Qualidade de Software nas MPE ISO/IEC 29110

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade de Software nas MPE ISO/IEC 29110"

Transcrição

1 Qualidade de Software nas MPE ISO/IEC 29110

2 A Hipótese em 2004 Uso de normas de ES nas PMEs

3 A indústria de Software

4 Austrália Reunião Plenária (2004) Reconhecimento das Necessidades e Problemas + 90% das empresas da União Européia possui menos de 10 empregados (OCDE) Canadá: dificuldade das VSEs* em adotar as normas propostas pelo ISO/IEC JTC1/SC7 * Very Small Entities

5 (2004) Razões para não usar normas de Engenharia de Software Dificuldade no uso de normas [de ES] não são direcionadas especificamente às necessidades das PMEs É necessário investimento para implementar (pessoal, financeiro e tempo) Grandes dificuldades em atender aos requisitos exigidos pelas normas existentes

6 Mais de 435 respostas, vindas de 32 países Country Number of Responses Country Number of Responses Country Number of Responses Argentina 2 Finland 13 New Zealand 1 Australia 10 France 4 Peru 4 Belgium 10 Germany 1 Russia 4 Brazil 72 India 57 South Africa 10 Bulgaria 3 Ireland 10 Spain 4 Canada 10 Italy 2 Taiwan 1 Chile 1 Japan 3 Thailand 59 Colombia 109 Korea (South) 4 Turkey 1 Czech Republic Dominican Republic 3 Luxembourg 3 United Kingdom 1 Mexico 20 United States Ecuador 9 Morocco 1 2 3

7 Por que VSEs não usam normas? 10% 15% 24% JTC1/SC7 14% 28% 9% Não é requerido Falta de apoio Falta de recursos Demanda muito tempo Normas(s) Outros * * Difícil, Burocrático, orientação insuficiente

8 Normas desenvolvidas por grandes organizações para grandes organizações JTC1/SC7 Proposta: criação de um WG para o desenvolvimento de normas adaptadas ao tamanho e maturidade de pequenas empresas

9 Série ISO/IEC Para Very Small Entities

10 Very Small Entities JTC 1/ SC 7 / WG24 ISO/IEC Engenharia de Software Perfis de Ciclo de Vida para Micro-organizações ISO/IEC Life Cycle Profiles for Very Small Entities (VSEs) Diretoria de Normalização 19/09/ ª RO CBN 10

11 ISO/IEC VSE Very Small Entities Organizações com menos de 25 pessoas (empresas, projetos e departamentos) Possibilitar e promover a certificação Desenvolvimento de normas e guias agrupados por perfis

12 Certificação: Uma Premissa importante menos de 18% das PMEs certificadas, contra mais de 53% das que têm mais de 25 empregados; dentre as não certificadas 67% julgam importante certificações e reconhecimento.

13 Um parêntesis... Normalização

14 Normalização

15 15 Normas estão em toda a parte

16 16 Normas estão em toda a parte

17 Barreiras técnicas prejudicam a economia

18 Normas X Regulamentos Normas são estabelecidas por consenso e são voluntárias São desenvolvidas por organismos de normalização Estabelecem requisitos ou diretrizes para atividades ou os seus resultados (produtos, serviços etc.) Autorregulação da sociedade São focadas no mercado

19 Normas X Regulamentos Regulamentos Técnicos são documentos semelhantes, emitidos por uma Autoridade Regulatória, e que são obrigatórios Os regulamentos podem se basear em normas técnicas São focados no mercado interno ou nacional

20 Normas e regulamentos técnicos Normas Técnicas Regulamentos Técnicos

21 Fonte: 20 anos de TIB - CENELEC 21

22 Normas Tradução, em termos técnicos, do que a Sociedade espera de um produto ou serviço.

23 Meio eficaz para: promover a competição facilitar o acesso da inovação ao mercado promover a comunicação entre os agentes econômicos possibilitar a avaliação do desempenho em bases comparáveis balancear as necessidades do mercado com o interesse público

24 Níveis de normalização Internacional Regional ISO IEC CEN Nacional Associação Organização ABNT BSI DIN ASTM IEEE Empresas

25 Resumo da estrutura ISO/IEC CS/ITTF ISO IEC UN/ITU-T TC176 JTC 1 TC56 SC65A Quality Management Information Technology Dependability Functional Safety SC6 SC7 SC27 SC37 Telecommunications Systems & Software Engineering IT Security Techniques Biometrics WGs ISO IEC ITTF CS UN ITU-T TC SC JTC WG International Organization for Standardization International Electrotechnical Commission Information Technology Task Force Central Secretariat United Nations International Telecommunications Union Technical Committee Sub Committee Joint Technical Committee Working Group

