Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Perícia Contábil. Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade"

Transcrição

1 Preparatório para o Exame de Suficiência em Contabilidade

2 Perícia Contábil Professor Remo Dalla Zanna 1 BLOCO 1 Legislação: NBC TP 01 CPC Código de Processo Civil 2 Instrutor: Remo Dalla Zanna 2

3 Perícia Contábil - Conceitos Gerais Veja itens 2 a 5 da NBC TP 01 de 10/12/09: A perícia contábil constitui o conjunto de procedimentos técnico-científicos destinados a levar à instância decisória elementos de prova necessários a subsidiar à justa solução do litígio ou constatação de um fato, mediante laudo pericial contábil e/ou parecer pericial contábil, em conformidade com as normas jurídicas e profissionais, e a legislação específica no que for pertinente. 3 Perícia Contábil - Conceitos Gerais Tipos de perícia contábil: Perícia judicial Perícia arbitral Perícia extrajudicial: Arbitral, voluntária, administrativa ou estatal, no Ministério Público; em CPIs e na Justiça Criminal. 4 Instrutor: Remo Dalla Zanna 3

4 Perícia Contábil - Finalidade A Perícia Contábil tem por finalidade levar ao conhecimento do juiz ou da pessoa (física ou jurídica) que contratou os serviços de perito contador, os fatos como encontrados pelo profissional. Esta revelação se dá pelo laudo pericial contábil apresentado. 5 Perícia Contábil - Objetivo Logo, o Objetivo da Perícia Contábil é apresentar a verdade dos fatos econômicos, comerciais, financeiros, tributários, trabalhistas e previdenciários que são objeto de controvérsias. 6 Instrutor: Remo Dalla Zanna 4

5 REVISÃO 7 BLOCO 2 Aspectos Profissionais Da Competência legal e profissional. Diferença entre Perito Contador e Perito Contador Assistente. 8 Instrutor: Remo Dalla Zanna 5

6 Da Competência Legal e Profissional Competência Legal: O Laudo Pericial Contábil e o Parecer Pericial Contábil são trabalhos exclusivos de contador (nível superior). Vide Decreto-Lei nº 9.295/46, alínea c, art. 25. Logo, todo contador regularmente registrado no CRC está legalmente habilitado ao exercício da especialidade pericial. 9 Da Competência Legal e Profissional Competência Profissional: O perito contador relacionase com: O Direito Processual O Direito Tributário O Direito do Trabalho 10 Instrutor: Remo Dalla Zanna 6

7 Da Competência Legal e Profissional O Direito Econômico e Comercial (Falência, Concordatas, Contratos, Cisões, Fusões, Compra e venda de participações societárias, e etc.); 11 Da Competência Legal e Profissional A Economia das empresas (Custos e preços; Avaliação de patrimônios, Apuração de haveres, Lucros cessantes, Danos emergentes, Fundo de comércio e etc.) e (f) As Finanças das empresas e das pessoas (Cheque Especial, Cartão de Crédito, SFH, Cart. Hipotecária, Leasing e etc.). 12 Instrutor: Remo Dalla Zanna 7

8 Distinção entre Perito e Perito Assistente Perito Contador: é o profissional nomeado pelo magistrado para atuar em processo judicial. Nesta função recebe também o nome de Perito Judicial. Quando trabalha em perícia extrajudicial chamamos de Perito Contador ao profissional contratado para tal. 13 Distinção entre Perito e Perito Assistente Perito Contador Assistente: é o profissional indicado e contratado pelas partes para acompanhar o trabalho do Perito Judicial. Nesta função recebe também o nome de Assistente Técnico. Este profissional atende aos interesse da parte que o indicou nos autos do processo. 14 Instrutor: Remo Dalla Zanna 8

9 Principal diferença entre as atribuições do Perito Contador e do Perito Contador Assistente O Perito Contador serve ao juiz (à Justiça) que o nomeou. Nesta função judicial mantém absoluta equidistância entre as partes. Quando em trabalhos extrajudiciais serve à pessoa (física ou jurídica) ou que o contratou. 15 Principal diferença entre as atribuições do Perito Contador e do Perito Contador Assistente O Perito Contador Assistente pode atuar em três momentos, como segue: 1ª fase Ser um auxiliar do advogado da parte que o contratou; 16 Instrutor: Remo Dalla Zanna 9

10 Principal diferença entre as atribuições do Perito Contador e do Perito Contador Assistente O Perito Contador Assistente pode atuar em três momentos, como segue: 2ª fase Acompanhar os trabalhos do Perito Judicial para ajudá-lo no que for solicitado; 17 Principal diferença entre as atribuições do Perito Contador e do Perito Contador Assistente O Perito Contador Assistente pode atuar em três momentos, como segue: 3ª fase Apresentar seu Parecer Técnico Contábil. 18 Instrutor: Remo Dalla Zanna 10

11 Procedimentos: ou de como o trabalho pericial se realiza 1. O Exame: é a análise das provas contábeis e documentais a que o perito teve acesso junto às partes. 19 Procedimentos: ou de como o trabalho pericial se realiza 2. A Vistoria: é a verificação do estado das coisas no local em que se encontram. 20 Instrutor: Remo Dalla Zanna 11

12 Procedimentos: ou de como o trabalho pericial se realiza 3. A Indagação: é a obtenção de informações com as pessoas envolvidas. É também o ato de pesquisar a bibliografia e junto aos órgão públicos: JUCESP, RFB, BACEN, Cartórios, etc. 21 Procedimentos: ou de como o trabalho pericial se realiza 4. A Investigação: é a busca de dados, informações e conhecimentos que durante os procedimentos anteriores permaneceram ocultos. 22 Instrutor: Remo Dalla Zanna 12

13 Procedimentos: ou de como o trabalho pericial se realiza 5. O Arbitramento: é a atribuição de valor por critério técnico. São os cálculos por estimativa. 23 Procedimentos: ou de como o trabalho pericial se realiza 6. A Mensuração: é o ato que qualifica e atribui valor às coisas, aos bens, aos direitos e às obrigações com base em provas contábeis e documentais. São os cálculos taxativos. 24 Instrutor: Remo Dalla Zanna 13

14 Procedimentos: ou de como o trabalho pericial se realiza 7. A Avaliação: é o ato de dar valor às coisas, aos bens, aos direitos e às obrigações, inclusive às despesas e às receitas com base em pesquisas de mercado e/ou comparações. São os cálculos por estimativa. 25 Procedimentos: ou de como o trabalho pericial se realiza 8. A Certificação: é o ato pelo qual o perito contador atribui autenticidade e credibilidade às provas contábeis e documentais que conseguiu reunir em suas diligências. 26 Instrutor: Remo Dalla Zanna 14

15 REVISÃO 27 BLOCO 3 Perícia Judicial (1) Quesitos: Quesitos comuns ou normais Quesitos suplementares Quesitos elucidativos 28 Instrutor: Remo Dalla Zanna 15

16 Quesitos 1. O que são quesitos? 29 Quesitos 2. Quem pode apresentar quesitos? 30 Instrutor: Remo Dalla Zanna 16

17 Quesitos 3. Quando os quesitos podem ser apresentados? 31 Quesitos 4. Tipos de quesitos: a) comuns ou normais. b) suplementares. c) elucidativos. 32 Instrutor: Remo Dalla Zanna 17

18 Quesitos 5. Os quesitos, o planejamento e os honorários. 33 Quesitos 6. A função dos quesitos na fase dos esclarecimentos. 34 Instrutor: Remo Dalla Zanna 18

19 REVISÃO 35 BLOCO 4 Perícia Judicial (2) A nomeação A carga dos autos O planejamento dos trabalhos A estimativa de honorários 36 Instrutor: Remo Dalla Zanna 19

20 O Planejamento da perícia Principais Objetivos do Planejamento 1. Conhecer o objeto de perícia e identificar a legislação aplicável ao caso; 37 O Planejamento da perícia 2. Definir quais trabalhos deverão ser realizados para atender ao escopo da perícia e para atender aos quesitos; 38 Instrutor: Remo Dalla Zanna 20

21 O Planejamento da perícia 3. Identificar os riscos, os problemas e as dificuldades que possam surgir durante os trabalhos; 39 O Planejamento da perícia 4. Identificar os procedimentos que poderiam acelerar a conclusão do trabalho; 40 Instrutor: Remo Dalla Zanna 21

22 O Planejamento da perícia 5. Proceder à divisão de tarefas entre os membros da equipe de trabalho; 41 O Planejamento da perícia 6. Avaliar os riscos decorrentes de responsabilidade civil e despesas implícitos ao trabalho pericial; 42 Instrutor: Remo Dalla Zanna 22

23 O Planejamento da perícia 7. Estimar a quantidade de horas que serão despedidas para cumprir diligentemente o encargo, porque será com base nessa estimativa que requererá o depósito, nos autos (perícia judicial), ou o pagamento de seus honorários profissionais, nos casos de perícia extra judicial. 43 O Planejamento da perícia São Objeto de Perícia, principalmente: 1. A contabilidade propriamente dita. 2. As finanças das pessoas físicas e jurídicas. 3. A administração da empresa. 44 Instrutor: Remo Dalla Zanna 23

24 O Planejamento da perícia 4. A economia empresarial e as avaliações patrimoniais. 5. A área fiscal. 6. A área previdenciária. 7. A área trabalhista Cálculos. 45 REVISÃO 46 Instrutor: Remo Dalla Zanna 24

25 BLOCO 5 Perícia Judicial (3) O cronograma, e/ou o programa e/ou a organização dos trabalhos. Conhecer as etapas do trabalho 47 Perícia Judicial (3) 1. Atender ao Art. 431-A do CPC, ou seja: marcar o local, a data e a hora para o início dos trabalhos; 2. Programar viagens e estadias quando for o caso; 3. Elaborar o Termo de Início dos Trabalhos; 4. Elaborar o Termo de Diligência, e/ou o Termo de Exibição de Documentos; 48 Instrutor: Remo Dalla Zanna 25

26 Perícia Judicial (3) 5. Coletar as provas documentais e contábeis; 6. Aplicar os procedimentos vistos nos slides 9 e 10; 7. Elaborar os cálculos; 8. Redigir o Laudo e protocolá-lo ao mesmo tempo que devolverá os autos em Cartório. 49 Perícia Judicial (3) A participação dos Peritos Contadores Assistente 1. Antes do início dos trabalhos: informar o perito contador (perito judicial) a respeito de seu desejo de contribuir com a coleta de informações e cálculos. Veja o art. 433 do CPC (carta do Ass. Técnico). 2. Durante os trabalhos: acompanhar os trabalhos do perito contador (perito judicial). 50 Instrutor: Remo Dalla Zanna 26

27 Perícia Judicial (3) 3. Depois de consignado o laudo pericial: obter uma cópia do mesmo e elaborar as críticas pertinentes que gerarão um Parecer Técnico Divergente, ou parcialmente Divergente ou Concordante REVISÃO 52 Instrutor: Remo Dalla Zanna 27

28 BLOCO 6 Perícia Judicial (4) O Termo de Diligência e o Termo de Exibição de Documentos. 53 O Termo de Diligência (TD) e o Termo de Exibição de Documentos (TED). 1. Definição: ambos são documentos pelos quais o perito solicita a exibição de provas documentais e contábeis, dados e informações necessárias à confecção do laudo. 54 Instrutor: Remo Dalla Zanna 28

29 O Termo de Diligência (TD) e o Termo de Exibição de Documentos (TED). 2. Diferenças: o TD é, via de regra, elaborado no local em que aconteceu a visita do perito (a diligência) e tem por finalidade concluir esta fase dos trabalhos; o TED é, via de regra, enviado às partes antes da visita do perito ou em substituição à sua presença física. 55 O Termo de Diligência (TD) e o Termo de Exibição de Documentos (TED). 3. A quem se destinam: a. Na eventual ausência de indicação de assistentes técnicos = aos advogados das partes; b. Havendo indicação de assistentes técnicos nos autos, os Termos serão dirigidos diretamente a eles. 56 Instrutor: Remo Dalla Zanna 29

30 O Termo de Diligência (TD) e o Termo de Exibição de Documentos (TED). 4. Estrutura e Conteúdo: no Termo de Diligência/ Exibição de Documentos o perito identificará as partes, os diligenciados e sua própria condição profissional. Mencionará as provas documentais e contábeis de que necessita e a data limite para que lhe sejam entregues. 57 O Termo de Diligência (TD) e o Termo de Exibição de Documentos (TED). 5. A figura do Diligenciado: é qualquer pessoa física ou jurídica que esteja na posse dos documentos e das informações requeridos pelo perito. 58 Instrutor: Remo Dalla Zanna 30

31 O Termo de Diligência (TD) e o Termo de Exibição de Documentos (TED). 6. Juntada de exemplar do Termo ao laudo: recomenda-se juntar ao laudo um exemplar do Termo de Diligência/Exibição de Documentos contendo o protocolo ou o ciente do diligenciado. 59 O Termo de Diligência (TD) e o Termo de Exibição de Documentos (TED). 7. Caso ocorra o não atendimento do que requereu, o perito informará esta situação à autoridade a quem serve. Esta informação poderá ser prestada no texto do laudo que elaborará. 60 Instrutor: Remo Dalla Zanna 31

32 REVISÃO 61 BLOCO 7 Perícia Judicial (5) O Laudo e o Parecer Pericial Contábil. 62 Instrutor: Remo Dalla Zanna 32

33 O Laudo e o Parecer Pericial Contábil: Diferenças entre ambos. 1. Conceitos e Definições, (vide itens 57 a 76 da NBC TP 01). Laudo Pericial Contábil: é a peça tecnológica elaborada por especialista(s) para conhecimento dos fatos objeto de investigação. 63 O Laudo e o Parecer Pericial Contábil: Diferenças entre ambos. 1. Conceitos e Definições, (vide itens 57 a 76 da NBC TP 01). Parecer Pericial Contábil: é a peça tecnológica elaborada por outro(s) especialista(s), sobre os mesmos fatos e tem o objetivo de contradizer, total ou parcialmente, o que o especialista oficial informou em seu laudo ou concordar com ele. 64 Instrutor: Remo Dalla Zanna 33

34 Tipos de Laudos Periciais Contábeis 2. Tipos de Laudos e suas estruturas veja item 80 da NBC TP 01. a. Nos processos judiciais, os tipos de laudos correspondem às respectivas ações. Ex.: exames, vistorias, indagações, arbitramentos, avaliações, apuração de haveres, administração judicial, etc. 65 Tipos de Laudos Periciais Contábeis 2. Tipos de Laudos e suas estruturas veja item 80 da NBC TP 01. b. As partes em que se divide o laudo, ou seja, sua estrutura, corresponde exatamente ao tipo de ação para o qual é feito. Não existe um padrão único para estruturar os laudos. O profissional adotará uma formatação condizente com os usos e costumes. 66 Instrutor: Remo Dalla Zanna 34

35 REVISÃO 67 BLOCO 8 Perícia Judicial (5) Parte 2 O Laudo e o Parecer Pericial Contábil. 68 Instrutor: Remo Dalla Zanna 35

36 Estruturas do Laudo Pericial Contábil Veja primeiro o exemplo no item 80 da NBC TP 01. Veja agora um outro exemplo: 1. Identificação do processo e do perito; 2. Breve histórico deste processo segundo o escopo da perícia; 3. Metodologia e critérios de trabalho; 4. Quesitos comuns da empresa autora; 69 Estruturas do Laudo Pericial Contábil Veja primeiro o exemplo no item 80 da NBC TP 01. Veja agora um outro exemplo: 5. Quesitos suplementares da empresa autora; 6. Quesitos da empresa ré; 7. Conclusões técnicas e resumo dos valores; 8. Encerramento; 9. Assinatura. 70 Instrutor: Remo Dalla Zanna 36

37 O Laudo Pericial Contábil 3. Formalismos, estilos e estética a) Forma circunstanciada: requer o uso de linguagem formal, adequada a uma peça técnica, mas acessível ao leitor leigo. 71 O Laudo Pericial Contábil b) Que estilo utilizar na redação do laudo? - como se fosse um conto? - como se fosse uma crônica? - como se fosse uma notícia em jornal? c) Estética (estilo e estética são coisas diferentes): uso de fontes e cores diferentes, uso de gráficos e tabelas. 72 Instrutor: Remo Dalla Zanna 37

38 O Laudo Pericial Contábil 4. Metodologia, Critérios de Trabalho e de Cálculo e Terminologia. a) Um do capítulos do laudo será dedicado a expor a metodologia, os critérios de trabalho e de cálculo escolhidos. b) Quanto à terminologia usada no texto, a inserção de um glossário, da citação de fontes e de esclarecimentos técnicos pode ser necessária. 73 As Qualidades do Laudo Pericial Contábil O Laudo deve ser: a) Completo (apresentar respostas); b) Claro (fácil de ser entendido); c) Funcional (distribuição didática dos assuntos); d) Apresentar respostas a todos os quesitos; e) Delimitado (ao objeto da perícia); e f) Fundamentado (em provas documentais, contábeis e em cálculos). Escolher a melhor ESTRUTURA atenderá a estes requisitos intrínsecos do Laudo. 74 Instrutor: Remo Dalla Zanna 38

39 As Qualidades do Laudo Pericial Contábil Aumente a qualidade com a juntada de: Anexos (documentos elaborados pelas partes) e Apêndices (documentos elaborados pelo perito). 75 REVISÃO 76 Instrutor: Remo Dalla Zanna 39

40 BLOCO 9 Perícia Judicial (6) O Parecer Pericial Contábil. 1. Tipos de Pareceres e suas estruturas 2. Formalismos, estilos e estética 3. Metodologia, Critérios de Cálculo e Terminologia 4. As qualidades do Parecer 77 O Parecer Pericial Contábil O Parecer Pericial Contábil é a peça elaborada pelo Perito Contador Assistente. Esta peça é apresentada nos autos depois da juntada do Laudo Pericial Contábil e tem por finalidade criticar o trabalho do perito judicial. Logo: 1. Os tipos de pareceres correspondem aos tipos de laudos a que se referem. 78 Instrutor: Remo Dalla Zanna 40

41 O Parecer Pericial Contábil 2. Quanto à sua estrutura, por ser um laudo crítico, deve atender aos requisitos mencionados no slide nº 72 e, especialmente, à seguinte estrutura própria do parecer:... repete-se o quesito, a resposta oferecida pelo perito judicial e, em seguida são apresentadas as observações e/ou críticas. 79 O Parecer Pericial Contábil 3. Quanto aos formalismos, estilos e estética; 4. No que tange à Metodologia, Critérios de Trabalho e de Cálculo e Terminologia; 5. Sobre as qualidades do Parecer:...aplicam-se os conceitos exarados para a confecção do laudo. 80 Instrutor: Remo Dalla Zanna 41

42 O Parecer Pericial Contábil Limites do Parecer: limitado à matéria e sem ataques pessoais. 81 Estruturas formas, estilos, estética e qualidades do Laudo em Perícias Extrajudiciais Ressalvadas as peculiaridades de cada caso, tudo que foi visto nos blocos precedentes aplica-se aos trabalhos de periciais realizados fora do ambiente forense, ou seja: a. na perícia arbitral; b. na perícia administrativa ou estatal; e c. na perícia privada ou geral. 82 Instrutor: Remo Dalla Zanna 42

43 REVISÃO 83 BLOCO 10 Perícia Judicial (7) Efeitos causados pelo Parecer Pericial Contábil que no meio forense recebe o nome de Parecer Técnico 84 Instrutor: Remo Dalla Zanna 43

44 Fatos gerados pelo Parecer 1. O Parecer Pericial Contábil (PPC) ou o Parecer Técnico (na linguagem forense) sempre gera a necessidade de Esclarecimentos. 2. Concomitantemente, por ser um laudo divergente ou parcialmente divergente, quase sempre gera Quesitos Elucidativos que o Perito Judicial deverá responder. 85 Fatos gerados pelo Parecer 3. Caso as críticas sejam bem fundamentadas, talvez seja necessário apresentar um LAUDO COMPLEMENTAR e, para tal, realizar mais diligências. Veja mais informações sobre Laudo Complementar a partir do slide nº Instrutor: Remo Dalla Zanna 44

45 Fatos gerados pelo Parecer 4. Tendo como ponto de apoio o Parecer Pericial Contábil elaborado pelo seu Perito Contador Assistente, o advogado da parte poderá pedir a IMPUGNAÇÃO do Laudo e dos Esclarecimentos. O juiz poderá atender a este pedido ou não. 87 Fatos gerados pelo Parecer Que consequências podem advir do pedido de impugnação do Laudo Pericial Contábil? 1. Caso o juiz acate o pedido de impugnação ocorrerá a Rejeição do Laudo, motivando a realização de Nova Perícia. 88 Instrutor: Remo Dalla Zanna 45

46 REVISÃO 89 BLOCO 11 Perícia Judicial (8) APRESENTAÇÃO DOS ESCLARECIMENTOS Por escrito e/ou de viva voz, em audiência. 90 Instrutor: Remo Dalla Zanna 46

47 Apresentação de Esclarecimentos Esclarecimentos por escrito:... a peça processual que o Perito juntar aos autos com a qual prestará os esclarecimentos solicitados, feita por escrito, não tem um nome próprio. A maioria dos colegas dá-lhe apenas o nome de Esclarecimentos. Este seu professor usa o nome de Laudo de Esclarecimentos. 91 Apresentação de Esclarecimentos 2. Esclarecimentos de viva voz, em audiência:... o perito judicial poderá ser convocado para prestar esclarecimentos pessoalmente, de viva voz, em audiência especialmente marcada para tal. Os quesitos que serão verbalizados em audiência deverão ser protocolados (por escrito) e informados aos perito com, no mínimo, 5 (cinco) dias de antecedência à data da audiência. 92 Instrutor: Remo Dalla Zanna 47

48 Apresentação de Esclarecimentos 3. Estrutura do Laudo de Esclarecimentos a. Quesitos do autor e/ou do réu copiá-los; b. Resposta do perito contador conforme seu laudo copiá-los; c. Críticas do perito contador assistente, tanto do autor como do réu copiá-los; 93 Apresentação de Esclarecimentos d) Esclarecimentos fazê-los em seguida. Portanto o Laudo de Esclarecimentos deve conter as qualidades vistas nos slides nºs 71 a 75 e apresentar uma estrutura tão clara e tão concisa de forma que as dúvidas suscitadas pelas partes sejam terminantemente esclarecidas. 94 Instrutor: Remo Dalla Zanna 48

49 REVISÃO 95 BLOCO 12 Perícia Judicial (9) LAUDO COMPLEMENTAR O Parecer pericial contábil pode dar motivos à elaboração e apresentação de um Laudo Complementar. 96 Instrutor: Remo Dalla Zanna 49

50 LAUDO COMPLEMENTAR. 1. Como foi visto precedentemente, a impugnação do laudo judicial faz com que o juiz determine, ao perito de sua confiança, que preste os esclarecimentos solicitados. 2. Conforme a gravidade das críticas, principalmente quando vazadas sobre lacunas cometidas pelo perito judicial, o magistrado pode determinar que o mesmo elabore e apresente um Laudo Complementar. 97 NOVA PERÍCIA, novo laudo a ser apresentado por outro perito. Por último, se e quando as partes continuarem manifestando, ao juiz, inconformismos com o laudo, com os esclarecimentos e com o eventual laudo complementar apresentados pelo perito de sua confiança, este determinará que se faça Nova Perícia. A Nova Perícia será feita por outro perito. E para o novo perito tudo recomeçará: novo planejamento, nova organização, novas diligências, novo laudo, novos honorários, etc. 98 Instrutor: Remo Dalla Zanna 50

51 REVISÃO 99 BLOCO 13 Algumas Informações sobre Honorários Periciais 1) Honorários em perícias judiciais 2) Honorários em perícias extrajudiciais 100 Instrutor: Remo Dalla Zanna 51

52 Honorários em Perícias Judiciais 1. A questão dos honorários começa a ser objeto de atenção do perito judicial quando estiver PLANEJANDO os trabalhos. Veja slide nº Honorários em Perícias Judiciais 2. O cliente do perito judicial, pela mão do juiz que o nomeia, é a Justiça mas quem paga pelos seus serviços é a parte que responde pelas custas do processo. Esta situação gera alguns constrangimentos, impugnações ao valor pleiteado pelo perito e arbitrado pelo magistrado. 102 Instrutor: Remo Dalla Zanna 52

53 Honorários em Perícias Judiciais 3. Críticas ao valor pleiteado geram a necessidade de o perito esclarecer porque pediu o valor mencionado em sua petição. 4. Criticas ao valor arbitrado pelo magistrado geram agravo de instrumento ; ou seja: uma reclamação ao Tribunal de Justiça para que esta Corte julgue se os honorários arbitrados são condizentes com o trabalho do perito. 103 Honorários em Perícias Judiciais 5. A decisão do Tribunal de Justiça é, praticamente, irrecorrível. Você aceita ou não os honorários arbitrados pelo Tribunal? 104 Instrutor: Remo Dalla Zanna 53

54 Honorários em Perícias Judiciais 6. Honorários em casos de perícias no Fórum das Fazendas (estadual e municipais). 7. Honorários na Justiça do Trabalho. 105 Honorários em Perícias Judiciais 8. Justiça Gratuita. 9. Honorários em casos de Falências. Os honorários são classificados como crédito privilegiado que o perito judicial receberá caso exista massa. 106 Instrutor: Remo Dalla Zanna 54

55 REVISÃO 107 BLOCO 14 Formas de Pagamento dos Honorários em Perícias Judiciais 108 Instrutor: Remo Dalla Zanna 55

56 Formas de Pagamento dos Honorários em Perícias Judiciais 1. Formas de pagamento dos honorários na Justiça Cível. a. Depósito ANTES ou DEPOIS de apresentar o Laudo? b. Honorários provisórios e conseqüências deste procedimento. Honorários definitivos. 109 Formas de Pagamento dos Honorários em Perícias Judiciais c. Depósito integral ou parcelado e atualização monetária. d. Quesitos suplementares = honorários suplementares. e. Honorários para quesitos elucidativos inexistem. 110 Instrutor: Remo Dalla Zanna 56

57 Formas de Pagamento dos Honorários em Perícias Judiciais 2. O relacionamento do Perito Contador Assistente (o assistente técnico) com a parte que o contratou. a. É fundamental que você faça um contrato de prestação de serviços contábeis. b. Honorários por hora e/ou percentual ad exitum? c. Pagamento Antes, Durante ou Depois de apresentar seu Parecer Pericial Contábil? 111 REVISÃO 112 Instrutor: Remo Dalla Zanna 57

58 BLOCO 15 Honorários em Perícias Extrajudiciais 113 Honorários em Perícias Extrajudiciais 1. Também aqui a questão dos honorários recebe atenção especial por ocasião do planejamento dos trabalhos. 114 Instrutor: Remo Dalla Zanna 58

59 Honorários em Perícias Extrajudiciais 2. O cliente em trabalhos extrajudiciais é a pessoa (física ou jurídica) que contratou o profissional. Será esta pessoa que pagará seus honorários. 115 Honorários em Perícias Extrajudiciais 3. Todas as considerações, as cautelas e as medidas de segurança mencionadas para o perito judicial e para o perito contador assistente aplicam-se ao profissional que estabelecer contrato para trabalhar em perícia extrajudicial. 116 Instrutor: Remo Dalla Zanna 59

60 REVISÃO 117 BLOCO 16 Quanto, quando e como cobrar honorários em Perícias Judiciais e em Perícias Extrajudiciais? 118 Instrutor: Remo Dalla Zanna 60

61 Quanto, quando e como cobrar honorários em... Pergunta: Como valorar: os riscos; a importância; e a responsabilidade do trabalho pericial, tanto no meio forense (perícia judicial) como fora dele (perícia extrajudicial)? 119 Quanto, quando e como cobrar honorários em... Resposta: Ao fazer o planejamento dos trabalhos você terá uma noção precisa ou quase, sobre a quantidade de horas que despenderá. Conhecida a quantidade de horas, você a multiplicará pela taxa-hora que você considerar adequada para remunerar seu trabalho. 120 Instrutor: Remo Dalla Zanna 61

62 REVISÃO 121 Instrutor: Remo Dalla Zanna 62

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.051/05 Aprova a NBC P 2.6 Responsabilidade e Zelo. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas Brasileiras

Leia mais

Cartilha de Perícia Contabil CRCBA - 1

Cartilha de Perícia Contabil CRCBA - 1 Cartilha de Perícia Contabil CRCBA - 1 Comissão Técnica de estudos relacionados à Perícia Contábil, Mediação e Arbitragem CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DA BAHIA - CRCBA Rua do Salete, nº

Leia mais

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E

Prof. Eduardo Salles Pimenta. Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E Prof. Eduardo Salles Pimenta Unidade I PERÍCIA, AVALIAÇÃO E ARBITRAGEM Introdução O profissional é nomeado pelo juiz para desempenhar o papel de perito judicial. Deve elaborar um planejamento e determinar

Leia mais

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho.

Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Aula 13 Meios de prova no Processo do Trabalho. Perícia: na falta do conhecimento especializado ao juiz, este indica um técnico que possa fazer o exame dos fatos objeto da causa, transmitindo esses conhecimentos

Leia mais

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo

NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo NORMA BRASILEIRA DE CONTABILIDADE NBC TP 01, DE 27 DE FEVEREIRO DE 2015 PERÍCIA CONTÁBIL Objetivo 1. Esta Norma estabelece regras e procedimentos técnico-científicos a serem observados pelo perito, quando

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX. Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX Contabilistas NBC T 13.2 Aprovação Orientador Empresarial RESOLUÇÃO CFC 1.021, DE 18 DE MARÇO DE 2005 - DOU 22.04.2005 (Íntegra) Aprova

Leia mais

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL.

CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. 1 CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS BREVE ESTUDO SOBRE DUAS AREAS ATUANTES DO CONTADOR, AUDITOR E PERITO CONTÁBIL. BELO HORIZONTE 2011 2 1 INTRODUÇÃO Com o grande crescimento da economia no Brasil, a contabilidade

Leia mais

Telefone p/contato: 22159822

Telefone p/contato: 22159822 Telefone p/contato: 22159822 Apresentação Turma Especial aos Sábados CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA O CURSO DE FORMAÇÃO DE PERITO CONTÁBIL COM EXPERTISE FINANCEIRA abordará

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N 1.057/05 Aprova a NBC P 2.4 Honorários O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. PROCEDIMENTO PADRÃO PERÍCIA AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO BRASIL: Perícia Ambiental É um procedimento utilizado como meio de prova; Fornecimento de subsídios

Leia mais

Nota. é de competência exclusiva de contador registrado. A perícia arbitral é aquela exercida sob o a serem observados pelo perito,

Nota. é de competência exclusiva de contador registrado. A perícia arbitral é aquela exercida sob o a serem observados pelo perito, Boletim Manual de Procedimentos Perícia Contábil Objetivos, execução, procedimentos e planejamento SUMÁRIO 1. Introdução 2. Conceitos, defi nições e competências 3. Postura desejável do perito-contador

Leia mais

Curso de Perícia Ambiental

Curso de Perícia Ambiental Objetivos O Curso de Perícia do Instituto Caetano Andrade foi elaborado em parceria com a Associação Brasileira de Direito e Cidadania com o propósito de formar Peritos Judiciais para atuarem na área junto

Leia mais

Perícia Contábil. Prof.ª Bruna Socreppa

Perícia Contábil. Prof.ª Bruna Socreppa 1 Perícia Contábil Prof.ª Bruna Socreppa 2 O estudo da prova pericial contábil pressupõe desenvolver uma abordagem interdisciplinar, inter-relacionando diversos aspectos do Direito Processual Civil com

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS DISCIPLINA: PERÍCIA CONTÁBIL

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 858/99 Reformula a NBC T 13 Da Perícia Contábil. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a necessidade de reformulação

Leia mais

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto

Unidade II PERÍCIA CONTÁBIL. Prof. Francisco Roberto PERÍCIA CONTÁBIL Prof. Francisco Roberto Aspectos de uma perícia: Técnicos: Metodologia (técnica ou científica) a ser adotada na perícia. Doutrinários: A forma, modo ou o processo da realização da perícia

Leia mais

Curso (Prático) de Perícia Financeira

Curso (Prático) de Perícia Financeira Apresentação Objetivos Curso (Prático) de Perícia Financeira Contábil e O Curso de Perícia Contábil aborda as matérias necessárias aos profissionais que atuam como perito, para que interpretem adequadamente

Leia mais

Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional

Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional Correção da Prova Bacharel Questões: 29 e 30 Perícia Contábil 35 e 37 Princípios Contábeis 41, 42 e 43 Legislação e Ética Profissional Questão 29 De acordo com a NBC TP 01 Perícia Contábil, os procedimentos

Leia mais

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15

Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 Aspectos da prova pericial no novo Código do Processo Civil 07/10/15 PROVA PERICIAL A prova pericial consiste em EXAME, VISTORIA ou AVALIAÇÃO. (Art. 420 do CPC) (Art. 464 do NCPC) 2 o De ofício ou a requerimento

Leia mais

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS

PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA AMBIENTAL CONCEITOS PERÍCIA Exame realizado por técnico, ou pessoa de comprovada aptidão e idoneidade profissional, para verificar e esclarecer um fato, ou estado ou a estimação da coisa que é

Leia mais

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC:

OBJETO DA PERÍCIA INADMISSIBILIDADE DA PERÍCIA. artigo 145 do CPC: Aulas Completas a partir de 10 de Agosto 2011, a saber: 1 Perícia (Continuação) 2 Prova Pericial 3 Perito 4 Inspeção judicial OBJETO DA PERÍCIA artigo 145 do CPC: Quando a prova do fato depender de conhecimento

Leia mais

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo

Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil - São Paulo REGULAMENTO DO CENTRO DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DA CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO NO BRASIL SÃO PAULO Artigo 1º O Centro de Arbitragem 1.1. O Centro de Mediação e Arbitragem da Câmara Portuguesa de Comércio

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.021/05 Aprova a NBC T 13.2 Planejamento da Perícia. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações

Leia mais

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL

LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL E PARECER PERICIAL CONTÁBIL LAUDO PERICIAL Laudo é o documento, elaborado por um ou mais peritos, onde se apresentam conclusões do exame pericial. No laudo, responde se aos quesitos (perguntas)

Leia mais

REGULAMENTO - PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA

REGULAMENTO - PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA REGULAMENTO - PROCEDIMENTO ARBITRAL NA ÁREA TRABALHISTA A CMAC CÂMARA DE MEDIAÇÃO E ARBITRAGEM DE CAMPINAS, com sede nesta Cidade, na Rua Barbosa da Cunha, 03 Jd. Guanabara Campinas - SP PARTE I DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS TÍTULO VII DA PROVA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 155. No juízo penal, somente quanto ao estado das pessoas, serão observadas as restrições à prova estabelecidas na lei civil. Art. 156. A prova da

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS REGULAMENTO DE HONORÁRIOS CAPÍTULO I OBJETIVO Art. 1º - Este regulamento estabelece as normas gerais concernentes aos trabalhos técnicos de Avaliação e Perícia de Engenharia. Art. 2º - As normas aqui estabelecidas

Leia mais

INSTITUTO DE ENGENHARIA LEGAL Filiado ao Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia

INSTITUTO DE ENGENHARIA LEGAL Filiado ao Instituto Brasileiro de Avaliações e Perícias de Engenharia CÓDIGO DE ÉTICA E NORMAS DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL O INSTITUTO DE ENGENHARIA LEGAL, órgão fundado em 10 de março de 1953 e reconhecido como utilidade pública pela Lei Estadual nº. 744 de 28 de janeiro

Leia mais

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes.

Arbitral Foi regulamentada através da lei 9.307/96 e refere-se a perícia realizada no juízo arbitral- instancia criada pela vontade das partes. 1. O que significa a sigla CPC? Código Processo Civil (determina normas da Perícia) 2. Como definir a perícia? A perícia é a prova pericial que demonstra um conjunto de procedimentos técnicos e científicos

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DE OSASCO 30ª SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA PORTARIA N.º 27/2006 JEF-OSASCO

PODER JUDICIÁRIO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL CÍVEL DE OSASCO 30ª SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA PORTARIA N.º 27/2006 JEF-OSASCO PORTARIA N.º 27/2006 JEF-OSASCO O Doutor MARCO AURÉLIO CHICHORR FALAVINHA, Juiz Federal Presidente do Juizado Especial Federal Cível da 30ª Subseção Judiciária de Osasco, Seção Judiciária do Estado de

Leia mais

Perícia Contábil Judicial: Uma Análise Crítica. Paulo Cezar Ferreira de Souza

Perícia Contábil Judicial: Uma Análise Crítica. Paulo Cezar Ferreira de Souza Perícia Contábil Judicial: Uma Análise Crítica. Paulo Cezar Ferreira de Souza Resumo A Perícia Contábil no Brasil, apesar de já contar com regras claras, emanadas pelo CFC e de uma legislação adequada,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 06/94, DO CONSELHO DIRETOR. Dispõe sobre a realização de perícias técnicas judiciais e extrajudiciais.

RESOLUÇÃO N o 06/94, DO CONSELHO DIRETOR. Dispõe sobre a realização de perícias técnicas judiciais e extrajudiciais. RESOLUÇÃO N o 06/94, DO CONSELHO DIRETOR Dispõe sobre a realização de perícias técnicas judiciais e extrajudiciais. O CONSELHO DIRETOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA, no uso das atribuições que

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo fls. 35 Registro: 2016.0000031880 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0003042-68.2011.8.26.0003, da Comarca de, em que é apelante/apelado JOSUÉ ALEXANDRE ALMEIDA (JUSTIÇA

Leia mais

ASPECTOS CONTROVERTIDOS DAS PERÍCIAS TRABALHISTAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Edwar Abreu Gonçalves

ASPECTOS CONTROVERTIDOS DAS PERÍCIAS TRABALHISTAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO. Edwar Abreu Gonçalves ASPECTOS CONTROVERTIDOS DAS PERÍCIAS TRABALHISTAS DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Edwar Abreu Gonçalves EDWAR ABREU GONÇALVES Formação Acadêmica: 1. Engenheiro Civil. 2. Engenheiro de Segurança do Trabalho.

Leia mais

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE

UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE UNIVERSIDADE CANDIDO MENDES PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU INSTITUTO A VEZ DO MESTRE A PERÍCIA E A AUDITORIA CONTÁBIL: ENFOQUE SOBRE AS PRINCIPAIS DIFERENÇAS DOS PROCESSOS Por: Flávio Tupinambá da Costa Torres

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor.

DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA. Cláudio Basques. A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. DIREITO EMPRESARIAL FALÊNCIA Cláudio Basques A garantia dos credos é o patrimônio do devedor. LEI N. 11.101, DE 9 DE FEVEREIRO DE 2005 Nova Lei de Falências Art. 1º Esta lei disciplina a recuperação judicial,

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário

PERÍCIA CONTÁBIL. Paulo Cordeiro de Mello. Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário PERÍCIA CONTÁBIL Paulo Cordeiro de Mello Economista e Contador Perito Judicial Professor Universitário O que é Perícia Contábil? É o trabalho técnico, realizado por profissional com formação e conhecimento

Leia mais

PROVA PERICIAL CONTÁBIL ASPECTOS GERAIS E PROCESSUAIS

PROVA PERICIAL CONTÁBIL ASPECTOS GERAIS E PROCESSUAIS PROVA PERICIAL CONTÁBIL ASPECTOS GERAIS E PROCESSUAIS Paulo Antônio Kretzmann SUMÁRIO: Introdução - 1. Perícia como prova - 2. Características da prova pericial - 3. Sujeito da perícia - 4. Pressupostos

Leia mais

CAPÍTULO I Disposições gerais

CAPÍTULO I Disposições gerais ESTATUTOS DO CONSELHO DAS FINANÇAS PÚBLICAS Aprovados pela Lei n.º 54/2011, de 19 de outubro, com as alterações introduzidas pelo artigo 187.º da Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (Grafia adaptada em

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL NA VISÃO DOS PERITOS-CONTADORES E DOS MAGISTRADOS DAS VARAS CÍVEIS DE SANTA MARIA

PERÍCIA CONTÁBIL NA VISÃO DOS PERITOS-CONTADORES E DOS MAGISTRADOS DAS VARAS CÍVEIS DE SANTA MARIA PERÍCIA CONTÁBIL NA VISÃO DOS PERITOS-CONTADORES E DOS MAGISTRADOS DAS VARAS CÍVEIS DE SANTA MARIA ARRUDA, C. M. 1 POZZOBOM, D. E. 2 SILVA, T. M. 3 RESUMO O presente trabalho foi realizado com o intuito

Leia mais

PERÍCIA X AUDITORIA PLANEJAMENTO PERÍCIA AUDITORIA ESCOPO DO TRABALHO PERÍCIA AUDITORIA. Departamento de Ciências Contábeis.

PERÍCIA X AUDITORIA PLANEJAMENTO PERÍCIA AUDITORIA ESCOPO DO TRABALHO PERÍCIA AUDITORIA. Departamento de Ciências Contábeis. PERÍCIA X AUDITORIA Prof Geraldo de Oliveira geraldodeoliveira@hotmail.com.br (27)9972.5760-32235100 PLANEJAMENTO Prevê o tempo a ser alocado, a quantidade de horas, o valor financeiro, forma de pagamento

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br O ISSQN em valor fixo dos escritórios de contabilidade segundo a LC nº 123/06 Wesley Sícion de Fragas* I. Introdução Em matéria de ISSQN (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza),

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PERÍCIA CONTÁBIL

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 5/92, 14/96, 5/97 e 12/97 do Conselho do Mercado Comum.

TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto e as Decisões Nº 5/92, 14/96, 5/97 e 12/97 do Conselho do Mercado Comum. MERCOSUL/CMC/DEC. N 08/02 ACORDO DE COOPERAÇÃO E ASSISTÊNCIA JURISDICIONAL EM MATÉRIA CIVIL, COMERCIAL, TRABALHISTA E ADMINISTRATIVA ENTRE OS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E A REPÚBLICA DA BOLÍVIA E A REPÚBLICA

Leia mais

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT.

PONTO 1: Execução Trabalhista. Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista art. 879 da CLT. 1 DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO PONTO 1: Execução Trabalhista 1. EXECUÇÃO TRABALHISTA: ART. 876 ART. 892 da CLT Fase de Liquidação de Sentença Trabalhista é uma fase preparatória da execução trabalhista

Leia mais

A QUALIDADE DO LAUDO PERICIAL ELABORADO PELO PERITO CONTADOR NA VISÃO DE MAGISTRADOS DO RIO DE JANEIRO E BRASÍLIA

A QUALIDADE DO LAUDO PERICIAL ELABORADO PELO PERITO CONTADOR NA VISÃO DE MAGISTRADOS DO RIO DE JANEIRO E BRASÍLIA A QUALIDADE DO LAUDO PERICIAL ELABORADO PELO PERITO CONTADOR NA VISÃO DE MAGISTRADOS DO RIO DE JANEIRO E BRASÍLIA Autores THAÍS ALVES MEDEIROS Universidade Católica de Brasília/Ciências Contábeis IDALBERTO

Leia mais

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1

TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Os Estados contratantes, TRATADO DE COOPERAÇÃO EM MATÉRIA DE PATENTES 1 Desejosos de contribuir para o desenvolvimento da ciência e da tecnologia, Desejosos de aperfeiçoar a proteção legal das invenções,

Leia mais

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis

FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH. Ciências Contábeis FACULDADE DE MINAS FAMINAS BH Ciências Contábeis Adrielle Rochido dos Santos ¹ Amanda Luz Mourão ² Ana Paula Romano da Silva³ Shayane Camila dos Santos 4 Vanessa Batista Loffi Marques 5 Weslley Batista

Leia mais

PERÍCIA CONTÁBIL: O MERCADO DE TRABALHO DO PERITO CONTADOR NO ÂMBITO TRABALHISTA

PERÍCIA CONTÁBIL: O MERCADO DE TRABALHO DO PERITO CONTADOR NO ÂMBITO TRABALHISTA UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE - UNESC CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FERNANDO MACARINI LOSSO PERÍCIA CONTÁBIL: O MERCADO DE TRABALHO DO PERITO CONTADOR NO ÂMBITO TRABALHISTA CRICIÚMA, DEZEMBRO DE

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TP 01 NORMA TÉCNICA DE PERÍCIA CONTÁBIL OBJETIVO 1. Esta norma tem como objetivo estabelecer regras e procedimentos técnicos a serem observados pelo perito, quando

Leia mais

ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO

ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO ANEXO III MECANISMO DE REEQUILÍBRIO ECONÔMICO-FINANCEIRO PÁGINA 1 DE 13 SUMÁRIO PARTE I DA ALOCAÇÃO DOS RISCOS... 3 1. DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 2. SEÇÃO 1: DOS RISCOS DO PODER CONCEDENTE... 3 3. SEÇÃO 2:

Leia mais

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov.

Portaria. Gabinete da Ministra da Justiça Praça do Comércio, 1149-019 Lisboa, PORTUGAL TEL + 351 21 322 23 00 EMAIL gmj@mj.gov.pt www.portugal.gov. Portaria O Memorando de Entendimento sobre as Condicionalidades de Política Económica, celebrado entre a República Portuguesa e o Banco Central Europeu, a União Europeia e o Fundo Monetário Internacional,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000163294 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2022175-32.2015.8.26.0000, da Comarca de Praia Grande, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

A PERÍCIA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO À PRESTAÇÃO JURISDICIONAL E SUAS ÁREAS DE ATUAÇÃO. Prof(a) Cristina Lisbôa Vaz de Mello

A PERÍCIA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO À PRESTAÇÃO JURISDICIONAL E SUAS ÁREAS DE ATUAÇÃO. Prof(a) Cristina Lisbôa Vaz de Mello A PERÍCIA CONTÁBIL COMO INSTRUMENTO À PRESTAÇÃO JURISDICIONAL E SUAS ÁREAS DE ATUAÇÃO Prof(a) Cristina Lisbôa Vaz de Mello 1 ...o Perito não é apenas os olhos do Juiz, é também os ouvidos, o Perito é o

Leia mais

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL

SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL SISTEMÁTICA DA PERÍCIA NO PROCESSO CIVIL FASE INICIAL DA PERÍCIA FASE INICIAL DA PERÍCIA DEFERIMENTO DA PROVA PERICIAL N Ã O NOMEAÇÃO DO PERITO SIM A C E I T A

Leia mais

CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e

CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e CÓDIGO DEONTOLÓGICO Advogados de Portugal I Disposições gerais Artigo 1.º (Do advogado como servidor da justiça e do direito, sua independência e isenção) 1. O advogado deve, no exercício da profissão

Leia mais

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020

APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina Dentária, Médicos, Médicos Dentistas e Gestores de Clínicas NIPC: 508826020 ESTATUTOS Artigo Primeiro (Denominação e sede social) 1 - A associação, sem fins lucrativos, adopta a denominação de APCMG - Associação Portuguesa de Clínicas Médicas, Clínicas de Medicina. 2 - A sociedade

Leia mais

Este Caderno contém 34 questões de Conhecimentos Específicos: quatro discursivas e trinta de múltipla escolha, respectivamente.

Este Caderno contém 34 questões de Conhecimentos Específicos: quatro discursivas e trinta de múltipla escolha, respectivamente. Leia estas instruções: 1 2 3 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias

Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias 03/12/2012 Fernando Viana de Oliveira Filho Diretor Executivo de Perícias ASPECTOS INTRODUTÓRIOS E PRÁTICOS DA PERÍCIA As características e caminhos percorridos pelo profissional na condição de perito

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SERRA DOS ÓRGÃOS CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ÓRGÃOS PRÓ-REITORIA ACADÊMICA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS CURSO DE GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE CURSO 1. Identificação

Leia mais

a importância de um sistema de auditoria independente como suporte indispensável ao órgão regulador;

a importância de um sistema de auditoria independente como suporte indispensável ao órgão regulador; 1) INTRODUÇÃO Ref.: Instrução CVM Nº 308, de 14 de maio de 1999, que dispõe sobre o registro e o exercício da atividade de auditoria independente no âmbito do mercado de valores mobiliários, define os

Leia mais

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B

Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B # Noções Introdutórias Noções de Direito Internacional Privado Aula 01-2º Bimestre - 2015/B Direito Internacional O direito internacional privado é o ramo do Direito, que visa regular os conflitos de leis

Leia mais

Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde

Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde Veja abaixo a análise da Comssu sobre os contratos elaborados pelas operadoras de saúde A celebração dos contratos entre as operadoras e os prestadores de serviço, regulada pelas Resoluções Normativas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Curso de Ciências Contábeis com Ênfase em Controladoria PERÍCIA CONTÁBIL NA APURAÇÃO DE HAVERES: ESTUDO DE CASO DE AVALIAÇÃO JUDICIAL DE UMA GRÁFICA Rodrigo

Leia mais

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS

REGULAMENTO DE HONORÁRIOS REGULAMENTO DE HONORÁRIOS I) DISPOSIÇÃO PRELIMINAR A Engenharia de Avaliações e Perícias se tornou ao longo dos tempos uma atividade bastante restrita, exigindo do profissional atualização constante, acompanhamento

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2014.0000798921 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0001086-88.2008.8.26.0563, da Comarca de São Bento do Sapucaí, em que é apelante HERNANI DE JESUS OLIVEIRA, são

Leia mais

http://10.0.10.25/wpro/control/termoaberturactrl.php?opc=imprimir... Justiça Educacional Plano de Projeto

http://10.0.10.25/wpro/control/termoaberturactrl.php?opc=imprimir... Justiça Educacional Plano de Projeto 1 de 6 27/10/2011 15:49 Justiça Educacional Plano de Projeto 1. Escopo do projeto Objetivo do projeto Nos dias atuais o Magistrado tem sido exigido a exercer um novo papel na sociedade, e para isso, é

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AUDITORIA E PERÍCIA

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AUDITORIA E PERÍCIA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO AUDITORIA E PERÍCIA Coordenação: Dilciléria da Rosa de Oliveira 1 - JUSTIFICATIVA O curso de pós-graduação em Auditoria e Pericia, capacitará os profissionais que

Leia mais

SUMÁRIO. I - Introdução ao Direito Processual do Trabalho, 1

SUMÁRIO. I - Introdução ao Direito Processual do Trabalho, 1 SUMÁRIO I - Introdução ao Direito Processual do Trabalho, 1 1 Fontes do direito processual do trabalho, 2 1.1 Fontes materiais, 2 1.2 Fontes formais, 3 1.2.1 Fontes formais diretas, 3 1.2.2 Fontes formais

Leia mais

2- Com o devido respeito, esta é uma falsa questão. Senão vejamos:

2- Com o devido respeito, esta é uma falsa questão. Senão vejamos: Pº CP 3/06 DSJ-CT: Desjudicialização - Processo especial de justificação - Acção declarativa comum para reconhecimento do direito de propriedade - Competência material dos julgados de paz CONSULTA: Parecer

Leia mais

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015

DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 DESPACHO SEJUR N.º 513/2015 (Aprovado em Reunião de Diretoria em 14/10/2015) Interessado: Dr. M. F. C. N Expedientes n.º 8771/2015 Assunto: Análise jurídica. Perícia médico-legal em vítimas de violência

Leia mais

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE

DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE DESCONSIDERAÇÃO DA PERSONALIDADE JURÍDICA E BAIXA DE SOCIEDADE É sabido - e isso está a dispensar considerações complementares - que a pessoa jurídica tem vida distinta da dos seus sócios e administradores.

Leia mais

ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA GERAL FEDERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA. PARECER n. 00009/2015/DEPCONSU/PGF/AGU

ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA GERAL FEDERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA. PARECER n. 00009/2015/DEPCONSU/PGF/AGU ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO PROCURADORIA GERAL FEDERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA PARECER n. 00009/2015/DEPCONSU/PGF/AGU NUP: 00407.005183/2012 29 INTERESSADO: PROCURADORIA FEDERAL JUNTO À UNIVERSIDADE FEDERAL

Leia mais

Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP

Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP Número: 00190.010346/2010-14 Unidade Examinada: Município de Avanhandava/SP Relatório de Demandas Externas n 00190.010346/2010-14 Sumário Executivo Este Relatório apresenta os resultados das ações de controle

Leia mais

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz Presidente da 9ª Vara Da Fazenda Pública de São Paulo.

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz Presidente da 9ª Vara Da Fazenda Pública de São Paulo. 7/7/2014 Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz Presidente da 9ª Vara Da Fazenda Pública de São Paulo. Processo: 053.08.039345-4 Requerente: Zap Exemplo - ME Requerida: Empresa Exemplo S/A MARCELO GONÇALVES

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN PLANO DE ENSINO UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA UDESC CENTRO DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO ALTO VALE DO ITAJAÍ CEAVI DIREÇÃO DE ENSINO DEN DEPARTAMENTO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS PLANO DE ENSINO DISCIPLINA: PERÍCIA CONTÁBIL

Leia mais

Faz os seguintes questionamentos:

Faz os seguintes questionamentos: PARECER CFM nº 9/16 INTERESSADO: 1ª Vara da Fazenda da Comarca de Joinville/SC ASSUNTO: Dúvidas quanto à necessidade de especialidade médica para realização de exame pericial e determinação de capacidade

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº 560/83 Dispõe sobre as prerrogativas profissionais de que trata o artigo 25 do Decreto-lei nº 9.295, de 27 de maio de 1946. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições

Leia mais

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011.

Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. Modelo de Projeto de Lei (Origem Poder Executivo) Dispõe sobre as diretrizes para a elaboração da lei orçamentária de 2011. CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1 o São estabelecidas, em cumprimento

Leia mais

PROVAS ASPECTOS GERAIS.

PROVAS ASPECTOS GERAIS. PROVAS ASPECTOS GERAIS. CONCEITO art.332 Art. 332. Todos os meios legais, bem como os moralmente legítimos, ainda que não especificados neste Código, são hábeis para provar a verdade dos fatos, em que

Leia mais

REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos)

REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS. CAPÍTULO I Disposições Gerais. ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos) REGIME E TABELA DE EMOLUME TOS DO TRIBU AL DE CO TAS CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO 1. (Emolumentos e encargos) 1. Pelos serviços prestados pelo Tribunal de Contas e pela Direcção dos serviços Técnicos

Leia mais

JUSTIÇA DO TRABALHO DIVISÃO DE DOCUMENTO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA

JUSTIÇA DO TRABALHO DIVISÃO DE DOCUMENTO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA DIVISÃO DE DOCUMENTO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA Objeto: Contratação de empresa para prestação do serviço de agenciamento de viagens (emissão, remarcação e cancelamento de passagens aéreas nacionais

Leia mais

Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração. Acordam, em conferência, na Secção Cível do Tribunal Supremo:

Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração. Acordam, em conferência, na Secção Cível do Tribunal Supremo: Proc. nº 101/96 Jurisdição voluntária Alimentos Alteração Sumário: I. A jurisdição de menores reveste as características de jurisdição voluntária, na qual o tribunal não se acha circunscrito à prova apresentada

Leia mais

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e

egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e egrégio Conselho da Magistratura a aplicação da pena, nos termos da Lei Estadual 4.930/85. 3.3.8.2 - A aplicação das penalidades de advertência e censura independe de sindicância ou processo, podendo ser

Leia mais

AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM

AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM 1 AS PROFISSÕES DE CONTADOR, ECONOMISTA E ADMINISTRADOR: O QUE FAZEM E ONDE TRABALHAM De acordo com uma pesquisa realizada em Brasília, conforme consta em reportagem publicada pelo jornalista Luis Bissigo,

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

Edital Pronametro nº 1/2014

Edital Pronametro nº 1/2014 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA NORMALIZAÇÃO, QUALIDADE E TECNOLOGIA - INMETRO Edital Pronametro nº 1/2014 Programa

Leia mais

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL

REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL MERCOSUL/CMC/DEC. Nº 30/04 REGRAS MODELO DE PROCEDIMENTO PARA OS TRIBUNAIS ARBITRAIS AD HOC DO MERCOSUL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Olivos para a Solução de Controvérsias no MERCOSUL

Leia mais

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Perícia contábil. Interesse. Alunos. 1 INTRODUÇÃO

RESUMO. PALAVRAS-CHAVE: Perícia contábil. Interesse. Alunos. 1 INTRODUÇÃO Um Estudo Sobre o Nível de Interesse de Alunos do Curso de Ciências Contábeis da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Caruaru (FAFICA) em Atuarem Como Perito Contábil RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS

Ministério da Fazenda SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS PROJETO BÁSICO GESER Nº 04/07 FISCALIZAÇÃO DA OBRA DE IMPLANTAÇÃO DO SISTEMA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. OBJETO Contratação de empresa especializada para prestação de serviços de fiscalização

Leia mais

NOTA TÉCNICA SOBRE A ELABORAÇÃO DE DOCUMENTOS ESCRITOS POR PSICÓLOGOS E PSICÓLOGAS NO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS

NOTA TÉCNICA SOBRE A ELABORAÇÃO DE DOCUMENTOS ESCRITOS POR PSICÓLOGOS E PSICÓLOGAS NO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS NOTA TÉCNICA SOBRE A ELABORAÇÃO DE DOCUMENTOS ESCRITOS POR PSICÓLOGOS E PSICÓLOGAS NO SISTEMA ÚNICO DE ASSISTÊNCIA SOCIAL - SUAS Psicólogos e psicólogas que atuam na política pública de Assistência Social

Leia mais

1005895-57.2016.8.26.0100 - lauda 1

1005895-57.2016.8.26.0100 - lauda 1 fls. 372 SENTENÇA Processo Digital nº: 1005895-57.2016.8.26.0100 Classe - Assunto Procedimento Comum - Planos de Saúde Requerente: Requerido: UNIMED PAULISTANA SOCIEDADE COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO

Leia mais

Visão panorâmica do processo falimentar. O processo de falência tem 3 fases:

Visão panorâmica do processo falimentar. O processo de falência tem 3 fases: FALÊNCIA (LEI 11.101/05) Visão panorâmica do processo falimentar O processo de falência tem 3 fases: 1. Fase pré falencial Vai da petição inicial até a sentença, já que até antes da sentença ainda não

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO DA COMARCA DE LONDRINA ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO DA COMARCA DE LONDRINA ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR PROCURADOR DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO DA COMARCA DE LONDRINA ESTADO DO PARANÁ. REF. AUTOS EAEJ 86003-2006-673-09-00-6 RUBENS MORETTI, administrador judicial nomeado

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1. Gestões a serem auditadas: Contábil, Financeira, Patrimonial, Administrativa.

TERMO DE REFERÊNCIA. 1.1. Gestões a serem auditadas: Contábil, Financeira, Patrimonial, Administrativa. GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO FUNDAÇÃO DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO TERMO DE REFERÊNCIA 1 DO OBJETO 1.1. Contratação de empresa

Leia mais

Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA

Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA Instituto de Direito Americano PROJETO TRANSNACIONAL DE INSOLVÊNCIA PRINCÍPIOS DE COOPERAÇÃO TRANSNACIONAL PARA CASOS DE INSOLVÊNCIA ENTRE OS MEMBROS DO ACORDO DE LIVRE COMÉRCIO DA AMÉRICA DO NORTE (NAFTA)

Leia mais

Presidente Prudente/São José do Rio Preto, Julho de 2013.

Presidente Prudente/São José do Rio Preto, Julho de 2013. Presidente Prudente/São José do Rio Preto, Julho de 2013. Prezado Cliente, Empregados Públicos Celetistas do Estado de São Paulo - DER, SUCEN, Secretaria da Saúde, etc... Em ação judicial proposta pela

Leia mais

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional

SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ. Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DA UNAERP CAMPUS GUARUJÁ Perícia judicial ambiental: Características e campo de atuação profissional Vinicius Roveri Docente - Curso Tecnologia em Gestão Ambiental

Leia mais

Situações especiais em relação ao Fundo de Comércio nas Sociedades Simples

Situações especiais em relação ao Fundo de Comércio nas Sociedades Simples Situações especiais em relação ao Fundo de Comércio nas Sociedades Simples Prof. MSc. Wilson Alberto Zappa Hoog i Resumo: Apresentamos uma brevíssima análise sobre situações especiais em relação ao fundo

Leia mais