Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social"

Transcrição

1 Modelos de atuação (business models) no novo contexto do investimento social André Ribeiro Coutinho, sócio e agente de inovação pela Symnetics e professor da HSM Educação e Business School São Paulo. Wendeline Van Der Feltz, consultora da Symnetics e expert em estratégias para organizações que atuam com ISP. Introdução O ecossistema do Investimento Social Privado (ISP) tem passado por importantes mudanças nos últimos anos e as organizações que atuam com o ISP têm percebido a necessidade de repensar seus modelos de relacionamento com stakeholders, de forma que se mantenham relevantes e gerando impacto social. Partindo de tendências identificadas junto aos principais atores no ISP no Brasil 1 pretendemos mostrar o quão vital é que as organizações estejam aptas a responder ao novo contexto do ISP repensando a maneira como se organizam para gerar valor à sociedade, ou seja, pelo seu modelo de atuação. Respostas pontuais serão sempre insuficientes, ameaçando a continuidade e coerência estratégica destas organizações junto aos seus púbicos. Institutos, fundações e outras entidades que procuram alinhar sua estratégia às exigências do contexto em que atuam aumentam a probabilidade de impacto de suas ações, sejam no campo da influência em políticas públicas, mobilização de diferentes atores, intervenções na educação, entre outras. Ofereceremos alguns exemplos e ainda um processo para (re)design do modelo de atuação. Tendências do ISP O conceito de Investimento Social Privado (ISP) tem suscitado calorosas discussões quando se tenta definir suas fronteiras. Devido à necessidade de clareza e transparência no setor, o esclarecimento conceitual deverá solucionar a batalha de irmãos entre o que o ISP e a Sustentabilidade almejam, clarificando origem e destino de recursos e evitando a canibalização entre as iniciativas das empresas. Um avanço nesse aspecto é a integração cada vez maior de indicadores ambientais e sociais, como pode ser observado nestes últimos anos nos relatórios de sustentabilidade e balanços sociais das empresas. 1 Gostaríamos de agradecer ao GIFE que organizou em janeiro/2014 um encontro com mais de 100 representantes do ISP brasileiro para reflexão e discussão das tendências que afetam o setor.

2 O cenário econômico e social complexo forma o pano de fundo do investimento social. O crescimento díspar entre as regiões impossibilitam uma leitura única do Brasil, obrigando a pensar no todo mas atentar às particularidades e realidades de cada região, antes de implementar qualquer intervenção de impacto. Por outro lado, o crescimento econômico baixo brasileiro não impediu que o ISP continuasse crescendo em torno de 8% nos últimos anos 2. De uma maneira geral se questiona como nunca a capacidade de execução e impacto gerado pelo ISP nas suas ações diretas e indiretas. Na execução e gestão desses investimentos é visível, por exemplo, as queixas frequentes da dimensão das intervenções (muitas locais, de baixo impacto), a baixa capacidade técnica dos agentes municipais locais e a dificuldade de acelerar a execução dos projetos de caráter público-privado. Por outro lado e mesmo diante das dificuldades, a sociedade civil já percebe uma mudança no papel das organizações que operam com ISP, antes vistas com papel de espelho do Governo e de construtor crítico de políticas sociais. Hoje ganham respeito e notoriedade da sociedade como organizações que produzem ações concretas de impacto e visíveis a todos. Presenciamos a entrada em cena de novas fontes de financiamento. Não só quem mas também como financiar o ISP toma formas interessantes: o crowdfunding, em que um grande número de pessoas doa um valor relativamente baixo (geralmente facilitado por um ambiente online) para um determinado programa, já é uma realidade. Isto significa que ser investidor social privado fica ao alcance de um novo segmento de pessoas de recursos financeiros abaixo do nível de investidor privado tradicional. Por outro lado assistimos a práticas como o payroll giving, que se baseia na folha de pagamento e isenções associadas. A cultura de doação e a sofisticação das ferramentas que a tornam possível estão aumentando e se fortalecendo, se bem que devemos conter o nosso entusiasmo, visto nenhuma destas ferramentas estar amplamente adotada ou difundida. Apesar das fontes de recursos privados (sejam eles organizações ou indivíduos) terem por si só a missão de realizar um impacto social positivo, a sua atuação ganha em escala e eficácia quando aliada às respectivas políticas públicas. Se por um lado o foco de atuação do ISP complementa ou substitui a atuação governamental nas diferentes áreas como educação, por outro lado encontra um aliado no governo para amplificar o seu impacto e continuidade. E é exatamente essa descontinuidade de alinhamento com políticas públicas que enfraquece o impacto do ISP, sendo que se deve buscar a colaboração em rede pública e privada. Por sua vez, o governo detém o papel vital de criar um ambiente propício para o amadurecimento do ISP, articulando uma agenda legislativa que minimize a incerteza diante dos marcos regulatórios pelo qual o setor anseia para realizar o seu potencial. Neste campo, a falta de aprovação de regulação entre o público e privado poderá levar a uma insegurança jurídica de efeito nefasto, pois potenciais (novos) atores se contêm no avanço 2 Censo GIFE

3 com atividades de investimento social. A discussão de incentivos fiscais para pessoas físicas e a entrada em vigor da lei anticorrupção são sinais esperançosos de consolidação e desenvolvimento do setor neste campo. O alinhamento do ISP não é só importante no âmbito de políticas públicas mas também no contexto das atividades de marketing e promoção das empresas privadas. Assim observamos um investimento social cada vez mais vinculado à cadeia de valor das empresas, mas fica o alerta para reflexão sobre as estratégias utilizadas e a efetividade deste processo. A fim de poder avaliar o impacto e eficácia das suas atividades de investimento social, são principalmente as empresas que atribuem um alto valor à importância de métricas de avaliação e impacto. Entende-se que a uniformização de métricas e a profissionalização na sua aplicação apóiam o movimento de cada vez mais empresas e organizações direcionarem os seus recursos privados para o bem público. Desta forma, o profissionalismo e pragmatismo do setor privado ganham espaço nos investimentos sociais. Um caso promissor é a IRIS, que se refere ao conjunto de métricas aplicadas a investimentos de impacto social, e que prova ser uma referência na decisão de investidores de Wall Street na avaliação de oportunidades de negócio de impacto social 3. No Brasil, o setor anseia por um desenvolvimento semelhante. É também visível o impacto e influência crescente de novas tecnologias digitais está possibilitando e ainda irá possibilitar as organizações que atuam com ISP. De acordo com o jornalista Robert Scoble 4 forças vão modificar a atuação das organizações nos próximos anos: mobilidade, mídias sociais, dados (big data, analytics) e sensores. 4 Entram em cena novos atores, por exemplo jovens empreendedores sociais que com um modo de pensar diferente apostam neste tipo de empreendimento como carreira. Modelos de atuação para o ISP Desde cedo aprendemos que existem 4 movimentos possíveis de quem quer fazer algo diferente: 1. jogar melhor o jogo ; 2. adaptar-se às novas regras do jogo ; 3. mudar as regras do jogo ; 4. criar um novo jogo. O jogo do qual estamos falando é o do Investimento Social Privado e as regras do jogo, o contexto (de tendências) em que ele está inserido. Ao (re)pensar a estratégia e o papel das 3 Global Impact Investment Network IRIS, <http://iris.thegiin.org/giirs>. 4 The Age of Contexto, de Robert Scoble e Shel Israel, Patrik Brewster Press, 2014

4 organizações que atuam com ISP exercem na sociedade, a pergunta que lideranças e gestores destas organizações devem fazer é se a maneira como estão arquitetadas para gerar valor aos stakeholders (o modelo de atuação ou business model) é o mais efetivo. 1. é o caminho estratégico trilhado pela maioria das organizações, sobretudo aquelas que têm histórico de sucesso, mas não necessariamente o futuro é uma continuidade (para melhor) do passado, sobretudo se mudou o contexto; 2. é uma decisão sensata, para continuar no novo jogo, estar em linha com as tendências (sociais, econômicas, tecnológicas, ambientes ou políticas-regulatórias) e no mínimo dar uma resposta satisfatória aos stakeholders; 3. é em geral difícil pois envolve alterações de políticas ou regimentos que impactam e razão de ser das organizações; ou demanda uma nova governança, algo que compete aos conselhos de administração (ou de curadores) resolver; 4. é tarefa de no máximo 5% das organizações, são elas as verdadeiras inovadoras pois desafiam o paradigma e o modo de pensar vigente e ainda alteram completamente o patamar de desempenho dos stakeholders e impacto gerado pelas suas inovações no ISP. A seguir listamos algumas mudanças percebidas nos últimos anos em alguns modelos de atuação de organizações sociais, não necessariamente vinculadas ao ISP, mas com forte propósito de gerar ações de impacto junto à sociedade: Observatório Acompanhamento dos movimentos, tendências, indicadores e práticas. Novos modelos de atuação: consideram os múltiplos canais existentes hoje (físicos e virtuais) e as diferentes mídias para potencializar o impacto das ações. Operam de forma cocriativa com a sociedade, mobilizando diferentes atores online e offline e fazem uma gestão ativa dos vários stakeholders. Referência: Transparency International, Agenda 2020 Rio Grande do Sul e Nossa São Paulo. Formação Educação para aprendizagem de profissionais. Novos modelos de atuação: consideram tecnologias digitais de ensino à distância e para self learning. Procuram incorporar métodos efetivos para uma aprendizagem significativa. Referências: mooc.org e Incubadora ou aceleradora de projetos Articuladora de projetos de coinvestimento em áreas estratégicas. Novos modelos de atuação: consideram a entrada de empreendedores sociais e startups. Articulam parceiras público-privadas com o governo na efetiva implementação de políticas públicas. Referências: e Advocacy Atuação pela defesa de interesses em questões legislativas e regulatórias.

5 Novos modelos de atuação: valendo-se do know how de redes (inteligentes), de forma rapida e eficientemente articulam posicionamentos das partes interessadas e mobilizam atores em defesa de determinados pleitos. Referências: European Women s Lobby e Confederação Nacional da Indústria (CNI). Think tank Produção e disseminação de conhecimento orientado a produzir posicionamentos e recomendações de políticas. Novos modelos de atuação: incorporam cada vez mais conhecimento cocriado com especialistas e com diferentes stakeholders partir de redes de conhecimento nacionais e internacionais. Referências: Carnegie Endowment for International Peace e International Center for Climate Governance. Crowdfunding Financiamento de iniciativas com a colaboração da sociedade por meio de microfinanciamentos ou microdoações. Novos modelos de atuação: utilizam o canal digital Referências: donorschoose.org e Rede de profissionais e organizações Construção de rede de relacionamento e articulação para a troca de conhecimentos, experiências e networking. Novos modelos de atuação: incorporam redes sociais digitais; contam com ferramentas de análise (big data; analytics) para conhecer o perfil, ativar e influenciar seus membros. Referências: The Water Network e The Guardian Professional Networks Atuação direta em projetos Operação com projetos finalísticos de impacto no público alvo. Novos modelos de atuação: para algumas empresas o investimento social se tornou o 5 o P do marketing. Por exemplo, na Europa em % dos consumidores utilizaram o propósito social como critério de compra dos produtos. Segundo estudo da AKATU de 2012, o brasileiro pagaria mais por produtos com Propósito Social. A questão passa a ser de estratégia: como conectar o ISP de maneira ética e responsável à estratégia do negócio? As empresas vêm procurando conhecer melhor seus clientes e a relevância que os mesmos atribuem ao investimento social das empresas, como é o caso do estudo feito na Alemanha pela GFK 5. Referência: edutopia.org e catalyst-academy.org. 5 GFK Corporate Responsibility Study de 2009.

6 Princípios e processo para (re)design dos modelos de atuação (business model) O que seria então fazer o (re)design do modelo de atuação? O modo de pensar do design é diferente daquele normalmente empregado na gestão empresarial convencional. Eles não substituem a gestão empresarial mas propõem um novo enfoque para a resolução de problemas e desafios estratégicos: 1. Estar aberto para o novo Designers olham para frente em busca de novas possibilidades e não atrás para dados e informações do passado. A essência da inovação no modelo de atuação é que não se sabe de antemão o que ela será, portanto, no início de qualquer desafio, reconhecemos que não sabemos a resposta e ficamos abertos a novas ideias que ainda não estão nem mesmo na estrutura do nosso pensamento atual. Isto contrasta com a gestão convencional, em que as decisões se baseiam numa análise cuidadosa de dados e informações conhecidas, são elaborados planos para prever o futuro e as operações são controladas para seguir o plano. Preparar para a inovação é um grande desafio no nível dos executivos da organização, normalmente treinados e recompensados por sua capacidade de controlar, gerar segurança e confiabilidade e alcançar aquilo que foi previsto. A abordagem de design requer que a organização se comprometa com uma jornada cujo destino desconhece. Os designers aceitam esse pulo no desconhecido, na complexidade: para eles é confortável usar processos abdutivos em que a criação precede a análise. O trabalho do designer em um mundo complexo passa a ser de criar ou ajustar conexões entre coisas que antes eram desconexas. 2. Mostrar empatia com suas partes interessadas Os designers procuram a inspiração nos clientes, influenciadores e outras partes interessadas e não na orientação de especialistas. Para um designer, a inspiração vem de ver ou ouvir as pessoas. Vamos estudá-los como se fôssemos antropólogos ou sociólogos aprendendo acerca de uma tribo recém-descoberta. Guiamo-nos mais pelo modo como eles vêem o mundo e menos como os especialistas vêem o mundo. Desenvolvendo empatia com as pessoas, somos capazes de criar a partir do ponto de vista delas. 3. Focar na experiência Os designers criam de fora para dentro. Eles não começam pelas restrições: começam projetando a experiência ideal para os clientes e stakeholders para depois encontrar formas criativas de materializar esta experiência. Mas experiências vão além dos produtos e serviços e dizem respeito à subjetividade e emoção das pessoas. As experiências são multidimensionais e requerem uma equipe multi-disciplinar para o design. É comum em equipes de design pessoas com formações tão distintas como biologia, filosofia, engenharia, física e administração. Em especial, uma boa equipe é formada por pessoas que entendem as restrições e possam trabalhar dentro delas, mas também por pessoas que simplesmente não veem restrições e trabalham fora delas.

7 4. Fazer um protótipo e aperfeiçoar Os designers fazem protótipos para aprender, aperfeiçoar e depois implantar: o protótipo é a linguagem da experiência. Quando a gente se depara com a incerteza, muitas vezes é mais rápido e barato construir um protótipo e executar o experimento para descobrir. Quando se está aperfeiçoando uma inovação é mais rápido e mais barato construir algo que é imperfeito, para aprender o que é necessário para aperfeiçoá-lo. E quando chega a hora do lançamento e é preciso implementar a ideia na organização, um protótipo é a maneira mais convincente de comunicar o que precisa ser feito. Um protótipo é o modo como se capta corretamente a ideia e como se ajuda uma organização a entender o que vai ser feito, para conseguir o apoio necessário. A seguir apresentamos um processo (geral) de redesign do modelo de atuação. Figura 1: Processo de (Re)Design do Modelo de Atuação das Organizações que atuam com ISP A Exploração (re)formula o desafio estratégico, mapeia o contexto de atuação da organização, quem são os stakeholders, projeta cenários possíveis, prováveis ou desejáveis (a partir de tendências) e encontra novas conexões; interliga os stakeholders por meio de diálogos (cocriativos) ou entrevistas em profundidade, revelando necessidade (não atendidas) preocupações, aspirações e valores humanos e sociais (ou seja, aquilo que é relevante para as pessoas), utilizando esta compreensão como fonte de inspiração. A Análise cria sentido das pesquisas e das informações; constrói alguns frames para

8 melhor visualização dos achados e formula insights para o novo modelo, gerando possibilidades e oportunidades. A Síntese gera conceitos, ideias e novos significados, que vão modificar a experiência dos stakeholders. E traduz tudo em um modelo de atuação, que considera, entre outros elementos, a linha de produtos, serviços e programas; a proposta de valor; o perfil dos públicos; os canais de comunicação e relacionamento com os públicos; quem serão os parceiros; como será a fonte de receita, entre outros (vide abaixo a representação do modelo de atuação). Além disso, prototipa, testa, valida (com os próprios stakeholders) e refina o modelo. A fase de Realização articula as ideias em modelos de atuação, planeja a implementação e a inicia como se fosse startup, ou seja, experimentando, iterando e colhendo feedback, modificando e ajustando continuando a proposta original do novo modelo. Figura 2: Frame do Modelo de Atuação, adaptado do business model canvas de Alex Osterwalder. Referências para aprofundar os conceitos e métodos apresentados neste artigo Business Design livros Design de Negócios de Roger Martin (editora Elsevier), Design para Negócios de Heather Frase (editora Elsevier) e Business Model Generation de Alex Osterwalder. Cocriação livro O Paradigma da Cocriação de Venkat Ramaswamy, com lançamento previsto em julho/2014 pela editora Atlas e A Empresa Cocriativa, de Venkat Ramaswamy e Francis Gouillart (editora Elsevier).

9 Gestão da Complexidade - livro Pensando Diferente e Sustentabilidade e Complexidade de Humberto Mariotti (ambos da editora Atlas) Integrative Thinking livro Integração de Ideias de Roger Martin (editora Elsevier) Tendências: trendwatching.com, revista Monocle e revista The Alpine Review.

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY

CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY CURSO FERRAMENTAS DE GESTÃO IN COMPANY Instrumental e modular, o Ferramentas de Gestão é uma oportunidade de aperfeiçoamento para quem busca conteúdo de qualidade ao gerenciar ações sociais de empresas

Leia mais

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014

Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Universidade Anhembi Morumbi Especialização em Inovação em Tecnologias Educacionais Avaliação Encerramento 2/2014 Proposta Geral de Trabalho DESIGN THINKING PARA EDUCAÇÃO ALUNAS Paula Tauhata Ynemine RA

Leia mais

O que são Comunidades Online

O que são Comunidades Online O que são Comunidades Online e quais são as oportunidades para Pesquisa de Mercado No mundo atual, os consumidores estão mais empoderados para tomar as suas decisões em sua jornada para satisfazer seus

Leia mais

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH

Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Aula 07 Planejamento Estratégico de RH Objetivos da aula: Nesta aula o objetivo será Apresentar uma visão diferenciada sobre como as ações integradas de planejamento estratégico de Recursos Humanos (RH)

Leia mais

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa

Trabalho sobre Social Media Como implementar Social Media na empresa Como implementar Social Media na empresa 1 As razões: Empresas ainda desconhecem benefícios do uso de redes sociais Das 2,1 mil empresas ouvidas em estudo do SAS Institute e da Harvard Business Review,

Leia mais

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores!

Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Empreendedores Apostamos em quem acredita, confiamos em quem arrisca, e somos muito apaixonados por quem empreende. Por isso, criamos o B.I. Empreendedores! Por meio de um método de aprendizagem único,

Leia mais

Alimentamos Resultados

Alimentamos Resultados Alimentamos Resultados www..pt Somos uma equipa que defende que cada empresa é única, tem as suas características e necessidades e por isso cada projeto é elaborado especificamente para cada cliente. Feed

Leia mais

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.)

Resenha. Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Resenha Inovação: repensando as organizações (BAUTZER, Daise. São Paulo: Atlas, 2009.) Patrícia Morais da Silva 1 Superar as expectativas do mercado atendendo de forma satisfatória as demandas dos clientes

Leia mais

Como facilitar sua Gestão Empresarial

Como facilitar sua Gestão Empresarial Divulgação Portal METROCAMP Como facilitar sua Gestão Empresarial Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Gestão Empresarial de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por que empresas precisam de

Leia mais

CRI Centro de Referência em Inovação. CRI Nacional

CRI Centro de Referência em Inovação. CRI Nacional CRI Nacional Relatório: 10 de Dezembro de 2014 ABERTURA Professor Hugo Tadeu e Carlos Arruda O professor Hugo Tadeu, coordenador do Centro de Referência em Inovação Nacional, fez a abertura do encontro

Leia mais

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação

biblioteca Cultura de Inovação Dr. José Cláudio C. Terra & Caspar Bart Van Rijnbach, M Gestão da Inovação O artigo fala sobre os vários aspectos e desafios que devem ser levados em consideração quando se deseja transformar ou fortalecer uma cultura organizacional, visando a implementação de uma cultura duradoura

Leia mais

Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação

Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação Visão de Futuro (2022), Competitividade & Inovação Roberto A. Paranhos do Rio Branco Vice-Presidente do CONIC-FIESP São Paulo, 29 de Abril de 2014 CONIC Conselho Superior de Inovação e Competitividade

Leia mais

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração

Entrepreneurship Lab Inovação, Desempenho e Crescimento Porque Educação Executiva Insper Cursos de Curta e Média Duração 1 Porque Educação Executiva Insper A dinâmica do mundo corporativo atual exige profissionais multidisciplinares, capazes de interagir e formar conexões com diferentes áreas da empresa e entender e se adaptar

Leia mais

CGBA Certificate in Global Business Administration

CGBA Certificate in Global Business Administration CGBA Certificate in Global Business Administration Desafios Internacionais, Líderes Globais O CERTIFICATE IN GLOBAL BUSINESS ADMINISTRATION O Certificate in Global Business Administration (CGBA), criado

Leia mais

Rodrigo da Rocha Loures Presidente do CONIC-FIESP

Rodrigo da Rocha Loures Presidente do CONIC-FIESP Estratégias para a Inovação e Empreendedorismo Ecossistemas Regionais de Inovação, por meio do Empreendedorismo de Base Tecnológica e empresas Startups de Classe Mundial Visão de Futuro (2022), Competitividade

Leia mais

Design Estratégico e Inovação

Design Estratégico e Inovação Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Perfil do Líder no Paraná

Perfil do Líder no Paraná Perfil do Líder no Paraná O importante é não parar nunca de questionar Albert Einstein Em 2006, a Caliper do Brasil, empresa multinacional de consultoria em gestão estratégica de talentos, buscando inovar,

Leia mais

GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014

GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014 GEEF Grupo de Estudos de Empresas Familiares Gvlaw OUT/2014 Quem sou eu em 3 fases Há 18 anos Reinventando identidade Pessoas Governança Familiar PMC Mesa Coerentia Ekilibra Marketing Lage e Magy Itau

Leia mais

Projeto Empreendedores Cívicos

Projeto Empreendedores Cívicos Projeto Empreendedores Cívicos I. Conceito Empreendedores Cívicos são agentes de inovação social que fomentam e promovem transformações positivas em benefício da coletividade rumo a um Brasil Sustentável.

Leia mais

Design Thinking O que é?

Design Thinking O que é? DESIGN THINKING O que é? É o conjunto de métodos e processos para abordar problemas, relacionados à aquisição de informações, análise de conhecimento e propostas de soluções. Como uma abordagem, é considerada

Leia mais

Conheça ferramentas comuns do dia-a-dia dos empreendedores que podem ser utilizadas no desenvolvimento e na gestão de campanhas políticas.

Conheça ferramentas comuns do dia-a-dia dos empreendedores que podem ser utilizadas no desenvolvimento e na gestão de campanhas políticas. EMPREENDEDORISMO ELEITORAL Trazendo conhecimento, técnicas e habilidades aplicadas pelos empreendedores de STARTUPS para o mercado político brasileiro. EM BRASÍLIA 6 e 7 NOV 2015 PRIMEIRA TURMA 20 participantes

Leia mais

O papel do CFO na estratégia corporativa

O papel do CFO na estratégia corporativa O papel do CFO na estratégia corporativa Paola Sardi Madueño, Diretora de Estratégia da Monitor Deloitte Dezembro 2014 Tendências globais (1/2) Embora com pesos diferentes, existem algumas tendências globais

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS RECURSOS HUMANOS DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Organização, sistemas e métodos

Organização, sistemas e métodos Organização, sistemas e métodos Giancarlo Giacomelli gsgiacomelli@gmail.com Administrador Especialista em Educação Profissional Pós-MBA em Gestão da Inovação Agente Autônomo de Investimentos Avaliador

Leia mais

Evento técnico mensal

Evento técnico mensal Evento técnico mensal GERENCIAMENTO DE CARREIRA PARA O SUCESSO DO GESTOR DE PROJETOS Fernanda Schröder Gonçalves Organização Apoio 1 de xx APRESENTAÇÃO Fernanda Schröder Gonçalves Coordenadora do Ibmec

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

Faça você mesmo seu modelo de gestão Canvas, seguindo um guia de 7 passos

Faça você mesmo seu modelo de gestão Canvas, seguindo um guia de 7 passos Faça você mesmo seu modelo de gestão Canvas, seguindo um guia de 7 passos Pesquisas revelam que 45% da receita de uma organização são gerados pelos melhores gestores da empresa.você quer desenhar a sua

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital

1 Introdução. 1.1 A Nova Era Digital 11 1 Introdução Com o advento da nova era da internet, conhecida com web 2.0, e o avanço das tecnologias digitais, o consumidor passa a ter maior acesso à informação bem como à facilidade de expressar

Leia mais

Fashion Marketing & Communication

Fashion Marketing & Communication Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

MODELAGEM DE NEGÓCIOS CANVAS

MODELAGEM DE NEGÓCIOS CANVAS MODELAGEM DE NEGÓCIOS CANVAS Uma nova maneira de desenvolver o seu negócio... Leal alex.leal @ ba.sebrae.com.br (75) 3321 2153 NOSSO CONTEÚDO A empresa e suas visões As diferenças entre o Canvas e o Plano

Leia mais

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014

Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro. Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 Gestão da Inovação no Contexto Brasileiro Hugo Tadeu e Hérica Righi 2014 INTRODUÇÃO Sobre o Relatório O relatório anual é uma avaliação do Núcleo de Inovação e Empreendedorismo da FDC sobre as práticas

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade

Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade Estruturando o modelo de RH: da criação da estratégia de RH ao diagnóstico de sua efetividade As empresas têm passado por grandes transformações, com isso, o RH também precisa inovar para suportar os negócios

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROGRAMA ONLINE VIVA DE ADVOCACIA

APRESENTAÇÃO PROGRAMA ONLINE VIVA DE ADVOCACIA APRESENTAÇÃO PROGRAMA ONLINE VIVA DE ADVOCACIA Experiência Comprometimento Capilaridade Entendimento Brasil São Paulo Rio de Janeiro Salvador Recife Londrina J JUSTIFICATIVAS O Operador do Direito no Brasil

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Gestão da Inovação no Setor Público

Gestão da Inovação no Setor Público Gestão da Inovação no Setor Público A METODOLOGIA DO OCTÓGONO DA INOVAÇÃO NO SETOR PÚBLICO. Elaborado por: Felipe Ost Scherer Sócio Fundador da Innoscience Consultoria em Gestão da Inovação Outubro de

Leia mais

Programa SPRINT da Academia de Inovação e Empreendedorismo Introdução à Formação de Pós-graduação em Inovação e Empreendedorismo

Programa SPRINT da Academia de Inovação e Empreendedorismo Introdução à Formação de Pós-graduação em Inovação e Empreendedorismo Programa SPRINT da Academia de Inovação e Empreendedorismo Introdução à Formação de Pós-graduação em Inovação e Empreendedorismo Visão geral Este programa irá compartilhar o acesso do mais recente currículo

Leia mais

1. Objetivo. 2. Gente. #SocialehLegal

1. Objetivo. 2. Gente. #SocialehLegal #SocialehLegal 1. Objetivo Facilitar o encontro entre profissionais e empresas iniciantes de base tecnológica (startups) que precisam de apoio para desenvolver suas ideias, além de melhorar e facilitar

Leia mais

Consciências de Desempenho Empresarial

Consciências de Desempenho Empresarial Quando o Design Thinking surgiu como uma alternativa para Solucionar Problemas, apresentando um novo perfil de raciocínio, considerando as partes interessadas como eixo de referência, ousando em pensar

Leia mais

O QUE SOMOS UNIQUENESS

O QUE SOMOS UNIQUENESS O QUE SOMOS A ANPEI É A ÚNICA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA MULTISETORIAL E INDEPENDENTE QUE REÚNE OS PRINCIPAIS PROFISSIONAIS QUE PRATICAM INOVAÇÃO ANCORADA EM TECNOLOGIA E GERAÇÃO DE NEGÓCIOS DE ALTO VALOR AGREGADO

Leia mais

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics

Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Apresentação por Leonardo Melo melo.leonardo@ieee.org Universidade Federal de Juiz de Fora PET Elétrica IEEE Institute Of Electrical and Electronics Engineers Prefácio O Engenheiro 2020 Como será ou deveria

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

Company Profile 2014

Company Profile 2014 Company Profile 2014 A NOSSA 1. História 2. Conceito 3. Cultura 4. Estratégia de posicionamento 5. Oferta de serviços 6. Comunicação 7. Carteira de clientes 8. Estratégia de crescimento 9. Rede de escritórios

Leia mais

Pós Graduação em Gestão do Entretenimento

Pós Graduação em Gestão do Entretenimento Pós Graduação em Gestão do Entertainment Business Management Público - alvo Indicado para profissionais e empreendedores que necessitam de habilidades e ferramentas para a atuação no setor de gestão, nas

Leia mais

O PT se afastou. De suas origens. Eduardo suplicy: O jornalismo impresso tem futuro? As experiências que deram certo pelo mundo

O PT se afastou. De suas origens. Eduardo suplicy: O jornalismo impresso tem futuro? As experiências que deram certo pelo mundo política, cultura & negócios eduardo tessler O jornalismo impresso tem futuro? desafio Brasil As experiências que deram certo pelo mundo Brasil Nuno Ramos: Faço arte para surpreender, não para escandalizar

Leia mais

Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website.

Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website. marketing e comunicação SITE E IMAGEM INSTITUCIONAL Profissionais que pretendam adquirir conhecimentos, técnicas e metodologias, ao nível da comunicação online, através de um website. Entender o enquadramento

Leia mais

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio

CBA. Comércio Internacional PÚBLICO-ALVO COMPLEMENTAÇÃO ACADÊMICA MATERIAL DIDÁTICO. Internacional. Comércio CBA Comércio Internacional Comércio Internacional A intensidade das relações comerciais e produtivas das empresas no atual contexto econômico tem exigido das empresas um melhor entendimento da complexidade

Leia mais

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO

PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE APRENDIZAGEM MBA E PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL MBA e Pós-Graduação Cursos inovadores e alinhados às tendências globais Nossos cursos seguem modelos globais e inovadores de educação. Os professores

Leia mais

Regulamento. Competição Sua Ideia na Prática. Edição Rio de Janeiro 2015.2

Regulamento. Competição Sua Ideia na Prática. Edição Rio de Janeiro 2015.2 Competição Sua Ideia na Prática Edição Rio de Janeiro 2015.2 1. Objetivo: A competição de empreendedorismo universitária Sua Ideia na Prática tem como objetivo desenvolver a confiança empreendedora no

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROGRAMA ONLINE VIVA DE ADVOCACIA

APRESENTAÇÃO PROGRAMA ONLINE VIVA DE ADVOCACIA APRESENTAÇÃO PROGRAMA ONLINE VIVA DE ADVOCACIA Experiência Comprometimento Capilaridade Entendimento Brasil São Paulo Rio de Janeiro Salvador Recife Londrina J JUSTIFICATIVAS O Operador do Direito no Brasil

Leia mais

O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira

O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira O COACHING É UM PROCESSO ESTIMULANTE E CRIATIVO entre coach e cliente que inspira a elevação do potencial pessoal e profissional para superar desafios e atingir resultados. E a dedicação exclusiva da Korkes

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

Recursos Próprios. Amigos e Familiares

Recursos Próprios. Amigos e Familiares Recursos Próprios Chamado de booststrapping, geralmente é a primeira fonte de capital utilizada pelos empreendedores. São recursos sem custos financeiros. O empreendedor tem total autonomia na tomada de

Leia mais

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa.

Forma de coleta e período. Apresentação dos dados. Realização FSB Pesquisa. Forma de coleta e período Nesta pesquisa exploratória, as entrevistas foram pessoais e telefônicas, tendo sido realizadas entre 25 de novembro de 2014 e 10 de abril de 2015. As entrevistas com os líderes

Leia mais

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital.

Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse programa visa a organização contínua e a efetividade do Processo Único de Federação, que contará com a inserção de um edital. Esse terá suas etapas e prazos muito bem definidos, garantindo um processo

Leia mais

Pé na tábua. De olho em empreendimentos com potencial de crescimento rápido e ideias inovadoras, aceleradoras ganham espaço no cenário nacional

Pé na tábua. De olho em empreendimentos com potencial de crescimento rápido e ideias inovadoras, aceleradoras ganham espaço no cenário nacional Shutterstock Pé na tábua De olho em empreendimentos com potencial de crescimento rápido e ideias inovadoras, aceleradoras ganham espaço no cenário nacional POR CAMILA AUGUSTO Já existem dezenas delas nos

Leia mais

AMÉRICA LATINA INTRODUÇÃO

AMÉRICA LATINA INTRODUÇÃO ANDREA NACCACHE NÚCLEO DE CRIAÇÃO INTRODUÇÃO AMÉRICA LATINA Uma rede de profissionais especializada em processos criativos e de inovação, que trabalha com algumas das mais importantes marcas do planeta,

Leia mais

O que fazer com os resultados do meu QEMP?

O que fazer com os resultados do meu QEMP? Nome: Alex Carvalho Introdução A Clinton Education desenvolveu o QEMP (Quociente Empreendedor), uma ferramenta de avaliação autoadministrada que auxiliar empreendedores e intraempreendedores no entendimento

Leia mais

Startups na UE. Startups na UE. Da idealização à concretização

Startups na UE. Startups na UE. Da idealização à concretização Startups na UE Da idealização à concretização 1 DO QUE TRATAMOS HOJE? Subvenções, instrumentos financeiros e outros mecanismos que potenciem a criação e o reconhecimento de startups. As novas empresas,

Leia mais

Educação Empreendedora

Educação Empreendedora Educação Empreendedora José Dornelas.br Agenda Conceitos Metodologias e referências mundiais Estado da arte O que ainda precisa ser feito Exemplos Empreendedorismo + Inovação = Prosperidade Empreendedorismo

Leia mais

Como internacionalizar Marketing e Vendas

Como internacionalizar Marketing e Vendas Divulgação Portal METROCAMP Como internacionalizar Marketing e Vendas Aplique o CANVAS - montando o seu(!) Modelo de Internacionalização de Marketing e Vendas de Werner Kugelmeier WWW.wkprisma.com.br Por

Leia mais

NOVO EMPREENDEDORISMO. Copyright 2015 Symnetics Todos os direitos reservados

NOVO EMPREENDEDORISMO. Copyright 2015 Symnetics Todos os direitos reservados NOVO EMPREENDEDORISMO Copyright 2015 Symnetics Todos os direitos reservados NOSSO PAINEL Alemanha Itália Suíça Alex Colin México Guatemala Colômbia André Equador Brasil Sergio Chile Argentina Copyright

Leia mais

POOL DE INOVAÇÃO POR QUE O POOL DE INOVAÇÃO É DIFERENTE?

POOL DE INOVAÇÃO POR QUE O POOL DE INOVAÇÃO É DIFERENTE? POOL DE INOVAÇÃO O Pool de Inovação é um curso de curta duração que utiliza metodologias de aprendizagem modernas para introduzir os conceitos e as práticas de inovação e empreendedorismo. O curso pretende

Leia mais

Público alvo: Iniciante; Autônomo; Equipe Jovem; Gestor Sênior

Público alvo: Iniciante; Autônomo; Equipe Jovem; Gestor Sênior Projeto:"Arquitetando seu negócio" OFICINA Nº 1 Planejando Arquitetura Slogan: Design de Negócio Objetivo: Orientar os arquitetos sobre os conceitos relativos ao planejamento empresarial, seu desenvolvimento,

Leia mais

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação)

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) Rua Castilho 90 2ºesq 1250-071 Lisboa, Portugal Rua José Gomes Ferreira nº219 - Aviz 4150-442 Porto, Portugal info@beill.pt / www.beill.pt Sobre A Beill

Leia mais

MBA Gestão da Tecnologia de Informação

MBA Gestão da Tecnologia de Informação MBA Gestão da Tecnologia de Informação Informações: Dias e horários das aulas: Segundas e Terças-feiras das 18h00 às 22h00 aulas semanais; Sábados das 08h00 às 12h00 aulas quinzenais. Carga horária: 600

Leia mais

SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo

SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo SOU UMA STARTUP, E AGORA? Descubra algumas respostas para o futuro da sua Startup baseado nas lições do Empreendedorismo Empreendedor Empresas Micro e Pequenas Empreender Empreendedorismo Cultural Ação

Leia mais

COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016

COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016 COMMUNITY MANAGER CERTIFICAÇÃO LISBOA E PORTO: 3 DE FEVEREIRO DE 2015 A 7 DE JULHO DE 2015 LISBOA: 18 DE SETEMBRO DE 2015 A 15 ABRIL DE 2016 18 DIAS / 90 HORAS MAXIMIZAR A SUA COMUNIDADE E ANIMAR EM COERÊNCIA

Leia mais

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 IV. Visão Geral do Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015 Quem disse que nada é impossível? Tem gente que faz isso todos os dias!. Alfred E. Newman O Mapa Estratégico da Indústria Capixaba 2008/2015

Leia mais

Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região PLENÁRIA

Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região PLENÁRIA Conselho Regional de Biblioteconomia 7ª Região CRB 7ª PLENÁRIA Programação 18:00 às 19:30 Apresentação dos trabalhos desenvolvidos pelo CRB 7ª 19:30 às 20:30 Palestra Empreendedorismo e Intraempreendedorismo

Leia mais

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação

Curso Geral de Gestão. Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Curso Geral de Gestão Pós Graduação Participamos num processo acelerado de transformações sociais, políticas e tecnológicas que alteram radicalmente o contexto e as

Leia mais

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão

Disciplinas Liderança Organizacional Inteligência de Execução Produtividade em Gestão Disciplinas Liderança Organizacional O processo de formação e desenvolvimento de líderes. Experiências com aprendizagem ativa focalizando os conceitos e fundamentos da liderança. Liderança compartilhada.

Leia mais

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO

ARKETING INTERNET SEO CRIATIVIDADE AGÊNCIA CRIAÇÃO DESIGN CRIAÇÃO AGÊNCIA USABILIDA ARKETING INTERNET SEO DIGIT CRIATIVIDADE DESDE 1999 NO MERCADO, A M2BRNET É UMA AGÊNCIA DE MARKETING DIGITAL ESPECIALIZADA EM SOLUÇÕES PERSONALIZADAS. SI ARQ Desde 1999

Leia mais

Sustentabilidade nos Negócios

Sustentabilidade nos Negócios Sustentabilidade nos Negócios Apresentação O programa Gestão Estratégica para a Sustentabilidade foi oferecido pelo Uniethos por nove anos. Neste período os temas ligados à sustentabilidade começam a provocar

Leia mais

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS

CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS CBA EM GESTÃO DE NEGÓCIOS O CBA em Gestão de Negócios é um curso que proporciona aos participantes sólidos fundamentos em gestão e liderança. O programa tem o objetivo de formar

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL REDE GAZETA Vitória, ES Janeiro 2010. 1ª Revisão Janeiro 2011. 2ª Revisão Janeiro 2012. POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DA REDE GAZETA IDENTIDADE CORPORATIVA Missão

Leia mais

A gestão de risco, no topo da agenda

A gestão de risco, no topo da agenda A gestão de risco, no topo da agenda 4 KPMG Business Magazine Ambiente de incertezas e estagnação econômica traz novos desafios em GRC O gerenciamento de riscos permanece no topo da agenda corporativa

Leia mais

www.canvasacademy.com.br

www.canvasacademy.com.br www.canvasacademy.com.br Em parceria com a Master Coach Paula Quaiser, o Master Coach e empresário Maurício Sampaio, traz para São Paulo o mais inovador método de coaching de carreira: o Canvas Coaching.

Leia mais

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler

Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler Faculdade Internacional de Curitiba MBA em Planejamento e Gestão Estratégica Mapas Estratégicos Prof. Adriano Stadler AULA 5 - PERSPECTIVA DE APRENDIZADO E CRESCIMENTO Abertura da Aula Uma empresa é formada

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Seu futuro é o nosso compromisso. O presente documento visa trazer em seu conteúdo o posicionamento do INFRAPREV frente aos desafios propostos e impostos pelo desenvolvimento sustentável. Para formular

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social

Palavras-chave Ação social, Comunicação, Investimento social privado, Responsabilidade Social Título Desafios na Comunicação da Ação Social Privada 1 Autores Prof. Dr. Paulo Nassar, professor da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo e presidente da ABERJE Associação Brasileira

Leia mais

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000

INDICADORES ETHOS. De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 INDICADORES ETHOS De Responsabilidade Social Empresarial Apresentação da Versão 2000 Instrumento de avaliação e planejamento para empresas que buscam excelência e sustentabilidade em seus negócios Abril/2000

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O INVESTIMENTO SOCIAL

GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O INVESTIMENTO SOCIAL GRUPO DE TRABALHO PORTUGUÊS PARA O INVESTIMENTO SOCIAL Reunião de sub-grupo 3 Outubro 2015 REUNIÃO INTERMÉDIA 7 de Novembro de 2014 GRUPO DE TRABALHO PARA O INVESTIMENTO SOCIAL O Grupo de Trabalho (GT)

Leia mais

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA.

CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. CompuStream Plano de Negócios COMPUSTREAM CONSULTORIA LTDA. A CompuStream, empresa especializada em desenvolvimento de negócios, atua em projetos de investimento em empresas brasileiras que tenham um alto

Leia mais

INaudax incubação 360

INaudax incubação 360 INaudax incubação 360 Incubação Necessidades, Conceitos INaudax Valores, Orientações Etapas, Soluções INCUBAÇÃO necessidades, conceitos Portugal necessita de plataformas para a inovação baseadas no empreendedorismo.

Leia mais

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA

MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA MANUAL DE TRANSIÇÃO DE MARCA Mudança da Marca e Posicionamento Esse boletim explicativo tem o objetivo de esclarecer suas dúvidas sobre a nova marca Evolua e de que forma ela será útil para aprimorar os

Leia mais

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL

CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL CONSULTORIA DE DESENVOLVIMENTO ORGANIZACIONAL Somos especializados na identificação e facilitação de soluções na medida em que você e sua empresa necessitam para o desenvolvimento pessoal, profissional,

Leia mais

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação

Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Programa do Curso de Pós-Graduação Lato Sensu MBA em Gestão de Tecnologia da Informação Apresentação O programa de Pós-graduação Lato Sensu em Gestão de Tecnologia da Informação tem por fornecer conhecimento

Leia mais

www.agenciadecocriacao.com.br 2

www.agenciadecocriacao.com.br 2 1 www.agenciadecocriacao.com.br 2 www.agenciadecocriacao.com.br www.agenciadecocriacao.com.br 4 Ignoramos nossas Ideias... www.agenciadecocriacao.com.br 5 www.agenciadecocriacao.com.br 6 www.agenciadecocriacao.com.br

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI

Estratégias em Tecnologia da Informação. Planejamento Estratégico Planejamento de TI Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 7 Planejamento Estratégico Planejamento de TI Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a

Leia mais

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS

FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS FDC E SUA RESPONSABILIDADE COMO UMA ESCOLA DE NEGÓCIOS IV CONFERÊNCIA INTERAMERICANA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL EMPRESARIAL RIAL Cláudio Boechat Fundação Dom Cabral 12 DE DEZEMBRO, 2006 F U N D A Ç Ã O

Leia mais

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente

Conselho Deliberativo Nacional Roberto Simões Presidente. Diretoria Executiva Luiz Barretto Diretor-Presidente SISTEMA SEBRAE DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO 2013-2022 1 2 2012 Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas Sebrae Todos os direitos reservados. A reprodução não autorizada desta publicação,

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

Você sabe onde quer chegar?

Você sabe onde quer chegar? Você sabe onde quer chegar? O Ibmec te ajuda a chegar lá. Gabriel Fraga, Aluno de Administração, 4º periodo, Presidente do Ibmex, Empresa Jr. Ibmec. Administração Ciências Contábeis Ciências Econômicas

Leia mais

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS.

GUIA DE SOCIAIS EM REDES BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. GUIA DE BOAS PRÁTICAS EM GESTÃO DO ATENDIMENTO E RELACIONAMENTO EM REDES SOCIAIS MELHORES PRÁTICAS. MELHORES RESULTADOS. APRESENTAÇÃO OBJETIVO A ABA - Associação Brasileira de Anunciantes, por meio de

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação GESTÃO POR COMPETÊNCIAS Metodologia de implantação Maria Rita Gramigna A gestão por competências é um programa executado através de blocos de intervenção, que se sucedem de forma simultânea ou passo-a-passo.

Leia mais