Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo"

Transcrição

1 Acórdãos STA Processo: 0715/09 Data do Acordão: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO PENHORA GARANTIA REAL REGISTO TERCEIRO I - O registo predial da penhora não é constitutivo do direito de garantia real sobre o prédio penhorado. II - Porém, a garantia real da penhora, não registada, ainda que anterior, não é oponível aos demais credores ("terceiros") com penhora, registada, sobre o mesmo prédio. Nº Convencional: JSTA000P11138 Nº do Documento: SA Recorrente: A... Recorrido 1: B... E FAZENDA PÚBLICA Votação: UNANIMIDADE Aditamento: Texto Integral Texto Integral: 1.1 A vem recorrer da sentença do Tribunal Tributário de Lisboa, proferida nestes autos de reclamação, verificação e graduação de créditos, a decidir que «não pode o crédito ser reconhecido ou verificado». 1.2 Em alegação, o recorrente formula as seguintes conclusões. 1. A penhora ordenada no proc. nº 108/94 não incide sobre um imóvel, mas sobre o direito à meação do executado nos bens comuns do casal - certidão junta aos autos à margem em O que caducou não foi a penhora mas o registo efectuado na CR Predial - artºs 11º, nºs 1 e 2, e 12º, nº 1, do CRP. 3. As disposições do CPC aplicáveis são-no na redacção anterior às alterações introduzidas pelo Dec-Lei nº 329/95 e pelo Dec-Lei nº 180/96, atenta a data do início dos

2 processos em causa artº 16º do Dec-Lei 329-A/ A penhora extingue-se só pelo seu levantamento (artº 847º, nº 1 do CPC), ou pela extinção da execução (artºs 916º, nº 1, e 919º, nº 1, do CPC), pelo que a penhora ordenada no Proc. nº 108/94 não se extinguiu. 5. O direito de penhora é garantia geral das obrigações artº 601º do CC. 6. A penhora de quaisquer bens ou de direitos constitui garantia real artº 822º, nº 1, do CC. 7. A penhora ordenada no proc. nº 108/94, porque é penhora de um direito, não está sujeita a registo artº 2º, nº 1, do CRP. 8. A penhora ordenada no proc. nº 108/94, porque penhora de direito, produz efeitos independentemente de registo artº 833º, nº 3, do CPC, a contrario. Logo, constituía garantia real à data da reclamação de créditos apresentada nos autos. 9. Devia ter sido admitida a reclamação do recorrente e efectuada a graduação dos créditos em conformidade. Nestes termos, deve ser dado provimento ao presente recurso, ordenando-se a revogação da sentença, decidindose pela procedência da reclamação dos créditos do recorrente e substituindo-se a graduação efectuada. 1.3 Não houve contra-alegação. 1.4 O Ministério Público neste Tribunal emitiu o parecer de que o recurso merece provimento e que a decisão impugnada deve ser revogada e substituída por acórdão que reconheça o crédito e o gradue segundo as normas substantivas aplicáveis apresentando a seguinte fundamentação. l. A penhora da meação do executado em bens comuns do casal, efectuada noutra execução constitui garantia real, na medida em que confere ao seu titular o direito de sequela, traduzido na possibilidade de impor a terceiro a realização do seu direito, como consequência da ineficácia em relação ao credor de actos de disposição praticados sobre o objecto da penhora (art. 819º CCivil; neste sentido Jorge Lopes de Sousa CPPT anotado e comentado Volume II 2007 p.492). A penhora confere ao titular da garantia o direito de ser pago com preferência sobre qualquer outro credor que não tenha garantia real anterior (art. 822º nº 1 CCivil). 2. A caducidade do registo da penhora, pelo decurso do prazo legal, não determina a extinção da penhora, a qual apenas opera com o seu levantamento ou com a extinção

3 da execução (arts.11º nº 1 e 12º CRPredial; arts. 847º nº 1, 916º e 919º nº 1 CPC). 3. A penhora da meação do executado não está sujeita a registo, na medida em que não tem por objecto bens imóveis concretamente identificados, antes o direito a uma universalidade indivisa de bens que, no caso em análise, alegadamente integra bens imóveis (arts. 1º e 2º nº 1 CRPredial; José Alberto Gonçalves CRPredial anotado 3ª edição p.58). A anterioridade da garantia para determinação da preferência na satisfação do crédito garantido deve reportar-se à data do despacho que ordenou a penhora, proferido em (doc. fls. 62) e não à data de um registo juridicamente inexigível. 1.5 Tudo visto, cumpre decidir, em conferência. Em face do teor das conclusões da alegação, bem como da posição do Ministério Público, a questão essencial que aqui se coloca é a de saber se o ora recorrente deve, na circunstância, ver reconhecido e graduado o crédito por si reclamado. 2.1 Em matéria de facto, a sentença recorrida, embora sem enfileiramento formal, considerou mormente o que segue (que aqui subordinamos a alíneas). a) Por despacho proferido no processo n 108/94, da 1.ª Secção do 15 Juízo Cível de Lisboa, foi determinada a penhora do direito à meação do executado B, nos bens comuns do casal que alegadamente integram imóveis com a observação, de que efectuada a penhora por notificação ao executado, o cumprimento só é exigível depois de dissolvido, declarado nulo ou anulado o casamento ou decretada a separação judicial de pessoas e bens ou a simples separação judicial de bens ( ) - cf. certidão de fls. 62. b) A penhora incidente sobre o imóvel inscrito na matriz sob o artigo U-761, e descrito na Conservatória do Registo Predial de Odivelas sob o n 01253/161286, foi efectuada em 29/2/96 - cf. documento de fls. 32 do PA. c) A referida penhora caducou cf. anotação de 20/9/2004 na certidão da CRP de Odivelas a fls., 29 do PA. d) Nos autos de execução, em 6/12/2004, foi penhorado o imóvel inscrito na matriz sob o artigo U-761, e descrito na Conservatória do Registo Predial de Odivelas sob o nº 01253/ cf. fls. 15 do processo de execução fiscal. e) A referida penhora foi registada em 10/12/2004 cf. fls. 29 do processo de execução fiscal.

