O Mercado de Diamantes na Bélgica

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Mercado de Diamantes na Bélgica"

Transcrição

1 O Mercado de Diamantes na Bélgica 1

2 2 Sumário 1. Introdução 2. Histórico e dias atuais 2.1. Brasil Histórico 2.2. Brasil Atualidade 3. Abertura de Empresa de Diamante Documentos 4. Procedimento para importação e exportação do diamante 5. Mercado Interno: Pequenas e Médias Empresas - Vantagens e Ameaças 6. Mercado Interno - Grandes Empresas 7. Estatísticas 6.1. Pontos negativos no Brasil 6.2. Antuérpia e o mercado interno 6.3. Antuérpia e o futuro 6.4. Antuérpia pontos conflitantes 6.5. Antuérpia e outros centros do diamante 8. Brasil Pontos Positivos 9. Eventos do setor 10. Conclusão 11. Agradecimentos 12. Bibliografia 13. Anexos

3 3 1 - Introdução O objetivo deste trabalho de pesquisa é facilitar o entendimento e informar os interessados sobre o universo fascinante dos diamantes, desde o processo de abertura de empresa ao seu funcionamento e gerenciamento. Elaborei um roteiro com início na história do diamante, de Antuérpia ao Brasil, abordando processo e documentos exigidos pelo mercado belga, análises do mercado e estatísticas. Incluí bibliografia e anexos de interesse dos diamantários. (*) (*) diamantário (Regionalismo: Centro-Oeste do Brasil) o que negocia com diamantes; diamantista. Tenho, pois, a convicção de que esta Pesquisa de Mercado terá, afinal, cumprido a função de balizar o conhecimento e apontar as perspectivas do mercado, considerando os títulos e diplomas que possuo: Classificador de Diamantes (Diploma do Centro Mundial do Diamante em Antuérpia), membro do Clube dos Graduados, (diplomado pelo Instituto do Adorno e da Bijuteria da Bélgica) como lapidador de pedras preciosas, Consultor, por mais de 10 anos no segmento do diamante, somados à minha experiência pessoal. 2 - Histórico A primeira rota do diamante começou a ser desenhada pelos europeus no século XVI. No século XVIII, os diamantes da India chegaram à Europa. Veneza foi a principal rota e Bruges, cidade belga, tornou-se importante centro comercial de especiarias, tecidos, vinho, couro, bem como de lapidação de diamantes. No início do século XV, com o assoreamento do canal marítimo que dava acesso a Bruges, o comércio e a lapidação de diamantes tornaram-se decadentes e Antuérpia, que possuia uma melhor rede de canais para entrada e saída de embarcações, despontou como centro diamantino mundial, posição que mantém até hoje. A partir do século XVI, o crescimento econômico e social de Antuérpia tornaram-na um dos principais centros de comércio da Europa, detendo 40% do comércio mundial, onde destacava-se o mercado de diamantes. Técnicas arrojadas de lapidação foram criadas e desenvolvidas. A título de ilustração, registre-se que o Rei da França, François I confiava seus diamantes aos lapidadores de Antuérpia e os reis Philippe II, da Espanha, e Charles I, da Inglaterra, compravam diamantes em Antuérpia. A separação dos países baixos no século XVII, a dependência do diamante bruto procedente de Amsterdã (grande parte originária do Brasil), a descoberta de grandes minas de diamantes na África do Sul, no século XVIII, o excesso de oferta no mercado não alteraram a exuberância da Antuérpia no mercado de diamantes no século XIX.

4 4 No intervalo entre as duas guerras mundiais, uma reorganização do sistema fiscal provocou o declínio econômico e comercial em Amsterdã. Levas de diamantários deixaram Amsterdã para se estabeleceram em Antuérpia, onde a pressão fiscal era mais amena, o que resultou no aumento da demanda por pedras lapidadas, nos anos que precederam a segunda grande guerra. No século XX a Antuérpia destaca-se internacionalmente no mercado de diamantes, intermediando 50% das vendas para joalherias e respondendo por 80% do comércio mundial de diamante bruto. Sedia quatro das vinte e quatro bolsas de diamantes existentes no mundo e a única bolsa especializada em diamante bruto. As bolsas regulam os negócios, fornecem os serviços, protegem as normas e garantem os interesses profissionais de seus membros. O Conselho Superior do Diamante (CSD), representante oficial e porta voz do comércio e da indústria de diamantes em Antuérpia, abriga o Escritório do Diamante, escritório de aduana oficial para as importações e exportações de diamantes. O Conselho Superior do Diamante é o órgão que garante a autenticidade da pedra ao confirmar tratar-se de um diamante natural. Não tem fins lucrativos e encarrega-se da promoção internacional de Antuérpia, em cooperação com o Ministério das Finanças e com o Ministério da Economia. O laboratório do Conselho foi o primeiro do mundo a ser reconhecido oficialmente, de acordo com as normas EN 45001, ISO/IEC Guia 25, para exame de qualidade dos diamantes lapidados, Certificado Beltest n) 047. Atualmente, o mercado de diamantes movimenta 29 bilhões de euros por ano, 70% dos diamantes do mundo, e responde por 8% do conjunto das exportações belgas. A busca do produto perfeito, o desenvolvimento de técnicas de corte e de lapidação das pedras e as atividades indiretas ocupam 30 mil famílias na distribuição, produção, financiamento, comércio em escala mundial, serviços complementares de informação, habitação, escritórios de correios, instalações aduaneiras, agentes maritimos, bancos especializados, laboratórios de avaliação, agentes de viagem, serviços públicos, cofres fortes, etc Brasil Histórico No Brasil, o diamante foi descoberto oficialmente em A partir de 1728, jazidas e grandes diamantes foram descobertos em Diamantina, Minas Gerais. A mineração de diamantes desenvolveu-se paralelamente à mineração do ouro, submetendo a região a uma rigorosa disciplina e fiscalização por parte da metrópole portuguesa. A exploração de diamantes na Chapada Diamantina (Bahia), iniciada em 1839 nas cidades de Lençóis, Andaraí, Mucugê e Palmeiras, provocou um afluxo populacional vindo de outros estados. Os comerciantes da região enriqueceram e levaram para a cidade de Lençóis móveis, porcelanas, tecidos, objetos e utensílios de luxo, até então só encontrados na capital, Salvador.

5 5 MAPA Bahia Serra do Sincorá Entre os séculos XVIII e XIX, a produção de diamantes foi estimada em 13 milhões de quilates. A maior parte era constituída por diamantes qualificados como gemas (alto padrão de excelência em qualidade, usados em joalheria). Pequena parte era utilizada para fins industriais. Acredita-se que, dos 13 milhões de quilates, 5,5 milhões tenham sido extraídos de Diamantina, 1,5 extraídos de outras regiões mineiras e 3,5 milhões da Bahia. Os restantes 2,5 milhões de diamantes teriam sido roubados ou contrabandeados.

6 6 Mapa da Localização Esquemática dos Depósitos Diamantíferos no Brasil Brasil Atualidade O Brasil supriu o mercado mundial de diamantes durante 150 anos, até a descoberta de diamantes na África do Sul, em 1866, cuja produção superou a brasileira.

