PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL"

Transcrição

1 PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL A EXPRESSÃO PERÍCIA ADVÉM DO LATIM: PERITIA, QUE EM SEU SENTIDO PRÓPRIO SIGNIFICA CONHECIMENTO (ADQUIRIDO PELA EXPERIÊNCIA), BEM COMO EXPERIÊNCIA....NO BRASIL COLÔNIA, RELEVANTE JÁ ERA A FUNÇÃO CONTÁBIL E DAS PERÍCIAS... RELATÓRIO DE 19/06/1779 DO VICE-REI MARQUÊS DO LAVRADO A SEU SUCESSOR LUÍS DE VASCONCELOS E SOUSA (ARQUIVO NACIONAL DO RIO DE JANEIRO). (LOPES SÁ) 1

2 PERÍCIA CONTÁBIL E JUDICIAL NO BRASIL INTRODUZIDA FORMALMENTE NO BRASIL COM O C.P.C DE ARTIGOS 208 E 254, REGULAVA A PERÍCIA, A NOMEAÇÃO DO PERITO E A INDICAÇÃO DE ASSISTENTES PELAS PARTES. NOS CURSOS DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS, TORNOU-SE DISCIPLINA OBRIGATÓRIA A PARTIR DE (RES. CFE N.º 3, DE 05/10/92). 2

3 PERÍCIA CONTÁBIL... A PERÍCIA CONTÁBIL CONSTITUI O CONJUNTO DE PROCEDIMENTOS TÉCNICO- CIENTÍFICOS DESTINADOS A LEVAR À INSTÂNCIA DECISÓRIA ELEMENTOS DE PROVA NECESSÁRIOS A SUBSIDIAR À JUSTA SOLUÇÃO DO LITÍGIO OU CONSTATAÇÃO DE UM FATO, MEDIANTE LAUDO PERICIAL CONTÁBIL E/OU PARECER PERICIAL CONTÁBIL, EM CONFORMIDADE COM AS NORMAS JURÍDICAS E PROFISSIONAIS, E A LEGISLAÇÃO ESPECÍFICA NO QUE FOR PERTINENTE. (Resolução CFC 1.243/09 - NBC.TP.01 PERÍCIA CONTÁBIL) 3

4 ESPÉCIES DE PERÍCIA CONTÁBIL PERÍCIA JUDICIAL PERÍCIA EXTRAJUDICIAL PERÍCIA ARBITRAL 4

5 ESPÉCIES DE PERÍCIA CONTÁBIL PERÍCIA JUDICIAL DESENVOLVE-SE NO ÂMBITO DO PODER JUDICIÁRIO, PODENDO SER DETERMINADA PELO JUIZ OU A ELE REQUERIDA PELAS PARTES OU PELO MINISTÉRIO PÚBLICO. PEÇA SUBSIDIÁRIA, MUITAS VEZES INDISPENSÁVEL. PERÍCIA EXTRAJUDICIAL OCORRE POR INICIATIVA/CONSENSO DAS PARTES, SEM QUALQUER ENVOLVIMENTO DO ESTADO (PODER JUDICIÁRIO), NÃO TENDO QUALQUER VALIDADE EM JUÍZO. 5

6 ESPÉCIES DE PERÍCIA CONTÁBIL PERÍCIA ARBITRAL PROBANTE E/OU DECISÓRIA,PODENDO REPRESENTAR MEIO DE PROVA, SUBSIDIAR A CONVICÇÃO DO ÁRBITRO, OU ATUAR COMO AGENTE ATIVO, NA CONDIÇÃO DE ÁRBITRO DA CONTROVÉRSIA. (LEI /09/96) 6

7 PERITO-CONTADOR...É O CONTADOR REGULARMENTE REGISTRADO EM CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE, QUE EXERCE A ATIVIDADE PERICIAL DE FORMA PESSOAL, DEVENDO SER PROFUNDO CONHECEDOR, POR SUAS QUALIDADES E EXPERIÊNCIA, DA MATÉRIA PERICIADA. (RESOLUÇÃO CFC N.º 1.244/09) 7

8 PERITO-CONTADOR O CONTADOR NA FUNÇÃO DE PERITO- CONTADOR OU PERITO-CONTADOR ASSISTENTE, DEVE MANTER ADEQUADO NÍVEL DE COMPETÊNCIA PROFISSIONAL, PELO CONHECIMENTO ATUALIZADO DE CONTABILIDADE, DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE, DAS TÉCNICAS CONTÁBEIS, ESPECIALMENTE AS APLICÁVEIS À PERÍCIA, DA LEGISLAÇÃO RELATIVA À PROFISSÃO CONTÁBIL E DAS NORMAS JURÍDICAS, ATUALIZANDO-SE PERMANENTEMENTE, MEDIANTE PROGRAMAS DE CAPACITAÇÃO, TREINAMENTO, EDUCAÇÃO CONTINUADA E ESPECIALIZAÇÃO, REALIZANDO SEUS TRABALHOS COM OBSERVÂNCIA DA EQÜIDADE. (RES. CFC N.º 857/99- V. RES /09) 8

9 NOMEAÇÃO DO PERITO- CONTADOR EM JUÍZO É FACULTADO AO JUIZ NOMEAR PROFISSIONAL DA SUA CONFIANÇA E QUE, EVIDENTEMENTE, POSSUA BOM CONCEITO PROFISSIONAL, MORAL E IDONEIDADE. (ART C.P.C.). PARA SUBSIDIAR O JUIZ, ASSOCIAÇÕES DE PERITOS (ASPEJUDI/MG) TÊM APRESENTADO LISTAS DE PROFISSIONAIS NELAS CADASTRADOS OU FILIADOS. COM A ALTERAÇÃO PROMOVIDA NO C.P.C. (ART. 422), O PERITO PODE ACEITAR OS ENCARGOS INDEPENDENTEMENTE DE TERMO DE COMPROMISSO. 9

10 NOMEAÇÃO DO PERITO- CONTADOR EM JUÍZO IMPEDIDO OU IMPOSSIBILITADO DE CUMPRIR O ENCARGO, DEVE O PERITO, POR ESCRITO, RECUSAR OU RENUNCIAR (ART C.P.C.), INDICANDO AS RAZÕES (PESSOAIS OU LEGAIS). DEVE MANIFESTAR-SE NO PRAZO DE 5 DIAS CONTADOS DA INTIMAÇÃO. O SILÊNCIO IMPLICA NA ACEITAÇÃO DO ENCARGO. OCORRENDO MOTIVOS LEGAIS, DEVE RECUSAR O ENCARGO, POIS, SE NÃO O FIZER, PODERÁ SER ARGÜIDO O IMPEDIMENTO OU SUSPEIÇÃO (ART. 138, III 1.º - C.P.C.). OS MOTIVOS PRINCIPAIS ESTÃO ALINHADOS NOS ARTIGOS 134 E 135 DO C.P.C., QUE SE APLICAM AO JUIZ E AOS DEMAIS AUXILIARES DA JUSTIÇA. 10

11 FATORES DE IMPEDIMENTO ALÉM DOS ASPECTOS ELENCADOS NO C.P.C, A NORMA (RES. CFC N.º 857/99) ESTABELECE QUE O PERITO-CONTADOR ESTÁ IMPEDIDO DE EXECUTAR PERÍCIA CONTÁBIL, DEVENDO ASSIM DECLARAR-SE, AO SER NOMEADO, ESCOLHIDO OU CONTRATADO PARA O ENCARGO, QUANDO: A) FOR PARTE DO PROCESSO; B) HOUVER ATUADO COMO PERITO-CONTADOR ASSISTENTE OU PRESTADO DEPOIMENTO COMO TESTEMUNHA NO PROCESSO; VER ALTERAÇÕES RES /09 - CFC 11

12 PERÍCIA CONTÁBIL FATORES DE IMPEDIMENTO A) O SEU CÔNJUGE OU QUALQUER PARENTE SEU, CONSANGÜÍNEO OU AFIM, EM LINHA RETA, OU EM LINHA COLATERAL ATÉ O SEGUNDO GRAU, ESTIVER POSTULANDO NO PROCESSO; 12

13 FATORES DE IMPEDIMENTO B) TIVER INTERESSE, DIRETO OU INDIRETO, IMEDIATO OU MEDIATO, POR SI OU QUALQUER DE SEUS PARENTES,CONSANGÜÍNEOS OU AFINS, EM LINHA RETA OU EM LINHA COLATERAL ATÉ O SEGUNDO GRAU, NO RESULTADO DO TRABALHO PERICIAL; C) EXERCER FUNÇÃO OU CARGO INCOMPATÍVEIS COM A ATIVIDADE DE PERITO-CONTADOR; E D) A MATÉRIA EM LITÍGIO NÃO FOR DE SUA ESPECIALIDADE. QUANDO NOMEADO EM JUÍZO, O PERITO-CONTADOR DEVE DIRIGIR-LHE PETIÇÃO, NO PRAZO LEGAL, JUSTIFICANDO A ESCUSA. QUANDO INDICADO PELA PARTE, NÃO ACEITANDO O ENCARGO, O PERITO-CONTADOR ASSISTENTE DEVE COMUNICAR AO JUÍZO, A RECUSA, DEVIDAMENTE JUSTIFICADA. 13

14 FATORES DE IMPEDIMENTO/RECUSA O PERITO-CONTADOR E O PERITO-CONTADOR ASSISTENTE NÃO DEVEM ACEITAR O ENCARGO QUANDO: CONSTATAREM QUE OS RECURSOS HUMANOS E MATERIAIS DE SUA ESTRUTURA PROFISSIONAL NÃO PERMITEM ASSUMIR O ENCARGO, SEM PREJUÍZO DO CUMPRIMENTO DOS PRAZOS DOS TRABALHOS NOMEADOS, INDICADOS, ESCOLHIDOS OU CONTRATADOS; E OCORRER MOTIVO DE FORÇA MAIOR. 14

15 ATUAÇÃO DO PERITO- CONTADOR EM JUÍZO NÃO EXISTE UMA RECEITA PARA A ATUAÇÃO COMO PERITO-CONTADOR EM ÂMBITO JUDICIAL. CADA CASO É UM CASO, DEVENDO O PERITO DESDOBRAR-SE, PRELIMINARMENTE, NA LEITURA ATENTA DO PROCESSO, DOS QUESITOS FORMULADOS E RECORRER À DOCUMENTAÇÃO OU BIBLIOGRAFIA PARA SUBSIDIÁ-LO NESTA ANÁLISE, QUE, DEVE PRECEDER O ATO DE ACEITAR O ENCARGO, POIS PODERÁ LEVÁ-LO À RECUSA OU CONSIDERAR-SE IMPEDIDO. 15

16 ATUAÇÃO DO PERITO- CONTADOR EM JUÍZO SEUS PODERES SÃO QUASE ILIMITADOS NO SENTIDO DE BUSCAR A COMPROVAÇÃO DOS FATOS (ART C.P.C.). DEVE SER EVITADA A OITIVA DE TESTEMUNHAS, POIS EXISTE JURISPRUDÊNCIA CONSIDERANDO VÁLIDO APENAS O TESTEMUNHO DADO (OU REPRODUZIDO) EM JUÍZO. NO ÂMBITO JUDICIAL, O PERITO-CONTADOR ESTÁ SUJEITO A SANÇÕES, ALÉM DE OUTRAS APLICÁVEIS PELOS CRC s, PODENDO, INCLUSIVE, SER-LHE APLICADA MULTA, FIXADA TENDO EM VISTA O VALOR DA CAUSA E O POSSÍVEL PREJUÍZO CAUSADO (ART. 424, ÚNICO - C.P.C.). INFORMAÇÕES INVERÍDICAS, COM DOLO OU CULPA, ENSEJAM PROCESSO DE REPARAÇÃO DOS PREJUÍZOS, FICANDO, AINDA, INABILITADO POR DOIS ANOS A ATUAR EM OUTRAS PERÍCIAS (ART. 147 DO C.P.C.). 16

17 APLICAÇÕES DA PERÍCIA CONTÁBIL A MAIORIA DOS CONFLITOS EXISTENTES NA ÁREA JUDICIAL, ESPECIFICAMENTE NA ÁREA CÍVEL, INDICA A NECESSIDADE DE QUANTIFICAÇÃO, MENSURAÇÃO, IDENTIFICAÇÃO, AVALIAÇÃO, ANÁLISE, VERIFICAÇÃO E APURAÇÃO OU ARBITRAMENTO DE HAVERES. A) AÇÕES DE ALIMENTOS; B) INVENTÁRIO; C) DISSOLUÇÕES DE SOCIEDADE; D) DESAPROPRIAÇÕES; E) RECLAMATÓRIAS TRABALHISTAS; E F) AVALIAÇÃO DO FUNDO DE COMÉRCIO. 17

18 APLICAÇÕES DA PERÍCIA CONTÁBIL A PERÍCIA CONTÁBIL É, TAMBÉM, DE ENORME UTILIDADE, QUANDO FOR NECESSÁRIO VERIFICAR, ANALISAR OU AVALIAR A CERTEZA E CORREÇÃO DE UM DETERMINADO VALOR OU CONJUNTO DE VALORES, QUE PODEM SER DÉBITOS OU CRÉDITOS, RECEITAS OU DESPESAS: A) CONSIGNATÓRIAS B) VERIFICAÇÃO DE LIVROS E DOCUMENTOS C) AÇÕES EXECUTIVAS D) IMPUGNAÇÕES DE CRÉDITOS E) INDENIZATÓRIAS F) AÇÕES TRABALHISTAS 18

19 APLICAÇÕES DA PERÍCIA CONTÁBIL NO EXAME, ANÁLISE E IDENTIFICAÇÃO DE ERROS OU FRAUDES, SEJA QUAL FOR O AMBIENTE EM QUE A PERÍCIA ESTEJA ATUANDO, ESTA É O INSTRUMENTO CONSIDERADO MAIS ADEQUADO. NESTE CASO, A PERÍCIA SE APLICA TANTO NA FASE DO INQUÉRITO, NO PROCESSO JUDICIAL OU ARBITRAL, OU, AINDA, EXTRAJUDICIALMENTE : A) EM INQUÉRITOS B) EM CONCORDATAS E FALÊNCIAS C) RECLAMATÓRIAS TRABALHISTAS D) EXTRAJUDICIALMENTE 19

20 HONORÁRIOS PERICIAIS DEVEM SER ESTABELECIDOS PREVIAMENTE A PARTIR DE AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS, DEVENDO SER CONSIDERADOS OS SEGUINTES ASPECTOS: A) A RELEVÂNCIA, O VULTO, O RISCO E A COMPLEXIDADE DOS SERVIÇOS A EXECUTAR; B) AS HORAS ESTIMADAS PARA REALIZAÇÃO DE CADA FASE DO TRABALHO; C) A QUALIFICAÇÃO DO PESSOAL TÉCNICO QUE IRÁ PARTICIPAR DA EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS; 20

21 HONORÁRIOS PERICIAIS D) O PRAZO FIXADO, QUANDO INDICADO OU ESCOLHIDO, OU O PRAZO MÉDIO HABITUAL DE LIQUIDAÇÃO, SE NOMEADO PELO JUIZ; E) A FORMA DE REAJUSTE E DE PARCELAMENTO, SE HOUVER; F) OS LAUDOS INTERPROFISSIONAIS E OUTROS INERENTES AO TRABALHO; E G) NO CASO DO PERITO-CONTADOR ASSISTENTE, O RESULTADO QUE, PARA O CONTRATANTE, ADVIRÁ COM O SERVIÇO PRESTADO, SE HOUVER. 21

22 HONORÁRIOS PERICIAIS QUANDO TRATAR DE NOMEAÇÃO, DEVE O PERITO-CONTADOR: A) ELABORAR ORÇAMENTO FUNDAMENTADO NOS FATORES CONSTANTES NA NORMA; B) REQUERER POR ESCRITO O DEPÓSITO DOS HONORÁRIOS, CONFORME O ORÇAMENTO OU PEDIDO DE ARBITRAMENTO; C) REQUERER A COMPLEMENTAÇÃO DOS HONORÁRIOS, SE A IMPORTÂNCIA PREVIAMENTE DEPOSITADA FOR INSUFICIENTE PARA GARANTI-LOS; E D) REQUERER, APÓS A ENTREGA DO LAUDO, QUE O DEPÓSITO SEJA LIBERADO COM OS ACRÉSCIMOS LEGAIS. 22

23 HONORÁRIOS PERICIAIS O PERITO-CONTADOR REQUERERÁ A LIBERAÇÃO PARCIAL DOS HONORÁRIOS, DEPOSITADOS EM JUÍZO, SEMPRE QUE HOUVER A NECESSIDADE, DEVIDAMENTE JUSTIFICADA. O PERITO-CONTADOR PODE REQUERER O CUSTEIO DAS DESPESAS REFERENTES AO DESLOCAMENTO PARA REALIZAÇÃO DO TRABALHO FORA DA COMARCA EM QUE FOI NOMEADO. QUANDO SE TRATAR DE INDICAÇÃO PELAS PARTES, ESCOLHA ARBITRAL OU CONTRATAÇÃO EXTRAJUDICIAL, DEVEM O PERITO-CONTADOR E O PERITO-CONTADOR ASSISTENTE FORMULAR CARTA-PROPOSTA OU CONTRATO, ANTES DO INÍCIO DA EXECUÇÃO DO TRABALHO, CONSIDERADOS OS FATORES CONSTANTES NA NORMA E O PRAZO PARA A REALIZAÇÃO DOS SERVIÇOS. 23

24 HONORÁRIOS PERICIAIS EM ÂMBITO JUDICIAL, ESPECIALMENTE NA ÁREA CÍVEL, TENDO ACEITADO O ENCARGO, OBSERVADAS AS DISPOSIÇÕES DAS NORMAS, O PERITO-CONTADOR SUBMETE AO JUIZ - ATRAVÉS DE PETIÇÃO - PROPOSTA DE HONORÁRIOS, PODENDO SER REQUERIDO DEPÓSITO PRÉVIO DOS HONORÁRIOS ANTES DO INÍCIO DOS TRABALHOS. O JUIZ, RECEBIDA A PROPOSTA DE HONORÁRIOS, ABRIRÁ VISTAS DO PROCESSO ÀS PARTES PARA QUE ELAS SE PRONUNCIEM, OU QUE SE PRONUNCIE A PARTE QUE REQUEREU A PERÍCIA. NA ÁREA TRABALHISTA, TEM SIDO PRAXE O PERITO REQUERER DO JUIZ O ARBITRAMENTO DOS HONORÁRIOS, CONSIDERADOS OS ASPECTOS DE COMPLEXIDADE E DURAÇÃO DOS TRABALHOS PERICIAIS. 24

25 HONORÁRIOS PERICIAIS UMA VEZ HOMOLOGADOS PELO JUIZ, OS HONORÁRIOS PERICIAIS PASSAM A SE CONSTITUIR EM TÍTULO EXECUTIVO E, EM RAZÃO DISSO, SUJEITO À EXECUÇÃO COMO DÍVIDA LÍQUIDA E CERTA. 25

26 HONORÁRIOS PERICIAIS NÃO CONTA O PERITO-CONTADOR COM TABELA DE HONORÁRIOS MÍNIMOS. NO ENTANTO, DEVE SE ORIENTAR PELO BOM SENSO, EVITANDO VALORES SUPERESTIMADOS, POIS ISSO PODERÁ, INCLUSIVE, COMPROMETER A SUA IMAGEM PROFISSIONAL PERANTE O JUIZ E AS PARTES. OS ASPECTOS CONSIDERADOS NA NORMA EMANADA DO C.F.C. CONSTITUEM, SEM DÚVIDA, FUNDAMENTOS NORTEADORES PARA OBTENÇÃO DE VALORES JUSTOS. AO ATUAR EM PERÍCIA, O CONTADOR TEM AMPLAS POSSIBILIDADES DE OBTER EXCELENTE REMUNERAÇÃO, MAS NÃO PODE PRETENDER GANHOS FÁCEIS, INJUSTIFICADOS E ABSURDOS, CONTRARIANDO PRINCÍPIOS ÉTICOS E MORAIS. 26

27 LAUDOS E PARECERES PERICIAIS O LAUDO PERICIAL CONTÁBIL E O PARECER PERICIAL CONTÁBIL SÃO ORIENTADOS E CONDUZIDOS PELO PERITO-CONTADOR E PELO PERITO-CONTADOR ASSISTENTE, RESPECTIVAMENTE, QUE ADOTARÃO PADRÃO PRÓPRIO, RESPEITADA A ESTRUTURA PREVISTA NESTA NORMA. NELES DEVEM SER REGISTRADOS DE FORMA CIRCUNSTANCIADA, CLARA E OBJETIVA, SEQUENCIAL E LÓGICA, O OBJETO DA PERÍCIA, OS ESTUDOS E OBSERVAÇÕES REALIZADAS, AS DILIGÊNCIAS EXECUTADAS PARA A BUSCA DE ELEMENTOS DE PROVA NECESSÁRIOS, A METODOLOGIA E CRITÉRIOS ADOTADOS, OS RESULTADOS DEVIDAMENTE FUNDAMENTADOS E AS SUAS CONCLUSÕES. (V. MODIFICAÇÕES RES. CFC 1.243/09 - PERÍCIA CONTÁBIL) 27

28 LAUDOS E PARECERES PERICIAIS HAVENDO QUESITOS, ESTES SÃO TRANSCRITOS E RESPONDIDOS, PRIMEIRO OS OFICIAIS E NA SEQÜÊNCIA OS DAS PARTES, NA ORDEM EM QUE FOREM JUNTADOS AOS AUTOS. AS RESPOSTAS AOS QUESITOS SERÃO CIRCUNSTANCIADAS, NÃO SENDO ACEITAS AQUELAS COMO "SIM" OU "NÃO", RESSALVANDO- SE OS QUE CONTEMPLAM ESPECIFICAMENTE ESTE TIPO DE RESPOSTA. NÃO HAVENDO QUESITOS, A PERÍCIA SERÁ ORIENTADA PELO OBJETO DA MATÉRIA, SE ASSIM DECIDIR QUEM A DETERMINOU. 28

29 LAUDOS E PARECERES PERICIAIS SENDO NECESSÁRIA A JUNTADA DE DOCUMENTOS, QUADROS DEMONSTRATIVOS E OUTROS ANEXOS, ESTES DEVEM SER IDENTIFICADOS E NUMERADOS, BEM COMO MENCIONADA A SUA EXISTÊNCIA NO CORPO DO LAUDO PERICIAL CONTÁBIL. A PREPARAÇÃO E A REDAÇÃO DO LAUDO PERICIAL CONTÁBIL SÃO DE EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DO PERITO-CONTADOR. 29

30 LAUDOS E PARECERES PERICIAIS O LAUDO PERICIAL CONTÁBIL SERÁ DATADO, RUBRICADO E ASSINADO PELO PERITO-CONTADOR, QUE NELE FARÁ CONSTAR A SUA CATEGORIA PROFISSIONAL DE CONTADOR E O SEU NÚMERO DE REGISTRO NO CRC. O LAUDO PERICIAL CONTÁBIL DEVE SEMPRE SER ENCAMINHADO POR PETIÇÃO PROTOCOLADA, QUANDO JUDICIAL OU ARBITRAL. QUANDO EXTRAJUDICIAL, POR QUALQUER MEIO QUE COMPROVE SUA ENTREGA. A APRESENTAÇÃO DO LAUDO PODERÁ SER DISPENSADA PELO JUIZ. DESSE MODO, A PERÍCIA CONTÁBIL JUDICIAL PODERÁ SER REPRESENTADA PELA PARTICIPAÇÃO DO PERITO EM AUDIÊNCIA. ( 2º - ART CPC - NOVA REDAÇÃO DADA PELA LEI N.º 8.455, 24/08/92) 30

31 LAUDOS E PARECERES PERICIAIS O PRAZO PARA ENTREGA DO LAUDO É ESTABELECIDO PELO JUIZ, PELO MENOS 20 DIAS ANTES DA AUDIÊNCIA DE INSTRUÇÃO E JULGAMENTO. (ART C.P.C.) QUANTO AOS PERITOS-CONTADORES ASSISTENTES, ESTES TÊM ATÉ 10 (DEZ) DIAS, APÓS A ENTREGA DO LAUDO PELO PERITO-CONTADOR OFICIAL, PARA ENTREGAREM OS SEUS PARECERES, SEM A NECESSIDADE DE QUALQUER INTIMAÇÃO ( ÚNICO - ART C.P.C.). QUANTO AO PRAZO PARA ENTREGA DO LAUDO, O PERITO PODE SOLICITAR PRORROGAÇÃO, APRESENTANDO - POR ESCRITO - A INDISPENSÁVEL JUSTIFICATIVA. FICARÁ A CRITÉRIO EXCLUSIVO DO JUIZ CONCEDER OU NÃO A PRORROGAÇÃO PLEITEADA (ART C.P.C.) 31

32 LAUDOS E PARECERES PERICIAIS CASO O LAUDO NÃO CONVENÇA O JUIZ, ESTE NÃO ESTÁ A ELE VINCULADO, PODENDO USAR OUTROS ELEMENTOS CONTIDOS NOS AUTOS (ARTIGO 436), BEM COMO SOLICITAR NOVA PERÍCIA (ARTIGO 437 DO C.P.C.). ENTENDENDO QUE A MATÉRIA NÃO ESTEJA SUFICIENTEMENTE ESCLARECIDA PELO LAUDO, PODERÁ O JUIZ DE OFÍCIO OU A REQUERIMENTO DA PARTE, SOLICITAR NOVA PERÍCIA PARA CORRIGIR EVENTUAIS OMISSÕES DA PRIMEIRA (ARTIGOS 437 E 438- C.P.C.). A SEGUNDA PERÍCIA OBEDECE AS MESMAS DISPOSIÇÕES FIXADAS PARA A PRIMEIRA, PORÉM NÃO A SUBSTITUI, CABENDO AO JUIZ APRECIAR LIVREMENTE UMA E OUTRA (ARTIGOS 438 E 439 DO C.P.C.). 32

33 LAUDOS E PARECERES PERICIAIS ENTREGUE O LAUDO NA SECRETARIA, O JUIZ ABRE VISTAS ÀS PARTES PARA MANIFESTAREM-SE SOBRE O MESMO. A PARTE QUE DESEJAR ESCLARECIMENTOS DO PERITO E DO ASSISTENTE TÉCNICO REQUERERÁ AO JUIZ QUE MANDE INTIMÁ-LOS, FORMULANDO LOGO OS QUESITOS QUE DESEJAM VER RESPONDIDOS EM AUDIÊNCIA (ARTIGO 435, ÚNICO - C.P.C.). HAVENDO CONTRADIÇÃO ENTRE O LAUDO ESCRITO E O DEPOIMENTO EM AUDIÊNCIA, PREVALECERÁ O DEPOIMENTO. O LAUDO PERICIAL É A PEÇA FINAL E FUNDAMENTAL DA PERÍCIA. É ATRAVÉS DELE QUE O PERITO FORNECE SUBSÍDIOS PARA A FORMAÇÃO DA CONVICÇÃO PESSOAL DO JULGADOR DA LIDE E DAS PARTES ENVOLVIDAS. (ALCIDES VAZ) 33

34 LAUDOS E PARECERES PERICIAIS NÃO HÁ UM MODELO ESTABELECIDO EM LEI OU EM NORMA. SUGERE-SE, NO ENTANTO, O SEGUINTE ROTEIRO: 1. CABEÇALHO 2. INTRODUÇÃO 3. VISÃO DO CONJUNTO 4. DOCUMENTOS E LIVROS EXAMINADOS 5. COMENTÁRIOS PERICIAIS 6. RESPOSTAS AOS QUESITOS 7. OBJETO DA PERÍCIA 8. ENCERRAMENTO (CONCLUSÃO/CONSIDERAÇÕES FINAIS) 34

35 LAUDOS E PARECERES PERICIAIS PERITO-CONTADOR ASSISTENTE É INDICADO PELA(S) PARTE(S) E DEVE ACOMPANHAR O PROCESSO PAR-E-PASSO DESDE O INÍCIO. TEM UMA FUNÇÃO RELEVANTE E IMPRESCINDÍVEL. O IDEAL É QUE SEJA CONTRATADO NA APRESENTAÇÃO DO PROCESSO, SOBRETUDO SE HOUVER A PERSPECTIVA DA PERÍCIA. AO LADO DO(S) ADVOGADO(S), DEVE PARTICIPAR DA ELABORAÇÃO DOS QUESITOS. O PROFISSIONAL DA CONTABILIDADE ESTARÁ EM MELHORES CONDIÇÕES DE PROPOR QUESTÕES A SEREM EXAMINADAS PELO PERITO-CONTADOR. QUESITOS MAL FORMULADOS NÃO APENAS COMPROMETEM O TRABALHO PERICIAL, MAS PODEM PREJUDICAR A QUEM OS APRESENTOU. 35

36 LAUDOS E PARECERES PERICIAIS PERITO-CONTADOR ASSISTENTE AS NORMAS TÉCNICAS E PROFISSIONAIS RELATIVAS À PERÍCIA CONTÁBIL E AO PERITO, EMANADAS DO C.F.C., APLICAM-SE AO PERITO- CONTADOR ASSISTENTE INDICADO OU CONTRATADO PELAS PARTES. A SUA PARTICIPAÇÃO NO PROCESSO JUDICIAL NÃO É SIMBÓLICA OU FIGURATIVA. UM PARECER PERICIAL CONTÁBIL BEM ELABORADO E BEM FUNDAMENTADO PODE E DEVE SER LEVADO EM CONSIDERAÇÃO PELO JUIZ. 36

37 PARECER PERICIAL CONTÁBIL...É A PEÇA ESCRITA NA QUAL O PERITO-CONTADOR ASSISTENTE EXPRESSA, DE FORMA CIRCUNSTANCIADA, CLARA E OBJETIVA, OS ESTUDOS, AS OBSERVAÇÕES E AS DILIGÊNCIAS QUE REALIZOU E AS CONCLUSÕES FUNDAMENTADAS DOS TRABALHOS....NA ESFERA JUDICIAL, SERVE PARA SUBSIDIAR O JUÍZO E AS PARTES, BEM COMO PARA ANALISAR DE FORMA TÉCNICA E CIENTÍFICA O LAUDO PERICIAL CONTÁBIL....NA ESFERA EXTRAJUDICIAL, SERVE PARA SUBSIDIAR AS PARTES NAS SUAS TOMADAS DE DECISÃO....NA ESFERA ARBITRAL, SERVE PARA SUBSIDIAR O ÁRBITRO E AS PARTES NAS SUAS TOMADAS DE DECISÃO. 37

38 PARECER PERICIAL CONTÁBIL A PREPARAÇÃO E A REDAÇÃO DO PARECER PERICIAL CONTÁBIL SÃO DE EXCLUSIVA RESPONSABILIDADE DO PERITO-CONTADOR ASSISTENTE. HAVENDO CONCORDÂNCIA COM O LAUDO PERICIAL CONTÁBIL, ELA DEVE SER EXPRESSA NO PARECER PERICIAL CONTÁBIL. HAVENDO DIVERGÊNCIAS DO LAUDO PERICIAL CONTÁBIL, O PERITO-CONTADOR ASSISTENTE TRANSCREVERÁ O QUESITO OBJETO DE DISCORDÂNCIA, A RESPOSTA DO LAUDO, SEUS COMENTÁRIOS E, FINALMENTE SUA RESPOSTA DEVIDAMENTE FUNDAMENTADA. 38

39 PARECER PERICIAL CONTÁBIL HAVENDO QUESITOS NÃO RESPONDIDOS PELO PERITO- CONTADOR, O PERITO-CONTADOR ASSISTENTE A ELES RESPONDERÁ DE FORMA CIRCUNSTANCIADA, NÃO SENDO ACEITAS RESPOSTAS COMO "SIM" OU "NÃO", RESSALVANDO-SE OS QUE CONTEMPLAM ESPECIFICAMENTE ESTE TIPO DE RESPOSTA. NÃO HAVENDO QUESITOS, O PARECER SERÁ ORIENTADO PELO CONTEÚDO DO LAUDO PERICIAL CONTÁBIL. SENDO NECESSÁRIA A JUNTADA DE DOCUMENTOS, QUADROS DEMONSTRATIVOS E OUTROS ANEXOS, ESTES DEVEM SER IDENTIFICADOS E NUMERADOS, BEM COMO MENCIONADA SUA EXISTÊNCIA NO CORPO DO PARECER PERICIAL CONTÁBIL. 39

40 PARECER PERICIAL CONTÁBIL O PARECER PERICIAL CONTÁBIL SERÁ DATADO, RUBRICADO E ASSINADO PELO PERITO- CONTADOR ASSISTENTE, QUE NELE FARÁ CONSTAR A SUA CATEGORIA PROFISSIONAL DE CONTADOR E O SEU NÚMERO DE REGISTRO EM CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE. O PARECER PERICIAL CONTÁBIL DEVE SEMPRE SER ENCAMINHADO POR PETIÇÃO PROTOCOLADA, QUANDO JUDICIAL E ARBITRAL, E POR QUALQUER MEIO QUE COMPROVE SUA ENTREGA, QUANDO EXTRAJUDICIAL. 40

41 ÉTICA NA ATIVIDADE PERICIAL CONTÁBIL AGIR CORRETAMENTE, HOJE, NÃO É SÓ UMA QUESTÃO DE CONSCIÊNCIA, MAS UM DOS QUESITOS FUNDAMENTAIS PARA QUEM QUER TER UMA CARREIRA LONGA, RESPEITADA E SÓLIDA. (Revista VOCÊ s.a. - JULHO/2000) 41

42 PARA QUE E POR QUE UM CÓDIGO DE ÉTICA? CONVIVÊNCIA SOCIAL RESPEITO E DIGNIDADE PROFISSIONAIS EXERCÍCIO DE CIDADANIA 42

43 CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA INTRODUÇÃO RESOLUÇÃO CFC 290/70: VIGÊNCIA 26 ANOS. NOVO CÓDIGO: RESOLUÇÃO CFC 803/96 ATUALIZAÇÃO - DEBATES O CÓDIGO DE ÉTICA: DO OBJETIVO DOS DEVERES E DAS PROIBIÇÕES DOS DEVERES EM RELAÇÃO AOS COLEGAS E À CLASSE DO VALOR DOS SERVIÇOS PROFISSIONAIS DAS PENALIDADES 43

44 O CÓDIGO DE ÉTICA E A PERÍCIA CONTÁBIL O CÓDIGO DE ÉTICA DO CONTABILISTA ESTABELECE NO ART. 5.º O SEGUINTE: ART.. 5.º - O CONTADOR, QUANDO PERITO, ASSISTENTE TÉCNICO, AUDITOR OU ÁRBITRO, DEVERÁ: I RECUSAR SUA INDICAÇÃO QUANDO RECONHEÇA NÃO SE ACHAR CAPACITADO EM FACE DA ESPECIALIZAÇÃO REQUERIDA; II ABSTER-SE DE INTERPRETAÇÕES TENDENCIOSAS SOBRE A MATÉRIA QUE CONSTITUI OBJETO DA PERÍCIA, MANTENDO ABSOLUTA INDEPENDÊNCIA MORAL E TÉCNICA NA ELABORAÇÃO DO RESPECTIVO LAUDO; III - ABSTER-SE DE EXPENDER ARGUMENTOS OU DAR A CONHECER SUA CONVICÇÃO PESSOAL SOBRE QUAISQUER DAS PARTES INTERESSADAS, OU DA JUSTIÇA DA CAUSA EM QUE ESTIVER SERVINDO, MANTENDO SEU LAUDO NO ÂMBITO TÉCNICO E LIMITADO AOS QUESITOS 44 PROPOSTOS;

45 O CÓDIGO DE ÉTICA E A PERÍCIA CONTÁBIL IV CONSIDERAR COM IMPARCIALIDADE O PENSAMENTO EXPOSTO EM LAUDO SUBMETIDO A SUA APRECIAÇÃO; V MENCIONAR OBRIGATORIAMENTE FATOS QUE CONHEÇA E REPUTE EM CONDIÇÕES DE EXERCER EFEITO SOBRE PEÇAS CONTÁBEIS DE SEU TRABALHO, RESPEITADO O DISPOSTO NO INCISO II DO ART. 2.º; O INCISO II DO ARTIGO 2.º DO CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA, MENCIONADO NO INCISO V DO ARTIGO 5.º, ESTABELECE: II GUARDAR SIGILO SOBRE O QUE SOUBER EM RAZÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL LÍCITO, INCLUSIVE NO ÂMBITO DO SERVIÇO PÚBLICO, RESSALVADOS OS CASOS PREVISTOS EM LEI OU QUANDO SOLICITADO POR AUTORIDADES COMPETENTES, ENTRE ESTAS OS CONSELHOS REGIONAIS DE CONTABILIDADE. 45

46 O CÓDIGO DE ÉTICA E A PERÍCIA CONTÁBIL VI ABSTER-SE DE DAR PARECER OU EMITIR OPINIÃO SEM ESTAR SUFICIENTEMENTE INFORMADO E MUNIDO DE DOCUMENTOS; VII ASSINALAR EQUÍVOCOS OU DIVERGÊNCIAS QUE ENCONTRAR NO QUE CONCERNE À APLICAÇÃO DOS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS E NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE EDITADAS PELO CFC; 46

47 O CÓDIGO DE ÉTICA E A PERÍCIA CONTÁBIL VIII CONSIDERAR-SE IMPEDIDO PARA EMITIR PARECER OU ELABORAR LAUDOS SOBRE PEÇAS CONTÁBEIS OBSERVANDO AS RESTRIÇÕES CONTIDAS NAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE EDITADAS PELO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE; IX ATENDER A FISCALIZAÇÃO DOS CONSELHOS REGIONAIS DE CONTABILIDADE E CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE NO SENTIDO DE COLOCAR À DISPOSIÇÃO DESSES, SEMPRE QUE SOLICITADO, PAPÉIS DE TRABALHO, RELATÓRIOS E OUTROS DOCUMENTOS QUE DERAM ORIGEM E ORIENTARAM A EXECUÇÃO DO SEU TRABALHO. 47

48 ÉTICA NA ATIVIDADE PERICIAL CONTÁBIL...ENTRE AS CAPACIDADES ÉTICAS, DEVEM-SE DESTACAR BASICAMENTE A CONDUTA DO PERITO COM SEUS COLEGAS E O CARÁTER DE INDEPENDÊNCIA E VERACIDADE QUE DEVE MANTER EM SEU PARECER; HAVENDO COMPROMISSO COM A VERDADE E A VIRTUDE, ENTENDO, A INDEPENDÊNCIA É FATOR DISCUTÍVEL. QUEM NÃO TEM VIRTUDE MASCARA A INDEPENDÊNCIA.... (LOPES SÁ) 48

49 ÉTICA NA ATIVIDADE PERICIAL CONTÁBIL VIGIE SEUS PENSAMENTOS, PORQUE ELES SE TORNARÃO PALAVRAS; VIGIE SUAS PALAVRAS, PORQUE ELAS SE TORNARÃO ATOS; VIGIE SEUS ATOS, PORQUE ELES SE TORNARÃO SEUS HÁBITOS; VIGIE SEUS HÁBITOS, PORQUE ELES SE TORNARÃO SEU CARÁTER; VIGIE SEU CARÁTER - PORQUE ELE SERÁ O SEU DESTINO. (poeta anônimo americano) 49

50 MERCADO DE TRABALHO PARA O PERITO-CONTADOR A PERÍCIA CONTÁBIL É UMA DAS ESPECIALIDADES MAIS INTERESSANTES DA PROFISSÃO, INCLUSIVE DO PONTO DE VISTA FINANCEIRO. 50

51 MERCADO DE TRABALHO PARA O PERITO-CONTADOR A APARÊNCIA E BOA APRESENTAÇÃO SÃO FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO PROFISSIONAL. POBREZA NUNCA FOI E NUNCA SERÁ SINÔNIMO DE DESLEIXO... MAIS DO QUE NUNCA É PRECISO TER CULTURA GERAL, ACOMPANHAR O QUE ACONTECE AO NOSSO REDOR. ASPECTOS PECULIARES RELATIVOS AO PERITO-CONTADOR. PERITO-CONTADOR BEM INFORMADO É RESPEITADO E VALORIZADO! 51

52 MERCADO DE TRABALHO PARA O PERITO-CONTADOR COMPROMISSO ÉTICO COM OS CLIENTES - INCLUÍDOS O PODER JUDICIÁRIO E O MINISTÉRIO PÚBLICO -, COM OS COLEGAS DE PROFISSÃO E COM A SOCIEDADE VALORIZAÇÃO PROFISSIONAL: É PRECISO VALORIZAR-SE PARA SER VALORIZADO! UNIÃO É SINÔNIMO DE CATEGORIA FORTE - APOIO E PARTICIPAÇÃO NOS ÓRGÃOS E ENTIDADES DA CLASSE CONCORRÊNCIA LEAL: O QUE DEVE PREVALECER SEMPRE É A COMPETÊNCIA! 52

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E Prof. Eduardo Salles Pimenta Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E ARBITRAGEM Introdução O profissional é nomeado pelo juiz para desempenhar o papel de perito judicial. Deve elaborar um planejamento e determinar

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 858/99 Reformula a NBC T 13 Da Perícia Contábil. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de reformulação

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N 1.057/05 Aprova a NBC P 2.4 Honorários O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes.

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes. 1. O que significa a sigla CPC? Código Processo Civil (determina normas da Perícia) 2. Como definir a perícia? A perícia é a prova pericial que demonstra um conjunto de procedimentos técnicos e científicos

Leia mais

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL FASE INICIAL DA PERÍCIA FASE INICIAL DA PERÍCIA DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL N Ã O NOMEAÇÃO DO PERITO SIM A C E I T A

Leia mais

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL Laudo é o documento, elaborado por um ou mais peritos, onde se apresentam conclusões do exame pericial. No laudo, responde se aos quesitos (perguntas)

Leia mais

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS

ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS ASPECTOS ÉTICOS E LEGAIS DAS PERÍCAS ODONTOLÓGICAS Prof. Dr. Eduardo Daruge Titular de Odontologia Legal e Deontologia da FOP-UNICAMP Prof. Medicina Legal da Faculdade de Direito da UNIMEP DEFINIÇÃO: PERÍCIAS

Leia mais

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC:

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC: Aulas Completas a partir de 10 de Agosto 2011, a saber: 1 Perícia (Continuação) 2 Prova Pericial 3 Perito 4 Inspeção judicial OBJETO DA PERÍCIA artigo 145 do CPC: Quando a prova do fato depender de conhecimento

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 - PERITO CONTÁBIL OBJETIVO 1. Esta Norma estabelece procedimentos inerentes à atuação do contador na condição de perito. CONCEITO 2. Perito é o contador regularmente

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto:

Inicialmente, apresentamos os dispositivos da legislação pertinente ao assunto: P rezados concursandos, Neste encontro, vamos estudar alguns itens de um ponto que tem provocado grande apreensão nos candidatos que participarão do concurso do ICMS do Estado do Ceará. Trata se do tópico

Leia mais

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008

XIº FEMESC Fraiburgo JUDICIAL ÉTICOS ASPECTOS. Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES. Maio 2008 XIº FEMESC Fraiburgo PERÍCIA MÉDICA M ASPECTOS ÉTICOS Cons. JOSÉ FRANCISCO BERNARDES Maio 2008 OU COMO EVITAR PROBLEMAS COM O CRM NA REALIZAÇÃO DE UMA PERICIA MÉDICA PERÍCIA MÉDICAM PERÍCIA MÉDICA M Do

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE CURSO 1. Identificação

Leia mais

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias 03/12/2012 Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias ASPECTOS INTRODUTÓRIOS E PRÁTICOS DA PERÍCIA As características e caminhos percorridos pelo profissional na condição de perito

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 Aprova a NBC T 13.2 Planejamento da Perícia. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA CAPÍTULO I DO OBJETIVO Art. 1º - Este Código de Ética Profissional tem por objetivo fixar a forma pela qual se devem conduzir os contabilistas, quando no exercício

Leia mais

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010

PARECER APROVADO PELO PLENO DO CFESS EM 09/09/2010 ASSUNTO: Relação do Assistente Social com autoridades do Sistema Judiciário/ Determinações ou exigências emanadas, que não se coadunam com o Código de Ética do Assistente Social e com as normas previstas

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 Aprova a NBC P 2.6 Responsabilidade e Zelo. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas Brasileiras

Leia mais

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA

REGULAMENTO Nº 001 Rev.04-A PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA TAESP Arbitragem & O Mediação, com sede nesta Capital do Estado de São Paulo, na Rua Santa Isabel, 160 cj.43, nos termos dos Artigos 5º, 13, 3º e 21 da Lei 9.307/96, edita o presente REGULAMENTO PARA PROCEDIMENTOS

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário PERÍCIA CONTÁBIL Paulo Cordeiro de Mello Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário O que é Perícia Contábil? É o trabalho técnico, realizado por profissional com formação e conhecimento

Leia mais

PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação

PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação PERÍCIAS JUDICIAIS Legislação Eduardo Assis Módulo IV Tema 2 Colaboração: EDUARDA DE MELO ASSIS OAB 127.502 1- Generalidades Quando a prova de determinados fatos alegados pelas partes depender de conhecimentos

Leia mais

1.2 - Neste capítulo, as denominações economista, perito e economista perito são utilizadas com o mesmo sentido.

1.2 - Neste capítulo, as denominações economista, perito e economista perito são utilizadas com o mesmo sentido. CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA REGULAMENTAÇÃO PROFISSIONAL 4 - A profissão de economista o conteúdo técnico do desempenho profissional 4.2 Normas técnicas específicas 4.2.1 Regulamentação de Perícia Judicial

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA Artigo 1º A Comissão de Ética, pretende de maneira independente, imparcial, sigilosa e soberana, assegurar a apuração das representações, apresentadas pelos associados

Leia mais

Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL

Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL Disciplina: PERÍCIA CONTÁBIL 1 Prof. Fábio Ibanhez Bertuchi PROF. FÁBIO IBANHEZ BERTUCHI E-MAIL: FABIOBERTUCHI@UNITOLEDO.BR FORMAÇÃO ACADÊMICA: - Pós Graduado em Perícia Contábil e Auditoria (UEL-PR) -

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 DE 10 DE OUTUBRO DE 1996 APROVA O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA - CEPC

RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 DE 10 DE OUTUBRO DE 1996 APROVA O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA - CEPC RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 DE 10 DE OUTUBRO DE 1996 APROVA O CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO CONTABILISTA - CEPC O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

Leia mais

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES)

PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) PROJETO DE LEI, Nº 2007 (Do Sr. EDUARDO GOMES) Regulamenta o exercício da atividade, define a atribuições do Perito Judicial e do Assistente Técnico e dá outras providências. O congresso nacional decreta:

Leia mais

Telefone p/contato: 22159822

Telefone p/contato: 22159822 Telefone p/contato: 22159822 Apresentação Turma Especial aos Sábados CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA O CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA abordará

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Diretor, Conselheiro, CEO, CFO ou cargo Equivalente (pessoa física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros

Leia mais

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015.

PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. PORTARIA CAU/SP Nº 063, DE 31 DE AGOSTO DE 2015. Aprova a Instrução Normativa nº 06, de 31 de agosto de 2015, que regulamenta os trâmites administrativos dos Contratos no âmbito do Conselho de Arquitetura

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº 803/96 Aprova o Código de Ética Profissional do Contador CEPC O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que o Código de Ética

Leia mais

Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07

Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07 Resolução CFC nº 1.109 de 29/11/07 DOU 06/12/07 Dispõe sobre a NBC P 5 sobre o Exame de Qualificação Técnica para Registro no Cadastro Nacional de O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas

Leia mais

PROVAS ASPECTOS GERAIS.

PROVAS ASPECTOS GERAIS. PROVAS ASPECTOS GERAIS. CONCEITO art.332 Art. 332. Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que

Leia mais

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos.

RETROATIVIDADE DO SEGURO: O Protector possibilita a contratação de cobertura retroativa para fatos desconhecidos de até 5 anos. SEGURADO: Sócio Administrador (Pessoa Física) Limite: São 6 opções entre R$ 100.000 e R$ 500.000. O limite do seguro poderá ser utilizado para um ou uma série de sinistros indenizados durante a vigência

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 821/97 Aprova a NBC P 1 Normas Profissionais de Auditor Independente com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Resolução CFC nº 1.077/06 Dá nova redação à NBC P 5 Norma sobre o Exame de Qualificação Técnica para Registro no Cadastro Nacional de Auditores Independentes (CNAI) do Conselho Federal de Contabilidade

Leia mais

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. A PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, PORTARIA Nº 3.870 DE 15 DE JULHO DE 2014. Regulamenta as atribuições da Secretaria de Controle Interno do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá outras providências. A PRESIDENTE DO, no uso de

Leia mais

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS

O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Curso de Avaliações Prof. Carlos Aurélio Nadal cnadal@ufpr.br AULA 01 O PROCESSO JUDICIAL E A PERÍCIA - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Conflito de interesses - duas pessoas possuem interesse sobre o mesmo bem

Leia mais

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto PERÍCIA CONTÁBIL Prof. Francisco Roberto Aspectos de uma perícia: Técnicos: Metodologia (técnica ou científica) a ser adotada na perícia. Doutrinários: A forma, modo ou o processo da realização da perícia

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCILIAÇÃO

REGULAMENTO DE CONCILIAÇÃO REGULAMENTO DE CONCILIAÇÃO Regulamento de Conciliação da Câmara de Mediação e Arbitragem do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais CREA-MG. A Câmara de Mediação e Arbitragem do Conselho

Leia mais

Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade

Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade Perícia Contábil Professor Remo Dalla Zanna 1 BLOCO 1 Legislação: NBC TP 01 CPC Código de Processo Civil 2 Instrutor: Remo Dalla Zanna 2 Perícia

Leia mais

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA.

PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. PEDIDO DE VISTA NA INDICAÇÃO Nº 022/2012, RELATIVA AO PROJETO DE LEI Nº 2963/11, DE RELATORIA DO DR. IVAN NUNES FERREIRA. VOTO DE VISTA: FAUZI AMIM SALMEM PELA APROVAÇÃO DO RELATÓRIO, COM AS SEGUINTES

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PERÍCIA CONTÁBIL

Leia mais

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica.

Art. 2º Recebidos os ofícios requisitórios (precatórios) da Autarquia, estes serão remetidos, de imediato, à Procuradoria Jurídica. NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 14, DE 31 DE MAIO DE 2001 (Publicação: Diário Oficial n 110-E, de 7/6/2001, seção 1, pág. 123 e Boletim de Serviço n 24, de 11/6/2001) Estabelece procedimentos técnicos e administrativos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação Orientador Empresarial RESOLUÇÃO CFC 1.021, DE 18 DE MARÇO DE 2005 - DOU 22.04.2005 (Íntegra) Aprova

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PERÍCIA CONTÁBIL

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CF-POR-2012/00116 de 11 de maio de 2012 Dispõe sobre a composição, o funcionamento e as atribuições dos Comitês Gestores do Código

Leia mais

CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL. 3ª Edição

CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL. 3ª Edição CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL 3ª Edição 1 2 ANTÔNIO GOMES DAS NEVES Contador, Perito, Professor de Legislação Trabalhista e Perícia Contábil na graduação e pós-graduação. CURSO DE PERÍCIA CONTÁBIL 3ª Edição

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

TEMA. Instrução e Mercado de Perícia Contábil

TEMA. Instrução e Mercado de Perícia Contábil TEMA Instrução e Mercado de Perícia Contábil Preservação da Graduação A perícia contábil é grandemente utilizada no âmbito do Poder Judiciário, mas não é um subproduto dos serviços jurídicos. A perícia

Leia mais

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A.

SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. SETE BRASIL PARTICIPAÇÕES S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO REGIMENTO INTERNO DOS COMITÊS COMITÊ DE FINANÇAS E ORÇAMENTO APROVADO PELO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO EM 24 DE SETEMBRO DE 2014 SUMÁRIO I INTRODUÇÃO

Leia mais

A Perícia contábil e sua importância.

A Perícia contábil e sua importância. A Perícia contábil e sua importância. Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma breve análise sobre a importância da perícia contábil, abordando, resumidamente, os aspectos de elaboração

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: PERÍCIA CONTÁBIL

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: PERÍCIA CONTÁBIL FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: PERÍCIA CONTÁBIL A QUALIDADE DO LAUDO PERICIAL CONTÁBIL BASEADO NAS RESOLUÇÕES DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

Leia mais

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE

CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇO TRANS-MUX (EXPLORAÇÃO INDUSTRIAL DE LINHA DEDICADA EILD) ANEXO 3 TERMO DE COMPROMISSO DE CONFIDENCIALIDADE 1. OBJETIVO Este Anexo ao Contrato de Prestação de Serviço TRANS-MUX

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA E PROCESSAMENTO Associação Brasileira de Importadores e Distribuidores de Implantes (11) 3256-1321 abraidi@abraidi.com.br www.abraidi.com.br 1ª. Edição 2014 REGIMENTO

Leia mais

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 30/04 REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Olivos para a Solução de Controvérsias no MERCOSUL

Leia mais

O Código de Ética do Contabilista 1

O Código de Ética do Contabilista 1 O Código de Ética do Contabilista 1 Capítulo I Do Objetivo Art. 1º. Este Código de Ética Profissional tem por objetivo fixar a forma pela qual se devem conduzir os contabilistas, quando no exercício profissional.

Leia mais

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Câmara de Arbitragem Digital CAD. CAPÍTULO I. Sujeição ao Presente Regulamento e Princípios

REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Câmara de Arbitragem Digital CAD. CAPÍTULO I. Sujeição ao Presente Regulamento e Princípios REGULAMENTO DE ARBITRAGEM Câmara de Arbitragem Digital CAD CAPÍTULO I. Sujeição ao Presente Regulamento e Princípios Art. 1º. As partes que avençarem, mediante convenção de arbitragem, submeter qualquer

Leia mais

Código de Ética da Psicopedagogia

Código de Ética da Psicopedagogia Código de Ética da Psicopedagogia O Código de Ética tem o propósito de estabelecer parâmetros e orientar os profissionais da Psicopedagogia brasileira quanto aos princípios, normas e valores ponderados

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo 1. Esta Norma estabelece regras e procedimentos técnico-científicos a serem observados pelo perito, quando

Leia mais

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06)

Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006. (pt. nº. 3.556/06) Ato Normativo nº. 473-CPJ, de 27 de julho de 2006 (pt. nº. 3.556/06) Constitui, na comarca da Capital, o Grupo de Atuação Especial de Inclusão Social, e dá providências correlatas. O Colégio de Procuradores

Leia mais

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL ASPECTOS GERAIS

INICIAÇÃO A ADVOCACIA CIVEL ASPECTOS GERAIS COBRANÇA DE HONORÁRIOS ASPECTOS GERAIS ESTATUTO DA ADVOCACIA CAPÍTULO VI Dos Honorários Advocatícios Art. 22. A prestação de serviço profissional assegura aos inscritos na OAB o direito aos honorários

Leia mais

Curso (Prático) de Perícia Financeira

Curso (Prático) de Perícia Financeira Apresentação Objetivos Curso (Prático) de Perícia Financeira Contábil e O Curso de Perícia Contábil aborda as matérias necessárias aos profissionais que atuam como perito, para que interpretem adequadamente

Leia mais

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE

2. REGISTRO DE AUDITOR INDEPENDENTE NOTA EXPLICATIVA CVM Nº 9/78. Ref.: Instrução CVM nº 04/78, que dispõe sobre as Normas relativas ao Registro de Auditor Independente na Comissão de Valores Mobiliários. 1. INTRODUÇÃO Por sua relevância,

Leia mais

Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial.

Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial. Aula VII de Processo Civil II Provas continuação. Prova pericial e inspeção judicial. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto

Leia mais

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE

Monster. Concursos ABUSO DE AUTORIDADE Monster Concursos ABUSO DE AUTORIDADE AULÃO PM-MG 06/03/2015 ABUSO DE AUTORIDADE LEI Nº 4.898, DE 9 DE DEZEMBRO DE 1965. #AULÃO #AQUIÉMONSTER Olá Monster Guerreiro, seja bem-vindo ao nosso Aulão, como

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 204 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011.

RESOLUÇÃO Nº. 204 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. RESOLUÇÃO Nº. 204 DE 14 DE DEZEMBRO DE 2011. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA, EXTENSÃO E CULTURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS, no uso de suas atribuições legais e considerando o Parecer nº.

Leia mais

Brasileira (UNILAB).

Brasileira (UNILAB). RESOLUÇÃO N 029/2013, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2013. Aprova o Regimento da Unidade de Auditoria Interna da Brasileira (UNILAB). Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro- O VICE-REITOR, PRO

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS - CEUA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1 - A Comissão de Ética no Uso de Animal da Universidade Federal do Pampa (Unipampa/CEUA),

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL OBJETIVO 1. Esta norma tem como objetivo estabelecer regras e procedimentos técnicos a serem observados pelo perito, quando

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE JAGUARAÇU ESTADO DE MINAS GERAIS ATA DE REGISTRO DE PREÇOS/CONTRATO Nº004-B/2016 PROCESSO LICITATÓRIO Nº018/2016 MODALIDADE: PREGÃO PRESENCIAL N 006/2016 VALIDADE: 12 (doze) meses O Município de Jaguaraçu, neste ato representado por seu

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. AUDITORIA GERAL DO ESTADO ATOS DO AUDITOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA AGE N.º 10, DE 20 DE MAIO DE 2010. Estabelece normas de organização e apresentação das prestações de contas de convênios que impliquem

Leia mais

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções:

Observa-se que nas três primeiras questões (n 91, 92 e 93), a ênfase do examinador recaiu nas seguintes Resoluções: Comentário Prova Auditor Fiscal SEFAZ-RJ 2011 Parte 1 Olá meus amigos! Irei, a partir deste toque, comentar as questões de Auditoria constantes da prova mais recente para Auditor Fiscal (Secretaria de

Leia mais

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM

REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM REGULAMENTO PROCESSUAL DA BSM O Conselho de Supervisão da BM&FBOVESPA SUPERVISÃO DE MERCADOS (BSM), no uso das atribuições que lhe confere o Estatuto Social da entidade e após a autorização da Comissão

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986.

INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. INSTRUÇÃO CVM Nº 51, DE 09 DE JUNHO DE 1986. Regulamenta a concessão de financiamento para compra de ações pelas Sociedades Corretoras e Distribuidoras. O Presidente da Comissão de Valores Mobiliários

Leia mais

REGULAMENTO DA OUVIDORIA TOKIO MARINE SEGUROS S.A.

REGULAMENTO DA OUVIDORIA TOKIO MARINE SEGUROS S.A. REGULAMENTO DA OUVIDORIA TOKIO MARINE SEGUROS S.A. DA CONSTITUIÇÃO Artigo 1º - Por decisão da Diretoria Tokio Marine Seguradora S.A., e na forma da Circular Susep nº 279/2013 esta OUVIDORIA atuará nos

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL: UMA ANÁLISE SOBRE A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO PERITO CONTADOR

PERÍCIA CONTÁBIL: UMA ANÁLISE SOBRE A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO PERITO CONTADOR PERÍCIA CONTÁBIL: UMA ANÁLISE SOBRE A FORMAÇÃO ACADÊMICA DO PERITO CONTADOR Leila Miranda Vasconcelos, FECILCAM, leilamvas@gmail.com Paulo José Frabi, FECILCAM, p_frabi@yahoo.com.br Fábio Rogério de Castro

Leia mais

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007

LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 LEI N 280 DE 18 DE SETEMBRO DE 2007 Súmula: Dispõe sobre o Sistema de Controle Interno Municipal, nos termos do artigo 31 da Constituição Federal e do artigo 59 da Lei Complementar n 101/2000 e cria a

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº. 199 DE 27 DE DEZEMBRO DE 2013 A PRESIDENTE EM EXERCÍCIO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA, no uso de suas atribuições legais e CONSIDERANDO que as entidades da Administração Pública Federal indireta

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 NORMA PROFISSIONAL DO PERITO

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 NORMA PROFISSIONAL DO PERITO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC PP 01 NORMA PROFISSIONAL DO PERITO OBJETIVO 1. Esta norma tem como objetivo estabelecer procedimentos inerentes à atuação do contador na condição de perito. CONCEITO

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL.

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. BELO HORIZONTE 2011 2 1 INTRODUÇÃO Com o grande crescimento da economia no Brasil, a contabilidade

Leia mais

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador.

II. Contrato Principal: o documento contratual, seus aditivos e anexos, que especificam as obrigações e direitos do segurado e do tomador. SEGURO-GARANTIA - CONDIÇÕES GERAIS Este seguro garante o fiel cumprimento das obrigações assumidas pelo tomador no contrato principal, firmado com o segurado, conforme os termos da apólice. I. Seguro-Garantia:

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Princípios Fundamentais

CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE RELAÇÕES PÚBLICAS. Princípios Fundamentais CÓDIGO DE ÉTICA DOS PROFISSIONAIS DE RELAÇÕES PÚBLICAS Reformulado conforme Resolução CONFERP n o 02/85, de 06/11/85 Princípios Fundamentais I Somente pode intitular-se profissional de Relações Públicas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA - TCU Nº 56, DE 5 DEZEMBRO DE 2007 Dispõe sobre instauração e organização de processo de tomada de contas especial e dá outras providências. O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso do

Leia mais

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão

Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão Regimento Interno do Comitê de Remuneração e Sucessão 1 ARTIGO Artigo 1º - NATUREZA, OBJETO E APROVAÇÃO DO REGIMENTO INTERNO Artigo 2º - COMPOSIÇÂO, CARGOS E MANDATOS Artigo 3º - DA PRESIDÊNCIA E SECRETARIADO

Leia mais

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I

REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I REGIMENTO DA UNIDADE DE AUDITORIA INTERNA DO IF SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º A Auditoria Interna do IF Sudeste de Minas Gerais, está vinculada ao Conselho Superior,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO

REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO REGIMENTO INTERNO DE ATUAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA DA FUNDAÇÃO UNIPLAC DA NATUREZA, FINALIDADE E COMPOSIÇÃO Art. 1º A Diretoria Executiva, subordinada ao Presidente da Fundação, é responsável pelas atividades

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as Normas de Auditoria as normas são para controlar a qualidade do exame e do relatório; os procedimentos de auditoria descrevem as tarefas realmente cumpridas pelo auditor, na realização do exame. 2 CONCEITO

Leia mais

Honorários Periciais Judiciais

Honorários Periciais Judiciais Honorários Periciais Judiciais Atualização monetária Juros legais de mora Impugnação aos Cálculos CAROLINE DA CUNHA DINIZ Máster em Medicina Forense pela Universidade de Valência/Espanha Título de especialista

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20/2001

RESOLUÇÃO CFO-20/2001 16 de agosto de 2001 RESOLUÇÃO CFO-20/2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001

RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 RESOLUÇÃO CFO-20 /2001 Normatiza Perícias e Auditorias Odontológicas em Sede Administrativa. O Conselho Federal de Odontologia, no uso de suas atribuições que lhe confere a Lei nº 4.324, de 14 de abril

Leia mais

ANÁLISE JURÍDICA SOBRE HONORÁRIOS PERICIAIS

ANÁLISE JURÍDICA SOBRE HONORÁRIOS PERICIAIS ANÁLISE JURÍDICA SOBRE HONORÁRIOS PERICIAIS EMENTA: ASSISTENTE SOCIAL. PERITO JUDICIAL. CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL. HONORÁRIOS PERICIAIS. APLICAÇÃO EM PROCESSOS JUDICIAIS. BENEFÍCIO DA JUSTIÇA GRATUITA.

Leia mais

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS:

MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: MANUAL DOS PRAZOS PROCESSUAIS: A CONTAGEM DOS PRAZOS NO NOVO CPC 1. MUDANÇAS GERAIS APLICÁVEIS A TODOS OS PRAZOS PROCESSUAIS: Mudança no modo de contagem dos prazos: A partir do novo CPC, os prazos processuais

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Índice CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL 3 5 6 7 INTRODUÇÃO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS RELACIONAMENTOS CONSELHO DE ÉTICA SANÇÕES DISPOSIÇÕES FINAIS INTRODUÇÃO Considerando que a paz,

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PERÍCIA CONTÁBIL NA APURAÇÃO DE HAVERES: ESTUDO DE CASO DE AVALIAÇÃO JUDICIAL DE UMA GRÁFICA Rodrigo

Leia mais