MARCOS DOS SANTOS MAURÍCIO SERRÃO PICCININI* * Respectivamente, economista e engenheiro do BNDES.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MARCOS DOS SANTOS MAURÍCIO SERRÃO PICCININI* * Respectivamente, economista e engenheiro do BNDES."

Transcrição

1 REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 14, N. 29, P , JUN MARCOS DOS SANTOS MAURÍCIO SERRÃO PICCININI* RESUMO Este estudo tem como objetivo analisar o desempenho recente do setor de bens de capital mecânicos brasileiro no comércio internacional. É feita a caracterização do mercado e são identificadas as tendências do investimento na economia brasileira, a partir do processo de ajustamento experimentado pela indústria de bens de capital nos anos Em seguida, contextualiza-se o comércio internacional de bens de capital, focalizando sua concentração geográfica, o volume de comércio e as tarifas praticadas. É analisado, também, o desempenho da balança comercial brasileira da indústria de bens de capital, com destaque para os de bens de capital mecânicos. ABSTRACT This study intends to analyze the recent performance of the mechanical capital goods industry of Brazilian economy in the foreign trade market. The market characteristics are outlined and the Brazilian economy investment trends are identified from the adjusting process experienced by the industry of capital goods in the 90 s. Afterwards, the foreign capital goods market is inserted in a context, with special focus on its geographic concentration, volume of trades and the current rates. The Brazilian capital goods industry balance of trade performance is also analyzed, with special attention given to mechanical capital goods. * Respectivamente, economista e engenheiro do BNDES.

2 178 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS 1. Introdução A indústria de bens de capital tem um papel estratégico na promoção do crescimento e do desenvolvimento econômico de um país. Além de contribuir para o aumento da capacidade produtiva da economia, os investimentos em bens de capital viabilizam o aumento da produtividade, na medida em que as máquinas e equipamentos incorporam novas tecnologias. A decisão de investir em máquinas e equipamentos é função das expectativas das empresas quanto ao curso futuro da economia. Tais expectativas gerarão maior ou menor grau de incerteza quanto ao comportamento da demanda agregada, dependendo do grau de estabilidade macroeconômica observado, conseqüência da política econômica adotada internamente, do nível de regulação dos mercados e da conjuntura econômica internacional. A criação de um ambiente econômico favorável é extremamente benéfica para o mercado de bens de capital, o último a sentir os efeitos positivos de um ciclo de crescimento porque, em geral, as empresas tendem, inicialmente, a ocupar a capacidade instalada para, somente depois, encomendar novas máquinas e equipamentos e realizar novos projetos. Por outro lado, projeções pessimistas quanto ao futuro da atividade econômica geram impactos negativos sobre a demanda de bens de capital, levando ao adiamento de decisões de investimento. Junto com as expectativas quanto aos rumos da economia, o nível de taxas de juros vigente é também fator condicionante para a realização de investimentos em bens de capital. Quanto mais elevadas as taxas, maior o custo de aquisição das máquinas e equipamentos e, conseqüentemente, maiores as dificuldades para sua venda, já que boa parte dos negócios no setor se realiza por meio de financiamentos. Deve-se ressaltar que, a despeito do grau de abertura comercial praticado por determinada economia, torna-se estrategicamente importante que não haja dependência absoluta de importações de bens de capital. Nesse caso, choques externos de natureza política ou econômica consistiriam em variáveis exógenas de restrição ao crescimento, pois os problemas cambiais daí decorrentes poderiam elevar os preços das máquinas e equipamentos a patamares que dificultariam sua aquisição, representando, assim, restrição ao crescimento e ao desenvolvimento da economia. Este estudo tem como objetivo analisar o desempenho recente do setor de bens de capital mecânicos da economia brasileira e seu inter-relaciona-

3 REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 14, N. 29, P , JUN mento externo. Na segunda seção, é feita a caracterização do mercado. Na terceira seção, são identificadas as tendências do investimento, a partir do processo de ajustamento experimentado pela indústria de bens de capital nos anos A quarta seção contextualiza o comércio internacional de bens de capital, focalizando sua concentração geográfica, o volume de comércio e as tarifas praticadas. Na quinta seção, é analisada a performance da balança comercial brasileira da indústria de bens de capital. Na sexta seção, é feita uma análise do desempenho recente da indústria de bens de capital mecânicos. A sétima seção apresenta as conclusões do trabalho. 2. Caracterização do Mercado Heterogeneidade e Competitividade A análise do desempenho do setor de bens de capital, caracterizado por um conjunto muito heterogêneo de produtos e de estruturas de mercado, não é de fácil execução, tendo em vista a ampla gama de seus produtos, máquinas e equipamentos, que se diferenciam quanto à finalidade a que se destinam, aos meios de controle, ao desempenho e aos acessórios, coexistindo máquinas tanto eletromecânicas como de comando computadorizado. Além disso, muitos produtos são fabricados sob encomenda, para utilização específica, e não envolvem padronização em seu processo produtivo. A flexibilidade dos equipamentos, da mão-de-obra e das rotinas produtivas é um importante fator de competitividade desses produtos. No caso de bens de capital seriados, ocorrem processos produtivos que utilizam maquinário especializado e processos produtivos relativamente rígidos, nos quais a engenharia de processo e a escala de produção são essenciais para a manutenção da competitividade nos mercados de atuação. O preço do produto é o principal fator de concorrência nesse caso. Dessa forma, os fatores de competitividade terão maior ou menor grau de importância, dependendo do segmento de atuação das empresas. Em especial, para as empresas atuantes em mercados de ponta, é um importante fator de competitividade o conhecimento da engenharia do produto, bem como o acesso e o incentivo à inovação, incorporando a eletrônica em sua base técnica (mecatrônica). Nesse sentido, tornaram-se cruciais para a manutenção de sua competitividade a acessibilidade às indústrias produtoras de software e hardware e a disponibilidade de mão-de-obra qualificada.

4 180 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS Também relevante é o relacionamento dos produtores com os clientes, para adequar os produtos ofertados às suas novas necessidades, que surgem em função de mudanças nas preferências de consumo, processo esse que estimula a competitividade via inovação. O relacionamento das empresas produtoras de bens de capital com seus fornecedores de insumos, partes e peças que incorporam conteúdo tecnológico de ponta também é importante, pois dele dependerá, em grande parte, o atendimento às novas necessidades de seus clientes [Vermulm (2003)]. 3. Tendências do Investimento na Economia Brasileira 3.1 Breve Histórico O setor brasileiro de bens de capital teve seu desenvolvimento mais acentuado como resultado de dois planos governamentais de investimentos. O Plano de Metas, nos anos 1950, e o II Plano Nacional de Desenvolvimento (II PND), nos anos 1970, estimularam o setor via instrumentos de política comercial e de mecanismos de promoção industrial. Os dois planos utilizaram políticas de substituição de importações, de forma seletiva, estimularam a produção interna de bens de capital e protegeram as indústrias da concorrência externa, por meio de mecanismos tarifários e administrativos, ao mesmo tempo em que era facilitada a importação de bens de capital sem similar nacional. As empresas promoveram a verticalização de sua produção, a fim de obter altos índices de nacionalização de seus produtos. Nesse contexto, operavam sem dar muita atenção aos níveis de custos e de padrões de qualidade, com baixos níveis de competitividade. Nos anos 1980, o setor caracterizou-se pela estagnação de suas atividades, conseqüência da conjuntura macroeconômica adversa, que afetou negativamente as taxas de investimento. Nos anos 1990, a continuidade da conjuntura macroeconômica desfavorável, aliada ao processo de abertura comercial e à elevada liquidez internacional, concomitante com a sobrevalorização cambial na segunda metade da década, a partir do Plano Real, contribuiu para reduzir o custo das máquinas e equipamentos importados em termos de preços e financiamento.

