SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL"

Transcrição

1 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL

2 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL FASE INICIAL DA PERÍCIA

3 FASE INICIAL DA PERÍCIA DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL N Ã O NOMEAÇÃO DO PERITO SIM A C E I T A ESCUSA DO PERITO INDICAÇÃO DE ASSISTENTES TÉCNICOS E FORMULAÇÃO DOS QUESITOS NÃO RECUSA DO PERITO POR IMPEDIMENTO OU SUSPEIÇÃO P E L O QUESITOS IMPERTINENTES PROPOSTA DE HONORÁRIOS P E R I T O IMPUGNAÇÃO Aceita pelo perito DEPÓSITO DOS HONORÁRIOS FIXAÇÃO PELO JUIZ

4 FASE INICIAL DA PERÍCIA DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL N Ã O A C E I T A P E L O P E R I T O SIM O magistrado NOMEAÇÃO não DO pode PERITO valer-se de conhecimentos próprios INDICAÇÃO DE ESCUSA ASSISTENTES TÉCNICOS RECUSA DO PERITO Direito da parte, somente NÃOpode ser DO PERITO E FORMULAÇÃO POR IMPEDIMENTO DOS QUESITOS OU SUSPEIÇÃO negada nas hipóteses previstas expressamente QUESITOS IMPERTINENTES IMPUGNAÇÃO FIXAÇÃO PELO JUIZ PROPOSTA DE HONORÁRIOS Pode ser deferida, mesmo se preclusa, caso imprescindível Aceita pelo perito DEPÓSITO DOS HONORÁRIOS

5 FASE INICIAL DA PERÍCIA DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL N Ã O NOMEAÇÃO DO PERITO SIM A C E I T A P E L O P E R I T O ESCUSA DO PERITO QUESITOS IMPERTINENTES IMPUGNAÇÃO FIXAÇÃO PELO JUIZ INDICAÇÃO DE ASSISTENTES TÉCNICOS E FORMULAÇÃO DOS QUESITOS Hipótese do juiz não fixar o prazo Início da contagem NÃO PROPOSTA DE HONORÁRIOS Aceita pelo perito RECUSA DO PERITO POR IMPEDIMENTO OU SUSPEIÇÃO Perícia complexa, mais de um perito (Lei /01) Atribuição legal do perito Fim do termo de compromisso DEPÓSITO DOS HONORÁRIOS

6 FASE INICIAL DA PERÍCIA DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL N Ã O NOMEAÇÃO DO PERITO SIM A C E I T A P E L O P E R I T O ESCUSA DO PERITO QUESITOS IMPERTINENTES IMPUGNAÇÃO FIXAÇÃO PELO JUIZ INDICAÇÃO DE ASSISTENTES TÉCNICOS E FORMULAÇÃO DOS QUESITOS Prazo de 5 dias, preclusivo ou não NÃO PROPOSTA DE HONORÁRIOS Aceita pelo perito RECUSA DO PERITO POR IMPEDIMENTO OU SUSPEIÇÃO Perícia complexa, mais de um assistente (Lei /01) Atribuição legal do assistente técnico DEPÓSITO DOS HONORÁRIOS Indicação de pessoa jurídica como assistente técnico

7 FASE INICIAL DA PERÍCIA N Ã O A C E I T A DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL Suspeição é nulidade relativa, sujeita à preclusão NOMEAÇÃO DO PERITO Suspeição em relação à parte, ESCUSA não ao DO advogado PERITO P E QUESITOS técnico L IMPERTINENTES e vice-versa O P E R I T O FIXAÇÃO PELO JUIZ INDICAÇÃO DE ASSISTENTES TÉCNICOS E FORMULAÇÃO DOS QUESITOS Perito atuar como assistente Substituição IMPUGNAÇÃO de ofício pelo Juiz NÃO PROPOSTA DE HONORÁRIOS Aceita pelo perito SIM RECUSA DO PERITO POR IMPEDIMENTO OU SUSPEIÇÃO DEPÓSITO DOS HONORÁRIOS

8 FASE INICIAL DA PERÍCIA N Ã O A C E I T A P E L O ESCUSA DO PERITO QUESITOS IMPERTINENTES Fundamentação do indeferimento DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL NOMEAÇÃO DO PERITO INDICAÇÃO DE ASSISTENTES TÉCNICOS E FORMULAÇÃO DOS QUESITOS NÃO SIM Cerceamento do direito de realizar a prova Procedimento do perito, quando não indeferido PROPOSTA DE HONORÁRIOS RECUSA DO PERITO POR IMPEDIMENTO OU SUSPEIÇÃO P E R I T O IMPUGNAÇÃO Aceita pelo perito DEPÓSITO DOS HONORÁRIOS FIXAÇÃO PELO JUIZ

9 Fixação com base em tabelas das entidades de classe N Ã O A C FASE INICIAL DA PERÍCIA Depósito prévio, especialmente pela Fazenda Pública DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL Comparação com honorários do Advogado Ação civil pública e justiça gratuita Extinção do processo NOMEAÇÃO DO PERITO INDICAÇÃO DE ESCUSA ASSISTENTES TÉCNICOS RECUSA DO PERITO Negociação E e recebimento direto da NÃO parte I DO PERITO E FORMULAÇÃO POR IMPEDIMENTO T DOS QUESITOS OU SUSPEIÇÃO A Questão ética, especialmente no caso de substituição P E L O QUESITOS IMPERTINENTES PROPOSTA DE HONORÁRIOS SIM P E R I T O IMPUGNAÇÃO Aceita pelo perito DEPÓSITO DOS HONORÁRIOS FIXAÇÃO PELO JUIZ

10 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL REALIZAÇÃO DA PERÍCIA

11 REALIZAÇÃO DA PERÍCIA ❶ INTIMAÇÃO PARA INÍCIO DOS TRABALHOS DILIGÊNCIAS INICIAIS E VISTORIA PRORROGAÇÃO DO PRAZO UTILIZAÇÃO DE TODOS OS MEIOS PARA EXECUTAR O TRABALHO APRESENTAÇÃO DE QUESITOS SUPLEMENTARES CONFECÇÃO DA MINUTA ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL CONFERÊNCIA RESERVADA ❸

