DE ACTO PRATICADO PELO ÓRGÃO DA EXECUÇÃO FISCAL MORTE DO EXECUTADO PENHORA HERANÇA INDIVISA DESPACHO VENDA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DE ACTO PRATICADO PELO ÓRGÃO DA EXECUÇÃO FISCAL MORTE DO EXECUTADO PENHORA HERANÇA INDIVISA DESPACHO VENDA"

Transcrição

1 Acórdãos STA Processo: 0485/13 Data do Acordão: Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: CASIMIRO GONÇALVES Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P15725 Nº do Documento: SA Data de Entrada: Recorrente: A... Recorrido 1: FAZENDA PÚBLICA Votação: UNANIMIDADE Aditamento: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo RECLAMAÇÃO DE ACTO PRATICADO PELO ÓRGÃO DA EXECUÇÃO FISCAL MORTE DO EXECUTADO PENHORA HERANÇA INDIVISA DESPACHO VENDA A herança, antes da partilha, constitui uma universitas juris, um património autónomo, com conteúdo próprio, sendo que a penhora de bens que integrem aquela não configura penhora de direito a um bem concreto indiviso mas, antes, de penhora que só pode incidir sobre o direito do executado à herança, sobre uma quota-ideal do património hereditário. Texto Integral Texto Integral: Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: RELATÓRIO 1.1. A., com os demais sinais dos autos, recorre da decisão que, proferida pelo Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra, julgou improcedente a reclamação apresentada nos termos do art. 276º do CPPT contra o despacho de 21/11/2012 do Chefe do Serviço de Finanças de Oliveira do Hospital, que, no âmbito de processo de execução fiscal , determinou a venda, em leilão, dos imóveis ali identificados, para cobrança de dívida de IRS do ano de A recorrente termina as alegações formulando as conclusões seguintes: a) Ao omitir a explicitação dos critérios legais com base no qual foi proferida a sentença e não sendo os mesmos inteligíveis de modo a que a recorrente pudesse compreender a causa jurídica da decisão, verifica-se a nulidade prevista no artigo 125º do CPPT. b) Não podem ser penhorados ou vendidos bens concretamente determinados que integram uma herança ilíquida e indivisa em que não são executados todos os titulares da herança e em que se desconhecem quais os concretos bens que virão a constituir a quota do executado. c) A douta decisão violou, assim, o disposto no artigo 125º do CPPT e o disposto no artigo 826º, nº 1, do CPC, aplicável nos termos do disposto no artigo 2º do CPPT. Termina pedindo o provimento do recurso.

2 1.3. Não foram apresentadas contra-alegações O Mmo. Juiz proferiu despacho (fls. 130) sustentando que não se verifica a invocada nulidade da sentença O MP emite parecer no sentido da improcedência do recurso nos termos seguintes: «A recorrente à margem identificada vem sindicar a sentença do Tribunal Administrativo e Fiscal de Coimbra, de 17 de Janeiro de 2013, exarada a fls. 96/99. A decisão recorrida julgou improcedente reclamação judicial deduzida do despacho de 21 de Novembro de 2012 do Chefe do SLF de Oliveira do Hospital, que determinou a venda de concretos imóveis e quotas partes de imóveis da herança do devedor originário, no entendimento de que tais penhoras são legais, uma vez que os imóveis e a dívida exequenda fazem parte da herança do falecido devedor originário e foram feitas com respeito pelas formalidades exigidas pelo disposto nos artigos 2097º e 2068º do CC. A recorrente termina as suas alegações as com as conclusões de fls. 108 e verso, que, como é sabido, delimitam o objecto do recurso, nos termos do estatuído nos artigos 684º/3 e 685º-A/1 do CPC, e que aqui se dão por inteiramente reproduzidas para todos os efeitos legais. Não houve contra-alegações. A nosso ver o recurso não merece provimento. Comecemos pela arguida nulidade formal da sentença recorrida por falta de especificação dos fundamentos de direito. Só se verifica nulidade da sentença (ou despacho) por falta de especificação dos fundamentos de direito quando ocorra falta absoluta de fundamentação, ou seja, quando existe ausência total de fundamentos de direito. ((1) Este tem sido o entendimento uniforme do STA, entre outros, ver acórdão de P.01109/12. Em termos de doutrina ver Alberto dos Reis, CPC, anotado, volume, V, página 140 e Juiz Conselheiro Jorge Lopes de (Sousa), CPPT, anotado e comentado, 6ª edição revista, II volume, página 357.) Deverá considerar-se que existe falta absoluta de fundamentação quando essa fundamentação seja ininteligível ou não tenha relação perceptível com julgado, situações em que se está perante uma mera aparência de fundamentação. ((2) Acórdão do STA, de , proferido no recurso n.º , disponível no sítio da Internet Quando a fundamentação não exteriorizar, minimamente, as razões que levaram a decidir naquele sentido e não noutro dever-se-á entender que estamos perante uma nulidade por falta de fundamentação. ((3) Acórdão do STA, de , proferido no recurso nº 1471/03, disponível no sítio da Internet A fundamentação de direito, por norma, é feita por indicação da norma ou normas legais em que se sustenta, mas poderá, também, ser estruturada por mera indicação dos princípios jurídicos ou doutrina jurídica em que se baseia. Ora, salvo melhor juízo, da leitura da sentença recorrida resulta que a