5 REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 14, N. 29, P , JUN Tal contexto resultou no aumento da concorrência externa num mercado já pouco aquecido. Por questão de sobrevivência, para enfrentar as novas condições adversas observadas no mercado doméstico, as empresas do setor de bens de capital mecânico brasileiro tiveram de promover um processo de reestruturação e modernização. Os fatores determinantes do sucesso nessa fase foram o porte e a origem do capital das empresas e as características do subsetor de atuação. No processo de reestruturação do setor de bens de capital mecânicos, as principais estratégias adotadas pelas empresas foram o aumento do coeficiente de exportação e a desverticalização da produção. Esse processo resultou no aumento da importação de partes e componentes (procedimento importante para o aumento da competitividade das empresas, tendo em vista que o câmbio sobrevalorizado contribui para redução dos custos de produção) e na redução das linhas de produtos, acarretando ganhos de escala e especialização. Daí surgiu o comércio intra-indústria vertical, no qual as empresas brasileiras atuaram como exportadoras de bens de capital tecnologicamente menos sofisticados e de valor unitário inferior ao dos bens de capital importados, em geral tecnologicamente mais sofisticados. Houve, também, o aumento do número de empresas transnacionais produzindo no setor, sendo algumas responsáveis pela produção e distribuição dos produtos para a América do Sul. Como conseqüência, destacam-se os seguintes efeitos do processo de reestruturação do setor de bens de capital mecânicos do Brasil na década de 1990: Aumento dos níveis de produtividade; Redução expressiva do nível de emprego no setor, que passou de cerca de 370 mil postos de trabalho, em 1987, para cerca de 150 mil, em 1999; e Redução substancial dos preços relativos dos bens de capital produzidos internamente.

6 182 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS Processo de Ajustamento O setor de bens de capital brasileiro caracterizou-se por experimentar seguidas flutuações em seu desempenho durante o processo de ajustamento na década de 1990, refletindo o processo de estagnação vivido pela economia brasileira. GRÁFICO 1 Bens de Capital Produção Física Industrial (Número-Índice) Base Fixa Mensal sem Ajuste Sazonal (Base: Média de 2002 = 100) Média dos Últimos 12 Meses Fonte: IBGE Pesquisa Industrial Mensal Produção Física. O Gráfico 1 mostra que, após o desempenho negativo observado no período , o setor apresentou crescimento acentuado a partir de 1993 (ano em que se inicia a transição para o real) até meados de 1995 (quando começam a se fazer sentir os efeitos da abertura comercial preconizada pelo Plano Real sobre a atividade). A partir de então, seu desempenho foi declinante até o fim da década, sendo a pior performance a do segmento de equipamentos de transporte industrial. Em 2000, ano que se pode considerar como o de conclusão do processo de ajuste do setor, iniciou-se nova trajetória de recuperação. A partir de 2004, o setor atingiu recordes históricos de produção, sendo o melhor desempenho o do segmento de equipamentos de transporte industrial.

7 REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 14, N. 29, P , JUN Considerando-se as estatísticas divulgadas pela Fundação Centro de Estudos do Comércio Exterior (Funcex) para o comércio exterior de máquinas e tratores, o índice de quantum das exportações evoluiu 97,4% entre 1990 e No mesmo período, o índice de preços manteve-se praticamente inalterado, refletindo o aumento da competitividade do setor no mercado externo em função do processo de ajustamento experimentado. Mais recentemente, entre 2000 e 2006, o índice de quantum das exportações evoluiu 170,0% e o índice de preços aumentou 17,8%, conseqüência das condições favoráveis da economia internacional. Já o índice de quantum das importações evoluiu 248,6% entre 1990 e No mesmo período, o índice de preços apresentou redução de 34,4%. Conforme mencionado anteriormente, a trajetória dos indicadores é função do processo de abertura comercial, conjugada com a elevada liquidez internacional e com a sobrevalorização cambial a partir da segunda metade da década. Mais recentemente, entre 2000 e 2006, tendo em vista o aquecimento da demanda interna e a situação cambial favorável, o índice de quantum das importações evoluiu 41,4% (embora apresentasse tendência declinante entre 2001 e 2004). O índice de preços cresceu 2,4%. GRÁFICO 2 Máquinas e Tratores Índices de Quantum Exportações e Importações (Base: 1996 = 100) Fonte: Funcex.

8 184 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS Inicialmente, houve um aumento da utilização de insumos, partes e componentes importados na produção doméstica de bens de capital. O coeficiente de participação de insumos importados 1 para o setor de máquinas e tratores, que era de 1,5% em 1990, cresceu ano após ano até atingir 4,5% em No entanto, a desvalorização cambial ocorrida em janeiro de 1999 induziu a um novo processo de substituição de importações no setor, que se refletiu na redução do coeficiente a partir do ano 2000, tendo atingido, em 2005, o percentual de 2,2%, o mesmo observado para o ano de GRÁFICO 3 Brasil Coeficientes de Comércio Exterior Setor de Máquinas e Tratores Fonte: Funcex. 1 Conceituação dos coeficientes de comércio exterior: coeficiente de exportação é a divisão do valor exportado pelo valor da produção doméstica; coeficiente de importação é dado pela divisão do valor importado pelo valor da produção doméstica; coeficiente de penetração das importações é a divisão do valor importado pelo consumo doméstico aparente (valor da produção menos exportações mais importações); coeficiente de participação dos insumos importados é a divisão dos insumos importados utilizados na produção pelo valor da produção doméstica; e coeficiente de abertura líquida é a diferença entre o coeficiente de exportação e o coeficiente de participação dos insumos importados.

