Hemoglobinúria Paroxística Nocturna

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hemoglobinúria Paroxística Nocturna"

Transcrição

1 Hemoglobinúria Paroxística Nocturna É uma doença rara, com sintomas difusos que, frequentemente, se confundem com outras patologias. Falamos da Hemoglobinúria Paroxística Nocturna, uma doença grave, por vezes mortal, crónica e incapacitante. O Professor António Medina Almeida, hematologista no Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil traça um perfil da patologia O que é a Hemoglobinúria Paroxística Nocturna (HPN)? A HPN é uma doença adquirida caracterizada por anemia e tromboses. A origem da doença está num defeito na produção de uma molécula que serve de âncora para ligar as proteínas à membrana das células. Os doentes com HPN apresentam uma deficiência desta molécula nas células sanguíneas, levando a uma maior fragilidade dos glóbulos vermelhos e a uma activação das plaquetas, produzindo assim as manifestações clínicas características da doença. Adicionalmente, a destruição dos glóbulos vermelhos leva à libertação de toxinas no sangue, o que resulta no mau funcionamento dos músculos involuntários, provocando cólicas intestinais, impotência e dores. Os doentes com HPN necessitam frequentemente de transfusões de sangue e podem, eventualmente, ter que tomar anticoagulantes para tratar ou prevenir as possíveis tromboses, características da doença. Qual a taxa de incidência da doença? Trata-se de uma doença rara, cuja incidência precisa é desconhecida. No entanto estima-se que existam cerca de 1 caso por cada 100,000 habitantes. Quantos doentes com HPN existem em Portugal? Não existem dados concretos sobre o número de doentes em Portugal. Estima-se, no entanto, que existam entre 50 a 100 doentes no país. Esta é uma das razões pela qual julgo ser importante estabelecer um registo da doença - a fim de podermos obter informações epidemiológicas mais precisas. Existem grupos de risco de HPN? Qualquer pessoa pode desenvolver a doença. Não estão identificados quaisquer factores de risco, nem de hereditariedade, que aumentem a probabilidade de alguém ter HPN. Quais os sintomas mais comuns da doença? A manifestação mais frequente da HPN é a anemia, por vezes grave, necessitando de transfusões de san- 1

2 gue frequentes. Por outro lado, a destruição dos glóbulos vermelhos leva à presença de toxinas no sangue, o que impede o funcionamento normal dos músculos involuntários dos intestinos, sistema urinário e genital. As cólicas e impotência resultantes desta situação são uma das grandes causas da má qualidade de vida destes doentes. A complicação mais grave desta doença, que pode ser fatal, são as tromboses. Ocorrem, frequentemente, nas veias abdominais (intestinos, fígado) mas podem também ocorrer em qualquer vaso sanguíneo. Qual o grau de mortalidade e incapacidade desta patologia? Os doentes com HPN vivem em média, 10 anos, após o diagnóstico. No entanto, cerca de um quarto dos doentes podem viver até 25 anos, após diagnosticados. A anemia e as tromboses levam a que estes doentes possam ter um elevado grau de incapacidade, necessitando de visitas médicas frequentes e tratamento e transfusões constantes. A disfunção dos músculos involuntários, apesar de não ameaçar a vida, leva a uma marcada deterioração da qualidade de vida destes doentes. Os doentes sofrem com dores e disfunção eréctil difíceis de tratar. É difícil diagnosticar esta patologia? Porquê? Dadas as manifestações pouco específi cas da doença e a sua raridade, é muito frequente que a HPN não seja diagnosticada atempadamente. Em média, quanto tempo poderá levar um doente a obter o diagnóstico correcto? Muitos doentes podem passar muitos anos sem diagnóstico, sobretudo aqueles com doença menos grave. Como se chega a um diagnóstico correcto? O teste tradicional que estabelecia o diagnóstico de HPN era o teste de Ham. Hoje em dia este teste foi suplantado pela citometria de fl uxo, que permite um diagnóstico preciso através da medição da proporção de células defi cientes no sangue. Este exame é feito numa simples amostra de sangue, mas requer um laboratório com equipamento e pessoal especializado. Qual o tratamento para este tipo de patologia? Até há pouco tempo, estes doentes eram tratados com transfusões e anticoagulação. Doentes jovens com doença grave podem ser submetidos a um transplante de medula, caso haja dador compatível. Recentemente, foi aprovada uma nova terapêutica para o tratamento desta patologia. Na sua opinião, qual o grau de eficácia da mesma? O Eculizumab impede a destruição dos glóbulos vermelhos na HPN. É muito efi caz em reduzir a necessidade de transfusões e também melhora a disfunção muscular. Dados recentes revelam que este medicamento também pode reduzir a ocorrência de tromboses nestes doentes. É um medicamento potente e efi caz e um grande avanço no tratamento desta doença. Em Portugal, existe alguma entidade que esteja a desenvolver estudos sobre esta patologia? Não tenho conhecimento de nenhum grupo que esteja a estudar esta doença em Portugal nem nenhum serviço que tenha uma consulta dedicada à HPN. António de Almeida Hematologista Instituto Português de Oncologia de Lisboa Francisco Gentil António de Almeida licenciou-se em medicina, pela Universidade de Cambridge, em 1993 e completou a especialidade em Hematologia, no Reino Unido, em 2002, tendo trabalhado em centros de referência com o Hammersmith Hospital, Royal Free Hospital e Great Ormond Street Hospital. Após a especialidade, foi bolseiro de investigação no Leukemia Research Fund, trabalhando na caracterização molecular e terapia dirigida para a defi ciência hereditária da âncora GPI, actividade que culminou no seu Doutoramento, pelo Imperial College de Londres, em Desenvolve a sua actividade de hematologista no IPOLFG desde Na clínica tem como interesse predominante os síndromes mielodisplásicos e mieloproliferativos e a sua actividade científi ca visa a investigação da regulação de expressão genica por mecanismos epigenéticos. António de Almeida é autor de um capítulo no Conn s Current Therapy e já publicou artigos em revistas como a New England Journal of Medicine, Nature Medicine and Blood. 2

3 as explicações médicas prestadas foram escassas O preço de uma vida Cansaço extremo, visitas constantes ao hospital e transfusões semanais fazem parte das memórias de Íris, uma jovem com Hemoglobinúria Paroxística Nocturna (HPN) que relata os efeitos que uma nova substância terapêutica teve, na melhoria da sua qualidade de vida. Chamo-me Íris, tenho 22 anos, sou estudante de biologia e portadora de HPN. Gostaria de lhes contar a minha pequena história de vida. Desde os 15 anos que vivo com um cansaço constante e uma palidez extrema. Sempre que chegava da escola, a única vontade que tinha era meter-me na cama nem comer me apetecia! Recordo a expressão preocupada dos meus pais que achavam, na altura, que eu estava anémica. Nesse ano, convictos que algo estava errado comigo, os meus pais mandaram-me fazer um check-up completo para perceber o que se estava a passar. Uma semana depois, recebemos um telefonema do meu médico de família. Havia algo de estranho com as minhas análises e a recomendação era para que os meus pais se dirigissem às urgências hospitalares, com a maior brevidade. Assim foi. Nesse mesmo dia dei entrada no hospital e só ouvia os murmúrios dos médicos dizendo que eu tinha os níveis de glóbulos brancos, vermelhos e plaquetas extremamente baixos, mas que não percebiam o porquê. Fizeram testes e mais testes e, depois, deram-me medicamentos e mandaram-me para casa. Passado umas semanas, regressava com os mesmos sintomas ao hospital e o processo repetia-se Durante quatro meses!!! Finalmente, numa das últimas visitas às urgências, um médico chegou a uma conclusão eu sofria de Hemoglobinúria Paroxística Nocturna. 3

4 Visto ser uma doença rara, as explicações médicas prestadas foram um pouco escassas por isso, quando cheguei a casa, juntamente com os meus pais, procurámos na internet perceber do que realmente se tratava. A informação disponível arrasava com as nossas esperanças: é uma doença rara, crónica, adquirida, degenerativa e com riscos de trombose. Impede que a medula funcione de forma correcta, destruindo os glóbulos vermelhos. Os afectados têm uma esperança de vida entre dez a quinze anos, desde a altura do diagnóstico. Era um desespero Para piorar, tive de começar a receber transfusões de sangue três por semana! Um dia, durante as suas pesquisas, a minha mãe descobriu que existia um medicamento nos EUA, um anticorpo monoclonal, que parecia ter resultado nos doentes com HPN. Coincidência ou milagre, ao falar neste tratamento ao médico que me acompanhava no Hospital, ele informou a minha mãe que o hospital tinha acabado de assinar um protocolo para efectuar um ensaio clínico com esse tratamento. Os meus pais e eu não tivemos quaisquer dúvidas íamos tentar esta oportunidade terapêutica! Durante três anos tomei este medicamento e comecei a recuperar. A minha medula já funcionava melhor e conseguir estar mais de seis meses sem receber qualquer transfusão! Segundo o meu médico, com este tratamento, os riscos de vir a sofrer uma trombose também diminuíram! Porém, agora, o ensaio clínico terminou. Apesar de os médicos terem verificado a sua eficácia, o seu custo é demasiado elevado dizem eles. Neste momento, eu e os meus pais aguardamos a resposta a um pedido especial que fizemos às autoridades nacionais, para que eu possa obter de novo o tratamento, de forma comparticipada.já passaram alguns meses e, até agora, nada! Mas eu tenho esperança. Esperança de concluir o meu curso, de poder tratar-me e viver uma vida com qualidade tal como todas as minhas colegas de faculdade!!! este relato é baseado numa história verídica. Foram salvaguardados locais e identidades. 4

5 TERAPÊUTICA INOVADORA REDUZ MORTALIDADE em doentes com HPN Duas vezes por mês é o tempo que leva a recuperar a dignidade de milhares de doentes que sofrem com dores diárias, transfusões constantes e risco eminente de trombose. Milagre ou avanço científico? Os especialistas acreditam que esta terapêutica, exclusivamente concebida para o HPN poderá ser a luz ao fundo do túnel para estes doentes! Afecta cerca de pessoas em todo o mundo. Em Portugal, estima-se que existam cerca de 160 doentes embora, actualmente, apenas 30 estejam diagnosticados. Considerada uma doença rara, a Hemoglobinúria Paroxística Nocturna é uma doença grave, crónica e incapacitante, com sintomatologia difusa o que leva a frequentes erros e atrasos no diagnóstico. Em Portugal, e até à data, estes doentes continuam a ser tratados com transfusões de sangue e anticoagulantes e muitos fi cam em lista de espera, aguardando um eventual transplante. Em 2007, a EMEA (entidade europeia reguladora dos medicamentos) aprovou uma terapêutica, única no mundo, para o tratamento desta patologia e que promete resultados verdadeiramente revolucionários no que diz respeito à qualidade de vida e sobrevida destes doentes. Conforme explica o relatório publicado pela EMEA, sob a designação EMEA/H/C/791, o Eculizumab é um anticorpo monoclonal, administrado sob a forma de perfusão 25 a 45 minutos (administração por linha intravenosa), duas vezes por mês. Os doentes com HPN apresentam uma defi ciência numa proteína (denominada CD59) que se encontra à superfície dos glóbulos vermelhos e que, em circunstâncias normais, impede o complemento de atacar as células. Porém, nos doentes com HPN como a proteína é defi ciente, o complemento acaba por destruir os glóbulos vermelhos. O Eculizumab foi concebido para se ligar à proteína C5 do complemento, bloqueando-a, e impedindo assim o complemento de atacar as células, reduzindo a sua destruição e melhorando, por isso, os sintomas da doença, bem como o risco associado. O Comité dos Medicamentos para Uso Humano (CHMP) concluiu que os benefícios do Eculizumab são superiores aos seus riscos no tratamento de pacientes com HPN. Segundo o hematologista Robert Brodsky, do Johns Hopkins University School of Medicine, nos EUA, a aprovação do Eculizumab para o tratamento da HPN valida este anticorpo monoclonal como uma terapia efi caz e fornece bases racionais para a investigação de outras patologias, onde a terapêutica possa ser igualmente efi caz. Hubert Schrezenmeier, professor da cadeira de Medicina, no Instituto de Medicina Transfusional da Universidade de Ulm, na Alemanha, adianta que a HPN tem uma morbilidade característica e exige, por isso, um tratamento específi - co, salientando ainda que os doentes que recebem terapia imunossupressora podem ser seguramente tratados com Eculizumab, com resultados excelentes no que se refere à redução acentuada de hemólise, conclui. Estes resultados são amplamente validados pelo comunicado da EMEA que revela que no estudo principal, 49% (21 em 43) dos doentes que receberam Eculizumab apresentaram níveis de hemoglobina estáveis e, em média, não necessitaram de quaisquer transfusões de glóbulos vermelhos. Num estudo recentemente divulgado pela Mayo Clinic, esta substância veio a provar a sua efi cácia, também, em doentes transplantados, situação que ocorre na maioria dos doentes com HPN. Para Mark Stegall, autor do estudo, esta nova droga impede e rejeição do transplante renal, uma vez que inibe a activação do sistema imunitário, através da inibição de um dos seus principais mecanismos de defesa - o sistema do complemento. Para o Dr. Mark Stegall estes resultados são uma grande notícia porque signifi cam que nenhum dos pacientes tratados desenvolveu a complicação mais grave que normalmente ameaça um transplante. Isso representa um salto qualitativo nesta área, fi naliza. 5

6 Viver com a HPN Viver com a HPN pode ser difícil, uma vez que a sintomatologia da doença impede o seu portador de efectuar actividades diárias básicas. Eis algumas sugestões que deverão ser partilhadas: Registo diário dos sintomas. Este registo permitirá ao doente avaliar se os tratamentos estão a ter resultados efectivos; O médico deve sempre ser informado de todos os medicamentos que o doente está a tomar, sejam prescritos ou de venda livre; O médico deve sempre ser informado antes do doente efectuar qualquer procedimento invasivo (tal como um tratamento dentário, uma colonoscopia, etc); O doente com HPN deve evitar actividades exaustivas; O doente com HPN deve fazer uma alimentação saudável e beber muita água. Fornecer ao organismo todos os nutrientes que ele necessita, evitando os açucares e produtos químicos desnecessários, pode ajudá-lo a funcionar correctamente. O médico deverá elaborar, em conjunto com o doente, um plano alimentar; O doente não deve ter vergonha de pedir ajuda nas tarefas do dia-a-dia. A HPN esgota a energia necessária ao desenvolvimento destas actividades; O doente com HPN deve requerer apoio emocional. 6

7 TRANSPLANTES DE MEDULA: A CURA PARA MILHÕES DE DOENTES Considerada como uma das intervenções terapêuticas mais inovadoras do século, o transplante de células estaminais da medula óssea é uma das terapias actualmente disponíveis para doenças hematológicas, oncológicas e genéticas. A medula óssea é um tecido de consistência mole que preenche o interior dos ossos longos e as cavidades esponjosas de ossos, como por exemplo os da bacia. Neste tecido existem células progenitoras, ou seja, com capacidade para se diferenciarem e dar origem a qualquer célula do sangue periférico. São as chamadas células estaminais. As células estaminais são células pequenas, redondas, que se podem desenvolver em outros tipos de células do indivíduo adulto, com capacidade de se diferenciar e dividir indefi nidamente. Estas células são altamente importantes para o êxito do transplante uma vez que, um número relativamente pequeno de células estaminais pode miraculosamente repovoar toda a medula óssea, reconstituindo todas as células do sangue e restaurando todo o sistema imunitário do doente. Apesar de, genericamente, se falar de transplantação de medula óssea, de facto o que se faz é uma reinfusão ou transfusão no doente de células progenitoras retiradas da medula do dador. Estas células saudáveis vão substituir as células doentes e são responsáveis pela formação de novas células saudáveis. Mas para que o transplante tenha sucesso, as células saudáveis devem ser o mais possível compatíveis com as células do doente. Geralmente, o processo de transplantação envolve duas fases: 1) o doente é tratado com doses de radiação ou quimioterapia que levam à morte as células doentes, mas também de células normais da medula óssea; Os doentes com HPN O transplante de medula é a única cura efectiva para os doentes com Hemoglobinúria Paroxística Noturna (HPN). A Hemoglobinúria Paroxística Noturna (HPN) ou doença de Marchiafava - Micheli é uma doença clonal rara do tecido hematopoético que pode afectar todas as suas linhagens. A incidência exacta não é conhecida, ocorre em qualquer idade, particularmente no adulto jovem, e afecta igualmente ambos os sexos. Os pacientes manifestam geralmente todos os sinais clínicos e laboratoriais de anemia crónica. Embora complicações trombóticas ocorram em outras formas de anemia hemolítica, elas são particularmente proeminentes e severas na HPN. Trombose, pancitopenia e Síndrome Mielodisplásica (SMD) são as principais complicações, ocorrendo em 28%, 15% e 8% dos casos, respectivamente. Cerca de 65% dos pacientes com HPN sobrevivem 10 anos, sendo a trombose o principal factor de risco. Infecções bacterianas, SMD e leucemia são outras causas frequentes de mortalidade. Há relatos de que em cerca de 15% dos casos possa ocorrer remissão espontânea da doença. 2) a infusão de células estaminais leva ao restabelecimento das células sanguíneas e do sistema imunitário, permitindo a recuperação do doente. Apesar de altamente inovador, este procedimento envolve alguns risco para o transplantado e nem sempre é possível de efectuar, isto porque: Pode existir difi culdade em encontrar um dador compatível de medula (relativamente ao HLA - antigénios dos leucócitos humanos), apesar de, actualmente, se considerar que aproximadamente 80 por cento de todos os doentes têm, pelo menos, um potencial dador compatível. Existe sempre a possibilidade de rejeição por parte do transplantado. 7

8 Apesar de, há primeira vista, a opção médica ser sempre a da cura, nem todos os doentes com HPN são potenciais candidatos ao transplante. Existem critérios que o médico tem de seguir, antes de aconselhar o doente a fazer esta opção, uma vez que nestes doentes, qualquer intervenção invasiva pode representar sérios riscos de vida. A colheita das células de transplantação Geralmente, a recolha de células para transplante de medula pode ser feita de duas formas: Colheita a partir da medula óssea - Células progenitoras colhidas do interior dos ossos pélvicos. Requer geralmente anestesia geral e uma breve hospitalização; Colheita de células progenitoras periféricas - Colheita feita no sangue periférico, através de um processo chamado aférese, em que o dador tem de tomar previamente um medicamento que é um factor de crescimento que vai fazer aumentar a produção de células progenitoras no sangue. Quem pode doar? As condições para ser dador são básicas: ter entre 18 e 45 anos e boa saúde. Neste caso, o potencial dador deve manifestar a sua vontade de doar medula às entidades responsáveis: Centro Nacional de Dadores de Medula Óssea, Estaminais ou de Sangue do Cordão (CEDACE) ou aos centros de dadores (Centros de Histocompatibilidade do Sul, do Centro e do Norte). Após manifestar este desejo, o potencial dador será chamado para fazer os seguintes testes: Tipagem HLA_AB DR Marcadores virais: HbsAg, Anti-HCV, Anti-HIV 1, 2 Estes dados serão guardados numa base informática nacional e internacional e serão usados sempre que um doente nacional ou internacional seja proposto para transplantação de medula óssea. Todos os procedimentos médicos que envolvem a doação são cobertos pelo subsistema de saúde do doente, bem como as viagens e outros custos não médicos. 8

9 Caso queira obter mais informações sobre esta patologia por favor entre em contacto com a Raríssimas através da nossa Helpline em Raríssimas 9

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA

O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É? A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA O QUE É A LEUCEMIA MIELOBLÁSTICA AGUDA? A Leucemia Mieloblástica Aguda (LMA) é o segundo tipo de leucemia mais frequente na criança.

Leia mais

SÍNDROME DE HIPER-IgM

SÍNDROME DE HIPER-IgM SÍNDROME DE HIPER-IgM Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA

Leia mais

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal

O QUE É? O NEUROBLASTOMA. Coluna Vertebral. Glândula supra-renal O QUE É? O NEUROBLASTOMA Coluna Vertebral Glândula supra-renal O NEUROBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O NEUROBLASTOMA? O neuroblastoma é um tumor sólido maligno, o mais frequente em Pediatria

Leia mais

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte

Perguntas Frequentes. Centro de Histocompatibilidade do Norte Perguntas Frequentes Desde quando o Banco Público de Células Estaminais do Cordão Umbilical serve gratuitamente a criopreservação às grávidas? O Despacho do Banco Público de células estaminais do cordão

Leia mais

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN

O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É? O LINFOMA DE HODGKIN Gânglio Linfático O LINFOMA DE HODGKIN O QUE É O LINFOMA DE HODGKIN? O linfoma de Hodgkin é um cancro do sistema linfático, que surge quando as células linfáticas se alteram

Leia mais

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br

17/03/2011. Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br Marcos K. Fleury Laboratório de Hemoglobinas Faculdade de Farmácia - UFRJ mkfleury@ufrj.br São doenças causadas pela proliferação descontrolada de células hematológicas malignas ou incapacidade da medula

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico MANUAL DO PACIENTE - TENHO TRAÇO FALCÊMICO.... E AGORA? EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito do Traço Falcêmico Sabemos

Leia mais

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011

Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Chat com a Dra. Maria Cristina Dia 24 de fevereiro de 2011 Tema: Mielodisplasia: Novidades no tratamento Total de pessoas que participaram: 34 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30

Leia mais

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de

Mato Grosso do Sul conta com 80.665 pessoas cadastradas (até 2010) como doadoras de Nesta sexta-feira (12) o Rádio Clube se dedica à solidariedade. Será feita uma campanha de captação de doadores de medula óssea no clube. A intenção da ação é sensibilizar as pessoas para aumentar o número

Leia mais

Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1)

Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1) Células estaminais criam nova esperança contra leucemia (pág.1) Investigadores portugueses e americanos, no âmbito do programa MIT-Portugal, estão usar clinicamente células estaminais para neutralizar

Leia mais

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC

Documentário Despertar Para a Vida. Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC Documentário Despertar Para a Vida Adriana CALAZANS Felipe KREUSCH Ketlin PEREIRA Universidade do Sul de Santa Catarina, Palhoça, SC RESUMO A leucemia atinge grande parte da população mundial. Em 2008

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea.

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 I RELATÓRIO. Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 586, DE 2007 Cria o Dia Nacional do Doador Voluntário de Medula Óssea. Autora: Deputada ALICE PORTUGAL Relator: Deputado LELO COIMBRA I RELATÓRIO O Projeto

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Anemia Hemolítica Hereditária III (TALASSEMIA)

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Anemia Hemolítica Hereditária III (TALASSEMIA) HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - ANEMIA HEMOLÍTICA HEREDITÁRIA III - TALASSEMIA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Anemia Hemolítica Hereditária III (TALASSEMIA)

Leia mais

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X

AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X AGAMAGLOBULINEMIA LIGADA AO CROMOSSOMA X Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: DOENÇA

Leia mais

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas

Transfusão de sangue UHN. Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Transfusão de sangue Blood Transfusion - Portuguese UHN Informação para os pacientes sobre os benefícios, riscos e alternativas Quais são os benefícios da transfusão de sangue? A transfusão de sangue pode

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS O presente Projeto de Lei tem como base e inspiração a Lei Federal nº 11.930, de 22 de abril de 2009, de autoria do deputado federal Beto Albuquerque uma homenagem a seu filho e a

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

Cytothera Baby O serviço Cytothera Baby permite recolher e criopreservar células estaminais obtidas a partir do sangue do cordão umbilical do bebé.

Cytothera Baby O serviço Cytothera Baby permite recolher e criopreservar células estaminais obtidas a partir do sangue do cordão umbilical do bebé. A Cytothera pertence ao grupo farmacêutico MEDINFAR e dedica a sua actividade à investigação e criopreservação de células estaminais. O método pioneiro de isolamento e criopreservação de células estaminais

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI Este manual tem como objetivo fornecer informações aos

Leia mais

Grupos Sanguíneos e Anticorpos contra Glóbulos Vermelhos na Gravidez

Grupos Sanguíneos e Anticorpos contra Glóbulos Vermelhos na Gravidez Grupos Sanguíneos e Anticorpos contra Glóbulos Vermelhos na Gravidez Durante a gravidez, ser-lhe-ão oferecidos testes para identificar o seu grupo sanguíneo e para determinar se tem anticorpos contra glóbulos

Leia mais

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea

N o 35. Março 2015. O mieloma múltiplo é uma. MIELOMA MÚLTIPLO: Novo Medicamento no tratamento contra o Câncer de Medula Óssea N o 35 Março 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA

III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA III MOSTRA NACIONAL DE PRODUÇÃO EM SAÚDE DA FAMÍLIA DOAÇÃO DE MEDULA ÓSSEA, O TRABALHO DE CAPTAÇÃO DE CANDIDATOS E A POSSIBILIDADE DE ENVOLVIMENTO DAS EQUIPES DE SAÚDE DA FAMÍLIA Déborah Carvalho Gerência

Leia mais

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea

Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário de Medula Óssea Manual do Doador Voluntário O desconhecimento sobre a doação de medula óssea é enorme. Quando as pessoas são informadas de como é fácil ser doador voluntário

Leia mais

Guia do médico para prescrição em doentes com Síndrome Hemolítico Urémico Atípico - SHUa

Guia do médico para prescrição em doentes com Síndrome Hemolítico Urémico Atípico - SHUa Guia do médico para prescrição em doentes com Síndrome Hemolítico Urémico Atípico - SHUa Materiais educacionais com Informação de Segurança Importante O QUE É SOLIRIS? SOLIRIS é o primeiro anticorpo monoclonal

Leia mais

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015

Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Chat com a Dra. Sandra Senso Rohr Dia 13 de agosto de 2015 Tema: Entenda a Síndrome Mielodisplásica (Mielodisplasia) Total atingido de pessoas na sala: 24 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. São pequenas partículas originadas do citoplasma dos megacariócitos na medula óssea, desprovidas de núcleo (sem capacidade de síntese

Leia mais

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO. Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA LÍDER NO DESENVOLVIMENTO DA CRIOPRESERVAÇÃO Garantir o futuro do seu filho com SEGURANÇA e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia Clínica As células estaminais

Leia mais

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS

APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS APRESENTAÇÃO CYTOTHERA CORD E CYTOTHERA PLUS Garantir o futuro da saúde do seu filho com Patrícia SEGURANÇA Cruz e INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Apresentação de um serviço único na Europa na área da Biotecnologia

Leia mais

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Hye, 2013 www.uff.br/hematolab

ANEMIAS HEMOLÍTICAS. Hye, 2013 www.uff.br/hematolab ANEMIAS HEMOLÍTICAS Hye, 2013 www.uff.br/hematolab Anemias Hemolíticas Destruição acelerada de eritrócitos; Podem ser destruídas na medula óssea, no sangue periférico ou pelo baço; drjeffchandler.blogspot.com

Leia mais

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva

EU VENCI A LEUCEMIA. Alexandra Oliveira da Silva EU VENCI A LEUCEMIA Alexandra Oliveira da Silva Descoberta da doença Ano 2012 Sintomas gripe medo da gripe A Emergência do Mãe de Deus Exames não conclusivos, procurar hematologista Marcada consulta com

Leia mais

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público

MabThera. rituximab. O que é o MabThera? Para que é utilizado o MabThera? Resumo do EPAR destinado ao público EMA/614203/2010 EMEA/H/C/000165 Resumo do EPAR destinado ao público rituximab Este é um resumo do Relatório Público Europeu de Avaliação (EPAR) relativo ao. O seu objetivo é explicar o modo como o Comité

Leia mais

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina

Governador Geraldo Alckmin entrega o maior laboratório destinado a pesquisas sobre o câncer da América Latina MATEC ENGENHARIA ENTREGA O MAIOR LABORATORIO PARA PESQUISA DE CÂNCER DA AMÉRICA LATINA Qui, 14/04/11-11h00 SP ganha maior laboratório para pesquisa de câncer da América Latina Instituto do Câncer também

Leia mais

CRIOPRESERVAÇÃO DE SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL. Guia para os Pais

CRIOPRESERVAÇÃO DE SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL. Guia para os Pais CRIOPRESERVAÇÃO DE SANGUE DO CORDÃO UMBILICAL Guia para os Pais Guia elaborado pelo Conselho da Europa, Comité Europeu para a Transplantação de Órgãos (CD-P-TO). Para mais informações, visite https://go.edqm.eu/transplantation.

Leia mais

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos.

Hemoglobina / Glóbulos Vermelhos são as células responsáveis por carregar o oxigênio para todos os tecidos. Doenças Hematológicas Hematologia é o ramo da medicina que estuda o sangue, seus distúrbios e doenças, dentre elas anemias, linfomas e leucemias. Estuda os linfonodos (gânglios) e sistema linfático; a

Leia mais

Os seus dentes, naturalmente. sãos. PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado

Os seus dentes, naturalmente. sãos. PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado Os seus dentes, naturalmente sãos PRGF -Endoret BENEFÍCIOS DO PLASMA RICO EM FATORES DE CRESCIMENTO bioseguro 100 % autólogo patenteado PRGF -Endoret O QUE É O PLASMA RICO EM FACTORES DE CRESCIMENTO? INVESTIGAÇÃO

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos:

Introdução: Objetivo. Materiais e métodos: Estudo das alterações citogenéticas em pacientes com suspeita clínica de síndrome mieloproliferativa e em pacientes com leucemia mielóide crônica em uso de imatinib. Experiência do laboratório Sérgio Franco

Leia mais

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA

O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O GUIA COMPLETO TIRE TODAS SUAS DÚVIDAS SOBRE ANDROPAUSA O QUE É ANDROPAUSA? Problemas hormonais surgidos em função da idade avançada não são exclusivos das mulheres. Embora a menopausa seja um termo conhecido

Leia mais

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS

HOSPITAL DA LUZ 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS RADIOEMBOLIZAÇÃO 01 RADIOEMBOLIZAÇÃO 02 QUESTÕES FREQUENTES SOBRE A... RADIOEMBOLIZAÇÃO 03 CONTACTOS 1 RADIOEMBOLIZAÇÃO A radioembolização é uma radioterapia selectiva administrada por via intra-arterial

Leia mais

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS

BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS BANCO DE SANGUE COLETA E TESTES SOROLÓGICOS Resolução da Diretoria Colegiada RDC no 57, de 16 de dezembro de 2010. Determina o Regulamento Sanitário para Serviços que desenvolvem atividades relacionadas

Leia mais

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário

Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Conhecendo os Bancos de Sangue de Cordão Umbilical e Placentário Ajudando futuros pais a tomar uma decisão consciente Agência Nacional de Vigilância Sanitária Anvisa O que é sangue de cordão umbilical

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias

Protocolo. Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Protocolo Transplante de células-tronco hematopoiéticas nas hemoglobinopatias Versão eletrônica atualizada em Abril 2012 Embora a sobrevida dos pacientes com talassemia major e anemia falciforme (AF) tenha

Leia mais

Brochura informativa Hemoglobinúria Paroxística Noturna (HPN) Doente/ Pais / Cuidadores de Doentes Informação de Segurança Muito Importante

Brochura informativa Hemoglobinúria Paroxística Noturna (HPN) Doente/ Pais / Cuidadores de Doentes Informação de Segurança Muito Importante Brochura informativa Hemoglobinúria Paroxística Noturna (HPN) Doente/ Pais / Cuidadores de Doentes Informação de Segurança Muito Importante Versão3 [maio 2015] INTRODUÇÃO Este guia é para doentes adolescentes

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

O que acontece num Laboratório de Genética?

O que acontece num Laboratório de Genética? 12 a sua amostra seja usada para esse fim. Tal com todas as amostras clínicas armazenadas, o ADN é parte do processo clínico do paciente, e está sujeito ao sigilo médico. Isto significa que o acesso é

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC

RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC RESPOSTA RÁPIDA 154/2014 Alfapoetina na IRC SOLICITANTE Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juíza de Direito Comarca de Itapecerica NÚMERO DO PROCESSO 0335.14.706-3 DATA 26/03/2014 SOLICITAÇÃO Solicito parecer

Leia mais

RASTREIO PRÉ-NATAL DE DEFEITOS ABERTOS DO TUBO NEURAL E SÍNDROME DE DOWN O QUE É A SÍNDROME DE DOWN? A Síndrome de Down (vulgarmente conhecida como mongolismo ou mongoloidismo) é uma doença causada pela

Leia mais

1. CANDIDATURA A UM DESEJO

1. CANDIDATURA A UM DESEJO 1. CANDIDATURA A UM DESEJO Dados da criança: (dd/mmm/aaaa i.e. 01Jan2000) Nome: Sexo: Masculino Feminino Doença: Data de Nascimento: Telefone: Morada actual: Idade: Desejo da Criança: Língua-materna: Já

Leia mais

O QUE É? O HEPATOBLASTOMA

O QUE É? O HEPATOBLASTOMA O QUE É? O HEPATOBLASTOMA Fígado O HEPATOBLASTOMA O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O HEPATOBLASTOMA? O hepatoblastoma é o tipo de tumor maligno do fígado mais frequente na criança; na maioria dos casos

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

O QUE É? O TUMOR DE WILMS

O QUE É? O TUMOR DE WILMS O QUE É? O TUMOR DE WILMS Rim O TUMOR DE WILMS O QUE SIGNIFICA ESTADIO? O QUE É O TUMOR DE WILMS? O tumor de Wilms é o tipo de tumor renal mais frequente na criança. Desenvolve-se quando células imaturas

Leia mais

IMS Esclerose Múltipla Overview 2011 PORTUGAL 2011

IMS Esclerose Múltipla Overview 2011 PORTUGAL 2011 IMS Esclerose Múltipla Overview 2011 PORTUGAL 2011 SOBRE A IMS HEALTH Operando em mais de 100 países, a IMS Health é fornecedora e líder mundial de soluções aplicadas às indústrias farmacêuticas e de saúde.

Leia mais

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008

Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea. Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Aplicação das células mesenquimatosas na transplantação de medula óssea Projecto IPOFG,IST- IBB, LT Apoios: APCL, JMS 2008 Doenças potencialmente tratáveis com transplantação de medula óssea Leucemias

Leia mais

2 Conservação do sangue e hemocomponentes

2 Conservação do sangue e hemocomponentes 2 Conservação do sangue e hemocomponentes Alguns problemas de saúde hematológicos ou hemodinâmicos podem ser tratados utilizando produtos hemoterápicos, como por exemplo, problemas ligados à coagulação,

Leia mais

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL

IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL IMUNODEFICIÊNCIA COMUN VARIÁVEL Esta brochura é para ser usada pelos pacientes e pelas suas famílias e não deve substituir o aconselhamento de um imunologista clínico. 1 Também disponível: AGAMAGLOBULINEMIA

Leia mais

Investigador português premiado nos EUA

Investigador português premiado nos EUA Investigador português premiado nos EUA DOENÇA DE CROHN O INVESTIGADOR Henrique Veiga-Femandes, que estuda o papel de células na defesa contra infeções intestinais, recebeu o prémio Sénior Research Award,

Leia mais

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA Data: 17/05/2013 NOTA TÉCNICA 73 /2013 Medicamento Material Procedimento Cobertura x Solicitante: Juíza Vanessa Guimarães da Costa Vedovotto Número do processo: TEMA: RITUXIMABE PARA A LEUCEMIA LINFOCÍTICA

Leia mais

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA)

TEMA: 6 Mercaptopurina e 6 tioguanina para tratamento da Leucemia Linfóide Aguda (LLA) NT 101/2013 Solicitante: Juiz de Direito NAPOLEÃO DA SILVA CHAVES Número do processo: 0119213-86.2013.8.13.0525 Data: 22/06/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura Impetrato: Estado de Minas

Leia mais

Diário Oficial Imprensa Nacional

Diário Oficial Imprensa Nacional Diário Oficial Imprensa Nacional REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL BRASÍLIA - DF Ano CXXXVIII Nº 232-E Brasília - DF, 4/12/00 ISSN 1415-1537 MINISTÉRIO DA SAÚDE GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.315, DE

Leia mais

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos

Tipos de enxertos. Tipos de Enxertos: Tipos de Enxertos: O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes. Singênicos O que é um transplante? Imunologia dos Transplantes Prof.Dr. Gilson Costa Macedo Processo de retirada de células, tecidos ou órgãos, chamados enxertos, de um indivíduo e a sua inserção em um indivíduo

Leia mais

Descrição do esfregaço

Descrição do esfregaço Descrição do esfregaço Série vermelha: microcitose e hipocromia acentuadas com hemácias em alvo. Policromasia discreta. Série branca: sem anormalidades morfológicas Série plaquetária: sem anormalidades

Leia mais

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar:

Oferecemos uma ampla gama de tratamentos entre os que podemos destacar: A cirurgia endovascular agrupa uma variedade de técnicas minimamente invasivas mediante as quais CIRURGIA ENDOVASCULAR = CIRURGIA SEM CORTES! Técnicas Minimamente Invasivas As técnicas de cirurgia endovascular

Leia mais

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador

DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador aminidicionário DO PACIENTE RENAL Tratamento conservador Ao paciente e seus familiares, este pequeno dicionário tem a intenção de ajudar no entendimento da doença que passou a fazer parte das suas vidas.

Leia mais

Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé

Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé Rastreio de Diagnóstico Precoce em recém-nascidos para o seu bebé Na primeira semana após o nascimento, é-lhe oferecida a possibilidade de efetuar um rastreio de diagnóstico precoce ao seu bebé. Porque

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 12 de fevereiro de 2015 Tema: Novas perspectivas no tratamento das Leucemias Agudas Total atingido de pessoas na sala: 25 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração:

Leia mais

Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA. 707 20 10 18 geral@bebevida.com www.bebevida.com

Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA. 707 20 10 18 geral@bebevida.com www.bebevida.com Fevereiro 2011 BEBÉ VIDA INFORMA 1 Células hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical podem ajudar na recuperação de AVC s As células estaminais hematopoiéticas do sangue do cordão umbilical podem promover

Leia mais

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008

ASPECTOS MÉDICOS M DOAÇÃO DE TICA HEMATOPOÉTICA. Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 ASPECTOS MÉDICOS M DA DOAÇÃO DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ Daniela Carinhanha Setubal Serviço o de Transplante de Medula Óssea UFPR 29/03/2008 TRANSPLANTE DE CÉLULA-TRONCO HEMATOPOÉ INTRODUÇÃO ; TRANSPLANTE

Leia mais

Neurociências. ID: 60262485 22-07-2015 Premiado projecto de investigação sobre a ELA

Neurociências. ID: 60262485 22-07-2015 Premiado projecto de investigação sobre a ELA ID: 60262485 22-07-2015 Premiado projecto de investigação sobre a ELA Tiragem: 33183 País: Portugal Period.: Diária Âmbito: Informação Geral Pág: 31 Cores: Cor Área: 5,66 x 30,41 cm² Corte: 1 de 1 Neurociências

Leia mais

O que é a osteoporose?

O que é a osteoporose? Introdução O que é a osteoporose? Toda a gente sabe que o aumento da fragilidade dos ossos e consequente risco de fracturas, assim como o encurvamento da coluna e a perda de altura, fazem parte do processo

Leia mais

Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015

Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015 Chat com o Dr. Fábio Dia 06 de março de 2015 Tema: Mielofibrose uma doença ainda desconhecida Total atingido de pessoas na sala: 27 usuários Limite permitido na sala: 40 usuários Duração: 1h30 Perguntas

Leia mais

PROPOSTA DE LEI N.º 65/X. Exposição de Motivos

PROPOSTA DE LEI N.º 65/X. Exposição de Motivos PROPOSTA DE LEI N.º 65/X Exposição de Motivos O Programa do XVII Governo Constitucional assumiu como uma das suas prioridades a obtenção de ganhos em saúde, que se reflectem, nomeadamente, em anos de vida

Leia mais

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição.

Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. Protocolo para Transfusão de Hemocomponentes em Crianças Grupo Hospitalar Conceição - Hospital da Criança Conceição. 1. Introdução: Atualmente, a transfusão de hemocomponentes é considerado um procedimento

Leia mais

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mielodisplásica.

Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mielodisplásica. MANUAL DO PACIENTE - SÍNDROME MIELODISPLÁSICA EDIÇÃO REVISADA 02/2004 Este manual tem como objetivo fornecer informações aos pacientes e seus familiares a respeito da Síndrome Mielodisplásica. Sabemos

Leia mais

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas.

DEFINIÇÃO. quantidade de plaquetas. HEMOGRAMA DEFINIÇÃO É o exame mais requisitado pela medicina e nele analisa-se as células sanguíneas. É comum você pegar um laudo dividido em três partes:eritrograma, parte que analisa as células vermelhas

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SANGUE

ALTERAÇÕES NO SANGUE ALTERAÇÕES NO Alterações no sangue são mais frequentes em crianças com síndrome de Down do que no resto da população. Existem algumas diferenças nas contagens das células sanguíneas e também uma maior

Leia mais

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS

TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS 1 TRANSPLANTE DE CÉLULAS HEMATOPOÉTICAS Adriano dos Santos Pereira RESUMO Desde o primeiro procedimento realizado em 1968, o transplante de medula óssea vem sendo utilizado de maneira crescente, o tratamento

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º DE 2005. (Do Sr. CARLOS NADER)

PROJETO DE LEI N.º DE 2005. (Do Sr. CARLOS NADER) PROJETO DE LEI N.º DE 2005. (Do Sr. CARLOS NADER) Institui o Programa de Hemoglobinopatias e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º - Fica instituído o Programa de Hemoglobinopatias,

Leia mais

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br

Idade, ela pesa 07/07/ 2015. Minhavida.com.br Todo mundo quer viver muitos anos, não é mesmo? Mas você já se questionou se está somando mais pontos contra do que a favor na busca pela longevidade? Por isso mesmo, um estudo da Universidade da Califórnia,

Leia mais

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade

Apresentação. É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade Apresentação Projeto Cultura Doadora É uma iniciativa da Fundação Ecarta para contribuir na formação de uma cultura de solidariedade e uma atitude proativa para a doação de órgãos e tecidos, bem como na

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Linfóide Crônica Manual de Leucemia (LLC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Você está lutando contra algum câncer do sangue? Existe ajuda gratuita. A ABRALE -

Leia mais

células Vários tipos de

células Vários tipos de Células tronco Bioquímicas Maria Alice Vieira Willrich Adriana Helena Sedrez Patricia Bernardi Curso de Gestantes Unimed Brusque, 03 de setembro de 2007. O que são células tronco? Tipos de Células-Tronco

Leia mais

Tipos de Transplantes

Tipos de Transplantes TRANSPLANTADOS Tipos de Transplantes Doador Vivo Um dos Rins Parte dos Pulmões Parte do Fígado Medula Óssea Doador Falecido Diagnóstico de Morte Encefálica Rins, Pulmões, Coração, Valvas Cardíacas, Fígado

Leia mais

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos.

c) Macrófagos e células B apresentam antígenos a células T helper. (Preencha as lacunas.). 2 pontos. Questão 1 Você é um imunologista que quer ficar rico e decide deixar o mundo da ciência, conseguindo um emprego como consultor de roteiro em um novo seriado de drama médico. Você avalia o conhecimento

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS

INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS INTERPRETAÇÃO DE EXAMES LABORATORIAIS CINÉTICA DO FERRO Danni Wanderson Introdução A importância do ferro em nosso organismo está ligado desde as funções imune, até as inúmeras funções fisiológicas, como

Leia mais

Teste Pré-Natal. Sem riscos para a mãe ou para o feto. Não Invasivo em Sangue Materno

Teste Pré-Natal. Sem riscos para a mãe ou para o feto. Não Invasivo em Sangue Materno Teste Pré-Natal Não Invasivo em Sangue Materno Teste para a Detecção das Síndromes de Down, Edwards, Patau e Turner (e outras alterações cromossómicas do feto) Sem riscos para a mãe ou para o feto Panorama

Leia mais

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica

O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Leucemia Mieloide Crônica O QUE VOCÊ DEVE SABER SOBRE Manual de (LMC) O que você deve saber sobre (LMC) Desenvolvimento ABRALE e Colaboradores Este manual, destinado a pacientes com leucemia mieloide crônica (LMC) e seus familiares,

Leia mais

Leucemia Mielóide Crônica

Leucemia Mielóide Crônica O que você deve saber sobre Leucemia ABRALE. 100% de esforço, onde houver 1% de chance. Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico

Leia mais

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS.

CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Laura S. W ard CAMPANHA PELA INCLUSÃO DA ANÁLISE MOLECULAR DO GENE RET EM PACIENTES COM CARCINOMA MEDULAR E SEUS FAMILIARES PELO SUS. Nódulos da Tiróide e o Carcinoma Medular Nódulos da tiróide são um

Leia mais

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica

HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI. Leucemia Mielóide Crônica HEMORIO INSTITUTO ESTADUAL DE HEMATOLOGIA ARTHUR DE SIQUEIRA CAVALCANTI MANUAL DO PACIENTE - LEUCEMIA MIELÓIDE CRÔNICA EDIÇÃO REVISADA 02/2009 Leucemia Mielóide Crônica Este manual tem como objetivo fornecer

Leia mais

O seu guia para compreender a. Anemia Aplásica. Respostas. Apoio. Esperança.

O seu guia para compreender a. Anemia Aplásica. Respostas. Apoio. Esperança. O seu guia para compreender a Anemia Aplásica Respostas. Apoio. Esperança. A combater as doenças relacionadas com insuficiências da medula óssea através do apoio aos doentes e investigação desde 1983 A

Leia mais

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência

Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Cuidados continuados dirigidos a pessoas idosas em situação de dependência Angela Valença médica Neurologista Este tema é muito actual. A situação de dependência não é exclusiva de pessoas idosas mas o

Leia mais

Linfomas. O que você deve saber sobre

Linfomas. O que você deve saber sobre Linfomas O que você deve saber sobre Manuais da ABRALE Associação Brasileira de Linfoma e Leucemia Coordenação Executiva Merula A. Steagall Comitê Médico Científico ABRALE Comunicação & Marketing Diólia

Leia mais

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão

Mini-conferência Detecção de agentes infecciosos em hemocomponentes não plasmáticos. Discussão Foto: Marcelo Rosa 8h30 8h40-9h 9h-9h50 9h50-10h 10h-10h20 Entrega do material Abertura Conferência: A doação de sangue na América Latina 10h20-10h50 10h50-11h 11h-12h30 11h-11h20 11h20-11h40 11h40-12h

Leia mais

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos.

A morte cerebral é diferente da morte cardíaca: a primeira permite a doação de órgãos e tecidos; a segunda, só a doação de tecidos. Doação de órgãos A doação de órgãos é um ato de caridade e amor ao próximo. A cada ano, muitas vidas são salvas por esse gesto altruísta. A conscientização da população sobre a importância da doação de

Leia mais

Terapia de Reposição. Tratamento Específico para a Doença Pulmonar por Alfa-1

Terapia de Reposição. Tratamento Específico para a Doença Pulmonar por Alfa-1 Terapia de Reposição Tratamento Específico para a Doença Pulmonar por Alfa-1 INTRODUÇÃO As agências reguladoras de vários países já aprovaram a utilização da proteína alfa-1 antitripsina (AAT) derivada

Leia mais

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança

Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Curso de Capacitação em Biossegurança de OGMs Células-tronco Legislação de Biossegurança Florianópolis, Agosto 2004 Células-tronco O que são células-tronco e o que podemos fazer com elas? Qual a relação

Leia mais

EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS HEREDITÁRIAS DO METABOLISMO (DHM)

EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS HEREDITÁRIAS DO METABOLISMO (DHM) EPIDEMIOLOGIA DAS DOENÇAS HEREDITÁRIAS DO METABOLISMO (DHM) A Epidemiologia é a disciplina que estuda os determinantes da doença bem como os fatores envolvidos no seu desenvolvimento, distribuição e disseminação

Leia mais

Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000

Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000 Portaria n.º 1315/GM, de 30 de novembro de 2000 O Ministro de Estado da Saúde no uso de suas atribuições legais, Considerando a Lei nº 9.434, de 04 de fevereiro de 1997, que dispõe sobre a remoção de órgãos,

Leia mais

BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ)

BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) BIOBANCO IMM PERGUNTAS FREQUENTES (FAQ) Gostaria de doar sangue para apoiar a investigação médica. Como poderei fazer? Para doar uma amostra pode nos contactar (217999437 ou 965152588) ou visitar nos no

Leia mais