7 7 Segundo pesquisa de 2011 do Departamento Nacional de Pesquisa Mineral - DNPM - no ano de 2010 a produção mundial de diamantes foi da ordem de 133Mct (milhões de quilates) e a reserva mundial foi avaliada 589Mct. Tabela 1 - Reserva e Produção Mundial Tabela 1 Reserva e Reserva (106 ct) Produção (106 ct) Produção Mundial Discriminação Países 2009(1) 2009(2) 2010(3) (%) Brasil (4) 9, , ,00 0,02 Federação Russa , ,00 26,18 Botsuana , ,00 16,54 República , ,14 15,15 Democrática do Congo África do Sul , ,82 10,27 Canadá nd , ,00 8,87 Austrália , ,50 7,49 Outros países , ,39 15,48 TOTAL 589, , ,85 100,00 Conforme pesquisas do DNPM, em 2010, o Brasil produziu ct de diamantes: 15,9% a mais em relação a O consumo interno foi de ct de diamantes, embora o Brasil não tenha uma cultura de lapidação de diamantes, considerando, ainda, que parte da produção foi estocada para aguardar melhores preços. Consumo Interno - Tabela - Principais Estatísticas Brasil Tabela 2 Unidade Principais Estatísticas, Brasil Discriminação Produção Bruta (ct) , , ,05 Importação Diamantes (ct) não selecionados, não montados (NCM ) (US$-FOB) Diamantes industriais, em bruto ou serrados (NCM (ct) , , ,50

8 ) (US$-FOB) , , ,19 Diamantes não (ct) 483,05 363,84 315,87 industriais, em bruto/serrados (NCM ) (US$-FOB) , , ,60 Exportação Diamantes (ct) , , ,71 não selecionados, não montados (NCM ) (US$-FOB) , , ,96 Diamantes (ct) 0 4,92 0 industriais, em bruto ou serrados (NCM ) (US$-FOB) 0 250,00 0 Diamantes não (ct) 57,40 186,37 957,78 industriais, em bruto/serrados (NCM ) (US$-FOB) , , ,06 Consumo Diamante (ct) (90.737,29) (1.209,57) ,93 Aparente bruto Preço Exportação Diamantes não selecionados, não montados (NCM ) (US$/ct) 85,31 42,20 73,70 (US$/ct) 0 50,81 0 Diamantes industriais, em bruto ou serrados (NCM

9 ) Diamantes não industriais, em bruto/serrados (NCM ) (US$/ct) 4.407, , ,94 Em 2003, foi instituído no Brasil, pela Lei , o Sistema de Certificação do Processo de Kimberley - SCPK, que é um mecanismo internacional de certificação de origem de diamantes brutos destinados à exportação e importação. O Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), a Secretaria da Receita Federal (SRF) e a Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), em conjunto, são responsáveis pelo SCPK no Brasil. Modelo:

10 10 3 Abertura de empresa: Documentos A abertura de uma empresa de diamante é regulada pela legislação aplicável à abertura de qualquer outra empresa, exceto o primeiro passo: a consulta ao Conselho Superior do Diamante (CSD), que é o representante oficial do comércio e da indústria de diamantes na Antuérpia A fundação de uma nova empresa deve ser registrada por notário e, antes da assinatura do ato, é necessário que o empreendedor apresente um atestado bancário provando o capital inicial no valor de ,00 euros, o mínimo para uma Sociedade Limitada. Uma Sociedade Anônima exige capital inicial de ,00 euros. A soma será definida em estatuto para uma Associação em Participação. Tanto a empresa de Sociedade Limitada quanto a Sociedade Anônima devem redigir e apresentar um plano financeiro para justificar o ingresso de capital inicial. Redigido o ato, o estatuto da empresa será publicado no Diário Oficial belga A inscrição no Registro de Comércio é feita na Secretaria do Tribunal de Comércio do distrito onde se encontra a empresa. Para tanto, o empreendedor deve preencher um formulário modelo, ser obtido no Tribunal do Comércio ou na Câmara de Comércio. A inscrição do registro de comércio se faz simultâneamente com o depósito para publicação do ato de fundação Publicação do regime matrimonial: A publicação do regime matrimonial é feita pela Secretaria do Tribunal de Comércio do local onde se encontra a empresa Abertura de conta bancária: Para obter uma inscrição no registro de comércio, a empresa deve ter uma conta corrente em um banco Obrigações da Taxa sobre Valor Agregado (TVA): Antes de iniciar uma atividade empresarial, o empreendedor deve adquirir, junto ao órgão de controle, o número de TVA (taxa sobre o valor agregado), na localidade onde se encontra a empresa, por meio de formulário específico Declaração e pagamento da TVA: conforme o volume de negócios da empresa Obrigações do estatuto social: No prazo de 90 dias, contados a partir do início das atividades profissionais, o empreendedor deve filiar-se a um Fundo de Segurança Social, e pagar, a cada trimestre, suas contribuições sociais Obrigações contábeis: A lei de 17 de julho de 1975, que trata da contabilidade, obriga a empresa a manter em dia sua escrituração contábil, de acordo com o gênero, amplitude e tamanho.

11 Obrigações específicas para empresas de diamantes: 3.9 A inscrição junto ao Serviço de Licenças da Administração das Relações Econômicas, junto ao Serviço de Licenças (Departamento do Ministério dos Negócios Econômicos) é obrigatória para todas as empresas de diamantes Os independentes. São os seguintes os documentos exigidos para obtenção do registro como diamantário: - As pessoas de nacionalidade belga devem ter carta de identidade. - As pessoas de nacionalidade estrangeira (cidadãos da UE) devem apresentar passaporte e prova de domicílio na Bélgica. - Os estrangeiros (cidadãos de países que não são da UE) devem apresentar passaporte, a prova de domicílio na Bélgica e Carta Profissional (permissão de trabalho). - As pessoas, comerciantes de diamantes na Bélgica domiciliadas em país da UE podem ser registradas como diamantárias reconhecidas (estatuto legal). Comerciantes não originários da Bélgica devem ter um procurador de nacionalidade belga, domiciliado na Bélgica, para representá-lo junto à Administração de Inspeção Econômica Documentos necessários para o registro no Órgão de Relações Econômicas: Associado de nacionalidade belga: - Extrato do Diário Oficial belga em que foi publicada a fundação da empresa. - Documento de identidade belga de asssociado. Associado estrangeiro (cidadão de país da C.E.): - Extrato do Diário Oficial belga em que foi publicada a fundação da empresa. - Passaporte de associado. - Prova ou certificado de domicílio na Bélgica. Associado estrangeiro (cidadão de outro país europeu, não C.E.) Extrato do Diário Oficial belga em que foi publicada a fundação da empresa. - Passaporte - Prova ou certificado de domicilio na Bélgica - Permissão de trabalho (ver ponto 3) A empresa será reconhecida quando seu gerente for regularmente domiciliado em país da UE., o que deve constar do ato da fundação da empresa, para controle da Administração da Inspeção Econômica. O comerciante de diamantes (pessoa física ou jurídica) ao registrar-se na Administração da Inspeção Econômica, obterá uma declaração para o Registro do Comércio. Feito o registro, cópia (com o número da TVA) será enviada para a Administração da Inspeção Econômica Declaração Anual do Estoque Anualmente, até 31 de janeiro, a empresa deverá apresentar ao Serviço de Licenças da Administração da Inspeção Econômica declaração de seu estoque (situação em 31 de dezembro). O Serviço de Licença do Ofício do Diamante disponibiliza formulário próprio para tal fim Isenção da TVA. Para importar e para comprar no mercado belga uma empresa de diamantes poderá ser beneficiada com isenção da TVA, se preencher as condições

