Escola Mundo Editorial

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Escola Mundo Editorial"

Transcrição

1 NEWSLETTER nº3 Conteúdos: Pág. 1 Justiça Social Avaliar a compreensão dos jovens Pág. 2 Actividade para Professores À descoberta da Justiça Social Pág. 3 Porque me envolvi no Escola Mundo Uma perspectiva da Bulgária Pág. 7 Pode a aldeia global ser socialmente justa? Sistema educativo e Justiça Social Global Pág. 8 Estudo de Caso A Justiça Social nas notícias Escola Mundo Editorial Bem-vindo à terceira edição do Escola Mundo. Esta edição reúne um artigo de reflexão sobre educação, um testemunho de um professor sobre educação para a justiça social, uma actividade prática que pode ser usada nas escolas para promover o debate e avaliação do conhecimento e da compreensão dos jovens sobre os temas da justiça social e o estudo de caso sobre a Costa do Marfim. Justiça Social - Avaliar a compreensão dos jovens por Trish Sandbach, Leeds Development Education Centre Educar para a Justiça Social representa por si só um desafio, mas como sabemos que impacto estamos a ter junto dos nossos alunos? Para ajudar as escolas a identificar os conhecimentos básicos dos alunos sobre as questões da Justiça Social e da Cidadania Global e para criar um plano de progressão, a equipa do Escola Mundo desenvolveu uma matriz de auto-avaliação orientada para estas questões. De facto, a matriz de auto-avaliação constitui-se numa ferramenta de monitoria, pois baseia-se num conjunto de conceitos de dimensão global como justiça social, direitos humanos, cidadania global, sustentabilidade, interdependência, diversidade, resolução de conflitos, entre outros.

2 2 Analisando a estrutura da matriz, a lista de conceitos à esquerda abrange os conceitos de dimensão global mencionados acima, na perspectiva da justiça social global. Do Ponto de Partida, progredindo para os níveis 1, 2 e 3, cada novo nível marca um conhecimento e entendimento mais profundo do conceito ou da questão identificada na coluna da esquerda. Esta matriz foi desenvolvida com a colaboração de equipas de diferentes escolas do projecto e criada para ajudar os professores a decidir que áreas da Justiça Social e da Cidadania Global os jovens compreendem melhor e quais as que precisam de ser mais reforçadas, em termos de conteúdos, métodos e abordagens. Este processo evidenciou debates interessantes sobre que sequência seguir na matriz desde o Ponto de Partida até ao Nível 3 e sobre os desafios que se colocam aos educadores quanto ao planeamento do progresso dos alunos. A actual matriz é de trabalho progressivo ao invés de ser considerada uma versão final. Será revista e desenvolvida ao longo do projecto, em resposta aos comentários e sugestões dos professores. Pode fazer o download da matriz de forma gratuita em na página de Portugal, em Outros Materiais. Se tiver dúvidas ou sugestões, não hesite em contactar-nos através do Actividade para Professores À descoberta da Justiça Social Pode utilizar esta actividade com os seus colegas de modo a partilhar conhecimento acerca da justiça social e para estimular a discussão sobre como é e como deve ser pensada a justiça social nas escolas. 1- Imprima uma cópia a cores da matriz da Justiça Social. Cada linha da matriz deve ter uma cor diferente, para que cada conceito (ex: Diferentes modelos de justiça social) tenha uma cor de fundo diferente. Imprima a versão colorida da matriz num cartão, laminado se possível. Note que agora, cada conceito é uma tira com uma cor. 2- Corte o cartão em tiras e depois cada tira em quadrados: no fim terá 40 cartões. 3- A tarefa: Os professores trabalharão em grupos de dois ou três com um conjunto completo de demonstrações. Primeiro, devem classificá-los em conjuntos de cores, depois discutir e classificá-los para que o conceito esteja à esquerda, e os outros cartões da mesma cor sejam organizados segundo a evolução em termos de conhecimento e da aprendizagem dos alunos.

3 3 Da nossa experiência: Isto levará à discussão sobre o significado de justiça social Tornará o problema das desigualdades sociais mais actual, uma vez que é solicitado aos participantes para falarem sobre o que significa para eles estas questões É criada a oportunidade de dialogar, aprender com os outros e reflectir sobre assuntos importantes. Porque me envolvi no Escola Mundo Uma perspectiva da Bulgária O projecto Escola Mundo pretende envolver professores para que olhem para os seus valores enquanto professores e para que envolvam as questões da Justiça Social nos curricula. No artigo abaixo, Marineta Ivanova, professora da English Language School Geo Milev Bourgas da Bulgária partilha as razões por que se juntou ao projecto. Porque me envolvi no Escola Mundo Uma perspectiva da Bulgária por Marineta Ivanova, Teacher, Bourgas Num mundo interdependente e em rápida e constante mudança, os educadores podem e devem ajudar os estudantes a encarar os desafios que enfrentarão no futuro. A vida dos jovens é cada vez mais influenciada pelo que se passa no resto do mundo. O objectivo do projecto Escola Mundo é dotar os jovens estudantes de conhecimento e compreensão, e aptidão e valores que necessitam para participarem activamente na garantia do seu bem-estar e de outros, e para dar um contributo positivo, quer a nível local quer a nível global. No contexto do projecto, espero falar sobre a justiça social e, sempre que possível, provocar a discussão durante as minhas aulas. Felizmente, a disciplina Geografia do Mundo é propícia à abordagem do problema. Os temas base da justiça social que decidi tratar são: pobreza e desigualdade, sustentabilidade, desenvolvimento e globalização. Eu lecciono Geografia em Inglês, uma vez que a nossa escola é uma escola de línguas. Dando a oportunidade tanto a professores como a estudantes de pesquisar informação e boas práticas de aprendizagem relativamente ás questões da justiça social. O

4 4 que compreendi das diferentes fontes literárias foi que a idade dos nossos estudantes é propícia a desenvolver competências como: pensamento crítico, literacia emocional, empatia, etc. A percepção de diferentes modelos de justiça social é vital para futuras actividades. Irá realçar a sua auto-estima, apoiar os seus processos de tomada de decisão e torná-los-á activos para lutar pelos seus direitos contra um mundo injusto. Escola Mundo é um bom projecto de educação porque envolve plenamente os jovens na sua própria aprendizagem, através do uso de uma ampla gama de activos e métodos de aprendizagem participativa. Este envolverá o aluno enquanto desenvolve confiança, auto-estima e aptidões de pensamento crítico, comunicação, cooperação e resolução de conflitos. Estes são todos ingredientes vitais para melhorar a motivação, o comportamento e o desempenho transversal à escola. É por isso que eu aceitei a ideia básica do projecto: que as escolas que participam devem incluir no currículo das diversas disciplinas diferentes aspectos da justiça social. A actual utilização dos recursos do planeta é injusta e insustentável. À medida que a lacuna entre os ricos e os pobres aumenta, a pobreza continua a negar a milhões de pessoas em todo o mundo os seus direitos básicos. A educação é uma ferramenta poderosa para mudar o mundo, porque os jovens que hoje educamos são os adultos de amanhã. Educar para a justiça social incentiva os jovens a terem preocupações sobre o planeta e a desenvolverem empatia, e uma preocupação activa para com os outros. Os educadores para a justiça social utilizam, sempre que possível, métodos de aprendizagem activa e participativa. É uma forma de reunir a realidade actual e o contexto do mundo onde os jovens se desenvolvem para a vida adulta, e a desenvolver as suas competências para serem agentes de mudança. Pode a aldeia global ser socialmente justa? Sistema educativo e Justiça Social Global por Eyachew Tefera, Insitute of African Studies, Eslovénia A aldeia global Em pleno século XXI vivemos numa era, vulgarmente entendida como a era da globalização e de um mundo cada vez mais homogéneo. As mudanças históricas que ocorreram no Leste e no Oeste da Europa e noutras fronteiras geopolíticas, e os pressupostos económicos subjacentes

5 5 estão a ser substituídos por novas realidades. Esta mudança testemunha que ninguém vive isolado, mas sim interligado em quase todos os aspectos da vida. Por outro lado, esta aldeia global tem desigualdades económicas, sociais, raciais e ambientais. Hoje em dia, o fluxo de ideias, informação e serviços está ligado globalmente atingindo cada casa e cada pessoa. Estas e outras circunstâncias convidam à apresentação de um sistema educativo eficaz, um sistema que pode gerar pessoas globalmente competitivas com diversidade global e valores. Até mesmo do ponto de vista da criação de uma força de trabalho a nível global, os países desenvolvidos e em desenvolvimento (EUA, União Europeia, Japão, China e Índia) irão enfrentar falhas críticas de 32 milhões de profissionais tecnicamente especializados. Em todo o mundo, a procura de educadores profissionais está a crescer mais rapidamente do que a população de pessoas habilitadas. Infelizmente, o sistema de ensino actual normalmente insuficiente e sob pressão para fazer mais com menos está mal equipado para colmatar a lacuna das competências. Apesar dos biliões de dólares gastos, a tecnologia tem produzido resultados inconsistentes (M. King, IBM). Para alcançar estes objectivos, a indústria da educação deve empenhar-se em tornar-se mais aberta: mais oportunidades de acesso à educação para mais estudantes, dados e processos mais abertos dentro e entre instituições e uma cultura mais aberta de colaboração e partilha. Um sistema educativo deve abordar temas como o conhecimento dos oito princípios da dimensão global. Isto inclui: cidadania activa, justiça e direitos, deveres e responsabilidades, e responsabilidade. Mas, também, deve sensibilizar sobre a importância que as nossas acções devem ser baseadas no conhecimento sobre a inter-relação destes. Deve surgir da consciencialização que estes desafios, que o mundo enfrenta hoje em dia são um fardo partilhado que afecta a todos e que todos são responsáveis por agir para a sua mudança. Estas acções devem ser tanto baseadas no problema como orientadas para a solução acções que comecem em comunidades locais, cidades, escolas e regiões, acções que se tornem acções globais através da advocacia, transferência de conhecimento e sensibilização. Valor na educação vs rigidez do sistema de ensino Educação é um trunfo em qualquer nação e em qualquer sociedade. Para formar cidadãos para o século XXI, o sistema educativo deve se esforçar continuamente para oferecer um ensino que ajude os alunos a aprender a ver através dos olhos, mentes e corações dos outros. Isto irá permitir-lhes compreender, explicar e maximizar a complexidade e dependência acerca de si

6 6 mesmo, dos outros e dos valores comuns e destino do nosso futuro colectivo, assim como, a nível lato, a razão de ser da humanidade. A educação, deve por isso, contribuir para libertar as mentes que estão reféns do passado e, em alguns casos, enfrentar os desafios da ciência e a falácia dos cientistas. A educação é orientar o futuro; é sobre desenvolvimento e crescimento até quando estamos a estudar o passado. Segundo Julius Nyerere (primeiro presidente da Tanzânia); o objectivo da educação é a libertação dos seres humanos das restrições e limitações da ignorância e da dependência. Educar não é apenas encher o cérebro! A educação leva-nos à consciencialização do mundo. Envolve actividades que visam estimular o pensamento, para promover a aprendizagem, ou ajudar outras pessoas a aprender, ou para nos próprios aprendermos alguma coisa deve ser vista como um processo de auto educação. Educação deve ter: intenção de promover a aprendizagem, uma preocupação com o meio ambiente. Parafraseando J. Dewey, nunca educamos directamente, mas indirectamente por meio do ambiente e de certos valores. Os educadores não podem agir livres de valores, nem devem usar a educação como uma forma de doutrinação. O papel do educador é educar para promover valores como: respeito pelos outros, promover o bem-estar, a verdade, a democracia, a justiça e a igualdade. Estes valores devem abranger tanto o conteúdo das nossas conversas, bem como o nosso comportamento e as relações como educadores. Ensinar o que induz um sentido de impotência não é ensinar de todo. É sim um ataque às mentes dos indivíduos. O objectivo da educação deve ser ensinar como pensar em vez de ensinar o que pensar para melhorar as nossas mentes permitindo-nos pensar por nós mesmos em vez de carregar a nossa memória com o pensamento de outros homens Bill Beattie. O conhecimento por si só não tem valor. É como um dicionário cheio de palavras. Palavras que por si só não têm valor: é o processo de as juntar que lhes dá valor.

7 7 O sistema educativo: Um sistema educativo criado apenas por uma elite da educação não consegue preparar a nova geração para enfrentar os desafios deste século. Muitos especialistas argumentam que os empreendedores usam a inspiração e a motivação para ultrapassar barreiras. Ensinar para alcançar resultados académicos por si só não inspira nem motiva ninguém, decorar não induz o interesse pela aprendizagem. O objectivo da educação deve ser desenvolver o gosto pela aprendizagem, de modo a que permaneça com os alunos durante toda a vida. Educar sem valores produz intelectuais desumanos, segundo Wiesel um sistema educativo, que enfatize teorias em vez de valores, conceitos em vez de direitos humanos, abstracção em vez de consciencialização, respostas em vez de perguntas, ideologia e eficiência em vez de consciência está condenado ao fracasso (lembrem-se que os nazis tinham as pessoas mais bem educadas). É isto que inspirou a iniciativa de Educação para a Justiça Social. A Europa e a sua competitividade através da estratégia do Tratado de Lisboa a busca por um sistema de educação baseado em valores. Na estratégia do Tratado de Lisboa, a União Europeia define uma visão da Europa como um continente competitivo e um actor global. O sistema educativo desempenhará, sem dúvida, um papel vital destes objectivos e moldar o futuro das comunidades da União Europeia. Contudo, se não agirmos, somos confrontados com a possibilidade de aumentar a geração de Actores Globais que põem o lucro à frente do respeito humano, e de termos uma união economicamente competitiva, mas que não aproveita o talento dos seus cidadãos. O recente caso de despejo de resíduos tóxicos na Costa do Marfim (ver caso de estudo abaixo) é um desses exemplos. É altura de nos focarmos na educação olhar para além do currículo, do planeamento das aulas e dos exames e questionar pressupostos fundamentais sobre a definição de educação detida pelos nossos educadores e políticos/legisladores. Nota do Editor: Se tiver algum comentário às opiniões expressas neste artigo, pode enviar um para

8 8 Estudo de Caso - A Justiça Social nas Notícias Guy Oulla, 42 anos, professor de ciências comenta o veredicto relativo à empresa angolanaholandesa Trafigura, que foi recentemente considerada culpada de lançar lixo tóxico na Costa do Marfim. Trafigura foi recentemente multada em 1 milhão de euros por um tribunal na Holanda por transporte ilegal de resíduos tóxicos da Holanda e dissimular a natureza da carga. A empresa chegou a um acordo extrajudicial com os residentes de Free Town. Em 2007, libras foram pagas para compensar os residentes locais e libras ao governo da Costa do Marfim como compensação. O tribunal holandês multou um empregado da Trafigura e deu ao capitão do barco uma pena de prisão suspensa de 5 anos. É bom eles terem sido condenados. Mas seria melhor se eles tivessem sido presos. De volta a 2006, a 19 de Agosto, cheirou-me a um forte odor, como a borracha queimada. Pensei que alguma coisa estava a arder numa das casas do meu bairro, mas quando saí à rua era por volta das da noite não conseguia ver fogo, mas o cheiro continuava lá. Em todo o lado. No dia seguinte pensamos que se calhar era algum químico para matar os mosquitos, mas dois dias depois comecei a sentir-me doente. Estava fraco. O meu estômago estava a doer e comecei a vomitar. Estava a vomitar muito, e depois tive febre, por isso fui para a cama. Não conseguia comer. Exactamente que preço pode ser colocado a uma boa saúde? Eu estava fraco. Não conseguia trabalhar. Primeiro fui ao hospital Cocody; onde me deram analgésicos, que não ajudaram e então, fui ao hospital militar. Foi quando recebi vários tratamentos. Foi muito dinheiro que tive que pagar por todos os tratamentos. Recebi algum dinheiro da indemnização (paga pela Trafigura, que não admitiu a responsabilidade). Foi-me dado 909 libras (aprox ,00 ). Não foi suficiente porque gastei muito. Não só nas visitas ao hospital e para os tratamentos, mas também porque não pude trabalhar. Perdi

9 9 salários. O dinheiro que nos foi dado não foi suficiente. Qual o preço que se pode colocar a uma boa saúde? Tivemos que viver perto do lixo por muito tempo porque estava a 500mts do meu bairro, Akouedo. Não dava para sair dali porque não havia outro sítio para ir. Todas as pessoas do meu bairro ficaram doentes pelo menos 300 pessoas. As citações deste artigo foram retiradas do site da BBC News. Para mais informações consulte: Acontece no Moodle: Estão disponíveis 10 novas actividades que pode utilizar para explorar os diversos temas da Cidadania Global [Pobreza, Direitos Humanos, Cidadania, Sustentabilidade, Interdependência e Globalização, Diversidade, Conflito, Paz]. Não se esqueça de encorajar os seus alunos a analisar e debater sobre as questões abordadas. Para descobrir os materiais vá a Links úteis: Coordenação em PT Rua de São Nicolau nº Lisboa Tel: /

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

nossa vida mundo mais vasto

nossa vida mundo mais vasto Mudar o Mundo Mudar o Mundo O mundo começa aqui, na nossa vida, na nossa experiência de vida. Propomos descobrir um mundo mais vasto, Propomos mudar o mundo com um projecto que criou outros projectos,

Leia mais

Escola Mundo Editorial

Escola Mundo Editorial NEWSLETTER nº4 Conteúdos: Pág. 1 Seminário Aprendizagem Global para um Futuro Comum Reflexões dos participantes Pág. 3 Guia Prático para a Educação Global Um Manual para Compreender e Implementar a Educação

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt AGENDA 4. Síntese histórica do Voluntariado;

www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt AGENDA 4. Síntese histórica do Voluntariado; Voluntariado e Protecção Civil www.prociv.pt 26JUN2015 V Jornadas NOVOS PARADIGMAS DA PROTEÇÃO CIVIL cdos.porto@prociv.pt 1 AGENDA 1.Enquadramento Legal; 2. Responsabilidades; 3. O Voluntariado; 4. Síntese

Leia mais

Terra: O Planeta que queremos ter!

Terra: O Planeta que queremos ter! Terra: O Planeta que queremos ter! 1. Localização da Acção: Centro Cultural e de Congressos de Aveiro (Grande Auditório) 2. Data de realização da Acção: 22 e 23 de Abril de 2008 3. Descrição e objectivos

Leia mais

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS

EUNEDS INTRODUÇÃO FINALIDADE E OBJECTIVOS EUNEDS INTRODUÇÃO O mandato para desenvolver uma Estratégia para a Educação para o Desenvolvimento Sustentável (EDS) decorre da declaração apresentada pelos ministros do ambiente da CEE/ONU na 5ª Conferência

Leia mais

A Educação Artística na Escola do Século XXI

A Educação Artística na Escola do Século XXI A Educação Artística na Escola do Século XXI Teresa André teresa.andre@sapo.pt Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular Caldas da Rainha, 1 de Junho de 2009 1. A pós-modernidade provocou

Leia mais

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer

ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer ACTIVIDADES ESCOLA Actividades que a SUA ESCOLA pode fazer Crianças e jovens numa visita de estudo, Moçambique 2008 Produzir materiais informativos sobre cada um dos temas e distribuir em toda a escola

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES

VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES VIII Congresso da EUROSAI Lisboa, 30 de Maio 2 de Junho de 2011 CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES 1 Preâmbulo O VIII Congresso da EUROSAI realizado em Lisboa entre 30 de Maio e 2 de Junho de 2011 concentrou-se

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA

FUNDAMENTOS DE UMA EDUCAÇÃO CIENTÍFICA O sistema educativo deve garantir a coordenação, a consistência e a coerência do ensino para o desenvolvimento da educação científica Critérios de qualidade O conhecimento dos alunos e das suas aptidões

Leia mais

Identificar o PHDA. Os sintomas do PHDA integram-se em três subtipos básicos:

Identificar o PHDA. Os sintomas do PHDA integram-se em três subtipos básicos: A primeira coisa que deve saber sobre o PHDA é que esta é uma condição real e tratável que afecta milhões de crianças, adolescentes e adultos. Mais importante, com diagnóstico apropriado e tratamento eficaz,

Leia mais

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento

Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013. Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 Panorama Ensinar e Aprender para o Desenvolvimento O Relatório de Monitoramento Global de Educação para Todos de 2013 demonstrará porque

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO

PARLAMENTO EUROPEU. Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2004 2009 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 2007/2189(INI) 19.12.2007 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre a estratégia da UE para a política de consumidores 2007-2013

Leia mais

T&E Tendências & Estratégia

T&E Tendências & Estratégia FUTURE TRENDS T&E Tendências & Estratégia Newsletter número 1 Março 2003 TEMA deste número: Desenvolvimento e Gestão de Competências EDITORIAL A newsletter Tendências & Estratégia pretende ser um veículo

Leia mais

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo

ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo ENTERPRISE 2020 Inteligente Sustentável Inclusivo With the support of the European Commission and the Belgian Presidency of the European Union Porquê Enterprise 2020? Os desafios económicos, sociais e

Leia mais

Concurso Escola Mundo: Estudantes em Acção

Concurso Escola Mundo: Estudantes em Acção NEWSLETTER nº7 CONTEÚDOS: Pág.1 Concurso Escola Mundo: Estudantes em Acção Pág.1 Acções de Estudantes em Portugal Pág.2 Acções de Estudantes na Estónia Pág.3 Acções de Estudantes na Bulgária Pág.3 Acções

Leia mais

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS

CARTA DAS ONGD EUROPEIAS CARTA DAS ONGD EUROPEIAS Princípios Básicos do Desenvolvimento e da Ajuda Humanitária das ONGD da União Europeia O Comité de Liaison das ONG de Desenvolvimento da UE O Comité de Liaison ONGD-UE representa,

Leia mais

Saber dar e receber Feedback

Saber dar e receber Feedback Saber dar e receber Feedback Imagem de http://sestudo.blogspot.com/ Um presidente da Câmara de Nova Iorque, Ed Koch, passeava nas ruas da cidade e perguntava às pessoas o que achavam do seu desempenho

Leia mais

Ano Europeu da Criatividade e Inovação

Ano Europeu da Criatividade e Inovação Ano Europeu da Criatividade e Inovação Imaginar criar inovar Índice A União Europeia O caminho da UE O Ano Europeu Criatividade e Inovação. Porquê? Criatividade e Inovação. Importância Criatividade e Inovação.

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa

POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa POSIÇÃO DA UGT Audição sobre o Futuro da Europa A UGT saúda o debate em curso na Comissão dos Assuntos Europeus sobre o Futuro da Europa e, particularmente, sobre o futuro do Tratado Constitucional. O

Leia mais

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação

As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação As Crianças, a Guerra e os Meios de Comunicação Sara Pereira Instituto de Estudos da Criança Universidade do Minho Maio de 2003 No mundo de hoje, pais, professores e outros agentes educativos enfrentam

Leia mais

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhores membros do Governo,

Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhores membros do Governo, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, Senhores membros do Governo, De acordo com dados fornecidos pela Organização das Nações Unidas, mais de dez mil milhões de pessoas, repito, dez mil milhões

Leia mais

AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL

AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL AS IPSS s e a ECONOMIA SOCIAL Numa altura em que tanto se fala de Estado social, de desenvolvimento económico, de solidariedade, de coesão social, de crise, estas jornadas sobre Economia Social podem ser

Leia mais

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem?

O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de aprendizagem? Rui Trindade Universidade do Porto Portugal trindade@fpce.up.pt I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DA UNDIME/MG Belo Horizonte 11 de Abril de 2012 O que fazer para transformar uma sala de aula numa comunidade de

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Gung Ho! Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz

Gung Ho! Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz Gung Ho! Imagem de http://jpn.icicom.up.pt/imagens/educacao/estudar.jpg Numa organização ideal todos têm objectivos individuais, relacionais e organizacionais Will Shutz GUNG HO Gung Ho é a expressão chinesa

Leia mais

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021

Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Estratégia UNESCO para a Educação 2014-2021 Maria Rebeca Otero Gomes Coordenadora do Setor de Educação da Unesco no Brasil Curitiba, 02 de outubro de 2015 Princípios orientadores (i) A educação é um direito

Leia mais

plano do capítulo A abordagem ascendente NÍVEL I CAPÍTULO IV = Apropriação do projecto Nível II IV.1

plano do capítulo A abordagem ascendente NÍVEL I CAPÍTULO IV = Apropriação do projecto Nível II IV.1 CAPÍTULO IV A abordagem ascendente NÍVEL I plano do capítulo Diapositivo 1 A abordagem ascendente Nível I Diapositivo 2 Definição Nível I Diapositivo 3 Quatro níveis de "participação" Nível II Diapositivo

Leia mais

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa

MANIFESTO. A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa QUEM SOMOS NÓS? MANIFESTO A voz dos adultos aprendentes nas acções de alfabetização na Europa Somos adultos que participam em acções de alfabetização oriundos da Bélgica, França, Alemanha, Irlanda, Holanda,

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Nigéria: A resposta da Shell ao relatório da Amnistia Internacional Petróleo, Poluição e Pobreza no Delta do Níger é decepcionante

Nigéria: A resposta da Shell ao relatório da Amnistia Internacional Petróleo, Poluição e Pobreza no Delta do Níger é decepcionante Nigéria: A resposta da Shell ao relatório da Amnistia Internacional Petróleo, Poluição e Pobreza no Delta do Níger é decepcionante Reagindo ao relatório de 30 de Junho de 2009 da Amnistia Internacional

Leia mais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais

III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais III Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis 15 de Outubro de 2010, Ponta Delgada, Açores Saúde em Todas as Políticas Locais I Sessão Plenária: Saúde em Todas as Políticas Locais Reduzir as Desigualdades

Leia mais

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005.

Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. Cooperação empresarial, uma estratégia para o sucesso Nota: texto da autoria do IAPMEI - UR PME, publicado na revista Ideias & Mercados, da NERSANT edição Setembro/Outubro 2005. É reconhecida a fraca predisposição

Leia mais

A WaterAid e as mudanças climáticas

A WaterAid e as mudanças climáticas A WaterAid e as mudanças climáticas Kajal Gautam, 16 anos, e a prima, Khushboo Gautam, 16 anos, regressando a casa depois de irem buscar água em Nihura Basti, Kanpur, na Índia. WaterAid/ Poulomi Basu Louise

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS QREN: uma oportunidade para a Igualdade entre homens e mulheres

Leia mais

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS!

PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! PORTUGAL INDEPENDENTE, DENTRO OU FORA DO EURO, ACABOU. DENUNCIEI, BUT... NINGUÉM LIGOU - MALDITOS! FINISPORTUGAL! PRIVATIZAÇÕES. (Publicado em 20 Dezembro 2012) 1- Conceito Estratégico de Defesa Naciona

Leia mais

Formação profissional

Formação profissional ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DEFICIENTES Inclusão das pessoas com deficiência no mercado de trabalho Formação profissional APD 18/03 Junho 2003 Os Estados devem reconhecer que as pessoas com deficiência devem

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 8.10.2007 SEC(2007)907 DOCUMENTO DE TRABALHO DOS SERVIÇOS DA COMISSÃO documento de acompanhamento da Comunicação da Comissão sobre um programa para ajudar as

Leia mais

A Educação Financeira: é comigo? Enquadramento actual e perspectivas de intervenção

A Educação Financeira: é comigo? Enquadramento actual e perspectivas de intervenção Ciclo de conferências Construindo uma educação+financeira A Educação Financeira: é comigo? Enquadramento actual e perspectivas de intervenção Lisboa, 6 de Abril de 2011 Literacia Financeira Financial Capability

Leia mais

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio

Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio Empreendedorismo De uma Boa Ideia a um Bom Negócio 1. V Semana Internacional A Semana Internacional é o evento mais carismático e que tem maior visibilidade externa organizado pela AIESEC Porto FEP, sendo

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO

IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO IIDENTIFICAÇÃO SUMARIA DO PROJETO Título do projeto: Pensar Global, Agir Global Oito objetivos de Desenvolvimento para o Milénio, Oito Caminhos para mudar o Mundo Localização detalhada da ação (país, província,

Leia mais

Excelências Senhoras e Senhores,

Excelências Senhoras e Senhores, Excelência Sr. Blaise Campaoré - Presidente do Burkina Faso, Excelência Sr. Jean Ping, Presidente da Comissão da União Africana, Sr. Soumaila Cissé Presidente da Comissão Económica dos Estados da África

Leia mais

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade

O Futuro da Política Europeia de Coesão. Inovação, Coesão e Competitividade O Futuro da Política Europeia de Coesão Inovação, Coesão e Competitividade 20 de Abril de 2009 António Bob Santos Gabinete do Coordenador Nacional da Estratégia de Lisboa e do Plano Tecnológico Desafios

Leia mais

Este testemunho é muito importante para os Jovens.

Este testemunho é muito importante para os Jovens. Este testemunho é muito importante para os Jovens. Eu sempre digo que me converti na 1ª viagem missionária que fiz, porque eu tinha 14 anos e fui com os meus pais. E nós não tínhamos opção, como é o pai

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO

DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO DA REFLEXÃO À ACÇÃO - UMA PROPOSTA DE TRABALHO - Grupo de reflexão na área de psicologia sobre questões relativas à orientação sexual - Artigo apresentado no Colóquio de Estudos G(ay)L(ésbicos)Q(ueer)

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

EDIÇÃO ESPECIAL 2009

EDIÇÃO ESPECIAL 2009 EDIÇÃO ESPECIAL 2009 LIFE COACHING Curso Profissional de Formação de Coach Certificação Internacional em Coaching MORE E ECA (Para Reconhecimento pela ICI contactar-nos.) Entidade: MORE Institut, Ltd Actualmente

Leia mais

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1

Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Principais conclusões do Encontro de Voluntariado Universitário da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra 1 Dos contributos dos diferentes intervenientes do evento

Leia mais

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE -

I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado e cidadania - A REDE - Rede Portuguesa de Jovens para a Igualdade de Oportunidades entre Mulheres e Homens (REDE) I Seminário Transfronteiriço sobre Estratégias de participação Andaluzia, Algarve, Alentejo Marta Terra Voluntariado

Leia mais

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes

Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES. Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Coordenador das Comunidades de Aprendizagem Carlos Ribeiro CRC APRENDENTES II Clusters, Comunidades de Aprendizagem e projecto CRC Aprendentes Comunidades de Aprendizagem Modo de Funcionamento Metodologia

Leia mais

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE

CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados

públicos) e colocaremos no centro dos nossos esforços de planificação a associação dos diferentes meios de transporte. Os veículos privados CARTA DAS CIDADES EUROPEIAS PARA A SUSTENTABILIDADE (aprovada pelos participantes na Conferência Europeia sobre Cidades Sustentáveis, realizada em Aalborg, Dinamarca, a 27 de Maio de 1994) PARTE I: Declaração

Leia mais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais

MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais MINISTÉRIO DOS NEGóCIOS ESTRANGEIROS DIRECÇÃO GERAL DOS ASSUNTOS MULTILATERAIS Direcção de Serviços das Organizações Económicas Internacionais Intervenção de SEXA o Secretário de Estado Adjunto do Ministro

Leia mais

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 1 O Voluntariado é uma resposta necessária à realidade das nossas sociedades e um reconhecido veículo de desenvolvimento

Leia mais

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1)

Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Excelência Senhor presidente da COP 19 Excelências distintos chefes de delegações aqui presentes Minhas senhoras e meus senhores (1) Permitam que em nome do Governo de Angola e de Sua Excelência Presidente

Leia mais

CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO. Dia Mundial da Erradicação da Miséria

CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO. Dia Mundial da Erradicação da Miséria CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE OUTUBRO Dia Mundial da Erradicação da Miséria reconhecido pelas Nações Unidas como Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza Junho de 2013 CARTA INTERNACIONAL DO 17 DE

Leia mais

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL

REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA A MINISTRA DO TRABALHO, EMPREGO E SEGURANÇA SOCIAL. SEMINÁRIO SOBRE EMPRESAS EUROPEIAS E AS QUESTÕES

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS A CULPA É DO TEMPO? Porque o clima já não é o que era e os desastres naturais se sucedem com maior frequência e severidade, muitos deles agravados pela mão humana, a indústria de seguros e resseguros debate-se

Leia mais

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5

O que é a campanha. Continuamos à Espera pretende INFORMAR, INSPIRAR, MOBILIZAR e AGIR em torno da Agenda de Desenvolvimento. Continuamos à Espera 1/5 O que é a campanha Continuamos à Espera é uma campanha de Educação para o Desenvolvimento e para a Cidadania Global, centrada nas temáticas da Saúde Sexual e Reprodutiva, Justiça Social, Igualdade de Género

Leia mais

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa

PREFÁCIO. Paulo Bárcia. Director do Escritório da OIT em Lisboa Interior da capa PREFÁCIO O edifício normativo da Organização Internacional de Trabalho compreende diferentes instrumentos: Convenções, Recomendações, Resoluções, Conclusões e Directrizes. Destacam-se

Leia mais

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE

Versão Final aprovada pela Equipe do Executivo da CARE em Março 2007 CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE CÓDIGO DE CONDUTA PARA A PROTECÇÃO DO CONSUMIDOR DAS MICRO-FINANÇAS DA CARE Fundamentação Originalmente, as micro-finanças (MF) surgiram como uma forma alternativa de finanças para os pobres que eram antes

Leia mais

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004)

DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) DESENVOLVER E GERIR COMPETÊNCIAS EM CONTEXTO DE MUDANÇA (Publicado na Revista Hotéis de Portugal Julho/Agosto 2004) por Mónica Montenegro, Coordenadora da área de Recursos Humanos do MBA em Hotelaria e

Leia mais

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País

MISSÃO PAÍS. Manual da Missão País MISSÃO PAÍS Manual da Missão País Introdução Nos dias de hoje, quando ouvimos falar de missão, pensamos logo em acções de voluntariado em países subdesenvolvidos onde é preciso todo o tipo de ajuda para

Leia mais

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como

O Programa de Reforço e Dinamização da Cooperação Empresarial SISCOOP constitui-se como SISTEMA DE DIAGNÓSTICO E AVALIAÇÃO DO POTENCIAL DE DESENVOLVIMENTO DAS OPORTUNIDADES DE COOPERAÇÃO EM REDE Nota: documento elaborado pela INTELI Inteligência em Inovação, no âmbito da consultadoria prestada

Leia mais

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento?

FEC 25 anos: Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Iremos lembrar 2015 como um ano chave no setor do desenvolvimento? SEMINÁRIO INTERNACIONAL REPENSAR O DESENVOLVIMENTO REINVENTAR A COOPERAÇÃO ENQUADRAMENTO : Qual o papel das sociedades civis no desenvolvimento internacional? Lisboa, 19 de novembro de 2015 Iremos lembrar

Leia mais

Áreas de Desenvolvimento Pessoal

Áreas de Desenvolvimento Pessoal Renovação do Programa para Jovens (Aprovado na XLII Conferência Nacional) Áreas de Desenvolvimento Pessoal: A XLII Conferência Nacional da AEP, no âmbito do processo em curso de renovação do Programa para

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis. e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

COACHING EXECUTIVO. YouUp 2008. Para mais informações contacte-nos através do nº. 213 162 650 ou envie um email para: info@youup.

COACHING EXECUTIVO. YouUp 2008. Para mais informações contacte-nos através do nº. 213 162 650 ou envie um email para: info@youup. COACHING EXECUTIVO Os espanhóis têm uma máxima de que gosto muito: falem de mim nem que seja mal, o importante é que falem. O Coaching está na moda! Vários artigos sobre o tema estão a ser publicados em

Leia mais

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS

TRATADO DE LISBOA EM POUCAS EM POUCAS PALAVRAS OS PRIMEIROS PASSOS DATA/LOCAL DE ASSINATURA E ENTRADA EM VIGOR PRINCIPAIS MENSAGENS QUIZ 10 PERGUNTAS E RESPOSTAS OS PRIMEIROS PASSOS No século XX depois das Guerras No século XX, depois

Leia mais

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique

Expansão, qualidade e eficiência do Ensino Superior em Moçambique A Gestão Académica como determinante da Qualidade de Ensino Rodrigues, M.A.F 1. e Cassy, B 2 e-mail: malexa.rodrigues@gmail.com; bhangy.cassy@unizambeze.ac.mz Palavras-Chave: gestão académica, qualidade

Leia mais

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas

Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal. Jorge Sampaio. Assembleia Geral das Nações Unidas MISSAO PERMANENTE DE PORTUGAL JUNTO DAS NaфEs UNIDAS EM NOVA IORQUE Discurso de Sua Exceléncia o Presidente de Po rtugal Jorge Sampaio Reunião de Alto Nîvel da Assembleia Geral das Nações Unidas Nova Iorque

Leia mais

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay

Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens. http://ec.europa.eu/equalpay Acabar com as disparidades salariais entre mulheres e homens Resumo O que se entende por disparidades salariais entre mulheres e homens Por que razão continuam a existir disparidades salariais entre mulheres

Leia mais

Responsabilidade Social Empresarial

Responsabilidade Social Empresarial Relações Públicas e Comunicação Empresarial Disciplina: Comunicação Corporativa 6ºSemestre Responsabilidade Social Empresarial Docente: Tiago Ramos Discente: Vanessa Gomes Rolim nº5682 Lisboa, 26 de Abril

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos Humanos

Declaração Universal dos Direitos Humanos Declaração Universal dos Direitos Humanos Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

Declaração Universal dos Direitos do Homem

Declaração Universal dos Direitos do Homem Declaração Universal dos Direitos do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e dos seus direitos iguais e inalienáveis constitui o fundamento

Leia mais

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR

INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR INTERVENÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DR. RUI MARIA DE ARAÚJO POR OCASIÃO DA XIII REUNIÃO EXTRAORDINÁRIA DOS MINISTROS DO TRABALHO E DOS ASSUNTOS SOCIAIS DA CPLP A extensão da Protecção Social

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Bonfim

Agrupamento de Escolas do Bonfim Escola Secundária Mouzinho da Silveira Departamento de Ciências Sociais e Humanas Grupo de Recrutamento - 420 Ano Letivo de 2014 / 2015 Curso LINGUAS E HUMANIDADES Planificação Anual da disciplina de GEOGRAFIA

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015

A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 A SAÚDE NA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento 1 IMVF Documento de Posicionamento A SAÚDE DA AGENDA PARA O DESENVOLVIMENTO GLOBAL PÓS-2015 Documento de Posicionamento

Leia mais

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras

A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras A Língua Portuguesa em África: perspectivas presentes e futuras Este breve texto é uma proposta de reflexão acerca de algumas das questões que, em meu entender, merecem destaque na situação actual do desenvolvimento

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL 1 POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL Senhora Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores Membros

Leia mais

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa

a escola e o mundo do trabalho XVII colóquio afirse secção portuguesa . INÁCIO, Maria Joana SALEMA, Maria Helena Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa RESUMO Aprender a aprender constitui-se como uma das competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida,

Leia mais

FASCÍCULO IV OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO

FASCÍCULO IV OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO OS PRINCIPAIS CONCEITOS PARA A COMPREENSÃO DA IGUALDADE DE GÉNERO Com a colaboração de: No âmbito dos estudos de género e das políticas de igualdade têm vindo a ser definidos inúmeros conceitos com vista

Leia mais

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP

Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Código de Ética para Psicólogos de acordo com a FEAP Federação Europeia de Associações de Psicólogos Código Geral de Ética Aceite pela Assembleia Geral, Atenas, 1 Julho 1995. 1. Preâmbulo. Os Psicólogos

Leia mais

O Coaching contém em si mesmo um processo de análise, de reflexão, de desafio e de operacionalização.

O Coaching contém em si mesmo um processo de análise, de reflexão, de desafio e de operacionalização. Coaching Executivo Os espanhóis têm uma máxima de que gosto muito: falem de mim nem que seja mal, o importante é que falem. O Coaching está na moda! Vários artigos sobre o tema estão a ser publicados em

Leia mais

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender;

a) Caracterização do Externato e meio envolvente; b) Concepção de educação e valores a defender; Projecto Educativo - Projecto síntese de actividades/concepções e linha orientadora da acção educativa nas suas vertentes didáctico/pedagógica, ética e cultural documento destinado a assegurar a coerência

Leia mais