4 2.2 De harmonia com o disposto no n.º 2 do artigo 873.º do Código de Processo Civil, «O credor reclamante só pode ser pago na execução pelos bens sobre que tiver garantia ( )», e «Só o credor que goze de garantia real sobre os bens penhorados pode reclamar, pelo produto destes, o pagamento dos respectivos créditos», nos termos do disposto no n.º 1 do artigo 865.º do Código de Processo Civil. Nos termos do n.º 1 do artigo 822.º do Código Civil ( Preferência resultante da penhora ), «( ) o exequente adquire pela penhora o direito de ser pago com preferência a qualquer outro credor que não tenha garantia real anterior». Esta regra prevê a hipótese de existirem, além do exequente, outros credores com garantias reais sobre os bens e destina-se a hierarquizar o crédito de exequente na sua relação com os créditos que beneficiam dessas garantias ou daquela penhora. A penhora, desde logo, desempenha uma função individualizadora dos bens que irão ser submetidos ao poder de execução do credor, do mesmo passo que constitui uma garantia real sobre o bem penhorado. Efectivamente, enquanto que o credor, antes da penhora, dispõe apenas da garantia geral incidente sobre o património do devedor (artigo 601.º do Código Civil), após a penhora adquire uma garantia especial incidente sobre bens determinados. Muito embora «O direito inscrito em primeiro lugar prevalece sobre os que se lhe seguirem relativamente aos mesmos bens, por ordem da data dos registos e, dentro da mesma data, pela ordem temporal das apresentações correspondentes», nos termos do n.º 1 do artigo 6.º do Código do Registo Predial, a penhora existe independentemente de ter sido levada, ou não, ao registo predial. Com efeito, a simples análise dos artigos 4.º e 5.º do Código do Registo Predial, articulada com o artigo 687.º do Código Civil «A hipoteca deve ser registada, sob pena de não produzir efeitos, mesmo em relação às partes», permite afirmar uma característica fundamental do registo predial no sistema jurídico português: o registo predial, em regra, não tem efeito constitutivo (nem aquisitivo, de resto). Ou seja: em princípio, o registo não dá nem tira direitos. Na verdade, de acordo com o artigo 1.º do Código do Registo Predial ( Fins do registo ), «O registo predial

5 destina-se essencialmente a dar publicidade à situação jurídica dos prédios, tendo em vista a segurança do comércio jurídico imobiliário». É, assim, através da informação disponibilizada pelo registo público que poderá ficar a saber-se qual a composição de determinado prédio, a quem pertence e que tipo de encargos (hipotecas, penhoras, etc.) sobre ele incidem. Mas a publicidade registral, que tem em vista a segurança do comércio jurídico imobiliário, é ainda condição de eficácia perante terceiros dos actos sujeitos a registo. Se é certo que, excepção feita aos «factos constitutivos de hipoteca cuja eficácia, entre as próprias partes, depende da realização do registo», «os factos sujeitos a registo, ainda que não registados, podem ser invocados entre as próprias partes ou seus herdeiros», de acordo com o artigo 4.º do Código do Registo Predial, o que é verdade também é que «Os factos sujeitos a registo só produzem efeitos contra terceiros depois da data do respectivo registo», nos termos do n.º 1 do artigo 5.º do Código do Registo Predial, ( Oponibilidade a terceiros ). E a penhora de imóveis é indiscutivelmente um facto sujeito a registo, por força da alínea n) do n.º 1 do artigo 2.º do Código do Registo Predial. Assim, se a penhora deve ser registada (como deve a penhora de imóveis), depende de tal registo a sua eficácia em relação a terceiros. Quer dizer: o registo da penhora de imóveis não é constitutivo, mas como o acto está legalmente sujeito a registo, se não estiver registado, não é oponível a terceiros, nomeadamente aos demais credores do executado. Importa, neste passo, deixar claro que, nos termos do n.º 4 do citado artigo 5.º do Código do Registo Predial, «Terceiros, para efeitos de registo, são aqueles que tenham adquirido de um autor comum direitos incompatíveis entre si». E afigura-se evidente que o credor reclamante de créditos e o seu devedor, executado em processo de execução fiscal, não se acham entre si numa relação afim daqueloutros que «tenham adquirido de um autor comum direitos incompatíveis entre si», pelo que, credor reclamante e executado, para efeitos de registo predial, não serão terceiros entre si. O credor reclamante de créditos terá numa relação de terceiros os demais credores do mesmo executado, reclamantes de créditos, uma vez que a todos o executado terá transmitido «direitos

6 incompatíveis» mas não o próprio devedor executado. O credor reclamante de créditos e o próprio executado, devedor, estarão, entre si, não numa relação de terceiros, mas numa relação linear e directa. 2.3 No caso sub judicio, a sentença recorrida expende que «Considerando, conforme decorre do estatuído no artigo 865, n 1 do CPC, que só o credor que goze de garantia real sobre os bens penhorados pode reclamar, pelo produto destes o pagamento dos respectivos créditos, a reclamação apresentada por A terá de improceder»; pois, «Nos termos do disposto no artigo 2º, nº 1, alínea a) do CRP, os factos jurídicos que determinem a constituição, reconhecimento ou aquisição ou modificação de direitos de propriedade, usufruto etc. estão sujeitos a registo»; e, assim, «A penhora decretada incidindo sobre imóveis, teria de ser registada sob pena de ineficácia, razão pela qual foi registada em 29/2/96 na Conservatória do Registo Predial de Odivelas»; pelo que, «Considerando que o registo da penhora foi efectuado em 29/2/96, a sua caducidade operou-se em 29/2/2006, em conformidade aliás com o que consta da respectiva certidão do registo predial supra indicada»; e que, «Assim sendo, à data da apresentação da reclamação, 21/6/2006 (cf. carimbo aposto a fls. 3), já o reclamante não dispunha de garantia real a seu favor sobre o bem penhorado na execução fiscal». Mas, por nós, julgamos que o reclamante, ora recorrente, ao contrário, dispõe de garantia real a seu favor sobre o bem penhorado na execução fiscal. Com efeito, o reclamante, ora recorrente consoante se colhe dos elementos dos autos reclamou a quantia de ,77, que consubstancia a quantia exequenda nos autos de execução que instaurou no 15 Juízo Cível de Lisboa, a que foi atribuído o nº 108/94, quantia essa que inclui juros vencidos e vincendos até integral pagamento; e, no âmbito de tal acção executiva, foi efectuada a penhora e respectivo registo em , incidente sobre o prédio urbano inscrita na matriz predial da freguesia de Odivelas, sob o n.º U-761 e descrita na Conservatória do Registo Predial de Odivelas, sob n.º 01253/Odivelas cf. especialmente a certidão constante de fls. 46 a 62 dos presentes autos de reclamação de créditos. Na verdade, e conforme, se deixou consignado supra, nas alínea a) e b) do probatório, em , foi efectuada

7 no âmbito do processo n.º 108/94, da 1.ª Secção do 15.º Juízo Cível de Lisboa, em que é exequente o ora recorrente, «A penhora incidente sobre o imóvel inscrito na matriz sob o artigo U-761, e descrito na Conservatória do Registo Predial de Odivelas sob o n 01253/161286». E este identificado imóvel é o mesmo que se encontra penhorado nos autos de execução fiscal a que respeita a presente reclamação de créditos conforme ao que se acha consignado supra na alínea d) do probatório. Ora, o que é certo é que a penhora realizada no âmbito do processo n.º 108/94, da 1.ª Secção do 15.º Juízo Cível de Lisboa sobre o identificado imóvel (bem corpóreo, concreto e especificado) constitui, nos presentes autos de reclamação de créditos, garantia real do crédito reclamado pelo ora recorrente o que confere a este, e nos termos do n.º 1 do artigo 822.º do Código Civil, «o direito de ser pago com preferência a qualquer outro credor que não tenha garantia real anterior». Ou seja: a penhora, dita em a), b) e c) do probatório, constitui a garantia real a atender, por força da lei, na reclamação de créditos apensa à execução fiscal dita em d) e e) do mesmo probatório. E, assim sendo, não pode deixar de concluir-se que o reclamante, ora recorrente uma vez que é credor com garantia real sobre o dito imóvel, penhorado na execução fiscal, de que esta reclamação de créditos constitui apenso, pode reclamar, pelo produto da venda de tal imóvel, o pagamento dos «respectivos créditos», nos termos do disposto no n.º 1 do artigo 865.º do Código de Processo Civil. Pelo que devemos concluir, e em resposta à questão decidenda, que, na circunstância, deve ser reconhecido e graduado o crédito reclamado pelo ora recorrente. A sentença recorrida graduou do seguinte modo os créditos que reconheceu: 1º O crédito reclamado pela fazenda Pública relativo a CA de 2002 e IMI relativo a 2003 e 2004, e respectivos juros; 2º O crédito reclamado pela fazenda Pública relativa a IRS relativo a 2001 e acrescido; 3º O crédito exequendo de IRS e respectivos juros; 4º A quantia exequenda, proveniente de IVA e respectivos juros. Ora à parte os créditos anteriormente ditos em 1.º e 2.º, que gozam de privilégio creditório legal, os créditos exequendos, ditos em 3.º 4.º, gozam da garantia da

8 penhora efectuada, em , no processo de execução fiscal [conforme o que se deixou consignado na alínea d) do probatório]. Por seu lado, o crédito reclamado pelo ora recorrente nos presentes autos de reclamação de créditos goza da garantia de penhora anterior sobre o mesmo imóvel, realizada em , em processo de execução comum [conforme o que se deixou consignado na alínea b) do probatório]. A penhora de que goza o crédito reclamado pelo ora recorrente, porém, não se encontra registada, consoante se retira do que se deixou consignado em c) do probatório. Como assim, o crédito reclamado pelo ora recorrente, por um lado, não pode ser graduado à frente dos créditos que a sentença recorrida graduou em 1.º e 2.º, pois estes gozam de privilégio creditório legal. Nem pode, por outro lado, ser graduado à frente dos créditos exequendos, que a sentença recorrida graduou em 3.º e 4.º lugar, porque, muito embora estes créditos gozem (apenas) da garantia da penhora, e esta seja de data posterior àquela que o reclamante, ora recorrente, constituiu no processo de execução comum, o certo é que a penhora de que goza o reclamante, ora recorrente, pela razão de não se encontrar registada, não é oponível ao credor Estado com créditos graduados em 3.º e 4.º lugar na sentença recorrida, já que o Estado credor é terceiro em relação ao credor ora recorrente, por isso que lhe é inoponível a penhora não registada de que o ora recorrente goza. Mas, por gozar da garantia real da penhora (em execução comum) sobre o prédio penhorado na execução fiscal, o crédito reclamado pelo ora recorrente não pode deixar de ser reconhecido e graduado nos presentes autos de reclamação de créditos, se bem que atrás de todos os outros créditos reconhecidos e graduados pela sentença recorrida: em 5.º lugar, portanto. Assim se conclui que a sentença recorrida tem de ser revogada no ponto em que não reconhece nem gradua o crédito do ora recorrente, devendo manter-se no demais. E, então, a terminar, havemos de convir, em síntese, que o registo predial da penhora não é constitutivo do direito de garantia real sobre o prédio penhorado. Porém, a garantia real da penhora, não registada, ainda que anterior, não é oponível aos demais credores ( terceiros ) com penhora, registada, sobre o mesmo prédio.

9 3. Termos em que se acorda conceder provimento ao recurso, revogando-se a parte impugnada da sentença recorrida, e reconhecendo-se e graduando-se, pelo sobredito modo, o crédito do ora recorrente. Sem custas. Lisboa, 18 de Novembro de Jorge Lino (relator) Casimiro Gonçalves Lúcio Barbosa.

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0831/11 Data do Acordão: 16-11-2011 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS IRC HIPOTECA PRIVILÉGIO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 0252/14 Data do Acordão: 23-04-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS IRS HIPOTECA

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0347/13 Data do Acordão: 03-07-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16033 Nº do Documento: SA2201307030347

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo 1de 10 Acórdãos STA Processo: 0507/07 Data do Acordão: 14-11-2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IVA IMPOSTO AUTOMÓVEL Nº Convencional:

Leia mais

DE ACTO PRATICADO PELO ÓRGÃO DA EXECUÇÃO FISCAL MORTE DO EXECUTADO PENHORA HERANÇA INDIVISA DESPACHO VENDA

DE ACTO PRATICADO PELO ÓRGÃO DA EXECUÇÃO FISCAL MORTE DO EXECUTADO PENHORA HERANÇA INDIVISA DESPACHO VENDA Acórdãos STA Processo: 0485/13 Data do Acordão: 15-05-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: CASIMIRO GONÇALVES Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P15725 Nº do Documento: SA2201305150485 Data de Entrada:

Leia mais

Supremo Tribunal Administrativo:

Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Processo: 01241/09 Data do Acordão: 24-03-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO DULCE NETO IRS MAIS VALIAS REINVESTIMENTO EMPRÉSTIMO

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo:

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 01351/13 Data do Acordão: 25-09-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: CASIMIRO GONÇALVES Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16246

Leia mais

DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO DOCUMENTADAS

DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO DOCUMENTADAS Acórdãos STA Processo: 0371/07 Data do Acordão: 17/10/2007 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: JORGE LINO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo IRC DESPESAS CONFIDENCIAIS DESPESAS NÃO

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0892/08 Data do Acordão: 11-02-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO IRS MAIS VALIAS TRANSMISSÃO ONEROSA

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0578/10 Data do Acordão: 16-12-2010 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: 2 SECÇÃO JORGE LINO IRS MAIS VALIAS VENDA PROCESSO EXECUTIVO Sumário:

Leia mais

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas:

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006 Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Numa acção executiva baseada em sentença proferida em 20/01/2006 (que julgou a acção totalmente

Leia mais

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT P.º R. P. 301/04 DSJ-CT - Registo de hipoteca legal por dívidas à Segurança Social sobre bens dos gerentes da sociedade devedora. Documentos instrutórios : certidão comprovativa da dívida e cópia autenticada

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0210/12 Data do Acordão: 21-11-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: RECLAMAÇÃO GRACIOSA IMPUGNAÇÃO TEMPESTIVIDADE NULIDADE DIREITO DE AUDIÇÃO Nº Convencional:

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 01319/12 Data do Acordão: 13-03-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: IMPOSTO DE SELO USUCAPIÃO PRÉDIO RÚSTICO CONSTRUÇÃO JUSTIFICAÇÃO NOTARIAL Nº

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 15 Acórdãos STA Processo: 01500/14 Data do Acordão: 20-05-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: CONTRIBUIÇÕES DÍVIDA À SEGURANÇA SOCIAL PRESCRIÇÃO INTERRUPÇÃO

Leia mais

Processo nº 127/2003 Data: 26.06.2003 SUMÁRIO

Processo nº 127/2003 Data: 26.06.2003 SUMÁRIO Processo nº 127/2003 Data: 26.06.2003 Assuntos : Processo de execução. Reclamação e graduação de créditos. Hipoteca. Juros (reclamados e não impugnados). SUMÁRIO 1. A preferência reconhecida à hipoteca

Leia mais

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11

Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 Processo n.º 88/2002 Data do acórdão: 2002-07-11 (Recurso civil) Assuntos: Contrato de desenvolvimento para a habitação (CDH) Art.º 22.º do Decreto-Lei n.º 13/93/M, de 12 de Abril Execução de dívida relacionada

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Página 1 de 11 Acórdãos STA Processo: 0606/14 Data do Acordão: 10-09-2014 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: PEDRO DELGADO Descritores: Sumário: Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo GRADUAÇÃO DE CRÉDITOS

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL. Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal

JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL. Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal JUSTIFICAÇÃO- RECURSO CONTENCIOSO - DECISÃO JUDICIAL I RELATÓRIO Tribunal Judicial da Comarca de Setúbal Maria ( ) interpôs recurso da decisão proferida pelo Conservador da 1.ª Conservatória do Registo

Leia mais

Penhoras por meios electrónicos

Penhoras por meios electrónicos Penhoras por meios electrónicos nicos Pedro Amorim pedro.amorim@lusolegal.pt Conferência da CTOC 13 e 14 de Julho de 2007 Enquadramento A função da penhora Sumário Ordem dos bens penhoráveis Formalismos

Leia mais

Acórdão do Tribunal da Relação de Évora

Acórdão do Tribunal da Relação de Évora Acórdãos TRE Processo: Relator: Descritores: Acórdão do Tribunal da Relação de Évora 321/14.5T8ENT.E1 ASSUNÇÃO RAIMUNDO TÍTULO EXECUTIVO DOCUMENTO PARTICULAR INCONSTITUCIONALIDADE Data do Acórdão: 12-03-2015

Leia mais

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA Carla Mascarenhas 16 de Abril de 2009 A fase de penhora PROGRAMA Consultas e diligências prévias Ordem da realização da penhora Procedimento da penhora de bens Imóveis

Leia mais

Pº R.P. 177/2008 SJC-CT-

Pº R.P. 177/2008 SJC-CT- Pº R.P. 177/2008 SJC-CT- Conversão de prédio ou fracção autónoma para sistema informático na pendência de pedidos de conversão e renovação Apresentação de petição de recurso hierárquico pela via da telecópia

Leia mais

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário.

Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Processo n.º 14/2012. Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrente: B. Recorrido: A. Assunto: Acção de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Comproprietário. Coisa. Venda. Dação em cumprimento.

Leia mais

Conciliação para empresas em dificuldades

Conciliação para empresas em dificuldades Conciliação para empresas em dificuldades Em vez de recorrer aos tribunais, uma empresa com dificuldades em cumprir as suas obrigações pode recorrer ao procedimento extrajudicial de conciliação, através

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0765/12 Data do Acordão: 01-08-2012 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: ISABEL MARQUES DA SILVA Descritores: EXECUÇÃO FISCAL RECLAMAÇÃO ORDEM PENHORA HIPOTECA VOLUNTÁRIA TERCEIRO Sumário:

Leia mais

Processo n.º 363/2014

Processo n.º 363/2014 Processo n.º 363/2014 (Recurso Cível) Relator: Data : João Gil de Oliveira 16/Outubro/2014 ASSUNTOS: - Julgamento da matéria de facto SUMÁ RIO : Não é pelo facto de algumas testemunhas, empregados de uma

Leia mais

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO:

Em Conferência no Tribunal da Relação do Porto I. INTRODUÇÃO: PN 4481.07-5; Ag: TC Matosinhos, 5º J (6183/06.9TBMTS) Ag.e: Totta Crédito Especializado, SA Instituição Financeira de Crédito, Rua Basílio Teles, 35, Lisboa 1 Agº: Ferseque, Sociedade de Construção e

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0891/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO VALENTE TORRÃO SISA AQUISIÇÃO DE PREDIO PARA REVENDA

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 2.220/13.9 TBVNG 5º Juízo Cível Insolventes: PEDRO MANUEL LOPES DE ALMEIDA E CARLA LILIANA DAMAS BESSA MIRANDA DE ALMEIDA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL Nº 52 Setembro de 2013 Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix No início deste mês, entrou em vigor o novo Código do Processo Civil, diploma estrutural da vida

Leia mais

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto.

Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto. Processo n.º 4/2016. Recurso jurisdicional em matéria administrativa. Recorrente: A Recorrido: Chefe do Executivo. Assunto: Apensação de recurso contencioso. Suspensão da eficácia do acto. Prejuízo de

Leia mais

Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012. Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO

Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012. Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO Processo nº 590/2010 Data do Acórdão: 24MAIO2012 Assuntos: Marca Marca livre Direito de prioridade SUMÁ RIO Não se pode invocar o direito de prioridade a que se refere o artº 202º/2 do Regime Jurídico

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013

Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Acórdão do Supremo Tribunal de Justiça, de 08-05-2013 Processo: 6686/07.8TBCSC.L1.S1 Relator: BETTENCOURT DE FARIA Meio Processual: REVISTA Decisão: NEGADA A REVISTA Fonte: www.dgsi.pt Sumário I - O promitente

Leia mais

Processo nº 692-A/2001 Acórdão de: 21-05-2009

Processo nº 692-A/2001 Acórdão de: 21-05-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 692-A/2001 Acórdão de: 21-05-2009 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça: No 3.º Juízo Cível da Comarca da Amadora correu termos inventário por óbito de AA e de

Leia mais

Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil)

Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil) Processo nº 90/2005 Data: 02.06.2005 (Recurso em matéria civil) Assuntos : Acção especial de divisão de coisa comum. Direito de preferência. Recurso do despacho que não admite o seu exercício. Momento

Leia mais

A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL I INTRODUÇÃO

A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL I INTRODUÇÃO A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL Armindo Ribeiro Mendes I INTRODUÇÃO 1. Entrou em vigor em 15 de Setembro do corrente ano um conjunto de diplomas que corporiza a chamada Reforma da Acção

Leia mais

Acórdão do Tribunal da Relação do Porto

Acórdão do Tribunal da Relação do Porto Acórdão do Tribunal da Relação do Porto Processo: 9951381 Nº Convencional: JTRP00027995 Relator: AZEVEDO RAMOS Descritores: INTERVENÇÃO PROVOCADA INTERVENÇÃO ACESSÓRIA CONDUÇÃO SOB O EFEITO DE ÁLCOOL ACIDENTE

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0291/08 Data do Acordão: 25-06-2008 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO BRANDÃO DE PINHO IRC LUCRO TRIBUTÁVEL PRINCÍPIO DA

Leia mais

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- Obrigação de registar Determinação do momento relevante para efeitos do cumprimento da obrigação de registar relativamente a acto cujo registo é promovido por via electrónica,

Leia mais

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em:

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em: Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de março A revisão do Código de Processo Civil operada pelo Decreto-Lei n.º 329-A/95, de 12 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 180/96, de 25 de setembro, complementada pelo

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 01043/07 Data do Acordão: 06-03-2008 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO MIRANDA DE PACHECO IRS AJUDAS DE CUSTO I As ajudas

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de fevereiro de 2015 1

Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de fevereiro de 2015 1 Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 2.ª quinzena de fevereiro de 2015 1 1 - Defesa das micro, pequenas e médias empresas na Região Autónoma da Madeira: - Resolução da Assembleia

Leia mais

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- Averbamento de rectificação da descrição quanto à área, fundado em erro de medição. Enquadramento do respectivo pedido na previsão legal do artigo 28.º-C do CRP ou no processo

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 097/09 Data do Acordão: 06-05-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO IRS AVALIAÇÃO MATÉRIA COLECTÁVEL Tem fundamento

Leia mais

(a) O julgador violou o art. 9º CC, na medida em que cingiu a interpretação

(a) O julgador violou o art. 9º CC, na medida em que cingiu a interpretação PN. 939.00 1 ; Ag: TC Porto, 7º j; Ag.e: Condomínio do Edifício Dallas, rep. Andargest, Soc. Gest. Condomínios, Lda 2 ; Ag.o: MP. Em Conferência, no Tribunal da Relação do Porto 1. O Ag.e, em acção que

Leia mais

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida

Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal. Samuel Fernandes de Almeida Derrogação do sigilo bancário em matéria fiscal Samuel Fernandes de Almeida Introdução O problema político da humanidade écombinar três coisas: eficiência económica, justiça social e liberdade individual

Leia mais

Assuntos: Arresto. Natureza e efeitos. Obras e arrendamento do imóvel arrestado. SUMÁRIO

Assuntos: Arresto. Natureza e efeitos. Obras e arrendamento do imóvel arrestado. SUMÁRIO Processo nº 161/2006 Data: 11.05.2006 (Autos de recurso em matéria civil) Assuntos: Arresto. Natureza e efeitos. Obras e arrendamento do imóvel arrestado. SUMÁRIO Constituindo o arresto um procedimento

Leia mais

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária

Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária Ofício-Circulado 60009, de 21/05/1999 - Direcção de Serviços de Justiça Tributária PLANOS PRESTACIONAIS - DEC-LEI Nº 124/96 REDUÇÃO DA TAXA DE JUROS DE MORA VINCENDOS CONSTITUIÇÃO DE GARANTIAS - DEC-LEI

Leia mais

Sumário. Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual

Sumário. Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual Recurso nº 69/2003 30 de Outubro de 2003 Assuntos: - Acção de despejo - Pedidos cumulativos - Pagamento das rendas - Compatibilidade da forma processual Sumário 1. O pedido de pagamento das rendas é deduzido

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: P.º n.º R. P. 234/2007DSJ-CT:Contrato de arrendamento comercial incidente sobre parte de prédio urbano, com duração superior a seis anos - Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO Relatório: 1 Em 28 de Setembro

Leia mais

http://www.dgsi.pt/jsta.nsf/35fbbbf22e1bb1e680256f8e003ea931/bbcb934884780032...

http://www.dgsi.pt/jsta.nsf/35fbbbf22e1bb1e680256f8e003ea931/bbcb934884780032... Página 1 de 11 Acórdãos STA Processo: 0803/14 Data do Acordão: 28-01-2015 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FRANCISCO ROTHES Descritores: Sumário: DIREITO DE AUDIÊNCIA PROJECTO CONCLUSÕES RELATÓRIO INSPECÇÃO

Leia mais

A conta no processo executivo. SEMINÁRIO O Novo Paradigma do Processo Civil

A conta no processo executivo. SEMINÁRIO O Novo Paradigma do Processo Civil A conta no processo executivo Breves Nótulas da comunicação SEMINÁRIO O Novo Paradigma do Processo Civil Espinho, 29 de Novembro de 2013 JOEL TIMÓTEO RAMOS PEREIRA Juiz de Direito de Círculo Juiz Secretário

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS

ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS ACÓRDÃO N.º 33 /10 17.DEZ-1ªS/SS RECURSO ORDINÁRIO Nº 02/2010-EMOL (Processo de fiscalização prévia n.º 996/2010) SUMÁRIO 1. O contrato destinado a disponibilizar o sistema de cobrança de portagens e o

Leia mais

União das Freguesias de Gouveia (S. Pedro e S. Julião)

União das Freguesias de Gouveia (S. Pedro e S. Julião) REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE GOUVEIA (S. PEDRO E S. JULIÃO) PREÂMBULO A Lei nº 73/2013, de 3 de Setembro, veio estabelecer o regime financeiro das Autarquias Locais e das

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Comunitária 6

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 2. III Jurisprudência Comunitária 6 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Fevereiro, 2015 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 2 III Jurisprudência Comunitária 6 IV Jurisprudência Nacional 8 V Outros 9 NEWSLETTER FISCAL

Leia mais

Processo n.º 51/2005 Data do acórdão: 2005-05-12

Processo n.º 51/2005 Data do acórdão: 2005-05-12 Processo n.º 51/2005 Data do acórdão: 2005-05-12 (Recurso civil) Assuntos: regra da eficácia relativa do caso julgado art.º 574.º, n.º 1, do Código de Processo Civil de Macau art.º 417.º, n.ºs 1 e 2, do

Leia mais

Execução fiscal Crédito da Caixa Geral de Depósitos Insuficiência da importância arrecadada Pagamento Imputação

Execução fiscal Crédito da Caixa Geral de Depósitos Insuficiência da importância arrecadada Pagamento Imputação DIREITO FISCAL Execução fiscal Crédito da Caixa Geral de Depósitos Insuficiência da importância arrecadada Pagamento Imputação Ac. do S. T. A., de 9-2-2000, rec. n.º 24 491... Imposto sobre o rendimento

Leia mais

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE.

RELATÓRIO. O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto no artigo 155º do Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas CIRE. Procº de insolvência n.º 560/13.6 TBVNG 4º Juízo Cível Insolvente: ELIANE MARGARETE MOREIRA DA ROCHA Tribunal Judicial de Vila Nova de Gaia RELATÓRIO O presente RELATÓRIO é elaborado nos termos do disposto

Leia mais

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Dezembro de 2015 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE GALEGOS Em conformidade com o disposto na alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º, conjugada

Leia mais

Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares.

Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares. Pº R.P.16/2005 DSJ-CT Usufruto Alienação conjunta, gratuita ou onerosa, por nu proprietário e usufrutuário Eficácia real Efeitos tabulares. PARECER Registo a qualificar: Aquisição da fracção autónoma U1

Leia mais

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL ( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL Artigo 1.º 1 - O registo de veículos tem essencialmente por fim dar publicidade à situação jurídica dos veículos a motor

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO:

Tribunal de Contas. ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003. R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 SUMÁRIO: ACÓRDÃO N.º 2/2003 1.ª S/PL de 28 de Janeiro de 2003 R.O. n.º 20/02 Processo n.º 1779/2002 CONTRATO DE ABERTURA DE CRÉDITO / ENCARGO FINANCEIRO / ENDIVIDAMENTO MUNICIPAL / DÉFICE PÚBLICO / MUNICÍPIO /

Leia mais

Processo n.º 100/2014

Processo n.º 100/2014 (Tradução) Processo n.º 100/2014 ACORDAM NO TRIBUNAL DE ÚLTIMA INSTÂNCIA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU I. Preâmbulo CHAO TENG HEI, na qualidade do Presidente do Conselho Executivo da Associação

Leia mais

RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS

RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS RECLAMAÇÃO DE CRÉDITOS Natureza e finalidade do Processo Reclamações de créditos Impugnações de créditos Sentença de verificação e graduação Classes de créditos Artigo 1.º Finalidade do processo de insolvência

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo I-RELATÓRIO

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção de Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo I-RELATÓRIO Acórdãos STA Processo: 0951/12 Data do Acordão: 30-01-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: FERNANDA MAÇÃS Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P15201 Nº do Documento: SA2201301300951 Data de Entrada:

Leia mais

ACÓRDÃO N.º 142/2009-22.Jul.2009-1ª S/SS. (Processo n.º 1513/08)

ACÓRDÃO N.º 142/2009-22.Jul.2009-1ª S/SS. (Processo n.º 1513/08) ACÓRDÃO N.º 142/2009-22.Jul.2009-1ª S/SS (Processo n.º 1513/08) DESCRITORES: Concurso Público / Contratação Pública / Contrato de Locação Financeira / Nulidade / Recusa de Visto / Sociedade de Locação

Leia mais

Processo nº 677/2014. Data: 15 de Janeiro de 2015. ASSUNTO: - Marca - Capacidade distintiva SUMÁ RIO:

Processo nº 677/2014. Data: 15 de Janeiro de 2015. ASSUNTO: - Marca - Capacidade distintiva SUMÁ RIO: Processo nº 677/2014 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 15 de Janeiro de 2015 ASSUNTO: - Marca - Capacidade distintiva SUMÁ RIO: - A marca é um sinal distintivo de produtos e serviços de uma empresa

Leia mais

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009

Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 257/2009 Acórdão de: 04-06-2009 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça N... P..., SA intentou, no dia 13 de Dezembro de 2005, contra AA, acção declarativa de condenação,

Leia mais

Processo n.º 35/2004. (Recurso Civil e Laboral) 29/Abril/2004

Processo n.º 35/2004. (Recurso Civil e Laboral) 29/Abril/2004 Processo n.º 35/2004 (Recurso Civil e Laboral) Data: 29/Abril/2004 ASSUNTOS: - Proposta de empréstimo - Título executivo - Proposta negocial e aceitação - Contrato promessa de hipoteca SUMÁRIO: 1. Não

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii mil mil mu iim um imi uni nu nu *03537614* Vistos, relatados

Leia mais

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5

Fórum Jurídico. Junho 2013 Direito do Trabalho INSTITUTO DO CONHECIMENTO AB. www.abreuadvogados.com 1/5 Junho 2013 Direito do Trabalho A Livraria Almedina e o Instituto do Conhecimento da Abreu Advogados celebraram em 2012 um protocolo de colaboração para as áreas editorial e de formação. Esta cooperação

Leia mais

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril]

Recomendação n.º 8 /B/2004 [art.º 20.º, n.º 1, alínea b), da Lei n.º 9/91, de 9 de Abril] Número: 8/B/2004 Data: 17-06-2004 Entidade visada: Ministra da Justiça Assunto: Código das Custas Judiciais Prazo de validade dos cheques. Decreto n.º 12 487, de 14 de Outubro de 1926 Prazo de reclamação

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Implementação de actos específicos para cumprimento do disposto no artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 de 30 de Março. Proposta de modelos para SISAAE/GPESE e

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0409/11 Data do Acordão: 11-05-2011 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO ISABEL MARQUES DA SILVA RECLAMAÇÃO PRESCRIÇÃO DO

Leia mais

1. Legislação Aplicável

1. Legislação Aplicável VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL NOTA INFORMATIVA REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Fruto da forte pressão social que se foi fazendo junto do Governo e de várias

Leia mais

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA

2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO OPOSIÇÃO À AQUISIÇÃO DA NACIONALIDADE PORTUGUESA PROCESSO CRIME PENDENTE SUSPENSÃO DA INSTÂNCIA Acórdão do Tribunal Central Administrativo Sul Processo: 06722/10 Secção: 2º JUÍZO SECÇÃO DE CONTENCIOSO ADMINISTRATIVO Data do Acordão: Relator: Descritores: Sumário: 14-10-2010 RUI PEREIRA OPOSIÇÃO À

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 057/13 Data do Acordão: 06-02-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: DULCE NETO Descritores: HIPOTECA GARANTIA IDONEIDADE ABANDONO Sumário: Nº Convencional: JSTA000P15256 Nº do Documento:

Leia mais

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial.

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial. VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração. Acordam, em conferência, na Secção Cível do Tribunal Supremo:

Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração. Acordam, em conferência, na Secção Cível do Tribunal Supremo: Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração Sumário: I. A jurisdição de menores reveste as características de jurisdição voluntária, na qual o tribunal não se acha circunscrito à prova apresentada

Leia mais

Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc

Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc Ficha Informativa 3 Março 2015 Ordem dos Advogados Largo São Domingos 14-1º, 1169-060 Lisboa Tel.: 218823550 Fax: 218862403 odc@cg.oa.pt www.oa.pt/odc SERVIÇOS PÚBLICOS ESSENCIAIS Quais são os serviços

Leia mais

ALCIDES ANTÓNIO RELVAS SOARES e ROSA MARIA DA SILVA RAMOS SOARES LISTA A QUE SE REFERE O ART. 129.º CIRE

ALCIDES ANTÓNIO RELVAS SOARES e ROSA MARIA DA SILVA RAMOS SOARES LISTA A QUE SE REFERE O ART. 129.º CIRE MAPA UM - MONTANTE DOS CRÉDITOS RECONHECIDOS, NATUREZA E DISCRIMINAÇÃO VOTAÇÃO ASS. CRED. CREDITOS RECONHECIDOS JUROS VINCENDOS RECL N. REC. 156.º (3) REP NATUREZA MANDATÁRIO (1) CONT (5) CAPITAL JUROS

Leia mais

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março

Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março Não dispensa a consulta do diploma publicado em Diário da República. Decreto-Lei n.º 59/2006, de 20 de Março O Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril, veio regular pela primeira vez, na nossa ordem jurídica,

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A Junta de Freguesia é proprietária de um edifício constituído em propriedade horizontal, onde

Leia mais

AUTO DE PENHORA Portaria n.º 282/2013 de 29 de Agosto

AUTO DE PENHORA Portaria n.º 282/2013 de 29 de Agosto AUTO DE PENHORA Portaria n.º 282/2013 de 29 de Agosto PE/1184/2013 1 Tribunal da execução Setúbal - Tribunal Judicial 4º Juízo Cível 2 Tribunal deprecado ---- 3 Processo n.º 6202/13.2TBSTB Ofício n.º 4

Leia mais

Processo nº 3827/1990 Acórdão de: 28-04-2009

Processo nº 3827/1990 Acórdão de: 28-04-2009 PDF elaborado pela Datajuris Processo nº 3827/1990 Acórdão de: 28-04-2009 Acordam no Supremo Tribunal de Justiça I AA - a que sucedeu AB - intentou, no dia 20 de Dezembro de 1990, acção executiva para

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.409.688 - SP (2013/0336707-5) RELATOR : MINISTRO HERMAN BENJAMIN RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL ADVOGADO : PROCURADORIA-GERAL DA FAZENDA NACIONAL RECORRIDO : EDS ELECTRONIC DATA SYSTEMS

Leia mais

AUTO DE PENHORA Portaria n.º 282/2013 de 29 de Agosto

AUTO DE PENHORA Portaria n.º 282/2013 de 29 de Agosto AUTO DE PENHORA Portaria n.º 282/2013 de 29 de Agosto PE/63/2013 1 Tribunal da execução Lisboa - Sec-Geral de Execuções 3º Juízo - 1ª Secção 2 Tribunal deprecado ---- 3 Processo n.º 25359/12.3YYLSB Ofício

Leia mais

1. O Tribunal não está vinculado à qualificação jurídica que as partes podem dar aos factos submetidos à apreciação jurisdicional.

1. O Tribunal não está vinculado à qualificação jurídica que as partes podem dar aos factos submetidos à apreciação jurisdicional. Processo n.º 257/2004 (Recurso cível) Data: 14/Dezembro/2004 ASSUNTOS: - Qualificação jurídica do contrato - Contrato em regime de draubaque - Insuficiência de factos alegados - Insuficiência de motivação

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho (Não dispensa a consulta do Diário da República) REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho CAPÍTULO I Suporte e processo de registo SECÇÃO I Suportes de registo Artigo 1.º Instrumentos

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização

Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Curso Intensivo sobre Processo Especial de Revitalização Finalidade e Natureza do PER António Raposo Subtil ENQUADRAMENTO ANTECEDENTES Memorando assinado com a Troika; Resolução do Conselho de Ministros

Leia mais

Processo nº 208/2000 Data: 30.05.2002

Processo nº 208/2000 Data: 30.05.2002 Processo nº 208/2000 Data: 30.05.2002 Assuntos : Reclamação de créditos. Título executivo. Contrato de abertura de crédito. Prova do efectivo uso (ou levantamento) do crédito disponibilizado. Despesas

Leia mais

Processo n.º 181/2001 Data do acórdão: 24/1/2002

Processo n.º 181/2001 Data do acórdão: 24/1/2002 Processo n.º 181/2001 Data do acórdão: 24/1/2002 (Recurso Civil) Assuntos: - Promessa de compra e venda de imóvel hipotecado - Execução específica - Ilegitimidade do credor hipotecário na acção - Prevalência

Leia mais

Processo nº 425/2013 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 21 de Novembro de 2013

Processo nº 425/2013 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 21 de Novembro de 2013 Processo nº 425/2013 (Autos de Recurso Civil e Laboral) Data: 21 de Novembro de 2013 ASSUNTO: - Usucapião - Interrupção do prazo pela citação - Cessação da boa-fé - Excesso de condenação. SUMÁ RIO - Com

Leia mais