12 12 estipuadas na legislação. Declaração nesse sentido deverá ser apresentada ao Escritório do Diamante Inscrição no Escritório do Diamante. A empresa que desejar importar ou exportar diamantes deverá estar inscrita no Escritório do Diamante. A inscrição será efetuada no Conselho Superior do Diamante, mediante a apresentação dos seguintes documentos: - ato de fundação ou extrato do Diário Oficial belga; - número da Taxa sobre o Valor Agregado ou atestado de suspensão, fornecido pela Administração da Taxa do Valor Agregado; - inscrição do Registro de Comércio; - prova do regime da Taxa sobre o Valor Agregado aplicável à empresa: a. prova de transferência da Taxa sobre o Valor Agregado b. prova de isenção parcial da TVA. c. prova da isenção total da TVA (ver 2.3.) Estrangeiros Estrangeiro residente em país da União Européia que desejar fundar uma empresa na Bélgica deve atender às obrigações acima mencionadas. Estrangeiro residente em outro país europeu deve possuir uma permissão de trabalho. Estrangeiro domiciliado na Bélgica deve solicitar a permissão de trabalho ao Ministério das Pequenas Empresas. Estrangeiro não domiciliado na Bélgica pode obter a permissão de trabalho no mais próximo Consulado ou Embaixada da Bélgica Obrigações a cargo do empregado A contratação de empregado obedece a obrigações estabelecidas em lei. O empregador responde pelo não cumprimento de seus deveres ao Escritório do Diamante Administração. A empresa deve apresentar os seguintes documentos: - registro de todos os empregados - conta individual do empregado - contrato de trabalho Filiação a outros organismos Ao contratar empregados, a empresa deve ser afiliada aos seguintes organismos: - Ofício Nacional da Segurança Social; - Fundo de Alocação Familiar, de livre escolha do empregador, no prazo de 60 dias, após o que será automaticamente afiliada ao Ofício Nacional das Alocações Familiares para os Empregados. - Fundo de Férias

13 13 - Serviço Médico - Fundo para Acidentes de Trabalho - Caixa Geral de Poupança e Aposentadoria 4 - Procedimentos para a importação e exportação do diamante Escritório do Diamante O Escritório do Diamante é o escritório de aduana oficial para as importações e exportações de diamantes e comporta três Departamentos: - Departamento de Importação - Departamento de Exportação - Departamento de Perícia Importação e exportação de diamantes Apenas empresas belgas e luxemburguesas fazem parte do Escritório de Diamante e podem importar ou exportar diamantes na Bélgica. Um estrangeiro ou uma empresa estrangeira poderá fazê-lo somente através de uma empresa belga registrada no Escritório de Diamante Taxa sobre Valor Agregado - Direitos de Importação Custos Exportação: na Bélgica a exportação é isenta de taxas. Importação: desde 1º de janeiro de 1999, o importador deve pagar 21% da T.V.A., calculada sobre o "Valor Aduaneiro" ou seja, o montante sobre a fatura ( frete e custos incluídos ), convertidos em euros (a taxa de câmbio fixada pelo Ministério das Finanças). Desde 1º de janeiro de 1993, a administração da T.V.A. exerce um duplo controle sobre os diamantes. Deve constar da fatura o número da T.V.A. do importador e do exportador Licenças Para importar diamantes de países fora da UE., é preciso uma licença. O Escritório do Diamante disponibiliza licenças de importação globais, que podem ser utilizadas todos os empresários de diamantes belgas registrados. Em certos casos, como por exemplo a Rússia, a empresa belga deve solicitar licença específica ao Ministério dos Negócios Econômicos, à Administração das Relações Econômicas e ao Serviço de Licenças. Para exportar diamantes para países fora da UE é necessária uma licença. O Escritório do Diamante dispõe de licenças globais. O comércio entre os países da UE não exige licença: basta uma declaração.

14 Declaração de Estoque Cada empresa de diamante tem a obrigação de apresentar anualmente uma declaração de estoque e de enviar esta declaração ao Ministério dos Negócios Econômicos, Administração das Relações Econômicas, e Serviço de Licenças Carnet A.T.A. O Carnet A.T.A. (Admissão Temporária) é um documento aduaneiro emitido pela Câmara de Comércio, no qual são declaradas as mercadorias que serão exportadas temporariamente (amostras para exposições, etc.). As mercadorias que são importadas ou exportadas aos países onde as autoridades reconhecem o Carnet A.T.A. são isentos de todas as taxas. Na Bélgica o Carnet A.T.A. é reconhecido oficialmente, o que permite aos empresários belgas de diamantes viajar com suas mercadorias por países de fora da UE sem pagar taxas. Os estrangeiros, empresários de diamantes, podem importar temporariamente diamante na Bélgica utilizando o Carnet A.T.A., sem pagar taxas. Deve, entretanto, apresentar-se com sua mercadoria ao Escritório do Diamante, onde a importação será registrada no nome de um comerciante belga Procedimentos para a Importação Generalidades Escritório do Diamante Contato Conselho Superior do Diamante Hoveniersstraat Antuérpia +32 (0) O empresário belga é avisado quando a mercadoria chega ao Escritório do Diamante, onde deve comparecer e apresentar uma fatura contendo as seguintes informações: - nome do expedidor e endereço; - nome do destinatário e endereço; - descrição das mercadorias (quantidade, preço unitário, montante). Na Bélgica, são três as formas de importar diamantes: - por uma empresa de transporte ou de envio de mensagens e documentos; - por transporte pessoal; - por Correio Empresa de Transporte A maior parte das remessas chega ao Aeroporto Nacional de Zaventem ou Aeroporto de Deurne, em Antuérpia. O empresário do diamante - importador belga -

15 15 dá ordem a um transportador belga especializado na declaração e no transporte de diamantes. Em seguida, a mercadoria é selada e segue para o Escritório do Diamante, onde é armazenada em cofre forte, sob a responsabilidade da aduana, até que o empresario venha buscá-la. Notificado da chegada da remessa pelo Escritório do Diamante ou pelo transportador, o empresário belga apresenta a fatura da compra e providencia a expedição dos documentos necessários à liberação Transporte Pessoal Um empresário do diamante, estrangeiro ou belga, que importe suas mercadorias pessoalmente na Bélgica, deve declará-las à aduana, se estiver em território da UE, chegando de avião, de automóvel ou por trem. No primeiro caso, o empresário diamantário deve deixar as mercadorias na aduana no Aeroporto, onde receberá um recibo. As mercadorias podem ser transportadas ao Escritório do Diamante de duas maneiras: o empresário diamantário pode buscá-la ia, munido de documento de trânsito (documento aduaneiro), de garantia bancária, e de procuração do Escritório do Diamante. O empresário diamantário entrega o seu recibo e a fatura a uma empresa de transporte especializada, que se encarrega do documento de trânsito e fornece uma garantia para o Imposto sobre o Valor Agregado (T.V.A.). O empresário diamantário, que entra num país da União Européia de automóvel, necessita de um documento de trânsito e de uma garantia bancária para transportar a mercadoria até o Escritório do Diamante. Nota : Não existe formalidade aduaneira na fronteira, no caso do comércio entre dois países da UE. O diamantário belga deve comparecer ao Escritório do Diamante para registrar suas mercadorias Envio pelo Correio Os diamantes destinados a países estrangeiros pelo Correio devem ser enviados ao Escritório do Diamante. Ao chegar, o diamantário é avisado, apresenta sua fatura ao Escritório do Diamante, onde declara e registra a mercadoria Procedimentos para a exportação Generalidades Para exportar mercadoria, o diamantário belga deve dirigir-se ao Escritório do Diamante e apresentar os seguintes documentos: três cópias da fatura, um formulário de declaração estatística ou um formulário de demanda de licença, un documento da aduana e documentos de transporte suplementares, se as mercadorias são enviadas pelo Correios ou por intermédio de uma empresa de transporte. O diamantário vai para a Câmara de Especialistas (experts) com os documentos e a mercadoria. U perito juramentado realiza o envio, sob a supervisão de um funcionário do Ministério dos Negócios Econômicos. Em seguida o documento aduaneiro é validado e o envio é selado.