9 REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 14, N. 29, P , JUN GRÁFICO 4 Brasil Coeficientes de Comércio Exterior Setor de Máquinas e Tratores Fonte: Funcex. Entre 1985 e 1990, o coeficiente de exportação manteve-se praticamente estagnado, em torno de 6%, e a partir de 1991 apresentou mudança expressiva de patamar, para cerca de 9,5%, mantendo-se no mesmo nível até 2000, ano em que iniciou trajetória para nova mudança de patamar (13,0%). Tal efeito, combinado com a redução do coeficiente de participação de insumos importados, refletiu-se no coeficiente de abertura líquida, que evoluiu 106% no período Entre 1989 e 1992, os coeficientes de importação e de penetração das importações cresceram 152% e 139%, respectivamente. No período seguinte, entre 1993 e 1999, o coeficiente de importação cresceu 179% e o de penetração das importações, 132%. A partir do ano 2000, houve o início de reversão na trajetória dos coeficientes, que em 2005 se encontravam em patamares próximos dos observados em Os coeficientes de exportação, importação e penetração das importações, em 2005, convergiram para um nível próximo dos 13%, o que pode significar um momentâneo equilíbrio na balança comercial do setor. A relevância dos investimentos em bens de capital na economia brasileira em anos recentes, considerando que esse segmento está contido na conta

10 186 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS de formação bruta de capital fixo, pode ser verificada no Gráfico 5, que mostra sua participação no PIB, trimestralmente, a preços correntes. GRÁFICO 5 Brasil Relação Percentual FBKF/PIB (Trimestral) A Preços Correntes Fonte: IBGE Contas Nacionais (trimestre) O Gráfico 5 mostra que, a partir de 2003, a trajetória trimestral da formação bruta de capital fixo em relação ao PIB oscilou entre 15% e 16% até o final de Desde então, tornou-se crescente, como reflexo da intensificação na realização de investimentos, resultante do ambiente macroeconômico observado na economia brasileira, que no período em consideração tem vivenciado um cenário de economia internacional em crescimento, com a conseqüente situação favorável no balanço de pagamentos, crescimento moderado do PIB e inflação sob controle. Tal conjuntura favorece a geração de expectativas positivas em relação ao desempenho do mercado interno e estimula a tomada de decisões de investimento por parte das empresas. No entanto, cabe observar que, a partir do processo de abertura, algumas restrições não-tarifárias às importações foram eliminadas e alíquotas do imposto de importação foram reduzidas. No setor específico de bens de capital, alguns segmentos usuários receberam incentivos para a importação de máquinas e equipamentos, como foi o caso da indústria automobilística.

11 REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 14, N. 29, P , JUN Em conseqüência, a indústria nacional passou a enfrentar a concorrência dos fabricantes estrangeiros de forma mais acentuada, reforçada pela valorização do real. 4. Comércio Internacional de Bens de Capital Concentração Geográfica, Volume de Comércio e Tarifas Praticadas 4.1. Concentração Geográfica A Tabela 1 retrata, em nível mundial, a participação dos países no valor adicionado da indústria manufatureira. 2 Os produtos foram divididos em 21 segmentos, de acordo com a International Standard Industrial Classification of all Economic Activities (ISIC) e os países foram classificados em três grupos: economias desenvolvidas, países em transição e países em desenvolvimento. TABELA 1 Distribuição do Valor Adicionado da Indústria Manufatureira por Segmento* (Participação em %) ISIC (Rev. 3) SEGMENTO ECONOMIAS DESENVOLVIDAS PAÍSES EM TRANSIÇÃO PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO Alimentação 71,1 67,7 65,1 3,7 3,6 4,2 25,3 28,7 30,7 e Bebidas 16 - Tabaco e 43,9 36,2 31,0 1,4 1,7 1,8 54,7 62,1 67,2 Derivados 17 - Têxteis 55,9 50,6 44,1 2,4 2,4 3,0 41,7 47,0 53, Vestuário 69,8 61,7 48,4 3,0 3,7 4,2 27,2 34,6 47, Couro, Produtos do Couro e Calçados 58,4 52,0 38,6 3,7 3,2 3,4 37,9 44,8 58, Produtos de Madeira (Exceto Móveis) 21 - Papel e Derivados 22 - Impressão e Publicação 82,2 81,1 78,3 2,7 3,2 4,2 15,2 15,7 17,5 84,1 81,1 76,8 1,9 2,4 3,1 14,0 16,5 20,1 89,7 89,2 87,9 1,2 1,6 2,0 9,2 9,2 10,1 (continua) 2 Faturamento total menos o consumo intermediário.

12 188 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS ISIC (Rev. 3) SEGMENTO 23 - Coque, Produtos de Petróleo Refi nado, Combustível Nuclear 24 - Químicos e Produtos Químicos 25 - Borracha e Produtos Plásticos 26 - Produtos de Minerais Não- Metálicos 27 - Metais Básicos 28 - Produtos Metálicos 29 - Máquinas e Equipamentos Não Classifi cados nos Demais Itens 30 - Escritório, Máquinas de Computação e Contabilidade 31 - Máquinas Elétricas e Aparatos 32 - Equipamento de Rádio, Televisão e Comunicação 33 - Instrumentos Médicos, de Precisão e Ópticos 34 - Veículos Motorizados, Trailers, Semi- Trailers ECONOMIAS DESENVOLVIDAS PAÍSES EM TRANSIÇÃO PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO ,5 57,4 53,8 3,6 2,5 2,8 38,9 40,1 43,4 77,8 74,8 72,1 2,0 1,9 2,0 20,2 23,4 25,9 76,0 72,9 68,0 1,8 2,4 3,3 22,2 24,7 28,7 68,3 67,6 63,3 3,9 3,9 4,8 27,8 28,5 31,9 71,3 67,9 60,8 4,4 4,4 5,1 24,3 27,8 34,1 84,4 82,4 78,7 1,8 2,1 3,5 13,8 15,5 17,8 81,4 79,6 75,7 3,3 3,0 4,0 15,3 17,4 20,3 89,7 92,2 93,3 0,4 0,2 0,5 10,0 7,6 6,2 87,4 85,9 82,0 1,5 1,5 1,8 11,1 12,6 16,2 70,8 83,9 84,4 1,1 0,9 1,0 28,1 15,3 14,6 90,2 89,6 88,1 1,9 2,5 4,1 7,9 7,9 7,8 86,4 83,7 80,6 1,3 2,3 2,8 12,3 14,1 16,6 (continua)

13 REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 14, N. 29, P , JUN ISIC (Rev. 3) SEGMENTO 35 - Outros Equipamentos de Transporte 36 - Móveis; Manufaturados, Não Classifi cados nos Demais Itens ECONOMIAS DESENVOLVIDAS PAÍSES EM TRANSIÇÃO PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO ,2 67,6 56,8 3,6 3,6 3,3 24,2 28,9 39,8 80,6 80,7 77,2 2,1 2,4 3,6 17,3 16,9 19,2 * A preços constantes de Fonte: United Nations Industrial Development Organization (Unido). Observação: ISIC = International Standard Industrial Classifi cation of all Economic Activities. Analisando o desempenho do segmento de máquinas e equipamentos (item 29) no ano de 2005, observamos a forte participação dos países desenvolvidos (75,7%), seguida pelos países em desenvolvimento (20,3%) e pelos países em transição (4%). No entanto, ao considerar-se a evolução da participação dos países desenvolvidos no valor adicionado do segmento de máquinas e equipamentos no período , verifica-se que houve uma redução de 7%. Em contrapartida, no mesmo período, a participação dos países em desenvolvimento cresceu 32,7% e a dos países em transição, 21,2%. Isso indica que pode estar ocorrendo um processo de transferência de algumas atividades do segmento de máquinas e equipamentos dos países desenvolvidos para os países em desenvolvimento, tal como tem ocorrido com outros segmentos industriais. A Tabela 2 mostra, como medida de produtividade, a evolução do valor adicionado per capita para os três grupos de países mencionados anteriormente. Entre 1991 e 2005, o valor adicionado per capita das economias desenvolvidas evoluiu 20,4%. Já as economias em transição, que até o ano 2000 apresentaram uma redução média de 34% na variável, mostraram recuperação entre 2000 e 2005, com evolução de 50,7%. Entre as economias em desenvolvimento, destaca-se o crescimento do valor adicionado per capita da China (231,8%), dos países do Sudeste da Ásia (100,6%) e dos países do Oeste da Ásia e da Europa (45,5%).