3 decisão recorrida não sofre do apontado vício, pois está, minimamente, fundamentada de direito. De facto, ali se diz que face à matéria de facto provada falece o pressuposto de facto e de direito em que assentava o essencial da reclamação, designadamente, o exposto nos pontos 2 a 6 da alegação da reclamante. Que todos os prédios objecto de ordem de venda foram individual e concretamente objecto de penhora notificada à cabeça de casal. Que o pressuposto da venda não foi a penhora do direito e acção à herança da reclamante ou de outro herdeiro mas sim a concreta e individual penhora do direito de propriedade sobre estes concretos prédios ou sobre suas quotas-partes indivisas. Que tais penhoras eram admissíveis pois que os imóveis e a dívida exequenda integram a herança e que aquelas foram feitas com total respeito pelas formalidades, nomeadamente quanto às citações exigidas pelo disposto nos artigos 2097º e 2068º do CC. Parece, assim, certo que a sentença não é nula por falta de fundamentação de direito, pois que, pelo menos contém o mínimo de fundamentação de direito. Salvo melhor juízo a situação em análise não é enquadrável no artigo 826º/1 do CPC, uma vez que todos os herdeiros são executados no PEF. Resulta do probatório e dos autos, cujo conteúdo é de conhecimento oficioso, pois que a RAOEF é processado no próprio PEF, que o PEF foi instaurado contra o falecido B. e mulher, pais da recorrente. Este faleceu em 13 de Março de Não tendo havido partilhas, nos termos do disposto no artigo 155º/3/b/4) do CPPT basta a citação de qualquer herdeiro para pagar toda a dívida sob pena de penhora em quaisquer bens da herança. Ora, conforme informação oficial que consta de fls. 106, produzida em 20 de Março de 2003, dá-se ali conta do falecimento do executado originário em 1995, conforme processo de imposto sucessório nº do SLF de Oliveiras do Hospital (onde consta, obviamente, a identificação dos herdeiros do de cujus). Portanto o SLF, pelo menos nessa data, toma conhecimento do decesso do devedor originário e da identificação dos seus herdeiros. Ora, como é sabido no PEF não é necessária qualquer decisão a declarar a habilitação dos herdeiros do falecido executado, bastando a declaração a que se reporta o artigo 155º do CPPT e atrás mencionada (artigo 168º do CPPT). Os bens da herança respondem pela dívida exequenda (artigos 2097º e 2068º do CC), como, seguramente, a recorrente não desconhece. A executada e mulher do falecido B desde a instauração do PEF, em 16 de Maio de 1996, tem tido uma intensa actividade processual nos autos, pedindo o pagamento em prestações, arguindo a prescrição da dívida tributária, reclamando, recorrendo, sem que, logo que interveio nos autos, tivesse suscitado a nulidade da execução por eventual omissão de citação pessoal (artigo 196º do CPC). A própria recorrente, alegadamente em representação de sua mãe,

4 (como se nada tivesse a ver com a herança do falecido executado!), em 3 de Julho de 2007 (fls. 251 dos autos) faz um requerimento ao serviço de Finanças versando a penhora de imóvel para garantia da dívida exequenda. Atente-se que a AT enviou cartas registadas com A/R para os domicílios da recorrente (e das demais herdeiras/executadas), que constam do cadastro fiscal, para notificação da penhora dos imóveis, sendo certo que todas elas foram devolvidas porque não foram reclamadas pelos destinatários, apesar de devidamente avisados pelos serviços postais para o poderem fazer! Por força do disposto no artigo 155º a recorrente considera-se, devidamente, habilitada no PEF, sendo, manifestamente, executada. E como tal consta da certidão de registo da penhora (ver, nomeadamente, fls. 1126). Assim sendo, como nos parece ser, as penhoras efectuadas para garantir o pagamento da obrigação exequenda afigura-se conforme à lei, não havendo motivo legal para não se proceder à venda dos imóveis que integram o acervo da herança do primitivo executado que, indubitavelmente, responde pela pagamento da dívida tributária exequenda. Termos em que deve negar-se provimento ao recurso e manterse decisão recorrida na ordem jurídica.» 1.6. Com dispensa de Vistos dada a natureza urgente do processo, cabe apreciar. FUNDAMENTOS 2. Na sentença recorrida julgaram-se provados os factos seguintes: 1. No serviço de Finanças de Oliveira do Hospital pendia a Execução fiscal nº contra B e Mulher, C.., para cobrança de uma dívida de IRS do ano de 1990 no valor de ,91 mais juros e custas. 2. O B. faleceu em 13/3/1995 deixando como herdeiros a viúva, C, e duas filhas: a reclamante e D (cf. doc. nº 1 do Requerimento Inicial. 3. Os prédios acima identificados pertenciam ao falecido no momento da morte (cf. Processo de Execução). 4. Dá-se aqui por reproduzido o teor dos autos de penhora integrantes das seguintes folhas da execução fiscal: Fs. 776 (auto de penhora do prédio nº 2 supra identificado) 797 (auto de penhora do 1º prédio supra identificado) 818 (auto de penhora do 3º imóvel), 839 (auto de penhora do 10º imóvel), 881 (auto de penhora da parte urbana do 9º imóvel), 884 (auto de penhora da parte rústica do 9º imóvel), 916 (auto de penhora do 8º imóvel), 936 (auto de penhora do 7º imóvel), 955 (auto de penhora do 6º imóvel), 970 (auto de penhora do 4º imóvel) e 985 (auto de penhora do 5º prédio). 5. Para a viúva do Autor da herança, B, no domicílio fiscal respectivo, foram enviadas primeira e segunda cartas registadas com AR, com 15 dias de intervalo, notificando-a das sobreditas penhoras, sendo as segundas em 16/10/2012.

5 6. Em 21 de Novembro o chefe de finanças ordenou a venda por leilão electrónico dos imóveis e ou quotas parte indivisas dos imóveis supra, conforme docs. de fs. 25 vº, 29 vº, 31, 33 vº, 35 vº 37 vº, 39 vº 41 vº e 45 vº destes autos, cujo teor aqui se dá como reproduzido, tendo a aqui Reclamante sido notificada para, querendo, exercer preferência (cfr. também processo de execução, IV volume, fs. 797 e sgs). 7. Dá-se aqui por reproduzido o teor dos autos de penhora fs e 1101, 1038 e 1039, 1066 e 1067, 1102 e 1103, 1144 e 1145 e 1180 e 1181 dos autos de execução Referenciando, desde logo, a questão da subida e apreciação imediata da Reclamação, a sentença, considerou que, «tratando-se de uma ordem de venda, a não apreciação, desde já, da reclamação torná-la-ia inútil, pelo que é de admitir a apreciação imediata.» Por outro lado, tendo a Fazenda alegado igualmente a intempestividade da reclamação, a sentença julgou improcedente tal alegação dado que a reclamante, ao alegar que «as penhoras se referem a um direito e acção à herança e por isso é que não pode ser vendido nenhum direito real em concreto integrante dessa herança» não está a insurgir-se «contra a penhora (de um direito de crédito) mas contra a venda (de direitos reais)», sendo que, «Não é, em abstracto, logicamente impossível uma ordem de venda com motivos de ilegalidade diversos dos da penhora que a tenha precedido». E, além disso, «notificada das penhoras foi a viúva do Autor da herança, herdeira e cabeça de casal, não a aqui reclamante, que só foi notificada para a venda», pelo que «não pode proceder uma alegação de intempestividade baseada na data da notificação da penhora dos imóveis». Em seguida, quanto ao mérito do pedido, a sentença considerou o seguinte: - Face à matéria de facto provada, falece o pressuposto de facto e de direito em que assenta a reclamação, pois que todos os prédios objecto de ordem de venda foram individual e concretamente objecto de penhora notificada à cabeça de casal na herança. - Quer dizer, pressuposto da ordem de venda não foi qualquer penhora do direito e acção da reclamante ou de outro herdeiro à herança do falecido executado, mas sim a concreta e individual penhora do direito de propriedade sobre estes concretos prédios ou sobre as suas quotas partes indivisas, sendo que essas concretas penhoras de concretos imóveis eram admissíveis: os imóveis integravam a herança de que a dívida exequenda era também parte, e foram feitas com respeito pelas formalidades legais, nomeadamente quanto às citações exigidas (no caso, só havia que fazer notificação, pois a viúva já pré-existia como parte no processo) pelo disposto nos arts. 2097º e 2068º do CC. - E embora haja alguns autos de penhora mal elaborados (pois referem o direito e acção à herança ilíquida e indivisa como sendo objecto de penhora, embora, contraditória e concomitante, também mencionem a penhora de determinados prédios), tais autos mostramse substituídos por outros que já não contêm este erro e, de qualquer

6 modo, não se referem aos imóveis relativamente aos quais é feita a reclamação A recorrente discorda do assim decidido, imputando à sentença quer a nulidade por falta de fundamentação de direito (por alegada falta de explicitação dos critérios legais com base nos quais a sentença foi proferida, não sendo os mesmos inteligíveis de modo a que a recorrente pudesse compreender a causa jurídica da decisão), quer erro de julgamento (por errada interpretação do disposto no nº 1 do art. 826º do CPC), no sentido de que não podem ser penhorados ou vendidos bens concretamente determinados que integram uma herança ilíquida e indivisa em que não são executados todos os titulares da herança e em que se desconhecem quais os concretos bens que virão a constituir a quota do executado. Estas são, portanto, as questões a apreciar no recurso Mas refira-se ainda e antes de mais que tendo a sentença recorrida decidido a questão da subida e apreciação imediata da Reclamação, concluindo pela admissão da apreciação imediata, e não tendo sido suscitada, em sede de recurso, qualquer discordância do assim decidido, também não se vislumbra que possa ou deva ser oficiosamente suscitada qualquer questão quanto a essa matéria Vejamos, pois, a primeira questão a conhecer: nulidade da sentença por falta de fundamentação de direito Esta nulidade da sentença por falta de especificação dos fundamentos de facto e de direito que justificam a decisão, está prevista na al. b) do n 1 do art. 668 do CPC e, no âmbito do processo tributário, no art. 125º do CPPT. É sabido e é jurisprudência assente que esta nulidade só abrange a falta absoluta de motivação da própria decisão e não já a falta de justificação dos respectivos fundamentos; isto é, a nulidade só é operante quando haja total omissão dos fundamentos de facto ou de direito em que assenta a decisão. A insuficiência ou mediocridade da motivação é espécie diferente, afecta o valor doutrinal da sentença, sujeita-a ao risco de ser revogada ou alterada em recurso, mas não produz nulidade - cfr. Alberto dos Reis, CPC anotado, Vol. V, 140. A fundamentação de direito, por norma, é feita mediante a indicação da norma ou normas legais em que a decisão se sustenta, podendo igualmente ser estruturada por mera indicação dos princípios jurídicos ou doutrina jurídica em que a mesma decisão se baseia. Ora, no caso, atentando na decisão recorrida, constata-se que ali se exara que (i) face à matéria de facto provada falece o pressuposto de facto e de direito em que assentava o essencial da reclamação, designadamente, o exposto nos pontos 2 a 6 da alegação da reclamante; que (ii) todos os prédios objecto de ordem de venda foram individual e concretamente objecto de penhora notificada à cabeça de casal; que (iii) o pressuposto da venda não foi a penhora do direito e acção à herança da reclamante ou de outro herdeiro mas sim a concreta e individual penhora do direito de propriedade sobre estes concretos prédios ou sobre suas quotas-partes indivisas; e,

7 ainda, (iv) que tais penhoras eram admissíveis pois que os imóveis e a dívida exequenda integram a herança e aquelas foram feitas com total respeito pelas formalidades, nomeadamente quanto às citações exigidas pelo disposto nos arts. 2097º e 2068º do CC. Não pode, portanto, concluir-se que à sentença recorrida falte absolutamente a motivação da respectiva decisão. Mesmo que devam «considerar-se como falta absoluta de fundamentação os casos em que ela não tenha relação perceptível com o julgado ou seja ininteligível, situações em que se está perante uma mera aparência de fundamentação», já que esta se destina «a esclarecer as partes, primacialmente a que tiver ficado vencida, sobre os motivos da decisão, não só para ficar convencida de que não tem razão, mas também porque o conhecimento daqueles é necessário ou, pelo menos, conveniente, para poder impugnar eficazmente a decisão em recurso ou arguir nulidades, designadamente a derivada de eventual contradição entre os fundamentos e a decisão», e, por isso, «quando a fundamentação não for minimamente elucidativa das razões que levaram a decidir como se decidiu deverá entender-se que se está perante uma nulidade por falta de fundamentação», (( ) Cfr. Jorge Lopes de Sousa, CPPT anotado e comentado, 6ª ed., Vol. II, anotações 7 c) e 8 ao art. 125º, pp. 359/361, bem como os acórdãos do STA, de 19/3/1997, rec. nº , e de 17/12/2003, rec. nº 1471/03, aí referenciados.) no caso vertente não é isso que se verifica, pois que, da fundamentação acima em parte transcrita se percebem as concretas razões, princípios e normas jurídicas que determinaram a decisão. Em suma, independentemente da questão de saber se tal fundamentação é ou não convincente e se está certa ou errada (questão que se situa no domínio do mérito e da validade substancial da sentença, e não da sua validade formal), não pode portanto afirmar-se que ocorre a invocada nulidade. Improcede, assim, a invocada nulidade da sentença, por falta de especificação dos fundamentos de direito que justificam a decisão (art. 125º do CPPT e al. b) do n 1 do art. 668 do CPC) Quanto ao erro de julgamento, por errada interpretação do disposto no nº 1 do art. 826º do CPC Sob a epígrafe «Penhora em caso de comunhão ou compropriedade» dispõe o nº 1 deste art. 826º do CPC: «1. Sem prejuízo do disposto no nº 4 do artigo 862, na execução movida apenas contra algum ou alguns dos contitulares de património autónomo ou bem indiviso, não podem ser penhorados os bens compreendidos no património comum ou uma fracção de qualquer deles, nem uma parte especificada do bem indiviso.» Este comando substancia, no fundo, a adjectivação da regra substantiva constante do nº 1 do art. 1408º do CCivil, segundo a qual «o comproprietário pode dispor de toda a sua quota na comunhão ou de parte dela, mas não pode, sem consentimento dos restantes consortes, alienar nem onerar parte especificada da coisa comum». Ou seja, por aplicação desta regra, o art. 826 prescreve que a penhora não pode incidir, em caso de comunhão, sobre os bens que