16 16 Em casos especiais, quando não possui a licença global, o diamantário deve apresentar uma licença própria à aduana, sem a qual o documento aduaneiro não será válido. O diamantário pode exportar sua mercadoria por transporte pessoal, pelos Correios ou por uma empresa de transporte. Nota: Desde de 1 de janeiro de 1993, não é necessário obter o documento da aduana para as mercadorias que são enviadas a um outro país da UE. Não há controle aduaneiro na fronteita entre dois países da UE. O diamantário que deixa a UE de automóvel ou de trem deve dispor de uma garantia bancária e apresentá- la à aduana no Escritório do Diamante e à aduana na fronteira Envio Postal Um diamantário, que pretenda enviar sua mercadoria pelos Correios, deve deixá-las no departamento de exportação, onde serão colocadas dentro de um cofre forte especial. Várias vezes por dia, estes envios são encaminhados ao Escritório do Diamante e enviados ao exterior Empresas de Transporte Quando o documento aduaneiro de exportação é válido, o diamantário recebe uma cópia. O diamantário encaminha sua mercadoria e os documentos necessários para o Escritório do Diamante. Durante o dia, diversas empresas de transporte especializadas recebem mercadorias para transportar. 5 Mercado Interno: Pequenas e Médias Empresas Vantagens A cidade de Antuérpia construiu e solidificou, ao longo de 500 anos, a cadeia do diamante. A espinha dorsal dessa estrutura é a intrincada rede de pequenas e médias empresas, a maioria de origem familiar. As pequenas e médias empresas respondem por uma enorme faixa do mercado que atende ao consumidor direto, recebendo-o em suas lojas, oferecendo-lhe o produto (diamante). Essas pequenas e médias empresas possuem o conhecimento exato para oferecer o diamante nos moldes e tamanhos procurados pelo consumidor porque possuem o know-how necessário para escolher, analisar o diamante bruto, lapidar e vender. As pequenas e médias empresas constituem a base da indústria do diamante pois compram a parte excedente das grandes empresas, vendendo entre si as pedras ou procurando o consumidor final. Durante a crise financeira de 2008, as pequenas e médias empresas mantiveram estável a indústria do diamante.

17 17 Ameaças A ameaça vivida pelas pequenas e médias empresas diz respeito às margens de lucro, cada vez menores desde a globalização, às altas taxas de juros, ao crédito de que necessitam para financiar a compra dos lotes de diamantes, cujo pagamento é exigido no ato. Essas empresas necessitam de recursos durante a fase de lapidação e montagem das peças, quando ainda não receberam o pagamento devido pelo consumidor final. A pressão que as pequenas e médias empresas sofrem atualmente gera tensão social pois a indústria e o comércio do diamante empregam 30 mil famílias. 6 - Mercado Interno - Grandes Empresas As grandes empresas do diamante como como De Beers, Rosy Blue, Eurostar, Diampex, Genesis, Eurotrends, Sushang Exports e outras, atuam de forma globalizada em conjunto com as grandes empresas de exploração de minas que, por representarem a grande fatia do mercado, suas decisões de compra e investimento afetam todo o comércio do diamante. Os diamantes brutos são analisados em Londres e Johannesburgo por um grupo seleto de negociantes das cidades de Antuérpia, Mumbai, Tel Aviv e Nova York. O processo de triagem de 2/3 dos diamantes brutos do mundo é feito pela Diamond Trading Company (DTC), que atua em várias partes do mundo, classificando as pedras por cor, forma, talhe e pureza. Entre as grandes empresas do diamante a concorrência é acirrada e, diante da crise mundial, foram oferecidas facilidades nas compras que geraram importantes problemas de pagamento para parte significativa da cadeia. A Organização Central de Vendas realiza compras de diamantes destinados somente às grandes empresas que atendem ao patamar exigido de 2 milões de dólares Pontos negativos do setor no Brasil O principal ponto negativo é a existência do mercado negro que detém grande parte do mercado de diamantes no Brasil e 50% do mercado mundial. O certificado de Kimberley, que bane do mercado os diamante provenientes de áreas de conflito, e o Certificado de Autenticidade, que proibe o comércio de pedras sintéticas e de imitação, não inibiram essas práticas, incrementadas no Brasil pelo venda sem nota fiscal. A informalidade é habitual nos locais de compra e venda de lotes de diamantes. No Brasil as empresas que exploram as concessões de diamantes e os escritórios de compra, conhecem perfeitamente o valor do diamante bruto. Já o preço aumenta na extensa rede de intermediários. O garimpeiro é obrigado a vender a pedra a

18 18 um coletor. O coletor, que pode ser independente ou estar vinculado a um escritório de compra, pode vender a pedra a outro coletor ou a um escritório de venda: de uma forma ou de outra, o preço aumenta. Para ingressar no mercado de diamante do Brasil, a melhor forma é abrir um escritório de compra ou associar-se a pequenos exploradores locais de diamantes, modernizando seus equipamentos e materiais, em troca de parte do que for apurado. Em estágio mais elevado, caso haja capacidade financeira, é possível estabelecer uma parceria com o Ministério das Minas e Energia, adquirindo uma concessão de diamante. Um obstáculo local ao comércio de diamantes é a cultura empresarial brasileira voltada para o curtíssimo prazo. Exige-se do comprador estrangeiro, além das despesas de viagem e hospedagem, despesas com o deslocamento de profissionais do ramo, contatos telefônicos com intermediadores, facilitadores distantes e intérpretes. Esta mesma cultura empresarial voltada para o imediato, impede a constituição de parcerias estratégicas duradouras e o cumprimento de prazos e compromissos futuros. Não raro, tudo o que foi previamente acordado no dia anterior, tem, no dia seguinte, outra conotação e significado. Um acordo entre as partes acerca de um lote de diamantes com uma determinada característica em quilates, cor, forma e pureza, será totalmente alterado. 6.2 Antuérpia e o mercado interno Em Antuérpia, a comercialização do diamante é feita pela Diamond Trading Company (D.T.C.), que é o braço de distribuição do De Beers, um conglomerado de empresas envolvido na mineração e comércio de diamantes, que além de comercializá-los em estado bruto, cria deslumbrantes joias lapidadas com essas preciosas pedras. A cadeia do comércio do diamante abrange desde a comercialização do diamante bruto aos fabricantes, aos vendedores por atacado, aos joalheiros do varejo até o consumidor final. Ainda quanto à comercialização, poucas empresas trabalham com o diamante brasileiro porque acredita-se não ser possível prever o resultado final. Após o corte, o diamante pode apresentar grande diferença entre a cor do diamante bruto e a cor do produto final, o que acarreta perdas significativas. A melhor forma de celebrar um contrato de compra é por intermédio de pessoa que mantém contatato com o país e que indica empresas para comercializar com o Brasil. Uma forma menos segura é o contato feito através de bancos que possuem linha direta com escritórios de diamantes. Para trazer diamante do Brasil é necessário contato com empresa de diamante belga regularmente inscrita. As bolsas de diamantes da Antuérpia possuem licença para importar sem a taxa sobre o valor agregado. A fatura pro forma de consignação é necessária até a emissão da fatura de venda. Se quiser viajar com o diamante, o vendedor do Brasil deve apresentá-lo à aduana antes do controle aduaneiro de bagagens, para evitar a suspeição de fraude.

19 19 O vendedor do Brasil pode enviar o diamante por empresa especializada, como Brinks ou G4S. Neste caso, o importador tratará das formalidades relativas a importação, aduana, seguro, etc. O vendedor receberá um documento e o diamante será encaminhado ao Escritório do Diamante que fará contato com o vendedor, no prazo de 24 horas. O documento recebido no aeroporto será enviado ao importador para habilitálo a receber o lote de diamantes na aduana de Antuérpia, e assumir total responsabilidade sobre o mesmo. Em caso de litígio, o empresário brasileiro poderá apresentar queixa a uma das bolsas de diamante, habilitada para solucionar o conflito. Existem quatro tipos de empresas: - a que compra e vende diamante bruto em grandes quantidades e tem contato com o Brasil; - a que compra diamante bruto (apenas o diamante ordenado na sua categoria de produçaõ) para fabricação; - a que compra e vende diamate lapidado; - a de corretores ou comissionados que não compram, mas organizam triagens e vendas de diamantes. O empresário brasileiro pode fazer a lapidação do seu diamante em Antuérpia. A tarifa depende do tipo, do tamanho e da dificuldade no trato do diamante. Em geral cobra-se de 100 a 200 euros por quilate. No entanto, somente o diamante bruto, a partir de 3 quilates (3crt +), deve ser lapidado tendo em vista que é mais fácil vender um lote de diamante bruto. Ao trabalhar com o diamantário belga, o empresário brasileiro deve dar preferência ao diamantário membro de uma das quatro bolsas de diamantes de Antuérpia É mportante tornar-se membro de uma das Bolsas de diamante. O Clube do Diamante conta com 800 membros. Para ser membro é necessário ter o apadrinhamento de dois diamantários, e apresentar os documentos exigidos. Em seguida há uma audiência com os comissários da semana na qual deve ser informado o motivo do desejo de ser membro, a origem do candidato, a existência ou não de interesse em alugar imóvel para funcionar como escritório, a presença de familiar ou amigo do candidato no segmento do diamante, a contratação de seguro contra roubo e perda. Analisado o dossiê, caso o candidato seja aceito, sua foto será fixada durante um mês na entrada da Bolsa do Diamante, para que todos os membros tomem conhecimento e para que possam fazer suas apreciações. Se o candidato for aceito em uma das Bolsas, será aceito automaticamente em todas. O diamante representa 8,25% das exportações belgas e 10% das exportações da região de Flandres. A Antuérpia é o núcleo aglutinador, onde 34 mil pessoas trabalham em 1850 empresas do setor.

20 Antuérpia e o futuro A Antuérpia é e continuará sendo o centro de referência mundial do diamante. Em Antuérpia, o processo de transformação do setor do diamante começou há mais de 10 anos. As empresas atuais são completamente diferentes das empresas do ano Investiu-se pesadamente em qualidade, em tecnologia, nas técnicas de corte e ótica. A mão de obra especilizada de Antuérpia garante o conhecimento renovado para o futuro. O Antwerp Diamond Masterplan 2020, lançado em 2012, é um plano estratégico de oito anos que inclui educação, criação de emprego e integração da comunidade. O objetivo é criar oportunidades de crescimento, de inovação e de transformação dos 550 anos do comércio de diamantes da Antuérpia em um vibrante setor em expansão. O "Antwerp Diamond Masterplan 2020, que tem o apoio da Governadora da Província de Antuérpia, a Sra. Cathy Berx, contém as seguintes metas: A Antuérpia crescer como um Hub Diamond Trading A Antuérpia tornar-se um Centro de Conhecimento do diamante Educação e Transparência Integração Comunitária e Experiência Criação de Emprego Antuérpia - Pontos conflitantes Comunidade indiana Os conflitos, que surgiram em consequência de ações policiais no bairro dos empresários do diamante para apurar fraudes fiscais na empresa de expedição Moterrey-Ferrari e culminou com a apreensão de estoques de diamantes, alastrou-se por toda a comunidade de diamantários de origem indiana, que detém 60% do mercado local de diamantes e realiza negócios da ordem de 18 bilhões de euros na cidade de Antuérpia, além de ser maioria dentre os membos do Conselho de Gestão do Centro Mundial do Diamante. Zona de Livre Comércio A criação de uma Zona de Livre Comércio em Antuérpia é pretensão dos empresários flamengos, judeus, armênios e libaneses, para incrementar o comércio de jóias e diamantes no atacado e para concorrer em igualdade com Mumbai que, recentemente, suprimiu as taxas de importação Antuérpia e outros Centros do Diamante (Botswana, Dubai, Hong kong, Mumbai e Shangai) A cidade de Antuérpia continua sendo o centro do diamante, apesar dos concorrentes, como Mumbai, Hong-Kong e Tel-Aviv.

O Setor em Grandes Números. Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo

O Setor em Grandes Números. Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo O Setor em Grandes Números Situação Atual e Perspectivas do Mercado Interno e Externo I - CADEIA PRODUTIVA NÚMERO ESTIMADO DE EMPRESAS EM 2012 Lapidação / Obras de pedras 350 INDÚSTRIA Joalheria ouro e

Leia mais

Boletim Informativo Diamantes

Boletim Informativo Diamantes Boletim Informativo 01 A Rio Tinto é um importante produtor de diamantes e o maior produtor mundial de diamantes de coloração natural. A companhia participa do negócio de diamantes desde 1979 e hoje opera

Leia mais

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS

SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DO ESPÍRITO SANTO SISCOMEX, DOCUMENTOS e FORMAS DE PAGAMENTOS Prof.: Leonardo Ribeiro 1 Siscomex O Sistema Integrado de Comércio Exterior - SISCOMEX, é um instrumento

Leia mais

Cartilha de Câmbio. Envio e recebimento de pequenos valores

Cartilha de Câmbio. Envio e recebimento de pequenos valores 2009 Cartilha de Câmbio Envio e recebimento de pequenos valores Apresentação O Banco Central do Brasil criou esta cartilha para orientar e esclarecer você, que precisa negociar moeda estrangeira, sobre

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

CARTA-CIRCULAR N 3121

CARTA-CIRCULAR N 3121 CARTA-CIRCULAR N 3121 Altera o Regulamento sobre Contrato de Câmbio e Classificação de Operações do Mercado de Câmbio de Taxas Livres. Levamos ao conhecimento dos interessados que, com base no art. 4 da

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais

Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Introdução Sistematização das exportações e pagamentos internacionais Fundamentos de Comércio Exterior Prof. Marco A. Arbex As exportações geram entrada de divisas para o país exportador e saída de divisas

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

PALAVRAS-CHAVES: Exportação, sistemática, incentivos, comércio exterior.

PALAVRAS-CHAVES: Exportação, sistemática, incentivos, comércio exterior. V I I S E M E A D E S T U D O D E C A S O C O M É R C I O E X T E R I O R AS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS E PERSPECTIVAS DOS EXPORTADORES DE PÉROLAS NATURAIS OU CULTIVADAS; PEDRAS PRECIOSAS OU SEMIPRECIOSAS

Leia mais

CREBi TradeShow Report. VicenzaOro First. Macau Jewellery and Watch Fair

CREBi TradeShow Report. VicenzaOro First. Macau Jewellery and Watch Fair VicenzaOro First Macau Jewellery and Watch Fair Enquanto no hemisfério sul, janeiro é um mês morno para os negócios e de férias, no hemisfério norte, as atividades de negócios ocorrem com maior vigor.

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Perguntas Frequentes - COPE Perguntas Frequentes - COPE Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) Departamento de Estatística Banco de Portugal +351 707 201 409 ddebp.reporte@bportugal.pt Versão Maio de 2013 Comunicação de Operações

Leia mais

f) especificação da finalidade do pedido ( Licença, Certificado de Vistoria ou Cancelamento);

f) especificação da finalidade do pedido ( Licença, Certificado de Vistoria ou Cancelamento); São Paulo, 118 (122) Diário Oficial Poder Executivo - Seção I quinta-feira 3 de julho de 2008 DEPARTAMENTO DE IDENTIFICAÇÃO E REGISTROS DIVERSOS DIVISÃO DE PRODUTOS CONTROLADOS Portaria DPC - 3, de 2-7-2008

Leia mais

Escrituração Fiscal Digital (EFD) Regras Gerais. 1. Introdução. 2. Definição

Escrituração Fiscal Digital (EFD) Regras Gerais. 1. Introdução. 2. Definição SUMÁRIO 1. Introdução 2. Definição 3. Contribuintes Obrigados à EFD 3.1. Contribuintes optantes pelo SIMPLES Nacional ou Microempreendedor Individual (MEI) 4. Livros Fiscais 5. Contribuintes Obrigados

Leia mais

NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS

NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS MERCOSUL/LXVII GMC / P DEC. Nº 01/07 NORMA DE APLICAÇÃO SOBRE A VALORAÇÃO ADUANEIRA DE MERCADORIAS TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e a Decisão Nº 17/94 do Conselho do Mercado

Leia mais

A Mudança para Mônaco

A Mudança para Mônaco www.switzerland-family-office.com/br/servicos-do-family-office/relocacao/relocacao-para-monaco.html A Mudança para Mônaco Viver em Mônaco é um privilégio. A sua população total é de menos de 40.000 habitantes,

Leia mais

Disciplina: Comércio Internacional

Disciplina: Comércio Internacional COORDENADORIA DE TRANSPORTES Sumário 2 Disciplina: Comércio Internacional CONCEITOS FUNDAMENTAIS DE COMÉRCIO INTERNACIONAL Exportação e Importação Conceitos Cambiais, Aduaneiros e Comerciais Formas de

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA 1- Examinamos os Balanços Patrimoniais

Leia mais

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS

ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ATRAIR INVESTIMENTO ESTRANGEIRO PARA PORTUGAL OS REGIMES DOS GOLDEN VISA E DOS RESIDENTES NÃO HABITUAIS ENQUADRAMENTO LEGAL Fontes utilizadas: www.sef.pt; www.portugal.gov.pt ENQUADRAMENTO LEGAL A autorização

Leia mais

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição

Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição Contabilidade Social Carmen Feijó [et al.] 4ª edição CAPÍTULO 5 BALANÇO DE PAGAMENTOS Professor Rodrigo Nobre Fernandez Pelotas 2015 2 Introdução O balanço de pagamentos é o registro contábil de todas

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior

Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Estatísticas de Operações e Posições com o Exterior Apresentação do novo sistema de reporte de informação Março 2013 Esquema da Apresentação Área de Empresa Comunicação de Operações e posições com o exterior

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007)

Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007) Portaria da Secretaria de Comércio Exterior SECEX n. 36, de 22 de novembro de 2007. (publicada no DOU de 26/11/2007) O SECRETÁRIO DE COMÉRCIO EXTERIOR DO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1

Linha de Crédito PME Crescimento 2015 - Respostas a questões das Instituições de Crédito - Versão v.1 1. Condições a Observar pelas Empresas Beneficiárias Condições genéricas: 1.1. Localização (sede social) em território nacional; inclui Regiões Autónomas da Madeira e Açores, bem como Portugal Continental.

Leia mais

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento;

d) participação em competições esportivas, incluídos gastos com treinamento; CAPÍTULO : 10 - Viagens Internacionais, Cartões de Uso Internacional e Transferências Postais SEÇÃO : 1 - Viagens Internacionais 1. Esta seção trata das compras e das vendas de moeda estrangeira, inclusive

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES

SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES SISTEMÁTICA DAS EXPORTAÇÕES CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV BENEFÍCIOS FISCAIS ÀS ZONAS FRANCAS ARTIGO 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1. (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro) 2. (Revogado pela Lei 64-B/2011,

Leia mais

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME

Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Parecer da KONTAS Contabilidade Assessoria e Consultoria Empresarial Ltda ME Aos Administradores da Associação dos Oficiais da Polícia Militar da Bahia AOPM Salvador - BA Aos Administradores da Associação

Leia mais

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro.

Administração. Mercado a atuar. Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli. Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Administração Profª Mestre Patricia Brecht Innarelli Exportação Noções, Documentos e Despacho Aduaneiro. Mercado a atuar Ao decidir atuar no comércio internacional, a empresa deverá desenvolver um planejamento

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

Jóias de ouro puro ou platina e jóias de metais preciosas com pedras preciosas.

Jóias de ouro puro ou platina e jóias de metais preciosas com pedras preciosas. 2 5 Jóias [Outros] 1. Definição da Categoria Jóias de ouro puro ou platina e jóias de metais preciosas com pedras preciosas. Números de HS Commodity 7113.19-021, 19-029 Jóias de Ouro 7113.11-000 Jóias

Leia mais

Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial

Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial BANCO DO BRASIL S/A Gerência Regional de Apoio ao Comércio Exterior Belo Horizonte MG Conjuntura do Comércio Exterior - Crise Mundial América do Norte Miami Nova Iorque Chicago Los Angeles Washington México

Leia mais

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos

Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos. Luiz Campos Fundamentos da NF-e Exercícios Práticos Luiz Campos 1 Livro de Apuração do IPI - CFOP CFOP DESCRIÇÃO 1.000 ENTRADAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS DO ESTADO 1.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL,

Leia mais

A CAMEX e a Facilitação de Comércio

A CAMEX e a Facilitação de Comércio CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR Secretaria-Executiva A CAMEX e a Facilitação de Comércio Ministério das Comunicações 18 de novembro 2009, São Paulo SP. MARIA FÁTIMA B. ARRAES DE OLIVEIRA Assessora Especial

Leia mais

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha

ORIENTE MÉDIO. Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II. Jerusalém Muro das Lamentações e Cúpula da Rocha Prof: Marcio Santos ENEM 2009 Ciências Humanas Aula II ORIENTE MÉDIO -Região marcada por vários conflitos étnicos, políticos e religiosos. -Costuma-se considerar 18 países como pertencentes ao Oriente

Leia mais

Procedimentos para exportação

Procedimentos para exportação Procedimentos para exportação Fundamentos de Comércio Exterior Prof. 1. Inscrição da empresa em dois cadastros: REI (MDIC/SECEX) e Radar (MF /SRF); 2. Análise mercadológica: avaliação do potencial do mercado

Leia mais

Centro Cultural e de Exposições de Maceió

Centro Cultural e de Exposições de Maceió Centro Cultural e de Exposições de Maceió Descrição Administrar, explorar comercialmente e desenvolver eventos culturais, de lazer e de negócios no Centro Cultural e de Exposições de Maceió, localizado

Leia mais

CHINA Apresentação de Casos de Sucesso

CHINA Apresentação de Casos de Sucesso CHINA Apresentação de Casos de Sucesso Parceiro e membro da IMCN: KK Yeung Management MERCAL CONSULTING GROUP A Member of IMCN- International Management Consultancies Network ÍNDICE DA APRESENTAÇÃO 1.

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009

NIEx. 30º AgroEx Manaus. 26 de novembro de 2009 NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 30º AgroEx Manaus 26 de novembro de 2009 FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase Mercadológica Fase Comercial Fase Administrativa Fase Aduaneira

Leia mais

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES

GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES GUIA PRÁTICO DE APOIO ÀS EXPORTAÇÕES 1. Aspectos operacionais 1.1 Roteiro para exportação 1º Passo Efetuar o registro de exportador na Secretaria de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento,

Leia mais

II 02 Calçados de Couro

II 02 Calçados de Couro II 02 Calçados de Couro [Artigos de Vestuário e de Moda] 1. Definição da Categoria Esta categoria abrange os calçados de couro, incluindo botas, excluindo os sapatos esportivos e chinelos. Todos os calçados

Leia mais

Projeto de análise de Importação

Projeto de análise de Importação Projeto de análise de Importação Empresa: Import Brasil S/A Objetivo: Estudo sobre a viabilidade da importação analisando pontos como logística, s, impostos, barreiras de entrada, estatística de importação

Leia mais

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO OUROCARD (2007/2008)

REGULAMENTO DA PROMOÇÃO OUROCARD (2007/2008) DEFINIÇÕES a) BANCO: Banco do Brasil S.A. b) TITULAR: é o portador titular dos cartões de crédito e de múltiplas funções, emitidos para pessoa física, pelo BANCO. c) PARTICIPANTE: é o TITULAR inscrito

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado

Mercados. informação de negócios. Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Mercados informação de negócios Angola Oportunidades e Dificuldades do Mercado Dezembro 2011 Índice 1. Oportunidades 03 1.1 Pontos Fortes 03 1.2 Áreas de Oportunidade 03 2. Dificuldades 04 2.1 Pontos Fracos

Leia mais

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS

POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS POLÍTICA DE RELACIONAMENTO COM CORRESPONDENTES NO PAÍS Belo Horizonte, Novembro de 2013. Diretoria de Crédito Consignado Diretoria Executiva Comercial Diretoria Executiva Administrativa e de Atendimento

Leia mais

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras

Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Pq do Ibirapuera, São Paulo/ SP Brasil Transacções Comerciais & Financeiras Banco Caixa Geral Brasil S.A. /Grupo Caixa Geral de Depósitos Out/2009 A Economia Brasileira 2 A Economia Brasileira SEDE BCG-Brasil:

Leia mais

CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos

CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos CENTRO DE NEGÓCIOS DE DUBAI Emirados Árabes Unidos CN DUBAI: o exportador brasileiro mais perto do seu cliente. O objetivo do CN DUBAI é a redução da distância entre exportadores brasileiros e seus clientes

Leia mais

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36

NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36 NORMAS DE PROCEDIMENTO PARA EMISSÃO DO CERTIFICADO DE ORIGEM DO ACE 36 BRASIL - BOLÍVIA APROVADO PELO DECRETO N os 2.240 DE 17/12/1.996 E 4.161 DE 12/03/2.002 1 Notas Explicativas 1. Declaração 1.1. A

Leia mais

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro

Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro Regimes Aduaneiros Especiais Regimes Aduaneiros Especiais As características básicas dos regimes especiais são: Regra geral, os prazos na importação são de um ano, prorrogável, por período não superior,

Leia mais

MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL

MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL MECANISMOS DA INJUSTIÇA FISCAL Fatores que tornam o sistema tributário regressivo Fatores que potencializam a evasão fiscal Mitos são assim: alguém cria, outros repetem e os demais acreditam e passam adiante.

Leia mais

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT)

O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O CAPITALISMO E A DIVISÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (DIT) O capitalismo teve origem na Europa, entre os séculos XIII e XIV, com o renascimento urbano e comercial e o surgimento de uma nova classe social:

Leia mais

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da

Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio. internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da Moção relativa à próxima negociação sobre o comércio internacional de produtos do sector têxtil e da

Leia mais

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL

MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL DOCUMENTO CONFIDENCIAL USO RESTRITO DA UNICAFES-PR MANUAL DE ORIENTAÇÃO E PROCEDIMENTOS OPERACIONAL Execução: Nézio José da Silva Gestor de Projetos Agricultura Familiar e Agroindústrias Regional Sudoeste

Leia mais

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS

NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS NOVAS REGRAS DE OPERAÇÕES CAMBIAIS IMPORTAÇÃO, EXPORTAÇÃO E REEXPORTAÇÃO DE MERCADORIAS O Aviso n.º 19/2012, de 19.04., do Banco Nacional de Angola estabelece o novo regime para as operações cambiais referentes

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/ACE/1998) O SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio

Leia mais

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos

8ª Oficina de Trabalho. Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos 8ª Oficina de Trabalho Eduardo Celino Coordenador-Geral de Investimentos Brasília, 2 de junho de 2011 O que é a Renai Sistema de informações sobre investimentos produtivos no Brasil Coordenação: MDIC Criação:

Leia mais

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal

Parte A: Documentação e Legislação Básicas da Gestão Fiscal QUESTIONÁRIO PARA AS AUTORIDADES NACIONAIS TRANSPARÊNCIA NA GESTÃO DAS RECEITA DOS RECURSOS NATURAIS O objetivo deste questionário é colher informações sobre a gestão dos recursos naturais, com ênfase

Leia mais

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos

Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online. Casos práticos Casos práticos Comunicação de Operações com o Exterior (COPE) formação online O presente documento compreende a informação correspondente aos casos práticos da Comunicação de Operações com o Exterior (COPE)

Leia mais

COMO A GIR NA CRI $E 1

COMO A GIR NA CRI $E 1 1 COMO AGIR NA CRI$E COMO AGIR NA CRISE A turbulência econômica mundial provocada pela crise bancária nos Estados Unidos e Europa atingirá todos os países do mundo, com diferentes níveis de intensidade.

Leia mais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais

REGULAMENTO DO MERCADO DE CÂMBIO E CAPITAIS INTERNACIONAIS TÍTULO : 1 - Mercado de Câmbio CAPÍTULO : 11 - Exportação SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Este capítulo dispõe sobre as operações no mercado de câmbio relativas às exportações brasileiras de mercadorias e de serviços. 2. O exportador de mercadorias ou de serviços

Leia mais

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni

Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO. Prof. Márcio Antoni Unidade IV LOGÍSTICA PARA IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Prof. Márcio Antoni Seguros O seguro é uma operação comercial na qual o segurado (exportador ou importador) e segurador (companhia de seguro) formalizam

Leia mais

(Agroconsult, Ministério da Agricultura e Conab, 2004.)

(Agroconsult, Ministério da Agricultura e Conab, 2004.) 25 c No Brasil, no período 1990-91 a 2003-04, a produção de grãos apresentou crescimento de 125%, enquanto a área plantada aumentou apenas 24%, conforme mostra o gráfico. (Agroconsult, Ministério da Agricultura

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior. DEREX Declaração decorrentes a recursos mantidos no exterior. 18/03/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Conceito...

