O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA DE MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NO SISTEMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GOIATUBA GOIÁS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA DE MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NO SISTEMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GOIATUBA GOIÁS"

Transcrição

1 O USO DO COMPUTADOR COMO FERRAMENTA DE MEDIAÇÃO PEDAGÓGICA NO SISTEMA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO GOIATUBA GOIÁS Alzair Eduardo Pontes Programa De Pós-Graduação Em Administração, Universidade de Taubaté (UNITAU) Rua Expedicionário Ernesto Pereira, portão 2 - Centro, Taubaté SP - BRAZIL Shirley Gomes Ribeiro Pontes Instituto de planejamento Educacional e Estatístico (IPEE). Av. Presidente Vargas, 1082,Goiatuba GO - BRAZIL Moacir José dos Santos co-autor Núcleo de Pesquisa em Comunicação, Universidade de Taubaté (UNITAU) Rua Expedicionário Ernesto Pereira, portão 2 - Centro, Taubaté SP - BRAZIL Resumo. Na atualidade, o acesso ao computador e, por consequência à internet, está muito comum entre todas as classes sociais. A nova geração está totalmente dependente e fascinada com as perspectivas que esses meios oferecem. A escola como instituição não está isenta a esse processo, torna-se necessário observar como os professores estão caminhando nessa nova perspectiva para o processo de ensino-aprendizagem. Este estudo busca observar esse caminhar no sistema municipal de educação de Goiatuba-Goiás. No período de janeiro a março de 2012, foram enviados 20 questionários aos professores e gestores do sistema, sendo elaborado um instrumento de coleta, composto de 11 itens, com o objetivo de mensurar como esses profissionais vêem o uso do computador como ferramenta colaborativa do processo ensinoaprendizagem, se utilizam softwares aplicativos e pedagógicos. E sua opinião quanto ao uso dessas tecnologias como facilitadoras da aprendizagem. Após a avaliação dos questionários, concluiu-se que no sistema municipal ainda é pequena a utilização dessas tecnologias, apesar da consciência geral sobre a necessidade e importância do seu uso, da crença que essa máquina estimula a criatividade e a autonomia dos alunos, da percepção que os alunos são usuários frequentes do computador. A utilização de recursos computacionais na educação exige um novo fazer pedagógico. Esse recurso modifica a forma de trabalhar a construção do conhecimento, porém o computador é apenas um meio, o papel do professor em todo o processo educacional tem de ser repensado a partir das metas pedagógicas e educacionais e também do sistema de crenças e valores do professor, dos gestores, dos pais e da sociedade como um todo. Palavras-chave: Ensino-aprendizagem; Mídias na educação; Professor e as novas tecnologias

2 1. INTRODUÇÃO O computador tem provocado profundas alterações nas relações de trabalho em todos os setores, nas organizações políticas, administrativas e pedagógicas da escola, porém nesta última, isso vai além, uma vez que as instituições escolares, com essa ferramenta, conseguem conectarse a pontos que estão equidistante do que ocorre em seu cotidiano, sedimentado ao longo dos anos na arte do falar do professor e da escrita manual do aluno. Entretanto, esse fato por si só não tem conseguido significativa transformação da escola, muito pelo contrário, as mudanças são paulatinamente ditadas e não dependem exclusivamente do trabalho do professor. A verdadeira integração do computador na realidade da escola supõe uma nova organização escolar mais descentrada, um currículo mais flexível, a instauração de novos tempos escolares, menos rígidos e programados, mudanças no próprio espaço da sala de aula. E isto não acontece de um dia para outro: requer tempo, ajudas específicas, incentivos, toda uma estrutura de apoio. (FREITAS, 2008, p. 176) Neste diapasão as mudanças exigidas para que a escola flexibilize sua organização curricular é ditada pelos novos cenários da economia globalizada, que se apresenta como forma alternativa de sobrevivência, exigindo do trabalhador competências e habilidades para ser inovador, criativo e solucionador de problemas na vida cotidiana das pessoas e/ou das organizações. Segundo Frigotto et. al. (2005, p.59): É nesse embate de concepções de sociedade e trabalho que se insere a disputa pela educação como prática social mediadora do processo de produção, processo político, ideológico e cultural. Para tanto é fundamental que o professor se aproprie de novas formas e técnicas de ensino para o desenvolvimento de uma aprendizagem que ultrapasse as barreiras do conhecimento tácito e do senso comum e chegue ao nível da compreensão da relação existente entre as funções psicológicas dos humanos e seus processos de aprendizagens, pois um dos papéis essenciais exercidos pelo professor nessa direção é o de poder atuar como elemento de mediação entre o sujeito aprendiz e o objeto do conhecimento, tendo clareza de que os fatores sociais, culturais, históricos e institucionais, são elementos que além de influenciadores são determinantes dos processos de aprendizagens, (FRIGOTTO et al, 2005). Portanto esse estudo se justifica pela concepção de que o computador é uma ferramenta tecnológica imprescindível no contexto escolar, pois essa ferramenta é o principal ícone da sociedade moderna, com isso pretende-se, através de um estudo bibliográfico e uma pesquisa de campo, mensurar a contribuição do computador como mediação pedagógica, e para a observação do fenômeno proposto verificará o domínio dessa ferramenta por parte dos docentes do sistema de ensino municipal, a existência de laboratórios de informática nas escolas do sistema, a interação do aluno com o computador. Pretende-se ainda observar como o computador pode contribuir para o processo ensino-aprendizagem dos educandos, analisar o uso que os professores fazem do computador e a relevância que a máquina desempenha em suas atividades pedagógicas, e também discutir questões referentes ao uso do computador no contexto escolar que ainda são incipientes na atualidade, pois as novas tecnologias trouxeram grande impacto sobre a Educação criando novas formas de aprendizado e de disseminação do conhecimento e, especialmente, novas relações entre professor e aluno. 2. O COMPUTADOR E A EDUCAÇÃO ESCOLAR

3 O uso do computador na educação, principalmente neste início de milênio, trouxe questões que dizem respeito não só a sua utilização, mas principalmente sobre o uso de outras tecnologias. Sendo o termo tecnologia, aqui denominado, segundo o conceito de Levy (1999), que a define como o conjunto ordenado de todos os recursos empregados na produção e comercialização de bens e serviços ; no caso da educação, recursos que podem contribuir para sua eficácia, ou seja, que podem possibilitar maior aprendizagem dos alunos. Ainda segundo o citado autor na já referida obra, a tecnologia é produzida dentro de uma cultura e esta acaba condicionada por aquela, no sentido de que, a partir da existência de uma dada técnica, a sociedade que a possui acaba por não mais viver sem ela, pelas possibilidades que se abrem com essa tecnologia. Portanto se hoje tem, na sociedade, a presença de computadores - tecnologia presente em quase todos os âmbitos da nossa vida - essa tecnologia condicionaria a escola a também possuíla e dominá-la, pois a eletronização já é algo intrínseco à sociedade. Valente (1998), certifica que o objetivo da utilização do computador na escola não deve ser centrado no que o aluno desenvolve, mas na filosofia de uso do computador e como ele está facilitando a assimilação de conceitos que permeiam as diversas atividades. Para Mendes (2009), o computador pode ser utilizado na educação de duas formas: a) Nas atividades de ensino através dos aplicativos auxiliadores que são programas de uso geral tais como Word, Excel, Powerpoint, entre outros que auxiliam tanto professores como alunos, os professores na aplicação dos conteúdos e os alunos na construção de atividades criativas e de maior complexidade. b) Na utilização de programas didáticos que são pacotes de auxílio ao ensino onde, geralmente, uma equipe pedagógica formata um conteúdo mínimo a ser aplicado ficando o professor ainda com a possibilidade de incrementar, naquilo que for conveniente, principalmente inserindo fatos ocorridos no dia a dia como, por exemplo, os fenômenos noticiados pela mídia e que muitas vezes implicam em descobertas cientificas, mudanças na geografia mundial que geralmente mexe no curso da história da humanidade. De acordo com Carraher (1992), o sucesso de um programa de computador em promover a aprendizagem depende de sua integração ao currículo. A escolha de softwares educativos deve ser cuidadosa, pois deve estar de acordo com as concepções presentes no currículo da escola. A eficiência da interface homem-computador, possibilitada pelo uso de um sistema operacional fácil de usar e manipular, somada à diminuição do custo dos equipamentos levou à popularização do microcomputador e à sua adoção em todas as áreas de atividade, inclusive na Educação. 2.1 O Computador entra na Escola Para Levy (2001), toda tecnologia inserida no contexto escolar traz em sua essência a necessidade do envolvimento de todos os agentes da escola, sendo os professores em primeiro plano, depois os estudantes e, por último, os agentes administrativos, equipe pedagógica e a comunidade. Todos esses agentes necessitam se capacitarem para que haja uma perfeita interação no processo de ensino onde a aprendizagem venha ocorrer de forma estimuladora e sob uma nova perspectiva. Surge então o medo do desconhecido, assim como muitos mitos foram criados com a entrada do computador na sala de aula, que chegou a ser visto como o monstro, mas isso sem a devida

4 compreensão de que "hardware 1 " é o computador - palpável, físico; que "software 2 " é o programa que será usado para a utilização do computador e que por trás ou frente dessas partes está o "peopleware 3 " - a parte humana que comanda o conjunto. Sem as pessoas para operá-la a fabulosa máquina de nada adiantaria. Observa-se um crescente interesse e uma preocupação por parte dos educadores a esse respeito. O interesse justificável pela possibilidade de novos caminhos para se alcançar uma melhoria da qualidade de ensino. Já a preocupação seria mais por conta do desconhecimento da maioria dos professores de como se utilizar dessa tecnologia de forma plena e proveitosa, porém tudo isto vem sendo gradativamente dominado, deixando de existir a ameaça do desconhecido, ficando livre o caminho da superação. Para Freitas (2008), somente há integração do computador na realidade da escola quando houver descentralização na organização escolar, a flexibilidade nos currículos, menor rigidez e programação dos tempos escolares, ressalta ainda o autor, que essa dinâmica não acontece de um dia para outro, requer uma estrutura de apoio, que perpassa por ajudas específicas, tempo e valorização profissional. Na opinião de Levy (1999), uma tecnologia não é boa, nem má, mas depende do uso que se faz dela, do contexto em que se insere. A questão é definir qual tecnologia é utilizável na educação. Porém, considerando ainda que nem todas as classes sociais tem acesso a essa tecnologia, seria a escola o lócus para essa inserção, exemplifica Levy (2001 p.132), explicitando o pressuposto que é na escola que o indivíduo tem a oportunidade do aprendizado interativo e cooperativo, sendo o principal canal de acesso para a inclusão e cidadania. O autor afirma ainda que o computador proporciona na atualidade que os professores aprendam ao mesmo tempo em que os estudantes, oportunizando a atualização continua tanto dos saberes quanto das competências didático-pedagógicas do educador. O computador na sala de aula oportuniza o aluno a buscar uma série de oportunidades, e é responsabilidade do professor fazer a mediação para que essas informações sejam uma construção de saberes de forma responsável e autônoma, pois o aluno aos poucos vai se familiarizando com a máquina e começa a navegar por caminhos novos na busca de outros conhecimentos que certamente ultrapassam as fronteiras daqueles delimitados pela capacidade humana do professor. Diante a essa realidade, há os defensores de que o computador pode, sim, facilitar e até mesmo agilizar a dinâmica das aulas e do professor aumentando a seara de idéias e acesso a informações, principalmente as informações mais recentes, entre outras possibilidades que no caso são infinitas. No lado oposto, ou seja aulas tradicionais sem o uso mediação tecnologica, o aluno fica limitado ao conhecimento do professor e ao livro didático Computador e o Processo de Ensino Aprendizagem Determinar a importância desta ou daquela tecnologia, em termos de ajudar o aluno na construção do conhecimento tem sido uma preocupação recorrente de muitos educadores. A pergunta que mais se busca resposta na atualidade é quais recursos são válidos para que os alunos avancem no processo de aprendizagem? No cenário atual, não há como negar que a 1 Hardwere é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. 2 Software é a parte lógica, ou seja, o conjunto de instruções e dados processado pelos circuitos eletrônicos do hardware. Toda interação dos usuários de computadores modernos é realizada através do software, que é a camada, colocada sobre o hardware, que transforma o computador em algo útil para o ser humano. 3 O peopleware é a parte humana que se utiliza das diversas funcionalidades dos sistemas computacionais.

5 presença da informática na educação é importante, é inevitável, dado que o computador tornou-se objeto sócio-cultural integrante do cotidiano das pessoas. De acordo com Zambalde et al. (2000) define-se informática como o ramo do conhecimento que cuida dos conceitos, procedimentos e técnicas referentes ao processamento ou tratamento de conjuntos de dados. O processamento de dados consiste em qualquer atividade que envolva o recebimento de dados brutos (entrada), a manipulação desses dados (processamento) e a sua consequente adequação em informação específica (saída). A tarefa de processar dados, em informática, é realizada pelo que se denominou sistema - ação conjunta de equipamentos, instruções e pessoas, objetivando a solução de um determinado problema. Os equipamentos são os computadores e seus periféricos, tais como teclado, mouse, drive, monitor e impressora, denominados hardwares (recursos físicos). As instruções ou comandos são programas, como sistema operacional, planilha eletrônica, contabilidade e folha de pagamento, denominados softwares (recursos lógicos). As pessoas são profissionais e/ou usuários, utilizando o hardware e o software, tais como digitador, programador, operador, analista, trabalhador, professor, estudante e pesquisador (recursos humanos). Segundo Schaff (1995), percebe-se, que nos últimos anos, há um interesse e uma inquietação bem visível no meio educacional a respeito da inserção do computador na escola. O interesse parece justificar-se pela possibilidade de novos métodos para se alcançar uma melhoria da qualidade de ensino; mas percebe-se que o grande dilema talvez fique por conta do medo da substituição do homem pela máquina. Porém esse medo não pode ser o vetor ou mesmo interferir em um processo que na visão de Kenski (1998), é inevitável nos dias atuais, pois ele ensina que as velozes transformações tecnológicas da atualidade impõem novos ritmos e dimensões à tarefa de ensinar e aprender. É preciso que se esteja em permanente estado de aprendizagem e de adaptação ao novo. Confirmando essa teoria, encontra-se nos documentos oficiais do Ministério da Educação a clara menção para uma indispensável orientação na formação de professores para a educação básica, onde temas como fazer uso das novas linguagens e tecnologias sejam considerados no âmbito do ensino e da gestão, de forma a promover a efetiva aprendizagem dos alunos. Inclusive levando os cursos e licenciaturas a dotarem em seus currículos disciplinas voltadas ao conhecimento e à prática da utilização de tecnologias, principalmente de computadores, como um recurso para o desenvolvimento do processo de ensino O Uso do Computador pelo Professor Muito se tem questionado, por parte dos professores, com relação ao computador como prática educacional, assim como, aos menos informados, há um grande receio do uso, em virtude de acharem que podem ser substituídos pela máquina. Como descrito por Tarja (2001), é necessário que os professores sejam capacitados no âmbito desta nova realidade educacional, que estejam preparados para superarem os obstáculos, pois é fundamental que ele saiba analisar, de forma crítica, a integração dessa nova tecnologia com sua prática de ensino. Esse autor alega que: O professor deve estar aberto para mudanças, principalmente em relação à sua nova postura: o de facilitador e coordenador do processo de ensinoaprendizagem; ele precisa aprender a aprender, a lidar com as rápidas mudanças, ser dinâmico e flexível. Acabou a esfera educacional de detenção do conhecimento, do professor sabe tudo. (TARJA, 2001, p.114)

6 Do ponto de vista de Valente (1999), Mudar a visão e desenvolver capacidades para perceber os novos recursos que as tecnologias põem à disposição é mais do que receber treinamento para manusear o computador. O autor afirma que: A formação do professor para ser capaz de integrar a Informática nas atividades que realiza em sala de aula deve prover condições para ele construir conhecimento sobre as técnicas computacionais, entender por que e como integrar o computador na sua prática pedagógica e ser capaz de superar barreiras de ordem administrativa e pedagógica. Essa prática possibilita a transição de um sistema fragmentado de ensino para uma abordagem integradora de conteúdo e voltada para a resolução de problemas específicos do interesse de cada aluno. Finalmente, deve-se criar condições para que o professor saiba recontextualizar o aprendizado e as experiências vividas durante a sua formação para a sua realidade de sala de aula, compatibilizando as necessidades de seus alunos e os objetivos pedagógicos que se dispõe a atingir (VALENTE, 1999, p.39). Em Almeida (1998), encontra-se o seguinte ensinamento: Para que o professor tenha condições de criar ambientes de aprendizagem que possam garantir esse movimento (contínuo de construção e reconstrução do conhecimento) é preciso reestruturar o processo de formação, o qual assume a característica de continuidade. Há necessidade de que o professor seja preparado para desenvolver competências, tais como: estar aberto a aprender a aprender, atuar a partir de temas emergentes no contexto e de interesse dos alunos, promover o desenvolvimento de projetos cooperativos, assumir atitude de investigador do conhecimento e da aprendizagem do aluno, propiciar a reflexão, a depuração e o pensar sobre o pensar, dominar recursos computacionais, identificar as potencialidades de aplicação desses recursos na prática pedagógica, desenvolver um processo de reflexão na prática e sobre a prática, reelaborando continuamente teorias que orientem sua atitude de mediação. (ALMEIDA, 1998, p. 02) A utilização da informática na educação deve ser analisada como processo de modernização, renovação e troca de resultados. Gates (1995), afirma que a capacidade para a inovação será muito importante para que sejam superadas as desigualdades sociais e culturais entre classes e povos: A educação não é a resposta total para todos os desafios criados pela Era da informação, mas é parte da resposta, da mesma maneira que a educação é parte da resposta para uma gama dos problemas da sociedade. (...) A educação é o grande nivelador da sociedade, e toda melhoria na educação é uma grande contribuição para equalizar as oportunidades, (GATES,1995, p. 316). 3. METODOLOGIA DA PESQUISA

7 Este estudo aconteceu no município de Goiatuba-Goiás especificamente no Sistema Municipal de Ensino, com a finalidade de descrever a forma como está sendo utilizado o computador no processo de mediação pedagógica, estabelecendo a conexão entre a necessidade do aluno e o domínio da ferramenta por parte dos professores. Procurou-se, para isso, efetuar um levantamento de aspectos importantes, dos pressupostos sobre o papel do computador no âmbito escolar, mas especificamente na sala de aula. Quanto aos meios, foram utilizados a pesquisa de campo na forma de aplicação de um questionário e a pesquisa bibliográfica a partir de fontes secundárias como livros, artigos, dissertações e teses, alguns desses inclusive postadas em rede eletrônicas. Quanto ao tratamento dos dados, a análise pode ser classificada de forma qualitativa e quantitativa, pois se trabalhou com dados que não podem ser quantificados, uma vez que são deduções entre as respostas mensuradas no instrumento de coleta versus a teoria defendida pelos autores utilizados como referencial teórico e outros dados perfeitamente quantificados no questionário aplicado, sendo a amostra representada por 10% do universo, que é compreendido pelos professores do sistema municipal de ensino de Goiatuba GO, no período de janeiro a março de RESULTADOS Neste item serão apresentados e analisados os resultados inerentes ao trabalho de campo realizado junto aos professores do sistema municipal de ensino, quanto ao uso do computador como mediação do processo ensino-aprendizagem. Diante da metodologia utilizada para a coleta de dados, aplicação de questionário, os resultados para as 11 questões fechadas foram: Para a questão número 1 (um) onde foi inquirido, ao professor, em qual ambiente acontece seu acesso ao computador, 85% responderam que em suas residências, e apenas 15% apontaram para o acesso nos dois ambientes, escola e residência. Esses dados afirmam o pensamento de Kenski (1998) quando a autora ressalta que é inevitável, nos dias atuais, o domínio do computador por todos os agentes da escola, pois ele afirma que as velozes transformações tecnológicas da atualidade impõem novos ritmos e dimensões à tarefa de ensinar e aprender, o que necessariamente passa pela utilização das novas tecnologias. O resultado demonstra que os professores do sistema estão se esforçando para dominar essa ferramenta, que ao longo deste estudo, tem se caracterizado como imprescindível para a mediação do processo ensino-aprendizagem, o que em parte responde um dos objetivos deste trabalho que é mensurar o domínio do computador por parte dos professores do Sistema. Esse resultado demonstra que os professores estão se preparando e que já têm acesso ao computador, mas em contrapartida mostra uma outra realidade: as escolas não estão disponibilizando os meios necessários para uma verdadeira interação dos multimeios no processo de ensino-aprendizagem, haja vista que o professor está tendo mais acesso ao computador em sua residência onde as atividades de planejamento são executadas. Quando perguntado aos professores qual seu domínio de aplicativos como Word, Powerpoint e Internet (questão 2), a resposta foi 50 % com domínio total e outros 50% com domínio parcial para os aplicativos citados, outro ponto positivo a favor dos educadores uma vez que, segundo os autores citados neste estudo, os sistemas operacionais, os softwares, são ferramentas imprescindíveis para criar ambientes de aprendizagem. Essa indagação também responde ao objetivo de mensurar o domínio do computador por parte dos docentes. Em relação à infraestrutura disponibilizada pela unidade escolar, foi perguntado se existem laboratórios de informática nas escolas, questão 3 (três), 50% afirmam que sim, porém outros 50% afirmam que não, isso mais uma vez demonstra que a escola não está preparada para

8 disseminar a cultura através da eletronização de seus processos, o que responde ao objetivo de pesquisa existência de laboratório de informática na unidade educacional. Na opinião dos professores, diante das respostas mensuradas na questão 4 (quatro), 60% dos alunos têm acesso ao computador apenas na escola, enquanto 20% tem acesso em suas residências e outros 20% frequentam as Lan House 4 para terem acesso ao computador. Esse quesito respondeu com positividade a outro objetivo que era o de verificar o acesso dos alunos ao computador e restou comprovado que 100% dos alunos têm acesso a essa tecnologia mesmo que de forma precária e limitada. Outra questão levantada foi se a capacidade de manuseio do computador por parte dos alunos permite aos professores utilizá-lo como processo de mediação pedagógica, 80% dos professores entendem que sim. É provável que os 20% que não creem que o conhecimento possuído pelos alunos referente ao domínio do computador seja creditado às limitações que ainda existem para o acesso pleno a esse recurso. Quando perguntado aos docentes se os mesmos utilizam o computador para planejarem suas atividades de ensino, 100% afirmaram que sim, o que demonstra a necessidade da escola proporcionar a utilização da ferramenta em sala de aula, pois uma aula preparada no computador, se aplicada com seu auxílio, certamente ficará mais atraente devido à possibilidade de visualização de figuras e movimentos que proporcionam uma maior memorização da informação a ser transmitida. Essa pergunta também tem nexo com o objetivo de mensurar o domínio do computador por parte dos professores do Sistema, já comentada na questão 1 (um). Diante das respostas da questão 7 (sete), onde 70% dos docentes responderam que levam os alunos ao laboratório de informática da escola, fica evidenciado a necessidade do uso do computador como recurso didático, porém considerando as respostas da questão 3 (três), onde se afirma que em 50% das escolas não existe esse espaço, há de se concluir que a falta de acesso por parte dos alunos ainda é fator a ser repensado pelas políticas públicas para a área de educação no município estudado. Essa propositura procurou analisar o uso do computador por parte dos professores o que corresponde a um dos objetivos deste estudo. Essa conclusão acima é corroborada pela resposta à questão 8 (oito), onde os professores classificaram como importante 15% e muito importante 85% o uso do computador para as atividades docentes, ou mesmo na resposta à indagação você entende que os estudantes se tornam mais criativos quando se usa o computador para mediação pedagógica quando 100% dos docentes responderam que sim. E na sequência veio a confirmação do fenômeno já evidenciado em outros questionamentos apontados no instrumento de coleta, os professores ao serem inquiridos se o computador na atualidade já está dentro da sala de aula, apenas 35% responderam que sim, 15% afirmaram que não e 50% responderam que o computador está parcialmente inserido na sala de aula. Quando perguntado aos docentes se há desvantagem no uso do computador em sala de aula, questão 11 (onze), houve significância para as respostas induzidas dispersão da turma, difícil controle aos acessos e muitos alunos para apenas um professor sendo este último válido para sala de informática. Porém o que mais mereceu atenção foram os apontamentos espontâneos grafados em alguns dos instrumentos de coleta: falta de experiência, falta de capacitação em curso básicos (Word, Excel etc.., poucos computadores para muitos alunos. Para fechar, fica o registro apontado por um professor do Sistema: seria bom se todos nós, professores e alunos, soubéssemos manusear bem o computador. 4 Lan House é o estabelecimento no qual é oferecido o uso de computadores ligados em rede para acesso à internet e programas. Em geral, é um centro de entretenimento, educação e cultura, localizados em diversos pontos das cidades, e que normalmente é cobrada uma taxa dos usuários.

9 8. CONCLUSÃO Com o passar dos anos, a eletronização ganha cada vez mais espaço no mundo. Hoje grande parte dos bens que as pessoas possuem são adquiridos ou manuseados por meio eletrônico. Os meios digitais estão cada vez mais presentes nos supermercados, lojas, indústrias, agricultura... no entanto, não tão presente nas escolas. A educação não pode ficar à margem desse processo, indispensável para a formação plena do indivíduo. Parafraseando Levy (2001), pode-se deduzir que, no mundo atual, a sociedade passa por diversas transformações sociais, culturais e até então tecnológicas, o que desencadeia a necessidade de acompanhar essas evoluções, uma vez que as mesmas são de fundamental importância para o progresso de um indivíduo numa sociedade, sendo a utilização do computador no processo educativo, desde as séries iniciais, uma oportunidade de ampliar o conhecimento dos alunos na escola e contextualizado com as demandas da sociedade e do mundo do trabalho. O uso do computador na educação deveria estar fomentando novas nuances na abordagem pedagógica vigente e não apenas colaborar, com o professor, na aplicação de seus conteúdos ou mesmo melhorar a performance tornando mais eficiente o processo de transmissão de conhecimento. É preciso existir uma aliança na utilização de novas tecnologias, buscando a possibilidade de criar e transformar conhecimentos estimulando a comunicação entre as pessoas e visando a expansão da autonomia pessoal nos processos de aprendizado, e isso só vai acontecer com uma junção de esforços dos agentes da escola, evidentemente que contrabalanceado por uma política pública voltada para atender as demandas educacionais. Ficou ainda evidenciado, neste estudo, que o desenvolvimento tecnológico tem colocado o computador como instrumento de auxílio no processo de ensinar e aprender no ambiente escolar. Esse instrumento, segundo os autores pesquisados e as respostas mensuradas no instrumento de coleta, demonstra que cada vez mais o uso do computador é uma realidade no cotidiano das famílias, com isso não poderá ser o ambiente escolar diferente da realidade já vivenciada pelos educandos e educadores, pois nada adianta o professor planejar sua aula em casa utilizando seu próprio computador e chegar à escola e não ter a mesma ferramenta à sua disposição para aplicar seu plano de aula utilizando os recursos que melhor ilustra o conteúdo planejado; da mesma forma, se o aluno tem o acesso apenas fora do ambiente escolar, é provável que possua informações além daquelas que estão sendo repassadas pelo professor o que pode tornar as aulas pouco atrativas. Os aspectos positivos deste estudo foram a constatação quanto ao domínio do computador por parte dos docentes do sistema de ensino municipal onde, em sua plenitude, os mesmo utilizam da ferramenta como meio de planejar suas aulas; ficou comprovado que os alunos são plenamente inteirados com o computador; foi ainda mensurado, diante das respostas dos professores, que o computador pode contribuir para o processo ensino-aprendizagem dos educandos, mas para que isso ocorra efetivamente há a necessidade de ampliação do acesso; é também notório que os docentes utilizam computador e entendem ser muito relevante o seu uso para desempenhar sua atividades. Como aspectos negativos ficou registrado que apenas 50% das unidades escolares possuem laboratórios de informática, segundo os professores os alunos ainda não têm acesso pleno ao uso do computador, tendo que recorrer a Lan house para realizarem pesquisas ou mesmo acessarem a internet; a falta de uma capacitação especifica para os professores utilizarem melhor o computador no processo de ensino-aprendizagem; e, por último, mesmo nas escolas que possuem computadores o número de máquinas são insuficientes para atender o alunado. Diante de todo o exposto, a incógnita norteadora deste estudo que se traduz em verificar se o computador vem contribuindo com a mediação pedagógica no sistema municipal de educação da

10 cidade de Goiatuba-Goiás, diante dos aspectos positivos e negativos mensurados, pode-se afirmar que a utilização do computador em sala de aula no sistema estudada é uma realidade, pois já existe uso da ferramenta o que demonstra que as fronteiras da educação convencional já foram ultrapassadas, oportunizando as escolas a uma renovação da forma de se trabalhar os conteúdos de ensino, tendo o educador a obrigatoriedade de estar consciente de que a forma de ensinar na atualidade contempla um vocabulário com nomenclatura composta por termos como: teclado, mouse, hardwares, softwares etc..., e saber empregá-los é fundamental para o êxito na missão de transmitir e/ou construir conhecimentos. Tendo em vista os aspectos observados, espera-se que este estudo oportunize uma reflexão, por parte dos agentes da escola, no sentido de melhorar a educação incorporando cada vez mais as novas tecnologias no processo educativo de seus alunos. REFERÊNCIAS ALMEIDA, M, E. B. A informática na Escola PUC-SP Disponível em: acesso em 15/03/2012. CARRAHER, D.W. O Papel do Computador na Aprendizagem Disponível em: acesso em 15/03/ FREITAS, M. T. de A. Computador/Internet como Instrumentos de Aprendizagem: Uma Reflexão a partir da abordagem Psicológica Histórico-Cultural. In: 2º Simpósio Hipertexto e Tecnologias na Educação. Universidade Federal de Pernambuco. Recife, anais eletrônicos, Disponível em Acesso em 04/03/2012. FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (orgs). Ensino Médio Integrado: Concepções e Contradições. São Paulo: Cortez, GATES, B. A estrada do futuro. São Paulo: Companhia das Letras, KENSKI, V. M. "Novas tecnologias, o redimensionamento do espaço e do tempo e os impactos no trabalho docente." Disponível em: Acesso em março de LEVY, P. A. Conexão Planetária: o mercado, o ciberespaço, a consciência. São Paulo: Editora 34, LEVY, P. A. Cibercultura. Rio de Janeiro: Editora 34, MENDES, L. M. B. Experiências de fronteiras: os meios digitais em sala de aula. São Paulo s.n., SCHAFF, A. A sociedade informática: as conseqüências sociais da segunda revolução industrial. 4ª ed. São Paulo: Brasiliense, TARJA, S. F. Informática na Educação: Novas ferramentas pedagógicas para o professor na atualidade. 4.ed. São Paulo: ÉRICA, VALENTE, J. A. (1999). Diferentes abordagens de educação a distância. Coleção Série Informática na Educação - TV Escola, publicado no site: Acesso em 15/03/2012.

11 VALENTE, J. A. Computadores e conhecimento: repensando educação. Campinas, SP: UNICAMP/NIED, ZAMBALDE, A. L.; ALVES, R. M.; LACERDA, W. S. Introdução à Informática, UFLA - Lavras/MG,

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL USO DO COMPUTADOR NA CONSTRUÇÃO E INTERPRETAÇÃO DE GRÁFICOS NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Olga Cristina Teixeira Lira Carlos Eduardo Monteiro Universidade Federal de Pernambuco olgactlira@hotmail.com;

Leia mais

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE

A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE 399 A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE A INSERÇÃO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO/TIC NA PRÁTICA DOCENTE Maryana Barrêtto Pereira¹; Solange Mary Moreira Santos² e Kamilla de Fátima Magalhães

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹

As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ As tecnologias Informacionais e Comunicacionais (TIC) como instrumento de experimentação e investigação matemática¹ Ana Caroline Lazaro Stoppa², Idalci Cruvinel dos Reis³ ¹Pesquisa realizada por acadêmica

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO

A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO A UTILIZAÇÃO DO LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA PELOS DOCENTES COMO UMA FERRAMENTA DE ENSINO Maria Dasdores Vieira de França marri_ce@hotmail.com Programa de Pós-Graduação em Educação Universidade Federal de

Leia mais

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba

Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba 1 Formação de professores para o uso das TIC: um estudo de caso sobre os cursos presenciais de Letras no Vale do Paraíba Sílvia Helena Santos Vasconcellos 1 Resumo O presente artigo apresenta os resultados

Leia mais

Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental

Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental Ingrid S. T. Silva Caio J. M. Veloso Ester E. Jeunon y Regina M. S. Moraes Resumo Este projeto teve como propósito

Leia mais

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1

A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 A Era Da Informação: Uma Leitura Da Educação Contemporânea Por Meio Da Comunicação Informatizada 1 Otavio OLIVEIRA 2 Cintia BARIQUELO 3 Jamile SANTINELLO 4 Universidade Estadual do Centro-Oeste Resumo

Leia mais

Articulando saberes e transformando a prática

Articulando saberes e transformando a prática Articulando saberes e transformando a prática Maria Elisabette Brisola Brito Prado Na sociedade do conhecimento e da tecnologia torna-se necessário repensar o papel da escola, mais especificamente as questões

Leia mais

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade

Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade Desafios e vantagens da Educação a distância para uma aprendizagem significativa na Universidade José Walter Fagundes de Souza Filho RESUMO Conhecer e analisar fatores que interferem de forma positiva

Leia mais

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO AS RELAÇÕES DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA E O TRABALHO DO TUTOR COMO MEDIADOR DO CONHECIMENTO SOEK, Ana Maria (asoek@bol.com.br) Universidade Federal do Paraná (UFPR) - Brasil HARACEMIV,

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO E CULTURA PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA

CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 CAPACITAÇÃO DE PROFESSORES PARA USO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NO AMBIENTE ESCOLAR DA REDE PÚBLICA Cristina Vermelho, Glaucia da Silva Brito, Ivonélia da Purificação

Leia mais

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO

Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO Eixo Temático 4 : Formação de professores e práticas pedagógicas PROFESSORES AUTÔNOMOS: UTILIZANDO FERRAMENTAS TECNOLÓGICAS COMO RECURSO PEDAGÓGICO RESUMO Arlam Dielcio Pontes da Silva UFRPE/UAG Gerciane

Leia mais

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios

Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Novas tecnologias no ensino de matemática: possibilidades e desafios Marcelo Antonio dos Santos Mestre em Matemática Aplicada UFRGS, Professor na Faculdade Cenecista de Osório (FACOS) e professor da rede

Leia mais

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR

A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR A FORMAÇÃO DO BIBLIOTECÁRIO ESCOLAR GLEICE PEREIRA (UFES). Resumo Com o objetivo de apresentar considerações sobre a formação do bibliotecário escolar, esta pesquisa analisa o perfil dos alunos do Curso

Leia mais

O uso de blogs no ensino de Matemática 2

O uso de blogs no ensino de Matemática 2 Claudinei Flavia Batista Santos Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia Brasil bs_flavia@hotmail.com Sirlândia Souza Santana sirlandiasantana@hotmail.com Resumo Este trabalho tem como principal objetivo

Leia mais

II ENCONTRO DE MATEMÁTICA

II ENCONTRO DE MATEMÁTICA Perspectivas atuais para pesquisa em : Ensino e TECNOLOGIA EDUCACIONAL: POSSIBILIDADES DE INTERAÇÃO ENTRE PROFESSOR DE MATEMÁTICA E O ALUNO NO AMBIENTE ESCOLAR Ediênio Farias Célia Gomes Resumo: O presente

Leia mais

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO

ANAIS DA VII JORNADA CIENTÍFICA DA FAZU 20 a 24 de outubro de 2008 ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO ARTIGOS CIENTÍFICOS COMPUTAÇÃO SUMÁRIO AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES... 2 AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES PESQUISADORES SILVA, M.M Margareth Maciel Silva

Leia mais

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2

1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 1 O USO DA INTERNET NA PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE LÍNGUA INGLESA BALADELI, Ana Paula Domingos 1 ALTOÉ, Anair 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem o objetivo de apresentar os resultados preliminares

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ACESSIBILIDADE AO COMPUTADOR POR PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES AUTORES: Silvia Sales de Oliveira; Maria da Piedade Resende da Costa; Nadja

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2004.1. Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Disciplinas do Núcleo Comum 01 ANTROPOLOGIA CULTURAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 10 h/a Créditos: 2 : A Antropologia enquanto ciência e seus principais ramos. Metodologia da pesquisa em Antropologia

Leia mais

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual

Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Currículo e tecnologias digitais da informação e comunicação: um diálogo necessário para a escola atual Adriana Cristina Lázaro e-mail: adrianaclazaro@gmail.com Milena Aparecida Vendramini Sato e-mail:

Leia mais

Mídia, linguagem e educação

Mídia, linguagem e educação 21 3 22 Mídia, Linguagem e Conhecimento Segundo a UNESCO (1984) Das finalidades maiores da educação: Formar a criança capaz de refletir, criar e se expressar em todas as linguagens e usando todos os meios

Leia mais

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA

A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA A FORMAÇÃO INCLUSIVA DE PROFESSORES NO CURSO DE LETRAS A DISTÂNCIA Autor - Juliana ALVES - IFTM 1 Coautor - Andriza ASSUNÇÃO IFTM 2 Coautor - Aparecida Maria VALLE IFTM 3 Coautor - Carla Alessandra NASCIMENTO

Leia mais

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área;

a importância de formar profissionais para atuar nos campos de trabalho emergentes na área; SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO Resolução n. 66/ 2012 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Graduação em Computação, Licenciatura

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D

TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D TECNOLOGIAS DIGITAIS E INOVAÇÃO NO CURRÍCULO ESCOLAR COM O USO DO SOFTWARE P3D Luzivone Lopes GOMES UEPB luzivone@gmail.com Filomena Mª Gonçalves da Silva Cordeiro Moita - UEPB filomena_moita@hotmail.com

Leia mais

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática

As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática As Novas Tecnologias de Informação e Comunicação na Formação Inicial do Professor de Matemática Rosangela Ferreira Prestes Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões DECET 1 / GEMEP

Leia mais

UM ESTUDO DA APLICAÇÃO DA PLANILHA DO EXCEL NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA

UM ESTUDO DA APLICAÇÃO DA PLANILHA DO EXCEL NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA UM ESTUDO DA APLICAÇÃO DA PLANILHA DO EXCEL NO ENSINO DE MATEMÁTICA FINANCEIRA Msc. Eugênio Carlos Stieler (UNEMAT Universidade do Estado de Mato Grosso-MT) Dr. Marcio Violante Ferreira (UNIFRA Centro

Leia mais

PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA

PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA PROFESSORES E O LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: EM BUSCA DE UMA FORMAÇÃO CONTINUADA GONÇALVES, Claudia Cristine Souza Appel UFPR clauealex@yahoo.com.br BRITO, Glaucia da Silva UFPR glaucia@ufpr.br Eixo Temático:

Leia mais

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: NÃO QUERER FAZER USO DESSE INSTRUMENTO COMO RECURSO DIDÁTICO OU NÃO SABER?.

LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: NÃO QUERER FAZER USO DESSE INSTRUMENTO COMO RECURSO DIDÁTICO OU NÃO SABER?. LABORATÓRIO DE INFORMÁTICA: NÃO QUERER FAZER USO DESSE INSTRUMENTO COMO RECURSO DIDÁTICO OU NÃO SABER?. Wellington Alves de Araújo 1 (CEDMB, EEX-II). Antônio Marcos Feitosa Gomes 2 (EMCDF). Péricles Souza

Leia mais

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID

TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO: UMA INVESTIGAÇÃO COM LICENCIANDOS E PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA A PARTIR DO PIBID Nataélia Alves da Silva (1) * ; Creuza Souza Silva (1); Lecy das Neves Gonzaga (1); Michelle

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO

PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO PROJETO KIDSMART PROMOVENDO A INCLUSÃO DIGITAL NA EDUCAÇÃO Resumo MUNIZ, Cláudia Pereira - SME cmuniz@sme.curitiba.pr.gov.br SANTOS, Taís Wojciechowski SME taissantos@sme.curitiba.pr.gov.br Eixo Temático:

Leia mais

OS MIGRANTES DIGITAIS E SUA APRENDIZAGEM NOS CURSOS A DISTÂNCIA Verônica Danieli de Lima 1 José Alexandre Barbosa Pinto 2

OS MIGRANTES DIGITAIS E SUA APRENDIZAGEM NOS CURSOS A DISTÂNCIA Verônica Danieli de Lima 1 José Alexandre Barbosa Pinto 2 OS MIGRANTES DIGITAIS E SUA APRENDIZAGEM NOS CURSOS A DISTÂNCIA Verônica Danieli de Lima 1 José Alexandre Barbosa Pinto 2 Resumo: Este trabalho tem como objetivo geral analisar o desempenho de migrantes

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Vitor Cleton Viegas de Lima 1 Cristiane Camargo Aita 2 Daniele Pinto Andres 3 Resumo: este artigo tem por objetivo levantar

Leia mais

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD

FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD 1 FÓRUM: MEIO DE INTERAÇÃO NA EAD Elisangela Lunas Soares UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar elisangela.soares@unicesumar.edu.br Alvaro Martins Fernandes Junior UNICESUMAR Centro Universitário Cesumar

Leia mais

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Autor(a): Joycyely Marytza 1 INTRODUÇÃO As atuais concepções pedagógicas exigem do professor a inclusão das novas tecnologias para um melhor

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto: uma nova cultura de aprendizagem ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini de. Projeto: uma nova cultura de aprendizagem. [S.l.: s.n.], jul. 1999. A prática pedagógica

Leia mais

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos.

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos. SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA FUTUROS PROFESSORES DE QUÍMICA Joycyely Marytza de Araujo Souza Freitas 1 Reneid Emanuele Simplicio Dudu 2 Gilberlândio Nunes da Silva 3 RESUMO Atualmente a informática e a

Leia mais

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS

ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS 1 ESTRATÉGIAS NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NA PERSPECTIVA DAS NOVAS TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Marilda Coelho da Silva marildagabriela@yahoo.com.br Mestrado Profissional Formação de Professores UEPB As

Leia mais

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB

UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB UMA ANÁLISE DA MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DA UFPB Amanda dos Santos Souza (Licencianda em Matemática/UFPB) Carla Manuelle Silva de Almeida (Licencianda em Matemática/UFPB)

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO

FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL RESUMO FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA E MODELAGEM MATEMÁTICA: MUDANÇAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA E NO DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL Edvard Luiz da Silva Filho, edvardluiz@folha.com.br - FMU, Brasil. RESUMO

Leia mais

SOFTWARE DE AUTORIA. Andréa C. Primerano aprimerando@bol.com.br Faculdade Sumaré Rua Gonçalo Nunes, 368 03407-000 São Paulo SP

SOFTWARE DE AUTORIA. Andréa C. Primerano aprimerando@bol.com.br Faculdade Sumaré Rua Gonçalo Nunes, 368 03407-000 São Paulo SP SOFTWARE DE AUTORIA Marilena M. Pamboukian mari@macsystemeduc.com.br Universidade de São Paulo Escola Politécnica Prof. Luciano Gualberto, tr. 3, 158 05508-900 São Paulo SP Sergio V. D. Pamboukian sergiop@mackenzie.com.br

Leia mais

OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA

OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA 1 OBJETOS DE APRENDIZAGEM NO ESTUDO DE TÓPICOS DE MATEMÁTICA Josué Antunes de Macêdo 1 Taise Costa de Souza Nunes 2 Marcos Rincon Voelzke 3 Resumo O presente trabalho é resultado de uma pesquisa que teve

Leia mais

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA

MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA MONITORIA ACADÊMICA: A IMPORTÂNCIA PARA O ALUNO DE LICENCIATURA EM QUÍMICA Abimael Sousa Cordeiro* 1 ; Bruno Peixoto de Oliveira 1 1 Universidade Estadual do Ceará, Faculdade de Educação de Itapipoca,

Leia mais

VERIFICAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE UNIVERSITÁRIOS QUE USARAM UM SOFTWARE EDUCATIVO SOBRE LÓGICA

VERIFICAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE UNIVERSITÁRIOS QUE USARAM UM SOFTWARE EDUCATIVO SOBRE LÓGICA VERIFICAÇÃO DA APRENDIZAGEM DE UNIVERSITÁRIOS QUE USARAM UM SOFTWARE EDUCATIVO SOBRE LÓGICA Resumo Elaine Pasqualini 1 - FATEC-OURINHOS Sílvia H. de Oliveira Santos 2 - FATEC-OURINHOS Viviane de F. Bartholo

Leia mais

A EDUCAÇÃO DIGITAL E A CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA PELO PROFESSOR Naligia Maria Bezerra Lopes 1

A EDUCAÇÃO DIGITAL E A CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA PELO PROFESSOR Naligia Maria Bezerra Lopes 1 1 A EDUCAÇÃO DIGITAL E A CONSTRUÇÃO DA AUTONOMIA PELO PROFESSOR Naligia Maria Bezerra Lopes 1 Resumo Esse estudo é um relato de experiência vivenciado no Núcleo de Tecnologia Educacional da 11ª DIRED/Assu/RN

Leia mais

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA

DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA DIRETRIZES GERAIS DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PEDAGOGIA INTRODUÇÃO O Estágio Curricular foi criado pela Lei 6.494, de 7 de dezembro de 1977 e regulamentado pelo Decreto 87.497, de 18 de agosto

Leia mais

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas.

Palavras-chave: Fisioterapia; Educação Superior; Tecnologias de Informação e Comunicação; Práticas pedagógicas. A INTERAÇÃO DOS PROFESSORES DO CURSO DE FISIOTERAPIA COM AS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO PROCESSO PEDAGÓGICO Heloisa Galdino Gumueiro Ribeiro 1, Prof. Dirce Aparecida Foletto De Moraes 2

Leia mais

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital

Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Métodos e Práticas na Formação Inicial e Desenvolvimento Profissional do Professor de Matemática em uma Plataforma Digital Carla de Araújo 1 GD13 Educação Matemática e Inclusão Resumo: Tendo em vista as

Leia mais

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO METODOLOGIA PARA O ENSINO DA MATEMÁTICA: UM OLHAR A PARTIR DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Flávia Nascimento de Oliveira flavinhamatematica@hotmail.com Rivânia Fernandes da Costa Dantas rivafern@hotmail.com

Leia mais

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS

CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS CONHECENDO O SCRATCH E SUAS POTENCIALIDADES PEDAGÓGICAS ANDREA DA SILVA MARQUES RIBEIRO andrea.marques@gmail.com INSTITUTO DE APLICAÇÃO FERNANDO RODRIGUES DA SILVEIRA (CAP-UERJ) FERNANDO DE BARROS VASCONCELOS

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA

UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA 1 UMA PROPOSTA PARA INTEGRAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NAS LICENCIATURAS EM MATEMÁTICA Resumo. Este artigo apresenta os resultados de uma pesquisa realizada nas Instituições de Ensino

Leia mais

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA

PROJETOS DE ENSINO I DA JUSTIFICATIVA I DA JUSTIFICATIVA PROJETOS DE ENSINO O cenário educacional atual tem colocado aos professores, de modo geral, uma série de desafios que, a cada ano, se expandem em termos de quantidade e de complexidade.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Faculdade de Computação Curso de Introdução à Informática Prof: Anilton Joaquim da Silva / Ezequiel Roberto Zorzal AULA Informática: Aplicações e Benefícios Advocacia

Leia mais

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano XII Número 24 Julho de 2014 Periódicos Semestral

REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE PEDAGOGIA ISSN: 1678-300X. Ano XII Número 24 Julho de 2014 Periódicos Semestral CURRÍCULO E CONHECIMENTO ESCOLAR: O USO DA TECNOLOGIA NA EDUCAÇAO INFANTIL Amanda Aparecida ALVES 1 Marta Fresneda TOMÉ 2 RESUMO Esta pesquisa investiga questões relacionadas ao currículo suas teorizações

Leia mais

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica.

Palavras-Chave: Projeto Político-Pedagógico; Prática Pedagógica; Currículo Interdisciplinar; Proposta Pedagógica. A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO LICEU ESCOLA DE ARTES E OFÍCIOS MESTRE RAIMUNDO CARDOSO: UM ESTUDO AVALIATIVO JUNTO A PROFESSORES E ALUNOS *Alcemir Pantoja Rodrigues ** Arlete Marinho Gonçalves Universidade do

Leia mais

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS

O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS O PEDAGOGO ENQUANTO GESTOR ESCOLAR: UM ESTUDO BIBLIOGRÁFICO SOBRE AS ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS Kely-Anee de Oliveira Nascimento Graduanda em Pedagogia - UFPI Patrícia Sara Lopes Melo Mestre em Educação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

Pedagogia de projetos Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1

Pedagogia de projetos Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Pedagogia de projetos Maria Elisabette Brisola Brito Prado 1 Pedagogia de projetos: fundamentos e implicações Se fizermos do projeto uma camisa de força para todas as atividades escolares, estaremos engessando

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA

FUNDAÇÃO CARMELITANA MÁRIO PALMÉRIO FACIHUS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS Educação de qualidade ao seu alcance SUBPROJETO: PEDAGOGIA SUBPROJETO: PEDAGOGIA Alfabetizar letrando com as tecnologias INTRODUÇÃO A escola necessita formar seu aluno a aprender a ler o mundo, ter autonomia para buscar seu conhecimento, incentivá-lo a ser autor

Leia mais

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL

OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL OS RECURSOS TECNOLÓGICOS APLICADOS AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NO ENSINO FUNDAMENTAL Emanoel Lopes Ferreira Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES emanoel_l@yahoo.com.br.

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ

UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ ISSN 2316-7785 UM OLHAR PARA AS REPRESENTAÇÕES GRÁFICAS ATRAVÉS DO SOFTWARE GRAFEQ Marinela da Silveira Boemo Universidade Federal de Santa Maria marinelasboemo@hotmail.com Carmen Reisdoerfer Universidade

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 201 Ensino Técnico ETEC DR. FRANCISCO NOGUEIRA DE LIMA Código: 0059 Município: Casa Branca Área Profissional: Eixo Tecnológico: Ambiente, Saúde e Segurança Habilitação Profissional:

Leia mais

O USO DO SOFTWARE EDUCATIVO: REFLEXÕES DA PRÁTICA DOCENTE NA SALA INFORMATIZADA

O USO DO SOFTWARE EDUCATIVO: REFLEXÕES DA PRÁTICA DOCENTE NA SALA INFORMATIZADA O USO DO SOFTWARE EDUCATIVO: REFLEXÕES DA PRÁTICA DOCENTE NA SALA INFORMATIZADA SOFFA, Marilice Mugnaini PUCPR marilice.soffa@pucpr.br ALCÂNTARA, Paulo Roberto de Carvalho PUCPR paulo.alcantara@pucpr.br

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA AÇÃO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA

RELATÓRIO DE PESQUISA AÇÃO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA ESCOLA DE GESTORES RELATÓRIO DE PESQUISA AÇÃO FORMAÇÃO DE PROFESSORES: O USO DO COMPUTADOR NA ESCOLA Leila

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Habilitação Profissional

Leia mais

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS

FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES DE MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA UTILIZANDO TECNOLOGIAS I Mostra de Iniciação Científica I MIC 23 e 24 de setembro de 2011 Instituto Federal Catarinense Campus Concórdia Concórdia SC INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS CONCÓRDIA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente

Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí. Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Universidade Estadual de Goiás Unidade Universitária de Itaberaí Projeto de Estágio Supervisionado Obrigatório: Práxis pedagógica e formação docente Itaberaí 2012 Sebastião Alonso Júnior Diretor da Unidade

Leia mais

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA

REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA REDES SOCIAIS COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS DA NATUREZA Guilherme Garcez Cunha, UNIPAMPA Campus Dom Pedrito, guilhermecunha@unipampa.edu.br; Franciele B. de O. Coelho,

Leia mais

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL

O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL O PAPEL DO TUTOR A DISTÂNCIA NO ENSINO DE INFORMÁTICA: A EXPERIÊNCIA DO CURSO DE TECNOLOGIA EM SISTEMAS PARA INTERNET UAB/IFSUL Pelotas RS Maio 2010 Letícia Marques Vargas IFSul le.mvargas@gmail.com Gabriela

Leia mais

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores

OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores OBJETIVO Reestruturação de dois laboratórios interdisciplinares de formação de educadores Laboratório Multidisciplinar de Ensino de Ciências e Matemática (LabMEC), vinculado ao Instituto de Ciências Exatas:

Leia mais

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA

A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA A MOTIVAÇÃO É A ESSÊNCIA PARA APRENDER MATEMÁTICA Sandro Onofre Cavalcante sandro-professor@hotmal.com José Carlos Lourenço FIP Faculdade Integrada de Patos JCLS956@hotmail.com Adriano Alves da Silveira

Leia mais

O USO DO WRITER PARA REESCRITA DE FÁBULAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

O USO DO WRITER PARA REESCRITA DE FÁBULAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL O USO DO WRITER PARA REESCRITA DE FÁBULAS COM ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Resumo Amelice de J. da Silva 1 - UNEMAT Eunice S. Silva 2 - UNEMAT Carlinho V. de Sousa 3 - UNEMAT Eronice R. Francisco 4 - UNEMAT

Leia mais

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais.

Palavras-chave: formação continuada, educação básica, ensino de artes visuais. 4CCHLADAVPEX01 O ENSINO DE ARTES VISUAIS NAS ESCOLAS PÚBLICAS DE ALHANDRA: UMA PROPOSTA DE FORMAÇÃO CONTINUADA PARA OS PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL Cláudia Oliveira de Jesus (1); Adeílson França (1);

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR A MEDIAÇÃO DOCENTE E PROCESSO DE CATÁLISE COMO PERSPECTIVA DE MUDANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Resumo SILVEIRA, Lisiane Fernandes da 1 - UFPR FINK, Rosane 2 - UFPR Grupo de Trabalho - Didática: Teorias, Metodologias

Leia mais

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA

SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA SOFTWARE HAGÁQUÊ: FERRAMENTA PEDAGÓGICA DE AUXÍLIO AO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM COMO PRÁTICA INOVADORA Marília Gerlane Guimarães da Silva graduanda UEPB mariliagerlany@hotmail.com Jocélia Germano

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL: CONCEPÇÕES, DESAFIOS E PRÁTICAS

LETRAMENTO DIGITAL: CONCEPÇÕES, DESAFIOS E PRÁTICAS 1 LETRAMENTO DIGITAL: CONCEPÇÕES, DESAFIOS E PRÁTICAS Autora Prof.ª Ms.Maria do Socorro de Lucena Silva Faculdades Integradas de Patos maryhelpbrim@bol.com.br Coautor Júnior Alves Feitosa Faculdades Integradas

Leia mais

A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió

A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió A Utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação nas Escolas Públicas Estaduais e Municipais de Maceió Lívia Maria Omena da Silva liviamariaomena@gmail.com CESMAC Alexa Luiza Santos Farias alexafarias1@hotmail.com

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE E NOVAS TECNOLOGIAS. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas - Brasil lpm@fapeal.br.

FORMAÇÃO DOCENTE E NOVAS TECNOLOGIAS. Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas - Brasil lpm@fapeal.br. IV Congresso RIBIE, Brasilia 1998 FORMAÇÃO DOCENTE E NOVAS TECNOLOGIAS Luís Paulo Leopoldo Mercado Universidade Federal de Alagoas - Brasil lpm@fapeal.br 1 - Introdução O reconhecimento de uma sociedade

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES 1 NOVAS TECNOLOGIAS: APOIO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Lúcia Helena de Magalhães 1 Neuza Maria de Oliveira Marsicano 2 O papel das tecnologias da informação na atual sociedade da informação vem sendo

Leia mais

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico

Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico Ensino da Estatística na Educação Básica: Ferramenta Computacional como proposta para o processo pedagógico José Carlos Coelho Saraiva 1 GD6 Educação Matemática, Tecnologias Informáticas e Educação à Distância

Leia mais

Novas Tecnologias em EJA

Novas Tecnologias em EJA Novas Tecnologias em EJA Antropologia As Idades e os tempos As técnicas e as tecnologias De nômade a sedentário Criações e invenções Meios de produção ão: trabalho MULTIMEIOS NA EDUCAÇÃO O QUE SÃO MULTIMEIOS?

Leia mais

LETRAMENTO DIGITAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA

LETRAMENTO DIGITAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA LETRAMENTO DIGITAL E FORMAÇÃO DE PROFESSORES NA MODALIDADE A DISTÂNCIA Resumo PEREIRA, Josiane de Nazaré Ferreira 1 - SEDUC/UEPA SILVEIRA, Andréa Pereira 2 - UFPA Grupo de Trabalho Comunicação e Tecnologia

Leia mais

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ

AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ 1 AS REDES SOCIAIS COMO AUXÍLIO NA COMUNICAÇÃO DE ALUNOS DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA NO MUNICÍPIO DE ITAPERUNA- RJ Autor(es) e instituição: Prof. Ms. Érica Pereira Neto Prof. Ms. Márcio Cabral da Silva

Leia mais

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL 2.5 AVALIAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Para que a Educação Infantil no município de Piraquara cumpra as orientações desta Proposta Curricular a avaliação do aprendizado e do desenvolvimento da criança, como

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES

REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES REFLEXÕES SOBRE O APRENDER PARA SABER E O SABER PARA ENSINAR: ACTUAIS DESAFIOS PARA UMA FORMAÇÃO PERMANENTE DE PROFESSORES Andréia Serra Azul da Fonseca 1 Maristela Lage Alencar 2 Sinara Mota Neves 3 Universidade

Leia mais

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO

LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Coordenador: Duração: Carga Horária: LICENCIATURA EM COMPUTAÇÃO Victor Emanuel Corrêa Lima 6 semestres 2800 horas Situação Legal: Reconhecido pela Portaria MEC nº 503 de 15/02/2006 MATRIZ CURRICULAR Primeiro

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores, software livre e TIC s.

Palavras-chave: Formação de professores, software livre e TIC s. INFORMÁTICA EDUCATIVA NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES EM UMA ESCOLA PÚBLICA: PROCESSOS DE POTENCIALIZAÇÃO DOS SABERES E PRÁTICAS Jardel Silva 1 Alex Sandro C. Sant Ana 2 RESUMO Aliada às discussões

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais