PROJETO: Pegada de carbono da cortiça: das árvores aos produtos Seminário "A importância da Gestão do Montado para as Aves e para o Ambiente"

PROJETO: Pegada de carbono da cortiça: das árvores aos produtos Seminário A importância da Gestão do Montado para as Aves e para o Ambiente PROJETO: Pegada de carbono da cortiça: das árvores aos produtos Seminário "A importância da Gestão do Montado para as Aves e para o Ambiente" Coruche, 31 Maio 2014 Financiamento: FCT Instituições envolvidas:

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

O Portal da Biodiversidade dos Açores

O Portal da Biodiversidade dos Açores O Portal da Biodiversidade dos Açores Rosalina Gabriel (rgabriel@uac.pt) & Paulo A. V. Borges, Ana M. Arroz, Pedro Cardoso, Ana Costa, Regina T. Cunha, António M. Frias Martins, Enésima Mendonça, Francisco

Leia mais

(sheilapopoca@uol.com.br) ÁREA TEMÁTICA: Meio Ambiente

(sheilapopoca@uol.com.br) ÁREA TEMÁTICA: Meio Ambiente TÍTULO: A CRIANÇA E A MATA ATLÂNTICA AUTORES: Lima¹, Sheila Renata Alves de; Portela 1, Valdelira Maria Costa; Barbosa 2, Dilosa Carvalho de Alencar; Barbosa 3, Marlene Carvalho de Alencar. 1 Alunas de

Leia mais

Proposta: Modelagem da Distribuição Potencial das Palmeiras na Amazônia: Cenários Atuais e Futuros

Proposta: Modelagem da Distribuição Potencial das Palmeiras na Amazônia: Cenários Atuais e Futuros CENÁRIOS PARA A AMAZÔNIA: USO DA TERRA, BIODIVERSIDADE E CLIMA Proposta: Modelagem da Distribuição Potencial das Palmeiras na Amazônia: Cenários Atuais e Futuros Luciana Satiko Arasato bolsista "Projeto

Leia mais