26 JTC 1 SC7 Standards Collection Version 6 0 May 2011

27 De volta ao contexto do JTC1/SC7/WG24 Série ISO para VSE

28 Infraestrutura da série 29110

29 DOCUMENTOS Overview (TR ) Perfis (Profiles) Framework e taxonomia (ISP ) Especificação dos perfis VSEs ( ) BASIC VSE PROFILE ISP Perfis (Profiles) Guia de avaliação (TR ) Especif. p/ grupo n Guia de gestão e engenharia ( ) BASIC VSE PROFILE ISP Guia p/ grupo n m m x x TR=technical report ISP=international standard profile

30 PERFIS As normas e guias são baseados em subconjuntos apropriados das normas, denominados VSE Profiles Perfis de Micro Organizações

31 Perfis e Normas de base

32 Ações Aspectos Importantes Diferenciados Normas disponíveis gratuitamente às VSEs Pacotes de Implementação Network Center

33 Life Cycle Profiles for Very Small Entities Network Center

34 Bélgica (Cetic) Brasil (RIOSOFT) Canadá (ÉTS) China (em discussão) Colômbia (Parquesoft) Finlândia (Tampere University of Technology) França (UBO) Haiti (em discussão) Irlanda (LERO) Japão (em discussão) Luxemburgo (Tudor Research Center) México (UNAM) Peru (em discussão) Tailândia (Institute of Software Promotion for Industries)

35 ...

36

37 Parceiros no (do) Brasil?????

38 Grupos O Perfil de Básico Perfis Grupo de Perfis Genérico (software) Perfil Entrada Básico Intermediário Avançado

39 Life Cycle Profiles for Very Small Entities Perfil Básico

40 O Perfil Básico compõe-se de dois processos Gerência de Projetos e Implementação de Software

41 PERFIS propiciar ao contexto específico das VSE a possibilidade de serem reconhecidas como produtoras de software de alta qualidade em seus domínios, tanto em seus mercados internos quanto no mercado internacional

42 ISO Conceitos importantes Comunicação ao mercado de que o processo produtivo gera produtos e serviços na qualidade esperada (cliente) Requisitos Mandatórios x Requisitos Opcionais Normas x Guias Perfis não são níveis de maturidade

43 DOCUMENTOS Overview (TR ) Perfis (Profiles) Framework e taxonomia (ISP ) Especificação dos perfis VSEs ( ) Perfis (Profiles) BASIC VSE PROFILE ISP Guia de avaliação (TR ) Guia de gestão e engenharia ( ) BASIC VSE PROFILE ISP TR=technical report ISP=international standard profile

44 Ciclo de Desenvolvimento de SW Declaração de Trabalho Planejamento Iniciação e Análise Encerramento Entrega Projeto e Arquitetura Execução Integração e Testes Construção Avaliação e Controle Software

45 Life Cycle Profiles for Very Small Entities Participação do Brasil

46 Início das Atividades Instalação da CE 21: Outubro/2010 Participação no NetCenter Maio/2011 Acordo de Cooperação - RIOSOFT (Brasil) x ETS (Canadá)

47 O que estamos fazendo no Brasil?... Projeto SEBRAE/ABNT Normalização nas MPEs Participação efetiva das MPEs (+ 40 empresas) Abrangência Nacional (12 reuniões itinerantes) Participação Internacional de destaque Primeiros 3 documentos aprovados em consulta nacional e publicados, em português, em janeiro/2012 Norma ABNT

48 Primeiros Resultados... ABNT NBR ISO/IEC :2012 Parte 2: Estrutura e taxonomia ABNT NBR ISO/IEC :2012 Parte 4-1: Especificações de perfil: Grupo Perfil Genérico ABNT ISO/IEC TR :2012 Parte 5-1-2: Guia de engenharia e gestão: Grupo perfil genérico: Perfil básico

49 Primeiros Resultados... Liderança de grupo de trabalho internacional Perfil ágil Desenvolvimento do método de Certificação Participação nos grupos de trabalho internacionais ISO Serviços para VSEs Perfil para Engenharia de SW e Sistemas Alinhamento com a ISO 9001

50 O Sebrae como parceiro Divulgação e Mobilização (Oficinas, workshops) Formação de grupos de empresas para implementação e certificação Integração com outros programas Sebraetec, ALI Grandes Compradores

51 Primeiros Resultados... Parcerias para implementação NetCenter x Microsoft

52 Microsoft Process Template

53

54 Primeiros Resultados... Parcerias para certificação NetCenter x Inmetro x ABNT x F. Vanzolini

55 Primeiros Resultados... Certificação Internacional Método melhores práticas de Avaliação da Conformidade Sistema Formal de Certificação e Acreditação Condução de auditorias piloto (Brasil México Canadá Peru Tailândia) Apresentação dos resultados (Novembro) Acreditação pelo Inmetro Preparação para as auditorias formais

56 Obrigada!

Qualidade de Software nas MPEs

Qualidade de Software nas MPEs Qualidade de Software nas MPEs Projeto VSE CE 21.007-24 ISO/IEC 29110 Very Small Entities JTC 1/ SC 7 / WG24 ISO/IEC 29110 Engenharia de Software Perfis de Ciclo de Vida para Micro-organizações ISO/IEC

Leia mais

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos

A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos A Norma Brasileira e o Gerenciamento de Projetos Realidade Operacional e Gerencial do Poder Judiciário de Mato Grosso Na estrutura organizacional, existe a COPLAN que apoia administrativamente e oferece

Leia mais

A normalização de Software na ABNT e na ISO

A normalização de Software na ABNT e na ISO www.abnt.org.br A normalização de Software na ABNT e na ISO Marcia Cristina de Oliveira Gerente do Processo de Normalização 2 PRINCÍPIOS DA NORMALIZAÇÃO SIMPLIFICAÇÃO ATUALIZAÇÃO CONSENSO TRANSPARÊNCIA

Leia mais

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006

Interpretação da norma NBR ISO/IEC 27001:2006 Curso e Learning Sistema de Gestão de Segurança da Informação Interpretação da norma NBR ISO/IEC 2700:2006 Todos os direitos de cópia reservados. Não é permitida a distribuição física ou eletrônica deste

Leia mais

O primeiro encontro corporativo com toda a equipe da A&C, realizado no dia 29, no Hotel Blue Tree, em São Paulo, surpreendeu pelo nível.

O primeiro encontro corporativo com toda a equipe da A&C, realizado no dia 29, no Hotel Blue Tree, em São Paulo, surpreendeu pelo nível. Software NBR ISO 29110 Visão Geral Prof. Dr. Marcelo Pessôa Prof Marcelo Pessôa Dezembro 2012 1 pelo espírito colaborativo Visão manifestado. Geral In hac habitasse platea dictumst. da Nam pulvinar, Norma

Leia mais

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007

Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 Relatório Gráfico de Acessibilidade à Página www.ceivap.org.br Janeiro até Dezembro / 2007 1. Visitações Diárias ( Y ) Visitas ( X ) Dia do mês 1.1) Janeiro 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 15

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software Especialização em Gerência de Projetos de Software Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios:

CREBi Media Kit. Site CREBI Conforme relatórios de visitas emtidos em dezembro de 2008, temos os seguintes dados médios: CREBi Media Kit Atualmente, somos a mais representativa mídia eletrônica do setor de jóias e afins e também já superamos em muito as maiores médias de outras categorias de mídia. O CREBi oferece três canais

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES PARA PEQUENAS ORGANIZAÇÕES SÉRIE ABNT NBR ISO/IEC 29110

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES PARA PEQUENAS ORGANIZAÇÕES SÉRIE ABNT NBR ISO/IEC 29110 SÉRIE ABNT NBR ISO/IEC 29110 FICHA CATALOGRÁFICA Documento elaborado no âmbito do Convênio ABNT/SEBRAE, destinado às micro e pequenas empresas. A849g Associação Brasileira de Normas Técnicas Guia de implementação:

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA PEQUENAS ORGANIZAÇÕES SÉRIE ABNT NBR ISO/IEC 29110

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA PEQUENAS ORGANIZAÇÕES SÉRIE ABNT NBR ISO/IEC 29110 SÉRIE ABNT NBR ISO/IEC 29110 FICHA CATALOGRÁFICA Documento elaborado no âmbito do Convênio ABNT/SEBRAE, destinado às micro e pequenas empresas. A849g Associação Brasileira de Normas Técnicas Guia de implementação:

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável

EDUCAÇÃO. Base do Desenvolvimento Sustentável EDUCAÇÃO Base do Desenvolvimento Sustentável 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais

Leia mais

e certificações software - qual serve melhor para mim? ISO/IEC 29110 / ISO 9000 / CMMI / MPS-BR

e certificações software - qual serve melhor para mim? ISO/IEC 29110 / ISO 9000 / CMMI / MPS-BR Normas e certificações em software - qual serve melhor para mim? ISO/IEC 29110 / ISO 9000 / CMMI / MPS-BR Normas e certificações em software - qual serve melhor para mim? ISO/IEC 29110 / ISO 9000 / CMMI

Leia mais

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento

EDUCAÇÃO. Base para o desenvolvimento EDUCAÇÃO Base para o desenvolvimento 1 Por que investir em educação? 2 Por que investir em educação? 1. Acesso à cidadania. 2. Aumento da renda pessoal (prêmio salarial): 10% por um ano a mais de escolaridade.

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES

PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES PRODUTIVIDADE DO TRABALHO E COMPETITIVIDADE: BRASIL E SEUS CONCORRENTES Eduardo Augusto Guimarães Maio 2012 Competitividade Brasil 2010: Comparação com Países Selecionados. Uma chamada para a ação África

Leia mais

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica

A importância e desafios da agricultura na economia regional. Assessoria Econômica A importância e desafios da agricultura na economia regional Assessoria Econômica A Agricultura é importante para o crescimento e desenvolvimento econômico ou é apenas fornecedora de alimentos? Taxa Média

Leia mais

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010

MVNO Operadoras Virtuais no Brasil. Conhecendo o usuário brasileiro. Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 MVNO Operadoras Virtuais no Brasil Conhecendo o usuário brasileiro Valter Wolf 18 de Novembro de 2010 O estudo A&R contempla 17 países com mais de 20 mil entrevistas, agrupadas em 3 categorias: Mature,

Leia mais

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL

DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL DESPESA EM I&D E Nº DE INVESTIGADORES EM 2007 EM PORTUGAL Súmula dos dados provisórios do Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional, IPCTN, 2007 I DESPESA 1. Despesa em I&D nacional total

Leia mais

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação

Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação Desafios Institucionais do Brasil: A Qualidade da Educação André Portela Souza EESP/FGV Rio de Janeiro 13 de maio de 2011 Estrutura da Apresentação 1. Porque Educação? Educação e Crescimento 2. Educação

Leia mais

Indicadores Ambientais

Indicadores Ambientais Indicadores Ambientais De que forma a empresa analisa seus indicadores de desempenho ambiental e desenvolve ações de produção mais limpa nos processos produtivos Valéria Soares Amorim Pereira Gerente de

Leia mais

O que são normas internacionais?

O que são normas internacionais? APRESENTAÇÃO O incremento da competitividade é um fator decisivo para a maior inserção das Micro e Pequenas Empresas (MPE), em mercados externos cada vez mais globalizados. Internamente, as MPE estão inseridas

Leia mais

Utilização da Normalização na Regulação das Comunicações Eletrónicas

Utilização da Normalização na Regulação das Comunicações Eletrónicas Utilização da Normalização na Regulação das Comunicações Eletrónicas Segurança e Integridade de Redes e Serviços Workshop ANACOM itsmf Portugal: Normalização de TI técnicas de segurança Manuel Pedrosa

Leia mais

SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros

SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros SciELO e o aperfeiçoamento da qualidade dos periódicos científicos brasileiros Fabiana Montanari Lapido Projeto SciELO FAPESP, CNPq, BIREME, FapUNIFESP Informação Conhecimento científico pesquisa científica

Leia mais

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5.

Q: Preciso contratar um numero de empregados para solicitar o visto E2? R: Não, o Visto E2 não requer um numero de empregados como o Visto Eb5. RE: Visto E1 O E2 Visto E1 O E2 Q :Preciso contratar um advogado para solicitar o Visto E2? R: Sim, o visto E2 requer o conhecimento especializado da legislacao migratória e a experiência de um advogado

Leia mais

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época

Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007. João Amador Seminário de Economia Europeia. Economia Portuguesa e Europeia. Exame de 1 a época Universidade Nova de Lisboa Ano Lectivo 2006/2007 FaculdadedeEconomia João Salgueiro João Amador Seminário de Economia Europeia Economia Portuguesa e Europeia Exame de 1 a época 5 de Janeiro de 2007 Atenção:

Leia mais

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web

A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web A Governança da Internet no Brasil e os padrões para Web ALGUNS EVENTOS E DADOS IMPORTANTES DA INTERNET NO BRASIL E NO MUNDO NO BRASIL Primeira conexão à redes (Bitnet) => Outubro 88 Domínio.br foi registrado

Leia mais

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE

HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE HCC - HEALTH CARE COMPLIANCE Discutir a importância do cumprimento dos requisitos de conformidade e comportamento ético à luz de leis e regulamentações estrangeira em vigor. FEIRA HOSPITALAR Junho de 2008

Leia mais

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software

Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Conceitos Fundamentais de Qualidade de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MODELOS DE MELHORES GOVERNANÇA DE T.I. PRÁTICAS DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MODELOS DE MELHORES PRÁTICAS DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MELHORES PRÁTICAS PARA T.I. MODELO DE MELHORES PRÁTICAS COBIT Control Objectives for Information

Leia mais

NOVOS FATORES DE RISCO PARA DIRETORES E CONSELHEIROS

NOVOS FATORES DE RISCO PARA DIRETORES E CONSELHEIROS NOVOS FATORES DE RISCO PARA DIRETORES E CONSELHEIROS Gustavo Galrão Head of Professional Lines Brazil XL Group Insurance ABGR, Sao Paulo, Brazil 23 de Outubro de 2013 1 Agenda 1) Responsabilidade de Administradores

Leia mais

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior

useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior useful phone numbers Students Union Associação Académica da Universidade da Beira Interior Headquarters: Rua Senhor da Paciência, 39 6200-158 Covilhã Portugal Telephone: +351 275 319 530 Fax: +351 275

Leia mais

Recursos Integrados SERVICES AND SOLUTIONS

Recursos Integrados SERVICES AND SOLUTIONS SERVICES AND SOLUTIONS Recursos Integrados Gerenciamento e Otimização de Bens Serviços Técnicos e Engenharia Educação e Treinamento Peças Sobressalentes e Serviços de Pós-Venda Experience In Motion SERVIÇOS

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO CERTIFICAÇÃO DE SISTEMAS DE GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Luis Barrinha - Gestor de Ambiente e Segurança SGS ICS - International Certification Services Funchal, 28 de Novembro de 2002 SOCIÉTÉ

Leia mais

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras

ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras ESPANHA Porta de acessoà Europa para as multinacionais brasileiras Existem muitas empresas e investimentos espanhóis no Brasil. É a hora de ter investimentos brasileiros na Espanha Presidente Lula da Silva,

Leia mais

NOTA DE ESCLARECIMENTO CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014

NOTA DE ESCLARECIMENTO CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 NOTA DE ESCLARECIMENTO CONCORRÊNCIA PÚBLICA Nº 001/2014 A JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO tendo em vista o que consta no Processo E-11/006/306/2014, presta esclarecimentos para dirimir dúvidas

Leia mais

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO

CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café P CARTA DO DIRETOR-EXECUTIVO RELATÓRIO SOBRE O MERCADO CAFEEIRO

Leia mais

CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA

CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA OVERVIEW CISCO ETHERNET PARA A FÁBRICA A solução Ethernet para a Fábrica (EttF) da Cisco é um componente da visão Rede Inteligente para Manufatura (INM) da Cisco. Ela elimina a distância entre o escritório

Leia mais

Números Significativos: Certificados emitidos

Números Significativos: Certificados emitidos Números Significativos: Certificados emitidos Qualidade: 24.672 ISO 9000 523 ISO/TS 16949 86 EN 9100 MEIO AMBIENTE: 5.923 ISO 14000 99 Cadeia de Custodia madeira 553 EMAS 1.069.038,29 Ha Gestão Florestal

Leia mais

Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum

Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum Segurança Rodoviária: Lições resultantes do trabalho do International Transport Forum José Viegas Secretário Geral International Transport Forum 19º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito, Brasília,

Leia mais

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde

Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde Terceiro Sector, Contratualização para ganhos em saúde 1º Encontro Nacional - Desafios do presente e do futuro Alexandre Lourenço www.acss.min-saude.pt Sumário Organizações do Terceiro Sector Necessidade

Leia mais

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil

Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Revitalização da Indústria Fonográfica no Brasil Impacto Positivo de uma Redução de Tributos para Empresas e Consumidores Rio de Janeiro, 27 de maio de 2009 Em 2008, o mercado brasileiro de CDs e DVDs

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Unidade I Conceito de Qualidade Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com UNIDADE I : Conceito de Qualidade 1.1 Qualidade de processo de software 1.2 Qualidade de produto de software UNIDADE

Leia mais

Brasília 19 de abril de 2011 Local: CNI

Brasília 19 de abril de 2011 Local: CNI Brasília 19 de abril de 2011 Local: CNI Eng. Eduardo Campos de São Thiago - Gerente de Relações Internacionais da ABNT - Co-Secretário, ISO Working Group on Social Responsibility 1 Talvez você não tenha

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas CMP1141 Processo e qualidade de software I Prof. Me. Elias Ferreira Sala: 210 F Quarta-Feira:

Leia mais

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008

Certificação de Sistemas de Gestão. ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Certificação de Sistemas de Gestão ACIF_SGS Funchal, 4 de Junho de 2008 Sumário 1. Certificação de Sistemas de Gestão Qualidade (ISO 9001:2000); 2. Certificação de Sistemas de Gestão Ambiental (ISO 14001:2004);

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software Prof. Sam da Silva Devincenzi sam.devincenzi@gmail.com ISO International Organization for Standardization Organização não governamental que elabora normas internacionais, que visam

Leia mais

SGA. Introdução. Qualidade ISO 14001. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática. Manuel Duarte Pinheiro SGA. Introdução. Qualidade ...

SGA. Introdução. Qualidade ISO 14001. Sistemas. Sustentáveis. Casos. Prática. Manuel Duarte Pinheiro SGA. Introdução. Qualidade ... por RESPONSABILIDADE SOCIAL E SUSTENTABILIDADE NOVAS DIMENSÕES por SA SIGMA SISTEMAS DE GESTÃO DO AMBIENTE 2003/2004 GRI por Nível 1 Nível 2 PROACTIVIDADE CRESCENTE Nível 3 ISSO EMAS I Excelência Ambiental...

Leia mais

Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro

Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro Fresas Interpoladoras de Rosca em Metal Duro Introdução O programa de fresas de metal duro para interpolar rosca da Dormer é abrangente e as ferramentas são de alta performance oferecendo ao usuário uma

Leia mais

Associação KNX Portugal

Associação KNX Portugal Associação KNX Portugal Organização KNX e rede de parceiros KNX Association International Page No. 3 Associações Nacionais: Membros Membros KNX Nacionais: Fabricantes: Empresas fabricantes ou representantes

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 31/12/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012

RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Atualizado até 30/09/2011 RESUMO GERAL Atualizada até 30/09/2012 1 Gabinete do Ministro - GM Coordenação Geral de Imigração - CGIg Autorizações

Leia mais

Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional

Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional Tendências Econômicas e seu Impacto na Área Educacional Antonio Delfim Netto 25/03/2009 São Paulo, SP I. A Economia de Mercado A. O que ela produziu 1. Melhoria nas condições de vida 2. Tecnologia e crescimento

Leia mais

Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores NBR ISO 27001

Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores NBR ISO 27001 Fundamentos em Segurança de Redes de Computadores 1 É a norma de certificação para SGSI ( Sistemas de Gestão da Segurança da Informação), editada em português em abril de 2006 e que substituiu a BS 7799-2.

Leia mais

FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL

FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL FACULDADE DE ECONOMIA, UNIVERSIDADE DO PORTO - ANO LECTIVO 2010/2011 1 1G203: ECONOMIA INTERNACIONAL 1.2 -A evolução da economia mundial: globalização dos mercados e globalização da produção comércio internacional

Leia mais

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software

FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software FAPS: Ferramenta para apoiar Avaliações Integradas de Processos de Software Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 12, Leonardo Reis Tristão 1 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

BRASIL. 2º Trimestre 2015 Escritórios Corporativos Classe A e A+ Economia & Mercado

BRASIL. 2º Trimestre 2015 Escritórios Corporativos Classe A e A+ Economia & Mercado Evolução do Emprego Formal (%) Taxa de Vacância (%) 2º Trimestre 215 Economia & Mercado O aumento da desaprovação do governo pelos eleitores e a crise política continuam afetando a confiança dos empresários

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

QUALIDADE DE PRODUTO ISO 9126

QUALIDADE DE PRODUTO ISO 9126 Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software QUALIDADE DE PRODUTO ISO 9126 Prof. Luthiano Venecian 1 Agenda Conceito ISO/IEC Série

Leia mais

Ano VI Número 10 Junho de 2006 Periódicos Semestral AS NORMAS ISO. MARIANI, Édio João. Docente Unesp/Marília e Faef/Garça edio@cristorei.com.

Ano VI Número 10 Junho de 2006 Periódicos Semestral AS NORMAS ISO. MARIANI, Édio João. Docente Unesp/Marília e Faef/Garça edio@cristorei.com. AS NORMAS ISO MARIANI, Édio João Docente Unesp/Marília e Faef/Garça edio@cristorei.com.br RESUMO Uma norma técnica é um documento estabelecido por consenso e aprovado por um organismo reconhecido que fornece,

Leia mais

PROJETO SERIALIZAÇÃO. Projeto Serialização DHL

PROJETO SERIALIZAÇÃO. Projeto Serialização DHL PROJETO SERIALIZAÇÃO Projeto Serialização DHL 1 Serialização SETRM 2015 DEUTSCHE POST DHL DHL Supply Chain é parte do Grupo Deutsche Post com presença global e extensivo portifólio em serviços Logísticos

Leia mais

SEGURANÇA FÍSICA & LÓGICA DE REDES. Material Complementar de Estudos

SEGURANÇA FÍSICA & LÓGICA DE REDES. Material Complementar de Estudos SEGURANÇA FÍSICA & LÓGICA DE REDES Material Complementar de Estudos O que é a Organização ISO A ISO - Internacional Organization for Stardardization - é maior organização para Desenvolvimento e publicação

Leia mais

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS

LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA PAÍSES MEMBROS 1 LISTA DE REPRESENTAÇÕES SOI 2012 AGÊNCIA INTERNACIONAL DE ENERGIA ATÔMICA AIEA ÁFRICA DO SUL ARÁBIA SAUDITA BRASIL CANADÁ COREIA DO SUL EGITO EQUADOR HOLANDA ITÁLIA JORDÂNIA NÍGER SUÉCIA ALEMANHA ARGENTINA

Leia mais

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1

FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono. Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 FISIPE a via Europeia para entrar no negócio da Fibra de Carbono Março 2012 Instituto de Defesa Nacional 1 Fibra de Carbono um negócio com fortes barreiras à entrada Precursor Custos de Operação Tecnologia

Leia mais

Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes

Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes Longevidade e Impactos na Previdência Social Desenvolvimentos Recentes Seminário Valor Econômico: O Futuro do Mercado de Previdência, Seguros e Resseguros Rio de Janeiro, 28 de maio de 2014 Por: Helmut

Leia mais

BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro

BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro BARRAS DYWIDAG GRP Enfilagem, Pregamento e Tirantes em Fibra de Vidro 2 Conteúdo Introdução... 3 Campos de Aplicação... 4 Principais Vantagens... 4 Descrição do Sistema... 4 Componentes do Sistema... 4

Leia mais

Modelos de Qualidade de Produto de Software

Modelos de Qualidade de Produto de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Modelos de Qualidade de Produto de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo

Leia mais

ITSM based on ISO/IEC 20000

ITSM based on ISO/IEC 20000 FUNDAMENTOS ITSM based on ISO/IEC 20000 Oficial EXIN Preparatório para o exame EX0-103 Baseado na norma ABNT NBR ISO 20000:2011 2010-2012 PMG Education Todos os direitos Reservados ISO/IEC 20000 FOUNDATION

Leia mais

Maximizando os Incentivos à Inovação

Maximizando os Incentivos à Inovação TAX CIESP Maximizando os Incentivos à Inovação R&D Tax Incentives Proposta para prestação de serviços profissionais Agosto de 2014 Agenda Ambiente de Inovação e Incentivos Incentivos Fiscais à Inovação

Leia mais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais

Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Evolução Nacional da Sociedade da Informação e Comparações Internacionais Forum para a Sociedade da Informação Aveiro, 10 Mar 2006 Luis Magalhães Presidente da UMIC Agência para a Sociedade do Conhecimento,

Leia mais

Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160

Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160 Rio Collection 1 2 3 4 Bra Top: BT 3331 Color: 160 Short: SH 4069 Color: 160 5 6 Tank Top: TT 4286 Color: 477 Bra Top: BT 3331 Color: 160 Legging: LE 4069 Color: 160 Rio Collection Bra Top: BT 3331 Color:

Leia mais

Serviços de telefonia. condições de prestação

Serviços de telefonia. condições de prestação Serviços de telefonia móvel: preços e condições de prestação Audiência pública na Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática do Senado Federal Ercio Alberto Zilli Presidente Executivo

Leia mais

www.dalecarnegie.com. Programa de Treinamentos De Alta Performance

www.dalecarnegie.com. Programa de Treinamentos De Alta Performance www.dalecarnegie.com. Programa de Treinamentos De Alta Performance Copyright 2007 Dale Carnegie & Associates, Inc. 290 Motor Parkway Hauppauge, New York 11788 All rights reserved. Tabela de Conteúdos 1.

Leia mais

Sistemas de Informação

Sistemas de Informação Sistemas de Informação Segurança da Informação Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Norma: ISO/IEC NBR 27001 e ISO/IEC NBR 27002 Histórico O BSi (British Standard Institute) criou a norma BS 7799,

Leia mais

RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO. Representação nas reuniões dos Maintenance Teams do Technical Committee 31 da IEC

RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO. Representação nas reuniões dos Maintenance Teams do Technical Committee 31 da IEC RELATÓRIO DE PARTICIPAÇÃO Representação nas reuniões dos Maintenance Teams do Technical Committee 31 da IEC São Paulo, Brasil 17 a 18 de novembro de 2008 Estellito Rangel Jr. 1. OBJETIVO Apresentar um

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

Organismos de Certificação

Organismos de Certificação Organismos de Certificação Programação Horário Assunto Responsável 15:00 15:05 Breve Apresentação Institucional Marco A. B. Roque - (IEX) 15:05 15:15 Curva de Aprendizado Demandas Atendidas Marco A. B.

Leia mais

Políticas para Inovação no Brasil

Políticas para Inovação no Brasil Políticas para Inovação no Brasil Naercio Menezes Filho Centro de Políticas Públicas do Insper Baixa Produtividade do trabalho no Brazil Relative Labor Productivity (GDP per Worker) - 2010 USA France UK

Leia mais

Análise estratégica sobre a ABNT NBR ISO 50001 e as oportunidades para o mercado de eficiência energética Parte 1

Análise estratégica sobre a ABNT NBR ISO 50001 e as oportunidades para o mercado de eficiência energética Parte 1 54 Capítulo VI Análise estratégica sobre a ABNT NBR ISO 50001 e as oportunidades para o mercado de eficiência energética Parte 1 Este artigo apresenta o histórico de desenvolvimento da Norma Internacional

Leia mais

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012

Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais. OECD e da Europa. Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Integrando informação, indicadores e melhoria: experiências internacionais sobre assistência à saúde da OECD e da Europa Niek Klazinga, QualiHosp Sao Paulo, April 3th 2012 Por que a qualidade do cuidado

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 23 de Maio AGENDA HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00

Leia mais

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo

ED 2068/09. 16 junho 2009 Original: inglês. Obstáculos ao consumo ED 2068/09 16 junho 2009 Original: inglês P Obstáculos ao consumo 1. Cumprimentando os Membros, o Diretor-Executivo recorda-lhes que, de acordo com o Artigo 33 do Convênio Internacional do Café de 2001

Leia mais

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2

Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Aplicando Avaliações de Contextualização em Processos de Software Alinhados ao nível F do MR-MPS V1.2 Marcello Thiry 1 2, Christiane Gresse von Wangenheim 1 2, Alessandra Zoucas 1 2 1 (II-MPS.BR) Incremental

Leia mais

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro

JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro JORGE SUKARIE NETO Campos de Jordão. 19 de Setembro HORÁRIO ATIVIDADE LOCAL 07h00 Café da Manhã Restaurante Principal 08h45 Abertura Brasoftware Salão Tangará 10h00 Business Suite Salão Nobre 13h00 Almoço

Leia mais

Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil

Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil Programa MPS.BR e Modelo MPS: A Evolução da Qualidade de Software no Brasil 1. Qualidade de Software: motivação para o foco no processo, características dos processos de software e abordagens para melhoria

Leia mais

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas

Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Cenário e Oportunidade de vendas nas óticas Claudia Bindo Gerente de Novos Negócios GfK 2013 1 Empresas de Ótica & Eyewear Pesquisa do Mercado Global feita para você TM Apresentação corporativa GfK 2013

Leia mais

Gestão de Riscos Realidade e Tendências no Brasil VII International Workshop on Conformity Assessment Módulo

Gestão de Riscos Realidade e Tendências no Brasil VII International Workshop on Conformity Assessment Módulo Gestão de Riscos Realidade e Tendências no Brasil VII International Workshop on Conformity Assessment Alberto Bastos, PMI-ACP, CISSP, CGEIT, CRISC, MCSO abastos@modulo.com.br Diretor de Tecnologia da Módulo

Leia mais

O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social

O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social O Papel da Educação no Desenvolvimento Econômico e Social Naércio Aquino Menezes Filho Instituto Futuro Brasil, Ibmec São Paulo e USP 1ª Jornada da Educação - TCE - 04/12/2008 Roteiro 1) Introdução O papel

Leia mais

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado

Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Empreender em Portugal: Rumo a um Empreendedorismo Sustentado Patrícia Jardim da Palma Professora Universitária no ISCSP Coordenadora do Hélios Directora do INTEC ppalma@iscsp.utl.pt Agenda O empreendedorismo

Leia mais

Estratégias Kodak para Brasil e Região. Emerson Stein

Estratégias Kodak para Brasil e Região. Emerson Stein Estratégias Kodak para Brasil e Região Emerson Stein Agenda Um pouco sobre a Kodak Mercado Gráfico Brasileiro Estratégias Kodak Planos de Crescimento no Brasil O mercado gráfico tem percebido uma maior

Leia mais

Qualidade. na Gestão de Serviços TI ISO/IEC 20000. Luís Vidigal. Lisboa 24 de Outubro de 2008

Qualidade. na Gestão de Serviços TI ISO/IEC 20000. Luís Vidigal. Lisboa 24 de Outubro de 2008 Qualidade na Gestão de Serviços TI ISO/IEC 20000 Luís Vidigal itsmf Portugal Lisboa 24 de Outubro de 2008 Agenda 1. O que é a itsmf? 2. A Certificação ISO/IEC 20000 O que é a itsmf? A itsmf no mundo Única

Leia mais

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL

Global leader in hospitality consulting. Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL Global leader in hospitality consulting Global Hotel Market Sentiment Survey 1 Semestre 2014 BRASIL % DE RESPOSTAS POR REGIÃO INTRODUÇÃO Américas 19% Ásia 31% A pesquisa global de opinião sobre o mercado

Leia mais

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso

Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade em Software PBQP SW Melhoria de Processo de Software baseado no Modelo MPS.BR nível G - Um Estudo de Caso Categoria 2.36: Métodos de Gestão Soltin - Soluções

Leia mais

A futura ISO 2600 PERMITIDA A REPRODUÇÃO DESDE QUE PREVIAMENTE AUTORIZADA PELO INSTITUTO ETHOS/UNIETHOS

A futura ISO 2600 PERMITIDA A REPRODUÇÃO DESDE QUE PREVIAMENTE AUTORIZADA PELO INSTITUTO ETHOS/UNIETHOS A futura ISO 2600 PERMITIDA A REPRODUÇÃO DESDE QUE PREVIAMENTE AUTORIZADA PELO INSTITUTO ETHOS/UNIETHOS A ISO Criada em 1946 para promover e desenvolver normas e atividades que facilitem o comércio internacional

Leia mais

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS

ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS ACESSOS À BVS-PSI MEDIDOS PELO GOOGLE ANALYTICS 1º. Semestre 2013 O Google Analytics é um serviço gratuito oferecido pelo Google que permite analisar as estatísticas de visitação de um site. Este é o primeiro

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias

Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias Sistemas de Informação para a Saúde: Normas e Recomendações Europeias Caparica, 3 de Dezembro de 2015 Comissão Técnica CT199 - Sistemas de Informação para a Saúde Objetivos da CT 199 Participar nas votações

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO

FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO FORUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO Educação Profissional e Tecnológica Sergio Moreira BRASIL ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2013/2014 Ranking Global de Competitividade BRICS: 2006 a 2013 Brasil ficou em 56º

Leia mais

Projeto 2.32, Ciclo 2004

Projeto 2.32, Ciclo 2004 Programa Brasileiro de EQPS, Manaus, AM Qualidade e Produtividade 31 de outubro de 2005 Projeto 2.32, Ciclo 2004 Consolidação de uma Metodologia para Avaliação de Processos de Software (para a melhoria)

Leia mais

ISO - 9126. Aécio Costa

ISO - 9126. Aécio Costa ISO - 9126 Aécio Costa A evolução da Qualidade do Produto Qualidade = funcionalidade Confiabilidade Realização de funções críticas Produto de qualidade = sem bugs Controle de qualidade Teste do produto

Leia mais