14 190 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS TABELA 2 Valor Adicionado per Capita (Em US$ de 1995) GRUPO DE PAÍSES Economias Desenvolvidas Países em Transição Regiões em Desenvolvimento Países Subsaarianos Norte da África América Latina e Caribe Sudeste da Ásia China * Oeste da Ásia e Europa Fonte: Unido. * Incluindo Hong Kong e Taiwan, mas excluindo Macau, por falta de dados. Em suma, a produção mundial de máquinas e equipamentos está concentrada nos países desenvolvidos, que nos últimos anos experimentaram uma boa evolução de sua produtividade. Parece haver um processo de transferência das atividades do segmento de máquinas e equipamentos dos países desenvolvidos para os países em desenvolvimento, notadamente para economias asiáticas, com destaque para o caso da China. A trajetória da produtividade observada para as economias em transição é indefinida e as economias africanas e latino-americanas mostram desempenho tímido, se comparado com o observado nos demais grupos. GRÁFICO 6 Valor Adicionado per Capita Fonte: Unido. * Incluindo Hong Kong e Taiwan, mas excluindo Macau, por falta de dados.

15 REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 14, N. 29, P , JUN Volume de Comércio Em 2006, de acordo com estatísticas da United Nations Commodity Trade Statistics Database (UN Comtrade), o valor total das exportações mundiais foi de US$ bilhões. Já o total das exportações de máquinas e equipamentos de transporte 3 foi da ordem de US$ bilhões (38,6% do total). Os principais países exportadores desse segmento, responsáveis por 49,9% das exportações, são os seguintes: Alemanha, Estados Unidos (EUA), China, Japão, França e Reino Unido. Já os principais países importadores, responsáveis por 44,2% das importações, são os seguintes: Estados Unidos, China, Alemanha, Reino Unido, França e Canadá. No período , as exportações mundiais de máquinas e equipamentos de transporte cresceram 71,4%, correspondendo a uma taxa de crescimento médio anual de 8,0%, que refletiu o momento favorável pelo qual vem passando o comércio internacional. No período, as exportações relativas ao segmento equipamento de transporte correspondiam, em média, a 20,0% do total. TABELA 3 Exportação Mundial de Máquinas e Equipamentos de Transporte Principais Países Exportadores (Em US$ Milhões) PAÍS ANO % 2000 Part. % 2004 Part. % 2005 Part. % 2006 Part. % 2006/ 2000 Alemanha , , , ,46 102,27 Estados , , , ,19 19,95 Unidos China , , , ,32 452,47 Japão , , , ,32 24,97 França , , , ,47 48,53 Reino , , , ,30 42,48 Unido Demais , , , ,94 74,31 Países Total , , , ,00 71,40 Brasil , , , ,76 116,69 Fonte: United Nations Commodity Trade Statistics Database (UN Comtrade). 3 Segmentação de acordo com a classificação da Standard International Trade Classification Revision 3 (SITC Rev. 3): Código 7 Machinery and transport equipment; 71 Power-generating machinery and equipment; 72 Machinery specialized for particular industries; 73 Metalworking machinery; 74 General industrial machinery and equipment, n.e.s., and machine parts, n.e.s.; 75 Office machines and automatic data-processing machines; 76 Telecommunications and sound-recording and reproducing apparatus and equipment; 77 Electrical machinery, apparatus and appliances, n.e.s., and electrical parts thereof (including non-electrical counterparts, n.e.s., of electrical household-type equipment); 78 Road vehicles (including air-cushion vehicles); 79 Other transport equipment.

16 192 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS A Tabela 3 mostra que, no período , quatro países experimentaram redução em sua participação nas exportações do segmento: os Estados Unidos (-30,0%), o Japão (-27,1%), a França (-13,3%) e o Reino Unido (-16,9%). Os demais países tiveram sua participação praticamente estável. Em contrapartida, aumentaram sua participação a Alemanha (18%) e a China (222,3%). Embora pouco significativas, as exportações brasileiras de máquinas e equipamentos de transporte apresentaram aumento de 26,5% em sua participação em relação ao todo. GRÁFICO 7 Exportação Mundial de Máquinas e Equipamentos de Transporte Principais Países Exportadores Fonte: UN Comtrade. Também no período , merece destaque a taxa de crescimento das exportações da China, de 452,5%, equivalendo à impressionante taxa de crescimento médio anual de 27,7%. Em 2006, os principais itens da pauta de exportações chinesas foram: máquinas de escritório e máquinas automáticas de processamento de dados (29,5%), equipamentos de telecomunicações e para gravação e reprodução de sons (27,1%) e máquinas elétricas, instrumentos, dispositivos e suas partes elétricas (22,3%). Pela Tabela 4, percebe-se que quatro países experimentaram redução em sua participação nas importações do segmento no período : Estados Unidos (-23,1%), Reino Unido (-20,4%), França (-6,2%) e Canadá (-24,8%). A China e a Alemanha aumentaram sua participação em 132,6%

17 REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 14, N. 29, P , JUN e 14,1%, respectivamente. Além de pouco significativas, as importações brasileiras de máquinas e equipamentos de transporte apresentaram redução de 12,4% em sua participação no total. TABELA 4 Importação Mundial de Máquinas e Equipamentos de Transporte Principais Países Importadores PAÍS Estados Unidos ANO % 2000 Part. % 2004 Part. % 2005 Part. % 2006 Part. % 2006/ , , , ,82 28,42 China , , , ,29 288,36 Alemanha , , , ,94 90,57 Reino , , , ,75 32,88 Unido França , , , ,33 56,63 Canadá , , , ,64 25,57 Demais , , , ,22 73,50 Países Total , , , ,00 66,96 Brasil , , , ,79 46,28 Fonte: United Nations Commodity Trade Statistics Database (UN Comtrade). No mesmo período, em relação às importações de máquinas e equipamentos de transporte, 4 também merece destaque a taxa de crescimento das importações chinesas (288,36%), equivalendo a uma taxa de crescimento de 21,4% a.a. Em 2006, os principais itens da pauta de importações chinesas foram: máquinas elétricas, instrumentos, dispositivos e suas partes elétricas (48,9%), máquinas de escritório e máquinas automáticas de processamento de dados (11,4%) e equipamentos de telecomunicações e para gravação e reprodução de sons (9,9%). As importações relativas ao segmento de equipamentos de transporte correspondiam a uma participação média anual de 20,0% do total, no período O valor da importação informada por um país de destino não coincide com o valor da exportação informada por um país de origem, devido a fatores tais como valorização (importações CIF, exportações FOB), inclusões e exclusões de determinadas mercadorias, informações defasadas etc.

