Pº R.P. 177/2008 SJC-CT-

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pº R.P. 177/2008 SJC-CT-"

Transcrição

1 Pº R.P. 177/2008 SJC-CT- Conversão de prédio ou fracção autónoma para sistema informático na pendência de pedidos de conversão e renovação Apresentação de petição de recurso hierárquico pela via da telecópia Falta de pagamento do emolumento de recurso hierárquico Notificação para pagamento Âmbito do processo de impugnação de decisões registrais. DELIBERAÇÃO Relatório: A. A fracção autónoma descrita na ficha nº G integra um prédio com registo de aquisição a favor de., Ldª (Ap. 2, de 1994/05/12), de ora em diante designada por LDA. Pela inscrição F-1 (Ap. 20/300698), o ora recorrente obteve registo de arresto daquela fracção autónoma (e de outras) no Pº 310/98 do 2º Juízo Cível do Tribunal Judicial de., em que foi requerida LDA. Pela inscrição F-2 (Ap. 16/090300) a SA obteve registo de penhora da mesma fracção autónoma (e de outras) no Pº nº 435/99, também do 2º Juízo Cível do Tribunal Judicial de, que respeita a autos de execução ordinária (da hipoteca voluntária registada na ficha da descrição genérica Ap. 8 de 1994/12/27?) em que foi executada LDA. Naqueles autos de execução ordinária nº 435/99 a fracção autónoma em causa foi (com outras) adjudicada à SA, tendo a aquisição sido registada na ficha da descrição subordinada em G-1 (Ap. 06/200701). Oficiosamente, foi cancelado o já falado registo de arresto F-1. Em 5 de Novembro de 2002 (Ap. 55) foi registada em F-4, provisoriamente por natureza (art. 92º, nº 2, a)), a penhora da dita fracção autónoma, efectuada em 2 de Outubro de 2002 na execução sumária nº 768-B/1999 do 1º Juízo Cível do Tribunal Judicial de, em que é exequente o ora recorrente e executada LDA. Se bem ajuizamos, resulta da documentação junta aos presentes autos de recurso hierárquico que esta penhora mais não é do que a conversão (em penhora) do já citado arresto registado em F-1 (o Pº 310/98 terá transitado do 2º Juízo para o 1º Juízo do Tribunal Judical de ). 1

2 Em foi anotada àquela inscrição F-4 a data da declaração do titular inscrito (SA) de que o bem lhe pertencia, e em foi anotada à mesma inscrição a caducidade do registo. Nesta mesma data ( ) foi registada em G-2 (Ap. 27) a aquisição da fracção autónoma em causa a favor de Ana Paula. e outros, por compra à SA, e a favor desta hipoteca constituída pelos sujeitos activos daquela inscrição de aquisição (C-1 Ap. 28). Em 15 de Julho de 2004 foi registada em F-5 (Ap. 08), provisoriamente por dúvidas, decisão judicial de declaração de nulidade dos actos de venda/adjudicação de 5 fracções autónomas (D, F, G, X e Y) do prédio da ficha nº 804. Este registo caducou (F-5 An ). Em 9 de Fevereiro de 2006 foi registada em F-6 (Ap. 20) decisão judicial de declaração de nulidade do acto de venda/adjudicação da fracção autónoma G a favor da SA. B. As citadas inscrições de decisão judicial F-5 e F-6 não nos esclarecem sobre os contornos mínimos dos factos inscritos (desde logo, são omissas quanto aos sujeitos), pelo que importa consultar os respectivos títulos. Que nos dizem eles? Desde logo, a decisão judicial é a mesma em cada uma daquelas inscrições (na insc. F-6 limitada à fracção autónoma G). Esta decisão judicial foi proferida em no Pº 435-A/, apenso aos já falados autos de execução (hipotecária) ordinária com o nº 435/99, do 2º Juízo Cível do Tribunal Judicial de, a pedido precisamente do ora recorrente, que naqueles autos e na qualidade de credor reclamante arguiu diversas nulidades, dentre elas a nulidade do acto da venda (tratou-se antes, no que toca à fracção G, de adjudicação) da fracção autónoma em causa (e de outras). A douta decisão judicial veio reconhecer que nos autos não foi dado cumprimento ao disposto no art. 869º, nº 3, 2ª parte do C.P.C. (com a redacção dada pelo D.L. nº 38/2003, de 08.03, art. 869º,nº 6, 2ª parte), tendo sido em consequência omitidas formalidades legalmente prescritas (art. 886º-A, do C.P.C.) que podem ter influenciado na decisão da causa, no que à venda se refere, «pelo que se declara a nulidade ( ) e de todo o processado posteriormente, nomeadamente do acto de 2

3 venda/adjudicação das fracções D, F, G, X e Y identificadas a fls (art. 909º, nº 1, c) do Código de Processo Civil), bem como o consequente cancelamento de eventuais registos entretanto efectuados quanto às referidas fracções», «tudo sem prejuízo do estabelecido no art. 909º, nº 3, do Código de Processo Civil, bem como eventualmente do art. 887º, nº 2 [com a Reforma do citado D.L. nº 38/2003, art. 887º, nº 3] do Código de Processo Civil». Esta decisão proferida, como se disse no Pº 435-A/ transitou em julgado em Porém, em , o Mmo. Juiz, considerando aquela decisão tomada no apenso, veio no Pº 435/ proferir novo despacho. Neste despacho - considerando que, em face daqueloutra decisão de , haveria que proceder ao cancelamento dos registos efectuados, bem como à inscrição de tal decisão no registo o Mmo. Juiz mandou oficiar à Conservatória do Registo Predial de a fim de «( ) 3) Quanto à fracção G, por ora 3.1) fazer constar do registo a decisão proferida a fls 179, nomeadamente, que no âmbito do Processo nº 435/ do 2º Juízo Cível do Tribunal Judicial de.foi declarado nulo o acto de adjudicação a favor da SA da fracção G (a fracção G havia sido adjudicada à Exequente SA. Compulsada a certidão registral, constata-se que a Exequente SA vendeu entretanto a fracção G. Assim, por ora, afigura-senos que deverá ser inscrita no registo a decisão proferida a fls 179)». Neste novo despacho, o Mmo. Juiz mandou solicitar à Conservatória do Registo Predial de.certidão dos documentos que estiveram na origem do registo de aquisição G-2 (Ap. 27/ ), já referido. Para completa compreensão deste douto despacho, importa ainda referir que, relativamente a outras fracções autónomas atingidas pela declaração de nulidade da adjudicação/venda executiva, o Mmo. Juiz não tomou exactamente a mesma posição. Por exemplo, relativamente à fracção autónoma Y, mandou que se solicitasse à Conservatória não só o registo da decisão judicial mas também o cancelamento da inscrição a favor do adquirente na venda executiva e o cancelamento de dois averbamentos, dentre os quais o averbamento de cancelamento do registo de arresto (não confirmámos se se trata do mesmo registo de arresto a favor do ora recorrente). Mas quanto à fracção autónoma X, em que a venda executiva não tinha ainda sido registada, entendeu o Mmo. Juiz 3

4 que, apesar disso, a decisão judicial, mas apenas esta, deveria ser registada. Este despacho transitou em julgado em O registo da decisão judicial F-6 foi pedido pelo Tribunal Judicial da Comarca de, com base em certidões dos despachos anteriormente referidos e ainda em certidão do despacho de proferido nos mesmos autos de execução ordinária nº 435/1999, do qual consta que os sujeitos activos da inscrição G-2 (Ap. 27/ ) vieram pedir «a declaração da inoponibilidade da decisão de [mais exactamente, de ] que anulou a venda judicial [mais exactamente, a adjudicação] da fracção G( )» e que «Antero, credor reclamante, pronunciou-se pelo indeferimento do requerido e pela renovação do pedido de cancelamento do registo de aquisição a favor da SA e dos requerentes» (sublinhado nosso), e ainda o seguinte: «A questão que se nos coloca não pode ser decidida nos presentes autos de execução. Carece de formalismo processual adequado ao reconhecimento do direito ora invocado. E, por isso, indefiro a requerida declaração de inoponibilidade. Notifique. Por outro lado, foi proferido nos presentes autos despacho judicial, transitado em julgado, que se impõe registar. Notificados que foram [forem] os titulares inscritos no registo, expeça certidão à Conservatória do Registo Predial fazendo menção desse facto, a fim de se dar cumprimento ao ordenado a fls 277v [despacho de , em que manda solicitar o registo da decisão judicial] ( )». C. O registo da conversão do arresto lavrado pela inscrição F-1 (Ap. 20/300698) tem por base certidão extraída do Pº 768-B/1999, do 1º Juízo Cível do Tribunal Judicial de, que contém cópia do auto de arresto de no Pº 310/98 2º Juízo Cível no qual foi exarada a seguinte cota: «a) Convertido em penhora por despacho proferido a folhas 5 dos autos de Execução de Sentença apenso B ». Os pedidos de registo (de conversão do arresto em penhora e da renovação do registo, agora de penhora) foram recusados. O primeiro porque esta inscrição já não está em vigor, por ter sido cancelada na 4

5 dependência da Ap. 6 de 2001/07/20 [art.s 10º, 68º, 69º, nº 2, e 101º, nº 2, a), do C.R.P.), e o segundo precisamente pela mesma razão (a inscrição já não está em vigor art.s 10º, 12º, 68ºe 69º, nº 2, do C.R.P.). A ficha da fracção autónoma foi convertida para o sistema informático. Na nova ficha não foi reproduzida a inscrição de arresto F-1 e os averbamentos das respectivas vicissitudes (Av. 1, de conversão em definitivo, e Av. 2, de cancelamento), mas apenas anotada a recusa da conversão do arresto em penhora e a recusa da renovação do registo. D. Dos despachos de qualificação vem interposto o presente recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. A Senhora Conservadora exarou despacho de sustentação das qualificações impugnadas, cujos termos também aqui se dão por integralmente reproduzidos. A Senhora Conservadora refere que a petição de recurso foi enviada por telecópia em e que, atendendo à hora em que foi recebida (15.28) decidiu apresentar a petição, apesar de ter dúvidas quanto à aplicação ao caso do disposto nos art.s 41º-C, nº 2, do C.R.P., e 6º da Portaria nº 621/2008, de Refere ainda a recorrida que, contactado o recorrente, este juntou em o original da petição de recurso e pagou o emolumento do art. 27º, 5.1 do R.E.R.N.. O que figura nos presentes autos de recurso hierárquico é o original da petição. E. Questões prévias. Partindo do pressuposto que se nos afigura incontroverso de que ao processo de impugnação das duas decisões registais se aplica o regime que resulta da Reforma do Registo Predial introduzida pelo D.L. nº 116/2008, de 4 de Julho, ainda que ao correspondente processo de registo tenha sido aplicado o direito pregresso, os autos suscitam-nos duas questões prévias. Brevitatis causa tentaremos abordá-las. 5

6 1ª. Como se interpõe (apresenta) a petição de recurso hierárquico ou a petição de impugnação judicial? O título VII do Código do Registo Predial, que regula o processo de impugnação das decisões do conservador, é (e era) omisso a tal respeito. Apenas nos diz que a interposição do recurso hierárquico ou da impugnação judicial considera-se feita com a apresentação da petição no serviço de registo (cfr. Art. 142º, nº 2, do C.R.P.). O direito subsidiário é agora o Código do Procedimento Administrativo (cfr. Art. 147º-B, do C.R.P.), e este diz-nos que a possibilidade de remessa do requerimento por via postal está condicionada pelo seu envio registado e com aviso de recepção, excluindo a expressão correio, ínsita na lei, o recurso a telecópias ou telegramas (cfr. Art. 79º do CPA, e Esteves de Oliveira et alli, in Código do Procedimento Administrativo, 2ª ed., 2005, pág. 391). Mas deverá ser aplicado, nesta sede, o disposto no art. 79º do CPA? Salvo melhor opinião, cremos que não deve. O citado art. 147º-B do Código do Registo Predial não manda aplicar directa ou automaticamente o Código do Procedimento Administrativo ao processo de impugnação das decisões registais. A aplicação daquele Código é subsidiária, portanto, apenas nos casos em que no Código do Registo Predial não existam normas que, por aplicação directa ou teleológica, abranjam as situações de facto em presença. Ora, o Código do Registo Predial prevê no art. 41º-B diversas modalidades de «apresentação» do pedido de registo (pessoal, por via electrónica, pelo correio, por telecópia e por via imediata). Retorquir-seá: mas a petição de recurso hierárquico ou de impugnação judicial não é um pedido de registo. Realmente não é, verdadeiramente, um pedido de registo, antes será pedido de requalificação de pedido de registo já «apresentado». No entanto, tal petição sempre contém um pedido (implícito) de registo, que é o de anotação na ficha do prédio da interposição do recurso hierárquico ou da impugnação judicial (cfr. Art. 148º, nº 1, C.R.P.). De qualquer modo, a unidade do sistema registral demanda que sejam as mesmas as vias de «apresentação» no serviço de registo dos pedidos de registo e das petições de impugnação das decisões registais. Em face do exposto, é nossa convicção que a petição de recurso hierárquico ou de impugnação judicial pode ser «apresentada» por 6

7 telecópia, nos termos do disposto no art. 6º da Portaria nº 621/2008, de 18 de (cfr. art. 41º-C, nº 2, do C.R.P.).. Dos autos não consta a cópia (enviada por fax) da petição de recurso. No entanto, o original está subscrito por advogado e contém o respectivo carimbo, pelo que é legítimo presumir que o envio por telecópia da petição de recurso foi efectuado por advogado. Por outro lado, o documento que instruiu a petição de recurso, e que também foi transmitido por telecópia, é da autoria do serviço de registo recorrido, pelo que se torna no caso irrelevante a omissão na petição de recurso de que os documentos transmitidos por telecópia estão conformes com o respectivo original (cfr. art. 6º, nº 2, da citada Portaria nº 621/2008). 2ª. Quando deve ser pago o emolumento devido pela interposição do recurso hierárquico? Para respondermos, teremos de responder previamente àqueloutra questão de saber se a interposição de recurso hierárquico é um «acto» para efeitos do disposto no art. 151º, nº 1, do C.R.P., que nos diz que os emolumentos e taxas devidas pelos actos praticados no serviço de registo são pagos em simultâneo com o pedido ou antes deste. A resposta afigurase-nos linear: a interposição de recurso hierárquico é um acto (aliás, como já anteriormente referimos, contém um pedido implícito de registo) praticado no serviço de registo, pelo que o emolumento deve ser pago no acto de «apresentação» da petição de recurso ou antes dele. Concluímos, assim, que o emolumento deveria ter sido pago por transferência bancária para a conta indicada no sítio nos termos previstos no nº 4 do art. 6º da citada Portaria nº 621/2008. Não tendo sido pago o emolumento, seria caso de rejeição da apresentação nos termos do disposto no art. 66º, nº 1, e), do C.R.P.? Dentro da linha de raciocínio que temos vindo a adoptar de que a interposição da impugnação contém um pedido de registo seríamos tentados a aplicar esta norma. Não está em tabela a apreciação das consequências da rejeição da apresentação de documentos para registo, mormente por causa de não terem sido pagas as quantias devidas, uma vez que não é esta a hipótese dos autos. 7

8 De qualquer modo, não nos parece que a razão de ser da citada norma segundo cremos, exigir o pagamento do emolumento como pressuposto da instauração do procedimento registal se estenda à interposição de recurso hierárquico. Este acto é dirigido ao presidente do IRN, I.P. e não ao serviço de registo onde é apresentada a petição, justificando-se por isso que não seja submetido à mesma lógica dos actos praticados no e pelo serviço de registo. Ou seja, entende-se que o pagamento do emolumento não seja pressuposto da instauração do processo de impugnação das decisões registais (não é, seguramente, da impugnação judicial, e mal se compreenderia que o fosse da interposição do recurso hierárquico). Aplicando subsidiariamente o Código do Procedimento Administrativo, nos citados termos do art. 147º-B, do C.R.P., e considerando que o Código do Registo Predial não fixa directamente, no próprio processo de impugnação das decisões registais, o prazo para o pagamento do emolumento, cremos ser possível sustentar a aplicação combinada do nº 2 do art. 71º e do nº 2 do art. 113º, ambos do CPA. De acordo com este normativo, o recorrente deve ser notificado para no prazo de 10 dias pagar o emolumento devido, podendo ainda o recorrente obstar ao indeferimento liminar do recurso hierárquico se realizar o pagamento em dobro da quantia devida nos 10 dias seguintes ao termo do prazo fixado para o seu pagamento. Ambos os prazos serão contados nos termos do art. 72º do CPA. Concluímos assim o percurso argumentativo que ensaiámos: o emolumento devido pela interposição de recurso hierárquico deve ser pago no acto de «apresentação» da petição de recurso no serviço de registo, ou antes dessa «apresentação», consoante a modalidade que para esta for adoptada, mas a lei não liga ao incumprimento desta regra quaisquer consequências; não sendo pago o emolumento até à «apresentação», o recorrente deve ser notificado para no prazo de 10 dias efectuar o pagamento, podendo ainda o recorrente obstar ao indeferimento liminar do recurso se realizar o pagamento do emolumento em dobro nos 10 dias seguintes ao termo daquele prazo inicial de 10 dias. Cremos ser esta a interpretação que, na economia do sistema, melhor garante a posição impugnatória do interessado. 8

9 No caso dos autos, o emolumento foi pago sem que ao recorrente tivesse sido fixado prazo para pagamento, pelo que inexiste fundamento para o indeferimento liminar do recurso. F. O processo é o próprio, as partes legítimas, o recurso tempestivo, o recorrente está devidamente representado e inexistem outras questões prévias ou prejudicais que obstem ao conhecimento do mérito. A posição deste Conselho vai expressa na seguinte Deliberação 1- Na ficha informática de prédio ou fracção autónoma já descritos (em livro ou em ficha de papel) devem ser reproduzidos a inscrição do arresto e os averbamentos das vicissitudes daquele facto, ainda que se encontre já cancelada e trancada a respectiva cota, se na data em que ocorrer a conversão para o sistema informático estiverem pendentes o pedido de conversão do arresto em penhora e o pedido de renovação do registo (agora de penhora) A apresentação no serviço de registo da petição de recurso hierárquico e da impugnação judicial das decisões registais pode ser efectuada de acordo com as modalidades do pedido previstas no art. 41º-B do C.R.P.; a apresentação por telecópia deve obedecer aos requisitos previstos no nº 2 do art. 41º-C do C.R.P. e no art. 6º da Portaria nº 621/2008, de 18 de Julho. 3- O emolumento devido pela interposição do recurso hierárquico deve ser pago no acto da «apresentação» da petição de recurso no serviço de registo competente ou antes dessa apresentação, consoante a modalidade que para esta for adoptada, mas a lei (art. 151º, nº 1, do C.R.P.) não liga ao incumprimento desta regra, na hipótese considerada, quaisquer consequências; não sendo pago o emolumento até à «apresentação» da petição de recurso, o recorrente deve ser notificado 1 - Cremos que a conclusão do texto não demanda desenvolvimentos. A situação jurídica da fracção autónoma objecto da publicidade registal não pode ser cabalmente apreendida se a ficha apenas contiver a anotação da recusa de conversão do arresto em penhora e da recusa de renovação de um registo que pura e simplesmente é omitido. Importa, assim, observar o disposto na conclusão. 9

10 para no prazo de 10 dias efectuar o pagamento, podendo ainda o recorrente obstar ao indeferimento liminar do recurso hierárquico se realizar o pagamento em dobro da quantia devida nos 10 dias seguintes ao termo daquele prazo inicial (de 10 dias) para o seu pagamento, nos termos das disposições combinadas dos art.s 71º, nº 2, e 113º, nº 2, do CPA, contando-se ambos os prazos nos termos do art. 72º deste Código, ex vi do art. 147º-B do C.R.P. 4- Encontrando-se cancelado o registo de arresto, devem ser recusados nos termos do art. 69º, nº 2, do C.R.P. os pedidos de conversão do arresto em penhora e de renovação daquele registo (agora de penhora), os quais, devendo assumir a forma de averbamento [cfr. art. 101º, nº 2, a) e d), do C.R.P., na redacção anterior ao D.L. nº 116/2008, de 04.07], pressupõem naturalmente a existência do registo do facto-base De acordo com o art. 846º do C.P.C., na redacção anterior ao D.L. nº 38/2003, de 08.03, a conversão do arresto em penhora assumia a forma de despacho, pelo que deve ser recusado nos termos do art. 69º, nº 1, b), do C.R.P. o averbamento de conversão de arresto em penhora pedido com base no auto do arresto com simples cota de notícia do despacho de conversão O processo de impugnação das decisões registais previsto e regulado no título VII do Código do Registo Predial não é meio próprio para reagir contra a execução ou o resultado de decisões registais, concretamente da decisão implícita no registo de decisão judicial que declarou a nulidade do acto de adjudicação em processo executivo cujo registo determinou o cancelamento oficioso do registo de arresto referido 2 - Também se nos afigura incontroverso o que se afirma no texto. Aliás, importa acentuar que o recorrente não deduziu argumentação contra a fundamentação dos despachos de qualificação dos pedidos de registo. O que o recorrente fez na petição de recurso foi questionar a prática registal adoptada aquando do registo da decisão judicial lavrado em F-6, em , como se tentará demonstrar infra (nota 4). 3 - Também se nos afigura suficientemente clara esta conclusão. Se a conversão do arresto em penhora ocorresse com aplicação do citado art. 846º do C.P.C., na redacção do citado D.L. nº 38/2003, aplicar-se-ia pura e simplesmente o disposto no art. 838º do C.P.C. 10

