CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/ de 21

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/2013. 1 de 21"

Transcrição

1 CURSO: PERÍCIAS JUDICIAIS - AMES. PROFESSOR: CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA. PERÍODO: MARÇO/ de 21

2 ORIGEM DOS ADICIONAIS DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 05/10/88 CAPÍTULO II - DOS DIREITOS SOCIAIS - ART. 7º CAPÍTULO II DOS DIREITOS SOCIAIS CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE 05/10/88 - ART. 6º SÃO DIREITOS SOCIAIS A EDUCAÇÃO, A SAÚDE, O TRABALHO, O LASER, A SEGURANÇA, A PREVIDÊNCIA SOCIAL, A PROTEÇÃO À MATERNIDADE E INFÂNCIA, A ASSISTÊNCIA AOS DESAMPARADOS, NA FORMA DESTA CONSTITUIÇÃO. - ART. 7º SÃO DIREITOS DOS TRABALHADORES URBANOS E RURAIS, ALÉM DE OUTROS QUE VISEM À MELHORIA DE SUA CONDIÇÃO SOCIAL. XXII- REDUÇÃO DOS RISCOS INERENTES AO TRABALHO, POR MEIO DE NORMAS DE SAÚDE, HIGIENE E SEGURANÇA. XXIII - ADICIONAL DE REMUNERAÇÃO PARA AS ATIVIDADES PENOSAS, INSALUBRES OU PERIGOSAS, NA FORMA DA LEI; ART CLT: SERÃO CONSIDERADAS ATIVIDADES INSALUBRES AQUELAS QUE, POR SUA NATUREZA, CONDIÇÕES OU MÉTODOS DE TRABALHO, EXPONHAM OS EMPREGADOS A AGENTES NOCIVOS À SAÚDE, ACIMA DOS LIMITES DE TOLERÂNCIA FIXADOS EM RAZÃO DA NATUREZA E INTENSIDADE DO AGENTE E DO TEMPO DE EXPOSIÇÃO AOS SEUS EFEITOS. ART CLT: SÃO CONSIDERADAS ATIVIDADES OU OPERAÇÕES PERIGOSAS, NA FORMA DA REGULAMENTAÇÃO APROVADA PELO MINISTÉRIO, AQUELAS QUE POR SUA NATUREZA OU MÉTODOS DE TRABALHO, IMPLIQUEM O CONTATO PERMANENTE COM INFLAMÁVEIS OU EXPLOSIVOS EM CONDIÇÕES DE RISCO ACENTUADO. 2 de 21

3 MÉDICO ENGENHEIRO SEGURANÇA CONHECIMENTO CPC CONHECIMENTO CLT CONHECIMENTO DAS NORMAS DE HIGIENE E SEGURANÇA PERITO DO JUÍZO E ASSISTENTE TÉCNICO CONHECIMENTO DE HIGIENE E SEGURANÇA CONHECIMENTO DA ESTRUTURA DA JUSTIÇA CONHECIMENTO DA TERMINOLOGIA EMPREGADA NO PROCESSO TRABALHISTA - CIVIL CONHECIMENTO DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CONHECIMENTO DO RITO PROCESSUAL TRABALHISTA/CIVIL 3 de 21

4 PROFISSIONAIS HABILITADOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIAS PERITOS DO JUÍZO - ART CLT: A CARACTERÍZAÇÃO E A CLASSIFICAÇÃO DA INSALUBRIDADE E DA PERICULOSIDADE, SEGUNDO AS NORMAS DO MINISTÉRIO E DA PREVIDÊNCIA SOCIAL, FAR-SE-ÃO ATRAVÉS DE PERÍCIA A CARGO DE MÉDICO OU ENGENHEIRO, REGISTRADOS NO MINISTÉRIO E DA PREVIDÊNCIA SOCIAL. REGISTRO DO MINISTÉRIO E DA PREVIDÊNCIA SOCIAL - ABOLIDO EM 27/11/1985, PELA LEI N.º ASSISTENTES TÉCNICOS O PAPEL DO PERITO DO JUIZ - EXCLUSIVAMENTE TÉCNICO O PAPEL DOS ASSISTENTES TÉCNICOS REGULAMENTAÇÃO DAS ATIVIDADES INSALUBRES E PERICULOSAS NORMA REGULAMENTADORA N.º 15 (NR-15), DA PORTARIA N.º 3.214, DE 08/06/78, DO MINISTÉRIO. NORMA REGULAMENTADORA N.º 16 (NR-16), DA PORTARIA DE 08/06/78, DO MINISTÉRIO LEI N.º 7.369, DE 20/09/85, REGULAMENTADA PELO DECRETO , DE 14/10/86. DECRETO N.º , DE 04/03/93 PORTARIA nº 518, de 04/04/03 NORMA REGULAMENTADORA Nº15 (NR-15) 01 - NÍVEIS DE RUÍDO CONTÍNUO - ( ANEXO 1 ) 02 - NÍVEIS DE RUÍDO DE IMPACTO - ( ANEXO 2 ) 03 - CALOR - ( ANEXO 3 ) 04 - NÍVEIS DE ILUMINAMENTO - ( ANEXO 4) - REVOGADO 05 - RADIAÇÕES IONIZANTES - (ANEXO 5 ) 4 de 21

5 06 - TRABALHO SOB CONDIÇÕES HIPERBÁRICAS - (ANEXO 6 ) 07 - RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES - ( ANEXO 7 ) 08 - VIBRAÇÕES - (ANEXO 8 ) 09 - FRIO - ( ANEXO 9 ) 10 - UMIDADE - ( ANEXO 10 ) 11 - AGENTES QUÍMICOS COM LIMITE DE TOLERÂNCIA - ( ANEXO 11 ) 12 - POEIRAS MINERAIS - (ANEXO 12) ASBESTO E MANGANÊS 13 - AGENTES QUÍMICOS DE AVALIAÇÃO QUALITATIVA - ( ANEXO 13 ) 14 - AGENTES BIOLÓGICOS - ( ANEXO 14 ) NORMA REGULAMENTADORA Nº16 (NR-16) 1- PERICULOSIDADE EM RAZÃO DE EXPLOSIVOS ( NR-16, ANEXO 01 ) 2- PERICULOSIDADE EM RAZÃO DE INFLAMÁVEIS( NR-16, ANEXO 02) 3- PERICULOSIDADE EM RAZÃO DE RADIAÇÕES IONIZANTES (NR-16) I - FÓRUM COMPETENTE REQUERIMENTO DA PERÍCIA TRABALHADORES REGIDOS PELA CLT-JUSTIÇA - VARAS DO TRABALHO. FUNCIONÁRIOS PÚBLICOS - JUSTIÇA COMUM - VARAS DE FAZENDA PÚBLICA E AUTARQUIAS. II - FORMA - RECLAMAÇÃO TRABALHISTA - PETIÇÃO INICIAL 5 de 21

6 JUSTIÇA TST 27 MINISTROS TRT 36 DESEMBARGADORES VARAS 136 VARAS (40 BH - 96 INTERIOR) PRESIDÊNCIA PRESIDÊNCIA SECRETARIA CORREGEDORIA GERAL VICE- PRESIDÊNCIA Judicial Administrativa ÓRGÃO ESPECIAL CORREGEDORIA REGIONAL TURMAS TURMAS (8) SEÇÃO ESPECIALIZADA EM DISSÍDIOS COLETIVOS Turma recursal de Juiz de Fora SEÇÃO ESPECIALIZADA EM DISSÍDIOS INDIVIDUAIS ÓRGÃO ESPECIAL CONSELHO DA ORDEM DO MÉRITO JUDICIÁRIO DO TRABALHO SEÇÃO ESPECIALIZADA EM DISSÍDIOS COLETIVOS PETIÇÃO AUTOS DESPACHOS ATA DE AUDIÊNCIA NOTIFICAÇÃO/INTIMAÇÃO EXPERT - LOUVADO QUESITOS SENTENÇA DILIGÊNCIA RECLAMADO RECLAMANTE SUBSTITUÍDO PROCEDIMENTO SUMARÍSSIMO JURISPRUDÊNCIA ACORDÃO RECURSO VARAS TERMINOLOGIA USUAL 6 de 21

7 ETAPAS DO PROCEDIMENTO PERICIAL DETERMINAÇÃO DA REALIZAÇÃO DA PERÍCIA NOMEAÇÃO DO PERITO PEDIDO DE DESTITUIÇÃO (ART CPC) FIXAÇÃO DO PRAZO PARA ENTREGA DO LAUDO FIXAÇÃO DO PRAZO PARA APRESENTAÇÃO DE QUESITOS E ASSISTENTES TÉCNICOS INTIMAÇÃO DO PERITO CARGA DO PROCESSO (RETIRADA DO PROCESSO PARA REALIZAÇÃO DA PERÍCIA) ANÁLISE DOS AUTOS - NATUREZA DA PERÍCIA - PROVÁVEIS AGENTES - ASSISTENTES TÉCNICOS - EQUIPAMENTOS A SEREM UTILIZADOS PROGRAMAÇÃO DA DILIGÊNCIA - COMUNICAR AO RECLAMADO? - COMUNICAR AO RECLAMANTE? - COMUNICAR AOS ASSISTENTES? A DILIGÊNCIA PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE 1- CHEGADA NA EMPRESA 1ª ETAPA - APURAÇÃO FÁTICA DADOS FUNCIONAIS DO RECLAMANTE LOCAIS DE TRABALHO ATIVIDADES FICHAS DE EPIs CERTIFICADOS DE APROVAÇÃO SOLICITAÇÃO DE DOCUMENTOS IMPORTÂNCIA DA APURAÇÃO DOS FATOS 7 de 21

8 2ª ETAPA - AVALIAÇÕES TÉCNICAS PARADIGMA ALTERAÇÕES OCORRIDAS NO AMBIENTE DE TRABALHO EMPRESA EM FUNCIONAMENTO NORMAL USO DE EPIs DIFICULDADES ENCONTRADAS IMPEDIMENTO DE REALIZAÇÃO DA DILIGÊNCIA - FORÇA POLICIAL ALTERAÇÃO NO AMBIENTE DE TRABALHO (ACRÉSCIMO OU SUPRESSÃO DE EQUIPAMENTOS, MUDANÇA DE PROCESSO, ETC.) ENCERRAMENTO DAS ATIVIDADES DA EMPRESA NEGATIVA DA EMPRESA COM RELAÇÃO AO FORNECIMENTO DE DOCUMENTOS 8 de 21

9 ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL DE PERICULOSIDADE 7 ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE 9 de 21

10 ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE HAVIA EXPOSIÇÃO A AGENTES INSALUBRES? SIM NÃO HOUVE A ADOÇÃO DE MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVAS E/OU O FORNECIMENTO DE EPIs? NÃO SE CARACTERIZA A INSALUBRIDADE. SIM NÃO AS MEDIDAS DE PROTEÇÃO COLETIVA E/OU EPIs FORNECIDOS ERAM ADEQUADOS A NEUTRALIZAÇÃO DA INSALUBRIDADE? FICA CARACTERIZADA A INSALUBRIDADE SIM NÃO HOUVE O FORNECIMENTO REGULAR, O USO EFETIVO DOS EPIs E FORAM FEITOS TREINAMENTOS? FICA CARACTERIZADA A INSALUBRIDADE SIM NÃO NÃO SE CARACTERIZADA A INSALUBRIDADE FICA CARACTERIZADA A INSALUBRIDADE 10 de 21

11 ELABORAÇÃO DO LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE ANÁLISE DOS FATOS APURADOS NA DILIGÊNCIA. ENQUADRAMENTOS NORMATIVOS E TÉCNICOS. ITENS BÁSICOS: - INTRODUÇÃO. - METODOLOGIA. - DADOS FUNCIONAIS DO RECLAMANTE. - DESCRIÇÃO DO LOCAL DE TRABALHO. - DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DO RECLAMANTE. - ANÁLISE DE INSALUBRIDADE E/OU PERICULOSIDADE. - RESPOSTA AOS QUESITOS DO RECLAMANTE. - RESPOSTA AOS QUESITOS DO RECLAMADO. - CONCLUSÃO. 11 de 21

12 LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE I-INTRODUÇÃO...ingressou com reclamatória trabalhista contra...reivindicando, entre outros itens, direito a adicional de insalubridade, nos termos do exposto no item n.º..., da inicial de fls. Para apuração da alegada insalubridade, foi determinada a realização de perícia, conforme ata de fls. A diligência pericial foi realizada no dia xx de xxxxx de xxxx, no local em que o Reclamante trabalhava, em sua companhia e do Assistente Técnico do Reclamado. Foram obtidas informações com o Reclamante e com as seguintes pessoas: II- LEGISLAÇÃO APLICADA E METODOLOGIA Para identificação das atividades e ex-locais de trabalho do Reclamante, o Perito entrevistou o mesmo e as pessoas relacionadas no item I do laudo A análise de insalubridade nas atividades/ex-locais de trabalho do Reclamante foi feita com base nos critérios estabelecidos na Norma Regulamentadora n.º 15 (NR-15) e seus Anexos, da Portaria n.º 3.214/78, do Ministério do Trabalho. Para cada agente identificado foi verificado se o Reclamado cumpriu as disposições do subitem , da NR-15, com relação a eliminação ou neutralização da insalubridade. Com relação aos equipamentos de proteção individual (EPIs) porventura fornecidos, foi verificado se houve o cumprimento das disposições contidas na Norma Regulamentadora n.º 6 (NR-6), da Portaria 3.214/78, com destaque para os itens 6.2, 6.5 e 6.6.1b. Data de admissão: Data de demissão: Função(ões): III- DADOS FUNCIONAIS DO RECLAMANTE 12 de 21

13 IV- LOCAL DE TRABALHO DO RECLAMANTE V- ATIVIDADES DO RECLAMANTE VI- PESQUISA DE INSALUBRIDADE Foram pesquisados nas atividades/ex-locais de trabalho do Reclamante possíveis agentes de insalubridade, dentre os definidos na NR-15 e seus Anexos, da Portaria n.º 3.214, de 08/06/78. VI.1- NÍVEIS DE RUÍDO CONTÍNUO - (ANEXO 1) O nível de ruído contínuo (equivalente), medido no ex-local de trabalho do Reclamante com audiodosímetro de marca Simpson, modelo 897, operando no circuito de compensação A e resposta lenta, com o microfone posicionado ao nível auditivo do trabalhador, é inferior ao limite de tolerância de 85 db(a), não caracterizando a insalubridade. VI.2- NÍVEIS DE RUÍDO DE IMPACTO - (ANEXO 2) Inexistente. VI.3- CALOR - (ANEXO 3) Inexistente. VI.4- NÍVEIS DE ILUMINAMENTO - ( ANEXO 4) Revogado VI.5 - RADIAÇÕES IONIZANTES - (ANEXO 5 ) Inexistente VI.6 - TRABALHO SOB CONDIÇÕES HIPERBÁRICAS - (ANEXO 6 ) Inexistente VI.7 - RADIAÇÕES NÃO IONIZANTES - ( ANEXO 7 ) Inexistente VI.8 - VIBRAÇÕES - (ANEXO 8 ) Inexistente VI.9 - FRIO - ( ANEXO 9 ) Inexistente 13 de 21

14 VI.10 - UMIDADE - ( ANEXO 10 ) Inexistente VI.11 - AGENTES QUÍMICOS COM LIMITE DE TOLERÂNCIA - ( ANEXO 11 ) Inexistente VI.12 - POEIRAS MINERAIS - (ANEXO 12) Inexistente VI.13 - AGENTES QUÍMICOS DE AVALIAÇÃO QUALITATIVA - ( ANEXO 13 ) Inexistente VI.14 - AGENTES BIOLÓGICOS - ( ANEXO 14 ) Inexistente VII- QUESITOS DO RECLAMANTE (Fls. ) VIII- QUESITOS DO RECLAMADO (Fls. ) IX- CONCLUSÃO Com base na inspeção realizada, nas informações recebidas e nas disposições da NR-15 e seus Anexos, conclui-se: Belo Horizonte, xx de xxxxx de xxxx CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA ENGENHEIRO DE SEGURANÇA CREA /D 14 de 21

15 LAUDO PERICIAL DE PERICULOSIDADE I-INTRODUÇÃO...ingressou com reclamatória trabalhista contra...reivindicando, entre outros itens, direito a adicional de periculosidade, nos termos do exposto no item n.º..., da inicial de fls.. Para apuração da alegada periculosidade, foi determinada a realização de perícia, conforme ata de fls. A diligência pericial foi realizada no dia xx de xxxx, no local em que o Reclamante trabalhava, em sua companhia e do Assistente Técnico do Reclamado. O Perito obteve informações com o Reclamante e com as seguintes pessoas: II- LEGISLAÇÃO APLICADA E METODOLOGIA Para identificação das atividades e ex-locais de trabalho do Reclamante, o Perito entrevistou o mesmo e as pessoas relacionadas no item I do laudo A análise de periculosidade nas atividades/ex-locais de trabalho do Reclamante foi feita com base nos critérios estabelecidos na Norma Regulamentadora n.º 16 (NR-16) e seus Anexos, na Portaria n.º 518 de 04/04/03, e no Decreto n.º , de 14/10/86. - Data de admissão: - Data de demissão: - Função(ões): III- DADOS FUNCIONAIS DO RECLAMANTE IV- LOCAL DE TRABALHO DO RECLAMANTE V- ATIVIDADES DO RECLAMANTE 15 de 21

16 VI- PESQUISA DE PERICULOSIDADE VI.1- PERICULOSIDADE EM RAZÃO DE EXPLOSIVOS - (NR-16, ANEXO 01) O Reclamante não lidava com explosivos e não trabalhava em área de risco de armazenamento de explosivos. VI.2- PERICULOSIDADE EM RAZÃO DE INFLAMÁVEIS - (NR-16, ANEXO 02) O Reclamante não lidava com inflamáveis e não trabalhava em área de risco em razão de inflamáveis. VI.3- PERICULOSIDADE EM RAZÃO DE RADIAÇÕES IONIZANTES - (NR-16, PORTARIA 518/03) O Reclamante não lidava com radiações ionizantes e não trabalhava em área de risco em razão de radiações ionizantes VI.4- PERICULOSIDADE EM RAZÃO DE ELETRICIDADE- (DECRETO 93412/86) O Reclamante não lidava com eletricidade e não trabalhava em área de risco em razão de eletricidade. VIII- QUESITOS DO RECLAMANTE (Fls. ) VIII- QUESITOS DO RECLAMADO (Fls. ) Belo Horizonte, xx de xxxxx de xxxx. CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA ENGENHEIRO DE SEGURANÇA CREA /D 16 de 21

17 PERÍCIAS DE ACIDENTE 1- TIPOS: Médicas Engenharia 2- OBJETIVOS: Médicas Engenharia 3- DILIGÊNCIA PERICIAL Devido às diferenças existentes entre cada indústria, tais como espaço físico, produto fabricado, processo operacional, tipos de máquinas e equipamentos, não é possível estabelecer um padrão a ser empregado para qualquer diligência. Investigação do acidente tópicos básicos. - análise das manifestações das partes e dos documentos apresentados nos autos; - consulta do Livro de Inspeção do Trabalho; - consulta do livro da CIPA; - vistoria do local do acidente; - obtenção de informações com a acerca das circunstâncias do acidente e das práticas operacionais relacionadas com a atividade executada quando de sua ocorrência; - identificação dos fatores que contribuíram para a ocorrência do acidente (descumprimento de normas, falta de normas, ferramentas ou máquinas inadequadas, etc.). Elaboração do laudo 17 de 21

18 CONSIDERAÇÕES GERAIS ENTREGA DO LAUDO PERICIAL PETIÇÃO DE APRESENTAÇÃO PROTOCOLO COMUNICAR AOS ASSISTENTES A ENTREGA DO LAUDO. REQUERIMENTO DE ADIAMENTO DA DATA DE ENTREGA DO LAUDO. PRAZO DE ENTREGA DO LAUDO PERICIAL DO ASSISTENTE TÉCNICO (LEI N.º 5.584, DE 26/06/70). RESPOSTAS A PEDIDOS DE ESCLARECIMENTOS FORMULADOS PELAS PARTES. ESCLARECIMENTOS EM AUDIÊNCIA (ART CPC). HONORÁRIOS PERICIAIS RESOLUÇAO Nº 35/07 DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA. ASSUNTOS POLÊMICOS CONCEITOS DE EVENTUAL, HABITUAL E ITERMITENTE, PERMANENTE. AVALIAÇÃO QUALITATIVA - ANEXO 13. MANIPULAÇÃO, MANUSEIO, FABRICAÇÃO, EMPREGO. ANEXO 11 - CONTATO COM A PELE. ANEXO 14 - HOSPITAIS GARI. PERICULOSIDADE EM RAZÃO DE ELETRICIDADE. VIDA ÚTIL DE EPIs. 18 de 21

19 MODELOS DE PETIÇÕES EXMO. SR. DR. JUIZ DA VARA DE PROCESSO: RECLAMANTE: RECLAMADO: Cláudio Luiz Reis Rocha, Perito do Juízo nomeado na reclamatória trabalhista em epígrafe vem, respeitosamente, apresentar o laudo pericial em 5 (cinco) laudas, sendo todas rubricadas e a última assinada, e requerer sua juntada aos autos. Agradece a V.Exa. a nomeação como Perito e requer que os honorários periciais sejam fixados em... Esperando continuar a merecer a confiança de V.Exa., o Perito apresenta suas cordiais saudações. Termos em que, Pede e espera deferimento. Belo Horizonte, xx de xxxxx de xxxx. CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA ENGENHEIRO DE SEGURANÇA CREA /D 19 de 21

20 EXMO. SR. DR. JUIZ DA VARA DE PROCESSO: RECLAMANTE: RECLAMADO: Cláudio Luiz Reis Rocha, Perito do Juízo, nomeado na reclamatória trabalhista em epígrafe vem, respeitosamente, requerer a dilação do prazo de entrega do laudo pericial por 15 (quinze) dias, tendo em vista a complexidade da perícia a ser realizada. Termos em que, Pede e espera deferimento. Belo Horizonte, xx de xxxxx de xxxx. CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA ENGENHEIRO DE SEGURANÇA CREA /D 20 de 21

21 EXMO. SR. DR. JUIZ DA VARA DE PROCESSO: RECLAMANTE: RECLAMADO: Cláudio Luiz Reis Rocha, Perito do Juízo, nomeado na reclamatória trabalhista em epígrafe vem, respeitosamente, requerer destituição da honrosa missão que lhe foi confiada em razão de... Termos em que, Pede e espera deferimento. Belo Horizonte, xx de xxxxx de xxxx. CLÁUDIO LUIZ REIS ROCHA ENGENHEIRO DE SEGURANÇA CREA /D 21 de 21

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

O valor do curso até 07/11/2015 é R$ 1.200,00 (à vista) A partir de 08/11/2015 R$1.500,00 (à vista)

O valor do curso até 07/11/2015 é R$ 1.200,00 (à vista) A partir de 08/11/2015 R$1.500,00 (à vista) CURSO DE PERITO E ASSISTENTE TÉCNICO EM PERICULOSIDADE/INSALUBRIDADE Apresentação: Ivomar Mezoni O curso será realizado em Araçatuba (SP) nos dias 07, 08, 09 e 10 de dezembro de 2015, das 08 às 17h00 O

Leia mais

SOLICTAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE

SOLICTAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE SOLICTAÇÃO DE CONCESSÃO / CESSAÇÃO DE ADICIONAL DE INSALUBRIDADE / PERICULOSIDADE OBJETIVO: 1 - Este formulário tem o objetivo de uniformizar os encaminhamentos de solicitações de Laudo de Insalubridade

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL FASE INICIAL DA PERÍCIA FASE INICIAL DA PERÍCIA DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL N Ã O NOMEAÇÃO DO PERITO SIM A C E I T A

Leia mais

Perícias Judiciais e Seus Cuidados Alessandro Mazaro AMZ EPRESARIAL

Perícias Judiciais e Seus Cuidados Alessandro Mazaro AMZ EPRESARIAL Perícias Judiciais e Seus Cuidados Alessandro Mazaro AMZ EPRESARIAL Apresentação Alessandro Mazaro Formação: Eng. de Produção/ Eng. Mecânica/Eng. de Segurança do Trabalho Atuação: Perito Judicial na justiça

Leia mais

O PAPEL DO SESMT NA PERÍCIA JUDICIAL TRABALHISTA. Marcelo Loutfi Ministrante. São Paulo, 08 de Outubro de 2010.

O PAPEL DO SESMT NA PERÍCIA JUDICIAL TRABALHISTA. Marcelo Loutfi Ministrante. São Paulo, 08 de Outubro de 2010. O PAPEL DO SESMT NA PERÍCIA JUDICIAL TRABALHISTA Marcelo Loutfi Ministrante São Paulo, 08 de Outubro de 2010. TÓPICOS ABORDADOS I. A reclamação Trabalhista II. A Perícia Judicial III. Documentação IV.

Leia mais

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE 1 - DEFINIÇÃO Adicional salarial a que fazem jus os servidores que trabalham em contato permanente sob condições de risco acentuado em determinadas atividades ou operações classificadas como perigosas

Leia mais

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978

PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO PORTARIA N. 3.214, 08 DE JUNHO DE 1978 Aprova as Normas Regulamentadoras - NR - do Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45

PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 45 QUESTÃO 26 Sobre os Limites de Tolerância para exposição ao calor, em regime de trabalho intermitente, com períodos de descanso no próprio local de prestação de serviço, de

Leia mais

Vigilância e saúde do trabalhador

Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância em Saúde do Servidor é o conjunto de ações contínuas e sistemáticas, que possibilita detectar, conhecer, pesquisar, analisar e monitorar os fatores determinantes

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 06/94, DO CONSELHO DIRETOR. Dispõe sobre a realização de perícias técnicas judiciais e extrajudiciais.

RESOLUÇÃO N o 06/94, DO CONSELHO DIRETOR. Dispõe sobre a realização de perícias técnicas judiciais e extrajudiciais. RESOLUÇÃO N o 06/94, DO CONSELHO DIRETOR Dispõe sobre a realização de perícias técnicas judiciais e extrajudiciais. O CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, no uso das atribuições que

Leia mais

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS

ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar o Programa de Prevenção de Riscos

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N 1.057/05 Aprova a NBC P 2.4 Honorários O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991

LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991 LEI Nº 8.234, DE 17 DE SETEMBRO DE 1991 Regulamenta a profissão de Nutricionista e determina outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1 º. Junta de Conciliação e Julgamento de??????????????

Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1 º. Junta de Conciliação e Julgamento de?????????????? ??????????? Eng º. De Higiene e Segurança do Trabalho Crea:?????????????? Exmo. Sr. Dr. Juiz da 1 º. Junta de Conciliação e Julgamento de?????????????? Processo: Recte: Recda:??????????????, nomeado por

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Introdução a Segurança do Trabalho Módulo Único SeÄÅo IX Das InstalaÄÉes ElÑtricas Art. 179 - O Ministério do Trabalho disporá sobre as condições de segurança e as medidas

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT Título I Da Comissão Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º - A Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT, instituída pelo Decreto nº 9.321, de 1 de março de 2011, integrante

Leia mais

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho.

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto da causa, transmitindo esses conhecimentos

Leia mais

Neste comentário analisaremos as regras acerca do adicional de insalubridade, dispostas no art. 189 e seguintes da CLT.

Neste comentário analisaremos as regras acerca do adicional de insalubridade, dispostas no art. 189 e seguintes da CLT. ADICIONAL DE INSALUBRIDADE - Considerações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 02/05/2013. Sumário: 1 - Introdução 2 - Atividades e Operações Insalubres 3 - Adicional de Insalubridade

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP

NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP NORMAS REGULAMENTADORAS FAP E NTEP LEGISLAÇÃO A Portaria n 3214, de 08/06/1978, aprovou as normas regulamentadoras NR do capítulo V, Título II, da CLT, relativas a segurança e medicina do trabalho. Atualmente

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

O Adicional de Periculosidade

O Adicional de Periculosidade 1 O Adicional de Periculosidade 1 - O Adicional de Periculosidade 1.1 Introdução 1.2 Conceito 1.3 Legislação 1.3.1 - A questão das substancias radioativas e radiação ionizante 1.4 - Da caracterização 1.5

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 Aprova a NBC T 13.2 Planejamento da Perícia. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS

NORMAS REGULAMENTADORAS NORMAS REGULAMENTADORAS As Normas Regulamentadoras estabelecem critérios e procedimentos obrigatórios relacionados à segurança e medicina do trabalho, que devem ser seguidos por empresas de acordo com

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário VI

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário VI Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Laboratório Multiusuário VI CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio

Leia mais

ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS Norma Regulamentadora nº 16

ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS Norma Regulamentadora nº 16 ATIVIDADES E OPERAÇÕES PERIGOSAS Norma Regulamentadora nº 16 CLT: Art. 193 a 197 Atualizada com a Lei 12.740/2012 Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES 15.1 São consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem: 15.1.1 Acima dos limites de tolerância previstos nos Anexos n.º 1, 2, 3, 5, 11

Leia mais

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES APRESENTAÇÃO

CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES APRESENTAÇÃO CIPA COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES APRESENTAÇÃO ORIGEM DA CIPA A CIPA SURGIU DE UMA RECOMENDAÇÃO DA OIT ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO EM 1921 E, TRANSFORMOU-SE EM DETERMINAÇÃO LEGAL

Leia mais

LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL.

LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL. LEI Nº 12.997/14 ADICIONAL DE PERICULOSIDADE EMPREGADOS QUE UTILIZAM MOTOCICLETA PARA TRABALHAR PASSAM A TER DIREITO AO ADICIONAL. Orlando José de Almeida Sócio do Homero Costa Advogados Natália Cristina

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008 XIº FEMESC Fraiburgo PERÍCIA MÉDICA M ASPECTOS ÉTICOS Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES Maio 2008 OU COMO EVITAR PROBLEMAS COM O CRM NA REALIZAÇÃO DE UMA PERICIA MÉDICA PERÍCIA MÉDICAM PERÍCIA MÉDICA M Do

Leia mais

30/03/2011. Matéria: Legislações e Normas Técnicas. Professor: Gustavo Fonseca. Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras

30/03/2011. Matéria: Legislações e Normas Técnicas. Professor: Gustavo Fonseca. Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras Matéria: Legislações e Normas Técnicas Professor: Gustavo Fonseca Assunto: Consolidação das Leis Trabalhistas e Normas Regulamentadoras A Constituição Federal de 1988 estabeleceu a competência privativa

Leia mais

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente

RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE SEGURANÇA A DO TRABALHO. Raymundo José A. Portelada Engº Op. Civil / Seg. do Trabalho e Meio Ambiente RESPONSABILIDADE PROFISSIONAL DO ENGENHEIRO DE Raymundo José A. Portelada e Meio Ambiente PROFISSIONAIS DE A legislação que estabelece a obrigatoriedade de serviços especializados de Segurança a e Medicina

Leia mais

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES

ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES ANEXO X - ESPECIFICAÇÕES 1. JUSTIFICATIVA 1.1. Motivação para a Contratação: A contratação constante do objeto em questão é justificada em virtude do término do atual contrato; da impreterível necessidade

Leia mais

RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015.

RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015. RESOLUÇÃO PGE Nº 3743 18 DE MARÇO DE 2015. ESTABELECE NORMAS SOBRE OS RELATÓRIOS DOS ÓRGÃOS LOCAIS E SETORIAIS DO SISTEMA JURÍDICO E REVOGA A RESOLUÇÃO PGE Nº 2.928, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2011. A PROCURADORA-GERAL

Leia mais

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes DO OBJETIVO A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo

Leia mais

Segurança e Saúde no Trabalho

Segurança e Saúde no Trabalho www.econcursando.com.br Segurança e Saúde no Trabalho Autor: Flávio O. Nunes Auditor Fiscal do Trabalho Todos os direitos reservados ao professor Flávio Nunes cópia proibida 1 NR-07 - PCMSO CLT: Art. 168

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 66/2010. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO, no uso de suas atribuições regimentais,

RESOLUÇÃO Nº 66/2010. O PRESIDENTE DO CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO, no uso de suas atribuições regimentais, RESOLUÇÃO Nº 66/2010 Regulamenta, no âmbito da Justiça do Trabalho de primeiro e segundo graus, a responsabilidade pelo pagamento e antecipação de honorários do perito, do tradutor e do intérprete, no

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS ASSUNTO PADRONIZAÇÃO DAS ATIVIDADES DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, A SEREM EXECUTADAS PELAS EMPRESAS CONTRATADAS PELA INFRAERO RESPONSÁVEL DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO (DA) GERÊNCIA DE DINÂMICA LABORAL

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E RECONHECIMENTO DO DIREITO AOS SERVIDORES PÚBLICOS

APOSENTADORIA ESPECIAL PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E RECONHECIMENTO DO DIREITO AOS SERVIDORES PÚBLICOS 2015 APOSENTADORIA ESPECIAL PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E RECONHECIMENTO DO DIREITO AOS SERVIDORES PÚBLICOS Márcia Touni Advocacia 18/03/2015 APOSENTADORIA ESPECIAL PARA PROFISSIONAIS DA SAÚDE E RECONHECIMENTO

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 3.150, DE 2008 Dispõe sobre as condições de trabalho dos assistentes sociais. Autor: Deputada ALICE PORTUGAL Relator: Deputado

Leia mais

Honorários Periciais Judiciais

Honorários Periciais Judiciais Honorários Periciais Judiciais Atualização monetária Juros legais de mora Impugnação aos Cálculos CAROLINE DA CUNHA DINIZ Máster em Medicina Forense pela Universidade de Valência/Espanha Título de especialista

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO - SST No Brasil a Segurança e Medicina no Trabalho é regulamentada pela portaria 3214/78, atualmente com 36 Normas Regulamentadoras do Ministério

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão

Procedimento Operacional Padrão Data de Vigência: Página 1 de 6 1- Objetivo: Estabelecer e padronizar os procedimentos a serem adotados na ocorrência de acidentes de trabalho com empregados da Sede Inspetorial, Departamentos e Filiais

Leia mais

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE OURO FINO MINAS GERAIS

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE OURO FINO MINAS GERAIS Ambiental e Advogado, Portador da carteira do Conselho de Biologia nº 13806-4 4ª Região, vem mui respeitosamente à presença de Vossa Excelência, para dizer que aceita o honroso cargo de perito para o qual

Leia mais

Ref: ADICIONAL DE PERICULOSIDADE DA CATEGORIA DOS PROFISSIONAIS DE VIGILÂNCIA LEI 12.740/2012

Ref: ADICIONAL DE PERICULOSIDADE DA CATEGORIA DOS PROFISSIONAIS DE VIGILÂNCIA LEI 12.740/2012 EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO DO MINISTERIO DO TRABALHO E EMPREGO Ref: ADICIONAL DE PERICULOSIDADE DA CATEGORIA DOS PROFISSIONAIS DE VIGILÂNCIA LEI 12.740/2012 ASSOCIAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DE VIGILÂNCIA,

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE SANT ANA DO LIVRAMENTO Palácio Moysés Vianna Unidade Central de Controle Interno PARECER de CONTROLE Nº 026/12 ENTIDADE SOLICITANTE: Secretaria Municipal

Leia mais

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MANUAL ORIENTATIVO DE FISCALIZAÇÃO CÂMARA ESPECIALIZADA DE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO MODALIDADE ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO Laudo Ergonômico Laudo de Periculosidade/Insalubridade Laudo

Leia mais

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias 03/12/2012 Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias ASPECTOS INTRODUTÓRIOS E PRÁTICOS DA PERÍCIA As características e caminhos percorridos pelo profissional na condição de perito

Leia mais

Regulamento de Estágio

Regulamento de Estágio Regulamento de Estágio Capitulo I - Do Estágio e suas Finalidades Capitulo II - Da Forma de Realização Capitulo III - Da Inscrição, Duração e Encerramento do Estágio Capitulo IV - Do Acompanhamento e Avaliação

Leia mais

ESCLARECIMENTOS AO LAUDO PERICIAL

ESCLARECIMENTOS AO LAUDO PERICIAL ESCLARECIMENTOS AO LAUDO PERICIAL Processo n.º: 02405.626.479-9 1ª Vara da Fazenda Pública e Autarquias da Comarca de Belo Horizonte/MG Meritíssima Juíza de Direito Doutora Áurea Maria Brasil Santos Perez

Leia mais

Telefone p/contato: 22159822

Telefone p/contato: 22159822 Telefone p/contato: 22159822 Apresentação Turma Especial aos Sábados CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA O CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA abordará

Leia mais

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO

NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NORMAS REGULAMENTADORAS - NR ABAIXO ESTÃO AS NORMAS REGULAMENTADORAS VIGENTES DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO NR 1 - Disposições Gerais As Normas Regulamentadoras são de observância obrigatória por

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica

ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica ENCONTRO TÉCNICO Texto Técnico Básico do anexo IV da NR 16 Energia Elétrica Rodrigo Vieira Vaz Auditor-Fiscal do Trabalho Ministério do Trabalho e Emprego 16 Maio de 2013, Rio de Janeiro Consolidação das

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE CURSO 1. Identificação

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/14 -Processo nº 1.120-

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/14 -Processo nº 1.120- EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 01/14 -Processo nº 1.120- O SEPREM Serviço de Previdência Municipal de Itapetininga, com sede na Rua Monsenhor Soares, 65, centro, no Município de Itapetininga, Estado de

Leia mais

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL

5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL 5º WORSHOP DO ALGODÃO AMPASUL NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA DO TRABALHO RURAL Instituto Algodão Social Missão Promover aos associados do setor algodoeiro a responsabilidade social empresarial, a cidadania,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010)

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO. RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) RESOLUÇÃO Nº 36, DE 6 DE ABRIL DE 2009 (Alterada pela Resolução nº 51, de 09 de março de 2010) Dispõe sobre o pedido e a utilização das interceptações telefônicas, no âmbito do Ministério Público, nos

Leia mais

Prefeitura Municipal de Passo Fundo

Prefeitura Municipal de Passo Fundo ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA/ESPECIFICAÇÕES BÁSICAS 1. OBJETO 2. OBJETIVO 1.1 Prestação de serviços técnicos especializados em Engenharia de segurança do Trabalho, de modo a elaborar e emitir os Laudos

Leia mais

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE)

REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) APROVADO Alterações aprovadas na 27ª reunião do Conselho Superior realizada em 18/12/2013. REGIMENTO DA COORDENAÇÃO DO NÚCLEO DE PRÁTICA PROFISSIONAL E EMPREENDEDORISMO (NUPPE) DA ESTRUTURA Art. 1º - A

Leia mais

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa.

Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. Analise as Normas Regulamentadoras abaixo e apresente parecer sucinto comparando atendimento de cada item pela empresa. NR 01 - Disposições Gerais Descrever alguns tópicos do que cabe ao empregador. Verificar

Leia mais

TíTULO I DOUTRINA. CAPíTULO 1 Seguridade Social... CAPíTULO 2 Introdução Histórica...

TíTULO I DOUTRINA. CAPíTULO 1 Seguridade Social... CAPíTULO 2 Introdução Histórica... Sumário TíTULO I DOUTRINA CAPíTULO 1 Seguridade Social................................ 25 CAPíTULO 2 Introdução Histórica............................... 27 CAPíTULO 3 Conceito e Requisitos...................

Leia mais

ATA DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO POSTO AVANÇADO DE VALENÇA

ATA DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO POSTO AVANÇADO DE VALENÇA 1 ATA DA CORREIÇÃO ORDINÁRIA REALIZADA NO POSTO AVANÇADO DE VALENÇA Aos treze dias do mês de setembro do ano de dois mil e onze, compareceu à sede do Posto Avançado de Valença o Excelentíssimo Senhor FERNANDO

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DOS CAMPOS GERAIS - CESCAGE FACULDADES INTEGRADAS DOS CAMPOS GERAIS MANUAL DE MONITORIA ACADÊMICA Com base na Resolução CSA 02/07, que estabelece Monitoria Acadêmica Centro de

Leia mais

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes

Anexo II. Programa de Prevenção de Riscos Ambientais. Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes Programa de Prevenção de Riscos Ambientais Anexo II Laudo Técnico Ambiental Sala de Reagentes CAMPUS AVANÇADO DE POÇOS DE CALDAS Instituto de Ciência e Tecnologia Diretor do Instituto Prof. Cláudio Antônio

Leia mais

Secretaria da Administração

Secretaria da Administração Secretaria da Administração Procedimento para Elaboração de Programas de Segurança para Empresas Contratadas PCMSO / PPRA / PCMAT / ARO Revisão 00 2014 1. Objetivo Estabelecer as exigências mínimas sobre

Leia mais

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes

Manual de Segurança e higiene do trabalho Procedimento para CIPA - Comissão Interna de Prevenção de Acidentes Revisão: 00 Folha: 1 / 10 1. Definição CIPA Acidente 2. Objetivo A CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

Recentemente a Presidente da República sancionou a Lei nº 12.740, de 8 de dezembro de 2012, que dispõe:

Recentemente a Presidente da República sancionou a Lei nº 12.740, de 8 de dezembro de 2012, que dispõe: AUTOAPLICABILIDADE DA LEI Nº 12.740/2012: DESNECESSIDADE DE REGULAMENTAÇÃO PARA A CONCESSÃO DO ADICIONAL DE PERICULOSIDADE AOS VIGILANTES 1 Não há que se falar que a Lei nº 12.740/2012 necessita de regulamentação

Leia mais

LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985

LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985 LEI Nº 7.410, DE 27 DE NOVEMBRO DE 1985 Dispõe sobre a especialização de Engenheiros e Arquitetos em Engenharia de Segurança do Trabalho, a profissão Técnico de Segurança do Trabalho e dá outras providências.

Leia mais

RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016

RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016 TIPO DE AUDITORIA: ACOMPANHAMENTO EXERCÍCIO/PERÍODO: 2015-2016 UNIDADE AUDITADA: PRÓ-REITORIA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DE AUDITORIA RA 01/2016 1) ESCOPO DOS EXAMES Os trabalhos de auditoria acerca da regularidade

Leia mais

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0009-2014. CARGO: Engenheiro de Segurança do Trabalho MANAUS. SESI - Amazonas

COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0009-2014. CARGO: Engenheiro de Segurança do Trabalho MANAUS. SESI - Amazonas COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO- Nº 0009-2014 CARGO: Engenheiro de Segurança do Trabalho MANAUS SESI - Amazonas O Departamento de Gestão de Pessoas do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Amazonas

Leia mais

Curso (Prático) de Perícia Financeira

Curso (Prático) de Perícia Financeira Apresentação Objetivos Curso (Prático) de Perícia Financeira Contábil e O Curso de Perícia Contábil aborda as matérias necessárias aos profissionais que atuam como perito, para que interpretem adequadamente

Leia mais

DIRETRIZES SOBRE PROVA PERICIAL EM ACIDENTES DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS

DIRETRIZES SOBRE PROVA PERICIAL EM ACIDENTES DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS DIRETRIZES SOBRE PROVA PERICIAL EM ACIDENTES DO TRABALHO E DOENÇAS OCUPACIONAIS Propõe sugestões de diretrizes para a avaliação e a elaboração da prova pericial em questões referentes ao meio ambiente,

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL. EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE... art. 651 do CLT

PETIÇÃO INICIAL. EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE... art. 651 do CLT PETIÇÃO INICIAL PEDIDOS REQUERIMENTOS FINAIS Valor da causa!!!!! EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DA VARA DO TRABALHO DE... art. 651 do CLT Reclamante - nome e sobrenome, profissão, estado civil, documentos

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br

PROGRAMAS (41) 35620280. medicinaocupacional@saudemais.med.br. http://www.saudemais.med.br (41) 35620280 medicinaocupacional@saudemais.med.br http://www.saudemais.med.br Temos a satisfação de apresentar nossos serviços de Saúde Ocupacional. Oferecemos assessoria completa em segurança e medicina

Leia mais

APOSENTADORIA ESPECIAL

APOSENTADORIA ESPECIAL FUNDAMENTO LEGAL Artigo 201, 1º, CF/88 Artigo 57 e 58 da Lei 8213/91 Artigo 64 a 70, do Decreto 3048/99 Artigo 246 a 299 da IN 77/2015 CONCEITO É o benefício previdenciário devido ao segurado que tenha

Leia mais

Adicional de Insalubridade e Periculosidade

Adicional de Insalubridade e Periculosidade DIVISÃO DE PROMOÇÃO À SAÚDE Manual de Procedimentos Adicional de Insalubridade e Periculosidade PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO - PMSP Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Gestão - SEMPLA

Leia mais

NORMA TÉCNICA 39/2014

NORMA TÉCNICA 39/2014 ESTADO DE GOIÁS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA 39/2014 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS DE VENDA/REVENDA, MANUTENÇÃO E/OU RECARGA DE EXTINTORES DE INCÊNDIO, DE EMPRESAS DE FORMAÇÃO E/OU DE PRESTAÇÃO

Leia mais

INSTITUTO Caetano Andrade Rio de Janeiro. São Paulo EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ

INSTITUTO Caetano Andrade Rio de Janeiro. São Paulo EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ 1 EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA CÍVEL DA REGIONAL DE MADUREIRA/RJ PROCESSO n : 2006.202.000000-0 AÇÃO AUTORA RÉU : DECLATÓRIA : JOCE DASILVA : BANCO DO POVO CAETANO ANTONIO DE ANDRADE, perito

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 27 REGISTRO PROFISSIONAL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO MINISTÉRIO DO TRABALHO

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 27 REGISTRO PROFISSIONAL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO MINISTÉRIO DO TRABALHO - NORMA REGULAMENTADORA Nº 27 REGISTRO PROFISSIONAL DO TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO NO MINISTÉRIO DO TRABALHO Revigorada pelo art. 3º da Portaria SNTb nº 4 - DOU 10/02/1992. Revogado pelo art. 6º da

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº /2014.

PROJETO DE LEI Nº /2014. PROJETO DE LEI Nº /2014. Define as atividades insalubres e perigosas para efeitos de percepção do adicional correspondente, conforme Laudo Técnico em anexo a esta Lei Municipal, e revoga a Leis Municipais

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 858/99 Reformula a NBC T 13 Da Perícia Contábil. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de reformulação

Leia mais

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0)

EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região. Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0) EXMO. Sr. JUIZ DA ª VARA DO TRABALHO DE TRT 13a Região Ref.: Ação nº (ex.: RT 0025-2007-035-13-00-0), Médico(a) (especialidade, ex: Médico do Trabalho), inscrito(a) no Conselho Regional de Medicina nº

Leia mais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais

Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais Política de Exercício de Direito de Voto em Assembleias Gerais 1. Objeto 1.1. Esta Política tem por objetivo estabelecer os princípios gerais, em matérias relevantes obrigatórias, os critérios e os procedimentos

Leia mais

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO

COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO COMISSÃO DE TRABALHO, DE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇO PÚBLICO PROJETO DE LEI N o 2.865, DE 2011 Altera o caput do art. 193 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5452, de 1º

Leia mais

ÍNDICE GERAL PARTE I PARTE II. Normas Regulamentadoras NRs. NR 4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho

ÍNDICE GERAL PARTE I PARTE II. Normas Regulamentadoras NRs. NR 4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho ÍNDICE GERAL PARTE I Constituição da República Federativa do Brasil (parcial) Consolidação das Leis do Trabalho (parcial) Trabalho Rural Lei 5.889, de 8 de junho de 1973 (parcial) Lei 8.213, de 24 de julho

Leia mais

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho

Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho Conceitos básicos em Medicina e Segurança do Trabalho A Consolidação das Leis do Trabalho foi aprovada pelo decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de l.943. Em seu art. 1º a Consolidação estatui as normas

Leia mais

DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO

DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO. Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO DO PROCEDIMENTO SUMÁRIO Des. ANA MARIA DUARTE AMARANTE BRITO PROCESSO E PROCEDIMENTO PROCEDIMENTO COMUM Art. 271. Aplica-se a todas as causas o procedimento comum, salvo disposição em contrário deste Código

Leia mais

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO AMAZONAS CAU/AM Impdo. :

CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO AMAZONAS CAU/AM Impdo. : Processo nº 2336-24.2014.4.01.3200 Impte. : CONSELHO DE ARQUITETURA E URBANISMO DO AMAZONAS CAU/AM Impdo. : PRESIDENTE DA EMPRESA BRASILEIRA DE SERVIÇOS HOSPITALARES EBSERH Litis.Passivo UNIÃO FEDERAL

Leia mais

"L.T.C.A.T" LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO. Demonstração LTDA CST INFORMÁTICA LTDA.

L.T.C.A.T LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO. Demonstração LTDA CST INFORMÁTICA LTDA. LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO "L.T.C.A.T" Demonstração LTDA Fevereiro / 2008 SUMÁRIO Demonstração LTDA 4 Administração 7 Assistente Administrativo 8 Auxiliar de Escritório 9 Manutenção

Leia mais

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas

Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Manual de Procedimentos de Segurança e Medicina do Trabalho para Empresas Contratadas Responsável: Diretoria de Administração (DA) Superintendência de Recursos Humanos (DARH) Gerência de Dinâmica Laboral

Leia mais

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5

R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 R E S O L U Ç Ã O 0 0 1 / 2 0 1 5 Estabelece instruções para o reconhecimento do tempo de serviço público exercido sob condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física pelo Instituto

Leia mais

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 PROVA PERICIAL A prova pericial consiste em EXAME, VISTORIA ou AVALIAÇÃO. (Art. 420 do CPC) (Art. 464 do NCPC) 2 o De ofício ou a requerimento

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais