AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS: ESTUDO DO IMPACTE DO CUIDADO NO CUIDADOR INFORMAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS: ESTUDO DO IMPACTE DO CUIDADO NO CUIDADOR INFORMAL"

Transcrição

1 AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS: ESTUDO DO IMPACTE DO CUIDADO NO CUIDADOR INFORMAL MARIA ISABEL GOMES DE SOUSA LAGE Dissertação de doutoramento em Ciências de Enfermagem 2007

2

3 MARIA ISABEL GOMES DE SOUSA LAGE AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS: ESTUDO DO IMPACTE DO CUIDADO NO CUIDADOR INFORMAL Dissertação de Candidatura ao grau de Doutor em Ciências de Enfermagem, submetida ao Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidade do Porto Orientador Doutora Constança Paúl Professora Catedrática Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar da Universidade do Porto Co-orientador Doutor Abel Paiva Professor Coordenador Escola Superior de Enfermagem do Porto

4

5 AGRADECIMENTOS À Professora Doutora Constança Paúl, agradeço a sua orientação, as sugestões, as ideias, os conselhos e a sua infinita disponibilidade, tolerância e compreensão. Agradeço-lhe também por ter confiado que eu seria capaz. Ao Professor Doutor Abel Paiva, que co-orientou este trabalho, agradeço as sugestões pertinentes, o seu saber e compreensão. Às instituições que colaboraram, agradeço o terem facilitado e mediado os contactos. Aos idosos e cuidadores, agradeço a sua vontade em participar e o terem compreendido o contributo do estudo para um melhor conhecimento dos cuidados familiares aos idosos. Aos não cuidadores, agradeço por amavelmente aceitaram colaborar no estudo. Aos Enfermeiros, agradeço a sua disponibilidade em ajudar-me, apesar do trabalho. À Engenheira Teresa Martins, expresso a minha gratidão pela preciosa ajuda no tratamento estatístico dos dados. Ao Doutor Ernesto, agradeço a revisão do texto. À Sr.ª D. Edite, agradeço a ajuda na pesquisa bibliográfica. À Manuela Almendra, estou-lhe imensamente grata pela presença, pela força, pela disponibilidade e pela amizade. Sem palavras À minha mãe, por me amar e aceitar incondicionalmente Aos meus: Jorge, Catarina e Tiago, porto seguro das minhas angústias, alegrias e tristezas... Eles sabem bem porquê

6

7 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - RESUMO O impacte que os cuidados prestados a idosos dependentes podem ter no sistema familiar tem sido habitualmente reconhecido como uma experiência física e emocionalmente desgastante, que pode afectar o bem-estar psicossocial, a saúde física e a qualidade de vida dos cuidadores. Este estudo apoia-se na teoria do stress, avaliação e coping, tendo em vista compreender a relação entre o stress dos cuidadores e os efeitos no seu bemestar psicológico, saúde física, saúde comparada e qualidade de vida. A investigação foi realizada com base em dois estudos. Com a realização do Estudo 1, pretendeu-se avaliar o impacte psicológico do cuidado. Estudaramse 214 cuidadores principais de idosos não dementes e com dependência funcional. O impacte psicológico foi operacionalizado através de escalas de avaliação dos estados de humor e de avaliação do cuidado informal. Com a realização do Estudo 2 compararam-se diferenças de percepção de Humor, Saúde, Saúde Comparada e Qualidade de Vida, entre duas amostras independentes, cuidadores (n=214) e não cuidadores (n=111). Os dados quantitativos foram tratados através de estatísticas descritivas, procedimentos de correlação e regressão. Os dados da avaliação subjectiva da experiência de cuidar foram tratados, do ponto de vista qualitativo, através de análise de conteúdo. A amostra dos 214 idosos estudados incluiu 136 mulheres e 78 homens, com idades compreendidas entre 65 e 99 anos. O perfil clínico dos idosos correspondia a idosos cujo diagnóstico prevalecente em ambos os sexos era o acidente vascular cerebral (AVC), o que confirma as estatísticas que o identificam como o acidente neurológico mais frequente em Portugal e a principal causa de morbilidade. Em termos de funcionalidade, 45,6% das mulheres e 41% dos homens eram totalmente dependentes nas actividades básicas, enquanto 69,9% das mulheres e 61,6% dos homens eram totalmente dependentes nas actividades instrumentais. Dados de investigação neste domínio apontam as mulheres como sendo mais dependentes funcionais do que os homens. IV

8 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - Os resultados revelaram que os cuidadores tinham um perfil social e demográfico comparável ao referido no âmbito de outros estudos. Entre as principais conclusões destaca-se o facto de a dependência funcional dos idosos não ter emergido consistentemente como um factor determinante do impacte negativo do cuidado e, também, o papel preponderante dos recursos pessoais do cuidador na percepção positiva da experiência de cuidar. Outros factores foram determinantes na avaliação subjectiva da experiência de cuidar: a organização das exigências e a estrutura da relação de cuidar, as concessões pessoais e sociais e as crenças e os valores dos cuidadores. Os resultados mostraram ainda que os cuidadores (n=214) pontuavam mais alto nos distúrbios de humor e mais baixo na percepção da saúde, saúde comparada e qualidade de vida, do que os não cuidadores (n=111). Esta diferença de percepções permite concluir que os cuidadores apresentavam níveis de morbilidade consideravelmente aumentados quando comparados com os não cuidadores, o que pode querer significar que constituem pessoas de risco no que se reporta ao seu bem-estar psicológico, à sua saúde e qualidade de vida. As diferentes experiências relativas ao processo de cuidar oferecem uma melhor compreensão dos determinantes psicossociais do bem-estar subjectivo, da saúde e qualidade de vida dos cuidadores e um leque de possibilidades de intervenção. Este conhecimento é fundamental para ajudar no controlo das emoções negativas e na identificação dos preditores dos ganhos. Uma melhor compreensão da percepção das famílias acerca dos cuidados ajudará também a identificar necessidades, estimular estratégias e a activar e gerar recursos capazes de optimizar a vida quotidiana dos cuidadores que, por escolha ou obrigação, se vêm confrontados com a situação de cuidar um idoso dependente. V

9 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - ABSTRACT The impact that taking care of dependent elderly people can have on the family system has been seen as a physically and emotional draining experience, that can affect the psychosocial well-being, physical health and quality of life of the caregivers. This study is based on the stress, appraisal and coping theory with the intention of studying the relation between caregivers stress and the effects on their psychological well-being, mood, physical health, compared health and quality of life. This research was based on two studies. Study 1 intended the assessment of the psychological impact of caregiving. A total of 214 primary caregivers of non demented and functional dependent elderly people were assessed. The psychological impact was operated using assessing scales of humour and evaluation of informal caregiving. Study 2 intended to compare differences in the perception of Mood, Health, and Quality of Life between two independent samples, of caregivers (n=214) and non caregivers (n=111). The quantitative data was analysed with descriptive statistics, procedures of correlation and regression. The data on the subjective assessment of the caregiving experience was analysed qualitatively by content analysis. The sample of 214 elderly people included 136 women and 78 men, with ages between 65 and 99 years old. The clinical profile in both male and female participants corresponded to a prevalent diagnosis of cerebral vascular accident (CVA), which confirms the statistics of it being the most frequent neurological accident and main cause of death in Portugal. In terms of functionality, 45.6% of women and 41% of men were totally dependent in basic activities while 69.9% of women and 61.6% of men were totally dependent in instrumental activities. Results revealed that the caregivers had a social and demographic profile comparable to that which is referred in other studies. Among the most important conclusions we emphasize the fact that the functional dependency of the elderly did not emerge consistently as a determinant factor of the negative VI

10 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - impact of caregiving and, also, the role of the personal resources of the caregiver on the positive perception of the caregiving experience. Other factors were determinant in the subjective evaluation of the caregiving experience: organization of demands and structure of caregiving relationship, personal and social concessions and caregivers beliefs and values. Results also showed that the caregivers (n = 214) scored higher in mood disorders, and lower on health perception, compared health and quality of life when compared to non caregivers (n = 111). This difference in perceptions leads to the conclusion that caregivers present considerably higher morbidity levels than non caregivers putting them at risk when it comes to psychological well-being, health and quality of life. The different experiences concerning the process of caregiving allows a better understanding of psychosocial determinants of caregivers subjective wellbeing, health, and quality of life and a range of possible interventions. This knowledge is fundamental to help control negative emotions and to identify gain predictors. A better understanding of families perceptions will help identify needs, promote strategies, and, activate and create resources able to improve the daily lives of caregivers who by choice or obligation are faced with taking care of an elderly dependent person. VII

11 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - RÉSUMÉ L impact que les soins aux personnes âgées dépendants peuvent avoir sur le système familial est habituellement reconnu comme étant une expérience physique et émotionnelle contraignante, capable d affecter le bien-être psychosocial, la santé physique et la qualité de vie du personnel soignant. Cette étude s appuie sur la théorie du stress, évaluation et coping et vise à la compréhension de la relation entre le stress des aidants familiaux ou informels et les effets sur leur bien-être psychologique, leur humeur, leur santé physique, leur santé comparée et leur qualité de vie. La recherche fut réalisée à partir de deux études. L étude 1 prétendait évaluer l impact psychologique des soins, sur une population de 214 aidants de personnes âgées non séniles présentant une dépendance fonctionnelle. L impact psychologique a été opérationnalisé par l intermédiaire d échelles d évaluation d états d humeur et de évaluation des soins informels. Avec l étude 2, furent comparées les différences de perception de l Humeur, de la Santé, de la Qualité de Vie, entre deux échantillons indépendants constitués par aidants, (n =214) et non aidants (n= 111). Les données quantitatives furent traitées au moyen d outils issus de la statistique descriptive et de processus de corrélation et régression. Les donnés issues de l évaluation subjective de l expérience de soin furent traitées en termes qualitatifs par l intermédiaire de l analyse de contenu. L échantillon des 214 personnes âgées était constitué de 136 femmes et 78 hommes, présentant un âge compris entre 65 et 99 ans. Leur profil clinique correspondait en majorité à un diagnostique d accident vasculaire cérébral (AVC), ce qui confirme les statistiques qui identifient l AVC comme l accident neurologique le plus fréquent au Portugal et la principale cause de morbidité. En ce qui concerne la fonctionnalité, 45,6% des femmes et 41% des hommes présentaient une dépendance totale pour les activités basiques, tandis que 69,9% des femmes et 61,6% des hommes présentaient une dépendance totale pour les activités instrumentales. Les résultats montrent que les aidants possèdent un profil social et démographique comparable à celui mentionné dans autres études. Parmi les VIII

12 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - conclusions les plus importantes se démarque le fait que la dépendance fonctionnelle des personnes âgées ne soit pas apparue de manière consistante comme un facteur déterminant de l impact négatif du soin et, aussi, le rôle prépondérant des ressources personnelles des aidants sur la perception positive de l expérience de soigner. La organisation des demandes et la structure de la relation du soin, les concessions dans la vie personnelle et social, les croyances et les valeurs des aidants révélèrent être des facteurs déterminants de l évaluation subjective sur l expérience de soigner. Les résultats montrent encore que les aidants (n=214) obtinrent des scores plus élevés en ce qui concerne les troubles de l humeur et moins élevés en ce qui concerne la perception de la santé, la santé comparée et la qualité de vie que les non soignants (n=111). Cette différence de perception entre soignants et non soignants permet de conclure que les soignants présentent des niveaux de morbidité considérablement supérieurs, ce qui peut signifier qu ils constituent des sujets à risque dans le domaine du bien-être psychologique, de la santé et de la qualité de vie. Les différentes expériences relatives au processus de soins offrent une meilleure compréhension des déterminantes psychosociale du bien-être subjectif, de la santé et de la qualité de vie du personnel soignant, ainsi qu un éventail de possibilités d intervention. Cette connaissance est fondamentale pour aider le contrôle des émotions négatives et les prévisions des gains. Une meilleure compréhension de la perception des soins par les familles aidera à identifier des besoins, à stimuler la conception de stratégies, à activer et générer des ressources capables d optimiser la vie quotidienne des soignants, qui par choix ou par obligation sont confrontés à soigner des personnes âgées dépendantes. IX

13 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - ÍNDICE GERAL CAPÍTULO I INTRODUÇÃO REFERÊNCIAS 32 CAPÍTULO II ENVELHECIMENTO E FUNCIONALIDADE ENVELHECIMENTO Envelhecimento bem sucedido FUNCIONALIDADE: BASES CONCEPTUAIS E METODOLÓGICAS Autonomia Consequências funcionais da doença Avaliação funcional e actividades da vida diária Escalas de avaliação funcional: considerações gerais CONCLUSÃO REFERÊNCIAS 56 CAPÍTULO III FAMÍLIA, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DA FAMÍLIA Conceito, estrutura, gerações e papéis Funções Função de manutenção da saúde e interacção entre saúde, doença e família TRAJECTÓRIA DO CUIDADO FAMILIAR Doença crónica e cuidados familiares A família como centro de atenção e de cuidados: perspectiva sistémica SAÚDE Conceptualização e perspectivas Saúde: um conceito metaparadigmático da Enfermagem QUALIDADE DE VIDA Conceptualização e perspectivas 91 X

14 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS Qualidade de vida e saúde Instrumentos de avaliação da qualidade de vida CONCLUSÃO REFERÊNCIAS 102 CAPÍTULO IV STRESS E CUIDADO INFORMAL TEORIA GERAL DO STRESS MODELO DE STRESS FAMILIAR MODELO DE PEARLIN MODELO DE LAWTON AS CONSEQUÊNCIAS DO STRESS NO ÂMBITO FAMILIAR Sobrecarga do papel de cuidador: significado e evolução histórica do conceito Sobrecarga: diferenças de percepção entre cuidadores e não cuidadores ADQUIRIR O PAPEL DE CUIDADOR Cuidadores primários Cuidadores secundários O IMPACTE DO CUIDADO RELATIVAMENTE A DIFERENTES VARIÁVEIS DO CUIDADOR Género Idade Estado civil Nível educacional Estatuto laboral Etnia O IMPACTE DO CUIDADO RELATIVAMENTE A DIFERENTES VARIÁVEIS CONTEXTUAIS Relação de parentesco Coabitação Tempo de cuidado 161 XI

15 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS Tipo e quantidade de cuidados Relação interpessoal cuidador-idoso OUTRAS VARIÁVEIS RELEVANTES NO ESTUDO DO IMPACTE DO CUIDADO Abuso Crenças, valores, religião e espiritualidade O IMPACTE DO CUIDADO RELATIVAMENTE AOS RECURSOS PSICOSSOCIAIS Recurso pessoal: mestria ou auto-eficácia Recursos comunitários Cuidados domiciliários Internamentos de alívio Suporte social: conceptualização e perspectivas Uso dos recursos comunitários RELAÇÃO ENTRE O APOIO INFORMAL E O SISTEMA FORMAL DE CUIDADOS Modelos de Protecção Social: considerações gerais Famílias e sistemas de protecção social: substituição ou complementaridade? CONCLUSÃO REFERÊNCIAS 194 CAPÍTULO V ESTUDO DO IMPACTE DO CUIDADO NOS CUIDADORES PRINCIPAIS DE IDOSOS INTRODUÇÃO OBJECTIVOS E MODELO DE ANÁLISE VARIÁVEIS QUESTÕES ORIENTADORAS DO ESTUDO HIPÓTESES PRÉ-TESTE Considerações éticas 220 XII

16 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS Procedimentos AMOSTRA DO ESTUDO E PROCEDIMENTOS INSTRUMENTOS Questionário Geral Questionário de dados demográficos, sociais e clínicos do idoso Instrumentos de avaliação da funcionalidade do idoso Índice de Katz Escala de Lawton e Brody ou do Philadephia Geriartic Center Características psicómétricas do Índice de Katz (1963) e da Escala de Lawton e Brody (1969) na amostra em estudo Avaliação da funcionalidade do idoso Escala de Avaliação do Cuidado Informal Perfil dos Estados de Humor (POMS) Indicadores de Autoavaliação da Saúde Indicador de Autoavaliação da Qualidade de Vida PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS Análise descritiva Caracterização sócio-demográfica e clínica dos idosos Caracterização da funcionalidade dos idosos Caracterização sócio-demográfica dos cuidadores Caracterização do contexto do cuidado Indicadores de Autoavaliação da Saúde, Autoavaliação da Saúde Comparada e Autoavaliação da Qualidade Vida Caracterização das sub-escalas da Escala de Avaliação do Cuidado Informal Caracterização das sub-escalas do Perfil dos Estados de Humor (POMS) Caracterização dos indicadores de Autoavaliação da Saúde, Autoavaliação da Saúde Comparada e Autoavaliação da Qualidade Vida XIII

17 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS Análise correlacional: variáveis associadas ao impacte do cuidado Variáveis sócio-demográficas, clínicas e funcionalidade dos idosos Variáveis sócio-demográficas dos cuidadores Variáveis contextuais Regressão linear Análise de regressão das variáveis preditoras dos indicadores Autoavaliação da Saúde, Autoavaliação da Saúde Comparada e Autoavaliação da Qualidade de Vida Análise de regressão das variáveis preditoras das sub-escalas da Escala de Avaliação do Cuidado Informal Análise de regressão das variáveis preditoras das subescalas do Perfil dos Estados de Humor (POMS) RESUMO DAS CONCLUSÕES REFERÊNCIAS 305 CAPÍTULO VI HUMOR, SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA: DIFERENÇAS DE PERCEPÇÃO ENTRE CUIDADORES E NÃO CUIDADORES INTRODUÇÃO OBJECTIVOS VARIÁVEIS E PROCEDIMENTOS DE EMPARELHAMENTO HIPÓTESE AMOSTRA E PROCEDIMENTOS INSTRUMENTOS Questionário de Dados sócio-demográficos dos não cuidadores Indicadores de Autoavaliação da Saúde Indicador de Autoavaliação da Qualidade de Vida Perfil dos Estados de Humor (POMS) PROCEDIMENTOS ESTATÍSTICOS APRESENTAÇÃO E ANÁLISE DOS DADOS 319 XIV

18 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS Análise descritiva Caracterização sócio-demográfica dos não cuidadores Indicadores de Autoavaliação da Saúde, Autovaliação da Saúde Comparada e Autoavaliação da Qualidade Vida dos não Cuidadores Caracterização das sub-escalas do Perfil dos Estados de Humor (POMS) Caracterização dos Indicadores de Autoavaliação da Saúde, Autoavaliação da Saúde Comparada e Autoavaliação da Qualidade de Vida Equivalência sócio-demográfica entre cuidadores e não cuidadores Humor, Saúde, Saúde Comparada e Qualidade de Vida: diferenças de percepção entre cuidadores e não cuidadores RESUMO DAS CONCLUSÕES REFERÊNCIAS 330 CAPÍTULO VII DIMENSÃO QUALITATIVA DO ESTUDO ANÁLISE DE CONTEÚDO PROCEDIMENTOS ORGANIZAÇÃO DA ANÁLISE Pré-análise Objectivos e quadro teórico de referência Constituição do Corpus CODIFICAÇÃO Recorte: escolha das unidades de significação Classificação e agregação: construção das categorias APRESENTAÇÃO DOS DADOS Temas e categorias finais a partir das narrativas CARACTERIZAÇÃO DAS CATEGORIAS RESUMO DAS CONCLUSÕES 349 XV

19 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS REFERÊNCIAS 350 CAPÍTULO VIII DISCUSSÃO DOS RESULTADOS LIMITAÇÕES DO ESTUDO DISCUSSÃO DOS RESULTADOS DO ESTUDO Análise descritiva Perfil sócio-demográfico, clínico e funcionalidade dos idosos Perfil sócio-demográfico dos cuidadores e variáveis do contexto do cuidado Indicadores de Saúde e Qualidade de Vida Análise correlacional Perfil sócio-demográfico, clínico e funcionalidade dos idosos Variáveis sócio-demográficas dos cuidadores e do contexto do cuidado MODELOS PREDITIVOS ESTUDO COMPARATIVO ENTRE CUIDADORES E NÃO CUIDADORES Análise descritiva Perfil sócio-demográfico dos cuidadores e não cuidadores Indicadores de Saúde e Qualidade de Vida Humor, saúde e qualidade de vida: diferenças de percepção entre cuidadores e não cuidadores DIMENSÃO QUALITATIVA DO ESTUDO TRIANGULAÇÃO DOS DADOS REFERÊNCIAS 399 CAPÍTULO IX CONCLUSÕES, SUGESTÕES E IMPLICAÇÕES PARA A ENFERMAGEM CONCLUSÕES SUGESTÕES 415 XVI

20 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS IMPLICAÇÕES PARA A EDUCAÇÃO, A INVESTIGAÇÃO E A PRÁTICA DA ENFERMAGEM REFERÊNCIAS 423 ANEXOS XVII

21 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - ÍNDICE DE QUADROS Quadro 1 Variáveis sócio-demográficas e clínicas dos idosos 238 Quadro 2 Estudo dos itens do Índice de Katz 243 Quadro 3 Estudo dos itens da Escala de Lawton e Brody 246 Quadro 4 Variáveis sócio-demográficas dos cuidadores 247 Quadro 5 Variáveis do contexto do cuidado 250 Quadro 6 Quadro 7 Quadro 8 Quadro 9 Autoavaliação da Saúde, Autoavaliação da Saúde Comparada e Autoavaliação da Qualidade de Vida Média, desvio padrão, mínimo e máximo para as sub-escalas da Escala de Avaliação do Cuidado Informal Média, desvio padrão, mínimo e máximo para as sub-escalas do Perfil dos Estados de Humor Média, desvio padrão, mínimo e máximo para os indicadores Autoavaliação da Saúde, Autoavaliação da Saúde Comparada e Autoavaliação da Qualidade de Vida Quadro 10 Média, desvio padrão e valor do teste t para duas amostras independentes segundo a dependência funcional física dos idosos Quadro 11 Média, desvio padrão e valor do teste U para a variável sexo do cuidador Quadro 12 Correlação entre a variável idade do cuidador e as sub-escalas do POMS, Autoavaliação da Saúde, Autoavaliação da Saúde Comparada e Autoavaliação da Qualidade de Vida Quadro 13 Média, desvio padrão e valor do teste F para a variável escolaridade do cuidador Quadro 14 Resultados da aplicação do teste de Bonferroni para a análise da tendência Quadro 15 Média, desvio padrão e valor do teste Kruskal-Wallis para a variável estado civil do cuidador Quadro 16 Media, desvio padrão e valor do teste t para a variável situação laboral do cuidador XVIII

22 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - Quadro 17 Média, desvio padrão e valor do teste t para a variável rendimento familiar do cuidador Quadro 18 Média, desvio padrão e valor do teste F para a variável grau de parentesco entre idoso e cuidador Quadro 19 Resultados da aplicação do teste de Bonferroni para a análise da tendência Quadro 20 Média, desvio padrão e valor do teste Kruskal-Wallis para a variável grau de parentesco entre idoso e cuidador Quadro 21 Média, desvio padrão e valor do teste t para a variável coabitação Quadro 22 Média, desvio padrão e valor do teste t para a variável horas de cuidado diário Quadro 23 Media, desvio padrão e valor do teste t para a variável ter cuidador secundário Quadro 24 Média, desvio padrão e valor do teste U para a variável sentido de competência do cuidador Quadro 25 Análise de regressão das variáveis que predizem a Autoavaliação da Saúde e a Autoavaliação da Saúde Comparada Quadro 26 Análise de regressão das variáveis que predizem a Autoavaliação da Qualidade de Vida Quadro 27 Análise de regressão das variáveis que predizem as sub-escalas Sobrecarga Subjectiva e Satisfação do Cuidador Quadro 28 Análise de regressão das variáveis que predizem a sub-escala Impacte do Cuidado Quadro 29 Análise de regressão das variáveis que predizem as sub-escalas Tensão-Ansiedade e Depressão-Rejeição Quadro 30 Análise de regressão das variáveis que predizem as sub-escalas Cólera-Hostilidade e Vigor-Actividade Quadro 31 Análise de regressão das variáveis que predizem as sub-escalas Fadiga-Inércia e Confusão-Desorientação Quadro 32 Variáveis sócio-demográficas dos não cuidadores. Índices de tendência central, dispersão e frequência XIX

23 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - Quadro 33 Autoavaliação da Saúde, Autoavaliação da Saúde Comparada e Autoavaliação da Qualidade de Vida Quadro 34 Média, desvio padrão, mínimo e máximo para as sub-escalas do Perfil dos Estados de Humor Quadro 35 Média, desvio padrão, mínimo e máximo para os indicadores Autoavaliação da Saúde, Autoavaliação da Saúde Comparada e Autoavaliação da Qualidade de Vida Quadro 36 Comparação entre cuidadores e não cuidadores relativamente às variáveis: idade, escolaridade, estado civil, rendimento mensal, situação laboral e área de residência Quadro 37 Resultados do teste t para amostras independentes (POMS, Autoavaliação da Saúde, Saúde Comparada e Qualidade de Vida) entre cuidadores e não cuidadores XX

24 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - ÍNDICE DE FIGURAS Figura 1 Figura 2 Figura 3 Figura 4 Desenho metodológico do estudo do impacte do cuidado nos cuidadores principais de idosos Esquema dos resultados dos modelos preditivos para a Avaliação do Cuidado Informal Desenho metodológico do estudo das diferenças de percepção de humor, saúde e qualidade de vida entre cuidadores e não cuidadores Esquema da proposta de um modelo explicativo para a intervenção dos enfermeiros XXI

25 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - ÍNDICE DE GRÁFICOS Gráfico 1 Gráfico de barras por categorias de idade e sexo dos idosos 239 Gráfico 2 Distribuição dos idosos segundo o sexo e diagnóstico 240 Gráfico 3 Gráfico 4 Distribuição dos idosos pelas categorias de dependência funcional física Distribuição dos idosos pelas categorias de dependência funcional instrumental Gráfico 5 Gráfico de barras por categorias de idade e sexo dos cuidadores 248 Gráfico 6 Gráfico 7 Diagramas de caixa de bigodes das sub-escalas da Escala de Avaliação do Cuidado Informal Diagramas de caixa de bigodes das sub-escalas do Perfil dos Estados de Humor (cuidadores) Gráfico 8 Diagramas de caixa de bigodes dos indicadores da Autoavaliação da Saúde, da Autoavaliação da Saúde Comparada e da Autoavaliação da Qualidade de vida (cuidadores) 261 Gráfico 9 Médias da sub-escala Vigor-Actividade nos grupos relativos à variável grau de parentesco 276 Gráfico 10 Gráfico de barras para as categorias de idades para os não cuidadores 321 Gráfico 11 Diagramas de caixa de bigodes das sub-escalas do Perfil dos Estados de Humor (não cuidadores) 324 Gráfico 12 Diagramas de caixa de bigodes dos indicadores da Autoavaliação da Saúde, da Autoavaliação da Saúde Comparada e da Autoavaliação da Qualidade de vida (não cuidadores) 326 XXII

26 - AVALIAÇÃO DOS CUIDADOS INFORMAIS AOS IDOSOS - SIGLAS E ABREVIATURAS AAVD ABBD AIVD ANOVA AVC BI CSI ICF ICNP MRLM NHB NIC OMS POMS SPSS Actividades Avançadas da Vida Diária Actividade Básicas da Vida Diária Actividades Instrumentais da Vida Diária Análise da Variância Acidente Vascular Cerebral Burden Interview Caregiver Strain Index International Classification of Functioning, Disability and Health Classificação Internacional para a prática da Enfermagem Modelo de Regressão Linear Múltipla Necessidades Humanas Básicas Classificação das Intervenções de Enfermagem Organização Mundial de Saúde Perfil dos Estados de Humor (Profile of Mood States) Statistical Package for the Social Sciences XXIII

27 - INTRODUÇÃO - CAPÍTULO I - INTRODUÇÃO O envelhecimento das populações, também denominado de transição demográfica, é um fenómeno social actual com consequências sociais e económicas e com repercussões na saúde e bem-estar individual das pessoas. O envelhecimento demográfico, definido pelo aumento das pessoas idosas na população total, em detrimento da população jovem, e/ou da população em idade activa, tem vido a aumentar em Portugal. A proporção da população idosa, que representava 8,0% do total da população em 1960, mais que duplicou, passando para 16,4% em A realidade portuguesa dá conta que, entre 1960 e 2001 o fenómeno do envelhecimento demográfico se traduziu por um decréscimo de cerca de 36% da população jovem (0-14 anos) e um incremento de 140% da população idosa (65 e mais anos). Em 2001, foram recenseados indivíduos idosos o que corresponde a 16,4% da população geral, destes 59% são mulheres. A percentagem de famílias com, pelo menos, um idoso é de 32,5% e, dentro destas, 50,5% são idosos a viverem sós e 48,1% correspondem a casais de idosos (INE, 2002). Haverá poucas realidades tão universais como o envelhecimento (Fonseca, 2004). Ser idoso é uma condição plural dos indivíduos que têm o privilégio de experimentar vidas longas. A condição de ser idoso compreende-se na sequência das histórias de vida e corresponde a padrões diversificados de comportamentos e contextos. As várias formas de envelhecer incluem idosos bem sucedidos e activos, mas também idosos incapazes, com autonomia limitada pela doença e pelo contexto onde vivem (Paúl, Fonseca, Martín e Amado, 2005, p. 75). Segundo Fontaine (2000), a velhice bem sucedida está associada à reduzida probabilidade de doenças, especialmente aquelas que levam à perda de CAPÍTULO I

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR ANO LECTIVO: 2013/2014 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR MESTRADO/LICENCIATURA 1.Unidade Curricular Nome: PSICOLOGIA DO ENVELHECIMENTO Área Científica: Psicologia Curso: Mestrado em Gerontologia Social Semestre:

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand)

Pensamento. Não se envelhece, enquanto buscamos. (Jean Rostand) Pensamento Não se envelhece, enquanto buscamos." (Jean Rostand) AGRADECIMENTOS Os meus primeiros agradecimentos, vão para a minha mãe por estar sempre presente e acreditar em mim, para o meu pai, pelas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

A singularidade do apoio aos idosos: cuidadores formais e informais, que articulação? Maria Laurência Gemito

A singularidade do apoio aos idosos: cuidadores formais e informais, que articulação? Maria Laurência Gemito 1 A singularidade do apoio aos idosos: cuidadores formais e informais, que articulação? Maria Laurência Gemito 2 Com início no século passado, foi efetivamente nos últimos anos que se tornou mais visível

Leia mais

Paula Encarnação*, Clara Costa Oliveira**, Teresa Martins***

Paula Encarnação*, Clara Costa Oliveira**, Teresa Martins*** Paula Encarnação*, Clara Costa Oliveira**, Teresa Martins*** *Universidade do Minho, Escola de Enfermagem, Braga, Portugal, Instituto de Ciências Biomédicas de Abel Salazar (ICBAS), Porto, Portugal **Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE MEDICINA DE LISBOA III MESTRADO EM BIOÉTICA PROGRAMAS DE CUIDADOS CONTINUADOS: A DIGNIDADE HUMANA NA PRESTAÇÃO DE CUIDADOS DE ENFERMAGEM Maria João Santos Rodrigues

Leia mais

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE

GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE GINÁSTICA FUNCIONAL: IMPACTOS NA AUTOESTIMA E AUTOIMAGEM DE IDOSOS DA UNIVERSIDADE ABERTA À MATURIDADE RESUMO Esterfania Silva Lucena; Manoel Freire de Oliveira Neto Universidade Estadual da Paraíba, Email:

Leia mais

Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*)

Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*) NOTAS DE INVESTIGAÇÃO Satisfação dos cuidadores de doentes de Alzheimer em relação à qualidade dos cuidados de saúde hospitalares (*) ANA MARGARIDA CAVALEIRO (**) JOSÉ A. CARVALHO TEIXEIRA (***) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS

29/5/2012 DIPOSICIONAL SITUACIONAL OTIMISMO DISPOSICIONAL INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS INTRODUÇÃO REVISÃO DE LITERATURA MÉTODOS FONTE DE DADOS PROJETO INSTRUMENTOS RESULTADOS CARACTERÍSTICAS DA AMOSTRA DIFERENÇAS NAS PONTUAÇÕES DE OTIMISMO CORRELATOS DE OTIMISMO PREDITORES DE QVRS DISCUSSÃO

Leia mais

A Institucionalização da Pessoa Idosa

A Institucionalização da Pessoa Idosa UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Ciências Sociais e Humanas A Institucionalização da Pessoa Idosa Ana Paula Leite Pereira de Carvalho Dissertação para obtenção do Grau de Mestre em Empreendedorismo e Serviço

Leia mais

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA

MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Universidade de Lisboa Faculdade de Medicina de Lisboa MAUS TRATOS NA POPULAÇÃO IDOSA INSTITUCIONALIZADA Catarina Isabel Fonseca Paulos Mestrado em Medicina Legal e Ciências Forenses 2005 Esta dissertação

Leia mais

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS...

ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... ÍNDICE GERAL ÍNDICE DE FIGURAS... ÍNDICE DE QUADROS... SIGLÁRIO. XI XIV XVII 1. INTRODUÇÃO 1 1.1. Problemática de Investigação... 4 1.1.1. Problema.. 6 1.1.2. Natureza do Estudo... 9 1.1.3. Variáveis 10

Leia mais

Projecto de Intervenção Comunitária Curso de Preparação para Prestadores de Cuidados Informais

Projecto de Intervenção Comunitária Curso de Preparação para Prestadores de Cuidados Informais Projecto de Intervenção Comunitária Curso de Preparação para Prestadores de Cuidados Informais Encontro Boas Praticas em Cuidados Saúde Primários Coimbra, 13/11/2014 PROMOÇÃO DA SAÚDE Essência dos Cuidados

Leia mais

Psicologia, Saúde e Doenças Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde spps@clix.pt ISSN (Versión impresa): 1645-0086 PORTUGAL

Psicologia, Saúde e Doenças Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde spps@clix.pt ISSN (Versión impresa): 1645-0086 PORTUGAL Psicologia, Saúde e Doenças Sociedade Portuguesa de Psicologia da Saúde spps@clix.pt ISSN (Versión impresa): 1645-0086 PORTUGAL 2000 I. Martín / C. Paul / J. Roncon ESTUDO DE ADAPTAÇÃO E VALIDAÇÃO DA ESCALA

Leia mais

Gripe e os Estudantes da área da Saúde Estudo de crenças e comportamentos face à doença

Gripe e os Estudantes da área da Saúde Estudo de crenças e comportamentos face à doença Gripe e os Estudantes da área da Saúde Estudo de crenças e comportamentos face à doença Autores André Coelho Ana Margarida Costa João Dias Pedro Teresa Guimarães Escola Superior de Tecnologia da Saúde

Leia mais

International Family Nursing Association (IFNA) DECLARAÇÃO DE POSIÇÃO SOBRE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GENERALISTA NA PRÁTICA DE CUIDADOS À FAMÍLIA

International Family Nursing Association (IFNA) DECLARAÇÃO DE POSIÇÃO SOBRE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GENERALISTA NA PRÁTICA DE CUIDADOS À FAMÍLIA International Family Nursing Association (IFNA) DECLARAÇÃO DE POSIÇÃO SOBRE COMPETÊNCIAS DO ENFERMEIRO GENERALISTA NA PRÁTICA DE CUIDADOS À FAMÍLIA 3 de Setembro de 2014 Aprovada pelo Conselho Diretivo

Leia mais

Restrições intrapessoais para o lazer em turismo

Restrições intrapessoais para o lazer em turismo Renato das Chagas Benevenuto Restrições intrapessoais para o lazer em turismo por idosos no Rio de Janeiro Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Administração

Leia mais

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças

5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças 5º Congresso Internacional dos Hospitais Serviço Nacional de Saúde. (Re)Conhecer as Mudanças Refletir sobre as resposta de saúde e a inclusão da família Relembrar os objetivos das famílias Questionar as

Leia mais

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas

Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Programa de Prevenção de Maus-Tratos em Pessoas Idosas Catarina Paulos Jornadas Litorais de Gerontologia: Intervenção Técnica no Processo de Envelhecimento Amarante, 26 de Setembro de 2007 Conteúdos Conceito

Leia mais

CONCLUSÕES. Conclusões 413

CONCLUSÕES. Conclusões 413 CONCLUSÕES Conclusões 413 Conclusões 414 Conclusões 415 CONCLUSÕES I - Objectivos do trabalho e resultados obtidos O trabalho realizado teve como objecto de estudo a marca corporativa e a investigação

Leia mais

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA ENVELHECIMENTO, SUBJETIVIDADE E SAÚDE: EXPERIÊNCIAS DE INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA POR MEIO DA EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Hilma Khoury Psicóloga, Doutora em Psicologia, Professora na Universidade Federal do Pará

Leia mais

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre

Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Tensão Arterial e Obesidade na comunidade assídua do mercado municipal de Portalegre Blood Pressure and Obesity in the adult population who goes to the municipal market in Portalegre Andreia Costa António

Leia mais

O ENSINO SUPERIOR (2007) RESUMO

O ENSINO SUPERIOR (2007) RESUMO O ENSINO SUPERIOR (2007) Ana Moreira Psicóloga Clínica Email: ana_marco@hotmail.com RESUMO A ideia de que o Ensino Superior não é uma entidade puramente educativa, mas que se compõe de múltiplas tarefas

Leia mais

1995-2006 Professor Associado da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa.

1995-2006 Professor Associado da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa. GRAUS ACADÉMICOS AGREGAÇÃO em Psicologia (2006). Universidade de Lisboa DOUTORAMENTO em Psicologia área de Psicologia Clínica (1989). Université Catholique de Louvain Licenciatura em Psicologia (1977).

Leia mais

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação

3.2 Descrição e aplicação do instrumento de avaliação Após uma revisão literária dos vários autores que se debruçaram sobre a temática do nosso estudo, passamos a apresentar os procedimentos metodológicos adoptados no presente estudo. Neste capítulo apresentamos

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015 Programa da Unidade Curricular PSICOLOGIA DA SAÚDE E CLÍNICA Ano Lectivo 2014/2015 1. Unidade Orgânica Ciências Humanas e Sociais (1º Ciclo) 2. Curso Psicologia 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho

O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho O engenheiro na equipa de saúde ocupacional: a visão da medicina do trabalho Carlos Silva Santos Programa Nacional de Saúde Ocupacional DSAO/DGS 2014 Segurança, Higiene e Saúde do trabalho Organização

Leia mais

Universidade da Beira Interior Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação

Universidade da Beira Interior Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação Universidade da Beira Interior Faculdade de Ciências Sociais e Humanas Departamento de Psicologia e Educação DISSERTAÇÃO DE MESTRADO APRESENTADA À UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR COMO REQUISITO PARA A OBTENÇÃO

Leia mais

Acidentes de moto nos adolescentes e algumas configurações psíquicas (*)

Acidentes de moto nos adolescentes e algumas configurações psíquicas (*) Análise Psicológica (1998), 4 (XVI): 647-653 Acidentes de moto nos adolescentes e algumas configurações psíquicas (*) MANUEL MATOS (**) Em 1991 investigámos sobre acidentes de motorizada em adolescentes

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM

REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM REGULAMENTO DAS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DO ENFERMEIRO ESPECIALISTA EM ENFERMAGEM DE SAÚDE DA CRIANÇA E DO JOVEM APROVADO POR MAIORIA EM ASSEMBLEIA GERAL EXTRAORDINÁRIA DE 20 DE NOVEMBRO DE 2010 Proposta

Leia mais

Enfermeira. Unidade Local Saúde Nordeste. 3

Enfermeira. Unidade Local Saúde Nordeste. 3 X CONGRESO HISPANO-LUSO DE PSICOGERONTOLOGÍA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO RESIDENTE EM MEIO RURAL Eugénia Maria Garcia Jorge Anes 1 Maria de Fátima Pereira Geraldes 2 Adília Maria Pires da Silva

Leia mais

Validação da escala de Lawton e Brody numa amostra de idosos não institucionalizados

Validação da escala de Lawton e Brody numa amostra de idosos não institucionalizados Referência Araújo, F., Pais Ribeiro, J., Oliveira. A., Pinto, C., & Martins, T. (2008). Validação da escala de Lawton e Brody numa amostra de idosos não institucionalizados. In: I.Leal, J.Pais-Ribeiro,

Leia mais

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016

MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário. Componente de Formação Científica. Ano lectivo 2015-2016 Planificação Anual da Disciplina de Psicologia MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2015-2016 MÓDULO

Leia mais

Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho

Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho Autor - Marta Maria Gonçalves Rosa Co-Autor Maria Celeste Godinho Coimbra, Setembro de 2011 Solicitação para colaboração na preparação da Unidade Curricular Intervenção em Cuidados Continuados II - 4º

Leia mais

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011

UNIVERSIDADE LUSÍADA DE LISBOA. Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011 Programa da Unidade Curricular Contextos de Desenvolvimento Humano Ano Lectivo 2010/2011 1. Unidade Orgânica Serviço Social (1º Ciclo) 2. Curso Serviço Social 3. Ciclo de Estudos 1º 4. Unidade Curricular

Leia mais

128 educação, ciência e tecnologia

128 educação, ciência e tecnologia 128 A RELEVÂNCIA DO APOIO SOCIAL NA VELHICE ROSA MARIA LOPES MARTINS * 1. INTRODUÇÃO O debate gerado em torno do envelhecimento e das respostas sociais de apoio aos cidadãos idosos, têm adquirido nos últimos

Leia mais

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção

43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção 43. Inovar a supervisão em Enfermagem: um projecto de investigação-intervenção Ana Macedo 1*, Rafaela Rosário 1, Flávia Vieira 2, Maria Silva 1, Fátima Braga 1, Cláudia Augusto 1, Cristins Araújo Martins

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho

25/03/2009. Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho 25/03/2009 Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho Violência Dirigida aos Enfermeiros no Local de Trabalho: O Caso de um Hospital Sandrina Nunes Violência no Sector da Saúde Ilustração

Leia mais

CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES

CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES CUIDAR DE CUIDADORES: PROGRAMA DE TREINAMENTO PARA CUIDADORES DE IDOSOS DEPENDENTES Iuanda Silva Santos, Faculdades Integradas de Patos, yuanda_@hotmail.com; Rúbia Karine Diniz Dutra, Faculdades Integradas

Leia mais

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário

Planificação Anual da Disciplina de Psicologia. MÓDULOS 1, 2, 3 e 4. 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Planificação Anual da Disciplina de MÓDULOS 1, 2, 3 e 4 10º Ano de escolaridade (10º D) Curso Profissional de Nível Secundário Componente de Formação Científica Ano lectivo 2013-2014 1 MÓDULO 1 - DESCOBRINDO

Leia mais

PARECER Nº 02 / 2010

PARECER Nº 02 / 2010 PARECER Nº 02 / 2010 ASSUNTO: Adequação técnico-científica da admissão das pessoas com demência nas unidades de dia e promoção da autonomia da RNCCI (art.º 21 do Dec. Lei. 101/2006 de 6 de Junho) 1. A

Leia mais

Margarida Vieira. Ser Enfermeiro. Da Compaixão à Proficiência. 2. a edição

Margarida Vieira. Ser Enfermeiro. Da Compaixão à Proficiência. 2. a edição Margarida Vieira Ser Enfermeiro Da Compaixão à Proficiência 2. a edição UNIVERSIDADE CATÓLICA EDITORA LISBOA 2008 Índice Introdução 7 Capítulo um Um presente com passado 11 1.1 Influência cristã na enfermagem

Leia mais

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA PROJECTO DE MELHORIA CONTÍNUA SABER CUIDAR UM DIREITO CANTANHEDE, Janeiro de 2011 HOSPITAL DO ARCEBISPO JOÃO CRISÓSTOMO UNIDADE DE CONVALESCENÇA

Leia mais

Depressão, ansiedade e stress em sujeitos inférteis

Depressão, ansiedade e stress em sujeitos inférteis Actas do 6 Congresso Nacional de Psicologia da Saúde Organizado por Isabel Leal, José Pais Ribeiro, e Saul Neves de Jesus 2006, Faro: Universidade do Algarve Depressão, ansiedade e stress em sujeitos inférteis

Leia mais

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE

CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE CENTRO DE OSTEOPATIA MAÇÃS PLACE Quem somos A nossa equipa apresenta um atendimento personalizado ao nível da Osteopatia através de uma abordagem multidisciplinar de qualidade, avaliação, diagnóstico e

Leia mais

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004

Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Caracterização dos doentes toxicodependentes observados pela equipa de Psiquiatria de Ligação - análise comparativa dos anos de 1997 e 2004 Joana Alexandre *, Alice Luís ** Resumo Analisaram-se as características

Leia mais

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS

NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS NECESSIDADES DE CUIDADOS DE PACIENTES PSIQUIÁTRICOS HOSPITALIZADOS Resumo Estudo descritivo com abordagem quantitativa objetivou investigar as necessidades de cuidados de enfermagem de pacientes com transtornos

Leia mais

Duplo Diagnóstico na Deficiência Intelectual

Duplo Diagnóstico na Deficiência Intelectual Duplo Diagnóstico na Deficiência Intelectual a experiência de uma consulta de Psiquiatria Sofia Brissos Psiquiatra Encontro de Trabalho sobre Saúde Mental na Deficiência Intelectual, Fundação Calouste

Leia mais

Autores Zelia Ferreira 1

Autores Zelia Ferreira 1 Ferreira, Z. (2011) Perceived Health Status of Institutionalized Elderly. Journal of Aging & Inovation, 1 (1): 23-29 ARTIGO ORIGINAL / ORIGINAL ARTICLE DEZEMBRO, 2011 PERCEPÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE DA PESSOA

Leia mais

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito

9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010. Imagem Corporal no Envelhecimento. Maria João Sousa e Brito 9º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Imagem Corporal no Envelhecimento Maria João Sousa e Brito Envelhecimento Envelhecer não é difícil difícil é ser-se velho Goethe O prolongamento da vida coloca novos cenários,

Leia mais

Adaptação e validação da Escala de Sobrecarga do Cuidador de Zarit

Adaptação e validação da Escala de Sobrecarga do Cuidador de Zarit ARTIGO DE INVESTIGAÇÃO Adaptação e validação da Escala de Sobrecarga do Cuidador de Zarit Adaptation and validation of Zarit Burden Interview Scale Carlos Alberto da Cruz Sequeira* Resumo O estudo da sobrecarga

Leia mais

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii

Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Dedico este trabalho às minhas filhas à minha esposa pelo apoio em todos os projetos. iii Agradecimentos Um trabalho destes só é possível com a colaboração, participação e esforço conjugado de um elevado

Leia mais

Dra. Daniela Figueiredo

Dra. Daniela Figueiredo família horizontal, em que as gerações se sucediam, Dra. Daniela Figueiredo Licenciada em Ciências da Educação pela Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade de Coimbra. Doutorada

Leia mais

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações

A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações PSICOLOGIA APLICADA A psicologia tem uma dimensão prática que se integra em vários contextos e instituições sociais: escolas, hospitais, empresas, tribunais, associações Os níveis de intervenção vão desde

Leia mais

Renegociando as relações de género no cenário da vida familiar e profissional

Renegociando as relações de género no cenário da vida familiar e profissional Congresso Luso-Afro-Brasileiro Família, Género e Identidades Braga 4 7 Fevereiro 2009 Renegociando as relações de género no cenário da vida familiar e profissional Anália Torres Rui Brites Bernardo Coelho

Leia mais

ENVELHECIMENTO NO BRASIL: REPERCUSSÕES E DESAFIOS

ENVELHECIMENTO NO BRASIL: REPERCUSSÕES E DESAFIOS ENVELHECIMENTO NO BRASIL: REPERCUSSÕES E DESAFIOS MESQUITA, Francyelle de Cássia Nayane da Rocha¹; ALARCON, Bruna Santana¹; GONDIM, Bruno Ferreira¹; CARDOSO, Bruno Freitas¹; NETO, Gilberto Inácio Cardoso¹;

Leia mais

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte

ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte ROSNorte Rede de Observatórios de Saúde do Norte À PROCURA DE UM INSTRUMENTO PARA A AVALIAÇÃO DO IMPACTO DOS SERVIÇOS DE SAÚDE NA SAÚDE Grupo de Trabalho da Avaliação do Impacto dos Serviços de Saúde na

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades

EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Ana Teresa Dias Valente Marline Morais Conceição Vieira de Carvalho Ana Teresa Dias Valente Morais EMPREENDEDORISMO JOVEM EM CABO VERDE: necessidades e oportunidades Dissertação de Mestrado em Intervenção

Leia mais

O cuidado integral para a saúde do idoso. Renato P. Veras

O cuidado integral para a saúde do idoso. Renato P. Veras O cuidado integral para a saúde do idoso Renato P. Veras Médico, formado pela UFRJ. Renato P. Veras veras@uerj.br www.unati.uerj.br Residência Médica, Especialização, MBA, e Mestrado Doutorado, no Guy

Leia mais

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos

TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos TREINO COGNITIVO E ENVELHECIMENTO: na busca da autonomia dos idosos Samara Pereira Cabral - UFPB samarapcj@hotmail.com Monica Dias Palitot - UFPB monicadiaspt@yahoo.com.br Joseane da Silva Meireles - UFPB

Leia mais

PARECER CE N.º 256 / 2010

PARECER CE N.º 256 / 2010 PARECER CE N.º 256 / 2010 ASSUNTO: Formação de Supervisores Clínicos em Prática Tutelada em Enfermagem O CE ADOPTA NA ÍNTEGRA O PARECER Nº 79 / 2010 / COMISSÃO DE FORMAÇÃO 1. Enquadramento O Modelo de

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR ANO LECTIVO: 2013/14 FICHA DE UNIDADE CURRICULAR MESTRADO/LICENCIATURA 1.Unidade Curricular Nome: METODOS E TÉCNICAS DE INVESTIGAÇÃO SOCIAL Código: 172 Área Científica: SOCIOLOGIA Curso: MESTRADO EM GERONTOLOGIA

Leia mais

Psicologia Judiciária

Psicologia Judiciária Psicologia Judiciária Psicologia e Direito Diferenças epistemológicas na conceptualização do comportamento humano Rute Pires 10 de Janeiro de 2013 Comportamento Humano Psicologia Concepção descritiva do

Leia mais

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde.

Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Mafalda Ferreira, Margarida Gaspar de Matos, Celeste Simões & Equipa Aventura Social Estudo epidemiológico realizado de 4 em 4 anos, em colaboração com a Organização Mundial de Saúde. Objectivo: Conhecer

Leia mais

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE CIÊNCIAS DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO APRENDER CIDADANIA COM A DISCIPINA DE HISTÓRIA: 3 PERCURSOS NO CONCELHO DE ODEMIRA Rita Santos Agudo do Amaral Rêgo MESTRADO EM EDUCAÇÃO

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS

A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS A POLIMEDICAÇÃO EM UTENTES INSTITUCIONALIZADOS 1Maria Isabel Ribeiro; 2 Carlos Ferreira; 2 Duarte Loio & 2 Luís Salsas 1Professora do Instituto Politécnico de Bragança, Investigadora do CETRAD e colaboradora

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE

QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE QUALITY OF LIFE AND SUBJECTIVE WELL-BEING IN THE THIRD AGE 624 QUALIDADE DE VIDA E BEM-ESTAR SUBJETIVO NA TERCEIRA IDADE RACHEL SHIMBA CARNEIRO é Doutora em Psicologia Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ. E-mail: rachelshimba@yahoo.com.br

Leia mais

Mestrado em Tradução. Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES. Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR DOUTOR PIERRE LEJEUNE

Mestrado em Tradução. Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES. Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR DOUTOR PIERRE LEJEUNE Mestrado em Tradução Tradução da primeira parte de Droit de la Famille de Dominique Fenouillet Relatório do Projecto de Tradução ANA CRISTINA LOPES SOARES Trabalho de projecto orientado pelo PROFESSOR

Leia mais

CUIDAR DE IDOSOS COM DEPENDÊNCIA EM CONTEXTO DOMICILIÁRIO: NECESSIDADES FORMATIVAS DOS FAMILIARES CUIDADORES

CUIDAR DE IDOSOS COM DEPENDÊNCIA EM CONTEXTO DOMICILIÁRIO: NECESSIDADES FORMATIVAS DOS FAMILIARES CUIDADORES ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Curso de Mestrado em Enfermagem Comunitária CUIDAR DE IDOSOS COM DEPENDÊNCIA EM CONTEXTO DOMICILIÁRIO: NECESSIDADES FORMATIVAS DOS FAMILIARES CUIDADORES DISSERTAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VERSUS. Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades de Academia

UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO VERSUS. Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades de Academia UNIVERSIDADE DE TRÁS-OS-MONTES E ALTO DOURO QUALIDADE DE SERVIÇO E AUTO-PERCEPÇÃO FÍSICA VERSUS RETENÇÃO E FIDELIZAÇÃO DE CLIENTES Dissertação de Mestrado em Ciências do Desporto - Especialização em Actividades

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL

CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL RELATO DE EXPERIÊNCIA CONTRIBUIÇÕES DA FISIOTERAPIA PARA A PROMOÇÃO DE SAÚDE DO CUIDADOR INFORMAL Contributions of physiotherapy for the promotion of health of the informal caregiver Lidiane Cristina Custódio

Leia mais

Pereira, Fernando a, Nunes, Berta b, Pereira, Conceição c, Azevedo, Ana d, Raimundo, Diogo e, Vieira, Armanda f

Pereira, Fernando a, Nunes, Berta b, Pereira, Conceição c, Azevedo, Ana d, Raimundo, Diogo e, Vieira, Armanda f ESTUDO DE AVALIAÇÃO MULTIDIMENSIONAL DOS IDOSOS A VIVER SOZINHOS NO CONCELHO DE ALFÂNDEGA DA FÉ 1 Autores: Pereira, Fernando a, Nunes, Berta b, Pereira, Conceição c, Azevedo, Ana d, Raimundo, Diogo e,

Leia mais

Burnout em profissionais de atendimento à vítima: uma abordagem qualitativa

Burnout em profissionais de atendimento à vítima: uma abordagem qualitativa Burnout em profissionais de atendimento à vítima: uma abordagem qualitativa Maria José Magalhães, Ana Castro Forte & Cristina Queirós Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação da Universidade do

Leia mais

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA

O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA O IDOSO EM CONTEXTO INSTITUCIONAL DE CURTA E LONGA PERMANÊNCIA Aline Arruda da Fonseca Maria do Socorro Lemos de Oliveira Maria Isabel Alves Batista Oliveira Samara Melo Silva Thiago dos Santos Aguiar

Leia mais

O envelhecimento ativoe as pessoas com deficiências ou incapacidade

O envelhecimento ativoe as pessoas com deficiências ou incapacidade O envelhecimento ativoe as pessoas com deficiências ou incapacidade ANO EUROPEU DO ENVELHECIMENTO ACTIVO E DA SOLIDARIEDADE ENTRE AS GERAÇÕES SAÚDE, PARTICIPAÇÃO, SEGURANÇA AUTONOMIA, INDEPENDÊNCIA ESTILOS

Leia mais

Intervenção em adultos num centro de cuidados de saúde mental projeto de educação clínica

Intervenção em adultos num centro de cuidados de saúde mental projeto de educação clínica Intervenção em adultos num centro de cuidados de saúde mental projeto de educação clínica "Intervention in adults on a mental health care center A clinical education project" Health Interventions in the

Leia mais

Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes.

Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes. Título: - Diagnóstico e análise da rede social: o caso da prestação de cuidados continuados a crianças com diabetes. Palavras-chave : Análise Redes Sociais, Criança com Diabetes, Cuidados Continuados,

Leia mais

I - EXERCISE IS MEDICINETM

I - EXERCISE IS MEDICINETM I EXERCISE IS MEDICINETM Objectivo Generalização da inclusão do aconselhamento para a actividade física no âmbito do plano terapêutico para a prevenção e o tratamento de doenças, e referenciação quando

Leia mais

Satisfação dos profissionais das Equipas de Cuidados Continuados Integrados (ECCI) Isaura Serra Maria Laurência Gemito

Satisfação dos profissionais das Equipas de Cuidados Continuados Integrados (ECCI) Isaura Serra Maria Laurência Gemito 1 Satisfação dos profissionais das Equipas de Cuidados Continuados Integrados (ECCI) Isaura Serra Maria Laurência Gemito -01-2013 Referencial teórico 2 O efeito cumulativo da diminuição da mortalidade

Leia mais

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos

OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL. Resultados Quantitativos OS CUIDADOS PALIATIVOS EM PORTUGAL Resultados Quantitativos Outubro 2008 1 METODOLOGIA FICHA TÉCNICA Total da Amostra: 606 Entrevistas telefónicas, realizadas por CATI (computer assisted telephone interview).

Leia mais

C O M P E T Ê N C I A S A D E S E N V O L V E R :

C O M P E T Ê N C I A S A D E S E N V O L V E R : AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOÃO DA SILVA CORREIA ANO LETIVO 2015-2016 CURSO PROFISSIONAL DE NÍVEL SECUNDÁRIO TÉCNICO AUXILIAR DE SAÚDE DISCIPLINA: HIGIENE, SEGURANÇA E CUIDADOS GERAIS 11º ANO TURMA F DOCENTE:

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO

CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL. LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO CLIMA E CULTURA ORGANIZACIONAL NO AMBIENTE EMPRESARIAL LIMA, Sílvia Aparecida Pereira 1 RESUMO A presente pesquisa aborda os conceitos de cultura e clima organizacional com o objetivo de destacar a relevância

Leia mais

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS

Estereoscopia Digital no Ensino da Química AGRADECIMENTOS AGRADECIMENTOS O findar desta dissertação é o momento indicado para agradecer ao Professor Doutor João Carlos de Matos Paiva pela sua grande ajuda, pela disponibilidade sempre manifestada, pelo seu empenho

Leia mais

Ao meu pai Pela infinidade de palavras que ficaram por dizer. Pelos versos que recitavas, feliz e que ficaram por escrever.

Ao meu pai Pela infinidade de palavras que ficaram por dizer. Pelos versos que recitavas, feliz e que ficaram por escrever. Ao meu pai Pela infinidade de palavras que ficaram por dizer Pelos versos que recitavas, feliz e que ficaram por escrever. V À hora de deitar: - Oh mãe porque é que chegaste tão tarde? Quando acabares

Leia mais

PATRÍCIA XAVIER (*) ISABEL LEAL (*)

PATRÍCIA XAVIER (*) ISABEL LEAL (*) Actas do 6 Ü Congresso Nacional de Psicologia da Saúde Organizado por Isabel Leal, José Pais Ribeiro, e Saul Neves de Jesus 200o, Faro: Universidade do Algarve Um olhar sobre o envelhecimento; Bem-estar

Leia mais

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR

FICHA DE UNIDADE CURRICULAR UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA ESCOLA NACIONAL DE SAÚDE PÚBLICA FICHA DE UNIDADE CURRICULAR 1. Designação Em português Saúde e Segurança do Trabalho em Unidades de Saúde Em inglês Occupational Health and

Leia mais

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM

REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM REGULAMENTO DA INDIVIDUALIZAÇÃO DAS ESPECIALIDADES CLÍNICAS DE ENFERMAGEM Proposta apresentada pelo Conselho Directivo Lisboa, 5 de Maio de 2010 Aprovado em Assembleia Geral de 29 de Maio de 2010 REGULAMENTO

Leia mais

Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo

Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo Construindo pontes para uma adaptação bem sucedida ao ensino superior: implicações práticas de um estudo Graça Seco - gseco@esel.ipleiria.pt Isabel Dias - mdias@esel.ipleiria.pt Isabel Pereira - ipereira@esel.ipleiria.pt

Leia mais

vivem cada vez mais tempo,

vivem cada vez mais tempo, Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde Têm uma esperança de vida que é das maiores do mundo, mas desfrutam de muito menos anos saudáveis do que as mulheres dos países mais bem classificados

Leia mais

"A ansiedade competitiva"

A ansiedade competitiva "A ansiedade competitiva" Dr. Rolando Andrade, Psicólogo da Seleção Nacional/Liberty Seguros "A mais injusta das condições da guerra está no facto de que as proezas são atribuídas a todos e as derrotas

Leia mais

Estudo psicométrico do PMA(*)

Estudo psicométrico do PMA(*) Análise Psicológica (1989), 123 (Vil): 209213 Estudo psicométrico do PMA(*) RUI BÁRTOLO RIBEIRO (* *) CARLOS ALVES MARQUES (**), O estudo das aptidões mentais primárias foi inicialmente desenvolvido por

Leia mais

Interacções número 5. pp. 179-188. do Autor 2003 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS. Maria Manuela Pereira

Interacções número 5. pp. 179-188. do Autor 2003 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS. Maria Manuela Pereira Escola Superior de Altos Estudos 179 CONSUMO DE ÁLCOOL NA ADOLESCÊNCIA E RELAÇÕES PARENTAIS Maria Manuela Pereira Dissertação de Mestrado em Sociopsicologia da Saúde - Consumo de Álcool na Adolescência

Leia mais

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS OTRABALHO NOTURNO E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ESTUDO EXPLORATÓRIO EM TAUBATÉ E SÃO JOSÉ DOS CAMPOS Tatiane Paula de Oliveira 1, Adriana Leonidas de Oliveira (orientadora) 2 1 Universidade de Taubaté/ Departamento

Leia mais

Estatística. 5 (tempo total de trabalho: 28h *5 = 140 horas) 70 = 15 Teóricas (T) + 45 Teórico-práticas (TP) + 10 Orientação tutorial (OT) Luís Faísca

Estatística. 5 (tempo total de trabalho: 28h *5 = 140 horas) 70 = 15 Teóricas (T) + 45 Teórico-práticas (TP) + 10 Orientação tutorial (OT) Luís Faísca 1 Estatística II 1. Resumo descritivo 1.1. Elementos básicos Curso Unidade Curricular Área Científica Ano / Semestre ECTS Horas de Contacto Professor responsável Docentes 1.2. Síntese descritiva Psicologia

Leia mais

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade.

Dos 1004 alunos que frequentavam as aulas de Educação Física, um em cada cinco, tinham excesso de peso ou obesidade. Conclusões e Sugestões (1/5) As principais conclusões a que pudemos chegar de acordo com os objectivos a que nos propusemos, nomeadamente o de conhecer o índice da massa corporal dos alunos da escola onde

Leia mais