Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações"

Transcrição

1 Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF Direção-Geral da Administração da Justiça

2 CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em vigor no próximo dia 23 de março de 2013 as alterações introduzidas ao Código de Processo Penal (CPP) pela Lei nº 20/2013, de 21/02. As alterações ao CPP aplicam-se imediatamente 1 nos termos do n.º 1 do artigo 5.º, sem prejuízo do disposto no n.º 2 do mesmo artigo. Destacamos neste documento as alterações com mais impacto no serviço dos oficiais de justiça, de modo algum se dispensando a leitura dos respetivos diplomas legais. Para além desta Nota Informativa, foram atualizados os manuais penais, que se encontram disponíveis na plataforma de e-learning Campos Virtual da Justiça, onde estará também disponível a versão atualizada do CPP. *** 1 - Competência do tribunal do júri, do tribunal coletivo e do tribunal singular (artigos 13.º, 14.º e 16.º) As alterações a estes artigos permitem que o processo sumário, com a intervenção do tribunal singular, passe a ser aplicável ao julgamento de quase todos os crimes independentemente da pena aplicável, salvo se for requerida a intervenção do tribunal do júri. 1 Aos processos pendentes na data da entrada em vigor da presente lei em que o arguido já tenha sido interrogado continua a aplicar -se o disposto no artigo 357.º na redação da Lei n.º 48/2007, de 28/08 (n.º 2 do artigo 4.º da Lei n.º 20/2013, de 21/02). 2

3 2 Deveres do arguido (artigo 61.º) Estabelece-se o dever do arguido responder com verdade às perguntas feitas por entidade competente apenas sobre a sua identidade al. b) do n.º 3 do artigo 61.º eliminando-se, assim, a obrigação do arguido responder sobre os seus antecedentes criminais em todas as fases do processo. 3 Obrigatoriedade de assistência (artigo 64.º) Torna-se obrigatória a assistência de defensor nos interrogatórios feitos por autoridade judiciária, no debate instrutório e na audiência al. b) e c) do art.º 64.º 4 Auto / Ata (artigo 99.º) Os autos ou atas devem também passar a consignar o início e o termo de cada declaração, quando houver lugar a registo áudio ou audiovisual al. c) do n.º 3 do artigo 99.º 5 Registo e transcrição (artigo 101.º) Nos casos legalmente previstos, o funcionário procede à gravação áudio ou audiovisual da tomada de declarações e decisões verbalmente proferidas. Quando for utilizado o registo áudio ou audiovisual não há lugar à transcrição e o funcionário, sem prejuízo do disposto relativamente ao segredo de justiça, entrega uma cópia, no prazo máximo de 48 horas, a qualquer sujeito processual que a requeira (deixando de ser necessário que forneça o respetivo suporte técnico), bem como, em caso de recurso, procede ao envio de cópia ao tribunal superior. 3

4 6 Quando se praticam os atos (artigo 103.º) Têm natureza urgente os atos assim considerados em legislação especial al. g) do n.º 2 do artigo 103.º -, como por exemplo, os processos por crimes de violência doméstica a que se refere a Lei n.º 112/2009, de 16/09. 7 Notificações (artigo 113.º) Passa a existir um novo tipo de notificação: a via postal simples sem prova de depósito para a notificação do arquivamento nos inquéritos contra desconhecidos (al. d) do n.º 4 do artigo 277.º), considerando-se a notificação efetuada no 5.º dia útil posterior à data de expedição n.º 5 do artigo 113.º Entendemos que só o último dia dos cinco é que tem de ser útil, ou seja, tem de ser dia em que normalmente haja distribuição do correio, seguindo, assim, o decidido no Acórdão do STJ, de 21/05/2003 P.º 02P Interrogatório do arguido (artigos 141.º e 144.º) O interrogatório do arguido (seja realizado por autoridade judiciária ou por OPC), é efetuado, em regra, através de registo áudio ou audiovisual, só podendo ser utilizados outros meios (designadamente a documentação através de auto), quando aqueles meios não estiverem disponíveis, o que deverá ficar a constar do auto. Quando houver lugar a registo áudio ou audiovisual, devem ser consignados no auto o início e o termo de cada declaração, sendo correspondentemente aplicável o disposto no artigo 101.º (v. Ponto 5). Nos interrogatórios cuja realização tenha sido delegada pelo Ministério Público deixa de ser necessário informar o arguido dos elementos do processo que indiciam os factos imputados (n.º 2 do artigo 144.º). 4

5 Nos interrogatórios feitos perante autoridade judiciária, para além da referida informação (dos elementos do processo que indiciam os factos imputados), o arguido 2 será também informado de que não exercendo o direito ao silêncio as declarações que prestar poderão ser utilizadas no processo, nomeadamente, na audiência de julgamento n.º 2 do artigo 144.º. Esta informação (al. b) do n.º4 do artigo 141º) deverá também constar do auto (cfr. al. b) do n.º 1 do artigo 357.º). 9 Notificação ao denunciante com a faculdade de se constituir assistente (artigo 145.º) Para efeitos de notificação por via postal simples com prova de depósito, o denunciante com a faculdade de se constituir assistente, o assistente e as partes civis, indicam a sua residência, local de trabalho ou outro domicílio à sua escolha, devendo ser advertidos de que as posteriores notificações serão feitas para a morada indicada, exceto se for comunicada outra através de requerimento entregue ou remetido por via postal registada à secretaria onde os autos se encontrem a correr nesse momento. Estende-se, assim, ao denunciante com a faculdade de se constituir assistente, a notificação por via postal simples com prova de depósito. 10 Perícias (artigos 154.º a 156.º) No que se refere às perícias, foi alterado o modo como as mesmas são ordenadas. A autoridade judiciária indicará no despacho que ordena a perícia: o objeto da perícia; os quesitos a que os peritos devem responder; a indicação da instituição, laboratório ou nome dos peritos que realizarão as perícias, a quem transmitirá toda a informação relevante e a sua atualização superveniente sempre que eventuais alterações processuais modifiquem a pertinência do pedido. 2 Obrigatoriamente assistido por defensor al. b) do n.º 1 do artigo 64.º 5

6 Os peritos podem requerer diligências ou esclarecimentos, podendo, com essa finalidade, ter acesso a quaisquer atos ou documentos do processo. Sempre que o despacho que ordena a perícia não contenha os elementos acima referidos, os peritos devem obrigatoriamente requerer diligências ou esclarecimentos, que devem ser praticadas ou fornecidos, no prazo máximo de 5 dias. 11 Aplicação das Medidas de Coação (artigo 194.º) Estabelece-se a possibilidade do juiz de instrução aplicar medida de coação diferente do que a requerida pelo Ministério Público, contudo, não poderá aplicar medida de garantia patrimonial mais grave do que a requerida pelo Ministério Público. 12 Termo de Identidade e Residência e sua extinção (artigos 196.º e 214.º) Deverá passar a constar do Termo de Identidade e Residência de que ao arguido foi dado conhecimento de que em caso de condenação, o termo de identidade e residência só se extinguirá com a extinção da pena al. e) do nº 3 do artigo 196.º Assim, as obrigações do Termo de Identidade e Residência só se extinguirão com a extinção da pena - al. e) do n.º 1 do artigo 214.º, pelo que se mantém a notificação do arguido/condenado por via postal simples com prova de depósito até àquela extinção. 13 Suspensão Provisória do Processo (artigo 281.º) Relativamente à suspensão provisória do processo, em crime para o qual esteja legalmente prevista pena acessória de proibição de conduzir veículos com motor (por ex. condução de veículo em estado de embriaguez), é obrigatoriamente oponível ao arguido a aplicação de injunção de proibição de conduzir veículos com motor, sem prejuízo da imposição ao arguido de outras injunções. 6

7 É ainda dispensada a concordância do assistente com a suspensão provisória do processo nos crimes de furto quando a conduta ocorrer em estabelecimento comercial, durante o período de abertura ao público, relativamente à subtração de coisas móveis de valor diminuto (até 1 UC) e desde que tenha havido recuperação imediata destas, salvo quando cometida por duas ou mais pessoas. 14 Identificação do arguido em audiência (artigo 342.º) Tal como deixa de ser obrigatório o arguido responder sobre os seus antecedentes criminais, deixa também de ser obrigatório responder sobre a existência de processos pendentes. 15 Reprodução ou leitura permitidas de autos e declarações (artigos 356.º e 357.º) Na audiência passa a ser permitida, para além da leitura, a reprodução de declarações anteriormente prestadas perante por autoridade judiciária. No caso do arguido a reprodução ou leitura só é permitida quando tenha sido assistido por defensor e tiver sido informado do direito ao silêncio (al. b) do n.º 4 do artigo 141.º). Nota: Aos processos pendentes na data da entrada em vigor da presente lei em que o arguido já tenha sido interrogado continua a aplicar -se o disposto no artigo 357.º, na redação da Lei n.º 8/2007, de 28/08 (cfr. n.º 2 do artigo 4.º da Lei 20/2013, de 21/02). 16 Documentação de declarações orais (artigo 364.º) A documentação das declarações prestadas oralmente na audiência é efetuada, em regra, através de registo áudio ou audiovisual, só podendo ser utilizados outros meios, quando aqueles meios não estiverem disponíveis. 7

8 Quando houver lugar a registo áudio ou audiovisual, devem ser consignados na ata o início e o termo da gravação de cada declaração, sendo correspondentemente aplicável o disposto no artigo 101.º (v. Ponto 5). 17 Nulidades da sentença (artigo 379.º) Determina-se que as nulidades da sentença devem ser supridas pelo tribunal, antes de ordenada a remessa ao tribunal superior, sustentando ou reparando a decisão. Se, em consequência de nulidade de sentença e de reenvio à 1ª instância, for interposto recurso da nova decisão, o recurso é sempre distribuído ao mesmo relator, exceto em caso de impossibilidade. 18 O Processo Sumário Quando tem lugar artigo 381.º Para que um arguido possa ser julgado em processo sumário é necessário que tenha sido detido em flagrante delito, salvo se se tratar de crime a que corresponda a al. m) do artigo 1.º ou por crime previsto no título III e no capítulo I do título V do livro II do Código Penal e na Lei Penal Relativa às Violações do Direito Internacional Humanitário. Testemunhas artigo 383.º Quem tiver procedido à detenção, notifica verbalmente, no próprio ato, as testemunhas presentes, em número não superior a sete, e o ofendido, para comparecerem perante o Ministério Público junto do Tribunal competente para o julgamento. O arguido é notificado no mesmo ato de que tem direito a prazo não superior a 15 dias para apresentar a sua defesa, o que deve comunicar ao Ministério Público junto do tribunal competente para o julgamento e de que pode apresentar até sete testemunhas, sendo estas verbalmente notificadas caso se achem presentes. 8

9 Procedimento seguinte à detenção - artigos 382.º e 384.º A autoridade judiciária, se não for o Ministério Público, ou a entidade policial que tiverem procedido à detenção ou a entidade policial a quem tenha sido efetuada a entrega do detido (que redigirá auto sumário da entrega): apresenta o detido, imediatamente ou no mais curto prazo possível, sem exceder as 48 horas, ao Ministério Público junto do tribunal competente para o julgamento, que assegura a nomeação de defensor ao arguido (caso este não tenha constituído mandatário). Apresentado o expediente/processo, o Ministério Público poderá despachar no sentido de: apresentar imediatamente, ou no mais curto prazo possível, o arguido ao tribunal competente para o julgamento; determinar a suspensão provisória do processo ou o arquivamento por dispensa de pena. Nestes casos o Ministério Público pode interrogar o arguido para efeitos de validação da detenção e libertação do arguido, devendo o juiz de instrução pronunciar-se no prazo máximo de 48 horas sobre a proposta da suspensão ou arquivamento. Se o juiz não concordar e o arguido não tiver exercido o direito a prazo, será notificado para comparecer no prazo máximo de 15 dias após a detenção; proferir despacho ordenando a realização de diligências de prova que considere necessárias; interrogar, libertar ou apresentar o arguido ao juiz de instrução criminal para aplicação de medida de coação ou de garantia patrimonial; notificar o arguido e testemunhas para comparecerem decorrido o prazo solicitado pelo arguido para a preparação da sua defesa ou o prazo necessário à realização das diligências de prova em data compreendida até ao limite de 20 dias após a detenção. O arguido que não se encontre sujeito a prisão preventiva é notificado com a advertência de que o julgamento se realizará mesmo que não compareça, sendo representado por defensor para todos os efeitos legais (n.º 6 do artigo 382.º). 9

10 O início do julgamento tem lugar artigo 387.º: no prazo de 48 horas após a detenção; até ao limite do 5.º dia posterior à detenção quando houver interposição de um ou mais dias não úteis no referido prazo das 48 horas, nos casos em que a apresentação ao juiz não tiver lugar em ato seguido à detenção, por crime punível com pena de prisão não superior a 5 anos ou em caso de concurso de infrações quando o limite máximo não seja também superior a 5 anos de prisão; até ao limite do 15.º dia posterior à detenção se o juiz não concordar com o arquivamento por dispensa de pena ou com a suspensão provisória do processo; Até ao limite de 20 dias, após a detenção sempre que o arguido tiver requerido prazo para preparação da sua defesa ou o Ministério Público julgar necessária a realização de diligências de prova. A falta de testemunhas de que o Ministério Público, o assistente ou o arguido não prescindam, não é motivo para adiamento do julgamento, sendo as presentes inquiridas pela ordem indicada nas alíneas b) e c) do artigo 341.º (n.º 3 do artigo 387.º). As testemunhas que não se encontrem notificadas nos termos do n.º 5 do artigo 382.º ou do artigo 383.º são sempre a apresentar (n.º 4 do artigo 387.º). Em caso de impossibilidade de o juiz titular iniciar a audiência nos prazos previstos nos n. os 1 e 2 do artigo 387.º, deve intervir o juiz substituto (n.º 5 do artigo 387.º). A audiência pode ser adiada: - Pelo prazo máximo de 10 dias, a requerimento do arguido com vista ao exercício do contraditório, quando o Ministério Público tiver completado a factualidade do auto de notícia por despacho que é lido em audiência, sem prejuízo de se proceder à tomada de declarações aos presentes (n.º 6 do artigo 387.º); - Pelo prazo máximo de 20 dias, para obter a comparência de testemunhas devidamente notificadas ou para a junção de exames, relatórios periciais ou documentos, cujo depoimento ou junção o juiz considere imprescindíveis para a boa decisão da causa (n.º 7 do artigo 387.º). 10

11 Os exames, relatórios periciais e documentos que se destinem a instruir processo sumário revestem, para as entidades a quem são requisitados, carácter urgente, devendo o Ministério Público ou juiz requisitá-las ou insistir pelo seu envio com essa menção (n.º 8 do artigo 387.º). Em caso de crime punível com pena de prisão cujo limite máximo não seja superior a 5 anos, toda a prova deve ser produzida no prazo máximo de 60 dias a contar da data da detenção, podendo, excecionalmente, por razões devidamente fundamentadas, designadamente por falta de algum exame ou relatório pericial, ser produzida no prazo máximo de 90 dias a contar da data da detenção (n.º 9 do artigo 387.º). Em caso de crime punível com pena de prisão cujo limite máximo seja superior a 5 anos, os prazos a que alude o número anterior elevam-se para 90 e 120 dias, respetivamente (n.º 10 do artigo 387.º). Da audiência tramitação - artigo 389.º Estabelece-se que o Ministério Público deverá apresentar acusação em caso de crime punível com pena de prisão cujo limite máximo seja superior a 5 anos, ou em caso de concurso de infrações cujo limite máximo seja superior a 5 anos de prisão. O Ministério Público pode ainda completar por despacho a factualidade do auto de notícia, despacho esse que será lido no julgamento. Quando tiver considerado necessária a realização de diligências, o Ministério Público, se não apresentar acusação, deve juntar requerimento com a indicação das testemunhas a apresentar ou outra qualquer prova que junte ou proteste juntar. Da sentença - artigo 389.º -A A sentença é, sob pena de nulidade, documentada, nos termos dos artigos 363.º (ata) e 364.º, ou seja, documentada, em regra, através do registo áudio ou audiovisual, só podendo ser utilizados outros meios, quando aqueles não estiverem disponíveis. Quando houver lugar a registo áudio ou audiovisual, devem ser consignados na ata o início e o termo da gravação de cada declaração, sendo correspondentemente aplicável o disposto no artigo 101.º (v. Ponto 5). 11

12 Reenvio para outra forma de processo - artigo 390.º O tribunal pode determinar a tramitação do processo, sob outra forma, designadamente se for inadmissível o processo sumário, se: o Ministério Público, o arguido ou o assistente requererem a intervenção do tribunal do júri (pelo Ministério Público e pelo arguido até ao início da audiência; pelo o assistente, no início da audiência); não for possível, por razões devidamente justificadas, a realização das diligências de prova necessárias à descoberta da verdade, nos prazos máximos de 90 e 120 dias, nos termos dos n.º s 9 e 10 do artigo 387º, respetivamente. 19 Processo Sumaríssimo (artigo 397.º) No processo sumaríssimo clarifica-se que o despacho que aplica a sanção não admite recurso ordinário, embora só transite após ter decorrido o prazo para a arguição de nulidades. 20 Recursos Tramitação Unitária (artigos 404.º, 411.º, 413.º, 414.º, 417.º e 426.º) Recurso subordinado: passa a ser de 30 dias o prazo para a interposição de recurso a contar da notificação do despacho de amissão do recurso cfr. n.º s 6 e 7 do artigo 411.º Recurso ordinário: o prazo para a interposição de recurso ordinário passa a ser também de 30 dias (tenha ou não por objeto a reapreciação da prova gravada). Quando interposto por declaração em ata, o prazo para apresentação da motivação, é igualmente de 30 dias a contar da data da interposição artigo 411.º 12

13 A notificação da interposição do recurso ou a motivação aos sujeitos processuais afetados, que podem responder no prazo de 30 dias, só ocorrerá após o despacho de admissão do recurso artigos 411.º e 413.º Interposto o recurso e junta a motivação ou expirado o prazo para o efeito, o juiz profere despacho e, em caso de admissão, fixa o seu efeito e regime de subida n.º 1 do artigo 414.º O recurso pode não ser admitido, nomeadamente, quando o recorrente não apresente as conclusões após ter sido convidado a fazê-lo em 10 dias n.º 2, do artigo 414.º De igual modo pode o relator convidar o recorrente a completar ou esclarecer as conclusões formuladas, no prazo de 10 dias, sob pena do recurso ser rejeitado ou não ser conhecido na parte afetada n.º 3 do artigo 417.º O novo n.º 4 do artigo 426.º estabelece que, em caso de reenvio à 1ª instância, se for interposto recurso da nova decisão, o recurso é sempre distribuído ao mesmo relator, exceto em caso de impossibilidade. Foram revogados o n.º 4 do artigo 411.º e o n.º 2 do artigo 413.º Bom trabalho! 13

14 Coleção : Texto de apoio - Processo Penal Autor: Direção-Geral da administração da Justiça Titulo: Código de Processo Penal Alterações Lei n.º 20/2013, de 21 de feverreiro Coordenação técnico-pedagógica: Acácio Seixas Mês de: Março 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça Direção de Formação Av. D. João II, n.º D/E piso 10.º, Lisboa, PORTUGAL TEL Fax

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações) FASES DO PROCESSO DE CONTRA ORDENAÇÕES Auto de Notícia Menciona os factos constitutivos da infracção, o dia, a hora, o local e as circunstâncias desta. É levantado pelo agente de autoridade. Notificação

Leia mais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais

Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais 1 Convocação de intérpretes e tradutores para prestação de serviços junto dos tribunais portugueses no âmbito de processos penais Autora: Vânia Costa Ramos, a d v o g a d a estagiária, e-mail: Vaniacostaramos@netcabo.pt

Leia mais

Região Administrativa Especial de Macau

Região Administrativa Especial de Macau Região Administrativa Especial de Macau Revisão do Código de Processo Penal Documento de consulta (Período de consulta: 14 de Setembro a 24 de Outubro de 2011) Direcção dos Serviços da Reforma Jurídica

Leia mais

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A.

POPULAR SEGUROS- COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE Capítulo I - Enquadramento Artigo 1º - Objeto do presente documento Artigo 2º - Direito de apresentação de reclamações ao provedor Artigo 3º - Funções e autonomia do provedor Capítulo

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora

ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora ORDEM DE SERVIÇO Nº 17/2015 Regulamento Relativo ao Pessoal Docente Especialmente Contratado da Universidade de Évora Considerando que cabe às instituições de ensino superior aprovar a regulamentação necessária

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAMPILHOSA DA SERRA

MUNICÍPIO DE PAMPILHOSA DA SERRA REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE PAMPILHOSA DA SERRA A Lei n.º 75/2013, de 12 de setembro, estatui na alínea a) do artigo 39.º que compete à Câmara Municipal, no âmbito do seu funcionamento, elaborar e

Leia mais

REGULAMENTO - PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA

REGULAMENTO - PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA REGULAMENTO - PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA A CMAC CÂMARA DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CAMPINAS, com sede nesta Cidade, na Rua Barbosa da Cunha, 03 Jd. Guanabara Campinas - SP PARTE I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011.

A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. A PRISÃO PREVENTIVA E AS SUAS HIPÓTESES PREVISTAS NO ART. 313 DO CPP, CONFORME A LEI Nº 12.403, DE 2011. Jorge Assaf Maluly Procurador de Justiça Pedro Henrique Demercian Procurador de Justiça em São Paulo.

Leia mais

Programa de Procedimento Público de Venda de Prédio Urbano Câmara Municipal de Serpa

Programa de Procedimento Público de Venda de Prédio Urbano Câmara Municipal de Serpa Programa de Procedimento Público de Venda de Prédio Urbano Câmara Municipal de Serpa 1- Objeto O presente programa tem como objeto o Procedimento Público de Venda, com publicação prévia de anúncio, do

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança Entra em vigor amanhã, dia 29 de Março de 2012, a Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro, que procede à alteração e republicação do Regulamento das Custas Processuais. Desde a entrada em vigor do actual Regulamento

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES

CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES CADERNO DE ENCARGOS CONCESSÃO DE USO PRIVADO DE ESPAÇO DO DOMÍNIO PÚBLICO NO JARDIM MUNICIPAL PARA INSTALAÇÃO E EXPLORAÇÃO DE DIVERSÕES Cláusula 1ª Princípio geral O presente Caderno de Encargos compreende

Leia mais

LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998

LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 LEI Nº 3.793 DE 30 DE DEZEMBRO DE 1998 DISPÕE SOBRE APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO DAS JUNTAS ADMINISTRATIVAS DE RECURSOS DE INFRAÇÕES JARI DO MUNICÍPIO DE CUIABÁ MT. O prefeito Municipal de Cuiabá-MT,

Leia mais

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo

REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo REGIMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE VILA FRANCA DO CAMPO (1) Preâmbulo O Regimento da Câmara Municipal De Vila Franca do Campo foi elaborado de acordo com a alínea a) do número 1 do Artº 64º da Lei n.º 169/99,

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE

COMPANHIA DE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. PROVEDOR DO CLIENTE CAPÍTULO I - PRINCÍPIO GERAIS Artigo 1º - Objeto 1. O presente documento tem por objetivo definir o estatuto do Provedor do Cliente da Companhia de Seguros Tranquilidade, S.A. e estabelecer um conjunto

Leia mais

DECRETO N.º 70/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 70/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 70/XII Define os meios de prevenção e combate ao furto e de recetação de metais não preciosos com valor comercial e prevê mecanismos adicionais e de reforço no âmbito da fiscalização da atividade

Leia mais

DECRETO N.º 57/X. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

DECRETO N.º 57/X. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: DECRETO N.º 57/X APROVA O REGIME SANCIONATÓRIO APLICÁVEL ÀS TRANSGRESSÕES OCORRIDAS EM MATÉRIA DE INFRA-ESTRUTURAS RODOVIÁRIAS ONDE SEJA DEVIDO O PAGAMENTO DE TAXAS DE PORTAGEM A Assembleia da República

Leia mais

REGULAMENTO DA COMISSÃO PERICIAL DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS

REGULAMENTO DA COMISSÃO PERICIAL DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS REGULAMENTO DA COMISSÃO PERICIAL DA ORDEM DOS MÉDICOS DENTISTAS Artigo 1.º Criação 1. A Ordem dos Médicos Dentistas, através do conselho diretivo e com a colaboração do conselho deontológico e de disciplina,

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010

RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 RESOLUÇÃO Nº 273, de 14.09.2010 (Processo nº 10342/2010) (O Presidente do Tribunal, no uso de suas atribuições legais e regimentais, apresenta diversas considerações e submete ao Pleno desta Corte proposta

Leia mais

Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. por um interveniente já admitido a intervir nos autos.

Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. por um interveniente já admitido a intervir nos autos. Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 (Autos de recurso penal) Assuntos : Omissão de pronúncia. Nulidade. Devolução dos autos. SUMÁ RIO 1. Incorre-se em nulidade, por omissão de pronúncia, se o Tribunal,

Leia mais

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8

Luiz A. Paranhos Velloso Junior Presidente da Junta Comercial do Estado do Rio de Janeiro ID. 1919046-8 PORTARIA JUCERJA N.º 1.408, DE 25 DE AGOSTO DE 2015. APROVA REGULAMENTO DE CREDENCIAMENTO DE PERITOS GRAFOTÉCNICOS, NO ÂMBITO DA JUCERJA. O PRESIDENTE DA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

Programa Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio

Programa Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio Programa Do Procedimento por Negociação, com publicação prévia de Anúncio para celebração de contrato de cedência de utilização de diversos espaços, em edifícios municipais, para instalação e exploração

Leia mais

PARECER N.º 103/CITE/2010

PARECER N.º 103/CITE/2010 PARECER N.º 103/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 09 DE 12 DE ABRIL DE 2004. O Corregedor-Geral da Justiça Federal da 2 a Região, no uso de suas atribuições legais, e

CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 09 DE 12 DE ABRIL DE 2004. O Corregedor-Geral da Justiça Federal da 2 a Região, no uso de suas atribuições legais, e CORREGEDORIA-GERAL PROVIMENTO Nº 09 DE 12 DE ABRIL DE 2004 Disciplina os procedimentos a serem adotados durante e após as audiências para o registro audiovisual de depoimentos e interrogatórios. O Corregedor-Geral

Leia mais

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Diário da República, 1.ª série N.º 175 8 de setembro de 2015 7187 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Lei n.º 141/2015 de 8 de setembro Aprova o Regime Geral do Processo Tutelar Cível, e procede à primeira alteração

Leia mais

Programa de Formação para Profissionais

Programa de Formação para Profissionais Programa de Formação para Profissionais 1 O ACESSO À INFORMAÇÃO DE SAÚDE DIREITOS, PROCEDIMENTOS E GARANTIAS Sérgio Pratas smpratas@gmail.com Maio e Junho 2015 2 Programa: 1. O acesso à informação de saúde

Leia mais

Direito Processual Penal - Inquérito Policial

Direito Processual Penal - Inquérito Policial Direito Processual Penal - Inquérito Policial O inquérito policial é um procedimento administrativo préprocessual, de caráter facultativo, destinado a apurar infrações penais e sua respectiva autoria.

Leia mais

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos».

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos». CAPÍTULO I (Denominação, natureza e fins) Artigo 1º 1 A Liga dos Amigos do Hospital Geral de Santo António é uma associação apolítica e inconfessional com sede na Cidade do Porto, Largo Professor Abel

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 4ª REGIÃO BIBLIOTECA PRESIDÊNCIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 29 DE SETEMBRO DE 2014. Uniformiza procedimentos de atendimento às partes e advogados no âmbito das secretarias judiciárias do TRF4. O PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

PROGRAMA DE CONCURSO

PROGRAMA DE CONCURSO MUNICÍPIO DE CASTRO VERDE Concurso Público ALIENAÇÃO DE LOTES DE TERRENO PARA CONSTRUÇÃO URBANA Loteamento Municipal de Castro Verde 7 Lotes Loteamento Municipal de Santa bárbara de Padrões 15 Lotes Loteamento

Leia mais

Lei n.º 37/2015, de 5/5. Lei da identificação criminal

Lei n.º 37/2015, de 5/5. Lei da identificação criminal (Não dispensa a consulta do Diário da República) Lei n.º 37/2015, de 5/5 Lei da identificação criminal CAPÍTULO I Disposições gerais Artigo 1.º Objeto A presente lei estabelece o regime jurídico da identificação

Leia mais

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 06722/10 Secção: 2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO Data do Acordão: Relator: Descritores: Sumário: 14-10-2010 RUI PEREIRA OPOSIÇÃO À

Leia mais

PARECER N.º 104/CITE/2014

PARECER N.º 104/CITE/2014 PARECER N.º 104/CITE/2014 Assunto: Parecer relativo a queixa sobre a recusa de autorização de trabalho em regime de horário flexível, pedido pela trabalhadora com responsabilidades familiares ao Laboratório,

Leia mais

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL.

PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. PROCESSO PENAL COMNENTÁRIOS RECURSOS PREZADOS, SEGUEM OS COMENTÁRIOS E RAZÕES PARA RECURSOS DAS QUESTÕES DE PROCESSO PENAL. A PROVA FOI MUITO BEM ELABORADA EXIGINDO DO CANDIDATO UM CONHECIMENTO APURADO

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO

REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO Instituto de Ciências Sociais REGIMENTO DO CONSELHO DO INSTITUTO O Conselho do Instituto, em reunião de 21 de Julho de 2010 deliberou aprovar o presente regulamento de funcionamento. Capítulo I (Natureza

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.419, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2006. Mensagem de veto Dispõe sobre a informatização do processo judicial; altera a Lei no 5.869,

Leia mais

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Implementação de actos específicos para cumprimento do disposto no artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 de 30 de Março. Proposta de modelos para SISAAE/GPESE e

Leia mais

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE

15/05/2013 MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Direito Processual Penal 2ª Fase OAB/FGV Professora Beatriz Abraão MODELO DE RELAXAMENTO DA PRISÃO EM FLAGRANTE Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da... Vara Criminal da Comarca... (especificar

Leia mais

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO DE AJUDAS DE CUSTO E DE TRANSPORTE DO INSTITUTO POLITÉCNICO DE BEJA 1 Artigo 1.º Objeto O presente regulamento define as normas jurídicas aplicáveis aos atos e formalidades específicas dos

Leia mais

Norma 02/2015 Provas Finais 4º e 6º anos

Norma 02/2015 Provas Finais 4º e 6º anos Norma 02/2015 Provas Finais 4º e 6º anos Todas estas instruções têm de ser lidas e esclarecidas pelo diretor de turma ou professor titular de turma, na sala de aula, antes do final do 3.º período, devendo

Leia mais

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008

COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL. MENSAGEM N o 479, DE 2008 COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DE DEFESA NACIONAL MENSAGEM N o 479, DE 2008 Submete à consideração do Congresso Nacional o texto do Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e o Governo

Leia mais

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999

Decreto-Lei n.º 86/99/M. de 22 de Novembro. * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Decreto-Lei n.º 86/99/M de 22 de Novembro * Alterado - Consulte também: Lei n.º 9/1999 Na sequência da publicação do Decreto-Lei n.º 40/94/M, de 25 de Julho, que aprova o regime de execução das medidas

Leia mais

VERSÃO A. Exame de Matérias Estatutárias e Deontológicas (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro)

VERSÃO A. Exame de Matérias Estatutárias e Deontológicas (A que se refere alínea f) do nº 1 do artº15º do Decreto de Lei 452/99 de 5 de Novembro) 1. A Câmara dos Técnicos Oficias de Contas substitui: a) A DGCI enquanto entidade pública a quem compete representar e superintender os TOC; b) A Associação dos Técnicos Oficiais de Contas, criada pelo

Leia mais

Iniciar o processo de casamento

Iniciar o processo de casamento Casamento Registo Iniciar o processo de casamento Organizar o processo de casamento Condições para contrair casamento Regime de bens Quando celebrar Casar em Portugal com cidadãos estrangeiros Registo

Leia mais

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização

Responsabilidade Civil para Órgãos de Administração e Fiscalização Este contrato de seguro garante a responsabilidade civil imputável aos membros dos órgãos de administração e fiscalização de sociedades comerciais, de acordo com o legalmente exigível no Código das Sociedades

Leia mais

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público DIRETIVA n.º 3/2014 Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público A entrada em vigor do Regime Jurídico do Processo de Inventário, aprovado pela Lei n.º 23/2013, de

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 6910 Diário da República, 1.ª série N.º 187 25 de Setembro de 2009 Artigo 110.º Entrada em vigor 1 O presente decreto -lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. 2 O certificado de conformidade

Leia mais

Regulamento do Provedor do Cliente

Regulamento do Provedor do Cliente Vr5-0_Março/2016 Índice Artigo 1.º - Atribuições... 3 Artigo 2.º - Duração do mandato e incompatibilidades... 3 Artigo 3.º - Reclamações elegíveis para apreciação pelo Provedor do Cliente... 5 Artigo 4.º

Leia mais

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS DEVIDAS AO ICP-ANACOM

ALTERAÇÃO AO REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS DEVIDAS AO ICP-ANACOM I RELATÓRIO 1. Por deliberação de 1 de Julho de 2009, o Conselho de Administração aprovou o Regulamento de liquidação e cobrança de taxas devidas ao ICP-ANACOM, tendo nessa data sido igualmente aprovado

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ PROGRAMA DO CONCURSO

CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ PROGRAMA DO CONCURSO CONCURSO PÚBLICO PARA ATRIBUIÇÃO DE ARRENDAMENTO COMERCIAL DE LOJAS NO MERCADO MUNICIPAL DA NAZARÉ PROGRAMA DO CONCURSO 1 - ENTIDADE ADJUDICANTE Município da Nazaré, Avenida Vieira Guimarães, nº 54, Paços

Leia mais

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV

DIREITO PROCESSUAL PENAL IV AULA DIA 25/05/2015 Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com DIREITO PROCESSUAL PENAL IV Procedimento Sumaríssimo (Lei 9.099/95) - Estabelece a possibilidade de conciliação civil,

Leia mais

Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22

Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22 Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22 (Autos de recurso penal com enxerto cível) Assuntos: insuficiência para a decisão da matéria de facto provada objecto do processo acção penal enxerto cível

Leia mais

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais,

O PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, no uso de suas atribuições legais, RESOLUÇÃO N.º102 /97 - P.G.J. Estabelece normas para o exercício do controle externo da atividade de Polícia Judiciária pelo Ministério Público, previsto no artigo 129, inciso VII, da Constituição Federal

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE-SUS/BH -------------------------------------------------------------------------

SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE-SUS/BH ------------------------------------------------------------------------- SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE-SUS/BH ------------------------------------------------------------------------- Nos termos do art. 21 do Decreto 8869 de 19 de agosto de 1996, o Regimento Interno da Junta

Leia mais

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II

QUESTÕES E PROCESSOS PARTE II QUESTÕES E PROCESSOS INCIDENTES PARTE II INCOMPATIBILIDADES E IMPEDIMENTOS: ART. 112 CPP- DUAS HIPÓTESES: ABSTENÇÃO: ARGUIÇÃO PELA PARTE: PROCESSO ESTABELECIDO PARA EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO. ART. 252 E 253

Leia mais

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ

MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ 1 MANUAL DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA MNPJ INTRODUÇÃO Destina-se o Núcleo de Prática Jurídica (NPJ) a organizar, coordenar e supervisionar o estágio obrigatório para os quatro últimos semestres do curso,

Leia mais

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby

Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Acórdão do Conselho de Justiça da Federação Portuguesa de Rugby Processo CJ n.º: 38/2015 Jogo: Recorrente Relator: GD Direito / CDUL (Campeonato da Divisão de Honra) Lino António Salema Noronha Tudela

Leia mais

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados

PARECERES Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados CONSULTA N.º 52/2008 Artigo 91º do Estatuto da Ordem dos Advogados QUESTÃO A Senhora Dra.... vem solicitar que o emita parecer sobre uma questão relacionada com o âmbito de aplicação do dever consagrado

Leia mais

Edital 01/2012 1.1 2.1 a.1) a.2) a.3) a.4) a.5) a.6) a.7) 2.2 3.1 3.2

Edital 01/2012 1.1 2.1 a.1) a.2) a.3) a.4) a.5) a.6) a.7) 2.2 3.1 3.2 Edital 01/2012 O DR. FERNANDO BUENO DA GRAÇA, JUIZ DE DIREITO SUPERVISOR DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE LOANDA, no uso de suas atribuições legais e tendo em vista o disposto na Resolução nº 03/2010

Leia mais

1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014

1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014 1268-(1728) Diário da República, 1.ª série N.º 27 7 de fevereiro de 2014 Artigo 14.º Norma revogatória É revogada a Portaria n.º 571/2008, de 3 de julho. Artigo 15.º Produção de efeitos 1 A presente portaria

Leia mais

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES

CONVITE PROCEDIMENTO DE AJUSTE DIRETO PARA A CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES CONCESSÃO DE EXPLORAÇÃO DOS SERVIÇOS DE BAR FUNDAÇÃO DE SERRALVES Índice Artigo 1.º Objeto do procedimento de Ajuste Direto Artigo 2.º Entidade adjudicante Artigo 3.º Órgão Competente Para a Decisão de

Leia mais

ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO

ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO ANEXO I REGULAMENTO GERAL DE AVALIAÇÃO Artigo 1.º Modalidades 1 São as seguintes as modalidades de avaliação: a) De diagnóstico; b) Modular. 2 A avaliação de diagnóstico é aplicada no início do ano letivo,

Leia mais

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e

O COLÉGIO DE PROCURADORES DE JUSTIÇA, no uso de suas atribuições legais; e RESOLUÇÃO Nº 20/2004 - CPJ Cria a CENTRAL DE ACOMPANHAMENTO DE INQUÉRITOS POLICIAIS E CONTROLE EXTERNO DA ATIVIDADE POLICIAL, no âmbito do Ministério Público do Estado de Mato Grosso e dá outras providências.

Leia mais

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996.

MATERIAL DE AULA LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. MATERIAL DE AULA I) Ementa da aula Interceptação Telefônica. II) Legislação correlata LEI Nº 9.296, DE 24 DE JULHO DE 1996. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono

Leia mais

Anúncio de concurso. Serviços

Anúncio de concurso. Serviços 1/7 O presente anúncio no sítio web do TED: http://ted.europa.eu/udl?uri=ted:notice:121273-2015:text:pt:html Portugal-Lisboa: FC.14.ADM.034.5.0 Prestação de serviços de formação linguística a favor do

Leia mais

2. o regime das notificações do despacho de arquivamento quando o inquérito correu termos contra pessoa não determinada;

2. o regime das notificações do despacho de arquivamento quando o inquérito correu termos contra pessoa não determinada; PARECER DO SMMP RELATIVO À PROPOSTA DE LEI N.º 77/XII DE ALTERAÇÃO DO CÓDIGO DE PROCESSO PENAL 1. Introdução Aprovou o Governo uma Proposta de Lei que visa alterar pontualmente o Código de Processo Penal,

Leia mais

1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL

1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL 1.º Curso de Estágio de 2006 TESTE DE DEONTOLOGIA PROFISSIONAL Analise a hipótese que a seguir se enuncia e responda, depois, às questões suscitadas sobre a mesma, fundamentando as respostas com as disposições

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo

Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento. Preâmbulo Projeto de Decreto-Lei de regulamentação do Balção Nacional do Arrendamento Preâmbulo A Lei n.º 31/2012, de 27 de fevereiro aprovou medidas destinadas a dinamizar o mercado de arrendamento urbano, alterando

Leia mais

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo

Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE. Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários. Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Regulamento n.º 1 /2007 BANCO DE CABO VERDE Auditoria Geral do Mercado de Valores Mobiliários Auditores dos Organismos de Investimento Colectivo Com a criação dos Organismos de Investimento Colectivo (OIC),

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS

REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS REGULAMENTO MUNICIPAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE RECINTOS DE ESPECTÁCULOS E DIVERTIMENTOS PÚBLICOS PREÂMBULO O regime jurídico geral aplicável aos recintos de espectáculos e divertimentos públicos

Leia mais

Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012

Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012 SEGURANÇA SOCIAL Proteção Jurídica Atualizado em: 12-12-2012 Esta informação destina-se a que cidadãos Pessoas e entidades sem fins lucrativos que não tenham condições para pagar as despesas associadas

Leia mais

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5.

I - nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos; (Redação dada pela Lei nº 6.416, de 24.5. Art. 323. Não será concedida fiança: I nos crimes punidos com pena de reclusão, salvo ao réu maior de setenta anos ou menor de vinte e um, no caso de não ser superior a dois anos o máximo da pena cominada;

Leia mais

Estado do Amazonas PREFEITURA MUNICIPAL DE TONANTINS CNPJ: 04.628.608/0001-16 Endereço: Rua Leopoldo Peres, s/n Centro, Tonantins AM

Estado do Amazonas PREFEITURA MUNICIPAL DE TONANTINS CNPJ: 04.628.608/0001-16 Endereço: Rua Leopoldo Peres, s/n Centro, Tonantins AM EDITAL CONVITE Nº 002/2015 1 PREÂMBULO 1.1. A, através da COMISSÃO MUNICIPAL DE LICITAÇÃO CML, adiante denominada simplesmente CML, CONVIDA essa firma para participar do certame licitatório, na modalidade

Leia mais

Processo n.º 662/2013 Data do acórdão: 2013-11-28. manifesta improcedência do recurso rejeição do recurso S U M Á R I O. O relator, Chan Kuong Seng

Processo n.º 662/2013 Data do acórdão: 2013-11-28. manifesta improcedência do recurso rejeição do recurso S U M Á R I O. O relator, Chan Kuong Seng Processo n.º 662/2013 Data do acórdão: 2013-11-28 (Autos em recurso penal) Assuntos: manifesta improcedência do recurso rejeição do recurso S U M Á R I O É de rejeitar o recurso em conferência, quando

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA

REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA REGULAMENTO MUNICIPAL DO TRANSPORTE PÚBLICO DE ALUGUER EM VEÍCULOS AUTOMÓVEIS LIGEIROS TRANSPORTES EM TÁXI - DO MUNICÍPIO DE MIRANDELA Nota justificativa (artigo 116.º do CPA) Em 22 de Dezembro de 2006,

Leia mais

Processo de arbitragem n.º 612/2014. Sentença

Processo de arbitragem n.º 612/2014. Sentença Processo de arbitragem n.º 612/2014 Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS

REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS REGULAMENTO DO CONCURSO PARA ARRENDAMENTO DE IMÓVEIS CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas pelas quais o Instituto de Gestão Financeira da Segurança

Leia mais

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS

ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS ADVOCACIA-GERAL DA UNIÃO Corregedoria-Geral da Advocacia da União ANEXO MODELOS DE ATOS E DOCUMENTOS S u m á r i o 1. Portaria instauradora de processo administrativo disciplinar e sindicância contraditória...

Leia mais