12 REALIZAÇÃO DA PERÍCIA ❶ INTIMAÇÃO PARA INÍCIO DOS TRABALHOS PRORROGAÇÃO DO PRAZO Ciência das partes da data e local (Lei /01) DILIGÊNCIAS INICIAIS E VISTORIA ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL ❸ UTILIZAÇÃO DE TODOS OS MEIOS PARA EXECUTAR O TRABALHO CONFECÇÃO DA MINUTA APRESENTAÇÃO DE QUESITOS SUPLEMENTARES Designados pelo juiz ou indicados pelo perito (Lei /01) Prorrogação do prazo motivo justificado e uma única vez CONFERÊNCIA RESERVADA

13 REALIZAÇÃO DA PERÍCIA ❶ INTIMAÇÃO PARA INÍCIO DOS TRABALHOS Ampliação DILIGÊNCIAS do INICIAIS trabalho E VISTORIA e das despesas Finda com a entrega do laudo PRORROGAÇÃO DO PRAZO Situação de quem não apresentou os iniciais UTILIZAÇÃO DE TODOS OS MEIOS PARA EXECUTAR O TRABALHO CONFECÇÃO DA MINUTA APRESENTAÇÃO DE QUESITOS SUPLEMENTARES ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL CONFERÊNCIA RESERVADA ❸

14 REALIZAÇÃO DA PERÍCIA Procedimento do perito frente às dificuldades ❶ Posicionamento do assistente frente ao Juiz INTIMAÇÃO PARA INÍCIO DOS TRABALHOS Informações de testemunhas Possibilidade DILIGÊNCIAS de INICIAIS violação E VISTORIA de segredo PRORROGAÇÃO DO PRAZO UTILIZAÇÃO DE TODOS OS MEIOS PARA EXECUTAR O TRABALHO APRESENTAÇÃO DE QUESITOS SUPLEMENTARES CONFECÇÃO DA MINUTA ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL CONFERÊNCIA RESERVADA ❸

15 REALIZAÇÃO DA PERÍCIA ❶ INTIMAÇÃO PARA INÍCIO DOS TRABALHOS DILIGÊNCIAS INICIAIS E VISTORIA PRORROGAÇÃO DO PRAZO UTILIZAÇÃO DE TODOS OS MEIOS PARA EXECUTAR O TRABALHO APRESENTAÇÃO DE QUESITOS SUPLEMENTARES Prática abolida pela lei processual CONFECÇÃO DA MINUTA Questão de natureza ética ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL CONFERÊNCIA RESERVADA ❸

16 REALIZAÇÃO DA PERÍCIA ❶ INTIMAÇÃO PARA INÍCIO DOS TRABALHOS DILIGÊNCIAS INICIAIS E VISTORIA Trabalho elaborado por outro profissional Participação de auxiliares PRORROGAÇÃO DO PRAZO UTILIZAÇÃO DE TODOS OS MEIOS PARA EXECUTAR O TRABALHO Deve se restringir à resposta aos quesitos? APRESENTAÇÃO DE QUESITOS SUPLEMENTARES Pode responder o CONFECÇÃO quesito DA se reportando ao corpo MINUTA do laudo pericial? ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL CONFERÊNCIA RESERVADA ❸

17 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ENTREGA DO LAUDO

18 ❶ ❷ ENTREGA DO LAUDO ❶ ❷ INQUIRIÇÃO EM AUDIÊNCIA ENTREGA DO LAUDO LEVANTAMENTO DOS HONORÁRIOS PARECER DOS ASSISTENTES TÉCNICOS DIVERGÊNCIA PARCIAL DIVERGÊNCIA TOTAL CONCORDÂNCIA COMENTAR POSITIVAMENTE REFORÇAR OU CORRIGIR ❹ OMISSÃO VOLUNTÁRIA DO ASSISTENTE TÉCNICO

19 O que difere o parecer da antiga figura do laudo ENTREGA DO LAUDO em separado? ❶ Imunidade do assistente técnico ❷ Possibilidade LEVANTAMENTO de prorrogação DOS HONORÁRIOS de prazo ❶ ❷ Início da contagem do prazo à partir da intimação INQUIRIÇÃO EM AUDIÊNCIA ENTREGA DO LAUDO das partes sobre o laudo (Lei /01) PARECER DOS ASSISTENTES TÉCNICOS DIVERGÊNCIA PARCIAL DIVERGÊNCIA TOTAL CONCORDÂNCIA COMENTAR POSITIVAMENTE REFORÇAR OU CORRIGIR ❹ OMISSÃO VOLUNTÁRIA DO ASSISTENTE TÉCNICO

20 ❶ ❷ ENTREGA DO LAUDO ❶ ❷ INQUIRIÇÃO EM AUDIÊNCIA ENTREGA DO LAUDO LEVANTAMENTO DOS HONORÁRIOS O assistente técnico pode assinar conjuntamente o laudo elaborado pelo PARECER DOS ASSISTENTES TÉCNICOS perito? DIVERGÊNCIA PARCIAL DIVERGÊNCIA TOTAL CONCORDÂNCIA COMENTAR POSITIVAMENTE REFORÇAR OU CORRIGIR ❹ OMISSÃO VOLUNTÁRIA DO ASSISTENTE TÉCNICO

21 ❶ ❷ ENTREGA DO LAUDO ❶ ❷ INQUIRIÇÃO EM AUDIÊNCIA ENTREGA DO LAUDO LEVANTAMENTO DOS HONORÁRIOS O assistente técnico tem o direito de divergir e PARECER DOS ASSISTENTES TÉCNICOS criticar o laudo pericial, jamais a pessoa do perito DIVERGÊNCIA PARCIAL DIVERGÊNCIA TOTAL CONCORDÂNCIA COMENTAR POSITIVAMENTE REFORÇAR OU CORRIGIR ❹ OMISSÃO VOLUNTÁRIA DO ASSISTENTE TÉCNICO

22 ❶ ❷ ENTREGA DO LAUDO ❶ ❷ INQUIRIÇÃO EM AUDIÊNCIA ENTREGA DO LAUDO LEVANTAMENTO DOS HONORÁRIOS Contraponto a eventual divergência do outro assistente PARECER DOS ASSISTENTES TÉCNICOS DIVERGÊNCIA PARCIAL DIVERGÊNCIA TOTAL CONCORDÂNCIA COMENTAR POSITIVAMENTE REFORÇAR OU CORRIGIR ❹ OMISSÃO VOLUNTÁRIA DO ASSISTENTE TÉCNICO

23 ❶ ❷ ENTREGA DO LAUDO ❶ ❷ INQUIRIÇÃO EM AUDIÊNCIA ENTREGA DO LAUDO LEVANTAMENTO DOS HONORÁRIOS DIVERGÊNCIA PARCIAL PARECER DOS ASSISTENTES TÉCNICOS Hipótese possível, em virtude CONCORDÂNCIA de metodologia que beneficiou o cliente, DIVERGÊNCIA TOTAL mas não concorda o assistente técnico ❹ COMENTAR POSITIVAMENTE OMISSÃO VOLUNTÁRIA DO ASSISTENTE TÉCNICO REFORÇAR OU CORRIGIR

24 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ESCLARECIMENTOS, SEGUNDA PERÍCIA E INSPEÇÃO JUDICIAL

25 ESCLARECIMENTOS, SEGUNDA PERÍCIA E INSPEÇÃO JUDICIAL ❶ ❷ ❸ ESCLARECIMENTOS EM AUDIÊNCIA POSSIBILIDADE DE APRESENTAÇÃO DE OUTROS ELEMENTOS O JUIZ NÃO ESTÁ ADSTRITO AO LAUDO PERICIAL INSPEÇÃO JUDICIAL REALIZAÇÃO DE NOVA PERÍCIA RETORNO À FASE INICIAL DA PERÍCIA

26 ESCLARECIMENTOS, SEGUNDA PERÍCIA E INSPEÇÃO JUDICIAL ❶ ❷ ❸ ESCLARECIMENTOS EM AUDIÊNCIA Observância do prazo e sob a forma de quesitos O JUIZ NÃO ESTÁ ADSTRITO AO LAUDO PERICIAL POSSIBILIDADE DE APRESENTAÇÃO DE OUTROS ELEMENTOS Perguntas adstritas aos trabalhos apresentados Respostas por escrito INSPEÇÃO JUDICIAL Parte pode pedir esclarecimento do próprio assistente técnico? REALIZAÇÃO DE NOVA PERÍCIA RETORNO À FASE INICIAL DA PERÍCIA

27 ESCLARECIMENTOS, SEGUNDA PERÍCIA E INSPEÇÃO JUDICIAL ❶ ❷ Em função da livre apreciação, podem ❸ ser juntados pareceres técnicos e dados ESCLARECIMENTOS EM AUDIÊNCIA oficiais sobre o tema objeto da perícia POSSIBILIDADE DE APRESENTAÇÃO DE OUTROS ELEMENTOS O JUIZ NÃO ESTÁ ADSTRITO AO LAUDO PERICIAL INSPEÇÃO JUDICIAL REALIZAÇÃO DE NOVA PERÍCIA RETORNO À FASE INICIAL DA PERÍCIA

28 ESCLARECIMENTOS, SEGUNDA PERÍCIA E INSPEÇÃO JUDICIAL ❶ ❷ ❸ ESCLARECIMENTOS EM AUDIÊNCIA Presunção POSSIBILIDADE de DE imparcialidade APRESENTAÇÃO DE OUTROS ELEMENTOS do laudo pericial O JUIZ NÃO ESTÁ ADSTRITO AO LAUDO PERICIAL INSPEÇÃO JUDICIAL REALIZAÇÃO DE NOVA PERÍCIA RETORNO À FASE INICIAL DA PERÍCIA

29 ESCLARECIMENTOS, SEGUNDA PERÍCIA E INSPEÇÃO JUDICIAL ❶ ❷ ❸ Pode ser considerada prova ESCLARECIMENTOS EM AUDIÊNCIA autônoma? O auto de inspeção é requisito indispensável POSSIBILIDADE DE APRESENTAÇÃO DE OUTROS ELEMENTOS O JUIZ NÃO ESTÁ ADSTRITO AO LAUDO PERICIAL INSPEÇÃO JUDICIAL REALIZAÇÃO DE NOVA PERÍCIA RETORNO À FASE INICIAL DA PERÍCIA

30 ESCLARECIMENTOS, SEGUNDA PERÍCIA E INSPEÇÃO JUDICIAL ❶ ❷ ❸ ESCLARECIMENTOS EM AUDIÊNCIA Não significa que a primeira foi anulada POSSIBILIDADE DE APRESENTAÇÃO Novos quesitos DE e novos OUTROS ELEMENTOS assistentes técnicos O JUIZ NÃO ESTÁ ADSTRITO AO LAUDO PERICIAL INSPEÇÃO JUDICIAL REALIZAÇÃO DE NOVA PERÍCIA RETORNO À FASE INICIAL DA PERÍCIA

31 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL A PROVA PERICIAL NO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL

32 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ARTIGO 420 exame, vistoria e avaliação indeferimento, quando não depender de conhecimento técnico, for desnecessária ou impraticável ARTIGO 421 nomeação do perito prazo de entrega do laudo indicação dos assistentes técnicos formulação dos quesitos ARTIGO 431-B (INOVAÇÃO DA LEI /01) perícia complexa, abrangendo mais de uma área de conhecimento mais de um perito Mais de um assistente técnico

33 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ARTIGO 422 abolição do termo de compromisso assistente técnico é da confiança da parte ARTIGO 423 escusa do perito recusa por impedimento ou suspeição ARTIGO 146 dever do perito cumprir o ofício pode escusar-se do encargo por motivo legítimo

34 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ARTIGO 134, 135 e 138 impedimento suspeição equivalência do perito ao juiz ARTIGO 424 substituição por falta de conhecimento ou por não cumprir o prazo comunicação à corporação e multa ARTIGO 426 quesitos impertinentes quesitos do juiz

35 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ARTIGO 33 remuneração do perito e assistentes técnicos depósito dos honorários faculta a liberação parcial ARTIGO 428 perícia por carta

36 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ARTIGO 427 dispensa da prova pericial (pareceres técnicos ou documentos elucidativos) ARTIGO 421 prazo de entrega do laudo ARTIGO 425 quesitos suplementares ciência à parte contrária ARTIGO 431-A (INOVAÇÃO DA LEI /01) partes terão ciência da data e local do início da perícia Sejam designados pelo juiz ou indicados pelo perito

37 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ARTIGO 429 atuação do perito e assistentes técnicos na perícia utilização de todos os meios (testemunhas, informações, documentos, plantas, desenhos, fotografias, etc.) ARTIGO 430 (REVOGADO) conferência reservada laudo unânime ARTIGO 431 (REVOGADO) laudo em separado do assistente técnico ARTIGO 432 prorrogação do prazo

38 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ARTIGO 421 inquirição em audiência ARTIGO 433 (INOVAÇÃO DA LEI /01) entrega do laudo (perito) oferecimento de parecer (assistente técnico) Prazo esclarecido com alteração da Lei /01

39 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ARTIGO 435 pedido de esclarecimentos (perito e assistentes técnicos) perguntas sob forma de quesitos prazo mínimo de 5 dias para intimação ARTIGO 436 juiz não está adstrito ao laudo ARTIGO 437 realização de nova perícia, quando a matéria não parecer suficientemente esclarecida ARTIGO 438 objeto da segunda perícia recai sobre os mesmos fatos da primeira, devendo corrigir omissão ou inexatidão

40 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ARTIGO 439 segunda perícia rege-se pelas mesmas disposições da primeira não substitui a primeira ARTIGO 440 em qualquer fase do processo, o juiz pode inspecionar pessoas ou fatos ARTIGO 441 o juiz poderá ser assistido por peritos

41 SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL ARTIGO 442 ARTIGO 443 inspeção ocorre nas seguintes circunstâncias: * melhor verificação ou interpretação * não puder ser apresentada ao juiz * reconstituição dos fatos as partes podem assistir à inspeção será lavrado auto de inspeção, que poderá ser instruído com gráfico, planta ou fotografia

42 PROVA PERICIAL (ART. 420 A 442) Dispensa da perícia (Art. 427) Perícia por carta (Art. 428) Nomeação do Perito (Art. 421/431-B) Formulação de quesitos (Art. 421) Indicação de Assistentes Técnicos (Art. 421) Quesitos suplementares (Art. 425) Dispensa do termo de compromisso (Art. 422) Quesitos impertinentes (Art. 426) Recusa ou escusa do perito (Art. 423 / 146 / 138) Substituição do Perito (Art. 424) Proposta e depósitos dos honorários (Art. 33) Prazo para entrega do laudo (Art. 421) Nova perícia (Art. 437) Ciência às partes (Art. 431-A) Esclarecimentos (Art. 435) Atuação na perícia (Art. 429) Prorrogação do prazo (Art. 432) Entrega do laudo e pareceres (Art. 433) Inspeção judicial (Art. 440) Inquirição em audiência (Art. 421)

Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial.

Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial. Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto

Leia mais

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes.

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes. 1. O que significa a sigla CPC? Código Processo Civil (determina normas da Perícia) 2. Como definir a perícia? A perícia é a prova pericial que demonstra um conjunto de procedimentos técnicos e científicos

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho.

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto da causa, transmitindo esses conhecimentos

Leia mais

PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação

PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação Eduardo Assis Módulo IV Tema 2 Colaboração: EDUARDA DE MELO ASSIS OAB 127.502 1- Generalidades Quando a prova de determinados fatos alegados pelas partes depender de conhecimentos

Leia mais

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC:

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC: Aulas Completas a partir de 10 de Agosto 2011, a saber: 1 Perícia (Continuação) 2 Prova Pericial 3 Perito 4 Inspeção judicial OBJETO DA PERÍCIA artigo 145 do CPC: Quando a prova do fato depender de conhecimento

Leia mais

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto:

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto: P rezados concursandos, Neste encontro, vamos estudar alguns itens de um ponto que tem provocado grande apreensão nos candidatos que participarão do concurso do ICMS do Estado do Ceará. Trata se do tópico

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO

GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO 1ª edição 2002 2ª edição 2011 3ª edição 2014 ANTONIO BUONO NETO Médico Especialista em Medicina do Trabalho pela AMB. Ex-Presidente

Leia mais

IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais

IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais 26 de agosto de 2011 / IBAPE-SP Painel 1: O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Dr. Sandro Rafael Barbosa Pacheco I Disposições Gerais. Dispositivos aplicados

Leia mais

A PERÍCIA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO À PRESTAÇÃO JURISDICIONAL E SUAS ÁREAS DE ATUAÇÃO. Prof(a) Cristina Lisbôa Vaz de Mello

A PERÍCIA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO À PRESTAÇÃO JURISDICIONAL E SUAS ÁREAS DE ATUAÇÃO. Prof(a) Cristina Lisbôa Vaz de Mello A PERÍCIA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO À PRESTAÇÃO JURISDICIONAL E SUAS ÁREAS DE ATUAÇÃO Prof(a) Cristina Lisbôa Vaz de Mello 1 ...o Perito não é apenas os olhos do Juiz, é também os ouvidos, o Perito é o

Leia mais

LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS

LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS AULA 2 A Perícia Perito e Assistente Técnico Prof. Me. Marco Antonio Ferreira Finocchio A Perícia: vocabulário Autor (Reclamante) Quem move a ação Reclamada (Ré) Quem sofre

Leia mais

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008 XIº FEMESC Fraiburgo PERÍCIA MÉDICA M ASPECTOS ÉTICOS Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES Maio 2008 OU COMO EVITAR PROBLEMAS COM O CRM NA REALIZAÇÃO DE UMA PERICIA MÉDICA PERÍCIA MÉDICAM PERÍCIA MÉDICA M Do

Leia mais

Telefone p/contato: 22159822

Telefone p/contato: 22159822 Telefone p/contato: 22159822 Apresentação Turma Especial aos Sábados CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA O CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA abordará

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional Vinicius Roveri Docente - Curso Tecnologia em Gestão Ambiental

Leia mais

PROVAS ASPECTOS GERAIS.

PROVAS ASPECTOS GERAIS. PROVAS ASPECTOS GERAIS. CONCEITO art.332 Art. 332. Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário PERÍCIA CONTÁBIL Paulo Cordeiro de Mello Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário O que é Perícia Contábil? É o trabalho técnico, realizado por profissional com formação e conhecimento

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL

PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL A EXPRESSÃO PERÍCIA ADVÉM DO LATIM: PERITIA, QUE EM SEU SENTIDO PRÓPRIO SIGNIFICA CONHECIMENTO (ADQUIRIDO PELA EXPERIÊNCIA), BEM COMO EXPERIÊNCIA....NO BRASIL COLÔNIA,

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE OURO FINO MINAS GERAIS

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE OURO FINO MINAS GERAIS Ambiental e Advogado, Portador da carteira do Conselho de Biologia nº 13806-4 4ª Região, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência, para dizer que aceita o honroso cargo de perito para o qual

Leia mais

Florianópolis (SC), 7 a 9 de setembro de 2.006. Nelson Agostinho Burille adv. e eng. Laudo pericial. Ater-se ao objeto da Perícia

Florianópolis (SC), 7 a 9 de setembro de 2.006. Nelson Agostinho Burille adv. e eng. Laudo pericial. Ater-se ao objeto da Perícia Associação Iberoamericana de Engenharia de Segurança do Trabalho Florianópolis (SC), 7 a 9 de setembro de 2.006. Nelson Agostinho Burille adv. e eng. Laudo pericial Ater-se ao objeto da Perícia Tipos de

Leia mais

Curso (Prático) de Perícia Financeira

Curso (Prático) de Perícia Financeira Apresentação Objetivos Curso (Prático) de Perícia Financeira Contábil e O Curso de Perícia Contábil aborda as matérias necessárias aos profissionais que atuam como perito, para que interpretem adequadamente

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL PROFESSOR: Salomão Soares Apostila 8 LEITURA COMPLEMENTAR: Artigos do CPC relacionados à Perícia

PERÍCIA CONTÁBIL PROFESSOR: Salomão Soares Apostila 8 LEITURA COMPLEMENTAR: Artigos do CPC relacionados à Perícia PERÍCIA CONTÁBIL PROFESSOR: Salomão Soares Apostila 8 LEITURA COMPLEMENTAR: Artigos do CPC relacionados à Perícia Data: CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL Principais artigos do CPC (Lei nº 5.869/73), atualizado

Leia mais

CÂMARA DE ARBITRAGEM, CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO CAMARCOM REGULAMENTO PARA ARBITRAGEM

CÂMARA DE ARBITRAGEM, CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO CAMARCOM REGULAMENTO PARA ARBITRAGEM CÂMARA DE ARBITRAGEM, CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO CAMARCOM REGULAMENTO PARA ARBITRAGEM Dispõe sobre os procedimentos a serem cumpridos no procedimento da Arbitragem A Câmara de Arbitragem, Conciliação e Mediação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

O ASSISTENTE TÉCNICO NO PROCESSO JUDICIAL

O ASSISTENTE TÉCNICO NO PROCESSO JUDICIAL O ASSISTENTE TÉCNICO NO PROCESSO JUDICIAL Tereza Rodrigues Vieira "Ao longo da história processualística brasileira, a figura do assistente técnico sofreu importantes modificações no tocante às suas funções

Leia mais

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA TAESP Arbitragem & O Mediação, com sede nesta Capital do Estado de São Paulo, na Rua Santa Isabel, 160 cj.43, nos termos dos Artigos 5º, 13, 3º e 21 da Lei 9.307/96, edita o presente REGULAMENTO PARA PROCEDIMENTOS

Leia mais

ANÁLISE JURÍDICA SOBRE HONORÁRIOS PERICIAIS

ANÁLISE JURÍDICA SOBRE HONORÁRIOS PERICIAIS ANÁLISE JURÍDICA SOBRE HONORÁRIOS PERICIAIS EMENTA: ASSISTENTE SOCIAL. PERITO JUDICIAL. CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. HONORÁRIOS PERICIAIS. APLICAÇÃO EM PROCESSOS JUDICIAIS. BENEFÍCIO DA JUSTIÇA GRATUITA.

Leia mais

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias 03/12/2012 Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias ASPECTOS INTRODUTÓRIOS E PRÁTICOS DA PERÍCIA As características e caminhos percorridos pelo profissional na condição de perito

Leia mais

CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL. 3ª Edição

CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL. 3ª Edição CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL 3ª Edição 1 2 ANTÔNIO GOMES DAS NEVES Contador, Perito, Professor de Legislação Trabalhista e Perícia Contábil na graduação e pós-graduação. CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL 3ª Edição

Leia mais

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES)

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) Regulamenta o exercício da atividade, define a atribuições do Perito Judicial e do Assistente Técnico e dá outras providências. O congresso nacional decreta:

Leia mais

Perícia, Arbitragem e Mediação

Perícia, Arbitragem e Mediação CRC - CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SÃO PAULO Gestão: Domingos Orestes Chiomento 22ª Convenção de Contabilistas do Estado de São Paulo Santos Perícia, Arbitragem e Mediação 19.08.2011 Antonio Carlos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA 8ª. VARA

PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA 8ª. VARA PORTARIA JEF/PB/8ª Vara n.º 01/2010 Dra. Cíntia Menezes Brunetta, Juíza Federal titular da 8ª Vara da Seção Judiciária da Paraíba, com sede em Sousa, no uso de suas atribuições e o Dr. Orlan Donato Rocha

Leia mais

CAPÍTULO III Da Fiscalização das Fundações e Associações

CAPÍTULO III Da Fiscalização das Fundações e Associações CAPÍTULO III Da Fiscalização das Fundações e Associações Art. 186. O Ministério Público, no exercício de sua atribuição fiscalizatória das fundações, 1 exerce atividade administrativa e judicial. Art.

Leia mais

CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/2013. 1 de 21

CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/2013. 1 de 21 CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/2013. 1 de 21 ORIGEM DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 05/10/88 CAPÍTULO II -

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: PERÍCIA CONTÁBIL

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: PERÍCIA CONTÁBIL FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: PERÍCIA CONTÁBIL A QUALIDADE DO LAUDO PERICIAL CONTÁBIL BASEADO NAS RESOLUÇÕES DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

Honorários Periciais Judiciais

Honorários Periciais Judiciais Honorários Periciais Judiciais Atualização monetária Juros legais de mora Impugnação aos Cálculos CAROLINE DA CUNHA DINIZ Máster em Medicina Forense pela Universidade de Valência/Espanha Título de especialista

Leia mais

Clique na aba para folhear

Clique na aba para folhear Clique na aba para folhear Com a promulgação do novo CPC e a sua aplicação a partir de março de 2016; considerando o seu uso subsidiário no Processo do Trabalho, a Seção X Da Prova pericial e o fato de

Leia mais

1.2 - Neste capítulo, as denominações economista, perito e economista perito são utilizadas com o mesmo sentido.

1.2 - Neste capítulo, as denominações economista, perito e economista perito são utilizadas com o mesmo sentido. CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL 4 - A profissão de economista o conteúdo técnico do desempenho profissional 4.2 Normas técnicas específicas 4.2.1 Regulamentação de Perícia Judicial

Leia mais

Aspectos Introdutórios e Práticos da Perícia

Aspectos Introdutórios e Práticos da Perícia Aspectos Introdutórios e Práticos da Perícia Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor de Desenvolvimento Profissional da APEJESP e Paschoal Rizzi Naddeo Vice-Presidente da APEJESP Peritos Contadores 23ª

Leia mais

Perícia Contábil Noções Essenciais da Função e do Ingresso na área de atuação. Palestrante: Suely Gualano Bossa Serrati

Perícia Contábil Noções Essenciais da Função e do Ingresso na área de atuação. Palestrante: Suely Gualano Bossa Serrati Perícia Contábil Noções Essenciais da Função e do Ingresso na área de atuação Palestrante: Suely Gualano Bossa Serrati Conceito de Prova: Etimologicamente, o vocábulo prova é derivado do latim proba, de

Leia mais

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014.

PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. PROVIMENTO CONJUNTO Nº 13, DE 5 DE NOVEMBRO DE 2014. Regulamenta os procedimentos a serem adotados no âmbito da Justiça do Trabalho da 4ª Região em virtude da implantação do PJe- JT, revoga o Provimento

Leia mais

PROVA PERICIAL CONTÁBIL ASPECTOS GERAIS E PROCESSUAIS

PROVA PERICIAL CONTÁBIL ASPECTOS GERAIS E PROCESSUAIS PROVA PERICIAL CONTÁBIL ASPECTOS GERAIS E PROCESSUAIS Paulo Antônio Kretzmann SUMÁRIO: Introdução - 1. Perícia como prova - 2. Características da prova pericial - 3. Sujeito da perícia - 4. Pressupostos

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39 SUMÁRIO Apresentação da Coleção...15 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 1. Antecedentes históricos da função de advogado...19 2. O advogado na Constituição Federal...20 3. Lei de regência da

Leia mais

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ORIENTAÇÂO Nº 4

COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ORIENTAÇÂO Nº 4 COMISSÃO DE ORIENTAÇÃO E FISCALIZAÇÃO ORIENTAÇÂO Nº 4 Dispõe sobre a Nomeação de Assistentes Sociais na qualidade de Peritos Judiciais Reportamo-nos aos Encontros realizados pela Justiça Federal subsecção

Leia mais

FUNDAMENTOS DA PROVA PERICIAL CONTÁBIL

FUNDAMENTOS DA PROVA PERICIAL CONTÁBIL FUNDAMENTOS DA PROVA PERICIAL CONTÁBIL Marco Antônio Amaral Pires Membro da Academia Brasileira de Ciências Contábeis Membro da Academia Mineira de Ciências Contábeis Pós graduado em Contabilidade e Auditoria

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG APELAÇÃO Nº 0013668-60.2005.8.19.0001 Apelante (réu): EDMUNDO DOS SANTOS SILVA. Apelados (autor):

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL OBJETIVO 1. Esta Norma estabelece procedimentos inerentes à atuação do contador na condição de perito. CONCEITO 2. Perito é o contador regularmente

Leia mais

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA DE ARBITRAGEM DAS INDÚSTRIAS DO PARANÁ - CAIEP SEÇÃO I DEFINIÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA DE ARBITRAGEM DAS INDÚSTRIAS DO PARANÁ - CAIEP SEÇÃO I DEFINIÇÕES GERAIS REGULAMENTO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA DE ARBITRAGEM DAS INDÚSTRIAS DO PARANÁ - CAIEP SEÇÃO I DEFINIÇÕES GERAIS Art. 1º - Sujeição ao Regulamento 1.1. A Câmara de Arbitragem das Indústrias do Paraná

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

Processo de liquidação

Processo de liquidação Processo de liquidação Regra geral, a sociedade dissolvida entra imediatamente em liquidação, permitindo que se realizem as operações necessárias para que os bens sociais fiquem em condições de ser partilhados

Leia mais

Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade

Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade Perícia Contábil Professor Remo Dalla Zanna 1 BLOCO 1 Legislação: NBC TP 01 CPC Código de Processo Civil 2 Instrutor: Remo Dalla Zanna 2 Perícia

Leia mais

CASTAGNA MAIA ADVOGADOS ASSOCIADOS

CASTAGNA MAIA ADVOGADOS ASSOCIADOS CASTAGNA MAIA ADVOGADOS ASSOCIADOS Luis Antônio Castagna Maia Betânia Hoyos Figueira Vieira Cecília Maria Lapetina Chiaratto Andréia Gomes Ceregatto Janaína Barcellos Anna Carolina Pagano Michel Adam Lima

Leia mais

ASSUNTO: Orientações sobre perícia judicial e honorários periciais. À Comissão de Orientação e Fiscalização do CRESS 2ª Região - MA.

ASSUNTO: Orientações sobre perícia judicial e honorários periciais. À Comissão de Orientação e Fiscalização do CRESS 2ª Região - MA. OFICIO CRESS/COFI nº 004/2008. PARECER JURÍDICO nº 001/2010/ASSEJUR. ASSUNTO: Orientações sobre perícia judicial e honorários periciais. EMENTA: Orientações aos Assistentes Sociais inscritos no CRESS 2ª

Leia mais

"CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS e ASSISTENTES TÉCNICOS"

CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS e ASSISTENTES TÉCNICOS "CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS e ASSISTENTES TÉCNICOS" 1. Objetivo do Curso: Torne-se um perito judicial, profissão com grande flexibilidade de horários, prazos e que figura como uma das atividades

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1º Este Regimento tem como finalidade regulamentar

Leia mais

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto A Lei que instituiu o processo judicial informatizado, em vigor desde março de 2007, aplica-se indistintamente aos processos civil, penal,

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM da Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem de Porto Alegre Federasul

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM da Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem de Porto Alegre Federasul REGULAMENTO DE ARBITRAGEM da Câmara de Conciliação, Mediação e Arbitragem de Porto Alegre Federasul 1. Da sujeição ao presente regulamento [Denominação da Câmara] 1.1. As partes que resolverem submeter

Leia mais

Edilson Aguiais é... Introdução à Perícia Judicial e Extra-Judicial. Introdução 15/09/2014. Lei 1.411 13/08/1951. Art. 1 o Art. 14

Edilson Aguiais é... Introdução à Perícia Judicial e Extra-Judicial. Introdução 15/09/2014. Lei 1.411 13/08/1951. Art. 1 o Art. 14 Introdução à Perícia Judicial e Extra-Judicial CORECON/GO Ago/14 SENHA WI-FI: 2009102009 Econ. Edilson Aguiais CRE-GO 2.337/D Edilson Aguiais é... Atividades Profissionais Economista; Consultor de Empresas;

Leia mais

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO

CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO Projeto de Lei do Senado/Câmara n o de CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO II DOS MEDIADORES CAPÍTULO III DOS MEDIADORES JUDICIAIS CAPÍTULO IV DO PROCEDIMENTO DE MEDIAÇÃO Seção I - Da Mediação Judicial

Leia mais

ASPECTOS POLÊMICOS E ATUAIS DA PROVA PERICIAL NO PROCESSO DO TRABALHO. Mauro Schiavi 1

ASPECTOS POLÊMICOS E ATUAIS DA PROVA PERICIAL NO PROCESSO DO TRABALHO. Mauro Schiavi 1 PERICIAL NO PROCESSO DO TRABALHO ASPECTOS POLÊMICOS E ATUAIS DA PROVA Mauro Schiavi 1 O juiz é um técnico em direito, habilitado, como regra geral, em concurso público. Como o processo é destinado à composição

Leia mais

CURSO INTENSIVO DE PERICIA JUDICIAL AMBIENTAL TURMA II SÃO CARLOS (SP)

CURSO INTENSIVO DE PERICIA JUDICIAL AMBIENTAL TURMA II SÃO CARLOS (SP) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS CURSO INTENSIVO DE PERICIA JUDICIAL AMBIENTAL TURMA II SÃO CARLOS (SP) Objetivos: Capacitar profissionais e estudantes para atuarem

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Manual do Procedimento Comum Ordinário Cível da SJPE. BizAgi Process Modeler

Manual do Procedimento Comum Ordinário Cível da SJPE. BizAgi Process Modeler Manual do Procedimento Comum Ordinário Cível da SJPE BizAgi Process Modeler Índice Procedimento Comum Ordinário Cível... 8 Procedimento comum ordinário...9 Elementos do processo...9 01. Receber inicial...

Leia mais

TRIBUNAL DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E JUSTIÇA ARBITRAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS ESTADO DE SÃO PAULO TJAMESP-

TRIBUNAL DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E JUSTIÇA ARBITRAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS ESTADO DE SÃO PAULO TJAMESP- TRIBUNAL DE CONCILIAÇÃO, MEDIAÇÃO E JUSTIÇA ARBITRAL DA REGIÃO METROPOLITANA DE CAMPINAS ESTADO DE SÃO PAULO TJAMESP- Regimento Interno TÍTULO I DISPOSIÇÕES INTRODUTÓRIAS Capítulo I DO ÂMBITO DE APLICAÇÃO

Leia mais

DIÁRIO DA JUSTIÇA ELETRONICO ÓRGÃO DE DIVULGAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

DIÁRIO DA JUSTIÇA ELETRONICO ÓRGÃO DE DIVULGAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DIÁRIO DA JUSTIÇA ELETRONICO ÓRGÃO DE DIVULGAÇÃO DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL LEI N 1.008, DE 12-04-50 DATA DA DISPONIBILIZAÇÃO: QUINTA-FEIRA, 10 DE MARÇO DE 2011 - PORTO ALEGRE/RS

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 Aprova a NBC T 13.2 Planejamento da Perícia. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações

Leia mais

Regulamento do Programa de Mediação, Negociação e Arbitragem do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito

Regulamento do Programa de Mediação, Negociação e Arbitragem do Núcleo de Prática Jurídica do Curso de Direito Associação Catarinense de Ensino FACULDADE GUILHERME GUIMBALA - FGG Curso de Direito Autorização da Unificação de Mantidas - FGG: Portaria SESu Nº 56, de 18/01/2008 (DOU de 21/01/2008) Curso de Direito

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS DO IBAPE-ES

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS DO IBAPE-ES REGULAMENTO DE HONORÁRIOS DO IBAPE-ES CAPÍTULO I - EXPOSIÇÕES DE MOTIVOS O presente Regulamento tem por objetivo estabelecer valores e formas de compatibilizar os interesses entre contratante e contratado,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO INTERNO

COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL REGIMENTO INTERNO Aprovado pela Resolução CONSUP nº 136, de 18/11/2010. COMISSÃO DE ÉTICA DO IFRS REGIMENTO

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM CONSTRUÇÃO CIVIL Professores: Adriano de Paula e Silva Cristiane Machado Parisi Jonov 1 Título - O primeiro item a ser considerado é o título Considerações

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL OBJETIVO 1. Esta norma tem como objetivo estabelecer regras e procedimentos técnicos a serem observados pelo perito, quando

Leia mais

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 PROVA PERICIAL A prova pericial consiste em EXAME, VISTORIA ou AVALIAÇÃO. (Art. 420 do CPC) (Art. 464 do NCPC) 2 o De ofício ou a requerimento

Leia mais

PLANO DE ENSINO FICHA N o 2

PLANO DE ENSINO FICHA N o 2 PLANO DE ENSINO FICHA N o 2 Disciplina: Prática Jurídica Trabalhista Código:? Natureza: ( x ) obrigatória ( ) optativa Semestral ( ) Anual ( x ) Modular ( ) Pré-requisito: 3º ano completo Co-requisito:

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011 Resolução nº 001/011 Regulamentar a Arbitragem Expedita. do Curso de Direito; - Considerando a necessidade de Regulamentar a Arbitragem Expedita O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão aprovou, e eu

Leia mais

Art. 1º - Introdução. Art. 2º. Da composição

Art. 1º - Introdução. Art. 2º. Da composição REGULAMENTO DA 10ª CÂMARA DE CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM DE GOIÂNIA ORGANIZAÇÃO INTERNA E DISPOSIÇÕES PARA OS PROCEDIMENTOS DE AUTOCOMPOSIÇÃO, MEDIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E ARBITRAGEM Art. 1º - Introdução 1. A

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO A IDENTIFICAÇÃO DOS CUSTOS DA QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL

UMA CONTRIBUIÇÃO A IDENTIFICAÇÃO DOS CUSTOS DA QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL UMA CONTRIBUIÇÃO A IDENTIFICAÇÃO DOS CUSTOS DA QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL Karina Zucolotto (MZM Contabilidade) - karina@mzmcontabilidade.com.br Franklin dos Santos Moura (MZM

Leia mais

NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS PROGRAMA DAS ATIVIDADES DE ARBITRAGEM, NEGOCIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO CURSO DE DIREITO Faculdade Pitágoras de Betim

NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS PROGRAMA DAS ATIVIDADES DE ARBITRAGEM, NEGOCIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO CURSO DE DIREITO Faculdade Pitágoras de Betim REGULAMENTO DO PROGRAMA DAS ATIVIDADES DE ARBITRAGEM, NEGOCIAÇÃO, CONCILIAÇÃO E MEDIAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICAS JURÍDICAS DA FACULDADE PITÁGORAS DE BETIM RESOLUCAO N.º 005 /2013 Regulamenta as atividades

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO DO TRABALHO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO DIREITO DO TRABALHO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO F U N D A Ç Ã O GETULIO VARGAS FGV PROJETOS DIREITO DO TRABALHO PROVA PRÁTICO - PROFISSIONAL Leia com atenção as instruções a seguir: Você está

Leia mais

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL

PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL PRÁTICA PROCESSUAL CIVIL 17ª Sessão DOS PRINCÍPIOS DA PROVA EM PROCESSO CIVIL Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 PROVA? FUNÇÃO DA PROVA: Demonstrar a realidade dos factos (artigo 341.º

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA

PODER JUDICIÁRIO SEGUNDO TRIBUNAL DE ALÇADA CIVIL DÉCIMA CÂMARA APELAÇÃO SEM REVISÃO N º 671.882-0/4 PEDERNEIRAS Apelante: Instituto Nacional do Seguro Social INSS Apelada: Benedita Maria dos Santos ACIDENTE DO TRABALHO. EMBARGOS À EXECUÇÃO. DIFERENÇAS. LIMITE TEMPORAL.

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo 1. Esta Norma estabelece regras e procedimentos técnico-científicos a serem observados pelo perito, quando

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE CURSO 1. Identificação

Leia mais

Responsabilidade em saúde

Responsabilidade em saúde Responsabilidade em saúde Cível:obrigação de indenização indene de prejuízo Constituição Federal/Código civil/cdc Elementos de responsabilidade Autor Ato Culpa Dano Nexo causal CÓDIGO CIVIL Art. 186 Aquele

Leia mais

O PROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E AS ALTERAÇÕES NA PROVA PERICIAL DE ENGENHARIA LEGAL E ATUAÇÃO DO PERITO

O PROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E AS ALTERAÇÕES NA PROVA PERICIAL DE ENGENHARIA LEGAL E ATUAÇÃO DO PERITO 1 O PROJETO DO NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL E AS ALTERAÇÕES NA PROVA PERICIAL DE ENGENHARIA LEGAL E ATUAÇÃO DO PERITO Projeto de Lei - Deputado Paulo Teixeira Redator Geral ENG. 05/05/2014 Anexo: artigo

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 10, DE 20 DE JUNHO DE 2014

SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 10, DE 20 DE JUNHO DE 2014 SUPERINTENDÊNCIA NACIONAL DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DIRETORIA COLEGIADA INSTRUÇÃO Nº 10, DE 20 DE JUNHO DE 2014 Instala a Comissão de Mediação, Conciliação e Arbitragem da Superintendência Nacional de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.110.417 - MA (2008/0273075-4) RELATÓRIO MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI: Cuida-se de recurso especial interposto contra acórdão proferido pelo Tribunal de Justiça do Estado do Maranhão,

Leia mais

EMENTA ACÓRDÃO. Des. Federal FERNANDO QUADROS DA SILVA Relator

EMENTA ACÓRDÃO. Des. Federal FERNANDO QUADROS DA SILVA Relator Página 1 de 2 APELAÇÃO CÍVEL Nº 5000279-76.2011.404.7109/RS RELATOR : FERNANDO QUADROS DA SILVA APELANTE : RUIBAR BEROCI LEITE FREITAS ADVOGADO : EVERTON LUIS DOURADO TRINDADE : LENICE MARTIN NAVARRINA

Leia mais

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL Laudo é o documento, elaborado por um ou mais peritos, onde se apresentam conclusões do exame pericial. No laudo, responde se aos quesitos (perguntas)

Leia mais

DO PERITO. Seu caráter deve ser íntegro e sujeito a todas as provas, resistindo a toda espécie de pressões e a todas as situações.

DO PERITO. Seu caráter deve ser íntegro e sujeito a todas as provas, resistindo a toda espécie de pressões e a todas as situações. DO PERITO Profissional possuidor de conhecimentos técnicos acima da média normal dos seus colegas, um aprimoramento cultural diversificado, ser realmente especializado e aperfeiçoado em sua área de atuação.

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO META PRIORITÁRIA 5/2010 TRT da 17ª REGIÃO

MANUAL DE GESTÃO META PRIORITÁRIA 5/2010 TRT da 17ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 17ª REGIÃO MANUAL DE GESTÃO META PRIORITÁRIA 5/2010 TRT da 17ª REGIÃO Versão 1 Outubro/2010 1 Sumário 1.Introdução... 1 2.Subprocessos...

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Rômulo Delgado Silva, brasileiro, viúvo, empresário, portador da identidade 113, CPF 114, residente e domiciliado na Avenida Brás Montes, casa 72 Boa Vista Roraima

Leia mais

Ciclano da Silva Advogados Associados

Ciclano da Silva Advogados Associados Ciclano da Silva Advogados Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE ALTA FLORESTA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BAIXA FLORESTA/PR. FULANO DE TAL, pessoa

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL: Um levantamento empírico de perícias realizadas no Distrito Federal sob o enfoque do planejamento e laudos periciais 1

PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL: Um levantamento empírico de perícias realizadas no Distrito Federal sob o enfoque do planejamento e laudos periciais 1 PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL: Um levantamento empírico de perícias realizadas no Distrito Federal sob o enfoque do planejamento e laudos periciais 1 Tânia Maria Hoepers 2 Prof. MSc. Idalberto José das Neves

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM E MEDIAÇÃO DA CÂMARA DE ARBITRAGEM E MEDIAÇÃO DA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ CAMFIEP

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM E MEDIAÇÃO DA CÂMARA DE ARBITRAGEM E MEDIAÇÃO DA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ CAMFIEP REGULAMENTO DE ARBITRAGEM E MEDIAÇÃO DA CÂMARA DE ARBITRAGEM E MEDIAÇÃO DA FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO PARANÁ CAMFIEP SEÇÃO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º - Sujeição ao Regulamento 1.1. A Câmara

Leia mais