Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes."

Transcrição

1 1. O que significa a sigla CPC? Código Processo Civil (determina normas da Perícia) 2. Como definir a perícia? A perícia é a prova pericial que demonstra um conjunto de procedimentos técnicos e científicos destinados a levar a instancia decisória elementos de prova para a justa solução do litígio, ou seja, afim de esclarecer, auxiliar o Juiz a obter uma justa decisão. 3. Cite alguns objetivos específicos da perícia. O objetivo maior da perícia é a obtenção da verdade sobre o objeto examinado, através da constatação, prova demonstração da verdade real sobre tal objeto, transferindo-o, através de sua materialização - o laudo, para o ordenamento da instancia decisória judicial ou extra judicialmente. Os objetivos específicos que se pretendem com sua utilização são: A confiabilidade; o fundamento cientifico da decisão; a formação do Juízo técnico; a analise, mensuração, avaliação ou arbitramento sobre quantum monetário. 4. Como se classifica a perícia? Judicial, Extrajudicial e Arbitral. 5. Defina o que vem a ser uma Perícia: Judicial São as perícias que se fazem nos processos Extra Judicial E a Perícia que se realiza fora do processo. Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes. 6. O que vem a ser ARBITRAGEM? É, por conseguinte, um método extrajudicial para a solução de conflitos, e nela o arbitro desempenha a função semelhante à do Juiz estatal. 7. O que é necessário para ser um bom perito? O Perito precisa ter competência profissional, demonstrando a sua capacidade na pesquisa, no exame, na analise, na síntese e com isso fundamentar a prova no laudo Pericial. Manter seu conhecimento atualizado através de estudos de contabilidade, nas legislações, o capacitará ainda mais para a realização clara e continuada em buscar da verdade.

2 8. Quais os profissionais que podem atuar na perícia? Só poderão atuar na perícia os profissionais que estiverem curso superior e estiverem regulamente registrados nos seus órgãos de classe. 9. O que diz o Art. 145 do CPC? Art. 145 da Lei 5869 do CPC. Quando a prova do fato depender de conhecimento técnico ou cientifico, o Juiz será assistido por perito, segundo o disposto no art O perito pode recusar uma perícia? Por quais motivos? O art. 146 diz que sim. Pode recusar-se do encargo alegando motivo intimo. 11. Qual o prazo que o perito tem para recusar a perícia? O art. 146 Parágrafo Único A escusa será apresentada dentro de 5 dias, contados da intimação E caso o juiz não aceite esta recusa? O melhor é fazer, para manter bom relacionamento entre o Juízo e o Perito. 13. No caso do perito prestar informações falsas e incorretas, o mesmo ficará inabilitado por quanto tempo? O art. 147 diz que o perito ficara inabilitado por 2 anos a funcionamento em outras perícias. 14. O perito incorre na lei penal? O art. 147 do CPC diz que o Perito por dolo ou culpa, prestar informações inverídicas, responderá pelos prejuízos que causar a parte. 15. É enquadrado em quais arts. do CP? Art. 342 e 343 do Código Penal. 16. Como são classificados os peritos pelo judiciário? Art. 139 São auxiliares do Juízo, alem de outros, cujas atribuições são determinadas pelas normas de organização judiciária, o escrivão, o oficial de justiça, o perito, o depositário, o administrador e o interprete.

3 17. Quais os arts. do CPC que tratam da prova pericial e do perito? Arts. 420 a O juiz poderá indeferir a prova pericial? Art. 426 do CPC. Compete ao Juiz: I - Indeferir quesitos impertinentes; II Formular os que entender necessários ao esclarecimento da causa. O juízo pode fazer no a quesitação no Despacho Saneador, onde nomeia o perito de sua confiança 19. Qual é o prazo que as partes têm para apresentar quesitos e assistentes técnicos? Art. 421 CPC. Após o Juiz intimar a nomeação do Perito as partes terão 5 dias corridos para indicar o assistente técnico e apresentar os quesitos. 20. Qual é o art. do CPC que fala da escusa do perito? O art. 423 O Perito pode escusar-se (art. 146), ou ser recusado por impedimento ou suspeição (art. 138 III); ao aceitar a escusa ou ao julgar procedente a impugnação, o Juiz nomeará novo perito. 21. O perito pode ser substituído? Sim, o art. 424 do CPC trata disso. 22. Quando ocorre a substituição? O art. 424 O perito poderá ser substituído quando: I. Carecer de conhecimento técnico ou cientifico. II. Sem motivo legitimo, deixar de cumprir o encargo no prazo que lhe foi assinado. 23. As partes poderão, durante as diligências, apresentarem quesitos suplementares? Quantos? Sim, o art. 425 do CPC, preceitua: Poderão as partes apresentar durante a diligência, quesitos suplementares. Os quesitos suplementares somente poderão ser apresentados pela parte que já apresentou rol de quesitos. Quantos forem necessários. O Perito fará uma petição complementar dos seus honorários, caso perceba que os questionamentos sejam diferentes dos que já foram feitos.

4 24. O que são quesitos Suplementares? Até a realização da diligência, ou seja, até o término da mesma, com a entrega do laudo, podem as partes apresentar quesitos suplementares. Tais quesitos suplementares, são questionamentos que podem surgir no decorrer do processo, já que novos aspectos fáticos podem vir a serem conhecidos, durante o trabalho de produção da prova pericial judicial. Para apresentação de quesitos suplementares é extremamente importante a presença dos técnicos indicados pelas partes, quando das diligências realizadas pelo perito judicial. 25. Quantos quesitos podem ser formulados pelas partes? O que são quesitos suplementares? Quantos forem necessários. O perito-contador deve, em seu orçamento, ressaltar que este não contempla os honorários relativos a quesitos suplementares e se estes forem formulados pelo Juiz e/ou pelas partes, poderá haver incidência de honorários complementares a serem requeridos, observando os mesmos critérios adotados pela elaboração do orçamento anterior. São quesitos que surgem no decorrer do processo em que as partes podem apresentar durante a realização da diligencia. Mais é extremamente importante a presença dos técnicos indicados pelas partes e só poderão ser apresentados pela parte que já houve apresentado o rol de quesitos. O art. 425 do CPC trata disso. 26. O que vem a ser rol de quesitos? O que são quesitos pertinentes? É um conjunto de quesitos. São os quesitos em que o Juiz deverá deferir. 27. A quem cabe formular quesitos? E quantos podem ser formulados? Ordem de precedência Juiz, Ministério Publico, Autor, Réu. O Réu como esta sendo acusado sua função é se defender. Então temos que responder em 1º lugar ao Autor, jamais colocar o Réu na frente do Autor. Quanto mais são formulados, mais se paga. 28. O que é um despacho saneador? É aquele em que o Perito é nomeado. Pág. 40

5 29. O que são quesitos impertinentes? Art. 426 do CPC. Compete ao Juiz: I - Indeferir quesitos impertinentes; II Formular os que entender necessários ao esclarecimento da causa. O juízo pode fazer quesitação no Despacho Saneador, onde nomeia o perito de sua confiança. São os quesitos que encontra-se fora do âmbito da lide proposta abordando aspectos não relacionados com o que se debate nos autos do processo. 30. Quantos peritos o juiz poderá nomear numa perícia? Pode até mais de 1 Perito o art. 431 B Tratando-se de perícia complexa, que abranja mais de uma área de conhecimento, o Juiz poderá nomear mais de um perito e a parte indicar, aos de um assistente técnico (Lei /01). 31. O perito pode pedir prorrogação do prazo de entrega do laudo? O art. 432 Se o Perito, por motivo justificado, não puder apresentar o laudo dentro do prazo, o Juiz conceder-lhe-à, por uma vez, a prorrogação, segundo o seu prudente arbítrio. Sim, através da Petição de Prorrogação solicitando pelo menos uns 180 dias. 32. Por quanto tempo? Item 28 O maior possível, pois não é uma boa pedir outro prazo. 33. Qual o prazo que o perito tem para entregar o laudo pericial? O art. 433 O Perito apresentará o laudo em cartório, no prazo fixado pelo Juiz, pelo menos 20 dias antes da audiência de instrução e julgamento. 34. O perito devera entregar o laudo quantos dias antes audiência de Instrução e julgamento? O prazo é de 20 dias. 35. Qual o prazo que o perito tem para apresentar seu laudo em cartório? O Perito tem pelo menos 20 dias antes da audiência de instrução de julgamento. 36. Após o perito apresentar seu laudo pericial, qual é o prazo que os assistentes têm para se apresentar em seus pareceres técnicos? O art Parágrafo único Os assistentes técnicos oferecerão seus pareceres no prazo comum 10 dias após, a intimadas as partes da apresentação do laudo.

6 37. Qual o prazo que os assistentes técnicos têm para apresentarem o parecer técnico? O art Parágrafo único idem 34. Os assistentes técnicos tem 10 dias após a entrega do Laudo (Publicação do laudo pericial) 38. E se não fizer? Se não for feito perderá a oportunidade de apresentar o trabalho e não irá receber. 39. Como o perito é informado de sua nomeação? Através do Cartório ou Publicação. 40. O assistente técnico pode assinar o laudo judicial em conjunto com o perito? Sim pode, porém não deve 41. Qual o art. do CPC que trata dos esclarecimentos do perito? O art. 435 do C.P.C. disciplina que a parte que desejar esclarecimentos do perito ou do assistente técnico, requererá ao juiz que mande intimá-lo a comparecer à audiência, formulando desde logo as perguntas, sob a forma de quesitos. Após a entrega do laudo pericial, as eventuais dúvidas que surgirem, poderão ser superadas pelas partes, ou pelo próprio magistrado, através de esclarecimentos oferecidos pelo perito judiciais e assistentes técnicos. Caso o magistrado julgue que os esclarecimentos não foram suficientes para o entendimento da matéria, objeto da lide, poderá determinar, de ofício ou a requerimento da parte, a realização de nova perícia, sendo que, a segunda perícia não substitui a primeira, cabendo ao juiz apreciar livremente o valor de cada uma. Para a realização da nova perícia será nomeado novo perito. 42. O perito e os assistentes técnicos deverão ser intimados a prestar esclarecimentos em audiência com antecedência de quantos dias? O art. 435 do C.P.C Parágrafo único Até 5 dias antes da audiência. 43. Quando ocorre o pedido do esclarecimento de um laudo? Quando o quesito não foi apresentado de forma claro, quando há dupla interpretação sem objetividade.

7 44. O que são quesitos de Esclarecimento? São quesitos que precisam ser analisados pelo Perito Contador com muito zelo, uma vez que podem ser considerados complementares e ai haverá honorários, caso ao contrario será respondido no sentido de detalhar as respostas. 45. Quando o laudo é considerado Insuficiente? Quando os esclarecimentos não bastam para sua elucidação. O art. 435 do C.P.C. disciplina que a parte que desejar esclarecimentos do perito ou do assistente técnico, requererá ao juiz que mande intimá-lo a comparecer à audiência, formulando desde logo as perguntas, sob a forma de quesitos. Após a entrega do laudo pericial, as eventuais dúvidas que surgirem, poderão ser superadas pelas partes, ou pelo próprio magistrado, através de esclarecimentos oferecidos pelo perito judicial e assistente técnicos. Caso o magistrado julgue que os esclarecimentos não foram suficientes para o entendimento da matéria, objeto da lide poderá determinar de ofício ou a requerimento da parte, a realização de nova perícia, sendo que, a segunda perícia não substitui a primeira, cabendo ao juiz apreciar livremente o valor de cada uma. Para a realização da nova perícia será nomeado novo perito. 46. Cabe a quem solicitar esclarecimentos do laudo? O Ministério Publico, o Juiz e as partes. 47. O perito é obrigado a participar da audiência de instrução e julgamento das partes, em que realizou o laudo pericial? O art. 435 do CPC parágrafo único diz que participa se caso for intimado. 48. O juiz poderá determinar uma 2 perícia? Sim. O art I Juiz poderá determinar, de oficio ou a requerimento da parte, a realização de nova perícia, quando a matéria não lhe parecer suficientemente esclarecida. O art. 438 A Segunda perícia tem por objetivo os mesmos fatos sobre que recaiu a primeira e destina-se a corrigir eventual omissão ou inexatidão dos resultados a que esta conduziu. O art A segunda perícia rege-se pelas disposições estabelecidas para a primeira. perito judicial;

8 49. Se for possível, em que caso isso ocorre? Quando o Laudo for imprestável, tendencioso e Insuficiente. 50. Quem escolhe os assistentes técnicos? Pelas as partes interessadas e indica-los é facultativo. Pode até mais de 1 Perito o art. 431 B Tratando-se de perícia complexa, que abranja mais de uma área de conhecimento, o Juiz poderá nomear mais de um perito e a parte indicar, aos de um assistente técnico (Lei /01). 51. Há necessidade de nomear assistentes técnicos? Depende do Autores. Pode até mais de 1 Perito o art. 431 B Tratando-se de perícia complexa, que abranja mais de uma área de conhecimento, o Juiz poderá nomear mais de um perito e a parte indicar, aos de um assistente técnico (Lei /01). 52. Os honorários do perito podem ser pagos ao final do processo? Art. 19 Salvo as disposições concernentes à justiça gratuita, cabe às partes prover as despesas dos atos que realizam ou requerem no processo, antecipando-lhes o pagamento desde o início até a plena satisfação do direito declarado pela sentença. O perito contador iniciará seu trabalho após depósitos feito pela parte solicitante. 53. O que o cartório tem que emitir para que o perito possa sacar seus honorários? O Mandado de Pagamento. 54. Quem paga os honorários do perito? E dos Assistentes Técnicos? No art Cada parte pagará a remuneração do assistente técnico que houver indicado, a do perito será paga pela parte que houver requerido o exame, ou pelo autor, quando requerido por ambas as partes. 55. Qual a parte é responsável pelo pagamento do assistente técnico? Art. 33 Cada parte pagará a remuneração do assistente técnico que houver indicado; a do perito será paga pela parte que houver requerido o exame, ou pelo autor, quando requerido por ambas as partes ou determinado de ofício pelo juiz. Este pagamento é considerado despesas do processo e se quem solicitou for parte vencida terá estas custas reembolsadas.

9 56. Os honorários do perito são corrigidos monetariamente? Sim. Poupança. 57. Como se realiza o pagamento dos honorários do perito? Os depósitos são feitos em juízo. O juiz homologa e expedi-se uma guia do Banco do Brasil. 58. Quem determina esse pagamento? Somente o Juizo. 59. Como o perito estima os honorários? Será estimado na hipótese de houver viagens, quantas horas serão gasto, ser haverá necessidade de contratar mão-de-obra qualificada para algum tipo assunto especifico que não seja da área do perito contador. Ex. Engenheiro O perito pode propor seus honorários em dólares? Não, somente em moeda corrente. 61. Como o perito procede para receber seus honorários? O Perito Contador requererá o Levantamento dos Honorários periciais através de uma petição. 62. Qual o prazo que o banco tem para pagar os honorários do perito? O banco tem 24h para efetuar o pagamento de quem tem conta e para quem não tem 48horas. 63. Qual o prazo que o perito tem para receber seus honorários, após a entrega do laudo pericial? O prazo vai de 24h à 48h 64. O que é uma UFERJ? UFERJ UNIDADE FISCAL DO ESTADO DO RIO RIO DE JANEIRO. 65. Como se calcula uma UFERJ? 44,2655 UFIR - 1,7495 x 44,2655 = R$ 78,00. Havendo erro de valor, será necessário fazer uma petição complementar.

10 66. O que é arbitramento de honorários? Refere-se ao valor da Perícia, cobrado pelo Perito e homologado pelo Juiz. 67. O perito pode determinar que seus honorários sejam pagos em dinheiro direto no caixa? Se o valor a receber for até R$ 5.000,00 pode ser pelo caixa, mais se for superior será através de deposito. 68. Os honorários do assistente técnico também são depositados em cartório? Não. Tem que haver contrato 69. O que são honorários de sucumbência? Sucumbência é o pagamento ao final do processo, se o autor ganhar, o Réu ele paga as custas da perícia. 70. O juiz pode determinar que os honorários do perito sejam pagos somente no final? Sim. O pagamento de honorário do perito pode ser realizado ao fim do processo. 71. Quais são os meios da prova pericial? O Código Civil, uma parte que trata dos FATOS JURÍDICOS, estabelece: Art. 212 Salvo o negócio a que se impõe forma especial, o fato jurídico pode ser provado mediante: Documentos art. 364 Testemunhas art. 400 Confissão art. 348 Presunção art. 335 Perícia art Em que consiste a prova pericial? No Exame, Vistoria e Avaliação. 73. O que é uma avaliação? É o ato de determinar o valor de coisas, bens, direitos, obrigações, despesa e receita.

11 74. O que é um Exame? É a analise de livros e documentos. 75. O que é uma Vistoria? É a diligencia que é objetiva a verificação e a constatação de situações, coisa e ou fato de forma circunstancial. 76. A quem cabe o ônus da prova? De modo geral o Autor cabe a prova dos fatos e o Réu a contraprova. 77. O que são quesitos? São perguntas de natureza técnica e cientifica que digam a respeito do objeto da perícia a serem respondidos pelo perito judicial. 78. Quando os Honorários periciais são executáveis? Quando forem aprovados por decisão Judicial. 79. Cite três Requisitos formais de um laudo. O laudo Pericial deverá ser escrito sob forma: Objetiva, clara, precisa e concisa. 80. Cite as Terminologias formais de um laudo? Forma circunstanciada, Síntese do Objeto da perícia, Diligencia, critérios de Perícia, Resultados Fundamentados e Conclusão. 81. O que deve conter na Estrutura do laudo Pericial? Identificação do Processo e das partes, Síntese do Objeto da perícia, Metodologia adotada, Identificação das diligencias realizadas, Transcrição dos quesitos, Respostas aos quesitos, Conclusão O que vem a ser um laudo coletivo? É o laudo que é realizado por mais de um perito. 83. O que é Inicial, Auto, Processo, Autos do Processo ou Autos Processuais, Taxa Judicial, Apuração de Haveres, Dissolução de Sociedade, Fundo de Comercio? Inicial é através da inicial que se dá origem ao processo propriamente dito. Auto é a peça escrita, com detalhes dos fatos ocorridos, que é encaminhada ao Juiz.

12 Processo é o conjunto de atos ordenados por lei. Autos do Processo ou Autos Processuais é o ordenamento de documentos, petições, fotos, laudos e outras peças que compõem o processo a ser julgado. Taxa Judicial é o valor cobrado pelo Judiciário. Apuração de Haveres, Dissolução de Sociedade, Fundo de Comercio. 84. Qual o procedimento para o perito retirar os autos do cartório? Para retirá-los é necessário fazer uma petição ou assinar um termo de retirada de processo. 85. Qual a providência que o perito deve tomar ao devolver os autos ao cartório? Ao devolver os autos o perito deverá obter documento chamado Devolução de Autos que comprove sua devolução para evitar problemas futuros, como por exemplo, extravio. 86. Qual a implicação que ocorre no caso de perda ou extravio dos autos por parte do perito? O perito poderá ser culpado e responderá cível e criminalmente pela falha cometida. 87. Qual é o prazo que o perito tem para reter os autos? Após a nomeação o perito tem 15 dias para devolver os autos ao cartório. 88. Quais são as fases de um ambiente de trabalho? 1º Local de Nomeação; 2º Local trabalho, Campo; 3º Local de Campo, Trabalho Operacional. 89. O que representa uma diligência em perícia? O que é Proger? Trabalho de Campo do Perito. PROGER Protocolo Geral é o local onde são entregues as petições e toda a documentação referente ao processo 90. Qual a diferença entre perícia contábil e auditoria? Perícia Contábil É a peça que o Perito elabora para apurar a verdade dos fatos. Auditoria Confere o que já estava feito, emitindo um parecer.

13 A Perícia Contábil é o mesmo que a Auditoria, visto que variam quanto a natureza do objeto. A Perícia adota a Prova técnica e a Auditoria trabalha por amostragem. Quanto ao conteúdo final, a Perícia Contábil apresenta Laudo Pericial e a Auditoria apresenta relatório ou Parecer de Auditoria. 91. O que é justiça gratuita? JG Existe para as pessoas que alegam não ter dinheiro para custear as despesas ocorridas no processo. 92. Quem pode requerer justiça gratuita? Todas as pessoas que comprovaram Declaração de Pobreza - HIPOSUFICÊNCIA 93. Uma perícia de cartão de crédito é considerada contábil? Não, é considerada como perícia Financeira. 94. Quais os tipos de perícia que são realizadas na Vara Civil? Todas menos os da Justiça trabalhista (ministério próprio) 95. Qual a diferença entre perito do juízo e assistente técnico? O Perito é nomeado pelo Juízo e faz o Laudo Pericial, o Assistente Técnico é indicado pelas partes e faz o Parecer Técnico. 96. O perito pode utilizar trabalho de terceiros? Sim, mais a responsabilidade sempre será do Perito. 97. Quem escolhe o perito? O Juízo. 98. Qual a diferença entre laudo pericial e parecer técnico? Laudo Pericial quem faz é o Perito Parecer Técnico quem faz é o Assistente Técnico. 99. Informe qual a diferença entre perícia e fraude. Perícia existe para determinar clareza do que esta sendo discutido. Fraude

14 100. O que é uma carta precatória? E a carta que o cartório envia para outro Município, dizendo que a ação é, por exemplo, no RJ e que a empresa ré é de outro lugar O economista, que é funcionário publico, pode atuar como perito? Sim pode, mais não pode ser do mesmo órgão a que pertence O perito pode determinar que seus honorários sejam pagos em dinheiro direto no caixa? Se o valor a receber for até R$ 5.000,00 pode ser pago pelo caixa, mais se for superior, será através de deposito O perito tem liberdade para trabalhar em quantas varas? Em quantas ele quiser Pode o perito trabalhar em Vara de Família e/ou Vara de Fazenda Pública? O Perito tem liberdade de trabalhar em quantas varas ele quiser O que o cartório tem que emitir para que o perito possa sacar seus honorários? O Mandado de Pagamento Algum outro profissional além do perito e dos assistentes técnicos, pode assinar o laudo pericial? Sim. Mais responsabilidade sempre será do Perito O perito pode contratar serviços de outro técnico (em outra especialidade), para fundamentar informações em seu laudo? Pode 108. No caso do perito em diligência se sentir ameaçado, poderá requerer força policial? Qual? Sim. Deve acionar a Policia Militar O perito é considerado um servidor público? Não. Ele é um auxiliar da Justiça. O art. 139 São auxiliares do Juízo, alem dos outros, cujas atribuições são determinadas pelas normas de organização judiciária, o escrivão, o oficial de justiça, o perito, o depositário, o administrador e o interprete.

15 110. O perito tem obrigação de ir ao fórum diariamente? Não. Mais deve verificar o andamento dos processos em que foi nomeado com freqüência Existe algum órgão que fiscaliza a atuação dos peritos contábeis? Sim, o CRC Conselho Regional da Contabilidade Os peritos possuem alguma associação ou sindicato de classe? Sim. Associação dos Peritos Judiciais do estado do RJ O perito para exercer sua atividade requer alguma exigência burocrática? Inscrição no Conselho de classe e estar em dia com as suas obrigações O executante num processo é também chamado de... Autor O postulante é aquele que...postula alguma coisa. Exeqüente é aquele que Querelante, num processo, é aquele que é... Autor dos quesitos As partes podem solicitar a substituição do perito? Sim, mais quem determina é o Juízo O Conselho Regional de Contabilidade da algum apoio à classe pericial? Não. A classe Contábil

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL FASE INICIAL DA PERÍCIA FASE INICIAL DA PERÍCIA DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL N Ã O NOMEAÇÃO DO PERITO SIM A C E I T A

Leia mais

Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial.

Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial. Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto

Leia mais

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC:

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC: Aulas Completas a partir de 10 de Agosto 2011, a saber: 1 Perícia (Continuação) 2 Prova Pericial 3 Perito 4 Inspeção judicial OBJETO DA PERÍCIA artigo 145 do CPC: Quando a prova do fato depender de conhecimento

Leia mais

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto:

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto: P rezados concursandos, Neste encontro, vamos estudar alguns itens de um ponto que tem provocado grande apreensão nos candidatos que participarão do concurso do ICMS do Estado do Ceará. Trata se do tópico

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

Telefone p/contato: 22159822

Telefone p/contato: 22159822 Telefone p/contato: 22159822 Apresentação Turma Especial aos Sábados CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA O CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA abordará

Leia mais

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho.

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto da causa, transmitindo esses conhecimentos

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N 1.057/05 Aprova a NBC P 2.4 Honorários O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E Prof. Eduardo Salles Pimenta Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E ARBITRAGEM Introdução O profissional é nomeado pelo juiz para desempenhar o papel de perito judicial. Deve elaborar um planejamento e determinar

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário PERÍCIA CONTÁBIL Paulo Cordeiro de Mello Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário O que é Perícia Contábil? É o trabalho técnico, realizado por profissional com formação e conhecimento

Leia mais

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008 XIº FEMESC Fraiburgo PERÍCIA MÉDICA M ASPECTOS ÉTICOS Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES Maio 2008 OU COMO EVITAR PROBLEMAS COM O CRM NA REALIZAÇÃO DE UMA PERICIA MÉDICA PERÍCIA MÉDICAM PERÍCIA MÉDICA M Do

Leia mais

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias 03/12/2012 Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias ASPECTOS INTRODUTÓRIOS E PRÁTICOS DA PERÍCIA As características e caminhos percorridos pelo profissional na condição de perito

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 858/99 Reformula a NBC T 13 Da Perícia Contábil. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de reformulação

Leia mais

PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação

PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação Eduardo Assis Módulo IV Tema 2 Colaboração: EDUARDA DE MELO ASSIS OAB 127.502 1- Generalidades Quando a prova de determinados fatos alegados pelas partes depender de conhecimentos

Leia mais

Curso (Prático) de Perícia Financeira

Curso (Prático) de Perícia Financeira Apresentação Objetivos Curso (Prático) de Perícia Financeira Contábil e O Curso de Perícia Contábil aborda as matérias necessárias aos profissionais que atuam como perito, para que interpretem adequadamente

Leia mais

GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO

GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO GUIA PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE LAUDOS PERICIAIS EM MEDICINA DO TRABALHO 1ª edição 2002 2ª edição 2011 3ª edição 2014 ANTONIO BUONO NETO Médico Especialista em Medicina do Trabalho pela AMB. Ex-Presidente

Leia mais

A PERÍCIA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO À PRESTAÇÃO JURISDICIONAL E SUAS ÁREAS DE ATUAÇÃO. Prof(a) Cristina Lisbôa Vaz de Mello

A PERÍCIA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO À PRESTAÇÃO JURISDICIONAL E SUAS ÁREAS DE ATUAÇÃO. Prof(a) Cristina Lisbôa Vaz de Mello A PERÍCIA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO À PRESTAÇÃO JURISDICIONAL E SUAS ÁREAS DE ATUAÇÃO Prof(a) Cristina Lisbôa Vaz de Mello 1 ...o Perito não é apenas os olhos do Juiz, é também os ouvidos, o Perito é o

Leia mais

Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade

Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade Perícia Contábil Professor Remo Dalla Zanna 1 BLOCO 1 Legislação: NBC TP 01 CPC Código de Processo Civil 2 Instrutor: Remo Dalla Zanna 2 Perícia

Leia mais

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES)

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) Regulamenta o exercício da atividade, define a atribuições do Perito Judicial e do Assistente Técnico e dá outras providências. O congresso nacional decreta:

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 Aprova a NBC T 13.2 Planejamento da Perícia. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações

Leia mais

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL Laudo é o documento, elaborado por um ou mais peritos, onde se apresentam conclusões do exame pericial. No laudo, responde se aos quesitos (perguntas)

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

"CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS e ASSISTENTES TÉCNICOS"

CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS e ASSISTENTES TÉCNICOS "CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITOS JUDICIAIS e ASSISTENTES TÉCNICOS" 1. Objetivo do Curso: Torne-se um perito judicial, profissão com grande flexibilidade de horários, prazos e que figura como uma das atividades

Leia mais

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39

SUMÁRIO CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 CAPÍTULO II - DO PROCESSO CIVIL... 39 SUMÁRIO Apresentação da Coleção...15 CAPÍTULO I FUNÇÃO E CARREIRA DO ADVOGADO... 19 1. Antecedentes históricos da função de advogado...19 2. O advogado na Constituição Federal...20 3. Lei de regência da

Leia mais

LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS

LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS LEGISLAÇÃO E NORMAS TÉCNICAS AULA 2 A Perícia Perito e Assistente Técnico Prof. Me. Marco Antonio Ferreira Finocchio A Perícia: vocabulário Autor (Reclamante) Quem move a ação Reclamada (Ré) Quem sofre

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA TAESP Arbitragem & O Mediação, com sede nesta Capital do Estado de São Paulo, na Rua Santa Isabel, 160 cj.43, nos termos dos Artigos 5º, 13, 3º e 21 da Lei 9.307/96, edita o presente REGULAMENTO PARA PROCEDIMENTOS

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação Orientador Empresarial RESOLUÇÃO CFC 1.021, DE 18 DE MARÇO DE 2005 - DOU 22.04.2005 (Íntegra) Aprova

Leia mais

Perícia Contábil. Prof.ª Bruna Socreppa

Perícia Contábil. Prof.ª Bruna Socreppa 1 Perícia Contábil Prof.ª Bruna Socreppa 2 O estudo da prova pericial contábil pressupõe desenvolver uma abordagem interdisciplinar, inter-relacionando diversos aspectos do Direito Processual Civil com

Leia mais

ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I

ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I ANO VI EDIÇÃO nº 1282 Suplemento SEÇÃO I DISPONIBILIZAÇÃO: sexta-feira, 12 de abril de 2013 PUBLICAÇÃO: segunda-feira, 15 de abril de 2013 Senhores(as) Usuários(as), A Seção I do Diário da Justiça Eletrônico

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

Honorários Periciais Judiciais

Honorários Periciais Judiciais Honorários Periciais Judiciais Atualização monetária Juros legais de mora Impugnação aos Cálculos CAROLINE DA CUNHA DINIZ Máster em Medicina Forense pela Universidade de Valência/Espanha Título de especialista

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL

PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL A EXPRESSÃO PERÍCIA ADVÉM DO LATIM: PERITIA, QUE EM SEU SENTIDO PRÓPRIO SIGNIFICA CONHECIMENTO (ADQUIRIDO PELA EXPERIÊNCIA), BEM COMO EXPERIÊNCIA....NO BRASIL COLÔNIA,

Leia mais

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto PERÍCIA CONTÁBIL Prof. Francisco Roberto Aspectos de uma perícia: Técnicos: Metodologia (técnica ou científica) a ser adotada na perícia. Doutrinários: A forma, modo ou o processo da realização da perícia

Leia mais

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA

INSTRUÇÕES BÁSICAS PARA PAGAMENTO DE HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA 0 HONORÁRIOS PROFISSIONAIS DE ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA ADVOGADOS E PERITOS PESSOA FÍSICA JURISDIÇÃO DELEGADA RESOLUÇÃO 541/2007 - CJF JUSTIÇA FEDERAL DE PRIMEIRO GRAU SÃO PAULO NÚCLEO FINANCEIRO SEÇÃO DE

Leia mais

Cartilha de Perícia Contabil CRCBA - 1

Cartilha de Perícia Contabil CRCBA - 1 Cartilha de Perícia Contabil CRCBA - 1 Comissão Técnica de estudos relacionados à Perícia Contábil, Mediação e Arbitragem CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DA BAHIA - CRCBA Rua do Salete, nº

Leia mais

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 30/04 REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Olivos para a Solução de Controvérsias no MERCOSUL

Leia mais

IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais

IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais IV Seminário Paulista de Perícias Judiciais 26 de agosto de 2011 / IBAPE-SP Painel 1: O Perito Judicial e a Justiça Gratuita Dr. Sandro Rafael Barbosa Pacheco I Disposições Gerais. Dispositivos aplicados

Leia mais

PROVAS ASPECTOS GERAIS.

PROVAS ASPECTOS GERAIS. PROVAS ASPECTOS GERAIS. CONCEITO art.332 Art. 332. Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo 1. Esta Norma estabelece regras e procedimentos técnico-científicos a serem observados pelo perito, quando

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL OBJETIVO 1. Esta norma tem como objetivo estabelecer regras e procedimentos técnicos a serem observados pelo perito, quando

Leia mais

Edilson Aguiais é... Introdução à Perícia Judicial e Extra-Judicial. Introdução 15/09/2014. Lei 1.411 13/08/1951. Art. 1 o Art. 14

Edilson Aguiais é... Introdução à Perícia Judicial e Extra-Judicial. Introdução 15/09/2014. Lei 1.411 13/08/1951. Art. 1 o Art. 14 Introdução à Perícia Judicial e Extra-Judicial CORECON/GO Ago/14 SENHA WI-FI: 2009102009 Econ. Edilson Aguiais CRE-GO 2.337/D Edilson Aguiais é... Atividades Profissionais Economista; Consultor de Empresas;

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL OBJETIVO 1. Esta Norma estabelece procedimentos inerentes à atuação do contador na condição de perito. CONCEITO 2. Perito é o contador regularmente

Leia mais

CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL. 3ª Edição

CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL. 3ª Edição CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL 3ª Edição 1 2 ANTÔNIO GOMES DAS NEVES Contador, Perito, Professor de Legislação Trabalhista e Perícia Contábil na graduação e pós-graduação. CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL 3ª Edição

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE CURSO 1. Identificação

Leia mais

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4. AÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 4.1 Conceito - O que é a ação de prestação de contas? 4.2 Ação de dar e ação de exigir contas - A quem compete esta ação? - Trata-se de uma ação dúplice? - Ação de dar contas

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

OFICIAL DE APOIO - CLASSE D LOTADO EM CONTADORIA. PJ-28 a PJ-50. Provimento: Concurso Público

OFICIAL DE APOIO - CLASSE D LOTADO EM CONTADORIA. PJ-28 a PJ-50. Provimento: Concurso Público OFICIAL DE APOIO - CLASSE D LOTADO EM CONTADORIA PJ-28 a PJ-50 Provimento: Concurso Público ATRIBUIÇÕES ATUAIS PREVISTAS NA RESOLUÇÃO 367/2001 NOVAS ATRIBUIÇÕES PROPOSTAS PLEO TJMG * QUALIFICAÇÃO EXIGIDA

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL: Um levantamento empírico de perícias realizadas no Distrito Federal sob o enfoque do planejamento e laudos periciais 1

PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL: Um levantamento empírico de perícias realizadas no Distrito Federal sob o enfoque do planejamento e laudos periciais 1 PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL: Um levantamento empírico de perícias realizadas no Distrito Federal sob o enfoque do planejamento e laudos periciais 1 Tânia Maria Hoepers 2 Prof. MSc. Idalberto José das Neves

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional Vinicius Roveri Docente - Curso Tecnologia em Gestão Ambiental

Leia mais

Conselho da Justiça Federal

Conselho da Justiça Federal RESOLUÇÃO Nº 440, DE 30 DE MAIO DE 2005 Dispõe sobre o pagamento de honorários de advogados dativos, peritos, tradutores e intérpretes, em casos de assistência judiciária gratuita e disciplina os procedimentos

Leia mais

Aspectos Introdutórios e Práticos da Perícia

Aspectos Introdutórios e Práticos da Perícia Aspectos Introdutórios e Práticos da Perícia Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor de Desenvolvimento Profissional da APEJESP e Paschoal Rizzi Naddeo Vice-Presidente da APEJESP Peritos Contadores 23ª

Leia mais

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA

FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES CURSO DE DIREITO PRÁTICA JURÍDICA Regras Básicas para as Atividades de Prática Jurídica a partir do ano letivo de 2013 Visitas Orientadas 72 Horas Obrigatórias Visitas Justiça

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Câmara de Arbitragem Digital CAD. CAPÍTULO I. Sujeição ao Presente Regulamento e Princípios

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Câmara de Arbitragem Digital CAD. CAPÍTULO I. Sujeição ao Presente Regulamento e Princípios REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Câmara de Arbitragem Digital CAD CAPÍTULO I. Sujeição ao Presente Regulamento e Princípios Art. 1º. As partes que avençarem, mediante convenção de arbitragem, submeter qualquer

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002

PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002 PODER JUDICIÁRIO EDITAL Nº RJ-EDT-2009/00002 EDITAL DE CADASTRAMENTO DE ADVOGADOS VOLUNTÁRIOS, ADVOGADOS DATIVOS, TRADUTORES, PERITOS, INTÉRPRETES E CURADORES (PRAZO DE : a partir da data da publicação

Leia mais

CASTAGNA MAIA ADVOGADOS ASSOCIADOS

CASTAGNA MAIA ADVOGADOS ASSOCIADOS CASTAGNA MAIA ADVOGADOS ASSOCIADOS Luis Antônio Castagna Maia Betânia Hoyos Figueira Vieira Cecília Maria Lapetina Chiaratto Andréia Gomes Ceregatto Janaína Barcellos Anna Carolina Pagano Michel Adam Lima

Leia mais

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas?

A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A PERÍCIA INDIRETA. Uma alternativa na regulação de benefícios em seguros de pessoas? A consultoria médico-legal e as perícias em seguros de pessoas revestem-se de grande importância na regulação dos benefícios

Leia mais

Ciclano da Silva Advogados Associados

Ciclano da Silva Advogados Associados Ciclano da Silva Advogados Associados EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DA VARA CÍVEL DO FORO REGIONAL DE ALTA FLORESTA, COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE BAIXA FLORESTA/PR. FULANO DE TAL, pessoa

Leia mais

A FUNÇÃO DO PERITO CONTÁBIL JUDICIAL E SUA INFLUÊNCIA NA SOLUÇÃO DE LITÍGIOS NA PERCEPÇÃO DOS MAGISTRADOS DO MUNICÍPIO DE CÁCERES-MT

A FUNÇÃO DO PERITO CONTÁBIL JUDICIAL E SUA INFLUÊNCIA NA SOLUÇÃO DE LITÍGIOS NA PERCEPÇÃO DOS MAGISTRADOS DO MUNICÍPIO DE CÁCERES-MT A FUNÇÃO DO PERITO CONTÁBIL JUDICIAL E SUA INFLUÊNCIA NA SOLUÇÃO DE LITÍGIOS NA PERCEPÇÃO DOS MAGISTRADOS DO MUNICÍPIO DE CÁCERES-MT 1 2 3 RESUMO Após análise do atual momento da situação da profissão

Leia mais

Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL

Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL 1 Prof. Fábio Ibanhez Bertuchi PROF. FÁBIO IBANHEZ BERTUCHI E-MAIL: FABIOBERTUCHI@UNITOLEDO.BR FORMAÇÃO ACADÊMICA: - Pós Graduado em Perícia Contábil e Auditoria (UEL-PR) -

Leia mais

ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413 00 019886 Companhia Aberta Categoria A

ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413 00 019886 Companhia Aberta Categoria A ALL AMÉRICA LATINA LOGÍSTICA S.A. CNPJ/MF nº 02.387.241/0001-60 NIRE nº 413 00 019886 Companhia Aberta Categoria A Conforme item (1) da ordem do dia da Assembleia Geral Extraordinária da ALL América Latina

Leia mais

ANÁLISE JURÍDICA SOBRE HONORÁRIOS PERICIAIS

ANÁLISE JURÍDICA SOBRE HONORÁRIOS PERICIAIS ANÁLISE JURÍDICA SOBRE HONORÁRIOS PERICIAIS EMENTA: ASSISTENTE SOCIAL. PERITO JUDICIAL. CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. HONORÁRIOS PERICIAIS. APLICAÇÃO EM PROCESSOS JUDICIAIS. BENEFÍCIO DA JUSTIÇA GRATUITA.

Leia mais

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo

Manual de Rotinas do Procedimento Cível Comum Ordinário. Protocolo 29 Protocolo 2. DISTRIBUIÇÃO A previsão legal dos atos de distribuição e registro está no Código de Processo Civil, nos artigos 251 a 257. A distribuição tem a função de dividir os processos entre juízos

Leia mais

Perícia, Arbitragem e Mediação

Perícia, Arbitragem e Mediação CRC - CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SÃO PAULO Gestão: Domingos Orestes Chiomento 22ª Convenção de Contabilistas do Estado de São Paulo Santos Perícia, Arbitragem e Mediação 19.08.2011 Antonio Carlos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA

PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA PODER JUDICIÁRIO - JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Estado de Sergipe 7ª Vara Federal FLUXOGRAMA 28 - AÇÃO MONITÓRIA INÍCIO análise inicial Verificar a existência de demonstrativo de débito e contrato

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL PROFESSOR: Salomão Soares Apostila 8 LEITURA COMPLEMENTAR: Artigos do CPC relacionados à Perícia

PERÍCIA CONTÁBIL PROFESSOR: Salomão Soares Apostila 8 LEITURA COMPLEMENTAR: Artigos do CPC relacionados à Perícia PERÍCIA CONTÁBIL PROFESSOR: Salomão Soares Apostila 8 LEITURA COMPLEMENTAR: Artigos do CPC relacionados à Perícia Data: CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL Principais artigos do CPC (Lei nº 5.869/73), atualizado

Leia mais

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ

PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ PROVIMENTO nº 09/2007-CGJ Dispõe sobre a nomeação de defensor dativo nas Comarcas onde não exista Defensoria Pública e dá outras providências atribuições legais, O CORREGEDOR-GERAL DA JUSTIÇA, no uso de

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO DIRETORIA DE VISTORIAS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003/2015 - DIVIS/DESEG APLICAÇÃO DE PENALIDADES

Leia mais

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º

ESTATUTOS DO CENTRO DE INFORMAÇÃO, MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA ORDEM DOS NOTÁRIOS. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º Capítulo I Disposições Gerais Artigo 1.º Natureza, âmbito, objecto e sede 1. O Centro de Informação, Mediação e Arbitragem da Ordem dos Notários (adiante designado por Centro), é a instituição de arbitragem,

Leia mais

AÇÃO DE REVISÃO DO FGTS POR DEFASAGEM EM CORREÇÃO PELA TR

AÇÃO DE REVISÃO DO FGTS POR DEFASAGEM EM CORREÇÃO PELA TR COMUNICADO SINDECTEB 036/2013 AÇÃO DE REVISÃO DO FGTS POR DEFASAGEM EM CORREÇÃO PELA TR SINDECTEB orienta os trabalhadores a recuperarem as perdas do FGTS Ação na Justiça solicitando o recálculo retroativo

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor.

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA Cláudio Basques A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. LEI N. 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005 Nova Lei de Falências Art. 1º Esta lei disciplina a recuperação judicial,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PERÍCIA CONTÁBIL

Leia mais

Responsabilidade em saúde

Responsabilidade em saúde Responsabilidade em saúde Cível:obrigação de indenização indene de prejuízo Constituição Federal/Código civil/cdc Elementos de responsabilidade Autor Ato Culpa Dano Nexo causal CÓDIGO CIVIL Art. 186 Aquele

Leia mais

PROCURAÇÃO "AD-JUDICIA"

PROCURAÇÃO AD-JUDICIA CONTRATO PARTICULAR DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFISSIONAIS CONTRATADA: A Sociedade de Advogados MARTUCCI MELILLO ADVOGADOS ASSOCIADOS, registrada na OAB/SP sob o n. 9237, inscrita no CNPJ n. 07.697.074/0001-78,

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS

PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS PROCEDIMENTOS PARA AJUIZAR AÇÃO DE RECUPERAÇÃO DE PERDAS NO FGTS O Sindicato dos Administradores, dando continuidade aos procedimentos para ajuizar ação judicial contra a Caixa Econômica Federal, na Justiça

Leia mais

Agrupadores. GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE Jessiane Carla Siqueira Moreira Assessoria de Apoio à Primeira Instância JUIZ E SEUS ASSISTENTES

Agrupadores. GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE Jessiane Carla Siqueira Moreira Assessoria de Apoio à Primeira Instância JUIZ E SEUS ASSISTENTES Agrupadores JUIZ E SEUS ASSISTENTES»Processos com pedido liminar ou de antecipação de tutela não apreciado GESTÃO DE VARA ELETRÔNICA - PJE DIRETOR E SEUS ASSISTENTES»Processos com Petições Avulsas»Processos

Leia mais

Resoluções ResoluçÃo CoNJuNTA PResI/CoGeR/CoJeF 20 De 18/10/2012 CAPÍTulo I Do PRoCeDIMeNTo De IMPlANTAçÃo Do AJG/CJF

Resoluções ResoluçÃo CoNJuNTA PResI/CoGeR/CoJeF 20 De 18/10/2012 CAPÍTulo I Do PRoCeDIMeNTo De IMPlANTAçÃo Do AJG/CJF RESOLUÇÃO CONJUNTA PRESI/COGER/COJEF 20 DE 18/10/2012 Resoluções Regulamenta os procedimentos para a implantação do novo Sistema Eletrônico de Assistência Judiciária Gratuita da Justiça Federal (AJG/ CJF),

Leia mais

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e

PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e PORTARIA TRT 18ª GP/DG nº 045/2013 (Republicada por força do art. 2 da Portaria TRT 18ª GP/DG nº 505/2014) Dispõe sobre a competência, a estrutura e a atuação da Secretaria de Controle Interno e dá outras

Leia mais

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282)

PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1 PETIÇÃO INICIAL (CPC 282) 1. Requisitos do 282 do CPC 1.1. Endereçamento (inciso I): Ligado a competência, ou seja, é imprescindível que se conheça as normas constitucionais de distribuição de competência,

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA REGULAMENTO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA Dispõe sobre normas para realização do estágio de prática jurídica, componente curricular obrigatório dos Cursos de Direito. Do Núcleo de Prática Jurídica Art.

Leia mais

REGULAMENTO. Capítulo I Disposições gerais

REGULAMENTO. Capítulo I Disposições gerais REGULAMENTO DO CENTRO DE ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA INSTITUCIONALIZADA DO INSTITUTO DOS VALORES MOBILIÁRIOS Capítulo I Disposições gerais Artigo 1º O presente Regulamento aplica-se às arbitragens que decorram

Leia mais

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011

FACULDADE DOM BOSCO Credenciada através da Portaria nº. 2.387 de 11/08/2004, publicada no D.O.U. de 12/08/2004. Resolução nº 001/011 Resolução nº 001/011 Regulamentar a Arbitragem Expedita. do Curso de Direito; - Considerando a necessidade de Regulamentar a Arbitragem Expedita O Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão aprovou, e eu

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL

1. PRINCÍPIOS DOS JUIZADOS ESPECIAIS CRIMINAIS art. 62 da Lei 9.009/95 2. OBJETIVOS DO JUIZADO ESPECIAL CRIMINAL 1 PROCESSO PENAL PROCESSO PENAL PONTO 1: Princípios dos Juizados Especiais Criminais PONTO 2: Objetivos PONTO 3: Competência PONTO 4: Fase Policial PONTO 5: Fase Judicial PONTO 6: Recursos PONTO 7: Atos

Leia mais

Nota. é de competência exclusiva de contador registrado. A perícia arbitral é aquela exercida sob o a serem observados pelo perito,

Nota. é de competência exclusiva de contador registrado. A perícia arbitral é aquela exercida sob o a serem observados pelo perito, Boletim Manual de Procedimentos Perícia Contábil Objetivos, execução, procedimentos e planejamento SUMÁRIO 1. Introdução 2. Conceitos, defi nições e competências 3. Postura desejável do perito-contador

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto

ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto ROTEIRO DA LEI DO PROCESSO ELETRÔNICO Ana Amelia Menna Barreto A Lei que instituiu o processo judicial informatizado, em vigor desde março de 2007, aplica-se indistintamente aos processos civil, penal,

Leia mais

UMA CONTRIBUIÇÃO A IDENTIFICAÇÃO DOS CUSTOS DA QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL

UMA CONTRIBUIÇÃO A IDENTIFICAÇÃO DOS CUSTOS DA QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL UMA CONTRIBUIÇÃO A IDENTIFICAÇÃO DOS CUSTOS DA QUALIDADE NA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL Karina Zucolotto (MZM Contabilidade) - karina@mzmcontabilidade.com.br Franklin dos Santos Moura (MZM

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Despachante Aduaneiro e Ajudante de Despachante Aduaneiro-Exercício das Profissões INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa

Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12. Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Curso Preparatório para o Concurso Público do TRT 12 Noções de Direito Processual Civil Aula 1 Prof. Esp Daniel Teske Corrêa Sumário Jurisdição Competência Ação Partes, Ministério Público e Intervenção

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ PODER JUDICIÁRIO COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - FORO CENTRAL 25ª VARA CÍVEL

ESTADO DO PARANÁ PODER JUDICIÁRIO COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - FORO CENTRAL 25ª VARA CÍVEL I. RELATÓRIO Vistos e examinados os autos de Ação Ordinária sob nº 0001997-57.2014.8.16.0179, ajuizada por REINALDO ALVES CAMARGO e STAEL ALVES DE CAMARGO contra ANDREAZZA E MASSARELLI LTDA. Trata-se de

Leia mais

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL ASPECTOS GERAIS

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL ASPECTOS GERAIS COBRANÇA DE HONORÁRIOS ASPECTOS GERAIS ESTATUTO DA ADVOCACIA CAPÍTULO VI Dos Honorários Advocatícios Art. 22. A prestação de serviço profissional assegura aos inscritos na OAB o direito aos honorários

Leia mais