8 integram esta: o que é penhorado não são essas coisas em concreto, mas sim, e apenas, o direito que o executado tem a partilhar ou dividir todo o património comum. Também não sofre dúvida que a herança aceite e indivisa não tem personalidade judiciária, constituindo um património autónomo que pertence a todos os herdeiros e que, por isso, em regra, todos os direitos da referida herança têm de ser exercidos por todos ou contra todos os herdeiros No caso, como resulta do Probatório e dos autos, quando a execução foi instaurada (em 17/1/1996) contra os executados B. e de C., por dívida de IRS do ano de 1990, no montante de $00, já o primeiro havia falecido, em 13/3/1995. E dos autos consta, igualmente, que a ora recorrente, herdeira habilitada do executado, foi notificada/citada, na qualidade de herdeira de B.., da penhora dos imóveis indicados. Nos termos do disposto no nº 1 do art. 239º do CPT (em vigor à data da instauração da execução) «1. Podem ser executados no processo de execução fiscal os devedores originários e seus sucessores dos impostos e demais dívidas referidas no artigo 233.» Ou seja conferese legitimidade passiva aos sucessores mortis causa do devedor constante do título para o prosseguimento da execução contra os mesmos, após a habilitação sumária dos arts. 241 e 254 (aos quais correspondem, actualmente, os arts. 153º, 154º e 155º do CPPT). E nestes normativos dispunha-se o seguinte: Artigo Destrinça da responsabilidade de cada herdeiro «1. Tendo-se verificado a partilha entre os sucessores da pessoa que no título figurar como devedor, o chefe da repartição de finanças ordenará, para efeito de citação dos herdeiros, a destrinça da parte que cada um deles deva pagar. 2. Em relação a cada devedor será processada guia em triplicado, com a indicação de que foi passada nos termos deste artigo, servindo um dos exemplares de recibo ao contribuinte. 3. Para efeito dos números anteriores, o funcionário encarregado da citação que verificar que o executado faleceu passará certidão em que declare: a) No caso de ter havido partilhas, os herdeiros e as suas quotas hereditárias; b) Não tendo havido partilhas, os herdeiros, caso sejam conhecidos, e se está pendente inventário.» Artigo Incidente de habilitação de herdeiros «No caso de falecimento do executado, será informado no processo quem são os herdeiros, nos termos do n 3 do artigo 241» Surge aqui regulamentada, portanto, a legitimidade passiva para o processo de execução fiscal: é instaurado com base num título executivo, contra o devedor originário da dívida exequenda (a pessoa que figura nesse título), mas, caso se constate que essa pessoa, cujo nome figura no título faleceu, a execução é então dirigida contra os seus sucessores (em regra os sucessores mortis causa) de harmonia

9 com o preceituado (actualmente) no art. 155º do CPPT (mas a responsabilidade dos sucessores fica limitada ao que tenham recebido do devedor originário - art. 2071º do CC). Assim, se quem dever efectuar a citação do devedor originário constatar que ele faleceu, prestará informação, (i) indicando se a partilha se efectuou ou não e quem são os herdeiros; (ii) indicando, no caso de a partilha já ter sido efectuada, as quotas hereditárias dos herdeiros; e (iii) indicando, caso a partilha ainda não tenha ocorrido, se está pendente inventário (nº 3 do art. 241º do CPT / nº 3 do art. 155º do CPPT). No seguimento, e caso a partilha tenha sido já efectuada, o chefe do serviço de finanças onde corre termos a execução ordenará a destrinça da responsabilidade de cada um dos herdeiros relativamente à quantia exequenda (sendo processadas guias ou documentos equivalentes, em triplicado, relativamente a cada um dos herdeiros e na medida das respectivas responsabilidades). Se a partilha ainda não se tiver efectuado e estiver a correr processo de inventário, será citado o cabeça-de-casal para pagar toda a dívida exequenda, sob a cominação de penhora em quaisquer bens da herança (nº 4 do art. 155º do CPPT). Se não estiver a correr inventário, esta citação pode fazer-se em qualquer dos herdeiros. E a prestação da informação referida no nº 3 do art. 155º do CPPT consubstancia, portanto, uma forma simplificada de operar a habilitação dos herdeiros para efeitos do processo de execução (arts. 166º, al. b), e 168º, nº 1, do CPPT) No caso, e como se disse, a execução foi instaurada (em 17/1/1996) contra os executados B e de C., reportando-se, posteriormente, na informação de fls. 106, de 20/3/2003, o falecimento do executado originário, em 13/3/1995, conforme processo de imposto sucessório nº do SLF de Oliveira do Hospital (daí que pelo menos nessa data o Serviço de Finanças haja tomado conhecimento do falecimento do devedor originário e da identificação dos seus herdeiros). E conforme a sentença recorrida acentua e se vê do teor dos autos de penhora, foram penhorados bens concreta e individualmente identificados, sendo que também o pressuposto da ordem de venda não foi a penhora do direito e acção da reclamante ou de outro herdeiro à herança do falecido executado, mas sim a concreta e individual penhora do direito de propriedade sobre estes concretos prédios ou sobre as suas quotas partes indivisas. Penhoras estas que a sentença considerou admissíveis e feitas com respeito pelas formalidades legais, uma vez que os imóveis integravam a herança de que a dívida exequenda era também parte. Ora, se é certo que, como acima se disse, no processo de execução fiscal não é necessária qualquer decisão a declarar a habilitação dos herdeiros do falecido executado, bastando as indicações a que se reporta o art. 155º do CPPT e atrás mencionadas (art. 168º do CPPT) para a recorrente dever ter-se como devidamente habilitada, também é certo, por outro lado, que se pressupõe o falecimento do executado na pendência da execução, sendo que a herança, antes da partilha e

10 enquanto se mantiver indivisa, constitui uma universitas juris, um património autónomo, com conteúdo próprio, e sendo que a penhora de bens que a integrem não configura penhora de direito a bem concreto indiviso, mas, antes, de penhora que só pode incidir sobre o direito do executado à herança, ou seja, sobre uma quota-ideal do património hereditário e nunca sobre algum ou alguns dos bens certos e determinados que compõem a herança: até à partilha, os direitos dos herdeiros recaem sobre o conjunto da herança; cada herdeiro apenas tem direito a uma parte ideal da herança e não a bens certos e determinados desta; só depois da realização da partilha é que o herdeiro poderá ficar a ser proprietário ou comproprietário de determinado bem da herança. Daí que tal penhora deva também ter em conta as regras constantes do art. 232º do CPPT. Assim, no caso, tendo sido penhorados bens concreta e individualmente identificados e tendo o pressuposto da ordem de venda sido, igualmente, essa concreta e individual penhora do direito de propriedade sobre esses prédios concretos ou sobre as suas quotas partes indivisas, estamos perante penhoras operadas com desrespeito pelas apontadas formalidades legais (dado que os bens já integravam a herança aberta por óbito do executado B..). Sendo que, quer se entenda que a recorrente aponta ao reclamado acto do OEF (o acto em que se determinou a venda, em leilão, dos imóveis ali identificados) vícios que são próprios dos actos de penhora (e não daquele acto reclamado), quer se entenda (como a sentença recorrida) que a reclamante não está a insurgir-se «contra a penhora (de um direito de crédito) mas contra a venda (de direitos reais)», sendo que, «Não é, em abstracto, logicamente impossível uma ordem de venda com motivos de ilegalidade diversos dos da penhora que a tenha precedido», a reclamante/recorrente não deixa de estar em tempo para invocar tais vícios, pois que só foi chamada à execução nas data em que foi citada/notificada dos actos de determinação daquelas mesmas vendas: é que, como a sentença igualmente exara, «notificada das penhoras foi a viúva do autor da herança, herdeira e cabeça de casal, não a aqui reclamante, que só foi notificada para a venda». A sentença recorrida enferma, portanto, do erro de julgamento que a recorrente lhe imputa, procedendo, consequentemente, o recurso. DECISÃO Nestes termos acorda-se em dar provimento ao recurso, revogar a sentença recorrida e julgar procedente a reclamação. Custas pela recorrida Fazenda Pública, mas apenas na 1ª instância. Lisboa, 15 de Maio de Casimiro Gonçalves (relator) Francisco Rothes Fernanda Maçãs.

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0715/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO PENHORA GARANTIA REAL REGISTO TERCEIRO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0347/13 Data do Acordão: 03-07-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16033 Nº do Documento: SA2201307030347

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo:

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 01351/13 Data do Acordão: 25-09-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: CASIMIRO GONÇALVES Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16246

Leia mais

Supremo Tribunal Administrativo:

Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Processo: 01241/09 Data do Acordão: 24-03-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO DULCE NETO IRS MAIS VALIAS REINVESTIMENTO EMPRÉSTIMO

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0210/12 Data do Acordão: 21-11-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: RECLAMAÇÃO GRACIOSA IMPUGNAÇÃO TEMPESTIVIDADE NULIDADE DIREITO DE AUDIÇÃO Nº Convencional:

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0252/14 Data do Acordão: 23-04-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS HIPOTECA

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0409/11 Data do Acordão: 11-05-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ISABEL MARQUES DA SILVA RECLAMAÇÃO PRESCRIÇÃO DO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0831/11 Data do Acordão: 16-11-2011 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS IRC HIPOTECA PRIVILÉGIO

Leia mais

Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil)

Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil) Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil) Assuntos : Acção especial de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Recurso do despacho que não admite o seu exercício. Momento

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 15 Acórdãos STA Processo: 01500/14 Data do Acordão: 20-05-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: CONTRIBUIÇÕES DÍVIDA À SEGURANÇA SOCIAL PRESCRIÇÃO INTERRUPÇÃO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo 1de 10 Acórdãos STA Processo: 0507/07 Data do Acordão: 14-11-2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IVA IMPOSTO AUTOMÓVEL Nº Convencional:

Leia mais

DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO DOCUMENTADAS

DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO DOCUMENTADAS Acórdãos STA Processo: 0371/07 Data do Acordão: 17/10/2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IRC DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 01319/12 Data do Acordão: 13-03-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: IMPOSTO DE SELO USUCAPIÃO PRÉDIO RÚSTICO CONSTRUÇÃO JUSTIFICAÇÃO NOTARIAL Nº

Leia mais

Acórdão do Tribunal da Relação do Porto

Acórdão do Tribunal da Relação do Porto Acórdão do Tribunal da Relação do Porto Processo: 9951381 Nº Convencional: JTRP00027995 Relator: AZEVEDO RAMOS Descritores: INTERVENÇÃO PROVOCADA INTERVENÇÃO ACESSÓRIA CONDUÇÃO SOB O EFEITO DE ÁLCOOL ACIDENTE

Leia mais

Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22

Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22 Processo n.º 441/2008 Data do acórdão: 2010-07-22 (Autos de recurso penal com enxerto cível) Assuntos: insuficiência para a decisão da matéria de facto provada objecto do processo acção penal enxerto cível

Leia mais

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário.

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Processo n.º 14/2012. Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrente: B. Recorrido: A. Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Coisa. Venda. Dação em cumprimento.

Leia mais

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS

SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS SUSPENSÃO DO PROCESSO NO DIREITO PENAL TRIBUTÁRIO PORTUGUÊS No Processo Penal Português está plasmado o princípio da suficiência daquele, o qual, nos termos do disposto no artigo 7.º, n.º 1, CPP, prevê

Leia mais

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 06722/10 Secção: 2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO Data do Acordão: Relator: Descritores: Sumário: 14-10-2010 RUI PEREIRA OPOSIÇÃO À

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0578/10 Data do Acordão: 16-12-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: 2 SECÇÃO JORGE LINO IRS MAIS VALIAS VENDA PROCESSO EXECUTIVO Sumário:

Leia mais

Processo n.º 363/2014

Processo n.º 363/2014 Processo n.º 363/2014 (Recurso Cível) Relator: Data : João Gil de Oliveira 16/Outubro/2014 ASSUNTOS: - Julgamento da matéria de facto SUMÁ RIO : Não é pelo facto de algumas testemunhas, empregados de uma

Leia mais

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Junho 2013 Direito do Trabalho A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT-

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT- Pº R.P.135 e 136 /2009 SJC-CT- (Im)possibilidade legal de incluir a cláusula de reversão dos bens doados em contrato de partilha em vida. DELIBERAçÃO Relatório 1. Os presentes recursos hierárquicos vêm

Leia mais

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas:

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006 Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Numa acção executiva baseada em sentença proferida em 20/01/2006 (que julgou a acção totalmente

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0291/08 Data do Acordão: 25-06-2008 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO BRANDÃO DE PINHO IRC LUCRO TRIBUTÁVEL PRINCÍPIO DA

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A

FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A FACULDADE DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DE LISBOA PROVA ESCRITA DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL I - TURMA A REGENTE: PROF. DOUTOR MIGUEL TEIXEIRA DE SOUSA 27-02-2015 DURAÇÃO DA PROVA: 2H00 Alice, domiciliada

Leia mais

Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência. Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima

Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência. Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou Fai e Viriato Manuel Pinheiro de Lima Processo n.º 78/2015 Recurso extraordinário para fixação de jurisprudência Recorrente: A Recorrido: Ministério Público Data da conferência: 13 de Janeiro de 2016 Juízes: Song Man Lei (Relatora), Sam Hou

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0892/08 Data do Acordão: 11-02-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO IRS MAIS VALIAS TRANSMISSÃO ONEROSA

Leia mais

Processo n.º 656/2014

Processo n.º 656/2014 Processo n.º 656/2014 (Recurso Laboral) Relator: Data : João Gil de Oliveira 26/Março/2015 ASSUNTOS: - Comodato e mútuo - Prejuízos; liquidação em execução de sentença SUMÁ RIO : 1. Se A empresta a B certas

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 01043/07 Data do Acordão: 06-03-2008 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO IRS AJUDAS DE CUSTO I As ajudas

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS

ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS RECURSO ORDINÁRIO Nº 02/2010-EMOL (Processo de fiscalização prévia n.º 996/2010) SUMÁRIO 1. O contrato destinado a disponibilizar o sistema de cobrança de portagens e o

Leia mais

PARECER N.º 103/CITE/2010

PARECER N.º 103/CITE/2010 PARECER N.º 103/CITE/2010 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora lactante, por facto imputável à trabalhadora, nos termos do n.º 1 e da alínea a) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto. Matéria Processo n.º 26/2005. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: Secretário para a Segurança. Recorridos: A e B. Assunto: Poderes do Tribunal de Última Instância em matéria de facto.

Leia mais

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT P.º R. P. 301/04 DSJ-CT - Registo de hipoteca legal por dívidas à Segurança Social sobre bens dos gerentes da sociedade devedora. Documentos instrutórios : certidão comprovativa da dívida e cópia autenticada

Leia mais

Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012. Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO

Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012. Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012 Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO Não se pode invocar o direito de prioridade a que se refere o artº 202º/2 do Regime Jurídico

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

Processo: R-4559/98 (A2) Assunto: Tributação com recurso a presunções e métodos indiciários. Dever de fundamentação. O caso concreto de M...

Processo: R-4559/98 (A2) Assunto: Tributação com recurso a presunções e métodos indiciários. Dever de fundamentação. O caso concreto de M... Processo: R-4559/98 (A2) Assunto: Tributação com recurso a presunções e métodos indiciários. Dever de fundamentação. O caso concreto de M... Decisão: A situação objecto de queixa foi pelo Provedor de Justiça

Leia mais

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO

TRIBUNAL ARBITRAL DE CONSUMO Proc. Nº 3341/2014 I - RELATÓRIO O REQUERIMENTO INICIAL I ANTÓNIO, identificado nos autos, intentou a presente acção contra S.A., igualmente identificada nos autos, nos termos constantes da petição inicial,

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0567/13 Data do Acordão: 08-05-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo MANIFESTAÇÕES DE FORTUNA ÓNUS DE PROVA

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 4481.07-5; Ag: TC Matosinhos, 5º J (6183/06.9TBMTS) Ag.e: Totta Crédito Especializado, SA Instituição Financeira de Crédito, Rua Basílio Teles, 35, Lisboa 1 Agº: Ferseque, Sociedade de Construção e

Leia mais

Processo nº 6739/2013 Acórdão de: 11-06-2013

Processo nº 6739/2013 Acórdão de: 11-06-2013 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 6739/2013 Acórdão de: 11-06-2013 Fundamentação formal e substancial do acto administrativo. Fundamentação insuficiente. Deveres do depositário de imóvel. Artº 68,

Leia mais

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- Averbamento de rectificação da descrição quanto à área, fundado em erro de medição. Enquadramento do respectivo pedido na previsão legal do artigo 28.º-C do CRP ou no processo

Leia mais

Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação

Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE LISBOA Falta de assento de nascimento de Autor em acção de acidente de viação JURISPRUDÊNCIA Acórdão de 10-01-2013 Processo n.º 711/2002.L1 8.ª Secção Relatora: Juíza Desembargadora

Leia mais

Penhoras por meios electrónicos

Penhoras por meios electrónicos Penhoras por meios electrónicos nicos Pedro Amorim pedro.amorim@lusolegal.pt Conferência da CTOC 13 e 14 de Julho de 2007 Enquadramento A função da penhora Sumário Ordem dos bens penhoráveis Formalismos

Leia mais

Processo nº 567/2012 Relator: Cândido de Pinho Data do acórdão: 17 de Janeiro de 2013 Descritores: -Revisão de sentença -Divórcio SUMÁ RIO:

Processo nº 567/2012 Relator: Cândido de Pinho Data do acórdão: 17 de Janeiro de 2013 Descritores: -Revisão de sentença -Divórcio SUMÁ RIO: Processo nº 567/2012 Relator: Cândido de Pinho Data do acórdão: 17 de Janeiro de 2013 Descritores: -Revisão de sentença -Divórcio SUMÁ RIO: 1- Não se conhecendo do fundo ou do mérito da causa, na revisão

Leia mais

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES

S. R. TRIBUNAL DA RELAÇÃO DE GUIMARÃES PROCº 3718/12.1TBBCL.G1 I - RELATÓRIO Visam os presentes autos a resolução do conflito de competência entre os Senhores Juizes do 2º e 3º Juízos Cíveis do Tribunal Judicial de Barcelos que, por despachos

Leia mais

Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração. Acordam, em conferência, na Secção Cível do Tribunal Supremo:

Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração. Acordam, em conferência, na Secção Cível do Tribunal Supremo: Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração Sumário: I. A jurisdição de menores reveste as características de jurisdição voluntária, na qual o tribunal não se acha circunscrito à prova apresentada

Leia mais

Processo nº 3827/1990 Acórdão de: 28-04-2009

Processo nº 3827/1990 Acórdão de: 28-04-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 3827/1990 Acórdão de: 28-04-2009 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça I AA - a que sucedeu AB - intentou, no dia 20 de Dezembro de 1990, acção executiva para

Leia mais

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA Carla Mascarenhas 16 de Abril de 2009 A fase de penhora PROGRAMA Consultas e diligências prévias Ordem da realização da penhora Procedimento da penhora de bens Imóveis

Leia mais

A Sentença, em especial a decisão de facto

A Sentença, em especial a decisão de facto Jornadas de Processo Civil CENTRO DE ESTUDOS JUDICIÁRIOS Fórum Lisboa 19 de Abril de 2013 A Sentença, em especial a decisão de facto Com base no texto final da Proposta de Lei n.º 113/XII, aprovado na

Leia mais

Processo nº 425/2013 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 21 de Novembro de 2013

Processo nº 425/2013 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 21 de Novembro de 2013 Processo nº 425/2013 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 21 de Novembro de 2013 ASSUNTO: - Usucapião - Interrupção do prazo pela citação - Cessação da boa-fé - Excesso de condenação. SUMÁ RIO - Com

Leia mais

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações

Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações Nota informativa CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações DGAJ/DSAJ/DF - 2013 Direção-Geral da Administração da Justiça CÓDIGO DE PROCESSO PENAL - alterações LEI N.º 20/2013, DE 21 DE FEVEREIRO Entram em

