Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Regimes Aduaneiros Especiais. Regimes Aduaneiros Especiais. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro. Trânsito aduaneiro"

Transcrição

1 Regimes Aduaneiros Especiais Regimes Aduaneiros Especiais As características básicas dos regimes especiais são: Regra geral, os prazos na importação são de um ano, prorrogável, por período não superior, no total, a cinco anos. a) suspensão da exigibilidade de tributos; b) fixação de prazo e de condições para enquadramento no regime; Exceções: a) disposição do Ministro da Fazenda; b) contratos de prestação de serviço por tempo certo. c) constituição das obrigações fiscais em termo de responsabilidade. Em caso de descumprimento do regime, o beneficiário ficará sujeito ao pagamento dos tributos incidentes, juros, multa de mora e de ofício, calculados da data da admissão no regime. Conceito: O regime subsiste do local de origem, desde o momento do desembaraço para trânsito aduaneiro (que é a autorização para o início do regime), até o local de destino, onde a unidade que o jurisdiciona irá atestar a chegada da mercadoria, na forma e prazo estipulados. Modalidades mais comuns: I - o transporte de mercadoria procedente do exterior até o ponto onde deva ocorrer outro despacho; II - o transporte de mercadoria nacional ou nacionalizada, despachada para exportação, para embarque ou para armazenamento em área alfandegada; III - o transporte de mercadoria estrangeira despachada para reexportação; IV - o transporte de mercadoria estrangeira de um recinto alfandegado situado na zona secundária a outro; V - a passagem de mercadoria procedente do exterior e a ele destinada; VI - o transporte, de mercadoria procedente do exterior, conduzida em veículo em viagem internacional até o ponto em que se verificar a descarga; Beneficiários do regime: I - o importador; II - o exportador; III - o depositante; IV - o representante, no País, de importador ou exportador domiciliado no exterior; V - o permissionário ou o concessionário de recinto alfandegado; VI - em qualquer caso: a) o operador de transporte multimodal; b) o transportador habilitado c) o agente credenciado a efetuar operações de unitização ou desunitização da carga em recinto alfandegado. A concessão e aplicação do regime competem à unidade de origem e são processadas no Siscomex Trânsito, que é um módulo do Siscomex com acesso via internet. Quando da concessão do regime, caberá à autoridade aduaneira estabelecer a rota a ser cumprida, fixar prazos para a operação e para a comprovação da chegada da mercadoria ao destino e adotar as cautelas julgadas necessárias à segurança fiscal. A cautela fiscal mais comum é a lacração do volume ou veículo (no caso de caminhões do tipo baú, fechados). Em casos especiais, poderá ser determinado o acompanhamento fiscal. 1

2 Trânsito Aduaneiro - Conclusão A operação de trânsito é concluída na repartição de destino, onde se procede ao exame dos documentos, à verificação do veículo, dos dispositivos de segurança e da integridade da carga. Se tudo estiver de acordo, ocorrerá a extinção do regime e a correspondente baixa do termo de responsabilidade firmado, na repartição de origem. Admissão Temporária Admissão Temporária é o regime aduaneiro que permite a permanência no país de bens procedentes do exterior, por prazo determinado, com suspensão total do pagamento dos impostos incidentes na importação ou ainda com suspensão parcial, no caso de utilização econômica. Admissão Temporária Admissão Temporária - Prazos A concessão do regime fica condicionada ao cumprimento cumulativo das seguintes exigências: Ingresso dos bens em caráter temporário; Importação sem cobertura cambial; Adequação dos bens à finalidade da importação; Constituição das obrigações fiscais em termo de responsabilidade; Perfeita identificação dos bens; Anuência de outros órgãos, se necessário. No ato de concessão do regime, a autoridade aduaneira deverá fixar o prazo de duração, levando em conta o provável prazo de permanência dos bens no país, que será indicado pelo interessado e começará a fluir a partir da data do desembaraço dos bens. Admissão Temporária - Prazos Admissão Temporária - Extinção Veículo pertencente a turista estrangeiro: o prazo é o mesmo da permanência do proprietário (ou condutor autorizado) no país; Veículo de brasileiro não-residente que retorne ao país em caráter temporário: prazo de até 90 dias, prorrogável, até 180 dias; Bens de uso profissional ou pessoal de estrangeiro em atividade profissional no país: o prazo será igual ao concedido no visto de trabalho; Bens de uso profissional ou no conceito de bagagem de brasileiro não-residente: prazo de até 90 dias, prorrogável, até 180 dias; Se a admissão temporária for em relação a mercadorias objeto de contrato de prestação de serviços por prazo certo, o prazo será o mesmo do contrato, renovável na mesma medida que este, obedecido o limite máximo de cinco anos. Reexportação: é o caso normal, ou seja, a devolução dos bens ao exterior, que poderá ser feita parceladamente; Entrega à Fazenda Nacional, sem ônus ou despesas, desde que a autoridade aduaneira concorde em recebê-los, promovendo, posteriormente, sua destinação (incorporação, leilão etc.); Destruição, às expensas do interessado; se da destruição sobrarem resíduos economicamente apreciáveis, estes deverão ser despachados para consumo, com o pagamento dos tributos incidentes; Transferência para outro regime especial (entreposto aduaneiro, p.ex.); Despacho para consumo, o que significa que os bens ingressaram na economia do país, o que sujeita o beneficiário ao recolhimento dos tributos devidos e à obediência da legislação sobre licenciamento de importações, se for o caso. 2

3 Admissão temporária para utilização econômica Caso um determinado bem venha a ser admitido temporariamente no país com o intuito de utilização econômica (vale dizer, para a produção de outros bens ou serviços) deverá recolher o Imposto de Importação, o Imposto sobre Produtos Industrializados, PIS e COFINS, proporcionalmente ao prazo de permanência no território aduaneiro, calculados com base na sua vida útil, de acordo com as regras fixadas pela legislação do Imposto sobre a Renda. A proporcionalidade implica 1% do montante original devido, ao mês, durante a concessão do regime. Drawback O regime de drawback tem por objetivo incentivar as exportações, mediante o ingresso, no território aduaneiro, de insumos ou produtos intermediários de procedência estrangeira que serão utilizados na industrialização de bens que posteriormente serão exportados. Drawback Suspensão Drawback Suspensão É a modalidade de drawback mais comum, pois possibilita que empresas com vocação para a exportação adquiram mercadorias estrangeiras com a suspensão dos tributos incidentes na importação, desde que assumido o compromisso de que tais matériasprimas ou produtos intermediários serão utilizados na industrialização de produtos posteriormente destinados ao exterior. Atualmente, é possível a aplicação do regime em função de licitação internacional, contra pagamento de instituição ou financiamento obtido no exterior. Em qualquer hipótese, a competência para concessão do regime pertence à SECEX. Regra geral, o prazo de concessão é de um ano, prorrogável, uma vez, por igual período (é possível a extensão do prazo por até 5 anos, em casos excepcionais). Drawback Isenção Drawback Restituição Esta modalidade tem por objetivo a reposição de estoques, ou seja, a importação, em equivalente quantidade e qualidade, com isenção dos tributos incidentes, no caso de exportação de produtos finais cujos insumos, matérias-primas ou produtos intermediários anteriormente importados com o pagamento dos tributos devidos. A competência para concessão do regime pertence à SECEX. Nesta modalidade, o exportador solicita a restituição do valor dos tributos pagos relativos a insumos utilizados na fabricação de produtos já exportados. Importante: como a restituição, na verdade, é realizada por meio de crédito fiscal a ser utilizado em importações posteriores, o regime, ao contrário dos anteriores, deverá ser concedido pela Receita Federal, que é o órgão encarregado da administração tributária no Brasil. Daí podermos afirmar que se trata de procedimento de compensação e não de restituição, como dá a entender sua designação legal. 3

4 Entreposto Aduaneiro O regime de entreposto aduaneiro, na importação e na exportação, é o que permite o armazenamento de mercadorias, sob controle fiscal, em recintos alfandegados de uso público, com suspensão dos tributos incidentes. Esta é um regime muito interessante para os empresários, porque possibilita que as mercadorias, enquanto depositadas, sejam submetidas às seguintes operações: a) exposição, demonstração e testes de funcionamento; b) industrialização, nas suas diversas modalidades; c) manutenção ou reparo. Entreposto Aduaneiro na Importação O Regime admite mercadorias importadas com ou sem cobertura cambial. O prazo de permanência da mercadoria no regime, regra geral, será de um ano, prorrogável por igual período; em casos especial, poderá perdurar por, no máximo, três anos. No caso de mercadorias destinadas a feiras, congressos, mostras ou eventos semelhantes, o prazo de vigência será equivalente àquele estabelecido para o alfandegamento do recinto. Entreposto Aduaneiro de Importação A base operacional do entreposto aduaneiro de importação é um recinto alfandegado, de uso público ou privativo (no caso de mercadorias estrangeiras para apresentação em feiras, congressos, mostras etc.). As mercadorias admitidas no regime poderão ser nacionalizadas, com posterior despacho para consumo ou exportação, pelo consignatário ou pelo adquirente. Entreposto Aduaneiro de Exportação É o regime especial que permite o armazenamento de mercadorias destinadas a exportação, nas modalidades comum (com suspensão do pagamento de tributos) ou extraordinário (concedido a trading companies, com direito à utilização dos benefícios fiscais de incentivo à exportação, antes do embarque para o exterior). O prazo de permanência da mercadoria no regime depende do regime adotado: a) No regime comum, 1 ano prorrogável por igual período (ou até o total de 3 anos, em situações especiais). b) No caso de regime extraordinário, será de 180 dias. Entreposto Industrial sob Controle Informatizado (RECOF) Entreposto Industrial sob Controle Informatizado (RECOF) É o regime que permite à empresa importar, com ou sem cobertura cambial, e com suspensão do pagamento de tributos, sob controle aduaneiro informatizado, mercadorias que, depois de submetidas a uma operação de industrialização, sejam destinadas a exportação. Este regime especial, normalmente utilizado por grandes empresas, prevê um controle informatizado das operações de importação e posterior exportação, por meio de um software específico que faz a auditoria dos procedimentos. A autorização para operar no regime é de competência da Receita Federal do Brasil; O prazo de suspensão do pagamento dos tributos incidentes na importação será de até um ano, prorrogável por período não superior a um ano. (casos especiais: até 5 anos); A empresa beneficiária responderá pela custódia e guarda das mercadorias na condição de fiel depositária. 4

5 Exportação Temporária Exportação Temporária O regime de exportação temporária é o que permite a saída, do Brasil, com suspensão do pagamento do imposto de exportação, de mercadoria nacional ou nacionalizada, condicionada à reimportação em prazo determinado, no mesmo estado em que foi exportada. A exportação temporária é uma espécie de contrapartida do regime de admissão temporária; assim, do mesmo modo que em certas situações pode haver bens provenientes do exterior que devam permanecer por tempo determinado no nosso território aduaneiro, com a suspensão dos tributos incidentes na importação, igual fenômeno ocorre em relação a produtos brasileiros cujo destino seja outros países, desde que em caráter não permanente. Exportação Temporária Prazo: será de até um ano, prorrogável, a juízo da autoridade aduaneira, por período não superior, no total, a dois anos (excepcionalmente, o prazo poderá ser aumentado pelo Ministro da Fazenda). O prazo também pode ser vinculado a contrato de prestação de serviços por prazo certo ou, ainda, no caso de contratos de arrendamento operacional, aluguel ou empréstimo. Exportação temporária para aperfeiçoamento passivo Este regime permite a saída, do Brasil, por tempo determinado, de mercadoria nacional ou nacionalizada, para ser submetida a operação de transformação, elaboração, beneficiamento ou montagem, no exterior, e a posterior reimportação, sob a forma do produto resultante, com pagamento dos tributos sobre o valor agregado (aplica-se, também, a reparos, consertos ou restauração). Loja Franca É o regime aduaneiro especial que permite a estabelecimento instalado em zona primária de porto ou de aeroporto alfandegado vender mercadoria nacional ou estrangeira a passageiro em viagem internacional, contra pagamento em cheque de viagem ou em moeda estrangeira conversível (atualmente aceita-se pagamento em reais). O regime é concedido mediante licitação concorrencial. Poderão ser admitidas no regime mercadorias nacionais. Depósito Especial É o regime aduaneiro especial que permite a estocagem de partes, peças, componentes e materiais de reposição ou manutenção, com suspensão do pagamento dos tributos federais, para veículos, máquinas, equipamentos, aparelhos e instrumentos, estrangeiros, nacionalizados ou não, de acordo com definição do Ministro da Fazenda. Regra geral, as mercadorias devem ser importadas sem cobertura cambial e o prazo de permanência será de até 5 anos. 5

6 Depósito Afiançado Depósito Alfandegado Certificado O regime aduaneiro especial de depósito afiançado é o que permite a armazenagem, com suspensão do pagamento de tributos, de materiais importados sem cobertura cambial, destinados à manutenção e ao reparo de embarcação ou de aeronave pertencentes a empresa autorizada a operar no transporte comercial internacional, inclusive rodoviário, e utilizadas nessa atividade. Vale, também, para as chamadas provisões de bordo. O prazo é de até 5 anos. O regime de depósito alfandegado certificado é o que permite considerar exportada, para todos os efeitos fiscais, creditícios e cambiais, a mercadoria nacional depositada em recinto alfandegado, vendida a pessoa sediada no exterior, mediante contrato de entrega no território nacional e à ordem do adquirente. Trata-se da chamada exportação fictícia, na qual o produto não deixa o país, mas recebe o tratamento jurídico de exportado. O regime pode ser concedido por até um ano. Depósito Franco O regime aduaneiro especial de depósito franco é o que permite, em recinto alfandegado, a armazenagem de mercadoria estrangeira para atender ao fluxo comercial de países limítrofes com terceiros países. O regime de depósito franco será concedido somente quando autorizado em acordo ou convênio internacional firmado pelo Brasil. É o caso, por exemplo, dos depósitos francos do Paraguai, localizados nos portos de Santos e Paranaguá. Zona Franca de Manaus A entrada de mercadorias estrangeiras na Zona Franca de Manaus, destinadas a seu consumo interno, industrialização em qualquer grau, inclusive beneficiamento, agropecuária, pesca, instalação e operação de indústrias e serviços de qualquer natureza, bem como a estocagem para reexportação, será isenta dos impostos de importação e sobre produtos industrializados (exceções: armas e munições; fumo; bebidas alcoólicas; automóveis de passageiros; e produtos de perfumaria, toucador, preparados e preparações cosméticas em geral. Zona Franca de Manaus As isenções são condicionadas a finalidades específicas, aplicáveis às empresas localizadas na ZFM. As mercadorias entradas na ZFM poderão ser posteriormente destinadas à exportação para o exterior, ainda que usadas, com a manutenção da isenção dos tributos incidentes na importação. A remessa de mercadorias de origem nacional para consumo ou industrialização na ZFM será, para efeitos fiscais, equivalente a uma exportação brasileira para o exterior (com as exceções anteriormente vistas). Denomina-se internação a entrada, em outros pontos do território aduaneiro, de mercadoria procedente da ZFM (hipóteses em que estão sujeitas aos tributos devidos na importação). 6

Ministério da Fazenda - Secretaria da Receita Federal. Ministério da Fazenda/ Secretaria da Receita Federal

Ministério da Fazenda - Secretaria da Receita Federal. Ministério da Fazenda/ Secretaria da Receita Federal REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS E ATÍPICOS REEGIMEE I DEESSCRIÇÃO I 1 Admissão Temporária Permite a permanência no País de bens procedentes do exterior, por prazo e para finalidade determinados, com suspensão

Leia mais

Regimes aduaneiros. Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual Prático de Comércio

Regimes aduaneiros. Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual Prático de Comércio Regimes aduaneiros CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: SOUZA, José Meireles de. Gestão do Comércio Exterior Exportação/Importação. São Paulo: Saraiva, 2010. SEGRE, German. Manual

Leia mais

Art. 1º O regime especial de entreposto aduaneiro será aplicado de conformidade com o estabelecido nesta Instrução Normativa.

Art. 1º O regime especial de entreposto aduaneiro será aplicado de conformidade com o estabelecido nesta Instrução Normativa. Instrução Normativa SRF nº 241, de 6 de Novembro de 2002 DOU de 8.11.2002 Dispõe sobre o regime especial de entreposto aduaneiro na importação e na exportação. Alterada pela IN SRF nº 289, de 27 de janeiro

Leia mais

CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR : LEGISLAÇÃO ADUANEIRA REGIMES ADUANEIROS

CURSO DE COMÉRCIO EXTERIOR : LEGISLAÇÃO ADUANEIRA REGIMES ADUANEIROS 1. CONCEITOS Regime é um conjunto de regras que estabelecem certa conduta obrigatória. É método, sistema ou forma de governo. Logo, chamamos de regime aduaneiro ao tratamento tributário e administrativo

Leia mais

CURSO CANAL REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS PROFESSOR: LUIZ ROBERTO MISSAGIA

CURSO CANAL REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS PROFESSOR: LUIZ ROBERTO MISSAGIA CURSO CANAL REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS LISTA DE EXERCÍCIOS PROFESSOR: LUIZ ROBERTO MISSAGIA 01 (AFRFB/2009) O regime aduaneiro especial que contempla a estocagem de partes, peças e materiais de reposição

Leia mais

Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex

Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex Aprendendo a Exportar Seguro de Crédito à Exportação e Regimes Aduaneiros Logex Grupo Danilo Correia, Caê Matta, Ágata Takara, Augusto Rinaldi, Felipe Marinoni, Isabella Lucas, Heitor Guimarães, Rafael

Leia mais

16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS

16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS 16. PROCESSOS ALFANDEGÁRIOS LOGÍSTICOS DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: SILVA, Luiz Augusto Tagliacollo. Logística no Comércio Exterior. São Paulo: Aduaneiras, 2010. SOUZA, José Meireles de

Leia mais

DECRETO N 517, DE 8 DE MAIO DE 1992 REGULAMENTA o art. 11, da Lei n 8.387, de 30 de dezembro de 1991, e regula a Área de Livre Comércio de Macapá e

DECRETO N 517, DE 8 DE MAIO DE 1992 REGULAMENTA o art. 11, da Lei n 8.387, de 30 de dezembro de 1991, e regula a Área de Livre Comércio de Macapá e DECRETO N 517, DE 8 DE MAIO DE 1992 REGULAMENTA o art. 11, da Lei n 8.387, de 30 de dezembro de 1991, e regula a Área de Livre Comércio de Macapá e Santana - ALCMS. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da

Leia mais

REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II

REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II São Paulo Rio de Janeiro Brasília Curitiba Porto Alegre Recife Belo Horizonte Londres Lisboa Shanghai Miami Buenos Aires REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS Parte II Luis Guilherme B. Gonçalves 05 de Agosto de

Leia mais

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico

Resoluções e Normativas Federais. GTT - Náutico Resoluções e Normativas Federais GTT - Náutico Ministério da Fazenda Secretaria da Receita Federal do Brasil (RFB) -Decreto nº 6.759, de 5 de fevereiro de 2009. Regulamento Aduaneiro (art. 26 ao 30; art.

Leia mais

DECRETO-LEI Nº 288, DE 28 DE FEVEREIRO DE 1967

DECRETO-LEI Nº 288, DE 28 DE FEVEREIRO DE 1967 DECRETO-LEI Nº 288, DE 28 DE FEVEREIRO DE 1967 Altera as disposições da Lei número 3.173 de 6 de junho de 1957 e regula a Zona Franca de Manaus. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe

Leia mais

PRIMEIRO SIMULADO LEGISLAÇÃO ADUANEIRA RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 13 PRIMEIRO SIMULADO

PRIMEIRO SIMULADO LEGISLAÇÃO ADUANEIRA RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 13 PRIMEIRO SIMULADO AULA 13 PRIMEIRO SIMULADO Olá, pessoal. Eu e Missagia resolvemos quebrar o simulado prometido com trinta questões em dois simulados de quinze. Havendo duas postagens, isso facilita para que eu só olhe

Leia mais

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 06

LEGISLAÇÃO ADUANEIRA RFB 2013 PROFESSORES: LUIZ MISSAGIA E RODRIGO LUZ AULA 06 SUMÁRIO DA AULA LEGISLAÇÃO ADUANEIRA RFB 2013 AULA 06 (PONTOS 10 e 10.1 DO PROGRAMA AFRFB/2012) (PONTOS 10 e 10.1 DO PROGRAMA ATRFB/2012) 1. REGIMES ADUANEIROS ESPECIAIS PARTE I... 3 1.1. Disposições Gerais...

Leia mais

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015

ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015 ANO XXVI - 2015 4ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 48/2015 IPI ZONA FRANCA DE MANAUS OPERAÇÕES GERAIS... Pág. 431 ICMS RJ FRETE PAGO (CIF) OU A PAGAR (FOB)... Pág. 432 IPI ZONA FRANCA DE

Leia mais

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas

3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas 3.3 - O Processo de Importação e Suas Etapas DISCIPLINA: Negócios Internacionais FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004. SILVA, Luiz Augusto

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 04/2015. Brasília, 19 de agosto de 2015. Assunto: Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado do Sistema Público de Escrituração Digital (Recof

Leia mais

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - RS

ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS ICMS - RS ANO XXIII - 2012-4ª SEMANA DE AGOSTO DE 2012 BOLETIM INFORMARE Nº 35/2012 ASSUNTOS DIVERSOS TRADING COMPANY - CONSIDERAÇÕES Introdução - Conceito - Requisitos, Condições e Obrigações Tributárias Acessórias

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFRF/1998) O transporte de mercadoria estrangeira contida

Leia mais

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 4 DO CONTRATO TARIFAS

EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 4 DO CONTRATO TARIFAS EDITAL DO LEILÃO Nº 2/2011 ANEXO 4 DO CONTRATO TARIFAS 1 Sumário 1. Informações iniciais... 3 1.1. Introdução... 3 1.2. Definições... 3 2. Tarifas... 6 2.1. Considerações... 6 2.2. Tarifas Aeroportuárias...

Leia mais

Lex Garcia Advogados http://lexlab.esy.es. Dr. Alex Garcia Silveira OABSP 285373

Lex Garcia Advogados http://lexlab.esy.es. Dr. Alex Garcia Silveira OABSP 285373 Alex Garcia Silveira Cartilha: Direito do Comercio Internacional São Paulo Junho de 2015 SUMÁRIO RESUMO... 5 ABSTRACT... 5 PARTES E AUXILIARES DO COMÉRCIO... 6 EXPORTADOR E IMPORTADOR... 6 SELEÇÃO DE MERCADO...

Leia mais

Í N D I C E A N A L Í T I C O

Í N D I C E A N A L Í T I C O Í N D I C E A N A L Í T I C O Introdução...21 I - Conceitos e Histórico...21 I.1 - As Contribuições Sociais...21 I.2 - Instituição do PIS e do PASEP...21 I.3 - Objetivos do PIS e do PASEP...22 I.4 - Fundos

Leia mais

O Processo de Importação e Suas Etapas

O Processo de Importação e Suas Etapas O Processo de Importação e Suas Etapas CURSO: Administração / DISCIPLINA: Logística Internacional FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo: Atlas, 2004.

Leia mais

Ciesp Sorocaba. 16de março de 2010. Importação de Máquinas e Equipamentos Industriais

Ciesp Sorocaba. 16de março de 2010. Importação de Máquinas e Equipamentos Industriais Departamento de Comércio Exterior Ciesp Sorocaba 16de março de 2010 Importação de Máquinas e Equipamentos Industriais Máquinas Novas Importação de Bens de Capital Cuidados e Precauções Na condição de usadas

Leia mais

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE

Profa. Lérida Malagueta. Unidade IV SISTEMÁTICA DE Profa. Lérida Malagueta Unidade IV SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Importação Importar consiste em uma operação de compra de produtos no mercado exterior e sua respectiva entrada em um país Necessidade

Leia mais

lozenge Empresa "Nosso papel é administrar a sua operação de comércio internacional" Lozenge INTL Comércio, Importação e Exportação Ltda.

lozenge Empresa Nosso papel é administrar a sua operação de comércio internacional Lozenge INTL Comércio, Importação e Exportação Ltda. Empresa Terceirizar as atividades-meio de uma empresa é uma forma inteligente de focar-se no objeto principal de seu negócio. Para atender esta demanda, podemos atuar de formas distintas e de acordo com

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 757, DE 25 DE JULHO DE 2007.

MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 757, DE 25 DE JULHO DE 2007. MINISTÉRIO DA FAZENDA Secretaria da Receita Federal do Brasil INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 757, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre o Regime Aduaneiro Especial de Entreposto Industrial sob Controle Informatizado

Leia mais

9/5/2013 O QUE É DRAWBACK?

9/5/2013 O QUE É DRAWBACK? O QUE É DRAWBACK? É UM REGIME ESPECIAL QUE TEM POR OBJETIVO DESONERAR IMPORTAÇÕES E/OU AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS NO MERCADO INTERNO, EQUIVALENTE À EMPREGADA, VINCULADAS A UM COMPROMISSO DE EXPORTAÇÃO. ABRANGE

Leia mais

VGL NEWS. ANO 6 INFORMATIVO 105 01 DE AGOSTO a 31 DE AGOSTO DE 2006

VGL NEWS. ANO 6 INFORMATIVO 105 01 DE AGOSTO a 31 DE AGOSTO DE 2006 VGL NEWS ANO 6 INFORMATIVO 105 01 DE AGOSTO a 31 DE AGOSTO DE 2006 ASSUNTOS FISCAIS Medida Provisória 315/06 Cambial e Tributária 1 Medida Provisória 320/06 Aduaneira 2 Instrução Normativa SRF 670/06 Declaração

Leia mais

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015

ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015 ANO XXVI - 2015 2ª SEMANA DE NOVEMBRO DE 2015 BOLETIM INFORMARE Nº 46/2015 IPI O FRETE NA BASE DE CÁLCULO DO IPI... Pág. 422 ICMS RJ DRAWBACK... Pág. 423 IPI O FRETE NA BASE DE CÁLCULO DO IPI Sumário 1.

Leia mais

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF

RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF RECEITA FEDERAL DO BRASIL 8ª RF Breve conceito de Regime Aduaneiro Regime especial de Admissão Temporária Casos Práticos Regime Aduaneiro deve ser entendido como o tratamento aplicável às mercadorias submetidas

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011

PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 PROJETO DE LEI Nº, DE 2011 (Do Sr. RAUL LIMA) Modifica a alínea "e" do 2º do art. 4º da lei nº. 8.256, de 25 de novembro de 1991, que cria áreas de livre comércio nos municípios de Boa Vista e Bonfim,

Leia mais

Art. 3º Para inscrever-se no registro de Operador de Transporte Multimodal, o interessado deverá apresentar à ANTT:

Art. 3º Para inscrever-se no registro de Operador de Transporte Multimodal, o interessado deverá apresentar à ANTT: DECRETO 3.411, DE 12 DE ABRIL DE 2000. Regulamenta a Lei 9.611, de 19 de fevereiro de 1998, que dispõe sobre o Transporte Multimodal de Cargas, altera os Decretos 91.030, de 5 de março de 1985, e 1.910,

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO UNIFICADA PROJETO DE LEI Institui o Regime de Tributação Unificada - RTU na importação, por via terrestre, de mercadorias procedentes do Paraguai. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO REGIME DE TRIBUTAÇÃO

Leia mais

Regime Especial de Drawback O fomento das exportações por meio das operações de Drawback

Regime Especial de Drawback O fomento das exportações por meio das operações de Drawback Regime Especial de Drawback O fomento das exportações por meio das operações de Drawback PRIMEIRA PARTE O REGIME ESPECIAL DE DRAWBACK AS VANTAGENS E A IMPORTÂNCIA DO DRAWBACK PARA O COMÉRCIO EXTERIOR DRAWBACK

Leia mais

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37

Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Noções básicas de Comércio Exterior Professora Ana Maria Matta Walcher Skype: ana.maria.walcher37 Regimes Aduaneiros É o conjunto de procedimentos ou regras previstas em lei para efetivar uma importação

Leia mais

CFOP DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO

CFOP DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO DE ENTRADA DE MERCADORIA/UTILIZAÇÃO DE SERVIÇO IMPORTAÇÃO DESCRIÇÃO DA OPERAÇÃO OU PRESTAÇÃO 1.100 2.100 3.100 COMPRAS PARA INDUSTRIALIZAÇÃO, PRODUÇÃO RURAL, COMERCIALIZAÇÃO OU PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS. 1.101

Leia mais

O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de Câmbio)

O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de Câmbio) O Processo de Exportação e Suas Etapas (até Contrato de CURSO: Administração DISCIPLINA: Comércio Exterior FONTES: DIAS, Reinaldo; RODRIGUES, Waldemar. Comércio Exterior Teoria e Gestão. São Paulo, Atlas,

Leia mais

Exportação Direta x Exportação Indireta

Exportação Direta x Exportação Indireta Exportação Direta x Exportação Indireta Por JOSÉ ELIAS ASBEG Auditor Fiscal da Receita Federal do Brasil Na exportação direta o próprio fabricante, produtor ou revendedor remete (geralmente vende) a mercadoria

Leia mais

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS

PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS PIS/ COFINS EM NOTÍCIAS I NOVAS SOLUÇÕES DE CONSULTAS.... 2 A) RECEITA DE VENDA DE MERCADORIAS DESTINADAS AO CONSUMO OU À INDUSTRIALIZAÇÃO NA ZONA FRANCA DE MANAUS, INCLUSIVE DE MÁQUINAS E EQUIPAMENTOS,

Leia mais

Loja Franca em Fronteira Terrestre. Março/2014

Loja Franca em Fronteira Terrestre. Março/2014 Loja Franca em Fronteira Terrestre Março/2014 1 Condições gerais de Loja Franca Regulamentação vigente REGULAMENTAÇÃO VIGENTE FUNCIONAMENTO Estabelecimentos para venda de mercadoria nacional ou estrangeira;

Leia mais

GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO

GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO GUERRA FISCAL: SÃO PAULO E ESPÍRITO SANTO ICMS - IMPORTAÇÃO Fábio Tadeu Ramos Fernandes ftramos@almeidalaw.com.br Ana Cândida Piccino Sgavioli acsgavioli@almeidalaw.com.br I INTRODUÇÃO Desde a década de

Leia mais

ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento)

ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento) TABELA I - CÓDIGO FISCAL DE OPERAÇÕES E DE PRESTAÇÕES (CFOP) ANEXO V - CLASSIFICAÇÃO DAS OPERAÇÕES, PRESTAÇÕES E SITUAÇÕES TRIBUTÁRIAS (a que se refere o artigo 597 deste regulamento) DAS ENTRADAS DE MERCADORIAS,

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. ANDRÉ FUFUCA) Dispõe sobre a criação de Zona Franca no Município de Rosário, Estado do Maranhão. O Congresso Nacional decreta: do Maranhão. Art. 1º Esta Lei cria a Zona

Leia mais

TÍTULO I - IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA

TÍTULO I - IMPOSTO DE IMPORTAÇÃO CAPÍTULO I - INCIDÊNCIA DECRETO-LEI Nº 37 DE 18/11/1966 Dispõe sobre o imposto de importação, reorganiza os serviços aduaneiros e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, usando da atribuição que lhe confere o artigo

Leia mais

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal Exercício Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/AFTN/1989 - ADAPTADA) Apurando-se o dano ou avaria: a)

Leia mais

Encontrei as seguintes possibilidades razoáveis de recursos: 57- Sobre a Tarifa Externa Comum (TEC), é incorreto afirmar que:

Encontrei as seguintes possibilidades razoáveis de recursos: 57- Sobre a Tarifa Externa Comum (TEC), é incorreto afirmar que: Prezados, Encontrei as seguintes possibilidades razoáveis de recursos: 57- Sobre a Tarifa Externa Comum (TEC), é incorreto afirmar que: a) pelo regime de ex-tarifário, pode haver redução da TEC para bens

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 1670/2015

PROJETO DE LEI Nº 1670/2015 Dia 01 de outubro, 2015 TRANSPORTE AÉREO: RAPIDEZ E PREVISIBILIDADE Transporte Aéreo vs Outros - Mundo Volume Outros 0,5% Volume Aéreo 99,5% Valor Outros Valor Aéreo 35% 65% Ref: Transporte Mundial 2014Fonte:

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Alagoas. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas

Boletimj. Manual de Procedimentos. ICMS - IPI e Outros. Alagoas. Federal. Estadual. IOB Setorial. IOB Comenta. IOB Perguntas e Respostas Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 50/2013 Alagoas Federal IPI Construção civil - Edificação - Exclusão do conceito de industrialização.... 01 Estadual ICMS Leilão de mercadorias apreendidas

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 261, de 20 de dezembro de 2002

Instrução Normativa SRF nº 261, de 20 de dezembro de 2002 Instrução Normativa SRF nº 261, de 20 de dezembro de 2002 Dispõe sobre a habilitação de empresa transportadora para manter recintos não alfandegados, na cidade de Manaus, destinados ao controle aduaneiro

Leia mais

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para

Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para Os INCOTERM s ou International Comercial Terms são nomenclaturas representativas de cláusulas contratuais padronizadas internacionalmente para facilitar o comércio. Elas tratam das condições e responsabilidades

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 48.266, DE 19 DE AGOSTO DE 2011. (publicado no DOE nº 162 de 22 de agosto de 2011) Modifica o Regulamento

Leia mais

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo

Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo Fiscal - Exercícios Legislação Aduaneira Exercício Fábio Lobo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (ESAF/ACE/1998) O SISCOMEX - Sistema Integrado de Comércio

Leia mais

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS

ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS ANEXO - TRIBUTAÇÃO 1.0 TRIBUTOS FEDERAIS a) IPI NA AQUISIÇÃO DE AERONAVES Na aquisição de aeronaves pode incidir IPI, dependendo da natureza do adquirente, com alíquotas de 0% (empresas aéreas de transporte

Leia mais

Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 634, de 26 de dezembro de 2013

Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 634, de 26 de dezembro de 2013 Análise da adequação orçamentária e financeira da Medida Provisória nº 634, de 26 de dezembro de 2013 Nota Técnica de Adequação Orçamentária e Financeira nº 06/2014 Assunto: Subsídios para análise da adequação

Leia mais

REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA

REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA REPORTO - REGIME TRIBUTÁRIO PARA INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DA ESTRUTURA PORTUÁRIA Em 1º de dezembro de 2004, o Congresso Nacional aprovou o Projeto de Lei de Conversão nº 53, de 2004 (Medida

Leia mais

CARTA-CIRCULAR Nº 2201. Levamos ao conhecimento dos interessados que: II - Esta Carta-Circular entra em vigor na data de sua publicação;

CARTA-CIRCULAR Nº 2201. Levamos ao conhecimento dos interessados que: II - Esta Carta-Circular entra em vigor na data de sua publicação; CARTA-CIRCULAR Nº 2201 Levamos ao conhecimento dos interessados que: Programa federal de desregulamentação. Estabelece condições para as transferências ao exterior de receitas auferidas com o transporte

Leia mais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais

Pergunte à CPA. Exportação- Regras Gerais 13/03/2014 Pergunte à CPA Exportação- Regras Gerais Apresentação: Helen Mattenhauer Exportação Nos termos da Lei Complementar nº 87/1996, art. 3º, II, o ICMS não incide sobre operações e prestações que

Leia mais

ENTRADAS DE BENS E MERCADORIAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS

ENTRADAS DE BENS E MERCADORIAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS TABELA I CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 254 deste Regulamento) A) DAS ENTRADAS DE BENS E MERCADORIAS OU AQUISIÇÕES DE SERVIÇOS Grupo 1.000 Grupo 2.000 Grupo

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO

DOCUMENTAÇÃO PARA EXPORTAÇÃO COMERCIO EXTERIOR FATEC FRANCA PROF. DR. DALTRO OLIVEIRA DE CARVALHO DOCUMENTOS EXIGIDOS NAS OPERAÇÕES DE EXPORTAÇÃO DISPONIVEL EM: HTTP://WWW.APRENDENDOAEXPORTAR.GOV.BR/SITIO/PAGINAS/COMEXPORTAR/CONTRATOS.HTML No comércio internacional, os documentos desempenham importante

Leia mais

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX

Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX. Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Tratamento Administrativo na Importação e atuação do DECEX Controle Administrativo - Definição Controle exercido por órgãos da Administração Federal

Leia mais

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010

DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 DECRETO Nº 31.246, DE 12 DE JANEIRO DE 2010 DODF de 13.01.2010 Altera o Decreto nº 18.955, de 22 de dezembro de 1997, que regulamenta o Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre

Leia mais

Entreposto Aduaneiro: Vantagens Logísticas da Utilização do Regime de Entreposto Aduaneiro Dentro do Aeroporto Industrial.

Entreposto Aduaneiro: Vantagens Logísticas da Utilização do Regime de Entreposto Aduaneiro Dentro do Aeroporto Industrial. Entreposto Aduaneiro: Vantagens Logísticas da Utilização do Regime de Entreposto Aduaneiro Dentro do Aeroporto Industrial. Cleiton de Paiva Rodrigues Luciano cleitonadmc@hotmail.com Unis/MG Reginaldo da

Leia mais

1) O que é o RTU? 2) O RTU já foi regulamentado?

1) O que é o RTU? 2) O RTU já foi regulamentado? 1) O que é o RTU? O Regime de Tributação Unificada (RTU) é o regime instituído pela Lei nº 11.898, de 8/1/2009, que permite a importação, por microempresa importadora varejista habilitada, de determinadas

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 4.726, DE 2016 (Do Sr. Covatti Filho)

PROJETO DE LEI N.º 4.726, DE 2016 (Do Sr. Covatti Filho) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 4.726, DE 2016 (Do Sr. Covatti Filho) Altera o art. 23 do Decreto-Lei nº 1.455, de 7 de abril de 1976, para excluir as importações por conta e ordem de terceiros,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.759, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2009.

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.759, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2009. Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 6.759, DE 5 DE FEVEREIRO DE 2009. Regulamenta a administração das atividades aduaneiras, e a fiscalização, o controle e

Leia mais

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR

IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR IMPORTAÇÃO FÁCIL: CÂMBIO PASSO A PASSO SAIBA COMO SER UM IMPORTADOR 1º Passo: Registro da empresa Atualizar o objeto social da empresa incluindo a atividade de importação e os tipos de produtos que serão

Leia mais

RESUMO DE LEGISLAÇÃO ADUANEIRA

RESUMO DE LEGISLAÇÃO ADUANEIRA RESUMO DE LEGISLAÇÃO ADUANEIRA Olá, amigos do Estratégia! Tudo bem? Conforme havia prometido a todos vocês, hoje é o dia do nosso Resumão de Legislação Aduaneira! É claro, o resumo não tem o objetivo de

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes

Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes Faculdade Morumbi Sul Alexandra Lisboa Samanta Rocha Neriane Bianchi Édipo Chaves Leandro Silva Rafael Carvalho Francis Bitaraes DRAWBACK O que é? Objetivos. NORMAS Disciplina as aquisições de matérias-primas,

Leia mais

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO

ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DO REPETRO Ulhôa Canto, Rezende e Guerra Advogados Seminário Jurídico-Fiscal da Quinta Rodada de Licitações C&V Exportação Ficta COMPRADOR US$ US$ Contrato de Arrendamento / Afretamento

Leia mais

Para atender a essa necessidade foi necessário alterar ou criar alguns novos processos. A seguir será detalhada cada uma dessas alterações.

Para atender a essa necessidade foi necessário alterar ou criar alguns novos processos. A seguir será detalhada cada uma dessas alterações. Base ICMS Reduzida no Desconto Zona Franca Produto : Datasul, MFT, Faturamento, 12 Chamado : TQWBOD Data da criação : 09/01/2015 Data da revisão : 09/01/2015 País(es) : Brasil Banco(s) de Dados : Todos

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO T.C.C.

TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO T.C.C. TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO T.C.C. CURSO DE APERFEIÇOAMENTO EM IMPORTAÇÃO, ROTINAS E PROCEDIMENTOS. Curso de Aperfeiçoamento em Importação: Rotinas e Procedimentos 1 Foto ilustrativa, de um navio atracando

Leia mais

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente

RESOLUÇÃO N 1832. Art. 3º. Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Francisco Roberto André Gros Presidente RESOLUÇÃO N 1832 Divulga regulamento que disciplina a constituição e a administração de carteira de valores mobiliários mantida no país por investidores institucionais constituídos no exterior. O BANCO

Leia mais

Roteiro Básico para Exportação

Roteiro Básico para Exportação Roteiro Básico para Exportação As empresas interessadas em efetuar exportações deverão, em primeiro lugar, inscrever-se no RADAR, que corresponde ao Registro de Exportadores e Importadores da Inspetoria

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC 18/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Áreas de Livre

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. SARNEY FILHO) Dispõe sobre a criação de Zona Franca no Município de São Luís, Estado do Maranhão. O Congresso Nacional decreta: Estado do Maranhão. Art. 1º Esta Lei cria

Leia mais

TABELA I. CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 230 deste Regulamento)

TABELA I. CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 230 deste Regulamento) TABELA I CÓDIGOS FISCAIS DE OPERAÇÕES E PRESTAÇÕES (códigos a que se refere o artigo 230 deste Regulamento) B) DAS SAÍDAS DE MERCADORIAS, BENS OU PRESTAÇÕES DE SERVIÇOS Grupo 5.000 Grupo 6.000 Grupo 7.000

Leia mais

50 A 56 - VER TABELA DA NATUREZA DE CREDITO

50 A 56 - VER TABELA DA NATUREZA DE CREDITO TABELA CORRELAÇÃO CFOP x CST-PIS/COFINS x CST -ICMS/IPI OBS: Os Cfops assinalados em vermelho são os geradores de creditos reg (M105 e M505) do SPED CONTRIBUIÇÕES. VALIDOS PRA SPED CONTRIBUIÇOES ATUALIZADO

Leia mais

Relatório. Data 17 de março de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF

Relatório. Data 17 de março de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF 1 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 74 - Cosit Data 17 de março de 2015 Processo Interessado CNPJ/CPF ASSUNTO: IMPOSTO SOBRE A IMPORTAÇÃO - II DRAWBACK VERDE-AMARELO. DRAWBACK INTEGRADO.

Leia mais

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK

REGIME ADUANEIRO ESPECIAL DE DRAWBACK Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior - MDIC Secretaria de Comércio Exterior - SECEX Departamento de Operações de Comércio Exterior DECEX Coordenação-Geral de Exportação e Drawback

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI N o 6.099, DE 12 DE SETEMBRO DE 1974. Dispõe sobre o tratamento tributário das operações de arrendamento mercantil e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, faço saber que o CONGRESSO NACIONAL

Leia mais

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil.

II - Manter suspensas as concessões de novas cartas patentes para o funcionamento de sociedade de arrendamento mercantil. RESOLUCAO 980 ------------- O BANCO CENTRAL DO BRASIL, na forma do art. 9. da Lei n. 4.595, de 31.12.64, torna público que o CONSELHO MONETÁRIO NACIONAL, em sessão realizada nesta data, tendo em vista

Leia mais

Dispõe sobre a aplicação do regime aduaneiro especial de exportação temporária.

Dispõe sobre a aplicação do regime aduaneiro especial de exportação temporária. BRASIL Instrução Normativa SRF nº 319, de 4 de abril de 2003 DOU de 7.4.2003 Dispõe sobre a aplicação do regime aduaneiro especial de exportação temporária. Alterada pela IN SRF nº 522, de 10 de março

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR

TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR TRIBUTOS INCIDENTES SOBRE OPERAÇÕES DO COMÉRCIO EXTERIOR Expositor: AFRFB JUVÊNCIO SOUSA FERREIRA (ALF/FOR/SADAD) SEMINÁRIO: A IMPORTÂNCIA DO CONTROLE ADUANEIRO NA PROTEÇÃO DA SOCIEDADE E NO PROCESSO DE

Leia mais

Brasília - DF, terça-feira, 11 de março de 2014 página 37 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

Brasília - DF, terça-feira, 11 de março de 2014 página 37 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL Brasília - DF, terça-feira, 11 de março de 2014 página 37 MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.456, DE 10 DE MARÇO DE 2014 Altera a Instrução Normativa

Leia mais

DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014

DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 DECRETO Nº 1.180, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2014 Publicado no DOE(Pa) de 23.12.14. Altera dispositivos do Regulamento do Imposto sobre Operações Relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestação de Serviços

Leia mais

Não Incidência das Contribuições Sociais

Não Incidência das Contribuições Sociais Exportação Não Incidência das Contribuições Sociais O PIS/Pasep e a COFINS não incidirão sobre as receitas decorrentes das operações de: Exportação de mercadorias para o exterior; Prestação de serviços

Leia mais

MANUAL - TRIBUTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE. Dispositivos do Regulamento do ICMS RICMS aprovado pelo Decreto 6.284/97

MANUAL - TRIBUTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE TRANSPORTE. Dispositivos do Regulamento do ICMS RICMS aprovado pelo Decreto 6.284/97 PÁGINA: 1 DE 54 MANUAL - Atualização: Até Alteração 87 de 12/04/07 ao RICMS Dispositivos do Regulamento do ICMS RICMS aprovado pelo Decreto 6.284/97 Fato Gerador Art. 1º O Imposto sobre Operações Relativas

Leia mais

Art. 1º Este Decreto regulamenta o art. 11-B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997.

Art. 1º Este Decreto regulamenta o art. 11-B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997. Decreto nº 7.389, de 9 de dezembro de 2010 DOU de 10.12.2010 Regulamenta o incentivo de que trata o art. 11- B da Lei nº 9.440, de 14 de março de 1997, que estabelece incentivos fiscais para o desenvolvimento

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. RESOLUÇÃO Nº 2389 - ANTAQ, DE 13 DE FEVEREIRO DE 2012. APROVA A NORMA QUE ESTABELECE PARÂMETROS REGULATÓRIOS A SE- REM OBSERVADOS NA PRESTAÇÃO DOS SERVIÇOS DE MOVIMENTAÇÃO E ARMAZENAGEM DE CONTÊINERES

Leia mais

AULA 19. Mercado de Câmbio II

AULA 19. Mercado de Câmbio II AULA 19 Mercado de Câmbio II Posição de Câmbio A posição de câmbio é representada pelo saldo das operações de câmbio (compra e venda de moeda estrangeira, de títulos e documentos que as representem e de

Leia mais

CONVÊNIO ICMS N º99/98 Publicado no DOU de 25.09.98. Ratificação Nacional DOU de 15.10.98, pelo Ato COTEPE-ICMS 75/98. Alterado pelos Convs.

CONVÊNIO ICMS N º99/98 Publicado no DOU de 25.09.98. Ratificação Nacional DOU de 15.10.98, pelo Ato COTEPE-ICMS 75/98. Alterado pelos Convs. CONVÊNIO ICMS N º99/98 Publicado no DOU de 25.09.98. Ratificação Nacional DOU de 15.10.98, pelo Ato COTEPE-ICMS 75/98. Alterado pelos Convs. ICMS nºs12/99, 119/11, 19/12, 97/12. Nova redação dada à ementa

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRIBUTOS RECOM Regulamentação Orientador Empresarial DECRETO nº 7.319/2010 DOU: 29.09.2010 Regulamenta a aplicação do Regime Especial de Tributação

Leia mais

Im portação Fo x 1/23

Im portação Fo x 1/23 Importação Fox 1/23 Índice 1.INTRODUÇÃO... 3 1.1. Quais os tributos que incidem sobre a importação de produtos e serviços no Brasil?... 3 2.CLASSIFICAÇÃO DOS TRIBUTOS... 5 2.1. 2.2. 2.3. 2.4. 2.5. 2.6.

Leia mais

Anexo 2.0 Código Fiscal de Operações e Prestações CFOP Art. 317 do RICMS/03

Anexo 2.0 Código Fiscal de Operações e Prestações CFOP Art. 317 do RICMS/03 Anexo 2.0 Código Fiscal de Operações e Prestações CFOP Art. 317 do RICMS/03 Alterações: Decreto nº 19.887 de 19.09.2003 Decreto nº 20.204 de 19.12.2003 Decreto nº 20.912 de 25.11.2004 Decreto nº 20.919

Leia mais

IPVA. Art. 155 - Compete aos Estados e ao

IPVA. Art. 155 - Compete aos Estados e ao Art. 155 - Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre: III - propriedade de veículos automotores; Art. 155 - Compete aos Estados e ao Distrito Federal instituir impostos sobre:

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES. Disciplinas Data Duração ASSINATURA USUAL DO CANDIDATO: I N S T R U Ç Õ E S

CADERNO DE QUESTÕES. Disciplinas Data Duração ASSINATURA USUAL DO CANDIDATO: I N S T R U Ç Õ E S MINISTÉRIO DA FAZENDA Escola de Administração Fazendária Esaf Programa de Formação para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil AFRFB 2009/2010 Edital Esaf nº 85, de 18 de setembro de 2009. CADERNO

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES. Disciplinas Data Duração ASSINATURA USUAL DO CANDIDATO: I N S T R U Ç Õ E S

CADERNO DE QUESTÕES. Disciplinas Data Duração ASSINATURA USUAL DO CANDIDATO: I N S T R U Ç Õ E S MINISTÉRIO DA FAZENDA Escola de Administração Fazendária Esaf Programa de Formação para Auditor-Fiscal da Receita Federal do Brasil AFRFB 2009/2010 Edital Esaf nº 85, de 18 de setembro de 2009. CADERNO

Leia mais

DECRETO Nº 5.567 DECRETA

DECRETO Nº 5.567 DECRETA DECRETO Nº 5.567 O GOVERNADOR DO ESTADO DO PARANÁ, no uso das atribuições que lhe confere o art. 87, inciso V, da Constituição Estadual, e considerando o disposto no Convênio ICMS 130/2007, DECRETA Art.

Leia mais