11 nas conclusões anteriores, registo aquele (de decisão judicial) que não foi acompanhado nem do cancelamento do registo da aquisição (por adjudicação), nem do cancelamento do registo de aquisição entretanto efectuado a favor de subadquirente, nem do cancelamento do averbamento de cancelamento do registo de arresto, aliás em consonância com entendimento judicial expresso Como já se referiu na nota (2), o recorrente assenta toda a argumentação para impugnar as decisões registais na consideração dos efeitos que, no seu entender, decorrem (ou deveriam decorrer) do registo (lavrado em F-6) da decisão judicial de declaração de nulidade do acto de adjudicação registado pela inscrição G-1. De acordo com a tese do recorrente, aquele registo da decisão judicial deveria ter determinado, e efectivamente não determinou, o cancelamento não só daquela inscrição [G-1] como dos averbamentos, inscrições e respectivos averbamentos, posteriores àquele acto declarado nulo sujeito a registo pela inscrição G-1 Ap. 06/200701, que desta tenham dependido (cfr. art. 18º da petição de recurso. Pois bem. A merecer acolhimento a tese do recorrente, então teríamos que concluir pela existência de vícios de registo. As inscrições G-1 e G-2 e os averbamentos de cancelamento das inscrições F-1, F-2 e F-3 seriam nulos ou inexactos, consoante a qualificação do vício. Não cremos que esteja no pensamento do recorrente a possibilidade de o conservador, nesta fase, antes de proceder à qualificação dos pedidos de registo, tranquilamente e sem dar satisfação a ninguém, executar a decisão registal implícita no registo F-6, cancelando oficiosamente, por dependência deste registo, aquelas inscrições e averbamentos. Ainda que fosse de concluir que aquela decisão registal implícita no registo da decisão judicial contém o comando (dado pelo conservador ao funcionário que lavrar o registo) para cancelar aquelas inscrições e averbamentos o que aliás não se nos afigura verosímil, como adiante tentaremos demonstrar -, não nos restam dúvidas de que o conservador não pode, pura e simplesmente, riscar da ficha os registos que incomodam o recorrente. Insistimos, portanto, em que na tese do recorrente os citados registos (inscrições e averbamentos) serão nulos ou inexactos. Ora, ainda que descortinássemos nos pedidos de registo ora formulados um (mais um) pedido implícito de sanação (através da figura do cancelamento) daqueles registos irregulares, o certo é que, como se disse na conclusão, o processo de impugnação das decisões registais não é o meio próprio para sanar vícios de registo. 5 - Não obstante o anteriormente exposto, que reafirmamos, não deixaremos de abordar, ainda que superficialmente, a validade e exactidão dos registos (inscrições e averbamentos de cancelamento) que o recorrente pretende ver cancelados. Ou, noutra perspectiva, a correcção da qualificação do registo da decisão judicial F-6. A nosso ver, desde já avançamos, o registo da decisão judicial não deveria determinar, como efectivamente não determinou, o cancelamento de quaisquer registos (inscrições e/ou averbamentos) que se encontravam lavrados na ficha. 11

12 A Senhora Conservadora procedeu correctamente e interpretou com acerto o conjunto das decisões judiciais que a propósito foram proferidas, e que pormenorizadamente relatámos. Não nos restam dúvidas que o Mmo. Juiz quis que apenas fosse registada a decisão judicial, mantendo-se todos os restantes registos (inscrições e averbamentos). O próprio registo (G-1) do facto (adjudicação) atingido pela declaração de nulidade foi preservado pelo Mmo Juiz. E, na nossa modesta opinião, muito bem. É que o cancelamento da inscrição G-1 provocaria um insustentável estado de incerteza sobre a situação jurídica da fracção autónoma, porquanto seria legítimo questionar a subsistência da inscrição G-2, que na dinâmica do trato sucessivo tem como suporte aquela inscrição G-1. O registo da decisão judicial publicita que foi declarado nulo o acto de adjudicação, facto este objecto imediato da inscrição G-1. Apenas isso. Portanto, é perfeitamente legítimo concluir que ainda não foi judicialmente apreciada a repercussão daquela nulidade no negócio jurídico consequente objecto imediato da inscrição G-2. Isto mesmo, se bem ajuizamos, quis dizer o Mmo Juiz no despacho de Daí que tivesse desatendido a pretensão dos sujeitos activos de G-2 em verem judicialmente declarada a inoponibilidade, perante si próprios, da declaração de nulidade do acto da adjudicação registada em G-1 o que significaria o reconhecimento da validade e efcicácia do negócio registado em G-2 -, e não conhecesse do pedido do ora recorrente (na veste de credor reclamente) de cancelamento de G-1 e de G-2. Um breve parentisis. Acha o recorrente curial defender nesta sede (registal) o cancelamento de G-1 e de G-2 (que, naturalmente, conduziriam ao cancelamento dos averbamentos de cancelamento), quando o Mmo Juiz já tinha recusado o conhecimento do pedido? Retomando o excurso. Não está aqui em tabela apreciar os efeitos do registo da decisão judicial. Mas sempre diremos que um efeito se nos afigura indiscutível tal registo ter produzido. Tendo este registo como conteúdo a decisão que declarou a nulidade do acto de adjudicação registado em G-1, se amanhã viesse a ser declarada a nulidade do negócio jurídico registado em G-2, o registo desta decisão determinaria o cancelamento de G-2, e o registo da decisão F-6 determinaria, agora sim, o cancelamento de G-1. O que vale por dizer que naquele cenário não se assistiria à repristinação de G-1, graças ao registo F-6. Em face do exposto, não vislumbramos qualquer vício de registo, pelo que não temos que propor qualquer inciativa. Referimo-nos, obviamente, aos registos que o recorrente pretende ver cancelados. Quanto ao próprio registo da decisão judicial (F-6), temos dúvidas sobre se a intervenção dos titulares inscritos de G-2, que efectivamente ocorreu no processo judicial, é aquela que é demandada pela regra do trato sucessivo na modalidade da continuidade das inscrições (cfr. art. 34º, nº 2, do C.R.P., na redacção anterior ao D.L. 116/2008). De acordo com a leitura que fazemos das peças processuais juntas aos autos, a inscrição F-5 terá sido provisória por dúvidas por falta de intervenção dos titulares de G-2, e a estes apenas foi dada a possibilidade de intervir através da notificação dos despachos de e de Portanto, e se bem ajuizamos, não chegaram eles a assumir a posição de partes processuais (por estarmos perante um incidente da acção 12

13 Nos termos expostos, é entendimento deste Conselho que o recurso não merece provimento. Deliberação aprovada em sessão do Conselho Técnico de 18 de Dezembro de João Guimarães Gomes de Bastos, relator. Esta deliberação foi homologada pelo Exmo. Senhor Presidente em executiva?). Eles lá vieram pedir a declaração de inoponibilidade, mas o Mmo Juiz respondeu que naquele processo não podia conhecer da validade do negócio jurídico registado em G-2. Ora, parece-nos que esta intervenção não vale para efeitos de trato sucessivo, porquanto não permite aos titulares inscritos demonstrarem a validade do do negócio jurídico e pedirem o reconhecimento do seu direito de propriedade. Porém, também neste ponto não propomos qualquer iniciativa, dado que os titulares inscritos se conformaram com o registo da decisão judicial. Mas não deixamos de sublinhar que a situação registal é algo insólita. A nosso ver, tudo se passa como se na acção tivessem sido demandados os titulares inscritos de G-2, mas a decisão tomada se limitasse à declaração de nulidade do acto da adjudicação registada em G-1. Uma nota final se impõe. De acordo com a leitura que fazemos dos documentos juntos aos presentes autos de recurso hierárquico, terá sido a declaração de pertença da Caixa Económica Montepio Geral produzida na Execução Sumária nº 768-B/1999 que motivou o ora recorrente a pedir na Execução Sumária nº 435/99 a declaração de nulidade do acto de adjudicação. Ora, é entendimento deste Conselho (cfr. Pºs R.P. 66/2005 DSJ-CT e R.P. 136/2008 SJC- CT) que o incidente em que se pede a anulação do acto da venda (ou adjudicação) está sujeito a registo como «acção», desde logo e não somente a partir do pedido de restituição do bem a que se refere o nº 3 do art. 909º do C.P.C. Nesta conformidade, bem diferente poderia ter sido a situação tabular da fracção autónoma em causa se a «acção» tivesse sido oportunamente (antes do registo G-2) registada. 13

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição

Leia mais

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- Averbamento de rectificação da descrição quanto à área, fundado em erro de medição. Enquadramento do respectivo pedido na previsão legal do artigo 28.º-C do CRP ou no processo

Leia mais

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- Obrigação de registar Determinação do momento relevante para efeitos do cumprimento da obrigação de registar relativamente a acto cujo registo é promovido por via electrónica,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0715/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO PENHORA GARANTIA REAL REGISTO TERCEIRO

Leia mais

Sumário: Registo da propriedade de veículos ao abrigo do regime transitório especial consagrado no Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro.

Sumário: Registo da propriedade de veículos ao abrigo do regime transitório especial consagrado no Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro. P.º R. Bm. 4/2008 SJC-CT Sumário: Registo da propriedade de veículos ao abrigo do regime transitório especial consagrado no Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro. Recorrente: Manuel. Recorrida: Conservatória

Leia mais

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT-

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT- Pº R.P.135 e 136 /2009 SJC-CT- (Im)possibilidade legal de incluir a cláusula de reversão dos bens doados em contrato de partilha em vida. DELIBERAçÃO Relatório 1. Os presentes recursos hierárquicos vêm

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: P.º n.º R. P. 234/2007DSJ-CT:Contrato de arrendamento comercial incidente sobre parte de prédio urbano, com duração superior a seis anos - Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO Relatório: 1 Em 28 de Setembro

Leia mais

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT P.º R. P. 301/04 DSJ-CT - Registo de hipoteca legal por dívidas à Segurança Social sobre bens dos gerentes da sociedade devedora. Documentos instrutórios : certidão comprovativa da dívida e cópia autenticada

Leia mais

P.º R.P. 67/2009 SJC-CT

P.º R.P. 67/2009 SJC-CT P.º R.P. 67/2009 SJC-CT Escritura pública versus documento particular autenticado e depositado electronicamente Compra e venda Documento particular outorgado e assinado pelas partes e por solicitador Recusa

Leia mais

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL ( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL Artigo 1.º 1 - O registo de veículos tem essencialmente por fim dar publicidade à situação jurídica dos veículos a motor

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL. Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal

JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL. Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL I RELATÓRIO Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal Maria ( ) interpôs recurso da decisão proferida pelo Conservador da 1.ª Conservatória do Registo

Leia mais

Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial?

Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial? Pº C. Co. 101/2010 SJC-CT. Consulta: Como efectuar o registo comercial de transformação de sociedade civil em sociedade comercial ou em sociedade civil sob forma comercial?... solicitou ao IRN, I.P. que

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0347/13 Data do Acordão: 03-07-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16033 Nº do Documento: SA2201307030347

Leia mais

2- Com o devido respeito, esta é uma falsa questão. Senão vejamos:

2- Com o devido respeito, esta é uma falsa questão. Senão vejamos: Pº CP 3/06 DSJ-CT: Desjudicialização - Processo especial de justificação - Acção declarativa comum para reconhecimento do direito de propriedade - Competência material dos julgados de paz CONSULTA: Parecer

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo 1de 10 Acórdãos STA Processo: 0507/07 Data do Acordão: 14-11-2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IVA IMPOSTO AUTOMÓVEL Nº Convencional:

Leia mais

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 (Recurso civil) Assuntos: Contrato de desenvolvimento para a habitação (CDH) Art.º 22.º do Decreto-Lei n.º 13/93/M, de 12 de Abril Execução de dívida relacionada

Leia mais

Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares.

Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares. Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares. PARECER Registo a qualificar: Aquisição da fracção autónoma U1

Leia mais

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas:

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006 Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Numa acção executiva baseada em sentença proferida em 20/01/2006 (que julgou a acção totalmente

Leia mais

Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT.

Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT. Pº C.Bm. 24/2009 SJC-CT. Objecto da consulta: Pedido de registo automóvel online por comprador autenticado electronicamente com cartão de cidadão, com digitalização da declaração de compra e venda. Relatório:

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações) FASES DO PROCESSO DE CONTRA ORDENAÇÕES Auto de Notícia Menciona os factos constitutivos da infracção, o dia, a hora, o local e as circunstâncias desta. É levantado pelo agente de autoridade. Notificação

Leia mais

Supremo Tribunal Administrativo:

Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Processo: 01241/09 Data do Acordão: 24-03-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO DULCE NETO IRS MAIS VALIAS REINVESTIMENTO EMPRÉSTIMO

Leia mais

Processo n.º 363/2014

Processo n.º 363/2014 Processo n.º 363/2014 (Recurso Cível) Relator: Data : João Gil de Oliveira 16/Outubro/2014 ASSUNTOS: - Julgamento da matéria de facto SUMÁ RIO : Não é pelo facto de algumas testemunhas, empregados de uma

Leia mais

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Implementação de actos específicos para cumprimento do disposto no artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 de 30 de Março. Proposta de modelos para SISAAE/GPESE e

Leia mais

Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. por um interveniente já admitido a intervir nos autos.

Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. por um interveniente já admitido a intervir nos autos. Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 (Autos de recurso penal) Assuntos : Omissão de pronúncia. Nulidade. Devolução dos autos. SUMÁ RIO 1. Incorre-se em nulidade, por omissão de pronúncia, se o Tribunal,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0210/12 Data do Acordão: 21-11-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: RECLAMAÇÃO GRACIOSA IMPUGNAÇÃO TEMPESTIVIDADE NULIDADE DIREITO DE AUDIÇÃO Nº Convencional:

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto.

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto. Processo n.º 4/2016. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: A Recorrido: Chefe do Executivo. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto. Prejuízo de

Leia mais

Deliberação Relatório

Deliberação Relatório P.ºRP 52/2009 SJC-CT- partilha judicial adjudicação de quota indivisa de medida quantitativamente inferior à do direito inscrito a favor da comunhão conjugal do inventariado. Deliberação Relatório De acordo

Leia mais

Processo: R-4559/98 (A2) Assunto: Tributação com recurso a presunções e métodos indiciários. Dever de fundamentação. O caso concreto de M...

Processo: R-4559/98 (A2) Assunto: Tributação com recurso a presunções e métodos indiciários. Dever de fundamentação. O caso concreto de M... Processo: R-4559/98 (A2) Assunto: Tributação com recurso a presunções e métodos indiciários. Dever de fundamentação. O caso concreto de M... Decisão: A situação objecto de queixa foi pelo Provedor de Justiça

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL I INTRODUÇÃO

A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL I INTRODUÇÃO A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL Armindo Ribeiro Mendes I INTRODUÇÃO 1. Entrou em vigor em 15 de Setembro do corrente ano um conjunto de diplomas que corporiza a chamada Reforma da Acção

Leia mais

Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012. Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO

Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012. Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012 Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO Não se pode invocar o direito de prioridade a que se refere o artº 202º/2 do Regime Jurídico

Leia mais

P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro.

P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro. P.º n.º R.P. 75/2011 SJC-CT Depósito electrónico de documento particular autenticado. Artigo 7.º da Portaria n.º 1535/2008 de 30 de Dezembro. DELIBERAÇÃO A. O prédio da ficha nº...... prédio rústico inscrito

Leia mais

P.º R.P. 161/2006 DSJ-CT-

P.º R.P. 161/2006 DSJ-CT- P.º R.P. 161/2006 DSJ-CT- Compatibilização do regime legalmente previsto (D. L. n.º 68/04, de 25/03) que exige a certificação pelo notário na celebração de qualquer escritura pública que envolva a aquisição

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo:

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 01351/13 Data do Acordão: 25-09-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: CASIMIRO GONÇALVES Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16246

Leia mais

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 06722/10 Secção: 2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO Data do Acordão: Relator: Descritores: Sumário: 14-10-2010 RUI PEREIRA OPOSIÇÃO À

Leia mais

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS

APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS APÓLICEDEPROTECÇÃOJURÍDICA AGREGADOFAMILIAR CONDIÇÕES GERAIS ARTIGO PRELIMINAR Entre a Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A., adiante designada por Tranquilidade e o Tomador do Seguro mencionado nas

Leia mais

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Processo CJ n.º: 38/2015 Jogo: Recorrente Relator: GD Direito / CDUL (Campeonato da Divisão de Honra) Lino António Salema Noronha Tudela

Leia mais

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA Carla Mascarenhas 16 de Abril de 2009 A fase de penhora PROGRAMA Consultas e diligências prévias Ordem da realização da penhora Procedimento da penhora de bens Imóveis

Leia mais

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT.

Deliberação. 1 Em especial, no âmbito dos P.ºs CP 83/2008 SJC-CT e R.P. 227/2009 SJC-CT. P.º n.º R.P. 60/2010 SJC-CT Penhora. Cancelamento não oficioso. Eventual conexão com o registo de aquisição, conjuntamente requerido. Tributação emolumentar DELIBERAÇÃO 1 Os presentes autos respeitam à

Leia mais

Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil)

Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil) Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil) Assuntos : Acção especial de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Recurso do despacho que não admite o seu exercício. Momento

Leia mais

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público DIRETIVA n.º 3/2014 Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público A entrada em vigor do Regime Jurídico do Processo de Inventário, aprovado pela Lei n.º 23/2013, de

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil

Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil Especificidades do Processo Administrativo relativamente ao actual Código de Processo Civil A 3ª Reunião Anual da Justiça Administrativa, tem como tema Um Novo Processo para a Justiça Administrativa. O

Leia mais

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO Artigo 1.º Alteração ao Código Civil Os artigos 1585.º, 1676.º, 1773.º, 1774.º, 1775.º, 1776.º, 1778.º, 1778.º-A,1779.º,

Leia mais

Processo nº 127/2003 Data: 26.06.2003 SUMÁRIO

Processo nº 127/2003 Data: 26.06.2003 SUMÁRIO Processo nº 127/2003 Data: 26.06.2003 Assuntos : Processo de execução. Reclamação e graduação de créditos. Hipoteca. Juros (reclamados e não impugnados). SUMÁRIO 1. A preferência reconhecida à hipoteca

Leia mais

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional.

Só em circunstâncias muito excepcionais pode o advogado ser autorizado a revelar factos sujeitos a sigilo profissional. - Dispensa de sigilo profissional n.º 88/SP/2010-P Através de comunicação escrita, registada com o n.º ( ), recebida a 15.04.2010 pela Secretaria do Conselho Distrital do Porto da Ordem dos Advogados,

Leia mais

P.º n.º R.P. 113/2010 SJC-CT Locação financeira. Resolução do contrato. Cancelamento do registo. Título. PARECER

P.º n.º R.P. 113/2010 SJC-CT Locação financeira. Resolução do contrato. Cancelamento do registo. Título. PARECER 1 P.º n.º R.P. 113/2010 SJC-CT Locação financeira. Resolução do contrato. Cancelamento do registo. Título. PARECER 1. O... S.A. vem interpor recurso hierárquico da decisão de recusa do cancelamento de

Leia mais

DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO DOCUMENTADAS

DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO DOCUMENTADAS Acórdãos STA Processo: 0371/07 Data do Acordão: 17/10/2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IRC DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 4481.07-5; Ag: TC Matosinhos, 5º J (6183/06.9TBMTS) Ag.e: Totta Crédito Especializado, SA Instituição Financeira de Crédito, Rua Basílio Teles, 35, Lisboa 1 Agº: Ferseque, Sociedade de Construção e

Leia mais

Parecer proferido no P.º R. P. 68/2013 STJ-CC

Parecer proferido no P.º R. P. 68/2013 STJ-CC Parecer proferido no P.º R. P. 68/2013 STJ-CC Recorrente: Carla Maria.., Advogada Recorrida: Conservatória do Registo Predial.. Sumário: Recusa de ato de registo em oposição a recusa de retificação Qualificação

Leia mais

Sumário. Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual

Sumário. Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual Recurso nº 69/2003 30 de Outubro de 2003 Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual Sumário 1. O pedido de pagamento das rendas é deduzido

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0409/11 Data do Acordão: 11-05-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ISABEL MARQUES DA SILVA RECLAMAÇÃO PRESCRIÇÃO DO

Leia mais

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa

As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa As decisões intermédias na jurisprudência constitucional portuguesa MARIA LÚCIA AMARAL * Introdução 1. Agradeço muito o convite que me foi feito para participar neste colóquio luso-italiano de direito

Leia mais

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO. II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO

BOLETIM DOS REGISTOS E DO NOTARIADO. II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO BOLETIM Abril DOS REGISTOS E DO NOTARIADO 4/2002 II Caderno PARECERES DO CONSELHO TÉCNICO Proc. nº R.P. 103/2001 DSJ-CT - Registo de arrolamento. 2 Proc. nº R.P. 131/2001 DSJ-CT - Registos de aquisição

Leia mais

P.º 110.SJC.GCS/2010

P.º 110.SJC.GCS/2010 PARECER: DESPACHO: P.º 110.SJC.GCS/2010 ASSUNTO: Disposição transitória do artigo 6.º do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro. 1. O Senhor Chefe do Gabinete de Sua Excelência, o Secretário de Estado

Leia mais

- 1 - P.º n.º R.P. 22/2012 SJC-CT Registo de ação. Recusa. PARECER

- 1 - P.º n.º R.P. 22/2012 SJC-CT Registo de ação. Recusa. PARECER P.º n.º R.P. 22/2012 SJC-CT Registo de ação. Recusa. PARECER 1. Em ação de execução específica intentada contra C, Lda - titular inscrita do prédio descrito sob o nº da freguesia de, concelho de - J e

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho (Não dispensa a consulta do Diário da República) REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho CAPÍTULO I Suporte e processo de registo SECÇÃO I Suportes de registo Artigo 1.º Instrumentos

Leia mais

marise.morais@mj.gov.cv jorge.pires@mj.gov.cv

marise.morais@mj.gov.cv jorge.pires@mj.gov.cv Após um período de reflexão e estudos no seio de uma equipa constituída para o efeito, o Ministério da Justiça disponibiliza as versões dos anteprojectos dos códigos do Registo Predial e do Notariado.

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 15 Acórdãos STA Processo: 01500/14 Data do Acordão: 20-05-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: CONTRIBUIÇÕES DÍVIDA À SEGURANÇA SOCIAL PRESCRIÇÃO INTERRUPÇÃO

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL Nº 52 Setembro de 2013 Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix No início deste mês, entrou em vigor o novo Código do Processo Civil, diploma estrutural da vida

Leia mais

(a) O julgador violou o art. 9º CC, na medida em que cingiu a interpretação

(a) O julgador violou o art. 9º CC, na medida em que cingiu a interpretação PN. 939.00 1 ; Ag: TC Porto, 7º j; Ag.e: Condomínio do Edifício Dallas, rep. Andargest, Soc. Gest. Condomínios, Lda 2 ; Ag.o: MP. Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto 1. O Ag.e, em acção que

Leia mais

Recurso nº 795/2010 Data: 17 de Fevereiro de 2011. Assuntos: - Incerteza jurídica - Nome romanizado - Rectificação - Nova prova.

Recurso nº 795/2010 Data: 17 de Fevereiro de 2011. Assuntos: - Incerteza jurídica - Nome romanizado - Rectificação - Nova prova. Recurso nº 795/2010 Data: 17 de Fevereiro de 2011 Assuntos: - Incerteza jurídica - Nome romanizado - Rectificação - Nova prova Sumário 1. Quando o Tribunal estiver perante uma situação em que o arresto

Leia mais

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 138/2007 Manda o Governo, pelo Secretário de Estado Adjunto, das

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

BREVE NOTA SOBRE A CITAÇÃO EDITAL E EDITAIS DE VENDA PROCESSOS POSTERIORES A 31/03/2010 V1.0 15/06/2010

BREVE NOTA SOBRE A CITAÇÃO EDITAL E EDITAIS DE VENDA PROCESSOS POSTERIORES A 31/03/2010 V1.0 15/06/2010 ARMANDO A OLIVEIRA SOLICITADOR BREVE NOTA SOBRE A CITAÇÃO EDITAL E EDITAIS DE VENDA PROCESSOS POSTERIORES A 31/03/2010 V1.0 15/06/2010 2111@solicitador.net 1. Resumo Breve nota sobre o novo regime de publicidade

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0252/14 Data do Acordão: 23-04-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS HIPOTECA

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência. Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima

Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência. Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima Processo n.º 78/2015 Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência Recorrente: A Recorrido: Ministério Público Data da conferência: 13 de Janeiro de 2016 Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou

Leia mais

A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação

A posição deste Conselho vai expressa na seguinte. Deliberação P.º n.º C.P. 72/2010 SJC-CT Pedidos de registo dependentes formulados por via electrónica. Apresentação em diferentes Conservatórias. Inversão da ordem de anotação no Diário. Artigo 75.º, n.º 4 do Código

Leia mais

Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc

Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc Ficha Informativa 3 Março 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS Quais são os serviços

Leia mais

formalizada por escritura pública de compra e venda, de 28 de Novembro de, entre a 1.ª Ré e os 2ºs Réus;

formalizada por escritura pública de compra e venda, de 28 de Novembro de, entre a 1.ª Ré e os 2ºs Réus; 1 Pº R. P. 170/2008 SJC-CT: Registo de acção de preferência pedido de cancelamento do registo de aquisição a favor do comprador e do registo de aquisição a favor de terceiro adquirente. DELIBERAÇÃO 1.

Leia mais

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 8/B/2004 Data: 17-06-2004 Entidade visada: Ministra da Justiça Assunto: Código das Custas Judiciais Prazo de validade dos cheques. Decreto n.º 12 487, de 14 de Outubro de 1926 Prazo de reclamação

Leia mais

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO Delegação de Viana do Castelo Direcção de Finanças de Viana do Castelo DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO CONFERÊNCIA jesuinoamartins@gmail.com 04.06.2015 Atribuições da AT No conjunto das actividades desenvolvida

Leia mais

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO

ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO ORDEM DOS NOTÁRIOS REGULAMENTO DE ESTÁGIO Preâmbulo Nos termos do Artigo 30.º do Estatuto do Notariado, aprovado pelo Decreto Lei Nº 26/2004, de 4 de Fevereiro, vem a Ordem dos Notários aprovar Regulamento

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria Processo n.º 26/2005. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: Secretário para a Segurança. Recorridos: A e B. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto.

Leia mais

PARECER. de alienação sob execução (artigo 92.º/1/g) e n.º 4 do CRP).

PARECER. de alienação sob execução (artigo 92.º/1/g) e n.º 4 do CRP). P.º n.º R. P. 13/2012 SJC-CT Conversão de inscrição de penhora, efetuada como provisória por natureza (artigo 92.º/2/b) do CRP), por subordinação ao registo de ação de execução específica de contrato-promessa,

Leia mais

DE ACTO PRATICADO PELO ÓRGÃO DA EXECUÇÃO FISCAL MORTE DO EXECUTADO PENHORA HERANÇA INDIVISA DESPACHO VENDA

DE ACTO PRATICADO PELO ÓRGÃO DA EXECUÇÃO FISCAL MORTE DO EXECUTADO PENHORA HERANÇA INDIVISA DESPACHO VENDA Acórdãos STA Processo: 0485/13 Data do Acordão: 15-05-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: CASIMIRO GONÇALVES Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P15725 Nº do Documento: SA2201305150485 Data de Entrada:

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0892/08 Data do Acordão: 11-02-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO IRS MAIS VALIAS TRANSMISSÃO ONEROSA

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0831/11 Data do Acordão: 16-11-2011 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS IRC HIPOTECA PRIVILÉGIO

Leia mais

Pº R.P. 71/2008 SJC-CT

Pº R.P. 71/2008 SJC-CT Pº R.P. 71/2008 SJC-CT Aditamento a alvará de loteamento Ampliação de área de lote por redução da área do domínio público municipal Título para registo. DELIBERAÇÃO Relatório: O Município de. requisitou

Leia mais

Pº RP 233/2009 SJC-CT

Pº RP 233/2009 SJC-CT 1 Pº RP 233/2009 SJC-CT -Documento particular autenticado distinção entre assinatura do termo, de um lado, e rubrica das respectivas folhas, do outro. Relevância da omissão de um ou outro dos requisitos

Leia mais

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO:

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO: ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003 R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO / ENCARGO FINANCEIRO / ENDIVIDAMENTO MUNICIPAL / DÉFICE PÚBLICO / MUNICÍPIO /

Leia mais

SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO

SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO Transitada em julgado Proc. n.º 70/2013 - PAM 2ª Secção SENTENÇA N.º 51/2013-2ª SECÇÃO I. Relatório 1 Nos presentes autos vai o presidente da Assembleia Distrital da Guarda, Júlio José Saraiva Sarmento,

Leia mais

Última actualização em 01/05/2007

Última actualização em 01/05/2007 Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro. - Regula o regime da promoção electrónica de actos de registo comercial e cria a certidão permanente, Ministério da Justiça, S.I 2º Suplemento, DR n.º 242, p.

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 3718/12.1TBBCL.G1 I - RELATÓRIO Visam os presentes autos a resolução do conflito de competência entre os Senhores Juizes do 2º e 3º Juízos Cíveis do Tribunal Judicial de Barcelos que, por despachos

Leia mais

N/Referência: PROC.: C. Bm. 12/2014 STJ-CC Data de homologação: 15-05-2014. Relatório. Pronúncia

N/Referência: PROC.: C. Bm. 12/2014 STJ-CC Data de homologação: 15-05-2014. Relatório. Pronúncia N.º 26/ CC /2014 N/Referência: PROC.: C. Bm. 12/2014 STJ-CC Data de homologação: 15-05-2014 Consulente: Serviços Jurídicos. Assunto: Palavras-chave: Compra e venda entre cônjuges nulidade. Parâmetros da

Leia mais

GILBERTO VALENTE DA SILVA SUGESTÃO PRÁTICA SOBRE REGISTRO PENHORAS

GILBERTO VALENTE DA SILVA SUGESTÃO PRÁTICA SOBRE REGISTRO PENHORAS SUGESTÃO PRÁTICA SOBRE O REGISTRO DE PENHORAS Tenho visto, sistematicamente, Registradores devolvendo mandados que recebem, para registro de penhoras, com exigências relacionadas à qualificação do exeqüente,

Leia mais

Departamento Jurídico Sector Jurídico e de Contencioso

Departamento Jurídico Sector Jurídico e de Contencioso Pº 782.DJ.SJC.GCS/2011 ASSUNTO: PEDIDO DE REUNIÃO CONSULTA DE REGISTOS PARA FINS INVESTIGAÇÃO. SUMÁRIO: 1- De um registo em suporte papel que foi informatizado pode o conservador autorizar a emissão de

Leia mais

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento Preâmbulo A Lei n.º 31/2012, de 27 de fevereiro aprovou medidas destinadas a dinamizar o mercado de arrendamento urbano, alterando

Leia mais

CONTRATO DE TRANSFERÊNCIA DA RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DE ÓLEOS USADOS PARA SISTEMA INTEGRADO, NOS TERMOS DO DECRETO-LEI N

CONTRATO DE TRANSFERÊNCIA DA RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DE ÓLEOS USADOS PARA SISTEMA INTEGRADO, NOS TERMOS DO DECRETO-LEI N (rubricar) CONTRATO DE TRANSFERÊNCIA DA RESPONSABILIDADE PELA GESTÃO DE ÓLEOS USADOS PARA SISTEMA INTEGRADO, NOS TERMOS DO DECRETO-LEI N.º 153/2003, DE 11 DE JULHO Entre: Por uma parte, Sogilub - Sociedade

Leia mais

Processo n.º 509/2011 Data do acórdão: 2011-8-5

Processo n.º 509/2011 Data do acórdão: 2011-8-5 Processo n.º 509/2011 Data do acórdão: 2011-8-5 (Autos de recurso penal) Assuntos: decisão de aplicação de medidas de coacção art. o 100. o, n. o 7, do Código de Processo Penal notificação do despacho

Leia mais

Conciliação para empresas em dificuldades

Conciliação para empresas em dificuldades Conciliação para empresas em dificuldades Em vez de recorrer aos tribunais, uma empresa com dificuldades em cumprir as suas obrigações pode recorrer ao procedimento extrajudicial de conciliação, através

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS

ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS RECURSO ORDINÁRIO Nº 02/2010-EMOL (Processo de fiscalização prévia n.º 996/2010) SUMÁRIO 1. O contrato destinado a disponibilizar o sistema de cobrança de portagens e o

Leia mais

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Junho 2013 Direito do Trabalho A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário.

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Processo n.º 14/2012. Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrente: B. Recorrido: A. Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Coisa. Venda. Dação em cumprimento.

Leia mais

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança Entra em vigor amanhã, dia 29 de Março de 2012, a Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro, que procede à alteração e republicação do Regulamento das Custas Processuais. Desde a entrada em vigor do actual Regulamento

Leia mais