FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ÁREA 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ÁREA 1"

Transcrição

1 FACULDADE DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA ÁREA 1 PAOLO CINQUE PEQUINI INTERVENÇÃO ERGONÔMICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRODUTIVIDADE E SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS: ESTUDO DE CASO DE LAVANDERIA INDUSTRIAL Salvador 2007

2 PAOLO CINQUE PEQUINI INTERVENÇÃO ERGONÔMICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRODUTIVIDADE E SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS: ESTUDO DE CASO DE LAVANDERIA INDUSTRIAL Monografia apresentada ao Curso de Graduação em Engenharia de Produção com Ênfase em Gestão Empresarial, Faculdade Área 1, como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Engenharia de Produção com Ênfase em Gestão Empresarial. Orientadora: Carina Silveira Salvador 2007

3 TERMO DE APROVAÇÃO PAOLO CINQUE PEQUINI INTERVENÇÃO ERGONÔMICA E SUAS IMPLICAÇÕES NA PRODUTIVIDADE E SATISFAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS: ESTUDO DE CASO DA LAVANDERIA INDUSTRIAL Monografia aprovada como requisito parcial para obtenção do grau de Bacharel em Engenharia de Produção com Ênfase em Gestão Empresarial, Faculdade Área 1, pela seguinte banca examinadora: Carina Silveira, M. Sc. Anselmo Bandeira, Dr. Sydney Freitas, Dr. Herbert Oliveira, M. Sc. Salvador, 12 de julho de 2007

4 Agradeço a DEUS e MEISHU-SAMA, pela permissão de realizar este curso de graduação, algo almejado por muitos, mas conquistado por poucos em nosso país. Pretendo, a partir de todo conhecimento que adquiri durante o curso, poder aplicá-lo através desta minha nova profissão, e contribuir para a melhoria da qualidade de vida do ser humano, seja direta ou indiretamente.

5 Minha eterna gratidão aos meus pais, Alício (in memoriam) e Mariêta, pela educação e apoio que me deram. Minha gratidão em especial para minha esposa, Suzi, que me apoiou durante todo o curso, contribuindo com seus conhecimentos, sua paciência, sua dedicação e amor.

6 AGRADECIMENTOS A minha orientadora Carina, pela sua orientação durante este trabalho que teve início em sua disciplina. Ao Professor Anselmo Bandeira, que abriu as portas da faculdade e me aceitou como aluno. A todos os Professores do Curso, que contribuíram diretamente com a minha formação. Ao empresário Cláudio Reis, que possibilitou o estudo desta monografia em sua lavanderia. A Fernando Barreto, pelos conhecimentos que adquiri durante meu estágio programado em sua indústria. Aos colegas de equipe, Antônio Max, Carlos Brasileiro, Emerson Barreto, Hugo Cordeiro e Mirli Silva, que contribuíram para o desenvolvimento deste trabalho que teve inicio na disciplina Concepção Ergonômica. A todos os meus colegas de curso, pelo companheirismo e união. A Professora Solange Fonsêca, pela competência na revisão ortográfica deste trabalho.

7 Lutar pelo bem-estar do próximo é a condição essencial para nos tornarmos felizes. Mokiti Okada

8 RESUMO Este trabalho teve por objetivo conhecer as principais causas desencadeadoras de dor em trabalhadores de uma lavanderia industrial. Com base na metodologia ergonômica, foram levantados problemas decorrentes da execução das tarefas envolvidas no sistema de lavagem industrial de roupas oriundas de restaurantes e hotéis, buscando a minimização dos esforços dos profissionais envolvidos e contribuindo para a melhoria da produtividade e saúde ocupacional. Para a elaboração deste estudo de caso, foram realizadas pesquisas bibliográficas e documentais, entrevistas no local da tarefa, filmagens em vídeo e fotografias. Para se comprovar a hipótese proposta pela monografia, procedeu-se à análise dos resultados obtidos pelas entrevistas junto aos trabalhadores, auxiliada pelo método da escala de avaliação de desconforto postural. Este método propiciou que os trabalhadores demonstrassem onde havia alguma dor ou desconforto em seu corpo. Através deste método, pôde-se atestar cientificamente os resultados obtidos nas entrevistas. O conhecimento construído apontou como principais causas desencadeadoras da dor o ambiente no qual os trabalhadores exercem sua atividade profissional, os problemas interfaciais e físico-ambientais no próprio ambiente de trabalho. Os resultados obtidos comprovam um fato evidente: as condições de trabalho na lavanderia causam constrangimentos físicos ao trabalhador, como o surgimento de lesões devido à sobrecarga biomecânica ocupacional, seguida dos problemas de organização do trabalho envolvendo principalmente equipamentos, ferramentas, acessórios e mobiliários inadequados. A pesquisa propõe a promoção do conforto, segurança e prevenção do surgimento de fisiopatologias nos funcionários da lavanderia e, conseqüentemente, obter uma melhor produtividade

9 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Fronteiras da Ergonomia, Ciência e Tecnologia:...22 Figura 2 Alavanca interfixa Figura 3 Alavanca interpotente, (A)...40 Figura 4 Alavanca interpotente, (B) Figura 5 Disco intervertebral em situação de repouso...42 Figura 6 Compressão do disco intervertebral...43 Figura 7 Gráfico de compressão do disco intervertebral...43 Figura 8 Levantamento de uma carga de 60 kgf com o...44 Figura 9 Levantamento de uma carga o...45 Figura 10 Gráfico de Gantt Figura 11 Gráfico de Gantt 2 - Fonte: Elaboração do autor a partir do MS Project...66 Figura 12 Caracterização e posição serial do sistema Figura 13 Caracterização do sistema...69 Figura 14 Expansão do sistema...70 Figura 15 Modelagem comunicacional do sistema...71 Figura 17 Problemas Interfaciais Separação de roupa suja...75 Figura 18 Problemas Interfaciais Máquinas de lavar...76 Figura 19 Problemas Interfaciais Máquinas de centrifugar...77 Figura 20 Problemas Interfaciais Movimentação de roupas...78 Figura 22 Problemas Interfaciais Calandras...80 Figura 23 Problemas Físico-Ambientais Calandras...82 Figura 24 Gráfico de Desconforto Corporal...90 Figura 25 - Imagem do ambiente da lavanderia má iluminação...93 Figura 26 - Imagem do ambiente da lavanderia má iluminação...93

10 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Força máxima das pernas, braços e costas para...47 Tabela 2 Capacidade de levantamento repetitivo de pesos...47

11 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Escala de ruídos, em decibéis (db), com os níveis correspondentes das pressões sonoras e alguns exemplos típicos de ruídos Quadro 2 Limites toleráveis a ruídos em diversos tipos de atividades...52 Quadro 3 Tempo máximo de exposição permissível ao ruído contínuo ou intermitente...52 Quadro 4 Quantidade de lux necessária para diferentes locais de trabalho...56 Quadro 5 Valores ótimos de luminância sobre um plano de trabalho para diferentes tarefas...57 Quadro 6 Limites de exposição ao calor, com períodos de descanso no próprio local...60 Quadro 7 Comparativo entre os autores sobre Ruído, Iluminação, Conforto Térmico e Substancias Químicas...61 Quadro 8 - Parecer Ergonômico: formulação do Problema e Sugestões Preliminares de Melhoria...86 Quadro 9 Tabela GUT gravidade x urgência x tendência...87 Quadro 10 Níveis de Desconforto dos funcionário ao final da jornada de trabalho...91

12 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO INTERVENÇÃO ERGONÔMICA EM UMA LAVANDERIA INDUSTRIAL JUSTIFICATIVA ESTRUTURA DA MONOGRAFIA LAVANDERIA INDUSTRIAL 17 3 ERGONOMIA ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA METODOLOGIA ERGONÔMICA Etapas da intervenção ergonômica Sistematização do Sistema Homem-Tarefa-Máquina Problematização do Sistema Homem-Tarefa-Máquina Categorização e taxionomia dos problemas ergonômicos do Sistema Homem-Tarefa-Máquina BIOMECÂNICA OCUPACIONAL ANTROPOMETRIA E GEOMETRIA DOS POSTOS DE TRABALHO MOVIMENTAÇÃO E LEVANTAMENTO MANUAL DE CARGAS Força para empurrar e puxar Levantamento de cargas Equação de Niosh para levantamento de cargas Transporte de cargas 49 5 ERGONOMIA DO AMBIENTE FÍSICO AMBIENTE SONORO ILUMINAÇÃO Sistema de iluminação Iluminação e produtividade CONFORTO TÉRMICO SUBSTÂNCIAS QUÍMICAS DELINEAMENTO DA PESQUISA OBJETIVOS Geral Específicos METODOLOGIA Métodos e técnicas CRONOGRAMA RESULTADOS DA APRECIAÇÃO ERGONÔMICA RESULTADOS DA SISTEMATIZAÇÃO DO SISTEMA HOMEM-TAREFA- MÁQUINA RESULTADO DA PROBLEMATIZAÇÃO DO SISTEMA HOMEM-TAREFA- MÁQUINA Reconhecimento do problema Delimitação do problema 73

13 7.2.3 Formulação do problema Custos humanos do SHTM Parecer ergonômico Tabela GUT gravidade x urgência x tendência ANÁLISE DOS DADOS NÍVEIS DE DESCONFORTO/ DOR DOS FUNCIONÁRIOS NÍVEIS DE DESCONFORTO TÉRMICO, LUMÍNICO, SONORO E QUÍMICO SUGESTÕES PRELIMINARES DE MELHORIAS CONCLUSÃO DESDOBRAMENTOS DA PESQUISA...98 REFERÊNCIAS 100 APÊNDICE 103

14 1 INTRODUÇÃO 1.1 INTERVENÇÃO ERGONÔMICA EM UMA LAVANDERIA INDUSTRIAL A Ergonomia, conforme Iida (2005), parte do conhecimento do homem para fazer o projeto do trabalho, ajustando-o às suas capacidades e limitações. Trabalho aqui tem uma acepção bastante ampla, abrangendo não apenas aqueles executados com máquinas e equipamentos, utilizados para transformar os materiais, mas também toda situação em que ocorre o relacionamento entre o homem e uma atividade produtiva. A Ergonomia dispõe de ferramentas que possibilitam maximizar o conforto e a satisfação do homem com o trabalho, abordando disfunções e doenças ocupacionais associadas à execução das tarefas, garantindo segurança e minimizando os esforços decorrentes das cargas físicas e psíquicas dos funcionários. Pela Associação Brasileira de Ergonomia, adota-se a seguinte definição: Entende-se por Ergonomia o estudo das interações das pessoas com a tecnologia, a organização e o ambiente, objetivando intervenções e projetos que visem melhorar, de forma integrada e não-dissociada, a segurança, o conforto, o bem-estar e a eficácia das atividades humanas, (Iida, 2005 p. 2). Através da Ergonomia, que é o estudo da adaptação do trabalho ao homem, podem ser analisadas as características do trabalho que é realizado em uma lavanderia industrial e, posteriormente, propor melhorias para execução das tarefas que fazem parte do seu dia-a-dia, de maneira a preservar a saúde dos trabalhadores. Os trabalhadores passam a maior parte do dia realizando tarefas que têm um grau de exigência variável. As variações podem exigir demasiado desgaste corporal, como os trabalhadores que desenvolvem atividades braçais. Conforme Marchand (2007), estas atividades profissionais podem favorecer a realização de movimentos repetitivos, contínuos e, não raro, serem exercidas com posturas completamente ou em parte inadequadas, com ou sem utilização de equipamento adequado e em ambiente físico desfavorável. Para refletir a respeito do trabalhador em uma lavanderia industrial, é interessante tecer algumas considerações sobre o seu trabalho, no sentido, não apenas da estrutura e de sua forma, mas especialmente a respeito das relações dos homens entre si, bem como com o ambiente no qual desenvolvem as suas atividades. Este tipo de atividade é um serviço que requer dos seus funcionários grande esforço físico e estão sujeitos a contatos com substâncias

15 14 químicas que estão presentes no ambiente em forma de líquidos, gases, vapores, poeiras e sólidos e, de acordo com Dull (2004), estas substancias podem provocar doenças. A preocupação com o conforto térmico também é evidente e fundamental nas lavanderias. Conforme Couto (1995), a exposição do trabalhador na execução de tarefas em altas temperaturas pode causar doenças, tais como a hipertermia ou intermação. Fatores como o ambiente de trabalho e o maquinário utilizado na lavanderia podem provocar prejuízos, interferindo negativamente no comportamento dos funcionários. O trabalho na Lavanderia Industrial, foco de estudo, destina-se a atender aos hotéis e restaurantes, onde o serviço vai desde a coleta, a separação, a lavagem, a secagem até a entrega das roupas aos seus respectivos donos. Konkewicz (2004, apud MARCHAND, 2007) considera, como objetivo principal da lavanderia, processar a roupa suja em roupa limpa. O processamento para ser eficiente, depende da área física, de equipamentos adequados, de pessoal em número suficiente, treinado e habilitado para desempenhar as atividades a fim de atender às necessidades dos serviços. Na área física, é necessário observar o sistema de ventilação e exaustão, as caldeiras para aquecimento de água, as telas para janelas. Além disso, deve ser fornecido e observado o uso de equipamentos de proteção individual (EPI). O seu uso traz segurança e maior tranqüilidade ao trabalhador: máscaras, botas impermeáveis, luvas de borracha, óculos, toucas e avental impermeável. Para que os funcionários possam realizar esta atividade, deve-se preocupar com a fadiga, um dos principais fatores na redução da produtividade. Em alguns casos, é relativamente fácil localizar as fontes de fadiga, que podem ser exagerada carga muscular ou ambientes com ruído, vibrações, temperaturas ou iluminação inadequadas. A fadiga pode ser provocada também por postos de trabalho mal dimensionados ou com arranjos inadequados. Além das considerações sobre as condições de trabalho já salientadas, Astrand e Rodahl (1987, apud MARCHAND, 2007) consideram que a capacidade do trabalhador de realizar o trabalho também é um fator a ser tratado com atenção. Alguns aspectos encontramse diretamente relacionados a ela, tais como: aspectos biológicos e funcionais, que se referem à biomecânica, aspectos externos que são os agentes poluidores do ambiente, a temperatura, poeira, roupa inadequada, maquinário impróprio, inadequado e deficiente em número e qualidade; aspectos de natureza do trabalho a ser realizado onde se consideram a posição adotada, as técnicas de execução, o ritmo e o horário de realização das tarefas; aspectos somáticos: os que abrangem a genética, o sexo, a idade, o estado de saúde e a antropometria; e aspectos psicológicos relativos à motivação, à comunicação e às relações interpessoais.

16 15 Tais aspectos serão observados e analisados durante a execução das atividades pelos trabalhadores da lavanderia industrial, através da metodologia de intervenção ergonômica proposta por Moraes e Mont Alvão, no intuito de indicar melhorias que se reflitam na produtividade e na satisfação dos funcionários. 1.2 JUSTIFICATIVA No comportamento humano, de acordo com Iida (2005), a motivação é algo que faz uma pessoa perseguir uma determinada meta ou objetivo, algo que o impulsiona a fazer determinada tarefa. Uma tarefa pode ser monótona ou rotineira, mas, com algumas providências, transforma-se em outra mais interessante e motivadora, através de metas estabelecidas, desafios, informações e recompensas. O sistema de lavagem industrial de roupas é um serviço que requer dos seus funcionários grande esforço físico. Durante sua jornada diária de trabalho, eles ficam expostos há problemas de vários tipos como temperatura, ruído, iluminação e substâncias químicas. Deve-se ter cuidado ao lidar com tais, pois, de acordo com Dull (2004), eles estão presentes no ambiente em forma de líquidos, gases, vapores, poeiras e sólidos, podendo provocar doenças. A preocupação com o conforto térmico também é evidente e fundamental nas lavanderias. Conforme Couto (1995), na execução de suas tarefas, a exposição do trabalhador a altas temperaturas pode causar doenças, tais como a hipertermia ou intermação. Fatores como o ambiente de trabalho e o maquinário utilizado na lavanderia podem provocar prejuízos, interferindo negativamente no comportamento dos funcionários. 1.3 ESTRUTURA DA MONOGRAFIA A elaboração da monografia é composta por dez etapas descritas, a seguir, de forma resumida: Na primeira etapa, parte introdutória, faz-se uma abordagem sobre a ergonomia e sua relação com uma lavanderia industrial, mas também como, com o seu emprego maximizar o conforto e a satisfação do homem com este tipo de trabalho, além de justificar a importância deste trabalho.

17 16 Na segunda etapa, mostra-se a importância de uma lavanderia industrial e como este tipo de comércio tem crescido nos últimos anos, devido ao fato de outras empresas, como hotéis e restaurantes, estarem terceirizando o serviço de lavagem industrial. Na terceira etapa, são apresentadas a origem e a conceituação da ergonomia, fazendose um breve histórico e, depois, descrevendo-se sua metodologia e a importância, nos dias atuais, das intervenções ergonômicas. Na quarta etapa, aborda-se a biomecânica ocupacional que através da antropometria, define as medições de tamanho, peso e proporção do corpo humano aplicáveis a um correto dimensionamento de postos de trabalho. Também são abordados a movimentação e o levantamento manual de cargas, conceituando-se a força para empurrar, puxar, levantar cargas, e se determinando a capacidade máxima de cada pessoa com base em equações. Na quinta etapa, é aborda a ergonomia do ambiente físico, conceituando-se ambiente sonoro e mostrando como o ruído pode influenciar no desempenho, como a iluminação é importante para a produtividade, e, também, os problemas que ambientes de temperatura elevada podem causar, além de chamar a atenção, que se deve ter com substâncias químicas. Na sexta etapa, são descritos os métodos e as técnicas de pesquisa, e definindo o objetivo geral e específicos deste trabalho, bem como a metodologia utilizada para realizá-lo. Na sétima etapa, é feito o estudo de caso da lavanderia, onde através da apreciação ergonômica realizada espelha os resultados da sistematização e problematização do sistema homem-tarefa-máquina. Na oitava etapa, é efetuada a análise dos resultados obtidos com a aplicação dos métodos da ergonomia, como a sistematização, a problematização, os resultados da análise das posturas utilizando o método de CORLETT e o diagnóstico destes resultados. Na nona etapa, são apresentadas as recomendações ergonômicas sugeridas para as atividades realizadas na lavanderia. A décima etapa corresponde à conclusão da monografia e ao que foi aprendido em seu desenvolvimento.

18 17 2 LAVANDERIA INDUSTRIAL Os hotéis e restaurantes estão procurando dedicar-se exclusivamente à sua atividade principal, buscando assim o processo de terceirização de diversos aspecto, inclusive o de lavanderia, pois com isso agilizam sua produtividade. A terceirização do setor de lavanderia (LAVANDERIA LAVID, 2004) tem como objetivo principal diminuir custos e trabalhos, evitando a responsabilidade de manusear, higienizar e conservar rouparia e similares, para restaurantes, hotéis, indústrias, EPIs, clínicas etc., mantendo um padrão eficaz e permanente de qualidade nos serviços oferecidos. Isso implica afastar da empresa a responsabilidade de manuseio dos materiais utilizado, bem como sua coleta e entrega, procedimento que deve ser implantado adequadamente nos turnos de produção ou de acordo com os horários de atendimento ao público previamente determinados. São também considerados os gastos advindos da instalação e manutenção de uma lavanderia própria. Segundo informações do SEBRAE (2004), estima-se que o mercado de lavanderias movimente R$ 140 milhões por ano no Brasil, sendo que são cerca de 4 mil lavanderias espalhadas por todas as cidades brasileiras. Neste ramo, são imprescindíveis a definição e a fidelidade ao segmento escolhido para atuação da lavanderia. De modo geral, existem dois segmentos básicos: o industrial e o domiciliar. Segmento industrial: é classificada como industrial a lavanderia que atende a restaurantes, hotéis, motéis, flats, condomínios residenciais e uniformes industriais. Segmento domiciliar: é classificada como domiciliar a lavanderia que atende ao público em geral. No segmento industrial, trabalha-se, na maioria dos casos, com roupas simples e em quantidade fixa, o que facilita a administração, a previsão de serviço e o cálculo do retorno do negócio. A lavanderia deve ter meios para retirada e entrega de roupas ao cliente, principalmente quando se trabalha com restaurantes, hotéis, motéis, flats, indústrias, condomínios e residências.

19 18 3 ERGONOMIA 3.1 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA De acordo com dados da Ergonomics Research Society (apud IIDA, 2005), a Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Conforme Moraes e Soares (1989), os conhecimentos sobre os componentes humanos dos sistemas homens-máquinas começaram a ser sistematicamente coletados antes do aparecimento oficial da Ergonomia. Foram os pesquisadores, físicos e fisiologistas, que se interessaram para compreender o funcionamento do organismo humano e que geraram as primeiras informações sistemáticas sobre a máquina humana. Dentre os organizadores do trabalho, pode-se definir como precursor da Ergonomia, Frederick Winslow Taylor, pai da administração científica do trabalho. Seu estudo Princípios de Administração Científica, publicado em 1911, influenciou empresas nos Estados Unidos, na Europa e até em países socialistas, conforme Moraes e Soares (1989). A virada do século XIX para o século XX caracterizou-se pela passagem dos fisiologistas aos engenheiros como os principais agentes ergonômicos. Já no início do século XX, a proposta de Frederick Winslow Taylor não se limitava a um novo projeto organizacional. Seu estudo sobre as pás de capacidade maior para o manuseio do carvão, material mais leve, e de menor capacidade para o minério, material mais pesado é, sem sombra de dúvida, um dos primeiros trabalhos empíricos de Ergonomia publicados de que temos notícia. A Ergonomia surge após a Segunda Guerra Mundial, tendo em vista as falhas ocorridas na interface entre o homem e máquina. A Ergonomia nasce com os objetivos práticos de segurança, satisfação e bem-estar dos trabalhadores no seu relacionamento com sistemas produtivos. Ao contrário do Taylorismo, que buscava a eficiência e o aumento da produção, na Ergonomia, a eficiência vem como resultado, pois visa, em primeiro lugar, o bem-estar do trabalhador e parte do conhecimento do homem para fazer o projeto do trabalho, ajustando-o às suas capacidades e limitações humanas.

20 19 Segundo Moraes e outros (1989), uma importante lição de Engenharia, proveniente da Segunda Guerra Mundial, é que as máquinas não lutam sozinhas. A guerra solicitou e produziu maquinismos novos e complexos, porém, geralmente, estas inovações não faziam o que se esperava delas. Tendo em vista tais acontecimentos, surge a Ergonomia. Em 12 de julho de 1949, na Inglaterra, reuniram-se cientistas e pesquisadores interessados, pela primeira vez, em discutir e formalizar a existência deste novo ramo de aplicação interdisciplinar da ciência. O termo Ergonomia é derivado das palavras gregas ergon (trabalho) e nomos (regras, normas). Este termo foi adotado nos principais países europeus, onde se fundou a Associação Internacional de Ergonomia (IEA), que atualmente representa as associações de 40 países, com um total de 19 mil sócios (DUL et al., 2004). A IEA realizou o seu primeiro congresso em Estocolmo, em Nos Estados Unidos, porém, foi criada a Human Factors Society em 1957 e, até hoje, o termo mais usual naquele país continua sendo Human Factors (fatores humanos), embora Ergonomia já seja aceito como sinônimo. No Brasil, existe a Associação Brasileira de Ergonomia ABERGO, fundada em 1983, sendo filiada à IEA. O interesse nesse novo ramo de conhecimento, afirmam Dul e outros (2004), cresceu rapidamente, em especial nos Estados Unidos e na Europa, na Ingleterra, principalmente. Segundo os autores, a Ergonomia estuda vários aspectos: a postura e os movimentos corporais (sentado, de pé, empurrando, puxando e levantando pesos), fatores ambientais (ruídos, vibrações, iluminação, clima, agentes químicos), informação (informações captadas pela visão, audição e outros sentidos), controles, relações entre mostradores e controles, bem como cargos e tarefas (tarefas adequadas, cargos interessantes). A conjugação adequada destes fatores permite projetar ambientes seguros, saudáveis, confortáveis e eficientes, tanto no trabalho quanto na vida cotidiana. Dull e outros (2004), explicam que também a ergonomia se baseia em conhecimentos de outras áreas científicas, como antropometria, biomecânica, fisiologia, psicologia, toxicologia, engenharia, desenho industrial, eletrônica, informática e gerência industrial. Ela reuniu, selecionou e integrou os conhecimentos relevantes destas áreas, desenvolvendo métodos e técnicas específicas para aplicar estes conhecimentos na melhoria do trabalho e das condições de vida, tanto dos trabalhadores como da população em geral. A Ergonomia difere de outras áreas do conhecimento pelo seu caráter interdisciplinar e pela sua natureza aplicada. O caráter interdisciplinar significa que a ergonomia se apóia em diversas áreas do conhecimento humano. A natureza aplicada configura-se na adaptação do posto de trabalho e do ambiente às características e necessidades do trabalhador.

21 20 De acordo com definição oficial estabelecida durante o Congresso Internacional de Ergonomia, realizado em 1969, a Ergonomia é o estudo científico da relação entre o homem e seus meios, métodos e espaço de trabalho. Seu objetivo é elaborar, mediante a contribuição de diversas disciplinas científicas que a compõem, um corpo de conhecimentos que, dentro de uma perspectiva de aplicação, deve resultar numa melhor adaptação ao homem dos meios tecnológicos e dos ambientes de trabalho e de vida. Segundo o Conselho Executivo da IEA (2000), a Ergonomia (ou Human Factors) é a disciplina científica que trata de entender as interações entre humanos e outros elementos de um sistema; é a profissão que aplica teoria, princípios, dados e métodos para projetar de modo a otimizar o bem-estar humano e a performance total do sistema. Para Moraes (1993), a Ergonomia situa-se como mediadora entre as ciências que estudam os diversos aspectos do ser humano e as diversas tecnologias projetuais, para as quais fornece recomendações que viabilizam projetos e ambientes humanos. Moraes apresenta um quadro da Ergonomia com suas etapas de intervenção, finalidades e objetivos gerais e seus afluentes e efluentes (Figura 1). Atualmente, a Ergonomia apresenta dois enfoques, ou seja, duas linhas de intervenção, que, segundo Moraes e outros (2000, p. 16), vêm a ser o enfoque americano e o enfoque europeu. [...] os americanos preocupam-se, principalmente, com os aspectos físicos da interface homem-máquina (anatômicos, antropométricos, fisiológicos e sensoriais), objetivando dimensionar a estação de trabalho, facilitar a discriminação de informações dos mostradores e a manipulação dos controles. Segundo a mesma autora, os americanos realizam simulações em laboratórios, onde medem alcances, esforços, discriminação visual, rapidez de resposta, mantendo constantes algumas variáveis, seres humanos com dimensões extremas (do 5º ao 95º percentis 1 ), acuidade visual, nível de instrução etc. O americano considera a Ergonomia como a utilização das ciências para melhorar as condições do trabalho humano. Ao estudar o trabalho em terminais de vídeo, por exemplo, contempla as dimensões do mobiliário, alcances, conformação do teclado; radiação da tela; altura, espessura e desenho dos caracteres 1 Dividem a série de valores em cem partes, cada uma correspondendo a 1% da distribuição. Normalmente, os limites antropométricos de um projeto são apresentados em termos de percentis. Os percentis mostram a freqüência acumulada (número de casos) para os valores encontrados em cada variável antropométrica, indicando a porcentagem de indivíduos da população que possuem uma medida antropométrica de um certo tamanho ou menor que este tamanho. (PEQUINI, 2007).

22 21 alfanuméricos, visibilidade e compreensibilidade dos símbolos iconográficos, iluminação, ruído e temperatura do ambiente. Os americanos privilegiam as características antropométricas; as relacionadas ao esforço muscular, as ligadas à influência do ambiente físico; as psicofisiológicas e as dos ritmos circadianos. Paralelamente aos estudos destas características pesquisam os efeitos do envelhecimento, em particular os efeitos fisiológicos e psicofisiológicos. A linha européia, segundo Moraes e outros (2000, p. 17) diz: [...] privilegia as atividades do operador, priorizando o entendimento da tarefa, os mecanismos de seleção de informações, de resolução de problemas, de tomada de decisão. Tudo se inicia com observação do trabalho, em condições reais. Em seguida, tem-se a verbalização de trabalho executado pelos próprios operadores especificamente nele envolvidos e considera-se a aprendizagem da tarefa e a competência do operador [...].

23 Figura 1 Fronteiras da Ergonomia, Ciência e Tecnologia: Projetos Ergonômicos Fonte: Moraes (1993). 22

24 23 Essa linha, ainda segundo Moraes, enfatiza o conjunto de situação de trabalho do trabalhador, em detrimento do estudo de equipamentos. Nesta perspectiva, não é possível realmente explicar e diminuir a fadiga e o erro a não ser que se analisem a tarefa específica do operador e a maneira particular como ele a realiza, considerando singularidades existentes. Para exemplificar, na visão do enfoque francês, se a cadeira se torna penosa é porque as informações que aparecem na tela se apresentam de tal forma que impedem o operador de tirar os olhos do monitor, mesmo por pequenos períodos, o que implica uma postura rígida, portanto a Ergonomia francesa é muito mais psicológica e menos cognitiva do que antropométrica e fisiológica como a dos americanos. Seja no enfoque francês ou no americano, a Ergonomia lança mão de métodos e técnicas de pesquisa já consagrados por outras ciências e disciplinas tecnológicas. Seu objeto o trabalhador trabalhando no seu local de trabalho também é o foco da engenharia de produção e do estudo de métodos. A Ergonomia também divide seu objetivo, quer seja adaptar o trabalho, maquinária e equipamentos às características e capacidades humanas, quer seja melhorar as condições específicas do trabalho humano, como a higiene e segurança do trabalho. A singularidade da Ergonomia está justamente na sua práxis que integra não só as pesquisas sobre o homem, como também os estudos tecnológicos com a proteção e avaliação de sistemas, interfaces e componentes, sempre a partir das variáveis fisiológicas e cognitivas humanas e segundo critérios que privilegiam o conforto, a segurança e o bem-estar do homem. Moraes e outros (2000) concluem que as duas Ergonomias não são contraditórias, mas complementares. Em princípio, o mesmo ergonomista pode ser chamado, em função das circunstâncias (ou seja, em função dos interlocutores, dos decisores e dos financiamentos), para colaborar com um engenheiro na concepção de uma máquina-ferramenta. Na prática, no entanto, os ergonomistas se especializaram de tal modo que os manuais, apenas excepcionalmente, tratam dos dois enfoques. 3.2 METODOLOGIA ERGONÔMICA Para Moraes (1993), a ergonomia é uma parte integrante do projeto e da projetação, sempre que há o envolvimento usuário-produto. Um projeto de produto bem como um projeto de posto de trabalho apropriado requerem interação com a prática da ergonomia.

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA

3 ORIGENS E CONCEITUAÇÃO DA ERGONOMIA De acordo com dados da Ergonomics Research Society, Inglaterra, a Ergonomia é o estudo do relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e particularmente a aplicação dos conhecimentos

Leia mais

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Paolo Cinque Pequini (Faculdade Área 1) ppeqhini@cpunet.com.br Carlos Brasileiro (Faculdade Área

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa

Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Gestão Ergonômica e Programas de Ergonomia na Empresa Ms. João Eduardo de Azevedo Vieira Fisioterapeuta (PUC-PR / 2000) Esp. Fisiologia do Exercício e do Desporto (IBPEX / 2001) Esp. Fisioterapia do Trabalho

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online.

de sistemas para recuperação de informação em interfaces de bibliotecas online. 1 Introdução Na época atual, as certezas definitivas já deram sinais de cansaço e à medida que avança a tecnologia, a sociedade se reformula. O conhecimento estabelecido durante séculos antes confinados

Leia mais

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro

Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL. Prof. Joaquim Ribeiro Unidade II SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO / BENEFÍCIOS E ASSISTÊNCIA SOCIAL Prof. Joaquim Ribeiro 6. Conceito e importância da Ergonomia Origem nas palavras gregas: ergon (trabalho) e nomos (regras). 6.

Leia mais

A ADAPTAÇÃO SEMPRE OCORRE DO TRABALHO PARA O HOMEM E NÃO VICE-VERSA. ERGO = TRABALHO NOMOS = REGRAS, LEIS NATURAIS

A ADAPTAÇÃO SEMPRE OCORRE DO TRABALHO PARA O HOMEM E NÃO VICE-VERSA. ERGO = TRABALHO NOMOS = REGRAS, LEIS NATURAIS ERGONOMIA AULA 1: O O QUE ÉERGONOMIA DEFINIÇÃO ESTUDO DO RELACIONAMENTO ENTRE O HOMEM E SEU TRABALHO, EQUIPAMENTO E AMBIENTE, E APLICAÇÃO DOS CONHECIMENTOS DE ANATOMIA, FISIOLOGIA E PSICOLOGIA NA SOLUÇÃO

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ergonomia aplicada ao Design de produtos: Um estudo de caso sobre o Design de bicicletas 1 INTRODUÇÃO

1 INTRODUÇÃO. Ergonomia aplicada ao Design de produtos: Um estudo de caso sobre o Design de bicicletas 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho foi elaborado com o objetivo mostrar ser viável o uso de bicicletas que proporcionem conforto e segurança e advertir para o surgimento de fisiopatologias nos usuários de bicicletas.

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO AET, Estuda uma situação de trabalho visando adaptá-la ao homem a partir da análise das condições técnicas, ambientais e organizacionais, buscando revelar as diferenças entre os trabalhos formal e o real.

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama

Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon. Profa. Linda Nice Gama Transformar o trabalho ponos em trabalho ergon Profa. Linda Nice Gama segurança, conforto, bem-estar e a eficácia das atividades humanas Ergonomia de Concepção: projeto posto, instrumento, máquina, sistemas

Leia mais

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa

Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Etapas para a elaboração de um Pré- Projeto de Pesquisa Estrutura de um projeto de pesquisa: 1. TEMA E TÍTULO DO PROJETO 2. DELIMITAÇÃO DO PROBLEMA 3. INTRODUÇÃO 4. RELEVÂNCIA E JUSTIFICATIVA 5. OBJETIVOS

Leia mais

Norma Regulamentadora NR 17

Norma Regulamentadora NR 17 Norma Regulamentadora NR 17 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas dos trabalhadores, de modo

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A

ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A ESTRATÉGIA PARA AVALIAÇÃO DA EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL SEGUNDO A AIHA (AMERICAN INDUSTRIAL HYGIENE ASSOCIATION) O problema básico na avaliação da exposição ocupacional é reconhecer todas as exposições, avaliar

Leia mais

5 Análise da Investigação Ergonômica Apreciação Ergonômica. 5.1 Sistematização do sistema humano-tarefa-máquina

5 Análise da Investigação Ergonômica Apreciação Ergonômica. 5.1 Sistematização do sistema humano-tarefa-máquina 5 Análise da Investigação Ergonômica Apreciação Ergonômica Neste capítulo serão apresentados os dados obtidos após a aplicação dos recursos pertinentes à metodologia utilizada durante a realização da pesquisa.

Leia mais

PEQUINI, Paolo Cinque Faculdade Área 1 Curso de Engenharia de Produção BRASILEIRO, Carlos

PEQUINI, Paolo Cinque Faculdade Área 1 Curso de Engenharia de Produção BRASILEIRO, Carlos Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Ergonomic evaluation of operations work station of a industrial laundry industrial area PEQUINI,

Leia mais

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO

4. ANÁLISE ERGONÔMICA DOS POSTOS DE TRABALHO 4.1 - Estudo do posto de trabalho: abordagem tradicional e ergonômica Posto é uma palavra oriunda da linguagem militar; Indica um local onde alguém é colocado para realizar uma determinada tarefa ou função;

Leia mais

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado

2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado 2. Função Produção/Operação/Valor Adicionado Conteúdo 1. Função Produção 3. Administração da Produção 1 Bibliografia Recomenda Livro Texto: Introdução à Administração Eunice Lacava Kwasnicka - Editora

Leia mais

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação

ü Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Curso - Bacharelado em Sistemas de Informação Nome e titulação do Coordenador: Coordenador: Prof. Wender A. Silva - Mestrado em Engenharia Elétrica (Ênfase em Processamento da Informação). Universidade

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014

Newsletter do Grupo 4Work Nº 60 Setembro de 2014 A 4 Work - Segurança, Higiene e Saúde no Trabalho, Lda., vai realizar a partir do início do mês de Outubro, uma campanha de vacinação antigripal, desenvolvida e dirigida às empresas, independentemente

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

AUXÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 2 2 O QUE É UM PROJETO?... 2 2.1 PROJETO DE PESQUISA... 2 3 CLASSIFICAÇÃO DAS PESQUISAS... 4 4 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA

Leia mais

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010

Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO. Visão Geral. Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 Norma NR17 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO Visão Geral 1 Prof. Dr. JOÃO GOMES FILHO. 2010 NR 17 17.1 OBJETIVO CONDIÇÕES DE TRABALHO / PARÂMETROS BÁSICOS: Segurança: proteção / prevenção Conforto: saúde

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

Processos Gerenciais

Processos Gerenciais UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Processos Gerenciais Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Processos Gerenciais. 1.

Leia mais

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS

12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS Módulo II STH - SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 12 - GERENCIAMENTO DE RISCOS BASES TÉCNICAS PARA O CONTROLE DOS FATORES DE RISCO E A MELHORIA DOS AMBIENTES E CONDIÇÕES DE TRABALHO A eliminação ou a redução

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Qualificação

Leia mais

UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIVERSIDADE PAULISTA UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA Projeto Integrado Multidisciplinar III e IV Recursos Humanos Manual de orientações - PIM Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos 1.

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO

CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL DE TÉCNICO DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO 1/19 Programa do curso Módulo Designação Duração (h) Componente Sócio-Cultural 1 Legislação, regulamentos e normas de segurança,

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO 2.3. ORGANIZAÇÕES E GESTÃO DOS SISTEMAS DE INFORMAÇÃO As Empresas e os Sistemas Problemas locais - impacto no sistema total. Empresas como subsistemas de um sistema maior. Uma empresa excede a soma de

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E DIAGRAMA DE FLUXO DE DADOS Maria Vitória Marim Ferraz Pinto da SILVA Eng., Mestranda pela Universidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luiz,

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes

TIPOS DE RISCOS. Riscos Físicos Riscos Químicos Riscos Biológicos Riscos Ergonómicos Riscos de Acidentes RISCO Consideram-se Risco de Trabalho todas as situações, reais ou potenciais, suscetíveis de a curto, médio ou longo prazo, causarem lesões aos trabalhadores ou à comunidade, em resultado do trabalho.

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO ORIENTAÇÃO SOBRE COMO DEVE SER FEITO O TCC DENTRO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Ministrantes: Anita Maria da Rocha Fernandes César Albenes Zeferino Maria Cristina Kumm Pontes Rafael Luiz Cancian Itajaí,

Leia mais

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1

IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson Fidalgo 1 Banco de Dados Introdução Por: Robson do Nascimento Fidalgo rdnf@cin.ufpe.br IF685 Gerenciamento de Dados e Informação - Prof. Robson

Leia mais

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO

NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO NR 15 - ATIVIDADES E OPERAÇÕES INSALUBRES ANEXO N.º 3 - CALOR PROPOSTA DE TEXTO NORMATIVO 1. Objetivos 1.1 Definir critérios para a caracterização e controle dos riscos à saúde dos trabalhadores decorrentes

Leia mais

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 E-mail valeretto@yahoo.com.br Objetivo Objetivos desta disciplina são: reconhecer as bases da administração financeira das empresas,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO

AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 AVALIAÇÃO DA ROTATIVIDADE PESSOAL EM INDÚSTRIA DE PROCESSAMENTO DE CARNES COM INTERVENÇÃO ERGONÔMICA NO PROCESSO José Maximiano Candido Neto 1, Rafael

Leia mais

Ergonomia informacional: sistemas de informação e comunicação na gestão de riscos de acidentes numa planta de abate de frangos

Ergonomia informacional: sistemas de informação e comunicação na gestão de riscos de acidentes numa planta de abate de frangos Ergonomia informacional: sistemas de informação e comunicação na gestão de riscos de acidentes numa planta de abate de frangos Fabiano Takeda (UTFPR) takeda.f@bol.com.br Antonio Augusto de Paula Xavier

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento

ELABORAÇÃO DE PROJETOS SOCIAIS. Instrutora: Aneliese Nascimento Instrutora: Aneliese Nascimento O QUE É UM PROJETO? 4 Instrumento de comunicação. 4 Instrumento de intervenção em um ambiente ou situação para mudanças. 4 Instrumento para fazer algo inovador. O QUE DEVE

Leia mais

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações

Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos Humanos e das Comunicações ENAP Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 3: Gerenciamento da Qualidade, dos Recursos

Leia mais

Gerenciamento da produção

Gerenciamento da produção 74 Corte & Conformação de Metais Junho 2013 Gerenciamento da produção Como o correto balanceamento da carga de dobradeiras leva ao aumento da produtividade e redução dos custos (I) Pedro Paulo Lanetzki

Leia mais

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR

ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR ATIVIDADES TÍPICAS DOS CARGOS DE NÍVEL SUPERIOR DENOMINAÇÃO DO CARGO: ANALISTA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Desenvolver e implantar sistemas informatizados, dimensionando requisitos e funcionalidades do

Leia mais

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report

Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Perfil Caliper de Especialistas The Inner Potential Report Avaliação de: Sr. Antônio Modelo Preparada por: Consultor Caliper exemplo@caliper.com.br Data: Página 1 Perfil Caliper de Especialistas The Inner

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO

IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO 503 IMPLANTAÇÃO E TREINAMENTO NO SISTEMA DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS ESTUDO DE CASO Christina Garcia(1); Franciane Formighieri(2); Taciana Tonial(3) & Neimar Follmann(4)(1) Acadêmica do 4º Ano do Curso de

Leia mais

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA)

PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (PPRA) Ministério da Saúde - MS Fundação Oswaldo Cruz - FIOCRUZ Diretoria de Recursos Humanos - DIREH COORDENAÇÃO DE SAÚDE DO TRABALHADOR - CST PROPOSTA DESSENVOLVIMENTO PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA.

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: A CRIAÇÃO DE UMA FERRAMENTA INFORMATIZADA. ANDRADE 1, Elizandra Faria GRANDO 2, Simone Regina BÖING 3, Jaci Simão VIECELLI 4, Ana Maria SILVA 5, Jeane Barros

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO COLEGIADO CES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação / Câmara de Educação Superior ASSUNTO: Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Engenharia RELATOR(A):

Leia mais

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los.

Planejamento Organização Direção Controle. Termos chaves Planejamento processo de determinar os objetivos e metas organizacionais e como realiza-los. Decorrência da Teoria Neoclássica Processo Administrativo. A Teoria Neoclássica é também denominada Escola Operacional ou Escola do Processo Administrativo, pela sua concepção da Administração como um

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 249, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas

Análise de Sistemas. Conceito de análise de sistemas Análise de Sistemas Conceito de análise de sistemas Sistema: Conjunto de partes organizadas (estruturadas) que concorrem para atingir um (ou mais) objectivos. Sistema de informação (SI): sub-sistema de

Leia mais

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina.

Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Análise de fatores ergonômicos em um salão de beleza da cidade de Horizontina. Diana Michele Pilz (FAHOR) dp000682@fahor.com.br Ricardo Muller (FAHOR) rm000820@fahor.com.br Luciéli Della Flora (FAHOR)

Leia mais

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM

Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM Aquecimento para o 3º Seminário Internacional de BPM É COM GRANDE PRAZER QUE GOSTARÍAMOS DE OFICIALIZAR A PARTICIPAÇÃO DE PAUL HARMON NO 3º SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE BPM!! No ano passado discutimos Gestão

Leia mais

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte

12/09/2015. Conceituação do SIG. Introdução. Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Sistemas de Informações Gerenciais Terceira Parte Prof. William C. Rodrigues Copyright 2015. Todos direitos reservados. Atualizado em setembro de 2015 Conceituação do SIG Introdução Nessa fase o executivo

Leia mais

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático

FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA. Conteúdo Programático FAR - FACULDADE ALMEIDA RODRIGUES PÓS-GRADUAÇÃO LATO-SENSU CURSO GESTÃO DE PESSOAS EMENTA Conteúdo Programático Módulo I 1) Teoria das Organizações Imagens das Organizações como Paradigmas Científicos

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues

Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI. Prof. Fernando Rodrigues Unidade III FINANÇAS EM PROJETO DE TI Prof. Fernando Rodrigues Quando se trabalha com projetos, é necessária a utilização de técnicas e ferramentas que nos auxiliem a estudálos, entendê-los e controlá-los.

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Organização do Trabalho na Produção Projeto do Trabalho -Objetivo: criar um ambiente produtivo e eficiente, onde cada um saiba o que

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA NR 17

NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA NR 17 NORMA REGULAMENTADORA - NR 17 ERGONOMIA 17.1. Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características

Leia mais

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade

Sistemas de Gestão da Qualidade. Introdução. Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade. Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Tema Sistemas de Gestão da Qualidade Projeto Curso Disciplina Tema Professor Pós-graduação Engenharia de Produção Gestão Estratégica da Qualidade Sistemas de Gestão da Qualidade Elton Ivan Schneider Introdução

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CURSO TECNOLOGIA EM GESTÃO COMERCIAL Série do Curso: 4ª SÉRIE Nome da Disciplina: PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO A atividade prática supervisionada (ATPS) é um método de ensinoaprendizagem

Leia mais

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar:

Nos últimos 20 anos a atividade de manutenção tem passado por mais mudanças do que qualquer outra. Dentre as principais causas, podemos citar: 1. INTRODUÇÃO: O nível da organização da manutenção reflete as particularidades do estágio de desenvolvimento industrial de um país. A partir do momento em que começa a ocorrer o envelhecimento dos equipamentos

Leia mais

A importância do design nos negócios

A importância do design nos negócios A importância do design nos negócios SUMÁRIO Apresentação 4 A importância do Design 5 Design de Comunicação 13 A Escada do Design 6 Design Gráfico 14 O processo do Design 7 Logomarca 15 Design & Inovação

Leia mais

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA

CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA CAPÍTULO 1 - CONTABILIDADE E GESTÃO EMPRESARIAL A CONTROLADORIA Constata-se que o novo arranjo da economia mundial provocado pelo processo de globalização tem afetado as empresas a fim de disponibilizar

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia

Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Universidade Federal de Pernambuco Centro de Ciências da Saúde Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Av. Av. Prof. Moraes Rego s/n - Cidade Universitária - CEP: 50739-970 Recife PE Fone: (81)21268538

Leia mais

Gestão da Tecnologia da Informação

Gestão da Tecnologia da Informação TLCne-051027-P0 Gestão da Tecnologia da Informação Disciplina: Governança de TI São Paulo, Outubro de 2012 0 Sumário TLCne-051027-P1 Conteúdo desta Aula Abordar o domínio Adquirir e Implementar e todos

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Teoria Geral de Sistemas TGS Parte 1. Disciplina: Sistemas de Informação - UNIP Professor: Shie Yoen Fang Agosto 2011

Teoria Geral de Sistemas TGS Parte 1. Disciplina: Sistemas de Informação - UNIP Professor: Shie Yoen Fang Agosto 2011 Teoria Geral de Sistemas TGS Parte 1 Disciplina: Sistemas de Informação - UNIP Professor: Shie Yoen Fang Agosto 2011 1 Conteúdo Exercício de Folha de Ponto Levantar os impactos em várias instâncias organizacionais

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Consultoria! O que é e como usar?

Consultoria! O que é e como usar? Consultoria! O que é e como usar? Luciano Terra Afinal, o que é consultoria? Percebe-se que, para muitos, o termo Consultoria, assim como Marketing, Rightsizing, Merchandising, Downsizing e tantos outros,

Leia mais