PERÍODO COLONIAL ( )

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERÍODO COLONIAL (1530-1808)"

Transcrição

1 PERÍODO COLONIAL ( ) O Brasil Colonial foi o período compreendido entre seu povoamento, em 1530, e a proclamação de sua independência, em 1822, no qual o território brasileiro era uma colônia do império ultramarino português. A economia geral do período colonial brasileiro foi caracterizada pela monocultura latifundiária, pela agro-exportação e pela utilização de mão-deobra escrava. Os primeiros povoamentos, os jesuítas e o tráfico negreiro O povoamento do Brasil não foi encarado como um empreendimento comercial no início, e sim a conversão dos indígenas ao catolicismo, utilizando os argumentos de exaltação da fé católica e a salvação das almas. Os jesuítas levaram a sério o caráter missionário que o rei de Portugal, D. João III, quis imprimir ao povoamento do Brasil. Por esse motivo, muito cedo os jesuítas chocaram-se com os povoadores, quando se defrontavam com a escravização indígena (os jesuítas se opunham à escravização indiscriminada; ela devia ter um objetivo religioso e não econômico). Era preciso, entretanto, a dominação dos indígenas para haver a cristianização; meios violentos, caso necessários, eram legítimos. Para os religiosos, estabelecer regras claras e restritivas no acesso à mão-de-obra indígena refreava a cobiça dos povoadores. A solução para esse problema foi o tráfico negreiro, que articulou os interesses dos plantadores e da burguesia comercial. Trazendo da África os trabalhadores necessários para os engenhos, ele acabou de vez com a interferência dos jesuítas. Ele sempre esteve a cargo de iniciativas particulares; a Coroa nunca, de fato, se empenhou para tomar para si o encargo do tráfico.

2 O escravismo colonial foi estruturalmente mercantil. A produção açucareira estava voltada para o mercado externo, e não tinha outra finalidade senão o lucro. Os escravos eram, portanto, produtores de mercadorias, sendo adquiridos por meio do comércio entre senhores de engenho e traficantes. Os primeiros anos, a cana de açúcar e as capitanias hereditárias Em 1530, uma expedição liderada por Martim Afonso de Souza explorou o litoral e fez o reconhecimento do interior, permanecendo aqui durante três anos. Neles, houveram a descoberta da cana-de-açúcar; a instalação do primeiro núcleo colonial, na vila de São Vicente (atualmente no estado de São Paulo); e a construção do primeiro engenho, moinho utilizado para processar a cana. Em 1534, a Coroa Portuguesa dividiu o Brasil em catorze capitanias hereditárias, cujos donos eram membros da pequena nobreza. Os donatários traziam a Carta de Doação, que declarava a doação e tudo o que ela implicava, e os forais, uma espécie de código tributário que estabelecia os impostos. Nos dois documentos, o rei praticamente abria mão de sua soberania e conferia aos donatários amplos poderes. Entretanto, esse sistema fracassou, tendo em vista a extensão das terras e a escassez de recursos. No final das capitanias, apenas Pernambuco teve êxito. Assim, estava claro que o povoamento e a valorização econômica da terra por meio da iniciativa particular era inviável, já que: 1. era necessário um elevado investimento; 2. a distância em relação à metrópole era alta; 3. a resistência dos indígenas, cuja hostilidade contra os invasores não demorou a se manifestar, era preocupante. Os indígenas já estavam sendo vistos como uma mão-de-obra compulsória, havendo a escravidão por parte dos habitantes nativos.

3 O Governo Geral (1548) e as Câmaras Municipais Como resposta ao sistema de capitanias, foi estabelecido, em 1548, o Governo Geral para auxiliar o sistema de capitanias e centralizar a administração colonial. O Governo Geral veio para tornar efetiva a guarda da costa, para auxiliar os donatários e para organizar a ordem política. O governador geral também deve combater o comércio ilegal, integrar os índios aos centros de colonização e buscar metais preciosos. Para auxiliar na sua administração, o governador-geral contará com a Ouvidoria, um conjunto de cargos administrativos como o ouvidor-mor (resolução dos problemas jurídicos e cumprimento das leis), o provedor-mor (controle dos gastos administrativos e cumprimento das leis) e o capitãomor (ações militares de defesa). No Governo Geral serão criadas, ainda, as câmaras municipais, que representavam o poder local das vilas, surgindo em função da necessidade da coroa portuguesa em controlar e organizar as cidades e vilas que se desenvolviam. Instaladas nas sedes das vilas, eram compostas por três ou quatro vereadores. Conhecidos popularmente como homens bons, eles eram pessoas ricas e influentes, integrantes da elite colonial; somente os integrantes dessa elite podiam ser eleitos para exercer o cargo de vereador. Essas câmaras tinham, como principais funções, as de resolver problemas locais de ordem econômica, política e administrativa; gerenciar gastos e rendas da administração pública; e construir obras necessárias ao desenvolvimento colonial. Numa situação privilegiada, os vereadores se aproveitarão, havendo a patrimonialização do poder. Com a queda da União Ibérica em 1640 e o retorno da autonomia política portuguesa, houve um aumento ainda maior dos poderes das câmaras.

