UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE CHAPECÓ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE CHAPECÓ"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE CHAPECÓ GABRIEL CARLOS VIVIAN PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS INTEGRADO AO ERP GESCOOPER Chapecó SC 2011

2 GABRIEL CARLOS VIVIAN PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS INTEGRADO AO ERP GESCOOPER Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Sistemas de Informação, da Universidade do Oeste de Santa Catariana (UNOESC) para obtenção do grau de bacharel. Prof. Orientador (a): Prof.ª Carla de A. M. Basso, M.Sc. Chapecó SC 2011

3 GABRIEL CARLOS VIVIAN PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS INTEGRADO AO ERP GESCOOPER Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso de Sistemas de Informação, da Universidade do Oeste de Santa Catariana (UNOESC) para obtenção do grau de bacharel. Aprovada em: 03 / 07 / 2011 Prof. M.Sc. Carla A. Martins Basso Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC Prof. M.Sc. Tiago Zonta Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC Prof. Esp. José Luiz Cunha Quevedo Universidade do Oeste de Santa Catarina - UNOESC

4 AGRADECIMENTOS Agradeço à minha mãe, Maria, pelas palavras de incentivo e ao meu pai, Delcino Vivian, pelo apoio. Agradeço, com muito amor, à minha namorada, Daiane, por estar sempre ao meu lado e pela sua compreensão. Agradeço aos meus amigos da Infogen Sistemas pelo apoio e por emprestarem seus celulares para os meus testes. Agradeço aos meus amigos da faculdade. Agradeço ao meu irmão, Rafael Vivian, que sempre leu o meu trabalho e pelo seu apoio. Agradeço ao professor Rafael Leite pelo material disponibilizado que tanto me auxiliou. Agradeço à minha orientadora, Carla Basso, que sempre respondeu as minhas perguntas seja em sala ou pelo Skype, por acreditar no meu trabalho e aceitar esse desafio.

5 "Ninguém cresce escondendo conhecimento. Todos se desenvolvem em conjunto, uns aprendendo com o que outros ja desbravaram" (Autor Desconhecido)

6 RESUMO Este trabalho apresenta um protótipo de aplicativo para dispositivos móveis, que tem como objetivo agilizar o processo de geração de pedidos realizados pelos vendedores das cooperativas agrícolas que utilizam o Enterprise Resource Planning (ERP) desenvolvido pela Infogen Sistemas, o GesCooper. Utilizando Web Services para integração com o GesCooper e Java Micro Edition (JME) para desenvolvimento do aplicativo que será executado no dispositivo móvel. O trabalho inicia-se com a revisão da literatura onde é apresentado as tecnologias e ferramentas estudadas e que serão utilizadas para o desenvolvimento do protótipo. Em seguida é apresentado como foram utilizadas essas tecnologias e ferramentas a fim de desenvolver o protótipo proposto. Palavras-Chave: Web Service, J2ME, Dispositivos Móveis.

7 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1. Tipos de Sistema de Informação 17 Figura 2. Edições da Linguagem Java e seus alvos de aplicação 22 Figura 3. Perfil de Informação Móvel - Hierarquia de Classes 24 Figura 4. Armazém de Registros 25 Figura 5. Ciclo de vida do MIDlet 27 Figura 6. Modelo básico Web Service 30 Figura 7. Arquitetura de um Web Service baseado em SOAP 32 Figura 8. Estrutura básica do WSDL 32 Figura 9. Clientes que possuem vendedores externos 38 Figura 10. Vendedores com dificuldade de enviar os pedidos 39 Figura 11. Clientes com vendedores externos e que possuem dificuldade de 39 comunicação Figura 12. Empresas que possuem software para envio de pedidos 40 Figura 13. Empresas com interesse na solução 40 Figura 14. Arquitetura do protótipo 41 Figura 15. Diagrama de Entidade Relacionamento 45 Figura 16. WSDL Cadastro de Usuários 46 Figura 17. Resultado da execução do método validarusuário 47 Figura 18. WDSL Transacionadores 47 Figura 19. Resultado da execução do método listartransacionadores 48 Figura 20. WSDL Formas 49 Figura 21. Resultado da execução do método listarformas 49 Figura 22. WSDL Produtos 50 Figura 23. Resultado da execução do método listrarprodutos 50 Figura 24. WSDL ProdutosLevel4 51 Figura 25. Resultado da execução do método listrarprodutoslevel4 51 Figura 26. WSDL PedVendas 52 Figura 27. Converter J2ME MIDP (JAD) para Android pacote (APK) 53 Figura 28. Diagrama de Caso de Uso 54

8 Figura 29. Fluxo de execução da MIDlet 59 Figura 30. Tela de inicialização do aplicativo 60 Figura 31. Tela de login da aplicação 61 Figura 32. Tela de início do aplicativo 61 Figura 33. Tela inicial do pedido 62 Figura 34. Tela de consulta dos clientes 62 Figura 35. Tela de consulta das formas de pagamento 63 Figura 36. Tela de consulta dos produtos 64 Figura 37. Tela de consulta dos itens do pedido 64 Figura 38. Tela de confirmação do envio do pedido 65 Figura 39. Tela do pedido do ERP GesCooper 65

9 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Documentação do Caso de Uso CSU Tabela 2 Documentação do Caso de Uso CSU Tabela 3 Documentação do Caso de Uso CSU Tabela 4 Documentação do Caso de Uso CSU Tabela 5 Documentação do Caso de Uso CSU Tabela 6 Documentação do Caso de Uso CSU Tabela 7 Documentação do Caso de Uso CSU007 58

10 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS API Application Programming Interface APK Android Pacote BI Business intelligence CRM Customer relationship management CD-ROM Compact Disk Ready Only memory CLDC Connected Limited Device Configuration ERP Enterprise Resource Planning EJB Enterprise JavaBeans HTML HyperText Markup Language HTTP Hypertext Transfer Protocol HTTPS HyperText Transfer Protocol secure IDC International Data Corporation IDE Integrated Development Environment IIS Internet Information Server J2 Java 2 J2ME Java Micro Edition JAD Java Application Descriptor JAR Java Archive JDBC Java Database Connectivity JDK Java Development Kit JNDI Java Naming and Directory Interface JPA Java Persistence API JSP Java Server Pages JVM Java Virtual Machine KVM K Virtual Machine MIDP Mobile Information Device Profile PHP Hypertext Preprocessor RIM Research In Motion UML Unified Modeling Language

11 XML WWW Extensible Markup Language World Wide Web

12 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS REVISÃO DA LITERATURA COOPERATIVA PRINCÍPIOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO ERP MOBILIDADE E DISPOSITIVOS MÓVEIS MITOS RELACIONADOS AO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES MÓVEL TECNOLOGIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS JAVA J2ME - JAVA MICRO EDITION Configurações Componentes visuais RMS Record Management System MIDP Mobile Information Device Profile MIDlets FERRAMENTAS NETBEANS TOMCAT GLASSFISH WEB SERVICES XML - LINGUAGEM DE MARCAÇÃO EXTENSÍVEL SOAP - SIMPLE OBJECT ACCESS PROTOCOL WSDL - WEB SERVICES DESCRIPTION LANGUAGE CAMPO OU ÁREA DE ESTUDO DESCRIÇÃO DA EMPRESA GESCOOPER... 34

13 4. MÉTODO DELIMITAÇÃO DO ESTUDO, MÉTODO E COLETA DE DADOS CARACTERIZAÇÃO DO ESTUDO DEFINIÇÃO DA POPULAÇÃO E DA AMOSTRA TÉCNICA DE ANALISE E INTERPRETAÇÃO DE DADOS QUESTOES DE PESQUISA APRESENTACAO E ANÁLISE DOS RESULTADOS ANÁLISE DOS RESULTADOS DESENVOLVIMENTO DO PROTÓTIPO REQUISITOS FUNCIONAIS REQUISITOS NÃO FUNCIONAIS SERVIDOR DIAGRAMA DE CLASSE ER DIAGRAMA DE ENTIDADE RELACIONAMENTO CRIAÇÃO DO WEB SERVICE CLIENTE CASO DE USO DIAGRAMA DE CLASSE FLUXO DE EXECUÇÃO DA MIDLET Demonstração da execução da MIDlet CONCLUSÃO REFERÊNCIAS APÊNDICES APÊNDICE A QUESTIONÁRIO APÊNDICE B DIAGRAMA DE CLASSE WEB SERVICE APENDICE C DIAGRAMA DE CLASSE MIDLET... 76

14 1. INTRODUÇÃO O sucesso das empresas está totalmente vinculado à velocidade com que as informações são assimiladas e pela rapidez que como são tomadas as decisões. Os componentes que fundamentam a Tecnologia de Informação são os grandes precursores desse sucesso e os dispositivos móveis são grandes aliados, permitindo conectividade que outros dispositivos não possuem, facilitando a comunicação com outros sistemas. Utilizando os recursos que os dispositivos móveis oferecem, o desenvolvimento de aplicações para esses equipamentos tende a aumentar. Entre os recursos, há o ambiente Java, que está cada vez mais presente no dia a dia das pessoas, seja em produtos fixos ou móveis, de uso pessoal ou de consumo (CASTELO, 2010). Com o intuito de colaborar com a qualidade do serviço de atendimento aos clientes da Infogen Sistemas, oferecendo a eles um diferencial de mercado, este trabalho visa ao desenvolvimento de um protótipo de aplicativo que permita aos vendedores das cooperativas registrarem os seus pedidos por meio de um dispositivo móvel, utilizando aparelhos com recursos como o Java. O aplicativo que será implementado neste trabalho será desenvolvido com a linguagem Java para equipamentos portáteis, conhecido como Java Micro Edition (J2ME).

15 OBJETIVOS Nesta seção, são apresentados os objetivos gerais e específicos do trabalho Objetivo geral O objetivo deste trabalho é prover uma solução através do desenvolvimento de um protótipo para registrar pedidos de venda utilizando dispositivos móveis, integrado com o sistema de gestão da Infogen Sistemas, o GesCooper Objetivos específicos Estudar uma linguagem de desenvolvimento voltada para dispositivos móveis; Desenvolver a integração com o sistema de gestão da Infogen Sistemas, utilizando tecnologias móveis; Propor uma solução através de um protótipo integrado ao sistema de gestão da Infogen Sistemas, utilizando tecnologia para dispositivos móveis; Permitir a comunicação online entre os sistemas.

16 2. REVISÃO DA LITERATURA 2.1. COOPERATIVA As cooperativas têm aumentado em todo o mundo, principalmente a partir de meados do século passado. O Cooperativismo teve início na Inglaterra devido às necessidades dos agricultores, artesãos e operários se organizarem como forma de defesa frente às situações de mercado (REVISTA DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS, 2005). A mais expressiva concretização do pensamento cooperativista é a Cooperativa de Consumo dos Pioneiros de Rochdale, criada em 1843, através da associação de 28 tecelões de Rochdale, conhecida como Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale Limitada, os quais pretendiam melhorar suas condições de vida e realizar uma reforma social mais ampla (REVISTA DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS, 2005). Cooperativas são empresas sem fins lucrativos, pois têm o homem como sua principal finalidade, formada pela união de pessoas voltadas para o mesmo objetivo, buscando satisfazer suas necessidades. Trata-se de uma organização democrática e participativa Princípios Segundo a Revista de Ciências Empresarias (2005), a Sociedade dos Probos Pioneiros de Rochdale, considerada a mãe das cooperativas, aplicava sete princípios básicos que permitiram o seu crescimento. Com o tempo surgiram outras cooperativas a exemplo de Rochdale, utilizando como base seus princípios. Assim, a Revista de Ciências Empresariais (2005) apresenta os princípios do sucesso do cooperativismo listados abaixo. 1º. Adesão voluntária e livre: as cooperativas são organizações voluntárias, abertas a todas as pessoas aptas a utilizar seus serviços e assumir

17 16 responsabilidades com as pessoas associadas à cooperativa, sem discriminações sociais, raciais, políticas, religiosas e de sexo. 2º. Gestão democrática pelos membros: as cooperativas são organizações democráticas, controladas pelos seus cooperados, que participam ativamente na formulação de suas políticas e na tomada de decisões. Os homens e as mulheres, eleitos como representantes de outros membros, são responsáveis perante estes. 3º. Participação econômica dos membros: os cooperados contribuem equitativamente para o capital de suas cooperativas e o controlam democraticamente. Parte desse capital deve ser propriedade comum da Cooperativa. Os cooperados recebem, habitualmente, uma remuneração pequena sobre seu capital subscrito, como condição de sua adesão. 4º. Autonomia e independência: as cooperativas são organizações autônomas, de ajuda mútua, geridas pelos seus membros. Se firmarem acordos com outras organizações - incluindo instituições públicas - ou recorrerem a capital externo, devem fazê-lo em condições que assegurem o controle democrático pelos seus cooperados e nas quais se mantenha a autonomia das cooperativas. 5º. Educação, formação e informação: as cooperativas promovem a educação e a formação dos seus cooperados, dos representantes eleitos e dos trabalhadores, de forma que possam contribuir eficazmente para o desenvolvimento da instituição. Informam ao público em geral, particularmente aos jovens e aos líderes de opinião, a natureza e as vantagens da cooperação. 6º. Intercooperação: ativa cooperação entre as cooperativas em plano local, nacional e internacional. Trabalhando em conjunto, servem de forma mais eficaz a seus membros e dão mais força ao movimento cooperativo. 7º. Interesse pela comunidade: as cooperativas trabalham para o desenvolvimento sustentado das suas comunidades, através de políticas aprovadas pelos membros. Contribuem, concretamente, para tornar a sociedade mais justa e os valores humanos mais respeitados. A boa aceitação no mercado permite que elas façam a diferença na vida social, cultural e econômica das pessoas. Até hoje esses princípios são mantidos e fazem com que as cooperativas se diferenciem das empresas tradicionais.

18 SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistema de informação tem como elemento principal a informação. O objetivo do sistema de informação é armazenar informações, coletando, processando e transformando em informação, de forma que ela possa auxiliar os processos da organização (OLIVEIRA, 2000). Para atender os diferentes níveis de interesse de uma organização é necessário entender os diferentes tipos de sistemas definidos por Oliveira (2000), em que se pode destacar quatro níveis: Nível Estratégico, Nível Gerencial, Nível Conhecimento e Nível Operacional, o que pode ser observado na Figura 1. Figura 1 - Tipos de Sistema de Informação. Fonte: Apostila da disciplina de Sistemas de Informação. Unoesc/SOS. Aula do dia 05/04/2010 (Prof.ª Carla de A. M. Basso). Nível Estratégico: ajudam a alta administração a planejar o curso da ação, em longo prazo. Envolvem diretamente questões e objetivos das organizações, produtos, serviços e sobrevivência. Auxiliam no processo de tomada de decisão (produção de novos produtos, investimento em nova tecnologia, mudança de localidade / mercado). Nível Gerencial: fundamentam-se sobre problemas voltados para a gerência intermediária, como atingir os objetivos e como controlar e avaliar o processo para atingir tais objetivos. Podem ser utilizados em aplicações tais como

19 18 acompanhamento de vendas para análise do sucesso das vendas anuais ou mensais, ou ainda para revisão de orçamentos departamentais (evitar desperdícios). Nível de Conhecimento: sistemas utilizados para auxiliarem os especialistas e profissionais do conhecimento, profissionais que criam, distribuem e usam o conhecimento e informação em benefício da empresa para que estes possam projetar produtos, racionalizar serviços e lidar com documentos. Nível Operacional: sistemas que registram as operações dos funcionários técnicos, de produção, serviços e operações rotineiras das atividades da empresa ERP Enterprise Resource Planning (ERP) é um sistema integrado que pode otimizar os trabalhos da empresa. O software integra dados de diferentes departamentos da empresa, compartilhando informações através do processamento lógico, alimentando todos os módulos do sistema, em tempo real, automatizando tarefas repetitivas que não geram valor à empresa, permitindo realocar funcionários para outras tarefas, gerando maior produtividade à empresa e a redução do trabalho (NORRIS et al., 2001). A implantação de um ERP pode afetar a estrutura da empresa, podendo levála a rever seus processos de negócio, comprometendo principalmente os funcionários e forçando a realinhar seus processos (NORRIS et al., 2001). O ERP é um sistema importante para as organizações, pois, através da integração de seus módulos e seus inúmeros relatórios, podem disponibilizar informações importantes de transações, as quais são utilizadas pelo gestor como apoio as decisões.

20 MOBILIDADE E DISPOSITIVOS MÓVEIS A capacidade de se movimentar ou ser movimentado com facilidade pode ser definido como mobilidade. Segundo Lee (2005), no contexto de computação móvel, mobilidade se refere ao uso pelas pessoas de dispositivos móveis portáteis, que têm a capacidade de realizar funções capazes de conectar-se, obtendo dados e apresentando-os para os usuários (LEE et al., 2005). Para que um dispositivo seja considerado móvel, ele deve possuir certas características como portabilidade, permitindo que seja transportado com facilidade pelo usuário. De acordo com Lee (2005), o dispositivo que pode oferecer melhor mobilidade tem as seguintes características: portabilidade, usabilidade, funcionalidade e conectividade (LEE et al., 2005). Segundo Araujo (2006) dispositivos móveis podem ser celulares, pagers, PDAs ou qualquer aparelho que permita a comunicação em qualquer lugar e a qualquer hora. Com o passar do tempo e usuários mais exigentes, esses dispositivos evoluíram, ganhando cada vez mais novos recursos e design. Sofisticados recursos como a transferência de voz vêm se tornando apenas funcionalidade básica. O Smatphone, também conhecido como telefone inteligente, é um dispositivo móvel capaz de rodar aplicativos que podem facilitar a comunicação enquanto o usuário se movimenta (ARAUJO, 2006). Esses pequenos computadores de bolso têm como destaque a possibilidade de navegação pela internet e a utilização de outros aplicativos que podem transformar a utilização, tornando o aparelho mais útil e eficiente. De acordo com Cavalcanti (2009), estudos realizados pela International Data Corporation (IDC), a pedido da Research In Motion (RIM), uma das líderes no mercado de Smartphones, revelou que Chile e Colômbia são os países da América Latina mais adiantados na adoção da mobilidade corporativa.

21 Mitos relacionados ao desenvolvimento de aplicações móvel Conforme Lee (2005) existem alguns mitos com relação ao desenvolvimento de aplicações para dispositivos móveis: É fácil: as pessoas parecem pensar que desenvolver aplicações para dispositivos móveis é fácil. De fato, provavelmente é mais difícil. Há muitas dificuldades que precisam ser vencidas, incluindo ergonomia, conectividade e considerações sobre telas de comando reduzido. É rápido: existe a noção de que desenvolver aplicações em dispositivos móveis é, de certo modo, rápido. Na verdade, provavelmente, não será mais rápido ou mais lento que qualquer outro esforço de desenvolvimento de uma aplicação. É barato: nem o desenvolvimento de aplicações móveis nem os dispositivos são necessariamente baratos. A compra de um dispositivo móvel pode sair tão caro quanto um computador desktop.

22 TECNOLOGIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Nesta seção, são apresentados os recursos e tecnologias utilizadas para o desenvolvimento do protótipo JAVA Segundo Niemeyer (2000), Java é uma linguagem de programação que segue o paradigma de programação orientada a objetos desenvolvida pela Sun. Na década de 90, o projeto Java teve início pelo pesquisador Bill Joy, que, segundo Deitel (2001), tornou-se conhecido com o uso da internet, graças a sua capacidade para a criação de aplicações para World Wide Web (WWW). Java é independente de sistema operacional, assim, todo software escrito nessa linguagem de programação pode ser executado em dispositivos com sistema operacional como Symbian, Windows CE, Pocket PC, Palm OS, entre outros. Dessa forma, esses sistemas operacionais requerem uma Java Virtual Machine (JVM) compatível (NIEMEYER, 2000) J2ME - Java Micro Edition Java 2 Micro Edition é uma Application Programming Interface (API) Java voltada para o desenvolvimento de aplicativos que rodam em micro processadores como celulares, PDA, Smartphone que têm poder limitado de processamento (FIORESI, 2007). Segundo Muchow (2004) a inclusão mais revolucionária na família do Java é a Micro Edition, que objetiva ferramentas de informação, variando desde máquinas ligadas à TV habilitadas a internet até telefones celulares. Com a inclusão do Java para dispositivos móveis, tem-se agora acesso aos recursos de uma linguagem de programação fácil de dominar e um ambiente em

23 22 tempo de execução que fornece uma plataforma segura e portável (MUCHOW, 2004). O Java 2, segundo Fioresi (2007), está dividido em: Java 2 Standard Edition (J2SE): tecnologia projetada para computadores pessoais e ambientes de trabalho. Java 2 Enterprise Edition (J2EE): tecnologia direcionada para aplicações baseadas no servidor, contendo suporte interno para JSP (JavaServer Pages), XML (extensible Markup Language) e servlets. Java 2 Micro Edition (J2ME): tecnologia direcionada para dispositivos com poucos recursos computacionais como, por exemplo, Palm s e telefones celulares. A Figura 2 mostra as edições do Java, de acordo com Fioresi (2007). Figura 2 - Edições da Linguagem Java e seus alvos de aplicação Fonte: Adaptado de Fioresi (2007) Em dezembro de 1998, a Sun apresentou o nome Java 2 (J2) para coincidir com o lançamento do Java 1.2. Essa nova convenção de atribuição de nomes se aplica a todas as edições do Java: Standart Edition (J2SE), Enterprise Edition (J2EE) e Micro Edition (J2ME) (MUCHOW, 2004, p. 2).

24 Configurações Segundo Muchow (2004, p.3), com o objetivo de suportar uma ampla variedade de produtos que se encaixam dentro do escopo do J2ME, a Sun Microsystems (Sun) introduziu a Configuração. A Configuração está vinculada a uma máquina virtual Java, a qual define uma plataforma Java para ampla variedade de dispositivos. Os recursos da linguagem Java e as bibliotecas básicas da JVM são definidos para cada configuração em particular (MUCHOW, 2004). A divisão entre as possíveis configurações está baseada na memória, no vídeo, na conectividade de rede e no poder de processamento dos dispositivos (MUCHOW, 2004). De acordo com Muchow (2004), a seguir estão as características típicas dos dispositivos, dentro das duas configurações disponíveis. CDC Configuração de Dispositivo Conectado 512 kilobytes (no mínimo) de memória para executar o Java; 256 kilobytes (no mínimo) de memória para alocação de memória em tempo de execução; conectividade de rede, largura de banda possivelmente persistente e alta. CLDC Configuração de Dispositivo Conectado Limitado 128 kilobytes de memória para executar o Java; 32 kilobytes para alocação de memória em tempo de execução; interface restrita com o usuário; baixo poder, normalmente alimentado por bateria; conectividade de rede, normalmente dispositivos sem fio com largura de banda baixa e aceso intermitente.

25 Componentes visuais Segundo Muchow (2004), através da classe Screen e suas heranças, classificadas como objetos de Interface ou componentes visuais, podem-se adicionar comandos, possibilitando gerenciar as ações do usuário. A seguir, destacam-se quais são os possíveis componentes visuais disponíveis para implementação. Figura 3 - Perfil de Informação Móvel - Hierarquia de Classes Fonte: Adaptado de Muchow (2004, p. 98) TextBox: Tela que permite a entrada de texto. É possível definir qual o tipo de caractere que deve ser digitado e o seu tamanho. Forms: o objeto que pode oferecer algumas limitações, não existem janelas sobrepostas e barra de menus em cascata, mas ele permite adicionar vários componentes na tela, fornecendo rolagem conforme for necessário para acomodar os componentes. List: o objeto que apresenta uma lista de escolhas a qual pode ter três formatos; Múltiple, em que se podem ter n números de elementos selecionais; Exclusive, em que se pode ter apenas um elemento selecionado; e Implicit, em que a seleção de um elemento gera um evento. Alert: o objeto que suporta texto e objetos do tipo Image. Seu uso é opcional e normalmente é utilizado para mostrar mensagens de erro. Existem dois tipo de

26 25 objetos Alert: Modal, em que o objeto fica na tela até o momento em que o usuário dispense ou Cronometrado, em que o objeto fica na tela por um tempo determinado RMS Record Management System Quando se faz referência ao armazenamento e à recuperação de dados em dispositivos móveis, seja qual for a informação que se deseja armazenar, é preciso encontrar uma maneira de gerenciar os dados relacionados ao aplicativo. Quando se fala em desktop, as opções são das mais variadas: Compact Disk Ready Only memory (CD-ROM), unidade de disco local, unidade de disco de rede, Pen Drive etc (MUCHOW, 2004). No caso dos dispositivos móveis, isso se torna um pouco mais complicado e existem algumas preocupações com o tamanho, desempenho e as diferenças entre os fabricantes no que diz respeito ao suporte para sistemas de arquivo e interligação em rede (MUCHOW, 2004). Como uma alternativa ao uso de um sistema de arquivos, o RMS utiliza memória não volátil para armazenar informações. Esse banco de dados orientado para registros, freqüentemente referido como arquivo puro, pode ser imaginado como uma série de fileiras em uma tabela, com um identificador exclusivo para cada fileira. (MUCHOW, 2004, p. 296). A seguir, pode-se visualizar a representação de um Record Management System (RMS), de acordo com Muchow (2004) : Figura 4 - Armazém de Registros Fonte: Adaptado de Muchow (2004, p. 296)

27 MIDP Mobile Information Device Profile Baseando-se na configuração Connected Limited Device Configuration (CLDC), o Mobile Information Device Profile (MIDP) utiliza a K Virtual Machine (KVM) para executar aplicativos em dispositivos móveis, como telefones celulares (GOMES, 2005). Segundo MUCHOW (2004), não há melhor maneira de citar os requisitos de hardware do que simplesmente listá-los um a um. Abaixo os requisitos de Hardware e Software de acordo com MUCHOW (2004): a tela deve suportar pelo menos 96 X 54 pixels; deve haver pelo menos um tipo de entrada de usuário disponível: teclado de mão (teclado de telefone), teclado de duas mãos (teclado padrão dos computadores) ou tela de toque; 128 kilobytes de memória não-volátil (ROM) para executar os componentes Mobile Information Device (MID); pelo menos 8 kilobytes de memória não-volátil (ROM) para os aplicativos armazenarem dados persistentes, como configuração e dados do aplicativo; 32 kilobytes de memória volátil (RAM) para executar o Java; conectividade de rede sem fio. Testar aplicações em equipamentos reais aumenta os custos de desenvolvimento, por este motivo os emuladores são recursos importantes para o desenvolvimento de aplicações Mobile Information Device Profile (MIDP), fornecendo ao desenvolvedor uma ferramenta de testes e correções com todas as características do dispositivo real (SOUZA, 2008, p. 22).

28 MIDlets O aplicativo Java projetado para ser executado em um dispositivo móvel é conhecido como MIDlet e tem como classes do Java básicas a CLDC e o Information Device Profile (MIDP) (MUCHOW, 2004). Dispositivos com suporte ao profile MIDP são capazes de executar aplicações MIDlet desenvolvidas em J2ME. Quando os MIDlets são agrupados, possuem funcionalidades semelhantes em um mesmo pacote, que é chamado de MIDlet Suíte. Os recursos do dispositivo móvel são compartilhados com os membros da mesma Midlet Suíte e executam a mesma KVM (GOMES, 2008). Segundo Gomes (2005), o software de gerenciamento da aplicação do dispositivo interage diretamente com o MIDlet com os métodos de iniciar, pausar e destruir, conforme representado na figura abaixo: startapp(). Figura 5 - Ciclo de vida do MIDlet Fonte: Adaptado de Gomes (2005) Iniciar: é feita a aquisição de recursos, inicializando a execução através do Pausar: é feita a liberação de recursos em que o aplicativo fica em modo de espera, permitindo atender ao telefone enviar ou receber SMS. Esse processo ocorre através do método pauseapp(). Destruir: é feita a liberação de todos os recursos, finalizando o aplicativo. Esse processo acorre através do método detroyapp().

29 28 Segundo Muchow (2004), o MIDlet pode ser executado em qualquer dispositivo contendo a KVM, porém os dispositivos variam de tamanho de tela, cores, teclados e outros aspectos, tornando difícil essa flexibilidade FERRAMENTAS Nesta seção, estão fundamentadas as ferramentas utilizadas para o desenvolvimento do protótipo NetBeans Em meados dos anos 90, dois estudantes de Praga, na República Checa, iniciaram o desenvolvimento do Integrated Development Environment (IDE) Xelfi, desenvolvido totalmente em Java. O nome NetBeans vinha da integração que a ferramenta deveria ter para os então modernos componentes Java Beans (MAGALHÃES et al., 2007). A ligação da Sun com o NetBeans começou em 1999, quando a empresa desistiu de sua IDE Java Workshop e procurou por novas iniciativas. O NetBeans foi adquirido e teve seu nome, durante alguns meses, mudado para Forte for Java. Em 2000, a Sun anunciava que o NetBeans seria uma plataforma Open Source (MAGALHÃES et al., 2007). NetBeans é um ambiente de desenvolvimento integrado de código-fonte aberto gratuito para desenvolvedores de software, escrever, compilar e debugar programas. Esse IDE disponibiliza todas as ferramentas necessárias para criar aplicativos profissionais de área de trabalho, corporativos, Web e móveis, com a plataforma Java, podendo suportar outras linguagens de programação como C/C++, PHP, JavaScript, Groovy e Ruby (MAGALHÃES et al., 2007). A versão do NetBeans utilizada para o desenvolvimento deste trabalho é a versão 6.9.

30 Tomcat O Tomcat é um servidor de aplicações Java para web. É software livre e de código aberto. Surgido dentro do conceituado projeto Apache Jakarta, o Tomcat é robusto e eficiente o suficiente para ser utilizado mesmo em um ambiente de produção (APACHE TOMCAT, 2010) Tecnicamente, o Tomcat é um Container Web, que abrange as tecnologias Servlet e Java Server Pages (JSP), incluindo tecnologias de apoio relacionadas e segurança, Java Naming and Directory Interface (JNDI) Resources e Java Database Connectivity (JDBC) DataSources (APACHE TOMCAT, 2010). O Tomcat tem a capacidade de atuar também como servidor Web/HTTP, ou pode funcionar integrado a um servidor web dedicado como o Apache HTTP ou o Microsoft Internet Information Server (IIS) (APACHE TOMCAT, 2010) GlassFish O projeto do Glassfish foi lançado pela Sun em junho de A primeira versão foi lançada em maio de 2006, a segunda, em setembro de 2007 e, atualmente, a versão mais recente é a terceira versão (PELEGRI et al., 2007). O GlassFish é um servidor de aplicações de código aberto de nível corporativo que oferece desempenho, confiabilidade, produtividade e facilidade de uso superiores a uma fração do custo de servidores de aplicações proprietários. (PELEGRI et al., 2007). Por ser um produto da própria Sun, tem 100% de compatibilidade com o JAVA, permitindo a utilização de ferramentas e serviços como o Enterprise Java Beans (EJB).

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS J2ME PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO JAVA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Ana Paula Carrion 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1, Jaime Willian Dias 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil anapaulacarrion@hotmail.com,

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel

Programação de Computadores - I. Profª Beatriz Profº Israel Programação de Computadores - I Profª Beatriz Profº Israel A linguagem JAVA A linguagem Java O inicio: A Sun Microsystems, em 1991, deu inicio ao Green Project chefiado por James Gosling. Projeto que apostava

Leia mais

Como dito anteriormente, a JCP especificou dois grupos para a J2ME conforme as necessidades dos dispositvos, chamadas Configurações:

Como dito anteriormente, a JCP especificou dois grupos para a J2ME conforme as necessidades dos dispositvos, chamadas Configurações: 1 TECNOLOGIA J2ME A J2ME, Java Micro Edition, é uma tecnologia que permite o desenvolvimento de aplicações Java para dispositivos com poder de processamento, vídeo e memória limitados. Possui uma coleção

Leia mais

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS.

Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Estudo comparativo entre tecnologias Java: Applet e JWS. Clara Aben-Athar B. Fernandes¹, Carlos Alberto P. Araújo¹ 1 Centro Universitário Luterano de Santarém Comunidade Evangélica Luterana (CEULS/ULBRA)

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA UTILIZANDO A TECNOLOGIA J2ME Ana Paula A. ZANELATO 1 Eliezer Gomes Paraganba FILHO 2 Emerson Silas DÓRIA 3 RESUMO: Este artigo pretende apresentar a tecnologia J2ME (linguagem

Leia mais

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br

Tecnologia Java. Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Tecnologia Java Daniel Destro do Carmo Softech Network Informática daniel@danieldestro.com.br Origem da Tecnologia Java Projeto inicial: Oak (liderado por James Gosling) Lançada em 1995 (Java) Tecnologia

Leia mais

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO

INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO INTEGRANDO A TECNOLOGIA J2ME NO ÂMBITO ACADÊMICO Ramon R. Rabello, Pedro J. Treccani, Thienne M Johnson Universidade da Amazônia, Av Alcindo Cacela, 287, Belém, PA CEP 66092-010 ramon.rabello@gmail.com,

Leia mais

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso

Marcus Vinicius Cruz Xavier. Rascunho do trabalho de conclusão de curso Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Marcus Vinicius Cruz Xavier Rascunho do trabalho de conclusão de curso Título

Leia mais

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro

Uma Introdução ao. Computação Móvel (MAC5743/MAC330) Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Uma Introdução ao J2ME Computação Móvel (MAC5743/MAC330) DCC-IME-USP Prof. Alfredo Goldman Monitores: Rodrigo Barbosa Daniel Cordeiro Visão Geral do Java 2 (1) A plataforma Java 2 engloba três elementos:

Leia mais

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira

ENTERPRISE JAVABEANS 3. Msc. Daniele Carvalho Oliveira ENTERPRISE JAVABEANS 3 Msc. Daniele Carvalho Oliveira Apostila Servlets e JSP www.argonavis.com.br/cursos/java/j550/index.html INTRODUÇÃO Introdução Enterprise JavaBeans é um padrão de modelo de componentes

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 5 Servidores de Aplicação

Leia mais

UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME

UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME UMA ABORDAGEM SOBRE J2ME Júlio César Jardim Júnior 1, Elio Lovisi Filho (Orientador) 1 1 Ciência da Computação Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) Rua Palma Bageto Viol, s/n Barbacena - MG.

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 2 Computação em Nuvem Desafios e Oportunidades A Computação em Nuvem

Leia mais

Roteiro. Linguagens, plataformas e ambientes de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Aplicações para DM. Java. Linguagem C

Roteiro. Linguagens, plataformas e ambientes de Desenvolvimento. Desenvolvimento de Aplicações para DM. Java. Linguagem C Desenvolvimento de Aplicações para Dispositivos Móveis José de Ribamar Martins Bringel Filho Mestre em Ciência da Computação (UFC) bringel@cenapadne.br Roteiro Overview das Plataformas e Linguagens J2ME

Leia mais

BrokerCell: programando celular com J2ME para cotar papéis na Bovespa

BrokerCell: programando celular com J2ME para cotar papéis na Bovespa BrokerCell: programando celular com J2ME para cotar papéis na Bovespa Nairon Neri Silva 1, Luís Augusto Mattos Mendes(Orientador) 1 1 Ciência da Computação - Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC)

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo

Programação para Dispositivos Móveis. Prof. Wallace Borges Cristo Programação para Dispositivos Móveis Prof. Wallace Borges Cristo Acesso a informação Notícias, Ringtones, Vídeos Messenger/Chat Jogos Acesso a instituições financeiras M-commerce (Mobile Commerce) Aplicações

Leia mais

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES

DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES DESENVOLVIMENTO COM JAVA EE E SUAS ESPECIFICAÇÕES Hugo Henrique Rodrigues Correa¹, Jaime Willian Dias 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil hugohrcorrea@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Manual de Operação Aplicativo ClickIt

Manual de Operação Aplicativo ClickIt Manual de Operação Aplicativo ClickIt Rev. 1.1 Agosto/2010 GSControl Automação Ltda. Rua Washington Luiz, 675 ITC Conjunto 1101 Centro Porto Alegre RS CEP 90010-460 Telefone: (51)3026-0945 / (51)3287-2167

Leia mais

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.

Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android. Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com. Consumindo um Web Service através de uma Aplicação Comercial em Android Alex Malmann Becker www.alex.porthal.com.br alex@porthal.com.br 08/2014 Agenda Introdução Conceitos Web Service Por que utilizar

Leia mais

Interfaces Dinâmicas e Adaptativas para Celulares

Interfaces Dinâmicas e Adaptativas para Celulares Interfaces Dinâmicas e Adaptativas para Celulares Flavio Henrique Cardoso de Freitas, Silvano Maneck Malfatti Faculdade Católica do Tocantins (FACTO) Palmas TO Brasil {flaviohcf,silvanomalfatti}@hotmail.com

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

Java 2 Micro Edition (J2ME)

Java 2 Micro Edition (J2ME) Java 2 Micro Edition (J2ME) por Filipe Gonçalves Barreto de Oliveira Castilho Departamento de Engenharia Informática Universidade de Coimbra 3030 Coimbra, Portugal fgonc@student.dei.uc.pt Resumo: Apresenta-se

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 13 Web Services Web Services

Leia mais

J2ME, Uma Platarfoma de programação para Dispositivos Móveis

J2ME, Uma Platarfoma de programação para Dispositivos Móveis J2ME, Uma Platarfoma de programação para Dispositivos Móveis Jesseildo F. Gonçalves 07/10/2010 Jesseildo F. Gonçalves () 07/10/2010 1 / 50 1 Introdução ao J2ME História Arquitetura do J2ME MIDLets 2 RMS:

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Móveis com J2ME. Andrea foi a primeira colocada no I Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) 2005.

Desenvolvimento de Aplicações Móveis com J2ME. Andrea foi a primeira colocada no I Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso (TCC) 2005. Desenvolvimento de Aplicações Móveis com J2ME Andrea Rodrigues de Amorim 1º Colocado I Concurso Teleco de TCC's 2005 Andrea foi a primeira colocada no I Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de Curso

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA COMPUTAÇÃO MÓVEL CONTROLE DE GASTOS PARA ORÇAMENTO DOMÉSTICO Fred Paulino Ferreira, Leonardo Couto, Renato Maia, Luiz G. Montanha Departamento

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM DIÁRIO DE CLASSE EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO J2ME

PROTÓTIPO DE UM DIÁRIO DE CLASSE EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO J2ME UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO BACHARELADO PROTÓTIPO DE UM DIÁRIO DE CLASSE EM DISPOSITIVOS MÓVEIS UTILIZANDO J2ME FABIANO ROSA BLUMENAU

Leia mais

História e Evolução da Web. Aécio Costa

História e Evolução da Web. Aécio Costa Aécio Costa A História da Web O que estamos estudando? Período em anos que a tecnologia demorou para atingir 50 milhões de usuários 3 As dez tecnologias mais promissoras 4 A evolução da Web Web 1.0- Passado

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64

Geração e execução de scripts de teste em aplicações web a partir de casos de uso direcionados por comportamento 64 direcionados por comportamento 64 5 Estudo de caso Neste capítulo serão apresentadas as aplicações web utilizadas na aplicação da abordagem proposta, bem como a tecnologia em que foram desenvolvidas, o

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto

Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP com foco nas tecnologias de software livre / código aberto UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina CTC Centro Tecnológico INE Departamento de Informática e Estatística INE5631 Projetos I Prof. Renato Cislaghi Resumo de TCC Desenvolvimento de um sistema ERP

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Pizzaria Manão

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA. Pizzaria Manão UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA Pizzaria Manão Emilio Gonçalves 41281 Fabrício Luís Santos da Silva 50293 Filipe Ribeiro Nalon 50295

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE

EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS EIMOBILE INSTITUIÇÕES DE ENSINO MOBILE por Miguel Aguiar Barbosa Trabalho de curso II submetido como

Leia mais

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST

Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Integração de sistemas utilizando Web Services do tipo REST Jhonatan Wilson Aparecido Garbo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil jhowgarbo@gmail.com jaime@unipar.br

Leia mais

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010

Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Prof. M.Sc. Fábio Procópio Prof. M.Sc. João Maria Criação: Fev/2010 Primeira Dica Afirmação O que é Java? Características do Java Como Java Funciona Plataforma Java Edições Java Java SE Java EE Java ME

Leia mais

SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados

SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados SyncEasy Aplicativo para sincronização de arquivos entre dispositivos móveis e computadores utilizando metadados Acadêmico: Bernardo Marquardt Müller Orientador: Prof. Dr. Mauro Marcelo Mattos Roteiro

Leia mais

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition)

Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) Sumário. Java 2 Enterprise Edition. J2EE (Java 2 Enterprise Edition) Sistemas Distribuídos na WEB (Plataformas para Aplicações Distribuídas) J2EE () Sumário Introdução J2EE () APIs J2EE Web Container: Servlets e JSP Padrão XML 2 J2EE é Uma especificação para servidores

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS GAME OF MEMORY TO MOBILE DEVICES Célia Hirata Aoki - celia@unisalesiano.edu.br Prof. M.Sc. Anderson Pazin - pazin@unisalesiano.edu.br RESUMO As fortes expansões

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS

SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS SISTEMA DE GESTÃO DE PRODUÇÃO DE EVENTOS Rodrigo das Neves Wagner Luiz Gustavo Galves Mählmann Resumo: O presente artigo trata de um projeto de desenvolvimento de uma aplicação para uma produtora de eventos,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SECRETARIA MUNICIPAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS CONCURSO PÚBLICO PARA ANALISTA DE SUPORTE 08 DE NOVEMBRO DE 2009... (NOME COMPLETO EM LETRA DE FORMA) INSTRUÇÕES

Leia mais

Introdução a Servlets

Introdução a Servlets Linguagem de Programação para Web Introdução a Servlets Prof. Mauro Lopes 1-31 21 Objetivos Iniciaremos aqui o estudo sobre o desenvolvimento de sistemas web usando o Java. Apresentaremos nesta aula os

Leia mais

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition

J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition CURSO DE GRADUAÇÃO J2EE TM Java 2 Plataform, Enterprise Edition Antonio Benedito Coimbra Sampaio Junior abc@unama.br OBJETIVOS DO CURSO Capacitar os alunos no desenvolvimento de aplicações para a WEB com

Leia mais

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir

Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Artigos Técnicos Ferramentas Web para controle e supervisão: o que está por vir Marcelo Salvador, Diretor de Negócios da Elipse Software Ltda. Já faz algum tempo que ouvimos falar do controle e supervisão

Leia mais

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico

Fundamentos de Java. Prof. Marcelo Cohen. 1. Histórico Fundamentos de Java Prof. Marcelo Cohen 1. Histórico 1990 linguagem Oak; desenvolvimento de software embutido para eletrodomésticos S.O. para o controle de uma rede de eletrodomésticos o surgimento da

Leia mais

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil

PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL. Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL Diretrizes e Estratégias para Ciência, Tecnologia e Inovação no Brasil Projeto 914 BRA5065 - PRODOC-MTC/UNESCO DOCUMENTO TÉCNICO Nº 02 IMPLANTAÇÃO DE 1 (UM)

Leia mais

Acadêmico: Marciane Schotten Prof. Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja

Acadêmico: Marciane Schotten Prof. Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja PROTÓTIPO DE UMA APLICAÇÃO MÓVEL PARA LOCAÇÃO DE VEÍCULOS UTILIZANDO J2ME Acadêmico: Marciane Schotten Prof. Orientador: Ricardo Alencar de Azambuja Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais

Ambientes Visuais. Ambientes Visuais Ambientes Visuais Inicialmente, apenas especialistas utilizavam os computadores, sendo que os primeiros desenvolvidos ocupavam grandes áreas e tinham um poder de processamento reduzido. Porém, a contínua

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS PARA CELULAR JAVA 2 MICRO EDITION

DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS PARA CELULAR JAVA 2 MICRO EDITION DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS PARA CELULAR JAVA 2 MICRO EDITION Robison Cris Brito Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná Unidade de Pato Branco robison@pb.cefetpr.br RESUMO Engana-se quem acha

Leia mais

Atividade Capitulo 6 - GABARITO

Atividade Capitulo 6 - GABARITO Atividade Capitulo 6 - GABARITO 1. A Internet é uma força motriz subjacente aos progressos em telecomunicações, redes e outras tecnologias da informação. Você concorda ou discorda? Por quê? Por todos os

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais

Administração de Sistemas de Informação Gerenciais Administração de Sistemas de Informação Gerenciais UNIDADE VI: Como desenvolver Sistemas de Informação e Gerenciar Projetos. Novos sistemas de informação são construídos como soluções para os problemas

Leia mais

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com

Java & OpenJDK. Thiago S. Gonzaga. Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Java & OpenJDK Thiago S. Gonzaga Sun Campus Ambassador thiago.gonzaga@sun.com Tópicos Sobre a Sun Microsystems Algumas tecnologias da Sun Linguagem de Programação Ciclo de Desenvolvimento O que é Java?

Leia mais

Programação WEB Introdução

Programação WEB Introdução Programação WEB Introdução Rafael Vieira Coelho IFRS Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Farroupilha rafael.coelho@farroupilha.ifrs.edu.br Roteiro 1) Conceitos

Leia mais

Kassius Vargas Prestes

Kassius Vargas Prestes Kassius Vargas Prestes Agenda 1. Introdução Web Services 2. XML, SOAP 3. Apache Tomcat 4. Axis 5. Instalação Tomcat e Axis 6. Criação de um Web Service 7. Criação de um cliente Baixar http://www.inf.ufrgs.br/~kvprestes/webservices/

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL (PDA) USANDO A TECNOLOGIA J2ME E BANCO DE DADOS

PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL (PDA) USANDO A TECNOLOGIA J2ME E BANCO DE DADOS PROTÓTIPO DE APLICATIVO PARA DISPOSITIVO MÓVEL (PDA) USANDO A TECNOLOGIA J2ME E BANCO DE DADOS Acadêmico: Robson Luis da Silva Orientador: Alexander R. Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS LUTHIANO RODRIGUES VENECIAN

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS LUTHIANO RODRIGUES VENECIAN FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS LUTHIANO RODRIGUES VENECIAN SISTEMA PARA GERENCIAMENTO DE COLABORADORES UTILIZANDO DISPOSITIVOS MÓVEIS PELOTAS

Leia mais

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA

AUTOR(ES): CARLOS ANTONIO PINHEIRO PINTO, ERMÍNIO PEDRAL SANTANA, GUILHERME CASSIANO DA SILVA Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: SISTEMA MÓVEL DE COMPRAS POR QR CODE CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS SUBÁREA:

Leia mais

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Célia Hirata Aoki Anderson Pazin

JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS. Célia Hirata Aoki Anderson Pazin JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Célia Hirata Aoki Anderson Pazin LINS SP 2009 2 JOGO DA MEMÓRIA PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS RESUMO As fortes expansões do mercado de desenvolvimento de softwares,

Leia mais

Otimização de Código na Criação de Animação Gráfica para Dispositivos Móveis, utilizando J2ME

Otimização de Código na Criação de Animação Gráfica para Dispositivos Móveis, utilizando J2ME Otimização de Código na Criação de Animação Gráfica para Dispositivos Móveis, utilizando J2ME Fábio Ottoni Júlio 1, Lívia Márcia Silva 1 1 Departamento de Ciência da Computação DCC Universidade Presidente

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Infra estrutura da Tecnologia da Informação

Infra estrutura da Tecnologia da Informação Infra estrutura da Tecnologia da Informação Capítulo 3 Adaptado do material de apoio ao Livro Sistemas de Informação Gerenciais, 7ª ed., de K. Laudon e J. Laudon, Prentice Hall, 2005 CEA460 Gestão da Informação

Leia mais

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCC-0263. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCC-0263 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

World Wide Web e Aplicações

World Wide Web e Aplicações World Wide Web e Aplicações Módulo H O que é a WWW Permite a criação, manipulação e recuperação de informações Padrão de fato para navegação, publicação de informações e execução de transações na Internet

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios

Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Sistemas de Informações Gerenciais Prof. Esp. André Luís Belini Bacharel em Sistemas de Informações MBA em Gestão Estratégica de Negócios Capítulo 4 Infra-Estrutura de TI: Hardware e Software 2 1 OBJETIVOS

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS

DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE PARA DISPOSITIVOS MÓVEIS Aluno: Fábio Bicalho de Araujo Orientador: Marco Antonio Grivet Matoso Maia Introdução Um fato da atualidade: o mundo está se tornando cada vez mais

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1

PROGRAMAÇÃO SERVIDOR WEBSERVICES EM SISTEMAS WEB. Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 PROGRAMAÇÃO SERVIDOR EM SISTEMAS WEB WEBSERVICES Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender o que é um WebService e sua utilidade Compreender a lógica de funcionamento de um WebService Capacitar

Leia mais

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br

SCE-557. Técnicas de Programação para WEB. Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br SCE-557 Técnicas de Programação para WEB Rodrigo Fernandes de Mello http://www.icmc.usp.br/~mello mello@icmc.usp.br 1 Cronograma Fundamentos sobre servidores e clientes Linguagens Server e Client side

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Prime: uma solução Java para acesso móvel a informações utilizando GSM/GPRS

Prime: uma solução Java para acesso móvel a informações utilizando GSM/GPRS Prime: uma solução Java para acesso móvel a informações utilizando GSM/GPRS RENATO BARBOSA MIRANDA VALESKA PIVOTO PATTA MARCONDES Inatel - Instituto Nacional de Telecomunicações ICC - Inatel Competence

Leia mais

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP

COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP COMPARANDO APLICAÇÃO WEB SERVICE REST E SOAP Cleber de F. Ferreira¹, Roberto Dias Mota¹. ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil cleberferreirasi@hotmail.com, motaroberto@hotmail.com Resumo.

Leia mais

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE

SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA RESUMO SYSTEM CONTROL OF CLIMATIC DATA IN THE WEB TO ASSIST THE AGRICULTURE SISTEMA DE CONTROLE DE DADOS CLIMÁTICOS NA WEB NO AUXILIO À AGRICULTURA CAROLINE VISOTO 1 EDUARDO RUBIN 2 THIAGO X. V. OLIVEIRA 3 WILINGTHON PAVAN 4 JOSÉ MAURÍCIO CUNHA FERNANDES 5 CRISTIANO ROBERTO CERVI

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA

TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2. AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA TEMA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO -Tipos de SI e Recursos de Software parte2 AULA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROFa. ROSA MOTTA CONTEÚDO DA AULA Tipos de Software Serviços Web Tendências 2 OBJETIVOS ESPECÍFICOS

Leia mais

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento

O que é o Virto ERP? Onde sua empresa quer chegar? Apresentação. Modelo de funcionamento HOME O QUE É TOUR MÓDULOS POR QUE SOMOS DIFERENTES METODOLOGIA CLIENTES DÚVIDAS PREÇOS FALE CONOSCO Suporte Sou Cliente Onde sua empresa quer chegar? Sistemas de gestão precisam ajudar sua empresa a atingir

Leia mais

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG)

Material de Apoio. Sistema de Informação Gerencial (SIG) Sistema de Informação Gerencial (SIG) Material de Apoio Os Sistemas de Informação Gerencial (SIG) são sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias para gerenciar com eficácia as organizações.

Leia mais

Programação para Dispositivos Móveis

Programação para Dispositivos Móveis Programação para Dispositivos Móveis Fatec Ipiranga Análise e Desenvolvimento de Sistemas Aula 02 História do desenvolvimento de software para dispositivos móveis Dalton Martins dmartins@gmail.com São

Leia mais

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus

Java ME e suas principais tecnologias de conectividade. Gracieli Begia Mateus Java ME e suas principais tecnologias de conectividade Gracieli Begia Mateus Telefones Celulares no Mundo Fonte: UIT e Wireless Intelligence (Ovum/GSM Association) Posição do Brasil no Mundo Principais

Leia mais

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning

Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning Manual do Usuário Características e recursos básicos Enterprise Resource Planning www.pwi.com.br 1 Volpe Enterprise Resource Planning Este manual não pode, em parte ou no seu todo, ser copiado, fotocopiado,

Leia mais

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT

IplanRio DOP - Diretoria de Operações GIT - Gerência de Infraestrutura Tecnológica Gerente da GIT 1. IDENTIFICAÇÃO Padrão Segmento Código P06.002 Revisão v. 2014 Plataformas Web 2. PUBLICAÇÃO Recursos Tecnológicos Versão Data para adoção Publicação v. 2014 23 de dezembro de 2014 PORTARIA N Nº 225 de

Leia mais

Desenvolvimento de Sistemas Móveis em Java com J2ME/MIDP. Jorge H. C. Fernandes

Desenvolvimento de Sistemas Móveis em Java com J2ME/MIDP. Jorge H. C. Fernandes Desenvolvimento de Sistemas Móveis em Java com J2ME/MIDP Jorge H. C. Fernandes Desenvolvimento J2ME/MIDP Agenda Plataforma e Edições Java 2 J2ME - Java 2 Micro Edition MIDP - Mobile Information Device

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS

ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS ANEXO 05 ARQUITETURAS TECNOLÓGICAS PROCERGS Este anexo apresenta uma visão geral das seguintes plataformas: 1. Plataforma Microsoft.NET - VB.NET e C#; 2. Plataforma JAVA; 3. Plataforma Android, ios e Windows

Leia mais

3 Serviços na Web (Web services)

3 Serviços na Web (Web services) 3 Serviços na Web (Web services) 3.1. Visão Geral Com base na definição do Word Wide Web Consortium (W3C), web services são aplicações autocontidas, que possuem interface baseadas em XML e que descrevem

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO. Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CURSO DE GRADUAÇÃO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Contribuições do MDA para o desenvolvimento de software Anna Carla Mohr Verner Helder Eugenio dos Santos Puia Florianópolis,

Leia mais

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho

Banco de Dados de Músicas. Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Banco de Dados de Músicas Andre Lima Rocha Campos Osório Pereira Carvalho Definição Aplicação Web que oferece ao usuário um serviço de busca de músicas e informações relacionadas, como compositor, interprete,

Leia mais

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00

www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 www.f2b.com.br 18/04/2006 Micropagamento F2b Web Services Web rev 00 Controle de Revisões Micropagamento F2b Web Services/Web 18/04/2006 Revisão Data Descrição 00 17/04/2006 Emissão inicial. www.f2b.com.br

Leia mais

Automação do Processo de Instalação de Softwares

Automação do Processo de Instalação de Softwares Automação do Processo de Instalação de Softwares Aislan Nogueira Diogo Avelino João Rafael Azevedo Milene Moreira Companhia Siderúrgica Nacional - CSN RESUMO Este artigo tem como finalidade apresentar

Leia mais

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional

Introdução. à Linguagem JAVA. Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação. Laboratório de Visão Computacional Introdução à Linguagem JAVA Prof. Dr. Jesus, Edison O. Instituto de Matemática e Computação Laboratório de Visão Computacional Vantagens do Java Independência de plataforma; Sintaxe semelhante às linguagens

Leia mais