Parcerias em Saneamento. Fernando S. Marcato

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Parcerias em Saneamento. Fernando S. Marcato 11.4.2011"

Transcrição

1 Parcerias em Saneamento Fernando S. Marcato

2 Sumário Desafios do saneamento 2. Modelos de parcerias 3. A experiência da Sabesp

3 Três pontos... O saneamento constitui um dos segmentos mais atrasados da infraestrutura brasileira Universalização requer grande mobilização de capital Parcerias e inovação são fundamentais para a universalização

4 Desafios do Saneamento

5 Marco Legal do Saneamento: ampliação do conceito... Lei /07 ampliou o conceito de saneamento Art. 3º, I: Abastecimento de água Esgotamento sanitário Limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos Drenagem e manejo de águas pluviais urbanas

6 A tragédia do saneamento brasileiro: água e esgoto (1)... IBGE: 105 milhões não têm acesso à coleta de esgotos Trata Brasil: 8 milhões não têm acesso a banheiros

7 A tragédia do saneamento brasileiro: água e esgoto (2)... ONU: situação brasileira no saneamento rural é comparável à do Sudão, Timor Leste e Afeganistão PNAD: coleta de esgotos caiu de 59,3% em 2008 para 59,1% em 2009

8 A perda média de água é muito elevada... Ministério do Planejamento: em algumas regiões do país a perda de água supera 60% Média de perdas no Brasil é de 37,4%, a cada dez litros de água disponibilizados apenas seis litros são faturados Padrão internacional se situa entre 15-20% e em algumas regiões da Europa e do Japão chega a ser menor do que 10%

9 Presença pública predominante... 77% da população urbana é atendida por Companhias Estaduais de Saneamento FGTS: somente 7 das 26 Companhias Estaduais de Saneamento tem condições de acessar recursos financiados Fonte: Ministério das Cidades elaboração própria

10 Investimentos caíram... 6,1 Investimentos em saneamento no Brasil (R$ bilhões, média anual) 5, Fonte: Ministério das Cidades elaboração própria

11 Ritmo atual: universalização do esgoto em Elaboração própria

12 Carências no setor de resíduos sólidos são ainda muito acentuadas Ano Destino final dos resíduos sólidos, por unidades de destino dos resíduos (%) Vazadouro a céu aberto Aterro controlado Aterro sanitário ,2 9,6 1, ,3 22,3 17, ,8 22,5 27,7 Fonte: IBGE, Diretoria de Pesquisas, Coordenação de população e Indicadores Sociais, Pesquisa Nacional de Saneamento Básico 1989/2008

13 Mapeamento das carências no setor de resíduos sólidos

14 Maior participação de empresas privadas em resíduos sólidos 100% 90% 86% 80% 75% 76% 70% 60% 61% 63% 56% 50% 40% 30% 34% 30% 40% 20% 21% 22% 10% 0% 10% 7% 4% 3% 4% 3% 2% Brasil Norte Nordeste Sudeste Sul Centro-Oeste Administração Direta Empresa Privada Outras

15 Caos no setor de drenagem 30% dos Municípios: deficiências nos sistemas de drenagem são uma das principais causas para enchentes 62% das áreas de risco identificadas são assim classificadas por não disporem de um sistema adequado de drenagem 6,1% dos municípios com áreas de risco fazem uso de instrumentos de prevenção (monitoramentos meteorológico)

16 Ausência de participação do setor privado em drenagem... IBGE: 98,6% dos sistemas são operados pelos municípios diretamente 13 municípios: empresas privadas envolvidas com a operação de drenagem Contas Abertas: entre R$1 em cada R$4 previstos no orçamento da União foi gasto com a prevenção de desastres naturais. Motivo: falta de projetos

17 Modelos de parceria

18 Perfil econômico da indústria favorece parcerias com o setor privado Capital intensivo Retorno de longo prazo, mas estável Acesso a financiamento (project finance) Não há movimento de privatização

19 Divisibilidade dos serviços públicos: semelhanças com setor elétrico Captação, produção, distribuição de água Coleta e tratamento de esgoto Varrição, coleta, destinação final de resíduos sólidos

20 Concessão comum remuneração integral por tarifa Regulação Municipal vs. Regulação Estadual dificuldade em função de grande presença estatal Resíduos sólidos: dificuldade de instituição de taxa do lixo Drenagem: taxa em função de impermeabilização do solo

21 Concessão patrocinada Concessão comum de serviço público + subsídio Pouco utilizada no setor de água e esgoto Alternativa interessante para Drenagem e resíduos sólidos

22 Concessão administrativa Possibilidade de contratação por empresa estatal Não implica definição de titularidade: Estadual Municipal

23 Locações de ativos: importante para o setor de água e esgoto Privado é responsável pela execução e pelo financiamento Operação permanece com setor público Público paga valor mensal de locação CEF dispõe de uma linha de crédito específica

24 Parcerias societárias entre companhias estaduais e grupos privados Experiência operacional das companhias estaduais e mitigação do risco político municipal Agilidade e capacidade de financiamento dos grupos privados Participação em licitações promovidas por municípios

25 Experiência da Sabesp

26 As maiores do mundo... Milhões de clientes Fonte: Pinsent Masons water Yearbook ( ) inclui 3,1 milhões de clientes em municípios permissionários

27 Universalização dos serviços de saneamento até municípios já são 300% Baixo Tietê e Grande Pardo e Grande Baixo Paranapanema Baixada Santista Vale do Paraíba Capivari-Jundiaí Médio Tietê Vale do Ribeira Alto Paranapanema Região Bragantina Litoral Norte Região metropolitana de São Paulo

28 Plano de Investimentos Plano de Investimentos no total de R$ 8,6 bilhões para 2009 a 2013, composto por: 28

29 Para alcançar a universalização, Sabesp investe em programas estruturantes Região Metropolitana de São Paulo Sistemas Regionais Programa Metropolitano de Água Onda Limpa Projeto Tietê Água do Litoral Vida Nova Onda Limpa Litoral Norte Córrego Limpo Redução de Perdas

30 No final de 2010, as perdas terão sido reduzidas de 32% em 2006 para 26%. Equivalente, a ganhar capacidade para abastecer mais de 2 milhões de habitantes, sem buscar de novos mananciais... Investimentos de R$ 300 milhões por ano Perdas médias de água no Brasil = 37,4 % das receitas Fonte: SNIS-2006

31 Nova era do saneamento 1970 Planasa Contrato de concessão Auto-regulação Financiamento público Foco em obras Monopólio natural Água como bem livre 2007 Lei do Saneamento/ e Lei da Arsesp Contrato de programa Agência reguladora Financiamento de mercado Foco no cliente Ambiente competitivo Escassez de recursos hídricos e centralidade da questão da sustentabilidade

32 Mudanças na legislação alteram o conjunto de mercados relevantes... Parcerias com empresas nacionais e internacionais NOVAS OPORTUNIDADES DE NEGÓCIO Limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos Energia Drenagem e manejo de águas pluviais urbanas

33 PPP Alto Tietê expandiu a capacidade de produção de água de 10 para 15 m³/s... ETA Taiaçupeba

34 Principais características (1)... Prestação de Serviços: Manutenção de barragens Tratamento e disposição final do lodo Manutenção civil e eletro-mecânica Serviços auxiliares de adução e entrega Serviços gerais

35 Principais características (2)... Obras / operação e manutenção: Ampliação da Estação de Tratamento de Água de 10 para 15 m³/s Construção de 17,7 km de adutoras com diâmetros entre 400 e mm Construção de 4 reservatórios com capacidade total de m³ Booster, estações elevatórias e obras acessórias

36 Sistemas Produtores - Abastecimento da RMSP Sistema Cantareira Sistema Baixo Cotia Sistema Alto Cotia P. B. Jesus V.G. PAUL. V.G. Paul. R.da Graça S. do Parnaíba Juquitiba BARUERÍ COTIA S.LOURENÇO. DA SERRA F. DA ROCHA OSASCO Osasco ITAPEVÍ JANDIRA CARAP. Itapeví Jandira Carap. Cotia R.P.Beicht Cajamar S.Lourenço da Serra T. T.DA da SERRA Serra EMBU Embu Itap. ITAP. DA Da SERRA Serra Embu EMBU GUAÇU Guaçu Sistemas Isolados F. MORATO F. Morato F. da Rocha CAIEIRAS Caieiras São Paulo SÃO PAULO R.Guara Piranga R.Juquerí R. Águas Claras Sistema Guarapiranga Mairiporã MAIRIPORÃ S.C. S.C. do DO SUL Sul STO. ANDRÉ Sto. DIADEMA. Diadema André R.Billings GUARULHOS ARUJÁ Arujá Guarulhos GUARULHOS S.B.do S.B.DO Campo CAMPO MAUÁ Mauá R.PIRES R.Pires R.G. SERRA Itaqua ITAQUA POÁ Poá F. F. Vas. VAS. Sistema Rio Grande SUZANO Suzano Sta. Isabel R.Taiaçupeba R.G. Serra Rib Estiva Sistema Ribeirão da Estiva Mogi das Cruzes R.Jundiaí Importância relativa dos sistemas produtores Guararema Sistema Alto Tietê Biritiba Mirim R.Biritiba Mirim Sistema Rio Claro 20% 49% R.Paraitinga Salesópolis R.P. Nova 15% R. R. do Campo 0,1% 7% 6% 1,6% 1,4%

37 Por que a opção PPP? Solução em face de restrições orçamentárias: investimento da ordem de R$ 300 milhões agilidade na execução dos investimentos necessários nos próximos 2 anos novas tecnologias na disposição e tratamento do lodo gerado na ETA estratégia para evitar passivo ambiental

38 Licitação... Menor preço Preço unitário por 1000 m3 PU máximo de R$ 184,21 Proposta melhor classificada: R$ 147 (20%) Inversão de fases Pré-qualificação técnica Proposta comercial Habilitação do licitante melhor classificado

39 Remuneração... Pagamentos mensais Preço x Volume (10 ou 15 m3 ) Possível redução conforme indicadores de performance avaliações trimestrais PU máximo pressupõe 100% de desempenho técnico Garantia por meio de cessão de recebíveis Créditos tarifários da Sabesp

40 Prazo e matriz de riscos... Prazo de 15 anos a partir da data de eficácia SABESP Licenças prévias ambientais Liberação das áreas (Desapropriações e Servidões) Formalização do Termo de Permissão de Uso de Ativos da Sabesp Concessionário Obtenção dos recursos financeiros para a execução das obras Cobertura de seguros para a execução das obras Obtenção da licença de instalação das OBRAS.

41 Outras características do contrato... Reajuste anual Automático: tanto o acréscimo quanto o decréscimo Independe de solicitação Obrigatoriedade de constituição de SPE Capital mínimo de R$ 39 milhões (consórcio) ou R$ 30 milhões (licitante isolada) Possibilidade de subcontratação Subcontratadas principais passam pelo processo de habilitação Step in rights previamente autorizado pela Sabesp nas condições pactuadas entre a SPE e o financiador

42 7 Locações de Ativos: R$ 577 milhões de capital privado mobilizado Projeto Objeto Ano Local Valor-Status Sistema Melvi Construção ETA e Elevatória 2010 Praia Grande R$ 54,85 milhões - Em licitação Sistema Campo Limpo e Várzea Paulista Construção de ETE, coletores, elevatórias p/municípios 2009 Campo Limpo e Várzea Paulista R$ 112 milhões. Contrato assinado, obras iniciadas em julho/2010 Sistema Pararangaba Construção de ETE, coletores tronco e estações elevatórias 2010 São José dos Campos R$ 94 milhões. Em fase de licitação da fase comercial Sistema Sapucaí (1) Construção de estação de captação e elevatórias de água bruta 2009 Franca R$ 93,8 milhões. Contrato assinado. Consórcio vencedor obtendo financiamento Sistema Sapucaí (2) Construção de adutoras de interligação captação à ETA 2010 Franca R$ 66,4 milhões Sistema Campos Jordão Construção de ETE, coletores e elevatórias 2010 Campos de Jordão R$ 111 milhões. Já licitado. Em fase de assinatura de contrato Sistema São Roque Construção ETE coletores e estações elevatórias 2010 São Roque R$ 44 milhões. Em licitação

43 Aproveitamento máximo dos recursos naturais: Projeto Aquapolo Ambiental Viabiliza o fornecimento de água para ampliar a capacidade produtiva do Pólo Petroquímico do ABC e indústrias da região Investimentos totais de R$ 253 milhões Capacidade de fornecimento de l/s Volume de água potável economizada suficiente para abastecer 600 mil habitantes Maior projeto de água de reuso do hemisfério sul

44 Solução sustentável para indústrias: tratamento de efluentes... Parceria Sabesp e Estre (maior operadora de aterros sanitários do Brasil) Pré-tratamento de efluentes industriais na região metropolitana de São Paulo Redução de custo para indústrias e regularização do descarte de efluentes Faturamento estimado: R$ 40 milhões/ano

45 Aproveitamento de potencial energético por meio de Pequenas Centrais Hidroelétricas (PCHs)... Investimento: R$ 27 milhões pelo vencedor da licitação Estimativa de receitas para Sabesp: R$ 1,6 milhão/ano Potencial instalado: PCH Guaraú kw e PCH Cascata kw Operação comercial: janeiro/13 a outubro/30 (término da outorga ANEEL) ETA Guaraú

46 ETE Barueri: aproveitamento do lodo e biogás gerado Investimento: R$ 183,6 milhões pelo vencedor da licitação Estimativa de receitas para Sabesp: R$ 1 milhão/ano Eliminação no custo de transporte de lodo: R$ 6 milhões/ano Potencial instalado: 6,3 mega watts até 2016 e 12 mega watts até 2043 Operação comercial: 2014 a 2043 Benefícios adicionais: eliminação do custo de disposição do lodo e aproveitamento do biogás, que atualmente é queimado. 50% do crédito de carbono fica para a Sabesp

47 Parcerias contribuem para a universalização com capital e tecnologia Cidade de Mogi Mirim: concessão de serviços de tratamento de esgoto

48 Parceria pública com outras empresas estaduais de saneamento... Caema-MA Caern-RN Cagepa-PB Caerd-RO Sanecap - MT Casal-AL Caesb-DF Sanesul-MS Corsan-RS Samae-SC Casan-SC Cesan-ES Propostas Assinados A serem assinados Em negociação

49 Cooperar para reduzir perdas... Casal - programa de redução de perdas de água a ser implementado no município de Maceió. Meta: reduzir intermitências de abastecimento na capital e elevar o volume de água potável disponível para consumo População beneficiada: 1 milhão (equivalente a 56% da população atendida pela Casal) Valor do contrato: da ordem de R$25 milhões

50 Além desses acordos no Brasil, a SABESP tem acordo de cooperação internacional com: AYA Instituto Costarricense de Acueductos y Alcantarillados, empresa pública de saneamento da Costa Rica. Águas de Barcelona AGBAR, empresa privada e quarta maior operadora de saneamento do mundo. Mekorot, empresa nacional de abastecimento de Israel (previsto para novembro). Empresa Publica de Medelin, companhia responsável pelo saneamento e outros serviços públicos de Medelín (Colômbia)

51 Relembrando os três pontos... O saneamento constitui um dos segmentos mais atrasados da infraestrutura brasileira Universalização requer grande mobilização de capital Parcerias e inovação são fundamentais para a universalização

52 MUITO OBRIGADO! Maiores informações: Fernando S. Marcato

53 1ª licitação de locação de ativos para a realização de obras... No sistema integrado de afastamento e tratamento de esgoto dos municípios de Campo Limpo Paulista e Várzea Paulista. A empresa contratada fará investimento de R$112,3 milhões na construção de 33 km de coletores, interceptadores e emissários e uma ETE Prazo de conclusão: 30 meses A Sabesp locará os ativos por 192 meses Novos editais: Campo Limpo Paulista Sistema Produtor Sapucaí Mirim em Franca Sistema Produtor Melvi em Praia Grande Sistema de Afastamento e Tratamento em Campos de Jordão

54 Termos de cooperação impulsionam novos negocios A Sabesp e a GE assinaram um termo de cooperação técnica para a realização de parcerias em projetos relacionados à água, esgoto, reúso de efluentes e geração de energia no Brasil e no exterior.

55 Brasil e Sabesp em perspectiva comparada... Brasil Sabesp Água 78,6% 99% Coleta de esgotos 44% 81% Tratamento de esgoto coletado 66,8% 75% Tratamento de esgoto total 29,4% 61% Perdas 37,4% 26% Fonte: IBGE (2009). Pesquisa Nacional de Saneamento. Sabesp(2010)

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES

USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES USO ESTRATÉGICO DA ÁGUA: DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra

Leia mais

Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação: a nova estratégia da Sabesp. Fapesp, 12 de maio de 2009

Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação: a nova estratégia da Sabesp. Fapesp, 12 de maio de 2009 Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação: a nova estratégia da Sabesp Fapesp, 12 de maio de 2009 Três pontos... A inovação constitui o motor do crescimento de longo prazo Os desafios do meio ambiente, regulação

Leia mais

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água

2.6. Sistemas de Abastecimento de Água 2.6. Sistemas de Abastecimento de Água A RMSP está localizada na porção sudeste do estado de São Paulo e abrange 39 municípios. Destes, 33 são operados pela SABESP e 6 têm Administração Municipal. Do total

Leia mais

EFEITOS DE ÓLEOS E GRAXAS PARA A TRATABILIDADE DE ESGOTOS E POLUIÇÃO DIFUSA

EFEITOS DE ÓLEOS E GRAXAS PARA A TRATABILIDADE DE ESGOTOS E POLUIÇÃO DIFUSA Diretoria Metropolitana - M Unidade de Negócio de Tratamento de Esgotos da Metropolitana - MT EFEITOS DE ÓLEOS E GRAXAS PARA A TRATABILIDADE DE ESGOTOS E POLUIÇÃO DIFUSA Óleos e Graxas Os óleos e graxas

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DESAFIOS E OPORTUNIDADES Pontos Principais... A Sabesp tem compromisso com a política pública e com critérios de eficiência de mercado O novo marco regulatório do saneamento encerra desafios e oportunidades

Leia mais

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

COSEMA - FIESP Programas e Ações A para os grandes problemas da RMSP. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp COSEMA - FIESP Programas e Ações A da Sabesp para os grandes problemas da RMSP Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Evolução Populacional - RMSP Reversão da centrifugação Menor pressão

Leia mais

Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP. Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp

Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP. Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp Contratualização do Serviço de Abastecimento de Água e Esgotamento Sanitário RMSP Paulo Massato Yoshimoto - Diretor Metropolitano Sabesp Região Metropolitana de São Paulo São Paulo 39 municípios - 20,1

Leia mais

PLANO DE INVESTIMENTO

PLANO DE INVESTIMENTO SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo PLANO DE INVESTIMENTO PARA O MUNICÍPIO DE RIO GRANDE DA SERRA RELATÓRIO TÉCNICO ABASTECIMENTO PÚBLICO DE ÁGUA ESGOTAMENTO SANITÁRIO Maio / 2011

Leia mais

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp

- RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades. Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp III Pré-ENCOB - RJ O Gerenciamento dos Recursos HídricosH nas grandes Cidades Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - Sabesp 5ª Maior

Leia mais

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp

Paulo Massato Yoshimoto. Diretor Metropolitano - Sabesp Paulo Massato Yoshimoto Diretor Metropolitano - Sabesp O papel da SABESP no ciclo de vida da água Redução do volume produzido. Preservação e despoluição dos mananciais. Água de reúso Controle de Perdas

Leia mais

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana

GOVERNANÇA METROPOLITANA. As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana As cidades e os desafios da Mobilidade Urbana Março / 2012 Mobilidade é o deslocamento de pessoas e bens nas cidades. É sustentável quando: Valoriza o deslocamento do pedestre. Proporciona mobilidade às

Leia mais

Desafios e metas do Estado de São Paulo

Desafios e metas do Estado de São Paulo 1º Seminário Saneamento Básico Universalização do Saneamento: Desafios e Metas para o Setor 07 de novembro de 2011 Desafios e metas do Estado de São Paulo Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos

Leia mais

Plano de Investimento

Plano de Investimento SABESP Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Plano de Investimento Município de Diadema Relatório Técnico Abastecimento Público de Água e Esgotamento Sanitário Setembro / 2013 APRESENTAÇÃO

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê

DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Alto Tietê Fevereiro 2009 1. Histórico da Implantação

Leia mais

Departamento de Águas e Energia Elétrica

Departamento de Águas e Energia Elétrica 13 de Novembro de 2012 Departamento de Águas e Energia Elétrica O DAEE foi criado há 60 anos, em 12/12/1951, tendo como principais competências, no âmbito do Estado de SP: Elaborar o planejamento, os estudos,

Leia mais

} Fundado em novembro de 2004. } É composto por um conjunto de mais de 45 empresas. operadoras. } Operam nos 39 municípios da RMSP

} Fundado em novembro de 2004. } É composto por um conjunto de mais de 45 empresas. operadoras. } Operam nos 39 municípios da RMSP Cartão BOM CMT- Consórcio Metropolitano de Transportes } Fundado em novembro de 2004. } É composto por um conjunto de mais de 45 empresas operadoras } Operam nos 39 municípios da RMSP O sistema do CMT

Leia mais

PLANO COPARTICIPAÇÃO PME

PLANO COPARTICIPAÇÃO PME PLANO COPARTICIPAÇÃO PME Além das coberturas e vantagens já oferecidas em todos os planos comercializados pela UP, estamos disponibilizando os planos Coparticipação PME: O que é o plano Coparticipação?

Leia mais

Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo

Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo Dilma Pena, secretária estadual de Saneamento e Energia de São Paulo (pronunciamento na abertura do seminário Tecnologia e eficiência em saneamento ambiental, do Valor Econômico) O tripé formado por investimentos

Leia mais

Água e esgoto na grande São Paulo

Água e esgoto na grande São Paulo Marussia Whately Lilia Toledo Diniz Água e esgoto na grande São Paulo Situação atual, nova lei de saneamento e programas governamentais propostos São Paulo, maio de 2009. O Instituto Socioambiental (ISA)

Leia mais

Saneamento Básico e Infraestrutura

Saneamento Básico e Infraestrutura Saneamento Básico e Infraestrutura Augusto Neves Dal Pozzo Copyright by Augusto Dal Pozzo DADOS HISTÓRICOS Até a década de 70 soluções locais e esparsas para os serviços de saneamento; Década de 70 criação

Leia mais

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos

EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO. Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos EVOLUÇÃO INSTITUCIONAL DO SETOR DE ÁGUA EM SÃO PAULO Edson Giriboni Secretário de Saneamento e Recursos Hídricos Organização da Secretaria de Saneamento e Recursos Hidricos Gabinete do Secretario Saneamento

Leia mais

Avanços na Sabesp na Produção mais Limpa e Redução de Emissões de GEE

Avanços na Sabesp na Produção mais Limpa e Redução de Emissões de GEE Contribuição das empresas e do setor econômico na redução das emissões de GEE e com iniciativas para gerar emprego em locais de trabalho verde Avanços na Sabesp na Produção mais Limpa e Redução de Emissões

Leia mais

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira

Agenda. A Companhia. Nossa Operação. 3 Nossa Performance Financeira APIMEC RIO Resultados do 1T12 Diretoria Econômico-Financeira e de Relações com Investidores Aviso Esta apresentação pode conter considerações futuras referentes às perspectivas do negócio, estimativas

Leia mais

João Marinho Heleno Victorio Diretor

João Marinho Heleno Victorio Diretor João Marinho Heleno Victorio Diretor Formação Acadêmica Engenheiro Civil, Escola de Engenharia da Universidade Mackenzie, São Paulo/SP, 1984 Associações Técnicas e Profissionais CREA - Conselho Regional

Leia mais

Investimentos O desafio da Universalização. 11 de dezembro de 2013

Investimentos O desafio da Universalização. 11 de dezembro de 2013 Investimentos O desafio da Universalização 11 de dezembro de 2013 Estado de São Paulo 248.196.960 km 2 População total: 41.262.199 População urbana: 39.585.251 645 municípios Fonte: IBGE, Censo Demográfico

Leia mais

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal

Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Fontes de Financiamento para o segmento de Saneamento junto à Caixa Econômica Federal Piracicaba, 07 de Agosto de 2013 Atuação da CAIXA Missão: Atuar na promoção da cidadania e do desenvolvimento sustentável

Leia mais

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS

COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS COPASA COMPANHIA DE SANEAMENTO DE MINAS GERAIS Apresentação A Companhia de Saneamento de Minas Gerais, COPASA, criada em 1963, é uma empresa vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Regional e Política

Leia mais

Os equipamentos são ocultados no veículo, não necessitando nem mesmo de antenas externas ou algo que possa indicar que o equipamento está instalado.

Os equipamentos são ocultados no veículo, não necessitando nem mesmo de antenas externas ou algo que possa indicar que o equipamento está instalado. Manual do Cliente A Empresa A Ituran é uma multinacional israelense que atua na Argentina, Brasil, Estados Unidos e Israel. Desde o início das suas operações no Brasil, em 2000, a empresa se destaca como

Leia mais

Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP

Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP Celulares já funcionam com o nono dígito neste domingo na Grande SP De acordo com a Anatel, são esperadas instabilidades momentâneas. Ligações sem o 9 ainda acontecem normalmente até 7 de agosto. Márcio

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS

MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PANORAMA DO SANEAMENTO BÁSICO NO PAÍS MINISTÉRIO DA SAÚDE FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE SAÚDE PÚBLICA PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO 2007-2010 INFRA-ESTRUTURA SOCIAL E URBANA SANEAMENTO PANORAMA DO SANEAMENTO

Leia mais

Paulista. Uma abordagem integrada.

Paulista. Uma abordagem integrada. CONTROLE DE ENCHENTES. 10 anos do Plano Diretor de Macrodrenagem da Bacia Hidrográfica do Alto Tietê. Mesa de Discussão 3: Águas e Planejamento Urbano nas Grandes Metrópoles Águas e saneamento na Macrometrópole

Leia mais

UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT. Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso

UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT. Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso UNIDADE DE NEGÓCIO DE TRATAMENTO DE ESGOTOS DA METROPOLITANA MT Aquapolo Ambiental Uma Parceria de Sucesso José Luiz Salvadori Lorenzi Superintendente Abril/2008 PAUTA SABESP SOLUÇÕES AMBIENTAIS ÁGUA DE

Leia mais

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA

PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA REGIÃO METROPOLITANA DA BAIXADA SANTISTA Diretoria de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente - T Sistema Produtor de Água Mambu - Branco REUNIÃO DO COMITÊ TÉCNICO

Leia mais

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos

XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos SECRETARIA DE SANEAMENTO E ENERGIA XVIII Congresso Brasileiro de Recursos Hídricos Mesa redonda: Marco Regulatório do Setor Saneamento Desafios do Saneamento e Regulação dos Serviços no Estado de São Paulo

Leia mais

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. SABESP RENOVA PLATAFORMA COMPUTACIONAL PARA AMPLIAR E APRIMORAR PROCESSOS

Case de Sucesso. Integrando CIOs, gerando conhecimento. SABESP RENOVA PLATAFORMA COMPUTACIONAL PARA AMPLIAR E APRIMORAR PROCESSOS Case de Sucesso Integrando CIOs, gerando conhecimento. SABESP RENOVA PLATAFORMA COMPUTACIONAL PARA AMPLIAR E APRIMORAR PROCESSOS Perfil A Sabesp foi criada em 1973, a partir da fusão de várias empresas

Leia mais

Plano de Saneamento Básico

Plano de Saneamento Básico Plano de Saneamento Básico Marcelo de Paula Neves Lelis Rio de Janeiro, 09/06/2011 Saneamento Básico A Lei 11.445/07, em seu Art. 3 º, define Saneamento Básico como sendo o conjunto de serviços, infra-estruturas

Leia mais

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO MINISTÉRIO DAS CIDADES SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL PROGRAMA DE ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO PAC 2 SELEÇÃO 2013 ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO PERGUNTAS E RESPOSTAS SANEAMENTO

Leia mais

A DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO

A DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO A DISPONIBILIDADE HÍDRICA DA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO CAMILA CRISTINA PACHECO LOMBA (Mestranda em Geog. Humana - USP/Bolsista ANPUR/IPEA) camilageografia@yahoo.com.br RESUMO A Região Metropolitana

Leia mais

Sobre o evento ACELERA SP

Sobre o evento ACELERA SP Sobre o evento ACELERA SP Articulado pelo parlamentar da região, o município de Guararema receberá a oitava edição do encontro, que tem como objetivo apresentar os projetos da pasta e discutir possíveis

Leia mais

Nota técnica Março/2014

Nota técnica Março/2014 Nota técnica Março/2014 Sistemas de Saneamento no Brasil - Desafios do Século XXI João Sergio Cordeiro O Brasil, no final do ano de 2013, possuía população de mais de 200 milhões de habitantes distribuídos

Leia mais

Soluções em Transporte APRESENTAÇÃO

Soluções em Transporte APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO A Transparlog é uma empresa nova no mercado, com profissionais que vieram do setor de Transporte Rodoviário de Carga, tanto como contratante quanto contratado do serviço. Onde foi possível

Leia mais

GLOBAL. Outlook. v São Paulo METRÓPOLE PIB. Bolsa de valores. População. Saiba mais na página 10

GLOBAL. Outlook. v São Paulo METRÓPOLE PIB. Bolsa de valores. População. Saiba mais na página 10 2 0 1 0 v São Paulo Outlook METRÓPOLE GLOBAL A área de influência de São Paulo gera 388 bilhões de dólares em riqueza por ano, a 10ª maior cifra entre as cidades do mundo Bolsa de valores São Paulo abriga

Leia mais

Consórcios públicos de regulação do saneamento básico

Consórcios públicos de regulação do saneamento básico Consórcios públicos de regulação do saneamento básico Formas de prestação de serviços públicos Centralizada Órgão da Adm. Pública Prestação de serviço público Direta Indireta Descentralizada Terceirização

Leia mais

Nova Política Comercial

Nova Política Comercial A Cultura já tem grade de programação diferenciada. Agora também com proposta comercial diferenciada. O cálculo da tabela de preços da TV Cultura deixou de ser baseado no IPC - Índice Potencial de Consumo

Leia mais

MERCADORIA TRANSPORTADA COM PAZ E SEGURANÇA UM NOVO CONCEITO DE LOGISTICA E TRANSPORTE RODOVIARIO

MERCADORIA TRANSPORTADA COM PAZ E SEGURANÇA UM NOVO CONCEITO DE LOGISTICA E TRANSPORTE RODOVIARIO SHALLON express SUA MERCADORIA TRANSPORTADA COM PAZ E SEGURANÇA UM NOVO CONCEITO DE LOGISTICA E TRANSPORTE RODOVIARIO EMPRESA - HISTÓRICO Aqui nasce um novo conceito de transporte rodoviário" Em Janeiro

Leia mais

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização

81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção. PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização 81º ENIC Encontro Nacional da Indústria da Construção PAINEL Saneamento: Desafios para a Universalização Rogério de Paula Tavares Superintendente Nacional de Saneamento e Infra-estrutura Rio de Janeiro,

Leia mais

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO

VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO ASSEMAE VIII EXPOSIÇÃO DE EXPERIÊNCIAS MUNICIPAIS EM SANEAMENTO Título do trabalho O SEMASA E O TRATAMENTO DE ESGOTO NA CIDADE DE SANTO ANDRÉ Nome do Autor ISABEL CRISTINA ALEIXO DIAS CURRÍCULO DO AUTOR

Leia mais

PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS. Instituto de Engenharia

PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS. Instituto de Engenharia PROGRAMA DE CORREDORES METROPOLITANOS Instituto de Engenharia Introdução quem é a EMTU/SP Estrutura Organizacional EMTU/SP responsabilidades Gerenciamento do sistema de transporte público intermunicipal

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização

Projetos de Expansão e Modernização Projetos de Expansão e Modernização Março/2012 Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco da Rocha Caieiras REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Itaquaquecetuba Osasco Barueri São

Leia mais

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB

Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Cobertura de saneamento básico no Brasil segundo Censo Demográfico, PNAD e PNSB Painel Cobertura e Qualidade dos Serviços de Saneamento Básico Zélia Bianchini Diretoria de Pesquisas 1 São Paulo, 08/10/2013

Leia mais

Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água

Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água Região Metropolitana de Belo Horizonte e Norte de Minas receberão novos investimentos em abastecimento de água Governador Antonio Anastasia preside solenidade na qual foi assinado contrato para a implantação

Leia mais

ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA

ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA ANEXO VI DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TÉCNICA As LICITANTES deverão elaborar, observados os termos dos itens 64 e 65 do EDITAL, a PROPOSTA TÉCNICA conforme cada um dos tópicos descritos a seguir.

Leia mais

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro

O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES, AÇÃO URBANA E FUNDAÇÃO BENTO RUBIÃO PROGRAMA DE FORMAÇÃO: POLÍTICAS PÚBLICAS E O DIREITO À CIDADE O Quadro de Desigualdades Habitacionais e o Saneamento no Rio de Janeiro Ana

Leia mais

Unimed Paulistana Índice Plano Pessoa Física Planos e Abrangência Planos com Reembolso (Livre Escolha) Produtos Acessórios Vantagens

Unimed Paulistana Índice Plano Pessoa Física Planos e Abrangência Planos com Reembolso (Livre Escolha) Produtos Acessórios Vantagens Unimed Paulistana Índice Plano Pessoa Física 4 Planos e Abrangência 4 Planos com Reembolso (Livre Escolha) 4 Produtos Acessórios 5 Vantagens 6 Documentação do Cliente 6 Redução de Carências 7 Tabela de

Leia mais

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol

As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol As Lições da Crise Hídrica na Região Metropolitana de São Paulo João Alberto Viol Vice Presidente de Gestão e Assuntos Institucionais Resumo Planejamento das atividades de Infraestrutura de Saneamento

Leia mais

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa

Título. Mudanças Climáticas. Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Mudanças Climáticas Título Programa Corporativo de Gestão das Emissões de Gases de Efeito Estufa Wanderley da Silva Paganini Superintendente de Gestão Ambiental - Sabesp São Paulo, 13 de junho de 2013.

Leia mais

COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO Conselho de Administração Alberto Goldman Alexander Bialer Andrea Sandro Calabi Dilma Pena Edson de Oliveira Giriboni Heraldo Gilberto de Oliveira

Leia mais

Investimentos 2013-2016 O Desafio da Universalização

Investimentos 2013-2016 O Desafio da Universalização Investimentos 2013-2016 O Desafio da Universalização 30 de novembro de 2013 O desafio da universalização Planejamento CV Planejamento em trajetória:! Planejamento Estratégico 1995! BSC Gestão Estratégica

Leia mais

A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre. 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010

A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre. 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010 A Universalização dos Serviços de Água e Esgoto em Porto Alegre 2014 saneamento na rede Rio de Janeiro, 19 de maio 2010 Foto João Fiorin Lago Guaíba - Porto Alegre - RS PERFIL DA INSTITUIÇÃO: atende 100%

Leia mais

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro

COPASA Day 2011. 24 e 25 de novembro COPASA Day 2011 24 e 25 de novembro Benefícios do Tratamento de Esgoto Despoluição dos córregos e rios; Eliminação do mau cheiro; Meio ambiente limpo, recuperado e preservado; Diminuição da presença de

Leia mais

Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP

Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP Mudanças climáticas globais e os impactos na hidrologia urbana: as experiências de São Paulo e as necessidades de pesquisa Alejandra Maria Devecchi SVMA - PMSP Identificação do papel das medidas nãoestruturais

Leia mais

O Estado de São Paulo no Censo 2010. Elaboração : Suzana Pasternak

O Estado de São Paulo no Censo 2010. Elaboração : Suzana Pasternak O Estado de São Paulo no Censo 2010 Elaboração : Suzana Pasternak Colaboraram Lucia Maria Machado Bógus e Eliana Rodrigues Introdução O Estado de São Paulo atinge, em 2010, uma população de 41.252.162

Leia mais

Seminário Cresce Brasil/São Paulo

Seminário Cresce Brasil/São Paulo Seminário Cresce Brasil/São Paulo Apoio financeiro do BNDES à Região Metropolitana de São Paulo Tibor Greif Chefe do DESUL (Departamento Regional Sul do BNDES) Av Juscelino Kubitscheck, 510-5 fone: (11)

Leia mais

nº 344 novembro 2014 Inova BH completa um ano Odebrecht 70 anos: a história e as perspectivas da Organização em projetos de Água e Esgoto

nº 344 novembro 2014 Inova BH completa um ano Odebrecht 70 anos: a história e as perspectivas da Organização em projetos de Água e Esgoto nº 344 novembro 2014 Inova BH completa um ano Odebrecht 70 anos: a história e as perspectivas da Organização em projetos de Água e Esgoto Livros apoiados pela Organização vencem o Prêmio Jabuti 2014 Água

Leia mais

Projetos de Expansão e Modernização

Projetos de Expansão e Modernização Projetos de Expansão e Modernização Mário Manuel Seabra Rodrigues Bandeira Diretor Presidente maio/2013 REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Jundiaí Várzea Paulista Campo Limpo Paulista Francisco Morato Franco

Leia mais

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano

A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano A visão social em relação ao sistema de saneamento e a importância da sociedade na elaboração do plano Nossa Realidade 57% da população brasileira não possui coleta de esgoto (SNIS 2008) O Brasil é o 9º

Leia mais

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água

Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Os desafios da gestão de recursos hídricos e as ações para redução do potencial de escassez de água Mierzwa, José Carlos Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental Escola Politécnica da Universidade

Leia mais

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES:

A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: Novembro/2007 A Sabesp STATUS: Fundada em 1973 como sociedade de participação acionária (Governo do Estado de São Paulo, acionistas privados e municípios) ATRIBUIÇÕES: PATRIMÔNIO LÍQUIDO: L EMPREGADOS:

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Informações referentes ao 3º trimestre de 2013 (Data de atualização: janeiro/2014) Estado de São Paulo Disponibilidade de Recursos Hídricos A escassez de recursos hídricos exige

Leia mais

DELIBERAÇÃO CBH-AT nº 04 de 31/03/2008

DELIBERAÇÃO CBH-AT nº 04 de 31/03/2008 Dispõe sobre a hierarquização e indicação de empreendimentos para financiamento com recursos oriundos do Fundo Estadual de Recursos Hídricos FEHIDRO, referentes ao exercício de 2007/2008, e dá outras providências.

Leia mais

através de Governo do Prefeitura da Cidade

através de Governo do Prefeitura da Cidade Gestão da Demanda de Água através de Convênios e Parcerias com o Governo do Estado de São Paulo e Prefeitura da Cidade de São Paulo SABESP Disponibilidade de Recursos Hídricos A escassez de recursos hídricos

Leia mais

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. Conheça a Bacia do Alto Tietê Sistema de abastecimento de água

COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ. Conheça a Bacia do Alto Tietê Sistema de abastecimento de água Conheça a Bacia do Alto Tietê Sistema de abastecimento de água São Paulo, 2014 Sumário 1. SISTEMA DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA... 3 1.1. Caracterização... 3 1.2. Sistema Integrado Metropolitano... 8 a) Sistema

Leia mais

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação

SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA. PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação SEMINÁRIO SOBRE A HIDROVIA DO PARNAÍBA PARCERIA PÚBLICO-PRIVADA E A HIDROVIA DO PARNAÍBA Alternativas de Estruturação 06 de maio de 2009 PARCERIA PUBLICO-PRIVADA AGENDA 1. PROCESSO DE ESTRUTURAÇÃO DAS

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTO ANDRE LEI Nº 354/2014 Dispõe sobre a Política Municipal de Saneamento Básico, cria o Conselho Municipal de Saneamento Básico e o Fundo Municipal de Saneamento de Básico, e dá outras providências. A Prefeita

Leia mais

RESULTADOS INSTITUCIONAIS NA ESCOLHA DOS BONS CANAIS DE COMUNICAÇÃO

RESULTADOS INSTITUCIONAIS NA ESCOLHA DOS BONS CANAIS DE COMUNICAÇÃO RESULTADOS INSTITUCIONAIS NA ESCOLHA DOS BONS CANAIS DE COMUNICAÇÃO Antônio Silvio Amaral Costa Superintendente de Recursos Próprios SISTEMA UNIMED O Sistema Unimed, fundado em 1971, atualmente é formado

Leia mais

ENCONTRO DA REGIÃO METROPOLINA DE SÃO PAULO SOBRE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE E NASCIDOS

ENCONTRO DA REGIÃO METROPOLINA DE SÃO PAULO SOBRE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE E NASCIDOS ENCONTRO DA REGIÃO METROPOLINA DE SÃO PAULO SOBRE SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE MORTALIDADE E NASCIDOS São Paulo Março/2012 O conjunto de ações relativas à coleta, codificação, processamento de dados, fluxo,

Leia mais

SERVICE. manual do usuário Version 1.0 FLM 030001

SERVICE. manual do usuário Version 1.0 FLM 030001 Version 1.0 FLM 030001 INTRODUÇÃO DEFINIÇÃO DO SERVIÇO REQUISITOS BÁSICOS RECOMENDAÇÕES COMO FAZER O REGISTRO NO SERVIÇO FLIP COMO FAZER LIGAÇÕES COMO RECEBER SUAS LIGAÇÕES COMO TRANSFERIR AS LIGAÇÕES

Leia mais

Estratégia de Financiamento

Estratégia de Financiamento Sustentabilidade Conforme o art. 29 da Lei nº 11.445/07, os serviços públicos de saneamento básico terão a sustentabilidade econômico-financeira assegurada, sempre que possível, mediante remuneração pela

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014

PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 PROJETO DE LEI Nº, DE 2014 (Do Sr. Geraldo Resende) Estabelece a Política Nacional de Captação, Armazenamento e Aproveitamento de Águas Pluviais e define normas gerais para sua promoção. O Congresso Nacional

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Infraestrutura de serviços públicos. Gesner Oliveira II Forum Sobratema Brasil Infraestrutura São Paulo, 18 de outubro de 2011

Infraestrutura de serviços públicos. Gesner Oliveira II Forum Sobratema Brasil Infraestrutura São Paulo, 18 de outubro de 2011 Infraestrutura de serviços públicos Gesner Oliveira II Forum Sobratema Brasil Infraestrutura São Paulo, 18 de outubro de 2011 Três pontos... Precariedade da infraestrutura constitui entrave ao crescimento

Leia mais

PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ

PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ COMITÊ DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ PLANO DA BACIA HIDROGRÁFICA DO ALTO TIETÊ RELATÓRIO FINAL Volume 2/4 Fundação de Apoio à Universidade de São Paulo Dezembro de 2009 SUMÁRIO Textos 2.5. Uso e

Leia mais

Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP. Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011

Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP. Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo - SABESP Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2012 e 2011 Índices do Balanço 2012 Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações

Leia mais

DOSSIÊ Sistema Rio Grande

DOSSIÊ Sistema Rio Grande Espaço das Águas Fundação Patrimônio Histórico da Energia e Saneamento Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo Sabesp DOSSIÊ Sistema Rio Grande Fevereiro 2009 1. Histórico do Sistema Rio

Leia mais

PESQUISA SANEAMENTO Recursos financeiros assegurados para saneamento Bacias PCJ

PESQUISA SANEAMENTO Recursos financeiros assegurados para saneamento Bacias PCJ PESQUISA SANEAMENTO Recursos financeiros assegurados para saneamento Bacias PCJ GT/CRITÉRIOS (13/11/12) CT/PB (14/11/12) CT/PL (23/11) Oficina preparatória Cobranças PCJ e Fehidro DADOS NÃO OFICIAIS, EM

Leia mais

Sistemas produtores capacidades

Sistemas produtores capacidades Sistemas produtores capacidades CAPACIDADES DE PRODUÇÃO ATUAIS SISTEMA INTEGRADO SISTEMA PRODUTOR Nominal Máxima (m³/s) (m³/s) Cantareira 33,0 35,0 Guarapiranga 14,0 15,0 Alto Tietê 10,0 12,0 Rio Claro

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NO SANEAMENTO 2014-2017 12/04/2011

PLANO DE AÇÃO NO SANEAMENTO 2014-2017 12/04/2011 PLANO DE AÇÃO NO SANEAMENTO 2014-2017 LEI FEDERAL Nº 11.445/2007 Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico e para a política federal de saneamento básico. O Artigo 3º, define SANEAMENTO

Leia mais

Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental

Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental 1 2008 Ano Internacional do Saneamento Conforme a OMS, para cada real investido em saneamento, economiza-se aproximadamente 4 reais no sistema de saúde; Em média, 65% dos atendimentos ambulatoriais de

Leia mais

AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA

AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA AS CORPORAÇÕES E A CRISE DA ÁGUA CENÁRIO GLOBAL A empresa do novo milênio está comprometida com a preservação dos recursos naturais respeitando sua capacidade de renovação. Tem como meta utilizar recursos

Leia mais

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH

Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014. Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Outorga do Sistema Cantareira Renovações de 2004 e 2014 Rui Brasil Assis Assessor do Gabinete da SSRH Contexto da renovação da outorga em 2004 ATORES REGIONAIS 1. Comitê PCJ 2. Consórcio PCJ 3. Conselho

Leia mais

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL

INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL VI SEMINÁRIO NACIONAL DE SANEAMENTO RURAL I ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE SANEAMENTO RURAL INVESTIMENTOS, ABORDAGENS E ESFORÇOS COMUNS NO SANEAMENTO RURAL Ernani Ciríaco de Miranda Diretor SNSA/MCIDADES

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia

CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia CARACTERÍSTICAS DE DIFERENTES MODELOS DE PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ABASTECIMENTO DE ÁGUA E ESGOTAMENTO SANITÁRIO: um estudo no Estado da Bahia ALINE LINHARES LOUREIRO PATRÍCIA CAMPOS BORJA LUIZ ROBERTO

Leia mais

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate

Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Crise da Água em São Paulo Balanço e Propostas contribuição para o debate Câmara dos Deputados 14 de Julho de 2015 Comissão Especial da Crise Hídrica O porque do colapso dos sistemas A Pergunta é: Precisávamos

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE SANTA MARIA

PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE SANTA MARIA PLANO MUNICIPAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL DE SANTA MARIA Volume V Avaliação de Sustentabilidade, Plano de Emergência e Contingência, Modelos de Regulação, Instrumentação Legal e Mecanismos de Avaliação Sociedad

Leia mais

Paulo Becker de Macedo Diretor

Paulo Becker de Macedo Diretor Paulo Becker de Macedo Diretor Formação Acadêmica Engenheiro Civil pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo, 1976 Departamento de Engenharia Sanitária Universidade da Califórnia, Berkeley;

Leia mais

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE

SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE SANEAMENTO EM PORTO ALEGRE Julho/2015 Antônio Elisandro de Oliveira Diretor-Geral do Dmae PORTO ALEGRE -RS População (2014): 1.472.482 habitantes PIB Brasil (2014): R$ 5,52 trilhões PIB Brasil (2012) per

Leia mais

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada

82,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água tratada Saneamento no Brasil Definição: Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saneamento é o controle de todos os fatores do meio físico do homem que exercem ou podem exercer efeitos nocivos sobre o bem

Leia mais

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015

Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 Simpósio Estadual Saneamento Básico e Resíduos Sólidos: Avanços Necessários MPRS 20.08.2015 O saneamento básico no Brasil não condiz com o país que é a 7ª. economia do mundo da população não possui coleta

Leia mais

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO

OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO SEMINÁRIO INTERNACIONAL PARCERIAS PARA O DESENVOLVIMENTO - PPPs e CONCESSÕES OPORTUNIDADES DE PPPs E CONCESSÕES EM SANEAMENTO Rio de Janeiro, 16 de Abril de 2012 Johnny Ferreira dos Santos Diretor de Água

Leia mais