4 A União Ibérica ( ), a ocupação holandesa e o Brasil Holandês Portugal e Espanha foram os pioneiros da expansão ultramarina no século XV; porém, não demorou muito para que Inglaterra, França e Holanda entrassem na competição colonialista, países estes inimigos espanhóis. Desse conjunto, o reino português era o mais frágil; em 1580, houve uma união das monarquias portuguesa e espanhola, sob controle espanhol. Ela resultou no controle de uma extensão ampla do império português, tendo em vista o caráter mundial em que ele se expandia. A Holanda, por sua vez, era um país próspero e muito poderoso. Guilherme de Orange foi um grande impulsionador do movimento emancipacionista holandês, que foi efetivado em 1581 depois de anos de disputa entre os países holandês e espanhol. Em resposta à independência, o rei espanhol Filipe II irá proibir o comércio com navios holandeses, acordo que incluía Portugal. Os holandeses, que já detinham grande parte do comércio oriental graças à Companhia das Índias Orientais (1602), tinham fortes motivos para conquistar o Brasil, já que ele era responsável pelo refino de boa parte do açúcar comercializado na Europa; por outro lado, o Brasil era um mercado consumidor de tecidos holandeses. A partir de 1624, os holandeses tentaram a conquista do território brasileiro. Apesar de terem conquistado Salvador em menos de 24h, a primeira ocupação holandesa durou um ano, sendo reprimida por uma esquadra luso-espanhola. Após o saqueio de um carregamento espanhol, os holandeses tentarão uma segunda vez, dessa vez em Pernambuco, uma das únicas capitanias hereditárias bem-sucedidas. Em 1630, os holandeses chegaram e dominaram Recife e Olinda sem dificuldades. A resistência espanhola foi efetivada graças ao desleixo dos tronos português e espanhol. A Espanha estava ocupada na

5 Guerra dos Trinta Anos ( ), e Portugal estava num período de seca econômica. Em 1635, com a conquista de mais dois estados, consolidou-se o domínio holandês. Durante as invasões holandesas, verificou-se uma grande desordem nas áreas de disputa; em muitos engenhos, a situação favoreceu a fuga em massa de escravos, que se organizaram em quilombos, sendo o mais importante o de Palmares. O Brasil Holandês que se constituía era um empreendimento do qual se esperava extrair altos lucros. Para organizar os domínios holandeses, foi enviado como governador-geral Maurício de Nassau, que aqui permaneceu de Em seu governo, preocupou-se tanto com a reorganização da produção açucareira quanto com a segurança; buscou a conciliação com os ocupantes e tratou de ampliar militarmente o domínio holandês. Ele instituiu a tolerância religiosa e igualdade de tratamento para lusobrasileiros e holandeses. Foi organizada a Câmara dos Escabinos, substituindo as Câmaras Municipais. Recife foi completamente remodelada. A Companhia das Índias Orientais obtinha altos lucros do comércio açucareiro; entretanto, ela encontrava-se deficitária, tendo em vista os altos custos militares e administrativos do Brasil Holanda. Além disso, houve uma crescente diferença entre a zona rural luso-brasileira e a zona urbana holandesa; repetia-se a mesma estrutura já conhecida na parte portuguesa, onde se encontravam polarizados os senhores de engenho e a burguesia mercantil. As relações entre plantadores brasileiros e a burguesia holandesa foram se desgastando. Em 1640, Portugal libertou-se da Espanha com a ascensão de D. João IV, estabelecendo uma trégua com a Holanda. Nessa década, Nassau se demitiu e a Companhia resolveu diminuir seus gastos. Apesar da trégua, as propriedades brasileiras começaram a ser confiscadas e a tolerância religiosa não era mais observada; assim, uma hostilidade tomou conta do território dominado pelos holandeses, que se agravou na

6 Insurreição Pernambucana ( ). Em 1651, Oliver Cromwell publica os Atos de Navegação, agravando a situação econômica holandesa. Em 1654, os luso-brasileiros saem vitoriosos. A relação do Brasil e a Inglaterra estreitou-se. Os aspectos socioeconômicos coloniais e a cana-de-açúcar A economia brasileira, nos primeiros séculos, pode ser definida como uma empresa colonial. Os produtos, feitos em monoculturas, eram voltados essencialmente à exportação, sempre servindo os interesses da metrópole no exclusivo comercial metropolitano ou pacto colonial. Nele, a metrópole possuía monopólio da importação das matérias-primas mais lucrativas; a colônia, por sua vez, não pode concorrer com a metrópole. Praticamente toda lógica econômica portuguesa valia para o Brasil. Portugal, inicialmente, estava interessada no entesouramento, prática mercantilista que tinha, como principal característica, a disposição de procurar metais preciosos. A base da economia colonial, desde o século XVI, era o açúcar. Seu cultivo deu-se pela necessidade de colonizar e explorar um território até então sem importância econômica para o Brasil. O açúcar era um produto muito bem cotado no comércio europeu; no Brasil, os engenhos foram intensamente utilizados, e toda produção foi destinada unicamente à exploração, gerando valiosos lucros e tornando-se no alicerce econômico da colonização portuguesa entre os séculos XVI e XVII. Os senhores de engenho tinham um status admirável na sociedade açucareira, explorando os negros escravos, que viviam nas senzalas. A agroindústria açucareira possibilitou aos portugueses a ocupação efetiva do litoral. A prosperidade da produção açucareira atraiu os holandeses em 1640; com a expulsão dos holandeses na Insurreição Pernambucana em 1654, eles foram às Antilhas, onde prosseguiram com a cultura do açúcar, passando a ser,

7 durante os séculos XVII e XVIII, concorrentes do Brasil no abastecimento do mercado europeu. No século XVIII, a Holanda se supera na indústria açucareira, fazendo com que o Brasil perca o monopólio do açúcar e desvirtuando o quadro políticoeconômico vigente na época. No século XVIII, a base econômica brasileira foi, portanto, concentrada na mineração, embora a metrópole continuasse igualmente atenta para evitar que a população abandonasse a agricultura: o que se conseguiu com a exportação do açúcar jamais foi ultrapassado pela exportação do ouro, mesmo em seu apogeu. A mineração era importantíssima para a interiorização do território. Na segunda metade do século XVIII, a mineração decaiu, fazendo com que a agricultura voltasse a ser o mais importante produto para a metrópole e para outras potências, já que navios de outros países podiam entrar no território brasileiro com autorização portuguesa. A abertura se fortaleceu com o Alvará de 1785 de Dona Maria I, onde a Coroa permitiu a manufatura de tecidos na colônia, mas proibiu todas as outras formas manufatureiras. O açúcar se fortaleceu imensamente; sua economia não era cíclica, já que, no ponto de vista do colônia, sua estrutura econômica se manteve, nunca se extinguindo. A pecuária também cresceu. Nas bases socioculturais, podemos destacar uma fortíssima hierarquização, apesar de fortes miscigenações e sincretismos culturais. Tinha mais influência o padrão europeu do branco, católico e cristão. A mineração e os bandeirantes A partir de meados do século XVII, motivada pela forte concorrência das Antilhas, a Coroa portuguesa voltou a estimular a procura de metais. Os paulistas, bons conhecedores do sertão brasileiro, desempenharam um papel importante nessa nova fase da história colonial brasileira. Sonho dos

8 primeiros povoadores, a mineração começou a ser estimulada em 1698 com a descoberta das minas em Ouro Preto. No Brasil, predominava-se a extração de ouro dos fundos dos rios, sendo simples, porém facilmente esgotável. Devido ao rápido esgotamento, a organização das lavras (grandes extrações mineradores) era feita de modo que pudessem ser transferidas sem dificuldades para outra jazida, o que conferia à mineração um caráter nômade. Ela era, seguindo as características da economia colonial, extensiva, com a utilização de mão-de-obra escrava. As técnicas de extração eram rudimentares. A descoberta das minas funcionou como um poderoso estímulo às atividades econômicas paulistas, havendo um aumento populacional gigante. As lavouras foram se ampliando e multiplicaram-se as atividades manufatureiras. As minas eram localizadas no interior do centro-sul do Brasil; para chegarem a São Paulo, haviam rotas que saíam de Cuiabá, Vila Boa, Belém e Jequitinhonha. Esse movimento de penetração aos sertões brasileiros em busca de riquezas minerais é chamado de bandeirantismo. Ao abrir-se como um grande mercado, a região das minas foi responsável pela articulação econômica da colônia, interagindo com o sul e o sudeste brasileiros, assim como Bahia. A Coroa portuguesa procurava extrair o máximo de benefícios por meio da cobrança de impostos, adotando medidas para evitar a sonegação e o contrabando; a mineração foi submetida a rigorosa disciplina e autoridade. A mineração e sua administração levaram à ocupação de zonas urbanas. Não era rentável o estabelecimento de empresas mineradoras, tendo em vista o nomadismo das atividades. O marquês de Pombal e o Vice-reino (1763) Desde o fim da União Ibérica, em 1640, o Brasil era a mais valiosa possessão portuguesa. Com a descoberta e a exploração

9 do ouro em Minas Gerais, o Brasil ocupou o lugar indiscutível de retaguarda econômica da metrópole. O declínio da mineração levou ao representante do despotismo esclarecido em Portugal, o marquês de Pombal, se concentrar no projeto de reorganização administrativa da colônia e de fortalecimento do exclusivo metropolitano, a fim de garantir o máximo de transferência da riqueza brasileira para Portugal, racionalizando a economia. Além disso, Pombal também diminuiu a influencia da nobreza e dos jesuítas, retirou o Brasil da órbita inglesa e fortaleceu a autonomia econômica de Portugal. Seu projeto de reorganização administrativa possuía uma direção clara: a centralização do poder. Por isso, ele extinguiu o regime de capitanias hereditárias, eliminando o poder dos capitães, e reunificou a administração que estava, desde 1621, dividida aos estados de Maranhão e do Brasil. Ao reunificar a administração, Pombal transferiu a capital do Brasil para o Rio de Janeiro em 1763, o que mostrou sua preocupação com a economia mineira ao transferir, para o sudeste, a administração metropolitana. Em 1775, o Estado colonial foi extinto para dar lugar ao Vice-reino do Brasil, parte do Império Português, sistema político que só mudará com a vinda da família real ao Brasil, em As rebeliões na colônia, a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana As primeiras rebeliões no Brasil ocorreram entre o final do século XVII e o início do XVIII em consequência à retomada do trono português. A União Ibérica trouxe prejuízos imensos para Portugal, chegando em 1640 em profunda crise; nesse ano, houve várias disputas para o trono português em um movimento conhecido como Restauração. Todas as rebeliões no brasil tiveram por base a contradição entre metrópole e colônia e, no caso dos Palmares, entre senhores e escravos. Cada uma delas possuía caráteres específicos e grande complexidade, mas ate as últimas décadas

10 do século XVIII, nenhuma chegou a propor claramente a emancipação política como solução. Esse caráter surgiria com a Inconfidência Mineira (1789) e a Conjuração Baiana (1798). A Inconfidência Mineira foi o primeiro movimento no Brasil que teve, como objetivo, a separação de Portugal. Eles exigiam São João del-rei como capital da república; criação de uma casa da moeda e fixação do câmbio; liberação das manufaturas; libertação de escravos nascidos no Brasil; criação de parlamentos; governo de Tomás Gonzaga; e perdão das dívidas extensivo a todos, dentre outros. Reuniu-se um grupo bastante heterogêneo; a maioria dos membros desse movimento era da elite mineira. Foi fortemente inspirada pela independência norte-americana em A consciência emancipadora em Minas Gerais foi gerada pela maior elitização da população mineira, que desde cedo vivia numa economia mercantilizada e dinâmica. A opressão política portuguesa, agravada no governo de Pombal e no Alvará de 1785 de Dona Maria I, foi fundamental para ecoar o movimento, assim como o pensamento europeu iluminista. O membro principal e mártir da Inconfidência foi Tiradentes, brutalmente esquartejado no fim do movimento no dia 21 de abril de Quando o governador Barbacena tomou conhecimento da conspiração, ele prendeu vários inconfidentes entre penas variadas. A Inconfidência Mineira tornou-se símbolo máximo de resistência para os mineiros. A Conjuração Baiana foi amplamente influenciada pela Revolução Francesa ( ). Tinha, como causas principais, a insatisfação popular pelos preços elevados de mantimentos e a forte insatisfação com o domínio português. Os baianos também defendiam a emancipação política e a implantação de uma república, assim como a liberdade comercial nos mercados interno e externo, a liberdade e igualdade entre as pessoas e o fim da escravidão. O movimento teve uma forte repressão graças ao delato de um dos membros ao governador. Vários revoltosos foram presos e quatro deles executados.

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL

MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL MINERAÇÃO E REVOLTAS NO BRASIL COLONIAL Portugal: crises e dependências -Portugal: acordos comerciais com a Inglaterra; -Exportação de produtos brasileiros; -Tratado de Methuen: redução fiscal para os

Leia mais

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como:

1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: 1) Em novembro de 1807, a família real portuguesa deixou Lisboa e, em março de 1808, chegou ao Rio de Janeiro. O acontecimento pode ser visto como: a) incapacidade dos Braganças de resistirem à pressão

Leia mais

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan

João Paulo I O NORDESTE COLONIAL. Professor Felipe Klovan João Paulo I O NORDESTE COLONIAL Professor Felipe Klovan A ECONOMIA AÇUCAREIRA Prof. Felipe Klovan Portugal já possuía experiência no plantio da cana-de-açúcar nas Ilhas Atlânticas. Portugal possuía banqueiros

Leia mais

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa

Capítulo. Organização político- -administrativa na América portuguesa Capítulo Organização político- -administrativa na América portuguesa 1 O Império Português e a administração da Colônia americana Brasil: 1500-1530 O interesse português pelo território americano era pequeno

Leia mais

Economia e Sociedade Açucareira. Alan

Economia e Sociedade Açucareira. Alan Economia e Sociedade Açucareira Alan Características coloniais gerais Colônia de exploração Existência de Pacto Colonial Monopólio Economia de exportação de produtos tropicais Natureza predatória extrativista,

Leia mais

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer

A novidade é que o Brasil não é só litoral É muito mais é muito mais que qualquer zona sul Tem gente boa espalhada por este Brasil Que vai fazer CAUSAS: Acirramento da concorrência comercial entre as potências coloniais; Crise das lavouras de cana; Estagnação da economia portuguesa na segunda metade do século XVII; Necessidade de encontrar metais

Leia mais

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago

Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real. História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência e Vinda da Família Real História C Aula 08 Prof. Thiago Movimentos de Pré- Independência Século XVIII e XIX Crise do mercantilismo e do Estado Absolutista Hegemonia de

Leia mais

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL

TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL TEMA F.1 O IMPÉRIO PORTUGUÊS E A CONCORRÊNCIA INTERNACIONAL A partir de meados do séc. XVI, o Império Português do Oriente entrou em crise. Que fatores contribuíram para essa crise? Recuperação das rotas

Leia mais

De que jeito se governava a Colônia

De que jeito se governava a Colônia MÓDULO 3 De que jeito se governava a Colônia Apresentação do Módulo 3 Já conhecemos bastante sobre a sociedade escravista, especialmente em sua fase colonial. Pouco sabemos ainda sobre a organização do

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

História do Brasil Colônia

História do Brasil Colônia História do Brasil Colônia Aula VII Objetivo: a expansão e a consolidação da colonização portuguesa na América. A) A economia política da colônia portuguesa. Em O tempo Saquarema, o historiador Ilmar R.

Leia mais

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano

Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano Colégio Marista São José Montes Claros MG Prof. Sebastião Abiceu 7º ano 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura.

Leia mais

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras

A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras A Presença Estrangeira no Período Colonial. A Disputa pelas Novas Terras O descobrimento de novas terras e riquezas (o pau-brasil) estimulou a cobiça de várias nações européias que iniciavam as suas aventuras

Leia mais

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII)

América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) América Colonial Portuguesa (sécs. XVI-XVIII) 1) Período Pré-Colonial Trinta anos sem projeto de colonização (1500-1530) Interesses voltados para o comércio com o Oriente Desapontamento quanto às potenciais

Leia mais

O Brasil holandês http://www.youtube.com/watch?v=lnvwtxkch7q Imagem: Autor Desconhecido / http://educacao.uol.com.br/biografias/domingos-fernandescalabar.jhtm DOMINGOS CALABAR Domingos Fernandes

Leia mais

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo

Mineração e a Crise do Sistema Colonial. Prof. Osvaldo Mineração e a Crise do Sistema Colonial Prof. Osvaldo Mineração No final do século XVII, os bandeirantes encontraram ouro na região de Minas Gerais Grande parte do ouro extraído era de aluvião, ou seja,

Leia mais

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2

1º ano. A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10: Item 2 1º ano O absolutismo e o Estado Moderno Capítulo 12: Todos os itens A reconquista ibérica e as grandes navegações Capítulo 10: Item 2 A revolução comercial Capítulo 12: Item 3 O Novo Mundo Capítulo 10:

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 1ª PROVA PARCIAL DE HISTÓRIA Aluno(a): Nº Ano: 8º Turma: Data: 02/04/2011 Nota: Professora: Ivana Valor da Prova: 50 pontos Assinatura do responsável: Orientações

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo A chegada dos Portugueses Portugal e depois Espanha se tornaram pioneiros nas chamadas Grandes Navegações Portugal buscou contornar a África para tentar chegar ao Oriente

Leia mais

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão

Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real. Prof.ª viviane jordão Crises na Colônia Portuguesa e a Chegada da Família Real Prof.ª viviane jordão INTRODUÇÃO Na segunda metade do século XVIII, novas ideias começaram a se difundir pela América portuguesa. Vindas da Europa,

Leia mais

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife.

Invasões Holandesas. 1630 uma armada holandesa ocupou Olinda e o Recife. Invasões Holandesas A dependência holandesa do açúcar brasileiro era enorme; Entre 1625 e 1630 a Holanda dedicou-se aos ataques de corsários, no litoral brasileiro e região do Caribe, chegando a ocupar

Leia mais

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial

Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Os Domínios Estrangeiros sobre o Brasil Colonial Franceses, Ingleses e Holandeses Prof. Alan Carlos Ghedini O princípio: competição nos mares Portugal e Espanha chegaram primeiro à corrida das Grandes

Leia mais

AS INVASÕES FRANCESAS

AS INVASÕES FRANCESAS AS INVASÕES FRANCESAS 2ª invasão 1612 Maranhão Fundação da França Equinocial e a Cidade de São Luís Comandante Daniel de La Touche Obs: esse período Portugal passava para domínio espanhol 1ª invasão Rio

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014

Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Barros Antônio Guimarães Dutra Série: 3ª. Disciplina:História(p1,2º. Bimestre ) Data da prova: 30/04/2014 01. (Fatec-SP) Não

Leia mais

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral.

Expansão Territorial. Norte (Vale Amazônico): Nordeste: Drogas do Sertão / Missões. Cana-de-açúcar. Sul. Litoral. Expansão Territorial Norte (Vale Amazônico): Drogas do Sertão / Missões Nordeste: Cana-de-açúcar Sertão Nordestino Litoral Sul Pecuária Fortes de defesa Pau-Brasil Missões Jesuíticas Pecuária Tratados

Leia mais

Superioridade ibérica nos mares

Superioridade ibérica nos mares 2.ª metade do século XVI Superioridade ibérica nos mares PORTUGAL Entre 1580 e 1620 ESPANHA Império Português do oriente entra em crise devido a Escassez de gentes e capitais Grande extensão dos domínios

Leia mais

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1

FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA. Fase 1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS CURSO DE DIREITO VESTIBULAR 2009 PROVA DE HISTÓRIA Fase 1 Novembro 2008 INTRODUÇÃO Na prova de História de 2009 foi possível concretizar vários dos objetivos do programa do Vestibular.

Leia mais

7. Bibliografias... 10

7. Bibliografias... 10 1. Introdução... 03 2. Surgimento da Economia Açucareira... 04 3. Desenvolvimento da Economia Açucareira... 05 4. Desarticulação da Economia Açucareira... 07 5. Encerramento da Economia Açucareira... 08

Leia mais

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas.

América Portuguesa. A metrópole percebe que não está funcionando e decide mudar algumas coisas. América Portuguesa Aspecto político/formas de governo Capitanias hereditárias É um sistema descentralizado. A metrópole quer gastar o mínimo possível com a exploração, por isso dão a nobres a serviço do

Leia mais

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa.

1530 O regime de capitanias hereditárias é instituído por D. João III. Primeira expedição colonizadora chefiada por Martim Afonso de Sousa. Vera, Use a seguinte legenda: Amarelo: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.info.lncc.br/wrmkkk/tratados.html Rosa: o documento para o link encontra-se neste site: http://www.webhistoria.com.br

Leia mais

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS

MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS MÓDULO 03 CICLOS ECONÔMICOS E REBELIÕES COLONIAIS 3.1- A AGROMANUFATURA AÇUCAREIRA O COMPLEXO AÇUCAREIRO ( XVI / XVII ) - Pré-condições favoráveis( solo, clima, mão-deobra,mercado externo ) - Participação

Leia mais

O descobrimento do Brasil

O descobrimento do Brasil Europa: renascimento cultural Brasil... Pindorama... Ilha de Vera Cruz... Terra de Santa Cruz... A Europa estava num processo de transformação que tinha se iniciado no século XIV. Este processo de transformação

Leia mais

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África

DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS. -Atinge as Índias contornando a costa da África DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) PORTUGAL -Atinge as Índias contornando

Leia mais

Resoluções das Atividades

Resoluções das Atividades Resoluções das Atividades Sumário Módulo 1 A conquista da América, a história cultural dos povos indígenas e africanos e a economia açucareira...1 Módulo 2 A mineração no Período Colonial, as atividades

Leia mais

BRASIL COLÔNIA (1500 1822)

BRASIL COLÔNIA (1500 1822) 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DO PERÍODO COLONIAL Colônia de exploração (fornecimento de gêneros inexistentes na Europa). Monocultura. Agroexportação. Latifúndio. Escravismo. Pacto Colonial (monopólio de comércio

Leia mais

1- MOTIVOS QUE IMPULSIONARAM O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO: Crise do comércio português com as Índias

1- MOTIVOS QUE IMPULSIONARAM O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO: Crise do comércio português com as Índias 1- MOTIVOS QUE IMPULSIONARAM O INÍCIO DA COLONIZAÇÃO: Crise do comércio português com as Índias Agravamento da crise econômica portuguesa; Descoberta do ouro na América espanhola; Interesse de outros países

Leia mais

Imperialismo dos EUA na América latina

Imperialismo dos EUA na América latina Imperialismo dos EUA na América latina 1) Histórico EUA: A. As treze colônias, colonizadas efetivamente a partir do século XVII, ficaram independentes em 1776 formando um só país. B. Foram fatores a emancipação

Leia mais

A Revolução Puritana

A Revolução Puritana A Revolução Puritana O que foi a Revolução Puritana A Revolução Puritana, ocorrida na Inglaterra entre 1641 e 1649, originou pela primeira vez a constituição de uma República (1649-1658) em solo inglês.

Leia mais

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual

- Século XVI estabeleceu o domínio inglês na costa norte da América do Norte fundam Treze Colônias Atual DA CONQUISTA A COLONIZAÇÃO DAS AMÉRICAS EXPANSÃO MARÍTIMA início século XV ( 1415 ) -Atinge as Índias contornando a costa da África PORTUGAL -1500 supera os obstáculos do Atlântico chega ao Brasil ESPANHA

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 7 o ano 4 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Leia o trecho da carta de Pero Vaz de Caminha, escrivão da armada de Pedro Álvares Cabral, escrita em maio de 1500 para o rei português

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL

MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL MATERIAL COMPLEMENTAR DE HISTÓRIA PROF. ROSE MARY OLIVEIRA LIMA 8º ANO ENSINO FUNDAMENTAL OS VÁRIOS PROCESSOS DE EXPANSÃO DA COLONIZAÇÃO PORTUGUESA. EXTENSÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO O Brasil é o 5º maior

Leia mais

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão

Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão Capitanias Hereditárias Governo Geral Economia Colonial Escravidão As Capitanias Hereditárias Grandes faixas de terra doadas pelo rei à nobreza e pessoas de confiança. Os Capitães Donatários eram os homens

Leia mais

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA

EUROPA BRASIL SÉCULO XIX AMÉRICA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA O BRASIL NO FINAL DO SÉCULO XVIII SÉCULO XVIII FINAL DA IDADE MODERNA EUROPA Expansão dos Ideais Iluministas Revolução Francesa Fim do Antigo regime Ascensão da Burguesia ao poder Revolução Industrial

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE

MINERAÇÃO NO BRASIL A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE A DESCOBERTA E EXPLORAÇÃO DO OURO E DO DIAMANTE O início da mineração no Brasil; Mudanças sociais e econômicas; Atuação da Coroa portuguesa na região mineira; Revoltas ocorridas pela exploração aurífera;

Leia mais

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822).

2. (Pucrs 2014) Considere as afirmações abaixo sobre a crise do Antigo Sistema Colonial e a Independência do Brasil (1822). 1. (Enem 2014) A transferência da corte trouxe para a América portuguesa a família real e o governo da Metrópole. Trouxe também, e sobretudo, boa parte do aparato administrativo português. Personalidades

Leia mais

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes

INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes INDEPENDÊNCIA DA AMÉRICA LATINA (1808-1826) Profª Adriana Moraes A independência foi o processo político e militar que afetou todas as regiões situadas entre os vicereinados da Nova Espanha e do Rio da

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DO BRASIL: CRISE DO SISTEMA COLONIAL E VINDA DA FAMÍLIA REAL * Três etapas: 1) Revoltas Nativistas 2) Revoltas Emancipacionistas 3) Período Joanino Família Real no Brasil (1808-1822)

Leia mais

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640)

Portugal e Brasil no século XVII. Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) Portugal e Brasil no século XVII Domínio espanhol no Brasil(1580-1640) O domínio espanhol. Em 1580, o rei de Portugal, D. Henrique, morreu sem deixar herdeiros ( fim da dinastia de Avis) surgiram disputas

Leia mais

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento).

1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). HB. Expansão territorial da colônia. Expansão territorial Bandeirantes. 1554 Fundação da Vila de São Paulo de Piratininga.De início pequena agricultura de substância.(via apresamento). Mão-de-obra indígena.

Leia mais

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora

História do Brasil Colônia. Profª Maria Auxiliadora História do Brasil Colônia Profª Maria Auxiliadora O PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500 1530) Pau-Brasil Extrativismo Vegetal Fabricação de tintura para tecidos. Exploração nômade e predatória. Escambo com índios.

Leia mais

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano

RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano História/15 7º ano Turma: 3º trimestre Nome: Data: / / 7ºhis303r RECUPERAÇÃO FINAL 2015 HISTÓRIA 7º ano 3º trimestre Aluno(a), Seguem os conteúdos trabalhados no 3º trimestre. Como base neles você deverá

Leia mais

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789)

Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final. A Revolução Francesa (14/07/1789) Profª.: Lygia Mânica Costa 7ª série do E. Fundamental Nome: Turma: Data: Atividade de revisão para o Exame final A Revolução Francesa (14/07/1789) A situação social era grave e o nível de insatisfação

Leia mais

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL

A COLONIZAÇÃO DO BRASIL A COLONIZAÇÃO DO BRASIL OS FUNDAMENTOS DO COLONIALISMO PORTUGUÊS O processo de ocupação e formação do Império Colonial Lusitano baseou-se dentro da ótica mercantilista. Essa forma de organização ficou

Leia mais

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos.

A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. HISTÓRIA 8º ANO A formação da monarquia inglesa na Baixa Idade Média, mais precisamente no século XII, na época da Guerra dos Cem anos. Por volta do século XIII, o rei João sem terras estabeleceu novos

Leia mais

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL

CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL CRISE DO ANTIGO SISTEMA COLONIAL BASES COMUNS DO SISTEMA COLONIAL PACTO-COLONIAL Dominação Política Monopólio Comercial Sistema de Produção Escravista ESTRUTURA SOCIAL DAS COLONIAS ESPANHOLAS Chapetones

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO

FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO FORMAÇÃO DO TERRITÓRIO BRASILEIRO É claro que o Brasil não brotou do chão como uma planta. O Solo que o Brasil hoje ocupa já existia, o que não existia era o seu território, a porção do espaço sob domínio,

Leia mais

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727)

A Revolução Inglesa. Monarquia britânica - (1603 1727) A Revolução Inglesa A Revolução inglesa foi um momento significativo na história do capitalismo, na medida em que, ela contribuiu para abrir definitivamente o caminho para a superação dos resquícios feudais,

Leia mais

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I)

CIÊNCIAS SOCIAIS 10/9/2012. I ECONOMIA COLONIAL SÉCULOS XVI a XIX OBJETIVOS: Formação Econômica e Social Brasileira (I) CIÊNCIAS SOCIAIS M.I DESENVOLVIMENTO DESIGUAL E COMBINADO DA SOCIEDADE MODERNA Formação Econômica e Social Brasileira (I) Profa. Claudete Pagotto Período 2 2012 2 OBJETIVOS: Abordar as características

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Os movimentos de libertação colonial

Os movimentos de libertação colonial Os movimentos de libertação colonial Fatores determinantes Em fins do século XVIII, iniciaram-se os movimentos que tinham como objetivo libertar a colônia do domínio econômico português. Deste momento

Leia mais

A expansão da América Portuguesa

A expansão da América Portuguesa 8 ANO A/B RESUMO DA UNIDADE 1 DISCIPLINA: HISTÓRIA PROFESSORA: SUELEM *Os índios no Brasil A expansão da América Portuguesa Violência contra os povos indígenas; - Doenças, trabalho forçado; - Foram obrigados

Leia mais

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo

Colonização Portuguesa. Prof. Osvaldo Colonização Portuguesa Prof. Osvaldo Tratado de Tordesilhas de 1494 Terras pertencentes à Espanha Terras pertencentes a Portugal A ficção do Descobrimento Principais povos Indígenas no Brasil No Brasil,

Leia mais

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA

PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA PROCESSO DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA TREZE COLÔNIAS Base de ocupação iniciativa privada: Companhias de colonização + Grupos de imigrantes = GRUPOS DISTINTOS [excedente da metrópole;

Leia mais

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL

EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL EXPANSÃO TERRITORIAL DO BRASIL Foi a conquista e ocupação do interior do território, além dos limites do Tratado de Tordesilhas. Essa expansão foi responsável pela extensão territorial do Brasil de hoje.

Leia mais

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14

o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 SuMÁRIo UNIDADE I O ADVENTO DO MUNDO MODERNO: POLÍTICA E CULTURA... 12 Capítulo 1 o declínio do poder dos senhores feudais e as monarquias nacionais... 14 A fragmentação do poder na sociedade feudal...

Leia mais

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES

SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES A GUERRA DE INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA ANTECEDENTES SÉCULO XVII A INGLATERRA INCENTIVOU A COLONIZAÇÃO DAS TERRAS NORTE- AMERICANAS INCENTIVANDO A VINDA DE EMIGRANTES INGLESES NESSA ÉPOCA

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI Nº 530, DE 2011 (Do Senado Federal Senador Marco Maciel) Inscreve os nomes de Francisco Barreto de Menezes, João Fernandes Vieira, André Vidal de Negreiros,

Leia mais

A colonização espanhola e inglesa na América

A colonização espanhola e inglesa na América A colonização espanhola e inglesa na América A UU L AL A MÓDULO 2 Nas duas primeiras aulas deste módulo, você acompanhou a construção da América Portuguesa. Nesta aula, vamos estudar como outras metrópoles

Leia mais

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009

HISTÓRIA-2009 2ª FASE 2009 Questão 01 UFBA - -2009 2ª FASE 2009 Na Época Medieval, tanto no Oriente Médio, quanto no norte da África e na Península Ibérica, muçulmanos e judeus conviviam em relativa paz, fazendo comércio e expressando,

Leia mais

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês

Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês Exercícios de Economia Açucareira, União Ibérica e O Brasil Holandês 1. (Enem) O açúcar e suas técnicas de produção foram levados à Europa pelos árabes no século VIII, durante a Idade Média, mas foi principalmente

Leia mais

O Antigo Regime europeu: regra e exceção

O Antigo Regime europeu: regra e exceção PORTUGAL NO CONTEXTO EUROPEU DOS SÉCULOS XVII E XVII O Antigo Regime europeu: regra e exceção Meta: Conhecer e compreender o Antigo Regime europeu a nível político e social ANTIGO REGIME Regime político,

Leia mais

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA

COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA COLÉGIO MARISTA DE BRASÍLIA Educação Infantil e Ensino Fundamental Aluno(a): 8º Ano: Nº Professor(a): Data: / / Componente Curricular: HISTÓRIA 2011/HIST8ANOEXE2-PARC-1ºTRI-I AVALIAÇÃO PARCIAL 1º TRIMESTRE

Leia mais

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar

1º Período UNIDADE 1. Exercícios; A aventura de navegar 1º Período UNIDADE 1 A aventura de navegar Produtos valiosos Navegar em busca de riquezas Viagens espanholas Viagens portuguesas Ampliação O dia a dia dos marinheiros Conhecer as primeiras especiarias

Leia mais

Estrutura e Dinâmica do Sistema Colonial

Estrutura e Dinâmica do Sistema Colonial ESTUDO DIRIGIDO HISTÓRIA 8 ANO Caro aluno, Durante esse semestre estamos estudando o período medieval e moderno. É importante que você compreenda as diferenças entre esses dois tempos históricos, sendo

Leia mais

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo

História. Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Antigo regime, Estados nacionais e absolutismo Índice Clique sobre tema desejado: A origem dos Estados Nacionais Contexto Histórico: crise feudal (séc. XIV-XVI) Idade Média Idade Moderna transição Sociedade

Leia mais

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão.

CRISE DO ESCRAVISMO. O Brasil foi o último país da América Latina a abolir a escravidão. CRISE DO ESCRAVISMO A Dinamarca foi o primeiro país Europeu a abolir o tráfico de escravos em 1792. A Grã-Bretanha veio a seguir, abolindo em 1807 e os Estados Unidos em 1808. O Brasil foi o último país

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA BRASIL COLÔNIA

EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA BRASIL COLÔNIA EXERCÍCIOS DE REVISÃO - HISTÓRIA BRASIL COLÔNIA 01) São características econômicas do período Pré-Colonial no Brasil: a) latifúndios escravidão monocultura exportação. b) servidão coletiva policultura

Leia mais

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência

MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência MERCANTILISMO (7a. Parte) Mercantilismo e Violência CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas. São Paulo: 2004.

Leia mais

Brasil no século XVII

Brasil no século XVII BRASIL COLÔNIA Brasil no século XVII Entre 1534 (quando foi implantado o sistema de Capitanias Hereditárias) e 1822 (emancipação política brasileira), o Brasil, e sua economia, estiveram subordinados a

Leia mais

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº:

Exerc ícios de Revisão Aluno(a): Nº: Exerc íciosde Revisão Aluno(a): Nº: Disciplina:HistóriadoBrasil Prof(a).:Cidney Data: deagostode2009 2ªSériedoEnsinoMédio Turma: Unidade:Nilópolis 01. QuerPortugallivreser, EmferrosqueroBrasil; promoveaguerracivil,

Leia mais

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL

ASCENÇÃO DA BURGUESIA E O PACTO COLONIAL Capítulo 1 No século XVI, a Península Ibérica se mostrava importantíssima para o capitalismo comercial. O Brasil funcionava como um pólo exportador de riquezas para todo o continente europeu, por intermédio

Leia mais

A América de colonização Espanhola. Justificativas que os espanhóis utilizaram para as conquistas espanhola. A invasão do Império Inca e Asteca.

A América de colonização Espanhola. Justificativas que os espanhóis utilizaram para as conquistas espanhola. A invasão do Império Inca e Asteca. A América de colonização Espanhola Justificativas que os espanhóis utilizaram para as conquistas espanhola. Na época essa era uma questão complicada para os europeus e foi alvo de muitas discussões entre

Leia mais

Cap. 12- Independência dos EUA

Cap. 12- Independência dos EUA Cap. 12- Independência dos EUA 1. Situação das 13 Colônias até meados do séc. XVIII A. As colônias inglesas da América do Norte (especialmente as do centro e norte) desfrutavam da negligência salutar.

Leia mais

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução:

A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: COLÉGIO MILITAR DE JUIZ DE FORA 2007 HISTÓRIA - 5ª SÉRIE DO ENSINO FUNDAMENTAL Nº: NOME: TURMA: A Ocupação do Litoral e a Expansão Territorial. Introdução: Durante o século XVI, as povoações geralmente

Leia mais

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL

MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL MOD. 13 CRISE DO IMPÉRIO COLONIAL ESPANHOL A MUDANÇA DA POLÍTICA COLONIAL ESPANHOLA SE DEU EM FUNÇÃO: DO ENVOLVIMENTO DA ESPANHA NAS GUERRAS EUROPEIAS; DA DECADÊNCIA DA MINERAÇÃO; DAS DIFICULDADES QUE

Leia mais

Aula 09 - Brasil colonial. Administração e Economia

Aula 09 - Brasil colonial. Administração e Economia Aula 09 - Brasil colonial Administração e Economia O período colonial brasileiro pode ser dividido em período précolonial e período colonial. 1.PERÍODO PRÉ-COLONIAL (1500/1530) Fase caracterizada por uma

Leia mais

Guerra Civil (1642-1648)

Guerra Civil (1642-1648) Prof. Thiago Revolução Inglesa Governo Despótico de Carlos I (1625-1648) Petição de Direitos (1628) Exigência do Parlamento Cobrança do ship money em cidades do interior desobediência ao Parlamento Guerra

Leia mais

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX.

Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Aula 13 Os E.U.A. nos séculos XVIII e XIX. Nesta aula iremos tratar da formação dos Estados Unidos da América. Primeiramente o processo de independência dos Estados Unidos, em seguida, o processo de expansão

Leia mais

Questões Brasil Colonial

Questões Brasil Colonial Questões Brasil Colonial (Ufpel 2008) "No decorrer do período colonial no Brasil os interesses entre metropolitanos e colonos foram se ampliando. O descontentamento se agravou quando, a 1º de abril de

Leia mais

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA

HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA HISTÓRIA - MATERIAL COMPLEMENTAR OITAVO ANO ENSINO FUNDAMENTAL II PROF. ROSE LIMA INDEPENDÊNCIA DO Colonização: espanhola até 1697, posteriormente francesa. Produção açucareira. Maioria da população:

Leia mais

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo

MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo MERCANTILISMO (8a. Parte) Modalidades e Significados do Mercantilismo CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTE: DIAS, Reinaldo. RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. Atlas.

Leia mais

BRASIL COLÔNIA (1500-1822) A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL

BRASIL COLÔNIA (1500-1822) A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL A PRODUÇÃO AÇUCAREIRA NO BRASIL 1 - O CICLO DO AÇÚCAR Séc. XVI e XVII (auge). Nordeste (BA e PE). Litoral. Solo e clima favoráveis. Experiência de cultivo (Açores, Cabo Verde e Madeira). Mercado consumidor.

Leia mais

A América Espanhola.

A América Espanhola. Aula 14 A América Espanhola. Nesta aula, trataremos da colonização espanhola na América, do processo de independência e da formação dos Estados Nacionais. Colonização espanhola na América. A conquista

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE DISC. HISTÓRIA / 8º ANO 1 CONTEXTO HISTÓRICO Crescimento econômico da Inglaterra no século XVIII: industrialização processo de colonização ficou fora. Ingleses se instalaram

Leia mais

História Fascículo 05 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli

História Fascículo 05 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli História Fascículo 05 Cinília Tadeu Gisondi Omaki Maria Odette Simão Brancatelli Índice História do Brasil Economia e sociedade no Brasil colonial...1 Exercícios...2 Gabarito...5 História do Brasil Resumo

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO ( Aprovados em Conselho Pedagógico de 15 outubro de 2013 ) No caso específico da disciplina de História e Geografia de Portugal, do 6ºano de escolaridade, a avaliação

Leia mais

R.: R.: 02- A coleta e o transporte do pau-brasil era um trabalho demorado e difícil que os portugueses não conseguiam fazer sozinhos. Responda: R.

R.: R.: 02- A coleta e o transporte do pau-brasil era um trabalho demorado e difícil que os portugueses não conseguiam fazer sozinhos. Responda: R. PROFESSOR: EQUIPE DE HISTÓRIA BANCO DE QUESTÕES - HISTÓRIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================== 01- Quando os portugueses

Leia mais

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO

ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO ABSOLUTISMO E MERCANTILISMO CONTEXTO No final da Idade Média (séculos XIV e XV), ocorreu uma forte centralização política nas mãos dos reis. A burguesia comercial ajudou muito neste processo, pois interessa

Leia mais

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série

Lista de exercícios para pra final de História. 7ª série Lista de exer PROVÍNCIA BRASILEIRA DA CONGREGAÇÃO DAS IRMÃS FILHAS DA CARIDADE DE SÃO VICENTE DE PAULO COLÉGIO VICENTINO SÃO JOSÉ Rua Pe. José Joaquim Goral, 182 Abranches Curitiba Fone (041) 3355-2200

Leia mais