18 194 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS GRÁFICO 8 Importação Mundial de Máquinas e Equipamentos de Transporte Principais Países Importadores Fonte: UN Comtrade. Portanto, o comércio internacional de máquinas e equipamentos de transporte é expressivo, sendo 80% relacionado ao segmento de máquinas, e fortemente concentrado em países desenvolvidos da Europa (Alemanha, França e Reino Unido), da América do Norte (Canadá e Estados Unidos) e da Ásia (Japão). A China assume, ao longo do tempo, papel de importância no mercado, tanto como exportador quanto como importador, com volumes de transações que já sobrepujam os de economias reconhecidamente competitivas, tornando-se, assim, um dos líderes no segmento em questão. Do lado exportador, a Alemanha e os Estados Unidos são líderes. No entanto, a continuar o desempenho chinês observado em passado recente, essa posição de liderança pode se modificar. Do lado importador, os Estados Unidos, a China e a Alemanha são líderes absolutos, estrategicamente importantes e responsáveis, em 2006, por 31% das encomendas. Assim sendo, qualquer alteração na demanda por investimentos dessas economias tem repercussão importante no mercado mundial.

19 REVISTA DO BNDES, RIO DE JANEIRO, V. 14, N. 29, P , JUN A atuação brasileira no comércio internacional de máquinas e equipamentos de transporte é tímida e sem tendência definida, mostrando sinais de estagnação. De acordo com dados da Organização das Nações Unidas para o Desenvolvimento Industrial (Unido), para o período , considerando-se a categoria máquinas e equipamentos, o setor de bens de capital mecânicos do Brasil aumentou sua participação no valor agregado da indústria manufatureira doméstica, de 4,9%, em 1995, para 5,4%, em Tal performance espelha os efeitos do processo de reestruturação do setor, que apresentou crescimento médio anual de 4,1%, superior ao observado para a América Latina (em média, 1,6% ao ano), a despeito das dificuldades apontadas. TABELA 5 Brasil Taxas Médias Anuais de Crescimento Real e Estrutura do Valor Adicionado da Indústria Manufatureira ISIC (REV. 3) SEGMENTO TAXA MÉDIA DE CRESCIMENTO ANUAL (%) Brasil América Latina e Caribe ESTRUTURA DO VALOR ADICIONADO DA INDÚSTRIA MANUFATUREIRA (Participação em %) Brasil América Latina e Caribe Alimentação e Bebidas 1,4 1,6 13,9 13,2 21,1 20, Tabaco e Derivados -8,8-1,8 0,9 0,4 2,8 1, Têxteis -1,0-1,4 3,6 2,5 4,1 3, Vestuário -2,2-1,7 2,5 1,5 3,0 2, Couro, Produtos do Couro e Calçados -3,8-1,1 1,4 0,8 1,7 1, Produtos de Madeira (Exceto Móveis) 2,3 2,0 3,7 3,6 2,6 2, Papel e Derivados 3,6 2,9 2,5 2,9 2,8 3, Impressão e Publicação -1,0 0,2 2,2 1,7 2,8 2, Coque, Produtos de Petróleo Refi nado, 1,1 1,3 11,5 10,9 8,9 8,5 Combustível Nuclear 24 - Químicos e Produtos Químicos 1,5 1,7 10,0 9,7 10,4 10, Borracha e Produtos Plásticos -0,2 1,5 4,0 3,4 3,8 3, Produtos de Minerais Não-Metálicos 0,4 1,1 4,8 4,4 5,0 4, Metais Básicos 2,6 3,3 4,0 4,1 5,0 5, Produtos Metálicos 0,6 0,5 7,4 6,3 5,2 4, Máquinas e Equipamentos não Classifi cados nos Demais Itens 4,1 1,6 4,9 5,4 4,2 4,3 (continua)

20 196 INDÚSTRIA BRASILEIRA DE BENS DE CAPITAL MECÂNICOS ISIC (REV. 3) SEGMENTO TAXA MÉDIA DE CRESCIMENTO ANUAL (%) Brasil América Latina e Caribe ESTRUTURA DO VALOR ADICIONADO DA INDÚSTRIA MANUFATUREIRA (Participação em %) Brasil América Latina e Caribe Escritório, Maquinas de Computação e 4,9 3,9 1,7 2,4 1,0 1,5 Contabilidade 31 - Máquinas Elétricas e Aparatos 5,0 3,4 3,4 4,4 2,4 2, Equipamento de Rádio, Televisão e -2,7-1,2 4,3 3,1 2,5 2,1 Comunicação 33 - Instrumentos Médicos, de Precisão e 1,3 1,3 2,2 2,1 1,2 1,2 Ópticos 34 - Veículos Motorizados, Trailers, Semi- 2,6 3,9 4,0 4,6 4,8 6,5 Trailers 35 - Outros Equipamentos de Transporte 14,1 12,8 4,8 10,7 2,4 4, Móveis; Manufaturados, Não Classifi cados nos Demais Itens -0,4-0,6 2,4 2,0 2,5 2,0 Fonte: Unido. MVA: Manufacturing Value Added ISIC: International Standard Industrial Classifi cation of all Economic Activities 4.3. Tarifas Praticadas De forma geral, as importações de bens de capital mecânicos são pouco afetadas por barreiras tarifárias, já que são concentradas no âmbito dos países desenvolvidos, que praticam tarifas baixas ou nulas para o segmento, fruto de negociações de livre comércio no âmbito da Organização Mundial do Comércio (OMC). Considerando um grupo de países selecionados, a Tabela 6 mostra, para o ano de 2006, as tarifas médias praticadas sobre as importações de maquinário não-elétrico, de maquinário elétrico e de equipamento de transporte, bem como o percentual de itens importados isentos de tarifas.

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013

CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIOS 2013: PERSPECTIVAS E O SETOR DE BKs 19/03/2013 CENÁRIO GLOBAL Crescimento global de 3,4 % em 2013 O mundo retoma a média histórica de crescimento (3,4% a.a) Zona do Euro sai da recessão Os EEUU

Leia mais

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov.

7.000 6.500 6.000 5.500 5.000 4.500 4.000 3.500 3.000 2.500 2.000 1.500 1.000 500 - -500-1.000 fev./2010. ago./2011. fev./2012. nov. 4 SETOR EXTERNO As contas externas tiveram mais um ano de relativa tranquilidade em 2012. O déficit em conta corrente ficou em 2,4% do Produto Interno Bruto (PIB), mostrando pequeno aumento em relação

Leia mais

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior

PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PAÍSES BAIXOS Comércio Exterior Outubro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Máquinas e Equipamentos de Qualidade

Máquinas e Equipamentos de Qualidade Máquinas e Equipamentos de Qualidade 83 A indústria brasileira de máquinas e equipamentos caracteriza-se pelo constante investimento no desenvolvimento tecnológico. A capacidade competitiva e o faturamento

Leia mais

COREIA DO NORTE Comércio Exterior

COREIA DO NORTE Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC COREIA DO NORTE Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO

TRIBUNAL DE CONTAS DO DISTRITO FEDERAL II RELATÓRIO ANALÍTICO II RELATÓRIO ANALÍTICO 15 1 CONTEXTO ECONÔMICO A quantidade e a qualidade dos serviços públicos prestados por um governo aos seus cidadãos são fortemente influenciadas pelo contexto econômico local, mas

Leia mais

ARGENTINA Comércio Exterior

ARGENTINA Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Balança Comercial 2003

Balança Comercial 2003 Balança Comercial 2003 26 de janeiro de 2004 O saldo da balança comercial atingiu US$24,8 bilhões em 2003, o melhor resultado anual já alcançado no comércio exterior brasileiro. As exportações somaram

Leia mais

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

101/15 30/06/2015. Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados 101/15 30/06/2015 Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Junho de 2015 Sumário 1. Perspectivas do CenárioEconômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China

Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Resumo Aula-tema 05: Análise Comparativa do Desenvolvimento Econômico da Índia e da China Esta aula tratará da análise comparativa do processo de desenvolvimento da China e da Índia, países que se tornaram

Leia mais

BRASIL Comércio Exterior

BRASIL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BRASIL Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL

NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL fevereiro 2010 NOTA SOBRE O COMÉRCIO EXTERIOR NA AMÉRICA DO SUL Paulo Roberto Delgado * Gracia Maria Viecelli Besen* Na presente década, verificou-se forte expansão do comércio externo nos países da América

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2013 As exportações em março apresentaram aumento de +27,85% em relação a fevereiro. O valor exportado superou novamente a marca de US$ 1 bilhão, atingindo

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Novembro 2012 As exportações em novembro apresentaram diminuição de 27,64% em relação a outubro. Continuam a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela vigésima-segunda

Leia mais

BANGLADESH Comércio Exterior

BANGLADESH Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC BANGLADESH Comércio Exterior Fevereiro de 2015 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial

27/09/2011. Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial 27/09/2011 Integração Econômica da América do Sul: Perspectiva Empresarial Estrutura da apresentação Perspectiva empresarial Doing Business 2011 Investimentos Estrangeiros e Comércio Exterior Complementaridade

Leia mais

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007

ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES Janeiro a Dezembro / 2007 ANÁLISE DAS EXPORTAÇÕES MATO-GROSSENSES / 2007 1- Balança Comercial Mato Grosso continua tendo superávit na Balança Comercial registrando em 2007 um expressivo saldo de US$ 4,38 bilhões valor que representa

Leia mais

Panorama Mundial (2013)

Panorama Mundial (2013) Panorama Mundial (2013) Produção mundial alcançou US$ 444 bilhões em 2013; Mesmo com os efeitos da crise internacional, registra 85% de crescimento desde 2004, a uma taxa média de 7% ao ano; 54% da produção

Leia mais

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior

CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC CAZAQUISTÃO Comércio Exterior Agosto de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais.

Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Maio/2014 OBJETIVO Estruturar informações econômicas básicas sobre a caracterização da indústria mineira no Estado de Minas Gerais e em suas Regionais. Permitir ainda, uma análise comparativa da evolução

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Maio 2012 As exportações em maio apresentaram aumento de +39,13% em relação a abril, continuando a superar a marca de US$ 1 bilhão, agora pela décima-sexta vez

Leia mais

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999

O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 14 de maio de 2014 Indicador IFO/FGV de Clima Econômico da América Latina¹ O indicador do clima econômico piorou na América Latina e o Brasil registrou o indicador mais baixo desde janeiro de 1999 O indicador

Leia mais

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil

Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Análise Macroeconômica Projeto Banco do Brasil Segundo Trimestre de 2013 Energia Geração, Transmissão e Distribuição Conjuntura Projeto Banco Macroeconômica do Brasil Energia Geração, Transmissão e Distribuição

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro

Monitor do Déficit Tecnológico. Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro Monitor do Déficit Tecnológico Análise Conjuntural das Relações de Troca de Bens e Serviços Intensivos em Tecnologia no Comércio Exterior Brasileiro de 2012 Monitor do Déficit Tecnológico de 2012 1. Apresentação

Leia mais

VANUATU Comércio Exterior

VANUATU Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC VANUATU Comércio Exterior Abril de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014

Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 1 Por uma nova etapa da cooperação econômica Brasil - Japão Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil São Paulo, 11 de Julho de 2014 Brasil: Fundamentos Macroeconômicos (1) Reservas International

Leia mais

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação

Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação Desindustrialização e Produtividade na Indústria de Transformação O processo de desindustrialização pelo qual passa o país deve-se a inúmeros motivos, desde os mais comentados, como a sobrevalorização

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp)

O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) O COMÉRCIO EXTERIOR BRASILEIRO NO PERÍODO DE 1985-2009: BÊNÇÃO OU MALDIÇÃO DAS COMMODITIES? Stela Luiza de Mattos Ansanelli (Unesp) Objetivo Qual padrão de especialização comercial brasileiro? Ainda fortemente

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014. Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Janeiro 2014 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM JANEIRO Exportações Apesar do bom crescimento de Produtos Alimentícios e Máquinas e Equipamentos,

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

REINO UNIDO Comércio Exterior

REINO UNIDO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC REINO UNIDO Comércio Exterior Setembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico

2.3 Transformados Plásticos. Diagnóstico 2.3 Transformados Plásticos Diagnóstico A indústria de plásticos vem movendo-se ao redor do mundo buscando oportunidades nos mercados emergentes de alto crescimento. O setor é dominado por um grande número

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

ISSN 1517-6576 CGC 00 038 166/0001-05 Relatório de Inflação Brasília v 3 n 3 set 2001 P 1-190 Relatório de Inflação Publicação trimestral do Comitê de Política Monetária (Copom), em conformidade com o

Leia mais

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo

Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Estrutura Produtiva e Evolução da Economia de São Paulo Este boxe apresenta a estrutura da economia paulista e sua evolução nos últimos dez anos, comparando-as com a do país. Gráfico 1 PIB Variação real

Leia mais

Setor Externo: Triste Ajuste

Setor Externo: Triste Ajuste 8 análise de conjuntura Setor Externo: Triste Ajuste Vera Martins da Silva (*) A recessão da economia brasileira se manifesta de forma contundente nos resultados de suas relações com o resto do mundo.

Leia mais

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados

Análise Setorial. Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Análise Setorial Fabricação de artefatos de borracha Reforma de pneumáticos usados Abril de 2015 Sumário 1. Perspectivas do Cenário Econômico em 2015... 3 2. Balança Comercial de Março de 2015... 5 3.

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões.

Figura 01 - Evolução das exportações de suínos de Santa Catarina no período de 2010 a 2014 - US$ Milhões. Crise na Ucrânia: dificuldades e potencialidades para o setor de carne suína e milho em Santa Catarina Glaucia Padrão, Dr.ª Analista de Economia, Epagri/Cepa Reney Dorow, Msc. Analista de Mercado, Epagri/Cepa

Leia mais

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP

Sede Nacional Sede N a N ci c o i nal l - SP Sede Nacional Sede Nacional - SP Fundação: 1937 - origem em um sindicato de máquinas têxteis; Possui 1.500 empresas associadas e representa 4,5 mil empresas; O setor representado pela ABIMAQ gera mais

Leia mais

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os

Desempenho da Agroindústria em 2004. histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003), os Desempenho da Agroindústria em 2004 Em 2004, a agroindústria obteve crescimento de 5,3%, marca mais elevada da série histórica iniciada em 1992. Como tem sido freqüente nos últimos anos (exceto em 2003),

Leia mais

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico

3.2 Madeira e Móveis. Diagnóstico 3.2 Madeira e Móveis Diagnóstico Durante a década de 90, a cadeia produtiva de madeira e móveis sofreu grandes transformações em todo o mundo com conseqüentes ganhos de produtividade, a partir da introdução

Leia mais

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento

WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento WORLD INVESTMENT REPORT 2013 Cadeias de Valor Global: Investimento e Comércio para o Desenvolvimento Sobeet São Paulo, 26 de junho de 2013 EMBARGO 26 Junho 2013 12:00 horas Horário de Brasília 1 Recuperação

Leia mais

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional

Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Encontro Econômico Brasil-Alemanha Indústria Automobilística: O Desafio da Competitividade Internacional Jackson Schneider Presidente Anfavea Blumenau, 19 de novembro de 2007 1 Conteúdo 2 1. Representatividade

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

A indústria de máquinas-ferramenta. Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho

A indústria de máquinas-ferramenta. Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho A indústria de máquinas-ferramenta Mauro Thomaz de Oliveira Gomes, Mary Lessa Alvim Ayres, Geraldo Andrade da Silva Filho FERRAMENTA Mauro Thomaz de Oliveira Gomes Mary Lessa Alvim Ayres Geraldo Andrade

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 4 11 de maio de 2006 M A C R O C H I N A Ano Nº 11 de maio de 6 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês - Primeiro trimestre de 6. Para surpresa de muitos analistas, o Banco Central

Leia mais

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001

1. Histórico. . Iniciativa para as Américas (Miami 94) . 34 paises, menos Cuba. . Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Iniciativa para as Américas (Miami 94). 34 paises, menos Cuba. Cúpulas Presidenciais: - Santiago 1998 - Québec 2001 1. Histórico. Reunião Ministeriais de negociação - Denver 1995 - Cartagena

Leia mais

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP

2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP 2ª Conferência de Investimentos Alternativos: FIDC, FII E FIP São Paulo, 21 de Agosto de 2013 Hotel Caesar Park Patrocínio SPX Capital Agosto 2013 Perspectivas Macroeconômicas Inflação acumulada em 12

Leia mais

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014

Nota de Crédito PJ. Janeiro 2015. Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 Nota de Crédito PJ Janeiro 2015 Fonte: BACEN Base: Novembro de 2014 mai/11 mai/11 Carteira de Crédito PJ não sustenta recuperação Após a aceleração verificada em outubro, a carteira de crédito pessoa jurídica

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Março 2009 A crise financeira internacional continua afetando negativamente o comércio exterior paranaense: apesar das exportações terem aumentado 43,44% em março,

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas

O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas O processo de abertura comercial da China: impactos e perspectivas Análise Economia e Comércio / Desenvolvimento Carolina Dantas Nogueira 20 de abril de 2006 O processo de abertura comercial da China:

Leia mais

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008

Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 2008 Boletim de Conjuntura Econômica Outubro 008 PIB avança e cresce 6% Avanço do PIB no segundo trimestre foi o maior desde 00 A economia brasileira cresceu mais que o esperado no segundo trimestre, impulsionada

Leia mais

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010

Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 Produção de Commodities e Desenvolvimento Econômico O Esforço Empresarial Brasileiro Instituto de Economia UNICAMP 29 de março de 2010 A produção de commodities e a transformação econômica do Brasil João

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009

Relatório TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III. Julho de 2009 Relatório de Acompanhamento Setorial TÊXTIL E CONFECÇÃO VOLUME III Julho de 2009 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL TÊXTIL E CONFECÇÃO Volume III Equipe: Célio Hiratuka Samantha Cunha Pesquisadores e

Leia mais

Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira

Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira Setor Externo e Competitividade da Indústria Brasileira David Kupfer GIC-IE/UFRJ e BNDES COSEC FIESP São Paulo 9 de março de 2015 Roteiro Desempenho Competitivo Taxa de Câmbio e Custos Estrutura Tarifária

Leia mais

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul

Comércio e Investimento na Coréia do Sul. Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul Comércio e Investimento na Coréia do Sul Traduzido e atualizado de Chong-Sup Kim Universidade Nacional de Seul 40 anos de economia coreana 1 2 3 4 5 6 10º PIB mundial US$ 680 milhões 12º país comercial

Leia mais

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base

ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base ABDIB Associação Brasileira da Infra-estrutura e Indústrias de base Cenário Econômico Internacional & Brasil Prof. Dr. Antonio Corrêa de Lacerda antonio.lacerda@siemens.com São Paulo, 14 de março de 2007

Leia mais

PORTUGAL Comércio Exterior

PORTUGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC PORTUGAL Comércio Exterior Abril de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam

Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam Grupo 3 - Cadeias em que oportunidades e ameaças são localizadas e ou se anulam 3.1 Cosméticos Diagnóstico Os países desenvolvidos dominam o mercado mundial do setor de cosméticos, perfumaria e artigos

Leia mais

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves*

&203/(;2$872027,92 EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO. Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO EXTERIOR DO COMPLEXO AUTOMOTIVO Angela M. Medeiros M. Santos João Renildo Jornada Gonçalves* * Respectivamente, gerente e economista da Gerência Setorial de Indústria Automobilística

Leia mais

Tabelas anexas Capítulo 7

Tabelas anexas Capítulo 7 Tabelas anexas Capítulo 7 Tabela anexa 7.1 Indicadores selecionados de inovação tecnológica, segundo setores das indústrias extrativa e de transformação e setores de serviços selecionados e Estado de São

Leia mais

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil

10º FÓRUM DE ECONOMIA. Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil 10º FÓRUM DE ECONOMIA Política Cambial, Estrutura Produtiva e Crescimento Econômico: fundamentos teóricos e evidências empíricas para o Brasil Eliane Araújo São Paulo, 01 de outubro de2013 Objetivos Geral:

Leia mais

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica

Desafios para a Indústria Eletroeletrônica Desafios para a Indústria Eletroeletrônica 95 O texto aponta as características das áreas da indústria eletroeletrônica no país e os desafios que este setor tem enfrentado ao longo das últimas décadas.

Leia mais

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e

Comentários gerais. consultoria em sistemas e processos em TI, que, com uma receita de R$ 5,6 bilhões, participou com 14,1% do total; e Comentários gerais Pesquisa de Serviços de Tecnologia da Informação - PSTI A investigou, em 2009, 1 799 empresas de TI com 20 ou mais Pessoas Ocupadas constantes do cadastro de empresas do IBGE e os produtos

Leia mais

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010

Desempenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 Depenho do Comércio Exterior Paranaense Junho 2010 As exportações em junho apresentaram redução de 8,57% sobre maio após expansão por quatro meses consecutivos. Desta forma, supera a marca de US$ 1 bilhão

Leia mais

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil

Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil 1 Comunicado da Presidência nº 5 Principais características da inovação na indústria de transformação no Brasil Realização: Marcio Pochmann, presidente; Marcio Wohlers, diretor de Estudos Setoriais (Diset)

Leia mais

HAITI Comércio Exterior

HAITI Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC HAITI Comércio Exterior Outubro de 2015 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea

7 ECONOMIA MUNDIAL. ipea 7 ECONOMIA MUNDIAL QUADRO GERAL O cenário econômico mundial não apresentou novidades importantes nos primeiros meses de 2013, mantendo, em linhas gerais, as tendências observadas ao longo do ano passado.

Leia mais

SURINAME Comércio Exterior

SURINAME Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SURINAME Comércio Exterior Novembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS

MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS MACROECONOMIA II PROFESSOR JOSE LUIS OREIRO PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS 1 Questão: Considere uma economia na qual os indivíduos vivem por dois períodos. A população é constante e igual a N. Nessa economia

Leia mais

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS

ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS ANÁLISE DE COMPETITIVIDADE EMBALAGENS Jun/15 Análise de Competitividade Embalagens Resumo da Cadeia de Valores Painel de Indicadores de Monitoramento da Competitividade Setorial Percepção empresarial da

Leia mais

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto

Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Perspectiva da Indústria de Autopeças no contexto do Inovar-Auto Apresentação Paulo Butori Presidente do Sindipeças Elaboração: Assessoria Econômica do Sindipeças São Paulo, novembro de 2013 Números do

Leia mais

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA

PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA PANORAMA DA ECONOMIA RUSSA A Federação da Rússia é o maior país do mundo, com 17 milhões de km2. O censo de 2001 revelou uma população de 142,9 milhões de habitantes, 74% dos quais vivendo nos centros

Leia mais

Bahamas Comércio Exterior

Bahamas Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC Bahamas Comércio Exterior Novembro de 215 Tabela 1 Principais Indicadores

Leia mais

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07

Figura 38 - Resultado global do Balanço de Pagamentos (US$ bilhões acum. Em 12 meses) Dez/95-Mar/07 113 6. SETOR EXTERNO Fernando Ribeiro de Leite Neto 6.1 Balanço de Pagamentos 6.1.1 Resultado Global do Balanço de Pagamentos Ao longo de 2006, o setor externo da economia brasileira logrou registrar o

Leia mais

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1

II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 II - Evolução do crédito, da taxa de juros e do spread bancário 1 Desde março do ano passado, a partir da reversão das expectativas inflacionárias e do início da retomada do crescimento econômico, os juros

Leia mais

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012

Fase 2 (setembro 2012) Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário - 2012 Apresentação A sondagem Expectativas Econômicas do Transportador Rodoviário 2012 Fase 2 apresenta a visão do empresário do transporte

Leia mais

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2012

Comércio Exterior Cearense Fevereiro de 2012 Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País

Produção Industrial Cearense Cresce 2,5% em Fevereiro como o 4º Melhor Desempenho do País Enfoque Econômico é uma publicação do IPECE que tem por objetivo fornecer informações de forma imediata sobre políticas econômicas, estudos e pesquisas de interesse da população cearense. Por esse instrumento

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2

OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 OS IMPACTOS DA ALCA E DO ACORDO COMERCIAL COM A UNIÃO EUROPÉIA - O CASO DA CADEIA TÊXTIL/CONFECÇÕES 1 Victor Prochnik 2 1. Apresentação Este artigo discute as oportunidades e riscos que se abrem para a

Leia mais

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014

NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 NOTA CEMEC 03/2015 FATORES DA QUEDA DO INVESTIMENTO 2010-2014 Março 2015 1 NOTA CEMEC 03/2015 SUMÁRIO Os dados de Contas Nacionais atualizados até o terceiro trimestre de 2014 revelam a continuidade da

Leia mais

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI

GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI GEOGRAFIA - 3 o ANO MÓDULO 12 O BRASIL NEOLIBERAL E OS DESAFIOS PARA O SÉCULO XXI Como pode cair no enem A desconcentração industrial verificada no Brasil, na última década, decorre, entre outros fatores,

Leia mais

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008

As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 As mudanças no comércio exterior brasileiro no primeiro semestre de 2008 Julio Gomes de Almeida Mauro Thury de Vieira Sá Daniel Keller de Almeida Texto para Discussão. IE/UNICAMP n. 149, nov. 2008. ISSN

Leia mais

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013

IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços. São Paulo, 25 de junho de 2013 2013 IV ENAServ - Encontro Nacional de Comércio Exterior de Serviços São Paulo, 25 de junho de 2013 BALANÇA BRASILEIRA DE COMÉRCIO EXTERIOR DE SERVIÇOS* - US$ Bilhões 2011 2012 Δ% 2012/2011 Exportações

Leia mais

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL

A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL A COMPETITIVIDADE DA INDÚSTRIA DE TRANSFORMAÇÃO E DE BENS DE CAPITAL Uma análise do período 2000 2011 Abril de 2012 A competitividade da ind. de transformação e de BK A evolução do período 2000 2011, do:

Leia mais

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007

M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 15 de maio de 2007 M A C R O C H I N A Ano 2 Nº 8 1 de maio de 27 Síntese gráfica trimestral do comércio bilateral e do desempenho macroeconômico chinês Primeiro trimestre de 27 No primeiro trimestre de 27, a economia chinesa

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais

Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais Perspectivas para o desenvolvimento brasileiro e a indústria de commodities minerais João Carlos Ferraz BNDES 31 de agosto de 2008 Guia Contexto macroeconômico Políticas públicas Perpectivas do investimento

Leia mais

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06

PAINEL 9,6% dez/07. out/07. ago/07 1.340 1.320 1.300 1.280 1.260 1.240 1.220 1.200. nov/06. fev/07. ago/06 Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior ASSESSORIA ECONÔMICA PAINEL PRINCIPAIS INDICADORES DA ECONOMIA BRASILEIRA Número 35 15 a 30 de setembro de 2009 EMPREGO De acordo com a Pesquisa

Leia mais

Acompanhamento MADEIRA E MÓVEIS

Acompanhamento MADEIRA E MÓVEIS Acompanhamento MADEIRA E MÓVEIS Junho 2009 RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO SETORIAL MADEIRA E MÓVEIS Volume III Equipe: Célio Hiratuka Samantha Cunha Pesquisadores e bolsistas do NEIT/IE/UNICAMP Rogério Dias

Leia mais

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa

A EMERGÊNCIA DA CHINA. Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa A EMERGÊNCIA DA CHINA Desafios e Oportunidades para o Brasil Dr. Roberto Teixeira da Costa Crescimento médio anual do PIB per capita - 1990-2002 10 8,8 5 0 Fonte: PNUD 1,3 Brasil China dinamismo econômico

Leia mais