Leia mais

http://www.dgsi.pt/jsta.nsf/35fbbbf22e1bb1e680256f8e003ea931/bbcb934884780032...

http://www.dgsi.pt/jsta.nsf/35fbbbf22e1bb1e680256f8e003ea931/bbcb934884780032... Página 1 de 11 Acórdãos STA Processo: 0803/14 Data do Acordão: 28-01-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FRANCISCO ROTHES Descritores: Sumário: DIREITO DE AUDIÊNCIA PROJECTO CONCLUSÕES RELATÓRIO INSPECÇÃO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Processo: 6686/07.8TBCSC.L1.S1 Relator: BETTENCOURT DE FARIA Meio Processual: REVISTA Decisão: NEGADA A REVISTA Fonte: www.dgsi.pt Sumário I - O promitente

Leia mais

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser Processo nº 646/2014 (Autos de recurso civil) Data: 14/Maio/2015 Assuntos: Apensação de acções SUMÁRIO - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código de Processo Civil, o pedido de apensação só pode

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL. Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal

JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL. Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL I RELATÓRIO Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal Maria ( ) interpôs recurso da decisão proferida pelo Conservador da 1.ª Conservatória do Registo

Leia mais

Sumário. Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual

Sumário. Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual Recurso nº 69/2003 30 de Outubro de 2003 Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual Sumário 1. O pedido de pagamento das rendas é deduzido

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0765/12 Data do Acordão: 01-08-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: EXECUÇÃO FISCAL RECLAMAÇÃO ORDEM PENHORA HIPOTECA VOLUNTÁRIA TERCEIRO Sumário:

Leia mais

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público DIRETIVA n.º 3/2014 Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público A entrada em vigor do Regime Jurídico do Processo de Inventário, aprovado pela Lei n.º 23/2013, de

Leia mais

PARECER N.º 40/CITE/2012

PARECER N.º 40/CITE/2012 PARECER N.º 40/CITE/2012 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora puérpera, por extinção do posto de trabalho, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Processo de arbitragem. Sentença

Processo de arbitragem. Sentença Processo de arbitragem Demandante: A Demandada: B Árbitro único: Jorge Morais Carvalho Sentença I Processo 1. O processo correu os seus termos em conformidade com o Regulamento do Centro Nacional de Informação

Leia mais

A ACÇÃO EXECUTIVA E A INUTILIDADE SUPERVENIENTE DA LIDE

A ACÇÃO EXECUTIVA E A INUTILIDADE SUPERVENIENTE DA LIDE compilações doutrinais VERBOJURIDICO A ACÇÃO EXECUTIVA E A INUTILIDADE SUPERVENIENTE DA LIDE VÍTOR PACHECO ADVOGADO ESTAGIÁRIO verbojuridico NOVEMBRO 2008 2 : A ACÇÃO EXECUTIVA E A INUTILIDADE SUPERVENIENTE

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0573/13 Data do Acordão: 30-04-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: VALENTE TORRÃO Descritores: Sumário: COMPENSAÇÃO DE CRÉDITOS CPPT PEDIDO PRESTAÇÃO DE GARANTIA Nº Convencional: JSTA000P15671

Leia mais

NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA

NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA NOVOS RUMOS PARA A JUSTIÇA ADMINISTRATIVA BALANÇO DA 1.ª REAJA COMISSÃO ORGANIZADORA DA 1.ª REAJA SUMÁRIO: Introdução. Propostas apresentadas na 1.ª REAJA: I Organização Judiciária; II Processo administrativo;

Leia mais

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO Artigo 1.º Alteração ao Código Civil Os artigos 1585.º, 1676.º, 1773.º, 1774.º, 1775.º, 1776.º, 1778.º, 1778.º-A,1779.º,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA TRIBUTÁRIO IMPOSTO DE RENDA SOBRE VERBAS INDENIZATÓRIAS TRÂNSITO EM JULGADO FAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE LEVANTAMENTO DE DEPÓSITO POSSIBILIDADE. 1. Reconhecida, por

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo I-RELATÓRIO

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo I-RELATÓRIO Acórdãos STA Processo: 0951/12 Data do Acordão: 30-01-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P15201 Nº do Documento: SA2201301300951 Data de Entrada:

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho \,, *.. _ ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA. Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL n g- 001.2005.017735-9/001 Comarca de Campina Grande RELATOR : Des. Genésio

Leia mais

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 (Recurso civil) Assuntos: Contrato de desenvolvimento para a habitação (CDH) Art.º 22.º do Decreto-Lei n.º 13/93/M, de 12 de Abril Execução de dívida relacionada

Leia mais

Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil. (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto)

Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil. (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto) Reforma do Regime dos Recursos em Processo Civil (Decreto-Lei n.º 303/2007, de 24 de Agosto) Sumário Aplicação da lei no tempo e regime dos recursos em legislação extravagante Simplificação do regime de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 777.906 - BA (2005/0144695-7) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO : MINISTRO JOSÉ DELGADO : ADALTRO FERRERA DE SOUZA : YOLANDA SANTOS DE SANTANA E OUTROS : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF :

Leia mais

Na sequência dos compromissos

Na sequência dos compromissos Regime especial de exigibilidade do IVA dos serviços de transporte rodoviário nacional de mercadorias P o r R u i R i b e i r o G r i l o Foi publicada no «Diário da República», em 1 de último, a Lei 15/2009,

Leia mais

Processo nº 817/2009. Acordam em conferência na Secção Cível e Administrativa no Tribunal de Segunda Instância da RAEM:

Processo nº 817/2009. Acordam em conferência na Secção Cível e Administrativa no Tribunal de Segunda Instância da RAEM: Processo nº 817/2009 Acordam em conferência na Secção Cível e Administrativa no Tribunal de Segunda Instância da RAEM: I No âmbito dos autos do recurso jurisdicional na matéria de propriedade industrial,

Leia mais

Processo n.º 1024/2015 Data do acórdão: 2016-1-7

Processo n.º 1024/2015 Data do acórdão: 2016-1-7 Processo n.º 1024/2015 Data do acórdão: 2016-1-7 (Autos em recurso penal) Assuntos: suspensão do prazo da prescrição da multa art. o 117. o, n. o 1, alínea a), do Código Penal processo de cobrança coerciva

Leia mais

1. O Tribunal não está vinculado à qualificação jurídica que as partes podem dar aos factos submetidos à apreciação jurisdicional.

1. O Tribunal não está vinculado à qualificação jurídica que as partes podem dar aos factos submetidos à apreciação jurisdicional. Processo n.º 257/2004 (Recurso cível) Data: 14/Dezembro/2004 ASSUNTOS: - Qualificação jurídica do contrato - Contrato em regime de draubaque - Insuficiência de factos alegados - Insuficiência de motivação

Leia mais

Pº R.P. 177/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 177/2008 SJC-CT- Pº R.P. 177/2008 SJC-CT- Conversão de prédio ou fracção autónoma para sistema informático na pendência de pedidos de conversão e renovação Apresentação de petição de recurso hierárquico pela via da telecópia

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 097/09 Data do Acordão: 06-05-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO IRS AVALIAÇÃO MATÉRIA COLECTÁVEL Tem fundamento

Leia mais

Uma das áreas que tem merecido

Uma das áreas que tem merecido 36 Fiscalidade O actual enquadramento fiscal dos rendimentos derivados de prestações de serviços por parte de sociedades não residentes, bem como as formalidades a cumprir de forma a legitimar a aplicação

Leia mais

AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS

AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS AGRAVO DE INSTRUMENTO N.º 852.937-1, DA PRIMEIRA VARA CÍVEL DA COMARCA DE TOLEDO AGRAVANTES: ESPÓLIO DE OSENIO JOSÉ KROMANN E OUTROS AGRAVADA: RELATORA: FAZENDA PÚBLICA DO ESTADO DO PARANÁ DES.ª VILMA

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 2.220/13.9 TBVNG 5º Juízo Cível Insolventes: PEDRO MANUEL LOPES DE ALMEIDA E CARLA LILIANA DAMAS BESSA MIRANDA DE ALMEIDA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente

Leia mais

DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1

DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1 DESTAQUES DO INVENTÁRIO 1 DO INVENTÁRIO EXTRAJUDICIAL A lei 11.441/2007 alterou os dispositivos do CPC, possibilitando a realização de inventário, partilha, separação consensual e divórcio consensual por

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 560/13.6 TBVNG 4º Juízo Cível Insolvente: ELIANE MARGARETE MOREIRA DA ROCHA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

Processo nº 305/2010. Data: 06 de Março de 2014. ASSUNTO: - Marca notória e prestigiada

Processo nº 305/2010. Data: 06 de Março de 2014. ASSUNTO: - Marca notória e prestigiada Processo nº 305/2010 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 06 de Março de 2014 ASSUNTO: - Marca notória e prestigiada SUMÁ RIO: - Para que uma marca possa ser qualificada como notória e prestigiada,

Leia mais

Processo n.º 365/2015 Data do acórdão: 2015-6-4

Processo n.º 365/2015 Data do acórdão: 2015-6-4 Processo n.º 365/2015 Data do acórdão: 2015-6-4 (Autos em recurso penal) Assuntos: toxicodependente suspensão de execução da pena de prisão maus resultados nos testes de urina rejeição voluntária do internamento

Leia mais

Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. por um interveniente já admitido a intervir nos autos.

Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 SUMÁ RIO. por um interveniente já admitido a intervir nos autos. Processo nº 581/2012 Data: 11.10.2012 (Autos de recurso penal) Assuntos : Omissão de pronúncia. Nulidade. Devolução dos autos. SUMÁ RIO 1. Incorre-se em nulidade, por omissão de pronúncia, se o Tribunal,

Leia mais

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário

ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO. A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU: I Relatório e factos provados A, casada no regime de comunhão geral de bens com B, requereu inventário facultativo por

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA. (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.)

RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA. (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Notas prévias : RELATÓRIO DA ADMINISTRADORA DE INSOLVÊNCIA (elaborado nos termos do art.155º do C.I.R.E.) Publicação do extracto do anúncio na Imprensa Nacional Casa da Moeda em 28.02.2011 Reunião realizada

Leia mais

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 8/B/2004 Data: 17-06-2004 Entidade visada: Ministra da Justiça Assunto: Código das Custas Judiciais Prazo de validade dos cheques. Decreto n.º 12 487, de 14 de Outubro de 1926 Prazo de reclamação

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto.

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto. Processo n.º 4/2016. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: A Recorrido: Chefe do Executivo. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto. Prejuízo de

Leia mais

http://www.dgsi.pt/jsta.nsf/35fbbbf22e1bb1e680256f8e003ea931/87ea833e41734a6c...

http://www.dgsi.pt/jsta.nsf/35fbbbf22e1bb1e680256f8e003ea931/87ea833e41734a6c... Page 1 of 20 Acórdãos STA Processo: 01455/12 Data do Acordão: 07-10-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FRANCISCO ROTHES Descritores: IVA DEDUÇÃO RENÚNCIA ISENÇÃO Sumário: Nº Convencional: JSTA000P19491 Nº

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança

28 de Março 2012 Contencioso de Cobrança Entra em vigor amanhã, dia 29 de Março de 2012, a Lei n.º 7/2012, de 13 de Fevereiro, que procede à alteração e republicação do Regulamento das Custas Processuais. Desde a entrada em vigor do actual Regulamento

Leia mais

Juízes: Viriato Manuel Pinheiro de Lima (Relator), Song Man Lei e Sam Hou Fai. SUMÁRIO:

Juízes: Viriato Manuel Pinheiro de Lima (Relator), Song Man Lei e Sam Hou Fai. SUMÁRIO: . Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrentes: A, B e C. Recorrido: D. Assunto: Encargos normais da vida familiar. Data do Acórdão: 15 de Abril de 2015. Juízes: Viriato Manuel Pinheiro de Lima

Leia mais

ASSUNTO - Ocupação do terreno - Usucapião do terreno sem titularidade registada

ASSUNTO - Ocupação do terreno - Usucapião do terreno sem titularidade registada Processo nº 740/2010 (Autos de Recurso Contencioso) Data: 17 de Novembro de 2011 ASSUNTO - Ocupação do terreno - Usucapião do terreno sem titularidade registada SUMÁ RIO - Quer no âmbito do Diploma Legislativo

Leia mais

[pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Regeringsrätten (Suécia)]

[pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Regeringsrätten (Suécia)] Downloaded via the EU tax law app / web Arrêt de la Cour Processo C?320/02 Förvaltnings AB Stenholmen contra Riksskatteverket [pedido de decisão prejudicial apresentado pelo Regeringsrätten (Suécia)] «Sexta

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem)

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1. Capítulo I. Princípios Gerais. Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) REGULAMENTO DE ARBITRAGEM 1 Capítulo I Princípios Gerais Artigo 1.º (Objecto da arbitragem) Qualquer litígio, público ou privado, interno ou internacional, que por lei seja susceptível de ser resolvido

Leia mais

Acórdão do Tribunal da Relação de Évora

Acórdão do Tribunal da Relação de Évora Acórdãos TRE Processo: Relator: Descritores: Acórdão do Tribunal da Relação de Évora 321/14.5T8ENT.E1 ASSUNÇÃO RAIMUNDO TÍTULO EXECUTIVO DOCUMENTO PARTICULAR INCONSTITUCIONALIDADE Data do Acórdão: 12-03-2015

Leia mais