Leia mais

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC

TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC TRANSPORTE DE CARGAS AÉREO - Tratamento Tributário relacionado ao ICMS/SC Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 04.11.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO 2 - ALÍQUOTAS DO ICMS 2.1 - Operações

Leia mais

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL

REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL Presidente Dilma Vana Rousseff Ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Fernando Damata Pimentel Secretário Executivo Alessandro Golombiewski Teixeira Secretária

Leia mais

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CÂMBIO

CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CÂMBIO CONHECIMENTOS BANCÁRIOS: - - - - - - MERCADO DE CÂMBIO Prof.Nelson Guerra Ano 2012 www.concursocec.com.br CONCEITO É o mercado que reúne compradores e vendedores de moedas estrangeiras, sob supervisão

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

CENTRAL EXPORTAMINAS e ações para o desenvolvimento do comércio exterior mineiro

CENTRAL EXPORTAMINAS e ações para o desenvolvimento do comércio exterior mineiro Your trade partner in Brazil CENTRAL EXPORTAMINAS e ações para o desenvolvimento do comércio exterior mineiro AGROEX Viçosa, 27 de abril de 2009 Jorge Duarte de Oliveira Diretor 1 Minas Gerais Facts and

Leia mais

CONVÊNIO ICMS 113/96 CONVÊNIO

CONVÊNIO ICMS 113/96 CONVÊNIO Publicado no DOU de 18 e 20.12.96. CONVÊNIO ICMS 113/96 Ratificação Nacional DOU de 08.01.97 pelo Ato COTEPE-ICMS../1997/CV001_97.htm01/97. Alterado pelos Convs. ICMS 54/97, 34/98,107/01, 32/03, 61/03.

Leia mais

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos.

Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. Resolução CNAS n.º 32, de 24 de fevereiro de 1999 Dispõe sobre a concessão ou renovação do registro e certificado de entidades de fins filantrópicos. O Plenário do Conselho Nacional de Assistência Social

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR

S. R. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA DIREÇÃO-GERAL DO ENSINO SUPERIOR Regulamento de Formação Avançada e Qualificação de Recursos Humanos da Direção-Geral do Ensino Superior (Aprovado por despacho, de 15 de junho de 2012, do Presidente do Conselho Diretivo da Fundação para

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com

EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS. CM Claudia Mainardi ccmainardi@cmcomex.com.br ccmainardi@gmail.com EXPORTAÇÃO IMPORTAÇÃO INFORMAÇÕES E PROCEDIMENTOS BÁSICOS Providências básicas para iniciar atividades no comércio exterior Ser registrado no RADAR Registro de Exportadores e importadores na Receita Federal;

Leia mais

Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos

Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos 5 de setembro de 2014 Moçambique: nova Lei de Minas e nova Lei dos Petróleos mozambique@vda.pt Foram publicadas, em Boletim da República, a Lei n.º 20/2014, de 18 de Agosto ( Lei de Minas ) e a Lei n.º

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS FOME ZERO PROCESSO SELETIVO 2006 REGULAMENTO

PROGRAMA PETROBRAS FOME ZERO PROCESSO SELETIVO 2006 REGULAMENTO PROGRAMA PETROBRAS FOME ZERO PROCESSO SELETIVO 2006 REGULAMENTO PROJETOS Serão aceitos projetos sob responsabilidade de organismos governamentais, não-governamentais e comunitários, legalmente constituídos

Leia mais

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA

Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA Perguntas e Respostas mais Freqüentes IMPORTA FÁCIL CIÊNCIA 1. O Que é? O Importa Fácil Ciência é destinado a pesquisadores/entidades de pesquisa cientifica ou tecnológica, devidamente credenciadas no

Leia mais

Caminhos para Exportar

Caminhos para Exportar NIEx NÚCLEO DE INTEGRAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO Caminhos para Exportar 33º AgroEx Marco-CE ADILSON OLIVEIRA FARIAS Assessor técnico JULIANA CAETANO JALES Assistente técnico FASES DO PROCESSO EXPORTADOR Fase

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA

17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA 17ª TRANSPOSUL FEIRA E CONGRESSO DE TRANSPORTE E LOGÍSTICA PALESTRA FALTA DE COMPETITIVIDADE DO BRASIL FRENTE AO MERCADO EXTERNO JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Porto Alegre, 24 de JUNHO de 2015 2 - TEORIAS No

Leia mais

Terça-feira, 25 de Agosto de 2015. DESTAQUES

Terça-feira, 25 de Agosto de 2015. DESTAQUES DESTAQUES Bovespa cai ao nível de 2009 com tensão global CCR tem expectativa positiva de crescimento para o próximo ano Ações PNA da Vale fecham na menor cotação desde 2006 Corte de produção na China e

Leia mais

Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano

Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano Novas vantagens do Supersimples poderão ser aprovadas ainda este ano Ainda durante este ano, o Congresso Nacional poderá aprovar novas vantagens para as micro e pequenas empresas optantes do Simples Nacional,

Leia mais

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE

INVESTIR EM MOÇAMBIQUE INVESTIR EM MOÇAMBIQUE CRIAR UMA EMPRESA DE DIREITO MOÇAMBICANO Constituição de uma sociedade de direito moçambicano (%) Capital social mínimo Representação do capital social Sociedade por Quotas Não existe

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição,

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, da Constituição, DECRETO 3.100, de 30 de Junho de 1999. Regulamenta a Lei nº 9.790, de 23 de março de 1999, que dispõe sobre a qualificação de pessoas jurídicas de direito privado, sem fins lucrativos, como Organizações

Leia mais

Perguntas Feitas com Frequência Livreto com Informações

Perguntas Feitas com Frequência Livreto com Informações Perguntas Feitas com Frequência Livreto com Informações Informações importantes para pensionistas do Istituto Nazionale della Previdenza Sociale (Inps) que recebem os pagamentos das suas pensões no exterior.

Leia mais

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios

BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios BOM DIA! Exportação simplificada como estratégia de expansão de negócios Correios Quem somos? Empresa de administração pública. Missão: Fornecer soluções acessíveis e confiáveis para conectar pessoas,

Leia mais

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro

Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro Estrutura do Comércio Internacional Brasileiro 1 Rápido Panorama da Globalização no Brasil Enquanto o restante do mundo abria as fronteiras e integrava as respectivas economias em blocos econômicos, o

Leia mais

SECRETARIA DO MERCOSUL RESOLUÇÃO GMC Nº 26/01 ARTIGO 10 FÉ DE ERRATAS CÓPIA CERTIFICADA. Reginaldo Braga Arcuri Diretor

SECRETARIA DO MERCOSUL RESOLUÇÃO GMC Nº 26/01 ARTIGO 10 FÉ DE ERRATAS CÓPIA CERTIFICADA. Reginaldo Braga Arcuri Diretor SECRETARIA DO MERCOSUL RESOLUÇÃO GMC Nº 26/01 ARTIGO 10 FÉ DE ERRATAS CÓPIA CERTIFICADA Reginaldo Braga Arcuri Diretor MERCOSUL/CMC/DEC Nº 50/04 NORMA RELATIVA AO DESPACHO ADUANEIRO DE MERCADORIAS TENDO

Leia mais

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais;

a) agências de turismo e prestadores de serviços turísticos; b) embaixadas, legações estrangeiras e organismos internacionais; SEÇÃO : 1 - Disposições Gerais 1. Podem ser titulares de contas em moeda estrangeira no País na forma da legislação e regulamentação em vigor, observadas as disposições deste título: a) agências de turismo

Leia mais

A partir das 24:00 horas do dia05/11/2015 até as 24:00 horas do dia05/11/2016

A partir das 24:00 horas do dia05/11/2015 até as 24:00 horas do dia05/11/2016 VIGÊNCIA A partir das 24:00 horas do dia05/11/2015 até as 24:00 horas do dia05/11/2016 A BERKLEY INTERNATIONAL DO BRASIL SEGUROS SA - 01414 a seguir denominada "SEGURADORA", tendo em vista as declarações

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais