SOLANGE DE FÁTIMA DAHLE DA CRUZ. ESTRUTURAÇÃO DOCUMENTAL E DADOS ESTATÍSTICOS DE EXPORTAÇÃO Caso:Perdigão Agroindustrial S.A

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SOLANGE DE FÁTIMA DAHLE DA CRUZ. ESTRUTURAÇÃO DOCUMENTAL E DADOS ESTATÍSTICOS DE EXPORTAÇÃO Caso:Perdigão Agroindustrial S.A"

Transcrição

1 SOLANGE DE FÁTIMA DAHLE DA CRUZ ESTRUTURAÇÃO DOCUMENTAL E DADOS ESTATÍSTICOS DE EXPORTAÇÃO Caso:Perdigão Agroindustrial S.A Instituto Fayal de Ensino Superior Itajaí(SC) 2007

2 SOLANGE DE FÁTIMA DAHLE DA CRUZ ESTRUTURAÇÃO DOCUMENTAL E DADOS ESTATÍSTICOS DE EXPORTAÇÃO Caso:Perdigão Agroindustrial S.A Trabalho desenvolvido para a Conclusão do curso de Ciências Contábeis do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior. Instituto Fayal de Ensino Superior Itajaí(SC) 2007

3 ESTRUTURAÇÃO DOCUMENTAL E DADOS ESTATÍSTICOS DE EXPORTAÇÃO Caso:Perdigão Agroindustrial S.A Este trabalho de conclusão de curso foi julgado, aprovado para a obtenção do grau de Bacharel em Ciências Contábeis do Instituto Cenecista Fayal de Ensino Superior IFES. Itajaí, 30 de novembro de Prof. Wilson Reginato Jr Coordenador de Estágios Banca Examinadora Prof. José Hailton da Silva Prof. José Domingos dos Santos Neto Orientador Prof. Daltro Dias

4 EQUIPE TÉCNICA Estagiária Solange de Fátima Dahle da Cruz Coordenador de Estágio Wilson Reginatto Júnior Orientador de Conteúdo José Domingos dos Santos Neto Orientador de Metodologia Marcelo Soares Supervisora de Campo Deivana de Marco Lanz

5 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho aos meus filhos, que souberam me compreender e mesmo com tantas ausências nesses anos, me deram seu carinho e o seu amor.

6 AGRADECIMENTO Agradeço primeiramente a Deus, por te me dado forças e me capacitado para mais esta caminhada. Agradeço ao meu esposo, Jeasi, que de forma especial e carinhosa me deu força e apoio nos momentos de dificuldades, quero agradecer aos meus filhos, Djeissy, Jeasi Júnior e a Djennifer, pelo amor e compreensão por tantas ausências nesses quatro anos. Agradeço aos meus pais, Eduardo, que em vida sempre me incentivou, e Isabel que mesmo a distância me ajudou em momentos difíceis. À Empresa Perdigão Agroindustrial S.A, representada pela Sra. Deivana de Marco Lanz, agradeço pela oportunidade concedida e por me auxiliar no desenvolvimento deste trabalho. Agradeço aos meus amigos da faculdade e professores, a todos que me apoiaram e me ajudaram a crescer como pessoa durante esses quatro anos. E por fim agradeço ao meu Orientador de Estágio o Prof. José Domingos dos Santos Neto, por todo apoio e incentivo, primeiramente como professor e depois como orientador do estágio.

7 Saberás, pois, que o Senhor teu Deus, é Deus, o Deus fiel, que guarda a aliança e a misericórdia até mil gerações aos que o amam e guardam os seu mandamentos Deuteronômio 7.9

8 RESUMO O presente trabalho de pesquisa foi realizado na empresa Perdigão Agroindustrial S.A., e tem como objetivo estudar o universo da exportação e a documentação necessária para a realização da mesma. Inicialmente partiu-se para um estudo teórico com base em livros, manuais, e legislação vigente no país. Na perspectiva de desvendar os assuntos que permeiam toda a estrutura operacional que cerca a exportação mergulhou-se em assuntos jamais imagináveis como, por exemplo: O mercado brasileiro, onde foram respondidas algumas questões, dentre elas, O que exportar? Para onde exportar? As barreiras comerciais protecionistas, alfandegárias dentre outros tipos de barreiras mereceram atenção. Tratados e acordos Comerciais, a convenção Internacional de Genebra, Blocos econômicos, Zonas de livre comércio, Mercado Comum Europeu, a Balança comercial brasileira, foram temas estudados e inseridos no presente trabalho. O SISCOMEX, um sistema implantado pela Receita Federal do Brasil, onde a mesma administra as exportações brasileiras. Outros assuntos também mereceram atenção tais como: Tributação, benefícios fiscais na exportação, contratos comerciais, o papel dos Bancos quanto ao câmbio. Por fim na empresa e também na Secretaria da Receita Federal do Brasil tratei de pesquisar os procedimentos e conhecer toda a documentação necessária, devidamente preenchida para habilitação e a tramitação de uma operação de exportação. E finalizando estruturei um processo prático sobre a documentação exigida na habilitação da empresa e do representante legal, bem como as demais documentações inerentes à operação de exportação. Palavras-chave: Exportação, manual de exportação, habilitação de exportação.

9 SUMÁRIO 1.1 RELATÓRIO FINAL A EMPRESA A HISTÓRIA ATRAVÉS DAS DÉCADAS RESPONSABILIDADE SOCIAL VISÃO MISSÃO FILOSOFIA JUSTIFICATIVA QUESTÃO PROBLEMA OBJETIVOS OBJETIVO GERAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A EVOLUÇÃO DO COMÉRCIO INTERNACIONAL IDADE ANTIGA IDADE MÉDIA IDADE MODERNA IDADE CONTEMPORÂNEA COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL EXPORTAÇÃO ÓRGÃOS GOVERNAMENTAIS NO SISTEMA DE COMÉRCIO EXTERIOR CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL CÂMARA DE COMÉRCIO EXTERIOR CAMEX SECRETARIA DO COMÉRCIO EXTERIOR SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL BANCO CENTRAL DO BRASIL POLÍTICA BRASILEIRA DE EXPORTAÇÃO RAZÕES PARA EXPORTAR PARA QUEM EXPORTAR ESTRUTURA DO COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO E TURISMO: MINISTÉRIO DA FAZENDA SISCOMEX DOCUMENTOS EMITIDOS VIA SISCOMEX TRIBUTO ESPÉCIES DE TRIBUTO IMPOSTOS PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO ELISÃO, EVASÃO E ELUSÃO FISCAL L.L ELISÃO FISCAL... 36

10 EVASÃO FISCAL ELUSÃO TRIBUTÁRIA TRATAMENTO FISCAL NAS EXPORTAÇÕES PIS COFINS DRAWBACK DRAWBACK INTERNO IMPOSTO DE RENDA IMPOSTO SOBRE OPERAÇÕES DE CRÉDITO, CÂMBIO E SEGURO IMPOSTO SOBRE CIRCULAÇÃO DE MERCADORIAS E SERVIÇOS ZPE ZONAS DE PROCESSAMENTO DE EXPORTAÇÃO COOPERAÇÃO INTERNACIONAL PARA DIRIMIR CONFLITOS TRATADOS E ACORDOS INTERNACIONAIS CONVENÇÃO INTERNACIONAL DE GENEBRA REGRAS UNIFORMES EDITADAS PELA CÂMARA DE COMERCIO INTERNACIONAL PARA COBRANÇAS E CARTAS DE CRÉDITO ICOTERMS-CLÁUSULAS DE DIREITOS E OBRIGAÇÕES ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO (OMC) METODOLOGIA CAMPO DE OBSERVAÇÃO INSTRUMENTOS DE COLETA RESULTADOS EXPORTAÇÃO L.1 EXPORTADOR INTERNACIONALIZAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO ETAPAS DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA EMPRESA EXPORTAÇÃO DIRETA EXPORTAÇÃO INDIRETA QUADRO COMPARATIVO COMERCIALIZAÇÃO ELETRÔNICA CONSÓRCIOS DE EXPORTAÇÃO TIPOS DE CONSÓRCIO DE EXPORTAÇÃO O QUE EXPORTAR PARA ONDE EXPORTAR? MARKETING NO EXTERIOR TALENTOS HUMANOS CAPACITADOS BARREIRAS COMERCIAIS BARREIRAS COMERCIAIS PROTEÇÃO À PRODUÇÃO PROTEÇÃO À EXPLORAÇÃO DA NATUREZA (MATÉRIA PRIMA) PROTEÇÃO AO TRABALHO FALTA DE MÃO DE OBRA... 54

11 PLENO EMPREGO DESEMPREGO PROTEÇÃO AO CAPITAL DESVIOS DO MODELO DE COMÉRCIO LIVRE ESQUEMAS PROTECIONISTAS SUBSÍDIOS BARREIRA ALFANDEGÁRIA TAXAS DE CÂMBIO LICENÇAS DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO NOVAS BARREIRAS AO COMÉRCIO INTERNACIONAL BARREIRAS TÉCNICAS BARREIRAS ECOLOGIAS BARREIRAS BUROCRÁTICAS BARREIRAS SANITÁRIAS BARREIRAS CONTRA DROGAS DUMPING SOCIAL ETIQUETA SOCIAL BARREIRAS DESLEAIS CONTRA A CONCORRÊNCIA CONTRABANDO COOPERAÇÃO INTERNACIONAL PARA DIRIMIR CONFLITOS TRATADOS E ACORDOS COMERCIAIS CONVENÇÃO INTERNACIONAL DE GENEBRA REGRAS UNIFORMES EDITADAS PELA CÂMARA DE COMÉRCIO INTERNACIONAL PARA COBRANÇAS E CARTAS DE CRÉDITO INCOTERMS- CLÁUSULAS DE DIREITOS E OBRIGAÇÕES FOB FREE ON BOARD (LIVRE A BORDO) C&F-COST AND FREIGHT (CUSTO E FRETE) C&I - COST AND INSURANCE (CUSTO E SEGURO) CIF COST, INSURANCE AND FREIGHT ( CUSTO, SEGURO E FRETE) FAS - FREE ALONGSIDE SHIP (LIVRE AO LADO DO COSTADO DO NAVIO) GATT-GENERAL AGREEMENT ON TARIFFS AND TRAD (ACORDO GERAL SOBRE TARIFAS E COMÉRCIO) O GATT E OS BLOCOS ECONÔMICOS RODADAS DE NEGOCIAÇÕES RODADA URUGUAI ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DO COMÉRCIO BLOCOS ECONÔMICOS E ORGANISMOS REGIONAIS BANCO INTERAMERICANO DE DESENVOLVIMENTO (BID) BLOCOS ECONÔMICOS FORMAS DE CONSTITUIÇÃO ZONAS DE LIVRE COMÉRCIO UNIÃO ADUANEIRA... 69

12 MERCADO COMUM UNIÃO ECONÔMICA UNIÃO DE INTEGRAÇÃO TOTAL COMUNIDADE EUROPÉIA DO CARVÃO E DO AÇO (CECA) TRATADO DE ROMA NASCE O MERCADO COMUM EUROPEU UNIÃO EUROPÉIA BRASIL E UNIÃO EUROPÉIA (UE) BALANÇA COMERCIAL BRASILEIRA TABELA E RESULTADOS ABAIXO FORAM OBTIDOS DO SITE DA SECEX (SECRETARIA DO COMÉRCIO EXTERIOR) RESULTADOS GERAIS ANÁLISE DA SEMANA ANÁLISE DO MÊS QUADRO DE EXPORTAÇÃO DA PERDIGÃO AGROINDUSTRIAL S/A QUADRO EXPORTAÇÃO/PRODUTOS PERDIGÃO AGROINDUSTRIAL S/A QUADRO COMPARATIVO DE EXPORTAÇÃO REFERENTE AOS ANOS DE 2006 E Lançamentos Contábeis sobre a Venda de Exportação da Empresa Perdigão Agroindustrial S.A HABILITAÇÃO HABILITAÇÃO PARA A EXPORTAÇÃO DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA PARA A EXPORTAÇÃO MODALIDADES HABILITAÇÃO PARA UTILIZAR O SISCOMEX HABILITAÇÃO DO RESPONSÁVEL LEGAL CREDENCIAMENTO DE REPRESENTANTE LEGAL REQUERIMENTO DE HABILITAÇÃO DO RESPONSÁVEL LEGAL NO SISCOMEX CONCLUSÃO ANEXOS

13 13 1 INTRODUÇÃO 1.1 Relatório Final Neste trabalho abordamos assuntos relacionados à Exportação, de acordo com a legislação vigente. O desenvolvimento desse trabalho teve como fonte principal de pesquisa, o estágio supervisionado, que se realizou na empresa Perdigão Agroindustrial S.A situada na rua Jorge Tzachel, 475 no bairro Fazenda em Itajaí SC. Através desse trabalho, busquei obter informações da área de exportação, de acordo com a legislação aplicada e através de estágio supervisionado na empresa. A seguir seguem informações da empresa, que foram coletados do site institucional 1.2 A Empresa A Perdigão, uma das maiores companhias de alimentos da América Latina, comemorou em 2007 seu 73º aniversário. Durante esse período, a empresa tem contribuído de forma expressiva para o desenvolvimento da economia nacional, para o bom desempenho das exportações e para o fortalecimento da imagem do Brasil no mercado internacional. Hoje está entre as grandes empregadoras do país aproximadamente com 40 mil funcionários, mantém parceria com cerca de produtores integrados e exporta seus produtos para mais de 100 países.

14 14 Com receita bruta de R$ 6,1 bilhões registrada em 2006, a companhia atua na produção e abate de aves, suínos e bovinos e no processamento de produtos industrializados, elaborados e congelados de carne, além da fabricação de linhas de massas prontas, tortas, pizzas, folhados, vegetais congelados e margarinas. Seu mix abrange mais de 400 produtos. Sua capacidade instalada é de abater 10 milhões de cabeças de aves/semana e 70 mil cabeças de suínos/semana e frigorificar 710 mil toneladas de carne de aves por ano e 510 mil toneladas de carnes de suínos/ano. Em 20 de março a Perdigão deu início às operações do Complexo Agroindustrial de Mineiros, somando assim 16 unidades industriais de carne, duas processadoras de soja, seis fábricas de rações e 17 centros de distribuição; estrutura que garante aos clientes e consumidores um portfólio de mais de mil itens, destinados aos mercados interno e externo, sob as marcas Perdigão, Chester, Apreciatta, Toque de Sabor, Turma da Mônica, Batavo, Borella, Perdix, Confiança, entre outros. 1.3 A História através das décadas Fundada em 1934 na cidade de Videira (antiga Vila das Perdizes), Meio-Oeste de Santa Catarina, a Perdigão tem sua trajetória associada à própria história do setor alimentício no país. A Perdigão privilegia investimentos para a melhoria da qualidade de vida das comunidades onde atua e de seus funcionários, por meio de projetos voltados à educação, à saúde e à cultura. Também desenvolve ações direcionadas à preservação do meio ambiente, aperfeiçoando e solidificando suas práticas de empresa-cidadã. Adquirida pela Ponzoni,

15 15 Brandalise & Cia. a Sociedade Curtume Catarinense (mais tarde Curtume Perdigão), para expandir os negócios através do processamento das peles de suínos próprias e de terceiros. São instalados laboratórios para o controle microbiológico e físico-químico dos produtos nas unidades industriais. Em 1968, inicia-se a automação do processamento de aves. A partir de 1971, expande-se a atividade de curtume com a aquisição do Empório Couros S.A., empresa que, após a fusão com o Curtume Perdigão, tornou-se Perdigão Couros S.A. A Perdigão é uma das pioneiras na exportação de carne de frango do Brasil, que contou como destino a Arábia Saudita. A Perdigão Alimentos S.A., que já produzia rações, passa a industrializar soja e derivados com a construção, em Videira (SC), de uma unidade para esmagamento do grão, refino de óleo e produção de farelo, matéria-prima usada na produção da ração. A Empresa desfaz-se da atividade frutícola, supermercado, posto de combustível e serrarias. Em Rio Claro (SP), uma joint-venture entre a Perdigão e a Cobb-Vantress (minoritária), empresa de genética avícola americana, para produção, a partir de avós, de matrizes para atender as necessidades da Empresa. Em 1989 é lançada a linha Turma da Mônica, pioneira no Brasil no segmento de produtos industrializados de carnes com baixa condimentação. Firmada parceria com a Mitsubishi Corporation, do Japão, objetivando o acesso a recursos e tecnologia para fortalecer a presença da Empresa no mercado internacional. Aquisição do Frigorífico Sulina e de sua marca em Serafina Corrêa (RS). Recebe durante o SIAL (Salão Internacional da Alimentação), em Paris, o Prêmio Sial D'Or pelo produto Salsicha da Mônica.

16 16 A Empresa inicia seu programa de tecnologia ambiental, realizando investimentos para o aperfeiçoamento dos sistemas de proteção ao meio-ambiente em suas unidades industriais. Ao longo da década de 90 foram aplicados neste programa aproximadamente US$ 7 milhões. Em 1991, Saul Brandalise, um dos fundadores da Perdigão, morre em Videira (SC). Ângelo Ponzoni, outro fundador da Perdigão, morre no ano seguinte, no Rio de Janeiro (RJ). Em 1993, Eggon João da Silva, um dos acionistas minoritários e membro do Conselho de Administração, assume a Presidência Executiva da Empresa. Em 1995, Nildemar Secches é empossado Diretor-Presidente e Eggon João da Silva Presidente do Conselho de Administração da Perdigão, dando início à profissionalização na administração da Empresa, e são realizadas reestruturações societária e organizacional. Em 1996 a empresa recebe o Prêmio Mauá, outorgado pela Bolsa de Valores do Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, Associação Comercial do Rio de Janeiro e Associação Brasileira de Companhias Abertas, pela qualidade e transparência de suas informações ao mercado de capitais, em Pela primeira vez este prêmio distingue uma indústria de alimentos. A Perdigão lança uma linha de vegetais congelados com a marca Escolha Saudável. Os produtos importados da Bélgica são congelados pelo moderno processo IQF. Inaugurado, em Videira (SC), o Espaço VIP (Visitante Importante Perdigão), destinado à preservação do acervo histórico da Empresa e à difusão da cultura regional e brasileira. Pioneira na implantação da inseminação artificial em suínos, a Perdigão investe em mais 2 novos Centros de Difusão Genética: em Videira (SC) e em Rio Verde (GO). A Perdigão é eleita pela Revista Exame como uma das 50 melhores empresas para se trabalhar. A análise teve como base a opinião dos funcionários. A Perdigão recebe o Prêmio CNI de Ecologia, conferido pela CNI - Confederação Nacional da Indústria, na Categoria Gerenciamento de Resíduos.

17 17 A Perdigão compra 51% do controle acionário do Frigorífico Batávia e o mantém como empresa independente. O investimento marca a entrada da Perdigão no mercado de carne de peru e dá início a uma parceria na área de distribuição na América do Sul com a Parmalat. Inaugurado os nove postos de saúde e segurança do ATENDE - Centro de Serviços ao Cidadão, como parte de um amplo projeto social da Perdigão, que visa à melhoria da infraestrutura do município de Rio Verde (GO). A Perdigão conquista o Prêmio Empresa Modelo de Responsabilidade Social, outorgado pela Revista Exame, pelo conjunto de suas ações de cidadania empresarial. A Perdigão é escolhida pela FIESC - Federação das Indústrias do Estado de Santa Catarina, como uma das 20 maiores Empresas do Século. Abertura do primeiro escritório da Empresa no exterior, em Londres, na Inglaterra. (O primeiro prêmio foi entregue em 1996 pelo reconhecimento à Perdigão pelo trabalho de preservação do meio-ambiente.) A Perdigão passa a ser pioneira na fabricação de alimentos com baixo teor de sódio. A Empresa adquire os 49% restantes do controle acionário do Frigorífico Batávia e o incorpora à Perdigão Agroindustrial S.A., mantendo a marca Batavo no mercado. As operações no complexo de Rio Verde aumentam e a unidade passa a exportar para países da Europa e do Oriente. A Empresa adere ao Nível I de Governança Corporativa da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), o que dá maior destaque aos esforços da companhia na melhoria da relação com investidores e eleva o potencial de valorização de seus ativos. A Perdigão é escolhida Processador del Ãno 2001 pela revista Indústria Alimentícia, uma das mais importantes publicações latino-americanas do setor de alimentos e bebidas.

18 18 Estendido a todos os funcionários da Perdigão o programa de Participação nos Lucros e Resultados. A decisão marca um avanço na evolução da Empresa no relacionamento com seus empregados. A Perdigão recebe Prêmio Expressão de Ecologia na categoria Controle de Poluição, com o case "Serafina Corrêa - Produção com Sustentabilidade Ambiental". A Empresa lança a marca mundial Perdix, que será utilizada na comercialização de produtos processados. A opção pela marca é mais um passo na consolidação da Perdigão como um importante player da indústria mundial de alimentos. A Empresa recebe o Prêmio Responsabilidade Social - RS 2001, concedido pela Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul. A iniciativa amplia a presença da Empresa e suas marcas - Halal, Unef e Borella - em países do Oriente Médio. Pelo segundo ano consecutivo, Nildemar Secches, presidente da companhia, recebe o Prêmio Executivo do Ano no setor de agronegócios e alimentos, conferido pelo jornal Valor Econômico. A Empresa recebe o Prêmio Cidadania Brasil de Exportação, na categoria Exportador do Ano, concedido pelo Ministério das Relações Exteriores, Agência de Promoção de Exportações (APEX), Instituto Brasileiro de Desenvolvimento da Cidadania e Câmara do Comércio Árabe Brasileira. A Perdigão inicia a exportação de camarões congelados, produzidos por terceiros, com o lançamento da Linha Freski. Este reforça a presença da empresa no exterior e abre o caminho para entrada no mercado norte-americano, maior importador mundial desse produto. A Perdigão assume o controle total da empresa, que passa a se chamar BFF - Brazilian Fine Foods. Pelo segundo ano consecutivo, a Perdigão recebe o Prêmio Responsabilidade Social RS-2002, que premia as melhores atuações sociais das empresas no estado.

19 19 A ave Chester chega ao seu 20º Natal como líder absoluta na categoria de aves especiais. Nildemar Secches deixa o comando da ABEF, após dois anos à frente da associação, e passa a integrar o Conselho Consultivo da Entidade. A Perdigão recebe o Prêmio Gestão Ambiental, concedido pela Agência Ambiental de Goiás, pela sua atuação no meio ambiente. A Perdigão é apontada como uma das doze marcas mais valiosas do país, segundo estudo realizado pela Interbrand, consultoria internacional especializada na área. A Perdigão é eleita uma das dez empresas modelos em responsabilidade social na edição 2003 do Guia Exame de Boa Cidadania Corporativa, concedido pela Revista Exame. A Perdigão recebe o Certificado do SGI (Sistema de Gestão Integrada) com ISO 9001:2000, 14001:1996 e OHSAS 18001:1999 nas duas Unidades de Marau (RS), concedido pela Bureau Veritas Quality International. O quadro de funcionários da Empresa ultrapassa 27 mil pessoas. Nildemar Secches, presidente da companhia, recebe o Prêmio Executivo do Ano no setor de alimentos e bebidas, conferido pela revista Indústria Alimentícia, uma das mais importantes publicações latino-americanas do setor. Durante o 4º Congresso Nacional dos Trabalhadores da Alimentação, promovido pela Contac - Confederação Nacional dos Trabalhadores das Indústrias da Alimentação, a Perdigão recebe o prêmio Destaque na Área de Saúde Empresarial, pelo Programa de Qualidade de Vida no Trabalho - PQVT, que se transforma em referência no mercado. A Perdigão conquista pela quarta vez o Prêmio Fritz Müller, a principal premiação concedida pelo Governo de Santa Catarina na área ambiental.

20 20 Entram em operação escritórios de vendas em Cingapura e Tóquio que ampliarão a participação da Perdigão no mercado local e fortalecerão o projeto de internacionalização da empresa. O início das operações do complexo está previsto para o segundo semestre de 2006, devendo atingir sua plena capacidade no segundo semestre de A Perdigão anuncia investimentos de cerca de R$ 14 milhões na construção de um Centro de Distribuição (CD), dentro do parque industrial da unidade de aves de Marau (RS). O objetivo da concentração da produção de curados é especializar a unidade industrial de Marau (RS) na fabricação desses itens e obter ganhos de escala. Perdigão investe R$ 6,6 milhões na construção de um novo incubatório em Marau (RS), com capacidade de 1 milhão de ovos/semana. A Perdigão anuncia investimento de R$ 33 milhões em Santa Catarina. A Perdigão conquista novamente o Prêmio Expressão de Ecologia, a mais importante premiação do Sul do país. A Perdigão inaugura em Novembro de 2004, o Centro de Logística e Distribuição Curitiba, um dos maiores e mais modernos da empresa. A Perdigão conquista pela terceira vez o Prêmio Empresa Modelo de Responsabilidade Social, concedido pela Revista EXAME da Editora Abril. Edição do Guia Exame de Responsabilidade Social Corporativa destaca a atuação social da empresa, através de um conjunto de programas desenvolvidos em diversas áreas e nas várias regiões onde funcionam suas unidades. Para tanto, a empresa fechou contrato de locação das instalações da Prontodelis Industrial e Comercial de Alimentos, localizado em Santa Maria, no DF. Perdigão recebe o Prêmio Consumidor Moderno de Excelência em Serviços ao Cliente, outorgado pela Revista Consumidor Moderno. Perdigão anuncia investimentos de R$ 500 milhões em Rio Verde (GO) - R$ 60 milhões por parte da empresa e R$ 440 milhões por parte dos produtores integrados. O

21 21 montante será aplicado até o início de 2007 para a expansão da capacidade de produção do complexo agropecuário. A Perdigão é a primeira colocada no setor de alimentos/bebidas no ranking da Agência Estado/Econonomática 2004, em relatório publicado na Revista Investimentos de junho. O vice-presidente de finanças e relações com investidores da Perdigão recebe o Prêmio Melhor Executivo de Relações com Investidores (empresa for a do Ibovespa), concedido pela Revista IR Magazine, a partir de uma sondagem realizada pela Fundação Getúlio Vargas. A Perdigão amplia sua presença em Santa Catarina com a instalação do Centro de Serviços Perdigão (CSP) na cidade de Itajaí. Pela quinta vez e pelo terceiro ano consecutivo, a Perdigão é contemplada com o Prêmio Fritz Müller, concedido pela FATMA - Fundação do Meio Ambiente e pelo Governo do Estado de Santa Catarina, pelo trabalho realizado com a Reserva Ambiental Natureza Viva, mantida na área urbana de Videira (SC). Perdigão amplia sua fronteira e chega ao Mato Grosso com a aquisição do controle integral do Abatedouro Mary Loise Indústria de Alimentos, dona da marca Dunaturalis, e da Mary Mary Loise Indústria e Comércio de Rações. A Perdigão é apontada pela Revista Expressão, da Editora Expressão, como uma empresa de Excelência em Gestão Social (estágio 4, considerado o mais avançado em gestão social), por meio de uma ampla pesquisa que colheu informações de 99 empresas de grande e médio porte dos três estados da região Sul. Considerada a Melhor Empresa do Ano no Setor de Alimentos, a Perdigão recebe o Prêmio FGV de Excelência Empresarial, concedido pela Fundação Getúlio Vargas.

22 22 A Perdigão assina contrato de prestação de serviços industriais com a empresa Arantes Alimentos Ltda., No Brasil, a Perdigão comercializa cortes nobres para churrasco com as marcas Perdigão e Nabrasa. Depois de três anos de muitas pesquisas dos profissionais das áreas de marketing e tecnologia da Perdigão, chegam às gôndolas dos supermercados a primeira margarina produzida especialmente para o público infantil - Turma da Mônica - e uma versão tradicional com a marca Borella. A Perdigão é vencedora do Prêmio ABRASCA - Categoria Companhia Aberta, como melhor relatório anual, concedido pela Associação Brasileira das Companhias Abertas (ABRASCA). A empresa obteve pontuação de 98,7, maior índice já atribuído nas sete edições do prêmio. A Perdigão recebe os prêmios Ponto de Encontro Ouro, da Associação Brasileira de Supermercados (ABRAS); Lançamento do Ano, na categoria prato-pronto, conferido pela revista Superhiper, da ABRAS, pelo produto Chicken PopCorn; Carrinho AGAS 2005 de Melhor Fornecedor de Alimentos Congelados, segundo a Associação Gaúcha de Supermercados. O vice-presidente de finanças e relações com investidores é considerado um dos melhores CFO's da América Latina, pela Revista América Economia e pela IBM Business; o diretor comercial da empresa, Luis Carlos Campagnola, recebe o prêmio Ponto Extra- Executivo de Vendas, da APAS - Associação Paulista de Supermercados. A Perdigão recebe o prêmio Destaque de Comércio Exterior 2005, concedido pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior e pela Associação de Comércio Exterior do Brasil (EAB). A Empresa recebe o Certificado de Responsabilidade Social 2005, categoria Grandes Empresas, outorgado pela Assembléia Legislativa do Rio Grande do Sul.

23 23 Pela quarta vez, a Perdigão está entre as dez empresas modelo em responsabilidade social do Guia de Boa Cidadania Corporativa, da Revista Exame. A Perdigão recebe o Prêmio Valor Social 2005, do jornal Valor Econômico, na categoria Grande Prêmio - Voto Popular. Em sua quinta edição, o prêmio teve o apoio do Instituto Ethos de Empresas e Responsabilidade Social e do Instituto Akatu. A Perdigão estréia no Novo Mercado da Bovespa e adquire 51% do capital social da Batávia S/A Indústria de Alimentos e entra no mercado de lácteos em parceria com a Cooperativa CCLP - Cooperativa Central de Laticínios do Paraná - e Agromilk, que continuaram mantendo 49% do capital da Batávia, empresa sediada em Carambeí (PR) e com atuação agroindustrial também em Santa Catarina. Presidente da Perdigão, Nildemar Secches, é eleito pela terceira vez Executivo de Valor, na área de Agronegócios e Alimentos. Perdigão é eleita a melhor empresa de agronegócio no setor de Frigorífico pelo Anuário Exame do Agronegócio. Perdigão inaugura o Incubatório Castro, instalado na cidade do mesmo nome, vizinha a Carambeí, onde funciona o complexo agroindustrial da empresa no Paraná. 1.4 Responsabilidade Social A Responsabilidade Social faz parte dos valores corporativos da Perdigão, que foram formados e sedimentados ao longo dos seus 70 anos de existência. É dessa forma que a Perdigão contribui para o desenvolvimento do país e para a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos brasileiros. Pela quarta vez a Perdigão conquistou o Prêmio Expressão de Ecologia, na categoria Gestão Ambiental, pela implantação do Sistema de Gestão Integrada em sua unidade de Marau (RS). A Perdigão recebeu também em 2004, o Prêmio Fritz Müller, concedido pela Fundação de Meio Ambiente do Estado de Santa Catarina (FATMA) e o Governo do Estado

24 24 às empresas e entidades públicas ou privadas, que se destacaram por suas atitudes em defesa da natureza e da qualidade de vida dos catarinenses. A Perdigão foi premiada pelas iniciativas em sua unidade de Herval dâ Oeste (SC). Em outubro 2004, a empresa foi também um dos destaques do Prêmio Goiás de Gestão Ambiental, ficando em terceiro lugar na categoria "Atividade Industrial" por seu programa de gerenciamento ambiental em sua unidade em Rio Verde (GO). Com cerca de 40 mil funcionários, a Perdigão é uma das maiores empregadoras do país. As unidades da empresa funcionam em São Paulo, Santa Catarina (Capinzal, Videira, Herval D Oeste), Paraná (Carambeí), Rio Grande do Sul (Marau) e Goiás (Rio Verde). Os programas e projetos de Responsabilidade Social nas diversas unidades da empresa tornaramse realidade graças ao envolvimento dos funcionários, que não hesitam em arregaçar as mangas para trabalhar como voluntários. 1.5 Visão Investir na atividade produtiva e acreditar em suas perspectivas de crescimento, ao invés de permanecer na roda da especulação financeira, contribuindo para a expansão da oferta de empregos, para melhoria das condições gerais de vida da população brasileira e para a redução do custo dos alimentos. Num mundo de economia globalizada e equilibrada, que privilegia a produção, a empresa deve manter-se preocupada com a preservação do planeta e com a qualidade de vida de seus habitantes. 1.6 Missão Estar sempre na vanguarda, colocando à disposição do consumidor alimentos que se ajustem às mudanças de estilo da sociedade, com elevada qualidade e preços justos, constituindo-se na melhor escolha de atendimento para seus clientes, de atividade para seus funcionários e de investimentos para seus acionistas, integrando-se harmoniosamente nas comunidades em que atua e respeitando o meio ambiente.

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES

CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES CONSULTORIA EM NEGÓCIOS EXTERIORES Ser Júnior é ser gigante pela própria natureza. Brasil Júnior Mensagem do presidente Capacitar membros, promover o Movimento Empresa Júnior e causar impacto da sociedade,

Leia mais

Controladoria MANUAL DO Estratégica

Controladoria MANUAL DO Estratégica Controladoria MANUAL DO Estratégica ALUNO 2010 Universidade Cruzeiro do Sul www.cruzeirodosul.edu.br Unidade: Planejamento Tributário (Parte I) MATERIAL TEÓRICO Responsável pelo Conteúdo: Prof. Esp. Daniel

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador.

E XPORTAÇÃO. Dica: o dossiê com as informações sobre o produto deve ser preparado antes do contato com o importador. EXPORTAÇÃO E XPORTAÇÃO Antes de fornecer o preço, é importante analisar os preços de produtos similares praticados no mercado onde está o potencial cliente, exigências técnicas, barreiras tarifárias e

Leia mais

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros

Unidade III. Operadores. Demais instituições financeiras. Outros intermediários financeiros e administradores de recursos de terceiros MERCADO FINANCEIRO E DE CAPITAIS Unidade III 6 O SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL O sistema financeiro nacional é o conjunto de instituições e instrumentos financeiros que possibilita a transferência de recursos

Leia mais

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL

COMÉRCIO INTERNACIONAL. Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex COMÉRCIO INTERNACIONAL COMÉRCIO INTERNACIONAL Instituições Intervenientes no Comércio Exterior do Brasil e Siscomex Prof.Nelson Guerra Órgãos acima + Ministério das Relações Exteriores. Conheça cada um deles CAMEX: Objetiva a formulação, adoção, implementação

Leia mais

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior

MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior MÓDULO 3 A estrutura brasileira para o comércio exterior O governo brasileiro possui definida uma política voltada para o comércio internacional, onde defende os interesses das empresas nacionais envolvidas,

Leia mais

Manual de Exportação e Formação de Preço

Manual de Exportação e Formação de Preço Manual de e Formação de Preço. Sumário FASE 1ª 1 - Planejamento de 2 - Planejamento Estratégico 3 - Canais de Distribuição FASE 2ª 4 - Procedimentos Operacionais de FASE 3ª 5 - Formação de Preço O sumário

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil

Novas perspectivas e abordagens para os processos de importação e distribuição no Brasil Introdução Há alguns anos as trading companies brasileiras têm se mostrado uma alternativa segura e economicamente atrativa para empresas estrangeiras que desejam exportar ou distribuir seus produtos no

Leia mais

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio

Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio São Paulo, 28 de outubro de 2011 Discurso do Diretor Aldo Luiz Mendes no Seminário sobre Modernização do Sistema Câmbio Bom dia a todos. É com grande prazer que, pela segunda vez, participo de evento para

Leia mais

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX).

ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Aula 12 ÓRGÃOS RESPONSÁVEIS PELO COMÉRCIO INTERNACIONAL NO BRASIL E O SISTEMA INTEGRA- DO DE COMÉRCIO EXTERIOR (SISCOMEX). Segundo LOPES VASQUES (2007) as políticas de regulamentação, normatização e execução

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF Breve conceito de Regime Aduaneiro Regime especial de Admissão Temporária Casos Práticos Regime Aduaneiro deve ser entendido como o tratamento aplicável às mercadorias submetidas

Leia mais

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES

ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES ASPECTOS FISCAIS NAS EXPORTAÇÕES 1 INCIDÊNCIAS TRIBUTÁRIAS NAS EXPORTAÇÕES Optantes do SIMPLES Os transformadores plásticos exportadores optantes do SIMPLES devem analisar a conveniência da continuidade

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012.

RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. RIO GRANDE DO NORTE LEI COMPLEMENTAR Nº 478, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Dispõe sobre concessão de incentivos à inovação e à pesquisa científica e tecnológica no âmbito do Estado do Rio Grande do Norte.

Leia mais

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011

Indústria brasileira de bens de capital mecânicos. Janeiro/2011 AGENDA DE TRABALHO PARA O CURTO PRAZO Indústria brasileira de bens de capital mecânicos Janeiro/2011 UMA AGENDA DE TRABALHO (para o curto prazo) A. Financiamento A1. Taxa de juros competitiva face a nossos

Leia mais

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1

DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II. Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 DIREITO TRIBUTÁRIO Parte II Manaus, abril de 2013 Jorge de Souza Bispo, Dr. 1 TRIBUTO Definido no artigo 3º do CTN como sendo toda prestação pecuniária compulsória (obrigatória), em moeda ou cujo valor

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular.

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. ICMS-SP Transferência de mercadoria entre estabelecimento de mesmo titular. 13/02/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

Módulo Contábil e Fiscal

Módulo Contábil e Fiscal Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal Objetivo O objetivo deste artigo é dar uma visão geral sobre o Módulo Contábil e Fiscal Escrita Fiscal. Todas informações aqui disponibilizadas foram retiradas no

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Nordeste FEVEREIRO 2015

Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste FEVEREIRO 2015 Banco do Nordeste do Brasil Visão Geral Banco Múltiplo com 62 anos de atuação para o desenvolvimento da região Nordeste, norte de MG e do ES. Ativos Totais R$ 71,0 bilhões

Leia mais

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade.

VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários de qualidade. MISSÃO Oferecer serviços imobiliários de qualidade, gerando valor para os clientes, colaboradores, sociedade e acionistas. VISÃO Crescer sustentavelmente e ser referência nacional em serviços imobiliários

Leia mais

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços...

LISTA DE TABELAS. Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... BANCOS MÚLTIPLOS LISTA DE TABELAS Tabela I Bradesco Relação de Receitas de Prestação de Serviços... RESUMO Neste trabalho serão apresentadas as principais características e serviços disponibilizados pelos

Leia mais

INFORMATIVO JURÍDICO

INFORMATIVO JURÍDICO 1 ROSENTHAL E SARFATIS METTA ADVOGADOS INFORMATIVO JURÍDICO NÚMERO 5, ANO III MAIO DE 2011 1 ESTADO NÃO PODE RECUSAR CRÉDITOS DE ICMS DECORRENTES DE INCENTIVOS FISCAIS Fiscos Estaduais não podem autuar

Leia mais

Agenda para Micro e Pequenas Empresas

Agenda para Micro e Pequenas Empresas Agenda para Micro e Pequenas Empresas As Micro e Pequenas Empresas (MPE) são de vital importância para o desenvolvimento econômico de Goiás, pois atuam em diversas atividades econômicas, tais como indústria,

Leia mais

Seus serviços vão além das fronteiras?

Seus serviços vão além das fronteiras? Seus serviços vão além das fronteiras? Negócios Internacionais Oportunidades para o setor de serviços Globalização Transformações de ordem política, econômica e cultural mundial Mais intensidade nas últimas

Leia mais

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos

Professor José Sérgio Fernandes de Mattos Professor Apresentação: 1. Instituído pelo Decreto nº 6.022, de 22 de janeiro de 2007, o Sistema Público de Escrituração Digital (Sped) faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento do Governo Federal

Leia mais

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI

IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI IMPOSTOS FEDERAIS: II, IE E IPI CAIO AUGUSTO TAKANO MESTRANDO EM DIREITO ECONÔMICO, FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO USP ESPECIALISTA EM DIREITO TRIBUTÁRIO IBET PROFESSOR-ASSISTENTE DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO DO

Leia mais

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO

IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO Instituições de Direito Profª Doutora Ideli Raimundo Di Tizio p 41 IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO O imposto de importação é de competência da União, é também conhecido como tarifa aduaneira. Sua função é predominantemente

Leia mais

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems

Exemplos de Marketing Global. Coca-Cola, Philip Morris, DaimlerChrysler. McDonald s, Toyota, Ford, Cisco Systems Fundamentos de Marketing Global Parte 01 O significado de Marketing Global Uma empresa global bem-sucedida deve ser capaz de pensar globalmente e agir localmente. Marketing global pode incluir uma combinação

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade III. Mercado Financeiro. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade III Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercados Financeiros Lembrando da aula anterior Conceitos e Funções da Moeda Política Monetária Política Fiscal Política Cambial

Leia mais

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento

A Reforma Tributária e o Desenvolvimento A Reforma Tributária e o Desenvolvimento Por que a Reforma Tributária é Fundamental? Acelera o crescimento econômico Torna o crescimento mais sustentável É a reforma econômica mais importante Reforma Tributária

Leia mais

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES

NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES NEGOCIOS INTERNACIONAIS EXPORTAÇÕES MSc.RICARDO LOZANO PANORAMA DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS US$ bilhões Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Exportações Brasileiras 256 243 198

Leia mais

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo!

SAD Gestor ERP. Módulo Estoque. Cadastro de Produto Escrita Fiscal. Seja Bem Vindo! SAD Gestor ERP Módulo Estoque Cadastro de Produto Escrita Fiscal Seja Bem Vindo! Introdução O planejamento tributário deve fazer parte do cotidiano da empresa. É uma decisão estratégica que pode determinar

Leia mais

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO

ENTIDADES AUTO-REGULADORAS DO MERCADO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO BM&FBOVESPA A BM&FBOVESPA é muito mais do que um espaço de negociação: lista empresas e fundos; realiza negociação de ações, títulos, contratos derivativos; divulga cotações; produz índices de mercado;

Leia mais

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo

Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Discurso do ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, na cerimônia de transmissão de cargo Brasília, 02 de janeiro de 2015. Ministra Miriam Belchior, demais autoridades, parentes e amigos aqui presentes.

Leia mais

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010

Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Programa Automotivo Relatório de Acompanhamento de Execução da Agenda de Ação Atualização: Maio/2008 Março/2010 Gestor: Paulo Sérgio Bedran Diretor do Departamento de Indústrias de Equipamentos de Transporte

Leia mais

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG 12/06/2014 Pergunte à CPA Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG Apresentação: Helen Mattenhauer Convênio e Protocolos CONVÊNIO: Constitui um acordo entre os Estados, cujo elaboração tem por

Leia mais

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação

BNDES Prosoft. Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação BNDES Prosoft Programa BNDES para o Desenvolvimento da Indústria Nacional de Software e Serviços de Tecnologia da Informação Objetivo - Contribuir para o desenvolvimento da indústria nacional de software

Leia mais

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por:

INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: INDUSTRIALIZAÇÃO POR ENCOMENDA: EFICIÊNCIA EM PLANEJAMENTO TRIBUTÁRIO. Desenvolvido por: 2014 PRIMEIRA PARTE: DEFINIÇÃO E VANTAGENS O que é a industrialização por encomenda? É uma forma de ganhar eficiência

Leia mais

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias:

A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1. Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: A N E X O III REGRAS DE ORIGEM ARTIGO 1 Serão consideradas originárias das Partes as seguintes mercadorias: a) Mercadorias inteiramente obtidas ou elaboradas inteiramente no território de uma das Partes,

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011

METANOR S.A. Metanol do Nordeste Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 METANOR S.A. Camaçari - Bahia - Brasil Relatório da Administração de 2011 Senhores Acionistas, Em conformidade com as disposições legais e estatutárias, a administração da METANOR S.A. submete à apreciação

Leia mais

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro

Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia e Comércio / Integração Regional Jéssica Naime 09 de setembro de 2005 Aspectos recentes do Comércio Exterior Brasileiro Análise Economia

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS

PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO CARTA-CONSULTA ANEXO II AO DECRETO 4744 PROGRAMA DESENVOLVER PELOTAS I A EMPRESA 1.1. Caracterização e Outras Informações Razão social:

Leia mais

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009.

Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Of. 36 FOPROP Porto Alegre, 25 de agosto de 2009. Prezado Secretário Ronaldo Motta: Seguem as sugestões do FOPROP (Fórum dos Pró-Reitores de Pesquisa e PG das Universidades Brasileiras) com relação ao

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI Nº, DE 2013 (Do Sr. João Arruda) Institui Regime Especial de Tributação para instalação e manutenção de Centros de Processamento de Dados - Data Centers. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

Quem somos? Nossa Missão:

Quem somos? Nossa Missão: Bem Vindos! Quem somos? A GEPC Consultoria Tributária é uma empresa especializada em consultoria para Farmácias e Drogarias com mais de 6 anos de mercado neste seguimento. Apoiando e atualizando nossos

Leia mais

Além disto, haverá uma nova forma de financiamento do Adiantamento sobre Contrato de Câmbio (ACC) para exportações indiretas. O chamado ACC Indireto

Além disto, haverá uma nova forma de financiamento do Adiantamento sobre Contrato de Câmbio (ACC) para exportações indiretas. O chamado ACC Indireto Informativo PSI APEX, 03/04/2012 Na continuidade do Plano Brasil Maior, uma das principais medidas para aumentar a competitividade do setor exportador brasileiro anunciadas hoje é a redução do percentual

Leia mais

LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007. Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa

LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007. Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa LUCRO DA PERDIGÃO CRESCE 174% EM 2007 Novos negócios respaldaram o bom desempenho operacional da empresa A Perdigão encerrou 2007 com faturamento bruto de R$ 7,8 bilhões, valor 27,6% superior ao registrado

Leia mais

Exercício para fixação

Exercício para fixação Exercício para fixação Quando o Banco Central deseja baratear os empréstimos e possibilitar maior desenvolvimento empresarial, ele irá adotar uma Política Monetária Expansiva, valendo-se de medidas como

Leia mais

Importação Passo a Passo

Importação Passo a Passo 1º Passo Defina o que quer importar Importação Passo a Passo O mercado internacional, principalmente a China, apresenta uma ampla oportunidade de produtos para se importar. Antes de iniciar sua operação

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002

EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 EMPRESAS PERDIGÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO- 3º trimestre de 2002 Senhores Acionistas, A conjuntura política nacional continuou gerando turbulências no mercado, aumentando significativamente o risco do

Leia mais

MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA

MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA MBA GESTÃO TRIBUTÁRIA Apresentação FIPECAFI A Faculdade FIPECAFI é mantida pela Fundação Instituto de Pesquisa Contábeis, Atuariais e Financeiras, criada em 1974. Seus projetos modificaram o cenário Contábil,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ A IMPORTÂNCIA DO CAPITAL DE GIRO NAS EMPRESAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ KATTH KALRY NASCIMENTO DE SOUZA Artigo apresentado ao Professor Heber Lavor Moreira da disciplina de Análise dos Demonstrativos Contábeis II turma 20, turno: tarde, do curso

Leia mais

Introdução. Capitais Internacionais

Introdução. Capitais Internacionais Capitais Internacionais e Mercado de Câmbio no Brasil Atualizado em fevereiro de 2009 1 Introdução O tratamento aplicável aos fluxos de capitais e às operações de câmbio acompanhou as conjunturas econômicas

Leia mais

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR

Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR Paraná Cooperativo EDIÇÃO ESPECIAL EXPORTAÇÕES Informe Diário nº 2.092 Sexta-feira, 08 de maio de 2009 Assessoria de Imprensa da Ocepar/Sescoop-PR EXPORTAÇÕES DAS COOPERATIVAS NO AGRONEGÓCIO EM 1. RESULTADO

Leia mais

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 DECRETO Nº 7.921, DE 15 DE FEVEREIRO DE 2013 Fonte: Diário Oficial da União Seção I Pág. 2 e 3 18.02.2013 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação do Programa Nacional de Banda Larga para

Leia mais

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de

redução dos preços internacionais de algumas commodities agrícolas; aumento dos custos de Desempenho da Agroindústria No fechamento do primeiro semestre de 2005, a agroindústria registrou crescimento de 0,3%, taxa bastante inferior à assinalada pela média da indústria brasileira (5,0%) no mesmo

Leia mais

6 - Balanço de Pagamentos

6 - Balanço de Pagamentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Faculdade de Ciências Econômicas Departamento de Ciências Econômicas ECO-2215 - Contabilidade Social Balanço de Pagamentos Estrutura da apresentação 1) Definição

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO

QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO 1 QUADRO COMPARATIVO 1 UNIFICAÇÃO DOS MERCADOS DE CÂMBIO Resolução 3.265, de 4 de março de 2005. (reunião do Mercado de Câmbio de Taxas Livres e do Mercado de Câmbio de Taxas Flutuantes e instituição de

Leia mais

Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex

Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex Grupo Danilo Correia, Caê Matta, Ágata Takara, Augusto Rinaldi, Felipe Marinoni, Isabella Lucas, Heitor Guimarães, Rafael

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº 190, DE 2001 Cria contribuição de intervenção no domínio econômico, denominada Contribuição de Equalização Tributária (CET), com base no

Leia mais

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR

REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR REGULAMENTO DE ESTÁGIO NÃO-OBRIGATÓRIO PARA O CURSO DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DA UFPR DA NATUREZA Art.1 o No Projeto Pedagógico do Curso de Ciências Econômicas, as diretrizes curriculares incluem o estágio

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO

INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO INOVAR E INVESTIR PARA SUSTENTAR O CRESCIMENTO DESONERAÇÃO E EQUALIZAÇÃO Medidas Fiscais da Política Industrial 2 Redução de Tributos Equalização de taxas de Juros Simplificação de Operações Redução do

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICITAÇÃO DE AGÊNCIA DE EVENTOS 1. Objeto: 1.1.1. Contratação de empresa para prestação, sob demanda, de serviços de planejamento, organização, coordenação, execução, fiscalização e avaliação de eventos com a viabilização de infra-estrutura

Leia mais

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014

ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 ROSÁRIO MARQUES Internacionalizar para a Colômbia Encontro Empresarial GUIMARÃES 19/09/2014 REPÚBLICA DA COLÔMBIA POPULAÇÃO 48 Milhões SUPERFÍCIE 1.141.748 Km2 CAPITAL Bogotá 7,3 milhões PRINCIPAIS CIDADES

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012

Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 Instrução Normativa RFB nº 1.293, de 21 de setembro de 2012 DOU de 24.9.2012 Dispõe sobre o despacho aduaneiro de bens procedentes do exterior destinados à utilização na Copa das Confederações Fifa 2013

Leia mais

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1.

AGROINDÚSTRIA. O BNDES e a Agroindústria em 1998 BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 INTRODUÇÃO 1. AGROINDÚSTRIA BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 1 Gerência Setorial 1 O BNDES e a Agroindústria em 1998 INTRODUÇÃO Este informe apresenta os principais dados sobre os desembolsos do BNDES

Leia mais

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO

FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO FINANCIAMENTO DO DESENVOLVIMENTO URBANO As condições para o financiamento do desenvolvimento urbano estão diretamente ligadas às questões do federalismo brasileiro e ao desenvolvimento econômico. No atual

Leia mais

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO.

2. COMO IMPORTAR 1 PLANEJAMENTO 2 CONTATOS COM POTENCIAIS FORNECEDORES 3 IDENTIFICAR NCM, TRATAMENTO ADMINISTRATIVO E TRIBUTÁRIO. 1 2 2. COMO IMPORTAR 2.1. FLUXOGRAMA DE IMPORTAÇÃO 1 PLANEJAMENTO A fase de planejamento das importações é geralmente parte integrante do planejamento geral da empresa para atender sua necessidade de máquinas,

Leia mais

VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS

VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS Prezados Senhores, Ref. VALE ALIMENTAÇÃO PARA FUNCIONÁRIOS A Associação Comercial de Ilhabela está disponibilizando para as empresas da cidade, que fornecem para seus funcionários cestas básicas (ou vale-alimentação),

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

A lei de incentivos fiscais de Campinas

A lei de incentivos fiscais de Campinas A lei de incentivos fiscais de Campinas Lei 12.802/06 com as alterações formuladas na Lei 12.653/06: A Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito do Município de Campinas, sanciono e promulgo a seguinte lei:

Leia mais

ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP

ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP ESCLARECIMENTO SOBRE INCENTIVO FISCAL VIA LEI DA OSCIP O que é uma OSCIP Uma OSCIP está situada no Terceiro Setor (considerando-se que o Primeiro Setor é formado pelo Estado e o Segundo Setor pelo Mercado,

Leia mais

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ

PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ PROGRAMA BOM NEGÓCIO PARANÁ- APOIO AO EMPREENDEDORISMO AVALIAÇÃO DO NÚCLEO MARINGÁ AREA TEMÁTICA: TRABALHO LAIS SILVA SANTOS 1 CARLOS VINICIUS RODRIGUES 2 MARCELO FARID PEREIRA 3 NEUZA CORTE DE OLIVEIRA

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE DEZEMBRO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 52/2012 TRIBUTOS FEDERAIS EXPORTAÇÃO INDIRETA - CONSIDERAÇÕES BÁSICAS... ICMS - MS/MT/RO ENTREGA FUTURA - PROCEDIMENTOS... LEGISLAÇÃO

Leia mais

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741

Cartilha. Perguntas e respostas Decreto regulamentando a Lei n 12.741 Cartilha A SMPE preparou uma cartilha para esclarecer as principais dúvidas referentes ao Decreto nº 8264/14. Ela pode também ser acessada no site da secretaria (www.smpe.gov.br). Perguntas e respostas

Leia mais

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU

RELATORA: Senadora KÁTIA ABREU PARECER N o, DE 2009 Da COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA, sobre o Projeto de Lei do Senado n o 246, de 2007, que regula o Programa de Seguro- Desemprego Rural, o Abono Salarial Rural, o Programa

Leia mais

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc.

LEI N. 084/91. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. LEI N. 084/91 Institui o Fundo Municipal de Saúde e dá outras providências. O PREFEITO MUNICIPAL DE ALTO TAQUARI, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, etc. Faço saber que a Câmara

Leia mais

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012

Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios. Curitiba, 20 de novembro de 2012 Plano Brasil Maior e as Micro e Pequenas Empresas Agenda de Ações para Competitividade dos Pequenos Negócios Curitiba, 20 de novembro de 2012 PBM: Dimensões Dimensão Estruturante: diretrizes setoriais

Leia mais

órgão nacional interveniente no comércio internacional

órgão nacional interveniente no comércio internacional MDIC órgão nacional interveniente no comércio internacional CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: KEEDI, Samir. ABC DO COMÉRCIO EXTERIOR. São Paulo: Aduaneiras, 2007. www.desenvolvimento.gov.br

Leia mais

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já

A Sombra do Imposto. Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já A Sombra do Imposto Propostas para um sistema de impostos mais simples e justo Simplifica Já Expediente A Sombra do Imposto Cartilha produzida pelo Sistema Fiep (Federação das Indústrias do Estado do Paraná).

Leia mais

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES

31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES 31º ENCONTRO NACIONAL DE COMÉRCIO EXTERIOR - ENAEX PALESTRA EXPORTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA: MITOS E VERDADES JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Rio de Janeiro, 27 de Setembro de 2012 2 DEFINIÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO Ulhôa Canto, Rezende e Guerra Advogados Seminário Jurídico-Fiscal da Quinta Rodada de Licitações C&V Exportação Ficta COMPRADOR US$ US$ Contrato de Arrendamento / Afretamento

Leia mais

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social

Previdência no Brasil. Regime de Previdência Complementar. Regimes Próprios dos Servidores Públicos. Regime Geral de Previdência Social As Entidades Fechadas de participantes desta pesquisa, conhecidas como Fundos de Pensão, fazem parte do Sistema de. Os Fundos de Pensão desenvolveram-se e modernizaram-se ao longo dos últimos anos graças

Leia mais

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA

O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA TRIBUTOS CARGA TRIBUTÁRIA FLS. Nº 1 O IMPACTO DOS TRIBUTOS NA FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA 1. - INTRODUÇÃO A fixação do preço de venda das mercadorias ou produtos é uma tarefa complexa, onde diversos fatores

Leia mais

Negócios Internacionais

Negócios Internacionais International Business 10e Daniels/Radebaugh/Sullivan Negócios Internacionais Capítulo 3.2 Influencia Governamental no Comércio 2004 Prentice Hall, Inc Objectivos do Capítulo Compreender a racionalidade

Leia mais

TRABALHO DE ECONOMIA:

TRABALHO DE ECONOMIA: UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG FUNDAÇÃO EDUCACIONAL DE ITUIUTABA - FEIT INSTITUTO SUPERIOR DE ENSINO E PESQUISA DE ITUIUTABA - ISEPI DIVINO EURÍPEDES GUIMARÃES DE OLIVEIRA TRABALHO DE ECONOMIA:

Leia mais

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão

ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Prof. Mário Leitão ANALISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Mário Leitão Estrutura das Demonstrações Financeiras A análise das demonstrações financeiras exige conhecimento do que representa cada conta que nela figura. Há

Leia mais